O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA"

Transcrição

1 O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

2 A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações do Grupo Volvo. No iício das operações, em 1927, os fudadores Assar Gabrielsso e Gustav Larsso registraram em ata que:

3 Veículos são feitos por pessoas e para trasportar pessoas. Por isso, o pricípio básico para todo o trabalho, do desevolvimeto à produção, deve ser sempre a seguraça. A Volvo sempre foi pioeira e está a vaguarda em seguraça. Não só quado plaeja e produz seus veículos, mas também por meio de dispositivos de seguraça iovadores, como o cito de seguraça de três potos, e muitas outras tecologias que evitam ou dimiuem a gravidade dos acidetes.

4

5 O PROGRAMA VOLVO DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO Em 1987, ao comemorar 10 aos da istalação da sua primeira fábrica o Brasil, o Grupo Volvo laçou o Programa Volvo de Seguraça o Trâsito (PVST), com o objetivo de mobilizar e coscietizar a sociedade brasileira para um trâsito mais seguro. Desde o iício, o PVST, por meio de diversas ações, atuou como catalisador e articulador, icetivado a educação, a geração de ideias e também promovedo o debate, a coscietização e o recohecimeto das iiciativas que cotribuem de forma efetiva para gerar mais seguraça o trâsito. Uma trajetória de 26 aos de atuação cotíua e resultados Dezeas de simpósios e semiários regioais, acioais e iteracioais. Mais de palestras sobre seguraça o trâsito em todo o país. Divulgação de ceteas de estudos, pesquisas, boletis técicos. Realização de campahas e programas educativos. Apoio à maior coscietização e obrigatoriedade legal do uso do cito de seguraça (1989). Icetivo a uma legislação mais rigorosa e participação a elaboração do Novo Código de Trâsito Brasileiro (1997). Criação de uma ova proposta de desevolvimeto comportametal de motoristas profissioais, o Programa TrasFormar. Expasão do Prêmio Volvo de Seguraça o Trâsito para a Argetia e do Programa TrasFormar para o Peru. Coquista de prêmios acioais (Associação Brasileira de Comuicação Empresarial Aberje) e iteracioais (Associação Iteracioal de Relações Públicas IPRA).

6 TRANSPORTE SUSTENTÁVEL O Grupo Volvo estabeleceu uma ova visão, que ressalta o seu compromisso com o desevolvimeto de soluções iteligetes de mobilidade, cotribuido para um mudo melhor e mais sustetável. ZERO ACIDENTES

7 Visão: Torar-se líder mudial em soluções de trasporte sustetável. Ao desevolver soluções de trasporte mais sustetáveis, a Volvo cosidera três aspectos: 1. Potecial para gerar mais produtividade. 2. Eficiêcia em termos de cosumo de combustível, emissões e ruídos. 3. Seguraça meta de Zero Acidetes com produtos do Grupo Volvo. Costruido um ovo futuro A meta global de zerar os acidetes com produtos do Grupo Volvo as próximas duas décadas é extremamete desafiadora e traduz um ideal de futuro. O passo maior da marca para atigir sua ambiciosa visão de seguraça é cooperar, estar juto com outros parceiros, com outras partes iteressadas da sociedade. A Volvo sabe que seus produtos, mesmo sedo os mais seguros do mercado, sozihos ão podem evitar todos os acidetes. Ifelizmete acidetes podem acotecer em razão de erro humao ou problemas o ambiete em que os produtos são utilizados. É essecial ampliar a coscietização, a capacitação dos idivíduos que utilizam os veículos, mobilizar as autoridades e o segmeto de trasporte comercial para que assumam uma postura mais proativa em beefício de um trâsito mais seguro. Por isso, a Volvo trabalha de diferetes formas para reduzir os riscos. Uma delas é prover importates iformações aos que utilizam seus produtos. Outra é cooperar com os demais iteressados da sociedade que também trabalham para criar vias, sistemas e codições de trasporte mais seguros. Com esses propósitos, o Programa Volvo de Seguraça o Trâsito ouviu empresários do setor de trasporte, govero e represetates de etidades do setor, especialistas em seguraça e gestão, para deliear ovas ações do PVST, com a adoção da meta de Zero Acidetes.

8 PROGRAMA VOLVO DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO ADOTA A VISÃO ZERO ACIDENTES Missão Estimular o segmeto de trasporte a agregar o valor seguraça a gestão dos egócios para reduzir o úmero dos acidetes e mortes o trâsito. Visão Estimular empresas do segmeto de trasporte a adotarem a visão Zero Acidetes. Valores Seguraça, ética, atitude, resposabilidade e determiação. Públicos-alvo Empresas, etidades, orgãos, sociedade e pessoas atuates o segmeto de trasporte.

9 ATUAÇÃO NORTEADA POR CINCO PILARES ESTRATÉGICOS Iformação Objetivo: Promover e icetivar a dissemiação da cultura de seguraça o segmeto de trasporte. Ações: Ampliar a visibilidade das ações do programa, por meio do Portal PVST e as redes sociais. Realizar e divulgar pesquisas sobre temas estratégicos do setor de trasporte. Realizar evetos de seguraça o trâsito para o setor de trasporte (fórus, debates).

10 Educação e Gestão Objetivo: Promover ações para o desevolvimeto de motoristas profissioais, operadores e gestores de trasporte, além de dispoibilizar ferrametas que auxiliem as empresas a gestão da seguraça. Ações: Treiameto e capacitação: motoristas, gestores e lideraças empresariais. Desevolver e dispoibilizar ferrametas que auxiliem a gestão de seguraça. Icetivar e articular a promoção do itercâmbio de cohecimeto sobre o tema. Recohecimeto Objetivo: Idetificar e recohecer as boas práticas que cotribuem para o aumeto efetivo da seguraça o trâsito e o trasporte. Ações: Laçar ova edição do Prêmio Volvo de Seguraça o Trâsito, com o evolvimeto da Fudação Nacioal da Qualidade (ovo formato e idicadores). Compartilhar e dissemiar as boas práticas. Sesibilizar e mobilizar a sociedade e o setor de trasporte para ações similares. Mobilização Objetivo: Articular e mobilizar os pricipais públicos estratégicos (stakeholders) em toro de temas esseciais para aumetar a seguraça o trasporte. Ações: Articular govero, empresas e orgaizações do setor de trasporte para buscar possíveis soluções aos pricipais problemas de seguraça que iterferem diretamete o úmero e a gravidade dos acidetes. Realizar campahas iformativas para iflueciar e coscietizar o setor e a sociedade sobre temas fudametais para aumetar a seguraça o trâsito e o trasporte. Programa Itero Objetivo: Solidificar o Programa direcioado aos fucioários do Grupo Volvo o Brasil. Ações: Dar cotiuidade às campahas iteras com temas associados à seguraça o trâsito. Realizar workshops, cursos de direção segura e oficias comportametais para públicos de maior risco (exemplo: usuários de motos e joves). Reforçar as políticas iteras de seguraça.

11 EMBARQUE COM A VOLVO NESSA JORNADA A jorada rumo à sustetabilidade o trasporte é loga e repleta de desafios. A Volvo aceitou esse compromisso e segue em frete, passo a passo, deixado sua cotribuição com eergia, paixão e respeito pelas pessoas. Temos a certeza de que a seguraça é uma das potes que os ue a costrução de um ovo futuro e cotamos com você essa jorada.

12 Av. Juscelio K. de Oliveira, CIC Curitiba - PR - Brasil Telefoes: /

MPC R E L A T Ó R I O E X E C U T I V O

MPC R E L A T Ó R I O E X E C U T I V O MPC 2014 R E L A T Ó R I O E X E C U T I V O Caro empreededor Ao logo dos últimos aos, quado da redação desta itrodução do Relatório Executivo do Movimeto Paraá Competitivo (MPC), temos dado êfase ao

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

Omundo empresarial e as instituições públicas estão inquietos. A

Omundo empresarial e as instituições públicas estão inquietos. A Caro empreededor, Omudo empresarial e as istituições públicas estão iquietos. A competitividade crescete, a ecessidade costate de iovação e a imposição cada vez maior de ovas competêcias exigem foco a

Leia mais

Kit de ferramentas de Advocacy

Kit de ferramentas de Advocacy ROOTS 1+2 ROOTS Kit de ferrametas de Advocacy SEGUNDA EDIÇÃO ROOTS: Recursos para Orgaizações com Oportuidades de Trasformação e Socialização ROOTS 1 E 2 Kit de ferrametas de Advocacy Seguda edição De

