FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007

2 Livros Gráis hp:// Milhares de livros gráis para download.

3 RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO Disseração apresenada à Escola de Economia de São Paulo da Fundação Geúlio Vargas como requisio para a obenção do íulo de Mesre em Economia Campos de conhecimeno: Macroeconomia e Economeria Orienador: Prof. Dr. Vladimir Kühl Teles SÃO PAULO 2007 ii

4 AGRADECIMENTOS Primeiramene, gosaria de agradecer ao meu orienador, Prof. Dr. Vladimir Kühl Teles, pela grande dedicação na orienação dese rabalho, que lhe omou inúmeros sábados de lazer. À professora Maria Carolina Leme e ao professor Mário Brundo, membros de minha banca de qualificação, pelos comenários e sugesões que conribuíram para a melhoria dese rabalho. Aos professores do mesrado da EESP-FGV-SP bem como os professores do meu curso de graduação da FEA-USP pelo conhecimeno ransmiido. Aos colegas nas disciplinas cursadas no mesrado na EESP-FGV-SP, especialmene ao Oávio, Robera, Eugênia e Silvia, pelas ardes de esudo comparilhadas. Aos sócios da LCA, por erem viabilizado o meu mesrado, e aos amigos, por erem conribuído, cada um da sua maneira, para que eu conseguisse realizar ese rabalho. À Vooranim Asse Managemen, pela compreensão durane a rea final desa disseração. Ao amigo Leonardo Sapienza, pelas discussões e comenários produivos sobre o ema em quesão e pelo esímulo dado na eapa final dese rabalho. À Gabriela, que sempre eseve presene nos momenos imporanes da minha vida e que me ajudou em odos os aspecos durane o mesrado. Aos meus pais por ornarem udo isso possível. iii

5 RESUMO Esa disseração em dois objeivos: (i) propor um novo ese para verificar a exisência de hyseresis em comércio exerior; (ii) aplicá-lo para o Brasil e analisar o comporameno recene do seor exerno dese país à luz desa eoria. O ese sugerido envolve duas eapas. A primeira é a de delimiação da zona de inação ao longo do empo, uilizando calibrações para o modelo de Dixi (1989, 1994) combinadas com uma aplicação de um modelo de Esado-Espaço de coeficienes variando no empo para esimar o movimeno browniano da axa de câmbio real com parâmeros variáveis no empo. Esa eapa nos permiirá idenificar, de acordo com a eoria de hyseresis, quando a axa de câmbio real ulrapassou os limiares da zona de inação. A segunda eapa consise em uilizar eses resulados, junamene com a meodologia de análise de coinegração com quebra esruural proposo por Johansen e al. (2000), para esar a hipóese de que variações emporárias no câmbio, desde que sejam suficienemene grandes para ulrapassar os limiares da zona de inação, afeam permanenemene as exporações. Os resulados enconrados não apresenaram evidências fores de hyseresis para o volume oal das exporações brasileiras, mas sugeriram que há alguma evidência de hyseresis para o volume das exporações de produos manufaurados. Palavras-chave: hyseresis, comércio exerior, exporação - Brasil, câmbio, coinegração com quebra esruural iv

6 SUMÁRIO 1. Inrodução Hyseresys em comércio exerior: modelos eóricos e eses empíricos Modelos eóricos Cusos irrecuperáveis Incereza Teses empíricos Teses de raiz uniária Teses baseados em modelos economéricos de séries de empo Teses baseados em modelos economéricos de dados em painel Teses baseados na esimação de medidas empíricas para variável hiseréica Esimação dos limiares da zona de inação Descrição O modelo de Dixi (1989, 1994) Os primeiros resulados para o caso brasileiro A expansão do modelo de Dixi aravés da aplicação do modelo Esado-Espaço Filro de Kalman Aplicação do modelo expandido ao caso brasileiro Dados Esimação Resulados e conclusões Variância consane para odo o período amosral Variância disina para dois períodos amosrais...31 v

7 4. Um ese alernaivo para hyseresis em comércio exerior Descrição Meodologia e dados Meodologia Dados Resulados empíricos para o caso brasileiro Tese de coinegração de Johansen com quebra esruural Esimação dos veores de coinegração Conclusões Considerações Finais Referência bibliográfica...54 vi

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Parâmeros esimados da Equação Tabela 2. Resulados esimados para o desvio padrão da axa de câmbio real efeiva...27 Tabela 3. Esaísicas do ese de Dickey-Fuller Aumenado (ADF)...43 Tabela 4. Esaísicas do ese Kwiakowski-Phillips-Schmid-Shin (KPSS)...43 Tabela 5. Tese de coinegração de Johansen com e sem quebras para XQTB, E e P...46 Tabela 6. Tese de coinegração de Johansen com e sem quebras para XQMB, E e P...47 Tabela 7. Esimaivas de longo prazo dos veores de coinegração: quebras em se/94 e ou/ Tabela 8. Esimaivas de longo prazo dos veores de coinegração: quebras em jan/94 e fev/ vii

9 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1. Taxa de câmbio real efeiva (média 2000 = 100)...1 Gráfico 2. Taxa de câmbio nominal Iene/US$...7 Gráfico 3. Comporameno da firma de acordo com o modelo de reorno não ideal: criação da zona de inação...10 Gráfico 4. Esimação do parâmero µ variável no empo...28 Gráfico 5. Evolução da Taxa de Câmbio Real Efeiva (TCRE), dos Limiares da Zona de Inação e do Quanum Exporado...29 Gráfico 6. Evolução da largura da zona de inação e da axa real de juros...31 Gráfico 7. Evolução da Taxa de Câmbio Real Efeiva (TCRE), dos Limiares da Zona de Inação e do Quanum Exporado...32 Gráfico 8. Evolução da largura da zona de inação e da axa real de juros: variância consane e variância disina para dois períodos amosrais...33 viii

10 1. Inrodução A axa de câmbio domésica passou por rês imporanes choques desde e a inrodução do regime de câmbio fluuane em janeiro de 1999: (1) a própria desvalorização da moeda nacional depois de mais de 4 anos de regime de câmbio fixo; (2) a redução das exposições de invesidores esrangeiros em países emergenes após a conaminação da crise Argenina, os aenados de 11 de seembro de 2001 e a crise dos balanços financeiros nos EUA (caso Enron); e (3) as incerezas relacionadas às eleições presidenciais brasileiras em 2002 com receio de aleração da políica econômica. Eses rês evenos produziram expressiva depreciação da axa de câmbio real efeiva 1 domésica (ver Gráfico 1). Gráfico 1. Taxa de câmbio real efeiva (média 2000 = 100) Fone: IPEADATA. 1 Taxa de câmbio real efeiva: medida da compeiividade das exporações brasileiras calculada pela média ponderada do índice de paridade do poder de compra dos 16 maiores parceiros comerciais do Brasil calculada pelo IPEA. A paridade do poder de compra é definida pelo quociene enre a axa de câmbio nominal (em R$/unidade de moeda esrangeira) e a relação enre o Índice de Preço por Aacado (IPA) do país em caso e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC/IBGE) do Brasil. 1

