Câmbio de Equilíbrio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Câmbio de Equilíbrio"

Transcrição

1 Câmbio de Equilíbrio Seção 1 Meodologia do cálculo do câmbio...4 Seção 2 - Passivo Exerno Seção 3 Susenabilidade do Passivo Exerno Seção 4 - Esimaivas Seção 5 - Conclusão... 20

2 2 Inrodução O presene rabalho é uma aualização de Feu (1999) publicado por esa revisa em seu 15º número. Procura-se esimar as axas de câmbio correspondenes a cona correne de bens e serviços não faores - CCBSnf fornecida pelas expecaivas do mercado, bem como a uma balança que esabilize a relação passivo exerno/produo inerno bruo - PIB. Para iso, aualiza-se a meodologia para o cálculo do câmbio de Feu(1999) e usa-se a esimaiva do esoque de capial de Barros e Barbosa (2002). O comporameno da axa de câmbio, sua volailidade e sua endência de longo de prazo, é preocupação consane quando se preende confeccionar cenários. Torna-se necessário prever possíveis volailidades cambiais e a endência de longo prazo da axa de câmbio. Nese esudo, cenra-se a aenção no comporameno de longo prazo da axa de câmbio, para o qual, findado um período de sress, o cenário convergiria. Procurou-se, porano, esimar o câmbio de equilíbrio de longo prazo para o passado(de 1951 a 2001) e para os próximos anos, endo em visa a correlação negaiva enre o desvio do câmbio e a CCBSnf em proporção do produo inerno bruo - PIB (em US$ de 2001) e dados sobre a inflação inerna e exerna. Por desvio do câmbio, enendese o quano o câmbio real se disancia do câmbio do equilíbrio, o qual por sua vez corresponde ao câmbio do ano base onde a CCBSnf ficou próxima de zero. Também mosrou-se a evolução do passivo exerno, bem como de seus componenes (esoque de capial esrangeiro invesido no país e divida exerna) e dos fluxos por ele gerados (serviços faores) no período de 1995 a Por fim, esimou-se o câmbio e a relação passivo exerno/pib, segundo as projeções para a balança comercial, a cona correne e a inflação inerna e exerna, bem como segundo a balança comercial necessária para esabilizar a relação passivo exerno/pib em Os dados e as fones, uilizadas nese rabalho, são, para o Brasil, as séries: a) do produo inerno bruo em reais e em dólar (calculado pelo câmbio médio) e do deflaor implício do PIB (DI) fornecidas pelo Insiuo Brasileiro de Geografia e Esaísica (IBGE) e divulgadas no IPEADATA do Insiuo de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); b) do saldo das ransações correnes, da exporação e imporação de bens (FOB), dos serviços (não faores) líquidos, das rendas - líquidas e oal da despesa - (ambém denominadas de serviços faores), bem como sua subdivisão em salário e ordenado, lucros e dividendos e juros, da variação do índice nacional de preços ao consumidor (INPC), da dívida exerna (incluindo emprésimos inercompanhias) fornecidas pelo Banco Cenral (BACEN) e c) do esoque de capial esrangeiro invesido no país calculado por Barros e

3 3 Barbosa (2002). Para os Esados Unidos da América (EUA), uilizou-se as séries do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) e do Índice de Preços Aacado (IPA) disponibilizadas pelo BACEN e do DI dos EUA fornecida pelo Bureau of Economics Analisys. O rabalho é dividido em quaro seções. Afora esa breve inrodução, a Seção 1 descreve a meodologia uilizada para o cálculo do câmbio, dada a cona correne de bens e serviços não faores e a inflação inerna e exerna previsa, a Seção 2 analisa o passivo exerno brasileiro, a Seção 3 verifica a susenabilidade do passivo, a Seção 4 faz esimaivas para os anos de 2002 e 2003 e, finalmene, a Seção 5 conclui o relaório.

4 4 Seção 1 Meodologia do cálculo do câmbio No modelo de Dornbush (1976), a demanda agregada de um país (Y d ) é crescene da axa de câmbio real 1 inerna consane: Q Y Y ε P = δ PQ d * ε P P *, supondo o preço exerno função onde: Y = produo naural P = índice de preço inerno * P = índice de preço exerno Q = axa de câmbio de equilíbrio 2 Pela equação 1. 1, se a axa de câmbio real for igual a axa de equilíbrio ε. P * =, o produo demandado será igual ao naural 3. Assim como, se houver um P aumeno nos preços exernos em relação aos inernos ( aumeno de 1. 1 * P * εp em relação a P ), o produo demandado ficará maior em relação ao naural, com elevação da demanda mundial pelos bens produzidos inernamene. Esa relação é explicada, segundo Obsfeld e Rogoff (1996), por vários mecanismos: a) pela suposição de Mundell, Fleming e Dornbush de que o país domésico em monopólio dos bens comercializáveis que ele possui (a despeio do país ser pequeno no mercado) e de que os produores domésicos de bens comercializáveis êm um maior índice de preço ao consumidor (IPC) inernamene que exernamene, ornando viável a redução dos preços dos bens comercializáveis domésicos e o conseqüene aumeno da demanda exerna por eses bens e b) pela depreciação real do câmbio que pode aumenar a demanda por bens inernos mudando o gaso domésico de produos comercializáveis para os não comercializáveis. ε 1 P * A axa de câmbio real corresponde à axa de câmbio nominal (ε ) corrigida segundo o índice de P * preço inerno ( P ) e exerno ( P ). 2 Por axa de equilíbrio, enende-se, nese rabalho, a axa de câmbio quando a balança de bens e serviços não faores se iguala a zero. Ressala-se que esa axa não é necessariamene igual à de pleno emprego, usualmene uilizada na eoria. Por simplicidade, assume-se, seguindo Keynes, que o produo é deerminado pela demanda Y d = Y. 3 Ese modelo pressupõe rigidez nominal dos preços, pois se os preços fossem oalmene flexíveis o produo seria sempre igual ao nível naural e o câmbio igual ao de equilíbrio. Na realidade, segundo Rogoff e Obsfeld (1996), os preços nominais se ajusam mais lenamene que a axa de câmbio, o que é capurado pelo modelo assumindo que p é predeerminado, respondendo lenamene a choques.

