Tito Belchior Silva Moreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tito Belchior Silva Moreira"

Transcrição

1 1º Lugar Tio Belchior Silva Moreira Mecanismos de Transmissão da Políica Fiscal no Brasil: uma invesigação empírica.

2 XIV PRÊMIO TESOURO NACIONAL 2009: Homenagem a Euclides da Cunha TEMA 1. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA 1.1 EQUILÍBRIO FISCAL E POLÍTICA MACROECONÕMICA Mecanismos de Transmissão da Políica Fiscal no Brasil: uma invesigação empírica 1

3 Mecanismos de Transmissão da Políica Fiscal no Brasil: Uma Invesigação Empírica Resumo: Esse arigo esa empiricamene se a políica fiscal brasileira no período de 1995: I a 1998: III é aiva ou passiva. Nós analisamos os canais de ransmissão da políica fiscal pela esimaiva de funções onde a razão dívida publica/pib afea superávi primário, demanda por moeda, axa de juros nominal, invesimeno, hiao do produo e a axa de crescimeno do produo. Uilizamos eses de Coinegração de Johansen, além de modelos de equações simulâneas - GMM com variáveis insrumenais. Os resulados indicam que a razão dívida publica/pib é esaisicamene significane e afea posiivamene a demanda por moeda, o superávi primário e a axa de juros e afea negaivamene o nível de invesimeno, o hiao do produo e a axa de crescimeno da economia. Além disso, mosrou-se no mesmo período que a razão superávi primário/pib reage posiiva e direamene a incremenos na razão dívida/pib e que a razão dívida/pib afea negaiva e indireamene o hiao do produo via superávi primário e posiiva e indireamene a axa de juros nominal, ambém via superávi primário. Por fim, as esimaivas com base no modelo de Leeper mosram que a economia brasileira enconra-se numa siuação de dominância fiscal, que descreve a eoria fiscal do nível de preços. Nesse conexo, nós enconramos evidencias empíricas de que a economia brasileira apresena uma políica fiscal aiva e uma políica moneária passiva. Esses resulados sugerem um processo de dominância fiscal no período analisado e, porano, um regime não Ricardiano. Quando o regime é Ricardiano, implicando que a políica moneária é aiva e a políica fiscal é passiva, faz senido analisar apenas os mecanismos de ransmissão da políica 1

4 moneária. Mas no caso de um regime não ricardiano, onde a políica fiscal é aiva e a políica moneária é passiva, podemos e devemos analisar os mecanismos de ransmissão da políica fiscal, o que consiui a principal conribuição desse rabalho. Isso poso, podemos inferir que se a dívida pública afea posiivamene a demanda por moeda, ela ambém deve alerar a axa de juros. Por ouro lado, quando há um incremeno no superávi primário há uma redução da base moneária, udo mais consane. Redução da base moneária leva a uma redução da ofera de moeda, ceeris paribus. Também enconramos evidências empíricas de que incremenos na dívida pública geram incremenos na Selic. Nesse conexo, axas de juros mais elevadas implicam em menores níveis de invesimenos e, por sua vez, menores níveis de hiao do produo e de crescimeno do PIB. Esses resulados são suporados pelas evidências empíricas. Vimos ambém que dívida pública afea negaivamene o hiao do produo e afea posiivamene a axa de juros via superávi primário. Tais conexões mosram como os efeios da políica fiscal são propagados ou ransmiidos na economia. Os resulados aqui apresenados ambém podem conribuir para explicar por que o Brasil é um dos países que possuem uma das mais elevadas axa de juros do mundo. Com base nos resulados empíricos apresenados, mosramos que variações posiivas da dívida pública êm impaco posiivo sobre a axa de juros. 2

5 1. Inrodução O Brasil em adoado um regime de mea inflacionaria desde 1999 em ambiene de desequilíbrio fiscal, haja visa os sucessivos déficis nominais gerados nas úlimas décadas. Apesar dos sucessivos superávis primários implemenados nos úlimos anos e de uma relaiva esabilidade da razão dívida/pib, o país ainda apresena uma rajeória e perfil da dívida pública preocupane, principalmene se considerarmos uma provável rajeória ascendene da razão dívida/pib após a recene crise bancária/financeira (crise do subprime) que assola odo o mundo. Com a fore redução do nível de aividade econômica desde o úlimo rimesre de 2008 e a expecaiva de fore reração da axa de crescimeno do produo no Brasil em 2009, as receias públicas devem reduzir, enquano que o nível de gasos do governo ende a maner-se. As elevadas axas de juros uilizadas pelo Banco Cenral (BACEN) como insrumeno para alcançar as meas inflacionarias conribuem para que o valor relaivo ao pagameno do serviço da dívida seja superior ao do superávi primário. Apesar da recene redução da Selic em 2009, o Brasil ainda apresena uma das maiores axas de juros reais do mundo. Um conínuo crescimeno do défici nominal e, conseqüenemene, da dívida pública orna o desequilíbrio fiscal paricularmene preocupane, dado o elevado esoque da dívida pública e dos elevados passivos de curo prazo num conexo de fore reração da economia mundial e, conseqüenemene, nacional. O conexo do desequilíbrio fiscal supraciado faz muios economisas acrediarem que o BACEN deva incluir na sua regra moneária alguma variável fiscal relevane. Morais e Andrade (2004), por exemplo, calculam a regra óima 2

6 de políica moneária supondo que a auoridade moneária segue um regime flexível de meas de inflação, no qual exise possibilidade de inclusão de uma mea para a razão dívida/produo Inerno Bruo (PIB). No modelo proposo, a dívida pública afea direamene o prêmio de risco e, conseqüenemene, a axa de câmbio. Os auores incluem uma mea para a razão dívida/pib na função de perda da auoridade moneária. Ouros economisas êm-se preocupado em discuir essa emáica e em propor formas alernaivas para a consrução de regras moneárias que levem em cona as resrições fiscais do caso brasileiro. A maioria deles impõe uma IS (Invesmen-Save) fiscal que redunda em uma regra óima de reação da axa de juros que inclui ambém uma variável fiscal. Freias e Muinhos (2002) esimam equações de Philips e IS para o Brasil após o Plano Real para esudar o mecanismo de ransmissão da políica moneária. Eles mosram que regras subóimas simples, como as do ipo Taylor, podem er desempenho ão bom quano às regras óimas, dependendo dos parâmeros escolhidos e das preferências do Banco Cenral. Os auores rabalham com uma IS fiscal em que o hiao do produo depende da axa de juros real, do hiao defasado, da axa de câmbio e ambém do défici fiscal. 1 Verdini (2003) desenvolve um modelo com o propósio de avaliar se as regras moneárias derivadas sob regime de meas para a inflação podem ser adapadas para corrigir desvios explosivos da dívida pública. Os resulados mosram que, apesar da poencial solvência de longo prazo, a dívida ainda pode gerar preocupações no curo prazo, mesmo se o Banco Cenral, na sua 1 De fao, a variável fiscal não foi significane. 3

7 reação de políica, considerar problemas com a adminisração da dívida e auar com base na previsão de inflação. Blanchard (2004) discorre sobre a eficácia da políica moneária brasileira em 2002 e 2003, mosrando os efeios perversos dessa políica num conexo em que o BACEN perseguiu a mea inflacionaria em um ambiene de dominância fiscal. O argumeno ou a inuição de que a políica fiscal brasileira afea, em cera medida, a políica moneária parece er fundameno e noa-se que pare dos economisas comunga com essa percepção. Nesse conexo, parece fazer senido que variáveis de políica fiscal devam ser consideradas na regra óima de políica moneária do Banco Cenral. Enreano, ao se admiirem variáveis fiscais na regra óima de políica moneária, permie-se que a políica fiscal engendrada na economia brasileira resrinja os resulados e o alcance da políica moneária. Nesse conexo, a políica moneária seria ineficaz ou não ão eficaz. Geralmene, os modelos de políica moneária óima consideram que a políica fiscal é dada e não depende da políica moneária correne e fuura. Isso quer dizer que a auoridade responsável pela políica fiscal escolhe uma axa de ribuação al que a dívida pública seja solvene do pono de visa ineremporal. 2 A hipóese de equivalência ricardiana é válida e, nesse conexo, em-se uma políica moneária aiva 3 e uma políica fiscal passiva. O argumeno de que a políica fiscal brasileira afea a políica moneária parece er acolhida por pare dos economisas. Ao assumir que o BACEN 2 Isso significa, grosso modo, que a políica fiscal é passiva. 3 De forma simplificada, uma políica moneária é aiva quando a políica fiscal não impõe resrições sobre a políica moneária e esa esá preocupada ão-somene com a mea 4

8 precisa levar em cona, em sua regra moneária, a resrição fiscal admie-se impliciamene que a políica moneária não é aiva e/ou que a políica fiscal não é passiva. Conudo, deve-se ponderar que uma variável fiscal pode afear direamene o hiao do produo via curva IS e indireamene a axa de inflação via curva de Phillips. Mas isso não significa que a políica moneária deva reagir direamene a variáveis fiscais por meio de uma regra óima de políica moneária a la Taylor. Uma boa analogia é o impaco da axa de câmbio sobre a axa de inflação. A maioria dos Bancos Cenrais que adoam um regime de meas inflacionaria fazem uso de uma políica moneária que não reage direamene a mudanças na axa de câmbio. De fao, a reação é indirea via impaco inflacionário. Em ouras palavras, a radicional regra de Taylor assume que o Banco Cenral reage somene à axa de inflação e ao hiao do produo, independenemene da origem das variações dessas variáveis. Isso poso, o policymaker pode uilizar uma regra óima de políica moneária incluindo ouras variáveis como défici fiscal ou axa de câmbio apenas para er informações sobre como esas variáveis afeam a axa de juros. Por exemplo, eles poderão saber se as variáveis fiscais afeam a axa de juros e a axa de inflação, o que revelaria uma políica moneária com cera passividade. Dessa forma, raa-se de um insrumeno de avaliação e gesão de políica econômica. A principal proposa dese rabalho é esar empiricamene para o período de 1995:I a 2008:III, com base em modelos não Ricardianos, se as políicas fiscais êm impaco em variáveis reais e nominais ais como, demanda por moeda, axa de juros nominal, invesimeno, hiao do produo e axa de crescimeno da economia. Devem-se esar alguns desses modelos ais como: inflacionária. Nesse conexo, não há qualquer preocupação da auoridade moneária com a dívida pública, uma vez que o regime da economia é ricardiano. 5

9 Marins (1980), Araújo e Marins (1999), Kneebone (1989), Scarh (1996) e Leeper (1991). Especificamene, preende-se avaliar o impaco da razão divida/pib sobre odas as variáveis mencionadas. Dessa forma, preende-se delinear os canais de ransmissão da políica fiscal e invesigar se a políica fiscal é aiva no período analisado. O que esá por rás de oda essa discussão é a idéia de equivalência Ricardiana, conforme Barro (1974). A hipóese de equivalência Ricardiana assume que financiar o governo com dívida é equivalene a financiá-lo com imposos. A implicação da equivalência Ricardiana é que um core fiscal financiado por dívida deixa o consumo inalerado. As famílias poupam a renda disponível exra para pagar a obrigação fiscal fuura que o core fiscal acarrea. Esse aumeno da poupança privada compensará exaamene o decréscimo da poupança pública. A poupança nacional permanece a mesma. Dessa forma, preendemos invesigar se a dívida pública realmene impora. Desacamos ainda que ais resulados enham conribuições relevanes, uma vez que esse ema não em ido a devida aenção desde que grande pare da academia admie a equivalência Ricardiana quase como um dogma. A idéia é chamar a aenção para essa discussão novamene, que em ficado em esado de hibernação desde os anos seena, com a publicação do paper seminal do Barro (1974) iniulado: Are Governmen Bonds Ne Wealh?. 2. Ineração enre políica fiscal e moneária O Brasil vem apresenando sisemaicamene desequilíbrios macroeconômicos inerno e/ou exerno especialmene a parir dos choques do 6

10 peróleo na década de 70. As políicas de esabilização de preços e de produo recorrenemene resulam em desequilíbrios das dívidas inerna e/ou exerna. Uma das possíveis explicações dos desequilíbrios dos esoques das dívidas deve-se às possíveis inconsisências enre as políicas fiscal e moneária. Biencour (2003) discue esse ema desde o compromisso dos ideais liberais em Friedman (1948) aé as proposições dos novos keynesianos e da Teoria Fiscal do Nível de Preços (TFNP). Para Friedman (1948), o orçameno do Governo é uno e, porano, não há separação enre as políicas fiscal e moneária. Nesse conexo, não faz senido discuir coordenação de políicas. A inconsisência enre as políicas seria meramene nominal. O orçameno do Governo seria respeiado via ajuse ribuário ou inflacionário. Em ouras palavras, a emissão moneária seria decorrene de formação de défici fiscal. O orçameno enderia a ser sempre equilibrado, sujeio apenas a variações cíclicas. A axa de câmbio deveria simplesmene fluuar. 4 Friedman (1959) propõe uma regra moneária de crescimeno da moeda de forma fixa e consisene, além de algumas sugesões sobre o funcionameno do Tesouro e do sisema bancário. Ao conrário de sua proposição de 1948, ele sugeria separação das políicas moneária e fiscal. A proposa de 1959 seria mais facível (e ambém mais simples e ransparene) em ermos de implemenação do que a de O conrole discricionário da ofera moneária poderia minimizar ou suavizar os ciclos econômicos. Com a regra de expansão moneária alinhada à axa de crescimeno naural da economia, emergia o Friedman monearisa. 4 A ênfase de Friedman esava em definir regras simples de políica econômica que fossem consisenes em ermos de esabilização (Biencour, 2003). 7

11 Podem-se observar, grosso modo, duas verenes quano à ineração enre as políicas moneária e fiscal: os monearisas, que procuram reduzir ações inervencionisas e que são conra políicas econômicas discricionárias, e os keynesianos, que são mais inervencionisas e se desacam por procurar esabelecer políicas moneárias e fiscais óimas. Na linha monearisa, desacam-se os rabalhos de Kydland e Presco (1977), Lucas (1983), Sargen e Wallace (1981) e Sargen (1982). Por ouro lado, várias conribuições desacam-se na linha keynesiana, como os rabalhos de Leeper (1991), Taylor (1993), Sims (1994) e Woodford (1995), denre ouros. De cera forma, as críicas dos monearisas aos keynesianos quano à discricionariedade do policymaker na condução das políicas econômicas impulsionaram essa lieraura e, porano, o debae acadêmico. Os keynesianos buscaram regras de políicas óimas, modeladas com fundameno microeconômico e com ênfase no papel das expecaivas. Eles ambém incorporaram as expecaivas racionais e fundamenaram melhor a rigidez de preços para se defenderem das críicas dos monearisas. Tais esforços maniveram em evidência a curva de Phillips e os efeios não neuros da políica moneária no curo prazo. Nesse conexo, os keynesianos cresceram com as críicas monearisas. No embae enre monearisas e keynesianos, parece que a visão inervencionisa keynesiana em levado vanagem aualmene. Enreano, com a inserção da hipóese de equivalência ricardiana, a políica fiscal ficou relegada ao segundo plano, gerando disanciameno enre as lierauras de políicas moneárias e fiscais óimas. Houve maior desconexão enre as 8

12 políicas moneária e fiscal, arrefecendo o debae sobre a coordenação enre as duas políicas. A polêmica sobre as políicas moneária e fiscal em-se resringido basicamene à discussão enre regras versus comporameno discricionário. Aualmene, essa conenda em enfaizado principalmene as proposas de meas inflacionarias. A regra de políica moneária óima assevera que a políica fiscal não em relevância para a políica moneária, pois se considera impliciamene que a dívida pública é solvene. Em ouras palavras, a auoridade fiscal sempre ajusa os ribuos para garanir a solvência da dívida. De fao, num regime fiduciário, a dívida sempre será solvene, uma vez que se pode uilizar a senhoriagem como fone de receia. Nesse conexo, com a políica fiscal relegada ao segundo plano, a discussão sobre coordenação enre políicas moneária e fiscal enfraquece-se. Países que correnemene empregam o regime de meas inflacionariam como Reino Unido, Canadá e Nova Zelândia, não possuem sérios desequilíbrios fiscais, ao conrário de boa pare dos países emergenes. No caso específico do Brasil, a elevada axa de juros, que é muio superior à axa de crescimeno da economia, gera efeio desesabilizador ao impor sucessivos déficis nominais. Nesse senido, parece correo considerar a possibilidade de coordenação das políicas moneária e fiscal para se maner a esabilidade econômica. Sargen e Wallace (1981) discuem essa quesão no seu rabalho seminal relaivo à desagradável ariméica monearisa. Sargen e Wallace (1981) consideram que, se a políica moneária afea a exensão na qual a senhoriagem é explorada como fone de receia, as políicas moneárias e fiscais devem ser coordenadas. Nesse senido, a políica 9

13 de esabilização de preços depende da seguine quesão: Quem age primeiro, a auoridade fiscal ou a moneária? Viso de oura forma, quem impõe disciplina sobre quem? A desagradável ariméica monearisa sugerida pelos auores surge de um processo de coordenação de políicas no qual a políica fiscal domina a políica moneária, e a auoridade moneária se depara com resrições imposas pela demanda por íulos do Governo. Esse é um possível caso de políica fiscal aiva e de comporameno moneário passivo. Muios rabalhos mosram a políica de equilíbrio como resulado de um jogo enre auoridades fiscal e moneária. Sargen (1986), por exemplo, descreve um regime ricardiano no qual a auoridade moneária é o jogador dominane enquano a auoridade fiscal é o seguidor. Nesse senido, a auoridade fiscal aumena a alíquoa ribuária para saisfazer a condição de equilíbrio orçamenário. Esse é um exemplo de políica fiscal passiva e de políica moneária aiva. Para Leeper (1991), o que disingue uma políica aiva de uma passiva é o fao de que a políica aiva não se preocupa apenas com o comporameno de variáveis correne ou passada (políica passiva), mas ambém com o comporameno esperado de ceras variáveis em dado período fuuro. Nesse conexo, uma políica aiva não é resringida pelas condições correnes, mas é livre para escolher uma regra de decisão que dependa de variáveis passada, correne ou fuura. Já uma políica passiva ou uma auoridade (fiscal ou moneária) passiva é resringida pelas decisões de oimização do consumidor e pelas ações da auoridade aiva. Se a políica fiscal é passiva, por exemplo, a regra de decisão da auoridade fiscal dependerá necessariamene da dívida pública correne e/ou passada. 10

14 Blanchard (2004) ressala que a discussão relaiva ao ema da dominância fiscal sobre a moneária não é nova, discorrendo desde a moderna lieraura de Sargen e Wallace (1981), a exemplo de Some Unpleasan Monearis Arihmeic, aé a eoria fiscal do nível de preços de Woodford (2003). 5 Nesse senido, esudos recenes, como os de Leeper (1991), Sims (1994), Woodford (1994, 1995, 1997, 2001 e 2003) e Cochrane (1998, 2001a,b), êm mosrado renovado ineresse na discussão sobre coordenação e ineração enre políicas moneária e fiscal. Desaque-se que anes do arigo de Sargen e Wallace (1981), Marins (1980) desenvolve um arigo seminal onde esabelece que os preços dos íulos sejam equivalenes ao nível de preços, e a axa de juros nominal é deerminada pela razão esoque da dívida e esoque de moeda. Nesse conexo, a divida afea da axa de juros nominal. Araújo e Marins (1999) mosram que a presença da dívida do governo afea adversamene a axa de crescimeno do esoque de capial. O principal pono enfaizado pela linha de pesquisa da TFNP é que o valor presene da resrição orçamenária do Governo e a políica fiscal são faores deerminanes na deerminação do nível de preços. O argumeno supraciado vai de enconro à eoria radicional de deerminação dos preços, na qual o esoque de moeda e, porano, a auoridade moneária é o único deerminane do nível de preços. Além disso, a políica fiscal, explícia ou impliciamene, ajusa passivamene o superávi primário para garanir a solvência do Governo para qualquer nível de preços. 6 O argumeno conrário ao parágrafo supraciado releva o pono da TFNP. Se a auoridade fiscal é livre para escolher o superávi primário 5 Vide o rabalho de Loyo (1999), sobre uma aplicação da eoria de Woodford para o Brasil, e de Sala (2004), sobre a eoria fiscal do nível de preços. 11

15 independenemene da dívida do Governo, enão é o nível de preços que deve se ajusar para saisfazer o valor presene da resrição orçamenária do Governo, de forma que exisa somene um nível de preços compaível com o equilíbrio. 7 A eoria fiscal do nível de preços pode ser enendida, de forma simplisa, como uma aplicação de um dos aspecos discuidos por Sargen e Wallace (1981), em que o comporameno da políica fiscal pode impor resrições sobre os resulados que a políica moneária pode alcançar. A principal disinção enre a eoria clássica e a TFNP esá na inerpreação do valor presene da resrição orçamenária do Governo. De acordo com a inerpreação de radição monearisa, a equação ineremporal do Governo é uma resrição assegurada para qualquer nível de preços. De acordo com a TFNP, a equação ineremporal do Governo é uma condição de equilíbrio e, como al, seleciona o nível de preço de equilíbrio. A disinção enre regimes ricardianos e não ricardianos raz imporanes implicações para a políica econômica. Com base na radição monearisa, uma boa prescrição de políica moneária é condição necessária e suficiene para a garania de baixa inflação. Um banco cenral independene, com fore compromisso insiucional para garanir a esabilidade de preços, deverá compelir a auoridade fiscal a adoar uma políica fiscal correa e responsável. Para a TFNP, uma boa prescrição de políica moneária não é uma condição suficiene para a garania de baixa inflação, a menos que medidas adicionais sejam levadas em cona para resringir a liberdade da auoridade 6 Esse regime é denominado por Woodford (1995) de Ricardian price deerminaion. 7 Inversamene, esse regime é denominado por Woodford (1995) de Non-Ricardian price deerminaion. 12

16 fiscal. Nesse conexo, orna-se imprescindível a coordenação enre as políicas moneária e fiscal. 3. Revisão da lieraura sobre a validade do regime ricardiano para a economia brasileira Loyo (1999) foi o primeiro a argumenar que a TFNP pode explicar as elevadas axas de inflação observadas no Brasil no final dos anos 70 e início dos anos 80. Tanner e Ramos (2003), uilizando uma base de dados mensal, examinam várias quesões a respeio da susenabilidade e ajusameno fiscal de 1991 a Eles mosram que anes do Plano Real (1994), o regime parece er dominância fiscal (não ricardiano) ao conrario da dominância moneária, uma vez que o superávi primário não responde a mudanças da dívida real do governo. Após o Plano Real, há evidencias de dominância moneária com base em curos períodos de análise. Os auores concluem, com base nos resulados enconrados, que não necessariamene há impedimenos para uma políica moneária independene e para compromeer a credibilidade do regime de mea inflacionaria. A meodologia uilizada inclui eses de raiz uniária, eses de causalidade de Granger e funções de impulso resposa. Rocha e Silva (2004) seguem a meodologia proposa por Canzonery, Cumby e Diba (2001) para esar a validade do regime ricardiano para a economia brasileira de 1996 a Eles usam eses de raiz uniária e VAR para concluir que o regime ricardiano é confirmado no período analisado. Fialho e Porugal (2005) usam uma base de dados mensal de 1995:1 a 2003:9, e ambém seguem a meodologia de por Canzonery, Cumby e Diba (2001). Eles aplicam a abordagem de Muscaelli e al. (2002) para invesigar as 13

17 inerações enre as políicas moneária e fiscal e usam o modelo de veor auoregressivo Markov-swiching (Krolzig, 1997). Eles concluem que a coordenação macroeconômica enre políicas moneárias e fiscais no Brasil foi virualmene uma políica subsiua, com um regime de predominância moneária. No período analisado por Blanchard em 2002 e 2003, de fao o Brasil enconrava-se numa siuação muio delicada, de ala insabilidade e incerezas, pois 2002 foi ano pré-eleioral e 2003, o primeiro ano do aual Governo. Os resulados de Blanchard (2004) mosram que o Brasil poderia esar operando numa siuação onde a políica fiscal seria aiva e a moneária passiva. Nesse conexo, jusifica-se a expressão fiscal dominance uilizada pelo auor. Nishijima (2005) esima uma regra óima de axa de juros para o período de 2001 a 2003, quando a axa de inflação correne excedia o inervalo esipulado pela mea inflacionaria, e ambém caraceriza al período pela chamada dominância fiscal. Discue os canais de ransmissão da políica moneária relacionando a políica de fixação de juros, que visa alcançar dada mea inflacionaria, com o risco de defaul da dívida pública, prêmio de risco da axa de câmbio e risco-país. O auor desaca que a axa de juros fixada pelo BACEN respondia direamene ao incremeno do risco-país e da dívida do Governo. Esse resulado mosra que a dívida pública afea a axa de juros e, porano, inerfere na deerminação do nível de preços. Nesse conexo, al resulado sugere uma políica moneária passiva e uma políica fiscal aiva, condizene com a TFNP ou com a chamada dominância fiscal. Carneiro e Wu (2005) argumenam que a economia brasileira, no período de 1995 a 2002, apresena caracerísicas de regime de dominância 14

18 fiscal. Desacam que o alo grau de endividameno inerno e exerno pode fazer com que decisões de políica moneária possuam efeios perversos sobre a economia e sobre a eficácia da políica moneária como insrumeno de conrole da inflação. Os auores enendem efeios perversos, em geral, como os efeios inflacionários decorrenes das elevadas axas de juros. No conexo supraciado, alegam que elevado grau de endividameno público pode provocar efeio perverso sobre a eficácia da políica moneária como insrumeno de conrole da inflação, na medida em que gera desconfiança. Mosram ainda que um segundo efeio perverso decorre do endividameno privado exerno, na medida em que essa variável pode inensificar a magniude do efeio conra cíclico da axa de câmbio. Moreira, Souza e Almeida (2007) usam o modelo de Leeper (1991 e 2005) para esar a TFNP e enconram evidencias empíricas em favor de um regime não-ricardiano com dados rimesrais de 1995:1 a 2006:4. Com base na esimaiva de uma curva IS (que incorpora o défici nominal) e de uma Curva de Phillips, os auores mosram que a variável fiscal é esaisicamene significane e que ela afea de uma forma direa o hiao do produo e de uma forma indirea a axa de inflação. Nesse conexo, eles aesam que a políica moneária é passiva e que a políica fiscal é aiva. 4. Alguns aspecos meodológicos A base de dados rimesral relaivo ao período de 1995:I a 2008:III eve como principal fone o Insiuo de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA. A seguir relacionamos as variáveis que foram coleadas no ipeadaa e as respecivas nomenclauras adoadas nesse rabalho (enre parêneses): meio de pagameno fim de período em R$ milhões ( M ); PIB preços de 15

19 mercado - em R$ milhões (Y ); axa de juros % over/selic ( R ) ; invesimeno ou formação brua de capial fixo - em R$ milhões ( I ); deflaor implício do PIB ( P ); axa de câmbio nominal R$/US$ - comercial compra média ( E ); axa de câmbio efeiva real INPC exporações ( e ); superávi primário ou NFSP governo federal e banco cenral primário c/desvalorização cambial em R$ milhões ( SP ); axa de inflação IPCA - % a.m. ( π ). A receia direa do governo federal, ou seja, os imposos direos - em R$ milhões (ID) - resula do somaório dos imposos de renda pessoa física e jurídica e imposo sobre a propriedade erriorial rural. Uilizamos como proxy para a dívida pública os íulos públicos federais e operações de mercado abero ( B ), cuja fone é o Banco Cenral. Uilizamos ambém uma variável dummy para diferenciar o período de câmbio adminisrado (1995:I a 1998:IV) do câmbio flexível no período subseqüene. O PIB real foi calculado com base no deflaor implício do PIB. Para calcular o hiao do produo (y) usamos o filro Hodrick-Presco onde definimos como a diferença enre PIB real e PIB poencial (rend). Um valore posiivo indica excesso de demanda. A axa de crescimeno do produo ( y * ) é calculada com base no PIB real. Para calcular a axa de juros real ( r ) uilizamos o IPCA 8. Em odas as esimaivas uilizamos as variáveis em log. Os modelos de series emporais a serem esimados serão expliciados no iem 5. Uilizaremos eses de Coinegração de Johansen e de raiz uniária, além de modelos de equações simulâneas - GMM com variáveis 8 A axa de juros real foi calculada da forma radicional, onde 1+ R ) = 1+ r ) * [1+ E π ) ], onde assumimos que E ( ) π + 1 = π + 1 ( ( (

20 insrumenais. Analisaremos as equações de longo prazo resulane dos eses de coinegração enfocando principalmene se a dívida pública é significane e se esá com o sinal esperado com base no modelo eórico apresenado. Ouras écnicas padrão de séries emporais ambém são uilizadas, como eses de fraca exogeneidade. As écnicas economéricas aqui uilizadas são largamene aplicadas na lieraura e são apresenadas em vários livros de economeria a exemplo de Hamilon, (1994), Johsnon e DiNardo (1997), Green (2000), Maddala (2000). Deve-se usar GMM com variáveis insrumenais para esimar sisemas de equações, a exemplo da equação IS fiscal e a equação que mosra a relação enre superávi primário e dívida pública. Sabe-se que quando as variáveis não são esacionárias, esperam-se problemas específicos relaivos aos procedimenos convencionais de inferência com base em regressões por mínimos quadrados ordinários (MQO). Almeida, Pinheiro e Moreira (2002), desacam ao ciarem Johnson e Dinardo (1997, p.317), que é imporane saber se problemas similares surgem no conexo das regressões de mínimos quadrados em duas fases ao se defronarem com esses problemas. Esse problema é invesigado por Cheng Hsiao (1997a, 1997b). A conclusão do rabalho de Hsiao é a de que a inferência com esimadores de 2SLS com uso de variáveis insrumenais coninua válida, mesmo no caso de séries não esacionarias ou não coinegradas 9. Nesse conexo, as mesmas conclusões de Hsiao ambém são validas quando aplicado o GMM. Esse méodo ambém é amplamene uilizado na lieraura a exemplo dos rabalhos de Almeida, Souza e Moreira (2004 e 2006), Moreira, Souza e Almeida (2007). 9 Veja ambém Johnson e DiNardo (2001,p.348): 17

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil Variabilidade e pass-hrough da axa de câmbio: o caso do Brasil André Minella Banco Cenral do Brasil VI Seminário de Meas para a Inflação Agoso 005 Disclaimer: Esa apresenação é de responsabilidade do auor,

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil Marcello da Cunha Sanos Dívida pública e coordenação de políicas econômicas no Brasil Belo Horizone, MG Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno Regional Faculdade de Ciências Econômicas UFMG 4 Marcello da

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Universidade Federal Fluminense TEXTOS PARA DISCUSSÃO UFF/ECONOMIA

Universidade Federal Fluminense TEXTOS PARA DISCUSSÃO UFF/ECONOMIA ISS 59-462 Universidade Federal Fluminense TEXTOS PARA DISCUSSÃO UFF/ECOOMIA Universidade Federal Fluminense Faculdade de Economia Rua Tiradenes, 7 - Ingá - ierói (RJ) Tel.: (xx2) 2629-9699 Fax: (xx2)

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO

SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1 TESTES DE SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA PÚBLICA BASEADOS NA RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA INTERTEMPORAL DO GOVERNO...5

Leia mais

Uma Análise Sobre a Sustentabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-2012)

Uma Análise Sobre a Sustentabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-2012) Uma Análise Sobre a Susenabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-202) Jaime Ferreira Dias * José Luis Oreiro ** Resumo: Ese arigo em por objeivo analisar a dinâmica

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO Área 5 - Crescimeno, Desenvolvimeno Econômico e Insiuições Classificação

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

Câmbio de Equilíbrio

Câmbio de Equilíbrio Câmbio de Equilíbrio Seção 1 Meodologia do cálculo do câmbio...4 Seção 2 - Passivo Exerno... 11 Seção 3 Susenabilidade do Passivo Exerno... 15 Seção 4 - Esimaivas... 17 Seção 5 - Conclusão... 20 2 Inrodução

Leia mais

Disciplina Políticas Macroeconômicas A Política Econômica na Prática

Disciplina Políticas Macroeconômicas A Política Econômica na Prática MBA - UFF Disciplina Políicas Macroeconômicas A Políica Econômica na Práica Prof. Anonio Carlos Assumpção Inrodução Professor Anonio Carlos Assumpção Sie acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Bibliografia

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO Luís Anônio Sleimann Berussi MULTICOINTEGRAÇÃO E POLÍTICAS FISCAIS: UMA AVALIAÇÃO DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR)

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) Edilean Kleber da Silva Douorando em Economia Aplicada pela UFRGS Rua Duque de Caxias, 1515, apo. 402.

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Um Arcabouço para Análise da Transmissão da Política Monetária e o Canal da Dívida Pública no Brasil

Um Arcabouço para Análise da Transmissão da Política Monetária e o Canal da Dívida Pública no Brasil Um Arcabouço para Análise da Transmissão da Políica Moneária e o Canal da Dívida Pública no Brasil Resumo Ese arigo em por objeivo consruir um modelo de curo prazo para analisar o papel da dívida pública

Leia mais

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO VIVIANE SEDA BITTENCOURT (IBRE/FGV) E ANDREI GOMES SIMONASSI (CAEN/UFC) RESUMO O rabalho avalia a dinâmica

Leia mais

Trabalhos para Discussão. Um Conto de Três Hiatos: Desemprego, Utilização da Capacidade Instalada da Indústria e Produto

Trabalhos para Discussão. Um Conto de Três Hiatos: Desemprego, Utilização da Capacidade Instalada da Indústria e Produto ISSN 1519-1028 Um Cono de Três Hiaos: Desemprego, Uilização da Capacidade Insalada da Indúsria e Produo Sergio Afonso Lago Alves e Arnildo da Silva Correa Dezembro, 2013 Trabalhos para Discussão 339 ISSN

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15.

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15. Economia e Finanças Públicas Aula T21 6.3 Resrição Orçamenal, Dívida Pública e Susenabilidade 6.3.1 A resrição orçamenal e as necessidades de financiameno 6.3.2. A divida pública 6.3.3 A susenabilidade

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Elaine Aparecida Fernandes RESUMO: Diane da consaação de que os spreads bancários brasileiros (diferença enre as axas de juros de capação e aplicação dos bancos) se enconram em

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2 Transmissão de preços enre o produor e varejo: evidências empíricas para o seor de carne bovina em Goiás Resumo: A economia goiana vem se desacado no conexo nacional. Seu PIB aingiu R$ 75 bilhões no ano

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S

RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S APLICA ES Marina Silva Cunha 1. INTRODUÇÃO Segundo Fava & Cai (1995) a origem da discussão sobre a exisência de raiz uniária nas séries econômicas esá no debae sobre

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

Boletim Económico Inverno 2006

Boletim Económico Inverno 2006 Boleim Económico Inverno 2006 Volume 12, Número 4 Disponível em www.bporugal.p Publicações BANCO DE PORTUGAL Deparameno de Esudos Económicos Av. Almirane Reis, 71-6.º andar 1150-012 Lisboa Disribuição

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Fabiano Maia Pereira. Modelos de Ciclos Reais de Negócios com Imposto e Setor Externo: o Caso Brasileiro

Fabiano Maia Pereira. Modelos de Ciclos Reais de Negócios com Imposto e Setor Externo: o Caso Brasileiro Fabiano Maia Pereira Modelos de Ciclos Reais de Negócios com Imposo e Seor Exerno: o Caso Brasileiro Brasília Disrio Federal Unb/Deparameno de Economia 2009 Fabiano Maia Pereira Modelos de Ciclos Reais

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil O impaco de requerimenos de capial na ofera de crédio bancário no Brasil Denis Blum Rais e Silva Tendências Márcio I. Nakane Depep II Seminário Anual sobre Riscos, Esabilidade Financeira e Economia Bancária

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

PREVISÃO DE INFLAÇÃO EM CABO VERDE POR MEIO DE VETORES AUTOREGRESSIVOS

PREVISÃO DE INFLAÇÃO EM CABO VERDE POR MEIO DE VETORES AUTOREGRESSIVOS PREVISÃO DE INFLAÇÃO EM CABO VERDE POR MEIO DE VETORES AUTOREGRESSIVOS Resumo Anônio José Medina dos Sanos Bapisa Rubicleis Gomes da Silva O objeivo do rabalho foi esimar um modelo de correção de erro

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico*

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico* Arigos Abordagem ineremporal da cona correne: inroduzindo câmbio e juros no modelo básico* Nelson da Silva Joaquim Pino de Andrade Resumo O modelo padrão da abordagem ineremporal da cona correne assume

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1379

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1379 TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1379 UMA ANÁLISE DA TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA E O CANAL DA DÍVIDA PÚBLICA COM APLICAÇÃO AOS DADOS BRASILEIROS Manoel Carlos de Casro Pires Joaquim Pino de Andrade TEXTO

Leia mais

Teste de estresse na ligação macro-risco de crédito: uma aplicação ao setor doméstico de PFs. Autores: Ricardo Schechtman Wagner Gaglianone

Teste de estresse na ligação macro-risco de crédito: uma aplicação ao setor doméstico de PFs. Autores: Ricardo Schechtman Wagner Gaglianone Tese de esresse na ligação macro-risco de crédio: uma aplicação ao seor domésico de PFs Auores: Ricardo Schechman Wagner Gaglianone Lieraura: ligação macrorisco de crédio Relação macro-volume de crédio

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo 0 INTRODUÇÃO A queda do sisema de Breom Woods e, poseriormene, a ausência de uma relação esreia enre moeda e renda, dada pela insabilidade da velocidade de circulação da moeda, inciou o desenvolvimeno

Leia mais

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br Apresenação Oral-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia HUMBERTO FRANCISCO SILVA

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE RELAÇÕES MACROECONÔMICAS ENTRE DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL, TAXA REAL DE CÂMBIO, INVESTIMENTOS PRODUTIVOS,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ECONOMIA. Rubens Teixeira da Silva

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ECONOMIA. Rubens Teixeira da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ECONOMIA Rubens Teixeira da Silva A imporância da credibilidade na condução da políica moneária para o equilíbrio fiscal

Leia mais

REGRAS DE POLÍTICA MONETÁRIA ÓTIMAS EM PEQUENAS ECONOMIAS ABERTAS

REGRAS DE POLÍTICA MONETÁRIA ÓTIMAS EM PEQUENAS ECONOMIAS ABERTAS REGRAS DE POLÍTICA MONETÁRIA ÓTIMAS EM PEQUENAS ECONOMIAS ABERTAS CATEGORIA: PROISSIONAL - Inrodução Após as crises financeiras do final dos anos novena e início desa década, noadamene as crises da Ásia

Leia mais

Déficit público e taxa de inflação: testes de raiz unitária e causalidade para o Brasil - 1991-1999 *

Déficit público e taxa de inflação: testes de raiz unitária e causalidade para o Brasil - 1991-1999 * Défici público e axa de inflação: eses de raiz uniária e causalidade para o Brasil - 1991-1999 * RESUMO Divanildo Triches # Igor Alexandre C. de Morais ## Ese rabalho faz uma breve revisão dos aspecos

Leia mais

Avaliação de Empresas com Base em Números Contábeis

Avaliação de Empresas com Base em Números Contábeis Vol. 4, No. 2 Viória-ES, Brasil Mai/ Ago 27 p. 96-3 ISSN 87-734X Avaliação de Empresas com Base em Números Conábeis James A. Ohlson* Arizona Sae Universiy Alexsandro Broedel Lopes** USP- Universidade de

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Multicointegração e políticas fiscais: uma avaliação de sustentabilidade fiscal para América Latina

Multicointegração e políticas fiscais: uma avaliação de sustentabilidade fiscal para América Latina IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Mulicoinegração e políicas fiscais: uma avaliação de susenabilidade fiscal para América Laina Luís Anônio Sleimann Berussi

Leia mais

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças Área de Ineresse: Área 3 Macroeconomia, Economia Moneária e Finanças Tíulo: NOVO CONSENSO MACROECONÔMICO E REGRAS DE CONDUTA: O PAPEL DA ROTATIVIDADE DOS DIRETORES DO COMITÊ DE POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

Contratos Futuros e o Ibovespa: Um Estudo Empregando Procedimento de Auto- Regressão Vetorial Estutural. Autoria: Gustavo de Souza Grôppo

Contratos Futuros e o Ibovespa: Um Estudo Empregando Procedimento de Auto- Regressão Vetorial Estutural. Autoria: Gustavo de Souza Grôppo Conraos Fuuros e o Ibovespa: Um Esudo Empregando Procedimeno de Auo- Regressão Veorial Esuural. Auoria: Gusavo de Souza Grôppo Resumo: Ese esudo em como objeivo principal verificar a relação enre conraos

Leia mais

Autoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Costa

Autoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Costa Qualidade de Accruals e Persisência dos Lucros em Firmas Brasileiras Lisadas na Bovespa Auoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Cosa Resumo Ese arigo objeiva invesigar a relação enre a qualidade

Leia mais

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Eficácia das Inervenções do Banco Cenral do Brasil sobre a Volailidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Fernando Nascimeno de Oliveira, Alessandra Plaga Conens: Keywords: 1. Inrodução; 2. Dados; 3.

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Dívida pública, poupança em conta corrente do governo e superávit primário: uma análise de sustentabilidade

Dívida pública, poupança em conta corrente do governo e superávit primário: uma análise de sustentabilidade Revisa de Economia Políica, vol. 28, nº 4 (112), pp. 612-630, ouubro-dezembro/2008 Dívida pública, poupança em cona correne do governo e superávi primário: uma análise de susenabilidade Alexandre Manoel

Leia mais

Como se Equilibra o Orçamento do Governo no Brasil? Aumento de Receitas ou Corte de Gastos? 1

Como se Equilibra o Orçamento do Governo no Brasil? Aumento de Receitas ou Corte de Gastos? 1 Como se Equilibra o Orçameno do Governo no Brasil? Aumeno de Receias ou Core de Gasos? 1 João Vicor Issler e Luiz Renao Lima Escola de Pós-Graduação em Economia - EPGE Fundação Geulio Vargas Praia de Boafogo

Leia mais

DESALINHAMENTOS DA TAXA DE CÂMBIO NO LONGO PRAZO E PREÇOS RELATIVOS NO BRASIL: COINTEGRAÇÃO, CAUSALIDADE E MODELO DE CORREÇÃO DE ERRO

DESALINHAMENTOS DA TAXA DE CÂMBIO NO LONGO PRAZO E PREÇOS RELATIVOS NO BRASIL: COINTEGRAÇÃO, CAUSALIDADE E MODELO DE CORREÇÃO DE ERRO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE ECONOMIA DESALINHAMENTOS DA TAXA DE CÂMBIO NO LONGO PRAZO E PREÇOS RELATIVOS NO BRASIL: COINTEGRAÇÃO, CAUSALIDADE E MODELO DE CORREÇÃO DE ERRO THAÍS GUIMARÃES

Leia mais

A dinâmica de transição e o crescimento econômico em um modelo neoclássico com capital humano

A dinâmica de transição e o crescimento econômico em um modelo neoclássico com capital humano A dinâmica de ransição e o crescimeno econômico em um modelo neoclássico com capial humano Jorge Cláudio Cavalcane de Oliveira Lima* Resumo O modelo neoclássico de crescimeno proposo por Solow (956) ganhou

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

Regras de Política Monetária, Taxa de Câmbio e Preços de Ativos em Mercados Emergentes

Regras de Política Monetária, Taxa de Câmbio e Preços de Ativos em Mercados Emergentes Regras de Políica Moneária, Taxa de Câmbio e Preços de Aivos em Mercados Emergenes Moneary policy rules, exchange rae, and asse prices in emerging markes Mauricio Simiano Nunes Minisério da Fazenda e Programa

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL

A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL fcccassuce@yahoo.com.br Apresenação Oral-Comércio Inernacional ANA

Leia mais

Fluxo de Caixa, ADRs e Restrições de Crédito no Brasil

Fluxo de Caixa, ADRs e Restrições de Crédito no Brasil Vol. 5, No.2 Viória-ES, Mai Ago 2008 p. 144-151 ISSN 1807-734X Fluxo de Caixa, ADRs e Resrições de Crédio no Brasil Crisiano M. Cosa Deparmen of Economics, Universiy of Pennsylvania Lourenço Senne Paz

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DO DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ESTIMAÇÕES DAS ELASTICIDADES DAS FUNÇÕES DA

Leia mais

Crises cambiais e bancárias na década de 1990: uma análise de painel aplicada a mercados emergentes. Ana Paula Menezes Pereira * e Fernando Seabra **

Crises cambiais e bancárias na década de 1990: uma análise de painel aplicada a mercados emergentes. Ana Paula Menezes Pereira * e Fernando Seabra ** Crises cambiais e bancárias na década de 990: uma análise de painel aplicada a mercados emergenes Ana Paula Menezes Pereira * e Fernando Seabra ** Resumo: Um grande número de crises cambiais ocorreu na

Leia mais

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA 3 PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA Felipe Lacerda Diniz Leroy 1 RESUMO Nese arigo,

Leia mais

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO MAURÍCIO MACHADO FERNANDES; JULIANA MARIA AQUINO; ELAINE TOLDO PAZELLO; LUIZ GUILHERME SCORZAFAVE.

Leia mais

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 Geovana Lorena Berussi (UnB) Lízia de Figueiredo (UFMG) Julho 2010 RESUMO Nesse arigo, invesigamos qual

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

Estimativas do Grau de Abertura da Conta de Capitais no Brasil 1988 a 1998

Estimativas do Grau de Abertura da Conta de Capitais no Brasil 1988 a 1998 ISSN 1415-4765 TEXTO PARA DISCUSSÃO N O 715 Esimaivas do Grau de Aberura da Cona de Capiais no Brasil 1988 a 1998 João Carlos Ramos Magalhães Brasília, março de 2000 ISSN 1415-4765 TEXTO PARA DISCUSSÃO

Leia mais

Fatores de influência no preço do milho no Brasil

Fatores de influência no preço do milho no Brasil Faores de influência no preço do milho no Brasil Carlos Eduardo Caldarelli Professor adjuno da Universidade Esadual de Londrina UEL Mirian Rumenos Piedade Bacchi Professora associada do Deparameno de Economia,

Leia mais