11 Mas desde 2003 a axa de câmbio real efeiva vem apresenando consisene rajeória de apreciação, moivada pelas condições favoráveis de liquidez inernacional e pela melhora dos fundamenos da economia brasileira, com fore conrole das expecaivas inflacionárias, redução da axa real de juros e expressiva melhora dos indicadores de solvência exerna. Esa rajeória de apreciação prolongada rouxe à ona inensos debaes sobre seus possíveis efeios danosos para o seor exporador, sob o argumeno de que esa apreciação implicaria em perda de compeiividade dos produos nacionais perane os concorrenes inernacionais, o que resularia na reversão dos saldos comerciais ora posiivos. Conudo, aé o final de 2006, os saldos da balança comercial vêm baendo sucessivos recordes, conrariando prognósicos feios aneriormene. Em razão desa consaação, surgiram algumas enaivas para explicar ese comporameno, apoiadas, sobreudo, no argumeno de que o superávi comercial aual é conseqüência do elevado crescimeno mundial e dos níveis recordes dos preços das commodiies inernacionais, que em ala relevância na paua de exporação brasileira. Avaliamos que esa explicação é relevane, mas incomplea, pois desconsidera aspecos microeconômicos imporanes. Com inuio de conribuir para esa discussão, ese rabalho visa invesigar a evolução do seor exerno brasileiro a luz da eoria de hyseresis. O ermo hyseresis é uilizado para descrever efeios permanenes advindos de choques emporários. A exisência de hyseresis em comércio inernacional é jusificada em razão da exisência de cusos irrecuperáveis (sunk coss) para enrada e/ou saída do mercado exerno e da presença de incereza relacionada ao comporameno da axa de câmbio, que em basane imporância na deerminação da renabilidade das exporações. A presença de cusos irrecuperáveis e de incereza permie que variações emporárias no câmbio, desde que sejam suficienemene grandes, afeem permanenemene as exporações. Com cusos de enrada irrecuperáveis, nem odas as novas enranes saem quando a axa de câmbio vola para o seu nível original. Iso criaria uma zona de inação, onde fluuações da axa de câmbio denro dese inervalo não promoveriam movimenos de enrada e saída das firmas. É por esa razão que a eoria de hyseresis é micro-fundamenada. Uma sondagem realizada pela Confederação Nacional das Indúsrias (CNI) juno ao seor exporador insiga a invesigação desa hipóese para o caso brasileiro. 2

12 O principal moivo aponado pelas empresas exporadoras para coninuar exporando apesar da valorização do real é a manuenção do cliene: 60,2% de assinalações enre as pequenas e médias empresas e 64,3% das grandes empresas. Isso reflee a mudança esruural pela qual passou a indúsria brasileira. As empresas passaram a considerar o mercado exerno como esraégico e não apenas como um escoadouro de excedene de produção. Sondagem Especial CNI Ano 4, No. 2 junho de 2006, pág. 4. Ouro resulado ineressane desa mesma sondagem é com relação à perspeciva de invesimenos volados para a exporação. Mesmo com a apreciação cambial, as empresas que já possuem invesimenos no exerior preendem manê-los e aé mesmo ampliá-los. Enreano, as que ainda não possuem operações fora do país não preendem realizar invesimenos para exporar. Menos de 5% das empresas não-exporadoras preendem invesir para exporar. Já denre as empresas exporadoras, 78,6% devem realizar invesimenos volados para exporação. Sondagem Especial CNI Ano 4, No. 2 junho de 2006, pág. 5. Traa-se de um resulado que ilusra a imporância dos suposos limiares da zona de inação: nos preços auais da axa de câmbio, quem esá denro do mercado exerno deve permanecer denro, mas quem esá fora não em esímulo para enrar. As implicações empíricas de hyseresis são muio imporanes. Baldwin (1989) argumena que a esimação de equações derivadas de um modelo que impõe um único equilíbrio de longo-prazo pode esar mal especificada se o modelo esá sujeio a hyseresis. Além do mais, a uilização de esruura de defasagens com coeficienes fixos para capar os efeios da hisória pode ser inapropriada caso hyseresis seja uma possibilidade. Ainda segundo Baldwin (1989), as implicações eóricas, empíricas e de políica econômica de sunk cos hyseresis foram esudadas por diversos auores. Por exemplo, foi demonsrada que a possibilidade de hyseresis afea: (i) a decisão de enrada e saída da firma sob incereza (Dixi (1987a), apud Baldwin (1989)); (ii) o pass-hough da axa de câmbio para 3

13 os preços das imporações (Dixi (1987b), Baldwin (1988a, 1988b), apud Baldwin (1989)); (iii) o desempenho das exporações do Reino Unido nos anos 80 (Bean (1987), apud Baldwin (1989)); (iv) o aumeno dos casos de ani-dumping nos EUA (Dixi (1987a), apud Baldwin (1989)); (v) a dinâmica do comporameno e o nível de longo-prazo da axa real de câmbio (Baldwin e Lions (1988a), Baldwin e Krugman (1989), Krugman (1988), apud Baldwin (1989)); e (vi) a persisência do défici comercial dos EUA nos anos 80 (Krugman e Baldwin (1987), apud Baldwin (1989)). Além de conribuir para o debae sobre o comporameno do seor exerno brasileiro uilizando um arcabouço eórico micro-fundamenado, ese rabalho ambém em como objeivo propor um ese empírico alernaivo para verificar a exisência de hyseresis em comércio exerior. Avaliamos haver amplo espaço na lieraura para o desenvolvimeno de maneiras mais eficienes para se esar hyseresis, como a enaiva feia por Kannebley (2005). Muios dos eses que são comumene uilizados na lieraura não agregam os aspecos eóricos aos quaniaivos. A própria afirmação de Göcke (2002) nos esimula a buscar um ese alernaivo para a verificação de hyseresis: (...) he empirical reamen of economic persisence or hyseresis effecs is far from being maure and requires furher research. A variey of mehods is applied bu none is generally acceped. (p. 185) A dificuldade de esar a hipóese de hyseresis ambém é levanada por Halle e Piscielli (2002): Thus, alhough here is some consensus ha hyseresis is an imporan feaure of economic behaviour, he pracical difficuly has been ha we have no operaional ess for hyseresis in a world of nonlinear and sochasic marke responses, or where markes migh clear o one of several possible equilibria. I is no ha research has esablished ha hyseresis does no apply. The problem has been ha we have lacked he means o deec i clearly, and separaely from oher elemens of marke or insiuional behaviour. As always, he problem is o disinguish hysereic behaviour from oher responses which generae raher 4

14 similar characerisics such as nonlinear marke responses, cyclical behaviour, or muliple equilibria. (p. 304) Porano, o ema não só é aual para o caso brasileiro como ambém há inúmeros avanços e aperfeiçoamenos eóricos e empíricos necessários para consolidá-lo. Ese rabalho enará conribuir com a lieraura empírica ao inegrar as proposições eóricas de hyseresis baseadas no modelo de Dixi (1989, 1994) com uma meodologia de análise de coinegração com quebras esruurais proposo por Johansen e al. (2000). O rabalho que se segue esá organizado da seguine maneira. No segundo capíulo, apresenaremos a evolução dos modelos eóricos de hyseresis em comércio exerior e as principais meodologias de eses empíricos. No erceiro capíulo, inroduziremos o modelo de hyseresis com cusos irrecuperáveis e incereza proposo por Dixi (1989 e 1994) e sua versão expandida aravés do uso de um modelo de Esado-Espaço com coeficienes variando no empo para esimar o movimeno browniano da axa de câmbio real com parâmeros variáveis no empo. Esa eapa nos permiirá idenificar, de acordo com a eoria de hyseresis, quando a axa de câmbio real ulrapassou os limiares da zona de inação. No quaro capíulo, apresenaremos a segunda pare do ese, que consise em uilizar eses resulados, junamene com a meodologia de análise de coinegração com quebras esruurais proposo por Johansen e al. (2000), para esar a hipóese de que variações emporárias no câmbio, desde que sejam suficienemene grandes para ulrapassar os limiares da zona de inação, afeam permanenemene as exporações. Por fim, no quino e úlimo capíulo, eceremos as considerações finais sobre nosso rabalho, fazendo sugesões de políica econômica a parir dos resulados enconrados, deixando claras as limiações do exercício realizado e apresenando algumas linhas para fuuro desenvolvimeno. 5