5 5 Nese rabalho, o primeiro passo é calcular, para o Brasil, o quano o produo demandado esá acima do produo naural no período considerado. Para iso os dados relaivos ao produo inerno bruo foram ransformados em US$ (referene a um ano base - AB 4 ) de duas maneiras: a) dividindo o valor do PIB em R$ correnes pela axa de câmbio nominal (ε ) e pelo índice de preços exerno (considerado como sendo o IPA 5 dos EUA relaivo ao ano base) de forma a esimar o produo inerno bruo naural (Y ). Y ( US $ preços do PIB ( R$) AB ) = ε. P * ( AB = 100 ) b) os valores em R$ são primeiramene ajusados segundo um deflaor inerno relaivo ao ano base (considerado como sendo o deflaor implício do PIB) e somene enão são ransformados em US$, dividindo-se o resulado pela axa de câmbio do ano base. Calcula-se, assim, o produo demandado. Y d ( U$ preços do AB) = PIB( R$) P( AB = 100). ε( AB) O produo naural é maior (menor) que o demandado quando a axa de câmbio real esá valorizada (desvalorizada) em relação à de equilíbrio, como ocorreu na década de 70 no Brasil, gerando saldos da balança comercial de bens e serviços não faores negaivos. Porano, se a inflação inerna fosse menor a axa real esaria menos valorizada e o produo demandado seria maior. 4 O AB foi omado como sendo aquele no qual o produo demandado se igualaria ao naural, ou seja, aquele no qual haveria equilíbrio na balança comercial de bens e serviços não faores 5 A escolha dos índices de preço inerno e exerno levou em consideração a hipóese de que em odo o período a média da relação enre o produo demandado e naural deveria ser igual a um.

6 US$ milhões y naural y demandado Gráfico Produo Inerno Bruo (ano base=1969) Fone: IPEADATA para PIB em R$ e PIB em US$ - câmbio médio. Dados os valores do produo demandado e do naural, divide-se um pelo ouro e ε. P acha-se o efeio cambial ( e * ), ou seja, quano a axa de câmbio real ( )se afasa da P axa de equilíbrio ( ε (AB) ): Y e = Y d * ε. P ( AB = 100) = 1. 2 ε( AB). P( AB = 100) onde: ε AB * = Q = axa de câmbio de equilíbrio P ( AB = 100) = índice de preço nos EUA (IPA) em relação ao AB P ( AB = 100) = índice de preço no Brasil (DI) em relação ao AB Porano, quano maior (menor) a axa de câmbio real de deerminado ano em relação à de equilíbrio ε. P P * > Q, mais o câmbio esará desvalorizado (valorizado), aumenando (diminuindo) a diferença enre o produo demandado e o naural ( Y d > Y ) e o efeio cambial ( e > 1). Cabe mencionar que o ano omado como base foi o de Ese ano com equilíbrio na balança comercial de bens e serviços não faores (-0.01% do PIB) gera uma série de efeio cambial cujo somaório se aproxima de um, 0,96, significando que, na média do período de 1951 a 2001, a axa de câmbio se aproxima da de equilíbrio. Esa consaação confirma a idéia do devedor não-ponzi, ou seja, de que no longo prazo o

7 7 saldo enre os déficis e os crédios será zero 6. Cabe noar ambém que, em ouros anos, onde a balança comercial de bens e serviços não faores se aproxima de zero (-0,15 em 1954 e 0,06% em 1967), o efeio cambial ambém se enconra próximo de um (1,04 e 0,93). Calculou-se, ainda o desvio cambial (d) como sendo: d = e 1 Observando-se que, conforme mosrado nos gráficos abaixo, quano maior o produo demandado em relação ao naural (maior a desvalorização cambial), maior o desvio cambial, maior a CCBSnf em relação ao produo 7, ou seja, menor a axa de poupança exerna. Cabe lembrar que das conas nacionais sob a óica da despesa (IBGE (1990)) em-se: Y = C + I + X M 1. 3 onde: C = consumo final I = formação brua do capial = formação brua de capial fixo (FBKF) mais a variação de esoques ( E) X M = CCBSnf Logo: FBKF = Y C E CCBS nf a formação brua do capial fixo é formada pela poupança erriorial - o produo inerno bruo subraído do consumo final das famílias e da adminisração pública, bem como da variação de esoque ( S T = Y C E ) - e pela poupança exerna 8 ( CCBS nf ). 6 Na realidade, a soma dos crédios e dos débios se igualaria a zero, respeiando o ime, ou seja, os valores deveriam esar em valor presene. 7 O produo uilizado foi calculado dividindo o produo inerno bruo em reais consanes de 2001 pelo câmbio médio de 2001, dados fornecidos pelo IPEA. Ese produo reira da série da axa de poupança exerna oscilações decorrenes da volaibilidade do câmbio, que seriam observadas caso fosse ulizado o produo correne em dólares. 8 Ressala-se que o ermo poupança exerna geralmene é relacionado ao DCC (défici em cona correne) como um odo, ou seja, acrescena-se à equação (1.3) no lado esquedo e direio, os serviços faores, passando a rabalhar com o produo nacional bruo PNB.

8 8 Gráfico 1. 2 Desvio do Câmbio(d) e Défici em CCBSnf - % do PIB Fone: d calculadoccbsnf calculada a parir das séries de exporação de bens (fob) em US$, de imporação de bens (fob) em US$, e de serviços (líquido) em US$ fornecidas pelo BACEN, bem como pela série de PIB (preços 2001) em R$ e do câmbio médio para 2001 fornecidas pelo IPEADATA. Gráfico Desvio do Câmbio (d) x DCCBSnf - % PIB Com o ajuse de uma função linear aos dados:

9 9 d = 3,67 6,85DCCBSnf (0.1659) (0.0001) 1. 4 endo o DCCBSnf esperada pelo mercado no próximo período ( DCCBSnf + 1 ), calcula-se o desvio de cambio e o efeio cambial esperados. Ε [ d ] = a be DCCBSnf ] [ + 1 [ e ] = Ε[ ] 1 Ε * 1 d onde: E = operador de esperança Tx Média de Câmbio em moeda de 2003 Tx Média de Cambio (valor previso) Gráfico 1. 4 Taxa Média de Câmbio Previsa e Realizada, segundo a correlação linear O gráfico acima, mosra o câmbio previso (ajuse linear),,o verificado e o inervalo de confiança com eoricamene 65% de significância (um desvio padrão) e, na práica, com 78% de significância. O coeficiene de variação (desvio padrão pela média) de 19% e a persisência de subesimações (ou superesimações) em alguns períodos, mosram que ainda haveria espaço para fuuras análises sobre o ema, onde poderia-se invesigar o papel de diferenes regimes cambiais ou da diversificação da axa de câmbio (períodos onde haveria a vigência de mais de uma axa de câmbio, como a comercial e a paralela) na deerminação da axa de câmbio de longo prazo. Por enquano, pode-se observar que o valor médio em 2002 ficou abaixo do projeado (2,93 em relação a 2,49).

10 10 Cabe mencionar que uma análise mais dealhada da série mosrou que com num ajuse linear, são significaivas duas quebras esruurais, modificando o inercepo e represenadas por dummies de nível: em 1988 e em A equação uilizada para deerminar o desvio cambial em função do DCCBSnf ficou como se segue: d 11,97DCCBSnf 0,3833* dummy88 + 0,4236* dummy95 = 1. 5 (0.0000) (0.0000) (0.0007) onde: dummy88 = 0 aé 1987 e =1 a parir de 1988 dummy95 = 0 aé 1994 e =1 a parir de 1995 Os números enre parêneses mosram que as variáveis independenes são esaisicamene significanes (ao nível de 1%) na deerminação do desvio do câmbio. O gráfico abaixo apresena a rea esimada com as quebras geradas pelas dummies. É de se ressalar que o coeficiene de deerminação ajusado se eleva em comparação ao da forma linear, de 0,26 para 0,53. Gráfico Desvio do Câmbio (d) x DCCBSnf como Percenagem do PIB com dummy de nível em 1988 e 1995 Nas próximas seções, uilizaremos as duas equações (1. 4 e 1. 5) para deerminar o efeio cambial, a linear por ser simples e gerar um coeficiene de deerminação que é ípico de dados em core ransversal 9, enquano a equação com as dummies por apresenar, apesar de seu maior subjeivismo, uma melhor explicação da variação da variável dependene em orno de sua média (R 2 =0,53). Quano ao porque da inserção das dummies em 1988 e 1995, mudando a relação enre o câmbio e a balança comercial no período, lembra-se que, em 1989, ocorreu a moraória da dívida exerna, conjugada com cenralização cambial (com resrições a conversibilidade cambial), 9 Dados observados no mesmo insane.

11 11 medidas esas que segundo Souza(1998), apesar de permiirem deer a sangria de divisas para o exerior em siuações de crise cambial laene, ambém, inibem o ingresso e esimulam a saída (inclusive a fuga) de capiais, fazendo com que os produores subesimem o valor das exporações e superesimem as imporações. Por ouro lado, a parir de meados de 1994, com o plano real e a esabilidade econômica, inibe-se a fuga de capiais, alerando novamene a relação câmbio x balança comercial. Por fim, menciona-se que, ambém, foi considerado um ajuse quadráico onde o coeficiene de deerminação ajusado siua-se em 0,30 e a equação é represenada por: 2 d = 7,38DCCBSnf 1,23DCCBSnf 1. 6 (0.1659) (0.0001) De posse do desvio, da axa de cambio de equilíbrio no ano base, da variação esperada nos preços inernos e exernos, pode-se, enão, calcular o câmbio esperado para o próximo período. Ε [ ε ] + 1 ε( AB). Ε = Ε [ e ]. Ε[ P ( AB = 100) ] * [ P ( AB = 100) ] Seção 2 - Passivo Exerno Segundo Barros e Barbosa (2002), o passivo exerno de uma economia compora o endividameno oal do país em quesão com os credores exernos (dívida exerna) somado da oalidade de aivos esrangeiros invesidos no país. Eses dois componenes do passivo exerno geram um fluxo de remessas, juros e amorização decorrenes da dívida exerna e lucros e dividendos dos aivos esrangeiros invesidos. Quano ao passivo exerno líquido, ese é o resulado da subração do passivo exerno bruo pelos aivos de residenes domésicos no exerior e pelas reservas inernacionais em moeda esrangeira da economia domésica. Tem-se que: PEB = DE + EK 2. 1 PEL = PEB ARE RI onde: PEB = passivo exerno bruo DE = dívida exerna EK = esoque de capial esrangeiro invesido no país onde: PEL = passivo exerno líquido ARE = aivos de residenes no exerior RI = reservas inernacionais em moeda esrangeira 10 Nese relaório, assim como em Barros e Barbosa (2002), rabalhar-se-á com o conceio de passivo exerno bruo, uma vez que os aivos de residenes brasileiros 10 Sobre a remuneração média das reservas cabe informar que, segundo informações do BACEN, ela foi de 6,14% em 2000, 5,51% em 2001 e 2,5% em 2002.

12 12 no exerior são poucos, e que as reservas podem mascarar o fluxo de remessa fuuros de lucros e dividendos. O passivo exerno ambém pode ser calculado pela soma dos déficis em cona correne ( DCC ) da seguine forma: PE = DCC = n 2. 2 n 0 Sendo que a CC 11 é obida adicionando à equação (1.3), como em Obsfeld e Rogoff (1996), o rendimeno dos aivos exernos bruos 12 (r B ): Y + rb = C + I + CC 2. 3 O conceio da equação (2.2), segundo Barros e Barbosa (2002), se equivale à equação (2.1) dado que o défici em cona correne pode ser financiado da seguine forma: DCC = FK + CAP A + ER R ou seja, a cona correne deve ser igual ao fluxo de capial esrangeiro (FK) somado do endividameno líquido, capações (CAP) menos as amorizações (A), dos emprésimos de regulação 13 (ER) e subraído da variação de reservas ( R ). Supondo que, no longo prazo, as variações de reservas e os emprésimos de regulação endem a ser zero, pode-se igualar: DE = CAP A 2. 4 EK = FK 2. 5 PE = DCC 2. 6 A abela e o gráfico abaixo, apresenam o passivo exerno e sua divisão enre a dívida exerna (incluindo emprésimos inercompanhias) e o esoque de capial de 1995 a Tabela 2. 1 Composição do Passivo Exerno 11 Por simplificação, considerar-se-á a cona correne afora as ransferências unilaerais. 12 Na realidade, rb equivaleria a rendimenos líquidos, no enano como nese rabalho resolveu-se rabalhar com o passivo exerno bruo, consideramos aqui o rendimeno bruo. 13 Emprésimos junos a auoridades moneárias inernacionais.

13 13 Passivo Exerno (PE) Esoque de Invesimeno Esrangeiro (EK) US$ bilhões Dívida Exerna (com emprésimos inercompanhias) (DE) PE 400B US$ bilhões ,2 96,9 159, ,3 110,4 179, ,4 126,4 200, ,0 126,4 241, ,4 127,9 241, ,4 143,2 236, ,8 138,7 226,1 Fone: BACEN para DE Barros e Barbosa (2002) para EK PE EK DE DE, US$ bilhões Gráfico 2. 1 Composição do Passivo Exerno Noa-se que a dívida exerna parou de crescer após a desvalorização cambial e a adoção do regime de câmbio fluuane em Segundo Barros e Barbosa (2002), a queda na DE, pós 1999, se deve à inserção de risco de desvalorização pelo regime de câmbio fluuane, inibindo a conração de novas dívidas. É de se lembrar que com as crises asiáica, em seembro de 1997, russa, em ouubro de 1998, e brasileira, em janeiro de 1999, aumenando o risco Brasil, a ofera de emprésimos exernos ambém ende a cair. Definido e deerminado o valor do passivo exerno, pode-se pensar agora em sua evolução no empo: Das equações (1.3) e (2.3) pode-se inferir que: CC = X M + rb onde o rendimeno dos aivos exernos (rb) compreende o pagameno de juros (J), lucros e dividendos (L): CC = X M + J + L

14 14 Pode-se observar, porano, que para maner o PE susenável pode-se conrolar a balança comercial de bens e serviços não faores, dado que o fluxo dos rendimenos é conseqüência do PE passado. Barros e Barbosa (2002) aleram, ainda, para a necessidade de ajusar o fluxo de lucros a desvalorizações no câmbio real, uma vez que o esoque de capial esrangeiro diminuiria em dólares. Ou seja, dado que: L α = EK 1 onde α é a axa de rendimeno considerada consane, compua-se o esoque de capial esrangeiro no Brasil considerando a desvalorização ocorrida no período, desconada da inflação inerna. 1P EK FK 2. 7 ε 1 1 EK = + ε A desvalorização do câmbio, porano, além de seu efeio posiivo sobre o saldo da balança comercial diminui o esoque de capial esrangeiro (em dólares) e, conseqüenemene, o passivo exerno. Os dados sobre as rendas enviadas ao exerior (veja gráfico abaixo) ao mosrarem queda na remessa de lucros após a desvalorização do câmbio em 1999, confirmam a idéia que, supondo uma axa de rendimeno (α ) consane, a remessa de lucros caiu porque o esoque de capial ambém caiu lucros e dividendos juros (oal despesa) Gráfico 2. 2 Rendimenos do PE: lucros e dividendos e juros. Fone: BACEN para juros (oal despesa), série nº2403, e para lucros e dividendos, exclusive lucros reinvesidos (oal despesa), série nº A propósio, calculando a axa de rendimeno, a axa de juros e uma axa conjuna pelas seguine-se relações: L α = EK 1 i = J DE 1 J + L r = PEB 1

15 15 em-se, conforme mosrado na abela abaixo, que a axa de juros oscila em orno de 7,08% e 7,78%. Por ouro lado, a axa de lucro varia consideravelmene no período, caindo após a desvalorização cambial em Ese comporameno indica que, afora a redução do esoque de capial, a queda na remessa de lucros seria decorrene da fluuação cambial, ou seja, uma desvalorização cambial poderia acarrear em aumeno do lucro reinvesido 14. Tabela 2. 2 Rendimenos do PE: lucros e dividendos e juros. lucros e dividendos juros (oal despesa) α i v US$ milhões US$ milhões ,85% 7,78% 5,55% ,60% 7,50% 6,03% ,67% 7,66% 6,11% ,36% 7,08% 6,12% ,33% 7,08% 5,63% ,65% 7,46% 6,26% Fone: BACEN para juros (oal despesa), série nº2403, para lucros e dividendos, exclusive lucros reinvesidos (oal despesa), série nº 2394, e para DE. Barros e Barbosa (2002) para EK. Noa-se, ainda, a relaiva esabilidade da axa de rendimeno conjuna em orno de seis porceno, jusificando o pressuposo de que a axa é consane no longo prazo. Seção 3 Susenabilidade do Passivo Exerno Resa, ainda, discuir a susenabilidade do passivo exerno. Abaixo apresena-se seu comporameno em relação ao produo em dólares correnes e ao produo em dólar de 2001, calculado como explicado na noa de rodapé nº7. Tabela 3. 1 PE como proporção do PIB 14 Segundo Barros e Barbosa (2002), o Censo de Capiais, realizado em 1995, revela que o nível de lucros reinvesidos no Brasil é elevado.

16 16 PE/PIB PE/PIB (US$2001) 80% 70% 60% 50% % 54% % 59% % 64% % 73% % 72% % 71% % 67% 40% 30% 20% 10% 0% PE/PIB PE/PIB (US$2001) Gráfico 3. 1 PE como proporção do PIB Fone: BACEN para DE Barros e Barbosa (2002) para EK IPEADATA para câmbio médio para 2001, PIB - câmbio médio - em US$ e PIB (preços 2001) em R$. A abela e o gráfico acima mosram claramene que quando a relação enre passivo exerno e o PIB é calculada pelo dólar médio do ano seu comporameno fica viesado pela desvalorização cambial, ou seja, quando o câmbio se desvaloriza o produo em dólares cai e a relação aumena. Em 1999 e 1998, por exemplo, a relação PE/PIB aumenou 23%, sendo que a elevação do PE foi somene de 0,4% e a queda no PIB de 32,8%. Por ouro lado, a relação PE/PIB quando calculada de acordo com a série do produo em moeda nacional de um ano dividido pelo câmbio médio daquele ano, mosra uma série com menos volailidade, com queda do passivo exerno em proporção do PIB a parir de 2000, o que reflee a diminuição do esoque de capial de esrangeiros no país em dólares e a queda na dívida exerna. Fica a dúvida sobre qual o ano a ser omado como base, pois de acordo com o ano considerado o nível da relação varia. Como já observamos que, em odo o período, a soma dos desvios cambiais se aproxima de zero, com os valores posiivos e negaivos se anulando (veja Seção 1), julgou-se que o ano base a ser considerado seria aquele que, denre o período de 1995 a 2001, apresenasse a menor relação enre a balança comercial de bens e serviços não faores em relação ao PIB e, conseqüenemene, um baixo desvio cambial. Como o desvio do cambio é similar em valor, apesar de variar de senido, nos rês úlimos anos, considerou-se como ano base o ano de 2001.

17 17 Seção 4 - Esimaivas Como primeiro exercício serão verificadas as projeções de câmbio para 2002 e 2003 e o que aconecerá com a relação PE/PIB: Tabela 3. 2 Dados Uilizados nas Esimaivas Fone: FOCUS/BACEN de , Balança Comercial (BC) para 2002, divulgada pelo Minisério do Desenvolvimeno, Indúsria e Comércio Exerior, e para 2003, esimada pela auora, Cona Correne (CC) revisa segundo os cálculos da BC, crescimeno do PIB para 2003 esimado segundo o modelo projear-e desa revisa e paricipações no PIB calculadas de acordo com o PIB (U$ de 2001). Com as esimaivas acima e supondo uma variação no IPA 15 dos EUA de 1,2% em 2002 e 1,9% em 2003 e que a balança de serviços não faores coninue a represenar a mesma proporção do PIB, no saldo acumulado em 12 meses, em novembro de 2002 (- 1%), em-se a CCBSnf e, conseqüenemene, o desvio cambial (equação 1. 4, 1. 5 e 1. 6) e o câmbio médio necessário para gerar a CCBSnf (equação1. 7). O câmbio final 16, previso nese rabalho para 2002 e 2003, ficaria em 3,02 e 3,52, usando a forma linear, 3,07 e 3,52, forma quadráica, e 3,41 e 4,09 usando a função com as dummies. Acredia-se que, denre esas rês formas, a linear e a quadráica represenam melhor o câmbio de equilíbrio, enquano a forma com as dummies, que incorpora melhor mudanças conjunurais, daria a axa de câmbio provável de ser aingida em siuações de sress, com fuga de capiais. 15 Como proxy da variação no IPA nos EUA uilizou-se a variação no deflaor implício do PIB esimada pelo Fundo Moneário Inernacional, no World Economic Oulook, de seembro de 2002, para 2002 e 2003, e como proxy da variação do deflaor implício do PIB para o Brasil o índice geral de preço disponibilidade inerna (IGP-DI) 16 O cambio final é calculado inserindo na axa de câmbio média a variação dos preços inernos, supondo uma disribuição uniforme da inflação ao longo do ano.

18 médio/2002 final/2002 médio/2003 final/2003 Linear Quadráico Realizado Dummies Gráfico 3. 2 Câmbio Realizado e Previso, segundo as funções linear, quadráica e com as dummies. A forma quadráica é aquela que mais se aproxima com o realizado e com as previsões de mercado, ou seja, câmbio de 3,60 para 2003 (FOCUS/BACEN de ). O câmbio final de 2002, superior ao esimado pela forma linear e quadráica, mosra que, ainda exisiria espaço para uma queda na axa de câmbio nese início de ano. De posse do câmbio médio esimado, pode-se agora verificar como ficaria o passivo exerno como proporção do PIB. Como a variação do PE é suposa igual ao défici na cona correne (equação 2. 6) 17, recalculando o esoque de capial dada à desvalorização do câmbio (equação 2. 7) e acrescenando, como primeira aproximação, o défici em cona correne ao esoque de capial e à dívida exerna de acordo com as proporções do EK e da DE em relação ao PE, êm-se que: Tabela 3. 3 Resulado da Projeção, usando as esimaivas do mercado para 2003, com a equação linear 18 (1. 4) 17 Na realidade, reirou-se do DCC a pare financiada pelo rendimeno (2%) das reservas inernacionais, consideradas consanes no nível de US$40 bilhões. Para que a variação do passivo exerno bruo, seja igual ao rendimeno do passivo exerno bruo menos o rendimeno das reservas: PEB RI = PEB 1. v RI 1 * r onde r é a axa de rendimeno das reservas. Ou ajusa-se o passivo exerno ou reira-se do défici em cona correne o rendimeno das reservas ajusado r PEB 1 = PEB 1 RI 1 * ou PEB 1 = DCC RI 1 * r v 18 Não se uiliza a forma quadráica, pois a relação câmbio x balança comercial invere de senido a parir de deerminado pono, dado o próprio formao da curva.

19 linear r Câmbio Médio EK DE DCC PE PE/PIB 67.4% 68.3% 68.0% Os dados mosram que o passivo exerno chegaria a cair como proporção do PIB no próximo ano caso o câmbio reorne a rajeória de equilíbrio, com câmbio médio em 3,28 e câmbio de final de período em Observando o esperado e o realizado, médio e final de período, em 2002 e 2003 na forma linear e quadráica, êm-se: Para que a relação PE/PIB não enha rajeória explosiva: PE = Y PE Y PE Y 1 = 1 0 Supondo um axa rendimeno consane (v=6%) êm-se: PE 1 (1 + v) CCBSnf Y 1 (1 + g) PE Y 1 1 onde : g = axa de crescimeno de Y = 0 Após algumas ransformações em-se: CCBSnf Y PE = Y 1 1 ( v (1 + g) g) 4. 1 Pode-se enão calcular o défici em cona correne necessário para maner a relação PE/PIB consane e a axa de câmbio média resulane da CCBSnf previsa. Ressala-se que, como o câmbio, afea o monane do esoque de capial (equação 2. 7) e, conseqüenemene, o passivo exerno, é necessário fazer o cálculo recursivamene. Por exemplo, esima-se o saldo da CCBSnf necessário para esabilizar a relação PE/PIB, o câmbio médio e verifica-se o resulado da relação PE/PIB, caso esa enha caído em relação ao ano anerior (dada a diminuição no EK com a desvalorização cambial); diminuí-se, enão, o saldo da CCBSnf e recalcula-se o câmbio e a relação PE/PIB e assim recursivamene. Fazendo um exercício com as previsões com a projeções do PIB e da inflação para 2003 da Tabela 3. 2, êm-se os seguines resulados:

20 20 Tabela 3. 4 Previsões para maner o PE/PIB esável Câmbio Médio EK DE DCC PE PE/PIB 68.3% 68.3% Porano, o cenário com a forma linear esima uma balança comercial de US$14,6 bilhões em 2003, para esabilizar a relação passivo exerno em relação ao produo em 68,3%, bem como uma axa de câmbio média de 3.21 e final de período de 3,45. Seção 5 Conclusão O presene rabalho ornou possível er uma maior sensibilidade sobre a axa de câmbio esperada de acordo com as expecaivas para a inflação inerna e exerna e para a balança comercial. Também, permiiu que se aprofundasse o conhecimeno sobre os componenes do passivo exerno, bem como sobre os fluxos por ele gerados. Ficou viável, porano, esimar a axa de câmbio e o saldo da balança comercial necessário caso se deseje esabilizar o passivo exerno em relação ao produo inerno bruo da economia. O cambio final de período de equilíbrio enconrado ficou enre 3,02 e 3,07 para 2002, sugerindo que ainda exise espaço para uma valorização da axa de câmbio. Por ouro, lado para 2003, a projeção do câmbio segundo uma balança comercial de US$14,8 bi e uma elevação IGP-DI de 15,23%, ficaria em 3,3,52, podendo chegar se o ambiene econômico ornar-se adverso à 4. O resulado, considerando o câmbio de equilíbrio e a projeção da balança comercial, abaixaria a relação passivo exerno/pib em 0,3%. Ressala-se ainda que foi calculada ambém a balança comercial, bem como o câmbio de equilíbrio, necessários para esabilizar a relação passivo exerno/pib. Como resulado, enconrou-se uma balança de US$14,21 bilhões e uma axa de câmbio final de 3,45. Cabe observar que as esimaivas aqui observadas podem se alerar no decorrer do período, caso as expecaivas quano ao comporameno da balança comercial e dos índices de preço se alere. Para uma melhor análise desas possibilidades seria ineressane que ese esudo fosse complemenado poseriormene por uma análise sobre previsões de inflação inerna. É de se mencionar por fim que, como adoou-se, durane a elaboração dese rabalho, algumas hipóeses simplificadoras, sugere-se que poseriormene se analise mais dealhadamene, enre ouras coisas, o comporameno da balança de serviços e a relação enre o défici em cona correne e seu financiameno por invesimeno direo

21 21 esrangeiro e/ou por divida exerna. Ouro pono, que mereceria fuura aenção, seria como os regimes cambiais e/ou a diversidade do câmbio (períodos onde exisia mais de uma axa de câmbio: paralela e comercial) aleram a correlação exisene enre a cona correne de bens e serviços não faores e a axa de câmbio de longo prazo.

22 22 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Barros, O. e Fernando Honorao Barbosa, Forma de Apuração do Passivo Exerno Brasileiro e a Influência do Regime de Câmbio Fluuane. versão preliminar, Relaório da BBV, Dornbush, Rudiger, Expecaion and Exchange Rae Dynamics. Journal of Poliical Economy 84 (dezembro de 1976). Feu, Aumara. Políica Cambial Brasileira. Economia & Energia 15 (agoso 1999). Giambiagi, Fabio, A Condição de Esabilidade da Relação Passivo Exerno Líquido Ampliado/PIB:Cálculo do Requisio de Aumeno das Exporações no Brasil. Revisa BNDES 08 (dezembro de 1997). Insiuo Brasileiro de Geografia e Esaísica, Sisema de Conas Nacionais Consolidadas Brasil (Rio de Janeiro: 1990). Obsfeld, Maurice e Kenneh Rogoff, Foundaions of Inernaional Macroeconomics. Massachuses Insiue of Technology, Pasore, Affonso Celso e Maria Crisina Pinoi. Taxa de Câmbio Real e Saldos Comerciais. Revisa de Economia Políica (janeiro de 1995).

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15.

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15. Economia e Finanças Públicas Aula T21 6.3 Resrição Orçamenal, Dívida Pública e Susenabilidade 6.3.1 A resrição orçamenal e as necessidades de financiameno 6.3.2. A divida pública 6.3.3 A susenabilidade

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil Variabilidade e pass-hrough da axa de câmbio: o caso do Brasil André Minella Banco Cenral do Brasil VI Seminário de Meas para a Inflação Agoso 005 Disclaimer: Esa apresenação é de responsabilidade do auor,

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Boletim Económico Inverno 2006

Boletim Económico Inverno 2006 Boleim Económico Inverno 2006 Volume 12, Número 4 Disponível em www.bporugal.p Publicações BANCO DE PORTUGAL Deparameno de Esudos Económicos Av. Almirane Reis, 71-6.º andar 1150-012 Lisboa Disribuição

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 MACROECONOMIA I LEC 2 3.. Modelo Keynesiano Simples Ouubro 27, inesdrum@fep.up.p sandras@fep.up.p 3.. Modelo Keynesiano Simples No uro prazo, a Maroeonomia preoupa-se om as ausas e as uras dos ilos eonómios.

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos econsor www.econsor.eu Der Open-Access-Publikaionsserver der ZBW Leibniz-Informaionszenrum Wirscaf Te Open Access Publicaion Server of e ZBW Leibniz Informaion Cenre for Economics Gonçalves, Reinaldo Working

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE RELAÇÕES MACROECONÔMICAS ENTRE DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL, TAXA REAL DE CÂMBIO, INVESTIMENTOS PRODUTIVOS,

Leia mais

Tito Belchior Silva Moreira

Tito Belchior Silva Moreira 1º Lugar Tio Belchior Silva Moreira Mecanismos de Transmissão da Políica Fiscal no Brasil: uma invesigação empírica. XIV PRÊMIO TESOURO NACIONAL 2009: Homenagem a Euclides da Cunha TEMA 1. POLÍTICA FISCAL

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise 4 O Papel das Reservas no Cuso da Crise Nese capíulo buscamos analisar empiricamene o papel das reservas em miigar o cuso da crise uma vez que esa ocorre. Acrediamos que o produo seja a variável ideal

Leia mais

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insiuo de Ciências Humanas Deparameno de Economia DOUTORADO EM ECONOMIA A Produividade do Capial no Brasil de 1950 a 2002 Aumara Feu Orienador: Prof. Maurício Baraa de Paula Pino

Leia mais

Uma Análise Sobre a Sustentabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-2012)

Uma Análise Sobre a Sustentabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-2012) Uma Análise Sobre a Susenabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-202) Jaime Ferreira Dias * José Luis Oreiro ** Resumo: Ese arigo em por objeivo analisar a dinâmica

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br Apresenação Oral-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia HUMBERTO FRANCISCO SILVA

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

Estimativas do Grau de Abertura da Conta de Capitais no Brasil 1988 a 1998

Estimativas do Grau de Abertura da Conta de Capitais no Brasil 1988 a 1998 ISSN 1415-4765 TEXTO PARA DISCUSSÃO N O 715 Esimaivas do Grau de Aberura da Cona de Capiais no Brasil 1988 a 1998 João Carlos Ramos Magalhães Brasília, março de 2000 ISSN 1415-4765 TEXTO PARA DISCUSSÃO

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico*

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico* Arigos Abordagem ineremporal da cona correne: inroduzindo câmbio e juros no modelo básico* Nelson da Silva Joaquim Pino de Andrade Resumo O modelo padrão da abordagem ineremporal da cona correne assume

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DO DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ESTIMAÇÕES DAS ELASTICIDADES DAS FUNÇÕES DA

Leia mais

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR)

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) Edilean Kleber da Silva Douorando em Economia Aplicada pela UFRGS Rua Duque de Caxias, 1515, apo. 402.

Leia mais

Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combustíveis 1

Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combustíveis 1 1 Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combusíveis 1 Mara Crisina Marjoa-Maisro 2 Geraldo San Ana de Camargo Barros 3 Arigo elaborado em fevereiro/2002 Aprovado para o XL Congresso Brasileiro

Leia mais

Crises cambiais e bancárias na década de 1990: uma análise de painel aplicada a mercados emergentes. Ana Paula Menezes Pereira * e Fernando Seabra **

Crises cambiais e bancárias na década de 1990: uma análise de painel aplicada a mercados emergentes. Ana Paula Menezes Pereira * e Fernando Seabra ** Crises cambiais e bancárias na década de 990: uma análise de painel aplicada a mercados emergenes Ana Paula Menezes Pereira * e Fernando Seabra ** Resumo: Um grande número de crises cambiais ocorreu na

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL

A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL fcccassuce@yahoo.com.br Apresenação Oral-Comércio Inernacional ANA

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

MACROECONOMIA DO DESENVOLVIMENTO PROFESSOR JOSÉ LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE QUESTÕES PARA DISCUSSÃO

MACROECONOMIA DO DESENVOLVIMENTO PROFESSOR JOSÉ LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE QUESTÕES PARA DISCUSSÃO MACROECONOMIA DO DESENVOLVIMENTO PROFESSOR JOSÉ LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE QUESTÕES PARA DISCUSSÃO 1 Quesão: Um fao esilizado sobre a dinâmica do crescimeno econômico mundial é a ocorrência de divergências

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo O Cuso de Bem-Esar da Inflação: Cálculo Tenaivo com o Uso de um Modelo de Equilíbrio Geral José W. Rossi Resumo O cuso de bem-esar da inflação em sido calculado usando-se basicamene dois ipos de abordagem:

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 ISSN 188-981X 18 18 EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 Effec of cassava price variaion in Alagoas over producion gross value Manuel Albero Guiérrez CUENCA

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 9 ASSUNTOS: Análise de Invesimenos Valor Acual Líquido (VAL) Taxa Inerna de Renabilidade (TIR) Rácio Benefício - Cuso (RBC) Tempo de Recuperação (TR) PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Perane a previsão de prejuízos

Leia mais

Testando as Previsões de Trade-off e Pecking Order sobre Dividendos e Dívida no Brasil

Testando as Previsões de Trade-off e Pecking Order sobre Dividendos e Dívida no Brasil Tesando as Previsões de Trade-off e Pecking Order sobre Dividendos e Dívida no Brasil Júlio Cesar G. da Silva Ricardo D. Brio Faculdades Ibmec/RJ Ibmec São Paulo RESUMO Ese rabalho mosra que as companhias

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE

COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE RESUMO Ese rabalho objeiva esudar o comporameno recene dos preços dos segmenos do complexo soja, em paricular, a ransmissão

Leia mais

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil O impaco de requerimenos de capial na ofera de crédio bancário no Brasil Denis Blum Rais e Silva Tendências Márcio I. Nakane Depep II Seminário Anual sobre Riscos, Esabilidade Financeira e Economia Bancária

Leia mais

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO VIVIANE SEDA BITTENCOURT (IBRE/FGV) E ANDREI GOMES SIMONASSI (CAEN/UFC) RESUMO O rabalho avalia a dinâmica

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

Multicointegração e políticas fiscais: uma avaliação de sustentabilidade fiscal para América Latina

Multicointegração e políticas fiscais: uma avaliação de sustentabilidade fiscal para América Latina IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Mulicoinegração e políicas fiscais: uma avaliação de susenabilidade fiscal para América Laina Luís Anônio Sleimann Berussi

Leia mais

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2 Transmissão de preços enre o produor e varejo: evidências empíricas para o seor de carne bovina em Goiás Resumo: A economia goiana vem se desacado no conexo nacional. Seu PIB aingiu R$ 75 bilhões no ano

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO Luís Anônio Sleimann Berussi MULTICOINTEGRAÇÃO E POLÍTICAS FISCAIS: UMA AVALIAÇÃO DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Autoria: Mara Jane Contrera Malacrida, Marina Mitiyo Yamamoto, Iran Siqueira Lima, Gerlando Augusto Sampaio Franco de Lima

Autoria: Mara Jane Contrera Malacrida, Marina Mitiyo Yamamoto, Iran Siqueira Lima, Gerlando Augusto Sampaio Franco de Lima A Relevância da Demonsração do Fluxo de Caixa para o Mercado de Capiais Brasileiro Auoria: Mara Jane Conrera Malacrida, Marina Miiyo Yamamoo, Iran Siqueira Lima, Gerlando Auguso Sampaio Franco de Lima

Leia mais

REGRAS DE POLÍTICA MONETÁRIA ÓTIMAS EM PEQUENAS ECONOMIAS ABERTAS

REGRAS DE POLÍTICA MONETÁRIA ÓTIMAS EM PEQUENAS ECONOMIAS ABERTAS REGRAS DE POLÍTICA MONETÁRIA ÓTIMAS EM PEQUENAS ECONOMIAS ABERTAS CATEGORIA: PROISSIONAL - Inrodução Após as crises financeiras do final dos anos novena e início desa década, noadamene as crises da Ásia

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

Teste de estresse na ligação macro-risco de crédito: uma aplicação ao setor doméstico de PFs. Autores: Ricardo Schechtman Wagner Gaglianone

Teste de estresse na ligação macro-risco de crédito: uma aplicação ao setor doméstico de PFs. Autores: Ricardo Schechtman Wagner Gaglianone Tese de esresse na ligação macro-risco de crédio: uma aplicação ao seor domésico de PFs Auores: Ricardo Schechman Wagner Gaglianone Lieraura: ligação macrorisco de crédio Relação macro-volume de crédio

Leia mais

O MECANISMO DE TRANSMISSÃO MONETÁRIA PARA UMA PEQUENA ECONOMIA ABERTA INTEGRADA NUMA UNIÃO MONETÁRIA* 1

O MECANISMO DE TRANSMISSÃO MONETÁRIA PARA UMA PEQUENA ECONOMIA ABERTA INTEGRADA NUMA UNIÃO MONETÁRIA* 1 Arigos Primavera 29 O MECANISMO DE TRANSMISSÃO MONETÁRIA PARA UMA PEQUENA ECONOMIA ABERTA INTEGRADA NUMA UNIÃO MONETÁRIA* Bernardino Adão**. INTRODUÇÃO Nese rabalho é analisado um modelo esilizado de uma

Leia mais

MUDANÇAS CAMBIAIS E O EFEITO DOS FATORES DE CRESCIMENTO DAS RECEITAS DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE SOJA 1 2

MUDANÇAS CAMBIAIS E O EFEITO DOS FATORES DE CRESCIMENTO DAS RECEITAS DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE SOJA 1 2 Sonia Sueli Serafim de Souza, Janice Alves Lamera, ISSN 1679-1614 Sandra Crisina de Moura Bonjour & Adriano Marcos Rodrigues Figueiredo MUDANÇAS CAMBIAIS E O EFEITO DOS FATORES DE CRESCIMENTO DAS RECEITAS

Leia mais

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Eficácia das Inervenções do Banco Cenral do Brasil sobre a Volailidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Fernando Nascimeno de Oliveira, Alessandra Plaga Conens: Keywords: 1. Inrodução; 2. Dados; 3.

Leia mais

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1 POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL RURAL: UMA ANÁLISE DA QUEDA RECENTE seven.helfand@ucr.edu Apresenação Oral-Evolução e esruura da agropecuária no Brasil STEVEN M. HELFAND 1 ; RUDI ROCHA 2 ; HENRIQUE

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Modelos de Crescimento Endógeno de 1ªgeração

Modelos de Crescimento Endógeno de 1ªgeração Teorias do Crescimeno Económico Mesrado de Economia Modelos de Crescimeno Endógeno de 1ªgeração Inrodução A primeira geração de modelos de crescimeno endógeno ena endogeneiar a axa de crescimeno de SSG

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

A dinâmica de transição e o crescimento econômico em um modelo neoclássico com capital humano

A dinâmica de transição e o crescimento econômico em um modelo neoclássico com capital humano A dinâmica de ransição e o crescimeno econômico em um modelo neoclássico com capial humano Jorge Cláudio Cavalcane de Oliveira Lima* Resumo O modelo neoclássico de crescimeno proposo por Solow (956) ganhou

Leia mais