A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo"

Transcrição

1 A Guerra enre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo Auoria: Anonio Zorao Sanvicene, Rogério da Cosa Moneiro Resumo: Uilizando, pela primeira vez em nosso mercado, dados inradiários no mercado de opções de compra e ações de Telemar PN observados no pregão de 14 de dezembro de 2001, que foi o úlimo dia de negociação anes do vencimeno de opções em dezembro, fazemos um ese da condição necessária por rás do argumeno popular de que, nesse ipo de siuação, ocorre uma guerra enre comprados e vendidos. Como a guerra consise efeivamene em manipulação do mercado, represenada por enaivas de fazer o preço da ação variar independenemene de seus fundamenos, ese ese é, na verdade, uma verificação da hipóese de mercado eficiene. Os resulados indicam que a guerra de fao exise, pois ano a elasicidade-preço da demanda quano a elasicidade-preço da ofera de ações são finias. Além disso, como ese fao se verifica jusamene com a ação mais líquida do mercado, o resulado gera a suspeia de que o efeio pode ser ainda mais fore no caso de ações menos líquidas. Finalmene, a meodologia aplicada não permie concluir se poderia ser dio que os evenuais ganhos obidos pelos comprados e vendidos compensam os cusos dos esforços aplicados na manipulação da ação. Ou seja, a condição avaliada é necessária, mas não suficiene. I. Inrodução É basane comum que o leior das páginas financeiras diárias enconre, periodicamene, comenários a respeio da chamada guerra enre comprados e vendidos, seja no mercado de opções da Bovespa, seja no mercado de conraos fuuros da BMF. Essa discussão em caráer sazonal porque acompanha a periodicidade dos vencimenos desses conraos. Como represenação ípica de como a quesão é raada, reproduzimos abaixo maéria publicada no jornal Valor Econômico e veiculada por Bloomberg na sexa-feira, 14 de dezembro de 2001, ou seja, o úlimo pregão anes do final do prazo das séries com vencimeno em dezembro de 2001 (Nakagawa [2001]): Na briga que anecede o exercício de opções da Bolsa de Valores de São Paulo, os invesidores vendidos ganharam e fizeram a Bovespa reornar para o paamar dos 12 mil ponos. A queda paulisa ocorreu mesmo com a valorização dos mercados de Nova York. No final dos negócios, o Ibovespa regisrou perdas de 1,43%, ficando nos ponos com giro financeiro de R$ 517,723 milhões. O pregão anerior ao exercício de opções foi foremene levado pelas ransações especulaivas. Invesidores foram ao mercado para reduzir arificialmene o valor da ação Telemar PN com o objeivo de ober mais lucros com suas posições prévias. Com a fore ação dos vendidos, a ação preferencial da operadora de elefonia recuou 2,78% e erminou coada a R$ 33,20. "Os invesidores vendidos enraram no mercado e os comprados não iveram força para segurar as coações", observa o analisa da ClickInves Correora, Flávio Barros. O analisa afirma que não acredia que o mercado enha força para subir foremene na segundafeira (dia do exercício). "Aé onem, o mercado acrediava que o exercício seria enre R$ 34,00 e R$ 36,00. Mas nese pregão as coisas mudaram e as ransações poderão ser com Telemar a R$ 32,00 mesmo", afirma. Barros prevê que uma melhora mais "consisene" do mercado só ocorra 1

2 após o pregão de segunda-feira. "Teremos 'vida nova' depois do dia 17. Volaremos a rabalhar com olhos aos fundamenos e às noícias", explica. Para ele, mesmo com o movimeno esvaziado dos pregões próximos às fesas de fim de ano o mercado deverá ser posiivo e assim "andará para frene". O movimeno de hoje aumena a desvalorização do índice nesa semana. Nos úlimos cinco pregões, a depreciação da Bovespa foi de 3,62%. No mês, o mercado paulisa regisra perdas de 2,82%. Parece claro que, admiindo-se que a chamada guerra realmene exisa, enão é porque há paricipanes no mercado de opções e suas ações-objeo que crêem na sua capacidade de fazer variar o preço do aivo de referência simplesmene mediane ransações de compra e venda desse aivo. Ou seja, são capazes de fazê-lo arificialmene, sem relação alguma com os fundamenos do valor da ação. Porano, a implicação é a de que o mercado de ações-objeo de opções pode não ser eficiene, pois, em se confirmando a capacidade de fazer variar preços apenas com volumes de ransações, preços diferenes do valor inrínseco significam que as informações relevanes para a deerminação do valor do íulo não esariam refleidas no preço de mercado praicado. Em ouras palavras, a inferência seria a de que, em épocas de vencimeno de opções o preço das ações no mercado a visa apresena comporameno anormal, resulando daí o aconselhameno ipicamene feio para que o pequeno invesidor evie o mercado nessas épocas. Além disso, qualquer enaiva de puxar o preço da ação equivale à manipulação. Parece lógico, o que é confirmado por resulados experimenais, que a manipulação de mercado é mais eficaz em mercados menos líquidos. Enreano, o recho acima reproduzido refere-se jusamene à ação mais negociada na Bovespa naquela época. Em conseqüência, se forem enconradas evidências de manipulação bem sucedida em mercados de liquidez elevada, mais provável ainda será a eficácia esperada da manipulação com ouras ações. Em visa dos ponos ciados acima, ese rabalho procura descobrir, com a uilização de dados inradiários nos mercados de opções de compra e da ação Telemar PN, se é pelo menos saisfeia uma condição necessária, mas não suficiene, para que o mercado da ação-objeo seja manipulado na proximidade da daa de vencimeno de opções de compra. O rabalho aqui desenvolvido esá assim organizado: na seção II, descrevemos as caracerísicas formais dos conraos de opção de compra de ações de Telemar PN na Bovespa, como esavam em vigor em dezembro de Na seção III, fazemos uma revisão da lieraura nacional e esrangeira que em se preocupado com o efeio do vencimeno de derivaivos (opções e conraos fuuros) sobre os preços dos correspondenes aivos de referência em seus mercados à visa. Na seção IV, expomos o enfoque eórico que serve de base para esar a hipóese de que os preços, no mercado à visa, poderiam ser disorcidos pelas operações dos puxadores. Em seguida, enunciamos formalmene a hipóese básica a ser esada, e discuimos o modelo economérico correspondene. Na seção V, são explicados os dados uilizados e fornecidas esaísicas descriivas para o mercado, ano de opções de compra quano de ações Telemar PN em 14 de dezembro de A seção VI, por sua vez, apresena o modelo operacionalizado e os resulados do ese da hipóese básica feia nese rabalho, enquano a seção VII conclui. II. Caracerísicas dos conraos de opção de compra de ações na Bovespa 2

3 De acordo com o sie da Bolsa de Valores de São Paulo ( as opções de compra e de venda de ações vencem nas erceiras segundas-feiras dos meses pares do ano. Logo, as opções com vencimeno em dezembro de 2001 venciam no dia 17 daquele mês, e 14 de dezembro de 2001 era a úlima sexa-feira anerior. Em se raando de opções de compra de ações, como é o caso do aivo aqui analisado, as opções são sempre americanas, podendo porano ser exercidas a parir do pregão seguine ao de sua compra. Como exisem limies às posições com opções, mas não com as ações-objeo, é de se esperar que a manipulação de preços com quanidades negociadas seja mais facível com a própria ação-objeo, e não com opções negociadas. A aberura de novas posições e a negociação de opções ocorre, aé o úlimo dia anerior ao do vencimeno e nos mesmos horários dos pregões a viva-voz e elerônico. Iso significa aualmene que a negociação se encerra às 17 horas do dia anerior ao do vencimeno. Nos dias de vencimeno das opções, é permiido somene o bloqueio de posições, das 10 às horas, ao passo que ano bloqueio quano exercício são permiidos das às 13 horas. Nos dias aneriores ao do vencimeno de um conrao de opção, são permiidos bloqueios e exercícios das 10 às 16 horas. Ressale-se que bloqueio é a proeção que se esabelece a uma posição vendida conra a qual o lançador não quer que haja exercício. III. Revisão da lieraura Exise uma ampla lieraura, ano no exerior quano no Brasil, a respeio da possível influência do vencimeno de opções e ouros derivaivos sobre o comporameno dos preços no mercado do aivo de referência. Nenhum dos rabalhos exisenes, enreano, raa do que se alega ocorrer na chamada guerra enre comprados e vendidos. Quano à lieraura esrangeira, os aspecos que são analisados, no assim chamado efeio do dia de vencimeno (expiraion-day effec), envolvem a possibilidade de que negócios feios para encerrar posições em derivaivos aumenem a volailidade do mercado do aivo subjacene, e/ou afasem o preço no mercado a visa do preço que seria juso, requerendo-se uma reversão de preço (price reversal) após o desaparecimeno da pressão decorrene da proximidade do vencimeno de conraos, e finalmene gerem volumes de negociação acima do normal (ou seja, os volume observados em daas nas quais não há vencimeno de conraos). Não há, porém, conjecura alguma sobre a possibilidade de manipulação; o disanciameno enre preços praicados e valores inrínsecos decorreria de imperfeições exisenes no mercado (cusos de ransação, mecanismos de gesão do fluxo de ordens, ec.), que se acenuariam em momenos críicos como o do vencimeno de conraos. Em ouras palavras, as possíveis disorções sobre volailidades, preços e volumes seriam devidas ao desequilíbrio no fluxo de ordens, em conseqüência de operações de fechameno de posições nos derivaivos. A exisência de ais esudos decorre da preocupação, sempre mencionada, com os possíveis cusos da inrodução de mercados de derivaivos sobre a eficiência dos mercados de aivos subjacenes. Na maioria dos casos, além disso, os esudos exisenes êm se preocupado com mercados de conraos fuuros. Via de regra, a análise de dados em recorrido a eses de comparação de médias e variâncias. Considerando-se apenas os esudos com dados inradiários, o primeiro e mais conhecido esudo nesa área foi o de Soll e Whaley [1987]. Nesse esudo, que analisou o possível efeio do vencimeno de conraos fuuros dos índices S&P 500 e S&P 100, sobre o S&P 500 a visa, os auores concluíram que havia crescimeno significaivo da volailidade, bem como uma associação enre reversão de preços e vencimeno de conraos, a qual, porém, seria devida ao crescimeno do cuso da liquidez nessa siuação. Em ouro rabalho, porém, os mesmos Soll e 3

4 Whaley [1991] chegariam à conclusão conrária, qual seja a de que a coincidência de vencimenos de derivaivos (a chamada riple wiching hour ) não eria realmene o efeio de disorção que levara as auoridades reguladoras a mudar as daas de vencimeno de fuuros, opções e opções de fuuros de índice no mercado americano. No caso de rabalhos mais recenes, Kan [2001] analisou o comporameno de volailidades, disribuição horária de volumes de negócios e reversão de preços, com dados de minuo a minuo no mercado de conraos fuuros do índice Hang Seng na bolsa de Hong Kong. A conclusão obida foi a de que não havia nenhuma influência significaiva, no dia do vencimeno de ais conraos, sobre o comporameno do índice a visa. Já a lieraura brasileira, ipicamene, em apelado para a meodologia de esudo de evenos e, em especial, não havia recorrido ainda à análise de dados inradiários. Para ciar dois exemplos disponíveis, emos Sanvicene e Kerr [1989] e Körbes e Cosa, Jr. [2001]. No primeiro rabalho, foram analisados os evenos represenados pelas seis daas de vencimeno ocorridas em 1985, sendo usados reornos semanais de ações de quinze empresas negociadas na Bovespa. Naquela época, havia uma menor concenração de negócios no mercado de opções, em se raando de ações-objeo de empresas disinas. As quinze ações foram divididas em dois grupos, o primeiro sendo formado por cinco ações de maior liquidez, no mercado a visa, do que as dez empresas incluídas no segundo grupo. O esudo concluiu que os reornos exraordinários nas semanas de vencimeno não eram significaivamene diferenes de zero, no primeiro grupo, embora, no segundo grupo, a hipóese nula de reornos exraordinários iguais a zero enha sido rejeiada a 5% de significância em alguns casos. A conclusão básica foi a de que não havia efeio relevane no caso das ações-objeo de maior liquidez, jusamene as mais comenadas pela imprensa e pelos analisas nas épocas de vencimeno. Em Körbes e Cosa, Jr. foi considerado que o esudo comenado no parágrafo anerior havia analisado uma época na qual o mercado de opções era embrionário. Porano, recorreu-se à mesma meodologia, mas com a uilização de dados mais recenes (vencimeno de fevereiro de 1999). Além disso, a concenração no mercado de opções havia crescido subsancialmene, e só foi analisado o comporameno de opções de Telebrás PN, que represenavam mais de 95% dos negócios com opções naquela época. Tendo sido empregados reornos diários, os auores concluíram não ser possível rejeiar a hipóese nula de inexisência de comporameno exraordinário no preço da ação-objeo em orno do dia do vencimeno de opções. É imporane salienar que, como a ação Telebrás PN inha peso imporane na careira do Ibovespa, os cálculos foram feios com a adoção do índice Nispe-200. Também podemos argumenar que o problema que esá sendo analisado nese rabalho em sua origem mais ampla nos esudos que procuraram deecar os chamados efeios de pressão sobre os preços (price-pressure effecs), dos quais o primeiro mais conhecido foi o arigo que resulou da ese de douorado de Myron Scholes [1972]. Seguiram-se ainda os esudos de Kraus e Soll [1972] e Dann, Mayers e Raab [1977]. Nesses rês rabalhos, os quais usaram dados inradiários, o objeo era sempre o eveno block rade, ou seja, a realização de uma ofera especial de ações em loes de grande pore. O objeivo era medir o efeio provocado sobre a informação implícia na ofera e o efeio decorrene da simples ofera de uma grande quanidade de ações. Em relação ao primeiro efeio, foi consaado que o efeio informacional provocava uma redução permanene do preço, e que havia ambém uma pressão emporária sobre os preços, o que foi inerpreado como um indício conrário à hipóese de mercado eficiene. Nesse senido, porano, o presene rabalho pode ser viso como uma nova maneira de esar a hipóese de mercado eficiene no mercado brasileiro de ações. 4

5 IV. Modelo e hipóese básica do esudo Segundo Camerer [1998], pode-se definir manipulação como a realização de ransações, por um invesidor, em derimeno das informações que possua ou de suas próprias preferências, visando criar movimenos de preço de modo a iludir ouros invesidores. Embora a pare final da definição ( iludir ouros invesidores ) não se aplique ao caso discuido nese rabalho, sem dúvida a primeira pare da definição é relevane: o invesidor que acredia ser capaz de puxar o preço de uma ação o faz independenemene de qual possa ser o valor inrínseco da ação. Na siuação do presene rabalho, considerando-se para ilusração a posição de quem em posição comprada em opções de compra, puxar equivale a enar forçar a elevação do preço da ação-objeo, nem ano para que as opções de compra se ornem mais valiosas, como para aumenar a probabilidade de exercício racional, já que, segundo as descrições da chamada guerra na imprensa, os compradores ganham a guerra quando conseguem fazer com que a opção na qual esão comprados acabe vencendo in he money e, porano seja exercida. Segundo Schwarz [1988], exisem rês possibilidades para que a negociação de ações no mercado secundário afee o nível de seu preço de mercado: Uma ordem (de compra ou de venda), em volume subsancial, é feia num mercado com liquidez limiada; al ordem pode exercer um efeio emporário sobre o preço de mercado, segundo esse auor. As ordens de alguns agenes podem ransmiir informação a ouros paricipanes; por exemplo, uma ordem de compra em volume subsancial pode ser encarada como um sinal de informação posiiva sobre a ação. É dada uma ordem limiada. Ese ipo de ordem fornece uma opção grauia a ouros paricipanes. Por exemplo, no caso de uma ordem de compra de ações com limie, é dado aos vendedores poenciais um incenivo para que suas ordens sejam emiidas a preços mais alos. No presene rabalho, a erceira possibilidade é ignorada, já que nem mesmo há informação disponível sobre a inensidade com a qual esse ipo de ordem é usado em nosso mercado, principalmene em bases inradiárias. Além disso, a segunda possibilidade ambém é descarada, aé mesmo porque, segundo as visões comuns da guerra, os paricipanes que dominam o mercado são bem informados e saberiam que o surgimeno de ordens em volumes elevados não decorreria do uso de informação ainda não refleida nos preços. Também pode ser descarada com a consaação de que não houve, no dia 14 de dezembro de 2001, qualquer noícia relevane divulgada a respeio da empresa e/ou do seor de elecomunicações. Além disso, a meodologia aqui adoada não permie avaliar os efeios permanenes sobre o preço da ação que decorreriam desse ipo de eveno. Porano, para fins dese rabalho, apenas a primeira possibilidade será admiida. Mas, para que ela realmene exerça seu efeio, uma condição essencial é necessária: o preço deve ser sensível a variações de quanidade demanda e/ou oferada, para fins de rading, al como discuido por Schwarz. Ou ainda, que a elasicidade-preço da demanda e/ou da ofera de ações para rading seja finia. 5

