Palavras-chave: Posição Relativa do Mercado; Vantagem Comparativa; Constant-Market-Share; Competitividade.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Posição Relativa do Mercado; Vantagem Comparativa; Constant-Market-Share; Competitividade."

Transcrição

1 O desempenho das exporações brasileiras de amêndoas de casanha-de-cau enre os anos de 2007 e 2011 The performance of cashew-nus expors from Brazil beween 2007 and 2011 Renao Drogue Macedo Universidade Esadual de Sana Cruz Naisy Silva Soares Universidade Esadual de Sana Cruz Resumo: O presene rabalho avaliou o desempenho das exporações de casanha-de-cau do Brasil e dos seus principais concorrenes no mercado inernacional, enre os anos de 2007e2011, por meio dos indicadores de Posição Relaiva de Mercado, Vanagem Comparaiva Revelada e Consan-Marke- Share. Os resulados obidos indicaram que o Brasil e seus principais concorrenes no mercado inernacional perderam posição relaiva no mercado, exceo a Cosa do Marfim ese foi o país com maior vanagem comparaiva revelada; o crescimeno do comércio mundial conribuiu em maior percenual para o crescimeno das exporações de casanha-de-cau dos países analisados, exceo para a Cosa do Marfim, onde o efeio compeiividade superou o crescimeno do comércio mundial; e o efeio desino das exporações foi relevane para explicar o crescimeno das exporações, principalmene no caso do Brasil. Palavras-chave: Posição Relaiva do Mercado; Vanagem Comparaiva; Consan-Marke-Share; Compeiividade. Absrac: This sudy evaluaed he performance of expors of cashew-nus from Brazil and is main compeiors in he inernaional marke, from 2007 o 2011, hrough he indexes of relaive posiion in he marke, comparaive advanage and consan-marke-share advanage. The resuls indicaed ha Brazil and is main compeiors in he inernaional marke los relaive marke posiion, excep Ivory Coas, which was he counry wih he highes revealed comparaive advanage; he growh of world rade conribued mos o he percenage growh in expors of cashew-nu on he analyzed counries, excep for he Ivory Coas where he compeiiveness effec surpassed he growh of world rade; and finally he effec on he expors desinaion was relevan o mainly explain he expor growh in Brazil. Keywords: Relaive posiion in marke; Comparaive advanage; Consan-Marke-Share; Compeiiveness. JEL: F14 Inrodução O caueiro (Anacardiumoccidenale L.) é uma culura perene, naiva do Brasil. Da árvore pode ser obido um conuno de produos, denre os quais o principal é a casanha, de onde se exrai a amêndoa da casanha-de-cau uilizada como alimeno humano em formas variadas. O pedúnculo ou pseudofruo, ainda pouco aproveiado, pode ser consumido in naura ou ser uilizado para a fabricação de doces e ambém para a exração de polpas para sucos e ouras bebidas, com o bagaço resulane podendo ser uilizado para ração animal, mediane processameno adequado. Da casca da casanha do cau, por sua vez, é exraído o Líquido da Casca da Casanha-de-cau (LCC), com aplicações nobres em indúsrias químicas, como, por exemplo, na fabricação de inas, lubrificanes e cosméicos. Ainda da casca dos galhos podados da árvore, da folha, da película da amêndoa da casanha-de-cau ou mesmo do bagaço do pedúnculo pode ser exraído o anino, composo químico com vasas aplicações indusriais, ais como a subsiuição do cromo no curimeno de couro; porém, sua ecnologia de exração não é amplamene acessível (FIGUEIRÊDO JUNIOR, 2006).

2 O cau é uma culura de grande imporância social e econômica para o Brasil. O seu mercado é pauado principalmene na exporação, uma vez que a elas são desinadas quase 90% da produção nacional, e em como principal região produora a região Nordese do Brasil sendo considerado ícone da economia nordesina brasileira (BANCO DO BRASIL, 2010). Hisoricamene, a produção nacional, aé o fim da década de 1960, era dominada por um culivo exensivo: a casanha era coleada apenas de árvores nauralmene exisenes e localizadas próximas ao lioral. Ese cenário mudou a parir de 1968, com as perspecivas de crescimeno do comércio exerno, além de incenivos às exporações. Nese período ocorreu a expansão da cauculura no esado do Ceará. Enre os anos de 1974 e 1986, a área culivada no referido esado apresenou um avanço médio de 12% ao ano, e ese aumeno proporcionou a manuenção da produção aé o fim da década de 1980, consolidando o esado como principal produor de casanha-de-cau do Brasil (PIMENTEL, 1988). Em relação aos maiores produores mundiais de casanha-de-cau, aé meados da década de 1980, o Brasil dispuava a liderança do comércio inernacional com a Índia. No período mais recene, porém, a produção brasileira de casanha-de-cau vem sendo superada por países africanos. No que se refere ao volume nacional, em 2011 foram produzidas 299 mil oneladas, com uma área planada de mais de 772 mil hecares. Em relação ao consumo de amêndoas provenienes do mercado exerno, a indúsria brasileira imporou o equivalene a 38,3 milhões de dólares, principalmene da Cosa do Marfim (45,86%), Gana (25,09%), Guiné-Bissau (19,88%) e Nigéria (9,15%)(MDIC, 2014; FAO, 2014). O lioral da região Nordese do Brasil é considerado o pono de origem e dispersão do caueiro comum. No que ange à produção nacional das casanhas-decau, esa é oalmene concenrada nos esados do Ceará, Piauí, e Rio Grande do Nore (com maior paricipação do primeiro), e o agronegócio de casanha-de-cau na região Nordese do Brasil é significaivo: a aividade emprega aproximadamene 55 mil pessoas (enre o campo e a indúsria) e, como dio aneriormene, ocupa uma área esimada de mais de 772 mil hecares planados (PAIVA; SILVA NETO; PAULA PESSOA, 2000). Em relação à localização do culivo no mundo, ese se faz presene na América do Sul, África, América Cenral e Ásia. A parir do ano de 1985, os principais produores de casanhas no mundo foram se consolidando, denre eles: Índia, Brasil, Tanzânia e Quênia. Ouros países se desacaram ambém na comercialização da casanha-de-cau, denre eles a Indonésia, Cosa do Marfim e Holanda, consolidandose como alguns dos maiores exporadores dese úlimo iem (SILVA; CARVALHO; KHAN, 2005). A balança comercial brasileira no geral vem apresenando aumenos em seus níveis de superávi nos úlimos anos. Eses ganhos podem ser vinculados, primordialmene, à performance da paua de exporações do agronegócio brasileiro no mercado exerno. Maner ese parâmero de crescimeno e evolução desa área econômica é imporane, pois esa é fundamenal para criação de divisas, geração de empregos e renda, além de capaciar o foralecimeno do crescimeno econômico do país (GONÇALVES, 1997). Referene à paua de exporações brasileiras, os principais desinos da casanha-de-cau nacional são os Esados Unidos, Holanda, Canadá e Líbano, além do Reino Unido, Porugal e Iália os Esados Unidos corresponderam ao consumo de mais de 60% das exporações brasileiras enre os anos de 2007 e 2011 (MDIC, 2014). 149

