UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA."

Transcrição

1 UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria Resumo: Um bom nível de crescimeno econômico de um país é o resulado do aumeno de agregados produivos macroeconômicos. O invesimeno agregado privado é um dos principais componenes e gerador dese crescimeno, sendo considerado, ambém, gerador do crescimeno de longo prazo de uma economia. Em visa disso, o objeivo dese rabalho foi o de verificar se as eorias a cerca dos faores que afeam o nível de invesimeno privado aplicam-se para o Brasil. Para ano, buscou-se invesigar a relação exisene enre a Formação Brua de Capial Fixo e algumas variáveis macroeconômicas, a saber: o Produo Inerno Bruo (PIB) e a Taxa Real de Juros. Foi feia uma análise de regressão múlipla aplicando-se o ese de raiz uniária, o ese de co-inegração e o mecanismo de correção de erro. As variáveis aqui mencionadas foram obidas na base de dados do IPEADATA. Os resulados obidos foram os esperados, demonsrando que a axa real de juros possui uma relação inversa com o invesimeno privado. Além disso, os aumenos na Formação Brua de Capial Fixo são influenciados pelo bom crescimeno do PIB. Sendo assim, políicas expansionisas, ano fiscal, quano moneária, aumenam o nível de invesimenos das empresas, ano no curo, como no longo prazo. Palavras chave: Invesimeno Privado. Taxa real de juros. PIB. 1. INTRODUÇÃO Um bom nível de crescimeno econômico de um país é o resulado do aumeno de agregados produivos macroeconômicos. Assim, faores produivos como mão-de-obra, capial e ecnologia esimulam a acumulação de riqueza, gerando empregos e bem-esar para deerminada população. No Brasil, a riqueza do país é medida pelo PIB (Produo Inerno Bruo), que é a soma de odos os bens e serviços produzidos em cero período de empo. Logo, para que haja crescimeno econômico, é necessário que se enha um aumeno da performance da produividade de seus faores. O invesimeno agregado privado é um dos principais componenes e gerador dese crescimeno, sendo considerado, ambém, gerador do crescimeno de longo prazo de uma economia.

2 Além disso, o invesimeno privado é conceiuado como o gaso desinado ao aumeno ou à manuenção do esoque de capial e, segundo a eoria de Keynes, a decisão de invesir para um empresário, leva em cona o oimismo e/ou o pessimismo quano às expecaivas fuuras [(DORNBUSCH e FISCHER, 1991); (SACHS e LARRAIN, 2000); (BACHA e LIMA, 2007)]. As decisões de invesir de um empresário é uma quesão esudada por vários pensadores econômicos, os quais acrediam que esas decisões esão permeadas de incerezas. Na eoria keynesiana, o invesimeno esá ligado às expecaivas fuuras e, como uma aproximação dessas expecaivas, a decisão de invesir esá em função da eficiência marginal do capial. Nese caso, o empresário compararia a eficiência marginal do capial com os juros resulanes de emprésimos obidos juno ao mercado financeiro. Quano maior a eficiência marginal do capial, em comparação aos juros, ano maior é a propensão a invesir em máquinas e equipamenos. Segundo a eoria neoclássica, o invesimeno esá em função, ano da produção esperada que se associa ao nível de vendas - quano do cuso de oporunidade da aquisição do capial - que é comparado com a axa de juros. Assim, quano menor a axa de juros, mais araene será o invesimeno em máquinas e equipamenos, já que o cuso do emprésimo necessário para realizar o invesimeno orna-se mais barao. Já a elevação do nível de vendas orna as expecaivas com relação às vendas fuuras posiivas, elevando, assim, o invesimeno realizado no momeno presene (BLANCHARD, 2007). No Brasil, hisoricamene, os níveis de invesimenos são acenuados. Nos úlimos anos a evolução posiiva, principalmene em Formação Brua de Capial Fixo (FBCF), fez com que o invesimeno agregado acompanhasse o crescimeno do Produo Inerno Bruo (PIB) e conribuísse para o crescimeno econômico do país. Enre 1900 aé 1950, os invesimenos em FBCF não acompanharam e não iveram grandes paricipações na produção agregada, como o viso nos períodos auais, pelo fao de que, a indusrialização e a implanação de novas ecnologias eram mínimas, obrigando a aquisição de maquinários imporados o que dificulava e encarecia o aumeno do parque produivo do país (MACHADO, 2007). Enre 1951 e 1980, o invesimeno privado acompanhou o crescimeno econômico e ambém populacional do Brasil. Iso se deve à indusrialização e implanação de políicas esruurais por pare do seor público, o que incenivou os invesidores. A década de 1980, ambém chamada de década perdida, foi marcada pela queda dos invesimenos, ano por pare do seor privado, quano por pare do seor público. Também foi nese período que houve aumenos das axas inflacionárias do país e o que levou os governanes a adoarem

3 medidas políicas de conração da demanda, provocando uma fuga dos invesidores, que não inham cereza quano ao fuuro. Nos anos de 1990, as mudanças políicas que geraram a aberura comercial araíram invesidores exernos e conribuíram para o desenvolvimeno da indúsria, gerando o crescimeno observado nos anos de 1995 a Além disso, o Plano Real derrubou as crises hiperinflacionárias, endo-se uma reomada da confiança do invesidor. Nos anos de 2000, a esabilidade econômica e financeira do país, assim como as políicas inernacionais com negociações bilaerais e a melhoria dos invesimenos do seor público araíram invesidores exernos e propiciaram aos empresários um cenário de menor risco para novos invesimenos. Em visa disso, eve-se um aumeno do nível de vendas e, consequenemene, do invesimeno privado brasileiro [(GRENAUD, VASCONCELLOS e TONETO JR., 1999); (SOUZA, 2008)]. Em visa do acima exposo, o objeivo geral dese rabalho foi o de verificar se as eorias a cerca dos faores que afeam o nível de invesimeno privado aplicam-se para o Brasil. Para ano, buscou-se invesigar a relação exisene enre o invesimeno privado e algumas variáveis macroeconômicas, a saber: o PIB e a Taxa Real de Juros. Uilizou-se, assim, da análise de regressão linear múlipla, fazendo-se o ese de raiz uniária, para verificar se as séries emporais eram esacionárias. Dada a possibilidade de não-esacionariedade das séries, ambém se propôs a realização do ese de co-inegração e do mecanismo de correção de erro. Dese modo, foi possível verificar se, no curo e no longo prazo ocorre diferenças na forma como as variáveis se relacionam. Tomada esa decisão, os dados foram exraídos do IPEADATA, endo-se escolhido as seguines variáveis: A Formação Brua de Capial Fixo, que é a proxy de Invesimeno Privado; o PIB, que é uma proxy da renda agregada ou do nível geral de vendas da economia, endo-se deflacionado esas duas séries pelo INPC ( Índice Nacional de Preços ao Consumidor); e a Taxa de juros Over/Selic que é a proxy da axa nominal de juros, da qual se subraiu o índice de inflação para que fosse possível uilizar a axa real de juros no modelo proposo. Os dados uilizados nese rabalho referem-se ao úlimo rimesre de 1994 aé o segundo rimesre de 2010, período ese poserior à implanação do Plano Real no Brasil. Pariu-se, assim, das seguines hipóeses: i o PIB afea posiivamene o nível de invesimeno em Formação Brua de Capial Fixo; ii a axa real de juros afea negaivamene o invesimeno privado. Viso isso, opou-se por dividir o presene rabalho em quaro ópicos, começando-se por esa inrodução. No próximo ópico é apresenada a meodologia proposa para se alcançar