6 Porano, para formalizar a discussão aé aqui efeuada, pode ser proposo um modelo de equilíbrio de mercado da ação-objeo, represenado por um sisema formado pelas funções inversas de demanda e ofera: p p qd = β = β = qs 12 qd qs (1) (2) (3) No sisema acima, a primeira equação é a função inversa de demanda (preço em função da quanidade demandada no período ), a segunda equação é a função inversa de ofera (preço em função da quanidade oferada no período ), e a erceira equação é a marke clearing condiion, ou seja, quanidade demandada igual à quanidade oferada. Na primeira equação, porano, o coeficiene β mede o inverso da elasicidade-preço da demanda, quando usamos logarimos de preços e quanidades. O verdadeiro valor do coeficiene deve ser igual a zero quando a demanda é infiniamene elásica. Argumeno semelhane vale para a elasicidade-preço da ofera, associada ao coeficiene de inclinação da segunda equação. Porano, se um dos dois coeficienes de inclinação for significaivamene diferene de zero, e iver o sinal apropriado, haverá evidência de que a variação de quanidades poderia influenciar o nível do preço de mercado da ação. Se isso não ocorrer, os indícios aponarão para a impossibilidade de puxar o preço com o uso de quanidades ransacionadas. Em visa do fao de que os dados uilizados nese rabalho são preços de negócios realizados e quanidades ransacionadas, nos defronamos no modelo acima com o problema clássico de idenificação em sisemas de equações simulâneas. É necessário, porano, que seja incluída pelo menos uma variável exógena em cada equação para que a oura equação seja idenificada. Para esse fim, define-se o seguine modelo economérico: p p = β = β qd qs x y + ε + ε 1 2 (4) (5) Na equação (4), x é um conjuno de variáveis exógenas à demanda, enquano y, na equação (5), é um conjuno de variáveis exógenas à ofera. Com a inclusão dessas duas variáveis, as duas equações ornam-se idenificadas, conforme Wooldridge [2000]. Finalmene, a condição necessária para manipulação eficaz do preço da ação, com a realização de negócios, pode ser escria da seguine maneira: H H e/ou H H : β : β : β : β < 0 0 > 0 6

7 V. Dados uilizados; esaísicas descriivas As análises aqui efeuadas se concenram no comporameno do preço de Telemar PN no dia 14 de dezembro de 2001, em visa do recho reproduzido na Inrodução. Os dados foram coleados minuo a minuo, com o auxílio da ferramena GIT Inra-Day Price Inervals, disponível em erminal Bloomberg. O uso da função permie a exporação das séries hisóricas para Microsof Excel com o apoio da fórmula BLPIT exisene no Bloomberg API (Applicaion Programing Inerface), que possibilia o acesso a dados inradiários com inervalos que podem ser escolhidos enre o mínimo de um minuo e o máximo de 60 minuos, cobrindo reroaivamene um período de aé 50 dias úeis. Tabela 1 - Esaísicas descriivas da Ação Preferencial da Telemar e do Índice Bovespa em 14 de dezembro de 2001 Preço Médio* Telemar PN Ibovespa Média Máximo Mínimo Observações * Preço Médio por minuo = (Úlimo do minuo + Aberura do minuo) / 2 Tabela 2 - Esaísicas descriivas dos Reornos da Ação Preferencial da Telemar e do Índice Bovespa em 14 de dezembro de 2001 Reorno minuo a minuo* Telemar PN Ibovespa Média Desvio-Padrão Assimeria Curose Observações * Reorno minuo a minuo = Log ( Preço Médio / Preço Médio -1 ) 7

8 Tabela 3 - Esaísicas descriivas do volume de aividade na ação e nas séries de opção em 14 de dezembro de 2001 Ação: Preço de Exercício das Opções: Telemar PN Quanidade Negociada (número de ações em múliplos de 100) Média 65, Desvio-Padrão 84, Número de Ticks Média Desvio-Padrão Volume Financeiro esimado em Reais (Preço Médio * Quanidade Negociada, múliplos de 100) Média 2,197, Desvio-Padrão 2,833, Observações Figura 1. Evolução do Preço da Ação e do Índice Bovespa em 14/12/ R$ Nº de ponos :00 :30 12:00 12:30 13:00 13:30 14:00 14:30 15:00 15:30 16:00 16:30 17:00 17:30 18:00 hora de Brasília Telemar PN Ibovespa Os resulados descriivos conidos na Tabela 1 mosram que a coação da ação-objeo oscilou enre o mínimo de R$ 33,07 e o máximo de R$ 34,12, endo exisido momenos em que a coação superou o preço de exercício de R$ 34,00, represenando a série que era o alegado moivo da guerra em 14 de dezembro de

9 Já os resulados apresenados na Tabela 2 se desacam no aspeco da curose, muio acima da que seria aceiável se a disribuição dos reornos (medidos por logarimo de relaivo de preços) fosse gaussiana. A Tabela 3, por sua vez, confirma que a série com preço de exercício igual a R$ 34,00 foi a mais aivamene negociada, basando para isso a comparação das quanidades ransacionadas das quaro séries ali apresenadas. Já a Figura 1 mosra que houve um período, no início do pregão, durane o qual o limie represenado pelo preço de exercício da série mais dispuada foi ulrapassado, e que a coação da ação ficou a no máximo vine cenavos de disância do nível de R$ 34,00. No resane do dia, a coação da ação apresenou uma endência de queda, não se aproximando mais daquele nível. É esse o fao que susena a afirmação do jornalisa de que a guerra daquele dia erminou com a viória dos vendidos. VI. Modelo uilizado e resulados obidos O sisema formado pelas equações (4) e (5) foi operacionalizado com a seguine especificação: logs = β 01 logs logvol 21 logc34 d *logvol + e = β 02 12logVOL 22 log logtele logs S β log(1/tick) + e (7) 2 (6) Nas equações (6) e (7), as variáveis represenam: S = preço médio da ação-objeo (Telemar PN) no minuo. VOL = quanidade negociada da ação-objeo no minuo. C34 = prêmio médio da opção de compra com preço de exercício igual a R$34 no minuo. TELE = valor médio de índice de preços de ações de companhias de elecomunicações no minuo. Ese índice exclui a ação Telemar PN. Os pesos uilizados na consrução dese índice são proporcionais aos que as ações incluídas apresenavam na careira eórica do Índice Bovespa no erceiro quadrimesre de S -1 = preço médio da ação Telemar PN no minuo anerior. d = variável dummy com valor igual a um quando o preço médio da ação esava enre R$ 33,70 e R$ 34,30 no minuo do dia 14 de dezembro de 2001, e igual a zero em caso conrário. (1/TICK) = inverso do número de negócios realizados no minuo. Em odas as variáveis definidas acima, as médias de cada minuo correspondem à média simples enre preço de aberura e preço de fechameno do minuo. De acordo com a discussão na pare eórica do rabalho, a variável de ineresse é a quanidade negociada. Tano preço quano quanidade são medidas em logarimo para que os coeficienes represenem elasicidades ou, mais precisamene, o recíproco das elasicidades-preço da demanda: β na equação (6), e da ofera, β 12 na equação (7). As demais variáveis foram incluídas, em primeiro lugar, pela necessidade de conar com insrumenos que permiissem a idenificação das duas equações. Mas, além disso, a equação (6) inclui algumas variáveis pelos seguines moivos: 9

10 TELE : Variável incluída para desconar de S o efeio do comporameno geral do mercado, represenado pelos preços das ações de ouras empresas do mesmo seor. C34 : Variável incluída para levar em cona o fundameno represenado pela arbiragem enre a ação-objeo e a série da opção de compra que era alvo da suposa guerra no pregão de 14 de dezembro de d: Variável incluída para verificar a hipóese complemenar que esipularia que a inensidade da guerra aumena quando o preço da ação se aproxima do preço de exercício da série sobre a qual a guerra se desenvolve. Porano, a variável d*logvol é uma variável dummy para o coeficiene de inclinação associado à variável logvol. As demais variáveis foram incluídas simplesmene para auarem como insrumenos e, no caso do preço S defasado, para reduzir a correlação serial enconrada no modelo. O modelo formado pelas equações (6) e (7) foi esimado por mínimos quadrados de rês eságios (3SLS), usando o sofware EViews, versão 4.1. Os resulados obidos com a esimação do modelo são indicados na abela abaixo: Tabela 4 Resulados da esimação do modelo formado pelas equações (6) e (7) Equação/Variável Coeficiene Esaísica Probabilidade DEMANDA Consane 0, , ,00310 LogVOL -0, , ,03680 LogC34 0, , ,00000 LogTELE 0, , ,00480 LogS -1 0,707 17, ,00000 Dummy 0, , ,00000 R 2 ajusado = 0,96107; Durbin-Wason = 1, OFERTA Consane 0, , ,86540 LogVOL 0, , ,00540 LogS -1 0, , ,00000 Log(1/TICK) 0, , ,00460 R 2 ajusado = 0,82939; Durbin-Wason = 1, Número de observações incluídas: 508. Os resulados apresenados na Tabela 4 indicam claramene que as duas hipóeses a respeio de elasicidade-preço da demanda e da ofera são rejeiadas. Iso quer dizer, porano, que nese dia anerior ao vencimeno de opções de Telebrás PN houve o chamado price-pressure effec, pois as duas elasicidades não são infinias. Observa-se ambém que os dois coeficienes êm os sinais esperados, o mesmo ocorrendo com os coeficienes das variáveis TELE e C34, que são posiivos e significanes. Também o coeficiene da variável dummy é posiivo e significane, indicando que a pressão exercida aravés da quanidade negociada, é ainda mais fore quando o preço da ação esá próximo do preço de exercício da série que se alegava ser o pivô da guerra daquele dia. Conseqüenemene, exise a condição necessária para que se possa falar de uma guerra enre comprados e vendidos : para que um invesidor acredie ser capaz de puxar ou 10

11 empurrar o preço da ação-objeo com a simples uilização de quanidades ransacionadas, essas elasicidades não podem ser infinias. VII. Conclusão Ese esudo consaa, com a uilização de dados inradiários no mercado de ações da Bovespa, que o ocorrido na véspera do úlimo vencimeno de opções em 2001 indica que há indícios de capacidade de manipulação de preços de aivos subjacenes a opções. Além disso, al fao ocorre mesmo em se raando do aivo subjacene mais líquido nesse mercado, o que represena um indício imporane conra a hipóese de mercado eficiene, já que a variação do preço da ação minuo a minuo é influenciada pelas quanidades negociadas, mesmo depois de levar em cona alguns faores fundamenais ais como o preço da opção mais negociada e o comporameno geral do mercado represenado por um índice seorial. O resulado obido conradiz os resulados de esudos aneriores, possivelmene porque os esudos aneriores, que se apoiavam na meodologia de esudos de evenos, não usaram um enfoque muio poderoso, além de esarem sujeios à resrição de serem eses da hipóese conjuna de eficiência de mercado e validade do modelo gerador de reornos empregado para calcular os reornos anormais. Também pode ser acrescenado que os esudos aneriores, por usarem dados cuja freqüência máxima era diária, não eram capazes de avaliar o que ocorre durane o pregão. Nese esudo, esse problema é resolvido com o uso de dados inradiários, e surge assim uma descrição muio diferene da realidade. Finalmene, ese resulado sugere que exise a possibilidade de que o price-pressure effec seja ainda mais fore no caso de ouras ações em ouras daas, pois é verificado no caso da ação mais líquida no mercado da Bovespa, ainda que em uma siuação de ensão. VIII. Bibliografia Camerer, C. F., Can Asse Markes Be Manipulaed? A Field Experimen wih Racerack Being. Journal of Poliical Economy, 1998, p Chan, A. C. N., Expiraion-day Effec: Evidence from High-Frequency Daa in he Hong Kong Sock Marke. Applied Financial Economics, 2001, p Dann, L. D. Mayers e R. Raab, Trading Rules, Large Blocks and he Speed of Adjusmen. Journal of Financial Economics, 1974, p Körbes, P. J e N. C. A. da Cosa Jr., Exise Influência do Vencimeno das Opções sobre o Mercado A Visa? In Lembruger, E. F., A. L. Carvalhal da Silva, R. P. C. Leal e N. C. A. da Cosa Jr., Gesão de Risco e Derivaivos: Aplicações no Brasil. São Paulo, Coppead/UFRJ e Alas, 2001, Capíulo 2. Kraus, A. e H. Soll, Price Impacs of Block Trading on he New York Sock Exchange. Journal of Finance, 1972, p Nakagawa, F., Vencimeno aumena briga e vendidos fazem Bovespa recuar 1,43%. Valor Online, 14 de dezembro de 2001, 20:25 GMT.

12 Sanvicene, A. Z. e R. B. Kerr, O Mercado de Ações e o Vencimeno de Opções de Compra. Revisa de Adminisração, janeiro/março de Scholes, M., The Marke for Securiies: Subsiuion versus Price Pressure and he Effecs of Informaion on Share Prices. Journal of Business, 1972, p Schwarz, R. A., Equiy Markes: Srucure, Trading, and Performance. Harper & Row, New York, Soll, H. R. e R. E. Whaley, Program Trading and Expiraion-day Effecs. Financial Analyss Journal, 1987, p Soll, H. R. e R. E. Whaley, Expiraion-day Effecs: Wha Has Changed?, Financial Analyss Journal, 1991, p Wooldridge, J. M. Inroducory Economerics: A Modern Approach. Souh-Wesern,

3 Retorno, Marcação a Mercado e Estimadores de Volatilidade

3 Retorno, Marcação a Mercado e Estimadores de Volatilidade eorno, Marcação a Mercado e Esimadores de Volailidade 3 3 eorno, Marcação a Mercado e Esimadores de Volailidade 3.. eorno de um Aivo Grande pare dos esudos envolve reorno ao invés de preços. Denre as principais

Leia mais

Cálculo do valor em risco dos ativos financeiros da Petrobrás e da Vale via modelos ARMA-GARCH

Cálculo do valor em risco dos ativos financeiros da Petrobrás e da Vale via modelos ARMA-GARCH Cálculo do valor em risco dos aivos financeiros da Perobrás e da Vale via modelos ARMA-GARCH Bruno Dias de Casro 1 Thiago R. dos Sanos 23 1 Inrodução Os aivos financeiros das companhias Perobrás e Vale

Leia mais

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise 4 O Papel das Reservas no Cuso da Crise Nese capíulo buscamos analisar empiricamene o papel das reservas em miigar o cuso da crise uma vez que esa ocorre. Acrediamos que o produo seja a variável ideal

Leia mais

3 A Formação de Preços dos Futuros Agropecuários

3 A Formação de Preços dos Futuros Agropecuários 3 A ormação de Preços dos uuros Agropecuários Para avaliar a formação de preços nos mercados fuuros agropecuários é necessária uma base de comparação Para al base, esa disseração usa os preços que, em

Leia mais

Contrato Futuro de Taxa Média das Operações Compromissadas de Um Dia (OC1) com Lastro em Títulos Públicos Federais

Contrato Futuro de Taxa Média das Operações Compromissadas de Um Dia (OC1) com Lastro em Títulos Públicos Federais Conrao Fuuro de Taxa Média das Operações Compromissadas de Um Dia (OC1) com Lasro em Tíulos Públicos Federais Especificações 1. Definições Conrao Fuuro de OC1: Taxa Média das Operações Compromissadas de

Leia mais

AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM

AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM 163 22. PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM 22.1. Inrodução Na Seção 9.2 foi falado sobre os Parâmeros de Core e

Leia mais

A entropia de uma tabela de vida em previdência social *

A entropia de uma tabela de vida em previdência social * A enropia de uma abela de vida em previdência social Renao Marins Assunção Leícia Gonijo Diniz Vicorino Palavras-chave: Enropia; Curva de sobrevivência; Anuidades; Previdência Resumo A enropia de uma abela

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA Inrodução Ese arigo raa de um dos assunos mais recorrenes nas provas do IME e do ITA nos úlimos anos, que é a Cinéica Química. Aqui raamos principalmene dos

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACUDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III icenciaura de Economia (ºAno/1ºS) Ano ecivo 007/008 Caderno de Exercícios Nº 1

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT NA PREVISÃO DE DADOS DE ÁGUA DA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT NA PREVISÃO DE DADOS DE ÁGUA DA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT APLICAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT NA PREVISÃO DE DADOS DE ÁGUA DA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT Alerêdo Oliveira Curim 1 & Aldo da Cunha Rebouças Resumo - O conhecimeno prévio dos volumes de água de qualquer sisema

Leia mais

Produto Financeiro Complexo

Produto Financeiro Complexo Adverências ao Invesidor BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Abera Sede: Praça D. João I, 28, Poro Ma. CRC do Poro sob o nº único de marícula e idenificação fiscal: 501.525.882 Capial Social: 6.064.999.986

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Paricia Maria Borolon, D. Sc. Séries Temporais Fone: GUJARATI; D. N. Economeria Básica: 4ª Edição. Rio de Janeiro. Elsevier- Campus, 2006 Processos Esocásicos É um conjuno de variáveis

Leia mais

Contabilometria. Séries Temporais

Contabilometria. Séries Temporais Conabilomeria Séries Temporais Fone: Corrar, L. J.; Theóphilo, C. R. Pesquisa Operacional para Decisão em Conabilidade e Adminisração, Ediora Alas, São Paulo, 2010 Cap. 4 Séries Temporais O que é? Um conjuno

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Nota Sobre Evolução da Produtividade no Brasil. Fernando de Holanda Barbosa Filho

NOTA TÉCNICA. Nota Sobre Evolução da Produtividade no Brasil. Fernando de Holanda Barbosa Filho NOTA TÉCNICA Noa Sobre Evolução da Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Fevereiro de 2014 1 Essa noa calcula a evolução da produividade no Brasil enre 2002 e 2013. Para ano uiliza duas

Leia mais

Questão 1 Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1 Questão 2. Resposta. Resposta Quesão Quesão Dois amigos, Alfredo e Bruno, combinam dispuar a posse de um objeo num jogo de cara coroa. Alfredo lança moedas e Bruno moedas, simulaneamene. Vence o jogo e, conseqüenemene, fica com o objeo,

Leia mais

Lista de Exercícios nº 3 - Parte IV

Lista de Exercícios nº 3 - Parte IV DISCIPLINA: SE503 TEORIA MACROECONOMIA 01/09/011 Prof. João Basilio Pereima Neo E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lisa de Exercícios nº 3 - Pare IV 1ª Quesão (...) ª Quesão Considere um modelo algébrico

Leia mais

Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem

Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem Definição. Uma EDO de 1 a ordem é dia linear se for da forma y + fx y = gx. 1 A EDO linear de 1 a ordem é uma equação do 1 o grau em y e em y. Qualquer dependência

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuios Eléricos I EEL42 Coneúdo 8 - Inrodução aos Circuios Lineares e Invarianes...1 8.1 - Algumas definições e propriedades gerais...1 8.2 - Relação enre exciação

Leia mais

5.3 Escalonamento FCFS (First-Come, First Served)

5.3 Escalonamento FCFS (First-Come, First Served) c prof. Carlos Maziero Escalonameno FCFS (Firs-Come, Firs Served) 26 5.3 Escalonameno FCFS (Firs-Come, Firs Served) A forma de escalonameno mais elemenar consise em simplesmene aender as arefas em sequência,

Leia mais

Introdução às Medidas em Física

Introdução às Medidas em Física Inrodução às Medidas em Física 43152 Elisabeh Maeus Yoshimura emaeus@if.usp.br Bloco F Conjuno Alessandro Vola sl 18 agradecimenos a Nemiala Added por vários slides Conceios Básicos Lei Zero da Termodinâmica

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT-WINTERS PARA PREVISÃO DO LEITE ENTREGUE ÀS INDÚSTRIAS CATARINENSES

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT-WINTERS PARA PREVISÃO DO LEITE ENTREGUE ÀS INDÚSTRIAS CATARINENSES UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT-WINTERS PARA PREVISÃO DO LEITE ENTREGUE ÀS INDÚSTRIAS CATARINENSES Rober Wayne Samohyl Professor do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sisemas UFSC. Florianópolis-SC.

Leia mais

1 Pesquisador - Embrapa Semiárido. 2 Analista Embrapa Semiárido.

1 Pesquisador - Embrapa Semiárido.   2 Analista Embrapa Semiárido. XII Escola de Modelos de Regressão, Foraleza-CE, 13-16 Março 2011 Análise de modelos de previsão de preços de Uva Iália: uma aplicação do modelo SARIMA João Ricardo F. de Lima 1, Luciano Alves de Jesus

Leia mais

Critérios e Metodologia de Apuração de Superfície de Volatilidade

Critérios e Metodologia de Apuração de Superfície de Volatilidade Criérios e Meodologia de Apuração de Superfície de Volailidade Diariamene são calculadas superfícies de volailidade implícia de odos os vencimenos de conraos de opções em que há posição em abero e/ou séries

Leia mais

Séries temporais Modelos de suavização exponencial. Séries de temporais Modelos de suavização exponencial

Séries temporais Modelos de suavização exponencial. Séries de temporais Modelos de suavização exponencial Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção Análise de séries de empo: modelos de suavização exponencial Profa. Dra. Liane Werner Séries emporais A maioria dos méodos de previsão se baseiam na

Leia mais

Exercícios Sobre Oscilações, Bifurcações e Caos

Exercícios Sobre Oscilações, Bifurcações e Caos Exercícios Sobre Oscilações, Bifurcações e Caos Os ponos de equilíbrio de um modelo esão localizados onde o gráfico de + versus cora a rea definida pela equação +, cuja inclinação é (pois forma um ângulo

Leia mais

RASCUNHO. a) 120º10 b) 95º10 c) 120º d) 95º e) 110º50

RASCUNHO. a) 120º10 b) 95º10 c) 120º d) 95º e) 110º50 ª QUESTÃO Uma deerminada cidade organizou uma olimpíada de maemáica e física, para os alunos do º ano do ensino médio local. Inscreveramse 6 alunos. No dia da aplicação das provas, consaouse que alunos

Leia mais

QUESTÃO 60 DA CODESP

QUESTÃO 60 DA CODESP UEÃO 60 D CODE - 0 êmpera é um ipo de raameno érmico uilizado para aumenar a dureza de peças de aço respeio da êmpera, é correo afirmar: ) a êmpera modifica de maneira uniforme a dureza da peça, independenemene

Leia mais

4 Metodologia Proposta para o Cálculo do Valor de Opções Reais por Simulação Monte Carlo com Aproximação por Números Fuzzy e Algoritmos Genéticos.

4 Metodologia Proposta para o Cálculo do Valor de Opções Reais por Simulação Monte Carlo com Aproximação por Números Fuzzy e Algoritmos Genéticos. 4 Meodologia Proposa para o Cálculo do Valor de Opções Reais por Simulação Mone Carlo com Aproximação por Números Fuzzy e Algorimos Genéicos. 4.1. Inrodução Nese capíulo descreve-se em duas pares a meodologia

Leia mais

2.7 Derivadas e Taxas de Variação

2.7 Derivadas e Taxas de Variação LIMITES E DERIVADAS 131 2.7 Derivadas e Taas de Variação O problema de enconrar a rea angene a uma curva e o problema de enconrar a velocidade de um objeo envolvem deerminar o mesmo ipo de limie, como

Leia mais

TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 18 LIVRO DO NILSON)

TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 18 LIVRO DO NILSON) TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 8 LIVRO DO NILSON). CONSIDERAÇÕES INICIAIS SÉRIES DE FOURIER: descrevem funções periódicas no domínio da freqüência (ampliude e fase). TRANSFORMADA DE FOURIER:

Leia mais

4 O modelo econométrico

4 O modelo econométrico 4 O modelo economérico O objeivo desse capíulo é o de apresenar um modelo economérico para as variáveis financeiras que servem de enrada para o modelo esocásico de fluxo de caixa que será apresenado no

Leia mais

MODELOS USADOS EM QUÍMICA: CINÉTICA NO NÍVEL SUPERIOR. Palavras-chave: Modelos; Cinética Química; Compostos de Coordenação.

MODELOS USADOS EM QUÍMICA: CINÉTICA NO NÍVEL SUPERIOR. Palavras-chave: Modelos; Cinética Química; Compostos de Coordenação. MDELS USADS EM QUÍMICA: CINÉTICA N NÍVEL SUPERIR André Luiz Barboza Formiga Deparameno de Química Fundamenal, Insiuo de Química, Universidade de São Paulo. C.P. 6077, CEP 05513-970, São Paulo, SP, Brasil.

Leia mais

SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB)

SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB) SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB) Subsisema de Margem para Aivos Líquidos I Aspecos Conceiuais Abril de 2001 .2. 1. Inrodução Nese documeno, apresenam-se os aspecos conceiuais do Subsisema de Margem para Aivos

Leia mais

4 Modelagem e metodologia de pesquisa

4 Modelagem e metodologia de pesquisa 4 Modelagem e meodologia de pesquisa Nese capíulo será apresenada a meodologia adoada nese rabalho para a aplicação e desenvolvimeno de um modelo de programação maemáica linear misa, onde a função-objeivo,

Leia mais

Primeira Lista de Exercícios

Primeira Lista de Exercícios TP30 Modulação Digial Prof.: MSc. Marcelo Carneiro de Paiva Primeira Lisa de Exercícios Caracerize: - Transmissão em Banda-Base (apresene um exemplo de especro de ransmissão). - Transmissão em Banda Passane

Leia mais

Índice Paranaense de Atividade Econômica: metodologia e resultados 1

Índice Paranaense de Atividade Econômica: metodologia e resultados 1 Revisa Economia & Tecnologia (RET) Volume 10, Número 2, p. 9-24, Abr/Jun 2014 Índice Paranaense de Aividade Econômica: meodologia e resulados 1 Alexandre Alves Porsse* João Basilio Pereima** Felipe Gomes

