2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico."

Transcrição

1 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo e discuir a respeio dos canais de ransmissão pelos quais uma inegração financeira mais elevada pode beneficiar o crescimeno. Também discuiremos em dealhes os mecanismos pelos quais o aprofundameno financeiro pode faciliar o crescimeno e como iso consiui faor fundamenal na relação enre inegração financeira e crescimeno. 2.. Os deerminanes do crescimeno econômico Por crescimeno econômico de longo prazo, devemos enender como a elevação permanene e susenada da renda real per capia ao longo de muios anos. Seguindo a abordagem de Barro e Lee (99) e Easerly, Loayza e Moniel (997), e em linha com a eoria do crescimeno endógeno, relacionaremos a axa de crescimeno econômico de um país com suas variáveis econômicas, políicas e sociais. Mais adiane, quando fizermos a análise empírica, apresenaremos as especificações economéricas para esimação da regressão de crescimeno. Basicamene, podemos agrupar os fundamenos do crescimeno em rês grandes classes: políicas esruurais e insiuições, políicas de esabilização e condições exernas. Denre as variáveis na primeira classe, uilizamos uma variável de educação e capial humano em geral, que, segundo Lucas (988) funciona como uma força que pode conrabalançar os efeios dos reornos marginais decrescenes de ouros insumos, além de er papel fundamenal como faor de produção complemenar ao capial físico e recursos naurais, o que eleva a axa de inovação ecnológica e, porano, a produividade. Uma segunda variável relevane é o grau de aberura ao comércio inernacional de um país. Países com maior aberura ao

2 7 comércio inernacional auferem melhor os benefícios da especialização e das vanagens comparaivas elevando a produividade oal dos faores 8. Além disso, permie aos países expandir mercados poenciais a seus produos, permiindo às firmas adoarem economias de escala que elevam sua produividade. Oura variável imporane é o consumo do governo. Quano maior a paricipação esaal no produo, maior o gaso com financiameno de uma burocracia improduiva e políicas públicas ineficienes, gerando ambém má alocação e desperdício de recursos (Corden, 990; Fischer, 993; Enger e Skinner, 996). Desse modo, espera-se que em países cujo governo em elevados gasos de consumo, menor será o crescimeno da produividade. Por fim, o grau de aprofundameno do sisema financeiro consiui faor fundamenal ao crescimeno econômico, uma vez que um sisema financeiro amplo, bem organizado e em bom funcionameno ajuda a promover o crescimeno aravés de diversos canais 9, como por exemplo: canalização mais eficiene de poupança para invesimeno aravés de uma idenificação mais precisa de projeos de invesimenos lucraivos; redução do problema de assimeria de informação; maior diversificação de risco. Na seção 2.3 discuiremos com mais dealhes o papel do aprofundameno financeiro. Na classe de políicas de esabilização, incluímos uma variável para o grau de insabilidade de preços como proxy para qualidade de políica de esabilização macroeconômica, no senido de que países com menor esabilidade inflacionária disorcem preços relaivos gerando má alocação de recursos na economia e, porano, crescem menos. Para condições exernas, incluímos a axa de crescimeno dos ermos de roca do país, definido como a variação percenual de um índice de preço de exporações dividido por um índice de preço de imporações. Choques nos ermos de roca capuram um efeio renda imporane que reflee um aumeno de demanda pelas exporações do país ou enão uma redução no cuso de insumos e bens imporados 0. Finalmene, é preciso mencionar a possibilidade de ocorrência do fenômeno de convergência condicional de renda per capia enre países. A axa de crescimeno da produividade em deerminado período de empo pode depender 8 Ver Lederman (996). 9 Ver Levine (997). 0 Ver Baileau (996).

3 8 do nível inicial da renda per capia do país naquele período de referência, ou seja, é possível que países com renda per capia mais elevada cresçam a axas menores do que aqueles com renda per capia inicial menor. A lieraura não apresena resulados uniformes a respeio desse fenômeno embora os rabalhos empíricos em geral opem por esar o efeio da convergência de renda enre países ainda que como uma forma de conrolar pelo ciclo econômico. A seguir discuiremos sobre os possíveis benefícios gerados por maior aberura a fluxos de capiais exernos no senido de conribuírem para acelerar a axa de crescimeno de longo prazo das economias Benefícios da inegração financeira A lieraura empírica que raa a respeio dos benefícios da aberura financeira sobre o desempenho econômico dos países não chega a uma relação de causalidade robusa e significane. Os resulados apresenados em diversos rabalhos são inconclusivos a respeio dos possíveis efeios causais que maior inegração financeira pode exercer sobre o crescimeno econômico. Exisem, no enano, evidências que corroboram a presença de um efeio assimérico nesa relação enre diferenes países, no senido de que um nível mínimo de capacidade absorciva é necessário para que os efeios benéficos de maiores fluxos de capiais possam se maerializar de fao. Prasad, Rogoff, Wei e Kose (2003) apresenam evidências empíricas e uma revisão de uma série de rabalhos que raam da relação enre inegração financeira e crescimeno econômico para economias em desenvolvimeno. De acordo com os auores: Thus, an objecive reading of he vas research effor o dae suggess ha here is no srong, robus and uniform suppor for he heoreical argumen ha financial globalizaion per se delivers a higher rae of economic growh. A idéia de capacidade absorciva de um país refere-se à capacidade de converer fluxos de capiais exernos para invesimenos produivos que alavancam o crescimeno. Países com boa qualidade das insiuições, mercados financeiros e de capiais desenvolvidos, boas práicas de governança e respeio a conraos êm maior nível de capacidade absorciva.

4 9 Apesar de as evidências empíricas serem pouco conclusivas a respeio dos benefícios da inegração financeira, os auores argumenam que boas políicas de governança, insiuições e aprofundameno financeiro ornam o país mais apo a se beneficiar de maior aberura financeira. Rodrik (998) faz um esudo para examinar a correlação enre uma medida ampla de liberalização da cona de capial e crescimeno econômico para uma amosra de 00 países em desenvolvimeno no período O auor enconra uma associação negaiva enre ambas, o que pode ser inerpreado como evidência conra a premissa de que maior liberdade de capiais é benéfica ao crescimeno 2. Também nessa mesma linha, Edison, Levine, Ricci e Slok (2002) uilizando medidas De jure e De faco para o grau de inegração financeira inernacional em uma amosra de 57 países e rabalhando com écnicas em painel, não enconram impaco causal da aberura financeira para o crescimeno econômico. Mesmo quando os auores ineragem o ermo de inegração financeira com variáveis como qualidade insiucional, aprofundameno financeiro, políicas macroeconômicas e nível educacional para capar alguma assimeria de efeio, não enconram nenhuma relação de causalidade 3. Há, enreano alguns esudos que aponam uma relação posiiva e causal enre aberura financeira e crescimeno econômico, pelo menos condicional às esruuras insiucionais e econômico-financeira dos países. Bailliu (2000) faz uma análise sobre os possíveis efeios de longo prazo que os fluxos de capiais privados podem exercer no crescimeno econômico. Uilizando dados em painel para uma amosra de 40 países no período de , o auor conclui que fluxos de capiais geram impacos posiivos no crescimeno econômico para aqueles países que aingiram um grau mínimo de desenvolvimeno do seor bancário, uma vez que ese é fundamenal como forma de alocar mais eficienemene os recursos disponíveis. Na mesma direção, Prasad, Rajan e Subramanian (2007) evidenciam que, condicional a uma esruura financeira 2 Rodrik não conrola, porém, pelos fundamenos que deerminam o crescimeno de longo prazo. Dessa forma, é muio possível que choques que afeam a axa de crescimeno do produo esejam correlacionados com a medida de liberdade de capiais, viesando o coeficiene. 3 Diferenemene do esudo de Rodrik, os auores uilizam variáveis de renda per capia inicial, nível de escolaridade inicial, inflação e resulado das conas do governo como conroles na regressão de crescimeno. No enano, algumas variáveis fundamenais de conrole, ais como aberura comercial e desenvolvimeno financeiro não foram incluídas na regressão, o que exige cauela na inerpreação dos resulados das esimações.