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

do futuro A força de trabalho

do futuro A força de trabalho A força de trabalho do futuro Cotado com sua equipe para etregar a estratégia O plaejameto estratégico da força de trabalho ajuda as empresas a compreeder o taleto ecessário para etregar sua estratégia

Leia mais

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 braca 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 Curitiba, outubro 214 Bachma & Associados e 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos

Leia mais

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo por ZÉLIA PINHEIRO Do poto de vista técico, o balaço é positivo A rede urbaa de frio e calor do Parque das Nações já tem oze aos e João Castaheira, director-geral da Climaespaço, faz o balaço. Garate que

Leia mais

Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa

Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa Mais de 100 filiais e 800 profissioais a Europa e América www.ifos.com 214 143 334 Catálogo de Servicios Cosultoría Edição Portuguesa Catálogo de Serviços Área de Cosultoria Edição Portuguesa Catálogo

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Dispensa e Redução de Contribuições

Dispensa e Redução de Contribuições Dispesa Temporária do Pagameto de Cotribuições Dec - Lei º 89/95, de 6 de Maio Dec - Lei º 34/96, de 18 de Abril Dec - Lei º 51/99, de 20 de Fevereiro Lei º 103/99, de 26 de Julho Taxa Cotributiva Dec

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE-

O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE- O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE- MA DE IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL PAULO HENRIQUE C. PEREIRA 1, ALBERTO COLOMBO 2, GIOVANNI FRANCISCO RABELO 2. 1.

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

Confidencial. informativo exclusivo para os cooperados da unimed-rio MArço de 2009

Confidencial. informativo exclusivo para os cooperados da unimed-rio MArço de 2009 Mesmo em ao difícil, cooperativa tem resultados positivos págia 3 Portabilidade dos plaos de saúde é aprovada pela ANS e passa a valer a partir de abril págia 4 37 Cofidecial iformativo exclusivo para

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

Logística Reversa pág. 6

Logística Reversa pág. 6 Filiado a: Presidete Moacyr Pereira NOVEMBRO 2015 Programa Pode etrar que a casa é sua pág. 5 Logística Reversa pág. 6 Limpeza de Bueiros pág. 8 1 PALAVRA DO PRESIDENTE Vestir azul e rosa para salvar vidas

Leia mais

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização Gestão Itegrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regioalização Ceará 2011 Apoio Istitucioal Covêio SRHU/MMA/ º 003/2008 - Projeto Regioalização da Gestão Itegrada de Resíduos Sólidos do Estado do

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais Aais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Biodigestores em Propriedades Rurais Eliaa Walker Depto de Física, Estatística e Matemática, DEFEM,

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

Papel do Terceiro Setor e da Empresa Privada na Reforma do Estado

Papel do Terceiro Setor e da Empresa Privada na Reforma do Estado Papel do Terceiro Setor e da Empresa Privada a Reforma do Estado Semiário: Sociedade e Reforma do Estado Horacio Piva Local: Brasilto Hotel / Rua Martis Fotes, 330 Dia: 27 de março de 1998 Horário: 11,15hs.

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA?

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA? AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? Desevolvemos soluções para automação idustrial em idustrias gerais, telecomado e telemetria para supervisão e cotrole remotos, com desevolvimeto e fabricação de

Leia mais

Profissionalização: engajamento de todos para o crescimento de todos. PÁG. 04. Tubos para ampliação de mina da CSN

Profissionalização: engajamento de todos para o crescimento de todos. PÁG. 04. Tubos para ampliação de mina da CSN EmCea PUBLICAÇÃO INTERNA PARA COLABORADORES E PARCEIROS DA MERCOTUBOS 03 Novembro Dezembro / 2007 ao 01 Profissioalização: egajameto de todos para o crescimeto de todos. PÁG. 04 Págia 2 Editorial ovidade

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Prezados empresários e empreendedores do Paraná

APRESENTAÇÃO. Prezados empresários e empreendedores do Paraná APRESENTAÇÃO Prezados empresários e empreededores do Paraá Este relatório cotém um resumo das pricipais ações empreedidas pelo Movimeto Paraá Competitivo (MPC), que, sob coordeação do Istituto Brasileiro