15 2. Hyseresys em comércio exerior: modelos eóricos e eses empíricos O ermo hyseresis é uilizado para descrever efeios permanenes advindos de esímulos emporários. Göcke (2002) saliena que o ermo, originário da física e magneismo, foi aplicado em economia para descrever a rajeória de dependência (pah dependence) da axa naural de desemprego e para analisar a relação enre axa de câmbio e comércio exerior. O ema foi abordado ano na consrução de modelos eóricos como na aplicação empírica. As seções a seguir apresenarão sua evolução eórica e as principais meodologias uilizadas para a consaação empírica dese efeio Modelos eóricos Kannebley (2005) resume a exisência de hyseresis em comércio exerior da seguine maneira: Os modelos eóricos jusificam a exisência de hyseresis em modelos de comércio inernacional em razão da exisência de cusos irrecuperáveis (sunk coss) para enrada e/ou saída do mercado exerno e da presença de incereza na definição das variáveis deerminanes da renabilidade da aividade exporadora. Com isso, a ocorrência de variações cambiais ransiórias, porém significaivas, poderia levar a movimenos de enrada e saída persisenes das empresas exporadoras que alerariam permanenemene a esruura de mercado dos países em concorrência inernacional. A exisência de cusos de enrada e/ou saída ambém seria capaz de criar zonas de inação, onde fluuações da axa de câmbio denro desse inervalo não promoveriam incenivos suficienes para os movimenos de enrada e saída das firmas. (pg. 3). Em comércio exerior, o conceio de hyseresis foi explorado inicialmene por Baldwin (1988, 1989, 1990), Baldwin e Krugman (1989), e Dixi (1989, 1994). A principal moivação para o avanço do ema no final da década de 80 foi a relevane depreciação do dólar no período (ver Gráfico 2). Na época, muios argumenavam que o 6

16 saldo comercial nore-americano coninuaria decadene, já que as firmas que enraram no mercado americano quando o dólar esava muio apreciado não sairiam mesmo com a depreciação do dólar. Gráfico 2. Taxa de câmbio nominal Iene/US$ Movimeno de depreciação do dólar na década de jan/78 jan/80 jan/82 jan/84 jan/86 jan/88 jan/90 jan/92 jan/94 jan/96 jan/98 jan/00 jan/02 jan/04 jan/06 Fone: Bloomberg. Dixi (1989a) afirma que mesmo a queda do dólar das máximas de 1985, o saldo comercial dos EUA melhorou muio lenamene, e as firmas esrangeiras esavam reluanes em aumenar seus preços no mercado nore-americano. O principal argumeno para ese fenômeno foi o da exisência de hyseresis. As seções seguines apresenam a evolução eórica desenvolvida por Baldwin, Krugman e Dixi Cusos irrecuperáveis Baldwin (1988) 2 inroduziu a idéia de que grandes alerações da axa de câmbio poderiam causar hyseresis quando os cusos de enrada no mercado são sunk, iso é, irrecuperáveis. 2 Baldwin (1988) é uma versão poserior publicada de Baldwin (1986). 7

17 Para enrarem em um novo mercado as firmas precisam invesir em redes de disribuição, markeing, repuação (reconhecimeno da marca), conhecer as paricularidades da legislação de cada país, P&D, ec. Caso a firma deixe o mercado, eses cusos incorridos na enrada não são recuperados e se desinegram rapidamene. Para volar, a firma em de arcar com os mesmos cusos novamene. Baldwin (1988) desenvolveu um modelo simples no qual uma firma esrangeira pode enrar no mercado domésico apenas se incorrer em cusos irrecuperáveis. A firma ambém eria de arcar com um cuso fixo em cada período para se maner no mercado. O rabalho mosra que um choque emporário na axa de câmbio, desde que suficienemene grande, poderia induzir firmas esrangeiras a enrarem no mercado domésico. Desde que os cusos de enrada sejam irrecuperáveis, nem odas as novas enranes saem quando a axa de câmbio vola para o seu nível original. Esa aleração persisene na esruura de mercado muda a relação enre a axa de câmbio e imporação, levando a quebras esruurais na equação esimada. Para ilusrar a ocorrência de uma forma elemenar de hyseresis em modelos econômicos, chamados de modelos de reorno não ideal, Göcke (2002) uiliza o seguine exemplo. Uma firma j deve decidir fornecer ou não uma unidade de seu produo ( x 1 ou x 0). Dois componenes de cusos são considerados: o cuso variável c j e o cuso irrecuperável de enrada no mercado k j, específico à firma. Se a firma esiver inaiva, iso é, fora do mercado j, = ( x 0 ) e quiser enrar, ela em de pagar os dois componenes (c j + k j ). Se a firma esiver j, 1 = aiva, ou seja, se já esiver operando ( x 1), ela incorre apenas em cusos variáveis. j, 1 = Dese modo, a função cuso da firma é dada por: j, = K c = c 0 + k j, j j j se se se x x x j, j, j, = x j, 1 = 1 e = 0 = 1 x j, 1 = 0 com c, k j j 0 Equação 1 8

18 Inicialmene, assume-se um horizone de planejameno de um período e que a firma é omadora de preço (p ). A função de ofera desa firma pode ser represenada por: x j, 1 1 = 0 0 se se se se ( x ( x ( x ( x j, 1 j, 1 j, 1 j, 1 = 0 = 1 = 0 = 1 e e e e p p > c p c ) j j c p < c ) j + k ) j j + k ) j Equação 2 O comporameno de ofera da firma pode ser descrio da seguine maneira. Se a firma esava inaiva no período anerior, ela só enra no mercado se o preço superar os dois componenes de cusos (c j + k j ). Caso a firma já esivesse operando, ela só deixará o mercado se o preço cair abaixo de c j. Porano, movimenos de preços denro do inervalo c j e c j + k j não aleram o esado da firma: se ela era inaiva permanece inaiva; e se era aiva permanece aiva. Denro dese inervalo, não há incenivo para a firma mudar o seu esado. Esa banda em que a firma permanece em seu esado anerior é chamada de zona de inação. Dois equilíbrios diferenes são possíveis. A mudança de um equilíbrio para ouro ocorre apenas quando os valores limies da zona de inação são ulrapassados (Gráfico 3). Assim, uma variação emporária do preço, mas suficienemene grande, pode alerar o saus da firma de maneira permanene (remanescência). Cabe desacar que a remanescência não é irreversível, desde que ocorra um segundo choque que leve o preço p para baixo de c j. 9

19 Gráfico 3. Comporameno da firma de acordo com o modelo de reorno não ideal: criação da zona de inação x j, (aiva) 1 E C D (inaiva) 0 F c j A B c j + k j p Fone: Göcke (2002). Krugman e Baldwin (1989) avançam na formalização eórica e esendem a idéia de que grandes choques na axa de câmbio podem causar efeios permanenes no comércio inernacional. São rês as principais conribuições dos auores. A primeira é pelo fao de subsiuírem o arcabouço de horizone finio e previsão perfeia por um horizone indefinido e um comporameno esocásico para a axa de câmbio. A segunda conribuição é dada ao examinarem o comporameno agregado das imporações, quando há muias indúsrias com poencial de enranes esrangeiros. A erceira, pelo fao de analisarem o efeio feedback das decisões de enrada e saída das firmas sobre a própria axa de câmbio. Os auores concluem que mesmo com o avanço eórico proposo os resulados se manêm favoráveis à exisência de hyseresis na presença de cusos irrecuperáveis. Mesmo no caso de diversas indúsrias, grandes choques causam efeios permanenes, enquano pequenos choques não causam. 10

