A Utilização da Inteligência Competitiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Utilização da Inteligência Competitiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas"

Transcrição

1 A Uilização da Ineligência Compeiiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas

2 Maria das Graças Vieira Conadora. Mesre em Adminisração Financeira e Douora em Educação UFPB. Professora da Faculdade Maurício de Nassau em João Pessoa-PB. Resumo As empresas, cujas esruuras, processos e ecnologias não esejam alinhados com os negócios, erão dificuldades em sobreviver em ambienes complexos. Para sobreviverem, esraegisas de gesão êm-se apoiado em práicas como a denominada Ineligência Compeiiva, que esá fundamenada em duas grandes bases: a informação e a velocidade de seu uso. O propósio dese arigo é discuir se a ineligência compeiiva pode ser desenvolvida de forma empreendedora. Palavras-chave Pequena empresa. Esraégia. Ineligência compeiiva. Ineligência compeiiva do mercado. Ineligência compeiiva empreendedora. Absrac The organizaions, whose srucures, processes and echnologies are no aligned wih he businesses, hey will have difficulies in surviving in complex amospheres. For us o survive, adminisraion sraegiss have if leaning in pracices as denominaed Compeiive Inelligence, is based in wo grea bases: he informaion and he speed of use. This way, he purpose of his aricle is o discuss he compeiive inelligence can be developed in an enerprising way. Key words Small companies. Sraegy. Compeiive inelligence. Compeiive inelligence of marke. Enerprising compeiive inelligence. R. CRCRS, Poro Alegre, n. 134, p , ou Revisa do CRCRS 39

3 Inrodução As empresas modernas, independene da sua dimensão, esão inseridas num mercado caracerizado pela globalização da economia e por uma inensa compeiividade no desenvolvimeno de novos produos e serviços e na dispua pelo cliene. Além disso, são circundadas por um ambiene consiuído por faores e forças exernas que afeam a compeência da adminisração em aumenar e maner bons relacionamenos com seus consumidores. As mudanças no ambiene razem desafios às organizações e as afeam de diversas maneiras, o que exige definições por pare dos adminisradores a cada insane, na busca da sobrevivência e crescimeno (GULINI, 2005). Somado a isso, a economia aual passa a exigir das empresas uma posura empreendedora, e de inovação consane. Nesse cenário vem-se consolidando o uso empreendedor da ineligência compeiiva nas empresas, emergindo o conceio de Ineligência Compeiiva Empreendedora. Para os grandes gurus da adminisração, como Peer Drucker e Michael Porer, as empresas, para sobreviverem, deverão lasrear suas aividades na informação, endo em visa a ransferência do cenro de gravidade operacional denro das empresas. Esse cenro de gravidade passou dos rabalhadores manuais para os rabalhadores inelecuais. O crescimeno empresarial não esá mais baseado nos músculos, mas, sim, na mene. E é denro desa visão que a ineligência compeiiva passa de esraégica à empreendedora (BRASILIANO, 2008). A parir dessas considerações propõe-se nese rabalho a discussão sobre a imporância da aplicabilidade da Ineligência Compeiiva Empreendedora, na perspeciva de que a práica da ineligência compeiiva conribui sobremaneira ao alinhameno das informações ambienais às esraégias empresariais dessas próprias organizações. Diversos pesquisadores êm mosrado exisir uma fore relação enre e o desempenho organizacional e a capacidade de moniorar o compeiivo ambiene de negócios. Sanos (2007) relaa que Aguilar (1967) buscou verificar os meios pelos quais a adminisração obém informações imporanes sobre evenos que ocorrem no ambiene exerno da organização, com o inuio de orienar o fuuro curso de ação da empresa. Diversos pesquisadores êm mosrado exisir uma fore relação enre e o desempenho organizacional e a capacidade de moniorar o compeiivo ambiene de negócios. Aaker (1983) procurou demonsrar que para um sisema esraégico de moniorameno de informação é preciso provar ser úil por meio de informações esraégicas de baixo cuso, que o foco no objeivo das necessidades de informação aloca um esforço maior em orno dessas necessidades, as quais são relevanes e êm um efeivo sisema de armazenameno, processameno e disseminação da informação. Beal (2000) ambém esudou a ineligência compeiiva enfocando o desempenho esraégico das pequenas empresas no ambiene compeiivo e consaou uma ampla variedade de freqüência e escopo do moniorameno ambienal. A preocupação de ordenar e esclarecer o ema leva, em primeiro lugar, a delimiar com maior precisão possível o assuno foco de esudo. Assim, inicia-se esa discussão abordando a deerminação de ambiene empresarial, moniorameno do ambiene e da ineligência compeiiva. Esses esclarecimenos iniciais são relevanes à medida que fazem pare do conceio de ineligência compeiiva empreendedora. Em seguida, discorre-se sobre a ineligência compeiiva de mercado, com o inuio de mosrar a imporância de se aproveiar as oporunidades que surgem no novo cenário. Abordam-se, a seguir, aspecos sobre a aplicabilidade da Ineligência Compeiiva Empreendedora como faor fundamenal para se er o conhecimeno das mudanças do ambiene na aualidade. 1 Moniorameno do ambiene empresarial e a ineligência compeiiva Ambiene, como muias ouras áreas do comporameno organizacional, não é um conceio bem-definido. Não há consenso sobre o que consiui o ambiene de uma organização e nem sobre os ipos de quesões a serem discuidas denro do assuno ambienes organizacionais. Para Bowdich e Buono (1990, p. 143) ambiene é assim caracerizado: odos os elemenos exisenes fora dos limies da organização, e que enham poencial para afear a organização como um odo ou pare dela. De acordo com Daf (1997), o ambiene compreende os elemenos que exisem exernamene às froneiras de uma organização e êm poencial para afeá-la. Para o auor, o ambiene 40 Revisa do CRCRS

4 exerno da organização pode ser mais enendido quando dividido em duas camadas: o ambiene geral e o ambiene de arefa, como ilusrado na Figura 1. Figura 1: Localização dos ambienes geral, de arefa e inerno na organização. Inernacional Mercado de Trabalho Fone: DAFT, 1997, p. 45. Ambiene Geral Tecnológico Ambiene de Tarefa Clienes Ambiene Inerno da Organização Empregados Culura Políico-Geral Adminisração Fornecedores A Figura 1 ilusra as relações enre o ambienes geral, de arefa e inerno. Como um sisema abero, a organização reira recursos do ambiene exerno e devolve bens e serviços. O ambiene geral represena as camadas exernas do ambiene. Essas dimensões influenciam a organização aravés do empo, mas não esão envolvidas nas operações do dia-a- -dia. As dimensões do ambiene geral incluem a inernacional, a ecnológica, a socioculural, a econômica e a políico- -legal. E o ambiene de arefa inclui os seores que êm uma relação direa com a organização, denre eles os clienes, os concorrenes, os fornecedores e o mercado de rabalho. O inerno represena os colaboradores da organização. O ambiene cria problemas e oporunidades para as organizações. Incerezas ambienais levam a um processo de obenção de informações, pois os gesores devem idenificar oporunidades e deecar e inerprear áreas com problemas. Um ambiene de incerezas gera diversas mudanças e pode criar um reajuse organizacional, uma ensão, empurrando a organização e resabelecendo a congruência com uma nova condição ambienal. As mudanças no ambiene razem desafios às organizações e as afeam de diversas maneiras, exigindo definições por pare dos adminisradores a cada insane, Concorrenes Econômico Socioculural na busca da sobrevivência e crescimeno (GULINI, 2005). Para Gulini (2005), uma maneira para não ser surpreendido pelas mudanças ambienais é o moniorameno do ambiene, o qual compreende um processo essencial de gerenciameno esraégico, uma vez que se raa de um canal que possibilia aos adminisradores a percepção das mudanças ambienais. Pode-se considerar que o moniorameno do ambiene exerno começou muio anes de se insalar o conceio aual de ineligência compeiiva. Um dos primeiros pesquisadores a esudar o ambiene como uma fone de informação foi William Dill. Ele afirmou que a maneira mais eficaz de analisar o ambiene é vendo-o como informação que se orna disponível para que a organização, por meio de uma aividade de busca, possa er acesso (MORESI, 2001, p. 3). Auores como Kefalas (1973), Keegan (1974) e Segev (1977), ciados por Sanos (2007), aponam como principais funções do moniorameno ambienal: aprender sobre evenos e endências no ambiene exerno; esabelecer relacionamenos enre elas; verificar se os dados obidos fazem algum senido; exrair as principais implicações para omada de decisão e desenvolvimeno esraégico. Um sisema de moniorameno facilia a obenção de sinais/informações e pode ser efeivamene considerado se ele descreve as condições reraadas no ambiene, mosra sobre os avanços, oporunidades e as condições da exisência ou inexisência de problemas. Um moniorameno efeivo do ambiene vem sendo necessário para o sucesso compeiivo das esraégias (BEAL, 2000). Enreano, mais relevane que a posse de informações é saber uilizá-las, agregando valor às mesmas, aravés de um raameno adequado que possa represenar uma vanagem compeiiva quando chegar às mãos de quem decide (KÜNZEL, 2001, p. 26). Nesse aspeco, além de uma esruura física capaz de comporar a colea, raameno, disseminação e uso das informações advindas do ambiene exerno, orna-se necessário o desenvolvimeno de uma ineligência compeiiva que seja capaz de aplicar as informações reidas de forma eficaz (SOARES JR., 2004). Vale sublinhar que ineligência compeiiva é presar aenção ao ambiene compeiivo, para enender os sinais que esse ambiene esá sempre emiindo. Com isso, é possível prever os movimenos dos compeidores, dos consumidores, do governo, e odos os faores que afeam a organização (GILAD, 1994). Kahaner (1996, p. 16) afirma que a ineligência compeiiva é um programa sisemáico para garimpar e analisar informações sobre aividades da concorrência e as endências do Revisa do CRCRS 41

5 seor específico e do mercado em geral, com o propósio de levar a organização a aingir seus objeivos e meas. Para Gomes e Braga (2001, p. 28), ineligência compeiiva é o resulado da análise de dados e informações coleados do ambiene compeiivo da empresa que irão embasar a omada de decisão, pois geram recomendações que consideram evenos fuuros e não somene relaórios para jusificar decisões passadas. No mesmo senido, Neves (2005) relaa que a ineligência compeiiva pode auxiliar as empresas a ober melhores resulados: anecipando movimenos do macroambiene que geram impaco posiivo ou negaivo nas organizações; anecipando os movimenos dos concorrenes, fornecedores ou clienes; anecipando o surgimeno de novas ecnologias, o surgimeno de produos subsiuos ou de novos enranes; respondendo a quesões e anseios dos omadores de decisão; reduzindo o risco na omada de decisão. Porano, a ineligência compeiiva é sinônimo de capacidade de anecipar as ameaças e novas oporunidades por meio da informação validada para a omada de decisão Baaglia (1999, p. 204). Para ese auor (1999, p. 201), a ineligência compeiiva é fundamenada em duas grandes bases: a informação e a velocidade de seu uso. Eses dois componenes são a chave para o enendimeno da ineligência compeiiva, pela simples razão de que a ineligência compeiiva faz uso de ipos e fones diversas de informações em uma velocidade muio grande para moniorar desenvolvimenos de produos, processos, serviços e posições de mercado. Lembrando que a ineligência compeiiva é um processo informacional proaivo, adapável a odos os segmenos das aividades econômicas do homem, gerador de produos capazes de subsidiar planejamenos esraégicos, de moniorar o desenvolvimeno de esraégias e de faciliar o assessorameno a omadores de decisão, com visa à compeiividade dos mercados. 2 Ineligência Compeiiva de Mercado Sabe-se que, ao se analisar o conexo em que as organizações esão aualmene inseridas, verificam-se dificuldades em definir esraégias que garanam a sobrevivência desas. Dada a naureza compeiiva do mercado, se uma empresa não consegue ransformar em ação efeiva as informações de que dispõe, não conseguirá susenar ao longo do empo a sua esruura de ineligência de mercado. Pelo conrário, como o cuso da esruura de informação é muio alo e fixo, ela passará a perder compeiividade, já que erá uma esruura adminisraiva mais pesada que o necessário e repassará esses cusos ao consumidor final (GARBER, 2001, p. 28). Garber (2001, p. 33) cia ainda: [...] quando o conhecimeno de mercado represena um diferencial em relação aos concorrenes, e ese diferencial é uilizado como vanagem compeiiva de mercado, ele é chamado de ineligência de markeing ou ineligência compeiiva de mercado, fundamenal para o sucesso em mercados compeiivos e por isso cada vez mais valorizada pelas organizações. Assim, pode-se dizer que a ineligência compeiiva de mercado esá sempre colocando em quesão o aproveiameno das oporunidades, porque é preciso uilizar a informação no momeno apropriado, senão esa se perderá rapidamene com o passar do empo. Também, é necessário que a empresa desenvolva um eficiene processo de sisemaização e difusão, manendo o seu próprio banco de dados, a fim de fornecer informações rápidas e seguras a odos os níveis da organização, reduzindo, assim, incerezas e riscos de insucesso nas decisões omadas e ganhando em agilidade sobre a concorrência. Todo esse rabalho no rao da informação será exercido pelo Sisema de Ineligência Compeiiva SIC. A Figura 2 sineiza ese processo: 42 Revisa do CRCRS

6 Figura 2: Ineligência compeiiva de mercado. Colea Anecipar mudanças no ambiene de negócios Descobrir concorrenes novos Fone: Elaboração do auor (2008). Para Morais (1999, p. 14), Ambiene Compeiivo INFORMAÇÃO Análise INTELIGÊNCIA COMPETITIVA DE MERCADO Sisema de Ineligência Compeiiva Anecipar as ações Validação Sisema de Ineligência Compeiiva é o processo organizacional que viabiliza a colea, o raameno e a análise da informação, disseminada como Ineligência aos usuários, gerando conhecimeno para a omada de decisão, endo em visa a geração ou susenação de vanagens compeiivas, cenradas muias vezes em racionalização de cusos e diferenciação de produos, serviços e processos. No mesmo senido, complemena Baaglia (1999, p. 204): Difusão Aprender sobre as mudanças O Sisema de ineligência compeiiva é o processo organizacional de colea e análise sisemáica da informação, disseminada como ineligência aos usuários, em apoio à decisão, nos níveis esraégico e áico. Ineligência é o resulado que começa com a colea de dados. Esses dados são organizados e ransformados em informação, que, depois de analisada e conexualizada, ransforma-se em ineligência. Esa, por sua vez, aplicada aos processos decisórios gera vanagem compeiiva para a organização. Traa-se, porano, de um processo conínuo em que a informação é ransformada em conhecimeno no processo decisório da empresa. Gomes e Braga (2001) enfaizam que a uilização de Sisemas de Ineligência Compeiiva em organizações, sejam elas de pequeno, médio ou grande pore, em os seguines objeivos, denre ouros: anecipar mudanças no ambiene de negócios; descobrir concorrenes novos ou poenciais; anecipar as ações dos auais concorrenes; e aprender sobre mudanças políicas, regulaórias ou legislaivas que possam afear seu negócio. Todavia, Gomes e Braga (2002) e Vasconcelos (1999) ressalam a necessidade de se preparar a empresa para receber um sisema de ineligência compeiiva para que ese não seja mal-inerpreado. Lembramos que os sisemas de Ineligência Compeiiva são exclusivos de cada empresa, pois seus projeos baseiam-se fundamenalmene nas necessidades de informação esraégica e nas necessidades de recursos exisenes (BATTAGLIA, 1999, p. 204). Pode-se ressalar, ainda, que um Sisema de Ineligência Compeiiva deve expressar simplicidade, buscando valorizar mais os resulados que a infra-esruura, com visão proaiva, anecipando as exigências e expecaivas do mercado aual, caracerizando- -se assim como uma Ineligência Compeiiva Empreendedora. 3 A Ineligência Compeiiva Empreendedora A sobrevivência no aual ambiene de negócios depende da consrução e aplicação de uma boa esraégia, apoiada em inovação e criaividade, o que exigirá da organização conhecer e anever o que ocorre ao redor do empreendimeno, percebendo as ameaças e anecipando as oporunidades de crescimeno. Assim, enando reduzir o naural isolameno vivenciado pelos omadores de decisão, em meio a ambienes empresariais de incereza e compeiividade crescene, emerge a ineligência compeiiva. Diane de um ambiene alamene compeiivo e de rápidas mudanças a ineligência compeiiva surge como um processo de apoio à decisão. O processo decisório adoado pelas organizações em ínima ligação com o sisema de ineligência, pois ese sisema visa a fornecer subsídios para a melhor omada de decisão (ARAÚJO; CÂN- DIDO; SILVA FILHO, 2004, p. 2). O serviço de ineligência nos dias de hoje consise em perseguir as informações desejadas ao processo decisório por meio das redes de relacionamenos inerpessoais, o que implica em criar muias ligações e fazer pesquisas ou invesigações, quando necessário. Nessa acepção, oda a sociedade não passa da junção de redes enrecruzadas de informações. As redes permiem dominar a complexidade do ambiene no qual uma organização aua, na aualidade. Uma das áreas de mais rápido Revisa do CRCRS 43

7 crescimeno da ampliação de froneiras organizacionais é a ineligência compeiiva. Pequenas e grandes empresas esão monando deparamenos de ineligência compeiiva ou conraando especialisas exernos para colea de informações sobre os compeidores. A ineligência compeiiva proporciona aos execuivos de opo um modo sisemáico de colear e analisar informações sobre os concorrenes e uilizá-las para omar melhores decisões (WESTERN, 1995, p ). Organizar dados, ransformando-os em informações com valor agregado e aprender udo sobre o concorrene, capando informações sobre seus produos e serviços, processos de produção e méodos e esilo de adminisração são ações que levam a empresa a alcançar uma gesão ineligene. Essas esraégias inegram o conceio de ineligência compeiiva empreendedora. Levanando-se o esado da are da ineligência compeiiva empreendedora, Sapiro (1993, p. 108) afirma que o grande desafio é enender as organizações como organismos sociais ineligenes. Quano mais ineligenes, mais chances erão de sobreviver e se desenvolverem. Sendo a Ineligência Compeiiva Empreendedora uma área emergene de conhecimeno, não exise um conceio plenamene formado e muias quesões sobre a sua implemenação eficaz nas organizações de diversos seores da economia precisam ainda ser mais bem invesigadas e definidas. A Ineligência Compeiiva Empreendedora em um papel imporane denro das organizações independene da sua dimensão. Ela possibilia reduzir a incereza, em que o gesor esraegisa em pouco ou nenhum conhecimeno ou informação para uilizar como base para a omada de decisão. Assim, no cenário de incerezas, de compeição acirrada e de mudanças freqüenes, em que as organizações esão inseridas a Ineligência Compeiiva Empreendedora orna-se uma aliada, uma vez que, permie às empresas, de forma legal e eicamene, idenificar os componenes-chaves e as esraégias do seu compeidor. A Ineligência Compeiiva Empreendedora é um processo informacional proaivo que conduz à melhor omada de decisões, seja ela esraégica ou operacional. É um processo sisemáico, que visa a descobrir as forças que regem os negócios, reduzir riscos e conduzir o gesor a agir anecipadamene, bem como proeger o conhecimeno gerado. Vale sublinhar que um faor fundamenal para o sucesso de qualquer operação de Ineligência Compeiiva Empreendedora é aender às reais necessidades do usuário, ou seja, quais os procedimenos mais adequados para se ober as informações e que recursos são mais apropriadas para colear, armazenar e disseminar a informação, mas, se deve fazê-lo de modo que a organização aue em decorrência da ineligência obida, e, conseqüenemene, enha sucesso no empreendimeno em visa. (ARAÚJO; CÂNDIDO; SILVA FILHO, 2004, p. 4) Nesse senido, a Figura 3 apresena as eapas do processo responsável pela formação da ineligência compeiiva empreendedora. Figura 3: Eapas da formação da Ineligência Compeiiva Empreendedora. ] Idenificação dos sakeholders Colea de dados Colea de dados de campo publicados - Comprovação dos dados - Copilação dos dados ]] - Caalogação dos dados - Condensaçao dos dados - Comunicação dos dados Recursos Aplicados Fone: Adapado de Porer (1986). O foco principal da Ineligência Compeiiva Empreendedora é analisar as caracerísicas e aividades do concorrene no mercado, focalizando-se nas informações que nos dizem onde e como desenvolver esraégias de aaque ou defesa, objeivo fundamenal e vial para o sucesso dos negócios no mundo globalizado. Porano, Ineligência Compeiiva Empreendedora visa à idenificação das oporunidades ainda emergenes no mercado, bem como à capaciação da organização no senido de ober novas vanagens compeiivas para aender às necessidades provenienes das novas oporunidades. Conribui, desse modo, para que a informação cera eseja no momeno cero à disposição da organização, para orienar o processo decisório e o planejameno esraégico, melhorando o posicionameno esraégico da empresa frene a seus concorrenes. Considerações finais Percepção de fuuro. O que é necessário saber. Proaividade. Tomada de decisões. Com a crescene compeiividade dos mercados e a rápida evolução ecnológica, é fundamenal que as empresas enham grande versailidade em suas decisões, e, para isso, é necessário que enham em mãos informações precisas e aualizadas; logo, devem-se valer da Ineligência Compeiiva Empreendedora. Esa é um diálogo permanene enre redes e fones de informação, esruurada em orno de pergunas e Dados Informação Ineligência Compeiiva Empreendedora 44 Revisa do CRCRS

8 resposas bem colocadas. Observando-se aenamene o que esá ocorrendo no ambiene dinâmico e compeiivo, anecipando às expecaivas dos clienes e anevendo-se à concorrência. A Ineligência Compeiiva Empreendedora orna-se um elemeno esraégico das pequenas organizações na busca de vanagem compeiiva. Esa meodologia permie que pequenas empresas anecipem fuuras direções e endências do mercado, em vez de meramene reagir a elas. Visa, porano, a fornecer subsídios para uma melhor omada de decisão. Aé porque a Ineligência Compeiiva Empreendedora não exige o conhecimeno e o uso de écnicas sofisicadas, ou o desenvolvimeno de novas habilidades que já não esejam disponíveis na maioria das empresas. De fao, ela esá focalizada nas compeências, habilidades e écnicas já exisenes, mas em uma direção e num propósio que, esses sim, são novos em muias empresas. Ela permie que os omadores de decisão se anecipem às endências do mercado e à concorrência, idenificando ameaças e oporunidades do ambiene de negócio para definirem as ações adapadas às esraégias de desenvolvimeno da empresa. Logo, a Ineligência Compeiiva Empreendedora proporciona o conhecimeno das oporunidades e ameaças idenificadas no ambiene, que poderá insruir as omadas de decisão, visando à conquisa de vanagem compeiiva. AAKER, D.A. Organizing a sraegic informaion scanning sysem. California Managemen Review, v. 25, n. 2, AGUILAR, J.F. Scanning he business environmen. Torono, ON: Macmillian, ARAÚJO, N.M.; CÂNDIDO, G.A.; SILVA FI- LHO, J.F. Ineligência compeiiva e processo de omada de decisão: um esudo de caso no seor público. XI SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 08 a 10 de novembro de BOWDITCH, J.L.; BUONO, A.F. A primer on organizaional behavior. 2nd. ed. New York: John Wiley & Sons, BATTAGLIA, M.G.B. A Ineligência Compeiiva modelando o Sisema de Informação de Clienes. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, p , maio/ago BRASILIANO, A.C.R. Ineligência compeiiva como alavanca da informação esraégica e a segurança empresarial. Disponível em: <hp:// br>, acessado em 25 de março de BEAL, R. Compeing Effecively: Environmenal Scanning, Compeiive Sraegy, and Organizaional Performance in Small Manufacuring Firms. Journal of Small Business Managemen, v. 38, p. 27, January DAFT, R.L. Managemen. 4.ed. The Dryden Press, GARBER, R. Ineligência compeiiva de mercado. São Paulo: Madras, Referências GILAD, B. Business blindspos. Infonorics, Cap. 1. Disponível em: <hp://www. infonorics.com/publicaions/giladchaper.hml>. Acesso em: 10 abr GOMES, E.; BRAGA, F. Ineligência compeiiva: como ransformar informação em um negócio lucraivo. Rio de Janeiro: Campus, GULINI, P.L. Ambiene organizacional, comporameno esraégico e desempenho empresarial: um esudo no seor de provedores de inerne de Sana Caarina. Disseração de Mesrado da Universidade do Vale do Iajaí. Biguaçú, KAHANER, L. Compeiive inelligence. New York: Simon & Schuser, KÜNZEL, A. A análise esraégica como orienação ao processo de ineligência compeiiva (IC) num caso empresarial do segmeno indusrial alimenício do Vale do Taquari (VT/RS). Disseração. Programa de Pós-Graduação em Adminisração (PPGA/ EA/UFRGS). Poro Alegre, julho de MORAIS, E. Ineligência compeiiva: esraégias para pequenas empresas. Brasília: GH Comunicação, MORESI, E.A.D. Ineligência organizacional: um referencial inegrado. Ciência da Informação. Ci. Inf., Brasília, v. 30, n. 2, maio/ago Disponível em:<hp:// arex&pid=s >. Acesso em 19 março NEVES, R.A Ineligência compeiiva aplicada nas organizações do conhecimeno. 26 se Disponível em: <hp://www. adminisradores.com.br/arigos a_ineligencia_compeiiva_aplicada_nas_organizacoes_do_conhecimeno/11366/>. Acesso em 18 fev PORTER, M.E. Esraégia compeiiva: écnicas para análise de indúsrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus, SANTOS, E. dos. Moniorameno esraégico ambienal em empresas de disribuição um esudo de caso. Universidade de São Paulo. Disponível em: <hp://www. ead.fea.usp.br/semead/8semead/ resulado/rabalhospdf/149.pdf>. Acesso em: 19 dez SAPIRO, A. Ineligência empresarial informacional: a revolução informacional da ação compeiiva. Revisa de Adminisração de Empresas, Rio de Janeiro, v. 33, n. 3, p , SOARES JR., E. e al. Ineligência: colaborando para compeir. XI SIMPEP - Bauru, SP, Brasil, 08 a 10 de novembro de TYSON, K.W.M. The complee guide o compeiive inelligence. Chicago, Illinois: Kirk Tyson Inernaional, WESTERN, K. Ehical Spying. Business Ehics, p , se./ou Revisa do CRCRS 45

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO ANDRÉ MAURO SANTOS DE ESPÍNDOLA

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO ANDRÉ MAURO SANTOS DE ESPÍNDOLA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO ANDRÉ MAURO SANTOS DE ESPÍNDOLA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA PREVISÃO DE CONSUMO:

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Modelos de séries temporais aplicados a índices de preços hospitalares do Hospital da Universidade Federal de Santa Catarina

Modelos de séries temporais aplicados a índices de preços hospitalares do Hospital da Universidade Federal de Santa Catarina Modelos de séries emporais aplicados a índices de preços hospialares do Hospial da Universidade Federal de Sana Caarina Marcelo Angelo Cirillo Thelma Sáfadi Resumo O princípio básico da adminisração de

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

Competências profissionais relevantes à qualidade no atendimento bancário*

Competências profissionais relevantes à qualidade no atendimento bancário* Compeências profissionais relevanes à qualidade no aendimeno bancário* Hugo Pena Brandão** Tomás de Aquino Guimarães*** Jairo Eduardo Borges-Andrade**** S UMÁRIO: 1. Inrodução; 2. Gesão baseada nas compeências:

Leia mais

RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO

RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO Trabalho de Formaura apresenado à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

ESTIMAÇÃO DE ESTADO EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: PROGRAMA PARA ANÁLISE E ATUALIZAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS QUALITATIVAS DE CONJUNTO DE MEDIDAS

ESTIMAÇÃO DE ESTADO EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: PROGRAMA PARA ANÁLISE E ATUALIZAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS QUALITATIVAS DE CONJUNTO DE MEDIDAS ESTIMAÇÃO DE ESTADO EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: PROGRAMA PARA ANÁLISE E ATUALIZAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS QUALITATIVAS DE CONJUNTO DE MEDIDAS EDUARDO MARMO MOREIRA Disseração de Mesrado apresenada

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO MODELO INTEGRADO PARA PREVISÃO DE VENDAS COMO UMA FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo 0 INTRODUÇÃO A queda do sisema de Breom Woods e, poseriormene, a ausência de uma relação esreia enre moeda e renda, dada pela insabilidade da velocidade de circulação da moeda, inciou o desenvolvimeno

Leia mais

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA)

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA) GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS Insruções para a Ala Direção e o Responsável Ambienal (RA) DIS TR IBU IDO R Adapado de: MANUAL DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CONCESSIONÁRIAS DE

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS. Eduardo Martins Viana

FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS. Eduardo Martins Viana FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS Eduardo Marins Viana DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

ANAIS UM MODELO DE PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO PARA OTIMIZAR O MIX DE PRODUTOS E CLIENTES EM UMA INDÚSTRIA METAL-MECÂNICA

ANAIS UM MODELO DE PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO PARA OTIMIZAR O MIX DE PRODUTOS E CLIENTES EM UMA INDÚSTRIA METAL-MECÂNICA UM MODELO DE PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO PARA OTIMIZAR O MIX DE PRODUTOS E CLIENTES EM UMA INDÚSTRIA METAL-MECÂNICA FELIPE ALBERTO SIMAS DONATO ( felipe.donao@gmail.com, felipe_donao@embraco.com.br

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

Cx. Postal 50, CEP 37.500-000 Itajubá, MG, Brasil E-mail: pamplona@iem.efei.br.

Cx. Postal 50, CEP 37.500-000 Itajubá, MG, Brasil E-mail: pamplona@iem.efei.br. CONDIÇÕES ECONÔMICAS NO PROCESSO DE USINAGEM: UMA ABORDAGEM PARA CONSIDERAÇÃO DOS CUSTOS Souza, Anônio Carlos de * Novaski, Olívio * Oliveira Pamplona, Edson de ** Baocchio, Anonio * * Faculdade de Engenharia

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

ACORDO DE ACIONISTAS E QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS NO MERCADO BRASILEIRO

ACORDO DE ACIONISTAS E QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS NO MERCADO BRASILEIRO 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS FELIPE MAIA LYRIO ACORDO DE ACIONISTAS E QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS:

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS. Livia Galdino Mendes

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS. Livia Galdino Mendes ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS Livia Galdino Mendes PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Leia mais

Palavras-chave: Posição Relativa do Mercado; Vantagem Comparativa; Constant-Market-Share; Competitividade.

Palavras-chave: Posição Relativa do Mercado; Vantagem Comparativa; Constant-Market-Share; Competitividade. O desempenho das exporações brasileiras de amêndoas de casanha-de-cau enre os anos de 2007 e 2011 The performance of cashew-nus expors from Brazil beween 2007 and 2011 Renao Drogue Macedo Universidade

Leia mais

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO Nagila Raquel Marins Gomes; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR

A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR Bárbara Lopes Macedo (Faculdades Inegradas FAFIBE) Carina Aleandra Rondini Marreo (Faculdades Inegradas FAFIBE) Jucélia Maria de Almeida

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro Governança Corporaiva, Risco Operacional e Comporameno e Esruura a Termo da Volailidade no Mercado de Capiais Brasileiro Auoria: Pablo Rogers, Cláudio Anônio Pinheiro Machado Filho, José Robero Securao

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais

Funções de Exportação de Alimentos para o Brasil. Maria Auxiliadora de Carvalho Instituto de Economia Agrícola

Funções de Exportação de Alimentos para o Brasil. Maria Auxiliadora de Carvalho Instituto de Economia Agrícola Funções de Exporação de Alimenos para o Brasil Maria Auxiliadora de Carvalho Insiuo de Economia Agrícola César Robero Leie da Silva PUCSP e Insiuo de Economia Agrícola Resumo: A segurança alimenar é uma

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil*

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 303-345, DEZ. 2008 303 Esruura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* SAMER SHOUSHA** RESUMO Exise uma relação muio próxima enre

Leia mais

Resumo: Palavras-chave: Documentos Técnico-Científicos

Resumo: Palavras-chave: Documentos Técnico-Científicos Documenos Técnico-Cieníficos A Influência das Insiders Informaions no Mercado de Opções: Uma Análise da Desvalorização Cambial no Brasil Lúcia Maria Goés Mouinho Douorado em Economia de Empresas (FGV -

Leia mais

Revista de Administração Pública - RAP ISSN: 0034-7612 deborah@fgv.br. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas.

Revista de Administração Pública - RAP ISSN: 0034-7612 deborah@fgv.br. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas. Revisa de Adminisração Pública - RAP ISSN: 0034-7612 deborah@fgv.br Escola Brasileira de Adminisração Pública e de Empresas Brasil Peres Moreno Junior, José Maria; Zucchi, Paola Avaliação de qualidade

Leia mais

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2 Transmissão de preços enre o produor e varejo: evidências empíricas para o seor de carne bovina em Goiás Resumo: A economia goiana vem se desacado no conexo nacional. Seu PIB aingiu R$ 75 bilhões no ano

Leia mais

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Gesão Prof. Dr.-Ing. Klaus Schüzer - SCPM Universidade Meodisa de Piracicaba - UNIMEP email: schuezer@unimep.br hp://www.unimep.br/scpm Fachgebie Daenverarbeiung in der Konsrukion - DiK Technische Universiä

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004 RELAÇÕES DE TROCA, SAZONALIDADE E MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE DE FRANGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM NO PERÍODO 1997-2004 MARCOS ANTÔNIO SOUZA DOS SANTOS; FABRÍCIO KHOURY REBELLO; MARIA LÚCIA

Leia mais

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO VIVIANE SEDA BITTENCOURT (IBRE/FGV) E ANDREI GOMES SIMONASSI (CAEN/UFC) RESUMO O rabalho avalia a dinâmica

Leia mais

Análise da Interdependência Temporal dos Preços nos Mercados de Cria Recria e Engorda de Bovinos no Brasil

Análise da Interdependência Temporal dos Preços nos Mercados de Cria Recria e Engorda de Bovinos no Brasil "Conhecimenos para Agriculura do Fuuro" ANÁLISE DA INTERDEPENDÊNCIA TEMPORAL DOS PREÇOS NOS MERCADOS DE CRIA RECRIA E ENGORDA DE BOVINOS NO BRASIL HENRIQUE LIBOREIRO COTTA () ; WAGNER MOURA LAMOUNIER (2)..UNIVERSIDADE

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

Cartilha MERCADO SECUNDÁRIO DE TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

Cartilha MERCADO SECUNDÁRIO DE TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Carilha MERCADO SECUNDÁRIO DE TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Capíulo I Aspecos Insiucionais O Governo anunciou em novembro de 1999 um conjuno de 21 medidas desinadas a incremenar a liquidez do mercado secundário

Leia mais

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil Marcello da Cunha Sanos Dívida pública e coordenação de políicas econômicas no Brasil Belo Horizone, MG Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno Regional Faculdade de Ciências Econômicas UFMG 4 Marcello da

Leia mais

S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R E G U L A Ç Ã O E C O N Ô M IC A. Nota Técnica nº 267/2010-SRE/ANEEL Brasília, 25 de Agosto de 2010

S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R E G U L A Ç Ã O E C O N Ô M IC A. Nota Técnica nº 267/2010-SRE/ANEEL Brasília, 25 de Agosto de 2010 S U P E R I N T E N Ê N C I A E R E G U L A Ç Ã O E C O N Ô M IC A Noa Técnica nº 267/2-SRE/ANEEL Brasília 25 de Agoso de 2 M E T O O L O G I A E C Á L C U L O O F A T O R X............................................

Leia mais

As exportações nos estados da Região Sul do Brasil por intensidade tecnológica entre 1996 a 2007

As exportações nos estados da Região Sul do Brasil por intensidade tecnológica entre 1996 a 2007 IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais As exporações nos esados da Região Sul do Brasil por inensidade ecnológica enre 1996 a 2007 Alexander Nunes Leizke PPGE/UNISINOS

Leia mais

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 Geovana Lorena Berussi (UnB) Lízia de Figueiredo (UFMG) Julho 2010 RESUMO Nesse arigo, invesigamos qual

Leia mais

Análise de transmissão de preços do mercado atacadista de melão do Brasil

Análise de transmissão de preços do mercado atacadista de melão do Brasil Análise de ransmissão de preços do mercado aacadisa de melão do Brasil *Rodrigo de Oliveira Mayorga **Ahmad Saeed Khan ***Ruben Dario Mayorga ****Parícia Verônica Pinheiro Sales Lima *****Mario Anônio

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Integração na criação de frangos de corte na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco

Integração na criação de frangos de corte na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco Inegração na criação de frangos de core na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco Adelson Marins Figueiredo Pedro Anônio dos Sanos Robero Sanolin Brício dos Sanos Reis Resumo:

Leia mais

A dinâmica do emprego formal na região Norte do estado do Rio de Janeiro, nas últimas duas décadas

A dinâmica do emprego formal na região Norte do estado do Rio de Janeiro, nas últimas duas décadas A dinâmica do emprego formal na região Nore do esado do Rio de Janeiro, nas úlimas duas décadas Helio Junior de Souza Crespo Insiuo Federal Fluminense-IFF E-mail: hjunior@iff.edu.br Paulo Marcelo de Souza

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

Evidenciação Contábil: Um Estudo acerca da Conformidade da Evidenciação nas Empresas de Transporte Aéreo.

Evidenciação Contábil: Um Estudo acerca da Conformidade da Evidenciação nas Empresas de Transporte Aéreo. Evidenciação Conábil: Um Esudo acerca da Conformidade da Evidenciação nas Empresas de Transpore Aéreo. Msc. Igor Gabriel Lima Mesre em Ciências Conábeis Professor nas Faculdades Inegradas do Vale do Ribeira

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE OPERAÇÕES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE 170 APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUC MINAS MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

Jovens no mercado de trabalho formal brasileiro: o que há de novo no ingresso dos ocupados? 1

Jovens no mercado de trabalho formal brasileiro: o que há de novo no ingresso dos ocupados? 1 Jovens no mercado de rabalho formal brasileiro: o que há de novo no ingresso dos ocupados? 1 Luís Abel da Silva Filho 2 Fábio José Ferreira da Silva 3 Silvana Nunes de Queiroz 4 Resumo: Nos anos 1990,

Leia mais

UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS. Mauro Rezende Filho

UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS. Mauro Rezende Filho i UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS Mauro Rezende Filho DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA

Leia mais

Rcupom ) 1. Rcupom = cupomt. cupom ) 11 1 12 t

Rcupom ) 1. Rcupom = cupomt. cupom ) 11 1 12 t Eficiência de Fundos de Previdência: uma Análise das Classes de Fundos Disponíveis no Mercado Luiz Guilherme Eseves Marques Mesre em Adminisração área de concenração Finanças pelas Faculdades Ibmec e Analisa

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Amanda Zani Dutra Silva

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Amanda Zani Dutra Silva UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Amanda Zani Dura Silva Gerenciameno de Manuenção de Equipamenos de um Hospial São Paulo 006 Amanda Zani Dura Silva Gerenciameno

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS NÍVEL MESTRADO ALEX FABIANO BERTOLLO SANTANA

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS NÍVEL MESTRADO ALEX FABIANO BERTOLLO SANTANA UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS NÍVEL MESTRADO ALEX FABIANO BERTOLLO SANTANA GERENCIAMENTO DE RESULTADOS E REMUNERAÇÃO DOS EXECUTIVOS NAS

Leia mais

Série Textos para Discussão

Série Textos para Discussão Universidade Federal do Rio de J a neiro Insiuo de Economia Teses de Racionalidade para Loerias no Brasil TD. 010/2004 Marcelo Resende Marcos A. M. Lima Série Texos para Discussão Teses de Racionalidade

Leia mais