3 Embora o Brasil sea um dos principais exporadores mundiais de casanhade-cau, a compeição pelos mercados exernos é grande. Assim, orna-se necessário analisar a compeiividade do país no mercado inernacional desse produo. Pesquisas nesse senido podem conribuir para a elaboração de políicas para o desenvolvimeno da cadeia produiva nacional. Assim, orna-se relevane aualizar rabalhos nesa área, considerando, ainda, a imporância econômica dessa oleaginosa para o esado do Ceará, para a região Nordese do Brasil, e para o país como um odo, além do aumeno na faia de mercado brasileiro nas exporações do produo em âmbio inernacional. Além disso, considerando a paricipação de um país no mercado mundial de um deerminado produo como reflexo de sua compeiividade, surgem aqui quesionamenos sobre a evolução da compeiividade da amêndoa de casanha-decau brasileira no mercado mundial e sobre quais os possíveis faores que podem er influenciado o desempenho exporador dese produo. As análises geradas nese esudo inencionam desperar nas insiuições governamenais e privadas um olhar mais dealhado sobre o seor de forma a esabelecer políicas de esímulo a seu crescimeno. Nese conexo, foi efeuada a comparação do desempenho das exporações brasileiras de casanha-de-cau com seus maiores concorrenes no mercado mundial: Índia, Indonésia, Holanda e Cosa do Marfim. Em ermos de paricipação na comercialização mundial, em 2007, eses países, uno ao Brasil, represenaram 86% das exporações oais do produo sendo a Índia a líder com 43% da paricipação oal, seguida do Brasil (18%), Holanda (10%), Cosa do Marfim (8%) e Indonésia (7%). Em 2011, eses cinco países represenaram 83% das exporações oais, com a Índia permanecendo em primeiro lugar, com 44% do oal, seguida pela Cosa do Marfim (13%), Brasil (11%), Holanda (10%) e Indonésia (4%) (FAO, 2014). A presene pesquisa analisou o período compreendido enre os anos de 2007 e 2011, uma vez que esudos em períodos aneriores foram elaborados no senido de avaliar esa compeiividade; para anos poseriores a 2011 não foi possível efeuar análises devido à indisponibilidade de alguns dados (ARAUJO e al., 2006; ALBUQUERQUE e al., 2010). Ressala-se que a análise foi realizada para os períodos de , e Assim, o presene rabalho eve como obeivo, avaliar o desempenho das exporações de casanha-de-cau do Brasil, enre os anos de2007e2011, por meio de indicadores de compeiividade. Especificamene, preendeu-se confronar o desempenho das exporações brasileiras de casanha-de-cau com a de seus principais concorrenes no mercado inernacional, considerando os períodos , e Maerial e méodo 2.1 Referencial eórico A fim de que possamos aender o obeivo desa pesquisa, faz-se primordial o enendimeno do conceio de compeiividade, ainda que ese não enconre consenso enre as diversas eorias da economia. Exisem diferenças básicas em sua compreensão, uma vez que [...] a noção de compeiividade não é apreendida da mesma forma pelos vários auores. As diferenças resulam em bases eóricas, 150

4 percepções da dinâmica indusrial e ideologias diversas (HAGUENAUER, 1989, p. 1). Além dessa diversidade no que diz respeio ao conceio, sabe-se que a compeiividade é afeada por faores que não se isolam, mas se relacionam um com o ouro. Alves (2002) resume esa siuação, quando diz que o caráer da compeiividade é mulidimensional, no senido de ser fruo de uma combinação de diversos faores, e não da ação de faores isolados. Ainda segundo o auor, esse conceio pode ser aplicado a diferenes níveis de análise, ais como coninenes ou países, seores isolados, e ambém a parâmeros microeconômicos, como empresas e aé produos específicos. Corroborando com esa visão, Pinheiro e ouros (1992) expõem que: [...] a muliplicidade e a diversidade de variáveis que influenciam a compeiividade fazem com que esse conceio, ainda que aparenemene simples, permia as mais variadas definições, associadas a diferenes indicadores, ornando clara não apenas a fala de consenso na lieraura econômica sobre o que significa compeiividade, como ambém as ambiguidades e dificuldades que esse conceio encerra. (PINHEIRO e al., 1992, p. 3). Segundo os auores, exisem 15 definições diferenes na lieraura para o conceio de compeiividade indusrial, sendo que ese conceio esá ligado a emas de ampliude maior, ais como produividade, compeição, eficiência, mauridade ecnológica, denre ouros. De forma geral, é possível dividir a análise da compeiividade em rês linhas conceiuais principais: o conceio eficiência, o conceio macro e, por fim, o conceio desempenho. De um modo geral, para os auores, o conceio eficiência esá ligado à capacidade de um país em produzir com níveis de eficiência idênicos ou maiores que seus concorrenes, e é de naureza esruural ou sea, seu grau pode ser medido aravés da análise da complexidade de seus canais de comercialização, desenvolvimeno da economia de escala e da capaciação écnica da mão de obra, enre ouros criérios. Alguns dos principais indicadores comumene uilizados para ese enfoque são os da proporção de gasos em pesquisa e desenvolvimeno ecnológico em relação ao PIB e o da medição do número de paenes adquiridas do exerior em função do amanho e grau de aberura econômica. Oura forma de se conceiuar a compeiividade é aravés do conceio macro. Como o próprio nome diz, esse conceio afirma que a compeiividade advém de decisões da políica macroeconômica, que, ao regular direamene variáveis como a políica salarial, a axa de câmbio e os subsídios e incenivos à exporação, influenciam o ganho de compeiividade. Dois indicadores ciados pelos auores como capazes de medir a compeiividade sob a abordagem macro são a própria axa de câmbio efeiva real e a relação câmbio/salário. Já o conceio desempenho relaciona a compeiividade de um país à sua performance no comércio exerior e, por raar-se de um conceio mais amplo, não busca idenificar os faores que deerminam e explicam a compeiividade, mas sim almea levanar as variáveis que sinalizam o desempenho do seor ou do país em relação ao mercado exerno. De acordo com os auores, a sua principal vanagem esaria na facilidade de consrução de indicadores, como por exemplo, a paricipação do país no comércio inernacional e o saldo de sua balança comercial (PINHEIRO e al., 1992, p. 3). 151

5 Ese úlimo conceio relaciona-se com o obeivo do presene esudo em analisar o desempenho das exporações brasileiras de casanha-de-cau por meio de indicadores de compeiividade. Denre os primeiros esudos econômicos vinculados ao comércio inernacional e à compeiividade, esão as eorias da vanagem absolua e vanagem comparaiva, de Adam Smih e David Ricardo, respecivamene. Parindo do quesionameno a respeio da origem da riqueza das nações, que para os mercanilisas esava pauada exclusivamene no esoque de meais preciosos, Smih propôs que a especialização inernacional dos faores de produção poderia aumenar a produção mundial e esa, com o livre-comércio, poderia ser comparilhada enre as nações que negociavam enre si. A visão mercanilisa de limiações na riqueza do mundo e a impossibilidade para algumas nações de maner uma balança comercial favorável foram desafiadas com a eoria das vanagens absoluas (CARBAUGH, 2004). Para Smih (CARBAUGH, 2004), odas as nações poderiam ober, de forma simulânea, ganhos com o comércio inernacional. Eses ganhos seriam obidos a parir da especialização do país na produção do bem para o qual possuísse vanagem absolua. Esa vanagem seria referene ao menor cuso de produção absoluo em um deerminado bem o cuso relacionado a esa vanagem seria a quanidade de mão de obra uilizada na fabricação de um bem. Seguindo esa visão, cada país precisaria possuir um bem específico cua eficiência fosse a maior denre odos os produores; com iso, o mundo poderia se beneficiar da divisão inernacional do rabalho. Esa configuração de ransação comercial enre as nações indicaria a presença de imporações para as que possuíssem o bem em desvanagem de cuso absoluo. De forma análoga, os bens que apresenassem vanagem de cuso absoluo seriam exporados para as demais economias (KRUGMAN; OBSTFELD, 2005). Esa relação de comércio baseada no cuso mínimo absoluo foi quesionada por David Ricardo (CARBAUGH, 2004). Para ele, essa relação poderia ocorrer um comércio muuamene benéfico ainda que um país fosse mais eficiene que seu parceiro comercial na produção de odos os bens comercializados. Assim, diferene de Smih, que defendia a compeiividade aravés da vanagem nos cusos absoluos, Ricardo lançou mão da eoria enre as diferenças de cusos comparaivas, que podia assim ser compreendida: Cada nação se especializa e expora aquele bem para o qual possui uma vanagem comparaiva [...]. É possível que uma nação não enha vanagem absolua em nada, mas não é possível que uma nação enha vanagem comparaiva em udo e a oura nação não enha vanagem comparaiva em nada. Isso ocorre porque a vanagem comparaiva depende dos cusos relaivos. Uma nação com desvanagem absolua em odos bens ulgaria vanaoso especializar-se na produção daquele bem para o qual sua desvanagem absolua é mínima (CARBAUGH, 2004, p. 34). Esa eoria da vanagem comparaiva consisia na possibilidade de exisir comércio muualmene benéfico enre nações, ainda que uma delas possuísse desvanagem de cuso absoluo na produção de odos os bens ransacionados enre elas. Segundo Ricardo, para que exisisse ese comércio, o país menos eficiene deveria especializar-se na produção do bem cua desvanagem absolua fosse menor. 152

6 Assim, o auor formulou um modelo de vanagens comparaivas baseado, denre ouras premissas, em: uma economia formada por apenas duas nações que possuíam apenas um único faor de produção (mão-de-obra), que não se movimena enre as nações, mas sim apenas enre seores. Além desas, ouras podem ser ciadas, como por exemplo: a exisência de concorrência perfeia, livre-comércio, níveis ecnológicos fixos e o equilíbrio das balanças comerciais (KRUGMAN; OBSTFELD, 2005). 2.2 Referencial Analíico A análise da compeiividade das exporações brasileiras de casanha-de-cau foi realizada por meio do cálculo dos indicadores de Posição Relaiva de Mercado (PRM), Vanagem Comparaiva Revelada (VCR) e Consan-Marke-Share (CMS), descrios a seguir. Posição Relaiva de Mercado (PRM) Um indicador que pode ser uilizado para se medir o grau de compeiividade de um país frene ao mercado exerno é o apresenado aravés do cálculo da Posição Relaiva de Mercado (PRM), apresenado por Lafay (1990), com maiores explicações por pare de Silva, Anefalos e Filho (2001). De acordo com os auores, para deerminar a posição de uma nação no mercado inernacional de um produo, é necessário que se calcule o seu saldo comercial ( X M ) em relação ao oal do referido produo comercializado no mundo ( W k ), num deerminado ano () (SILVA; ANEFALOS; FILHO, 2001, p. 72), o que pode ser observado conforme a equação (1). Em que: X M PRM = 100 x ( 1 ) Wk PRM = Posição Relaiva de Mercado do país i para o bem k no período ; X M = saldo comercial do país i para o bem k no período ; W k = oal do produo comercializado no mundo, ou sea, valor oal das exporações mais as imporações mundiais do produo k no período. O cálculo dos indicadores apresenados nese capíulo é de grande imporância para a consrução de esraégias de compeiividade e, segundo Perauskie e al. (2012), é imporane ambém para fundamenar o processo decisório, ano sob o aspeco da iniciaiva privada como de políicas governamenais, para com isso buscar foralecer a paricipação do país frene ao mercado globalizado. Vanagem Comparaiva Revelada (VCR) Perauskie e al. (2012) fazem, ambém, uma disinção enre o caráer dos indicadores que podem ser uilizados para se medir a compeiividade, afirmando que eses podem ser de naureza absolua ou relaiva. Segundo os auores: 153

7 Os indicadores absoluos referem-se [...] à comparação do desempenho compeiivo do país focalizado com o de seus concorrenes no comércio mundial dos produos respecivos. Já os indicadores do ipo relaivo [...] medem a relação enre o desempenho do seor em quesão e o desempenho dos demais seores do mesmo país (PETRAUSKI, e al., 2012, p. 100). Ese segundo grupo de indicadores, de viés relaivo, faz pare do conceio de vanagem comparaiva revelada, apresenado por Balassa (1965) e amplamene uilizado na lieraura econômica. Para ese auor, não seria simples quanificar quais seriam os faores que responderiam pelas vanagens comparaivas das nações, pois denre eles esão os cusos relaivos. Porano, sua sugesão foi a de que deveriam ser elaborados esudos de al forma que as vanagens fossem reveladas nos moldes do comércio. O indicador da Vanagem Comparaiva Revelada (VCR) pode enão ser inerpreado como sendo a associação para um deerminado país enre a paricipação no comércio exerior de um seor específico e sua paricipação no volume oal de exporações de sua indúsria de manufaura (PETRAUSKI e al., 2012), sendo expresso conforme a equação (2). Em que: VCR = Vanagem Comparaiva Revelada; k X i = valor das exporações do país i para o bem k; X i = valor das exporações oais do país i; X X k = valor das exporações do bem k no mundo; = valor das exporações oais no mundo. k X i / X i VCR = ( 2 ) k X / X Dese indicador depreende-se a ideia de que há ou não vanagens comparaivas reveladas no dado seor de análise, endo em visa que seu cálculo é baseado em números observados após o fenômeno da comercialização e, porano, apesar de deerminar a vanagem comparaiva, não é adequado para se buscar previsões. A análise da ferramena, segundo Perauskie e al. (2012), se dá aravés da inerpreação do valor absoluo do índice apresenado, e suas linhas de conclusão são as de que um índice menor que uma unidade indicaria um país apresenando uma desvanagem comparaiva para o bem em quesão considerado, enquano um valor maior que uma unidade comparada demonsraria que o país possui vanagem comparaiva revelada no comércio inernacional, sendo ano maior quano mais alo for ese índice. Consan-Marke-Share Empregou-se nese rabalho, ambém, o méodo Consan-Marke-Share (CMS) na análise do desempenho das exporações de casanha-de-cau, e que é muio uilizado em esudos sobre crescimeno e desempenho das exporações de produos agrícolas (HORTA e al., 1994; CARVALHO, 1997). No méodo CMS, as variações na paricipação das exporações de um país no comércio mundial são decomposas no efeio composição dos produos (maior 154

8 concenração na paua de exporação de produos cua demanda mundial cresce mais rapidamene), efeio disribuição dos mercados (maior desinação de produos para países/mercados que mais crescem no comércio mundial), efeio comércio mundial e efeio compeiividade, obido por resíduo dos demais. Segundo Coelho e Berger (2004), o méodo CMS apresena algumas limiações em esudos que invesigam as causas do crescimeno e desempenho das exporações. Essas limiações se devem ao fao de que o modelo uiliza apenas as informações dos dados iniciais e finais do período escolhido. Porém, ese faor não invalida os resulados. De acordo com Carvalho (2004), o méodo de CMS é expresso conforme equação (3). ' ' ( V V ) = ( rv ) + ( r r) V + ( V V rv ) (a) (b) (c) Em que: V V= crescimeno efeivo do valor das exporações de casanha-decau do país em foco para o mercado ; V = (p*q) = valor das exporações de casanha-de-caudo país em foco para o mercado, no período 1; V = (p *q) = valor das exporações de casanha-de-caudo país em foco para o mercado, no período 2; Sendo p = preço das exporações de casanha-de-caudo país em foco, no período 1, em US$/oneladas; p = preço das exporações de casanha-de-caudo país em foco, no período 2, em US$/oneladas; q = quanidade de casanha-de-cau exporada do país em foco ao mercado, no período 1, em milhões de oneladas; q = quanidade de casanha-de-cau exporada do país em foco ao mercado, no período 2, em milhões de oneladas; r = [(Xm /Xm)-1] axa de crescimeno percenual do valor das exporações mundiais de casanha-de-cau para o mercado, enre os períodos 1 e 2; r = [(Xm /Xm)-1] axa de crescimeno percenual do valor das exporações mundiais de casanha-de-cau, enre os períodos 1 e 2; e onde, Xm = valor das exporações mundiais de casanha-de-cau para o mercado, no período 1, excluídas as exporações do país em foco; Xm = valor das exporações mundiais de casanha-de-cau para o mercado, no período 2, excluídas as exporações do país em foco; Xm = Valor das exporações mundiais de casanha-de-cau no período 1; Xm = Valor das exporações mundiais de casanha-de-cau no período 2, os efeios são deerminados pelo seguine modo: (a) Efeio crescimeno do comércio mundial de casanha-de-cau= rv n = 1 (3) (b) Efeio desino das exporações = n = 1 r V n = 1 rv (c) Efeio compeiividade = n = 1 V ' n n V = 1 = 1 Nesse senido, o crescimeno das exporações pode ser explicado pelo crescimeno do comércio mundial, pela concenração favorável (ou desfavorável) das exporações em mercados de rápido (ou leno) crescimeno e por um efeio de compeiividade que resula de ganhos (ou perdas) de paricipação nos diferenes mercados (COELHO, BERGER, 2004). r V 155

9 Os resulados do méodo de CMS avaliam os efeios e a forma que cada efeio conribuiu, no caso da presene pesquisa, para a evolução das exporações de casanha-de-cau no período considerado, além de confronar o desempenho das exporações brasileiras de casanha-de-cau com a de seus principais concorrenes no mercado mundial (VALVERDE e al., 2006). Os mercados consumidores de casanha-de-cau considerado para análise referem-se aos países que são os principais desinos das exporações nacionais, a saber: Esados Unidos, Canadá, Líbano, Iália, Holanda, Reino Unido e Reso do Mundo; e aos principais concorrenes do Brasil no mercado inernacional de casanha-de-cau em 2011: Índia, Indonésia, Holanda e Cosa do Marfim (FAO, 2014). 2.3 Fone de Dados A análise desa pesquisa envolve uma comparação enre índices de indicadores de compeiividade, calculados aravés de dados secundários referenes ao período de 2007 a Uilizamos esa faixa emporal, uma vez que, como á dio aneriormene, além de enendermos que ese período é represenaivo a capar o desempenho das exporações brasileiras de casanha-de-cau e dos seus principais concorrenes no mercado inernacional em 2011 Índia, Indonésia, Holanda e Cosa do Marfim), segundo a Food and Agriculural Organizaion (FAO, 2014), ambém á exisem esudos feios para anos aneriores e que buscaram analisar a paricipação do Brasil no mercado inernacional da casanha-de-cau (ARAUJO e al., 2006; ALBUQUERQUE e al., 2010). Os dados secundários uilizados se referem às exporações e imporações anuais de casanha-de-cau e foram obidos nas seguines fones: o valor das exporações e imporações brasileiras de casanha-de-cau foi obido no banco de dados da FAO (2014) e esão em US$ FOB; os dados das exporações oais brasileiras e do mundo, em US$ FOB, são do Minisério do Desenvolvimeno, Indúsria e Comércio (MDIC, 2014); e o valor das exporações de casanha-de-cau do mundo, em US$ FOB, foi obido uno à Organização Mundial de Comércio (WTO, 2014). 3. Resulados e discussão Nesa sessão apresena-se a análise do desempenho das exporações brasileiras de casanha-de-cau e dos seus principais concorrenes no mercado inernacional, realizada por meio realizada do cálculo dos indicadores de Posição Relaiva de Mercado (PRM),Vanagem Comparaiva Revelada (VCR)e Consan- Marke-Share (CMS). Verificam-se na Tabela 01 os resulados referenes à PRM do Brasil e dos seus principais concorrenes no mercado inernacional de casanha-de-cau, enre2007 e

