Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)"

Transcrição

1 Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas: a curva de ofera agregada de Lucas (Lucas, 1973) A curva de ofera de Lucas em a seguine forma: Y = Y p + α(p P e ) α > 0 Y p = Produo poencial à axa naural de desemprego P = Nível correne de preços P e = Preço esperado α = sensibilidade de resposa do produo a mudanças inesperadas de preços Se o nível de preços correnes superar o nível esperado, o produo superará o produo poencial e se for inferior, o produo será inferior ao poencial. Caso as expecaivas dos agenes se confirmem com o nível de preços igualando o esperado, o produo correne iguala o poencial. Assim uma políica econômica não previsa (por exemplo, uma políica moneária de surpresa), que amplie a demanda agregada (desloque-a para a direia) em no curo prazo, efeio posiivo sobre o produo, mas ambém em efeio posiivo sobre os preços. No longo prazo, porém, apenas os preços são afeados. O Modelo das Ilhas de Lucas (Microeconomia da curva de ofera agregada com informação imperfeia) No modelo de informação imperfeia de Lucas da curva de ofera agregada as empresas observam apenas os preços relaivos ao seu próprio mercado. Um preço elevado pode significar uma procura elevada pelo produo daquela empresa ou uma elevação geral dos preços. Na primeira hipóese a firma deseja aumenar a produção e na segunda desejaria maner consane a produção. Suponha a economia como mercados disinos, ilhas isoladas. Se o preço do produo da ilha esiver relaivamene mais alo em relação ao produo dos ouros mercados, os habianes da ilha i desejarão produzir mais.

2 Problema de Exração de Sinal (Modelo de Ilhas): Os agenes recebem informações sobre seus preços, mas não sabem quano da variação de seus preços reflee variações do nível geral de preços e quano reflee variações dos preços relaivos. Os agenes êm expecaivas racionais, mas odas as informações não são suficienes para saber exaamene o que esá ocorrendo. Se o agene acredia que o aumeno de seu preço vai ocorrer devido ao aumeno do nível geral de preços, ele simplesmene aumena seus preços sem modificar a quanidade produzida: OA é verical (o mercado de rabalho esá em equilíbrio). Mas, se ele acredia que haverá uma mudança nos preços relaivos, o agene aumena ano os preços quano a quanidade produzida: OA é menos inclinada. Em economias que apresenam grande insabilidade de preços a OA será mais inclinada, porque os agenes, na hora de fazer a exração de sinal, endem a achar que houve um aumeno do nível geral de preços. Em economias mais esáveis, OA será menos inclinada porque os agenes, na exração de sinal, endem a achar que houve uma mudança no preço relaivo. Curva de Phillips Dornbusch, Fischer e Sarz: Ofera Agregada: salários, preços e desemprego Curva de Phillips original: A. W. Phillips (1958): The relaion beween unemploymen and he rae of change of Money wages in he Unied Kingdom, A curva de Phillips é uma relação inversa enre a axa de desemprego e a axa de aumeno dos salários nominais. Quano maior a axa de desemprego, menor a axa de inflação dos salários. Em ouras palavras, há um dilema enre inflação de salários e desemprego. Seja: g W W W +1 w = g w = axa de inflação dos salários W +1 = salário do período seguine W = salário do período aual Seja u* a axa naural de desemprego (NAIRU), pode-se escrever a Curva de Phillips original como: g w = - ε(u u*) 2

3 O parâmero ε mede a resposa dos salários ao desemprego. A diferença enre o desemprego (u) e a axa naural, u u*, é chamada hiao do desemprego. Embora a Curva de Phillips original relacione a axa de aumeno dos salários ao desemprego, a Curva de Phillips veio a ser usada como uma curva que relaciona a axa de aumeno de preços (axa de inflação) à axa de desemprego. Assim, a Curva de Phillips se ornou um fundameno de análise macroeconômica, expliciando o dilema enre desemprego e inflação no curo prazo. Para fazer a pone com a curva de ofera agregada verical (longo prazo) é necessária a inclusão de expecaivas de preços. Quando os rabalhadores e as empresas negociam os salários, esão preocupados com o valor real do salário. O desemprego depende não do nível de inflação, mas do excesso de inflação em relação à inflação esperada. Reescrevendo a Curva de Phillips original salário-inflação, em-se: (g w π e ) = - ε(u u*) Em que π e é o nível de inflação de preços esperado. Manendo a hipóese de um salário real consane, a inflação efeiva, π, será igual à inflação de salários. Assim, a equação da versão moderna da Curva de Phillips, a Curva de Phillips ampliada pelas expecaivas de inflação é: π= π e - ε(u u*) Propriedades cruciais da Curva de Phillips moderna: A inflação esperada é repassada na mesma magniude para a inflação efeiva; O desemprego esá na axa naural quando a inflação efeiva é igual à inflação esperada. Assim em-se um faor adicional que deermina o deslocameno (alura) da Curva de Phillips de curo prazo (e a correspondene curva de ofera agregada de curo prazo). A Curva de Phillips moderna cruza a axa naural no nível da inflação esperada. Mecanismo de ajuse auomáico Quando um aumeno da demanda agregada desloca a economia para cima a para a esquerda sobre a Curva de Phillips de curo prazo, isso produz inflação. Se a inflação persise, as pessoas passam a esperar inflação para o fuuro (π e ) e a Curva de Phillips de curo prazo se desloca para cima. Expecaivas racionais A Curva de Phillips depende das pessoas esarem erradas sobre a inflação de forma previsível. Por ouro lado, o equilíbrio de longo prazo é descrio pela igualdade enre inflação esperada e efeiva. A inrodução das expecaivas racionais modifica o argumeno em relação ao papel do erro. Lucas argumena que um bom modelo econômico não deveria se apoiar em 3

4 um público que comee erros facilmene eviáveis. Modelos bons supõem que os aores econômicos se comporem de forma ineligene, não comeendo erros sisemáicos. À medida que fazemos previsões na informação disponível para o público, enão os valores que uilizamos para π e deveriam ser iguais aos valores que o modelo prevê para π. Enquano mudanças surpresa no crescimeno da moeda alerarão o desemprego, mudanças previsíveis não o farão. Da Curva de Phillips à Curva de Ofera Agregada 1ª eapa: relacionar produo ao emprego. Isso é feio a parir da Lei de Okun, expressa pela seguine relação: Y Y * = ω ( u u*) Y * 2ª eapa: relacionar os preços cobrados pelas empresas aos seus cusos W/a é o cuso uniário do rabalho. z = margem (mark up) ( 1+ z) W P = a 3ª eapa: uilizar a Curva de Phillips enre salários e emprego. Junando as rês eapas obém-se a curva de ofera agregada posiivamene inclinada. Choques de ofera P e + 1 = P + 1 P ε Y Y + P ω Y * * [ 1+ ( Y *)] 1 P e + = + 1 λ Y É uma perurbação na economia que desloca a curva de ofera agregada. Um choque adverso de ofera desloca a curva de ofera agregada para cima, por exemplo, um aumeno do preço do peróleo. O efeio imediao é um aumeno do preço e uma redução do produo. Nesse caso cada unidade de produo cusa mais às empresas para produzir. Uma suposição é de o choque de ofera não afee o nível de produo poencial, que permanece em Y*. Traa-se de uma suposição, pois o choque de peróleo, de fao, deslocou o nível de produo poencial para um paamar menor. Assim, um choque de ofera é negaivo em dobro: os preços aumenam e o produo diminui. Os choques podem ser acomodados, por políicas moneária e fiscal acomodaivas. Se o choque for permanene, políicas de esímulo à demanda agregada não podem impedir que o produo caia no final, só resulando em preços mais alos. Apenas quando o choque de ofera é ransiório a políica de demanda agregada pode eviar a queda do produo. 4

5 Porém, há choques de ofera favoráveis, causados por aperfeiçoamenos ecnológicos, deslocando a curva de ofera agregada para fora (direia). Também pode deslocar a curva de ofera de longo prazo para a direia, aumenando o PIB poencial. Blanchard, capíulos 7 e 8 Na primeira versão, Phillips inicialmene mosrou que a axa de mudança de salários depende negaivamene da axa de desemprego. Na versão modificada de Solow e Samuelson, a relação passa a mosrar um rade off enre inflação e desemprego. Curva de Phillips e OA = P = P ( 1+ µ ) F( u, z) Supondo oura forma para a função F (represena os efeios sobre o salário de u e z), em-se: F(u, z) = 1 αu + z Ela represena a noção de que, quano maior u, menor W e; quano maior z maior W. O parâmero alfa represena a força do efeio do desemprego sobre o salário. Subsiuindo F na OA. e Assim: P = P ( 1 µ )(1 αu + z) Seja π a axa de inflação e π e a axa de inflação esperada. A equação anerior pode ser reescria como: e π = π + ( µ + z) αu Um aumeno na inflação esperada leva a um aumeno na inflação efeiva; Dada a inflação esperada, um aumeno no markup, ou um aumeno em z leva a um aumeno na inflação; Dada a inflação esperada, um aumeno da axa de desemprego, leva a uma diminuição da inflação. Reescrevendo a equação anerior com índices emporais: e π = π + ( µ + z) αu Na primeira versão, Phillips inicialmene mosrou que a axa de mudança de salários depende negaivamene da axa de desemprego. Na versão modificada de Solow e Samuelson, a relação passa a mosrar um rade off enre inflação e desemprego. Considerando que na equação anerior a inflação esperada seja igual a zero (inflação correne não é afeada pelas expecaivas), emos: 5

6 π = ( µ + z) α u Esa equação indica que há uma relação esável enre inflação e desemprego. A curva de Phillips será mais inclinada quano maior for o alfa. Dado o nível esperado de preços (=0), o desemprego mais baixo leva a um salário nominal mais alo. Em resposa, as empresas aumenam seus preços. Em razão do aumeno dos preços, os rabalhadores reivindicam um salário mais alo. Um salário maior leva às empresas a um aumeno em seus preços. Esse mecanismo é chamado de espiral de preços e salários. u w p w p Durane os anos de 1960 a inflação passou a er um comporameno consisenemene posiivo, modificando a maneira como os agenes formam as suas expecaivas. A curva de Phillips foi modificada por Friedman e Phelps, incluindo a formação de expecaivas (nese caso, adapaivas). π e = θπ 1 θ = represena o efeio da inflação do ano anerior sobre a inflação esperada do ano aual. Subsiuindo na relação mosrada aneriormene, emos que: e 1 π = θπ + ( µ + z) αu Quando θ = 0, obemos a CP original. Quando θ > 0, a axa de inflação depende não apenas da axa de desemprego, mas ambém da axa de inflação do ano anerior. Quando θ = 1, a relação se orna a seguine: π π = ( µ + z) αu 1 6

7 Porano, a axa de desemprego afea não a axa de inflação, mas a variação da axa de inflação. O desemprego elevado leva a uma inflação decrescene. À medida que aumenou de zero para 1 a relação simples enre inflação e desemprego desapareceu. Mas surgiu uma nova relação: axa de desemprego e variação da axa de inflação. A relação: π π = ( µ + z) αu 1 é chamada de Curva de Phillips modificada ou Curva de Phillips aumenada pelas expecaivas, ou ainda, curva de Phillips aceleracionisa. Assim, no caso da curva de Phillips original o aumeno de u leva a uma inflação mais baixa. Já para a curva de Phillips modificada o aumeno de u leva a uma inflação decrescene. A conribuição de Friedman e Phelps A curva de Phillips original não levava em consideração a axa naural de desemprego e, assim, era possível maner um desemprego baixo para sempre. Friedman e Phelps quesionaram a exisência desse dilema enre inflação e desemprego. Eles argumenaram que esse dilema exisiria somene se os fixadores de salários subesimassem sisemaicamene a inflação, sendo pouco provável que comeessem o mesmo erro para sempre. Friedman e Phelps ambém argumenavam que a axa de desemprego não poderia ser susenada abaixo de um deerminado nível persisenemene, nível que chamaram de axa naural de desemprego. A axa naural de desemprego é a axa de desemprego em que a axa de inflação efeiva é igual à axa de inflação esperada, ou seja, u n é dada por: e π = π + ( µ + z) αu 0 = ( µ + z) αu n 7

8 µ + z u n = ou αu n = µ + z α Quano maior o markup e maior z, mais ala será a axa naural de desemprego. Se a axa de inflação de inflação esperada pode ser aproximada pela axa de inflação do ano anerior, emos: µ + z u n = ou αu n = µ + z α e π = π + ( µ + z) αu e π = π + αu αu n π π e = α ( u u ) n Se a axa de inflação de inflação esperada pode ser aproximada pela axa de inflação do ano anerior (formação de expecaivas adapaivas), emos: π π = α ( u u 1 n Assim, a variação da axa de inflação depende da diferença enre a axa de desemprego efeiva e a axa naural de desemprego. Quando u > u n a axa de inflação diminui. Quando u < u n a axa de inflação aumena. Além disso, a axa naural de desemprego é a axa necessária para maner a axa de inflação consane. É por esa razão que a axa naural é chamada de axa de desemprego não aceleradora da inflação (NAIRU Non Acceleraing Inflaion Rae of Unemploymen) 6% é um bom exemplo. Para π permanecer consane, π = 0 1 π 0 = α ( u un ) ) O caso da inflação ala u = u n A relação enre inflação e desemprego muda com a inflação elevada. Quando a axa de inflação se orna ala, a inflação ende a ser mais variável. A indexação de salários aumena o efeio do desemprego sobre a inflação: 8

9 Sem indexação, o desemprego menor aumena os salários, o que, por sua vez, aumena os preços. No enano, como os salários não respondem aos preços imediaamene, não há aumenos de preços denro de um ano. Com indexação, um aumeno do preço leva a um aumeno adicional no salário, o que leva ao aumeno do preço, e assim por diane, de modo que o efeio do desemprego sobre a inflação denro do ano é maior. Deflação: Quando a economia começa a experimenar deflação, a relação curva de Phillips fracassa. Uma possível explicação é que os rabalhadores êm reluância em aceiar reduções nos salários nominais. π µ Um aumeno na axa de crescimeno da ofera de moeda leva à economia do pono A (compaível com u n ) para o pono B com maior inflação e nível de produo, e menor desemprego. No curo prazo, emos um equilíbrio no pono B. Mas, no longo prazo, a economia reorna ao nível de desemprego naural. A fala de percepção dos rabalhadores: a ilusão moneária 9

10 Inicialmene, o aumeno na axa de crescimeno da ofera de moeda provoca um aumeno nos preços e nos salários. No enano, os salários nominais sobem em proporção menor do que os preços. Os rabalhadores aumenam a ofera de rabalho, achando que houve um aumeno nos salários reais e as empresas aumenam a demanda porque verificam uma queda no salário real. No longo prazo, os agenes corrigem as suas expecaivas. Os rabalhadores percebem a queda em seus salários reais e passam a demandar um aumeno em seus salários nominais (levando em consideração o aumeno dos preços) e, conseqüenemene, qualquer axa de desemprego corresponderá a uma axa de inflação mais elevada. O ajuse de longo prazo move a economia do pono B para o pono C reornando o produo e o desemprego aos seus níveis naurais, mas agora com uma inflação mais elevada. Curva de Phillips de Curo e de Longo Prazo Cusos da desinflação Uma enaiva de desinflação nos levaria aé o pono H, com inflação ainda ala (mas reduzindo) e desemprego acima da axa naural. Levará empo para que os oferanes de mãode-obra percebam a redução do rimo da inflação e aceiem redução em seus salários moneários para um nível compaível com a esabilidade de preços. Enquano isso, a economia sofre com inflação e desemprego elevados. 10

11 Curva de Phillips: efeios de políicas A crença monearisa da Curva de Phillips de longo prazo implica que uma axa crescene da expansão moneária pode reduzir o desemprego para um nível menor do que a axa naural desde que a inflação seja não esperada; A suposição subjacene da análise monearisa é que a inflação esperada ajusa à inflação aual somene gradualmene devido à expecaiva adapaiva ou erro de aprendizagem; A perda de produo decorrene do combae à inflação reflee a axa de sacrifício ; Ese é um modelo backward-looking, em que as expecaivas de inflação são baseadas somene na axa de inflação de um passado recene. Com expecaivas racionais A hipóese de expecaivas racionais diz que os agenes levam em consideração odas as informações disponíveis, maximizando sua uilização na formação de expecaivas. Em sua versão fraca a hipóese de expecaivas racionais pode ser definida como os agenes fazendo o melhor uso possível das informações que dispõem. Nese caso, os erros do passado deixam de influir no presene e os agenes não comeem erros sisemáicos; Na versão fore, assume-se que os agenes, em suas expecaivas, sempre aceram na média o valor efeivo da variável. A hipóese de expecaivas racionais implica que o valor esperado da inflação é igual à inflação efeiva e a covariância dos erros em e em -1 é igual a zero. A principal implicação da hipóese de expecaivas racionais para a curva de Phillips é que a políica moneária não em qualquer efeio sobre o produo, apenas sobre os preços. As políicas somene surem efeio quando não são anecipadas, pegam os agenes de surpresa. A Curva de Phillips é verical, ano no curo, quano no longo prazo. Os desvios ocorrem somene devido à choques. Com expecaivas racionais, pode-se eliminar a necessidade de recessão para combaer a inflação. Observação: os keynesianos acrediam que as axas de desemprego exibem persisência, o que significa que, durane deerminados períodos, o desemprego ende a permanecer em orno de cero nível. Os keynesianos afirmam que, em vez de ser resulado de qualquer caracerísica inrínseca ao sisema econômico, a axa de desemprego de um período é foremene influenciada por seus valores passados. Essa propriedade de um processo é chamada de hiserese. Relação enre Inflação e Aividade Econômica (A LEI DE OKUN), cap. 9, Blanchard A Lei de Okun mosra a relação enre o crescimeno do produo e a mudança na axa de desemprego. A equação correspondene a esa Lei é: u u -1 = -0,4(g y 3%) Assim, o crescimeno do produo deve ser, no mínimo, 3% para impedir que a axa de desemprego aumene. Iso se deve a 2 faores: crescimeno da força de rabalho e o 11

12 crescimeno da produividade do rabalho. Para maner o desemprego consane, o crescimeno do produo deve ser igual à soma do crescimeno da força de rabalho e do crescimeno da produividade do rabalho. Esa é a axa de crescimeno normal. 1. Nesa relação podemos perceber que o emprego responde menos do que proporcionalmene a movimenos no produo. O moivo esá no fao de que alguns rabalhadores são necessários independenemene do nível de produo. Ouro moivo é que cusa caro conraar mão-de-obra e, em empos difíceis, as empresas manêm seus rabalhadores (iso é chamado de enesourameno da mão-de-obra). 2. Um aumeno da axa de emprego não leva a uma diminuição proporcional da axa de desemprego. A razão é que a aividade da força de rabalho aumena. Pessoas que anes não buscavam um emprego passam a buscá-lo devido ao aumeno do emprego. Reescrevendo a Lei de Okun: Onde: u u -1 = -β(g y g y *) g y *= axa de crescimeno normal g y = axa de crescimeno do produo no período do ano -1 ao ano β = efeio do crescimeno do produo acima do normal sobre as mudanças na axa de desemprego O crescimeno do produo acima do normal leva a uma diminuição da axa de desemprego; o crescimeno do produo abaixo do normal leva a um aumeno da axa de desemprego. Reescrevendo a Lei de Okun na versão de Lopes e Vasconcellos: (µ µ N ) = λ(y P Y) A Lei de Okun esabelece uma relação enre o produo e o desemprego. Essa lei nos mosra que o hiao do produo, iso é, a diferença enre o produo poencial (Y P ) em relação ao produo efeivo (Y) é proporcional à diferença enre a axa de desemprego e a axa naural (axa de desemprego de pleno-emprego). O parâmero λ é um parâmero que mede a sensibilidade do desemprego em relação ao hiao do produo (λ > 0). EX: um crescimeno do produo igual a 4% implicará uma redução do desemprego de 4%. 12

13 Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 8, Ciclos Econômicos Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 There is always a emporary radeoff beween inflaion and unemploymen; here is no permanen radeoff. The emporary radeoff comes no from inflaion per se, bu from unanicipaed inflaion, which generally means, from a rising rae of inflaion. Milon Friedman π µ Um aumeno na axa de crescimeno da ofera de moeda leva à economia do pono A (compaível com u n ) para o pono B com maior inflação e nível de produo, e menor desemprego. No curo prazo, emos um equilíbrio no pono B. Mas, no longo prazo, a economia reorna ao nível de desemprego naural. A fala de percepção dos rabalhadores: a ilusão moneária 13

14 Inicialmene, o aumeno na axa de crescimeno da ofera de moeda provoca um aumeno nos preços e nos salários. No enano, os salários nominais sobem em proporção menor do que os preços. Os rabalhadores aumenam a ofera de rabalho, achando que houve um aumeno nos salários reais e as empresas aumenam a demanda porque verificam uma queda no salário real. No longo prazo, os agenes corrigem as suas expecaivas. Os rabalhadores percebem a queda em seus salários reais e passam a demandar um aumeno em seus salários nominais (levando em consideração o aumeno dos preços) e, conseqüenemene, qualquer axa de desemprego corresponderá a uma axa de inflação mais elevada. O ajuse de longo prazo move a economia do pono B para o pono C reornando o produo e o desemprego aos seus níveis naurais, mas agora com uma inflação mais elevada. Curva de Phillips de Curo e de Longo Prazo Cusos da desinflação 14

15 Uma enaiva de desinflação nos levaria aé o pono H, com inflação ainda ala (mas reduzindo) e desemprego acima da axa naural. Levará empo para que os oferanes de mãode-obra percebam a redução do rimo da inflação e aceiem redução em seus salários moneários para um nível compaível com a esabilidade de preços. Enquano isso, a economia sofre com inflação e desemprego elevados. Curva de Phillips: efeios de políicas A crença monearisa da Curva de Phillips de longo prazo implica que uma axa crescene da expansão moneária pode reduzir o desemprego para um nível menor do que a axa naural desde que a inflação seja não esperada; A suposição subjacene da análise monearisa é que a inflação esperada ajusa à inflação aual somene gradualmene devido à expecaiva adapaiva ou erro de aprendizagem; A perda de produo decorrene do combae à inflação reflee a axa de sacrifício ; Ese é um modelo backward-looking, em que as expecaivas de inflação são baseadas somene na axa de inflação de um passado recene. Com expecaivas racionais A hipóese de expecaivas racionais diz que os agenes levam em consideração odas as informações disponíveis, maximizando sua uilização na formação de expecaivas. Em sua versão fraca a hipóese de expecaivas racionais pode ser definida como os agenes fazendo o melhor uso possível das informações que dispõem. Nese caso, os erros do passado deixam de influir no presene e os agenes não comeem erros sisemáicos; Na versão fore, assume-se que os agenes, em suas expecaivas, sempre aceram na média o valor efeivo da variável. Assim: E(π e ) = π Cov ε,ε -1 = 0 E = esperança maemáica Cov = covariância (uma medida de associação enre duas variáveis) 15

16 ε = erro de previsão A hipóese de expecaivas racionais implica que o valor esperado da inflação é igual à inflação efeiva e a covariância dos erros em e em -1 é igual a zero. A principal implicação da hipóese de expecaivas racionais para a curva de Phillips é que a políica moneária não em qualquer efeio sobre o produo, apenas sobre os preços. As políicas somene surem efeio quando não são anecipadas, pegam os agenes de surpresa. A Curva de Phillips é verical, ano no curo, quano no longo prazo. Os desvios ocorrem somene devido à choques. Com expecaivas racionais, pode-se eliminar a necessidade de recessão para combaer a inflação. Relação enre Inflação e Aividade Econômica (A LEI DE OKUN), cap. 9, Blanchard A Lei de Okun mosra a relação enre o crescimeno do produo e a mudança na axa de desemprego. A equação correspondene a esa Lei é: u u -1 = -0,4(g y 3%) Assim, o crescimeno do produo deve ser, no mínimo, 3% para impedir que a axa de desemprego aumene. Iso se deve a 2 faores: crescimeno da força de rabalho e o crescimeno da produividade do rabalho. Para maner o desemprego consane, o crescimeno do produo deve ser igual à soma do crescimeno da força de rabalho e do crescimeno da produividade do rabalho. Esa é a axa de crescimeno normal. 3. Nesa relação podemos perceber que o emprego responde menos do que proporcionalmene a movimenos no produo. O moivo esá no fao de que alguns rabalhadores são necessários independenemene do nível de produo. Ouro moivo é que cusa caro conraar mão-de-obra e, em empos difíceis, as empresas manêm seus rabalhadores (iso é chamado de enesourameno da mão-de-obra). 4. Um aumeno da axa de emprego não leva a uma diminuição proporcional da axa de desemprego. A razão é que a aividade da força de rabalho aumena. Pessoas que anes não buscavam um emprego passam a buscá-lo devido ao aumeno do emprego. Reescrevendo a Lei de Okun: Onde: u u -1 = -β(g y g y *) g y *= axa de crescimeno normal g y = axa de crescimeno do produo no período do ano -1 ao ano β = efeio do crescimeno do produo acima do normal sobre as mudanças na axa de desemprego O crescimeno do produo acima do normal leva a uma diminuição da axa de desemprego; o crescimeno do produo abaixo do normal leva a um aumeno da axa de desemprego. Reescrevendo a Lei de Okun na versão de Lopes e Vasconcellos: 16

17 (µ µ N ) = λ(y P Y) A Lei de Okun esabelece uma relação enre o produo e o desemprego. Essa lei nos mosra que o hiao do produo, iso é, a diferença enre o produo poencial (Y P ) em relação ao produo efeivo (Y) é proporcional à diferença enre a axa de desemprego e a axa naural (axa de desemprego de pleno-emprego). O parâmero λ é um parâmero que mede a sensibilidade do desemprego em relação ao hiao do produo (λ > 0). EX: um crescimeno do produo igual a 4% implicará uma redução do desemprego de 4%. POLÍTICAS DE ESTABILIZAÇÃO, Mankiw, capíulo 14. Expecaivas e Credibilidade: a críica de Lucas A enaiva de se esimar os efeios de uma grande mudança na políica econômica, considerando como dadas as relações esimadas com base em dados passados, pode ser equivocada. Esa é a críica de Lucas. Lucas argumena que os méodos radicionais de avaliação de políicas econômicas não levam em consideração o impaco da políica econômica em relação às expecaivas. Tomar a equação da CP como dada implica que, dada uma políica moneária, os agenes não mudarão as suas decisões. Se os agenes acrediam que o Banco Cenral esá compromeido com uma inflação mais baixa, os agenes poderiam esperar uma inflação mais baixa no fuuro. Se os agenes coninuam a formar as expecaivas de acordo com a inflação passada, o único meio de diminuir a inflação é aceiar um desemprego maior por algum empo. Se o BC consegue convencer os agenes que a inflação será menor do que no passado, eles diminuem suas expecaivas de inflação auomaicamene, sem qualquer mudança na axa de desemprego. Assim, diminuições do crescimeno da moeda nominal podem ser neuras, ambém no curo prazo. Para Sargen, o ingrediene principal de uma desinflação bem sucedida é a credibilidade da políica moneária. Uma visão alernaiva foi adoada por S. Fischer e J. Taylor. Ambos enfaizam a presença de uma rigidez nominal. Para Fischer, mesmo com credibilidade, uma queda rápida do crescimeno da moeda nominal levaria a um desemprego mais elevado. A políica deveria ser anunciada com anecedência para que os agenes corrijam as suas expecaivas; Para Taylor, o fao dos conraos de rabalho não serem assinados ao mesmo empo (jusaposição das decisões salariais) impunha severos limies ao processo de desinflação. Uma queda rápida no crescimeno da moeda nominal, não levaria a uma diminuição proporcional da inflação. Conseqüenemene, o esoque real de moeda diminuiria, desencadeando uma recessão e um aumeno na axa de desemprego. 17

18 Assim, a melhor políica econômica é o anúncio prévio para que os agenes corrijam suas expecaivas. O Banco Cenral deve opar por uma desinflação lena. Políica Econômica (ver Mankiw, cap. 14) Aiva ou passiva? Para muios economisas, a necessidade de uma políica econômica aiva é clara. Diane de recessões e alos índices de desemprego, as políicas moneária e fiscal podem prevenir (ou pelo menos aenuar) recessões, reagindo a esses choques. Não fazer uso dos insrumenos de políica para esabilizar a economia seria um desperdício. Ouros economisas assumem posição críica em relação às enaivas do governo de esabilizar a economia. Na verdade, para os críicos o governo deve ser não-inervencionisa na políica macroeconômica. Base da críica desses auores em a ver como o papel do hiao ou da defasagem enre a omada de decisão de políica e seus efeios. Pode-se definir: Defasagem inerna: corresponde ao inervalo de empo enre a ocorrência do choque econômico e a ação políica. Um pono imporane na decisão de políica é saber se o choque é permanene ou emporária. Defasagem exerna: refere-se ao inervalo de empo enre a implemenação da políica e sua repercussão sobre a economia. Segundo Mankiw, as políicas fiscais apresenam um longo hiao inerno, uma vez que muias vezes dependem da aprovação do presidene e do Congresso. Já a políica moneária apresena um hiao inerno muio mais curo que o da políica fiscal. No enano, a políica moneária apresena um hiao exerno subsancial. A políica moneária alera os juros que por sua vez influencia o invesimeno e a demanda agregada. O problema é que boa pare dos planos de invesimenos é feia com muia anecedência, o que leva a políica moneária a afear a economia após alguns meses. O grande problema das defasagens é que quando a políica começa a surir efeio, as condições econômicas podem er mudado. Assim, enaivas de esabilizar a economia podem ser desesabilizadoras. Isso ocorre quando a economia se modifica enre o início da ação da políica econômica e o seu impaco sobre a economia. Nesse caso, a políica econômica aiva pode acabar esimulando a economia quando ela esá superaquecida, ou desesimulando-a quando ela esá em processo de esfriameno. Uma forma de eviar as defasagens é a uilização dos esabilizadores auomáicos, cuja auação começa ão logo ocorra o choque. Como exemplo, podemos ciar as alíquoas progressivas de imposos, seguro desemprego. Segundo Dornbusch, Fischer e Sarz (2008: p. 199, 200):... um esabilizador auomáico é qualquer mecanismo na economia que auomaicamene iso é, sem uma inervenção governamenal caso a caso reduz o monane pelo qual o produo se alera em resposa a uma mudança na demanda auônoma. 18

19 Uma explicação para o ciclo econômico é o fao de ele ser causado por deslocamenos da demanda auônoma, principalmene do invesimeno. Argumena-se que, às vezes, os invesidores são oimisas e o invesimeno é elevado e, porano, o mesmo ocorre com o produo. Mas, às vezes, eles são pessimisas, acarreando em invesimeno e produo baixos. Oscilações da demanda por invesimeno exercem um efeio pequeno sobre o produo quando esabilizadores auomáicos esão presenes. Isso significa que, com esabilizadores auomáicos podemos esperar que o produo fluue menos do que aconeceria sem eles. São esabilizadores auomáicos: Imposo de renda proporcional; Seguro-desemprego (TR aumena, quando Y cai, ou seja, permie que os consumidores coninuem a consumir quando mesmo que não enham emprego). Isso significa que a demanda cai menos quando alguém se orna desempregado e recebe um seguro-desemprego. Previsão Econômica Políicas de esabilização bem-sucedidas exigem a capacidade de prever com precisão as condições econômicas do fuuro. A eficácia da políica passa a depender da capacidade dos gesores conseguirem anecipar as condições econômicas fuuras. Os principais insrumenos uilizados são os indicadores anecedenes e a formulação de cenários econômicos. A écnica dos indicadores anecedenes (principais indicadores) refere-se à escolha de uma série de variáveis que componham um índice, cujo valor num dado momeno do empo consiga anecipar o comporameno da variável objeivo no fuuro. Exemplo: bolsa de valores, consulas ao SPC, consumo de energia ec. Quano à elaboração de cenários, a écnica inclui a consrução de um modelo econômico que explicie as variáveis endógenas que buscamos deerminar. Deve-se formular hipóeses sobre as variáveis exógenas, e iso depende da idenificação dos problemas econômicos e da idenificação do comporameno dos agenes. Regras ou discrição? Como a políica econômica deve ser conduzida? Regras ou Discrição? Regras: se refere ao fao de que os formuladores devem anunciar anecipadamene qual será a resposa da políica econômica em cada caso, ou seja, os agenes devem saber as decisões do governo para não serem pegos de surpresa. A políica ser conduzida de acordo com regras não significa que a políica será passiva. Discrição: refere-se ao fao de que o governo decide a políica econômica a ser adoada caso a caso. Os formuladores de políica econômica idenificam a siuação e decidem qual a maneira mais adequada de agir sobre ela. 19

20 Críicas à discrição: 1. Problemas de Arbirariedade Incompeência: muias vezes o proponene da políica econômica não possui condições de avaliar saisfaoriamene o que deve ser feio. Oporunismo (anos de eleição): os responsáveis pela políica econômica podem er ineresses eleioreiros ou aé mesmo pessoais. 2. Inconsisência emporal das políicas discricionárias (inconsisência dinâmica no empo): refere-se ao incenivo do governo em maner políicas anunciadas. Se o governo anuncia uma políica de combae à inflação, os agenes endem a corrigir suas expecaivas e a inflação ende a cair mesmo que o governo não cumpra o promeido. O grande problema é que se nunca houver cumprimeno das medidas anunciadas, os indivíduos passam a desconfiar da políica econômica, e qualquer anúncio de políica ende a er um efeio desesabilizador. CICLOS REAIS DE NEGÓCIOS: NOVOS-CLÁSSICOS RADICAIS Principais conclusões da escola novo-clássica: A políica moneária somene afea o produo quando ela é inesperada; Curva de Phillips de longo prazo; Quando a políica moneária é previsa, não afea o produo, apenas gera inflação. Problema: Os novos clássicos não explicam a persisência da recessão. Os defensores da Teoria dos Ciclos Reais de Negócios (novos clássicos radicais) vão dizer que a recessão não exise! Teoria dos Ciclos Reais de Negócios (Real Business Cycles RBC) Essa eoria busca explicar os ciclos de negócios com base no referencial clássico. Considerase, em primeiro lugar, que os choques ecnológicos são os principais disúrbios os quais esão sujeias as economias, e que esses choques propagam-se em mercados concorrenciais, com o que a economia enconra-se sempre no nível de pleno-emprego. Iso é, os preços são perfeiamene flexíveis, garanindo o equilíbrio econômico. Pela eoria dos ciclos reais, fluuações no produo são oriundas de choques reais na economia, com os mercados se ajusando rapidamene e permanecendo sempre em equilíbrio. Um choque ecnológico, por exemplo, amplia a produividade do rabalho, aumenando a demanda por mão-de-obra. Esa eoria esá basane ligada à eoria das expecaivas racionais. Teríamos enão, que mudanças anecipadas de políica moneária não êm efeios reais sobre a economia. Apenas mudanças não anecipadas êm efeios sobre a economia, mas esses efeios são rapidamene corrigidos. Assim, choques na demanda não são muio imporanes. Fluuações do produo e do emprego são o resulado de uma série de choques reais que aingem a economia. Após os choques, os mercados (preços e quanidades) se ajusam, permanecendo sempre em equilíbrio. RBC é uma exensão da implicação eórica de Expecaivas Racionais e da eoria do passeio aleaório do produo, segundo a qual choques de demanda não são 20

21 imporanes fones de fluuação. Teríamos enão, que mudanças anecipadas de políica moneária não em efeios reais sobre a economia. Apenas mudanças não anecipadas êm efeios sobre a economia, mas esses efeios são rapidamene corrigidos. Tendo rechaçado eoricamene as possíveis causas moneárias das fluuações, a eoria dos RBC defrona-se com duas arefas: Quais são os choques que aingem a economia? Quais são e como operam os mecanismos de propagação? Por que os choques parecem er efeios duradouros? O objeivo é explicar por que o emprego e o produo são alos em expansões, e reduzidos em recessões. Uma possível explicação é que o salário real, W/P, sobe em expansões e cai em recessões, fazendo variar a quanidade oferada de rabalho. O problema (para os adepos dos RBC), não há comprovação empírica dessa hipóese. As evidências indicam que a elasicidade da ofera de rabalho em relação ao salário real é muio pequena. Além disso, o salário real varia pouco ao longo do ciclo. Subsiuição ineremporal na ofera de mão-de-obra A forma pela qual os modelos RBC explicam grandes movimenos no produo com pequenos movimenos nos salários reais é aravés da subsiuição ineremporal de lazer. Exise uma elasicidade elevada da ofera de rabalho como reação às variações emporárias do salário real. Ou seja, as pessoas esão muio disposas a subsiuir lazer (e, por conseguine, rabalho) ao longo do ciclo econômico. Elas se imporam com o esforço (quanidade de rabalho) oal, mas não se imporam com quando rabalhar. Exemplo: suponha que durane um período bienal os rabalhadores esão planejando rabalhar 4000 horas (50 semanas x 40 horas x 2 anos) ao salário vigene. Se o salário não fluuar nesse período bienal, eles rabalharão uniformemene, 2000h em cada ano. Enreano, se o salário no primeiro ano for somene 2% mais alo que no segundo ano, eles preferirão rabalhar 2200h no primeiro ano (eliminando as férias e fazendo horas-exras) e apenas 1800 no segundo ano. Subsiuindo enre os anos, rabalha-se o mesmo empo oal, mas aumena o rendimeno. Noe, conudo, que a subsiuição ineremporal do lazer não implica que a ofera de rabalho seja sensível a mudanças permanenes no salário. Se o salário subir, e se maniver mais alo, não há nenhum ganho em rabalhar mais no primeiro ano do que no segundo. Nese caso, os rabalhadores coninuariam a rabalhar 2000h em cada ano, o que daria uma elasicidade nula (pequena) da ofera de rabalho em relação aos salários. A subsiuição ineremporal de lazer consegue gerar grandes movimenos na quanidade de rabalho realizado em resposa a pequenas mudanças nos salários, o que vai ao enconro da evidência empírica de grandes efeios no emprego e no produo esarem acompanhados de pequenas mudanças nos salários. Perurbações (Disúrbios): 21

22 A propagação dos ciclos econômicos é desencadeada por aconecimenos ou perurbações que aleram os níveis de equilíbrio do produo e do emprego em mercados específicos e na economia em geral. Perurbações mais imporanes: choques sobre produividade, ou choques da ofera, e choques sobre a despesa pública. O legado da eoria dos RBC foi principalmene meodológico, endo influenciado basane a forma pela qual se faz pesquisa em economia. Hoje em dia, os principais modelos de RBC já incorporam vários resulados radicionais, como os efeios da políica moneária. Sínese: Equilíbrio sempre ( ou quase sempre ); Neuralidade da moeda sempre; Produo sempre no nível de pleno emprego (isso não quer dizer que o produo não fluua. Não ocorrem fluuações em orno do produo poencial. Ocorrem fluuações do produo poencial); Agenes sempre em posição óima. Avanços da Teoria do Ciclo Econômico Mankiw, capíulo 19 Novos-keynesianos (Neo-Keynesianos) A orodoxia keynesiana dos modelos de OA-DA foi aingida pela inrodução das eorias de expecaivas racionais e RBC (revolução neoclássica). Em odos os modelos descrios aneriormene, emos o mercado se ajusando rapidamene. No início dos anos 80 aé hoje, uma conra-revolução neo-keynesiana surgiu. Os modelos neokeynesianos maném a hipóese de racionalidade dos indivíduos dos modelos clássicos, mas desenvolvem modelos na qual os mercados não se equilibram rapidamene e os preços nem sempre se ajusam às mudanças na ofera de moeda, ou seja, maném os resulados da OA-DA. Esses modelos se baseiam em concorrência imperfeia, para explicar como que decisões racionais dos indivíduos geram os ciclos indesejáveis no produo. Caracerização e sínese dos neo-keynesianos: Buscam micro-fundamenos para a macro; Os agenes formam expecaivas racionais. Pressuposos: Mercados imperfeios: 1. Exisência de oligopólios no mercado de bens; 2. Assimeria de informações no mercado de rabalho (salário de eficiência e salários de conraos jusaposos); 3. No mercado financeiro os agenes não possuem as mesmas informações; Há rigidez de preços e de salários; 22

23 A fone dos arios da macroeconomia: rês modelos para a ofera agregada Modelo de Rigidez Salarial Em alguns seores da economia, os salários nominais são fixados por conraos de longo prazo, de modo al que os salários não conseguem se ajusar rapidamene quando as condições econômicas se modificam. As implicações de um salário rígido são as seguines: 1. Quando o salário nominal permanece esagnado, um aumeno no nível de preços diminui o salário real, fazendo com que a mão-de-obra se orne mais baraa; 2. O salário real mais baixo induz as empresas a conraar mais mão-de-obra; 3. A mão-de-obra adicional conraada aumena o monane da produção. Os gráficos a seguir sumarizam o argumeno: Fone: Macroeconomics, Mankiw (2002), 5h ed. Porano, os neo-keynesianos acrediam na eoria das expecaivas racionais, mas observam que a economia demora mais para reornar para o equilíbrio do que previso pelos modelos neoclássicos. O modelo de preços rígidos 23

24 Esse modelo enfaiza que as empresas não ajusam imediaamene os preços que cobram em resposa a variações na demanda. Algumas vezes, os preços são esabelecidos por conraos de longo prazo enre empresas e clienes. Mesmo na inexisência de acordos formais, as empresas podem maner consanes os preços para não incomodar os clienes regulares com mudanças freqüenes de preços, que seriam apresenadas como cusos de menu: Cusos de menu: Ese cuso é mais do que o cuso de alerar preço. A redução de preços de imediao não arai novos compradores, mas o aumeno de preço diminui a quanidade de compradores. Às vezes o ganho adicional obido pelo aumeno do preço é muio pequeno e não consegue cobrir o cuso de menu. Pode ocorrer de um vendedor em paricular reduzir seu preço, mas seus concorrenes não reduzirem (falha de coordenação enre os agenes) e ese vendedor não ganhar mais com esa ação. Se a economia começar a crescer, vai er que aumenar o preço para maximizar o lucro e em grande risco de perder consumidores. Assim, a endência é er rigidez de preços; Os preços são mais rígidos em recessão econômica porque nem odos os concorrenes reduzem os seus preços e não se consegue inernalizar odo o ganho de uma redução de preços. Os preços são mais flexíveis em expansão econômica porque as ransações ocorrem com maior rapidez e os agenes recebem um maior número de informações. Os economisas neo-keynesianos focam na rigidez que os preços podem er e enam buscar os fundamenos microeconômicos dessa rigidez. Quando a quanidade de moeda aumena, odas as firmas deveriam ajusar proporcionalmene seus preços, como previso pelos modelos clássicos. Porém, há cusos ( cusos de menu ) em reajusar os preços e esses cusos podem ser maiores que a perda de receia em permanecer com o preço errado. Esses cusos podem ser ambém: colear informação, maner os clienes e conraos com fornecedores ou salariais de médio prazo. Frene a uma mudança de preços na economia, as firmas só irão mudar seus próprios preços se os benefícios forem maiores que os cusos. O problema desa eoria é que os cusos de menu são em geral muio pequenos, o que desacrediava ese argumeno. Mankiw resolve ese problema mosrando que se a firma possuir algum poder de mercado, pode ser que o aumeno de lucro em ajusar seu preço seja menor que os cusos. Na verdade, quando a firma é compeiiva, esar com o preço fora do equilíbrio implica em grandes prejuízos. Mas se a firma enfrenar uma demanda pouco elásica, o lucro é menos sensível à variação de preço e nese caso os cusos de menu podem sobressair. O aumeno de lucro seria menor quando: O desvio do preço é pequeno; A elasicidade da demanda é baixa. Modelo de Informação Imperfeia Nesse modelo, as curvas de ofera agregada de curo prazo e de longo prazo diferem em virude de percepções equivocadas, de caráer emporário, em relação aos preços. O modelo de ilhas de Lucas sineiza o argumeno. Como o número de bens e ão grande, os fornecedores não conseguem observar odos os preços durane odo o empo. Eles monioram aenamene os preços de odos os bens que consomem. Por causa da informação imperfeia, 24

25 eles, algumas vezes, confundem variação do nível geral de preços com variações dos preços relaivos. Esse ipo de confusão influencia decisões sobre o quano fornecer, e acarrea uma relação posiiva enre o nível de preços e a produção no curo prazo. Em sínese, fala de coordenação enre os agenes econômicos: a assimeria de informações leva à fala de coordenação. Principais conclusões: A moeda afea a economia; No longo prazo ocorre apenas o aumeno dos preços; Mesmo com preços e salários flexíveis pode haver impacos no produo no curo prazo; O mercado não esá sempre em equilíbrio. Sínese, segundo Mankiw: Segundo Mankiw, os modelos de ofera agregada (preços rígidos, rigidez salarial e informação imperfeia) diferem em seus pressuposos, ênfases, mas suas implicações sobre o produo agregado são similares. Todos os modelos são sineizados pela seguine equação: Y =Y* + α(p P e ). Esa equação aesa que os desvios do produo (Y) de seu nível naural (Y*) são relacionados a desvios dos preços (P) em relação aos preços esperados (P e ). Se o nível de preços é maior que o nível esperado, o produo excederá a axa naural e vice-versa. A curva de ofera agregada de longo prazo é verical. Graficamene, em-se: Fone: Mankiw (2002), p Abordagem Keynesiana à Ofera Agregada (Hiserese) Lembrando a hipóese da axa naural: As oscilações na demanda agregada afeam a produção e o emprego somene no curo prazo. No longo prazo, a economia reorna aos níveis de produção, emprego e desemprego descrios pelo modelo clássico. 25

26 Alguns economisas (keynesianos) conesam a hipóese da axa naural ao sugerir que a demanda agregada poderia afear a produção e o desemprego mesmo a longo prazo. Esses economisas desacaram alguns mecanismos pelos quais as recessões poderiam deixar cicarizes permanenes na economia ao alerar a axa naural de desemprego. Hiserese é o ermo uilizado para descrever a influência de longa duração da hisória sobre a axa naural. Traa-se de um ermo oriundo da Física, que susena que uma variável que eseve sujeia a uma força emporária exerna, não reorna ao valor original mesmo depois de a força exerna er sido removida. No conexo do desemprego, ela significa que, se um choque emporário faz com que a axa de desemprego aumene, ela não volará ao nível original depois de a crise passar. Uma recessão pode exercer efeios permanenes se vier a modificar as pessoas que ficaram desempregadas. Por exemplo: 1. Os rabalhadores podem perder compeências valiosas ao ficarem desempregados, o que diminui sua capacidade de arrumar ouro emprego, mesmo depois que a recessão acaba; 2. Um longo período de desemprego pode modificar as aiudes de uma pessoa em relação ao rabalho e reduzir seu desejo de enconrar um emprego; 3. Pode ocorrer uma mudança no processo de deerminação dos salários. Aqueles que ficam desempregados podem perder sua influência no processo de deerminação dos salários (sindicao, por exemplo). Em sínese, os keynesianos acrediam que as axas de desemprego exibem persisência, o que significa que, durane deerminados períodos, o desemprego ende a permanecer em orno de cero nível. Os keynesianos afirmam que, em vez de ser resulado de qualquer caracerísica inrínseca ao sisema econômico, a axa de desemprego de um período é foremene influenciada por seus valores passados. Essa propriedade de um processo é chamada de hiserese. 26

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil Marcello da Cunha Sanos Dívida pública e coordenação de políicas econômicas no Brasil Belo Horizone, MG Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno Regional Faculdade de Ciências Econômicas UFMG 4 Marcello da

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo 0 INTRODUÇÃO A queda do sisema de Breom Woods e, poseriormene, a ausência de uma relação esreia enre moeda e renda, dada pela insabilidade da velocidade de circulação da moeda, inciou o desenvolvimeno

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR

POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR Osvaldo Cândido da Silva Filho Bacharel em Economia pela UFPB Mesre em Economia pela UFPB Douorando em Economia pelo PPGE UFRGS

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR)

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) Edilean Kleber da Silva Douorando em Economia Aplicada pela UFRGS Rua Duque de Caxias, 1515, apo. 402.

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro Física Lisa de Física Prof. Alexsandro MU e MU 1 - (UnB DF) Qual é o empo gaso para que um merô de 2m a uma velocidade de 18km/h aravesse um únel de 1m? Dê sua resposa em segundos. 2 - (UERJ) Um rem é

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO Thamirys Figueredo Evangelisa 1 Eliane Crisina de Araújo Sbardellai

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Economia Dissertação de Mestrado. Um Modelo de Investimento Aplicado ao Brasil

Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Economia Dissertação de Mestrado. Um Modelo de Investimento Aplicado ao Brasil Universidade Federal do Rio de Janeiro Insiuo de Economia Disseração de Mesrado Um Modelo de Invesimeno Aplicado ao Brasil Disseração de Mesrado Disseração apresenada ao Insiuo de Economia como requisio

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 MACROECONOMIA I LEC 2 3.. Modelo Keynesiano Simples Ouubro 27, inesdrum@fep.up.p sandras@fep.up.p 3.. Modelo Keynesiano Simples No uro prazo, a Maroeonomia preoupa-se om as ausas e as uras dos ilos eonómios.

Leia mais

Disciplina Políticas Macroeconômicas A Política Econômica na Prática

Disciplina Políticas Macroeconômicas A Política Econômica na Prática MBA - UFF Disciplina Políicas Macroeconômicas A Políica Econômica na Práica Prof. Anonio Carlos Assumpção Inrodução Professor Anonio Carlos Assumpção Sie acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Bibliografia

Leia mais

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo O Cuso de Bem-Esar da Inflação: Cálculo Tenaivo com o Uso de um Modelo de Equilíbrio Geral José W. Rossi Resumo O cuso de bem-esar da inflação em sido calculado usando-se basicamene dois ipos de abordagem:

Leia mais

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil*

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 303-345, DEZ. 2008 303 Esruura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* SAMER SHOUSHA** RESUMO Exise uma relação muio próxima enre

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 9 ASSUNTOS: Análise de Invesimenos Valor Acual Líquido (VAL) Taxa Inerna de Renabilidade (TIR) Rácio Benefício - Cuso (RBC) Tempo de Recuperação (TR) PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Perane a previsão de prejuízos

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Resumo: Palavras-chave: Documentos Técnico-Científicos

Resumo: Palavras-chave: Documentos Técnico-Científicos Documenos Técnico-Cieníficos A Influência das Insiders Informaions no Mercado de Opções: Uma Análise da Desvalorização Cambial no Brasil Lúcia Maria Goés Mouinho Douorado em Economia de Empresas (FGV -

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi Insper Insiuo de Ensino e Pesquisa Programa de Mesrado Profissional em Economia Bruno Russi ANÁLISE DA ALOCAÇÃO ESTRATÉGICA DE LONGO PRAZO EM ATIVOS BRASILEIROS São Paulo 200 Bruno Russi Análise da alocação

Leia mais

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças Área de Ineresse: Área 3 Macroeconomia, Economia Moneária e Finanças Tíulo: NOVO CONSENSO MACROECONÔMICO E REGRAS DE CONDUTA: O PAPEL DA ROTATIVIDADE DOS DIRETORES DO COMITÊ DE POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico*

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico* Arigos Abordagem ineremporal da cona correne: inroduzindo câmbio e juros no modelo básico* Nelson da Silva Joaquim Pino de Andrade Resumo O modelo padrão da abordagem ineremporal da cona correne assume

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

DÍVIDA PÚBLICA, POUPANÇA EM CONTA CORRENTE DO GOVERNO E SUPERÁVIT PRIMÁRIO: UMA ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE

DÍVIDA PÚBLICA, POUPANÇA EM CONTA CORRENTE DO GOVERNO E SUPERÁVIT PRIMÁRIO: UMA ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DÍVIDA PÚBLICA, POUPANÇA EM CONTA CORRENTE DO GOVERNO E SUPERÁVIT PRIMÁRIO: UMA ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE Resumo Alexandre Manoel Angelo da Silva Manoel Carlos de Casro Pires Membros do Insiuo de Pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS. Livia Galdino Mendes

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS. Livia Galdino Mendes ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS Livia Galdino Mendes PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Leia mais

Lista de Exercícios nº 3 - Parte IV

Lista de Exercícios nº 3 - Parte IV DISCIPLINA: SE503 TEORIA MACROECONOMIA 01/09/011 Prof. João Basilio Pereima Neo E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lisa de Exercícios nº 3 - Pare IV 1ª Quesão (...) ª Quesão Considere um modelo algébrico

Leia mais

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks Sisemas de Energia Ininerrupa: No-Breaks Prof. Dr.. Pedro Francisco Donoso Garcia Prof. Dr. Porfírio Cabaleiro Corizo www.cpdee.ufmg.br/~el GEP-DELT-EEUFMG Porque a necessidade de equipamenos de energia

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Ozawa Gioielli Sabrina P.; Gledson de Carvalho, Anônio; Oliveira Sampaio, Joelson Capial de risco

Leia mais

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO VIVIANE SEDA BITTENCOURT (IBRE/FGV) E ANDREI GOMES SIMONASSI (CAEN/UFC) RESUMO O rabalho avalia a dinâmica

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DO DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ESTIMAÇÕES DAS ELASTICIDADES DAS FUNÇÕES DA

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO

SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1 TESTES DE SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA PÚBLICA BASEADOS NA RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA INTERTEMPORAL DO GOVERNO...5

Leia mais

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo A Guerra enre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo Auoria: Anonio Zorao Sanvicene, Rogério da Cosa Moneiro Resumo: Uilizando, pela primeira vez em nosso

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO Nagila Raquel Marins Gomes; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACUDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III icenciaura de Economia (ºAno/1ºS) Ano ecivo 007/008 Caderno de Exercícios Nº 1

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 ISSN 188-981X 18 18 EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 Effec of cassava price variaion in Alagoas over producion gross value Manuel Albero Guiérrez CUENCA

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Concorrência no Mercado de Crédito Bancário Brasileiro: Abordagem via Demanda Residual

Concorrência no Mercado de Crédito Bancário Brasileiro: Abordagem via Demanda Residual Escola de Pós-Graduação em Economia EPGE Fundação Geúlio Vargas Disseração de Mesrado Concorrência no Mercado de Crédio Bancário Brasileiro: Abordagem via Demanda Residual Orienador: Afonso Arinos de Mello

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

3 Processos Estocásticos e Aplicações em Projetos na Indústria Siderúrgica

3 Processos Estocásticos e Aplicações em Projetos na Indústria Siderúrgica 3 Processos Esocásicos e Aplicações em Projeos na Indúsria Siderúrgica 3.1 Inrodução As decisões de invesimeno ano em ações e derivaivos financeiros, como em projeos corporaivos, são afeadas por incerezas

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais