PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL DENILSON ALENCASTRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL DENILSON ALENCASTRO"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DENILSON ALENCASTRO ANÁLISE EMPÍRICA DO CAPM BÁSICO PARA O BRASIL APÓS A IMPLANTAÇÃO DO PLANO REAL Poro Alegre 2009

2 DENILSON ALENCASTRO ANÁLISE EMPÍRICA DO CAPM BÁSICO PARA O BRASIL APÓS A IMPLANTAÇÃO DO PLANO REAL Disseração apresenada como requisio obenção do grau de Mesre pelo Programa de Pósgraduação da Faculdade de Adminisração, Conabilidade e Economia da Ponifícia Universidade Caólica do Rio Grande do Sul. Orienador: Dr. Adelar Fochezao Poro Alegre 2009

3 Dados Inernacionais de Caalogação na Publicação (CIP)! "#$$% &$'( )*!+, -./, & " )* # 9, 5 )95* :,,. ' - 1.;+78;;<, /=>?, 3&$&#$'

4 88 DENILSON ALENCASTRO ANÁLISE EMPÍRICA DO CAPM BÁSICO PARA O BRASIL APÓS A IMPLANTAÇÃO DO PLANO REAL Disseração apresenada como requisio obenção do grau de Mesre pelo Programa de Pósgraduação da Faculdade de Adminisração, Conabilidade e Economia da Ponifícia Universidade Caólica do Rio Grande do Sul. Aprovada em 21 de agoso de BANCA EXAMINADORA: Prof. Dr. Adalmir Marquei PUCRS Prof. Dr. Jaques Albero Bensussan FEE Prof. Dr. Leandro Anonio de Lemos PUCRS Prof. Dr. Adelar Fochezao (Orienador) PUCRS

5 AGRADECIMENTOS Agradeço muio, em primeiro lugar, a minha mulher, Karina, que sempre esá ao meu lado, seja nos bons ou nos maus momenos. Nesse ano, ela me deu o presene mais imporane da minha vida, minha filha Rafaela. Muio obrigado! Amor da minha vida, pela paciência nessa rajeória. Obrigado, do mesmo modo, a minha família, sobreudo, aos meus pais e a ia Neneca, que proporcionaram que eu esudasse. Além disso, me deram apoio e afeo nos momenos complicados. Agradeço aos meus amigos, por acrediarem em mim, em especial, ao Diego Alieri e ao Rafael Oliveira na formaação do rabalho. Fico grao ambém aos professores do PPGE pelos ensinamenos durane o curso, especialmene, ao meu orienador, Prof. Dr. Adelar Fochezao, que eseve juno nesa empreiada e ao Prof. Dr. Adalmir Marquei por me sugerir a escolha do ema e conribuir na pare economérica. Agradeço ambém, pela paciência neses úlimos meses, ao direor da Geral Asse Managemen, Alessandro Barreo, que além de ser meu chefe é ambém um amigo. Ademais, obrigado aos colegas de rabalho da empresa. Obrigado, aos colegas do mesrado em geral, mas especialmene, aos colegas Daniel Koshiyama,Carlos Cone e Maria Fernanda Cavaliéri de Lima Sanin pela ajuda na rea final desa caminhada. Durane o curso, ambém foram fundamenais os colegas Marcelo Pedo, Maeus Lisboa e Blanca Gamarra. Por fim, agradeço a odos que de alguma forma conribuíram para que eu encerrasse mais essa eapa da minha vida.

6 Tudo vale a pena quando a alma não é pequena. Fernando Pessoa

7 RESUMO A presene pesquisa apresena uma análise empírica do modelo de precificação de aivos, o Capial Asse Pricing Model (CAPM), de modo a avaliar o reorno e o risco não diversificável dos aivos financeiros para o Brasil enre 30 de junho de 1994 e 30 de junho de A análise é feia em rês sub-períodos de cinco anos. De início é feia uma revisão eórica do modelo básico e a meodologia economérica de ese desse modelo. Ainda nesse primeiro momeno, dissera-se sobre as proposições de melhoria do CAPM e é feia uma revisão da lieraura aplicada no mercado financeiro brasileiro. Em um segundo insane, mosra-se que a meodologia empregada segue a linha de Fama e MacBeh (1973), onde a validade do CAPM é esada em duas eapas. Na primeira, esimam-se os beas a parir de regressões em séries emporais. Na segunda, são feias novas regressões em cross secion uilizando o bea da primeira eapa como variável independene e o reorno médio das careiras como variável dependene. O méodo economérico uilizado é o dos Mínimos Quadrados Ordinários (MQO). Nesse mesmo insane, mosra-se quais os criérios de seleção da amosra, as variáveis uilizadas nas regressões e os eses esaísicos para validar o modelo. Por fim, analisa-se a conjunura econômica de cada um dos sub-períodos de cinco anos e emprega-se o modelo básico do CAPM. Os resulados mosram que o CAPM no primeiro período é válido, mas com baixo poder de explicação. No segundo período o modelo não é válido. Já no erceiro, o modelo somene é validado após a correção da heerocedasicidade ou pela exclusão de dois ouliers. Palavras-chave: CAPM; MQO; Risco; Reorno; Conjunura.

8 ABSTRACT This paper inroduces an empirical sudy of he Capial Asse Pricing Model (CAPM), so as o analyze he reurn and non-diversifiable risk of capial asses for Brazil beween June 30 h 1994 and June 30 h The sudy is divided ino hree sub-periods of five years. Iniially, a heoreical review of he radiional model and he economeric mehodology for esing of his model are presened, followed by a discussion of he proposiions for improvemen of CAPM and a review of he applied lieraure on he Brazilian financial marke. Secondly, he mehodology uilized is shown o be in accordance wih Fama and MacBeh (1973), in which CAPM s validiy is esed in wo seps. In he firs, he beas are esimaed from ime-series regressions. In he second, new cross secion regressions are run using he firs sep s bea as an independen variable and he average reurn of he porfolios as a dependen variable. The economeric mehod used is he Ordinary Leas Square (OLS). A his poin, he selecion crieria for he sample, he variables used in he regressions and he saisic ess used o validae he model are presened. Furher, he economic conjuncure of each five-year sub-period is hen analyzed and he radiional CAPM applied. The resuls show ha alhough he CAPM is valid in he firs period, i offers low explanaory power. In he second period he model is no valid and in he hird period he model is only validaed afer heerocedasiciy correcion or by excluding wo ouliers. Keywords: CAPM; OLS; Risk; Reurn; Conjuncure.

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Careira do Ibovespa classificada por seor nos meses de maio a agoso nos anos de 1994, 1999, 2004 e Tabela 2. Tese ADF de raiz uniária em nível e com inercepo no sub-período de jun./1994 a jun./ Tabela 3. Esimaiva dos parâmeros e e eses esaísicos no sub-período de jun./1994 a jun./ Tabela 4. Tese ADF de raiz uniária em nível e com inercepo no sub-período de jun./1999 a jun./ Tabela 5. Esimaiva dos parâmeros e e eses esaísicos no sub-período de jun./1999 a jun./ Tabela 6. Tese ADF de raiz uniária em nível e com inercepo no sub-período de jun./2004 a jun./ Tabela 7. Esimaiva dos parâmeros e e eses esaísicos no sub-período de jun./2004 a jun./

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Froneira eficiene com aplicação e capação à axa livre de risco...16 Figura 2. Efeios do amanho da careira sobre o risco de careira para ações médias...18 Figura 3. Relação risco e reorno a parir do bea...21 Figura 4. Linha de Mercado de Tíulos (LMT)...23

11 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1. Oscilação percenual diária do Ibovespa no período de junho de 1980 a junho de 2009 deflacionada pelo IGP-DI...49 Gráfico 2. Oscilação percenual diária da Taxa de Câmbio (R$/US$) no período de junho de 1994 a junho de Gráfico 3. Evolução diária da Taxa de Câmbio (R$/US$) no período de 30 junho de 1994 a 30 de junho de Gráfico 4. Oscilação percenual diária do Ibovespa no período de junho de 1994 à junho de 2009 deflacionada pelo IGP-DI...52 Gráfico 5. Volume financeiro dos íulos do Ibovespa em R$ bilhões de 1994 à Gráfico 6. Relação enre o Bea e o Reorno das ações 100 ações de maior liquidez no período de 30 junho de 1994 a 30 de junho de Gráfico 7. Relação enre o Bea e o Reorno das ações 100 ações de maior liquidez no período de 30 junho de 1999 a 30 de junho de Gráfico 8. Relação enre o Bea e o Reorno das ações 100 ações de maior liquidez no período de 30 junho de 2004 a 30 de junho de Gráfico 9. Relação enre o Bea e o Reorno das 20 careiras selecionadas no período de 30 junho de 1994 a 30 de junho de Gráfico 10. Relação enre o Bea e o Reorno das 20 careiras selecionadas no período de 30 junho de 1999 a 30 de junho de Gráfico 11. Relação enre o Bea e o Reorno das 20 careiras selecionadas no período de 30 junho de 2004 a 30 de junho de

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1. Regressões esimadas no segundo passo Quadro 2. Coeficienes esperados e suposições Quadro 3. Tese de Whie para a regressão 1 no período de jun./1994 jun./ Quadro 4. Regressão 1 e eses esaísicos no sub-período de jun./1994 jun./ Quadro 5. Regressão 1 e eses esaísicos no sub-período de jun./1999 jun./ Quadro 6. Tese de Whie para a regressão 1 no período de jun./2004 jun./ Quadro 7. Regressão 1 e eses esaísicos no sub-período de jun./2004 jun./ Quadro 8. Regressão 1 corrigida pela heerocedasicidade e eses esaísicos no sub-período de jun./2004 jun./ Quadro 9. Regressão 1 reirando dois ouliers e eses esaísicos no sub-período de jun./2004 jun./ Quadro 10. Tese de Whie reirando dois ouliers para a regressão 1 no período de jun./2004 jun./ Quadro 11. Regressão 3 reirando dois ouliers e eses esaísicos no sub-período de jun./2004 jun./

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA TEÓRICA E APLICADA MODELO CAPM E SUAS VARIAÇÕES Modelo básico do CAPM Meodologia economérica de ese do CAPM básico Principais proposições de melhoria ao CAPM Revisão da lieraura aplicada ao Brasil MATERIAL E MÉTODOS MODELO E HIPÓTESES DADOS UTILIZADOS Séries coleadas Variáveis uilizadas TESTES UTILIZADOS Primeiro passo Segundo passo ANÁLISE DOS RESULTADOS ANÁLISE DA CONJUNTURA DO PERÍODO RESULTADOS Sub-período (jun./1994-jun./1999) Sub-período (jun./1999-jun./2004) Sub-período (jun./2004-jun./2009) CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS...76 APÊNDICE APÊNDICE

14 1 INTRODUÇÃO A relação enre risco e reorno dos aivos de mercado é um dos assunos mais pesquisados na área de economia financeira, pois o pensameno racional relaciona risco e reorno de forma direa. Quano maior o risco, mais elevado será o reorno exigido pelo invesidor. A parir da suposição que exise um rade-off enre risco e reorno será possível mensurar o prêmio pelo risco dos invesidores. Ao calcular o risco e reorno provável de deerminado aivo, o invesidor busca reduzir os erros de omada de decisão num ambiene de incereza, visando aumenar as chances de sucesso no seu empreendimeno. Ou seja, essa decisão reflee as preferências do invesidor em consumir no presene ou no fuuro. O pioneiro na associação de risco e reorno foi Harry M. Markowiz no ano de O esudo publicado por Markowiz no The Journal of Finance, foi iniulado Porfolio Selecion, ficando conhecido como a origem dos modelos de precificação de aivos. O mério de Markowiz foi mosrar de forma quaniaiva a relação risco e reorno. O auor demonsrou que aravés do cálculo da média e da variância dos reornos hisóricos, enconra-se, respecivamene, o reorno esperado e o risco, baseando-se na idéia de que os reornos são normalmene disribuídos. O principal objeivo era expor aravés de écnicas de oimização que o risco poderia ser minimizado e o reorno maximizado. Em 1959, Markowiz publicou Porfólio Selecion: Efficien Diversificaion of Invesmens, avançando na explicação de risco e reorno. A parir do rabalho de Markowiz, Willian F.Sharpe, publica um arigo no The Journal of Finance em 1964, denominado Capial asses prices: a heory in marke equilibrium under condiion of risk. Seguindo a linha de Sharpe, Linner (1965) e Mossin (1966) publicam pesquisas, buscando superar as quesões relacionadas ao esabelecimeno das covariâncias enre os reornos dos aivos que iriam compor as careiras. Aos poucos o cálculo da covariância foi sendo subsiuído pelo coeficiene de correlação, que mede de forma mais apurada a relação enre o reorno dos aivos da careira. Dessa forma, a parir do cálculo de correlação linear surge o modelo aual do Capial Asse Pricing Model (CAPM), calculando o bea. O bea proposo por Sharpe relaciona a

15 12 covariância dos reornos de um deerminado aivo com os do mercado, de modo a visualizar os movimenos do sisema, a variância do mercado ou o risco dese sisema. Enão, ao inroduzir o coeficiene bea, os formuladores do CAPM conseguem separar o risco em dois componenes: o sisemáico (não-diversificável) e o não sisemáico (diversificável). E nesse pono esá a explicação da grande aplicabilidade do CAPM no meio acadêmico, pois aravés do modelo é possível analisar separadamene o quano o risco do negócio (diversificável) e o risco dos faores globais (não-diversificável) afea cada aivo. E diferene dos primeiros modelos proposos, nos quais necessiam-se muios cálculos de variância e covariância, as esimaivas do CAPM são simples e há uma redução da quanidade de parâmeros, que é uma das grandes responsáveis pela grande disseminação e aplicação empírica do modelo. O mercado financeiro uiliza o CAPM para calcular o cuso de capial e na avaliação do desempenho dos porfólios e fundos de invesimenos. Desde seu surgimeno o modelo sofreu ano mudanças na sua forma eórica quano no seu modo de esimação. Variações eóricas no senido de rever algumas suposições do modelo. Variações de esimação se referem aos méodos esaísicos uilizados. Porano, o objeivo principal desse rabalho é esar empiricamene o CAPM básico para o Brasil no período de 1994 a 2009, separando a análise em sub-períodos. A subdivisão se jusifica pelos diferenes momenos econômicos em que o país passou no referido período. Os objeivos específicos serão: fazer uma revisão da lieraura sobre as variações eóricas e dos méodos esaísicos uilizados para esar o modelo; rever a lieraura empírica de aplicação do modelo no Brasil; e analisar os resulados para os sub-períodos escolhidos. Para alcançar os objeivos referidos acima, além desa inrodução, o rabalho foi organizado em quaro capíulos. No capíulo 2, será feia uma revisão da lieraura do CAPM e suas variações eóricas. Também será realizada uma revisão da lieraura exisene sobre a aplicação do CAPM no Brasil. No capíulo 3, serão apresenados a forma de colea das informações, meodologia e os eses esaísicos uilizados no rabalho. No capíulo 4, serão analisados os resulados. No capíulo 5, serão feias as considerações finais.

16 13 2 REVISÃO DA LITERATURA TEÓRICA E APLICADA Ao selecionar uma careira óima ou um conjuno óimo de careiras os invesidores erão um comporameno conjuno e, por conseqüência, levarão à consrução de um modelo de equilíbrio geral no mercado de aivos. O equilíbrio nesse mercado significa a deerminação de risco para cada aivo e a relação enre o risco e reorno esperado de cada aivo (ELTON e al., 2004, p.261). Cabe desacar que a pesquisa não abordará as curvas de preferências do invesidor, por considerar que o porfolio formado pela careira de mercado e o aivo livre de risco esão na froneira eficiene, significando que o objeo de esudo será o risco sisemáico, onde a diversificação não fará mais efeio. O modelo Capial Asse Pricing Model (CAPM) é o mais conhecido e uilizado na área de finanças, sobreudo para omada de decisões no mercado de capiais, onde a escolha dos porfólios é feia em condições de risco elevado (ASSAF, 2008, p.230). Assim, nese capíulo serão abordadas considerações acerca do CAPM e suas variações. 2.1 MODELO CAPM E SUAS VARIAÇÕES Modelo básico do CAPM O modelo básico, ambém chamado de radicional, do CAPM é simplificado e com hipóeses resriivas. Apesar disso, é basane uilizado por explicar razoavelmene bem o comporameno dos preços dos aivos. Elon e al. (2004, p.262) colocam nove hipóeses do modelo básico do CAPM, as quais veremos na seqüência abaixo: a) primeira hipóese do modelo radicional do CAPM é a inexisência de cusos de ransação. Assim, não exise cuso para comprar e vender qualquer aivo. Quando se pensa no mundo real, essa suposição não é incoerene dado que os negócios com elevados monanes

17 14 reduzem de forma considerável a paricipação de cusos, por exemplo, de correagem para comprar e vender ações. Enão, de acordo com Elon e al. (2004) a colocação dos cusos de ransação adicionaria um grau de complexidade desnecessário dado a imporância reduzida dos cusos de ransação nos cuso oal do negócio e na decisão dos invesidores; b) a segunda hipóese colocada é a de que os aivos são infiniamene divisíveis. Em ouras palavras, significa dizer que o invesidor pode adquirir qualquer aivo na quanidade e volume financeiro desejado. Como comprar um real em ações da Perobras; c) a erceira hipóese é a ausência de Imposo de Renda de Pessoa Física. O que segundo o auor significa que os invesidores são indiferenes quano à forma de receber o reorno dos invesimenos. Por exemplo, o invesidor pode ober rendimeno via dividendos ou ganhos de capial; d) a quara hipóese é a de que não é possível um invesidor influenciar no preço de uma ação nas negociações no mercado de ações. Essa suposição é semelhane a de concorrência perfeia. Sabe-se que essa hipóese é basane quesionável, ainda mais se raando do mercado de ações no Brasil, onde os invesidores insiucionais e esrangeiros êm grande influência nas coações quando movimenam grandes volumes; e) a quina hipóese é a de que os indivíduos ao omarem decisões se baseiam somene nos reornos esperados e risco dos reornos. Ou seja, os invesidores uilizam só a média e o desvio-padrão dos reornos esperados; f) a sexa hipóese é a permissão de vendas a descobero. Assim, o invesidor pode vender qualquer quanidade de ações a descobero; g) a séima hipóese é a possibilidade da aplicação e capação em fundos à axa de livre de risco em quanidades ilimiadas. O que significa dizer que o invesidor pode ano empresar como omar emprésimo a uma axa de juros igual à axa de reorno de íulos sem risco; h) a oiava e a nona hipóese referem-se à homogeneidade de expecaivas. Isso significa que os indivíduos calculam o reorno e o risco no mesmo período e da mesma forma. Ademais, supõe-se que os invesidores êm expecaivas idênicas em relação às informações uilizadas para a oimização de careiras. Em suma, essas hipóeses são semelhanes às das expecaivas racionais;

18 15 i) por fim, a décima hipóese colocada por Elon e al. (2004) é a de que odos os aivos são negociáveis. Os auores mencionam que odos os aivos, inclusive o capial humano, podem ser vendidos e comprados. Isso significa que odos os íulos êm liquidez imediaa no mercado. Em resumo, essas nove hipóeses descrias vão ao enconro do que se conceiua como mercado eficiene. Assaf (2008) avalia mercado eficiene como aquele onde os preços são reflexos das informações disponíveis e que esses são basane influenciados pelos novos dados, sofrendo grande ajuse ao novo cenário. Cabe ainda ressalar, de acordo com Assaf (2008), que mercado eficiene não significa dizer preços perfeios, mas sim que os preços não são endenciosos na sua formação. Enão, segundo Elon e al. (2004), a parir das nove hipóeses relaadas, o modelo radicional do CAPM, pode ser mensurado considerando a possibilidade de aplicar e capar fundos à axa livre de risco. Dessa forma, é presumível enconrar a careira de aivos com risco que qualquer invesidor poderá possuir sem se reporar as preferências do mesmo em relação ao risco. A careira enconrada de acordo com Elon e al. (2004) esará siuada no pono em que angencia a froneira eficiene 1, sendo o pono Pi represenado na figura 1, o enconro da careira formada somene por aivos com risco (curva ABC), com o reorno livre de risco, que é ilusrado a parir da rea que pare do eixo E(R), que se refere a expecaiva de reorno percenual do invesimeno. Isso significa dizer, segundo Elon e. al.(2004) que os invesidores saisfazem suas preferências em relação ao risco, de modo a combinar a careira (Pi) com aplicações ou emprésimos à axa livre de risco (Rf), que significa invesimeno sem risco. E como considerado na oiava e nona hipóeses, as expecaivas de odos os invesidores são homogêneas e, por isso, enconram a mesma axa de juros ao aplicarem e ao caparem. A figura 1 ilusra a siuação referida. 1 Conforme Assaf (2008) a froneira eficiene é aquela que possibilia selecionar uma careira que apresena, para um deerminado reorno, o menor risco possível.

19 16 E(R) C Rf. B Pi Figura 1. Froneira eficiene com aplicação e capação à axa livre de risco Fone: Adapado de Elon e al, 2004 A A implicação dessas proposições conforme Elon e al. (2004) é que a careira (Pi) que deerminado invesidor possa ober será semelhane a careira de aivos com risco de qualquer ouro invesidor. Enão, caso odos os invesidores possuam a mesma careira de aivos com risco essa careira, em uma siuação de equilíbrio necessiará ser a careira de mercado, que no caso brasileiro será represenado pelo Ibovespa, índice que será explicado com dealhes no capíulo 3. Conforme Nakamura (1998 apud BONOMO, 2004, p.31) é comum a uilização de proxies para a careira de mercado na área financeira, já que não exise a possibilidade de enconrar o porfólio de mercado de odos os aivos. De acordo com Sambaugh (1998 apud BONOMO, 2004, p.31) a uilização de inúmeras careiras nos Esados Unidos foram proxy de mercado, endo resulados semelhanes. Segundo esudo de E Shanken (1998 apud BONOMO, 2004, p.31) caso a correlação enre as possíveis careiras de mercados, i.e., enre as proxies forem maiores do que 0,7 enão o indicador escolhido poderá ser uilizado como careira de mercado. Embora a uilização do índice mais represenaivo do mercado de ações de um país seja aplicado nos eses economéricos, exisem conesações em relação ao seu uso. A críica mais severa foi feia por Richard Roll, em 1977, no rabalho denominado: A Criique of he asse pricing heory s ess Par I: On Pas and Poencial Tesabiliy of he Theory. Roll (1977) refaz os eses empíricos aneriores e apresena imporanes críicas ao modelo, que desqualifica a careira de mercado usada, enendendo que a verificação da eficiência da careira de mercado deveria ser feia com a uilização de odos os aivos do

20 17 mercado, fao praicamene impossível. Mesmo assim, ele sugere que a qualidade da careira de mercado melhoraria basane se a careira esada fosse ponderada pelo valor de mercado (VW - value weighed ) e não a pesos iguais (EW - equally weighed ) que foi usada nos eses (ROLL, 1977). Enão, reomando a discussão a respeio da posse da careira de mercado por pare dos invesidores, Elon e al. (2004) colocam que a implicação é que odos os invesidores irão aplicar em combinações de apenas duas careiras: a careira de mercado (no caso brasileiro, como colocado aneriormene, é o Ibovespa) e um aivo livre de risco (no caso brasileiro é o Cerificado de Depósio Bancário (CDI) ou cadernea de poupança). Isso resula no nomeado Teorema de dois fundos, pois os aplicadores ao invesirem num porfólio associado na careira de mercado e na possibilidade de comprar ou vender íulos sem risco. Dessa forma, é desenhada a figura 1, que é conhecida como Linha de Mercado de Capiais (LMC). Cabe ressalar, que odas as careiras siuadas na LMC são consideradas eficienes. Ou seja, com a combinação enre aivos sem risco e a careira de mercado consegue-se dois ponos siuados na rea que caracerizam uma careira eficiene. Porém, exisem íulos que esão acima ou abaixo da LMC, que é: R e Rm R f = R f + * σ e (2.1) σ m m Onde o subscrio e indica uma careira eficiene. Sendo que o primeiro ermo R m R f é inerpreado como o preço de mercado de risco de odas as careiras eficienes, σ correspondendo ao reorno adicional por aumeno em uma unidade de risco (ELTON e al., 2004). O primeiro ermo Rf do lado direio é o preço do empo, sendo inerpreado como o reorno exigido para adiar o consumo por um período, na hipóese da haver cereza em relação ao fluxo de caixa fuuro (ELTON e al., 2004). Desse modo, o reorno eficiene de uma careira é:

21 18 Reorno Esperado ( R e ) = Preço do empo (Rf ) Quanidade de risco ( σ ). e + Preço do Risco R m R f σ m x Nas palavras de Bodie e Meron (2002) a LMC mosra a melhor combinação possível de risco/reorno que os invesidores dispõem. Oura consideração dos auores para defender a eficiência do CAPM é que em função de invesidores buscarem indexar seus fundos a careira de mercado, combinando com a aplicação no aivo livre de risco e buscando alernaivas de invesimeno que superem o benchmark beneficia odos os invesidores por aplicarem em careiras eficienes. A lógica é que ao pesquisarem ações que gerem careiras eficienes reduz as recompensas ao mínimo ao longo do empo em função do aumeno da concorrência, implicando no equilíbrio do mercado. Bodie e Meron (2002) mencionam ainda que o prêmio do risco a quaisquer íulos refere-se à sua paricipação ao risco da careira de mercado. Dessa forma, o risco individual de cada aivo. Risco () Risco específico da empresa, ou diversificável (risco nãosisemáico Risco não diversificável relaivo ao mercado (risco sisemáico) Número de ações na careira Risco Toal = Risco diversificável + Risco não diversificável Figura 2. Efeios do amanho da careira sobre o risco de careira para ações médias Fone: Adapado de Weson e Brigham (2000) Ainda de acordo com Bodie e Meron (2002) o CAPM, em equilíbrio, mosra que só exise recompensa para os invesidores que buscam uma axa de reorno maior quando esses correm mais riscos. Esse, enão, é o risco que não é possível ser reduzido, i.e., o risco nãodiversificável, conforme a figura 2 acima.

22 19 De acordo com Samanez (2006) a fórmula mosrando o cálculo do risco oal (ou variância oal) de uma careira é a seguine: σ σ N ei 2 2 c = lim N βc σ m + = βc σ m (2.2) N i= 1 N onde, β é a pare do risco não diversificável 2 2 c σ m 2 N 1 σ ei é a pare do risco diversificável N i= 1 N A imporância de se mencionar o risco sisemáico, que é medido pelo bea () de uma careira - variável que é o cerne do CAPM -, esá na possibilidade de serem incluídas na análise do reorno das careiras ou íulos que não são eficienes, algo que não é possível na LMC (ELTON e al., 2004). Elon e al. (2004) colocam que em careiras bem diversificadas o bea é a medida correa, pois conforme pode-se ver na figura 2 e na fórmula (2.2), o risco diversificável ende a zero na medida em que se aumena o número de ações na careira (N), sendo o a medida para explicar o prêmio pelo risco do invesidor. De acordo Ross, Weserfield e Jaffe (2008), o bea é o indicador que mede a sensibilidade de um aivo em relação aos movimenos da careira de mercado. agressivo. Securao (1996) classifica o bea () de rês formas: ipo defensivo, ipo médio e ipo a) β i < β m =1. Isso significa dizer que o aivo i em comporameno defensivo (ou b) β m conservador, conforme Samanez (2006)) em relação ao mercado. Por exemplo, se o reorno da careira de mercado for igual a 10%, o rendimeno do aivo i será de 8% caso o bea do aivo i seja 0,8. Se o rendimeno da careira de mercado for negaivo, por exemplo, -10%, a careira do aivo i erá um reorno de -8%. = β i =1. Essa igualdade mosra que o aivo i em comporameno análogo ao mercado, sendo classificado como do ipo médio (ou moderado, conforme Samanez (2006)). Por exemplo, se o reorno da careira de mercado for igual a 10%, o rendimeno do aivo i ambém será, pois o bea do aivo i é igual a 1.

23 20 c) β i > β m =1. Isso significa dizer que o aivo i em comporameno agressivo em relação ao mercado. Por exemplo, se o reorno da careira de mercado for igual a 10%, o rendimeno do aivo i será de 12% caso o bea do aivo i seja 1,2. Por ouro lado, caso o rendimeno da careira de mercado seja -10%, o reorno do aivo i, será de -12%. O bea () é medido aravés da covariância enre o íulo ou porfólio com a careira de mercado ( Cov R i, R ) ) dividido pela variância da careira de mercado ( σ ). ( m Cov( R i, R m ) β = (2.3) σ em que: 2 m 2 m i é o bea do aivo i Enão, a ideia é que a relação enre o reorno esperado (E(R)) e o risco seja aravés do. Elon e al. (2004) exemplificam, mosrando que o E(R) de uma careira j formada por pare de uma careira A e pare de uma careira B será igual: _ R j = X R A + ( 1 X ) R B (2.4) onde, R _ j é o reorno esperado da careira j, formada por parcela de A e B; R _ A é o reorno esperado da careira A; R _ B é o reorno esperado da careira B; X é a proporção aplicada em A. Da mesma forma, o cálculo do, que será o risco dessa careira, se dará de acordo com a proporção invesida em A e B. Enão a fórmula será o seguine: β = X β + ( 1 X ) β (2.5) j A B

24 21 onde, β j é o bea da careira j, formada por parcela de A e B; β A é o bea da careira A; β B é o bea da careira B; X é a proporção aplicada em A. Enão, visualiza-se que o bea de uma careira j será calculado a parir da paricipação de cada aivo ou careira em deerminado porfolio. Graficamene, podemos expressar essa relação da seguine forma: E(R) E(R C ) E(R B ) E(R A ). A. E. B. D. C A B c Figura 3. Relação risco e reorno a parir do bea Fone: Adapado de Elon e al, 2004 Imaginando que cada pono corresponde a uma careira, pode-se dizer que o pono A possui o menor reorno esperado E(R) e o menor risco (), sendo coerene com a relação enre o risco e reorno que se projea. Já o pono C mosra que o risco desse porfolio é maior, mas em compensação, o reorno ambém. Com relação aos ponos D e E cabe desacar que esses preços não permaneceriam por muio empo fora da rea que relaciona risco e reorno. O pono E seria preferível em relação ao pono C, pois reorno esperado em E é maior do que o de C. Seria vanajoso segundo Elon e al. (2004), comprar E e vender a descobero C, de modo a buscar maior reorno. Essas rocas são chamadas de arbiragem. Ou seja, exise a

25 22 possibilidade de buscar diferenciais de preços enre os aivos por um deerminado empo, pois findo o período a endência é de equilíbrio. Isso porque não poderá haver dois aivos com o mesmo risco sendo negociados por preços disinos. E para que seja possível ober uma equação da rea na figura 3 acima, necessia-se de dois pares ponos, assim como em qualquer rea que se queira enconrar. O primeiro par enconrado é o que relaciona o reorno esperado do mercado (R m ) e o bea do mercado, onde bea é igual a 1,0 ( = 1) (ELTON e al., 2004; ASSAF, 2008). O ouro par que é preciso para se ober a rea é quando o bea igual a zero, i.e., o pono em que esá localizado o aivo livre de risco (Rf ) que não em relação com o mercado, o que significa dizer que em risco sisemáico nulo (ELTON e al., 2004; ASSAF, 2008). A equação que surge dos dois pares de ponos será chamada de Linha de Mercado de Tíulos (LMT). Essa rea se diferencia da LMC por considerar na análise de risco/reorno odos os íulos, não descarando os que não êm relação perfeia com o mercado (ASSAF, 2008). Elon e al. (2004) colocam que uma equação da rea em a seguine forma: _ R i = a + bβ i (2.6) Sendo um dos ponos da linha o aivo livre, que em bea igual a zero. O que leva a seguine relação. R f = a + b(0) ou R f = a Enão, visualiza-se que o bea de uma careira j será calculado a parir da paricipação de cada aivo ou careira em deerminado porfolio. Graficamene, podemos expressar essa relação da seguine forma:

26 23 E(R) R m. M Reorno esperado R f Bea Figura 4. Linha de Mercado de Tíulos (LMT) Fone: Adapado de Elon e al, ,0 O segundo pono da LMT é o que relaciona o reorno esperado do mercado ( R _ m ) e o bea, que em R _ m é igual a um. _ R m = a + b(1) ou R m a) = b ( _ A parir das relações enconradas, com bea igual e zero e bea igual e um, e subsiuindo na equação 2.6, emos uma nova relação: R i = R + β R R ) (2.7) f i ( m f A equação 2.7 acima represena uma relação simples enre o reorno esperado e o risco, medido pelo bea. Essa equação represena o reorno de qualquer íulo ou careira, eficiene ou não. A relação mosra ainda que, quano maior o risco maior será o reorno esperado, sendo essa associação linear enre E(R) e (ELTON e al., 2004). Porano, a parir da equação 2.7 chega-se ao CAPM radicional, chamado ambém de versão Sharpe-Linner-Mossin, confirmando que o único risco imporane é o sisemáico (ou não diversificável). Mosrando que não é a variância oal dos reornos (equação 2.2) que influencia os reornos esperados e, sim, a parcela que não pode ser eliminada com a diversificação (ELTON e al., 2004).

27 24 O modelo economérico para esar empiricamene a equação 2.7, que é o objeivo desa pesquisa, será mosrado na próxima seção Meodologia economérica de ese do CAPM básico Elon e al. (2004) colocam que os eses de modelos do CAPM são relaivos a expecaivas fuuras da relação risco e reorno. No enano, a maioria dos eses é feia uilizando dados passados, por ser difícil colear as expecaivas fuuras do mercado. A uilização de dados passados segundo os auores esá pauada em rês hipóeses: o modelo de mercado é válido em odos os períodos; o CAPM ambém é válido em odos os períodos; e o bea é esável ao longo do empo. Quano às hipóeses de ese para que o modelo radicional de equilíbrio seja válido, Elon e al. (2004) desacam quaro suposições: 1) Quano maior o risco (bea), mais elevado deverá ser o reorno; 2) O reorno e o bea devem esar relacionados de forma linear; 3) Não deve haver reorno adicional por se assumir risco não sisemáico; 4) O mercado é um jogo juso, por isso os desvios de aivos ou careiras são randômicos. Assim, não havendo a possibilidade de se ober lucro exraordinário. Os pioneiros nos eses empíricos das hipóeses do CAPM radicional segundo Elon e al. (2004) foram Black, Jensen e Scholes em 1972, esimando as equações aravés de Mínimos Quadrados Ordinários (MQO). Eles uilizaram as séries emporais da seguine equação: R R = α + β ( R R ) + e (2.8) i f i i m f onde, i é o bea da equação; α i é o inercepo da equação; Ri R f é o reorno em excesso do aivo ou careira i;

28 25 Rm R f é o reorno em excesso do mercado; e é o erro da regressão; A hipóese principal a ser esada de acordo com a pesquisa foi esimar o valor de αi igual a zero. Pois αi igual a zero, segundo os pesquisadores, significava dizer que o mercado esava em equilíbrio (BLACK, JENSEN e SCHOLES 1972 apud ELTON e al. 2004, p.301). Black, Jensen e Scholes (1972 apud Elon e al., 2004) colocam ainda que o modelo deve ser esado com maior número de íulos para reduzir a possibilidade dos resíduos serem relacionados. A forma de resolver esse problema para os pesquisadores foi usar séries emporais de careira. Para formar as careiras Black, Jensen e Scholes (1972 apud Elon e al., 2004) uilizaram cinco anos de dados mensais para enconrar o bea e organizar as ações de acordo com seus beas em decis. Nos eses feios pelos pesquisadores no período de 1931 a 1967, com a uilização de beas esimados nos 60 meses aneriores a cada ano esado, houve evidência de que o CAPM radicional era válido. Na mesma linha, Fama e MacBeh, avançando em relação aos pesquisadores aneriores, formaram 20 careiras de íulos nos EUA, no período de janeiro de 1938 a junho de 1968, separando em subperíodos, para esimar os beas da regressão de cada careira para esar a validade do CAPM radicional (FAMA E MACBETH 1973 apud ELTON e al.2004, p.302). A meodologia uilizada por Fama e MacBeh para esar e esimar o CAPM foi efeuada em duas eapas. A primeira consisiu em enconrar os beas das careiras a parir da regressão com séries emporais dos reornos dos aivos, das careiras e da careira de mercado. A equação esada nesse passo foi a mesma uilizada por Black, Jensen e Scholes (1972 apud Elon e al., 2004) para enconrar os beas, al como segue abaixo. R R = α + β ( R R ) + e (2.8) i f i i m f Cabe desacar, anes de passar para o segundo passo, que para esar a equação 2.8, os pesquisadores modificam a equação para a seguine forma: r = α + β ( r ) + e (2.9) i onde, i i im

29 26 r i = R R é o reorno em excesso do aivo ou careira i; i f r im = R R é o reorno em excesso do mercado. m f O segundo passo se refere a uilização do bea como variável explicaiva dos reornos a parir de regressão com uilização de dados em cross secion, al como segue abaixo. _ 2 R i = 0 + γ i 1 β i + γ 2 β i + γ 3 S ei + γ v (2.10) Onde as hipóeses esadas são: E( γ 0 ) = 0, para mosrar que o mercado esá em equilíbrio; i E( γ 1 ) > 0, para mosrar que o risco em preço de mercado posiivo; i risco; E( γ 2 ) = 0, para rejeiar a suposição de uma relação não linear ( β ) enre reorno e i 2 i E( γ 3 ) = 0, para mosrar que o risco residual S ) não em influência sobre o reorno. i De acordo com Elon e al. (2004) Fama e MacBeh esimaram a equação 2.10 para cada mês, no período de janeiro de 1938 a junho de 1968 concluindo que: a relação enre o reorno e o risco é linear; o risco residual não afea o reorno; e o risco em preço de mercado posiivo. Por ouro lado, enconraram evidências que o mercado não esá em equilíbrio em função de γ 0i ser esaisicamene maior que zero. Ouros eses relaxando algumas das nove hipóeses do modelo radicional do CAPM ( ei foram esados, mas esses não serão objeo da presene pesquisa. Na seção seguine será viso, de forma breve, as principais proposições de melhoria do modelo radicional, enfaizando ano mudanças eóricas quano dos méodos de esimação. Porém, cabe desacar, que os modelos surgidos dos aperfeiçoamenos do CAPM básico serão apenas descrios e não esados, pois a ideia é somene visualizar a evolução do modelo. A presene pesquisa esará o modelo básico.

30 Principais proposições de melhoria ao CAPM As principais proposições eóricas de melhoria e aperfeiçoameno são colocadas nos seguines modelos: o Arbirage Princing Theory (APT) de Ross (1976), o modelo de 3 faores de Fama e French (1996), o CAPM Condicional de Jagannahan e Wang (1996) e o Ineremporal (ICAPM) de Meron (1973). O Arbirage Pricing Theory (APT) foi desenvolvido por Ross em 1976 buscando um novo enfoque para explicar a formação de preços dos aivos. O modelo é mulifaorial, onde são consideradas mais fones de risco. A hipóese em que se baseia o modelo é a de não arbiragem, mosrando que esse pressuposo leva a uma relação linear enre os reornos dos aivo. (ELTON e al.,2004; SCHOR, BONOMO e PEREIRA, 2004). A equação que demonsra o APT é a seguine: R i = a + β 1( faor1) + β2( faor2) + β3( faor3) βn ( faorn) (2.11) onde: R i é o reorno esperado do aivo i; zero; a é o nível esperado do reorno do aivo i caso odos os faores enham valor igual a β n mede a sensibilidade do aivo ao faor considerado; faorn é o valor do faor que influência o reorno do aivo i. A equação mosra que o reorno esperado é a soma dos faores ponderados pelo ipo de risco que o íulo possui. A magniude do bea indica a inensidade do impaco do risco sobre o reorno, ou seja, quano maior for o bea do íulo em relação a deerminado faor, maior será o risco que o íulo possui. É preciso considerar a influência de diversos faores gerais e seoriais anes de fazer com que o risco não sisemáico de um íulo passe a er correlação nula com os riscos não sisemáicos dos ouros íulos (ROSS, WESTERFILED e JAFFE, 2000). Na mesma linha de pesquisa de impaco no reorno de mais de um faor, Fama e French (1992) invesigaram o poder explicaivo dos reornos de alguns dos faores associados às caracerísicas inrínsecas das empresas. Os auores selecionam os seguines faores: o

31 28 amanho (ME); a relação valor conábil/valor de mercado (BE/ME), a alavancagem e a relação lucro/preço da ação. Em suas conclusões, os auores desacam que ais variáveis conseguiam explicar e capurar uma subsancial parcela do reorno das careiras, que não conseguiam explicação no CAPM (FAMA E FRENCH 1992, apud ROGERS E SECURATO, 2009). Em razão dos resulados posiivos enconrados, Fama e French (1993) vão propor o uso de um modelo de rês faores, para explicar o reorno das empresas a parir do i) o excesso de reorno em relação ao mercado (faor mercado); ii) a diferença enre os reornos de careiras de ações de empresas pequenas e grandes (faor amanho = SMB, denoado por small minus big); e iii) a diferença enre os reornos de careiras de ações de empresas de ala capialização e baixa capialização (faor relação valor conábil / valor de mercado = HML, denoado por high minus low). Em suma, o modelo de 3 faores proposo por Fama e French (1993) em por objeivo buscar a ransformação de caracerísicas relevanes das empresas em explicação para reornos (FAMA E FRENCH 1992, apud ROGERS E SECURATO, 2006). A equação que represena o modelo é a seguine: R R = a + b ( R R ) + s SMB + h HML + e (2.12) j F j j M F j j grandes; onde: ( M F R R ) é o excesso de reorno em relação ao mercado (faor mercado); SMB é a diferença enre os reornos de careiras de ações de empresas pequenas e HML é a diferença enre os reornos de careiras de ações de empresas de ala capialização e baixa capialização; b, s, h medem a sensibilidade dos faores lisados acima. j j j A críica em relação ao modelo de rês faores de Fama e French (1993) é que esse não apresena uma fundamenação eórica consisene para o criério de seleção de faores e para o criério de amanho da empresa. Enreano, cabe salienar que os resulados empíricos alcançados demonsram um pouco mais de consisência do que o CAPM (FAMA E FRENCH 1993, apud ROGERS E SECURATO, 2009). Damodaran (2007) na mesma linha de Fama e French (1993) concorda que os resulados enconrados levando-se em cona mais de um faor êm sido melhores do que os do

32 29 CAPM radicional e vai na mesma direção em relação a fala de consisência dos faores escolhidos para fundamenar os modelos mulifaorais, sobreudo, os macroeconômicos. O auor exemplifica mosrando que as oscilações no preço do peróleo na década de 1970 era o principal faor de risco no período. Já nas décadas poseriores (80 e 90), a influência desse faor foi reduzida. Ou seja, caso o modelo mulifaorial fosse esimado ponderado, principalmene, pela imporância das oscilações do preço por barril de peróleo, ouros faores mais relevanes em períodos poseriores poderiam ficar de fora do modelo. Assim, Damodaran (2007) coloca que apesar dos modelos concorrenes do CAPM serem mais precisos ao explicar reornos passados, esses pecam na fala de consisência dos faores relevanes para formar um modelo sólido. Por isso, o pesquisador advoga no uso do CAPM radicional. Para Damodaran o modelo é inuiivo no enendimeno e basane aplicado no mundo real. A uilização crieriosa do CAPM, segundo o auor, pode ser basane eficaz para mensurar o risco nas avaliações das empresas. No que se refere ao uso do CAPM levando-se em cona variações no empo, desaque para o condicional. Jagannahan e Wang (1996) realizaram uma pesquisa comparando os resulados da aplicação do modelo esáico com o CAPM condicional. Os auores enconraram resulados melhores para o condicional, mas salienaram, assim como Damodaran (2007), que o CAPM radicional é uma boa aproximação da realidade. Os pesquisadores ainda mencionam que o fao dos resulados do CAPM radicional, ou esáico, não serem saisfaórios em como causa a não consideração dos beas variando ao longo do empo. Já nos modelos de precificação de aivos em nível condicional, ou dinâmico, exise a possibilidade dos reornos esperados erem variação aravés do empo, mesmo considerando que as covariâncias condicionais são consanes. Embora os resulados do modelo dinâmico enconrados sejam robusos, Tambosi (2006) faz ressalvas em relação aos resulados do CAPM condicional. O auor coloca que o modelo é aplicado de forma simplificada, não levando em cona esraégias de hedge da empresas, i.e., de maior especulação. Ouro faor levanando por Tambosi é que arigos divulgados com eses de CAPM condicional mosram que o modelo não é válido para períodos longos. Além disso, o pesquisador menciona o número elevado de evenos deerminísicos que aconecem com freqüência anual e mensal, influenciam na precificação de aivos. Ouro modelo apresenado como melhoria em relação ao CAPM básico é o ICAPM. Esse é um modelo mulifaor ineremporal, onde os prêmios de risco advêm de diversas

33 30 fones e não apenas da volailidade ou bea dos íulos, i.e., a sensibilidade dos prêmios de risco esão relacionados ambém as axas de juros, aos preços de bens de consumo as mudanças nos reornos esperados dos aivos (BODIE E MERTON, 2002). Quano aos méodos de esimação, que se referem ao desenvolvimeno de novas versões economéricas, i.e., que vão além da uilização de MQO desaque para os modelos capazes de modelar a variância dos reornos no empo. Esses são os auo-regressivos de heeroscedasicidade condicional (família ARCH/GARCH) usados, sobreudo, na esimação do modelo do CAPM condicional referido aneriormene. Além do mais, alguns pesquisadores uilizam os eses por Máxima Verossimilhança (ML), e o Méodo dos Momenos Generalizados (GMM) nas aplicações do CAPM. Na próxima seção será visa a revisão da lieraura de alguns rabalhos publicados com dados do mercado financeiro brasileiro Revisão da lieraura aplicada ao Brasil Rogers e Securao (2009) esam rês modelos alernaivos para esimar os reornos esperados no mercado financeiro do Brasil: 1) a versão Sharpe-Liner-Mossin do CAPM; 2) o modelo 3-Faores de Fama e French; 3) e o Reward Bea Model. Os pesquisadores uilizaram como procedimeno empírico a meodologia de ese em dois passos para modelos de equilíbrio geral. O primeiro passo consisiu em esimar os parâmeros dos modelos, a parir de regressões em séries emporais. No segundo passo, os pesquisadores uilizaram como variáveis explicaivas os parâmeros esimados em regressões cross secion. Os eses por careiras foram realizados de acordo com a meodologia de Fama e French (1993) e Bornhol (2007), aplicados em duas subamosras de ações, com dados disponíveis na Bovespa. A amosra ex-ane compreendeu o período 07/ /2001 e a amosra ex-pos 07/ /2006. As evidências enconradas no mercado brasileiro endem a apoiar o modelo 3- Faores de Fama e French para explicar reornos fuuros. Ribenboim (2004) consruiu 14 porfólios a parir de ações da careira do Ibovespa, escolhendo os íulos por uma quesão de liquidez. O criério para agrupar as ações em careiras, foi o de selecionar aivos do mesmo seor na economia. Todas as ações nas careiras

34 31 receberam o mesmo peso. A proxy da careira de mercado foi o Ibovespa e do aivo sem risco a axa de juros efeiva mensal da Selic. Ribenboim uilizou uma base de dados do valor diário das ações no período de 106 meses. Ademais, separou as 14 careiras formadas em dois grupos de see porfólios cada. O primeiro com mais liquidez que o segundo. A parir disso, o auor esou o CAPM nas versões Sharpe-Linner (CAPM básico) e a versão de Black uilizando eses por Máxima Verossimilhança (ML), mosrando que os modelos são aceios para as duas versões. Ademais, esou os modelos uilizando o Méodo dos Momenos Generalizados (GMM) ambém, aceiando os modelos e expondo que as hipóeses de reornos normalmene disribuídos e que são independenes e idenicamene disribuídos (IID) causa viés nas esimaivas. O auor ambém esa o CAPM condicional, aceiando para o grupo 1 (formado por ações mais líquidas) e rejeiando para o Grupo 2 (formado por ações menos líquidas). Embora os resulados enham sido favoráveis Ribenboim ressalva que esses devem ser visos com cuidado uma vez que se uilizada uma amosra pode se chegar a conclusões mais precisas. O auor sugere que os eses do CAPM sejam feios com o modelo condicional. Ele ainda ressala que o ese do CAPM por cross-secion com dados brasileiros ambém pode ser mais explorado nas pesquisas poseriores, na linha iniciada por Fama e MacBeh (1973). Nakamura e Maias (2009) uilizaram quaro meodologias alernaivas de cálculo do CAPM (Capial Asse Pricing Model) para as condições do mercado de ações brasileiro, buscando a deerminação do índice bea e rês meodologias de cálculo do CAPM diferenes, em oio cenários macroeconômicos disinos. O méodo esaísico uilizado foi o Tese de Hipóeses de Diferença de Médias de duas Populações para comparar as diversas séries de reornos esperados obidos com os respecivos reornos efeivos. A amosra uilizada foi de 71 ações lisadas na Bovespa. O cenário base uilizado pelos auores conemplou o uso de indicadores com Selic para a axa livre e do Ibovespa para o índice de reorno da careira de mercado no período de cinco anos. Nakamura e Maias (2009) ambém consideraram cenários alernaivos com índices e períodos disinos. Os pesquisados subsiuíram a Selic pela TJLP e o Ibovespa pelo FGV100. Foi considerado ambém período de 2 anos. Os auores uilizaram méodos alernaivos proposos por Damodaran (2004) e Godfrey e Espinosa (1996). Desaque para o modelo proposo por Damodaran que uiliza méodos alernaivos para calcular o bea. O auor propõe o cálculo do bea alavancado e não alavancado.

35 32 Nakamura e Maias (2009) que a maior pare dos índices bea esimados ficaram abaixo de um. Além do mais, eles concluem que os méodos alernaivos ao modelo original do CAPM são conribuições imporanes para o modelo original. Araújo, Fajardo e Tavani (2006) esam o CAPM usando uma careira sinéica do PIB brasileiro. Os auores buscam selecionar uma proxy que saisfaça a críica de Roll em relação a careira de mercado. Eles esaram careira sinéica do PIB como careira de mercado comparando com a medida mais usual, o Ibovespa. Os resulados enconrados, sobreudo, na versão Black mosraram que a careira formada pelo PIB não é eficiene. Os resulados obidos, especialmene os referenes à versão Black, mosraram que a careira sinéica não é eficiene. O reorno do Ibovespa, apesar de não saisfazer as condições de validade do CAPM e de eficiência em alguns subperíodos esudados, foi eficiene em muios deles e ambém na amosra ineira ( ), sendo, porano, uma medida mais razoável para a careira de mercado do que a alernaiva proposa por Hou (2002). Na próxima seção dissera-se sobre o méodo uilizado na pesquisa, os dados coleados, as variáveis uilizadas nas regressões e os eses esáicos para validar o modelo.

36 33 3 MATERIAL E MÉTODOS O modelo uilizado para esar a validade do CAPM esá de acordo com a meodologia proposa nos rabalhos de Fama e MacBeh (1973 apud Elon e al. 2004, p.302). Rachev e al. (2007) e Gujarai (2004) fazem a mesma recomendação de eses, mas nas verificações sugeridas pelos primeiros auores a regressão esimada não leva em cona os resíduos das careiras. Cabe salienar que a presene pesquisa difere-se de Fama e MacBeh (1973) por ordenar as careiras por liquidez de odo o período de cinco anos e por fazer as regressões somene em rês empos a cada cinco anos. Isso em função de acrediar-se que esses cores emporais são suficienes para verificar a validade ou não do modelo esimado. A preensão nesa pesquisa é adequar à meodologia proposa à realidade da economia brasileira. Apesar de opar pelo modelo básico do CAPM e esse, ser conesado por não levar em cona mais faores além do bea, a pesquisa é inédia por buscar separar a análise em subperíodos levando em cona os 15 anos após implanação do plano real na economia do Brasil. 3.1 MODELO E HIPÓTESES A presene pesquisa uilizará o modelo do CAPM radicional. A uilização desse modelo se jusifica como menciona Damodaran (2007), pela grande aplicabilidade no mundo real e por seu ser basane inuiivo. A meodologia proposa é baseada nos eses de Fama e MacBeh para a economia dos Esados Unidos. A preensão nesa pesquisa é adequar a meodologia proposa à realidade da economia brasileira. Os eses do modelo serão feios com a uilização de dados passados, por ser difícil colear as expecaivas fuuras do mercado. A uilização de dados passados segundo Elon e al. (2004) esá pauada em rês hipóeses: o modelo de mercado é válido em odos os períodos; o CAPM ambém é válido em odos os períodos; e o bea é esável ao longo do empo.

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi Insper Insiuo de Ensino e Pesquisa Programa de Mesrado Profissional em Economia Bruno Russi ANÁLISE DA ALOCAÇÃO ESTRATÉGICA DE LONGO PRAZO EM ATIVOS BRASILEIROS São Paulo 200 Bruno Russi Análise da alocação

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Fajardo, José; Pereira, Rafael Efeios Sazonais no Índice Bovespa BBR - Brazilian Business Review,

Leia mais

Rcupom ) 1. Rcupom = cupomt. cupom ) 11 1 12 t

Rcupom ) 1. Rcupom = cupomt. cupom ) 11 1 12 t Eficiência de Fundos de Previdência: uma Análise das Classes de Fundos Disponíveis no Mercado Luiz Guilherme Eseves Marques Mesre em Adminisração área de concenração Finanças pelas Faculdades Ibmec e Analisa

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

ANÁLISE DA VOLATILIDADE DOS MERCADOS BRASILEIROS DE RENDA FIXA E RENDA VARIÁVEL NO PERÍODO 1986-2006

ANÁLISE DA VOLATILIDADE DOS MERCADOS BRASILEIROS DE RENDA FIXA E RENDA VARIÁVEL NO PERÍODO 1986-2006 ANÁLISE DA VOLATILIDADE DOS MERCADOS BRASILEIROS DE RENDA FIXA E RENDA VARIÁVEL NO PERÍODO 1986-006 RESUMO: Nara Rosei UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Mauricio Ribeiro do Valle UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Jorge

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro Governança Corporaiva, Risco Operacional e Comporameno e Esruura a Termo da Volailidade no Mercado de Capiais Brasileiro Auoria: Pablo Rogers, Cláudio Anônio Pinheiro Machado Filho, José Robero Securao

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 Geovana Lorena Berussi (UnB) Lízia de Figueiredo (UFMG) Julho 2010 RESUMO Nesse arigo, invesigamos qual

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS Naal/RN COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS André Assis de Salles Escola Poliécnica - Universidade Federal do Rio de Janeiro Cenro de Tecnologia Bloco F sala

Leia mais

Medidas de Desempenho: Um Estudo sobre a Importância do Lucro Contábil e do Fluxo de Caixa das Operações no Mercado de Capitais Brasileiro

Medidas de Desempenho: Um Estudo sobre a Importância do Lucro Contábil e do Fluxo de Caixa das Operações no Mercado de Capitais Brasileiro Medidas de Desempenho: Um Esudo sobre a Imporância do Lucro Conábil e do Fluxo de Caixa das Operações no Mercado de Capiais Brasileiro Auoria: Moisés Ferreira da Cunha, Paulo Robero Barbosa Lusosa Resumo:

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

REAd - Revista Eletrônica de Administração ISSN: 1980-4164 ea_read@ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Brasil

REAd - Revista Eletrônica de Administração ISSN: 1980-4164 ea_read@ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Brasil REAd - Revisa Elerônica de Adminisração ISSN: 1980-4164 ea_read@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil ucena, Pierre; Figueiredo, Anonio Carlos PREVENDO RETORNOS DE AÇÕES ATRAVÉS DE

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

Testando as Previsões de Trade-off e Pecking Order sobre Dividendos e Dívida no Brasil

Testando as Previsões de Trade-off e Pecking Order sobre Dividendos e Dívida no Brasil Tesando as Previsões de Trade-off e Pecking Order sobre Dividendos e Dívida no Brasil Júlio Cesar G. da Silva Ricardo D. Brio Faculdades Ibmec/RJ Ibmec São Paulo RESUMO Ese rabalho mosra que as companhias

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

Série Textos para Discussão

Série Textos para Discussão Universidade Federal do Rio de J a neiro Insiuo de Economia Teses de Racionalidade para Loerias no Brasil TD. 010/2004 Marcelo Resende Marcos A. M. Lima Série Texos para Discussão Teses de Racionalidade

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Ozawa Gioielli Sabrina P.; Gledson de Carvalho, Anônio; Oliveira Sampaio, Joelson Capial de risco

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DO DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ESTIMAÇÕES DAS ELASTICIDADES DAS FUNÇÕES DA

Leia mais

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico*

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico* Arigos Abordagem ineremporal da cona correne: inroduzindo câmbio e juros no modelo básico* Nelson da Silva Joaquim Pino de Andrade Resumo O modelo padrão da abordagem ineremporal da cona correne assume

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 ISSN 188-981X 18 18 EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 Effec of cassava price variaion in Alagoas over producion gross value Manuel Albero Guiérrez CUENCA

Leia mais

Renata Amarante de Andrade Monte Alto UMA INVESTIGAÇÃO EMPÍRICA DA INFLUÊNCIA DO DESEMPENHO PASSADO DAS AÇÕES SOBRE MÚLTIPLOS PREÇO VALOR PATROMINAL

Renata Amarante de Andrade Monte Alto UMA INVESTIGAÇÃO EMPÍRICA DA INFLUÊNCIA DO DESEMPENHO PASSADO DAS AÇÕES SOBRE MÚLTIPLOS PREÇO VALOR PATROMINAL Ibmec São Paulo Faculdade de Economia e Adminisração Renaa Amarane de Andrade Mone Alo UMA INVESTIGAÇÃO EMPÍRICA DA INFLUÊNCIA DO DESEMPENHO PASSADO DAS AÇÕES SOBRE MÚLTIPLOS PREÇO VALOR PATROMINAL São

Leia mais

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo A Guerra enre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo Auoria: Anonio Zorao Sanvicene, Rogério da Cosa Moneiro Resumo: Uilizando, pela primeira vez em nosso

Leia mais

Autoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Costa

Autoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Costa Qualidade de Accruals e Persisência dos Lucros em Firmas Brasileiras Lisadas na Bovespa Auoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Cosa Resumo Ese arigo objeiva invesigar a relação enre a qualidade

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro Sócio Econômico - CSE Departamento de Economia e Relações Internacionais - CNM JULIANA TESSARI

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro Sócio Econômico - CSE Departamento de Economia e Relações Internacionais - CNM JULIANA TESSARI Universidade Federal de Sana Caarina UFSC Cenro Sócio Econômico - CSE Deparameno de Economia e Relações Inernacionais - CNM JULIANA TESSARI Impacos da Inrodução de Fundos Imobiliários em Porfólios Óimos

Leia mais

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO VIVIANE SEDA BITTENCOURT (IBRE/FGV) E ANDREI GOMES SIMONASSI (CAEN/UFC) RESUMO O rabalho avalia a dinâmica

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo O Cuso de Bem-Esar da Inflação: Cálculo Tenaivo com o Uso de um Modelo de Equilíbrio Geral José W. Rossi Resumo O cuso de bem-esar da inflação em sido calculado usando-se basicamene dois ipos de abordagem:

Leia mais

POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR

POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR Osvaldo Cândido da Silva Filho Bacharel em Economia pela UFPB Mesre em Economia pela UFPB Douorando em Economia pelo PPGE UFRGS

Leia mais

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO Nagila Raquel Marins Gomes; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

RESTRIÇÕES DE FINANCIAMENTO E POLÍTICA DE GESTÃO DE CAIXA NAS EMPRESAS DA BOVESPA

RESTRIÇÕES DE FINANCIAMENTO E POLÍTICA DE GESTÃO DE CAIXA NAS EMPRESAS DA BOVESPA ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de ouubro de

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Como podemos prever a evolução do preço das acções cotadas na bolsa?

Como podemos prever a evolução do preço das acções cotadas na bolsa? Como podemos prever a evolução do preço das acções coadas na bolsa? Cláudia Nunes Philippar cnunes@mah.is.ul.p Início da Hisória The Royal Swedish Academy of Sciences has decided o award he Bank of Sweden

Leia mais

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil*

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 303-345, DEZ. 2008 303 Esruura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* SAMER SHOUSHA** RESUMO Exise uma relação muio próxima enre

Leia mais

O objectivo deste estudo é a obtenção de estimativas para o número de nados vivos (de cada um dos sexos) ocorrido por mês em Portugal.

O objectivo deste estudo é a obtenção de estimativas para o número de nados vivos (de cada um dos sexos) ocorrido por mês em Portugal. REVISTA DE ESTATÍSTICA 8ª PAGINA NADOS VIVOS: ANÁLISE E ESTIMAÇÃO LIVE BIRTHS: ANALYSIS AND ESTIMATION Auora: Teresa Bago d Uva -Gabinee de Esudos e Conjunura do Insiuo Nacional de Esaísica Resumo: O objecivo

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Economia Dissertação de Mestrado. Um Modelo de Investimento Aplicado ao Brasil

Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Economia Dissertação de Mestrado. Um Modelo de Investimento Aplicado ao Brasil Universidade Federal do Rio de Janeiro Insiuo de Economia Disseração de Mesrado Um Modelo de Invesimeno Aplicado ao Brasil Disseração de Mesrado Disseração apresenada ao Insiuo de Economia como requisio

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

BEM-ESTAR ECONÔMICO: APLICAÇÃO DE INDICADOR SINTÉTICO PARA OS ESTADOS BRASILEIROS

BEM-ESTAR ECONÔMICO: APLICAÇÃO DE INDICADOR SINTÉTICO PARA OS ESTADOS BRASILEIROS BEM-ESTAR ECONÔMICO: APLICAÇÃO DE INDICADOR SINTÉTICO PARA OS ESTADOS BRASILEIROS Cláudia Bueno Rocha Vidigal 1, Ana Lúcia Kassouf 2, Vinícius Gonçalves Vidigal 3 RESUMO Amplamene relacionado à forma com

Leia mais

Análise quantitativa da volatilidade entre os índices Dow Jones, IBovespa e S&P 500

Análise quantitativa da volatilidade entre os índices Dow Jones, IBovespa e S&P 500 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Programa de Pós-Graduação em Economia Análise quaniaiva da volailidade enre os índices Dow Jones, IBovespa e S&P 500 Daniel Cosa

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

3 Processos Estocásticos e Aplicações em Projetos na Indústria Siderúrgica

3 Processos Estocásticos e Aplicações em Projetos na Indústria Siderúrgica 3 Processos Esocásicos e Aplicações em Projeos na Indúsria Siderúrgica 3.1 Inrodução As decisões de invesimeno ano em ações e derivaivos financeiros, como em projeos corporaivos, são afeadas por incerezas

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO Newon C. A. da Cosa Jr., Milon Biage Deparameno de Economia, UFSC Waldemar Ferreira e Marco Goular Deparameno de Adminisração, UFAM Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Multicointegração e políticas fiscais: uma avaliação de sustentabilidade fiscal para América Latina

Multicointegração e políticas fiscais: uma avaliação de sustentabilidade fiscal para América Latina IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Mulicoinegração e políicas fiscais: uma avaliação de susenabilidade fiscal para América Laina Luís Anônio Sleimann Berussi

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO Thamirys Figueredo Evangelisa 1 Eliane Crisina de Araújo Sbardellai

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DA SÉRIE DE PREÇOS DO SUÍNO NO ESTADO DO PARANÁ, 1994 A 2007

ANÁLISE ESTRUTURAL DA SÉRIE DE PREÇOS DO SUÍNO NO ESTADO DO PARANÁ, 1994 A 2007 ANÁLISE ESTRUTURAL DA SÉRIE DE PREÇOS DO SUÍNO NO ESTADO DO PARANÁ, 994 A 7 ALAN FIGUEIREDO DE ARÊDES; MATHEUS WEMERSON GOMES PEREIRA; MAURINHO LUIZ DOS SANTOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA -

Leia mais

UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS. Mauro Rezende Filho

UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS. Mauro Rezende Filho i UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS Mauro Rezende Filho DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA - GCQ

GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA - GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCQ - 11 16 a 21 Ouubro de 2005 Curiiba - Paraná GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO

SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1 TESTES DE SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA PÚBLICA BASEADOS NA RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA INTERTEMPORAL DO GOVERNO...5

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças Área de Ineresse: Área 3 Macroeconomia, Economia Moneária e Finanças Tíulo: NOVO CONSENSO MACROECONÔMICO E REGRAS DE CONDUTA: O PAPEL DA ROTATIVIDADE DOS DIRETORES DO COMITÊ DE POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL

Leia mais