CIÊNCIA & TECNOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIÊNCIA & TECNOLOGIA"

Transcrição

1 Volume 6 Númeo 2 ezembo de 2006 ISSN REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA A evista tecológica da UNIG FACUAE E CIÊNCIAS EXATAS E TECNOÓGICAS

2 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA A evista tecológica da UNIG ieitos exclusivos paa esta edição: Uivesidade Iguaçu UNIG Faculdade de Ciêcias Exatas e Tecológicas Nova Iguaçu, RJ Os atigos desta evista são de esposabilidade exclusiva dos autoes. É pemitida a epodução total ou pacial dos atigos ela publicados, desde que seja citada a fote. Impesso o Basil Supe viso Edito ial Atóio Filipe Falcão de Motalvão UNIG Co po Editoial Atôio Calos de Abeu MolCNEN Atôio Calos Feie Sampaio UNIG Atóio Filipe Falcão de Motalvão UNIG Cláudio Heique dos Satos Gecco UNIG,CNEN Cláudio Mácio Nascimeto Abeu Peeia UNIG eise Salim Satos UNIG,FACHA Feado Media UNIG Facisco Atôio Caldas Adeade Pito UNIG Isaias Gozaga de Oliveia UNIG Paulo Feado Neves Rodigues FAU/ UFRJ REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA / Uivesidade Iguaçu, v6 o 2 ez 2006 Nova Iguaçu Rio de J aeio: Gáfica Uivesitáia, Semestal ISSN Ciêcias Exatas e Tecológicas Peiódicos. I. Uivesidade Iguaçu ii

3 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA A evista tecológica da UNIG Objetivo e Escopo REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA é uma publicação de distibuição gatuita, editada semestalmete pela Uivesidade Iguaçu, com o objetivo de divulga tabalhos cietíficos iéditos e atigos de evisão, cobido os divesos temas a áea de Ciêcias Exatas e Tecológicas. Ifomações paa submissão de atigos Os iteessados em submete atigos paa publicação deveão eviá los ao edeeço abaixo, em duas cópias, impessas em papel fomato A4 impesso somete de um lado da folha, colua úica, com espaçameto simples e leta Times New Roma tamaho 12, acompahadas dos espectivos aquivos eletôicos e mail ou em disquete de 3 1/4, PC/Compatível, cotedo o texto editado em Micosoft Wod, as figuas e tabelas ecessáias. Com o ituito de agiliza a edição, ecomeda se que as figuas e tabelas sejam embutidas o texto já em suas espectivas posições. A pimeia folha deve cote o título do tabalho, omes e edeeços completos dos autoes e um esumo de, o máximo, 250 palavas. O copo do tabalho deve se subdividido em seções umeadas com algaismos aábicos. As efeêcias devem se umeadas em odem de citação o copo do texto. O atigo completo ão deve excede 15 págias, icluido figuas e tabelas. Revisão dos atigos Todos os atigos seão evisados po especialistas, membos do copo editoial, ou, caso haja ecessidade, evisoes exteos seão covidados. Neste caso, os omes de tais evisoes seão ifomados os espectivos exemplaes. No caso da aceitação do atigo esta codicioada às cosideações feitas pelos evisoes, estas seão epassadas ao auto paa que o pópio faça as devidas modificações o atigo, eeviado o paa o copo editoial. Após aceitação ou ão do tabalho, os autoes seão otificados. O mateial eviado paa evisão ão seá, em hipótese alguma, etoado ao auto. Edeeço paa submissão de atigos Os atigos devem se submetidos paa: Atóio Filipe Falcão de Motalvão UNIVERSIAE IGUAÇU Faculdade de Ciêcias Exatas e Tecológicas FaCET, Assessoia de Pesquisa Av. Abílio Augusto Távoa 2134, Nova Iguaçu, RJ E mail: iii

4 Expediete ISSN Chacele. Fábio Rauheitti i memoia Pesidete da Mateedoa Pofº. Sylvio Joge de Oliveia Shad Reito. Júlio Césa da Silva Pó Reito Admiistativo. João Batista Baeto ubaco Pó Reito de Esio e Gaduação. Calos Heique de Melo Reis Pó Reito de Pesquisa e Extesão Pof. Atôio Calos Caeia Feitas Secetáio Geal Eliaa óia Vice ieto da Faculdade de Ciêcias Exatas e Tecológicas Osvaldo Paete Gomez Coodeado do Cuso de Sistemas de Ifomação Pofª. éboa José de Souza Costatio Coodeado do Cuso de Egehaia da Computação Pof. Osvaldo Paete Gomez Coodeado do Cuso de Egehaia de Petóleo Pof. Atôio Oestes Salvo Casto Coodeado do Cuso de Egehaia de Podução Pof. Feado Media Coodeado do Cuso de iceciatua em Computação Pof. Victo Emaual Coeia ima Coodeado do Cuso de Matemática Pof o. Victo Emaual Coeia ima Assesso de Extesão da Faculdade de Ciêcias Exatas e Tecológicas Pof o. uis Calos da Silva Uivesidade Iguaçu Av. Abílio Augusto Távoa, 2134 CEP Nova Iguaçu RJ Basil Tel.: iv

5 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 Editoial...6 Atóio Filipe Falcão de Motalvão Regulação Pudecial Bacáia e Modelos de Impactos o Seto de Itemediação Fiaceia: beve esumo...7 Facisco Atôio Caldas de Adade Pito e Rogéio Sobeia Estudo e elaboação de um ata Mat paa aplicação o seto de ecebimeto de leite de laticíios Ricado Esteves Keipp e Atoio Almeida de Baos Juio Uso de Modelos Vituais em Avaliações Egoômicas de Pojetos de Egehaia...23 Cláudio Heique dos Satos Gecco, Isaac uquetti dos Satos, Atôio Calos Mol, Paulo Victo R. de Cavalho Ifluêcia da cocetação de sólidos o cosumo de ozôio paa emoção de co de efluetes da idústia têxtil...31 Atóio Filipe Falcão de Motalvão Baco de ados sobe as Cultuas Idígeas do Vale do Paaíba Rio de Jaeio Basil...38 Giovai Scaamella, Vâia Vieia Feades Muiz, Adé uiz Cuzatis Goçalves, Tiago do Nascimeto Silva ias 5

6 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 Edito ial esde a pimeia publicação, em abil de 2000, a Revista de Ciêcia & Tecologia tem sido um veículo de divulgação ampla dos tabalhos cietíficos e atigos de evisão poduzidos pelo copo docete, visado o público iteo e exteo à UNIG. A evista, também abeta a pesquisadoes de outos cetos de pesquisa e pofessoes de outas etidades, tem publicado esultados de pesquisas de excelete qualidade. Não podemos deixa de agadece aos pofessoes da UNIG e pesquisadoes exteos pela sigificativa cotibuição dada à ossa Revista. O cotíuo sucesso deste peiódico está dietamete codicioado à alta qualidade dos atigos aqui publicados. Com o objetivo de agiliza a divulgação do coteúdo de cada úmeo, a evista está sedo publicada eletoicamete o edeeço e pode se acessada e impessa po qualque pessoa da comuidade, pela iteet. Foam dispoibilizadas as evistas a pati do volume 5, úmeo 1. Paa impimi os úmeos dispoíveis, deveá se acessada a Faculdade de Ciêcia Exatas e da Tea, FaCET, deto do edeeço da UNIG. Ratificamos o covite à comuidade cietífica paa que paticipe da evista, emetedo seus atigos ao Copo Editoial da Revista de Ciêcia & Tecologia. A publicação de atigos é fudametal a divulgação de ossas pesquisas. Pof. Atóio Filipe Falcão de Motalvão 6

7 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 Regulação P udecial Bacáia e Modelos de Impactos o Seto de Itemediação Fiacei a: beve esumo. Facisco Atôio Caldas de Adade Pito 1 e Rogéio Sobeia 2 1 Uivesidade Iguaçu, Faculdade de Ciêcias e Tecologia FACET UNIG outoado em Admiistação pela FGV/EBAPE Paia de Botafogo, 190 3º, 4º e 5º adaes CEP Rio de Jaeio, RJ, Basil. E mail: 2 Pofesso EBAPE/FGV Escola Basileia de Admiistação Pública e de Empesas Paia de Botafogo, 190 3º, 4º e 5º ada, CEP Rio de Jaeio, RJ, Basil. E mail: Resumo A egulação pudecial bacáia tem sido a foma a qual tadicioalmete se asseta a peseça egulatóia e a supevisão dos itemediáios fiaceios tato o Basil como o esto do mudo, e esse cotexto, este atigo examia os modelos teóicos de egulação e efatiza a discussão do papel do estado como itecesso ecoômico em um mecado ode as foças da cocoêcia plea são, po vezes, isuficietes paa o gaati o coceito de seguaça do seviço cosumido. esceve a fomatação acioal ode se isee a egulação pudecial, ão deixado de salieta as gaatias ão iteiamete povidas po esta pópia egulação, tais como a imposição de custos que possam acaba po excede os custos do poblema oigial que são, em última istâcia, cobetos pelos pópios cosumidoes, bem como o isco moal que advém quado da imposição egulatóia. Palavas chave: Regulação Fiaceia, Regulação Pudecial, Itemediáios Fiaceios. 1. Itodução A descição a segui cotempla o efeecial teóico teoia bacáia da egulação ótima, acompahado sua evolução e suas implicações paa melho compeesão de uma matéia que os últimos aos vem apesetado sucessivas abodages de efoque a existêcias de itemediáios fiaceios, o fucioameto dos bacos em paticula, de como esses devem se egulados e a goveaça e fiaciameto das copoações. Este atigo cetalizaá esfoços as implicações da egulação pudecial bacáia e seus coespodetes efeitos o mecado bacáio. O temo público cosideado o seto bacáio efatiza que bacos foecem um seviço de caacteísticas úicas e idispesáveis, tais como as liquidações fiaceias e os meios de pagameto. Ao cotáio dos gades ivestidoes, poém, o pequeo ivestido, o público em geal, ão tem como esta a pa da situação fiaceia das istituições bacáias, emboa o bem público que é um acesso a um seguo e eficiete sistema de pagametos, é ofeecido po estas mesmas istituições fiaceias. esta foma, estas duas picipais azões, a poteção dos depósitos e o acesso e 7

8 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 seguaça ao sistema de pagametos, acabam po evidecia, e tadicioalmete justifica, a iteveção pública as atividades bacáias. Em uma pimeia aálise, podeia supo se, que a teoia geal de egulação pública ofeeceia o completo e ecessáio etedimeto paa a compeesão dos específicos poblemas cicuscitos à egulação fiaceia. Essa aálise é, cotudo, egaosa, uma vez que a egulação fiaceia acaba po levata divesas questões adicioais que ão são iteiamete abodadas a teoia de egulação pública e que, em geal, é fudametada atavés da compleição de impefeições existetes em mecados advidas da peseça de extealidades, assimetias de ifomações ete foecedoes e cosumidoes e disfuções de mecado tais como moopólios atuais. Tadicioalmete, a teoia geal de egulação pocua se equiliba a sutil foteia ete a egulação de estutua egulatio of stuctue e a egulação de coduta egulatio of coduct, ou seja, equato a egulação estutual pocua detemia qual agete ecoômico fima é devidamete qualificado paa desevolve detemiado tipo de atividade, a egulação de coduta pocua taça as lihas de compotameto pemitidas ao agete ecoômico em seu ambiete de atuação. A teoia da egulação fiaceia, po sua vez, ao pocua atua mais estitamete a egulação de coduta, absove também divesos coceitos da egulação geal, mas, atavés de sua atueza específica, se asseta adicioalmete e sobetudo a coceituação de atibutos pópios como o de ede de seguaça, ou seja, a ecessidade de pove uma poteção aos depositates do isco de falêcia de seu baco, em que, bacos e itemediáios fiaceios ecessitam se egulados, uma vez que seus malogos fiaceios geam itesas extealidades a seus depositates e clietes, podedo compomete, atavés de popagação e difusão esses efeitos a outos bacos e icemeta o isco de solvêcia de agetes ão fiaceios ou, em casos mais extemos, leva até mesmo ao colapso de toda uma ecoomia. Esse Risco Sistêmico, que advém da paticulaidade desse mecado, pode se etedido como um aspecto chave se compaado aos outos setoes da ecoomia e é, talvez dado a essa peculiaidade, um dos poucos cosesos estabelecidos o pesameto ecoômico, Cavalho: 2005, aida que, todavia, ão se teha tasfomado em uaimidade. A expessão ede de seguaça fiaceia, potato, desiga o cojuto de egas e istumetos paa coteção dos iscos sistêmicos associados à vuleabilidade fiaceia bacáia e a outos distúbios de caáte abagete. Em geal as questões de atueza sistêmica são tadicioalmete cetais em egulação bacáia baseada ete outas, a posição pivilegiada que os bacos ocupam o sistema de meios de pagameto e as liquidações fiaceias e os peigos poteciais deivados das coidas bacáias lewelly: Assumido, potato, que os objetivos de última istâcia da egulação bacáia sejam os de gaati uma ede de seguaça, é de se supo istumetos específicos a esta ealidade, ão iteiamete povidos pela teoia geal de egulação, ete os quais pode se iam cita: Seguos de depósitos; Requisitos de capital; Restições a etates ou a Expasão Bachig; Restições a fusões e aquisições; Requisitos de eseva de capital. 8

9 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 Ao se examia, potato, tais picípios egulatóios de atueza fiaceia, é fudametal apofuda o etedimeto e a compeesão do papel desempehado pelos itemediáios fiaceios a sociedade modea, caacteizado com a devida pecisão as distições ecessáias ete; i o estabelecimeto de egas claas e específicas paa o compotameto dos bacos abodadas a teoia egulatóia, ii o acompahameto sucito de como tais egas são obedecidas, atavés dos pocessos de moitoação e iii a obsevação de foma geal do compotameto dos bacos e fimas fiaceias. Potato o estudo da egulação bacáia petede taze ao debate a discussão do papel do estado como mediado ecoômico em um mecado ode as foças da cocoêcia plea são po vezes isuficietes paa o gaati o coceito de seguaça plea. A devida compeesão do poblema deve apofuda: como as istituições fiaceias e seus espectivos mecados se elacioam e opeam a pática; as estutuas de icetivos ecotadas pelos itemediáios fiaceios; a extesão das impefeições das falhas e impefeições de mecado o sistema fiaceio e o pode da egulação fiaceia; a extesão em que podutos e cotatos fiaceios difeem de bes e seviços os quais ão são egulados o mesmo gau e a mesma itesidade que os itemediáios fiaceios. Este pojeto, em sítese, deveá desceve, em coteúdo e pofudidade de detalhes todos esses picípios em cosoâcia com o coteúdo temático da egulação fiaceia, popodo alteativas ão iteiamete povidas essas discussões até o pesete mometo. 2. Regulação Pudecial Os agetes fiaceios bacos, segudo ima 2005, opeam costatemete sob uma itíseca fagilidade fiaceia a medida em que é pemaete a existêcia de um cotaste em ambos os lados de seus balaços fiaceios; de um lado a liquidez e igidez de valo dos passivos e, de outo, a leta liquidez dos ativos. Melho explicado, a fácil liquidez com possível liquidação dos passivos bacáios atavés de um sempe pesete isco de uma coida bacáia ão ecota o mesmo ampao quado da liquidação de seus ativos, muito mais letos e, à medida que liquidadoss sempe com possível desvaloização. Ou seja, a existêcia da possibilidade de ocoêcia de um isco sistêmico desequiliba subjetivamete a balaça do balaço fiaceio dos bacos. Uma vez compeedido e aceito o cotexto da ocoêcia de isco sistêmico, o coseqüete estabelecimeto de um cojuto de egas, defiições de egulação e supevisão que efocem a capacidade do sistema fiaceio de se esguada cota desvios ou choques pode se etedida como uma egulação de atueza pevetiva, que pocue esta sempe em liha com a peveção de possíveis malogos fiaceios, uma egulação pudecial, Pudetial Regulatio, Essa egulação tem de advi do estado que, tedo o moopólio da emissão de moeda, ofeece a possibilidade de supi os bacos do equilíbio em um evetual mometo de icemeto do isco sistêmico. O foco, potato, é a liquidez dos depósitos ode é ecessáio gaati que os bacos 9

10 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 possam te exposição míima com elação aos iscos que compometam sua existêcia, mas suficiete paa a devida geação de seus egócios. Em suma, o picipal desafio dos ogaismos de egulação é assegua que a peveção de páticas peigosas que possam se adotadas po algus agetes fiaceios ão iibam excessivamete os esultados fiaceios de algus bacos em a cocoêcia desejável o mecado. A egulação pudecial, cotudo, ão pode se estaque. É de se ateta que o cotíuo desevolvimeto das tecologias digitais de pocessameto e tasmissão de ifomações e dados aliado ao das técicas fiaceias popocioam a cada dia ovos meios paa a elaboação, comecialização e distibuição de podutos e seviços fiaceios. O cescimeto dos fluxos iteacioais de comécio e de capital demadam ovos podutos e seviços fiaceios e, po coseguite, empesas capazes de foecê los. Uma fima, po exemplo, evolvida com comécio iteacioal utiliza comumete mecaismos de hedge cambial ou poteção de iscos em mecados futuos, seviços esses que podem evetualmete se supidos, em pate po gades copoações bacáias. Tais feômeos desecadeiam foças que impulsioam um aceleado pocesso de mudaças o seto de seviços fiaceios, evolvedo tato empesas bacáias de um mesmo país como de países difeetes. Tais alteações têm como picipais potagoistas as istituições bacáias, as quais estão agupado, sob seus auspícios, vaiados tipos de seviços fiaceios, ima: 2005 como a cescete combiação de atividades bacáias e ão bacáias desde os tadicioais, como foecimeto de empéstimos e custódia de ecusos, até os de seguos, os de subscição de otas e ações etc. Como cooláio, veifica se também o icemeto da cocetação bacáia em divesos países, impodo váias questões paa as istituições eguladoas, tais como as atietes à poteção dos pequeos demadates de seviços fiaceios. A egulação pudecial desta foma pecisa acompaha essas alteações ofeecedo coceitos que adaptem melho essa ealidade às codicioates atuais. Este pojeto, ao objetiva aalisa descitivamete a elação da egulação com o mecado e seus impactos a cocoêcia, sitetiza algus aspectos cetais de peveção e poteção que devem esta pesetes a egulação pudecial, Feitas 2005, sedo os pimeios melho descitos atavés dos seguites tópicos: limites de edividameto; ídices de liquidez; isco de exposição dos ativos; limites míimos de capital; povisões cota devedoes duvidosos P; limites de cocetação de empéstimos; E o segudo atavés de: seguos de depósitos; A egulação pudecial deve se aalisada em pofudidade sobe a sua atuação em casos como seguos de depósitos Bhattachaya, Boot e Thako: 1998 uma vez que sua peseça acaba po distoce o compotameto das istituições seguadas e egeda fomas de iscos divesos tais como o isco moal, equato que, paa equeimetos de capital, são potecialmete boas feametas egulatóias ao lida com o isco moal moal hasad. Segudo Bhattachaya, Boot e Thako 1998, as teoias de egulação pudecial 10

11 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 sugeem sempe uma impotate e esteita ligação ete os equeimetos de capital e os seguos de depósitos, sob a égide do isco do egócio bacáio, geado desta foma supote às dietizes de capital baseadas o aspecto de avaliação de iscos, o que pode se também obsevado a sítese liteáia descita em Satos:2001. Os citéios egulação pudecial mais eficazes com efeitos de efeêcia ao mecado, devem se aqueles que estejam cicuscitos à estutua de custos e/ou à fomação do ativo e passivo bacáio. Em um extato de aálise o ambiete de egulação pudecial o mudo, OEC: 1998, pecebe se que, equato algus países equeem que os itemediáios fiaceios detalhem exaustivamete ifomações sobe egulametação pudecial, algus outos, segudo Vascocelos: 2003, apotam ou equeem pequeos detalhes esta egulametação, mas submetem suas empesas fiaceias a auto egula seus iscos, atavés de modelos de moitoação iteos, que seão a base de ifomação paa a autoidade eguladoa. A egulação pudecial é, potato, um bom meio de pevei a ocoêcia de poblemas que possam exigi a iteveção de algum ogaismo cetal como um pestamista de última istâcia alogado o camiho ete a solvêcia dos bacos e a coida bacáia. Cabe também cita como já atecipado em paágafos ateioes que, se os desdobametos omativos, po um lado, buscam pevei a coduta estatégica dos bacos, po outo, ao ofeece poteção, podem, cotaiamete ao que se supõe, aumeta a exposição a iscos pelos bacos, ao estimulaem páticas ousadas, uma vez que são seguados depósitos e gaatidos empéstimos de última istâcia, e, dessa foma, covegi cotaiamete aos efeitos iicialmete desejados. Esse paadoxo, cotudo, é pate cetal dessa discussão desafio, dessa foma, se equada o quato desejável é o apote ecessáio de egulação, a fim de que ao se mioaem as possibilidades de isco sistêmico, ão sejam iibidos como coseqüêcia os fudametos básicos de cocoêcia. Paa aalisa melho esses impactos, esse pojeto deve amplia a visão sobe o modelo de fima bacáia a foma de ogaização idustial, cetalizado seus esfoços a competição e seus efeitos o spead bacáio. 3. Impactos a Competição Bacáia Um dos gades pilaes os quais se asseta a teoia micoecoômica bacáia é a abodagem de ogaização idustial Idustial ogaizatio appoach que emboa de atueza simplista, acaba po ofeece um exteso cojuto de modelos acadêmicos teóicos que podem se ajustados paa as itefeêcias devidas à egulação pudecial, e este setido, mosta se como uma teoia adequada, paa explica a diâmica deste seto. O modelo de apoximação de ogaizações idustiais, ao modela mecados que vaiam ete a competição pefeita à impefeita atesta que os bacos como itemediáios fiaceios ao foece empéstimos opeam como se compassem secuitizáveis, emitidos pelos tomadoes e ivesamete, emitem também secuitizáveis ao vede depósitos, ou seja, bacos comeciais são itemediáios fiaceios que compam cetos tipos de cotatos tais como empéstimos e vedem outos tipos de cotatos tais como depósitos, modelado, potato, a atividade bacáia de podução de depósitos e de seviços de empéstimos, Feixas e Rochet :

12 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 As implicações de cosidea bacos comeciais como etidades idepedetes que eagem ao seu ambiete ao ivés de simplesmete cosideá los como etidades passivas itemediáias e agegadas ofeeceu codições a divesos autoes de esaia modelos que melho sitetizem ou epoduzam o ceáio de competição o mecado bacáio comecial. Os modelos, dessa foma, ao pocua equada esta defiição, são etatados as vaiates que cotemplam a competição pefeita, o moopólio e a competição moopolista ou oligopolista. 1 A assimilação dos modelos que epoduzem a competição pefeita o seto bacáio ão são, cotudo, as mais adequadas, uma vez que existem divesas baeias a ovos etates. Etetato, são muito úteis ao ofeece quados que auxiliem o etedimeto do mecado e dos demais modelos, emboa os modelos que etatam a competição impefeita sejam mais pováveis de efleti o seto bacáio. 3.1 Modelo de Competição Pefeita Esta modelagem pate da pessuposição da atividade bacáia em N difeetes bacos idexados de =1,...,N, atavés da podução de depósitos e seviços de empéstimos e de sua coespodete fução custo C, de geeciameto o volume de depósitos e o volume de empéstimos, assumidos de seem homogêeos cujas decisões ou são feitas a pati das taxas espectivas,.e. A pati de um típico balaço fiaceio de um baco ode temos = +R, sedo, e espectivamete o volume de depósitos e de empéstimos, e ode R epeseta a eseva moetáia compulsóia depositada o Baco Cetal, acescida da posição itebacáia R =C + M, sedo essa eseva moetáia depositada sobe um coeficiete α dos depósitos, C =α depósito este compulsóio. Assim, em um modelo competitivo, a fução luco pode se epesetada po: π = Ode as fuções acima melho expessam: = Motate de depósitos; = Motate de empéstimos; = Taxas de etoo sobe empéstimos; = Taxas de etoo sobe depósitos; O baco, desta foma, se defota com uma fução de demada de empéstimos =, com < 0 e < 0 e uma ofeta de depósitos = com,>0 e <0. O que caacteiza em outas palavas que a demada po empéstimos é assumida de se uma fução côcava e a ofeta de depósitos é uma fução também com atueza côcava. Como, todavia, deve se adicioa a pacela efeete às esevas moetáias tasfeidas ao Baco Cetal e deduzi a fução custo coespodete, temos simplificadamete paa a fução luco: [ 1 ] C, π = + α Ode : = taxa dada pelo Baco Cetal paa o mecado itebacáio ; α = coeficiete efeete ao depósito compulsóio sobe os depósitos ecolhidos pelo Baco Cetal; 1 Adicioalmete, modelos que discimiam as elações de depositate baco e baco tomado são exaustivamete tatados em Costa:

13 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 C, = fução custo de gestão dos depósitos e dos seviços de empéstimos 2, tecologia bacáia. A equação acima, pode se melho expessa como : π, = + 1 α C, o que sitetiza a visão de que os lucos bacáios são a soma das mages itemediáias de empéstimos e depósitos aliviados dos custos de geeciameto, de ode pode se ifei que, o modelo competitivo, os bacos ajustaão seu volume de empéstimos e depósitos de uma maeia tal que as mages e 1 α sejam iguais ao custo magial dos seviços de empéstimos e ao custo magial dos seviços de depósitos. 3.2 Modelo Moti Klei de um Baco Moopolístico O modelo oigial cosidea um baco moopolístico que se defota com uma demada descedete po empéstimos e ascedete sobe depósitos, a pati da coveiêcia de tabalho pelo iveso de suas fuções oigiais e. ogo as vaiáveis de decisão dos bacos seão quatidade de empéstimos e quatidade de depósitos. Seu capital pópio é dado. O luco do baco seá a soma das mages de itemediação dos depósitos e empéstimos deduzida da fução epesetativa do custo: Assim, adaptada de atavés da seguite foma : π, = + C 3.2.1, ode as fuções acima melho expessam : = Motate de depósitos 3 ; = Motate de empéstimos ; = Taxas de etoo sobe empéstimos ; = Taxas de etoo sobe depósitos ; C, = Fução custo de geeciameto em volume de depósitos e em volume de empéstimos. Paa que o luco π seja maximizado pela codição de pimeia odem, e etededo se que π é côcavo, as codições de pimeia odem são: π = ' + C ', Ao seem itoduzidos, as elasticidades da demada paa empéstimos e do povimeto de depósitos Feixas e Rochet: 1997.pp. 58 temos: + C π = ' + 1 α C ', ' ' 1 α C 1 = ε 1 = ε que acabam sedo simples adaptações paa o seto bacáio das igualdades ete o ídice de ee peço meos custo dividido po peço e a elasticidade ivesa. e ceta 2 A fução custo paa efeitos desse modelo é assumida como sedo igual paa todos os bacos. 3 O coeficiete efeete ao depósito compulsóio foi supimido paa efeitos de simplificação. 13

14 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/ foma, quato maio é o pode de mecado dos bacos os depósitos e espectivamete os empéstimos, meo é a elasticidade e maio é o ídice de ee. Potato, um baco moopolístico iá ajusta seu volume de depósitos e empéstimos de tal foma que o Ídice de ee iguale o iveso das elasticidades. À medida que podutos substitutos cotestáveis aos podutos bacáios sujam, as mages bacáias de itemediação seão afetadas de uma foma egativa. 3.3 O Modelo Oligopolísta Na vesão oligopolística, o modelo de Moti Klei é adaptado paa um úmeo fiito N de bacos, como um modelo de competição impefeita do tipo Couot. Cosideado se o caso de N bacos idexados de =1,...,N, tedo como pemissa, paa simplificação, que estes têm a mesma fução custo tomada como liea,, C γ γ + = =1,2,...N ode os custos magiais de itemediação são costates ' C γ ' C γ O equilíbio de Couot é uma dupla N o. de bacos de vetoes,,, ode cada baco, em teoia, pocua maximiza seu luco, tomado o volume de depósitos e empéstimos dos outos bacos como dados fução eação. Potato, paa cada,,,, temos : As codições da deivada de pimeia odem são Itoduzido as elasticidades e as eescevedo temos 1 N ε γ = N ε γ α = Se compaamos as equações e com e otamos que a úica difeeça ete o caso do moopólio e o equilíbio de Couot é que as elasticidades são multiplicadas po N. Potato, o modelo Moti Klei pode se itepetado como aquele de competição impefeita paa o limite de N = 1 moopólio e paa o limite de N =, como um modelo de competição pefeita. As ,,,, m m m m C máx α ,,,, m m m m C máx α N γ α π + = 1 ' N γ α π + = 1 ' ' N γ π + = ' N γ π + =

15 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 equações e sevem como possível teste de competição impefeita o seto bacáio, pois a sesibilidade de e a fim de afeta a taxa depede de N que é a vaiável que acoda com a itesidade da competição N=1: moopólio à N = competição pefeita. Assumido simplisticamete que as elasticidades são costates, temos : 1 = 1 1 N ε 1 α = N ε esta foma, obseva se que a medida que aumeta a competição N aumeta se toa meos sesitivo a e, se ocoe o cotáio, se toa mais sesitivo à mudaças em. a mesma foma, aplica se o modelo Moti Klei quado, po exemplo, o ógão egulado pode avoa se em aalisa o impacto o spead bacáio, atavés do úmeo de bacos o mecado. 3.4 Aalisado o Impacto da Regulação a Taxa de epósitos Empegado o modelo acima descito, quado o egulado pocua impo um teto as taxas de etoo dos depósitos, a assução de que o custo paa os bacos pode eleca um decéscimo as taxas que estes cobam os empéstimos e, potato, se impõe um teto as taxas de depósitos, a maximização dos lucos dos bacos, que é dada pela fução Π,, passa a se ajusta po. def, = + C, O pogama de maximização do baco toa se etão máx, A simplificação é obtida ao se utilizaem as taxas de juos como vaiáveis estatégicas ao ivés de utilizá las como quatidades. Supodo se que Π é côcava, essa fução é etão deotada po ^ ^, e pode te egulação ão efetiva atavés de ou efetiva atavés de >, ode a solução, satisfaá deivada de pimeia odem ^, = 0 ^ Assim posseguido, ocoe que, como povado Feixas e Rochet: 1997, os tetos impostos as taxas de depósitos somete iduziiam um decéscimo as taxas de empéstimos se e somete se : 2 > A aálise acima descita cotibui extaodiaiamete paa eduzi a iceteza aceca da abagêcia da egulação pudecial sobe as taxas de etoo os a 15

16 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 depósitos e seus espectivos efeitos, como po exemplo, se há impacto a cocoêcia paa N difeetes bacos =1, 2...N. 3.5 Impacto as Taxas de Cédito Atavés da Regulação as Taxas de epósitos Na leitua ateta dos modelos ateioes, pecebe se que, se os mecados de depósitos e empéstimos são difeetes, o impacto as taxas de empéstimos pela imposição de um teto a taxas de depósitos é detemiado cicustacialmete pela popiedade da fução custo de um baco. E se as demadas de ambos seviços vieem do mesmo pefil de cosumido, temos U = 1 + α x 1 + β x Ode : x, x = distâcia do cosumido paa o baco ode este teha seus depósitos ou efetuado seu empéstimo ; = Taxas de etoo sobe empéstimos ; = Taxas de etoo sobe depósitos ; α, β = Paâmetos de custo paa depósitos e empéstimos. Podem se obsevados custos distitos de taspote paa empéstimos e depósitos, uma vez que suas fequêcias de opeação sào difeetes, bem como podem se utiliza distitos bacos paa as duas opeações. Os bacos, em teoia, dividem igualmete o mecado e geam esultados lucos: π e α + β = O úmeo de bacos ativos em equilíbio é dado pela igualdade ete π e o custo F: α + β e = F ode empéstimos e depósitos são pecificados idepedetemete. ogo, se as taxas de depósitos são eguladas, isso ão ofeece impacto em. A úica coisa que muda é que estes geam mais esultados fiaceios lucos os depósitos. O exemplo ilustativo discimiado os ites 3.4 e 3.5 tata de odea, a teoia, uma melho compeesão dos efeitos que a peseça egulatóia sob o vétice da egulação dos depósitos pode impo ao spead bacáio. Essas teoias, emboa bem elecadas paa as codições descitas, caecem de seem estedidas paa abage o diamismo do seto bacáio basileio que, com o cotíuo desevolvimeto das tecologias digitais de pocessameto e tasmissão de ifomações e dados, acabam po afeta algumas das vaiáveis ilustadas as fomulações descitas em e 3.5.2, atavés, po exemplo, da ampla exposição atual dos divesos seviços bacáios, paâmetos x, x, outoa estito à localização físicas das agêcias, mas que atavés do diamismo atual da tecologia da ifomação baseada a Iteet, pode se dilatado à uma extesa gama de possíveis ovos depositates, icemetado aida mais a competição bacáia atavés do coseqüete efeitos dessas alteações, os speads bacáios. Poblemas de isco moal, cofome já visto, além de seleção advesa, que são estutualmete ligados aos cotatos bacáios, seja o poto de vista do depositate quato o do tomado, acabam po impo ao mecado bacáio estições sob a égide da egulação que se efletem os speads bacáios, cujas potas de captação matêm se taxas de juos de 16

17 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 fiaciameto elevadas que dão oigem a poblemas de seleção advesa, ode apeas pojetos de elevado isco são iteessates de seem fiaciados. Estas são questões que emegem em ambietes de itemediação fiaceia com poblemas com assimetia de ifomações Costa e Nakae: A egulação fiaceia melho estudada pode cotibui paa icemeta os volumes a seem ofetados ao mecado. Em suma, o que este pojeto pocua é pecoiza o apofudameto sob, a égide de modelos descitivos, a edução das icetezas que abagem a egulação bacáia, exploado com mais itidez suas causas e coseqüêcias, seus efeitos o spead bacáio e sitetizado melho os desejáveis limites de sua atuação e seus coseqüetes impactos a cocoêcia. 4. Coclusões A egulação fiaceia só é saudável se cicuscita sempe ao etedimeto do biômio beefício custo, ou seja, poteciais advetos de um excesso de egulação podem se mais pejudiciais ao cosumido e à pópia cocoêcia bacáia do que efetivamete se deseja. É ecessáio, potato, que esta seja fimemete assetada uma claa base de defiições e popiedades em um eficiete e ecoômico sistema egulatóio a fim de que os custos ão ultapassem os beefícios lewelly: 1999, sedo pesevado aos cosumidoes e à sociedade seus gahos. Po todas as azões, as expectativas dos esultados que a egulação fiaceia pode atigi devem se geeciadas sob um pisma sempe ealístico. Algus autoes i Costa: 2004, po exemplo, agumetam que é fução básica dos bacos busca captação em peíodos cutos e os empéstimos em peíodos logos, e que foça atavés de istumetos egulatóios um maio equilíbio esses pazos que implique um aumeto de liquidez impede que os bacos desempehem sua picipal fução ecoômica. A egulação po si tem a essêcia um papel limitado em que ão ecessaiamete todos os iscos são iteiamete cobetos e, atualmete, que a melho egulação que se possa atigi, em mometo algum pode elimia os cosumidoes de seviços fiaceios a faze escolhas equivocadas. Este atigo ão ambicioa, cetamete, em caacteiza com qual itesidade deve o sistema bacáio se egulado, uma vez que esta questão cotiua a se motivo de difícil esposta paa divesos autoes. Mas sim, ofeece um esumo de seus modelos e espectivos impactos e, desta foma, cotibui vivamete paa dimiui a iceteza o etedimeto da eficiêcia da elação dos itemediáios fiaceios em seus mecados e o efeito da egulação a cocoêcia bacáia. Refeêcias Bibliogáficas [1] Bhattachaya, Sudipto, Boot, Aoud ad Thako, Aja. The Ecoomics of Bak Regulatio. Joual of Moey, Cedit ad Bakig. Vol 30 No , pp 757, item V. [2] Cavalho, Feado. Iovação Fiaceia e Regulação Pudecial: da Regulação de iquidez aos Acodos da Basiléia, i Sobeia, Rogéio. Regulação Fiaceia e Bacáia. Editoa Atlas, São Paulo, [3] Costa, Aa C. Esaios em Micoecoomia Bacáia Tese de outoado defedida o epatameto de Ecoomia da FEAC Uivesidade de São Paulo, 2004, pp [4] Costa, Aa C. e Nakae, Mácio I. Revisado a Metodologia de 17

18 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 ecomposição do Spead Bacáio o Basil, Sem. Spead Bacáio: Aálise e Cítica, 2004, pp 2 4. [5] lewelly, avid The Ecoomic Ratioale fo Fiacial Regulatio Fiacial Sevices Authoity, Ocasioal Pape Seies 1, 1999, pp ; 51. [6] Feitas, Maia Cistia. Racioalidade da Regulametação e Supevisão Bacáia: Uma Itepetação Heteodoxa, i Sobeia, Rogéio. Regulação Fiaceia e Bacáia. Editoa Atlas, São Paulo, 2005, pp [7] As Novas Regas do Comitê da Basiléia e as Codições de Fiaciameto dos Países Peiféicos, i Sobeia, Rogéio. Regulação Fiaceia e Bacáia. Editoa Atlas, São Paulo, [8] Feixas, Xavie ad Rochet, Jea Chales. Micoecoomics of Bakig. The MIT Pess, Massachusetts Istitute of Techology, Cambidge, MA, 1997, pp Cap 3. [9] ima, Gilbeto. Evolução Recete da Regulação Bacáia o Basil i Sobeia, Rogéio. Regulação Fiaceia e Bacáia. Editoa Atlas, São Paulo, 2005, pp [10] Neubege, ois. Idustial Ogaizatio of Bakig: A Review, Iteatioal Joual of the Ecoomics of Buisiess, Vol. 56 No. 1, 1998, pp [11] OEC Ogaizatio fo Ecoomic Coopeatio ad evelopmet. Ehacig the Role of Competitio i the Regulatio of Baks, ispoível em: <http://www.oecd.og>, pp.196, [12] Satos, João A. C. Bak Capital Regulatio i Cotempoay Bakig Theoy : A Review of the iteatue Fiacial Makets, Istitutios & Istumets, V. 10, No. 2, Maio 2001, New Yok Uivesity Salomo Cete, Published by Blackwell Publishes. pp , item IV. [13] Stiglitz, Joseph E. Ecoomicos of the Public Secto, 3 d ed., Published by W.W. Noto & Compay,.New Yok, 2000, pp. 32. [14] Vascocelos, Macos ; et al. ibeação e esegulametação Bacáia: motivações, coseqüêcias e adaptações Nova Ecoomia Belo Hoizote 13 1 jaeio juho de pp , item 4.3. Abstact The pudetial egulatio bak has bee the fom i which the pesece of egulatio has bee based ad the fiacial middleme's supevisio i Bazil ad i the est of the wold. I this cotext, this aticle examies the theoetical models of egulatio ad it emphasizes the discussio of the state as a ecoomical itecesso ad egulato, i a maket whee the foces of competitio ae isufficiet fo guaateeig the safety cocept of the cosumed sevice, i spite of, it descibes the atioal fomattig whee it itefees i the pudetial egulatio, ot fogettig the waaties ot etiely povided by this ow egulatio, such as the costs impositio that it ca exceed the oigial poblem costs, that ae coveed by the ow cosumes, as well as the moal isk that occus whe the impositio of egulatio is obseved. Keywods: Fiacial egulatio, Pudet egulatio ad Fiacial Middleme 18

19 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 Estudo e elabo ação de um ata Ma t paa aplicação o seto de ecebimeto de leite de laticíios. Ricado Esteves Keipp 1 e Atoio Almeida de Baos Juio 2 1 Pofesso da Uivesidade Iguaçu,UNIG / Faculdade de Mias Geais E mail: 2 Pofesso da Faculdade Sata Macelia MG E mail: Resumo Atavés de um ceáio globalizado suge a ecessidade de uma feameta que dê supote à tomada de decisões, possibilitado codições de aálise de dados difeeciados e popocioado aos clietes dessa tecologia vatages competitivas em elação a seus cocoetes. Assim, o ata Mat é tido como um baco de dados multidimesioal de escopo depatametal, ou seja, um pequeo ata Waehouse que foece supote à decisão de um pequeo gupo de pessoas ou depatameto. Este tabalho visou detecta a ecessidade e a impotâcia de um ata Mat como feameta de apoio à avaliação de matéia pima foecida a laticíios, como mecaismo de apoio à tomada de decisão. A pati de etevistas dietivas com empesáios da áea de laticíios, detectou se a ecessidade e a impotâcia do uso de ata Mat. etectada a ecessidade, elaboou se um estudo de caso que utilizou a base de dados do Sistema Poduto e a feameta Micosoft Aalysis Sevices. Palavas chave: ata Mat; decisão; laticíio; matéia pima. 1. Itodução A ecoomia mudial cotiua a apeseta opotuidades e também desafios iimagiáveis. Ambos são feqüetemete acompahados po uma abudâcia de ifomações. Mas os dados em si epesetam apeas o começo. É peceptível que uma das gades dificuldades ecotadas pelos diigetes de idústias de laticíios, tato em ível iteo da empesa quato exteo, é a caêcia de um sistema de ifomação que pemita oieta suas decisões de podução, bem como acompaha as tedêcias do mecado atual em ápido pocesso de tasição YAMAGUCHI et al.: Hevieu 1993 afima que o desempeho e o sucesso das empesas depedem, cada dia mais, da sua capacidade de avalia situações, atecipa evetos e adapta se à cescete competitividade do mecado. Nesse ceáio, a tecologia da ifomação costitui se uma feameta impotate paa a coleta e aálise dos dados utilizados o pocesso de tomada de decisão. W.H.Imo 1993 apeseta a seguite defiição paa ata Waehouse: é um cojuto de dados oietado po assuto, itegado, vaiável com o tempo e ão volátil, que foece supote ao pocesso de tomada de decisão do egócio. Este tabalho teve como objetivo a apesetação do Aalysis Sevices como alteativa o desevolvimeto de ata Mats paa o seto de foecimeto de leite a laticíios. Foi possível apeseta ifomações históicas e filtadas de foma 19

20 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA vol. 6 o 2 ez/2006 multidimesioal paa uma melho avaliação do seto po pate dos tomadoes de decisão. Paa este tabalho, foi elaboado um estudo de caso utilizado a base de dados do Sistema Poduto Office ácteo a empesa aticíios amatta tda. 2. Mateiais e Métodos ata Waehouse é o pocesso de itegação dos dados copoativos de uma empesa em um úico epositóio a pati do qual os usuáios fiais podem facilmete executa cosultas, gea elatóios e faze aálises. Sigh 2001 defie: Um ata Waehouse é um ambiete de supote à decisão que alavaca dados amazeados em difeetes fotes e os ogaiza e etega aos tomadoes de decisões da empesa, idepedete da platafoma que utilizam ou de seu ível de qualificação técica. Segudo Futado 2000, um ata Mat cotém um cojuto de dados copoativos que é de valo paa uma uidade empesaial específica, depatameto, ou cojuto de usuáios. Este subcojuto cosiste de dados históicos esumidos, possivelmete detalhados e captuados do sistema de pocessameto de tasação, ou de um ata Waehouse de empeedimeto. O Micosoft Aalysis Sevices é Composto po váios compoetes espalhados pelo sevido e pelo cliete. O Aalysis Maage é a feameta básica pela qual o Aalysis Seve seá acessado. Como muitas feametas da Micosoft baseadas em sevido, o Aalysis Maage é um sapi do Micosoft Maagemet Cosole MMC que esulta em uma iteface fácil de usa e bastate ituitiva PATHON: Paa este tabalho, foam feitas etevistas a pati de um questioáio diecioado ao depatameto de ecebimeto de leite em idústias de laticíios, com o 20 objetivo de detecta a impotâcia do uso de ata Mat este seto. 3. Resultados e iscussão iate da ecessidade de ifomações completas e fucioais, ata Mats foi uma escolha atual paa o desevolvimeto de Sistemas de Apoio à tomada de decisão, sustetada po váios autoes como sedo um epositóio de dados ogaizado po assuto. Implemeta o modelo o seto de ecebimeto de leite foi uma poposta que visou aalisa de foma citeiosa a ecessidade de pode acompaha melho o foecimeto da matéia pima paa a idustialização do seto de laticíios. Figua 1 Modelo Relacioal Pimeiamete, foi elaboado um modelo multidimesioal a pati do Modelo Relacioal figua 1 com completa idepedêcia do modelo tasacioal. Foi idetificado o fato a pati da obsevação dos elacioametos muitos paa muitos ete as etidades ote de eite e Uidade de Coleta, que esta modelagem epesetam. Segudo Machado 2000, os elemetos ou dimesões que paticipam de um fato, seja qual fo este fato, o míimo são quato: ode acoteceu o fato; quado acoteceu o fato; quem executou o fato; e o que é objeto do fato.

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional C. Balsa e A. Satos Capítulo I Eos e Aitmética Computacioal. Itodução aos Métodos Numéicos O objectivo da disciplia de Métodos Numéicos é o estudo, desevolvimeto e avaliação de algoitmos computacioais

Leia mais

QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL

QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL Vito Hugo Mio Doutoado em Ecoomia (CAEN/UFC. Aalista

Leia mais

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I 5 TABALHO POTNCIAL LTOSTÁTICO Nos capítulos ateioes ós ivestigamos o campo elético devido a divesas cofiguações de cagas (potuais, distibuição liea, supefície de cagas e distibuição volumética

Leia mais

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama.

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama. ELEICIDADE CAPÍULO 5 GEADOES Cofome visto o Capítulo, o geado é uma máquia elética capaz de estabelece uma difeeça de potecial elético (ddp) costate (ou fime) ete os extemos de um coduto elético, de maeia

Leia mais

Análise do Efeito do Solo em Canal de Propagação Outdoor 3-D Usando o Método B-FDTD

Análise do Efeito do Solo em Canal de Propagação Outdoor 3-D Usando o Método B-FDTD IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 5, NO. 3, JUNE 7 65 Aálise do Efeito do Solo em Caal de Popagação Outdoo 3-D Usado o Método B-FDTD Rodigo M. S. de Oliveia, Waldi H. B. J e Calos L. S. S. Sobiho (Membo

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D.

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D. CONAMET/SAM 26 TESTE DE VIDA SEQÜENCIAL APLICADO A UM TESTE DE VIDA ACELERADO COM UMA DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAGEM WEIBULL DE TRÊS PARÂMETROS - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO-SE O MÉTODO DO MAXIMUM LIKELIHOOD

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo Depatameto de Ifomática Disciplia: Modelagem Aalítica do Desempeho de Sistemas de Computação Elemetos de Aálise Combiatóia Pof. Ségio Colche colche@if.puc-io.b Teoema: Elemetos de Aálise Combiatóia Modelagem

Leia mais

Análise de Estratégias de Controle de Erros para Redes de Sensores com Modulação OQPSK e GFSK

Análise de Estratégias de Controle de Erros para Redes de Sensores com Modulação OQPSK e GFSK XXV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES SBT 7, 3-6 DE SETEMBRO DE 7, RECIFE, PE Aálise de Estatégias de Cotole de Eos paa Redes de Sesoes com Modulação OQPSK e GFSK João. Kleischmidt e Walte C. Boelli

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Pé Vemelho Ensino Pofissionalizante SS LTDA Nome Fantasia: BIT Company Data de fundação: 23/05/2009

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de captura e análise de movimentos baseado em técnicas de visão computacional

Desenvolvimento de um sistema de captura e análise de movimentos baseado em técnicas de visão computacional Uivesidade Fedeal de Ubelâdia Faculdade de Egehaia Elética Pós-gaduação em Egehaia Elética Desevolvimeto de um sistema de captua e aálise de movimetos baseado em técicas de visão computacioal Ala Petôio

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

9: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS

9: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS Capítulo 9: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Política Monetáia POLÍTICA MONETÁRIA o Afeta o poduto de foma indieta. Atavés da política monetáia o Banco Cental define as condições de liquidez da

Leia mais

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Montese Educação pofissional Ltda. Nome Fantasia: SOS Educação Pofissional Data de fundação: 10/03/2010

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em.

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em. REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Apovado pela Assembleia Geal de Associados ealizada em. Capítulo I Disposições Peliminaes At. 1º O pesente egimento

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cultua Anglo Ameicana de Petolina LTDA Nome Fantasia: Yázigi Petolina Data de fundação 03 de janeio

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Fornecedor

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Fornecedor PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fonecedo Dados da Empesa Razão Social: Visa do Basil Empeendimentos Ltda. Nome Fantasia: Visa Data de Fundação: 08 de junho de 1987 Númeo

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais 8. Pojetos de nvestimento como Opções Reais Uma fima que possui uma opotunidade de investimento adquiiu algo semelhante a uma opção de compa financeia: ela possui o dieito, mas não necessaiamente a obigação

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FUNCEF/ DIATI / GETIF Enconto da Qualidade e Podutividade em Softwae EQPS Belo Hoizonte - 2008 Basília, 25 de Setembo de 2008 Agenda Sobe a FUNCEF Beve históico Objetivo

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

MtN STER O DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS coordenação GERAL DE COMPRAS E CONTRATOS

MtN STER O DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS coordenação GERAL DE COMPRAS E CONTRATOS MtN STER O DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS coordenação GERAL DE COMPRAS E CONTRATOS NOTA TÉCNICA NO 01/2009 Assunto: Seviços de natueza contínua 1. O Tibunal

Leia mais

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo por ZÉLIA PINHEIRO Do poto de vista técico, o balaço é positivo A rede urbaa de frio e calor do Parque das Nações já tem oze aos e João Castaheira, director-geral da Climaespaço, faz o balaço. Garate que

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = +

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = + Vléi Zum Medeios & Mihil Lemotov Resolução de Equções Difeeciis Liees po Séies Poto Odiáio (PO) e Poto Sigul (PS) Defiição: Sej equção difeecil lie de odem e coeficietes viáveis: ( ) ( ) b ( ) é dito poto

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cusos e Empeendimentos VER Ltda Nome Fantasia: Micolins Unidade Nova Lima Data de fundação: 09/03/2007

Leia mais

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep.

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep. X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Avaliação do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem, po meio da análise da técnica de pé ajustagem de feamentas. - van

Leia mais

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico 4. Aálie Evoltóia de Dado (DEA) e ma popota de modelo paa avalia a eficiêcia da empea de comécio eletôico 4.. Coceito Báico 4... Podtividade, Cva de Podção, Eficiêcia e Eficácia. Devido à globalização,

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto Data de fundação: 07 de feveeio de 1999 Númeo

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001 Ceecaa e Autozaa pelo MEC, Potaa. o. 644 e 8 e maço e 00 Publcao o D.O.U. em 0/04/00 ESTATÍSTICA Pelo Poesso Gealo Pacheco A Estatístca é uma pate a Matemátca Aplcaa que oece métoos paa coleta, ogazação,

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Ano 1º Semestre 1º. Teóricas

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Ano 1º Semestre 1º. Teóricas Departameto Gestão Disciplia Matemática I Curso Gestão de Empresas Ao 1º Semestre 1º Grupo Docete Resposável Teóricas Carga horária semaal Teórico Práticas Nuo Coceição 3h 3h/5h Práticas/ Lab. Semiários

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015 SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto. Data de fundação: 07 de feveeio de 1999. Númeo

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

Fig. 2.1 - Componentes da força da gravidade.

Fig. 2.1 - Componentes da força da gravidade. FORMA E DIMENSÕES DA TERRA Iis eeia Escoba Uivesidade do Estado do Rio de Jaeio Depatameto de Egehaia Catogáfica Rua São Facisco Xavie, 54, 4º ada, sl 400B 0550-013 Rio de Jaeio RJ e-mail: iisescoba@tea.com.b

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

Tabela 1 Quantidade, valor e valor médio de aposentadoria e pensão por morte dos benefícios emitidos pelo RGPS.

Tabela 1 Quantidade, valor e valor médio de aposentadoria e pensão por morte dos benefícios emitidos pelo RGPS. 1 As alíuotas de cotibuição ao Regime Geal de Pevidêcia Social são suficietes? Um estudo atuaial aa a Aosetadoia o Temo de Cotibuição e a Pesão Po Mote Resumo Este estudo tem como objetivo calcula as alíuotasde

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

Probabilidades. José Viegas

Probabilidades. José Viegas Probabilidades José Viegas Lisboa 001 1 Teoria das probabilidades Coceito geral de probabilidade Supoha-se que o eveto A pode ocorrer x vezes em, igualmete possíveis. Etão a probabilidade de ocorrêcia

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO Macelo Esposito, Calos A. Claumann, Ricado A. F. Machado, Claudia Saye, Pedo H. H. Aaújo* Univesidade Fedeal

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais