2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico."

Transcrição

1 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo e discuir a respeio dos canais de ransmissão pelos quais uma inegração financeira mais elevada pode beneficiar o crescimeno. Também discuiremos em dealhes os mecanismos pelos quais o aprofundameno financeiro pode faciliar o crescimeno e como iso consiui faor fundamenal na relação enre inegração financeira e crescimeno. 2.. Os deerminanes do crescimeno econômico Por crescimeno econômico de longo prazo, devemos enender como a elevação permanene e susenada da renda real per capia ao longo de muios anos. Seguindo a abordagem de Barro e Lee (99) e Easerly, Loayza e Moniel (997), e em linha com a eoria do crescimeno endógeno, relacionaremos a axa de crescimeno econômico de um país com suas variáveis econômicas, políicas e sociais. Mais adiane, quando fizermos a análise empírica, apresenaremos as especificações economéricas para esimação da regressão de crescimeno. Basicamene, podemos agrupar os fundamenos do crescimeno em rês grandes classes: políicas esruurais e insiuições, políicas de esabilização e condições exernas. Denre as variáveis na primeira classe, uilizamos uma variável de educação e capial humano em geral, que, segundo Lucas (988) funciona como uma força que pode conrabalançar os efeios dos reornos marginais decrescenes de ouros insumos, além de er papel fundamenal como faor de produção complemenar ao capial físico e recursos naurais, o que eleva a axa de inovação ecnológica e, porano, a produividade. Uma segunda variável relevane é o grau de aberura ao comércio inernacional de um país. Países com maior aberura ao

2 7 comércio inernacional auferem melhor os benefícios da especialização e das vanagens comparaivas elevando a produividade oal dos faores 8. Além disso, permie aos países expandir mercados poenciais a seus produos, permiindo às firmas adoarem economias de escala que elevam sua produividade. Oura variável imporane é o consumo do governo. Quano maior a paricipação esaal no produo, maior o gaso com financiameno de uma burocracia improduiva e políicas públicas ineficienes, gerando ambém má alocação e desperdício de recursos (Corden, 990; Fischer, 993; Enger e Skinner, 996). Desse modo, espera-se que em países cujo governo em elevados gasos de consumo, menor será o crescimeno da produividade. Por fim, o grau de aprofundameno do sisema financeiro consiui faor fundamenal ao crescimeno econômico, uma vez que um sisema financeiro amplo, bem organizado e em bom funcionameno ajuda a promover o crescimeno aravés de diversos canais 9, como por exemplo: canalização mais eficiene de poupança para invesimeno aravés de uma idenificação mais precisa de projeos de invesimenos lucraivos; redução do problema de assimeria de informação; maior diversificação de risco. Na seção 2.3 discuiremos com mais dealhes o papel do aprofundameno financeiro. Na classe de políicas de esabilização, incluímos uma variável para o grau de insabilidade de preços como proxy para qualidade de políica de esabilização macroeconômica, no senido de que países com menor esabilidade inflacionária disorcem preços relaivos gerando má alocação de recursos na economia e, porano, crescem menos. Para condições exernas, incluímos a axa de crescimeno dos ermos de roca do país, definido como a variação percenual de um índice de preço de exporações dividido por um índice de preço de imporações. Choques nos ermos de roca capuram um efeio renda imporane que reflee um aumeno de demanda pelas exporações do país ou enão uma redução no cuso de insumos e bens imporados 0. Finalmene, é preciso mencionar a possibilidade de ocorrência do fenômeno de convergência condicional de renda per capia enre países. A axa de crescimeno da produividade em deerminado período de empo pode depender 8 Ver Lederman (996). 9 Ver Levine (997). 0 Ver Baileau (996).

3 8 do nível inicial da renda per capia do país naquele período de referência, ou seja, é possível que países com renda per capia mais elevada cresçam a axas menores do que aqueles com renda per capia inicial menor. A lieraura não apresena resulados uniformes a respeio desse fenômeno embora os rabalhos empíricos em geral opem por esar o efeio da convergência de renda enre países ainda que como uma forma de conrolar pelo ciclo econômico. A seguir discuiremos sobre os possíveis benefícios gerados por maior aberura a fluxos de capiais exernos no senido de conribuírem para acelerar a axa de crescimeno de longo prazo das economias Benefícios da inegração financeira A lieraura empírica que raa a respeio dos benefícios da aberura financeira sobre o desempenho econômico dos países não chega a uma relação de causalidade robusa e significane. Os resulados apresenados em diversos rabalhos são inconclusivos a respeio dos possíveis efeios causais que maior inegração financeira pode exercer sobre o crescimeno econômico. Exisem, no enano, evidências que corroboram a presença de um efeio assimérico nesa relação enre diferenes países, no senido de que um nível mínimo de capacidade absorciva é necessário para que os efeios benéficos de maiores fluxos de capiais possam se maerializar de fao. Prasad, Rogoff, Wei e Kose (2003) apresenam evidências empíricas e uma revisão de uma série de rabalhos que raam da relação enre inegração financeira e crescimeno econômico para economias em desenvolvimeno. De acordo com os auores: Thus, an objecive reading of he vas research effor o dae suggess ha here is no srong, robus and uniform suppor for he heoreical argumen ha financial globalizaion per se delivers a higher rae of economic growh. A idéia de capacidade absorciva de um país refere-se à capacidade de converer fluxos de capiais exernos para invesimenos produivos que alavancam o crescimeno. Países com boa qualidade das insiuições, mercados financeiros e de capiais desenvolvidos, boas práicas de governança e respeio a conraos êm maior nível de capacidade absorciva.

4 9 Apesar de as evidências empíricas serem pouco conclusivas a respeio dos benefícios da inegração financeira, os auores argumenam que boas políicas de governança, insiuições e aprofundameno financeiro ornam o país mais apo a se beneficiar de maior aberura financeira. Rodrik (998) faz um esudo para examinar a correlação enre uma medida ampla de liberalização da cona de capial e crescimeno econômico para uma amosra de 00 países em desenvolvimeno no período O auor enconra uma associação negaiva enre ambas, o que pode ser inerpreado como evidência conra a premissa de que maior liberdade de capiais é benéfica ao crescimeno 2. Também nessa mesma linha, Edison, Levine, Ricci e Slok (2002) uilizando medidas De jure e De faco para o grau de inegração financeira inernacional em uma amosra de 57 países e rabalhando com écnicas em painel, não enconram impaco causal da aberura financeira para o crescimeno econômico. Mesmo quando os auores ineragem o ermo de inegração financeira com variáveis como qualidade insiucional, aprofundameno financeiro, políicas macroeconômicas e nível educacional para capar alguma assimeria de efeio, não enconram nenhuma relação de causalidade 3. Há, enreano alguns esudos que aponam uma relação posiiva e causal enre aberura financeira e crescimeno econômico, pelo menos condicional às esruuras insiucionais e econômico-financeira dos países. Bailliu (2000) faz uma análise sobre os possíveis efeios de longo prazo que os fluxos de capiais privados podem exercer no crescimeno econômico. Uilizando dados em painel para uma amosra de 40 países no período de , o auor conclui que fluxos de capiais geram impacos posiivos no crescimeno econômico para aqueles países que aingiram um grau mínimo de desenvolvimeno do seor bancário, uma vez que ese é fundamenal como forma de alocar mais eficienemene os recursos disponíveis. Na mesma direção, Prasad, Rajan e Subramanian (2007) evidenciam que, condicional a uma esruura financeira 2 Rodrik não conrola, porém, pelos fundamenos que deerminam o crescimeno de longo prazo. Dessa forma, é muio possível que choques que afeam a axa de crescimeno do produo esejam correlacionados com a medida de liberdade de capiais, viesando o coeficiene. 3 Diferenemene do esudo de Rodrik, os auores uilizam variáveis de renda per capia inicial, nível de escolaridade inicial, inflação e resulado das conas do governo como conroles na regressão de crescimeno. No enano, algumas variáveis fundamenais de conrole, ais como aberura comercial e desenvolvimeno financeiro não foram incluídas na regressão, o que exige cauela na inerpreação dos resulados das esimações.

5 20 pouco desenvolvida, países em desenvolvimeno não canalizaram de maneira eficaz e eficiene fluxos de capiais para invesimenos produivos 4. De acordo com os auores, países com esruuras financeiras pouco desenvolvidas direcionam capiais exernos para invesimenos com reornos menores, mas colaeralizáveis, ao invés de buscarem reornos maiores, porém mais arriscados em invesimenos produivos. O baixo grau de aprofundameno financeiro faria enão com que capiais exernos fossem direcionados a esses invesimenos colaeralizáveis, ais como em Real Esae, pressionando a demanda por bens e serviços non-radables exercendo pressão de fore apreciação da axa real de câmbio. Esse segundo efeio poderia gerar impacos negaivos no crescimeno, conrabalançando os poenciais efeios benéficos dos capiais esrangeiros. Anes de parirmos para uma análise empírica mais dealhada acerca dos benefícios de maior inegração financeira e liberdade de capiais, discuiremos de forma mais específica os possíveis canais eóricos de ransmissão aponados pela lieraura para que se possa idenificá-los mais precisamene em uma análise esaísica. As seções 2.2. a descrevem os mecanismos de ransmissão mais comuns descrios na lieraura: o canal da formação de capial, diversificação global de risco, spillovers de ecnologia e ouros dois canais indireos Absorção de poupança exerna A aberura aos fluxos de capiais inernacionais pode beneficiar países em desenvolvimeno uma vez que permiem relaxar as resrições ao invesimeno e, porano, à formação de capial. Em auarquia, uma axa de juros livre de risco elevada reflee um reorno elevado do capial já que em economias emergenes a razão capial-rabalho é baixa uma vez que o capial é relaivamene mais escasso do que em economias desenvolvidas. Dessa forma, uma aberura aos capiais exernos pode permiir uma redução da axa livre de risco em economias emergenes e acelerar o invesimeno, elevando a axa de crescimeno. Países desenvolvidos que podem financiar al invesimeno ambém se beneficiam já que 4 Uilizando uma amosra de 8 países para o período de , os auores enconram que países não indusriais que dependeram menos de financiamenos exernos cresceram a axas mais elevadas, em média.

6 2 conseguem ober uma axa de reorno mais elevada do que a axa domésica. A figura ilusra o argumeno no caso da economia emergene. Figura - Poupança e Invesimeno Taxa de juros ( r ) S rd r I Ifechada Iabera I, S No gráfico acima, rd e r represenam, respecivamene, as axas reais de juros domésica e exerna. rd é a axa que vigora em auarquia na economia domésica. Ifechada e Iabera são as axas de invesimeno na economia domésica em auarquia e com mobilidade de capiais, respecivamene. Quando ocorre aberura aos capiais exernos, passa a vigorar a axa de juros exerna, e a economia domésica se confrona com uma axa menor de financiameno, elevando sua axa de invesimeno Diversificação de risco e redução no cuso de capial Um ramo significaivo da lieraura apona para os benefícios de maior aberura financeira em ermos de diversificação inernacional de porfolio. Um aumeno nas oporunidades para invesidores domésicos adquirirem aivos exernos e invesidores esrangeiros adquirirem aivos domésicos permie melhor

7 22 diversificação de risco de careiras, o que inceniva firmas a ampliarem seus projeos de invesimeno que promovem o crescimeno. Além disso, à medida que os fluxos de capiais se ampliam, o mercado acionário se orna mais líquido, o que reduz o prêmio de risco corporaivo e gera diminuição no cuso de capial 5. Obsfeld (994) desenvolve um modelo dinâmico em empo conínuo em que a diversificação inernacional de risco permie ganhos de bem esar aravés de um efeio posiivo na axa de crescimeno esperada do consumo. O mecanismo que coneca diversificação de porfolio a crescimeno é uma realocação de capial a parir de aivos com baixo risco, mas reorno baixo, para aivos mais arriscados com axas de reorno mais elevadas. Por derás desse mecanismo esá o fao de que o crescimeno depende da exisência de projeos de invesimeno mais renáveis, porém arriscados, e que os agenes econômicos podem adquirir papéis arelados a esses invesimenos. A seguir, apresenamos uma versão simplificada da idéia por rás do modelo de Obsfeld (994) que ilusra o argumeno. Suponha um agene represenaivo com horizone infinio e a seguine função uilidade esperada: s U E{ = β logcs} () = s Como no modelo de crescimeno AK radicional, vamos supor ecnologia de produção linear com reornos consanes. Nese caso, porém, eremos dois ipos de capial, um com reorno r, livre de risco, e ouro com reorno esocásico r, em que E [ r] > r. O capial é a única fone de renda no modelo e represena o esoque oal ano de capial sem risco quano com risco. A equação de acumulação de capial pode ser dada por: K + = [ x ( + r ) + ( x )( + r)] K C (2) 5 Alguns modelos de precificação de aivos prevêem que a liberalização do mercado acionário para invesimenos exernos melhora a alocação de risco (Henry (2000) e Sulz (999)).

8 23 Em que x denoa a fração invesida em capial arriscado em. A axa esperada de crescimeno da economia é uma função crescene desa fração invesida em capial de risco, uma vez que ese gera um reorno esperado esriamene maior que o reorno do capial livre de risco. Dessa forma, é preciso deerminar a fração óima x escolhida pelo invesidor. As condições de primeira ordem do problema do consumidor obidas a parir da maximização de () sujeia à resrição (2) nos gera as seguines equações de Euler para a rajeória do consumo: = + ( + r) β E { C / C } (3) = + β E {( + r + ) C / C } (4) O nível de consumo é igual a: C = ( β )[ x ( + r ) + ( x )( + r)] K (5) A parir de princípios básicos de probabilidades e esaísica, sabemos que, dadas duas variáveis aleaórias X e Y, a covariância enre as duas é dada pela seguine expressão: COV ( X, Y ) = E( XY) E( X ) E( Y ). Dessa forma, podemos reescrever a equação (4) e combiná-la com a equação (3) de forma a ober a seguine solução aproximada: r E ( r + ) r ( + r) β Cov{( C+ / C ), r + } (6) Primeiro usamos a equação (5) para subsiuir Obemos enão: K e + K na equação (2). r ( C+ / C ) = β [ + r + x( r + )] (7)

9 24 Subsiuindo a equação (7) em (6) e isolando x, chegamos na expressão: x = E ( r + r) 2 β ( + r) Var ( r + r) (8) Ou seja, a alocação óima em capial de risco depende posiivamene do diferencial esperado de reorno e negaivamene da variância desse reorno. Inserindo esa úlima equação na equação (7), obemos a seguine expressão para a axa de crescimeno esperada do consumo: E { C+ β [ E ( r + r)] / C} = + ( r) β ( + r) Var ( r r) (9) Dessa forma, percebe-se que a axa de crescimeno esperada do consumo depende posiivamene da esperança do reorno do aivo com risco e negaivamene da variância desse reorno. Para analisarmos os poenciais benefícios de uma aberura financeira, suporemos que odos os países êm as mesmas preferências de consumo e as mesmas ecnologias de produção, mas que os reornos dos aivos arriscados são imperfeiamene correlacionados inernacionalmene. Sem grandes perdas de generalidade, supondo que o capial arriscado enha a mesma axa de reorno em odos os países, ou seja, n w E { r } = E { r } para odo país n, e noando que os indivíduos em odos os países manerão o mesmo porfolio de aivos, eremos a seguine expressão para a rajeória do crescimeno do consumo: E w { C+ β n n [ E ( r + r)] / C } = + ( r) w β ( + r) Var ( r r) (0) Uma vez que o porfolio inernacional é globalmene diversificado, deve er um risco idiossincráico menor, ou seja, Var ( r ) < Var ( r ). Desse modo, a axa esperada de crescimeno do consumo é mais elevada sob aberura financeira w n

10 25 do que sob auarquia, pois a oporunidade para diversificação induz invesidores a alocarem maior fração de suas riquezas em aivos de risco com reorno mais elevado. O efeio de redução de riscos eleva as possibilidades de consumo e bem esar dos agenes econômicos. Devido à simeria do modelo AK, emos que, em equilíbrio o consumo cresce à mesma axa que o produo. Assim, uma aberura financeira pode conribuir no senido de aumenar a axa de crescimeno da economia Spillovers ecnológicos Economias mais inegradas financeiramene com o reso do mundo araem uma porção maior de invesimeno esrangeiro direo com elevado coneúdo ecnológico. Esse canal indireo de ransferência de ecnologia via fluxos de capiais permie gerar exernalidades posiivas a ouros seores e a elevar a produividade da economia (Borenzsein, De Gregorio e Lee (998), MacDougall (960) e Grossman e Helpman (99)). Além disso, a lieraura apona um canal mais específico relacionado a exernalidades ecnológicas relacionado a um esímulo ao desenvolvimeno do sisema financeiro domésico. Levine (996) argumena que uma aberura financeira para o ingresso de bancos esrangeiros na economia domésica pode gerar uma série de benefícios à produividade. Em primeiro lugar, bancos esrangeiros no país podem faciliar o acesso de firmas domésicas ao mercado financeiro inernacional. Em segundo, ais bancos inroduzem uma série de insrumenos e serviços financeiros novos gerando uma melhora ecnológica no mercado domésico. Finalmene, bancos esrangeiros elevam a compeiividade do sisema financeiro o que ende a melhorar a qualidade dese Canais indireos Em adição aos rês mecanismos de ransmissão descrios aneriormene, podemos aponar ouros dois possíveis canais iner-relacionados muio comuns na lieraura: a indução ao compromisso com melhores políicas e a sinalização com melhores práicas políicas em relação aos capiais exernos no fuuro.

11 26 Em relação ao primeiro, basicamene argumena-se que a aberura financeira impõe resrições ao governo quano às possibilidades de impor políicas predaórias de axação ao capial. Gourinchas e Jeanne (2002) ilusram esse argumeno em um modelo eórico mosrando que as conseqüências negaivas de ais ações são muio mais severas sob inegração financeira do que sob auarquia. Dessa forma, inegração financeira maior pode elevar a produividade da economia aravés da indução a um compromisso do governo com melhores políicas, o que gera uma rajeória para o invesimeno em direção a seus usos mais produivos e eficienes. O segundo canal aua no senido de sinalizar melhores práicas políicas em relação aos capiais exernos no fuuro, ou seja, a aberura financeira poderia ser inerpreada como a disposição de um país em se compromeer com melhores políicas em relação a invesimenos exernos no fuuro 6. Assim, maior aberura financeira pode funcionar como um indicador anecedene do crescimeno da produividade. Apresenados os canais de ransmissão que aberura financeira maior pode exercer no crescimeno, passaremos na seção seguine a discuir o papel fundamenal que o aprofundameno financeiro pode exercer sobre a axa de crescimeno econômico de um país bem como de que maneira os benefícios de maior aberura financeira podem se maerializar para países mais desenvolvidos financeiramene O papel do aprofundameno financeiro Anes de raar propriamene a respeio do aprofundameno financeiro é imporane mencionar a quesão dos chamados efeios de hreshold na relação enre aberura financeira e crescimeno. Apesar de não haver fores evidências empíricas em orno desa relação de um modo geral, exisem evidências de que para deerminadas caracerísicas esruurais dos países, capiais exernos podem exercer efeios benéficos ao crescimeno de longo prazo das economias. Mais especificamene é preciso que os fundamenos insiucionais, políicos e econômicos dos países sejam sólidos o suficiene para que a inegração financeira

12 27 inernacional possa exercer impacos posiivos reais sobre o crescimeno e o bemesar. Por fundamenos sólidos enende-se uma capacidade absorciva elevada de capiais exernos, no senido de que o país possa converer de maneira eficaz e eficiene esses fluxos para invesimenos produivos. Políicas macroeconômicas consisenes, boas práicas de governança, alo nível de capial humano e elevado desenvolvimeno financeiro consiuem fundamenos básicos que deerminam a capacidade absorciva de uma economia. Efeios posiivos de fluxos de capiais esrangeiros sobre o crescimeno econômico dependerão crucialmene dessa capacidade absorciva 7. Nese rabalho, como dio aneriormene, o foco se concenrará no desenvolvimeno financeiro de um país como mola propulsora para que os fluxos de capiais exernos gerem impacos posiivos no crescimeno econômico. Na seção seguine faremos uma breve revisão da lieraura que raa do aprofundameno financeiro e o seu papel como faciliador do crescimeno econômico para que possamos depois enender de maneira mais clara de que forma ese pode funcionar como variável chave na relação enre aberura financeira e crescimeno econômico de longo prazo Lieraura Exise uma exensa lieraura que daa desde Schumpeer (93) e Robinson (952) que raa a respeio de uma possível ligação de causalidade enre a qualidade do sisema financeiro e o crescimeno econômico. Em ermos gerais, uma vez que ese provê serviços financeiros capazes de realocar o capial em direção a seus usos mais produivos reduzindo risco moral, seleção adversa e cusos de ransação, pode funcionar como um propulsor da produividade na economia. King e Levine (993) invesigam empiricamene uma relação de causalidade e mosram que o componene pré-deerminado do desenvolvimeno financeiro é um bom previsor para o crescimeno econômico. No enano, pode ocorrer que o desenvolvimeno do sisema financeiro, medido pela exensão dos mercados de crédio e de capiais, funcione como um anecipador do crescimeno 6 Barolini e Drazen (997) argumenam que a remoção de resrições em saídas de capial pode funcionar como uma boa sinalização de políica e com isso elevar o influxo de capiais. 7 Ver Aiken e Harrison (999) e Area, Eichengreen e Wyplosz (200).

13 28 fuuro. Ou seja, insiuições financeiras podem aumenar os emprésimos caso esperem aquecimeno da aividade econômica, ao passo que o mercado acionário ende a capar o valor presene das oporunidades de crescimeno fuuras. De forma a buscar uma relação de causalidade é preciso focar nos dealhes por derás do mecanismo que permie o seor financeiro criar serviços reais. Desenvolvimeno financeiro envolve a melhora em: a-) geração de informação sobre oporunidades de invesimeno; b-) moniorameno de firmas e execução de regras de governança; c-) gerenciameno de risco; d-) mobilização de poupança. A seguir, descrevemos cada um dos quaro argumenos, apresenando alguns rabalhos imporanes enconrados na lieraura. a-) A presença de um mercado desenvolvido de inermediários financeiros reduz os cusos de processameno de informações sobre invesimenos de risco faciliando a alocação eficiene de capial e enão elevando a produividade. Greenwood e Jovanovic (990) desenvolvem um modelo eórico em que inermediação financeira e crescimeno são deerminados endogenamene, enfaizando o efeio descrio acima. b-) Bencivenga e Smih (993) aponam que inermediários financeiros melhoram nível de governança corporaiva permiindo redução no racionameno de crédio e, porano, elevando a concessão de emprésimos e acumulação de capial. c-) O papel dos inermediários financeiros em miigar riscos associados a projeos de invesimeno é de exrema imporância. Poupadores aversos a risco podem ober axas de reorno mais elevadas quando da presença de um sisema financeiro desenvolvido, uma vez que ese induz uma mudança de porfolio em direção a projeos mais arriscados de mais alo reorno. Mais invesimenos em projeos com reornos maiores implicam maior axa de crescimeno. Um ouro ipo de risco pelo qual os inermediários financeiros êm papel fundamenal em reduzir é o chamado risco de liquidez de aivos. Projeos de alo reorno muias vezes êm um período de mauridade alo e a necessidade de liquidez por pare do invesidor em algum momeno anes da mauração do projeo pode forçar uma liquidação anecipada dese provocando perdas elevadas. Um sisema financeiro amplo e bem desenvolvido reduz a necessidade de poupadores individuais de manerem uma fração elevada de seu porfolio na forma de aivos líquidos, porém pouco ou nada renáveis. Insiuições financeiras êm a

14 29 capacidade de ransformar insrumenos líquidos, como depósios e íulos, em invesimenos de longo prazo com reorno elevado a riscos mais baixos. Bencivenga e Smih (99) ilusram esse argumeno em um modelo eórico de gerações superposas com rês períodos 8. Nese rabalho, os auores mosram que a inermediação financeira permie à economia reduzir a poupança manida em forma de aivos líquidos, porém improduivos, e a prevenir a liquidação de capial anecipada em face de choques de liquidez. Dessa forma, um pooling maior de poupança para invesimenos de longo prazo com maiores reornos permie acelerar o crescimeno da economia. d-) Um úlimo argumeno consise no fao de que sisemas financeiros bem desenvolvidos canalizam de forma mais eficiene poupança para invesimeno. Por reduzir cusos de ransação e assimeria de informação, sisemas financeiros em bom funcionameno permiem melhor canalização de poupança para projeos mais renáveis que não seriam realizados por indivíduos isoladamene. Assim, uma melhor alocação de recursos eleva a produividade e o crescimeno da economia. A figura 2 a seguir ilusra um diagrama de dispersão enre crédio domésico privado como proporção do PIB, como medida de aprofundameno financeiro, e crescimeno da produividade para a amosra de 70 países na média do período O coeficiene de correlação simples enre as duas variáveis é de 0,4. Apesar de não podermos inferir nenhuma causalidade a parir disso uma vez que não esamos conrolando pelos ouros fundamenos, e além de ser uma simples correlação, podemos er uma idéia de que ambas devem esar relacionadas no processo de crescimeno econômico de longo prazo. Anes de passarmos para a análise empírica formal que busca quanificar os efeios de maior aberura financeira e volume de fluxos exernos de capiais sobre o crescimeno, apresenaremos uma breve discussão a respeio dos efeios dos fluxos de capiais sobre desalinhamenos na axa real de câmbio, bem como uma revisão da lieraura em orno dos efeios desses desalinhamenos sobre o crescimeno econômico. Assim, a seção 4 apresena oda a análise empírica que raa desses canais descrios pela lieraura, ano no que concerne à relação capiais e crescimeno quano à relação câmbio e crescimeno. 8 Greenwood e Smih (997) ambém desenvolvem um modelo de gerações superposas à semelhança dese. Esses auores, enreano, inroduzem algumas inovações ao modelo de forma a permiir formação endógena dos mercados bancário e acionário no processo de crescimeno.

15 30 Figura 2 Crédio/PIB e Crescimeno da produividade 7 % Crescimeno da produividade Crédio/PIB (%)

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil O impaco de requerimenos de capial na ofera de crédio bancário no Brasil Denis Blum Rais e Silva Tendências Márcio I. Nakane Depep II Seminário Anual sobre Riscos, Esabilidade Financeira e Economia Bancária

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO MAURÍCIO MACHADO FERNANDES; JULIANA MARIA AQUINO; ELAINE TOLDO PAZELLO; LUIZ GUILHERME SCORZAFAVE.

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE RELAÇÕES MACROECONÔMICAS ENTRE DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL, TAXA REAL DE CÂMBIO, INVESTIMENTOS PRODUTIVOS,

Leia mais

Fabiano Maia Pereira. Modelos de Ciclos Reais de Negócios com Imposto e Setor Externo: o Caso Brasileiro

Fabiano Maia Pereira. Modelos de Ciclos Reais de Negócios com Imposto e Setor Externo: o Caso Brasileiro Fabiano Maia Pereira Modelos de Ciclos Reais de Negócios com Imposo e Seor Exerno: o Caso Brasileiro Brasília Disrio Federal Unb/Deparameno de Economia 2009 Fabiano Maia Pereira Modelos de Ciclos Reais

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Fluxo de Caixa, ADRs e Restrições de Crédito no Brasil

Fluxo de Caixa, ADRs e Restrições de Crédito no Brasil Vol. 5, No.2 Viória-ES, Mai Ago 2008 p. 144-151 ISSN 1807-734X Fluxo de Caixa, ADRs e Resrições de Crédio no Brasil Crisiano M. Cosa Deparmen of Economics, Universiy of Pennsylvania Lourenço Senne Paz

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

Estimativas do Grau de Abertura da Conta de Capitais no Brasil 1988 a 1998

Estimativas do Grau de Abertura da Conta de Capitais no Brasil 1988 a 1998 ISSN 1415-4765 TEXTO PARA DISCUSSÃO N O 715 Esimaivas do Grau de Aberura da Cona de Capiais no Brasil 1988 a 1998 João Carlos Ramos Magalhães Brasília, março de 2000 ISSN 1415-4765 TEXTO PARA DISCUSSÃO

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br Apresenação Oral-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia HUMBERTO FRANCISCO SILVA

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise 4 O Papel das Reservas no Cuso da Crise Nese capíulo buscamos analisar empiricamene o papel das reservas em miigar o cuso da crise uma vez que esa ocorre. Acrediamos que o produo seja a variável ideal

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos econsor www.econsor.eu Der Open-Access-Publikaionsserver der ZBW Leibniz-Informaionszenrum Wirscaf Te Open Access Publicaion Server of e ZBW Leibniz Informaion Cenre for Economics Gonçalves, Reinaldo Working

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo 0 INTRODUÇÃO A queda do sisema de Breom Woods e, poseriormene, a ausência de uma relação esreia enre moeda e renda, dada pela insabilidade da velocidade de circulação da moeda, inciou o desenvolvimeno

Leia mais

Autoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Costa

Autoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Costa Qualidade de Accruals e Persisência dos Lucros em Firmas Brasileiras Lisadas na Bovespa Auoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Cosa Resumo Ese arigo objeiva invesigar a relação enre a qualidade

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Ozawa Gioielli Sabrina P.; Gledson de Carvalho, Anônio; Oliveira Sampaio, Joelson Capial de risco

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi Insper Insiuo de Ensino e Pesquisa Programa de Mesrado Profissional em Economia Bruno Russi ANÁLISE DA ALOCAÇÃO ESTRATÉGICA DE LONGO PRAZO EM ATIVOS BRASILEIROS São Paulo 200 Bruno Russi Análise da alocação

Leia mais

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro Governança Corporaiva, Risco Operacional e Comporameno e Esruura a Termo da Volailidade no Mercado de Capiais Brasileiro Auoria: Pablo Rogers, Cláudio Anônio Pinheiro Machado Filho, José Robero Securao

Leia mais

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil Variabilidade e pass-hrough da axa de câmbio: o caso do Brasil André Minella Banco Cenral do Brasil VI Seminário de Meas para a Inflação Agoso 005 Disclaimer: Esa apresenação é de responsabilidade do auor,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL

A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL fcccassuce@yahoo.com.br Apresenação Oral-Comércio Inernacional ANA

Leia mais

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 Geovana Lorena Berussi (UnB) Lízia de Figueiredo (UFMG) Julho 2010 RESUMO Nesse arigo, invesigamos qual

Leia mais

XV Prêmio Tesouro Nacional 2010: Homenagem a. Joaquim Nabuco

XV Prêmio Tesouro Nacional 2010: Homenagem a. Joaquim Nabuco 1 XV Prêmio Tesouro Nacional 2010: Homenagem a Joaquim Nabuco TEMA 3: POLÍTICA FISCAL E A CRISE ECONÔMICA INTERNACIONAL 3.1 Políica Fiscal, Finanças Públicas e a Crise do Sisema Financeiro Inernacional

Leia mais

A Estratégia de Financiamento com Subscrições de Ações: O Caso de Empresas Brasileiras

A Estratégia de Financiamento com Subscrições de Ações: O Caso de Empresas Brasileiras A Esraégia de Financiameno com Subscrições de Ações: O Caso de Empresas Brasileiras Auores: Luiz Albero Berucci CEPEAD/CAD/UFMG (berucci@face.ufmg.br) Hudson Fernandes Amaral CEPEAD/CAD/UFMG (hfamaral@face.ufmg.br)

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

EFEITOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE A PRODUTIVIDADE: A EVIDENCIA EMPIRICA PARA O NORDESTE BRASILEIRO UTILIZANDO VETORES AUTOREGRESSIVOS (VAR).

EFEITOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE A PRODUTIVIDADE: A EVIDENCIA EMPIRICA PARA O NORDESTE BRASILEIRO UTILIZANDO VETORES AUTOREGRESSIVOS (VAR). EFEITOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE A PRODUTIVIDADE: A EVIDENCIA EMPIRICA PARA O NORDESTE BRASILEIRO UTILIZANDO VETORES AUTOREGRESSIVOS (VAR). Jocildo Fernandes Bezerra 1 Professor do Deparameno de

Leia mais

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo O Cuso de Bem-Esar da Inflação: Cálculo Tenaivo com o Uso de um Modelo de Equilíbrio Geral José W. Rossi Resumo O cuso de bem-esar da inflação em sido calculado usando-se basicamene dois ipos de abordagem:

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO Área 5 - Crescimeno, Desenvolvimeno Econômico e Insiuições Classificação

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

A dinâmica de transição e o crescimento econômico em um modelo neoclássico com capital humano

A dinâmica de transição e o crescimento econômico em um modelo neoclássico com capital humano A dinâmica de ransição e o crescimeno econômico em um modelo neoclássico com capial humano Jorge Cláudio Cavalcane de Oliveira Lima* Resumo O modelo neoclássico de crescimeno proposo por Solow (956) ganhou

Leia mais

A dinâmica do emprego formal na região Norte do estado do Rio de Janeiro, nas últimas duas décadas

A dinâmica do emprego formal na região Norte do estado do Rio de Janeiro, nas últimas duas décadas A dinâmica do emprego formal na região Nore do esado do Rio de Janeiro, nas úlimas duas décadas Helio Junior de Souza Crespo Insiuo Federal Fluminense-IFF E-mail: hjunior@iff.edu.br Paulo Marcelo de Souza

Leia mais

Três Modelos Teóricos para a Previdência Social

Três Modelos Teóricos para a Previdência Social TEXTO PARA DISCUSSÃO N O 56 Três Modelos Teóricos para a Previdência Social Rogério Boueri Miranda SETEMBRO DE 997 * TEXTO PARA DISCUSSÃO N O 56 Três Modelos Teóricos para a Previdência Social * Rogério

Leia mais

Avaliação de Empresas com Base em Números Contábeis

Avaliação de Empresas com Base em Números Contábeis Vol. 4, No. 2 Viória-ES, Brasil Mai/ Ago 27 p. 96-3 ISSN 87-734X Avaliação de Empresas com Base em Números Conábeis James A. Ohlson* Arizona Sae Universiy Alexsandro Broedel Lopes** USP- Universidade de

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE INOVAÇÃO EM UM MODELO COM RESTRIÇÃO EXTERNA

SISTEMA NACIONAL DE INOVAÇÃO EM UM MODELO COM RESTRIÇÃO EXTERNA SISTEMA NACIONAL DE INOVAÇÃO EM UM MODELO COM RESTRIÇÃO EXTERNA Resumo: Fabricio J. Missio Luciano F. Gabriel O objeivo do arigo é invesigar as iner-relações eóricas e empíricas enre crescimeno econômico,

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insiuo de Ciências Humanas Deparameno de Economia DOUTORADO EM ECONOMIA A Produividade do Capial no Brasil de 1950 a 2002 Aumara Feu Orienador: Prof. Maurício Baraa de Paula Pino

Leia mais

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO Thamirys Figueredo Evangelisa 1 Eliane Crisina de Araújo Sbardellai

Leia mais

Resumo. Palavras-chave:qualidade da educação, financiamento da educação, família, municípios. Classificação JEL: I2, H2, D6, R58.

Resumo. Palavras-chave:qualidade da educação, financiamento da educação, família, municípios. Classificação JEL: I2, H2, D6, R58. O impaco dos gasos públicos municipais sobre a qualidade da educação: uma análise de variáveis insrumenais enre 2007 e 2011 Darlan Chrisiano Kroh * Flávio Oliveira Gonçalves ** Resumo Grande pare do desempenho

Leia mais

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil Marcello da Cunha Sanos Dívida pública e coordenação de políicas econômicas no Brasil Belo Horizone, MG Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno Regional Faculdade de Ciências Econômicas UFMG 4 Marcello da

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

REGRAS DE POLÍTICA MONETÁRIA ÓTIMAS EM PEQUENAS ECONOMIAS ABERTAS

REGRAS DE POLÍTICA MONETÁRIA ÓTIMAS EM PEQUENAS ECONOMIAS ABERTAS REGRAS DE POLÍTICA MONETÁRIA ÓTIMAS EM PEQUENAS ECONOMIAS ABERTAS CATEGORIA: PROISSIONAL - Inrodução Após as crises financeiras do final dos anos novena e início desa década, noadamene as crises da Ásia

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Propostas de Reforma

A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Propostas de Reforma Tema 2 Tópicos Especiais de Finanças Públicas 2.3 Reforma do Esado: Reforma Adminisraiva e Reforma Previdenciária A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Proposas de

Leia mais

Testando as Previsões de Trade-off e Pecking Order sobre Dividendos e Dívida no Brasil

Testando as Previsões de Trade-off e Pecking Order sobre Dividendos e Dívida no Brasil Tesando as Previsões de Trade-off e Pecking Order sobre Dividendos e Dívida no Brasil Júlio Cesar G. da Silva Ricardo D. Brio Faculdades Ibmec/RJ Ibmec São Paulo RESUMO Ese rabalho mosra que as companhias

Leia mais

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2 A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Mara R. Casilho 1 e Viviane Luporini 2 ANPEC 2009: ÁREA 6 RESUMO: O arigo apresena um esudo comparaivo das elaicidades-renda das exporações

Leia mais

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil*

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 303-345, DEZ. 2008 303 Esruura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* SAMER SHOUSHA** RESUMO Exise uma relação muio próxima enre

Leia mais

CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE NO BRASIL: O QUE NOS DIZ O REGISTRO DE LONGO PRAZO

CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE NO BRASIL: O QUE NOS DIZ O REGISTRO DE LONGO PRAZO CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE NO BRASIL: O QUE NOS DIZ O REGISTRO DE LONGO PRAZO (Maio de 2001) (Versão preliminar. Somene para comenários. Favor não ciar) Inrodução 3 E. Bacha 1 R. Bonelli 2 Após duas décadas

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA)

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA) GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS Insruções para a Ala Direção e o Responsável Ambienal (RA) DIS TR IBU IDO R Adapado de: MANUAL DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CONCESSIONÁRIAS DE

Leia mais

Alguns Comentários sobre o Impacto da Privatização. no Risco das Ações das Empresas. Resumo. Abstract

Alguns Comentários sobre o Impacto da Privatização. no Risco das Ações das Empresas. Resumo. Abstract Alguns Comenários sobre o Impaco da Privaização no Risco das Ações das Empresas Resumo Alexandre Rands Barros 1 Pierre Lucena 2 Nese arigo apresenou-se uma eoria que explicaria a mudança da percepção que

Leia mais

ACORDO DE ACIONISTAS E QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS NO MERCADO BRASILEIRO

ACORDO DE ACIONISTAS E QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS NO MERCADO BRASILEIRO 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS FELIPE MAIA LYRIO ACORDO DE ACIONISTAS E QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS:

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

Avaliação do Fair Value dos Direitos de Exploração Mineral de Granito com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Estudo de Caso

Avaliação do Fair Value dos Direitos de Exploração Mineral de Granito com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Estudo de Caso Avaliação do Fair Value dos Direios de Exploração Mineral de Granio com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Esudo de Caso Resumo Ese esudo invesiga a aplicação da eoria de opções reais em reservas

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Propostas de Reforma

A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Propostas de Reforma A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Proposas de Reforma Bruno Zanoo Vigna Resumo É consenso que a demografia esá por rás da deerioração das conas previdenciárias

Leia mais