Demanda Brasileira de Importação de Borracha Natural,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Demanda Brasileira de Importação de Borracha Natural, 1965-2005"

Transcrição

1 DEMANDA BRASILEIRA DE IMPORTAÇÃO DE BORRACHA NATURAL, NAISY SILVA SOARES; SEBASTIÃO RENATO VALVERDE; MÁRCIO LOPES DA SILVA; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; MARCELO JOSÉ BRAGA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL. APRESENTAÇÃO ORAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Demanda Brasileira de Imporação de Borracha Naural, Grupo de Pesquisa: COMÉRCIO INTERNACIONAL RESUMO: Ese rabalho em por objeivo especificar e esimar a demanda brasileira de imporação de borracha naural, no período de 1965 a As variáveis explicaivas do modelo de demanda de imporação foram: preço de imporação da borracha naural, PIB per capia, axa de câmbio, axa de juros, quanidade de borracha naural produzida inernamene e endência. As esimaivas confirmaram que as variáveis explicaivas afeam, significaivamene, a demanda brasileira de imporação de borracha naural. Os resulados obidos mosraram que a demanda brasileira de imporação de borracha naural é inelásica com relação ao preço de imporação e à renda. Mosrou-se, ambém, pouco sensível às variações na axa de câmbio e axa de juros, mas basane sensível às variações na quanidade de borracha naural produzida inernamene. A borracha naural é um bem normal no mercado brasileiro. PALAVRA-CHAVE: Borracha Naural, demanda de imporação, Produo Floresal. ABSTRACT: The objecives of his sudy are o specify and esimae he Brazilian impor demand for naural rubber from 1965 o The explanaory variables are: he naural rubber impor price, GNP per capia, he nominal rae of exchange (R$/US$), he ineres rae overnigh, domesic producion of naural rubber and rend. The esimaed resuls showed ha he variables in he model affec, significanly, he Brazilian impor demand for naural rubber. The resuls also indicae ha he Brazilian impor demand for naural rubber is inelasic in relaion o impor price and income. The Brazilian impor demand for naural rubber is less sensiive o variaions on he nominal exchange rae (R$/US$) and ineres rae, 1

2 bu is very sensiive o variaion in he domesic producion. The naural rubber is a normal good in he Brazilian marke. KEY WORDS: Naural Rubber, Impor Demand, Fores Produc 1. INTRODUÇÃO A principal maéria-prima para a produção da borracha naural é o láex fornecido pela seringueira. Esa plana perence ao gênero Hevea, com 11 espécies, das quais, a Hevea brasiliensis é a única planada e explorada comercialmene por ser a mais produiva e possuir láex de qualidade superior às demais. Como o próprio nome indica a Hevea brasiliensis é originária do Brasil, mais especificamene da região Amazônica. A borracha dessa árvore é uilizada nos seores hospialar/farmacêuico, brinquedos, calçados, consrução civil, maquinário agrícola e indusrial e de auo-peças. Foi descobera em meados do século XVIII e, aualmene, é a principal fone de borracha naural do mundo (PEREIRA e al., 2000; BEGA, 2004; BORRACHA NATURAL, 2007). Em 2005, a produção mundial de borracha naural foi da ordem de 8,703 milhões de oneladas (peso seco). Apesar de o Brasil ser o berço do gênero Hevea, a produção nacional da borracha naural é relaivamene pequena quando comparada à dos países asiáicos. Em 2005, a Tailândia, Indonésia, Malásia, Índia, Vienã e China foram responsáveis pela produção de, aproximadamene, 8 milhões de oneladas de borracha naural (peso seco) e o Brasil por apenas 102 mil oneladas (peso seco). O Brasil, que no início do século XX deinha o monopólio da produção mundial, hoje responde por apenas 1,2%, não conseguindo suprir as necessidades do seu mercado inerno. O consumo nacional de borracha naural em 2005 foi de oneladas (peso seco). Sendo assim, o país impora grande pare da borracha naural que consome. As imporações brasileiras em 2005, foram de oneladas, o equivalene a milhões de dólares. O Brasil imporou a referida maéria-prima, principalmene, da Tailândia (45,8%), Indonésia (29,8%) e Malásia (21,8%) (AGRIANUAL, 2007). Vários faores conribuíram para o sucesso da produção de borracha naural nos países asiáicos. Denre esses, o sisema de produção baseado na exploração comercial e não no exraivismo; a inexisência do fungo causador do mal-das-folhas (Microcyclus ulei), que é uma das doenças mais comuns dos seringais, sobreudo na Amazônia; invesimenos em pesquisa agrícola; e grande disponibilidade de mão-de-obra naqueles países. No Brasil, os faores que prejudicaram o desenvolvimeno do culivo da seringueira foram: o sisema de produção exraivisa e ausência de pesquisa para a solução dos problemas dos seringais da região amazônica. Dese modo, quase odas as enaivas de culivo inensivo da seringueira nessa região fracassaram devido à incidência do fungo Microcyclus ulli. O longo período de mauração do invesimeno em seringais vem auando de forma negaiva na expansão dessa exploração. O seringal enra em produção somene a parir do sexo ano, o que requer do invesidor capacidade financeira para suporar a ausência de receias durane essa fase inicial (BEGA, 2004). Mesmo assim, a produção brasileira de borracha naural volou a crescer quando a seringueira começou ser culivada fora da Amazônia, mais especificamene em regiões em que não há o fungo Microcyclus ulli. O maior incenivo surgiu quando as políicas públicas que sempre foram desinadas exclusivamene à borracha da Amazônia passaram a conemplar, igualmene, as iniciaivas de culivo em ouras regiões, nas décadas de 1970 e 1980 (BORRACHA NATURAL, 2007). Em 2004, a Região Sudese respondeu por 60,9% da produção nacional de borracha (láex coagulado), seguida pelas regiões Cenro-Oese (21,4%), Nordese (14,6%), Nore (2,6%) e Sul (0,5%) (AGRIANUAL, 2007). Nessas regiões há mão-de-obra especializada; 2

3 maior volume de capial para invesimeno em ecnologia; concenração da maioria das indúsrias consumidoras de borracha naural, o que reduz os cusos logísicos com o ranspore da maéria-prima; e clima adequado para o culivo da seringueira (BORRACHA NATURAL, 2007). Apesar dos desafios da heveiculura no Brasil, ela esá se esabelecendo como uma aividade lucraiva, conforme observou Nish e al. (2005), Coa e al. (2006) e Soares e al. (2006). A auo-suficiência parcial ou oal no suprimeno de borracha naural no Brasil e a redução das imporações eriam como resulados prováveis geração de emprego, renda, imposos, redução das pressões sobre o balanço de pagamenos e sobre o meio ambiene ec. Aé o momeno, apenas o esudo de Mera (1977) analisou a demanda brasileira de imporação de borracha naural. As esimaivas obidas com essa análise permiiram o desenvolvimeno de inferências para políicas de imporação, conrole de esoques e desenvolvimeno do seor no país a parir daquele ano. Diane da fala de esudos mais recenes, orna-se relevane realizar esudos sobre a necessidade da borracha naural no Brasil de forma que se possa idenificar e mensurar os faores que afeam o seu comporameno no mercado domésico. Assim, o principal objeivo desa pesquisa é especificar e esimar a demanda brasileira de imporação da borracha naural, no período de 1965 a 2005, bem como analisar o comporameno das imporações brasileiras dese produo face às variáveis explicaivas do modelo. 2. MODELO TEÓRICO Tomaram-se como referência os fundamenos da eoria da demanda e da demanda de imporação para analisar a demanda brasileira de imporação da borracha naural. Segundo Passos e Nogami (2005) e Bilas (1993), a quanidade demandada (Q D ) de um bem ou serviço é função de seu preço (P), do preço de um bem complemenar (P C ), do preço de um bem subsiuo (P S ), da renda dos consumidores (Y), população (POP), gosos e preferências do consumidor (G) ec (equação 1). Q D ( P, P, P, Y, POP, G) = f (1) C S De acordo com a eoria do consumidor e com a classificação de Hicks, a quanidade demandada reage negaivamene ao aumeno no preço do produo e no preço do bem complemenar e reage posiivamene ao aumeno do preço do bem subsiuo e da população. Com relação ao aumeno na renda dos consumidores, a quanidade demandada reage posiivamene se o bem for normal e negaivamene se o bem for inferior. As mudanças nos gosos e nas preferências dos consumidores podem aumenar ou diminuir a quanidade demandada de um deerminado bem. Vale ressalar que variações nos preços do próprio produo provocam deslocamenos ao longo da curva de demanda. Já as mudanças nos preço do bem complemenar, nos preço do bem subsiuo, na população, nos gosos e nas preferências dos consumidores e na renda deslocam a curva de demanda para direia ou para esquerda. Com relação à quanidade imporada (Q I ) de deerminado produo por um país, podese expressá-la como a diferença enre o consumo oal (Q D ) e a sua produção inerna (Q PI ) (equação 2) (KRUGMAN e OBSTFELD, 2005). Q I D = Q QPI (2) 3

4 Dese modo, pode-se dizer que a demanda por imporação (Q I ) é função do preço de imporação do produo (P I ), da quanidade produzida inernamene (Q PI ) do preço de um bem complemenar (P C ), do preço de um bem subsiuo (P S ) e da renda dos consumidores (Y), população (POP), gosos e preferências do consumidor (G), da axa de câmbio (TC) ec (equação 3). Q I ( P, P, P, Y, POP, G, TC) = f (3) I C S 3. MODELO ANALÍTICO Inicialmene, a análise de endência é realizada por meio da esimaiva da axa geomérica de crescimeno (TGC) da produção brasileira de borracha naural, do consumo, imporação e preço de imporação. Esa análise esaísica foi realizada por meio da regressão linear de endência, conforme equação 4. Y = a. b. T (4) em que: Y = variável dependene T = empo a e b = parâmeros a serem esimados Aplicando a forma logarímica, em-se (equação 5): LogY = log a + T logb (5) Dese modo, a TGC é obida pela equação 6. TGC = ( Ani logb 1) x100 (6) Para aingir aos objeivos do presene rabalho, foi proposo um modelo economérico composo pela equação de demanda de imporação adoando-se a forma log-log e o méodo Mínimos Quadrados Ordinários (MQO). A equação de demanda de imporação foi ajusada pelo méodo MQO, pois as variáveis explicaivas do modelo são odas predeerminadas. A adoção da suposição de exogeneidade dos preços na equação de demanda de imporações parece ser razoável, uma vez que o Brasil é omador de preço no mercado inernacional. A demanda de imporação de borracha naural pelo país consiui parcela reduzida da ofera mundial. Nesa siuação, a curva de ofera mundial deverá ser perfeiamene preço-elásica, de modo que os deslocamenos na demanda de imporação provoquem incremenos somene na quanidade imporada e não nos preços. Porano, o méodo MQO parece ser o mais apropriado para a esimação da equação (PEREIRA, 1989; SILVA e al, 1997; SILVA e al, 1998). Enão, adoando-se o méodo MQO e a forma log-log, em-se: I Ln ( Q ) = β 1 + β 2Ln( PI) + β 3Ln( PIB) + β 4Ln( TC) + β5ln( TJ ) + β 6Ln( QPI) + β 7T + µ em que: I Q = quanidade imporada de borracha naural, em quilograma; PI = preço de imporação da borracha naural, em US$ FOB, que corresponde ao quociene do valor imporado pela respeciva quanidade imporada; PIB = produo inerno bruo per capia, em US$/pessoa; TC = axa de câmbio, em moeda nacional por dólar, na forma de índice; 4

5 TJ = axa de juros overnigh, em % ao mês; QPI = quanidade produzida inernamene de borracha naural, em onelada de borracha seca; T = endência; µ = ermo esocásico; Ln = base do logarimo neperiano; e β 1, β 2, β 3, β 4, β 5, β 6 e β 7 = parâmeros a serem esimados. A expecaiva é de que β 2, β 4, β 5, β 6 < 0 e β 3 > 0. O sinal de β 7 pode ser maior ou menor que zero. Devido à especificação logarímica, as elasicidades com relação ao preço de imporação e às demais variáveis são dadas direamene por β. Descrição das variáveis uilizadas - Preço das imporações: O preço de imporação da borracha naural é uma variável exógena do modelo. Espera-se que um aumeno no preço de imporação da borracha naural promova uma redução da quanidade imporada do produo, em virude dos efeios de renda real e de subsiuição. O conhecimeno da elasicidade-preço da demanda de imporação é úil na avaliação do efeio preço sobre quanidade imporada, bem como na avaliação de políicas de conrole ou incenivo de imporação (PEREIRA, 1989). - PIB: O PIB per capia foi uilizado como um indicador de renda. Aumenando a renda dos consumidores, espera-se que ocorra um aumeno na demanda de imporação do produo. O conhecimeno da elasicidade-renda é úil na avaliação do impaco da expansão (ou resrição) da renda sobre as imporações de borracha naural. - Taxa de câmbio: A axa nominal de câmbio em efeio negaivo sobre a demanda de imporação do produo, ou seja, uma desvalorização da moeda nacional em relação à moeda esrangeira (Dólar) orna as imporações de borracha naural menos araivas. Conseqüenemene, diminui a demanda brasileira de imporação de borracha naural. - Taxa de juros: Teoricamene, quano maior a axa de juros menor o consumo de bens duráveis. Assim, espera-se que um acréscimo na axa de juros diminua a demanda brasileira de imporação de borracha naural. - Quanidade produzida inernamene de borracha naural: Espera-se que um aumeno da quanidade produzida de borracha naural no país reduza a demanda brasileira de imporação dese produo, viso que a borracha naural nacional e a imporada são similares. - Tendência: O conhecimeno da elasicidade de endência da demanda de imporação é úil na avaliação do efeio de mudanças ecnológicas e de acumulação de capial na indúsria nacional de borracha naural sobre a imporação do produo. - Os preços dos bens subsiuos e complemenares não foram considerados na análise, pois para a borracha naural não se êm um bom subsiuo e um produo complemenar bem definido (GAMEIRO e GAMEIRO, 2002). Teses esaísicos A análise de normalidade dos resíduos foi feia por meio do ese de Jarque-Bera. Para esar a significância da regressão obida pelo méodo Mínimos Quadrados Ordinários (MQO), uilizou-se o ese F, enquano que o grau de ajusameno da regressão foi avaliado por meio do coeficiene de deerminação (R 2 ). i 5

6 A significância dos coeficienes individualmene foi verificada por meio do ese de Suden. As variáveis cujos coeficienes não foram significaivos, ou cujos sinais não esavam coerenes com a eoria econômica, foram excluídos do modelo. A exisência de correlação serial nos resíduos e de heerocedasicidade foi avaliada pelo ese de Breusch-Godfrey e de Whie, respecivamene. O problema da mulicolinealidade foi verificado por meio da regra de Klein, que sugere que a mulicolinealidade pode ser um problema se o R 2 obido de uma regressão auxiliar for maior que o R 2 obido de uma regressão global, ou seja, o obido de uma regressão de Y sobre odos os regressores (GUJARATI, 2000). Fones de Dados Os dados uilizados são provenienes de séries emporais anuais, abrangendo o período de 1965 a Não se rabalhou com um período maior porque alguns dados não esavam disponíveis e por enender que o período abrangido é represenaivo e capa a evolução do seor de borracha naural. As séries foram consruídas com indicado a seguir: a quanidade imporada e o valor das imporações brasileiras de borracha naural foram obidos no banco de dados Aliceweb e no Anuário Esaísico da Careira de Comércio Exerior - CACEX do Banco do Brasil; o PIB per capia do Brasil foi uilizado com um indicador de renda e obido na Conjunura Econômica da FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV); a produção de borracha naural no país foi obida no Anuário Esaísico-Mercado Esrangeiro da Superinendência da Borracha (Sudhevea) e no AGRIANUAL; e os dados sobre axa de câmbio (Real/US$), na forma de índice, e axa de juros, correspondene à axa de emprésimos financeiros, overnigh (% a.m.), foram obidos no banco de dados do Insiuo de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO Tendências do Mercado de Borracha Naural O Quadro 1 apresena a TGC para quaro variáveis (produção, consumo, imporação e preço de imporação da borracha naural) que caracerizam a evolução do mercado nacional de borracha naural, no período de 1965 a Quadro 1- Taxas Geoméricas de Crescimeno (TGC), no período de 1965 a Variável Unidade TGC (% ao ano) Quanidade Produzida Inernamene (QPI) Tonelada de borracha seca 3,7973 * Consumo (CONS) Tonelada de borracha seca 5,4670 * Quanidade Imporada (QI) Tonelada de borracha seca 7,5444 * Preço de Imporação (PI) US$ FOB 1,6664 * Fone: Resulados da Pesquisa. * significaivo em nível de 1% As evoluções dessas variáveis podem ser visas na Figura 1. 6

7 Preço (US$ FOB) Perído (ano) Quanidade (onelada de borracha seca) Período (ano) Consumo Imporação Produção Nacional Fone: Aliceweb; Sudhevea, Banco do Brasil (vários anos); Agrianual (vários anos). Figura 1 Preço de imporação, consumo, imporação e produção de borracha naural no Brasil, no período de 1965 a Observando-se as axas de crescimeno (Quadro 1) e o comporameno das variáveis ao longo do empo (Figura 1), noa-se que apesar de a produção nacional da borracha naural ainda ser pequena quando comparada a dos países asiáicos, ela cresce subsancialmene a cada ano, a uma axa geomérica média de 3,7% ao ano. Verifica-se que ocorreu grande expansão da produção nacional de borracha naural em meados da década de 90, iso devido à modernização da indúsria de beneficiameno da borracha no país (BORRACHA NATURAL, 2007). Por ouro lado, o consumo de borracha naural no Brasil cresceu a uma axa de 5,4% ao ano. Assim, a discrepância enre as axas de crescimeno da produção domésica e do consumo oal foi da ordem de 1,6697%. Como a produção nacional foi sempre menor que o consumo, as imporações brasileiras de borracha naural cresceram à axa de 7,5% ao ano, no período considerado. O preenchimeno do défici enre produção e consumo por meio de imporação a preços crescenes (axa geomérica de crescimeno de 1,6% ao ano), onera significaivamene a balança comercial do país e, assim, conribui para agravar a siuação do balanço de 7

8 pagamenos. As consanes desvalorizações cambiais dos países asiáicos, que como já foi dio aneriormene são os maiores produores mundiais de borracha naural, prejudicam a compeiividade da produção nacional. Iso pode explicar a axa geomérica de crescimeno relaivamene baixa dos preços de imporação da borracha naural. Esimaivas da Demanda Brasileira de Imporação de Borracha Naural Nesa seção, procura-se quanificar e avaliar os efeios das variáveis preço de imporação da borracha naural, PIB per capia, axa de câmbio, axa de juros, quanidade de borracha naural produzida no Brasil e endência sobre as imporações brasileiras de borracha naural. As variáveis que se mosraram relevanes para explicar as variações na demanda brasileira de imporação de borracha naural foram: preço de imporação da borracha naural (PI), PIB per capia (PIB), axa de câmbio (TC), axa de juros (TJ), quanidade de borracha naural produzida no país (QPI) e endência (T). O melhor ajusameno foi obido uilizando o modelo na forma logarímica. As esimaivas dos parâmeros da equação de demanda brasileira de imporação de borracha naural uilizando o méodo Mínimos Quadrados Ordinários (MQO) enconram-se no Quadro 2. Quadro 2 Esimaivas da equação de demanda brasileira de imporação de borracha naural, no período de 1965 a Variável Coeficiene Descrição explicaiva esimado Erro-Padrão Tese Consane 23, , , Ln PI Preço de imporação da borracha naural -0, * 0, , Ln PIB PIB per capia 0, ** 0, , Ln TC Taxa de câmbio -0, * 0, , Ln TJ Taxa de juros -0, * 0, , Ln QPI Quanidade de borracha naural produzida no país -1, * 0, , T Tendência 0, * 0, , R 2 = 0, d = 1, F = 149,2669 * Fone: Resulados da Pesquisa. * significaivo em nível de 1%; ** significaivo em nível de 5%; sc = sem correlação serial. O coeficiene de deerminação R 2 indica que 96,34% das variações ocorridas na demanda brasileira de imporação de borracha naural foram explicadas pelas variáveis predeerminadas no modelo. O coeficiene das variáveis explicaivas, preço de imporação da borracha naural (PI), axa de câmbio (TC), axa de juros (TJ), quanidade de borracha naural produzida no país (QPI) e endência (T), foram significaivos em nível de 1% de probabilidade, enquano o coeficiene da variável explicaiva PIB per capia (PIB) foi significaivos em nível de 5% de probabilidade. Todos os sinais dos coeficienes de regressão parcial dessas variáveis são coerenes com a eoria de demanda de imporação e/ou com o conhecimeno empírico. Os sinais posiivos para os coeficienes das variáveis PIB e T indicam que elas êm influência posiiva na demanda brasileira de imporação de borracha naural. Já os sinais negaivos para os 8

9 coeficienes das variáveis PI, da TC, da TJ e da QPI indicam uma relação inversa enre esas variáveis e a demanda brasileira de imporação de borracha naural. O valor Jarque-Bera enconrado foi de 0, com valor p razoavelmene elevado (0,839737). Assim, aceia-se a hipóese de que os resíduos êm disribuição normal. A esaísica F significaiva em nível de 1% de probabilidade sugere que as variáveis explicaivas são, conjunamene, significaivas para explicar que a demanda brasileira de imporação de borracha naural. O ese Breusch-Godfrey, aplicado à equação de demanda de imporação, confirmou a ausência de correlação serial nos resíduos. Com base no ese de Whie conclui-se que não há heerocedasicidade. Segundo a regra de Klein, parece ser de pouca influência os efeios de mulicolinealidade nas esimaivas das variáveis explicaivas, uma vez que o valor de R 2 das regressões auxiliares foi menor que o R 2 obido da regressão global (0,963425). Como as esimaivas foram feias a parir de um modelo logarímico, os parâmeros represenam as esimaivas das elasicidades de demanda de imporação. Sendo assim, a elasicidade-preço da demanda brasileira de imporação de borracha naural foi -0,28, sugerindo que um aumeno de 10% no preço de imporação da borracha naural, ocasionaria uma redução de apenas 2,8% na quanidade imporada do referido produo, ceeris paribus, indicando que a demanda brasileira de imporação de borracha naural é inelásica com relação ao preço de imporação e pouco sensível às variações no mesmo. Soependi (1993), considerando o período de 1970 a 1990, consaou que a elasicidade preço da demanda de imporação mundial por borracha naural da Indonésia é de -0,18, ou seja, é inelásica com relação ao preço de imporação. Já Mera (1977), uilizando dados que englobam o período de 1920 a 1972, concluiu que a elasicidades-preço da demanda brasileira de imporação de borracha naural era de -1,11, indicando que a imporação brasileira de borracha naural àquela época era mais sensível às variações de preço de imporação do produo. Porém, ese esudo engloba um período muio diferene do considerado nesa pesquisa e em Soependi (1993). O valor relaivamene baixo da elasicidade-preço da demanda de imporação de borracha naural, enconrado nese rabalho e em Soependi (1993), pode esar relacionado com o aumeno da imporância relaiva da borracha naural em relação à sinéica desde a década de 80, conforme observa Gameiro e Gameiro (2002). Pelo fao de raar-se de uma maéria-prima essencial na indúsria que requer caracerísicas inrínsecas de ensão, solidez e resisência. Assim, o uso da borracha naural faz-se indispensável nessas indúsrias, limiando o grau de subsiuição pela borracha sinéica (MERA, 1977). A elasicidade-renda da demanda brasileira de imporação de borracha naural foi de 0,30 indicando que a borracha naural é um bem normal e que um aumeno de 10% na renda causaria um incremeno de 3,0% na demanda de imporação do produo, ceeris paribus. Conclui-se, assim, que a demanda brasileira de imporação de borracha naural é rendainelásica, ou seja, os aumenos na renda nacional promovem incremenos menos que proporcionais na quanidade demanda de imporação dese produo pelo Brasil. Com relação às variáveis financeiras, uma depreciação de 10% na axa de câmbio reduz a demanda brasileira de imporação de borracha naural em 0,5%, ceeris paribus. Por sua vez, uma elevação de 10% na axa de juros diminui a demanda brasileira de imporação de borracha naural em 1,3%, ceeris paribus. Eses resulados revelam que a sensibilidade da demanda de imporação de borracha naural é maior para variações nas axas de juros. Iso 9

10 aconece porque a borracha naural é um produo inermediário no processo de produção de bens de consumo durável. Já um aumeno de 10% na quanidade de borracha naural produzida inernamene, provoca um decréscimo de 12,5 % na demanda brasileira de imporação de borracha naural. Iso mosra que a demanda brasileira de imporação de borracha naural é sensível às variações na quanidade de borracha naural produzida inernamene ou que o mercado inerno em absorvido bem a produção nacional de borracha naural. Iso demonsra a relação de complemenaridade exisene enre a produção nacional e as imporações. O sinal posiivo da variável endência indica que a demanda brasileira de imporação de borracha naural, no período de 1965 a 2005, esaria se deslocando para direia a uma axa média de 16,63% ao ano. Nese conexo, em ermos de formulação de medidas de apoio ao desenvolvimeno da produção nacional de borracha, a imposição de arifas sobre as imporações não se consiuem em insrumeno efeivo para inibir as imporações dese produo. A jusificaiva para al enconra-se no baixo coeficiene da elasicidade-preço da demanda brasileira de imporação do produo. Dese modo, a uilização de barreiras não-arifárias poderia se consiuir em insrumeno mais eficaz para coibir a enrada do produo esrangeiro no mercado domésico. Os coeficienes das elasicidades das axas de câmbio e de juros ambém sugerem pouca efeividade de políicas de depreciação cambial e de aumeno da axa de juros, respecivamene, visando reduções nas imporações. Por ouro lado, políicas governamenais voladas para o aumeno da produção nacional de borracha naural, como invesimenos em pesquisa para aumenar a produção de láex por hecare, parecem conribuir para redução das imporações brasileiras de borracha naural e para a susenabilidade da produção nacional. 5. CONCLUSÃO O esudo da demanda brasileira de imporação de borracha naural revela que as variáveis predeerminadas no modelo êm um bom poder de explicação das variações na demanda brasileira de imporação de borracha naural e que as auoridades brasileiras precisam invesir no fomeno da produção nacional como meio de reduzir a dependência exerna no suprimeno dessa maéria-prima. Revela, ambém, que mecanismos de preços são ineficazes para reduzir as quanidades imporadas de borracha. Por conseguine, barreiras nãoarifárias consiuem-se em medidas apropriadas se o objeivo for impedir que haja uma compeição desleal das imporações com a produção nacional. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AGRIANUAL. Anuário esaísico da agriculura brasileira. São Paulo: FNP Consuloria e Comércio (vários anos). ALICEWEB. Disponível em: <hp://aliceweb.desenvolvimeno.gov.br/defaul.asp> Acesso em: 15/12/2006. BANCO DO BRASIL. Anuário Esaísico da Careira de Comércio Exerior CACEX. Vários anos. 10

11 BEGA, R. M. Heveiculura: alernaiva para o pequeno proprieário rural no noroese paulisa. Viçosa, MG: UFV, f. Monografia (Especialização em Gesão do Agronegócio) Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. BILAS, R. A. Teoria microeconômica. Rio de Janeiro: Ed. Forense Universiária, 12ª ed., 404 p., BORRACHA NATURAL BRASILEIRA. Borracha Naural. Disponível em: <hp://www.borrachanaural.agr.br/borrachanaural.php>. Acesso em: 12/01/2007. COTTA, M. K.; JACOVINE, L. A. G.; VALVERDE, S. R.; PAIVA, H. N. de, VIRGENS FILHO, A. C.; SILVA, M. L. da. Análise econômica do consórcio seringueira-cacau para geração de cerificados de emissões reduzidas. Revisa Árvore, Viçosa, v. 30, n. 6, p , nov./dez FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS FGV. CONJUNTURA Esaísica - Conas Nacionais. Conjunura Econômica. Rio de Janeiro, v. 60, n. 11, p. 19, GAMEIRO, A. H.; GAMEIRO, M. B. P. Relação enre preço e consumo das borrachas naural e sinéica no mundo, período 1981 a Informações Econômicas, São Paulo, v. 32, n.11, p. 7-15, nov GUJARATI, D. N. Economeria Básica. São Paulo: Makron Books, 2000, 3ª ed, 846 p. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA - IPEA. Ipeadaa. Disponível em: <hp://www.ipeadaa.gov.br>. Acesso em: 18/12/2006. KRUGMAN, P. R.; OBSTFELD, M. Economia Inernacional: Teoria e Políica. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2005, 6ª ed, 558 p. MERA, R. D. M. Análise economérica da esruura de mercado mundial de borracha naural. Viçosa, MG: UFV, f. Disseração (Mesrado em Economia Rural), Universidade Federal de Viçosa, NISHI, M. H.; JACOVINE, L. A. G.; SILVA, M. L. da; VALVERDE, S. R.; NOGUEIRA, H. P.; ALVARENGA, A. P. Influência dos crédios de carbono na viabilidade financeira de rês projeos floresais. Revisa Árvore, Viçosa, v. 29, n. 2, p , abr PASSOS, C. R. M.; NOGAMI, O. Princípios de economia. 5. ed. rev. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 658 p., PEREIRA, L. C. L. A demanda de imporação de insumos agrícolas: o caso de ferilizanes. Viçosa, MG: UFV, f. Disseração (Mesrado em Economia Rural), Universidade Federal de Viçosa,

12 PEREIRA, J. P; DORETTO, M.; LEAL, A. C.; CASTRO, A. M. G. de; RUCKER, N. A. Cadeia produiva da borracha naural: análise diagnósica e demandas auais no Paraná. Londrina: IAPAR, 85 p., SILVA, M. L. da. REZENDE, J. L. P. de; SILVA, O. M. da; LEITE, C. A. M. Análise economérica do mercado brasileiro de celulose. Nova Economia, Belo Horizone, v. 7, n. 2, p , dez SILVA, M. L. da. REZENDE, J. L. P. de; SILVA, O. M. da; OLIVEIRA, A. D. de. Análise do mercado brasileiro de papel e papelão. Esaísica Econômica, São Paulo, v. 28, n. 1, p , jan./mar., SOARES, N. S.; SILVA, M. L. da; JACOVINE, L. A. G.; NOCE, R. Aspecos écnicos e sociais da heveiculura e viabilidade econômica. In.: ALVARENGA, A. P.; ROSADO, P. L.; CARMO, C. A. F. S.;TÔSTO, S. G. Seringueira: aspecos econômicos sociais e perspeciva para o seu foralecimeno.viçosa, 2006, capíulo 8, p , 180 p. SOEPENDI, I. Y. Indonesian Naural Rubber: An Economeric Analysis of Is Expor Supply and Foreign Impor Demand. (1993). Disponível em: <hp://www.aec.msu.edu/heses/absrac.cfm?recordid=1087>. Acesso em: 10/01/2007. SUPERINTENDÊNCIA DA BORRACHA - SUDHEVEA. Anuário Esaísico Mercado Esrangeiro. Minisério da Indúsria e Comércio (vários anos). 12

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Influência da Taxa de Câmbio e do Dólar sobre os Preços da Borracha Natural Brasileira

Influência da Taxa de Câmbio e do Dólar sobre os Preços da Borracha Natural Brasileira INFLUÊNCIA DA TAXA DE CÂMBIO E DO DÓLAR SOBRE OS PREÇOS DA BORRACHA NATURAL BRASILEIRA naisysilva@yahoo.com.br APRESENTACAO ORAL-Comercialização, Mercados e Preços NAISY SILVA SOARES; MÁRCIO LOPES DA SILVA;

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Silva Soares, Naisy; Lopes da Silva, Márcio; Valverde, Sebastião Renato; Ribeiro Alves, Ricardo; Santos, Fabiano Lourenço

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2 A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Mara R. Casilho 1 e Viviane Luporini 2 ANPEC 2009: ÁREA 6 RESUMO: O arigo apresena um esudo comparaivo das elaicidades-renda das exporações

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-2007 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-2007 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-27 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA - MG - BRASIL hbrigae@yahoo.com.br APRESENTAÇÃO ORAL Comércio

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

Análise da competitividade do algodão e da soja de Mato Grosso entre 1990 e 2006

Análise da competitividade do algodão e da soja de Mato Grosso entre 1990 e 2006 189 Análise da compeiividade do algodão e da soja de Mao Grosso enre 1990 e 2006 Resumo Sonia Sueli Serafim de Souza e Sandra Crisina de Moura Bonjour Ese arigo eve como objeivo fazer uma análise da compeiividade

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

A dinâmica do emprego formal na região Norte do estado do Rio de Janeiro, nas últimas duas décadas

A dinâmica do emprego formal na região Norte do estado do Rio de Janeiro, nas últimas duas décadas A dinâmica do emprego formal na região Nore do esado do Rio de Janeiro, nas úlimas duas décadas Helio Junior de Souza Crespo Insiuo Federal Fluminense-IFF E-mail: hjunior@iff.edu.br Paulo Marcelo de Souza

Leia mais

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br Apresenação Oral-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia HUMBERTO FRANCISCO SILVA

Leia mais

Fatores de influência no preço do milho no Brasil

Fatores de influência no preço do milho no Brasil Faores de influência no preço do milho no Brasil Carlos Eduardo Caldarelli Professor adjuno da Universidade Esadual de Londrina UEL Mirian Rumenos Piedade Bacchi Professora associada do Deparameno de Economia,

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 ISSN 188-981X 18 18 EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 Effec of cassava price variaion in Alagoas over producion gross value Manuel Albero Guiérrez CUENCA

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE RELAÇÕES MACROECONÔMICAS ENTRE DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL, TAXA REAL DE CÂMBIO, INVESTIMENTOS PRODUTIVOS,

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DO DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ESTIMAÇÕES DAS ELASTICIDADES DAS FUNÇÕES DA

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil Marcello da Cunha Sanos Dívida pública e coordenação de políicas econômicas no Brasil Belo Horizone, MG Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno Regional Faculdade de Ciências Econômicas UFMG 4 Marcello da

Leia mais

Câmbio de Equilíbrio

Câmbio de Equilíbrio Câmbio de Equilíbrio Seção 1 Meodologia do cálculo do câmbio...4 Seção 2 - Passivo Exerno... 11 Seção 3 Susenabilidade do Passivo Exerno... 15 Seção 4 - Esimaivas... 17 Seção 5 - Conclusão... 20 2 Inrodução

Leia mais

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004 RELAÇÕES DE TROCA, SAZONALIDADE E MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE DE FRANGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM NO PERÍODO 1997-2004 MARCOS ANTÔNIO SOUZA DOS SANTOS; FABRÍCIO KHOURY REBELLO; MARIA LÚCIA

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL

A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL fcccassuce@yahoo.com.br Apresenação Oral-Comércio Inernacional ANA

Leia mais

MUDANÇAS CAMBIAIS E O EFEITO DOS FATORES DE CRESCIMENTO DAS RECEITAS DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE SOJA 1 2

MUDANÇAS CAMBIAIS E O EFEITO DOS FATORES DE CRESCIMENTO DAS RECEITAS DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE SOJA 1 2 Sonia Sueli Serafim de Souza, Janice Alves Lamera, ISSN 1679-1614 Sandra Crisina de Moura Bonjour & Adriano Marcos Rodrigues Figueiredo MUDANÇAS CAMBIAIS E O EFEITO DOS FATORES DE CRESCIMENTO DAS RECEITAS

Leia mais

Área Temática: 5. Economia Industrial, da ciência, tecnologia e inovação

Área Temática: 5. Economia Industrial, da ciência, tecnologia e inovação EVOLUÇÃO DO CRÉDITO INDUSTRIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE A PARTIR DE FATORES MACROECONÔMICOS Pâmela Amado Trisão Aluna do Programa de Pós-Graduação em Adminisração da Universidade Federal de Sana Maria- UFSM

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇOS E SAZONALIDADE NO MERCADO DE FRETES RODOVIÁRIOS PARA PRODUTOS DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DO PARANÁ*

FORMAÇÃO DE PREÇOS E SAZONALIDADE NO MERCADO DE FRETES RODOVIÁRIOS PARA PRODUTOS DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DO PARANÁ* Ricardo S. Marins, Débora Silva Lobo e Maria da Piedade Araújo FORMAÇÃO DE PREÇOS E SAZONALIDADE NO MERCADO DE FRETES RODOVIÁRIOS PARA PRODUTOS DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DO PARANÁ* Ricardo Silveira Marins**

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combustíveis 1

Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combustíveis 1 1 Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combusíveis 1 Mara Crisina Marjoa-Maisro 2 Geraldo San Ana de Camargo Barros 3 Arigo elaborado em fevereiro/2002 Aprovado para o XL Congresso Brasileiro

Leia mais

Política creditícia no Brasil: o sertão vai virar mar?

Política creditícia no Brasil: o sertão vai virar mar? Políica crediícia no Brasil: o serão vai virar mar? Abril, 2013 Paulo Maos Joyciane Vasconcelos Chrisiano Penna CAEN/ UFC UFC/Sobral CAEN/ UFC paulomaos@caen.ufc.br ciany_vasconcelos@homail.com cmp@caen.ufc.br

Leia mais

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos econsor www.econsor.eu Der Open-Access-Publikaionsserver der ZBW Leibniz-Informaionszenrum Wirscaf Te Open Access Publicaion Server of e ZBW Leibniz Informaion Cenre for Economics Gonçalves, Reinaldo Working

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Elaine Aparecida Fernandes RESUMO: Diane da consaação de que os spreads bancários brasileiros (diferença enre as axas de juros de capação e aplicação dos bancos) se enconram em

Leia mais

Funções de Exportação de Alimentos para o Brasil. Maria Auxiliadora de Carvalho Instituto de Economia Agrícola

Funções de Exportação de Alimentos para o Brasil. Maria Auxiliadora de Carvalho Instituto de Economia Agrícola Funções de Exporação de Alimenos para o Brasil Maria Auxiliadora de Carvalho Insiuo de Economia Agrícola César Robero Leie da Silva PUCSP e Insiuo de Economia Agrícola Resumo: A segurança alimenar é uma

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

Benefícios sociais da política de incentivos à cultura de mamão no Estado do Ceará

Benefícios sociais da política de incentivos à cultura de mamão no Estado do Ceará Benefícios sociais da políica de incenivos à culura de mamão no Esado do Ceará Heliana Mary da ilva Quinino 1 Ahmad aeed Khan 2 Parícia Verônica Pinheiro ales Lima 3 Resumo: Ese esudo analisa o benefício

Leia mais

ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS

ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS VANIA DI ADDARIO GUIMARÃES Tese apresenada à Escola Superior de Agriculura Luiz de Queiroz, Universidade de

Leia mais

EFEITOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE A PRODUTIVIDADE: A EVIDENCIA EMPIRICA PARA O NORDESTE BRASILEIRO UTILIZANDO VETORES AUTOREGRESSIVOS (VAR).

EFEITOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE A PRODUTIVIDADE: A EVIDENCIA EMPIRICA PARA O NORDESTE BRASILEIRO UTILIZANDO VETORES AUTOREGRESSIVOS (VAR). EFEITOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE A PRODUTIVIDADE: A EVIDENCIA EMPIRICA PARA O NORDESTE BRASILEIRO UTILIZANDO VETORES AUTOREGRESSIVOS (VAR). Jocildo Fernandes Bezerra 1 Professor do Deparameno de

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

UM MODELO PARA PROJEÇÕES PARA DEMANDA POR ENERGIA ELÉTRICA, 2009-2017 E A EVOLUÇÃO DO CUSTO SOCIAL E TARIFA ÓTIMA PARA O BRASIL

UM MODELO PARA PROJEÇÕES PARA DEMANDA POR ENERGIA ELÉTRICA, 2009-2017 E A EVOLUÇÃO DO CUSTO SOCIAL E TARIFA ÓTIMA PARA O BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE - FEAC CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA CMEA GUSTAV IVES MENDES NICÁCIO VIANA UM MODELO PARA PROJEÇÕES PARA

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

O mercado brasileiro da soja: um estudo de transmissão, causalidade e cointegração de preços entre 2001 e 2009

O mercado brasileiro da soja: um estudo de transmissão, causalidade e cointegração de preços entre 2001 e 2009 Sinop, MT, Brasil, 18 a 22 de ouubro de 2010. O mercado brasileiro da soja: um esudo de ransmissão, causalidade e coinegração de preços enre 2001 e 2009 Gilbero Siso Fernández (UNEMAT) gilbsis@gmail.com

Leia mais

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insiuo de Ciências Humanas Deparameno de Economia DOUTORADO EM ECONOMIA A Produividade do Capial no Brasil de 1950 a 2002 Aumara Feu Orienador: Prof. Maurício Baraa de Paula Pino

Leia mais

ELASTICIDADES DE CURTO E LONGO PRAZOS DA DEMANDA POR ÁLCOOL HIDRATADO NO BRASIL

ELASTICIDADES DE CURTO E LONGO PRAZOS DA DEMANDA POR ÁLCOOL HIDRATADO NO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DECON PÓSGRADUAÇÃO EM ECONOMIA PIMES ELASTICIDADES DE CURTO E LONGO PRAZOS DA DEMANDA POR ÁLCOOL HIDRATADO

Leia mais

CURVA DE KUZNETS AMBIENTAL ESTIMATIVA ECONOMÉTRICA USANDO CO2 E PIB PER CAPITA

CURVA DE KUZNETS AMBIENTAL ESTIMATIVA ECONOMÉTRICA USANDO CO2 E PIB PER CAPITA CURVA DE KUZNETS AMBIENTAL ESTIMATIVA ECONOMÉTRICA USANDO CO E PIB PER CAPITA CLEYZER ADRIAN CUNHA; UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS GOIANIA - GO - BRASIL cleyzer@uai.com.br APRESENTAÇÃO ORAL Agropecuária,

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE

COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE RESUMO Ese rabalho objeiva esudar o comporameno recene dos preços dos segmenos do complexo soja, em paricular, a ransmissão

Leia mais

Resumo. Palavras-chave:qualidade da educação, financiamento da educação, família, municípios. Classificação JEL: I2, H2, D6, R58.

Resumo. Palavras-chave:qualidade da educação, financiamento da educação, família, municípios. Classificação JEL: I2, H2, D6, R58. O impaco dos gasos públicos municipais sobre a qualidade da educação: uma análise de variáveis insrumenais enre 2007 e 2011 Darlan Chrisiano Kroh * Flávio Oliveira Gonçalves ** Resumo Grande pare do desempenho

Leia mais

Análise da produtividade das distribuidoras de energia elétrica utilizando Índice Malmquist e o método de bootstrap

Análise da produtividade das distribuidoras de energia elétrica utilizando Índice Malmquist e o método de bootstrap UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Análise da produividade das disribuidoras de energia elérica uilizando Índice Malmquis e o méodo de boosrap Fernando Elias

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE OS PREÇOS DE AÇÚCAR NOS MERCADOS DOMÉSTICO E INTERNACIONAL

A RELAÇÃO ENTRE OS PREÇOS DE AÇÚCAR NOS MERCADOS DOMÉSTICO E INTERNACIONAL A RELAÇÃO ENTRE OS PREÇOS DE AÇÚCAR NOS MERCADOS DOMÉSTICO E INTERNACIONAL ANDRÉ MASCIA SILVEIRA Disseração apresenada à Escola Superior de Agriculura Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, para

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS Naal/RN COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS André Assis de Salles Escola Poliécnica - Universidade Federal do Rio de Janeiro Cenro de Tecnologia Bloco F sala

Leia mais

A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Propostas de Reforma

A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Propostas de Reforma Tema 2 Tópicos Especiais de Finanças Públicas 2.3 Reforma do Esado: Reforma Adminisraiva e Reforma Previdenciária A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Proposas de

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 9 ASSUNTOS: Análise de Invesimenos Valor Acual Líquido (VAL) Taxa Inerna de Renabilidade (TIR) Rácio Benefício - Cuso (RBC) Tempo de Recuperação (TR) PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Perane a previsão de prejuízos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA FLAVIANE SOUZA SANTIAGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA FLAVIANE SOUZA SANTIAGO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA FLAVIANE SOUZA SANTIAGO UM MODELO ECONOMÉTRICO + INSUMO-PRODUTO PARA A PREVISÃO DE LONGO PRAZO DA

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

Integração na criação de frangos de corte na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco

Integração na criação de frangos de corte na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco Inegração na criação de frangos de core na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco Adelson Marins Figueiredo Pedro Anônio dos Sanos Robero Sanolin Brício dos Sanos Reis Resumo:

Leia mais

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Eficácia das Inervenções do Banco Cenral do Brasil sobre a Volailidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Fernando Nascimeno de Oliveira, Alessandra Plaga Conens: Keywords: 1. Inrodução; 2. Dados; 3.

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL EMPACOTADO AO VAREJO DA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL

FORMAÇÃO DE PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL EMPACOTADO AO VAREJO DA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL FORMAÇÃO DE PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL EMPACOTADO AO VAREJO DA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL Mirian Rumenos Piedade Bacchi Lucilio Rogerio Aparecido Alves 2 RESUMO: Nese rabalho buscou-se analisar o processo

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais

Palavras-chave: Posição Relativa do Mercado; Vantagem Comparativa; Constant-Market-Share; Competitividade.

Palavras-chave: Posição Relativa do Mercado; Vantagem Comparativa; Constant-Market-Share; Competitividade. O desempenho das exporações brasileiras de amêndoas de casanha-de-cau enre os anos de 2007 e 2011 The performance of cashew-nus expors from Brazil beween 2007 and 2011 Renao Drogue Macedo Universidade

Leia mais

ACORDOS TBT E SPS E COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA: RETALIAÇÃO OU COOPERAÇÃO? 1

ACORDOS TBT E SPS E COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA: RETALIAÇÃO OU COOPERAÇÃO? 1 ACORDOS TBT E SPS E COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA: RETALIAÇÃO OU COOPERAÇÃO? fernanda.almeida@ufv.br APRESENTACAO ORAL-Comércio Inernacional FERNANDA MARIA DE ALMEIDA; WILSON DA CRUZ VIEIRA; ORLANDO

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO Newon C. A. da Cosa Jr., Milon Biage Deparameno de Economia, UFSC Waldemar Ferreira e Marco Goular Deparameno de Adminisração, UFAM Curso de Pós-Graduação

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15.

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15. Economia e Finanças Públicas Aula T21 6.3 Resrição Orçamenal, Dívida Pública e Susenabilidade 6.3.1 A resrição orçamenal e as necessidades de financiameno 6.3.2. A divida pública 6.3.3 A susenabilidade

Leia mais

As exportações nos estados da Região Sul do Brasil por intensidade tecnológica entre 1996 a 2007

As exportações nos estados da Região Sul do Brasil por intensidade tecnológica entre 1996 a 2007 IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais As exporações nos esados da Região Sul do Brasil por inensidade ecnológica enre 1996 a 2007 Alexander Nunes Leizke PPGE/UNISINOS

Leia mais

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro Governança Corporaiva, Risco Operacional e Comporameno e Esruura a Termo da Volailidade no Mercado de Capiais Brasileiro Auoria: Pablo Rogers, Cláudio Anônio Pinheiro Machado Filho, José Robero Securao

Leia mais