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014. Escritório das Américas Polo de desenvolvimento

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014. Escritório das Américas Polo de desenvolvimento RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Escritório das Américas Polo de desevolvimeto QUEM SOMOS? A AGENCE UNIVERSITAIRE DE LA FRANCOPHONIE A Agece Uiversitaire de la Fracophoie (AUF) coglomera as Uiversidades, grades

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

UnP. conquistam 2º lugar em premiação nacional. Congresso Científico do Campus Natal terá palestra do filósofo Clóvis de Barros Filho

UnP. conquistam 2º lugar em premiação nacional. Congresso Científico do Campus Natal terá palestra do filósofo Clóvis de Barros Filho UP 28 de setembro a 11 de outubro de 2014 Ao ix Nº 308 atal-mossoró/rn comuicação Págia 5 Ney Douglas cursos de comuicação coquistam 2º lugar em premiação acioal pesquisa e extesão Cogresso Cietífico do

Leia mais

Soluções em Engenharia Civil

Soluções em Engenharia Civil ENGECRAM K Soluções em Egeharia Civil 35 aos A ENGECRAM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA foi costituída em 13 de dezembro de 1977, resultado de um ideal de prestar serviços a área de egeharia civil.

Leia mais

CONAMA10. De 22 a 26 de novembro de 2010. Fórum Hispano- Brasileiro sobre Desenvolvimento Sustentável

CONAMA10. De 22 a 26 de novembro de 2010. Fórum Hispano- Brasileiro sobre Desenvolvimento Sustentável O Cogresso ambietal de referêcia a Espaha recebe o Brasil como país covidado www.coama10.es/brasil CONAMA10 CONGRESO NACIONAL DE MEDIO AMBIENTE Brasil fala do meio De 22 a 26 de ovembro de 2010 Madrid,

Leia mais

Construindo o. plano de

Construindo o. plano de Costruido o plao de egócios para a remueração do CEO O bechmarkig (aálise comparativa) etre mercados selecioados é um critério importate a remueração de um executivo, embora seja apeas uma parte do processo

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Wi-Fi Mais Inteligente para Celulares Infraestrutura da Operadora

Wi-Fi Mais Inteligente para Celulares Infraestrutura da Operadora Wi-Fi Mais Iteligete para Celulares Ifraestrutura da Operadora White Paper da Ruckus Wireless Resumo Executivo Com o bem auciado tsuami o tráfego de dados que atigiu as ifraestruturas móveis em todo o

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS

DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS Pré-Sal E MARCO REGULATÓRIO DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS sumário CAPÍTULO 1 aspectos GEOPOLÍTICos e ecoômicos do Pré-Sal... 2 CAPÍTULO 2 NOVOS DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O BRASIL E A PETROBRAS....

Leia mais

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas.

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas. THE 9 th LATIN-AMERICAN CONGRESS ON ELECTRICITY GENERATION AND TRANSMISSION - CLAGTEE 2011 1 A ifluêcia dos fatores humaos os idicadores de O&M das usias termelétricas. Maria Alice Morato Ribeiro (1) (e-mail:

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Consolidando a Caminhada

Consolidando a Caminhada Pe. João Cecoello Silvae V. Cecato Erestia B. Flores Cosolidado a Camihada O Ã Ç I EDIÇÃO ED 2ª O ED I Ç Ã Pastoral da Sobriedade CNBB - Coordeação Nacioal Pastoral da Sobriedade um orgaismo da CNBB Sobriedade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DESPORTIVA

CÓDIGO DE ÉTICA DESPORTIVA CÓDIGO DE CÓDIGO DE Etidades/pessoas que cotribuiram para a eloboração do CÓDIGO DE // Associação de Estabelecimetos de Esio Particular e Cooperativo // Associação Nacioal Agetes de Futebol // Associação

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Oque ocorre quando a busca pela maximização

Oque ocorre quando a busca pela maximização Empresas e violações de direitos humaos: ESSE LUCRO NÃO É DIREITO Oque ocorre quado a busca pela maximização dos lucros ecotra obstáculos a ecessidade de efetivar e respeitar direitos humaos? A resposta

Leia mais

Direito Humano. à Educação. Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa

Direito Humano. à Educação. Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Direito Humao à Educação Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Orgaização: Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Coordeação Editorial: Deise Carreira, Laura Bregeski Schühli e Salomão Ximees Autores:

Leia mais

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade Código de Coduta Empresarial Fazedo a difereça com Itegridade Uma Mesagem do Presidete da Hospira Prezados Colegas da Hospira, Gostaria de lhes apresetar o Código de Coduta Empresarial da Hospira. Na Hospira,

Leia mais

Relatório Técnico Seminário Internacional 10 Anos de Transgênicos no Brasil: Um Balanço Crítico

Relatório Técnico Seminário Internacional 10 Anos de Transgênicos no Brasil: Um Balanço Crítico Relatório Técico Semiário Iteracioal 10 Aos de Trasgêicos o Brasil: Um Balaço Crítico Relatório Técico Semiário Iteracioal 10 Aos de Trasgêicos o Brasil: Um Balaço Crítico Curitiba, dezembro 2013. Fote:

Leia mais

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES Bem-vido ao Almeat, um espaço ode tudo foi projetado especialmete para realizar desde pequeas reuiões e evetos até grades coveções, com coforto, praticidade e eficiêcia,

Leia mais

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES EM ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à corrosão,

Leia mais

Revista Brasileira de Gestão de Negócios ISSN: 1806-4892 gestnegocios@fecap.br. Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado.

Revista Brasileira de Gestão de Negócios ISSN: 1806-4892 gestnegocios@fecap.br. Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado. Revista Brasileira de Gestão de Negócios ISSN: 1806-4892 gestegocios@fecap.br Fudação Escola de Comércio Álvares Peteado Brasil Coutiho da Silva, Edso; Miciotti, Silvio Augusto Marketig Ortodoxo, Societal

Leia mais

Proposta de ferramenta de diagnóstico socioambiental empresarial Proposal of a tool for socio-environmental diagnostic of a company

Proposta de ferramenta de diagnóstico socioambiental empresarial Proposal of a tool for socio-environmental diagnostic of a company Proposta de ferrameta de diagóstico socioambietal empresarial Proposal of a tool for socio-evirometal diagostic of a compay RESUMO O presete artigo apreseta os pricipais resultados de pesquisa que teve

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 000-6762 r.arvore@ufv.br Uiversidade Federal de Viçosa Brasil Noce, Rommel; Carvalho Mirada Armod, Rosa Maria; Soares, Thelma Shirle; Silva Lopes da, Márcio Desempeho do Brasil as

Leia mais

Universalização do Saneamento: Avanços e Desafios

Universalização do Saneamento: Avanços e Desafios Latiosa 2010 Coferêcia Latioamericaa de Saeameto Uiversalização do Saeameto: Avaços e Desafios Atoio da Costa Mirada Neto Membro do UNSGAB Coselho de Assessorameto ao Secretário-Geral da ONU, para Assutos

Leia mais

O salto para a perpetuidade

O salto para a perpetuidade As empresas familiares O salto para a perpetuidade www.corporategoverace.com.br www.asempresasfamiliares.com.br Ea primeira cosultoria brasileira a se dedicar com prioridade à dimesão humaa da goveraça

Leia mais

7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Fernando Vargas. n 1 Cuidado

7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Fernando Vargas. n 1 Cuidado 7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Ferado Vargas É a área da Matemática que trata dos problemas de cotagem. Estuda problemas que evolvem o cálculo do úmero de agrupametos que podem ser feitos com os elemetos

Leia mais

CEDRA Levantamento dos Riscos e da Adaptação à Mudança Climática e à Degradação Ambiental

CEDRA Levantamento dos Riscos e da Adaptação à Mudança Climática e à Degradação Ambiental CEDRA Levatameto dos e da à Mudaça Climática e à Degradação Ambietal SEGUNDA EDIÇÃO Um processo de levatameto estratégico dos riscos ambietais para agêcias que trabalham em países em desevolvimeto CEDRA

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

Inovar é preciso. A humanidade precisa inventar um jeito novo de produzir, consumir e conviver para preservar o planeta

Inovar é preciso. A humanidade precisa inventar um jeito novo de produzir, consumir e conviver para preservar o planeta Maio/Juho 2008atitude Maio/Juho2008 Revista de Sustetabilidade da Philips América Latia A humaidade precisa ivetar um jeito ovo de produzir, cosumir e coviver para preservar o plaeta Iovar é preciso 2

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Ficha Técnica. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico e Financeiro do Segmento de Manutenção de Aeronaves [2011-2013]

Ficha Técnica. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico e Financeiro do Segmento de Manutenção de Aeronaves [2011-2013] Ficha Técica TÍTULO Istituto Nacioal de Aviação Civil, I.P. Desempeho Ecoómico e Fiaceiro do Segmeto de Mauteção de Aeroaves [2011-2013] EDIÇÃO INAC Istituto Nacioal de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios

Leia mais

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING

PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING PROPOSAL FOR AN INFORMATION MANAGEMENT MODEL: CASE STUDY IN THE MARKETING RESEARCH FIELD RESUMO O propósito

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS.

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS. 16º POSMEC Uiversidade Federal de Uberlâdia Faculdade de Egeharia Mecâica METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS. Gustavo Soares de Almeida Uiversidade

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

P R O V A D E B I O L O G I A I. O desenho representa origem e ação de organela celular presente em muitos seres vivos. Digestão. Fagocitose Lisossoma

P R O V A D E B I O L O G I A I. O desenho representa origem e ação de organela celular presente em muitos seres vivos. Digestão. Fagocitose Lisossoma 10 P R O V A D E B I O L O G I A I QUESTÃO 31 O deseho represeta origem e ação de orgaela celular presete em muitos seres vivos. Digestão Membraa Plasmática Fagossoma Fagocitose Lisossoma Complexo de Golgi

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

Inovações Bem-Sucedidas no Varejo em Mercados Emergentes

Inovações Bem-Sucedidas no Varejo em Mercados Emergentes por Professor Guillermo D Adrea gdadrea@iae.edu.ar Leticia Costa costa_leticia@bah.com Ferado Ferades ferades_ferado@bah.com Fabio Fosse fosse_fabio@bah.com Iovações Bem-Sucedidas o Varejo em Mercados

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes a 5 de Agosto de 006 Belo Horizote - MG Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo as Redes de Distribuição Atedidas por Subestações de Diferetes Fotes M.Sc. Daiel P. Berardo AES

Leia mais

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem. Informe Publicitário

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem. Informe Publicitário J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem E D I Ç Ã O N º 6 2 A B R I L 2 0 0 7 R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A Iforme

Leia mais

COMPORTAMENTO DO JOVEM CONSUMIDOR MEDIANTE AS DIVERSAS ALTERNATIVAS DE MÍDIA BEHAVIOR OF THE YOUNG CONSUMER TO THE VARIOUS MEDIA ALTERNATIVES

COMPORTAMENTO DO JOVEM CONSUMIDOR MEDIANTE AS DIVERSAS ALTERNATIVAS DE MÍDIA BEHAVIOR OF THE YOUNG CONSUMER TO THE VARIOUS MEDIA ALTERNATIVES Af-Revista Completa cores:layout // : PM Page ISSN - NÚMERO / SETEMBRO / PUBLICAÇÃO SEMESTRAL COMPORTAMENTO DO JOVEM CONSUMIDOR MEDIANTE AS DIVERSAS ALTERNATIVAS DE MÍDIA BEHAVIOR OF THE YOUNG CONSUMER

Leia mais

Educar na cibercultura: docência e aprendizagem no presencial e no online EDU/UERJ

Educar na cibercultura: docência e aprendizagem no presencial e no online EDU/UERJ Educar a cibercultura: docêcia e apredizagem o presecial e o olie Clique para Marco Silvaeditar o estilo do EDU/UERJ subtítulo mestre Poto de partida Revista Teias Dossiê CIBERCULTURA, EDUCAÇÃO ONLINE

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

Marketing Ortodoxo, Societal e Social: As Diferentes Relações de Troca com a Sociedade

Marketing Ortodoxo, Societal e Social: As Diferentes Relações de Troca com a Sociedade Marketig Ortodoxo, Societal e Social: As Diferetes Relações de Troca com a Sociedade Edso Coutiho da Silva Cosultor em Gestão de Projetos PMI (Project Maagemet Istitute) Silvio Augusto Miciotti Professor

Leia mais

Mário Meireles Teixeira. Departamento de Informática, UFMA. mario@deinf.ufma.br. Técnicas de Modelagem. Técnicas de Avaliação de desempenho.

Mário Meireles Teixeira. Departamento de Informática, UFMA. mario@deinf.ufma.br. Técnicas de Modelagem. Técnicas de Avaliação de desempenho. Simulação Mário Meireles Teixeira Departameto de Iformática, UFMA mario@deif.ufma.br Técicas de Modelagem Técicas de Avaliação de desempeho Aferição Modelagem Protótipos Bechmarcks Coleta de Dados Rede

Leia mais

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA MARIANO YOSHITAKE Adelmo Ferado Ribeiro Schidler Júior Adriao Moitiho Pito Iracema Raimuda Brito das Neves Aselmo Teixeira Motes Resumo: O objetivo

Leia mais

A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milena de Souza

A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milena de Souza A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milea de Souza INTRODUÇÃO Um dos problemas causados pelo aumeto do processo de urbaização é a falta de seguraça, o qual limitou os espaços

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

O C A S O P O R T U G U Ê S

O C A S O P O R T U G U Ê S I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E L I S B O A I N S T I T U T O S U P E R I O R D E C O N T A B I L I D A D E E A D M I N I S T R A Ç Ã O D E L I S B O A I N F L U Ê N C I A DA S R E D E S S

Leia mais

elo Motores CAT trazem benefícios aos barcos de pesca da Ecomar

elo Motores CAT trazem benefícios aos barcos de pesca da Ecomar elo º 55 ao 11 julho/agosto/setembro 2010 uma revista do grupo sotreq www.revistaelo.com.br egefort atua em obras de grade porte em todo o país mia da samarco completa 5 mil dias sem acidetes primeira

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Construindo um novo futuro

Construindo um novo futuro Construindo um novo futuro A MARCA QUE A VOLVO QUER DEIXAR NO MUNDO É com muita satisfação que compartilhamos com você uma nova marca, que passará a assinar todas as nossas ações e programas envolvendo

Leia mais

INF1383 -Bancos de Dados

INF1383 -Bancos de Dados INF1383 -Bacos de Dados Prof. Sérgio Lifschitz DI PUC-Rio Eg. Computação, Sistemas de Iformação e Ciêcia da Computação PROJETO DE BANCOS DE DADOS MODELAGEM CONCEITUAL: ABORDAGEM ENTIDADES E RELACIONAMENTOS

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZAÇÃO ÓTIMA E TRANSFORMAORES E OTIMIZAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEAES RURAIS *ROGÉRIO SILVA A CUNHA (BSC) - JOSÉ ROBERTO CAMACHO (PH) SEBASTIÃO CAMARGO GUIMARÃES JR. (R.) *UNIVERSIAE FEERAL

Leia mais

de talentos Como as organizações podem melhorar o retorno sobre seus investimentos na gestão de talentos

de talentos Como as organizações podem melhorar o retorno sobre seus investimentos na gestão de talentos Ecarado a Gestão de taletos Como as orgaizações podem melhorar o retoro sobre seus ivestimetos a gestão de taletos Muitas orgaizações se furtam de abordar questões de capital humao, preferido se cocetrar

Leia mais

O SETOR LÁCTEO NA ECONOMIA MINEIRA: UM ESTUDO EMPÍRICO A PARTIR DA MATRIZ INSUMO-PRODUTO chrystian.mendes@ufv.br

O SETOR LÁCTEO NA ECONOMIA MINEIRA: UM ESTUDO EMPÍRICO A PARTIR DA MATRIZ INSUMO-PRODUTO chrystian.mendes@ufv.br O SETOR LÁCTEO NA ECONOMIA MINEIRA: UM ESTUDO EMPÍRICO A PARTIR DA MATRIZ INSUMO-PRODUTO chrystia.medes@ufv.br APRESENTACAO ORAL-Estrutura, Evolução e Diâmica dos Sistemas Agroalimetares e Cadeias Agroidustriais

Leia mais

VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA DE RECICLAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP

VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA DE RECICLAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA DE RECICLAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP Beedito Camilo Corrêa 1, Deivis Cursio 2, Prof. Gilbert Silva 3 1-2-3 UNIVAP/FEAU, Av. Shishima

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais