3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?"

Transcrição

1 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença de choque exernos grandes e freqüenes orna essa quesão paricularmene relevane para os países em desenvolvimeno. Nesses países, a insabilidade oriunda de faores exernos orna ainda mais árdua a arefa de promover o crescimeno e a esabilidade dos preços. Ao longo das úlimas décadas, o Brasil e muios ouros países em desenvolvimeno êm vivenciado um processo de aberura comercial. Considerando-se esse processo de liberalização econômica, surge uma imporane quesão: de que forma o grau de aberura comercial de um país afea o comporameno da inflação e a rajeória do produo diane de choques exernos? O objeivo desse capíulo é analisar de que modo o grau de aberura comercial dos países em desenvolvimeno influencia a forma como a inflação e o produo respondem a deerminados choques exernos. Mais especificamene, são analisados os efeios sobre a inflação domésica de choques na inflação mundial e de choques nos preços das principais commodiies e os efeios sobre o produo domésico de choques no produo dos EUA e/ou dos países indusrializados. Ou seja, por meio de exercícios economéricos, invesiga-se a relação enre o grau de aberura comercial e a resposa da inflação domésica a choques que afeem a inflação no reso do mundo e a relação enre o grau de aberura comercial e a resposa do produo domésico a choques que afeem o produo do reso do mundo.

2 66 As evidências sugerem que o grau de aberura comercial afea o modo como a inflação domésica reage a choques na inflação mundial e a choques no índice de preços das commodiies. Como jusificar esse resulado? Alega-se que o grau de aberura comercial alera o comporameno da políica moneária diane dos choques exernos que afeam a inflação. Ou seja, um choque na inflação mundial ou nos preços das commodiies provoca uma elevação da inflação ano em países mais aberos quano em países mais fechados. Enreano, o aumeno da inflação provocado pelos choques exernos gera uma reação mais fore da Auoridade Moneária em países mais aberos e, desse modo, a médio prazo, há um conrole maior da rajeória da inflação. Por ouro lado, nos países mais fechados, um regime de câmbio fixo parece conferir maior disciplina à Auoridade Moneária e maior credibilidade ao regime moneário. Sendo assim, o desconrole inflacionário após um choque na inflação exerna revela-se maior em países comercialmene mais fechados que adoem um regime de câmbio fluuane. Em países comercialmene aberos e em países comercialmene fechados, mas com regime de câmbio fixo, a resposa da inflação domésica é menos acenuada. No que concerne o produo domésico dos países em desenvolvimeno, as evidências indicam que a ransmissão dos choques exernos não é afeada de modo significaivo pelo grau de aberura comercial ou pelo regime cambial adoado. O capíulo esá dividido em cinco seções. A seção 3.2 apresena um resumo dos principais rabalhos que analisam a relação enre aberura comercial e inflação e a relação enre aberura comercial e produo. A seção 3.3 descreve a meodologia empregada nos exercícios economéricos e apresena os resulados enconrados. Na seção 3.4, esa-se a robusez dos resulados inicialmene obidos por meio de exercícios adicionais. A seção 3.5 apresena as principais conclusões do rabalho. 3.2.Revisão Bibliográfica Rogoff (1985) foi o primeiro a desenvolver um modelo esruural direcionado para a análise da relação enre aberura comercial e inflação. O modelo de Rogoff (1985) é

3 67 uma exensão do modelo de inconsisência dinâmica de Barro e Gordon (1983) 26. No modelo de inconsisência dinâmica, a ausência de compromeimeno da Auoridade Moneária resula em níveis de inflação ineficienemene elevados. Isso porque a Auoridade Moneária em um incenivo a provocar uma surpresa inflacionária que resule em um aumeno do nível de produo. Enreano, os agenes privados reconhecem esse incenivo e ajusam suas expecaivas. Conseqüenemene, o equilíbrio alcançado é al que a inflação é mais elevada e o nível de produo permanece o mesmo. Rogoff (1985) conclui que, para uma economia abera, os cusos de uma surpresa inflacionária são maiores, em função da deerioração dos ermos de roca oriunda da expansão do produo domésico. Ou seja, a curva de Phillips ende a ser mais inclinada em uma economia mais abera. Conseqüenemene, no conexo de inconsisência dinâmica, um maior grau de aberura comercial resula em uma axa de inflação de equilíbrio mais baixa. O modelo e as conclusões de Rogoff (1985) inspiraram uma série de rabalhos empíricos, que invesigam a relação enre aberura comercial e inflação. Denre eles, Romer (1993), é o mais relevane. Romer (1993) procura jusificar pare da variabilidade da inflação enre os países por meio da relação enre o grau de aberura comercial e a inclinação da curva de Phillips. O auor analisa um amplo grupo de países por meio de regressões cross-secion, nas quais a variável dependene é a axa de inflação média no período e a principal variável explicaiva é o grau de aberura comercial médio no período. Os resulados de Romer (1993) indicam que exise uma relação negaiva e significaiva enre o grau de aberura e a inflação média. Enreano, essa relação é mais fraca em países onde há fore esabilidade políica e independência da Auoridade Moneária. Além disso, os resulados sugerem que não há relação enre aberura e inflação na sub-amosra que inclui apenas os países mais desenvolvidos. Segundo o auor, esses resulados corroboram a eoria de inconsisência dinâmica e sua exensão para economias aberas. 26 Kydland e Presco (1977) e Barro e Gordon (1983) são as principais referências na lieraura de inconsisência dinâmica.

4 68 O argumeno de Romer (1993) 27, baseado no impaco de uma surpresa inflacionária sobre a axa de câmbio real, é adequado apenas para a análise de países grandes, capazes de influenciar os preços inernacionais dos bens. O modelo de Lane (1997), ambém fundamenado na eoria de inconsisência dinâmica, aplica-se a economias grandes e pequenas. Para Lane (1997), a rigidez de preços e a compeição imperfeia no seor de bens não-comercializáveis (e não o efeio sobre os ermos de roca) são os responsáveis pela relação negaiva enre inflação e aberura. Essas caracerísicas do seor de bens não-comercializáveis incenivam a Auoridade Moneária a provocar uma surpresa inflacionária para aumenar o nível de produo. Quano maior o grau de aberura comercial da economia, menor o seor de bens não-comercalizáveis e, porano, menor o incenivo a provocar um aumeno da inflação. Em sua análise empírica, ambém baseada em regressões cross-secion cuja variável dependene é a axa de inflação média, Lane (1997) enconra uma correlação negaiva enre inflação e aberura, mesmo quando inclui um conrole para o amanho do país. Terra (1998) conesa os resulados de Romer (1993), alegando que a relação negaiva enconrada enre inflação e aberura comercial deve-se basicamene ao comporameno dos países alamene endividados durane a crise da dívida da década de 80. Terra (1998) refaz os exercícios economéricos de Romer (1993) uilizando ouras sub-amosras e enconra resulados diferenes. Segundo ela, a relação negaiva enre grau de aberura comercial e inflação ocorre apenas no grupo de países classificados como alamene endividados e orna-se mais fore no período da crise da dívida ( ). Para Terra (1998), esse resulado pode ser jusificado pela relação enre dívida exerna e inflação. Para realizar o pagameno da dívida exerna, o país necessia de recursos exernos obidos por meio de superávis comerciais. Além disso, em muios países em desenvolvimeno, a dívida exerna é basicamene pública e, porano, o governo precisa axar o seor privado para ober os recursos necessários para pagar a dívida. Quano menor o grau de aberura comercial de um país, maior a desvalorização 27 Apresenado formalmene em Rogoff (1985).

5 69 cambial necessária para ober os superávis comerciais. Enreano, com a desvalorização cambial, a dívida exerna orna-se mais cara em moeda domésica e, assim, o governo precisa ober mais recursos juno ao seor privado. Se a axação do seor privado ocorre via imposo inflacionário, isso significa que o governo precisa de axas mais elevadas de inflação para pagar a dívida exerna. Romer (1998), por sua vez, rebae as conclusões de Terra (1998), por meio de rês críicas. Primeiramene, o auor observa que, mesmo no período anerior à crise, há uma relação negaiva enre aberura e inflação nos países alamene endividados, o que invalida o argumeno de Terra (1998). Além disso, de acordo com o argumeno de Terra (1998), deveria haver uma relação posiiva enre aberura e inflação quando os países esivessem conraindo a dívida (e isso não se verifica). E, por úlimo, Romer (1998) ressala que, de acordo com o argumeno de Terra (1998), os países alamene endividados produziriam superávis comerciais mais elevados para pagar suas dívidas. Enreano, na práica, isso não se verifica. 3.3.Exercícios economéricos Nessa seção, realizam-se diferenes exercícios economéricos com o inuio de invesigar se o grau de aberura comercial medido como a razão enre a soma das exporações e das imporações e o PIB afea o modo como a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno respondem a deerminados choques exernos. Analisa-se como choques na inflação exerna são repassados para a inflação domésica e como choques no nível de aividade exerno afeam o produo domésico. Mais especificamene, são examinados os efeios de choques na inflação mundial e de choques nos preços das principais commodiies sobre a inflação e de choques no PIB dos EUA na produção indusrial dos países indusrializados sobre o produo. A primeira sub-seção explica a meodologia empregada em cada exercício, enquano a segunda apresena os resulados enconrados.

6 70 Meodologia A. Veores auo-regressivos Uma possível abordagem consise em uilizar écnicas de veores auo-regressivos (VARs). 28 Sendo assim, com o objeivo de analisar a resposa da inflação e do produo a diferenes choques exernos, esimam-se quaro modelos auo-regressivos com dados anuais para cada um dos 62 países em desenvolvimeno esudados 29. Cada modelo considera uma única variável exerna. 28 Para dealhes écnicos sobre VARs, ver apêndice. 29 A Tabela 3.1 apresena os países uilizados na análise e o período amosral dos VAR esimados. O objeivo inicial era esimar odos os modelos com dados anuais para o período enre 1970 e Enreano, para muios países, não havia a disponibilidade de séries ão longas; para ouros, períodos de crise, como hiperinflação, forçaram a redução do período amosral. Além disso, a série do índice de preços das commodiies só começa em 1981.

7 71 País Período Amosral do VAR Tabela 3.1 País Período Amosral do VAR África do Sul * Madagascar * Argélia Malásia * Argenina Malaui * Bangladesh Marrocos * Bolívia * Maurício * Bosuana * México Brasil Nepal * Burkina Faso * Nicarágua Burundi * Níger Cabo Verde Nigéria * Camarões * Panamá * Chile * Papua Nova Guiné * Colômbia * Paquisão * Cosa do Marfim * Paraguai * Cosa Rica * Peru * Croácia Polônia Egio Quênia * El Salvador * República Checa Equador * República Dominicana * Eslováquia Senegal * Filipinas * Serra Leoa * Gana * Sri Lanka * Guaemala * Suriname * Haii * Tailândia * Honduras * Togo * Hungria * Trinidad e Tobago * Índia * Tunísia * Indonésia * Turquia * Jamaica * Uruguai * Jordânia * Venezuela * Lesoo Zâmbia * * O período amosral do VAR que inclui o índice de preços das commodiies começa apenas em O ese Dickey-Fuller Aumenado (ADF) rejeiou a esacionariedade das seguines séries (em logarimo neperiano): índices de preços ao consumidor de cada um dos países em desenvolvimeno, PIB ou índice de produção indusrial de cada um dos países em desenvolvimeno, índice de preços de commodiies, índice mundial de preços ao consumidor, PIB nore-americano e índice de produção indusrial dos países indusrializados. Enreano, o ese não rejeiou a esacionariedade das primeiras diferenças dessas séries. Dado que os modelos possuem apenas variáveis I(1), uilizouse o ese de Johansen para a presença de coinegração. Como essa foi rejeiada em odos os casos, os modelos foram esimados em primeira diferença.

8 72 Porano, em odos os modelos, as variáveis endógenas domésicas são a inflação (medida pela variação do índice de preços ao consumidor) e a primeira diferença do produo (medido pelo PIB ou, na indisponibilidade desse, pelo índice de produção indusrial). Já a variável exerna varia em cada um dos quaro modelos. No primeiro modelo, considera-se como variável exerna a inflação mundial (medida pela variação índice de preços ao consumidor); no segundo, a primeira diferença de um índice de preços das principais commodiies; no erceiro, a primeira diferença do PIB noreamericano; e no quaro, a primeira diferença da produção indusrial dos países indusrializados. 30 Sendo assim, a forma reduzida de cada modelo pode ser represenada do seguine modo 31 :, X = α + β1 X 1 + β 2 X β p X p + u (3) onde: X Δz Δy Δz = Δy π = variável exerna = variação do PIB domésico π = inflação domésica medida pelo índice de preços ao consumidor A parir dos coeficienes esimados na forma reduzida e das resrições imposas pela decomposição de Cholesky, é possível esimar as FRI da inflação ou da variação do produo. 32 Assim, para cada país, esima-se a resposa da inflação ou do produo a um 30 As séries foram obidas na homepage do Inernaional Financial Saisics (IFS) do Fundo Moneário Inernacional (FMI). 31 O número p de defasagens de cada modelo foi escolhido de acordo com os criérios de Akaike e/ou Schwarz. 32 O apêndice apresena os dealhes écnicos da meodologia.

9 73 choque na variável exerna (FRI). Dividem-se, enão, os 62 países em desenvolvimeno em dois grupos (Tabela 3.2), de acordo com uma medida do grau de aberura comercial médio de cada país, e enão se comparam as FRI médias do grupo de países aberos com as do grupo de países fechados. Cabe aqui uma observação quano à medida uilizada para mensurar o grau de aberura comercial dos países e, porano, para deerminar se um país é classificado como comercialmene abero ou fechado. Uma possibilidade seria uilizar a razão enre o volume de comércio exerno e o PIB como medida de grau de aberura comercial. Enreano, a classificação dos países com base nessa medida poderia sofrer de viés, dado que, por definição, países grandes são comercialmene mais fechados. Opou-se enão por consruir uma medida de grau de aberura comercial que considerasse o efeio do amanho do país. Para isso, esimou-se uma regressão cross-secion (ver equação 6) cuja variável dependene é a razão média (no período amosral) do volume de comércio exerno e a variável independene é o amanho médio (no período amosral) do país (medido pelo PIB em dólares consanes). (6) onde: ce = α + β + ε para i = 1,2,..., 62 i z i i ce i = razão média enre o volume de comércio exerno e o amanho do país i z i ε i = amanho médio do país i medido pelo PIB em dólares = erro Exporações + Imporações PIB O resíduo dessa regressão ( εˆ i ) foi inerpreado como uma medida mais apropriada do grau de aberura comercial médio de cada país e, de acordo com essa medida, selecionaram-se os dois grupos de países A Tabela 3.2 apresena os 31 países com os maiores graus de aberura comercial incluídos no grupo aberos e os 31 países com os menores graus de aberura comercial incluídos no grupo fechados. Reconhece-se que classificar os países como aberos ou fechados simplesmene pela ordenação de qualquer medida dos graus de aberura comercial é um méodo arbirário e que pode gerar imprecisões, paricularmene no caso dos países inermediários (i.e., os países com os menores graus de aberura comercial incluídos no grupo dos países aberos e os países com os maiores graus de aberura comercial incluídos no grupo dos países fechados ). Uma opção seria excluir alguns desses países inermediários

10 74 Tabela 3.2 Países "Aberos" Bosuana Filipinas Malásia Suriname Brasil Honduras Maurício Tailândia Cabo Verde Hungria México Togo Chile Índia Nicarágua Trinidad e Tobago Cosa do Marfim Indonésia Panamá Tunísia Cosa Rica Jamaica Papua Nova Guiné Turquia Croácia Jordânia República Checa Zâmbia Eslováquia Lesoo Sri Lanka Países "Fechados" África do Sul Colômbia Malaui Polônia Argélia Egio Marrocos Quênia Argenina El Salvador Nepal República Dominicana Bangladesh Equador Níger Senegal Bolívia Gana Nigéria Serra Leoa Burkina Faso Guaemala Paquisão Uruguai Burundi Haii Paraguai Venezuela Camarões Madagascar Peru B. Dados em painel Uma oura abordagem consise em rabalhar com dados de painel, em vez de analisar cada país individualmene. Nesse caso, esimam-se as seguines regressões com dados anuais para o período enre 1990 e : π = 1 + para i = 1,2,..., 62 e = 1,2,..., 18 i απ i + βξ + γg iξ + μ + ηi ε i (7) 35 Δy = α Δy 1 + βξ + γg ξ + μ + η + ε para i = 1,2,..., 62 e = 1,2,..., 18 (8) i i i i i 36 dos exercícios. Enreano, isso não resolveria a quesão da arbirariedade (quais seriam os ponos de core?) e ainda reduziria o número de países analisados. 34 Embora sejam considerados nos exercícios de painel os mesmos 62 países em desenvolvimeno analisados nos exercícios de VAR, a amosra agora é diferene. Por se raar de um painel dinâmico, a dimensão cross-secion deve ser bem maior que a dimensão emporal. Sendo assim, opou-se por rabalhar com o período amosral Traa-se, na verdade, de um painel desbalanceado. Sendo assim, nem odos os países conam com dezoio observações.

11 75 π i onde: = inflação domésica medida pelo índice de preços ao consumidor Δy i = variação do PIB domésico ξ = choque exerno g i = grau de aberura comercial do país i, medido como Exporações + Imporações PIB μ η i ε i = efeios emporais (não - observados) = efeios cross - secion (não - observados) = erro Assim como no exercício anerior, é necessário definir uma medida para o grau de aberura comercial de cada país. No caso do painel, é necessário consruir uma série (e não apenas um grau de aberura médio como no caso dos VARs) que descreva a rajeória do grau de aberura comercial de cada país ao longo dos anos. Mesmo reconhecendo-se o problema oriundo da correlação enre o amanho de um país e seu grau de aberura comercial, acredia-se que o volume de comércio exerno (em relação ao PIB) de cada país a cada ano seja a medida mais apropriada para o grau de aberura comercial. Qualquer medida residual (como a uilizada nos VARs) seria muio voláil e acrescenaria muio ruído aos painéis. Para cada choque exerno, esima-se uma regressão. Ao odo, são quaro regressões: para choques na inflação mundial e nos preços das commodiies, a inflação domésica é a variável dependene; para choques no PIB nore-americano e na produção indusrial dos países indusrializados, a variação do produo domésico é a variável dependene. Cada regressão possui como variáveis explicaivas, além do componene auoregressivo, o choque exerno e um ermo de ineração do choque exerno com o grau de aberura comercial do país, medido pela razão enre o volume de comércio exerno e o 36 Ver noa 11.

12 76 produo domésico. 37 Para cada regressão, o coeficiene γ reflee o modo como o grau de aberura comercial afea a resposa da inflação ou do produo ao choque exerno. Cabe aqui uma observação. O propósio desse capíulo é analisar os efeios sobre a inflação e o produo de deerminados choques exernos (como por exemplo, choques nos preços das commodiies). Deve-se, porano, rabalhar com as séries dos choques exernos (ou seja, com a série dos choques no índice de preços das commodiies, e não simplesmene com a série do índice de preços das commodiies). É preciso, porano, idenificar as séries de choques exernos. Como fazer isso? Como dealhado no apêndice, com a meodologia dos VAR é possível gerar as séries de choques, desde que se assumam hipóeses de idenificação (como as embuidas na decomposição de Cholesky). Sendo assim, as FRI já represenam os efeios dos choques nas variáveis exernas sobre as variáveis domésicas. No caso dos dados de painel, os choques exernos enram como variáveis explicaivas nas regressões. Logo, é necessário consruir as séries de choques exernos. Opou-se por considerar nas regressões os choques exernos obidos nos exercícios dos VAR. Ou seja, as séries de choques exernos recuperadas nos VAR enram como variáveis explicaivas nas regressões de painel. 38 Esimar 39 um modelo como (7) ou (8) apresena algumas dificuldades, em função da presença de efeios não-observados (emporais e cross-secion) e da correlação da variável dependene defasada com o erro (mesmo assumindo que os erros sejam serialmene descorrelacionados). Uma forma de lidar com os efeios emporais nãoobservados é incluir inercepos específicos para cada período. O Méodo Generalizado de Momenos para painéis dinâmicos, desenvolvido em Arellano e Bond (1991) e 37 Tesou-se a inclusão do amanho do país (medido pelo PIB em dólares consanes) como uma variável de conrole. Essa variável não se mosrou significaiva e não alerou qualquer resulado e, por isso, não foi manida nas regressões. 38 Na seção referene à análise de robusez dos resulados, uiliza-se uma oura meodologia para idenificar as séries de choques exernos. 39 O ese de raiz uniária para dados em painel de Levin, Lin e Chu rejeia a não-esacionariedade das séries de inflação, variação do produo e de odos os choques exernos esimados.

13 77 baseado na hipóese de exogeneidade seqüencial 40, lida com os demais problemas. Deve-se inicialmene aplicar a ransformação de primeira diferença na equação para remover os efeios cross-secion (não-observados). A equação em primeira diferença pode enão ser esimada com variáveis insrumenais. Uilizam-se como insrumenos defasagens dos níveis da variável dependene, das variáveis predeerminadas e das diferenças das variáveis esriamene exógenas. A consisência do esimador proposo depende da validade dos insrumenos uilizados e Arellano e Bond (1991) desenvolvem dois eses para a especificação do modelo: um ese de Sargan de resrições sobre-idenificadas e um ese de auocorrelação serial de segunda ordem nos resíduos da equação em diferenças. Sob a hipóese nula do ese de Sargan, os insrumenos não são correlacionados com os resíduos da equação em diferenças. Dado que a ausência de correlação serial de ε i é uma condição necessária para a consisência do esimador, sob a hipóese nula do segundo ese, não há auocorrelação serial de segunda ordem nos erros da equação em diferenças. Resulados Nessa sub-seção, os resulados enconrados nos exercícios economéricos são apresenados. Para faciliar a comparação dos diferenes méodos uilizados, apresenam-se primeiro os resulados referenes aos efeios sobre a inflação (separados por ipo de choque exerno) e, em seguida, os resulados referenes ao produo (ambém separados por ipo de choque). Efeios sobre a inflação A. Choques na inflação mundial 40 De acordo com a hipóese de exogeneidade seqüencial, valores passados das variáveis explicaivas não afeam os erros correnes do modelo.

14 78 Em primeiro lugar, são apresenados os resulados obidos após os VAR serem esimados e os países em desenvolvimeno agrupados de acordo com o grau de aberura comercial (medido pelo resíduo da equação (6)). Para faciliar a compreensão dos resulados, o Gráfico 3.1 exibe as resposas acumuladas médias da inflação domésica dos países aberos e fechados a um choque na inflação mundial. 41 Pode-se observar que embora haja um aumeno da inflação nos dois grupos de países, o efeio parece ser maior para os países com menor grau de aberura comercial. Inicialmene, a diferença não é ão marcane: um ano após o choque, a inflação acumulada nos países aberos é 1,09 p.p. maior e nos países fechados, 1,66 p.p. Enreano, nos anos seguines, a diferença orna-se mais acenuada. Os inervalos de confiança revelam que, a parir de rês anos após o choque, a magniude da resposa acumulada da inflação é significaivamene maior nos países mais fechados. A inflação acumulada nesses países durane os quaro anos seguines ao choque na inflação mundial é 6,57 p.p mais elevada do que na ausência do choque, ao passo que nos países com maior aberura comercial, o aumeno da inflação acumulada é bem menor, de 3,68 p.p. O que se percebe nesse caso é que o impaco inicial do choque exerno sobre a inflação domésica não difere muio enre os dois grupos de países. Os resulados indicam apenas que, nesse caso, a inércia da inflação nos países com menor grau de aberura comercial é maior, de modo que, nesses países, a inflação permanece relaivamene mais elevada ao longo dos anos. 41 O gráfico apresena ainda inervalos de confiança de um desvio-padrão consruídos pelo méodo de boosrapping (com repeições).

15 79 p.p. Gráfico Função Resposa a Impulso Resposa acumulada da inflação domésica a um choque na inflação mundial Países Fechados Países Aberos Anos Apresenam-se a seguir os resulados das regressões em painel. 42 Os coeficienes esimados nas regressões de painel, apresenados na Tabela 3.3 confirmam os resulados dos exercícios aneriores. Noa-se que um choque posiivo na inflação mundial resula em um efeio posiivo sobre a inflação domésica. Enreano, o coeficiene do ermo de ineração do choque exerno com o grau de aberura comercial é negaivo e significaivo, ou seja, esse efeio é menor quano mais abero for o país. As evidências indicam que, ceeris paribus, o efeio sobre a inflação domésica de um choque na inflação mundial será maior quano menor o grau de aberura comercial do país em desenvolvimeno. Para que se enha idéia do amanho do efeio do grau de aberura comercial, é imporane ressalar que o grau de aberura comercial é medido como a razão enre o volume do comércio exerno (soma das exporações e imporações) e o PIB e, porano, pode variar basane e omar valores elevados. Na amosra, essa variável alcança o valor máximo de 2,29 e o valor mínimo de 0,06. Isso significa que, para um mesmo choque de, por exemplo, 1 p.p na inflação mundial, em um país cujo volume de comércio fosse igual a 6% do PIB o aumeno da inflação domésica seria de 0,891 p.p (=0,967+(-1,197)*0,06). Já em um país com volume de comércio equivalene 42 Como já mencionado aneriormene, esou-se uma especificação na qual o amanho do PIB era uilizado como variável de conrole. Enreano, essa variável não se mosrou significaiva e não alerou qualquer resulado e, por isso, não foi manida nas regressões.

16 80 a 80% do PIB, o aumeno da inflação seria de apenas 0,010 p.p. (=0,967+(- 1,197)*0,80). Tabela 3.3 Variável dependene: inflação anual Méodo: Méodo Generalizado de Momenos para painéis dinâmicos Amosra: Regressor Coeficiene 1 Inflação (-1) Choque na inflação mundial 2 Grau de aberura*choque na inflação mundial 0,686 (0,000) 0,967 (0,088) -1,197 (0,000) Dummies de empo Período Coeficiene 1 Período Coeficiene , ,780 (0,738) (0,000) , ,560 (0,689) (0,000) , ,134 (0,006) (0,000) , ,578 (0,280) (0,136) , ,126 (0,001) (0,796) , ,132 (0,123) (0,688) , ,054 (0,105) (0,887) , ,375 (0,000) (0,256) , ,237 (0,000) (0,324) Sargan Tese de Especificação Auocorrelação de 2ª ordem 1 P-valor enre parêneses. 2 Série de choques exraída dos VAR. P-valor 0,232 0,706

17 81 B. Choques no índice de preços das principais commodiies Pode-se observar no Gráfico 3.2 as FRI acumuladas da inflação a um choque posiivo nos preços das principais commodiies para os países classificados como aberos e para os fechados. 43 Deve-se noar que a inflação reage de forma diferene nos dois grupos de países. Embora no primeiro ano após o choque a inflação responda de forma semelhane nos dois grupos de países, nos anos seguines, surgem diferenças. Enquano nos países aberos, o aumeno inicial da inflação é quase oalmene reverido no segundo ano após o choque, nos países fechados, há uma elevação ainda maior da inflação. Conseqüenemene, a magniude do efeio do choque nos preços das commodiies é maior nos países fechados. A inflação acumulada nos quaro anos que se passam após o choque exerno é 1,95 p.p. mais elevada nos países com menor grau de aberura comercial e apenas 0,47 p.p. mais elevada nos países comercialmene mais aberos. 43 O gráfico apresena ainda inervalos de confiança de um desvio-padrão consruídos pelo méodo de boosrapping (com simulações).

18 82 Gráfico Função Resposa a Impulso Resposa acumulada da inflação a um choque no índice de preços das commodiies p.p Países Fechados Países Aberos Anos Os resulados referenes aos dados de painel enconram-se na Tabela 3.4. Mais uma vez, as evidências indicam que a reação da inflação a um choque no preço das principais commodiies varia de acordo com o grau de aberura comercial dos países. O coeficiene esimado do choque é posiivo, enquano o coeficiene do ermo de ineração com o grau de aberura é negaivo e significaivo, indicando que, quano menor o grau de aberura, maior o aumeno da inflação em resposa ao choque. Para que se enha idéia da magniude do efeio do grau de aberura comercial, é imporane ressalar que o grau de aberura comercial é medido como a razão enre o volume do comércio exerno (soma das exporações e imporações) e o PIB e, porano, pode variar basane e omar valores elevados. Na amosra, essa variável alcança o valor máximo de 2,29 e o valor mínimo de 0,06. Isso significa que, para um mesmo choque de, por exemplo, 1 p.p nos preços das commodiies, em um país cujo volume de comércio fosse igual a 6% do PIB o aumeno da inflação domésica seria de 1,446 p.p (=1,591+(-2,287)*0,06). Já em um país com volume de comércio equivalene a 80% do PIB, haveria uma redução de 0,239 p.p. (=1,591+(-2,287)*0,80).

19 83 Tabela 3.4 Variável dependene: inflação anual Méodo: Méodo Generalizado de Momenos para painéis dinâmicos Amosra: Regressor Inflação (-1) Choque nos preços das commodiies 2 Coeficiene 1 0,648 (0,000) 1,591 (0,031) Grau de aberura*choque nos preços das commodiies -2,287 (0,009) Dummies de empo Período Coeficiene 1 Período Coeficiene , ,186 (0,002) (0,000) , ,505 (0,072) (0,009) , ,058 (0,000) (0,108) , ,892 (0,375) (0,346) , ,062 (0,000) (0,943) , ,125 (0,000) (0,889) , ,192 (0,058) (0,744) , ,466 (0,013) (0,725) , ,189 (0,002) (0,698) Tese de Especificação Sargan Auocorrelação de 2ª ordem 1 P-valor enre parêneses. 2 Série de choques exraída dos VAR. P-valor 0,341 0,679 Os exercícios realizados aé agora indicam que choques que afeam a inflação exerna (sejam choques direos na inflação mundial ou choques nos preços das commodiies) exercem um efeio maior sobre a inflação domésica de países comercialmene mais fechados. Esses resulados são conrários ao senso comum: quano

20 84 maior o grau de aberura comercial, maior o impaco de choques na inflação exerna sobre a inflação domésica, em função da maior presença de bens comercializáveis (cujos preços domésicos são influenciados pelos preços inernacionais). Enão, por que isso ocorre? A explicação pode esar relacionada aos argumenos de Romer (1993) e Lane (1997) 44, segundo os quais há uma relação negaiva enre o grau de aberura comercial e a inflação média, paricularmene em países com pouca esabilidade políica e pouca independência da Auoridade Moneária. Alega-se que, por ornar a curva de Phillips mais inclinada, a aberura comercial afea os incenivos da Auoridade Moneária para conrolar a inflação, o que reduz a probabilidade de grandes salos inflacionários. Desse modo, considerando-se os resulados dos exercícios realizados, um choque na inflação mundial ou nos preços das commodiies eria, a princípio, um impaco semelhane nos diversos países em desenvolvimeno, independenemene de seu grau de aberura. Todavia, nos países mais aberos, os cusos mais elevados de um desequilíbrio inflacionário incenivam a Auoridade Moneária a agir de modo mais conundene. Conseqüenemene, há um conrole maior da rajeória da inflação após o choque exerno. Uma jusificaiva alernaiva esá relacionada aos regimes cambiais adoados pelos países. Levy-Yeyai e Surzenegger (2001) e Calderón e Schmid-Hebbel (2008) concluem que a inflação ende a ser menor quando se adoam regimes de câmbio fixo. Isso ocorreria porque os regimes de câmbio fixo (i) disciplinariam a Auoridade Moneária e, conseqüenemene, a rajeória da inflação; e (ii) aumenariam a credibilidade da políica moneária e, por conseguine, auxiliariam no conrole das expecaivas de inflação. 44 Como já viso, o argumeno de Romer (1993) aplica-se somene a países capazes de influenciar os preços inernacionais dos bens e, porano, não pode ser uilizado para analisar economias menores. Enreano, o modelo de Lane (1997), no qual a rigidez dos preços e a compeição imperfeia no seor de não-comercializáveis jusificam a relação inversa enre aberura e inflação, pode ser aplicado inclusive no caso de pequenos países.

21 85 Efeios sobre o produo A. Choques no PIB dos EUA Pode-se observar no Gráfico 3.3 as FRI acumuladas da variação do produo a um choque no PIB nore-americano para os países classificados como aberos e para os fechados. 45 Os resulados são muio semelhanes nos dois grupos de países: um choque posiivo no produo dos EUA provoca uma elevação da variação do produo, resulado condizene com o desacado papel da economia nore-americana no cenário mundial. No primeiro ano após o choque, há uma elevação de 0,86 p.p. na variação do produo nos países aberos e uma elevação de 0,37 p.p. nos países considerados fechados. A parir do segundo ano, os efeios acumulados ornam-se ainda mais próximos nos dois grupos de países. Sendo assim, a resposa acumulada da variação do produo é 1,06 p.p. (1,22p.p.) mais elevada no caso dos países aberos ( fechados ) após dois anos e 1,26 p.p. (1,51 p.p.). mais elevada após quaro anos. 45 Também nesse caso foram consruídos inervalos de confiança pelo méodo de boosrapping. Enreano, como os inervalos de confiança apenas confirmaram que de fao não há diferença significaiva enre os dois grupos de países, opou-se por não apresená-los para faciliar a visualização do gráfico.

22 86 p.p. Gráfico Função Resposa a Impulso Resposa acumulada da variação do produo a um choque no PIB dos EUA 1,6 1,4 1,35 1,51 1,2 1,22 1,26 1,0 Países Aberos 0,86 1,06 1,19 0,8 0,6 0,4 0,37 Países Fechados 0,2 0, Anos Na Tabela 3.5, enconram-se os resulados da regressão esimada com os dados de painel. Observa-se que um choque posiivo no produo dos EUA em em um efeio posiivo na variação do produo domésico em e que esse efeio independe do grau de aberura comercial (o coeficiene do ermo de ineração não é significaivo). Ou seja, mais uma vez, há evidência de que o produo domésico reage de forma similar a choques no PIB nore-americano, independenemene do quão comercialmene abero seja o país em desenvolvimeno.

23 87 Tabela 3.5 Variável dependene: variação anual do PIB Méodo: Méodo Generalizado de Momenos para painéis dinâmicos Amosra: Regressor Variação anual do PIB (-1) Choque no PIB dos EUA 2 Coeficiene 1 0,185 (0,000) 0,608 (0,006) Grau de aberura*choque no PIB dos EUA 1,223 (0,269) Dummies de empo Período Coeficiene 1 Período Coeficiene , ,496 (0,076) (0,298) , ,250 (0,027) (0,020) , ,351 (0,016) (0,170) , ,599 (0,037) (0,008) , ,373 (0,165) (0,001) , ,485 (0,055) (0,289) , ,655 (0,255) (0,106) , ,981 (0,020) (0,000) , ,785 (0,268) (0,393) Tese de Especificação Sargan Auocorrelação de 2ª ordem 1 P-valor enre parêneses. 2 Série de choques exraída dos VAR. P-valor 0,498 0,925

24 88 B. Choques na produção indusrial dos países indusrializados O Gráfico 3.4 exibe as FRI acumuladas da variação do produo domésica dos países aberos e fechados a um choque na produção indusrial dos países indusrializados. 46 Nos dois grupos de países, o efeio em o sinal esperado: um choque posiivo na produção indusrial dos países indusrializados resula em uma elevação da variação do produo domésico. O efeio acumulado permanece elevado ao longo dos quaro anos. Mais uma vez, o grau de aberura comercial não parece afear a resposa do produo: ao final de quaro anos, a variação acumulada do produo sobe aproximadamene 1 p.p. nos dois grupos de países. p.p. Gráfico Função Resposa a Impulso Resposa acumulada da variação do produo a um choque na produção indusrial dos países indusrializados Países Aberos Países Fechados Anos Na Tabela 3.6, enconram-se os resulados da regressão de painel esimada com os choques exraídos dos VAR. Observa-se que um choque em na produção indusrial dos países indusrializados em um efeio posiivo na variação do produo dos países em desenvolvimeno em, mas a resposa do produo não parece depender do grau de aberura comercial dos países. 46 Também nesse caso foram consruídos inervalos de confiança pelo méodo de boosrapping. Enreano, como os inervalos de confiança apenas confirmaram que de fao não há diferença significaiva enre os dois grupos de países, opou-se por não apresená-los para faciliar a visualização do gráfico.

25 89 Tabela 3.6 Variável dependene: variação anual do PIB Méodo: Méodo Generalizado de Momenos para painéis dinâmicos Amosra: Regressor Variação anual do PIB (-1) Coeficiene 1 0,187 (0,000) Choque na prod. ind. dos países indusrializados 2 0,646 (0,003) Grau de aberura*choque na prod. ind. dos países indusrializados -0,330 (0,789) Dummies de empo Período Coeficiene 1 Período Coeficiene , ,729 (0,335) (0,146) , ,689 (0,838) (0,117) , ,081 (0,878) (0,955) , ,882 (0,452) (0,127) , ,138 (0,804) (0,000) , ,182 (0,847) (0,644) , ,021 (0,244) (0,940) , ,579 (0,303) (0,228) , ,305 (0,756) (0,112) Tese de Especificação Sargan Auocorrelação de 2ª ordem 1 P-valor enre parêneses. 2 Série de choques exraída dos VAR. P-valor 0,427 0,779 Porano, no que diz respeio aos efeios de choques sobre o produo exerno (dos EUA ou dos países indusrializados) sobre o produo domésico dos países em desenvolvimeno, os resulados indicam que o grau de aberura comercial não é uma

26 90 variável relevane. O grau de aberura não parece afear a resposa do produo a esses choques exernos. Mais uma vez, os resulados não corroboram o senso comum, segundo o qual o impaco de choques no nível de aividade exerno sobre o produo domésico deveria ser maior em países comercialmene mais aberos. Assim como no caso da inflação, pode-se quesionar se os regimes cambiais dos países esão inerferindo nos resulados. Será que, como desacado inicialmene por Friedman (1953), em um regime de câmbio fixo, a axa de câmbio nominal pode absorver pare dos choques reais exernos e, assim, reduzir seu efeio sobre o produo domésico? Na próxima seção, exercícios adicionais esam essa hipóese. 3.4.Análise de robusez Nessa seção, realizam-se alguns exercícios adicionais com o propósio de analisar o quão robusos são os resulados inicialmene enconrados. Na primeira sub-seção, são apresenados os exercícios alernaivos proposos e, na segunda, os resulados enconrados. Na erceira sub-seção, analisa-se se é possível jusificar os resulados referenes ao comporameno da inflação com base na condua da políica moneária. Já na quara sub-seção, esuda-se se os regimes cambiais adoados pelos países inerferem nos resulados. Meodologia A. Veores auo-regressivos Para cada um dos 62 países em desenvolvimeno esudados, já foram esimados quaro modelos VAR (com dados anuais). Cada modelo VAR considera uma única variável exerna (a inflação mundial, a variação dos preços das principais commodiies, a variação do PIB nore-americano ou da produção indusrial dos países indusrializados), a variação do produo domésico e a inflação domésica. Como dealhado no apêndice, a parir dos coeficienes esimados na forma reduzida do VAR e das resrições imposas pela decomposição de Cholesky, é possível esimar as FRI da

27 91 inflação ou da variação do produo. Assim, para cada país, esima-se a resposa da inflação ou do produo a um choque na variável exerna (FRI). Uma oura forma de invesigar a relação enre a aberura comercial de cada país e a resposa da inflação e do produo aos choques exernos é esimando regressões crosssecion que relacionem as FRI acumuladas esimadas e o grau de aberura comercial dos países 47 (as denominadas regressões de segundo eságio ). Porano, para cada choque exerno, rodam-se quaro regressões com o objeivo de analisar o comporameno da inflação ou do produo. Para os choques na inflação mundial e nos preços das commodiies, as equações êm como variável dependene a resposa acumulada esimada da inflação em cada país um, dois, rês ou quaro anos após o choque exerno e como variáveis explicaivas uma consane e o grau de aberura comercial médio de cada país. x Efπ it Efπ = γ + δg + ε para i = 1,2,..., 62 e T = 1,2,.., 4 (9) onde: x it i i = resposa acumulada esimada da inflação do país i T anos após o choque exerno x g i ε i = grau de aberura comercial médio do país i = erro Do mesmo modo, para os choques no produo dos EUA e no produo dos países indusrializados, as equações êm como variável dependene a resposa acumulada esimada da variação do produo em cada país um, dois, rês ou quaro anos após o choque exerno e como variáveis explicaivas uma consane e o grau de aberura comercial médio de cada país. 47 O grau de aberura comercial médio de cada país é represenado pelo resíduo da equação (6).

28 92 EfΔ γ + ε para i = 1,2,..., 62 e T = 1,2,.., 4 (10) x y it = + δg i i onde: EfΔy x it = resposa acumulada esimada do produo do país i T anos após o choque exerno x g i ε i = grau de aberura comercial médio do país i = erro Nesse exercício, o coeficiene δ mede o impaco do grau de aberura comercial sobre a resposa da inflação ou do produo domésicos a cada um dos choques exernos. Um coeficiene significaivo indica que a resposa da inflação ou do produo varia em função do grau de aberura comercial do país. Enreano, como a variável dependene de cada regressão resula de um exercício anerior, é preciso considerar que a incereza presene no primeiro eságio (i.e., nos VAR) invalida os erros-padrão e as esaísicas- das regressões de segundo eságio. Para solucionar essa quesão, calculam-se, pelo méodo de boosrapping 48, inervalos de confiança para as FRI, a parir dos quais se calcula a disribuição empírica do coeficiene de cada uma das regressões de segundo eságio. Com a disribuição empírica, é possível aferir a significância do coeficiene. B. Dados em painel Um ouro modo de enar corroborar os resulados enconrados consise em rabalhar novamene com dados de painel. Nesse caso, esimam-se regressões semelhanes as já esimadas: 48 Realizando-se 1000 simulações.

29 93 (11) π = 1 + para i = 1,2,..., 62 e = 1,2,..., 18 i απ i + βξ + γg iξ + μ + ηi ε i 49 Δy = α Δy 1 + βξ + γg ξ + μ + η + ε para i = 1,2,..., 62 e = 1,2,..., 18 i i i i i 50 (12) π i onde: = inflação domésica medida pelo índice de preços ao consumidor Δy i = variação do PIB domésico ξ g i μ η i ε i = choque exerno = grau de aberura comercial do país i = efeios emporais (não - observados) = efeios cross - secion (não - observados) = erro Como já explicado, para cada choque exerno, esima-se uma regressão. A variável dependene é a inflação domésica ou a variação do produo domésico. Cada regressão possui como variáveis explicaivas, além do componene auo-regressivo, o choque exerno e um ermo de ineração do choque exerno com o grau de aberura comercial do país. O ineresse esá no coeficiene γ, que reflee a influência do grau de aberura comercial sobre a resposa da inflação ou do produo ao choque exerno. O que diferencia essas regressões das aneriormene esimadas são as séries de choques exernos. Já foi mencionado que, para que se analisem correamene as resposas das variáveis domésicas aos choques exernos, é necessário consruir as séries 49 e 50 Traa-se, na verdade, de um painel desbalanceado. Sendo assim, nem odos os países conam com dezoio observações.

30 94 de choques. Ou seja, é imporane que se rabalhe, por exemplo, com a série dos choques na inflação mundial, e não simplesmene com a série da inflação mundial. É preciso, porano, idenificar as séries de choques exernos. Nos primeiros exercícios, foram uilizadas as séries de choques exraídas dos VAR. Aqui, adoa-se uma abordagem alernaiva, que consise em esimar equações auoregressivas univariadas. Ou seja, a parir dos dados da variação do índice mundial de preços ao consumidor, esima-se uma série que de fao reflia apenas os choques na inflação mundial. O mesmo vale para a variação do índice de preços das commodiies, a variação do produo dos EUA e a variação da produção indusrial dos países indusrializados. Sendo assim, anes de esimar as regressões de painel, esimam-se as seguines regressões ime series 51 : x = 0 + τ 1x 1 + τ 2 x τ p x p τ + φ (13) onde x é a variável exerna, série de erros. τ,..., 0, τ 1 τ p são os coeficienes a serem esimados e φ é a Os resíduos esimados a parir de cada regressão são enão considerados os verdadeiros choques exernos, os quais enram como variáveis explicaivas nas regressões de painel. Resulados Efeios sobre a inflação A. Choques na inflação mundial 51 O número p de defasagens de cada equação foi escolhido de acordo com os criérios de Akaike e/ou Schwarz.

31 95 Apresenam-se primeiramene os resulados das regressões cross-secion. Os resulados das regressões das resposas acumuladas da inflação a um choque na inflação mundial (após um e dois, rês e quaro anos) no grau de aberura comercial dos países enconram-se nas Tabelas 3.7 a Além do valor esimado do coeficiene, apresenam-se o 5º e o 95º percenis da disribuição empírica do coeficiene. O grau de aberura comercial não parece ser relevane para explicar a resposa acumulada da inflação no primeiro ano após o choque, mas é significane a parir do segundo ano. Esses resulados reforçam as conclusões do exercício anerior de que, após um choque na inflação mundial, a inflação domésica reage inicialmene de forma similar nos países analisados, independenemene do grau de aberura comercial. Enreano, a médio prazo, a magniude do efeio inflacionário diminui com o grau de aberura. Regressor Tabela 3.7 Variável dependene: resposa da inflação um ano após um choque na inflação mundial Méodo: OLS Número de observações: 68 Coeficiene 1 Consane 1,373 (1,058 1,976) Grau de aberura comercial -1,165 (-2,913 1,066) R 2 0,053 R 2 ajusado 0, º e 95º percenis da disribuição empírica enre parêneses.

32 96 Tabela 3.8 Variável dependene: resposa acumulada da inflação dois anos após um choque na inflação mundial Méodo: OLS Número de observações: 68 Regressor Coeficiene 1 Consane 2,859 (1,862 4,939) Grau de aberura comercial -2,569 (-7,072-1,859) R 2 0,092 R 2 ajusado 0, º e 95º percenis da disribuição empírica enre parêneses. Tabela 3.9 Variável dependene: resposa acumulada da inflação rês anos após um choque na inflação mundial Méodo: OLS Número de observações: 68 Regressor Coeficiene 1 Consane 4,119 (3,168 5,042) Grau de aberura comercial -4,072 (-7,105-1,394) R 2 0,105 R 2 ajusado 0, º e 95º percenis da disribuição empírica enre parêneses. Tabela 3.10 Variável dependene: resposa acumulada da inflação quaro anos após um choque na inflação mundial Méodo: OLS Número de observações: 68 Regressor Coeficiene 1 Consane 5,127 (3,237 7,007) Grau de aberura comercial -5,670 (-6,793-2,033) R 2 0,115 R 2 ajusado 0, º e 95º percenis da disribuição empírica enre parêneses. A Tabela 3.11 apresena os resulados da regressão de painel. Noa-se que, mais uma vez, um choque posiivo na inflação mundial resula em um aumeno da inflação domésica. Enreano, o coeficiene do ermo de ineração do choque exerno com o

33 97 grau de aberura comercial é negaivo e significaivo, ou seja, esse efeio é menor quano mais abero for o país. As evidências indicam que a magniude da resposa da inflação domésica a um choque na inflação mundial esá negaivamene relacionada com o grau de aberura comercial. Nesse caso, os resulados são basane robusos. Os quaro exercícios realizados resulam na mesma conclusão: a resposa da inflação domésica a choques na inflação mundial parece ser de maior magniude para países comercialmene mais fechados. Além disso, os VAR parecem indicar que a diferença na resposa da inflação orna-se ainda maior a médio prazo.

34 98 Tabela 3.11 Variável dependene: inflação anual Méodo: Méodo Generalizado de Momenos para painéis dinâmicos Amosra: Regressor Inflação (-1) Choque na inflação mundial 2 Grau de aberura*choque na inflação mundial Coeficiene 1 0,618 (0,000) 0,758 (0,014) -0,380 (0,000) Dummies de empo Período Coeficiene 1 Período Coeficiene , ,935 (0,202) (0,000) , ,072 (0,165) (0,006) , ,290 (0,006) (0,000) , ,661 (0,234) (0,083) , ,163 (0,424) (0,759) , ,265 (0,322) (0,462) , ,037 (0,002) (0,908) , ,102 (0,001) (0,721) , ,505 (0,082) (0,013) Sargan Tese de Especificação Auocorrelação de 2ª ordem 1 P-valor enre parêneses. 2 Série de choques exraída do modelo univariado. P-valor 0,286 0,695 B. Choques no índice de preços das principais commodiies As Tabelas 3.12 a 3.15 apresenam os resulados das regressões de segundo eságio. Assim como no caso de um choque na inflação mundial, considerando-se um choque no preço das commodiies, o grau de aberura comercial não é significane para a resposa da inflação um ano após o choque. Todavia, o grau de aberura é significane para a

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 Geovana Lorena Berussi (UnB) Lízia de Figueiredo (UFMG) Julho 2010 RESUMO Nesse arigo, invesigamos qual

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DO DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ESTIMAÇÕES DAS ELASTICIDADES DAS FUNÇÕES DA

Leia mais

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR)

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) Edilean Kleber da Silva Douorando em Economia Aplicada pela UFRGS Rua Duque de Caxias, 1515, apo. 402.

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

Multicointegração e políticas fiscais: uma avaliação de sustentabilidade fiscal para América Latina

Multicointegração e políticas fiscais: uma avaliação de sustentabilidade fiscal para América Latina IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Mulicoinegração e políicas fiscais: uma avaliação de susenabilidade fiscal para América Laina Luís Anônio Sleimann Berussi

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil*

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 303-345, DEZ. 2008 303 Esruura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* SAMER SHOUSHA** RESUMO Exise uma relação muio próxima enre

Leia mais

POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR

POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR Osvaldo Cândido da Silva Filho Bacharel em Economia pela UFPB Mesre em Economia pela UFPB Douorando em Economia pelo PPGE UFRGS

Leia mais

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO VIVIANE SEDA BITTENCOURT (IBRE/FGV) E ANDREI GOMES SIMONASSI (CAEN/UFC) RESUMO O rabalho avalia a dinâmica

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Ozawa Gioielli Sabrina P.; Gledson de Carvalho, Anônio; Oliveira Sampaio, Joelson Capial de risco

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS Naal/RN COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS André Assis de Salles Escola Poliécnica - Universidade Federal do Rio de Janeiro Cenro de Tecnologia Bloco F sala

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico*

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico* Arigos Abordagem ineremporal da cona correne: inroduzindo câmbio e juros no modelo básico* Nelson da Silva Joaquim Pino de Andrade Resumo O modelo padrão da abordagem ineremporal da cona correne assume

Leia mais

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças Área de Ineresse: Área 3 Macroeconomia, Economia Moneária e Finanças Tíulo: NOVO CONSENSO MACROECONÔMICO E REGRAS DE CONDUTA: O PAPEL DA ROTATIVIDADE DOS DIRETORES DO COMITÊ DE POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Análise da Interdependência Temporal dos Preços nos Mercados de Cria Recria e Engorda de Bovinos no Brasil

Análise da Interdependência Temporal dos Preços nos Mercados de Cria Recria e Engorda de Bovinos no Brasil "Conhecimenos para Agriculura do Fuuro" ANÁLISE DA INTERDEPENDÊNCIA TEMPORAL DOS PREÇOS NOS MERCADOS DE CRIA RECRIA E ENGORDA DE BOVINOS NO BRASIL HENRIQUE LIBOREIRO COTTA () ; WAGNER MOURA LAMOUNIER (2)..UNIVERSIDADE

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO Thamirys Figueredo Evangelisa 1 Eliane Crisina de Araújo Sbardellai

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi Insper Insiuo de Ensino e Pesquisa Programa de Mesrado Profissional em Economia Bruno Russi ANÁLISE DA ALOCAÇÃO ESTRATÉGICA DE LONGO PRAZO EM ATIVOS BRASILEIROS São Paulo 200 Bruno Russi Análise da alocação

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DA SÉRIE DE PREÇOS DO SUÍNO NO ESTADO DO PARANÁ, 1994 A 2007

ANÁLISE ESTRUTURAL DA SÉRIE DE PREÇOS DO SUÍNO NO ESTADO DO PARANÁ, 1994 A 2007 ANÁLISE ESTRUTURAL DA SÉRIE DE PREÇOS DO SUÍNO NO ESTADO DO PARANÁ, 994 A 7 ALAN FIGUEIREDO DE ARÊDES; MATHEUS WEMERSON GOMES PEREIRA; MAURINHO LUIZ DOS SANTOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA -

Leia mais

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil O impaco de requerimenos de capial na ofera de crédio bancário no Brasil Denis Blum Rais e Silva Tendências Márcio I. Nakane Depep II Seminário Anual sobre Riscos, Esabilidade Financeira e Economia Bancária

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

Integração dos Preços ao Produtor e Preços da Bolsa de

Integração dos Preços ao Produtor e Preços da Bolsa de Inegração dos Preços ao Produor e Preços da Bolsa de DÊNIS ANTÔNIO DA CUNHA (1) ; MIRELLE CRISTINA DE ABREU QUINTELA (2) ; MARÍLIA MACIEL GOMES (3) ; JOSÉ LUÍZ DOS SANTOS RUFINO (4). 1,2,3.UFV, VIÇOSA,

Leia mais

O Investimento Brasileiro Direto no Exterior segue Uppsala? Uma Análise Econométrica

O Investimento Brasileiro Direto no Exterior segue Uppsala? Uma Análise Econométrica 1 O Invesimeno Brasileiro Direo no Exerior segue Uppsala? Uma Análise Economérica RESUMO Ese rabalho procura modelar o processo gerador da série de empo do invesimeno brasileiro direo no exerior, de forma

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO

SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1 TESTES DE SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA PÚBLICA BASEADOS NA RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA INTERTEMPORAL DO GOVERNO...5

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

ANÁLISE DA VOLATILIDADE DOS MERCADOS BRASILEIROS DE RENDA FIXA E RENDA VARIÁVEL NO PERÍODO 1986-2006

ANÁLISE DA VOLATILIDADE DOS MERCADOS BRASILEIROS DE RENDA FIXA E RENDA VARIÁVEL NO PERÍODO 1986-2006 ANÁLISE DA VOLATILIDADE DOS MERCADOS BRASILEIROS DE RENDA FIXA E RENDA VARIÁVEL NO PERÍODO 1986-006 RESUMO: Nara Rosei UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Mauricio Ribeiro do Valle UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Jorge

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

Análise quantitativa da volatilidade entre os índices Dow Jones, IBovespa e S&P 500

Análise quantitativa da volatilidade entre os índices Dow Jones, IBovespa e S&P 500 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Programa de Pós-Graduação em Economia Análise quaniaiva da volailidade enre os índices Dow Jones, IBovespa e S&P 500 Daniel Cosa

Leia mais

INVESTIMENTO E OS LIMITES DA ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO RESUMO

INVESTIMENTO E OS LIMITES DA ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO RESUMO INVESIMENO E OS LIMIES DA ACELERAÇÃO DO CRESCIMENO RESUMO Chrisiano Penna CAEN / UFC Fabrício Linhares CAEN / UFC Ivan Caselar CAEN / UFC Nese rabalho consaa-se a evidência de uma relação não linear enre

Leia mais

ACORDOS TBT E SPS E COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA: RETALIAÇÃO OU COOPERAÇÃO? 1

ACORDOS TBT E SPS E COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA: RETALIAÇÃO OU COOPERAÇÃO? 1 ACORDOS TBT E SPS E COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA: RETALIAÇÃO OU COOPERAÇÃO? fernanda.almeida@ufv.br APRESENTACAO ORAL-Comércio Inernacional FERNANDA MARIA DE ALMEIDA; WILSON DA CRUZ VIEIRA; ORLANDO

Leia mais

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro Governança Corporaiva, Risco Operacional e Comporameno e Esruura a Termo da Volailidade no Mercado de Capiais Brasileiro Auoria: Pablo Rogers, Cláudio Anônio Pinheiro Machado Filho, José Robero Securao

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise 4 O Papel das Reservas no Cuso da Crise Nese capíulo buscamos analisar empiricamene o papel das reservas em miigar o cuso da crise uma vez que esa ocorre. Acrediamos que o produo seja a variável ideal

Leia mais

3 Processos Estocásticos e Aplicações em Projetos na Indústria Siderúrgica

3 Processos Estocásticos e Aplicações em Projetos na Indústria Siderúrgica 3 Processos Esocásicos e Aplicações em Projeos na Indúsria Siderúrgica 3.1 Inrodução As decisões de invesimeno ano em ações e derivaivos financeiros, como em projeos corporaivos, são afeadas por incerezas

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Medidas de Desempenho: Um Estudo sobre a Importância do Lucro Contábil e do Fluxo de Caixa das Operações no Mercado de Capitais Brasileiro

Medidas de Desempenho: Um Estudo sobre a Importância do Lucro Contábil e do Fluxo de Caixa das Operações no Mercado de Capitais Brasileiro Medidas de Desempenho: Um Esudo sobre a Imporância do Lucro Conábil e do Fluxo de Caixa das Operações no Mercado de Capiais Brasileiro Auoria: Moisés Ferreira da Cunha, Paulo Robero Barbosa Lusosa Resumo:

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

POLÍTICA FISCAL ATRAVÉS DO CICLO E OPERAÇÃO DOS ESTABILIZADORES FISCAIS

POLÍTICA FISCAL ATRAVÉS DO CICLO E OPERAÇÃO DOS ESTABILIZADORES FISCAIS POLÍTICA FISCAL ATRAVÉS DO CICLO E OPERAÇÃO DOS ESTABILIZADORES FISCAIS Fabiana Rocha FEA/USP e CEPESP Resumo : O objeivo dese arigo é analisar a relação enre ciclo econômico e finanças públicas no Brasil.

Leia mais

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil Variabilidade e pass-hrough da axa de câmbio: o caso do Brasil André Minella Banco Cenral do Brasil VI Seminário de Meas para a Inflação Agoso 005 Disclaimer: Esa apresenação é de responsabilidade do auor,

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo 0 INTRODUÇÃO A queda do sisema de Breom Woods e, poseriormene, a ausência de uma relação esreia enre moeda e renda, dada pela insabilidade da velocidade de circulação da moeda, inciou o desenvolvimeno

Leia mais

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO Área 5 - Crescimeno, Desenvolvimeno Econômico e Insiuições Classificação

Leia mais

TAXA DE CÂMBIO, RENDA MUNDIAL E EXPORTAÇÕES DE CALÇADOS: UM ESTUDO PARA ECONOMIA CEARENSE

TAXA DE CÂMBIO, RENDA MUNDIAL E EXPORTAÇÕES DE CALÇADOS: UM ESTUDO PARA ECONOMIA CEARENSE TAXA DE CÂMBIO, RENDA MUNDIAL E EXPORTAÇÕES DE CALÇADOS: UM ESTUDO PARA ECONOMIA CEARENSE José freire Júnior Insiuo de Pesquisa e Esraégia Econômica do Ceará jose.freire@ipece.ce.gov.br fone: (85) 30.35

Leia mais

Série Textos para Discussão

Série Textos para Discussão Universidade Federal do Rio de J a neiro Insiuo de Economia Teses de Racionalidade para Loerias no Brasil TD. 010/2004 Marcelo Resende Marcos A. M. Lima Série Texos para Discussão Teses de Racionalidade

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

ISSN 1518-3548. Trabalhos para Discussão

ISSN 1518-3548. Trabalhos para Discussão ISSN 1518-3548 Trabalhos para Discussão Diferenças e Semelhanças enre Países da América Laina: Uma Análise de Markov Swiching para os Ciclos Econômicos de Brasil e Argenina Arnildo da Silva Correa Ouubro/2003

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo A Guerra enre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo Auoria: Anonio Zorao Sanvicene, Rogério da Cosa Moneiro Resumo: Uilizando, pela primeira vez em nosso

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Testando as Previsões de Trade-off e Pecking Order sobre Dividendos e Dívida no Brasil

Testando as Previsões de Trade-off e Pecking Order sobre Dividendos e Dívida no Brasil Tesando as Previsões de Trade-off e Pecking Order sobre Dividendos e Dívida no Brasil Júlio Cesar G. da Silva Ricardo D. Brio Faculdades Ibmec/RJ Ibmec São Paulo RESUMO Ese rabalho mosra que as companhias

Leia mais

INTERFERÊNCIA DOS MERCADOS EXTERNOS SOBRE O IBOVESPA: UMA ANÁLISE UTILIZANDO AUTOREGRESSÃO VETORIAL ESTRUTURAL

INTERFERÊNCIA DOS MERCADOS EXTERNOS SOBRE O IBOVESPA: UMA ANÁLISE UTILIZANDO AUTOREGRESSÃO VETORIAL ESTRUTURAL ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS INTERFERÊNCIA DOS MERCADOS EXTERNOS SOBRE O IBOVESPA: UMA ANÁLISE UTILIZANDO AUTOREGRESSÃO VETORIAL ESTRUTURAL AUTORES LUIZ EDUARDO GAIO Universidade Federal de Lavras lugaio@yahoo.com.br

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL DENILSON ALENCASTRO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL DENILSON ALENCASTRO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DENILSON ALENCASTRO ANÁLISE EMPÍRICA DO

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

Contratos Futuros e o Ibovespa: Um Estudo Empregando Procedimento de Auto- Regressão Vetorial Estutural. Autoria: Gustavo de Souza Grôppo

Contratos Futuros e o Ibovespa: Um Estudo Empregando Procedimento de Auto- Regressão Vetorial Estutural. Autoria: Gustavo de Souza Grôppo Conraos Fuuros e o Ibovespa: Um Esudo Empregando Procedimeno de Auo- Regressão Veorial Esuural. Auoria: Gusavo de Souza Grôppo Resumo: Ese esudo em como objeivo principal verificar a relação enre conraos

Leia mais

Ivone Gonçalves Luiz FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS

Ivone Gonçalves Luiz FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE RESULTADOS NO RETORNO ANORMAL: ESTUDO EMPÍRICO DOS RESULTADOS DAS EMPRESAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO - BOVESPA Ivone Gonçalves Luiz FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil Marcello da Cunha Sanos Dívida pública e coordenação de políicas econômicas no Brasil Belo Horizone, MG Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno Regional Faculdade de Ciências Econômicas UFMG 4 Marcello da

Leia mais

Autoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Costa

Autoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Costa Qualidade de Accruals e Persisência dos Lucros em Firmas Brasileiras Lisadas na Bovespa Auoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Cosa Resumo Ese arigo objeiva invesigar a relação enre a qualidade

Leia mais

Relação entre os preços dos mercados futuro e físico da soja: evidências para o mercado brasileiro

Relação entre os preços dos mercados futuro e físico da soja: evidências para o mercado brasileiro Quesões Agrárias, Educação no Campo e Desenvolvimeno RELAÇÃO ENTRE OS PREÇOS DOS MERCADOS FUTURO E FÍSICO DA SOJA: EVIDÊNCIAS PARA O MERCADO BRASILEIRO FLÁVIA ALEXANDRE COSTA; KARLIN SAORI ISHII; JOAO

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2 Transmissão de preços enre o produor e varejo: evidências empíricas para o seor de carne bovina em Goiás Resumo: A economia goiana vem se desacado no conexo nacional. Seu PIB aingiu R$ 75 bilhões no ano

Leia mais