5 20 pouco desenvolvida, países em desenvolvimeno não canalizaram de maneira eficaz e eficiene fluxos de capiais para invesimenos produivos 4. De acordo com os auores, países com esruuras financeiras pouco desenvolvidas direcionam capiais exernos para invesimenos com reornos menores, mas colaeralizáveis, ao invés de buscarem reornos maiores, porém mais arriscados em invesimenos produivos. O baixo grau de aprofundameno financeiro faria enão com que capiais exernos fossem direcionados a esses invesimenos colaeralizáveis, ais como em Real Esae, pressionando a demanda por bens e serviços non-radables exercendo pressão de fore apreciação da axa real de câmbio. Esse segundo efeio poderia gerar impacos negaivos no crescimeno, conrabalançando os poenciais efeios benéficos dos capiais esrangeiros. Anes de parirmos para uma análise empírica mais dealhada acerca dos benefícios de maior inegração financeira e liberdade de capiais, discuiremos de forma mais específica os possíveis canais eóricos de ransmissão aponados pela lieraura para que se possa idenificá-los mais precisamene em uma análise esaísica. As seções 2.2. a descrevem os mecanismos de ransmissão mais comuns descrios na lieraura: o canal da formação de capial, diversificação global de risco, spillovers de ecnologia e ouros dois canais indireos Absorção de poupança exerna A aberura aos fluxos de capiais inernacionais pode beneficiar países em desenvolvimeno uma vez que permiem relaxar as resrições ao invesimeno e, porano, à formação de capial. Em auarquia, uma axa de juros livre de risco elevada reflee um reorno elevado do capial já que em economias emergenes a razão capial-rabalho é baixa uma vez que o capial é relaivamene mais escasso do que em economias desenvolvidas. Dessa forma, uma aberura aos capiais exernos pode permiir uma redução da axa livre de risco em economias emergenes e acelerar o invesimeno, elevando a axa de crescimeno. Países desenvolvidos que podem financiar al invesimeno ambém se beneficiam já que 4 Uilizando uma amosra de 8 países para o período de , os auores enconram que países não indusriais que dependeram menos de financiamenos exernos cresceram a axas mais elevadas, em média.

6 2 conseguem ober uma axa de reorno mais elevada do que a axa domésica. A figura ilusra o argumeno no caso da economia emergene. Figura - Poupança e Invesimeno Taxa de juros ( r ) S rd r I Ifechada Iabera I, S No gráfico acima, rd e r represenam, respecivamene, as axas reais de juros domésica e exerna. rd é a axa que vigora em auarquia na economia domésica. Ifechada e Iabera são as axas de invesimeno na economia domésica em auarquia e com mobilidade de capiais, respecivamene. Quando ocorre aberura aos capiais exernos, passa a vigorar a axa de juros exerna, e a economia domésica se confrona com uma axa menor de financiameno, elevando sua axa de invesimeno Diversificação de risco e redução no cuso de capial Um ramo significaivo da lieraura apona para os benefícios de maior aberura financeira em ermos de diversificação inernacional de porfolio. Um aumeno nas oporunidades para invesidores domésicos adquirirem aivos exernos e invesidores esrangeiros adquirirem aivos domésicos permie melhor

7 22 diversificação de risco de careiras, o que inceniva firmas a ampliarem seus projeos de invesimeno que promovem o crescimeno. Além disso, à medida que os fluxos de capiais se ampliam, o mercado acionário se orna mais líquido, o que reduz o prêmio de risco corporaivo e gera diminuição no cuso de capial 5. Obsfeld (994) desenvolve um modelo dinâmico em empo conínuo em que a diversificação inernacional de risco permie ganhos de bem esar aravés de um efeio posiivo na axa de crescimeno esperada do consumo. O mecanismo que coneca diversificação de porfolio a crescimeno é uma realocação de capial a parir de aivos com baixo risco, mas reorno baixo, para aivos mais arriscados com axas de reorno mais elevadas. Por derás desse mecanismo esá o fao de que o crescimeno depende da exisência de projeos de invesimeno mais renáveis, porém arriscados, e que os agenes econômicos podem adquirir papéis arelados a esses invesimenos. A seguir, apresenamos uma versão simplificada da idéia por rás do modelo de Obsfeld (994) que ilusra o argumeno. Suponha um agene represenaivo com horizone infinio e a seguine função uilidade esperada: s U E{ = β logcs} () = s Como no modelo de crescimeno AK radicional, vamos supor ecnologia de produção linear com reornos consanes. Nese caso, porém, eremos dois ipos de capial, um com reorno r, livre de risco, e ouro com reorno esocásico r, em que E [ r] > r. O capial é a única fone de renda no modelo e represena o esoque oal ano de capial sem risco quano com risco. A equação de acumulação de capial pode ser dada por: K + = [ x ( + r ) + ( x )( + r)] K C (2) 5 Alguns modelos de precificação de aivos prevêem que a liberalização do mercado acionário para invesimenos exernos melhora a alocação de risco (Henry (2000) e Sulz (999)).

8 23 Em que x denoa a fração invesida em capial arriscado em. A axa esperada de crescimeno da economia é uma função crescene desa fração invesida em capial de risco, uma vez que ese gera um reorno esperado esriamene maior que o reorno do capial livre de risco. Dessa forma, é preciso deerminar a fração óima x escolhida pelo invesidor. As condições de primeira ordem do problema do consumidor obidas a parir da maximização de () sujeia à resrição (2) nos gera as seguines equações de Euler para a rajeória do consumo: = + ( + r) β E { C / C } (3) = + β E {( + r + ) C / C } (4) O nível de consumo é igual a: C = ( β )[ x ( + r ) + ( x )( + r)] K (5) A parir de princípios básicos de probabilidades e esaísica, sabemos que, dadas duas variáveis aleaórias X e Y, a covariância enre as duas é dada pela seguine expressão: COV ( X, Y ) = E( XY) E( X ) E( Y ). Dessa forma, podemos reescrever a equação (4) e combiná-la com a equação (3) de forma a ober a seguine solução aproximada: r E ( r + ) r ( + r) β Cov{( C+ / C ), r + } (6) Primeiro usamos a equação (5) para subsiuir Obemos enão: K e + K na equação (2). r ( C+ / C ) = β [ + r + x( r + )] (7)

9 24 Subsiuindo a equação (7) em (6) e isolando x, chegamos na expressão: x = E ( r + r) 2 β ( + r) Var ( r + r) (8) Ou seja, a alocação óima em capial de risco depende posiivamene do diferencial esperado de reorno e negaivamene da variância desse reorno. Inserindo esa úlima equação na equação (7), obemos a seguine expressão para a axa de crescimeno esperada do consumo: E { C+ β [ E ( r + r)] / C} = + ( r) β ( + r) Var ( r r) (9) Dessa forma, percebe-se que a axa de crescimeno esperada do consumo depende posiivamene da esperança do reorno do aivo com risco e negaivamene da variância desse reorno. Para analisarmos os poenciais benefícios de uma aberura financeira, suporemos que odos os países êm as mesmas preferências de consumo e as mesmas ecnologias de produção, mas que os reornos dos aivos arriscados são imperfeiamene correlacionados inernacionalmene. Sem grandes perdas de generalidade, supondo que o capial arriscado enha a mesma axa de reorno em odos os países, ou seja, n w E { r } = E { r } para odo país n, e noando que os indivíduos em odos os países manerão o mesmo porfolio de aivos, eremos a seguine expressão para a rajeória do crescimeno do consumo: E w { C+ β n n [ E ( r + r)] / C } = + ( r) w β ( + r) Var ( r r) (0) Uma vez que o porfolio inernacional é globalmene diversificado, deve er um risco idiossincráico menor, ou seja, Var ( r ) < Var ( r ). Desse modo, a axa esperada de crescimeno do consumo é mais elevada sob aberura financeira w n

10 25 do que sob auarquia, pois a oporunidade para diversificação induz invesidores a alocarem maior fração de suas riquezas em aivos de risco com reorno mais elevado. O efeio de redução de riscos eleva as possibilidades de consumo e bem esar dos agenes econômicos. Devido à simeria do modelo AK, emos que, em equilíbrio o consumo cresce à mesma axa que o produo. Assim, uma aberura financeira pode conribuir no senido de aumenar a axa de crescimeno da economia Spillovers ecnológicos Economias mais inegradas financeiramene com o reso do mundo araem uma porção maior de invesimeno esrangeiro direo com elevado coneúdo ecnológico. Esse canal indireo de ransferência de ecnologia via fluxos de capiais permie gerar exernalidades posiivas a ouros seores e a elevar a produividade da economia (Borenzsein, De Gregorio e Lee (998), MacDougall (960) e Grossman e Helpman (99)). Além disso, a lieraura apona um canal mais específico relacionado a exernalidades ecnológicas relacionado a um esímulo ao desenvolvimeno do sisema financeiro domésico. Levine (996) argumena que uma aberura financeira para o ingresso de bancos esrangeiros na economia domésica pode gerar uma série de benefícios à produividade. Em primeiro lugar, bancos esrangeiros no país podem faciliar o acesso de firmas domésicas ao mercado financeiro inernacional. Em segundo, ais bancos inroduzem uma série de insrumenos e serviços financeiros novos gerando uma melhora ecnológica no mercado domésico. Finalmene, bancos esrangeiros elevam a compeiividade do sisema financeiro o que ende a melhorar a qualidade dese Canais indireos Em adição aos rês mecanismos de ransmissão descrios aneriormene, podemos aponar ouros dois possíveis canais iner-relacionados muio comuns na lieraura: a indução ao compromisso com melhores políicas e a sinalização com melhores práicas políicas em relação aos capiais exernos no fuuro.

11 26 Em relação ao primeiro, basicamene argumena-se que a aberura financeira impõe resrições ao governo quano às possibilidades de impor políicas predaórias de axação ao capial. Gourinchas e Jeanne (2002) ilusram esse argumeno em um modelo eórico mosrando que as conseqüências negaivas de ais ações são muio mais severas sob inegração financeira do que sob auarquia. Dessa forma, inegração financeira maior pode elevar a produividade da economia aravés da indução a um compromisso do governo com melhores políicas, o que gera uma rajeória para o invesimeno em direção a seus usos mais produivos e eficienes. O segundo canal aua no senido de sinalizar melhores práicas políicas em relação aos capiais exernos no fuuro, ou seja, a aberura financeira poderia ser inerpreada como a disposição de um país em se compromeer com melhores políicas em relação a invesimenos exernos no fuuro 6. Assim, maior aberura financeira pode funcionar como um indicador anecedene do crescimeno da produividade. Apresenados os canais de ransmissão que aberura financeira maior pode exercer no crescimeno, passaremos na seção seguine a discuir o papel fundamenal que o aprofundameno financeiro pode exercer sobre a axa de crescimeno econômico de um país bem como de que maneira os benefícios de maior aberura financeira podem se maerializar para países mais desenvolvidos financeiramene O papel do aprofundameno financeiro Anes de raar propriamene a respeio do aprofundameno financeiro é imporane mencionar a quesão dos chamados efeios de hreshold na relação enre aberura financeira e crescimeno. Apesar de não haver fores evidências empíricas em orno desa relação de um modo geral, exisem evidências de que para deerminadas caracerísicas esruurais dos países, capiais exernos podem exercer efeios benéficos ao crescimeno de longo prazo das economias. Mais especificamene é preciso que os fundamenos insiucionais, políicos e econômicos dos países sejam sólidos o suficiene para que a inegração financeira

12 27 inernacional possa exercer impacos posiivos reais sobre o crescimeno e o bemesar. Por fundamenos sólidos enende-se uma capacidade absorciva elevada de capiais exernos, no senido de que o país possa converer de maneira eficaz e eficiene esses fluxos para invesimenos produivos. Políicas macroeconômicas consisenes, boas práicas de governança, alo nível de capial humano e elevado desenvolvimeno financeiro consiuem fundamenos básicos que deerminam a capacidade absorciva de uma economia. Efeios posiivos de fluxos de capiais esrangeiros sobre o crescimeno econômico dependerão crucialmene dessa capacidade absorciva 7. Nese rabalho, como dio aneriormene, o foco se concenrará no desenvolvimeno financeiro de um país como mola propulsora para que os fluxos de capiais exernos gerem impacos posiivos no crescimeno econômico. Na seção seguine faremos uma breve revisão da lieraura que raa do aprofundameno financeiro e o seu papel como faciliador do crescimeno econômico para que possamos depois enender de maneira mais clara de que forma ese pode funcionar como variável chave na relação enre aberura financeira e crescimeno econômico de longo prazo Lieraura Exise uma exensa lieraura que daa desde Schumpeer (93) e Robinson (952) que raa a respeio de uma possível ligação de causalidade enre a qualidade do sisema financeiro e o crescimeno econômico. Em ermos gerais, uma vez que ese provê serviços financeiros capazes de realocar o capial em direção a seus usos mais produivos reduzindo risco moral, seleção adversa e cusos de ransação, pode funcionar como um propulsor da produividade na economia. King e Levine (993) invesigam empiricamene uma relação de causalidade e mosram que o componene pré-deerminado do desenvolvimeno financeiro é um bom previsor para o crescimeno econômico. No enano, pode ocorrer que o desenvolvimeno do sisema financeiro, medido pela exensão dos mercados de crédio e de capiais, funcione como um anecipador do crescimeno 6 Barolini e Drazen (997) argumenam que a remoção de resrições em saídas de capial pode funcionar como uma boa sinalização de políica e com isso elevar o influxo de capiais. 7 Ver Aiken e Harrison (999) e Area, Eichengreen e Wyplosz (200).

13 28 fuuro. Ou seja, insiuições financeiras podem aumenar os emprésimos caso esperem aquecimeno da aividade econômica, ao passo que o mercado acionário ende a capar o valor presene das oporunidades de crescimeno fuuras. De forma a buscar uma relação de causalidade é preciso focar nos dealhes por derás do mecanismo que permie o seor financeiro criar serviços reais. Desenvolvimeno financeiro envolve a melhora em: a-) geração de informação sobre oporunidades de invesimeno; b-) moniorameno de firmas e execução de regras de governança; c-) gerenciameno de risco; d-) mobilização de poupança. A seguir, descrevemos cada um dos quaro argumenos, apresenando alguns rabalhos imporanes enconrados na lieraura. a-) A presença de um mercado desenvolvido de inermediários financeiros reduz os cusos de processameno de informações sobre invesimenos de risco faciliando a alocação eficiene de capial e enão elevando a produividade. Greenwood e Jovanovic (990) desenvolvem um modelo eórico em que inermediação financeira e crescimeno são deerminados endogenamene, enfaizando o efeio descrio acima. b-) Bencivenga e Smih (993) aponam que inermediários financeiros melhoram nível de governança corporaiva permiindo redução no racionameno de crédio e, porano, elevando a concessão de emprésimos e acumulação de capial. c-) O papel dos inermediários financeiros em miigar riscos associados a projeos de invesimeno é de exrema imporância. Poupadores aversos a risco podem ober axas de reorno mais elevadas quando da presença de um sisema financeiro desenvolvido, uma vez que ese induz uma mudança de porfolio em direção a projeos mais arriscados de mais alo reorno. Mais invesimenos em projeos com reornos maiores implicam maior axa de crescimeno. Um ouro ipo de risco pelo qual os inermediários financeiros êm papel fundamenal em reduzir é o chamado risco de liquidez de aivos. Projeos de alo reorno muias vezes êm um período de mauridade alo e a necessidade de liquidez por pare do invesidor em algum momeno anes da mauração do projeo pode forçar uma liquidação anecipada dese provocando perdas elevadas. Um sisema financeiro amplo e bem desenvolvido reduz a necessidade de poupadores individuais de manerem uma fração elevada de seu porfolio na forma de aivos líquidos, porém pouco ou nada renáveis. Insiuições financeiras êm a

14 29 capacidade de ransformar insrumenos líquidos, como depósios e íulos, em invesimenos de longo prazo com reorno elevado a riscos mais baixos. Bencivenga e Smih (99) ilusram esse argumeno em um modelo eórico de gerações superposas com rês períodos 8. Nese rabalho, os auores mosram que a inermediação financeira permie à economia reduzir a poupança manida em forma de aivos líquidos, porém improduivos, e a prevenir a liquidação de capial anecipada em face de choques de liquidez. Dessa forma, um pooling maior de poupança para invesimenos de longo prazo com maiores reornos permie acelerar o crescimeno da economia. d-) Um úlimo argumeno consise no fao de que sisemas financeiros bem desenvolvidos canalizam de forma mais eficiene poupança para invesimeno. Por reduzir cusos de ransação e assimeria de informação, sisemas financeiros em bom funcionameno permiem melhor canalização de poupança para projeos mais renáveis que não seriam realizados por indivíduos isoladamene. Assim, uma melhor alocação de recursos eleva a produividade e o crescimeno da economia. A figura 2 a seguir ilusra um diagrama de dispersão enre crédio domésico privado como proporção do PIB, como medida de aprofundameno financeiro, e crescimeno da produividade para a amosra de 70 países na média do período O coeficiene de correlação simples enre as duas variáveis é de 0,4. Apesar de não podermos inferir nenhuma causalidade a parir disso uma vez que não esamos conrolando pelos ouros fundamenos, e além de ser uma simples correlação, podemos er uma idéia de que ambas devem esar relacionadas no processo de crescimeno econômico de longo prazo. Anes de passarmos para a análise empírica formal que busca quanificar os efeios de maior aberura financeira e volume de fluxos exernos de capiais sobre o crescimeno, apresenaremos uma breve discussão a respeio dos efeios dos fluxos de capiais sobre desalinhamenos na axa real de câmbio, bem como uma revisão da lieraura em orno dos efeios desses desalinhamenos sobre o crescimeno econômico. Assim, a seção 4 apresena oda a análise empírica que raa desses canais descrios pela lieraura, ano no que concerne à relação capiais e crescimeno quano à relação câmbio e crescimeno. 8 Greenwood e Smih (997) ambém desenvolvem um modelo de gerações superposas à semelhança dese. Esses auores, enreano, inroduzem algumas inovações ao modelo de forma a permiir formação endógena dos mercados bancário e acionário no processo de crescimeno.

15 30 Figura 2 Crédio/PIB e Crescimeno da produividade 7 % Crescimeno da produividade Crédio/PIB (%)

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise 4 O Papel das Reservas no Cuso da Crise Nese capíulo buscamos analisar empiricamene o papel das reservas em miigar o cuso da crise uma vez que esa ocorre. Acrediamos que o produo seja a variável ideal

Leia mais

4 Modelagem e metodologia de pesquisa

4 Modelagem e metodologia de pesquisa 4 Modelagem e meodologia de pesquisa Nese capíulo será apresenada a meodologia adoada nese rabalho para a aplicação e desenvolvimeno de um modelo de programação maemáica linear misa, onde a função-objeivo,

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Nota Sobre Evolução da Produtividade no Brasil. Fernando de Holanda Barbosa Filho

NOTA TÉCNICA. Nota Sobre Evolução da Produtividade no Brasil. Fernando de Holanda Barbosa Filho NOTA TÉCNICA Noa Sobre Evolução da Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Fevereiro de 2014 1 Essa noa calcula a evolução da produividade no Brasil enre 2002 e 2013. Para ano uiliza duas

Leia mais

Expectativas, consumo e investimento CAPÍTULO 16. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Expectativas, consumo e investimento CAPÍTULO 16. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Expecaivas, consumo e Olivier Blanchard Pearson Educaion CAPÍTULO 16 16.1 Consumo A eoria do consumo foi desenvolvida na década de 1950 por Milon Friedman, que a chamou de eoria do consumo da renda permanene,

Leia mais

Cálculo do valor em risco dos ativos financeiros da Petrobrás e da Vale via modelos ARMA-GARCH

Cálculo do valor em risco dos ativos financeiros da Petrobrás e da Vale via modelos ARMA-GARCH Cálculo do valor em risco dos aivos financeiros da Perobrás e da Vale via modelos ARMA-GARCH Bruno Dias de Casro 1 Thiago R. dos Sanos 23 1 Inrodução Os aivos financeiros das companhias Perobrás e Vale

Leia mais

3 Retorno, Marcação a Mercado e Estimadores de Volatilidade

3 Retorno, Marcação a Mercado e Estimadores de Volatilidade eorno, Marcação a Mercado e Esimadores de Volailidade 3 3 eorno, Marcação a Mercado e Esimadores de Volailidade 3.. eorno de um Aivo Grande pare dos esudos envolve reorno ao invés de preços. Denre as principais

Leia mais

Lista de Exercícios nº 3 - Parte IV

Lista de Exercícios nº 3 - Parte IV DISCIPLINA: SE503 TEORIA MACROECONOMIA 01/09/011 Prof. João Basilio Pereima Neo E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lisa de Exercícios nº 3 - Pare IV 1ª Quesão (...) ª Quesão Considere um modelo algébrico

Leia mais

QUESTÕES ANPEC EQUAÇÕES DIFERENCIAIS E EQUAÇÕES DE DIFERENÇAS

QUESTÕES ANPEC EQUAÇÕES DIFERENCIAIS E EQUAÇÕES DE DIFERENÇAS QUESTÕES ANPEC EQUAÇÕES DIFERENCIAIS E EQUAÇÕES DE DIFERENÇAS QUESTÃO Assinale V (verdadeiro) ou F (falso): () A solução da equação diferencial y y y apresena equilíbrios esacionários quando, dependendo

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACUDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III icenciaura de Economia (ºAno/1ºS) Ano ecivo 007/008 Caderno de Exercícios Nº 1

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuios Eléricos I EEL42 Coneúdo 8 - Inrodução aos Circuios Lineares e Invarianes...1 8.1 - Algumas definições e propriedades gerais...1 8.2 - Relação enre exciação

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Paricia Maria Borolon, D. Sc. Séries Temporais Fone: GUJARATI; D. N. Economeria Básica: 4ª Edição. Rio de Janeiro. Elsevier- Campus, 2006 Processos Esocásicos É um conjuno de variáveis

Leia mais

Contabilometria. Séries Temporais

Contabilometria. Séries Temporais Conabilomeria Séries Temporais Fone: Corrar, L. J.; Theóphilo, C. R. Pesquisa Operacional para Decisão em Conabilidade e Adminisração, Ediora Alas, São Paulo, 2010 Cap. 4 Séries Temporais O que é? Um conjuno

Leia mais

5 Metodologia Probabilística de Estimativa de Reservas Considerando o Efeito-Preço

5 Metodologia Probabilística de Estimativa de Reservas Considerando o Efeito-Preço 5 Meodologia Probabilísica de Esimaiva de Reservas Considerando o Efeio-Preço O principal objeivo desa pesquisa é propor uma meodologia de esimaiva de reservas que siga uma abordagem probabilísica e que

Leia mais

AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM

AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM 163 22. PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM 22.1. Inrodução Na Seção 9.2 foi falado sobre os Parâmeros de Core e

Leia mais

Política fiscal: Um resumo CAPÍTULO 26. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Política fiscal: Um resumo CAPÍTULO 26. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Políica fiscal: Um resumo Olivier Blanchard Pearson Educaion CAPÍTULO 26 2006 Pearson Educaion Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard 26.1 Capíulo 26: Políica fiscal um resumo Resrição orçamenária do governo

Leia mais

3 A Formação de Preços dos Futuros Agropecuários

3 A Formação de Preços dos Futuros Agropecuários 3 A ormação de Preços dos uuros Agropecuários Para avaliar a formação de preços nos mercados fuuros agropecuários é necessária uma base de comparação Para al base, esa disseração usa os preços que, em

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA Inrodução Ese arigo raa de um dos assunos mais recorrenes nas provas do IME e do ITA nos úlimos anos, que é a Cinéica Química. Aqui raamos principalmene dos

Leia mais

4 O modelo econométrico

4 O modelo econométrico 4 O modelo economérico O objeivo desse capíulo é o de apresenar um modelo economérico para as variáveis financeiras que servem de enrada para o modelo esocásico de fluxo de caixa que será apresenado no

Leia mais

5.3 Escalonamento FCFS (First-Come, First Served)

5.3 Escalonamento FCFS (First-Come, First Served) c prof. Carlos Maziero Escalonameno FCFS (Firs-Come, Firs Served) 26 5.3 Escalonameno FCFS (Firs-Come, Firs Served) A forma de escalonameno mais elemenar consise em simplesmene aender as arefas em sequência,

Leia mais

Séries temporais Modelos de suavização exponencial. Séries de temporais Modelos de suavização exponencial

Séries temporais Modelos de suavização exponencial. Séries de temporais Modelos de suavização exponencial Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção Análise de séries de empo: modelos de suavização exponencial Profa. Dra. Liane Werner Séries emporais A maioria dos méodos de previsão se baseiam na

Leia mais

TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 18 LIVRO DO NILSON)

TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 18 LIVRO DO NILSON) TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 8 LIVRO DO NILSON). CONSIDERAÇÕES INICIAIS SÉRIES DE FOURIER: descrevem funções periódicas no domínio da freqüência (ampliude e fase). TRANSFORMADA DE FOURIER:

Leia mais

Instituto de Física USP. Física V - Aula 26. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física V - Aula 26. Professora: Mazé Bechara Insiuo de Física USP Física V - Aula 6 Professora: Mazé Bechara Aula 6 Bases da Mecânica quânica e equações de Schroedinger. Aplicação e inerpreações. 1. Ouros posulados da inerpreação de Max-Born para

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuios Eléricos I EEL420 Coneúdo 1 - Circuios de primeira ordem...1 1.1 - Equação diferencial ordinária de primeira ordem...1 1.1.1 - Caso linear, homogênea, com

Leia mais

Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem

Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem Definição. Uma EDO de 1 a ordem é dia linear se for da forma y + fx y = gx. 1 A EDO linear de 1 a ordem é uma equação do 1 o grau em y e em y. Qualquer dependência

Leia mais

F B d E) F A. Considere:

F B d E) F A. Considere: 5. Dois corpos, e B, de massas m e m, respecivamene, enconram-se num deerminado insane separados por uma disância d em uma região do espaço em que a ineração ocorre apenas enre eles. onsidere F o módulo

Leia mais

O modelo básico de Solow

O modelo básico de Solow O modelo básico de Solow Baseado nos slides do Prof. Fabio Freias para o Curso de Especialização em Desenolimeno Econômico e Social, BNDES-UFRJ e no exo Cesarao, S. e Serrano, F. (2002) "As Leis de Rendimeno

Leia mais

Função de risco, h(t) 3. Função de risco ou taxa de falha. Como obter a função de risco. Condições para uma função ser função de risco

Função de risco, h(t) 3. Função de risco ou taxa de falha. Como obter a função de risco. Condições para uma função ser função de risco Função de risco, h() 3. Função de risco ou axa de falha Manuenção e Confiabilidade Prof. Flavio Fogliao Mais imporane das medidas de confiabilidade Traa-se da quanidade de risco associada a uma unidade

Leia mais

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL Movimeno unidimensional 5 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL. Inrodução Denre os vários movimenos que iremos esudar, o movimeno unidimensional é o mais simples, já que odas as grandezas veoriais que descrevem o

Leia mais

Análise de séries de tempo: modelos de decomposição

Análise de séries de tempo: modelos de decomposição Análise de séries de empo: modelos de decomposição Profa. Dra. Liane Werner Séries de emporais - Inrodução Uma série emporal é qualquer conjuno de observações ordenadas no empo. Dados adminisraivos, econômicos,

Leia mais

Thirlwall ou Solow? Uma análise para a economia brasileira entre 1947 e 2008 *1

Thirlwall ou Solow? Uma análise para a economia brasileira entre 1947 e 2008 *1 Thirlwall ou Solow? Uma análise para a economia brasileira enre 1947 e 2008 *1 Luciano Nakabashi ** 2 Resumo Algumas evidências e eorias aponam para a exisência de uma relação enre crescimeno econômico

Leia mais

4 Metodologia Proposta para o Cálculo do Valor de Opções Reais por Simulação Monte Carlo com Aproximação por Números Fuzzy e Algoritmos Genéticos.

4 Metodologia Proposta para o Cálculo do Valor de Opções Reais por Simulação Monte Carlo com Aproximação por Números Fuzzy e Algoritmos Genéticos. 4 Meodologia Proposa para o Cálculo do Valor de Opções Reais por Simulação Mone Carlo com Aproximação por Números Fuzzy e Algorimos Genéicos. 4.1. Inrodução Nese capíulo descreve-se em duas pares a meodologia

Leia mais

Capítulo 2: Conceitos Fundamentais sobre Circuitos Elétricos

Capítulo 2: Conceitos Fundamentais sobre Circuitos Elétricos SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA TE041 Circuios Eléricos I Prof. Ewaldo L. M. Mehl Capíulo 2: Conceios Fundamenais sobre Circuios Eléricos 2.1. CARGA ELÉTRICA E CORRENTE ELÉTRICA

Leia mais

Confiabilidade e Taxa de Falhas

Confiabilidade e Taxa de Falhas Prof. Lorí Viali, Dr. hp://www.pucrs.br/fama/viali/ viali@pucrs.br Definição A confiabilidade é a probabilidade de que de um sisema, equipameno ou componene desempenhe a função para o qual foi projeado

Leia mais

ABORDAGEM MULTIOJETIVA PARA SOLUCIONAR UMA MATRIZ ENERGÉTICA CONSIDERANDO IMPACTOS AMBIENTAIS

ABORDAGEM MULTIOJETIVA PARA SOLUCIONAR UMA MATRIZ ENERGÉTICA CONSIDERANDO IMPACTOS AMBIENTAIS ABORDAGEM MULTIOJETIVA PARA SOLUCIONAR UMA MATRIZ ENERGÉTICA CONSIDERANDO IMPACTOS AMBIENTAIS T. L. Vieira, A. C. Lisboa, D. A. G. Vieira ENACOM, Brasil RESUMO A mariz energéica é uma represenação quaniaiva

Leia mais

Interpolação e Extrapolação das ETTJ no Brasil

Interpolação e Extrapolação das ETTJ no Brasil Inerpolação e Exrapolação das ETTJ no Brasil Coordenação Geral de Moniorameno de Solvência Coordenação de Moniorameno de Risco CORIS Sergio Luis Franklin Junior Thiago Baraa Duare César da Rocha Neves

Leia mais

O PAPEL DA POLÍTICA FISCAL LOCAL NO CRESCIMENTO ECONÔMICO DE CIDADES UMA EVIDÊNCIA EMPÍRICA PARA O BRASIL. Resumo

O PAPEL DA POLÍTICA FISCAL LOCAL NO CRESCIMENTO ECONÔMICO DE CIDADES UMA EVIDÊNCIA EMPÍRICA PARA O BRASIL. Resumo O PAPEL DA POLÍTICA FISCAL LOCAL NO CRESCIMENTO ECONÔMICO DE CIDADES UMA EVIDÊNCIA EMPÍRICA PARA O BRASIL Resumo Liderau dos Sanos Marques Junior Universidade de Passo Fundo Crisiano Aguiar de Oliveira

Leia mais

DEMOGRAFIA. Assim, no processo de planeamento é muito importante conhecer a POPULAÇÃO porque:

DEMOGRAFIA. Assim, no processo de planeamento é muito importante conhecer a POPULAÇÃO porque: DEMOGRAFIA Fone: Ferreira, J. Anunes Demografia, CESUR, Lisboa Inrodução A imporância da demografia no planeameno regional e urbano O processo de planeameno em como fim úlimo fomenar uma organização das

Leia mais

QUESTÃO 60 DA CODESP

QUESTÃO 60 DA CODESP UEÃO 60 D CODE - 0 êmpera é um ipo de raameno érmico uilizado para aumenar a dureza de peças de aço respeio da êmpera, é correo afirmar: ) a êmpera modifica de maneira uniforme a dureza da peça, independenemene

Leia mais

UMA ANÁLISE DO CAPITAL HUMANO E CRESCIMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO NO PERÍODO DE

UMA ANÁLISE DO CAPITAL HUMANO E CRESCIMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO NO PERÍODO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA UMA ANÁLISE DO CAPITAL HUMANO E CRESCIMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1970-2001

Leia mais

2.7 Derivadas e Taxas de Variação

2.7 Derivadas e Taxas de Variação LIMITES E DERIVADAS 131 2.7 Derivadas e Taas de Variação O problema de enconrar a rea angene a uma curva e o problema de enconrar a velocidade de um objeo envolvem deerminar o mesmo ipo de limie, como

Leia mais

4 Metodologia R P. = cotação da ação i no final da semana t. 1 Maiores detalhes no ANEXO - 1

4 Metodologia R P. = cotação da ação i no final da semana t. 1 Maiores detalhes no ANEXO - 1 4 Meodologia Com o objeivo de se esar reornos anormais de curíssimo prao para o mercado de ações brasileiro (BOVESPA), ese rabalho foi dividido em rês eapas: Na primeira, usou-se a meodologia de De Bond

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Quesão: Suponha que um governo de direia decida reduzir de forma permanene o nível do seguro desemprego. Pede-se: a) Quais seriam

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031 Universidade Federal do io Grande do Sul Escola de Engenharia de Poro Alegre Deparameno de Engenharia Elérica ANÁLISE DE CICUITOS II - ENG43 Aula 5 - Condições Iniciais e Finais de Carga e Descarga em

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 11º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 11º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A Tarefa de revisão nº 17 1. Uma empresa lançou um produo no mercado. Esudos efecuados permiiram concluir que a evolução do preço se aproxima do seguine modelo maemáico: 7 se 0 1 p() =, p em euros e em anos.

Leia mais

Características dos Processos ARMA

Características dos Processos ARMA Caracerísicas dos Processos ARMA Aula 0 Bueno, 0, Capíulos e 3 Enders, 009, Capíulo. a.6 Morein e Toloi, 006, Capíulo 5. Inrodução A expressão geral de uma série emporal, para o caso univariado, é dada

Leia mais

Questão 1 Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1 Questão 2. Resposta. Resposta Quesão Quesão Dois amigos, Alfredo e Bruno, combinam dispuar a posse de um objeo num jogo de cara coroa. Alfredo lança moedas e Bruno moedas, simulaneamene. Vence o jogo e, conseqüenemene, fica com o objeo,

Leia mais

A entropia de uma tabela de vida em previdência social *

A entropia de uma tabela de vida em previdência social * A enropia de uma abela de vida em previdência social Renao Marins Assunção Leícia Gonijo Diniz Vicorino Palavras-chave: Enropia; Curva de sobrevivência; Anuidades; Previdência Resumo A enropia de uma abela

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA AO PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO E LOGÍSTICA. Silvio A. de Araujo Socorro Rangel

MATEMÁTICA APLICADA AO PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO E LOGÍSTICA. Silvio A. de Araujo Socorro Rangel MAEMÁICA APLICADA AO PLANEJAMENO DA PRODUÇÃO E LOGÍSICA Silvio A. de Araujo Socorro Rangel saraujo@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.br Apoio Financeiro: PROGRAMA Inrodução 1. Modelagem maemáica: conceios

Leia mais

Professor: Danilo Dacar

Professor: Danilo Dacar Progressão Ariméica e Progressão Geomérica. (Pucrj 0) Os números a x, a x e a x esão em PA. A soma dos números é igual a: a) 8 b) c) 7 d) e) 0. (Fuves 0) Dadas as sequências an n n, n n cn an an b, e b

Leia mais

Critérios e Metodologia de Apuração de Superfície de Volatilidade

Critérios e Metodologia de Apuração de Superfície de Volatilidade Criérios e Meodologia de Apuração de Superfície de Volailidade Diariamene são calculadas superfícies de volailidade implícia de odos os vencimenos de conraos de opções em que há posição em abero e/ou séries

Leia mais

TIR Taxa Interna de Retorno LCF Economia de Recursos Florestais 2009

TIR Taxa Interna de Retorno LCF Economia de Recursos Florestais 2009 TIR Taxa Inerna de Reorno LCF 685-Economia de Recursos Floresais 2009 TIR: Taxa Inerna de Reorno AT Taxa Inerna de Reorno (TIR)de um projeo é aquela que orna o valor presene das receias menos o valor presene

Leia mais

Professor: Danilo Dacar

Professor: Danilo Dacar . (Pucrj 0) Os números a x, a x e a3 x 3 esão em PA. A soma dos 3 números é igual a: é igual a e o raio de cada semicírculo é igual à meade do semicírculo anerior, o comprimeno da espiral é igual a a)

Leia mais

Função Exponencial Nível Básico

Função Exponencial Nível Básico Função Eponencial - 16 Nível Básico 1. (Imed 16) Em relação à função real definida por g(g()) corresponde a: a) 1. b). c) 3. d). e) 5. g() 1, é correo afirmar que. (Uel 15) A miose é uma divisão celular,

Leia mais

CORREIOS. Prof. Sérgio Altenfelder

CORREIOS. Prof. Sérgio Altenfelder 15. Uma pessoa preende medir a alura de um edifício baseado no amanho de sua sombra projeada ao solo. Sabendo-se que a pessoa em 1,70m de alura e as sombras do edifício e da pessoa medem 20m e 20cm respecivamene,

Leia mais

Capítulo Cálculo com funções vetoriais

Capítulo Cálculo com funções vetoriais Cálculo - Capíulo 6 - Cálculo com funções veoriais - versão 0/009 Capíulo 6 - Cálculo com funções veoriais 6 - Limies 63 - Significado geomérico da derivada 6 - Derivadas 64 - Regras de derivação Uiliaremos

Leia mais

O gráfico que é uma reta

O gráfico que é uma reta O gráfico que é uma rea A UUL AL A Agora que já conhecemos melhor o plano caresiano e o gráfico de algumas relações enre e, volemos ao eemplo da aula 8, onde = + e cujo gráfico é uma rea. Queremos saber

Leia mais

Equivalência Ricardiana e os Efeitos da Política Fiscal na Economia Brasileira

Equivalência Ricardiana e os Efeitos da Política Fiscal na Economia Brasileira Equivalência Ricardiana e os Efeios da Políica Fiscal na Economia Brasileira Ricardian Equivalence and he Effecs of Fiscal Policy in he Brazilian Economy Liderau dos Sanos Marques Junior* Resumo: Ese arigo

Leia mais

DIFERENCIAL DE INFLAÇÃO E CONVERGÊNCIA REAL DE PORTUGAL*

DIFERENCIAL DE INFLAÇÃO E CONVERGÊNCIA REAL DE PORTUGAL* Arigos DIFERECIAL DE IFLAÇÃO E COVERGÊCIA REAL DE PORUGAL* Paulo Brio** Isabel Hora Correia*** Ese rabalho ena medir de que modo a convergência real observada em Porugal na década de 9 pode er conribuído

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS NOS COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: TEORIA DO CAMPO CRISTALINO (TCC)

LIGAÇÕES QUÍMICAS NOS COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: TEORIA DO CAMPO CRISTALINO (TCC) LIGAÇÕES QUÍMICAS NS CMPSTS DE CRDENAÇÃ: TERIA D CAMP CRISTALIN (TCC) A Teoria do Campo Crisalino (TCC) posula que a única ineração exisene enre o íon cenral e os liganes é de naureza elerosáica, pois

Leia mais

Noções de Espectro de Freqüência

Noções de Espectro de Freqüência MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Campus São José Curso de Telecomunicações Noções de Especro de Freqüência Marcos Moecke São José - SC, 6 SUMÁRIO 3. ESPECTROS DE FREQÜÊNCIAS 3. ANÁLISE DE SINAIS NO DOMÍNIO DA

Leia mais

Estimando a Demanda Agregada no Brasil: o papel dos fatores externos

Estimando a Demanda Agregada no Brasil: o papel dos fatores externos Esimando a Demanda Agregada no Brasil: o papel dos faores exernos Fernando Siqueira dos Sanos Escola de Economia de São Paulo (EESP) / FGV Márcio Holland Professor da FGV-EESP e Pesquisador CNPq Resumo

Leia mais

RASCUNHO. a) 120º10 b) 95º10 c) 120º d) 95º e) 110º50

RASCUNHO. a) 120º10 b) 95º10 c) 120º d) 95º e) 110º50 ª QUESTÃO Uma deerminada cidade organizou uma olimpíada de maemáica e física, para os alunos do º ano do ensino médio local. Inscreveramse 6 alunos. No dia da aplicação das provas, consaouse que alunos

Leia mais

As novas teorias de crescimento econômico

As novas teorias de crescimento econômico As novas eorias de crescimeno econômico Sabino da Silva Poro Júnior 1. Inrodução A eoria de crescimeno 1 de Solow (1956) apresena algumas dificuldades decorrenes, principalmene, da sua persisene incapacidade

Leia mais

O Efeito das Importações Mundiais sobre as Exportações do Agronegócio Brasileiro Uma Análise Empírica para o período 2000/2007

O Efeito das Importações Mundiais sobre as Exportações do Agronegócio Brasileiro Uma Análise Empírica para o período 2000/2007 O EFEITO DAS IMPORTAÇÕES MUNDIAIS SOBRE AS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO UMA ANÁLISE EMPÍRICA PARA O PERÍODO 2000/2007 HUMBERTO FRANCISCO SILVA SPOLADOR; GERALDO SANT ANA DE CAMARGO BARROS; ESALQ/USP

Leia mais

Voo Nivelado - Avião a Hélice

Voo Nivelado - Avião a Hélice - Avião a Hélice 763 º Ano da icenciaura em ngenharia Aeronáuica edro. Gamboa - 008. oo de ruzeiro De modo a prosseguir o esudo analíico do desempenho, é conveniene separar as aeronaves por ipo de moor

Leia mais

Dinâmica e previsão de preços de commodities agrícolas com o filtro de Kalman

Dinâmica e previsão de preços de commodities agrícolas com o filtro de Kalman Flávio Pinheiro Corsini Dinâmica e previsão de preços de commodiies agrícolas com o filro de Kalman Trabalho de Formaura apresenado à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para a obenção do Diploma

Leia mais

CIRCUITO RC SÉRIE. max

CIRCUITO RC SÉRIE. max ELETRICIDADE 1 CAPÍTULO 8 CIRCUITO RC SÉRIE Ese capíulo em por finalidade inroduzir o esudo de circuios que apresenem correnes eléricas variáveis no empo. Para ano, esudaremos o caso de circuios os quais

Leia mais

INSTRUMENTOS DA POLÍTICA MONETÁRIA*

INSTRUMENTOS DA POLÍTICA MONETÁRIA* Arigos INSTRUMENTOS DA POLÍTICA MONETÁRIA* Bernardino Adão** Isabel Correia** Pedro Teles**. INTRODUÇÃO * As opiniões expressas no arigo são da ineira responsabilidade dos auores e não coincidem necessariamene

Leia mais

O gráfico que é uma reta

O gráfico que é uma reta O gráfico que é uma rea A UUL AL A Agora que já conhecemos melhor o plano caresiano e o gráfico de algumas relações enre e, volemos ao eemplo da aula 8, onde = + e cujo gráfico é uma rea. Queremos saber

Leia mais

Exercícios Sobre Oscilações, Bifurcações e Caos

Exercícios Sobre Oscilações, Bifurcações e Caos Exercícios Sobre Oscilações, Bifurcações e Caos Os ponos de equilíbrio de um modelo esão localizados onde o gráfico de + versus cora a rea definida pela equação +, cuja inclinação é (pois forma um ângulo

Leia mais

RÁPIDA INTRODUÇÃO À FÍSICA DAS RADIAÇÕES Simone Coutinho Cardoso & Marta Feijó Barroso UNIDADE 3. Decaimento Radioativo

RÁPIDA INTRODUÇÃO À FÍSICA DAS RADIAÇÕES Simone Coutinho Cardoso & Marta Feijó Barroso UNIDADE 3. Decaimento Radioativo Decaimeno Radioaivo RÁPIDA ITRODUÇÃO À FÍSICA DAS RADIAÇÕES Simone Couinho Cardoso & Mara Feijó Barroso Objeivos: discuir o que é decaimeno radioaivo e escrever uma equação que a descreva UIDADE 3 Sumário

Leia mais

OS EFEITOS DOS CHOQUES DE POLÍTICA MONETÁRIA SOBRE A ATIVIDADE ECONÔMICA E OS PREÇOS NO BRASIL 1

OS EFEITOS DOS CHOQUES DE POLÍTICA MONETÁRIA SOBRE A ATIVIDADE ECONÔMICA E OS PREÇOS NO BRASIL 1 OS EFEITOS DOS CHOQUES DE POLÍTICA MONETÁRIA SOBRE A ATIVIDADE ECONÔMICA E OS PREÇOS NO BRASIL Káia Harumi Omoo 2 Maria Helena Ambrósio Dias 3 Joilson Dias 4 Resumo O presene esudo em como objeivo analisar

Leia mais

Teorias do Crescimento Licenciatura de Economia FEUC

Teorias do Crescimento Licenciatura de Economia FEUC Teorias do Crescimeno Licenciaura de Economia 3 O modelo de crescimeno ópimo de Ramsey-Cass-Koopmans (RCK) 3.1 Inrodução 3.2 Crescimeno ópimo 3.2.1 Uilidade ineremporal 3.2.2 Opimização dinâmica 3.2.3

Leia mais

Biofísica II Turma de Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Biologia de Populações 2 Modelos não-lineares. Modelos Não-Lineares

Biofísica II Turma de Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Biologia de Populações 2 Modelos não-lineares. Modelos Não-Lineares Modelos Não-Lineares O modelo malhusiano prevê que o crescimeno populacional é exponencial. Enreano, essa predição não pode ser válida por um empo muio longo. As funções exponenciais crescem muio rapidamene

Leia mais

CINÉTICA RADIOATIVA. Introdução. Tempo de meia-vida (t 1/2 ou P) Atividade Radioativa

CINÉTICA RADIOATIVA. Introdução. Tempo de meia-vida (t 1/2 ou P) Atividade Radioativa CIÉTIC RDIOTIV Inrodução Ese arigo em como objeivo analisar a velocidade dos diferenes processos radioaivos, no que chamamos de cinéica radioaiva. ão deixe de anes esudar o arigo anerior sobre radioaividade

Leia mais

Versão preliminar serão feitas correções em sala de aula 1

Versão preliminar serão feitas correções em sala de aula 1 Versão preinar serão feias correções em sala de aula 7.. Inrodução Dependendo das condições de soliciação, o maerial pode se enconrar sob diferenes esados mecânicos. Quando as cargas (exernas) são pequenas

Leia mais

Produtividade Agrícola e Preço da Terra no Brasil Uma Análise Estadual

Produtividade Agrícola e Preço da Terra no Brasil Uma Análise Estadual PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA E PREÇO DA TERRA NO BRASIL UMA ANÁLISE ESTADUAL hfsspola@esalq.usp.br APRESENTACAO ORAL-Evolução e esruura da agropecuária no Brasil HUMBERTO FRANCISCO SILVA SPOLADOR; GERALDO SANT

Leia mais

ANÁLISE DO COMÉRCIO DE PESCADO ENTRE BRASIL E OS ESTADOS UNIDOS ROSEMEIRY MELO CARVALHO; PEDRO CARNEIRO KOLB; UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

ANÁLISE DO COMÉRCIO DE PESCADO ENTRE BRASIL E OS ESTADOS UNIDOS ROSEMEIRY MELO CARVALHO; PEDRO CARNEIRO KOLB; UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ ANÁLISE DO COMÉRCIO DE PESCADO ENTRE BRASIL E OS ESTADOS UNIDOS ROSEMEIRY MELO CARVALHO; PEDRO CARNEIRO KOLB; UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FORTALEZA - CE - BRASIL rmelo@ufc.br APRESENTAÇÃO ORAL Comércio

Leia mais

30/08/15' Incerteza- Padrão. Repetitividade. Estimativa da Repetitividade (para 95,45% de probabilidade) Estimativa da Repetitividade

30/08/15' Incerteza- Padrão. Repetitividade. Estimativa da Repetitividade (para 95,45% de probabilidade) Estimativa da Repetitividade Incereza- Padrão Repeiividade! A incereza padrão corresponde ao desvio-padrão (esimaiva do desvio-padrão da população) e deve ser associado a ela o número de graus de liberdade (reflee o grau de segurança

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT NA PREVISÃO DE DADOS DE ÁGUA DA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT NA PREVISÃO DE DADOS DE ÁGUA DA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT APLICAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT NA PREVISÃO DE DADOS DE ÁGUA DA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT Alerêdo Oliveira Curim 1 & Aldo da Cunha Rebouças Resumo - O conhecimeno prévio dos volumes de água de qualquer sisema

Leia mais

Produtividade Total dos Fatores e Acumulação de Capital no Brasil

Produtividade Total dos Fatores e Acumulação de Capital no Brasil Produividade Toal dos Faores e Acumulação de Capial no Brasil Robero Ellery Jr * Ese rabalho em como objeivo avaliar o papel da produividade oal dos faores (PTF) na deerminação do produo e do invesimeno

Leia mais

ENGF93 Análise de Processos e Sistemas I

ENGF93 Análise de Processos e Sistemas I ENGF93 Análise de Processos e Sisemas I Prof a. Karen Pones Revisão: 3 de agoso 4 Sinais e Sisemas Tamanho do sinal Ampliude do sinal varia com o empo, logo a medida de seu amanho deve considerar ampliude

Leia mais

SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB)

SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB) SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB) Subsisema de Margem para Aivos Líquidos I Aspecos Conceiuais Abril de 2001 .2. 1. Inrodução Nese documeno, apresenam-se os aspecos conceiuais do Subsisema de Margem para Aivos

Leia mais

Alocação ótima e medida de risco de um ALM para fundo de pensão via programação estocástica multi-estágio e bootstrap

Alocação ótima e medida de risco de um ALM para fundo de pensão via programação estocástica multi-estágio e bootstrap Davi Michel Valladão Alocação óima e medida de risco de um ALM para fundo de pensão via programação esocásica muli-eságio e boosrap Disseração de Mesrado Disseração apresenada como requisio parcial para

Leia mais

Produto Financeiro Complexo

Produto Financeiro Complexo Adverências ao Invesidor BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Abera Sede: Praça D. João I, 28, Poro Ma. CRC do Poro sob o nº único de marícula e idenificação fiscal: 501.525.882 Capial Social: 6.064.999.986

Leia mais

PREVISÃO DOS PREÇOS DO AÇÚCAR E ANÁLISE DA SUA VOLATILIDADE NO MERCADO FUTURO BRASILEIRO (2003 A 2007): UMA APLICAÇÃO DE MODELOS DA FAMÍLIA ARCH

PREVISÃO DOS PREÇOS DO AÇÚCAR E ANÁLISE DA SUA VOLATILIDADE NO MERCADO FUTURO BRASILEIRO (2003 A 2007): UMA APLICAÇÃO DE MODELOS DA FAMÍLIA ARCH PREVISÃO DOS PREÇOS DO AÇÚCAR E ANÁLISE DA SUA VOLATILIDADE NO MERCADO FUTURO BRASILEIRO (003 A 007): UMA APLICAÇÃO DE MODELOS DA FAMÍLIA ARCH DANIELI SCALCON NICOLA; CLAILTON ATAÍDES FREITAS; MARLON VIDAL

Leia mais

1 Pesquisador - Embrapa Semiárido. 2 Analista Embrapa Semiárido.

1 Pesquisador - Embrapa Semiárido.   2 Analista Embrapa Semiárido. XII Escola de Modelos de Regressão, Foraleza-CE, 13-16 Março 2011 Análise de modelos de previsão de preços de Uva Iália: uma aplicação do modelo SARIMA João Ricardo F. de Lima 1, Luciano Alves de Jesus

Leia mais

Avaliando e Propondo Medidas de Núcleo da Inflação no Brasil Ivan Castelar Cristiano Santos

Avaliando e Propondo Medidas de Núcleo da Inflação no Brasil Ivan Castelar Cristiano Santos 10 Avaliando e Propondo Medidas de Núcleo da Inflação no Brasil Ivan Caselar Crisiano Sanos FORTALEZA MAIO 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA - CAEN SÉRIE ESTUDOS ECONÔMICOS

Leia mais

Trabalhos para Discussão Brasília n 242 maio 2011 p. 1-30

Trabalhos para Discussão Brasília n 242 maio 2011 p. 1-30 ISSN 1519-1028 CGC 00.038.166/0001-05 Trabalhos para Discussão Brasília n 242 maio 2011 p. 1-30 Trabalhos para Discussão Ediado pelo Deparameno de Esudos e Pesquisas (Depep) E-mail: workingpaper@bcb.gov.br

Leia mais

4. SINAL E CONDICIONAMENTO DE SINAL

4. SINAL E CONDICIONAMENTO DE SINAL 4. SINAL E CONDICIONAMENO DE SINAL Sumário 4. SINAL E CONDICIONAMENO DE SINAL 4. CARACERÍSICAS DOS SINAIS 4.. Período e frequência 4..2 alor médio, valor eficaz e valor máximo 4.2 FILRAGEM 4.2. Circuio

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa C. Os números inteiros x e y satisfazem a equação

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa C. Os números inteiros x e y satisfazem a equação Quesão Os números ineiros x e y saisfazem a equação x x y y 5 5.Enãox y é: a) 8 b) 5 c) 9 d) 6 e) 7 alernaiva B x x y y 5 5 x ( ) 5 y (5 ) x y 7 x 6 y 5 5 5 Como x e y são ineiros, pelo Teorema Fundamenal

Leia mais

REGRA DE TAYLOR NO BRASIL:

REGRA DE TAYLOR NO BRASIL: REGRA DE TAYLOR NO BRASIL: 999 2005 João José Silveira Soares Fernando de Holanda Barbosa Sumário- Ese rabalho esima a regra de Taylor para o Brasil a parir da implemenação do sisema de meas de inflação

Leia mais

Uma análise do capital humano sobre o nível de renda dos estados brasileiros: MRW versus Mincer

Uma análise do capital humano sobre o nível de renda dos estados brasileiros: MRW versus Mincer Ricardo Corrêa Cangussu 1 Márcio A. Salvao 2 Luciano Nakabashi 3 Uma análise do capial humano sobre o nível de renda dos esados brasileiros: MRW versus Mincer RESUMO O capial humano, a produividade e o

Leia mais

Oferta e Demanda por Exportações de Automóveis ( )

Oferta e Demanda por Exportações de Automóveis ( ) Ofera e Demanda por Exporações de Auomóveis (1992-2006) Resumo O presene arigo esima as equações de ofera e de demanda por exporações de auomóveis brasileiros, enre 1992Q1 e 2006Q4, a parir do mecanismo

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS MÉTODOS CONTÍNUO E BPZ DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL DE PETRÓLEO

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS MÉTODOS CONTÍNUO E BPZ DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL DE PETRÓLEO ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS MÉTODOS CONTÍNUO E BPZ DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL DE PETRÓLEO M. F. C. SOUSA 1, W. R. S. CRUZ 2, R. A. MEDRONHO 3 e G. F. SILVA 4 1 Universidade Federal de Sergipe, Deparameno de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MAURÍCIO SIMIANO NUNES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MAURÍCIO SIMIANO NUNES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MAURÍCIO SIMIANO NUNES PREÇOS DOS ATIVOS E POLÍTICA MONETÁRIA: UM ESTUDO PARA OS PAÍSES

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SUSTENTABILIDADE DE CURTO E MÉDIO PRAZO DA DÍVIDA PÚBLICA BRASILEIRA

UMA ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SUSTENTABILIDADE DE CURTO E MÉDIO PRAZO DA DÍVIDA PÚBLICA BRASILEIRA JEDSON CÉSAR DE OLIVEIRA UMA ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SUSTENTABILIDADE DE CURTO E MÉDIO PRAZO DA DÍVIDA PÚBLICA BRASILEIRA Disseração apresenada como requisio parcial para conclusão do Mesrado em Desenvolvimeno

Leia mais

+ 3.. = + + = =

+ 3.. = + + = = MATEMÁTICA Dois amigos, Alfredo e Bruno, combinam dispuar a posse de um objeo num jogo de "cara ou coroa". Alfredo lança moedas e Bruno moedas, simulaneamene. Vence o jogo e, conseqüenemene, fica com o

Leia mais

O Papel da Oferta de Trabalho no Comportamento dos Retornos à Educação no Brasil * Alexandre Augusto Seijas de Andrade Naercio Aquino Menezes-Filho

O Papel da Oferta de Trabalho no Comportamento dos Retornos à Educação no Brasil * Alexandre Augusto Seijas de Andrade Naercio Aquino Menezes-Filho O Papel da Ofera de Trabalho no Comporameno dos Reornos à Educação no Brasil * lexandre uguso Seias de ndrade aercio quino Menezes-Filho Resumo s proporções de rabalhadores com ensino fundamenal e médio

Leia mais

Um modelo de diferenciação das taxas de crescimento regionais a partir de variáveis financeiras

Um modelo de diferenciação das taxas de crescimento regionais a partir de variáveis financeiras Um modelo de diferenciação das axas de crescimeno regionais a parir de variáveis financeiras Teófilo Henrique Pereira de Paula Douorando em economia do Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno Regional -

Leia mais