10 Tabela 01 Posição Relaiva do Mercado (PRM) do Brasil e dos seus principais concorrenes no mercado inernacional de casanha-de-cau, de 2007 a 2011 Cosa do Ano Brasil Índia Indonésia Holanda Marfim ,90 3,8 2,5 3,1-3, ,40 1,3 1,8 4,0-3, ,68-1,2 2,0 4,2-2, ,65 12,1 1,8 4,6-1, ,92-4,5 1,1 4,7-2,4 Fone: Resulados da Pesquisa. Noa-se, na Tabela 01, que no período de 2007 a 2011, o Brasil, a Indonésia e a Cosa do Marfim apresenaram valores posiivos para o índice PRM. Já a Índia apresenou valor negaivo para ese índice em 2009 e 2011 e a Holanda apresenou valor negaivo para odos os anos, indicando que o país perdeu posição no mercado e que se apresenou como imporador líquido desse produo, apesar do grande volume produzido. De 2007 a 2009 o Brasil apresenou o maior PRM quando comparado com seus principais concorrenes no mercado inernacional de casanha-de-cau. Em 2010, a maior PRM foi da Índia e em 2012 da Cosa do Marfim, devido ao crescimeno das exporações desses países no ano anerior. Na Tabela 02, esão exposos os resulados referenes à VCR do Brasil e dos seus principais concorrenes no mercado inernacional de casanha-de-cau, de 2007 a Tabela 02 Vanagem Comparaiva Revelada (VCR) do Brasil e dos seus principais concorrenes no mercado inernacional de casanha-de-cau, de 2007 a 2011 Cosa do Ano Brasil Índia Indonésia Holanda Marfim ,7 39,9 8,0 130,5 2, ,7 33,8 5,6 161,7 2, ,7 29,7 5,9 126,4 2, ,3 41,4 4,6 159,9 3, ,9 26,7 3,6 197,1 2,7 Fone: Resulados da Pesquisa. Noa-se que no período de 2007 a 2011, ano o Brasil quano seus concorrenes no mercado inernacional apresenaram vanagem comparaiva ou compeiividade da comercialização da casanha-de-cau no mercado inernacional, confirmando a imporância desse produo na paua de exporações dos países sob análise. Conudo, a Cosa do Marfim foi o país com maior vanagem comparaiva. Além disso, o índice VCR da Cosa do Marfim foi o maior denre os países considerados e aumenou, caracerizando aumeno do grau de compeiividade no 157

11 mercado de casanha-de-cau ao longo do período considerado.isso pode ser devido ao fao de as imporações de casanha-de-cau da Cosa do Marfim ser bem inferior quando comparada com as exporações, o que favorece posiivamene sua balança comercial. Na Índia, há um fore aparao governamenal para o desenvolvimeno dessa culura, ais como subsídios na comercialização da casanha e na aquisição de equipamenos desinados ao processameno, além de incenivos financeiros à exporação da amêndoa, o que ambém explica a compeiividade desse país no mercado inernacional de casanha-de-cau (ALBUQUERQUE e al., 2010). A perda de posição relaiva e da compeiividade brasileira no mercado inernacional de casanha do cau pode ser explicada pelos seguines faores: processameno da casanha-de-cau predominanemene radicional e mecanizado, com baixo rendimeno de amêndoas ineiras; baixa produividade da cau culura; baixa remuneração do produor, que em ainda acesso a um crédio resrio, devido a necessidades de garanias por pare dos órgãos financiadores; e conflios na cadeia agroindusrial do cau enre produores, inermediários e processadores, em ermos de margens e disribuição de ganhos (ALBUQUERQUE e al., 2010). As fones de crescimeno das exporações brasileiras de casanha-de-cau e dos seus principais concorrenes no mercado inernacional, no período de 2007 a 2011, por meio do méodo Consan-Marke-Share, esão apresenadas na Tabela 03 para os períodos de , e esa subdivisão deu-se a fim de ornar possível uma comparação evoluiva enre os períodos. Tabela 03 Fones de Crescimeno das Exporações Brasileiras de casanha-de-cau e dos seus principais concorrenes no mercado inernacional, de 2007 a 2011, em % Iens Ano Índia Indonésia Holanda Crescimeno efeivo do valor das exporações Crescimeno do comercio mundial Desino das exporações Compeiividade Fone: Resulados da Pesquisa. Cosa do Marfim Brasil ,44-0,45 22,99 40,24 2, ,59-3,05 19,18 37,44-2, ,38-3,52 37,76 62,61 0, , ,35 61,65 27,34 777, , ,02 156,18 61, , , ,49 102,67 37, , , ,42 166,64 72,57-879, , ,78-212,89 36, , , ,76-27,63 61, , ,84-21,07-128,29 0,08 201, ,28 43,24 156,70 1,80-216, ,68 34,73 24,96 1, ,67 Com base nos dados apresenados na Tabela 03, verifica-se que ocorreu um crescimeno efeivo das exporações de casanha-de-cau na Índia, Holanda e Cosa do Marfim o Brasil não apresenou crescimeno significaivo para o período analisado. Para o mercado nacional, enre os anos de 2007 e 2011, os valores oais de exporação permaneceram praicamene os mesmos (o que se refleiu em um índice abaixo de 0,5), enquano Cosa do Marfim, Índia e Holanda aumenaram sua paricipação no volume oal exporado no mercado mundial. No caso da Indonésia, houve redução dese crescimeno efeivo das exporações. Na Índia o crescimeno do comércio mundial e o desino das exporações explicam o crescimeno das exporações de casanha-de-cau do país. O efeio 158

12 compeiividade apresenou-se negaivo quando se leva em consideração a análise de 2007 a 2011, o que pode ser derivado do fao de que o culivo no país é o chamado de pioneiro (baseado em caueiros radicionais), ornando mais lena a subsiuição por espécies mais produivas (ALBUQUERQUE e al., 2010). Na Indonésia houve uma redução das exporações de casanha-de-cau, que pode ser explicada pelo efeio negaivo do crescimeno do comércio mundial. Já na Holanda o crescimeno das exporações de casanha-de-cau foi explicado pelo crescimeno do comércio mundial e pela compeiividade.na Cosa do Marfim, o crescimeno das exporações de casanha-de-cau se deve ao crescimeno do comércio mundial e da compeiividade. No caso brasileiro, não houve crescimeno significaivo das exporações de casanha-de-cau para o período de 2007 a Os valores absoluos referenes aos efeios de crescimeno do comércio mundial e do desino das exporações se anulam, uma vez que não houve crescimeno das exporações brasileiras no período. Em relação ao efeio compeiividade, para o caso do Brasil, o mesmo pode ser explicado por faores ais como a subsiuição do caueiro radicional pelo anão precoce, que em sido esimulada no país, apesar de seguir de maneira lena.além disso, em-se a boa recepividade do produo brasileiro no exerior. Eses faores explicam o fao da exporação brasileira haver permanecido nos mesmos níveis enre os anos analisados (ALBUQUERQUE e al., 2010). Considerações finais O cau é de fao uma culura de relevância econômica e social fundamenal para o Brasil. Como á dio aneriormene, grande pare da produção é desinada à exporação (por vola de aproximadamene 90% da produção inerna), e iso conribuiu e ainda conribui de maneira significaiva para o desenvolvimeno da região Nordese do Brasil. Porém, como apresenado nos resulados, o país vem perdendo compeiividade para os principais produores no mercado mundial, Em relação à paricipação das exporações brasileiras de casanha-de-cau no mercado inernacional, de um modo geral, o Brasil e seus principais concorrenes nese mercado perderam posição relaiva, exceo a Cosa do Marfim baseando-se no indicador de PRM. Enre os anos de 2007 e 2009, o Brasil maneve-se à frene do ranking, mas foi superado pela Cosa do Marfim, que encerrou 2011 como a primeira colocada. O país com maior vanagem comparaiva revelada (VCR) foi, usamene, a Cosa do Marfim, seguida pela Índia, Brasil, Indonésia e Holanda. Aqui, ressalamos que a vanagem da Cosa do Marfim, baseando-se nese indicador, foi absolua. O Brasil, enre os anos de 2007 e 2011, eve seu índice de VCR diminuído de 15,7 para 7,9, o que indica perda de paricipação na vanagem comparaiva revelada. Com a análise das fones de crescimeno das exporações de casanha-de-cau do Brasil e de seus principais concorrenes no mercado mundial (Índia, Indonésia, Holanda e Cosa do Marfim), foi consaado que, para os países em que houve crescimeno efeivo das exporações, o efeio crescimeno do comércio mundial conribuiu em maior percenual exceo para a Cosa do Marfim, onde o efeio compeiividade superou o crescimeno do comércio mundial. O efeio desino das exporações foi relevane para explicar o crescimeno das exporações da Índia; por ouro lado, o efeio compeiividade foi aquele que explicou 159

13 o crescimeno das exporações da Holanda, Cosa do Marfim e, principalmene, do Brasil. Assim, podemos concluir que o Brasil apresenou vanagem comparaiva revelada na produção de casanha-de-cau durane o período analisado nese esudo. Conano, o país perdeu a liderança no ranking para a Cosa do Marfim enre os anos de 2010 e 2011, o que orna de fundamenal imporância a análise de ferramenas para a reomada desa liderança do Brasil no comércio mundial dada a imporância da casanha-de-cau para a economia brasileira. Referências ALBUQUERQUE, D. P. L.; KHAN, A. S.; LIMA, P. V. P. S.; CARVALHO, E. B. S. A compeiividade exerna da amêndoa de casanha-de-cau Brasileira no período de 1990 A Anais... VI Enconro de Economia do Ceará em Debae, Foraleza- Ceará, ARAÚJO, S. S. V.; SILVA, L. M. R.;LIMA,P. S. Compeiividade do Agronegócio Cearense no Mercado Inernacional: ocaso da Amêndoa da Casanha-de-cau e Melão. Anais Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Adminisração e Sociologia Rural (SOBER), Julho, 2006, Foraleza, Ceará, Brasil. BALASSA, B. Trade liberalizaion and revealed comparaive advanage. The Mancheser School of Economic and Social Sudies. Mancheser, n. 32, p , BANCO DO BRASIL. Desenvolvimeno Regional Susenável: Fruiculura Cau. Série Cadernos de Proposas para auação em cadeias produivas. Fundação Banco do Brasil: Brasília, Disponível em: <hp://www.bb.com.br/docs/pub/ins/dwn/ Vol4FruicCau.pdf>. Acesso em: 22 ul., CARBAUGH, R. J. Economia Inernacional. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, CARVALHO, F. M. A. de. Méodo Consan Marke Share. In. SANTOS, M. L. dos; VIEIRA, W. C. (Ed.). Méodos Quaniaivos em Economia. Viçosa, UFV, cap. 8, p , COELHO, M.R.F., BERGER, R., Compeiividade das Exporações Brasileiras de Móveis no Mercado Inernacional: Uma Análise Segundo a Visão Desempenho. Revisa FAE, Curiiba, v.7, n.1, p.51-65, FIGUEIRÊDO JUNIOR, H. S. D. Desafios Para a Cauculura no Brasil: O Comporameno da Ofera e da Demanda da Casanha-de-cau. Revisa Econômica do Nordese, Foraleza, v. 37, nº 4, ou-dez Food and Agriculural Organizaion FAO Saisic. Disponível em:<hp://www.fao.org>. Acesso em: 10 un.,

14 GONÇALVES, R. Compeiividade inernacional, vanagem comparaiva e empresas mulinacionais: o caso das exporações brasileiras de manufaurados. Pesquisa e Planeameno Econômico, v.7, n.2, p , HAGUENAUER, L. Compeiividade: conceios e medidas uma resenha da bibliografia recene com ênfase no caso brasileiro. UFRJ, Disponível em: <hp://www.ie.ufr.br/gic/pdfs/1989-1_haguenauer.pdf>. Acesso em: 01 nov., HORTA, M. H., WADDINGTON, S. e SOUZA, C. F. de. Fones de crescimeno das exporações brasileiras na década de 80. In: Perspeciva da economia brasileira, Rio de Janeiro, IPEA, 1994, vol. 1, cap. 12, p , 460 p. KRUGMAN, P. R.; OBSTFELD, M. Economia inernacional: eoria e políica. 6. ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, LAFAY, G. Mesure desavanages comparaifsrévélés. Économie Perspecive Inenaionale, [s.l]. v. 41, n. 1, p , MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MDIC). Balança Comercial Brasileira: dados consolidados Disponível em: <hp://www.desenvolvimeno.gov.br/siio/inerna/inerna.php?area=5&menu=571 >. Acesso em: 13 mai., PAIVA, F. F. de A.; SILVA NETO, R. M. da.; PAULA PESSOA, P. F. A. de. Minifábrica de processameno de casanha-de-cau. Foraleza: Embrapa Agroindúsria Tropical, p. (Embrapa Agroindúsria Tropical. Circular Técnica, 07). PETRAUSKI, S. M. F. C. e al.compeiividade do Brasil no Mercado inernacional de madeira serrada. Lavras: CERNE, v.18, n.1, PIMENTEL, C. R. M. Aspecos da disribuição e produção de cau no esado do Ceará. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Cenro Nacional de Pesquisa de Cau: Foraleza, PINHEIRO, A.C. e al. Indicadores de compeiividade das exporações: Resulados seoriais para o período 1980/88. Rio de Janeiro: IPEA, Disponível em: <hp://www.dominiopublico.gov.br/download/exo/d_0257.pdf>. Acesso em: 26 ou., SILVA, V. da; ANEFALOS, L. C.; FILHO, J. C. G. dos R. Indicadores de compeiividade inernacional dos produos agrícolas e indusriais brasileiros, São Paulo: IEA-SP, Disponível em: <hp://www.iea.sp.gov.br/ou//lertexo. php?codtexo=412>. Acesso em: 30 ou., SILVA, E. G. B.; CARVALHO, E. B. S.; KHAN, A. S. O mercado cambial e sua influência naexporação brasileira de amêndoas de casanha-de-cau. In: XLIII Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Adminisração e Sociologia Rural. Ribeirão Preo, VALVERDE, S.R., SOARES, N.S., SILVA, M.L. Desempenho das Exporações Brasileiras de Celulose. Revisa Árvore, Viçosa, v. 30, n. 6, p ,

15 World Trade Organizaion (WTO). Inernaional Trade and Marke Access Daa Disponível em: <hp://www.wo.org/english/res_e/ sais_e/sais_e.hm>. Acesso em: 15 mar., Sobre os auores Submeido em 10/10/2014. Aprovado em 25/03/2015. Renao Drogue Macedo Economisa, Mesrando em Desenvolvimeno Regional e Meio Ambiene pela Universidade Esadual de Sana Cruz (UESC). Naisy Silva Soares Economisa, Douora em Ciência Floresal pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Professora do deparameno de Ciências Econômicas da Universidade Esadual de Sana Cruz (UESC)

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

A dinâmica do emprego formal na região Norte do estado do Rio de Janeiro, nas últimas duas décadas

A dinâmica do emprego formal na região Norte do estado do Rio de Janeiro, nas últimas duas décadas A dinâmica do emprego formal na região Nore do esado do Rio de Janeiro, nas úlimas duas décadas Helio Junior de Souza Crespo Insiuo Federal Fluminense-IFF E-mail: hjunior@iff.edu.br Paulo Marcelo de Souza

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 ISSN 188-981X 18 18 EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 Effec of cassava price variaion in Alagoas over producion gross value Manuel Albero Guiérrez CUENCA

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Análise da competitividade do algodão e da soja de Mato Grosso entre 1990 e 2006

Análise da competitividade do algodão e da soja de Mato Grosso entre 1990 e 2006 189 Análise da compeiividade do algodão e da soja de Mao Grosso enre 1990 e 2006 Resumo Sonia Sueli Serafim de Souza e Sandra Crisina de Moura Bonjour Ese arigo eve como objeivo fazer uma análise da compeiividade

Leia mais

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004 RELAÇÕES DE TROCA, SAZONALIDADE E MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE DE FRANGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM NO PERÍODO 1997-2004 MARCOS ANTÔNIO SOUZA DOS SANTOS; FABRÍCIO KHOURY REBELLO; MARIA LÚCIA

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

Funções de Exportação de Alimentos para o Brasil. Maria Auxiliadora de Carvalho Instituto de Economia Agrícola

Funções de Exportação de Alimentos para o Brasil. Maria Auxiliadora de Carvalho Instituto de Economia Agrícola Funções de Exporação de Alimenos para o Brasil Maria Auxiliadora de Carvalho Insiuo de Economia Agrícola César Robero Leie da Silva PUCSP e Insiuo de Economia Agrícola Resumo: A segurança alimenar é uma

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos econsor www.econsor.eu Der Open-Access-Publikaionsserver der ZBW Leibniz-Informaionszenrum Wirscaf Te Open Access Publicaion Server of e ZBW Leibniz Informaion Cenre for Economics Gonçalves, Reinaldo Working

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

As exportações nos estados da Região Sul do Brasil por intensidade tecnológica entre 1996 a 2007

As exportações nos estados da Região Sul do Brasil por intensidade tecnológica entre 1996 a 2007 IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais As exporações nos esados da Região Sul do Brasil por inensidade ecnológica enre 1996 a 2007 Alexander Nunes Leizke PPGE/UNISINOS

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

MUDANÇAS CAMBIAIS E O EFEITO DOS FATORES DE CRESCIMENTO DAS RECEITAS DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE SOJA 1 2

MUDANÇAS CAMBIAIS E O EFEITO DOS FATORES DE CRESCIMENTO DAS RECEITAS DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE SOJA 1 2 Sonia Sueli Serafim de Souza, Janice Alves Lamera, ISSN 1679-1614 Sandra Crisina de Moura Bonjour & Adriano Marcos Rodrigues Figueiredo MUDANÇAS CAMBIAIS E O EFEITO DOS FATORES DE CRESCIMENTO DAS RECEITAS

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO VIVIANE SEDA BITTENCOURT (IBRE/FGV) E ANDREI GOMES SIMONASSI (CAEN/UFC) RESUMO O rabalho avalia a dinâmica

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Fajardo, José; Pereira, Rafael Efeios Sazonais no Índice Bovespa BBR - Brazilian Business Review,

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

Série Textos para Discussão

Série Textos para Discussão Universidade Federal do Rio de J a neiro Insiuo de Economia Teses de Racionalidade para Loerias no Brasil TD. 010/2004 Marcelo Resende Marcos A. M. Lima Série Texos para Discussão Teses de Racionalidade

Leia mais

Influência da Taxa de Câmbio e do Dólar sobre os Preços da Borracha Natural Brasileira

Influência da Taxa de Câmbio e do Dólar sobre os Preços da Borracha Natural Brasileira INFLUÊNCIA DA TAXA DE CÂMBIO E DO DÓLAR SOBRE OS PREÇOS DA BORRACHA NATURAL BRASILEIRA naisysilva@yahoo.com.br APRESENTACAO ORAL-Comercialização, Mercados e Preços NAISY SILVA SOARES; MÁRCIO LOPES DA SILVA;

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 Geovana Lorena Berussi (UnB) Lízia de Figueiredo (UFMG) Julho 2010 RESUMO Nesse arigo, invesigamos qual

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2 A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Mara R. Casilho 1 e Viviane Luporini 2 ANPEC 2009: ÁREA 6 RESUMO: O arigo apresena um esudo comparaivo das elaicidades-renda das exporações

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

A Linha Híbrida de Pobreza no Brasil

A Linha Híbrida de Pobreza no Brasil A Linha Híbrida de Pobreza no Brasil Julho de 2006 Auoria: Henrique Eduardo Ferreira Vinhais, André Porela Fernandes de Souza Resumo: Ese rabalho invesiga a consrução de uma linha híbrida da pobreza no

Leia mais

Jovens no mercado de trabalho formal brasileiro: o que há de novo no ingresso dos ocupados? 1

Jovens no mercado de trabalho formal brasileiro: o que há de novo no ingresso dos ocupados? 1 Jovens no mercado de rabalho formal brasileiro: o que há de novo no ingresso dos ocupados? 1 Luís Abel da Silva Filho 2 Fábio José Ferreira da Silva 3 Silvana Nunes de Queiroz 4 Resumo: Nos anos 1990,

Leia mais

AJUSTES NOS MERCADOS DE ÁLCOOL E GASOLINA NO PROCESSO DE DESREGULAMENTAÇÃO

AJUSTES NOS MERCADOS DE ÁLCOOL E GASOLINA NO PROCESSO DE DESREGULAMENTAÇÃO AJUSTES NOS MERCADOS DE ÁLCOOL E GASOLINA NO PROCESSO DE DESREGULAMENTAÇÃO MARTA CRISTINA MARJOTTA-MAISTRO Tese apresenada à Escola Superior de Agriculura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, para

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DO DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ESTIMAÇÕES DAS ELASTICIDADES DAS FUNÇÕES DA

Leia mais

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO Thamirys Figueredo Evangelisa 1 Eliane Crisina de Araújo Sbardellai

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

ACORDOS TBT E SPS E COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA: RETALIAÇÃO OU COOPERAÇÃO? 1

ACORDOS TBT E SPS E COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA: RETALIAÇÃO OU COOPERAÇÃO? 1 ACORDOS TBT E SPS E COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA: RETALIAÇÃO OU COOPERAÇÃO? fernanda.almeida@ufv.br APRESENTACAO ORAL-Comércio Inernacional FERNANDA MARIA DE ALMEIDA; WILSON DA CRUZ VIEIRA; ORLANDO

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS Naal/RN COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS André Assis de Salles Escola Poliécnica - Universidade Federal do Rio de Janeiro Cenro de Tecnologia Bloco F sala

Leia mais

Cx. Postal 50, CEP 37.500-000 Itajubá, MG, Brasil E-mail: pamplona@iem.efei.br.

Cx. Postal 50, CEP 37.500-000 Itajubá, MG, Brasil E-mail: pamplona@iem.efei.br. CONDIÇÕES ECONÔMICAS NO PROCESSO DE USINAGEM: UMA ABORDAGEM PARA CONSIDERAÇÃO DOS CUSTOS Souza, Anônio Carlos de * Novaski, Olívio * Oliveira Pamplona, Edson de ** Baocchio, Anonio * * Faculdade de Engenharia

Leia mais

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br Apresenação Oral-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia HUMBERTO FRANCISCO SILVA

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO Nagila Raquel Marins Gomes; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO

RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO Trabalho de Formaura apresenado à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para

Leia mais

ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS

ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS VANIA DI ADDARIO GUIMARÃES Tese apresenada à Escola Superior de Agriculura Luiz de Queiroz, Universidade de

Leia mais

Integração dos Preços ao Produtor e Preços da Bolsa de

Integração dos Preços ao Produtor e Preços da Bolsa de Inegração dos Preços ao Produor e Preços da Bolsa de DÊNIS ANTÔNIO DA CUNHA (1) ; MIRELLE CRISTINA DE ABREU QUINTELA (2) ; MARÍLIA MACIEL GOMES (3) ; JOSÉ LUÍZ DOS SANTOS RUFINO (4). 1,2,3.UFV, VIÇOSA,

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

BEM-ESTAR ECONÔMICO: APLICAÇÃO DE INDICADOR SINTÉTICO PARA OS ESTADOS BRASILEIROS

BEM-ESTAR ECONÔMICO: APLICAÇÃO DE INDICADOR SINTÉTICO PARA OS ESTADOS BRASILEIROS BEM-ESTAR ECONÔMICO: APLICAÇÃO DE INDICADOR SINTÉTICO PARA OS ESTADOS BRASILEIROS Cláudia Bueno Rocha Vidigal 1, Ana Lúcia Kassouf 2, Vinícius Gonçalves Vidigal 3 RESUMO Amplamene relacionado à forma com

Leia mais

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo O Cuso de Bem-Esar da Inflação: Cálculo Tenaivo com o Uso de um Modelo de Equilíbrio Geral José W. Rossi Resumo O cuso de bem-esar da inflação em sido calculado usando-se basicamene dois ipos de abordagem:

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

Produtividade total dos fatores, mudança técnica, eficiência técnica e eficiência de escala na indústria brasileira, 1996-2000

Produtividade total dos fatores, mudança técnica, eficiência técnica e eficiência de escala na indústria brasileira, 1996-2000 Euler Pereira Gonçalves de Mello Produividade oal dos faores mudança écnica eficiência écnica e eficiência de escala na indúsria brasileira 996-2000 Belo Horizone MG Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo 0 INTRODUÇÃO A queda do sisema de Breom Woods e, poseriormene, a ausência de uma relação esreia enre moeda e renda, dada pela insabilidade da velocidade de circulação da moeda, inciou o desenvolvimeno

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009 Tese Inermédio de Física e Química A Tese Inermédio Física e Química A Versão Duração do Tese: 90 minuos 26.05.2009.º ou 2.º Anos de Escolaridade Decreo-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de resposas,

Leia mais

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1 POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL RURAL: UMA ANÁLISE DA QUEDA RECENTE seven.helfand@ucr.edu Apresenação Oral-Evolução e esruura da agropecuária no Brasil STEVEN M. HELFAND 1 ; RUDI ROCHA 2 ; HENRIQUE

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

A Utilização da Inteligência Competitiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas

A Utilização da Inteligência Competitiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas A Uilização da Ineligência Compeiiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas Maria das Graças Vieira Conadora. Mesre em Adminisração Financeira e Douora em Educação UFPB. Professora da Faculdade Maurício

Leia mais

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi Dinâmica de ineração da praga da cana-de-açúcar com seu parasióide Trichogramma galloi Elizabeh de Holanda Limeira 1, Mara Rafikov 2 1 Universidade Federal do ABC - UFABC, Sano André, Brasil, behmacampinas@yahoo.com.br

Leia mais

DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-2007 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-2007 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-27 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA - MG - BRASIL hbrigae@yahoo.com.br APRESENTAÇÃO ORAL Comércio

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL E DA COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL

BALANÇA COMERCIAL E DA COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL BALANÇA COMERCIAL E DA COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL GT4 - Microeconomia, Organização Indusrial e Economia da Tecnologia RESUMO Renao Drogue Macedo 1

Leia mais

Modelos de séries temporais aplicados a índices de preços hospitalares do Hospital da Universidade Federal de Santa Catarina

Modelos de séries temporais aplicados a índices de preços hospitalares do Hospital da Universidade Federal de Santa Catarina Modelos de séries emporais aplicados a índices de preços hospialares do Hospial da Universidade Federal de Sana Caarina Marcelo Angelo Cirillo Thelma Sáfadi Resumo O princípio básico da adminisração de

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE INOVAÇÃO EM UM MODELO COM RESTRIÇÃO EXTERNA

SISTEMA NACIONAL DE INOVAÇÃO EM UM MODELO COM RESTRIÇÃO EXTERNA SISTEMA NACIONAL DE INOVAÇÃO EM UM MODELO COM RESTRIÇÃO EXTERNA Resumo: Fabricio J. Missio Luciano F. Gabriel O objeivo do arigo é invesigar as iner-relações eóricas e empíricas enre crescimeno econômico,

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Competências profissionais relevantes à qualidade no atendimento bancário*

Competências profissionais relevantes à qualidade no atendimento bancário* Compeências profissionais relevanes à qualidade no aendimeno bancário* Hugo Pena Brandão** Tomás de Aquino Guimarães*** Jairo Eduardo Borges-Andrade**** S UMÁRIO: 1. Inrodução; 2. Gesão baseada nas compeências:

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

Resumo: Palavras-Chave: Documentos Técnico-Científicos

Resumo: Palavras-Chave: Documentos Técnico-Científicos Documenos Técnico-Cieníficos Reforma Tribuária no Brasil: Lições de um Modelo de Equilíbrio Geral Aplicado Francisco Marcelo Silva de Menezes Mesrando em Economia do Curso de Pós- Graduação em Economia

Leia mais