20 Incereza Os rabalhos que se seguiram sempre procuraram maior generalidade, relaxando as hipóeses consideradas pouco realisas. Nese senido, a presença da incereza ganhou imporância. Os principais rabalhos que desenvolveram o ema foram Baldwin (1989) e Dixi (1989b). Baldwin (1989) relaxa uma série de hipóeses e demonsra e caraceriza hyseresis em razão da exisência de cusos irrecuperáveis e da incereza na definição da renabilidade da aividade exporadora. A zona de inação ende a ficar mais larga quano maior os cusos irrecuperáveis, mas a largura em razão do aumeno da incereza depende da naureza específica do processo gerando a incereza. O rabalho uiliza écnicas de programação dinâmica para derivar a esraégia óima de enrada e saída. Para ilusrar a influência da incereza sobre a zona de inação, uilizaremos mais um exemplo do rabalho de Göcke (2002). Ese expande o exemplo apresenado aneriormene sobre o padrão de ofera da firma caracerizado pelo reorno não ideal uilizando-se oimização muliperíodo em uma siuação com incereza. A análise é feia uilizando a abordagem de opções reais proposa por Dixi (1989b). Os resulados são os mesmos, apenas com aleração dos limiares da zona de inação. Considere uma firma j omadora de preços e inaiva em -1 que em de decidir se enra ou não no mercado no período para oferar uma unidade de seu produo, levando-se em cona um horizone infinio em um conexo de incereza. Suponha que a incereza esá resria ao primeiro período e é represenada por um choque não recorrene no preço. Ese choque pode ser posiivo ( + ε ) ou negaivo ( ε ) (com ε 0). Ambas as realizações possuem probabilidade de ½: p 1 = p ± ε e E p ) = p. + ( + 1 Sob cereza, as firmas precisam decidir se enram ou não. Sob incereza, há uma erceira possibilidade: a opção de esperar e omar a decisão de enrar no fuuro. Suponha uma axa de juros livre de risco igual a i, com δ = (1 + i) 1. O lucro da firma (R j ) em e nos períodos subseqüenes, considerando um cuso de enrada igual a k j, é dado por: 11

21 R p c k R, p c com τ 1 j, = j j e j + τ = + τ j Equação 3 Se a firma decidir enrar no mercado imediaamene, o valor presene esperado é dado por: E enrar ( V j, ) = p c j (1 δ ) k j Equação 4 Caso a firma decida por aguardar por um período para omar sua decisão de enrar no mercado, o valor presene esperado da esraégia esperar e ver será dado por: E esperar ( V j, 1 p + ε c j ) = δ k j 2 (1 δ ) Equação 5 O valor da opção da possibilidade de omar a decisão de enrar no período seguine pode ser calculado como a diferença enre os dois valores presenes esperados: esperar VO( p, ε ) = E ( V j, ) E ( V j, Equação 6 Um aumeno da incereza aumena o valor da opção de esperar para enrar, na medida em que aumena o poencial de ganho da opção, manendo a perda poencial inalerada, desde que a firma não exerça a opção caso o preço caia. O preço limie para a enrada sob incereza é dado por: enrar ) δ ε 2 δ * * p = c j + ( 1 δ ) k j + enra se p > p Equação 7 Göcke (2002) argumena que a decisão da firma de enrar no mercado pode ser enendida como um invesimeno irreversível. Porano, em uma siuação de incereza com relação aos 12

22 preços fuuros, pode-se aplicar a abordagem de opções reais. Se a firma em a opção de decidir sobre a enrada no fuuro, o risco é limiado a uma esraégia wai and see (esperar e ver). Uma firma inaiva em de decidir se enra ou não no mercado agora, incluindo a opção de enrar mais arde. Permanecendo passiva a firma pode eviar perdas fuuras se a rajeória dos preços não for favorável. Enrar insananeamene elimina a possibilidade de enrar mais arde e esperar e ver se o movimeno fuuro dos preços se ornará mais favorável. Dese modo, os cusos irrecuperáveis somados ao valor da opção de esperar êm de ser considerados na decisão de enrada. Porano, incereza implica em um deslocameno para cima do preço limie superior. Dixi (1989b) deu um imporane passo rumo à realidade ao uilizar écnicas de programação dinâmica esocásica em empo conínuo para resolver a esraégia óima de enrada e saída quando a incereza é esperada evoluir de acordo com um movimeno Browniano 3, iso é, um passeio aleaório em empo conínuo. O auor explora a analogia enre decisões de invesimeno real e financeiro, pois considera as decisões de enrar como o exercício de opções de compra. Fazer o invesimeno é como se exercesse a opção, e o cuso do invesimeno é o srike da opção. Dixi (1989b) é capaz de demonsrar analiicamene que hyseresis em razão da exisência de cusos irrecuperáveis é uma possibilidade, mesmo quando eses cusos são pequenos. Sua solução numérica permie a caracerização de como a largura da zona de inação se alera em razão de uma série de parâmeros (cusos irrecuperáveis, cusos variáveis, axa de juros e média e variância do movimeno Browniano da axa real de câmbio que caracerizam incereza). Ele demonsra que a largura da banda aumena quano maior forem os cusos irrecuperáveis e quano maior for a incereza. Ese modelo será apresenado em dealhe no capíulo 3, pois servirá de base para o desenvolvimeno do ese que será proposo. 3 Dixi (1989a) afirma que o maior benefício da especificação do movimeno Browniano é que se pode pensar nas decisões de enrada e saída da firma como opções. Quano maior a volailidade da axa real de câmbio, mais valorizada as opções de enrada e saída e, consequenemene, são menos pronamene exercidas. 13

23 Em um ouro rabalho Dixi (1989a) expande o modelo anerior (para apenas uma firma) para n firmas (indúsria). O auor relaxa as hipóeses de cusos do modelo (cusos irrecuperáveis e cusos variáveis). A aleração deses parâmeros implica em aleração da ordem de enrada e saída das firmas. Para firmas com mesmo sunk cos, as primeiras firmas que enram são as que possuem cusos variáveis mais baixos e as primeiras que saem são as que possuem cusos variáveis mais alos. Para firmas com sunk coss diferenes, as primeiras que enram e saem são as com sunk coss mais baixos. Dese modo, a eoria de hyseresis raz uma fundamenação microeconômica para a dinâmica do comércio. Esa eoria avançou rumo à realidade unindo as idéias da exisência de cusos irrecuperáveis para enrada e/ou saída do mercado exerno e da presença de incereza na definição das variáveis deerminanes da renabilidade da aividade exporadora Teses empíricos Uma das grandes barreiras da disseminação do conceio de hyseresis em economia é a dificuldade de esar empiricamene al fenômeno. A lieraura econômica raz alguns eses que vão desde esar a presença de uma raiz uniária aé meodologia de dados em painel e modelos não lineares de séries de empo. Halle e Piscielli (2002) expõem as propriedades que caracerizam e diferenciam um processo hiseréico. Esas propriedades são imporanes para podermos caracerizar os eses empíricos que enam verificar a presença de hyseresis. Os auores argumenam que um processo hiseréico é um processo com uma memória de choques passados, esa memória sendo não-linear, seleiva e com remanescência. Não-linear significa que a reversão do choque não reorna (geralmene) o sisema de vola para o seu pono inicial; seleiva, significa que nem odos os choques são lembrados, apenas aqueles que não são dominados por choques poseriores; e remanescência, significa que choques emporários podem levar a efeios permanenes. A dificuldade esá em disinguir o comporameno hiseréico de ouros comporamenos com caracerísicas similares, ais como: resposas não-lineares, comporameno cíclico e equilíbrios múliplos. As principais diferenças recairão nas propriedades de remanescência 14