4 os resulados, fazendo-se ambém uma explanação dos dados aqui uilizados. No erceiro ópico em-se a apresenação dos resulados e no úlimo ópico são colocadas as considerações finais. 2. METODOLOGIA E DADOS 2.1 Modelo Economérico Com a preensão de esimar a função invesimeno privado da economia brasileira, foi uilizado o modelo de regressão linear múlipla, com base na seguine equação: I = α + β 1.PIB - β 2.i+ Є (1) onde: I = Formação Brua de Capial Fixo; α = Inercepo; PIB = Produo Inerno Bruo da Economia, em valores reais; i = Taxa real de juros, calculada a parir da Taxa Selic; Є = Erro aleaório Propôs-se, assim, em analisar a exisência de uma relação linear enre a variável dependene e suas correspondenes variáveis explicaivas, aravés de um modelo de regressão linear múlipla. O méodo escolhido foi o dos Mínimos Quadrados Ordinários (MQO) que é uilizado com mais freqüência pelas análises de regressão linear (HILL e al., 1999; GUJARATI, 2006). Enreano, quando se em séries de observações ordenadas no empo pode ocorrer de a Covariância dos Erros ser diferene de zero, verificando-se uma dependência enre as observações, de modo que uma observação pode afear a próxima. Assim, os pressuposos clássicos não são aendidos e a esa siuação dá-se o nome de auocorrelação. Simbolicamene: 0 E i j (2) i j O ese comumene para a deecção de correlação serial foi desenvolvido pelos esaísicos Durbin e Wason, sendo o ese conhecido como esaísica d de Durbin-Wason (HILL e al., 1999). Em visa disso, o referido ese foi uilizado para verificar a exisência de auocorrelação enre as variáveis selecionadas. Além disso, levou-se em cona oura singularidade de dados obidos a parir de séries emporais.

5 Ressala-se, assim, que quando se rabalha com dados em séries emporais, uma simples correção da auocorrelação pode não ser suficiene para eviar o problema da regressão espúria ou regressão sem senido. Por isso, Alves (2002) sugere que seja verificado se as séries êm problema de não-esacionariedade. Segundo Gujarai (2006) uma série emporal é esacionária se em odos os momenos de sua disribuição de probabilidade, e não apenas nos dois primeiros, a média e a variância são consanes ao longo do empo. A esacionariedade ambém exise quando o valor da covariância enre dois períodos depende apenas da disância, do inervalo ou da defasagem enre os dois períodos de empo, em que a covariância é calculada. Já as séries emporais nãoesacionárias erão uma média que varia com o empo ou uma variância que varia com o empo, ou ambas as coisas. Dese modo, cada conjuno de dados da série emporal é enendido como um episódio específico, já que só é possível esudar seu comporameno para um período considerado. Um exemplo clássico de série não esacionária, segundo Gujarai (2006), é o modelo de passeio aleaório, no qual se diz que, com relação à variável invesimeno, o invesimeno realizado hoje é igual ao o invesimeno de onem, mais um choque aleaório. Disinguem-se dois ipos de passeio aleaórios: 1 - passeio aleaório sem deslocameno, iso é, não há um ermo consane ou inercepo; e 2 - passeio aleaório com deslocameno, iso é, exise um ermo consane. Além deses, um ouro modelo de não esacionariedade é chamado de processo esocásico de endência esacionária, o qual se subdivide, ainda, em: passeio aleaório puro, passeio aleaório com deslocameno, endência deerminísica, passeio aleaório com endência e com endência deerminísica, ou endência deerminísica com componene auo-regressivo AR(1) esacionário. Considera-se, assim, que por meio de deerminada caracerísica um processo pode ser esacionário ou não. Assim, para se avaliar se uma série é ou não esacionária uma alernaiva muio uilizada refere-se à aplicação do ese de raiz uniária. Tomando por base o modelo de passeio aleaório em-se: Y. Y u -1 ρ 1 (3) 1 Um ese de raiz uniária muio uilizado nos úlimos anos é o que avalia se Y é uma série não esacionária. Para se desenvolver o ese subrai-se Y -1 de ambos os lados da equação (3) para ober: Y Y 1. Y 1 Y 1 u

6 Y Y 1Y u 1. 1 Que pode ser reescria como: Y. Y u (5) 1 sendo: δ = (ρ-1); Δ = operador de primeiras diferenças. Ao invés de esimar a equação (4) esima-se a equação (5) e assim esa-se com a esimaiva dos parâmeros a hipóese H 0 : δ = 0, conra a hipóese alernaiva H 1 : -1 < δ < 1. No resulado do ese, se δ for zero, conclui-se que Y é não-esacionário, mas se δ for negaivo, conclui-se que Y é esacionário. O valor do ese do coeficiene esimado de Y -1 não segue a disribuição -suden. A alernaiva, segundo Gujarai (2006), é uilizar a abela elaborada por Dickey e Fuller denominada esaísica τ (au). Os valores desa esaísica êm como base a simulação de Mone Carlo. Vale ressalar que, em homenagem aos seus descobridores, na lieraura especializada a esaísica ou ese de au (τ), é conhecida como ese de Dickey-Fuller (DF). Aplicar um ese de Dickey Fuller envolve várias decisões, em que um processo aleaório pode er ou não deslocameno; ou pode er endências, ano deerminísicas, quano esocásicas. Levando-se em cona essas possibilidades esam-se de rês maneiras diversas ou diferenes as hipóeses nulas. Em cada caso, a hipóese nula é que δ = 0. Para se enconrar o valor de τ, segue-se o procedimeno que é efeuado para enconrar o calculado, do ese -suden. calc ˆ. (6) ep (4) Em seguida, consula-se a abela Dickey Fuller. Se o valor absoluo calculado da esaísica au (τ) exceder o valor críico nas esaísicas au (τ) de Dickey Fuller rejeia-se a hipóese de que δ = 0. Sendo assim, para τ calc > τ críico a série é esacionária. Tem-se, ainda, que co-inegração é a combinação linear decorrene das endências esocásicas de duas (ou mais) séries que se alinham enre si. Assim, embora individualmene uma ou mais variáveis apresenem passeio aleaório, pode-se haver uma co-inegração enre as séries emporais. Dese modo, a co-inegração é uma relação de longo prazo de equilíbrio, enre duas ou mais séries.

7 Um méodo para ser verificada a exisência de co-inegração é esimar os parâmeros e enconrar o erro esimado (û ), para depois elaborar a seguine equação: uˆ.ˆ u (7) 1 Seguem-se, enão, os procedimenos já descrios para esar a esaísica τ (au), admiindo que se o resíduo for I(0) a regressão é co-inegrane. Se confirmada a coinegração, é necessário que se esime o modelo com um mecanismo de correção de erro. Desenvolvido por Engle e Granger o mecanismo de correção de erro é uma forma de reconciliar o comporameno em curo prazo de uma variável econômica, com seu comporameno de longo prazo, considerando o seguine modelo: Y 0 1 X 2.. u (8) 1 sendo: Δ = operador de primeiras diferenças; ε = um ermo aleaório; u -1 = (Y -1 β 1 β 2 X -1 ), o valor defasado do ermo de erro da regressão co-inegrane, em um período. Porano, ΔY depende de ΔY -1 e ambém do ermo de erro de equilíbrio. 2.2 Dados Para análise da função invesimeno agregado do Brasil, opou-se por uma série de dados de 64 observações, disribuídas rimesralmene, as quais se iniciam no quaro rimesre de 1994 seguindo aé o segundo rimesre de A escolha dese período foi moivada pelo ineresse em verificar se o comporameno da função invesimeno agregado sofreu influência com alerações de ouras variáveis agregadas após o plano real. Eses dados foram obidos juno à base de dados elerônica do Insiuo de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEADATA), sendo eles: a Formação Brua de Capial Fixo; o Produo Inerno Bruo (PIB) e a Taxa de Juros Over/Selic. Definição de Invesimeno Agregado - Invesimeno agregado é o gaso com bens que foram produzidos, mas não foram consumidos no período, os quais, consequenemene, aumenam a capacidade produiva da economia. O invesimeno ambém é chamado de acumulação de capial, por ser composo por bens de capial, máquinas e equipamenos, agregando ambém a variação de esoque de produos que não foram consumidos. No Brasil, segundo o IBGE (2000) os bens de capial, nas Conas Nacionais, são chamados de Formação Brua de Capial Fixo, sendo que essa nomenclaura é uilizada para idenificar a ampliação da

8 capacidade produiva fuura de uma economia, por meio de invesimenos correnes em aivos fixos. Ou seja, raa-se de bens produzidos em deerminado período de empo, que são facíveis de uilização repeida e conínua em ouros processos produivos, por empo superior a um ano sem, no enano, serem efeivamene consumidos pelos mesmos. Tem-se, porano, que nessa pesquisa a Formação Brua de Capial Fixo foi uilizada como uma proxy do Invesimeno Agregado. Após a obenção dessa variável, os dados foram deflacionados pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). Definição do PIB - O Produo Inerno Bruo ou PIB é um dos principais indicadores de uma economia, pois demonsra oda riqueza gerada por uma nação, sendo represenado pelo conjuno de odos os bens e serviços finais produzidos nos limies geográficos de um país, em cero período de empo (IBGE, 2000). O PIB influencia o nível de invesimeno das empresas para obenção de maquinários e novas insalações. Sendo assim, quano maior for o valor do PIB mais o nível de invesimeno ende a crescer. Do conrário, uma queda no PIB pode reduzir o invesimeno. Segue-se, assim, que o invesimeno esá ligado a duas variáveis principais, que são a renda nacional e a axa de juros. Com relação à renda nacional, pare-se do princípio que o aumeno das vendas de uma empresa indica a exisência de um ambiene favorável para a elevação dos invesimenos. Mas, ese aumeno das vendas depende de um aumeno da renda nacional. Dese modo, considera-se que quano mais a empresa obém lucro, mais em condições de invesir e, assim, a elevação da renda nacional faz com que a lucraividade da empresa sofra uma elevação. Iso provoca um aumeno dos invesimenos em capial fixo da economia. Sabendo que o PIB é inerpreado como sinônimo da renda nacional, nos esudos macroeconômicos, escolheu-se o PIB como uma das variáveis explicaivas do modelo. Esa variável ambém foi deflacionada pelo INPC. Definição da Taxa de Juros Selic - A axa nominal de juros diz quanas unidades moneárias uma pessoa precisará para pagar no fuuro, em roca de uma unidade moneária hoje. Para represenar esa variável opou-se pela axa de juros Over/Selic. A Selic idenifica a axa que reflee a média de remuneração dos íulos federais, negociados com os bancos, no financiameno inerbancário com o prazo de um dia úil (overnigh). O Banco Cenral do Brasil (BACEN) aravés de reuniões efeuadas pelo Comiê de Políica Moneária (COPOM) define a mea para esa axa. Na sequência, o BACEN garane que a axa de mercado fique próxima do paamar almejado comprando e vendendo íulos da dívida pública federal,

9 indexados à axa Selic, os quais são lisados e negociados no Sisema Especial de Liquidação e de Cusódia (Selic, sigla ambém uilizada para denominar a axa). A regulação das quanidades de moeda e íulos públicos disponível no mercado é uma responsabilidade do Banco Cenral do Brasil, o que se caraceriza como principal insrumeno da políica moneária brasileira. Porano, a Selic é usada pelo governo como insrumeno moneário de combae a inflação, iso porque um aumeno dos juros ocasiona a resrição do consumo e dos invesimenos. Com relação aos invesimenos, a axa de juros, para o empresário, é encarada como um cuso de oporunidade, de obenção de capial. Sendo assim, quano maior o valor da axa de juros, menos araene para o invesidor buscar crédios para expandir sua capacidade produiva. Também para uma empresa que enha um bom reorno com cera quania de capial aplicada no sisema financeiro, não será viável para que se efeuem invesimenos em capial fixo. Desde 1999 o governo adoou um regime de meas inflacionárias para a economia brasileira, como referencial de políica moneária. Sendo assim, cumprir com essas meas é demonsrar para aos invesidores que o país promove políicas econômicas coerenes com a realidade do país, mosrando que aqui há esabilidade econômica o que permie a realização dos invesimenos. Para os invesidores que opam por invesimenos a axas pós-fixadas, principalmene em fundos, o aumeno da Selic é favorável, pois as axas de juros seguem o aumeno dessa axa (BRASIL, 2006). Ressala-se que para o ineresse dese rabalho enende-se que, na verdade, é a axa real de juros que afea a decisão de invesimeno, pois o empresário esá ineressado no cuso de um financiameno em ermos da quanidade de bens que será necessário produzir para pagar ese financiameno. Dese modo, foi desconada a axa de inflação (represenada pelo INPC) da axa juros Over/Selic, para ober-se a axa real de juros no período de ineresse e realizar-se a esimação do modelo economérico. INPC - O Sisema Nacional de Preços ao Consumidor - SNIPC efeua a produção conínua e sisemáica de índices de preços ao consumidor, endo como unidade de colea: esabelecimenos comerciais e de presação de serviços, bem como concessionárias de serviços públicos e domicílios (para levanameno de aluguel e condomínio). Desa pesquisa resula o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), cujas informações ambém esão disponíveis na página elerônica do IPEADATA. O INPC foi uilizado para deflacionar os dados, porque se enende que os desajuses provocados pela variação de preços podem enviesar os resulados economéricos.

10 3. ESTIMATIVA DO MODELO ECONOMÉTRICO DA FUNÇÃO INVESTIMENTO AGREGADO Ese ópico em por objeivo apresenar e analisar os resulados economéricos referenes aos faores que afeam a função invesimeno agregado no Brasil. O resulado referene à análise de regressão múlipla esá exposo na abela 1 e, a parir dos mesmos noase que o coeficiene da variável PIB foi significaivo ao nível de 1% e apresenou um valor posiivo, indicando a exisência de uma relação direa enre PIB e invesimeno privado. O coeficiene parcial foi 0,175, indicando que, manendo-se consane a axa de juros, o aumeno de R$ 1,00 no valor do PIB provoca, em média, um aumeno de R$ 0,17 no invesimeno privado do Brasil. Tabela 1: Esimaiva da equação para a Formação Brua de Capial Fixo dados rimesrais a Variáveis Coeficiene Esimado calculado Inercepo ,806-1,04** PIB Real 0, ,59*** Taxa Real de Juros - 97,16-2,07* N de observações 63 R 2 0,97 Tese F 951,51*** Tese de Durbin-Wason 1,02 Noa: Elaboração própria, a parir dos resulados da pesquisa. Obs.: *** Denoa significaiva ao nível de 1%, **Denoa significância ao nível de 5%, *Denoa significância ao nível de 10%. O parâmero esimado da variável axa de juros real apresenou um resulado esperado, endo sido significaivo a 10%, demonsrando uma relação inversa enre axa de juros real e invesimeno privado. Iso indica que um aumeno na variável axa de juros, manendo-se consane o PIB, provoca uma diminuição do nível de invesimeno privado. Apesar de os resulados obidos erem sido significaivos, a série emporal aqui analisada pode esar diane de um problema denominado fenômeno da regressão espúria (GUJARATI, 2006). Esa possibilidade fica evidenciada no resulado do ese da esaísica

11 Durbin-Wason, sendo que seu valor calculado foi de 1,027. Comparando-se ese valor com a abela de Durbin-Wason chegou-se a conclusão de que exise auocorrelação serial enre os resíduos do modelo esimado. Tal resulado ambém indica a possibilidade de que as séries não sejam esacionárias. Por isso, a seguir será analisado o ese de raiz uniária para cada uma das séries uilizadas no modelo de regressão. Na abela 2 esão apresenados os eses de raiz uniária de Dickey-Fuller para verificar se as séries podem ser um passeio aleaório sem deslocameno (Y = Y -1 + u ), um passeio aleaório com deslocameno (Y = 1 + Y -1 + u ), ou uma endência deerminísica com componene auo-regressivo AR (1) esacionário (Y = Y -1 + u 1 ). Analisando-se o primeiro resulado, que se refere ao caso de um passeio aleaório sem deslocameno noa-se que o coeficiene da variável Formação Brua de Capial Fixo (FBCF), obeve um resulado posiivo de 0,0225, enquano para o PIB em-se = 0,0219. Segundo Gujarai (2006) espera-se que -1 ρ 1, para idenificar se uma série é esacionária ou não. Enreano, para o valor acima ciado em-se: δ= ρ-1 => 0,0225= ρ -1 => ρ = 1,0225 Porano, ρ é maior que 1, indicando que seria possível -1 ρ 1 somene no caso em que δ é negaivo. Desa forma o δ esimado ano para FBCF, quano para a variável PIB, no primeiro e no segundo modelo, faz com que a série orne-se explosiva, sendo necessário descarar ese resulado e devendo-se inerprear o ese de raiz uniária a parir do úlimo modelo. Analisando o caso da endência deerminísica com componene auo-regressivo de AR(1) em orno de uma endência esocásica, os resulados dos coeficienes das variáveis FBCF e PIB foram negaivos e enquadrados denro de -1 ρ 1. Os valores da esaísica do ese τ foram odos menores que os valores críicos da abela de Dickey-Fuller, indicando que no erceiro modelo esas duas variáveis possuem uma raiz uniária. Com relação à axa real de juros, denro da análise de passeio aleaório sem deslocameno, o coeficiene δ obeve um sinal negaivo e, porano -1 ρ 1. Analisando a esaísica do ese τ, percebe-se que o valor de -5,65 é maior que -2,615 e, porano, significaivo a 1%. Denro da análise de passeio aleaório com deslocameno o valor do coeficiene ambém fica enre os valores desejados de -1 ρ 1 e, com relação à esaísica do ese τ, o valor de -8,390 é superior ao valor críico de -3,593 e, porano, significaivo a 1%. No erceiro modelo o parâmero esimado ambém foi negaivo e significaivo aé o nível de

12 1%. Porano, a série da axa real de juros é esacionária e não apresena problema de raiz uniária. Tabela 2: Resulados dos eses de Raiz Uniária de Dickey- Fuller para séries da Formação Brua de Capial Fixa (FBCF), PIB e Taxa Real de Juros dados rimesrais a % 5% 1% Y = Y -1 + u Valores críicos: 1, 610 1, 950 2, 615 FBCF 0,0225 2,44 PIB 0,0219 3,35 Taxa Real de Juros -0,3735-5,65 10% 5% 1% Y = 1 + Y -1 + u Valores Críicos: 2, 595 2, 920 3, FBCF 0,0164 0,66 574,79 0,26 PIB 0,0109 0, ,56 0,64 Taxa Real de Juros -0,5263-8,39 6,0441 5,19 10% 5% 1% Y = Y -1 + u Valores Críicos: 3, 173 3, 488 4, FBCF -1,3405-1, ,38 1,44 291,01 2,23 PIB -0,1830-2, ,83 2, ,73 2,30 Taxa Real de Juros -0,5198-8,61 10,1956 4,97-0,1336-2,41 Noa: Elaboração própria, a parir dos resulados da pesquisa. Sabendo que duas variáveis: a Formação Brua de Capial Fixo e o PIB são nãoesacionárias e conêm uma raiz uniária AR(1), apesar de a axa real de juros ser esacionária, deve-se fazer o ese de co-inegração para analisar as relações de curo e longo prazo enre elas. Sabendo-se os resíduos esimados, foi possível calcular as colunas referenes à variação dos resíduos e resíduos defasados. O ese de co-inegração de Engle-Granger foi enão realizado, levando-se em cona a equação 7, do ópico referene a meodologia. Na abela 3 em-se o resulado do ese de co-inegração de Engle-Granger e, nese, o parâmero esimado é -0,5160 e o valor da esaísica foi de -4,53. Porano, o valor do ese

13 foi significaivo, sendo superior aos valores críicos da abela de Durbin-Wason. Iso indica que as séries são co-inegradas, ou seja, exise equilíbrio de longo prazo enre elas. Tabela 3: Resulado do ese de Co-inegração de Engle-Granger dados rimesrais a % 5% 1% Δ û = δ. û -1 Valores críicos: 1, 610 1, 950 2, 615 Resíduos -0,5160-4,53*** Noa: Elaboração própria, a parir dos resulados da pesquisa. Obs.: *** Denoa significaiva ao nível de 1%. Na meodologia dese esudo já foi desacado que o ermo de erro de equilíbrio pode corrigir as esimaivas dos parâmeros da regressão, a parir do mecanismo de correção de erro. A abela 4 mosra o resulado dos parâmeros referenes a esa nova regressão, nese caso para que o mecanismo de correção do erro resolva os problemas de raiz uniária, na nova regressão, o coeficiene da variável que represena o resíduo defasado deve ser significaivo. Nese caso, o coeficiene esimado do resíduo defasado foi significaivo ao nível de 1%, dando um indicaivo de que 50% dos problemas de equilíbrio enre as variáveis foram resolvidos e eliminados no período aual, corrigindo o problema de raiz uniária que o modelo apresenava. Tabela 4: Esimaiva da equação para a Formação Brua de Capial Fixo com mecanismo de correção de erro - dados rimesrais a Variáveis Coeficiene Esimado T calculado Inercepo -2243,225-1,05 PIB Real 0, ,16*** Taxa Real de Juros -122,0186-1,95* Resíduos Defasados -0,5097-4,55*** N de observações 62 R Quadrado 0,98 Tese F 822,83*** Tese de Durbin-Wason 0,4682 Noa: Elaboração própria, a parir dos resulados da pesquisa.

14 Obs.: *** Denoa significaiva ao nível de 1%, **Denoa significância ao nível de 5%, *Denoa significância ao nível de 10% Analisando os coeficienes esimados, odos apresenaram os sinais esperados e foram significaivos, demonsrando uma relação inversa enre axa de juros e FBCF. Além disso, permaneceu a relação posiiva enre PIB e FBCF. Ese resulado é semelhane ao viso na regressão anerior (mosrada na abela 1), indicando que no curo prazo o poder explicaivo das variáveis independenes sobre o Invesimeno Privado maneve-se. Ou seja, as relações de curo e longo prazo são semelhanes. Além disso, o R 2 obido indica que 98% da variação do invesimeno privado é explicada pelas variáveis independenes. Também ficou confirmando que a um nível de 1% o valor do ese F mosrou-se esaicamene significaivo. 4. CONCLUSÕES O presene esudo eve como objeivo verificar a aplicabilidade das eorias de invesimeno agregado para a realidade brasileira. Para ano, foi realizada uma análise esaísica e economérica da série Formação Brua de Capial Fixo (FBCF), que é a proxy de Invesimeno Privado, em relação à renda agregada, represenada pelo Produo Inerno Bruo (PIB) e à Taxa Real de Juros. Uilizaram-se, assim, séries hisóricas do úlimo rimesre de 1994 ao segundo rimesre de 2010, as quais foram deflacionadas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). A axa real de juros foi obida subraindo-se da axa de juros Over/Selic o mesmo índice de inflação. Para esas variáveis, foi feio o ese de raiz uniária, o ese de co-inegração, esimando-se, ao final, uma regressão que fez uso do mecanismo de correção de erro. Tais esraégias permiiram verificar os ajuses de curo e longo prazo enre as séries. Os resulados obidos, aponaram a exisência de uma relação posiiva enre PIB e invesimeno privado. Isso confirma ano a eoria Keynesiana quano a eoria Neoclássica e a hipóese, de que um aumeno da renda agregada provoca um aumeno dos níveis de invesimeno por pare das empresas da economia. Isso ocorre porque um aumeno no PIB conduz a um aumeno do consumo, fazendo elevar a produção, o que provoca uma expansão da capacidade produiva e, consequenemene, dos invesimenos. Aravés do resulado negaivo do coeficiene da axa real de juros, concluiu-se que o nível de invesimeno, em uma economia, depende basicamene desa variável, pois para o empresário, a axa de juros é encarada como um cuso de oporunidade de obenção de capial.

15 Sendo assim, um empresário que preende recorrer a emprésimos para fazer invesimenos, com uma realidade de aumenos percenuais na axa real de juros, não se senirá araído para fazer eses emprésimos. Além disso, para um empresário que em um capial aplicado e deseja fazer invesimenos em capial físico, diane de uma axa de juros ala prevalece o ineresse por aplicações financeiras, pois pode ser que os ganhos obidos com esa aplicação superem os ganhos com o invesimeno em capial físico. Com ese resulado confirmou-se a hipóese de que há uma relação inversa enre axa de juros e invesimeno privado. Após a confirmação de não esacionariedade das séries pelo ese de raiz uniária, foi realizada uma nova regressão, apoiando-se no processo do mecanismo de correção de erro. Nesa segunda regressão, os coeficienes esimados maniveram os sinais esperados e demonsraram um alo poder de explicação sobre a variável dependene. Demonsrou-se, assim, que ano no curo, como no longo prazo a relação enre as séries é semelhane. A principal conclusão a que remee esa pesquisa é de que políicas fiscais e moneárias afeam o nível de invesimeno privado da economia brasileira. Ou seja, dada a exisência de um cenário econômico favorável e parindo-se do princípio que exise um efeio muliplicador na economia, políicas expansionisas provocam aumeno do invesimeno agregado. Sugere-se, porano, que políicas econômicas que enham por objeivo reduzir as axas de desemprego, expandir a capacidade produiva e, principalmene, aumenarem o nível de Formação Brua de Capial Fixo devem ser omadas na seguine direção: políicas fiscais de redução dos imposos e/ou aumenos dos gasos públicos; políicas moneárias de redução da axa de juros, sendo que aravés das séries analisadas, comprovou-se que esas medidas são eficienes em ações ano de curo, como de longo prazo. 5. REFERÊNCIAS BACHA, C. J. C.; LIMA, R. A. de S. Macroeconomia: eorias e aplicações à economia brasileira. Campinas: Alínea, BLANCHARD, O. Macroeconomia. São Paulo: Pearson Prenice Hall, 4. ed., BRASIL. Banco Cenral do Brasil. Boleim do Banco Cenral: Relaório anual de Disponível em < hp:// Acesso em 20 de agoso de 2010.

16 DORNBUSCH, R.; FISCHER, S.; STARTZ, R. Macroeconomia. Rio de Janeiro: Mc Graw Hill, 8. ed., GREMAUD, A. P.; VASCONCELLOS, M. A. S. de; TONETTO Jr, R. Economia brasileira conemporânea. São Paulo: Alas, 3. ed., GUJARATI, D. Economeria básica. Rio de Janeiro: Elsevier, 4. ed., HILL, C.; GRIFFITHS, W.; JUDGE, G. Economeria. São Paulo: Saraiva, IBGE. Insiuo Brasileiro de Geografia e Esaísica. Sisema de Conas Nacionais Disponível em <hp:// Acesso em 15 ago Insiuo Brasileiro de Geografia e Esaísica. Sisema de Conas Nacionais Brasil referência 2000 Formação Brua de Capial Fixo Disponível em <hp:// Acesso em 15 ago IPEADATA. Insiuo de Pesquisa Econômica Aplicada. Dados Macroeconômicos. Disponível em < hp:// Acesso em 22 ou MACHADO, E. F. PIB, Taxa Selic e sua influência sobre os invesimenos em formação brua de capial fixo na economia brasileira. Campo Mourão, SACHS, J. D.; LARRAIN, B. F. Macroeconomia. São Paulo: Makron Books, SOUZA, N. A. de. A economia brasileira conemporânea: de Geúlio a Lula. São Paulo: Alas, 2. ed., 2008.

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Elaine Aparecida Fernandes RESUMO: Diane da consaação de que os spreads bancários brasileiros (diferença enre as axas de juros de capação e aplicação dos bancos) se enconram em

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S

RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S APLICA ES Marina Silva Cunha 1. INTRODUÇÃO Segundo Fava & Cai (1995) a origem da discussão sobre a exisência de raiz uniária nas séries econômicas esá no debae sobre

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2 Transmissão de preços enre o produor e varejo: evidências empíricas para o seor de carne bovina em Goiás Resumo: A economia goiana vem se desacado no conexo nacional. Seu PIB aingiu R$ 75 bilhões no ano

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL

A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL fcccassuce@yahoo.com.br Apresenação Oral-Comércio Inernacional ANA

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO Área 5 - Crescimeno, Desenvolvimeno Econômico e Insiuições Classificação

Leia mais

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br Apresenação Oral-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia HUMBERTO FRANCISCO SILVA

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

CURVA DE KUZNETS AMBIENTAL ESTIMATIVA ECONOMÉTRICA USANDO CO2 E PIB PER CAPITA

CURVA DE KUZNETS AMBIENTAL ESTIMATIVA ECONOMÉTRICA USANDO CO2 E PIB PER CAPITA CURVA DE KUZNETS AMBIENTAL ESTIMATIVA ECONOMÉTRICA USANDO CO E PIB PER CAPITA CLEYZER ADRIAN CUNHA; UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS GOIANIA - GO - BRASIL cleyzer@uai.com.br APRESENTAÇÃO ORAL Agropecuária,

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil O impaco de requerimenos de capial na ofera de crédio bancário no Brasil Denis Blum Rais e Silva Tendências Márcio I. Nakane Depep II Seminário Anual sobre Riscos, Esabilidade Financeira e Economia Bancária

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Câmbio de Equilíbrio

Câmbio de Equilíbrio Câmbio de Equilíbrio Seção 1 Meodologia do cálculo do câmbio...4 Seção 2 - Passivo Exerno... 11 Seção 3 Susenabilidade do Passivo Exerno... 15 Seção 4 - Esimaivas... 17 Seção 5 - Conclusão... 20 2 Inrodução

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA 3 PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA Felipe Lacerda Diniz Leroy 1 RESUMO Nese arigo,

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

Contratos Futuros e o Ibovespa: Um Estudo Empregando Procedimento de Auto- Regressão Vetorial Estutural. Autoria: Gustavo de Souza Grôppo

Contratos Futuros e o Ibovespa: Um Estudo Empregando Procedimento de Auto- Regressão Vetorial Estutural. Autoria: Gustavo de Souza Grôppo Conraos Fuuros e o Ibovespa: Um Esudo Empregando Procedimeno de Auo- Regressão Veorial Esuural. Auoria: Gusavo de Souza Grôppo Resumo: Ese esudo em como objeivo principal verificar a relação enre conraos

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

O mercado brasileiro da soja: um estudo de transmissão, causalidade e cointegração de preços entre 2001 e 2009

O mercado brasileiro da soja: um estudo de transmissão, causalidade e cointegração de preços entre 2001 e 2009 Sinop, MT, Brasil, 18 a 22 de ouubro de 2010. O mercado brasileiro da soja: um esudo de ransmissão, causalidade e coinegração de preços enre 2001 e 2009 Gilbero Siso Fernández (UNEMAT) gilbsis@gmail.com

Leia mais

Uma Análise Sobre a Sustentabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-2012)

Uma Análise Sobre a Sustentabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-2012) Uma Análise Sobre a Susenabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-202) Jaime Ferreira Dias * José Luis Oreiro ** Resumo: Ese arigo em por objeivo analisar a dinâmica

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi Insper Insiuo de Ensino e Pesquisa Programa de Mesrado Profissional em Economia Bruno Russi ANÁLISE DA ALOCAÇÃO ESTRATÉGICA DE LONGO PRAZO EM ATIVOS BRASILEIROS São Paulo 200 Bruno Russi Análise da alocação

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insiuo de Ciências Humanas Deparameno de Economia DOUTORADO EM ECONOMIA A Produividade do Capial no Brasil de 1950 a 2002 Aumara Feu Orienador: Prof. Maurício Baraa de Paula Pino

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Tito Belchior Silva Moreira

Tito Belchior Silva Moreira 1º Lugar Tio Belchior Silva Moreira Mecanismos de Transmissão da Políica Fiscal no Brasil: uma invesigação empírica. XIV PRÊMIO TESOURO NACIONAL 2009: Homenagem a Euclides da Cunha TEMA 1. POLÍTICA FISCAL

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-2007 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-2007 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-27 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA - MG - BRASIL hbrigae@yahoo.com.br APRESENTAÇÃO ORAL Comércio

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

PREVISÃO DE INFLAÇÃO EM CABO VERDE POR MEIO DE VETORES AUTOREGRESSIVOS

PREVISÃO DE INFLAÇÃO EM CABO VERDE POR MEIO DE VETORES AUTOREGRESSIVOS PREVISÃO DE INFLAÇÃO EM CABO VERDE POR MEIO DE VETORES AUTOREGRESSIVOS Resumo Anônio José Medina dos Sanos Bapisa Rubicleis Gomes da Silva O objeivo do rabalho foi esimar um modelo de correção de erro

Leia mais

COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE

COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE RESUMO Ese rabalho objeiva esudar o comporameno recene dos preços dos segmenos do complexo soja, em paricular, a ransmissão

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo O Cuso de Bem-Esar da Inflação: Cálculo Tenaivo com o Uso de um Modelo de Equilíbrio Geral José W. Rossi Resumo O cuso de bem-esar da inflação em sido calculado usando-se basicamene dois ipos de abordagem:

Leia mais

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2 A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Mara R. Casilho 1 e Viviane Luporini 2 ANPEC 2009: ÁREA 6 RESUMO: O arigo apresena um esudo comparaivo das elaicidades-renda das exporações

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

Boletim Económico Inverno 2006

Boletim Económico Inverno 2006 Boleim Económico Inverno 2006 Volume 12, Número 4 Disponível em www.bporugal.p Publicações BANCO DE PORTUGAL Deparameno de Esudos Económicos Av. Almirane Reis, 71-6.º andar 1150-012 Lisboa Disribuição

Leia mais

Fatores de influência no preço do milho no Brasil

Fatores de influência no preço do milho no Brasil Faores de influência no preço do milho no Brasil Carlos Eduardo Caldarelli Professor adjuno da Universidade Esadual de Londrina UEL Mirian Rumenos Piedade Bacchi Professora associada do Deparameno de Economia,

Leia mais

Multicointegração e políticas fiscais: uma avaliação de sustentabilidade fiscal para América Latina

Multicointegração e políticas fiscais: uma avaliação de sustentabilidade fiscal para América Latina IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Mulicoinegração e políicas fiscais: uma avaliação de susenabilidade fiscal para América Laina Luís Anônio Sleimann Berussi

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR)

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) Edilean Kleber da Silva Douorando em Economia Aplicada pela UFRGS Rua Duque de Caxias, 1515, apo. 402.

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

Elasticidades da demanda residencial de energia elétrica

Elasticidades da demanda residencial de energia elétrica Elasicidades da demanda residencial de energia elérica RESUMO O objeivo dese rabalho é esimar elasicidades de preço e renda da demanda residencial por elericidade aravés de modelos dinâmicos. Como objeo

Leia mais

O EFEITO PASS-THROUGH DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE OS PREÇOS AGRÍCOLAS CLEYZER ADRIAN CUNHA (1) ; ALEX AIRES CUNHA (2).

O EFEITO PASS-THROUGH DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE OS PREÇOS AGRÍCOLAS CLEYZER ADRIAN CUNHA (1) ; ALEX AIRES CUNHA (2). O EFEITO PASS-THROUGH DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE OS PREÇOS AGRÍCOLAS CLEYZER ADRIAN CUNHA (1) ; ALEX AIRES CUNHA (2). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA,

Leia mais

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Eficácia das Inervenções do Banco Cenral do Brasil sobre a Volailidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Fernando Nascimeno de Oliveira, Alessandra Plaga Conens: Keywords: 1. Inrodução; 2. Dados; 3.

Leia mais

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil Variabilidade e pass-hrough da axa de câmbio: o caso do Brasil André Minella Banco Cenral do Brasil VI Seminário de Meas para a Inflação Agoso 005 Disclaimer: Esa apresenação é de responsabilidade do auor,

Leia mais

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE RELAÇÕES MACROECONÔMICAS ENTRE DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL, TAXA REAL DE CÂMBIO, INVESTIMENTOS PRODUTIVOS,

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

Previsão de Demanda. Métodos de Previsão. Demanda: disposição ao consumo Demanda versus Vendas Fatores que afetam a Demanda (Vendas)

Previsão de Demanda. Métodos de Previsão. Demanda: disposição ao consumo Demanda versus Vendas Fatores que afetam a Demanda (Vendas) 2.1 Previsão de emanda Conceios básicos Méodos de Previsão iscussão Formulação do Problema emanda: disposição ao consumo emanda versus Vendas Faores que afeam a emanda (Vendas) Economia, Mercado, Preços,

Leia mais

Consumo de Eletricidade e Crescimento Econômico no Brasil. Electricity Consumption and Economic Growth in Brazil

Consumo de Eletricidade e Crescimento Econômico no Brasil. Electricity Consumption and Economic Growth in Brazil 1 Consumo de Elericidade e Crescimeno Econômico no Brasil Elecriciy Consumpion and Economic Growh in Brazil Sérgio Ricardo de Brio Gadelha Resumo Esse esudo examina a relação de equilíbrio enre consumo

Leia mais

TESTE DA HIPÓTESE DO CAMINHO ALEATÓRIO NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS. Ana Ester Farias

TESTE DA HIPÓTESE DO CAMINHO ALEATÓRIO NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS. Ana Ester Farias TESTE DA HIPÓTESE DO CAMINHO ALEATÓRIO NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS por Ana Eser Farias Disseração apresenada ao Curso de Mesrado do Programa de Pós-Graduação em Adminisração, Área de Concenração em

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇOS E SAZONALIDADE NO MERCADO DE FRETES RODOVIÁRIOS PARA PRODUTOS DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DO PARANÁ*

FORMAÇÃO DE PREÇOS E SAZONALIDADE NO MERCADO DE FRETES RODOVIÁRIOS PARA PRODUTOS DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DO PARANÁ* Ricardo S. Marins, Débora Silva Lobo e Maria da Piedade Araújo FORMAÇÃO DE PREÇOS E SAZONALIDADE NO MERCADO DE FRETES RODOVIÁRIOS PARA PRODUTOS DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DO PARANÁ* Ricardo Silveira Marins**

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro Governança Corporaiva, Risco Operacional e Comporameno e Esruura a Termo da Volailidade no Mercado de Capiais Brasileiro Auoria: Pablo Rogers, Cláudio Anônio Pinheiro Machado Filho, José Robero Securao

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Déficit público e taxa de inflação: testes de raiz unitária e causalidade para o Brasil - 1991-1999 *

Déficit público e taxa de inflação: testes de raiz unitária e causalidade para o Brasil - 1991-1999 * Défici público e axa de inflação: eses de raiz uniária e causalidade para o Brasil - 1991-1999 * RESUMO Divanildo Triches # Igor Alexandre C. de Morais ## Ese rabalho faz uma breve revisão dos aspecos

Leia mais

PREVISÃO DE DEMANDA: UMA APLICAÇÃO DOS MODELOS BOX- JENKINS NA ÁREA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA DE COMPUTADORES PESSOAIS

PREVISÃO DE DEMANDA: UMA APLICAÇÃO DOS MODELOS BOX- JENKINS NA ÁREA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA DE COMPUTADORES PESSOAIS PREVISÃO DE DEMANDA: UMA APLICAÇÃO DOS MODELOS BOX- JENKINS NA ÁREA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA DE COMPUTADORES PESSOAIS Liane Werner Deparameno de Esaísica, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rua Beno

Leia mais

Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combustíveis 1

Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combustíveis 1 1 Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combusíveis 1 Mara Crisina Marjoa-Maisro 2 Geraldo San Ana de Camargo Barros 3 Arigo elaborado em fevereiro/2002 Aprovado para o XL Congresso Brasileiro

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES DO VOLUME DE CONTRATOS FUTUROS DE SOJA NEGOCIADOS NA BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS (BM & FBOVESPA)

FATORES CONDICIONANTES DO VOLUME DE CONTRATOS FUTUROS DE SOJA NEGOCIADOS NA BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS (BM & FBOVESPA) FATORES CONDICIONANTES DO VOLUME DE CONTRATOS FUTUROS DE SOJA NEGOCIADOS NA BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS (BM & FBOVESPA) Faores condicionanes do volume de conraos fuuros de soja... 243 Facors for he

Leia mais

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil Marcello da Cunha Sanos Dívida pública e coordenação de políicas econômicas no Brasil Belo Horizone, MG Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno Regional Faculdade de Ciências Econômicas UFMG 4 Marcello da

Leia mais

IMPACTO DOS FATORES MACROECONÔMICOS NA EMISSÃO DE AÇÕES NA BOLSA DE VALORES IMPACT OF MACROECONOMIC FACTORS IN THE ISSUE OF SHARES IN THE EXCHANGE

IMPACTO DOS FATORES MACROECONÔMICOS NA EMISSÃO DE AÇÕES NA BOLSA DE VALORES IMPACT OF MACROECONOMIC FACTORS IN THE ISSUE OF SHARES IN THE EXCHANGE 30 IMPACTO DOS FATORES MACROECONÔMICOS NA EMISSÃO DE AÇÕES NA BOLSA DE VALORES IMPACT OF MACROECONOMIC FACTORS IN THE ISSUE OF SHARES IN THE EXCHANGE IMPACTO DE LOS FACTORES MACRO-ECONÓMICOS EN LA EMISIÓN

Leia mais