Leia mais

4 Metodologia R P. = cotação da ação i no final da semana t. 1 Maiores detalhes no ANEXO - 1

4 Metodologia R P. = cotação da ação i no final da semana t. 1 Maiores detalhes no ANEXO - 1 4 Meodologia Com o objeivo de se esar reornos anormais de curíssimo prao para o mercado de ações brasileiro (BOVESPA), ese rabalho foi dividido em rês eapas: Na primeira, usou-se a meodologia de De Bond

Leia mais

Noções de Espectro de Freqüência

Noções de Espectro de Freqüência MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Campus São José Curso de Telecomunicações Noções de Especro de Freqüência Marcos Moecke São José - SC, 6 SUMÁRIO 3. ESPECTROS DE FREQÜÊNCIAS 3. ANÁLISE DE SINAIS NO DOMÍNIO DA

Leia mais

Análise de séries de tempo: modelos de decomposição

Análise de séries de tempo: modelos de decomposição Análise de séries de empo: modelos de decomposição Profa. Dra. Liane Werner Séries de emporais - Inrodução Uma série emporal é qualquer conjuno de observações ordenadas no empo. Dados adminisraivos, econômicos,

Leia mais

Estratégia operacional de forward points com futuro de dólar comercial

Estratégia operacional de forward points com futuro de dólar comercial Esraégia operacional de forward poins com fuuro de dólar comercial Álvaro Affonso Mendonça O mercado cambial brasileiro apresena elevada volailidade diária e inradiária, sendo o desenvolvimeno de esruuras

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO SIMPLES

CAPÍTULO III TORÇÃO SIMPLES CAPÍTULO III TORÇÃO SIPLES I.INTRODUÇÂO Uma peça esará sujeia ao esforço de orção simples quando a mesma esiver submeida somene a um momeno de orção. Observe-se que raa-se de uma simplificação, pois no

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A Tema II Introdução ao Cálculo Diferencial II

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A Tema II Introdução ao Cálculo Diferencial II ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 2º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A Tema II Inrodução ao Cálculo Diferencial II TPC nº 9 Enregar em 4 2 29. Num loe de bolbos de úlipas a probabilidade de que

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Decio Albert da Silva Santos PREVISÃO DE VOLATILIDADE:

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Decio Albert da Silva Santos PREVISÃO DE VOLATILIDADE: Insper Insiuo de Ensino e Pesquisa Programa de Mesrado Profissional em Economia Decio Alber da Silva Sanos PREVISÃO DE VOLATILIDADE: A VOLATILIDADE IMPLÍCITA COMO VARIÁVEL EXPLICATIVA DA VARIÂNCIA CONDICIONAL

Leia mais

3 Avaliação de Opções Americanas

3 Avaliação de Opções Americanas Avaliação de Opções Americanas 26 3 Avaliação de Opções Americanas Derivaivos com caracerísicas de exercício americano, em especial opções, são enconrados na maioria dos mercados financeiros. A avaliação

Leia mais

O MODELO DE BANDAS CAMBIAIS TRADICIONAL POR UMA ABORDAGEM DE OPÇÕES

O MODELO DE BANDAS CAMBIAIS TRADICIONAL POR UMA ABORDAGEM DE OPÇÕES Adminisração Conábil e Financeira O MODELO DE BANDAS CAMBIAIS TRADICIONAL POR UMA ABORDAGEM DE OPÇÕES Maurício Kehdi Molan Mesrando em Economia na EAESP/FGV. E-mail: limamolan@node1.com.br RESUMO Os esudos

Leia mais

Capítulo 2: Conceitos Fundamentais sobre Circuitos Elétricos

Capítulo 2: Conceitos Fundamentais sobre Circuitos Elétricos SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA TE041 Circuios Eléricos I Prof. Ewaldo L. M. Mehl Capíulo 2: Conceios Fundamenais sobre Circuios Eléricos 2.1. CARGA ELÉTRICA E CORRENTE ELÉTRICA

Leia mais

Confiabilidade e Taxa de Falhas

Confiabilidade e Taxa de Falhas Prof. Lorí Viali, Dr. hp://www.pucrs.br/fama/viali/ viali@pucrs.br Definição A confiabilidade é a probabilidade de que de um sisema, equipameno ou componene desempenhe a função para o qual foi projeado

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2010

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2010 Criérios para a Apuração dos Preços de Ajuse e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2010 Informamos os procedimenos a serem aplicados durane o mês de maio de 2010 para a apuração dos preços de

Leia mais

Dinâmica e previsão de preços de commodities agrícolas com o filtro de Kalman

Dinâmica e previsão de preços de commodities agrícolas com o filtro de Kalman Flávio Pinheiro Corsini Dinâmica e previsão de preços de commodiies agrícolas com o filro de Kalman Trabalho de Formaura apresenado à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para a obenção do Diploma

Leia mais

+ 3.. = + + = =

+ 3.. = + + = = MATEMÁTICA Dois amigos, Alfredo e Bruno, combinam dispuar a posse de um objeo num jogo de "cara ou coroa". Alfredo lança moedas e Bruno moedas, simulaneamene. Vence o jogo e, conseqüenemene, fica com o

Leia mais

Expectativas, consumo e investimento CAPÍTULO 16. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Expectativas, consumo e investimento CAPÍTULO 16. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Expecaivas, consumo e Olivier Blanchard Pearson Educaion CAPÍTULO 16 16.1 Consumo A eoria do consumo foi desenvolvida na década de 1950 por Milon Friedman, que a chamou de eoria do consumo da renda permanene,

Leia mais

Função de risco, h(t) 3. Função de risco ou taxa de falha. Como obter a função de risco. Condições para uma função ser função de risco

Função de risco, h(t) 3. Função de risco ou taxa de falha. Como obter a função de risco. Condições para uma função ser função de risco Função de risco, h() 3. Função de risco ou axa de falha Manuenção e Confiabilidade Prof. Flavio Fogliao Mais imporane das medidas de confiabilidade Traa-se da quanidade de risco associada a uma unidade

Leia mais

Biofísica II Turma de Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Biologia de Populações 2 Modelos não-lineares. Modelos Não-Lineares

Biofísica II Turma de Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Biologia de Populações 2 Modelos não-lineares. Modelos Não-Lineares Modelos Não-Lineares O modelo malhusiano prevê que o crescimeno populacional é exponencial. Enreano, essa predição não pode ser válida por um empo muio longo. As funções exponenciais crescem muio rapidamene

Leia mais

CINÉTICA RADIOATIVA. Introdução. Tempo de meia-vida (t 1/2 ou P) Atividade Radioativa

CINÉTICA RADIOATIVA. Introdução. Tempo de meia-vida (t 1/2 ou P) Atividade Radioativa CIÉTIC RDIOTIV Inrodução Ese arigo em como objeivo analisar a velocidade dos diferenes processos radioaivos, no que chamamos de cinéica radioaiva. ão deixe de anes esudar o arigo anerior sobre radioaividade

Leia mais

INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas.

INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas. SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - JULHO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÕES de 0 a

Leia mais

Instituto de Física USP. Física V - Aula 26. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física V - Aula 26. Professora: Mazé Bechara Insiuo de Física USP Física V - Aula 6 Professora: Mazé Bechara Aula 6 Bases da Mecânica quânica e equações de Schroedinger. Aplicação e inerpreações. 1. Ouros posulados da inerpreação de Max-Born para

Leia mais

O gráfico que é uma reta

O gráfico que é uma reta O gráfico que é uma rea A UUL AL A Agora que já conhecemos melhor o plano caresiano e o gráfico de algumas relações enre e, volemos ao eemplo da aula 8, onde = + e cujo gráfico é uma rea. Queremos saber

Leia mais

5 Metodologia Probabilística de Estimativa de Reservas Considerando o Efeito-Preço

5 Metodologia Probabilística de Estimativa de Reservas Considerando o Efeito-Preço 5 Meodologia Probabilísica de Esimaiva de Reservas Considerando o Efeio-Preço O principal objeivo desa pesquisa é propor uma meodologia de esimaiva de reservas que siga uma abordagem probabilísica e que

Leia mais

4. SINAL E CONDICIONAMENTO DE SINAL

4. SINAL E CONDICIONAMENTO DE SINAL 4. SINAL E CONDICIONAMENO DE SINAL Sumário 4. SINAL E CONDICIONAMENO DE SINAL 4. CARACERÍSICAS DOS SINAIS 4.. Período e frequência 4..2 alor médio, valor eficaz e valor máximo 4.2 FILRAGEM 4.2. Circuio

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CALENDÁRIO ELEITORAL SOBRE O MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES

INFLUÊNCIA DO CALENDÁRIO ELEITORAL SOBRE O MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES Esudos do CEPE hps://online.unisc.br/seer/index.php/cepe/index ISSN on-line: 1982-6729 DOI: 10.17058/cepe.v0i44.7300 INFLUÊNCIA DO CALENDÁRIO ELEITORAL SOBRE O MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES INFLUENCE OF

Leia mais

Produtividade Total dos Fatores e Acumulação de Capital no Brasil

Produtividade Total dos Fatores e Acumulação de Capital no Brasil Produividade Toal dos Faores e Acumulação de Capial no Brasil Robero Ellery Jr * Ese rabalho em como objeivo avaliar o papel da produividade oal dos faores (PTF) na deerminação do produo e do invesimeno

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO (CDP_EA)

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO (CDP_EA) PEA 40 - LAORAÓRO DE NSALAÇÕES ELÉRCAS CONDUORES E DSPOSVOS DE PROEÇÃO (CDP_EA) RELAÓRO - NOA... Grupo:...... Professor:...Daa:... Objeivo:..... MPORANE: Em odas as medições, o amperímero de alicae deverá

Leia mais

Política fiscal: Um resumo CAPÍTULO 26. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Política fiscal: Um resumo CAPÍTULO 26. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Políica fiscal: Um resumo Olivier Blanchard Pearson Educaion CAPÍTULO 26 2006 Pearson Educaion Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard 26.1 Capíulo 26: Políica fiscal um resumo Resrição orçamenária do governo

Leia mais

INSTRUMENTOS DA POLÍTICA MONETÁRIA*

INSTRUMENTOS DA POLÍTICA MONETÁRIA* Arigos INSTRUMENTOS DA POLÍTICA MONETÁRIA* Bernardino Adão** Isabel Correia** Pedro Teles**. INTRODUÇÃO * As opiniões expressas no arigo são da ineira responsabilidade dos auores e não coincidem necessariamene

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuios Eléricos I EEL420 Coneúdo 1 - Circuios de primeira ordem...1 1.1 - Equação diferencial ordinária de primeira ordem...1 1.1.1 - Caso linear, homogênea, com

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RODRIGO WANG DE FARIA BARROS

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RODRIGO WANG DE FARIA BARROS FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RODRIGO WANG DE FARIA BARROS UM ESTUDO SOBRE O IMPACTO DA POLÍTICA FISCAL NA TAXA DE JUROS DE CURTO PRAZO SÃO PAULO, 2012 RODRIGO WANG DE FARIA BARROS

Leia mais

DEMOGRAFIA. Assim, no processo de planeamento é muito importante conhecer a POPULAÇÃO porque:

DEMOGRAFIA. Assim, no processo de planeamento é muito importante conhecer a POPULAÇÃO porque: DEMOGRAFIA Fone: Ferreira, J. Anunes Demografia, CESUR, Lisboa Inrodução A imporância da demografia no planeameno regional e urbano O processo de planeameno em como fim úlimo fomenar uma organização das

Leia mais

George Ohanian Professor FGV/EAESP

George Ohanian Professor FGV/EAESP OPERAÇÕES INDEXADAS AO PERCENTUAL DO CDI: PRECIFICAÇÃO E HEDGE DINÂMICO USANDO O CONTRATO DI FUTURO DA BM&F George Ohanian Professor FGV/EAESP E-mail: george.ohanian@fgv.br William Eid Jr. Professor FGV/EAESP

Leia mais

O gráfico que é uma reta

O gráfico que é uma reta O gráfico que é uma rea A UUL AL A Agora que já conhecemos melhor o plano caresiano e o gráfico de algumas relações enre e, volemos ao eemplo da aula 8, onde = + e cujo gráfico é uma rea. Queremos saber

Leia mais

CORREIOS. Prof. Sérgio Altenfelder

CORREIOS. Prof. Sérgio Altenfelder 15. Uma pessoa preende medir a alura de um edifício baseado no amanho de sua sombra projeada ao solo. Sabendo-se que a pessoa em 1,70m de alura e as sombras do edifício e da pessoa medem 20m e 20cm respecivamene,

Leia mais

F B d E) F A. Considere:

F B d E) F A. Considere: 5. Dois corpos, e B, de massas m e m, respecivamene, enconram-se num deerminado insane separados por uma disância d em uma região do espaço em que a ineração ocorre apenas enre eles. onsidere F o módulo

Leia mais

4 Aplicação do Modelo

4 Aplicação do Modelo Aplicação do Modelo É possível enconrar na lieraura diversas aplicações que uilizam écnicas esaísicas e de compuação inensiva para realizar previsões de curo prazo na área de energia elérica. Enre elas

Leia mais

Circuitos Elétricos- módulo F4

Circuitos Elétricos- módulo F4 Circuios léricos- módulo F4 M 014 Correne elécrica A correne elécrica consise num movimeno orienado de poradores de cara elécrica por acção de forças elécricas. Os poradores de cara podem ser elecrões

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS NOS COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: TEORIA DO CAMPO CRISTALINO (TCC)

LIGAÇÕES QUÍMICAS NOS COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO: TEORIA DO CAMPO CRISTALINO (TCC) LIGAÇÕES QUÍMICAS NS CMPSTS DE CRDENAÇÃ: TERIA D CAMP CRISTALIN (TCC) A Teoria do Campo Crisalino (TCC) posula que a única ineração exisene enre o íon cenral e os liganes é de naureza elerosáica, pois

Leia mais

GFI Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa

GFI Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa GFI00157 - Física por Aividades Caderno de Trabalhos de Casa Coneúdo 1 Cinemáica 4 1.1 Velocidade.............................. 4 1.2 Represenações do movimeno................... 8 1.3 Aceleração em uma

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2009

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2009 Criérios para a Apuração dos Preços de Ajuse e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Seembro 2009 Informamos os procedimenos a serem aplicados durane o mês de seembro de 2009 para a apuração dos preços

Leia mais

OS EFEITOS DOS CHOQUES DE POLÍTICA MONETÁRIA SOBRE A ATIVIDADE ECONÔMICA E OS PREÇOS NO BRASIL 1

OS EFEITOS DOS CHOQUES DE POLÍTICA MONETÁRIA SOBRE A ATIVIDADE ECONÔMICA E OS PREÇOS NO BRASIL 1 OS EFEITOS DOS CHOQUES DE POLÍTICA MONETÁRIA SOBRE A ATIVIDADE ECONÔMICA E OS PREÇOS NO BRASIL Káia Harumi Omoo 2 Maria Helena Ambrósio Dias 3 Joilson Dias 4 Resumo O presene esudo em como objeivo analisar

Leia mais

Voo Nivelado - Avião a Hélice

Voo Nivelado - Avião a Hélice - Avião a Hélice 763 º Ano da icenciaura em ngenharia Aeronáuica edro. Gamboa - 008. oo de ruzeiro De modo a prosseguir o esudo analíico do desempenho, é conveniene separar as aeronaves por ipo de moor

Leia mais

PREVISÃO DOS PREÇOS DO AÇÚCAR E ANÁLISE DA SUA VOLATILIDADE NO MERCADO FUTURO BRASILEIRO (2003 A 2007): UMA APLICAÇÃO DE MODELOS DA FAMÍLIA ARCH

PREVISÃO DOS PREÇOS DO AÇÚCAR E ANÁLISE DA SUA VOLATILIDADE NO MERCADO FUTURO BRASILEIRO (2003 A 2007): UMA APLICAÇÃO DE MODELOS DA FAMÍLIA ARCH PREVISÃO DOS PREÇOS DO AÇÚCAR E ANÁLISE DA SUA VOLATILIDADE NO MERCADO FUTURO BRASILEIRO (003 A 007): UMA APLICAÇÃO DE MODELOS DA FAMÍLIA ARCH DANIELI SCALCON NICOLA; CLAILTON ATAÍDES FREITAS; MARLON VIDAL

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 11º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 11º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A Tarefa de revisão nº 17 1. Uma empresa lançou um produo no mercado. Esudos efecuados permiiram concluir que a evolução do preço se aproxima do seguine modelo maemáico: 7 se 0 1 p() =, p em euros e em anos.

Leia mais

Função Exponencial Nível Básico

Função Exponencial Nível Básico Função Eponencial - 16 Nível Básico 1. (Imed 16) Em relação à função real definida por g(g()) corresponde a: a) 1. b). c) 3. d). e) 5. g() 1, é correo afirmar que. (Uel 15) A miose é uma divisão celular,

Leia mais

Questões sobre derivadas. 1. Uma partícula caminha sobre uma trajetória qualquer obedecendo à função horária 2

Questões sobre derivadas. 1. Uma partícula caminha sobre uma trajetória qualquer obedecendo à função horária 2 Quesões sobre deriadas. Uma parícula caminha sobre uma rajeória qualquer obedecendo à função horária s ( = - + 0 ( s em meros e em segundos. a Deermine a lei de sua elocidade em função do empo. b Deermine

Leia mais

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL Movimeno unidimensional 5 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL. Inrodução Denre os vários movimenos que iremos esudar, o movimeno unidimensional é o mais simples, já que odas as grandezas veoriais que descrevem o

Leia mais

ABORDAGEM MULTIOJETIVA PARA SOLUCIONAR UMA MATRIZ ENERGÉTICA CONSIDERANDO IMPACTOS AMBIENTAIS

ABORDAGEM MULTIOJETIVA PARA SOLUCIONAR UMA MATRIZ ENERGÉTICA CONSIDERANDO IMPACTOS AMBIENTAIS ABORDAGEM MULTIOJETIVA PARA SOLUCIONAR UMA MATRIZ ENERGÉTICA CONSIDERANDO IMPACTOS AMBIENTAIS T. L. Vieira, A. C. Lisboa, D. A. G. Vieira ENACOM, Brasil RESUMO A mariz energéica é uma represenação quaniaiva

Leia mais

Capítulo Cálculo com funções vetoriais

Capítulo Cálculo com funções vetoriais Cálculo - Capíulo 6 - Cálculo com funções veoriais - versão 0/009 Capíulo 6 - Cálculo com funções veoriais 6 - Limies 63 - Significado geomérico da derivada 6 - Derivadas 64 - Regras de derivação Uiliaremos

Leia mais

Estudo Comparativo de Modelos de Gerenciamento de Risco de Mercado com uma Carteira Composta por Ativos Típicos de um Fundo de Ações

Estudo Comparativo de Modelos de Gerenciamento de Risco de Mercado com uma Carteira Composta por Ativos Típicos de um Fundo de Ações Esudo Comparaivo de Modelos de Gerenciameno de Risco de Mercado com uma Careira Composa por Aivos Típicos de um Fundo de Ações Auores: Anonio Francisco de Almeida e André Ghirardi Resumo O cálculo do Value

Leia mais

Fotos cedidas pelo Museu Amsterdam Sauer - Rio de Janeiro A R Q U I T E T U R A

Fotos cedidas pelo Museu Amsterdam Sauer - Rio de Janeiro A R Q U I T E T U R A Foos cedidas pelo Museu Amserdam Sauer - Rio de Janeiro P r ó s & C o n r a s Ao lado, réplica cenográfica de uma mina de pedras preciosas consruída denro do museu e que impressiona pelo seu realismo.

Leia mais

A MÉDIA APARADA ASSIMÉTRICA COMO INDICADOR DE TENDÊNCIA DA INFLAÇÃO

A MÉDIA APARADA ASSIMÉTRICA COMO INDICADOR DE TENDÊNCIA DA INFLAÇÃO A MÉDIA APARADA ASSIMÉTRICA COMO INDICADOR DE TENDÊNCIA DA INFLAÇÃO * Carlos Robalo Marques** João Machado Moa **. INTRODUÇÃO Recenemene Marques e al. (999) inroduziram novos criérios para avaliar poenciais

Leia mais

Versão preliminar serão feitas correções em sala de aula 1

Versão preliminar serão feitas correções em sala de aula 1 Versão preinar serão feias correções em sala de aula 7.. Inrodução Dependendo das condições de soliciação, o maerial pode se enconrar sob diferenes esados mecânicos. Quando as cargas (exernas) são pequenas

Leia mais

Outubro de 2009 INFLAÇÃO E GLOBALIZAÇÃO: ANÁLISE DOS EFEITOS GLOBAIS SOBRE A DINÂMICA DA INFLAÇÃO BRASILEIRA MÁRCIO HOLLAND ROGÉRIO MORI

Outubro de 2009 INFLAÇÃO E GLOBALIZAÇÃO: ANÁLISE DOS EFEITOS GLOBAIS SOBRE A DINÂMICA DA INFLAÇÃO BRASILEIRA MÁRCIO HOLLAND ROGÉRIO MORI Texos para Discussão 217 Ouubro de 2009 INFLAÇÃO E GLOBALIZAÇÃO: ANÁLISE DOS EFEITOS GLOBAIS SOBRE A DINÂMICA DA INFLAÇÃO BRASILEIRA MÁRCIO HOLLAND ROGÉRIO MORI Os arigos dos Texos para Discussão da Escola

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS MÉTODOS CONTÍNUO E BPZ DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL DE PETRÓLEO

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS MÉTODOS CONTÍNUO E BPZ DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL DE PETRÓLEO ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS MÉTODOS CONTÍNUO E BPZ DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL DE PETRÓLEO M. F. C. SOUSA 1, W. R. S. CRUZ 2, R. A. MEDRONHO 3 e G. F. SILVA 4 1 Universidade Federal de Sergipe, Deparameno de

Leia mais

Ana Paula Pintado Wyse Luiz Bevilacqua Marat Rafikov

Ana Paula Pintado Wyse Luiz Bevilacqua Marat Rafikov Modelagem da dinâmica de ransmissão da malária em ambiene sazonal considerando raameno diferenciado e conrole do veor com mosquios ransgênicos Ana Paula Pinado Wyse Luiz Bevilacqua Mara Rafikov Proposa

Leia mais

Nome: N.º Turma: Suficiente (50% 69%) Bom (70% 89%)

Nome: N.º Turma: Suficiente (50% 69%) Bom (70% 89%) Escola E.B.,3 Eng. Nuno Mergulhão Porimão Ano Leivo 01/013 Tese de Avaliação Escria de Maemáica 9.º ano de escolaridade Duração do Tese: 90 minuos 16 de novembro de 01 Nome: N.º Turma: Classificação: Fraco

Leia mais

Física I -2009/2010. Utilize o modelo de uma partícula (ou seja, represente o corpo cujo movimento está a estudar por uma única partícula)

Física I -2009/2010. Utilize o modelo de uma partícula (ou seja, represente o corpo cujo movimento está a estudar por uma única partícula) Quesões: Física I -9/ 3 a Série - Movimeno unidimensional - Resolução Q -Esboce um diagrama de ponos para cada um dos movimenos unidimensionais abaixo indicados, de acordo com as seguines insruções: Uilize

Leia mais

2.6 - Conceitos de Correlação para Sinais Periódicos

2.6 - Conceitos de Correlação para Sinais Periódicos .6 - Conceios de Correlação para Sinais Periódicos O objeivo é o de comparar dois sinais x () e x () na variável empo! Exemplo : Considere os dados mosrados abaixo y 0 x Deseja-se ober a relação enre x

Leia mais

Aplicação do Modelo de Três Fatores de Fama e French no Mercado Acionário Brasileiro Um Estudo Empírico do Período

Aplicação do Modelo de Três Fatores de Fama e French no Mercado Acionário Brasileiro Um Estudo Empírico do Período Aplicação do Modelo de Três Faores de Fama e French no Mercado Acionário Brasileiro Um Esudo Empírico do Período 1995-2003 Resumo Auoria: Flavio Kezam Malaga, José Robero Securao Ese arigo invesiga se

Leia mais

TIR Taxa Interna de Retorno LCF Economia de Recursos Florestais 2009

TIR Taxa Interna de Retorno LCF Economia de Recursos Florestais 2009 TIR Taxa Inerna de Reorno LCF 685-Economia de Recursos Floresais 2009 TIR: Taxa Inerna de Reorno AT Taxa Inerna de Reorno (TIR)de um projeo é aquela que orna o valor presene das receias menos o valor presene

Leia mais

está localizado no cruzamento da i-ésima linha com a j-ésima coluna.

está localizado no cruzamento da i-ésima linha com a j-ésima coluna. MATRIZES 1. DEFINIÇÕES As marizes são frequenemene usadas para organizar dados, como uma abela indexada. Por exemplo, as noas dos alunos de uma escola podem ser disposas numa mariz cujas colunas correspondem

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Brasileira e a Política Monetária

Composição Ótima da Dívida Pública Brasileira e a Política Monetária 1 Composição Óima da Dívida Pública Brasileira e a Políica Moneária Adriano Sodré de Moraes Secrearia do Tesouro Nacional (STN) José Angelo Divino Universidade Caólica de Brasília (UCB) Resumo A gesão

Leia mais

QUESTÕES ANPEC EQUAÇÕES DIFERENCIAIS E EQUAÇÕES DE DIFERENÇAS

QUESTÕES ANPEC EQUAÇÕES DIFERENCIAIS E EQUAÇÕES DE DIFERENÇAS QUESTÕES ANPEC EQUAÇÕES DIFERENCIAIS E EQUAÇÕES DE DIFERENÇAS QUESTÃO Assinale V (verdadeiro) ou F (falso): () A solução da equação diferencial y y y apresena equilíbrios esacionários quando, dependendo

Leia mais