24 e seleividade. Se não for possível esá-las, será muio difícil disinguir hyseresis de comporamenos não-lineares em geral. Descreveremos, a seguir, os eses mais frequenemene uilizados. Teceremos comenários e críicas a respeio dos mesmos Teses de raiz uniária Göcke (2002) argumena que uma maneira simplificada freqüenemene uilizada para enar descrever uma dinâmica hiseréica é aravés de modelos com equações em diferenças lineares conendo uma raiz uniária. A presença de uma raiz uniária caracerizaria o efeio persisene de um choque emporário. Considere a equação em diferenças não-homogênea de primeira ordem com coeficienes consanes, uma variável de esado Y e apenas um deerminane exógeno R : Y + R = a Y 1 Equação 8 Da aplicação do operador defasagem L resula em: Y a L Y = R (1 a L) Y = R 1 Equação 9 A raiz do polinômio caracerísico ( 1 a z) = 0 é z = 1 a. Como condição de esabilidade, odas as raízes devem ficar fora do círculo uniário, iso é, 0 < a < 1. Sob esa condição, o * * equilíbrio esável de esado esacionário (em que: Y = Y = Y 1 e R = R = R 1 ) é: Y * = 1 1 a R * Equação 10 15

25 Para parâmeros 0 < a < 1 um equilíbrio esável e para a > 1 uma rajeória explosiva. Enreano, no caso de a = 1, emos uma raiz uniária ( z = 1). Nese caso, a variável de esado pode ser deerminada por: Y = Y 0 + τ = 1 R τ Equação 11 Conudo, Göcke (2002) faz críicas a ese ipo de procedimeno. Em primeiro lugar, o processo de raiz uniária apresena uma memória não seleiva dos choques passados (Equação 11), enquano que a memória de um processo hiseréico é seleiva, lembrando apenas dos choques não-dominados. Um segundo pono problemáico é que as equações lineares em diferenças com raiz uniária implicam que choques de magniudes iguais, porém oposos, não aleram o equilíbrio. Enreano, em um processo hiseréico, dois choques sucessivos com sinais oposos resulam em um novo equilíbrio em uma maneira não linear (efeio remanescência) Teses baseados em modelos economéricos de séries de empo Oura maneira uilizada para se esar hyseresis é aravés de modelos de séries de empo, que buscam capar o efeio assimérico das variações e da volailidade da axa real de câmbio sobre o quanum exporado/imporado. Enreano, muios dos eses elaborados uilizando séries emporais forneceram escassas evidências a favor da exisência de hyseresis. Krugman e Baldwin (1987) conduziram um ese esaísico para hyseresis inroduzindo uma variável dummy para os períodos poseriores a 1984:2 e 1985:2 nas equações de volume de comércio. Enreano, obiveram o efeio hiseréico quaniaivamene não imporane. Mas Dixi (1989a) argumena que ese é um ese ad hoc que leva a resulados provisórios e que exige melhor eoria e rabalho empírico mais bem fundamenado na própria eoria. 16

26 Halle e Piscielli (2002) afirmam que mesmo os modelos não-lineares exisenes na lieraura de economeria de séries emporais (modelos com aleração de regime, ais como TAR, STAR, LSTAR) não são capazes de fazer disinção de um comporameno hiseréico de um comporameno não linear qualquer. Eses modelos são capazes de capurarem o ipo de resposa assimérica a choques ípicos do processo hiseréico, o que é uma condição necessária, mas não suficiene para o propósio de esar hyseresis. Kannebley (2005) apresena uma alernaiva para um ese formal de hyseresis nas exporações indusriais brasileiras a parir de esimaivas de séries de empo para dezesseis seores, que correspondiam a 71,6% do oal das exporações de produos indusrializados em Traa-se de uma aplicação da meodologia de coinegração limiar (hreshold coinegraion) para a esimação de modelos com ajusameno assimérico do ermo de correção de erro. Esa meodologia considera a possibilidade de ajusamenos discreos nas relações de longo prazo enre variáveis econômicas. Denre os dezesseis seores analisados, foi deecado em nove deles alguma presença de não linearidade nos resíduos dessas equações de longo prazo de ofera e demanda. O auor conclui que a exisência observada de assimerias na relação enre o quanum exporado e axa real de câmbio em alguns seores confirmam as predições dos modelos de hyseresis em comércio inernacional. Ressala que os resulados enconrados indicam que a condução da políica cambial pode ser um insrumeno com efeios assiméricos, que podem ser exremamene posiivos ou deleérios para o equilíbrio comercial do país Teses baseados em modelos economéricos de dados em painel A meodologia de dados em painel busca esar a presença de hyseresis aravés de evidências de cusos irrecuperáveis. Robers e Tybou (1997) propuseram um ese para sunk-cos hyseresis aravés da análise dos padrões de enrada e saída das firmas em dados em painel. Os auores desenvolveram e esimaram um modelo dinâmico de escolha discrea para expressar a siuação aual de exporação de cada firma como uma função de sua experiência prévia de exporação, caracerísicas observáveis que afeam os lucros fuuros da aividade exporadora e choques não observados serialmene correlacionados. O efeio 17

27 condicional do hisórico exporador da firma sobre sua siuação exporadora aual permie inferir a imporância dos cusos irrecuperáveis. Os auores uilizaram dados do censo indusrial colombiano. Selecionaram firmas das quaro principais indúsrias exporadoras de 1981 a Os resulados empíricos rejeiaram a hipóese de que os cusos irrecuperáveis são zero. Iso implica que a experiência prévia no mercado exporador afea significaivamene a decisão correne de exporar, e as implicações sobre políica econômica ressaladas pela lieraura de hyseresis são empiricamene relevanes. Ademais, embora a experiência em mercados exernos seja imporane, seu efeio se deprecia rapidamene no empo. A probabilidade de exporar de uma firma que eve experiência no mercado exerno, mas já esá fora há dois anos, difere pouco da de uma firma que nunca exporou. Os eses aneriores uilizavam dados agregados ou seoriais de fluxo comercial e preços. Não esava direamene a presença de cusos irrecuperáveis, hipóese que parecia plausível, mas não havia sido esada. Os eses economéricos rejeiaram a hipóese de que os cusos de enrada são irrelevanes, o que implica que os modelos de sunk cos hyseresis são empiricamene relevanes. Os auores concluem que políicas voladas para faciliar o acesso de novas firmas exporadoras devem se concenrar em reduzir os cusos de enrada e incereza, como prover informação sobre mercados em poencial, desenvolver infraesruura exporadora e assegurar um ambiene macroeconômico e políico esável Teses baseados na esimação de medidas empíricas para variável hiseréica Halle e Piscielli (2002) examinam o poder de dois méodos de eses diferenes para hyseresis em comporameno econômico 4. Ambos são baseados em um ese-, mas aplicados para duas medidas empíricas diferenes da variável hiseréica. Iso é, para esar o comporameno hiseréico em uma relação enre x e y, consrói-se uma ransformação de 4 Nese caso, os eses não se resringem apenas a verificação de hyseresis em comércio exerior. Os méodos abrangem hyseresis em comporameno econômico em geral. 18

28 hyseresis de x digamos H de acordo com dois procedimenos 5 disinos. Ambos uilizam aspecos compuacionais sofisicados. O primeiro procedimeno é proposo por Göcke (1994), apud Halle e Piscielli (2002), e envolve a consrução de uma medida para hyseresis fore (srong hyseresis), iso é, para hyseresis em um nível macro em que os micro elemenos ambém se comporam hisereicamene. O auor elaborou um programa que produz aproximações lineares do comporameno hiseréico de modo a levar em consideração o efeio memória. O segundo é o méodo de Preisach-Piscielli. Ese ambém se baseia em um modelo específico para hyseresis fore. A proposa é compuar a variável hyseresis como função de uma seqüência não-dominada de máximos e mínimos, o que conrasa com o primeiro procedimeno, pois uma combinação linear dos valores exremos mais recenes (dominados ou não) deermina a variável hyseresis. De posse da variável de hyseresis, roda-se na seqüência uma regressão para esar a presença de hyseresis nesa relação: y = 0 + α1 x + α 2 α H + ε Equação 12 O ese para hyseresis é o ese- da hipóese nula de não hyseresis: α = 2 0. A jusificaiva para ese procedimeno é que qualquer ese para não-linearidade deve, primeiramene, remover qualquer elemeno linear via um modelo prescrio. Apenas depois pode uilizar um ese específico para deecar qualquer não-linearidade resane no modelo. Primeiro, oda a não-linearidade hiseréica é capurada na ransformação hyseresis. Esa é uma forma de filragem. Depois o ese é conduzido para o resane, necessariamene linear com qualquer não-linearidade não-hiseréica resane sendo capurada pelos eses 5 Os méodos compuacionais uilizados não fazem pare do escopo dese rabalho. Conudo, julgamos relevane para a nossa discussão a meodologia empregada que propõe a consrução de uma variável de ransformação para capurar oda a não-linearidade hiseréica 19

29 padrões nos ermos de erro. Iso separa o comporameno hiseréico de odo o reso de uma maneira que não é forma funcional ou rae dependen. Todo o comporameno hiseréico esá conido denro da variável hiseréica e o reso do modelo permanece linear. Assim, sob as hipóeses clássicas, o ese permanece nãoviesado, consisene e eficiene. Eses são alguns dos eses disponíveis na lieraura econômica. Avaliamos que ainda há espaço e necessidade de novos procedimenos e meodologias de eses. 20

30 3. Esimação dos limiares da zona de inação 3.1. Descrição O primeiro passo para o ese que esamos propondo é o de delimiar a largura da zona de inação ao longo do empo. Para isso uilizaremos calibrações para o modelo de Dixi (1989, 1994) combinadas com uma aplicação de um modelo de Esado-Espaço com coeficienes variando no empo para esimar o movimeno browniano da axa de câmbio real com parâmeros variáveis. Ese procedimeno nos permiirá ober a evolução dos limies inferiores e superiores da zona de inação para o período analisado. Dese modo, será possível verificar quando a axa de câmbio real efeiva ulrapassou eses limiares definidos pela eoria de hyseresis, iso é, saberemos os momenos em que a axa de câmbio real efeiva sofreu choques (emporários) de magniude suficienemene grande para alerar o equilíbrio do seor exerno. A seção a seguir apresenará o modelo eórico de Dixi. Na seqüência discuiremos os primeiros resulados obidos por Teles (2005) para o caso brasileiro e apresenaremos o modelo expandido com o uso do filro de Kalman (modelo Esado-Espaço). Por fim, discorreremos sobre os dados uilizados, a meodologia de esimação e os resulados enconrados O modelo de Dixi (1989, 1994) O modelo apresenado a seguir é o modelo de Dixi (1989, 1994) aplicado por Teles (2005) para o caso brasileiro. Ese modelo possibilia a deerminação dos limiares da zona de inação. Considere uma firma que deseja enrar no mercado exerno a um cuso K. Tendo enrado, esa firma pode oferar seu produo a um cuso de C reais, recebendo um reorno de R dólares. A axa de câmbio é dada por E reais por dólar. Dese modo, o fluxo de reorno das vendas desa firma em reais é dado por ( E R C), enquano que a firma se depara com uma axa real de juros inerna de r. 21

31 A axa de câmbio real segue um movimeno browniano geomérico, que é uma formulação conínua de caminho aleaório, dado por: de E = µ d + σ dz Equação 13 em que dz é o incremeno de um processo padrão de Wiener, não auocorrelacionado, 2 saisfazendo E ( dz) = 0 e E ( dz ) = d. O valor presene esperado de lucro se a firma permanecer aiva no mercado exerno para sempre será de E R /( r µ ) C / r. Logo, o valor de uma firma aiva, incluindo o valor de sua opção de sair, oma a forma de: V A ( E) = B E β E R + r µ Quando inaiva, a firma em a opção de enrar no novo mercado com o valor: C r Equação 14 V I ( E) = A E Nessas expressões, A e B são consanes a serem deerminadas e equação quadráica: α 1 2 q ( x) σ x ( x 1) + µ x r = 0 2 Equação 15 α e β são raízes da Equação 16 Sob condições sobre os parâmeros r e µ que garanam o ajusameno dos valores, nos ermos em que α < 0 e β > 1. A decisão óima da firma será esabelecida a parir de dois valores limies da axa de câmbio, E H e E L, com E > E. Uma firma que não enrou no mercado exerno decidirá H L 22

32 pela enrada em al mercado quando a axa de câmbio alcançar o valor E H, e uma firma aiva no mercado exerno decide sair de al mercado quando a axa de câmbio cair abaixo do valor E L, enquano para o inervalo enre a duas axas limie as firmas de ambos os ipos permanecem com as suas decisões iniciais. Os valores limies de value-maching: E H e e pelas condições de smooh pasing: E L bem como as consanes A e B são definidas pelas condições V ( E I H ) = V ( E ) K A H V I ( EL ) = VA( EL) V '( E ) = V I H V '( E ) = V I L A A '( E '( E H L ) ) Equação 17 Equação 18 Equação 19 Equação 20 Dessa forma, o modelo descrio é capaz de alcançar alguns resulados analíicos imporanes, ais como a relação enre hyseresis e a incereza relacionada ao mercado exerno, em que um aumeno da incereza cambial implica em um aumeno do efeio hyseresis. Ademais, é possível realizar exercícios de simulação numérica com base no modelo apresenado. Mas para iso o modelo precisou ser paramerizado, o que ornou necessário deerminar as equações chave para a obenção dos parâmeros. A parir da Equação 16 é possível deerminar os valores de α e β, a saber: 23

33 (1 m) + [(1 m) β = Ω] 1 2 Equação 21 (1 m) [(1 m) α = Ω] 1 2 Equação 22 em que 2 m = 2 µ / σ e 2 Ω = 2 r / σ. Ao mesmo empo, é possível escrever as condições (17) a (20) em ermos de formas funcionais ao usar as Equação 14 e 15, e enão resolver os dois sisemas subseqüenes, alcançando os valores de E H e E L dados por: E H r µ β = ( C + r K) r β 1 Equação 23 E L r µ α = C r α + 1 Equação 24 Dese modo, o modelo alcança as formas funcionais necessárias para realizar exercícios de simulação numérica Os primeiros resulados para o caso brasileiro Ese procedimeno foi aplicado aos dados da economia brasileira por Teles (2005). O auor esimou os parâmeros µ e σ uilizando dados mensais de julho de 1994 a dezembro de 2004 para a axa de câmbio real. As principais conclusões obidas seguem abaixo. A primeira diz respeio à relação enre axa de juros e o limie superior E H. Quano maior a axa de juros, maior deve ser a axa de câmbio para que os agenes decidam exporar. Iso aconece pelo fao dos cusos das empresas serem função crescene da axa de juros, 24

34 porano é preciso um preço mais araivo do que quando a axa de juros esá em um nível mais baixo. A segunda conclusão refere-se à ransição do regime de câmbio fixo para o regime de câmbio fluuane ocorrida em janeiro de A depreciação cambial necessária para se incenivar as exporações em um regime de câmbio flexível é muio maior do que a necessária sob o regime de câmbio fixo. A razão para al efeio é a aleração drásica da variância da axa de câmbio dos dois períodos (cambio fixo e fluuane). Tabela 1. Parâmeros esimados da Equação 13 Período µ σ julho/1994 a dez/2004 0,0075 0,1022 julho/1994 a dez/1998 0,0054 0,0108 jan/1999 a dez/2004 0,0077 0,1347 Fone: Teles (2005) A expansão do modelo de Dixi aravés da aplicação do modelo Esado- Espaço Nesa seção daremos um passo adiane na realização de simulações numéricas para o caso brasileiro aravés da aplicação do filro de Kalman (modelo de Esado-Espaço) ao modelo de Dixi (1989, 1994). Iso permiirá esimar o movimeno browniano da axa de câmbio real com parâmeros variáveis no empo Filro de Kalman O filro de Kalman é um conjuno de equações maemáicas que provê um eficiene méodo recursivo de esimar o esado de um processo, de modo a minimizar a média do erro quadrado. O filro permie fazer esimações de esados passados, presenes e fuuros, mesmo quando a naureza do sisema modelado não é conhecida. Dese modo, a uilização do filro nos permiirá ober esimações para µ para cada insane de empo (Equações 25 e 26). 25

35 O méodo do filro de Kalman consise em um algorimo aplicado a um sisema de equação, que deve ser represenado na sua forma Esado-Espaço. Um modelo Esado-Espaço é represenado, em geral, por duas equações, de medida e ransição, apresenadas a seguir: Equação de medida Equação de ransição de E = µ d + σ dz Equação 25 = T µ 1 η µ + Equação 26 Em que E ( η ) = 0 e V ( η ) = Q. O filro de Kalman produz esimadores óimos do veor de esado µ Aplicação do modelo expandido ao caso brasileiro Dados O período analisado começa em janeiro de 1992 e se encerra em dezembro de 2006, incorporando períodos com regimes cambiais disinos. Os dados serão rabalhados em bases mensais, oalizando 180 observações. A série da axa de câmbio real efeiva uilizada é calculada pelo IPEA (disponível no sie do IPEADATA 6 ). Traa-se de uma medida da compeiividade das exporações brasileiras calculada pela média ponderada do índice de paridade do poder de compra dos 16 maiores parceiros comerciais do Brasil. A paridade do poder de compra é definida pelo quociene enre a axa de câmbio nominal (em R$/unidade de moeda esrangeira) e a relação enre o Índice de Preço por Aacado (IPA) do país em caso e o Índice Nacional de Preços ao

36 Consumidor (INPC/IBGE) do Brasil. As ponderações uilizadas são as paricipações de cada parceiro no oal das exporações brasileiras em A axa real inerna de juros é a axa Selic efeiva acumulada em 12 meses deflacionada pela inflação medida pelo IPCA (IBGE) acumulada em 12 meses. Os parâmeros de cusos de enrada no mercado inernacional K = 1 e de cusos de produção C = 0,85 (consiuem 85% do cuso oal) seguem os padrões próximos dos apresenados pela lieraura (e.g. Dixi 1989, 1994) Esimação O primeiro passo consise em esimar os parâmeros da Equação 13. O parâmero σ foi esimado aravés de um modelo univariado de séries de empo para a axa de câmbio real efeiva. Foram realizadas rês esimações para diferenes períodos amosrais. A primeira foi realizada para a amosra complea. A segunda considerou apenas o período de janeiro de 1992 a dezembro de A erceira levou em consideração o período mais recene de regime de câmbio fluuane, com início em janeiro de 1999 e érmino em dezembro de Tabela 2. Resulados esimados para o desvio padrão da axa de câmbio real efeiva Período Sigma (σ ) 1992:01 a 2006:12 (n=180) 0, :01 a 1998:12 (n=84) 0, :01 a 2006:12 (n=96) 0,0497 Já o parâmero µ é obido aravés da aplicação do filro de Kalman (modelo Esado- Espaço) (Gráfico 4). Porano, uilizando eses parâmeros variáveis e uma série de axa real inerna de juros mensal foi possível ober limiares variáveis ao longo do empo (Equação 21 a 24). 27

37 Gráfico 4. Esimação do parâmero µ variável no empo 0,0010 0,0005 0,0000-0,0005-0,0010-0,0015-0,0020-0,0025-0,0030-0, Resulados e conclusões Apresenamos, a seguir, os gráficos com os resulados obidos para os limies superiores e inferiores da zona de inação. Os gráficos ambém comparam a evolução da axa de câmbio real efeiva com o quanum exporado Variância consane para odo o período amosral Ese exercício considera a variância da axa de câmbio real efeiva consane ao longo do período analisado (esa hipóese será relaxada mais adiane). Apesar diso, podemos irar conclusões imporanes. A primeira delas diz respeio à relação enre o comporameno da axa de câmbio real efeiva, os limies da zona de inação e o quanum exporado. O Gráfico 5 sugere, à primeira visa, que o comporameno do quanum exporado respeia o que diz a eoria de hyseresis. Em um primeiro momeno, no período que começa em seembro de 1994, quando a axa de câmbio cai abaixo do limie inferior da zona de inação, o quanum exporado cai. Vale desacar que aé ese momeno, o quanum exporado seguia rajeória de crescimeno. Em um segundo momeno, quando a axa de câmbio real efeiva ulrapassa o limie superior em 28

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DO DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ESTIMAÇÕES DAS ELASTICIDADES DAS FUNÇÕES DA

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR

POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR Osvaldo Cândido da Silva Filho Bacharel em Economia pela UFPB Mesre em Economia pela UFPB Douorando em Economia pelo PPGE UFRGS

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi Insper Insiuo de Ensino e Pesquisa Programa de Mesrado Profissional em Economia Bruno Russi ANÁLISE DA ALOCAÇÃO ESTRATÉGICA DE LONGO PRAZO EM ATIVOS BRASILEIROS São Paulo 200 Bruno Russi Análise da alocação

Leia mais

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil*

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 303-345, DEZ. 2008 303 Esruura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* SAMER SHOUSHA** RESUMO Exise uma relação muio próxima enre

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS Naal/RN COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS André Assis de Salles Escola Poliécnica - Universidade Federal do Rio de Janeiro Cenro de Tecnologia Bloco F sala

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR)

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) Edilean Kleber da Silva Douorando em Economia Aplicada pela UFRGS Rua Duque de Caxias, 1515, apo. 402.

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

3 Processos Estocásticos e Aplicações em Projetos na Indústria Siderúrgica

3 Processos Estocásticos e Aplicações em Projetos na Indústria Siderúrgica 3 Processos Esocásicos e Aplicações em Projeos na Indúsria Siderúrgica 3.1 Inrodução As decisões de invesimeno ano em ações e derivaivos financeiros, como em projeos corporaivos, são afeadas por incerezas

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 Geovana Lorena Berussi (UnB) Lízia de Figueiredo (UFMG) Julho 2010 RESUMO Nesse arigo, invesigamos qual

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Ozawa Gioielli Sabrina P.; Gledson de Carvalho, Anônio; Oliveira Sampaio, Joelson Capial de risco

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO

SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1 TESTES DE SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA PÚBLICA BASEADOS NA RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA INTERTEMPORAL DO GOVERNO...5

Leia mais

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil Marcello da Cunha Sanos Dívida pública e coordenação de políicas econômicas no Brasil Belo Horizone, MG Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno Regional Faculdade de Ciências Econômicas UFMG 4 Marcello da

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO VIVIANE SEDA BITTENCOURT (IBRE/FGV) E ANDREI GOMES SIMONASSI (CAEN/UFC) RESUMO O rabalho avalia a dinâmica

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

Multicointegração e políticas fiscais: uma avaliação de sustentabilidade fiscal para América Latina

Multicointegração e políticas fiscais: uma avaliação de sustentabilidade fiscal para América Latina IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Mulicoinegração e políicas fiscais: uma avaliação de susenabilidade fiscal para América Laina Luís Anônio Sleimann Berussi

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

TAXA DE CÂMBIO, RENDA MUNDIAL E EXPORTAÇÕES DE CALÇADOS: UM ESTUDO PARA ECONOMIA CEARENSE

TAXA DE CÂMBIO, RENDA MUNDIAL E EXPORTAÇÕES DE CALÇADOS: UM ESTUDO PARA ECONOMIA CEARENSE TAXA DE CÂMBIO, RENDA MUNDIAL E EXPORTAÇÕES DE CALÇADOS: UM ESTUDO PARA ECONOMIA CEARENSE José freire Júnior Insiuo de Pesquisa e Esraégia Econômica do Ceará jose.freire@ipece.ce.gov.br fone: (85) 30.35

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo 0 INTRODUÇÃO A queda do sisema de Breom Woods e, poseriormene, a ausência de uma relação esreia enre moeda e renda, dada pela insabilidade da velocidade de circulação da moeda, inciou o desenvolvimeno

Leia mais

O objectivo deste estudo é a obtenção de estimativas para o número de nados vivos (de cada um dos sexos) ocorrido por mês em Portugal.

O objectivo deste estudo é a obtenção de estimativas para o número de nados vivos (de cada um dos sexos) ocorrido por mês em Portugal. REVISTA DE ESTATÍSTICA 8ª PAGINA NADOS VIVOS: ANÁLISE E ESTIMAÇÃO LIVE BIRTHS: ANALYSIS AND ESTIMATION Auora: Teresa Bago d Uva -Gabinee de Esudos e Conjunura do Insiuo Nacional de Esaísica Resumo: O objecivo

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Análise da Interdependência Temporal dos Preços nos Mercados de Cria Recria e Engorda de Bovinos no Brasil

Análise da Interdependência Temporal dos Preços nos Mercados de Cria Recria e Engorda de Bovinos no Brasil "Conhecimenos para Agriculura do Fuuro" ANÁLISE DA INTERDEPENDÊNCIA TEMPORAL DOS PREÇOS NOS MERCADOS DE CRIA RECRIA E ENGORDA DE BOVINOS NO BRASIL HENRIQUE LIBOREIRO COTTA () ; WAGNER MOURA LAMOUNIER (2)..UNIVERSIDADE

Leia mais

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004 RELAÇÕES DE TROCA, SAZONALIDADE E MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE DE FRANGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM NO PERÍODO 1997-2004 MARCOS ANTÔNIO SOUZA DOS SANTOS; FABRÍCIO KHOURY REBELLO; MARIA LÚCIA

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo A Guerra enre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo Auoria: Anonio Zorao Sanvicene, Rogério da Cosa Moneiro Resumo: Uilizando, pela primeira vez em nosso

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Fajardo, José; Pereira, Rafael Efeios Sazonais no Índice Bovespa BBR - Brazilian Business Review,

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico*

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico* Arigos Abordagem ineremporal da cona correne: inroduzindo câmbio e juros no modelo básico* Nelson da Silva Joaquim Pino de Andrade Resumo O modelo padrão da abordagem ineremporal da cona correne assume

Leia mais

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças Área de Ineresse: Área 3 Macroeconomia, Economia Moneária e Finanças Tíulo: NOVO CONSENSO MACROECONÔMICO E REGRAS DE CONDUTA: O PAPEL DA ROTATIVIDADE DOS DIRETORES DO COMITÊ DE POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL

Leia mais

As exportações nos estados da Região Sul do Brasil por intensidade tecnológica entre 1996 a 2007

As exportações nos estados da Região Sul do Brasil por intensidade tecnológica entre 1996 a 2007 IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais As exporações nos esados da Região Sul do Brasil por inensidade ecnológica enre 1996 a 2007 Alexander Nunes Leizke PPGE/UNISINOS

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro Governança Corporaiva, Risco Operacional e Comporameno e Esruura a Termo da Volailidade no Mercado de Capiais Brasileiro Auoria: Pablo Rogers, Cláudio Anônio Pinheiro Machado Filho, José Robero Securao

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

ACORDOS TBT E SPS E COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA: RETALIAÇÃO OU COOPERAÇÃO? 1

ACORDOS TBT E SPS E COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA: RETALIAÇÃO OU COOPERAÇÃO? 1 ACORDOS TBT E SPS E COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA: RETALIAÇÃO OU COOPERAÇÃO? fernanda.almeida@ufv.br APRESENTACAO ORAL-Comércio Inernacional FERNANDA MARIA DE ALMEIDA; WILSON DA CRUZ VIEIRA; ORLANDO

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS. Livia Galdino Mendes

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS. Livia Galdino Mendes ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS Livia Galdino Mendes PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Série Textos para Discussão

Série Textos para Discussão Universidade Federal do Rio de J a neiro Insiuo de Economia Teses de Racionalidade para Loerias no Brasil TD. 010/2004 Marcelo Resende Marcos A. M. Lima Série Texos para Discussão Teses de Racionalidade

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL DENILSON ALENCASTRO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL DENILSON ALENCASTRO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DENILSON ALENCASTRO ANÁLISE EMPÍRICA DO

Leia mais

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO Thamirys Figueredo Evangelisa 1 Eliane Crisina de Araújo Sbardellai

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

A Utilização da Inteligência Competitiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas

A Utilização da Inteligência Competitiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas A Uilização da Ineligência Compeiiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas Maria das Graças Vieira Conadora. Mesre em Adminisração Financeira e Douora em Educação UFPB. Professora da Faculdade Maurício

Leia mais

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos econsor www.econsor.eu Der Open-Access-Publikaionsserver der ZBW Leibniz-Informaionszenrum Wirscaf Te Open Access Publicaion Server of e ZBW Leibniz Informaion Cenre for Economics Gonçalves, Reinaldo Working

Leia mais

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO Nagila Raquel Marins Gomes; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

ISSN 1518-3548. Trabalhos para Discussão

ISSN 1518-3548. Trabalhos para Discussão ISSN 1518-3548 Trabalhos para Discussão Diferenças e Semelhanças enre Países da América Laina: Uma Análise de Markov Swiching para os Ciclos Econômicos de Brasil e Argenina Arnildo da Silva Correa Ouubro/2003

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br Apresenação Oral-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia HUMBERTO FRANCISCO SILVA

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Concorrência no Mercado de Crédito Bancário Brasileiro: Abordagem via Demanda Residual

Concorrência no Mercado de Crédito Bancário Brasileiro: Abordagem via Demanda Residual Escola de Pós-Graduação em Economia EPGE Fundação Geúlio Vargas Disseração de Mesrado Concorrência no Mercado de Crédio Bancário Brasileiro: Abordagem via Demanda Residual Orienador: Afonso Arinos de Mello

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL ESTIMANDO O DESALINHAMENTO CAMBIAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA

INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL ESTIMANDO O DESALINHAMENTO CAMBIAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL ESTIMANDO O DESALINHAMENTO CAMBIAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA JUNHO/2007 Conselho do IEDI Abraham Kasinski Sócio Emério Amarílio Proença de Macêdo

Leia mais

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil Variabilidade e pass-hrough da axa de câmbio: o caso do Brasil André Minella Banco Cenral do Brasil VI Seminário de Meas para a Inflação Agoso 005 Disclaimer: Esa apresenação é de responsabilidade do auor,

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Adauto Ricardo Sobreira de Lima DETERMINAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO: UMA APLICAÇÃO DE MODELOS ECONÔMICOS À ECONOMIA BRASILEIRA

Adauto Ricardo Sobreira de Lima DETERMINAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO: UMA APLICAÇÃO DE MODELOS ECONÔMICOS À ECONOMIA BRASILEIRA FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mesrado Profissional em Economia Adauo Ricardo Sobreira de Lima DETERMINAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO: UMA APLICAÇÃO DE MODELOS ECONÔMICOS À ECONOMIA BRASILEIRA São Paulo

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

Produtividade total dos fatores, mudança técnica, eficiência técnica e eficiência de escala na indústria brasileira, 1996-2000

Produtividade total dos fatores, mudança técnica, eficiência técnica e eficiência de escala na indústria brasileira, 1996-2000 Euler Pereira Gonçalves de Mello Produividade oal dos faores mudança écnica eficiência écnica e eficiência de escala na indúsria brasileira 996-2000 Belo Horizone MG Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais