Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST"

Transcrição

1 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas em uma castanha cilíndica de alta pecisão, como mostado na Fig.1. As esfeas estão oganizadas em zigue-zague paa ecebe uma caga de maneia unifome. A gaiola de esfeas é uma gaiola pefuada feita em uma liga leve com alta igidez, sendo capaz de movimentos de alta velocidade. Nos dois lados da supefície intena da castanha, foam instalados um anel axial e um anel de pessão paa impedi a saída da gaiola de esfeas. Essa estutua pemite movimento giatóio, movimento ecípoco e movimento complexo com um pequeno coeficiente de atito. O compimento do comando do modelo é o dobo da faixa dento da qual a gaiola de esfeas pode se movimenta. Como é possível obte-se alta pecisão po um peço econômico, este modelo é usado em uma ampla vaiedade de aplicações, como pensas de molde, unidade de olo de tinta de impessoas, mandil de peças de pensa pefuadoas, alimentado de pensas, cabeçote de tabalho de máquina de eletoeosão, coeto de bobina de papel, máquinas de tecelagem, eixo moto de instumentos ópticos de medição e fotocopiadoas. A

2 58-2BR Coeficiente de atito mínimo As esfeas e a pista estão em contato em um ponto, o que causa peda mínima de olamento; além disso, as esfeas são etidas individualmente na gaiola. Com isso, o comando linea pode executa movimentos de olamento com um coefi ciente de atito mínimo ( =,6 a,12). Geometia compacta Po consisti apenas em uma castanha esteita e esfeas, o diâmeto exteno do olamento é minimizado e consegue-se uma geometia leve, compacta que não ocupa espaço. Alta pecisão po um peço econômico É possível poduzi uma unidade deslizante altamente pecisa po um peço econômico. Tipos e ecusos Tipo de caga leve modelo Tabela de especificações A O modelo é um tipo de caga leve que pemite um cuso longo. Diâmeto do eixo: 6 a 1 Também está disponível um tipo acoplado com vedação. Modelo -UU Comando linea Modelo Tipo de caga média modelo -B Tabela de especificações A Apesenta as mesmas dimensões do modelo, mas possui um cuso mais cuto e é capaz de alcança o dobo da caga nominal do. Diâmeto do eixo: 8 a 1 Também está disponível um tipo acoplado com vedação. Modelo -UUB Tipo com anel inteno modelo I Caso o eixo M não possa se tempeado, o I pemite a incopoação de um anel inteno. Esse anel inteno está disponível po encomenda. Modelo -B Modelo I A

3 58-2BR Caga nominal e vida nominal Capacidade de caga As capacidades de caga nominal do modelo estão indicadas nas espectivas tabelas de especificações. Vida nominal A vida nominal do modelo é obtida utilizando a seguinte equação. = fh ft fc fw C PC 3 : Vida nominal (giando 1 6 vezes) (O númeo total de evoluções que 9% de um gupo de comandos lineaes idênticos opeando independentemente sob as mesmas condições podem ealiza sem mosta escamação) C : Capacidade de caga dinâmica nominal (N) P C : Caga adial calculada (N) f H : Fato de igidez (consulte Fig.2 em A ) f T : Fato de tempeatua (consulte Fig.3 em A ) f C : Fato de contato (consulte a Tabela1 em A ) f W : Fato de caga (consulte a Tabela2 em A ) Quando uma caga de momento é aplicada uma castanha única Quando uma caga de momento é aplicada a uma castanha única, calcule a caga adial equivalente do momento. Pu = K M P u : Caga adial equivalente (N) (com caga de momento) K : Fato equivalente (consulte Tabela3 a Tabela4 em A ) M : Momento aplicado (N-mm) Considea-se que P u esteja dento da capacidade de caga estática nominal (C o ). Quando uma caga de momento e uma caga adial são aplicadas simultaneamente Quando uma caga de momento e uma adial são aplicadas simultaneamente, calcule a vida útil com base na soma da caga adial e a caga adial equivalente. A

4 58-2BR Cálculo da vida útil Quando a vida nominal () fo obtida, sendo constantes o númeo de evoluções po minuto e o númeo de ecípocas po minuto, a vida útil seá obtida usando a seguinte equação. Paa movimento giatóio ou complexo h = (dm n) 2 + (1 α ls n1) 2 /dm Paa movimento ecípoco h = α ls n1 / (π dm) h : Tempo de vida útil (h) n : Revoluções po minuto (min 1 ) n 1 : Númeo de ecípocas po minuto (min 1 ) l s : Compimento do cuso (mm) dm : Diâmeto do cículo do passo (mm) (dm 1,15 d) d : Diâmeto inteno (mm) : Fato paa mateial da gaiola ( =,7) Comando linea A

5 58-2BR Valo de toleância em velocidade de otação e ecípoca O limite de velocidade pemitida do modelo é obtido usando a seguinte equação. DN dm n + 1 ls n1 Paa o valo DN acima, usa-se o valo a segui como padão. Paa lubificação a óleo DN=6 Paa lubificação a gaxa DN=3 Contudo, deve-se leva em consideação o seguinte. n 5 l S n 1 5 f H : Fato de igidez Paa alcança o ponto máximo da capacidade de caga do modelo, a igidez das pistas pecisa esta ente 58 e 64 HRC. Caso a igidez seja meno do que essa faixa, a capacidade de caga dinâmica nominal e a capacidade de caga estática nominal diminuião. Potanto, é necessáio multiplica cada capacidade pelo espectivo fato de igidez (f H ). Nomalmente, f H =1, já que o modelo possui igidez suficiente. Fato de igidez fh 1,,9,8,7,6,5,4,3,2, Rigidez da pista (HRC) Fig.2 Fato de igidez (f H ) f T : Fato de tempeatua Caso a tempeatua do ambiente no entono do modelo em opeação exceda 1 C, considee o efeito negativo da alta tempeatua e multiplique as capacidades de caga nominal pelo fato de tempeatua indicado em Fig.3. Nota) Caso a tempeatua do ambiente ultapasse 8 C, ente em contato com a THK. Fato de tempeatua ft 1,,9,8,7,6, Tempeatua da pista ( C) Fig.3 Fato de tempeatua (f T ) A

6 58-2BR f C : Fato de contato Quando váias castanhas do modelo são usadas em contato póximo, seus movimentos lineaes são afetados pelos momentos e pela pecisão da montagem, difi cultando a obtenção de distibuição unifome da caga. Nessas aplicações, multiplique as capacidades de caga nominal (C) e (C ) pelo fato de contato coespondente em Tabela1. Nota) Caso seja espeada uma distibuição de caga não unifome em uma máquina gande, leve em consideação o espectivo fato de contato indicado na tabela 1. Tabela1 Fato de contato (f c ) Númeo de castanhas em contato póximo uma com a outa Fato de contato f c 2,81 3,72 4,66 5,61 Uso nomal 1 f W : Fato de caga Em geal, máquinas altenativas tendem a causa vibações ou impactos duante a opeação. É extemamente difícil detemina com exatidão as vibações geadas duante opeações em alta velocidade e impactos duante patidas e paadas. Sendo assim, quando a velocidade e as vibações têm uma influência significativa, divida a capacidade da caga dinâmica nominal (C ou C ) pelo fato de caga coespondente na tabela de dados obtidos de foma empíica na Tabela2. Vibações/ impacto eve Faca Média Fote Tabela2 Fato de caga (f w ) Velocidade(V) Muito baixa V,25 m/s enta,25<v 1 m/s Média 1<V 2 m/s Alta V>2 m/s f w 1 a 1,2 1,2 a 1,5 1,5 a 2 2 a 3,5 Comando linea Tabela de fatoes equivalentes Tabela3 Fato equivalente do modelo Modelo Fato equivalente: K Castanha única 6,726 8,721 1,489 12,421 16,48 2,419 25,42 3,28 35,285 4,252 45,251 5,27 55,26 6,26 7,26 8,186 9,185 1,185 Tabela4 Fato equivalente do modelo -B Modelo Fato equivalente: K Castanha única 8B,444 1B,31 12B,259 16B,251 2B,258 25B,257 3B,171 35B,175 4B,154 45B,154 5B,127 55B,127 6B,127 7B,127 8B,114 9B,114 1B,114 A

7 58-2BR Padões de pecisão O valo de toleância no diâmeto inteno (d), no diâmeto exteno da castanha (D) e no compimento da castanha () é indicado na tabela de especificações coespondente. Pode have defomação da extemidade da castanha devido à tensão do anel de pessão. Potanto, ao medi o diâmeto exteno da castanha, é necessáio calcula a faixa de medições usando a equação a segui e obte o valo médio do diâmeto dento dessa faixa. O valo de toleância no diâmeto exteno da castanha é igual ao valo médio calculado dos diâmetos máximo e mínimo obtidos pela medição de dois pontos do diâmeto exteno. W Fig.4 Faixa de medições da castanha W W = W : Compimento dento da faixa de medições (mm) : Compimento da castanha (mm) Encaixe Em tese, a gaiola de esfeas do modelo se move na mesma dieção do eixo em metade do eixo (ou castanha). Contudo, paa minimiza o eo de distância pecoida causado po vibações ou pela distibuição não unifome da caga, é necessáio eduzi a folga. Caso seja necessáia alta pecisão ou caso o comando linea seja usado em um eixo vetical, ecomendamos o ajuste da folga adial ente e 1 m. Item Condições nomais Eixo vetical ou alta pecisão Eixo k5, m5 n5, p5 Alojamento H6, H7 J6, J7 A

8 58-2BR Eixo Com o eixo, usado no modelo, as esfeas ciculam dietamente sobe a supefície do eixo. Potanto, é necessáio pesta muita atenção à igidez, à aspeeza da supefície e a pecisão dimensional duante a sua fabicação. Como a igidez do eixo tem impacto muito gande sobe a vida útil, seja extemamente cuidadoso ao seleciona o mateial e o método de tatamento témico. A THK também fabica eixos de alta qualidade. Ente em contato conosco paa obte detalhes. Mateial Em geal, os seguintes mateiais são adequados paa enduecimento de supefícies po indução. SUJ2 (JIS G 485: aço paa mancais à base de como com alto teo de cabono) SK3 a 6 (JIS G 441: aço cabono paa feamentas) S55C (JIS G 451: aço cabono paa uso estutual em máquinas) Rigidez Recomendamos igidez de supefície de 58 HRC ( 653 HV) ou maio. A pofundidade da camada enduecida é deteminada pelo diâmeto do eixo; paa uso geal, ecomendamos 2 mm, apoximadamente. O eixo pode te um anel inteno enduecido acoplado à pista do eixo. Comando linea Aspeeza da supefície Paa alcança movimento suave, nomalmente após o acabamento, a supefície fi ca com,4a ou menos. Caso seja necessáia esistência ao desgaste maio, a supefície deve ecebe acabamento paa que fique com,2a ou menos. Instalação do eixo Paa instala o eixo, insia-o até a pofundidade designada. Caso a folga seja negativa, seá necessáia uma gande foça paa insei-lo. Contudo, não matele o eixo. Em vez disso, aplique um lubificante no eixo e insia-o gadual e lentamente. A

9 58-2BR Modelos /-B 1 φ d t φ D φ d Modelo (Paa caga leve) Modelo Cuso máximo Diâmeto inteno Diâmeto exteno d Toleância D Toleância B 1 1B 12 12B 16 16B 2 2B 25 25B 3 3B 35 35B ,18 +, ,22 +, ,27 +, , , ,41 +,25 52,8,9,11,13 A

10 58-2BR 1 φ d t φ D φ d Compimento Modelo -B (Paa caga média) Toleância 1 2 t d Capacidade de caga Capacidade de caga dinâmica nominal estática nominal C kn C kn Unidade: mm Massa g Comando linea 19 13,5 1,1,25,3,98, ,1 1,5,5 1,5,5,98 2,6,27,55 16,4 17,6 3 25,7 1,5,5 1,5,5 32,2 27,5 1,5,5 1,5,5 2,35 4,61 4,2 8,14,62 1,27 1,8 2,25 31,5 34, , ,1 1,5,5 1,5,5 4,2 8,4 1,27 2, ,8 2,5 2,5 4,12 8,33 1,57 3, ,8 2, ,12 8,14 1,76 3, ,5 2,5,5 2,5 1,3 9,31 18,7 4,12 8, ,5 2,5,7 2,5 1,5 9,41 18,7 4,51 9, A

11 58-2BR Modelos /-B 1 φ d t φ D φ d Modelo (Paa caga leve) Modelo Cuso máximo Diâmeto inteno Diâmeto exteno d Toleância D Toleância 4 4B B 5 5B ,41 +, , B B 7 7B 8 8B ,49 +, ,15 9 9B 1 1B ,58 +, ,18 A

12 58-2BR 1 φ d t φ D φ d Modelo -B (Paa caga média) Unidade: mm Comando linea Compimento Toleância 1 2 t d 8 73,3 2,5,7 2,5 1,5 8 73,3 2,5,7 2,5 1,5 1,3 92, ,5 1 92, , , ,5 3 2, , ,5 3 2 Capacidade de caga Capacidade de caga dinâmica nominal estática nominal C kn 12, ,6 25,2 16,3 32,5 16, ,8 33,6 16,9 33,8 21,3 42,5 21,7 43, ,9 C kn 6,18 12,4 6,76 13,5 8,82 17,7 9,71 19,3 1, ,7 23,3 15,3 3,6 16,9 33,7 18,3 36,8 Massa g A

13 58-2BR Modelos UU/ UUB 1 φ d t φ D φ d Modelo UU (Paa caga leve) Modelo Cuso máximo Diâmeto inteno Diâmeto exteno d Toleância D Toleância 8UU , ,13 1UU UU , UU , UU 2UUB 25UU 25UUB 3UU 3UUB 35UU 35UUB 4UU 4UUB 45UU 45UUB , , , , ,8,9,11,13 A

14 58-2BR 1 φ d t φ D φ d Modelo UUB (Paa caga média) Unidade: mm Comando linea Compimento Toleância 1 2 t d Capacidade de caga Capacidade de caga dinâmica nominal estática nominal C kn C kn Massa g 24 15,3 1,5,5 1,5,5,98, ,5 1,5,5 1,5,5 2,35, ,2 2,1 1,5,5 1,5,5 4,2 1, ,1 1,5,5 1,5,5 4,2 1, ,8 2,5 2,5 45 3,8 2, ,1 2,5,5 2, ,1 2,5,7 2,5 1,5,3 8 64,9 2,5,7 2,5 1,5 8 64,9 2,5,7 2,5 1,5 4,12 8,33 4,12 8,14 9,31 18,7 9,41 18,7 12, ,6 25,2 1,57 3,24 1,76 3,63 4,12 8,14 4,51 9,2 6,18 12,4 6,76 13, A

15 58-2BR Modelos UU/ UUB 1 φ d t φ D φ d Modelo UU (Paa caga leve) Modelo Cuso máximo Diâmeto inteno Diâmeto exteno d Toleância D Toleância 5UU 5UUB 55UU 55UUB ,41 +, ,13 6UU 6UUB 7UU 7UUB 8UU 8UUB ,49 +, ,15 9UU 9UUB 1UU 1UUB ,58 +, ,18 A

16 58-2BR 1 φ d t φ D φ d Compimento Modelo UUB (Paa caga média) Toleância 1 2 t d 1 83, ,5 1 83, ,3 1 83, , ,5 3 2, , ,5 3 2 Capacidade de caga Capacidade de caga dinâmica nominal estática nominal C kn 16,3 32,5 16, ,8 33,6 16,9 33,8 21,3 42,5 21,7 43, ,9 C kn 8,82 17,7 9,71 19,3 1, ,7 23,3 15,3 3,6 16,9 33,7 18,3 36,8 Unidade: mm Massa g Comando linea A

Rolamentos rígidos de esferas

Rolamentos rígidos de esferas Rolamentos ígidos de esfeas Os olamentos ígidos de esfeas estão disponíveis em váios tamanhos e são os mais populaes ente todos os olamentos. Esse tipo de olamento supota cagas adiais e um deteminado gau

Leia mais

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência Lista de Execícios Capítulo Citéios de Resistência 0.7 A tensão de escoamento de um mateial plástico é y 0 MPa. Se esse mateial é submetido a um estado plano de tensões ocoe uma falha elástica quando uma

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R Tipo separado de guia linear (radial) modelo Trilho com cremalheira Recirculador Raspador Bloco Diagrama de Seleção A Posições de montagem Opcionais Codificação Precauções de uso Acessórios para lubrificação

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 03

LISTA COMPLETA PROVA 03 LISTA COMPLETA PROVA 3 CAPÍTULO 3 E. Quato patículas seguem as tajetóias mostadas na Fig. 3-8 quando elas passam atavés de um campo magnético. O que se pode conclui sobe a caga de cada patícula? Fig. 3-8

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

ROLAMENTOS PARA BOMBAS INDUSTRIAIS

ROLAMENTOS PARA BOMBAS INDUSTRIAIS ROLAMENTOS PARA BOMBAS INDUSTRIAIS Apesentando maio vida útil com notável eficiência e confiabilidade, os olamentos NSK são ideais paa todas as bombas industiais. 1 Cento Tecnológico Basileio - Suzano

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ ESOLUÇÃO DA AALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 0/08/ POFESSO: MALTEZ QUESTÃO 0 A secção tansvesal de um cilindo cicula eto é um quadado com áea de m. O volume desse cilindo, em m, é: A

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenhaia Tansmissão de calo 3º Ano Aula 4 Aula Pática- Equação Difeencial de Tansmissão de Calo e as Condições de Contono Poblema -4. Calcula a tempeatua no

Leia mais

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1 Instituto Escola Supeio Politécnico de Tecnologia ÁREA INTERDEPARTAMENTAL Ano lectivo 010-011 011 Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Eecícios de Electomagnetismo Ficha 1 Conhecimentos e capacidades

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA LIMA, Nélio Neves; CUNHA, Ygho Peteson Socoo Alves MARRA, Enes Gonçalves. Escola de Engenhaia Elética

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

19 - Potencial Elétrico

19 - Potencial Elétrico PROBLEMAS RESOLVIDOS DE FÍSICA Pof. Andeson Cose Gaudio Depatamento de Física Cento de Ciências Exatas Univesidade Fedeal do Espíito Santo http://www.cce.ufes.b/andeson andeson@npd.ufes.b Última atualização:

Leia mais

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep.

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep. X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Avaliação do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem, po meio da análise da técnica de pé ajustagem de feamentas. - van

Leia mais

1ª Aula do Cap. 6 Forças e Movimento II

1ª Aula do Cap. 6 Forças e Movimento II ATRITO 1ª Aula do Cap. 6 Foças e Movimento II Foça de Atito e Foça Nomal. Atito e históia. Coeficientes de atito. Atito Dinâmico e Estático. Exemplos e Execícios. O efeito do atito ente duas supefícies

Leia mais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Módulo 5: Conteúdo pogamático Eq da continuidade em egime Pemanente Bibliogafia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Pentice Hall, 7. Eoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Popiedades Intensivas:

Leia mais

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas Aplicação da ei Gauss: Algumas distibuições siméticas de cagas Como utiliza a lei de Gauss paa detemina D s, se a distibuição de cagas fo conhecida? s Ds. d A solução é fácil se conseguimos obte uma supefície

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

Os Fundamentos da Física

Os Fundamentos da Física TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 1 s Fundamentos da Física (8 a edição) AMALH, NCLAU E TLED Tema especial DNÂMCA DAS TAÇÕES 1. Momento angula de um ponto mateial, 1 2. Momento angula de um sistema de pontos

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA UM/AET Eng. Elética sem 0 - ab. icuitos Eléticos I Pof. Athemio A.P.Feaa/Wilson Yamaguti(edição) EPEIÊNIA 5 - ESPOSTA EM FEQUENIA EM UM IUITO - ESSONÂNIA INTODUÇÃO. icuito séie onsideando o cicuito da

Leia mais

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez Fenômenos de Tanspote I Aula Pof. D. Gilbeto Gacia Cotez 8. Escoamento inteno iscoso e incompessíel 8. Intodução Os escoamentos completamente limitados po supefícies sólidas são denominados intenos. Ex:

Leia mais

Exemplos de seleção de fuso de esferas

Exemplos de seleção de fuso de esferas Diagrama de seleção Equipamentos de transferência de alta velocidade (uso horizontal) Condições de seleção Massa da mesa m 1 = 60 kg Massa de trabalho m 2 = 20 kg Comprimento do curso l S = 1000 mm Velocidade

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E Questão 1 Dois pilotos iniciaam simultaneamente a disputa de uma pova de automobilismo numa pista cuja extensão total é de, km. Enquanto Máio leva 1,1 minuto paa da uma volta completa na pista, Júlio demoa

Leia mais

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler).

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler). 3 - DESCRIÇÃO DO EEVADOR Abaixo apesentamos o diagama esquemático de um elevado (obtido no site da Atlas Schindle). Figua 1: Diagama esquemático de um elevado e suas pates. No elevado alvo do pojeto, a

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

Condensador esférico Um condensador esférico é constituído por uma esfera interior de raio R e carga

Condensador esférico Um condensador esférico é constituído por uma esfera interior de raio R e carga onensao esféico Um conensao esféico é constituío po uma esfea inteio e aio e caga + e uma supefície esféica exteio e aio e caga. a) Detemine o campo eléctico e a ensiae e enegia em too o espaço. b) alcule

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

Análise do Perfil de Temperaturas no Gás de Exaustão de um Motor pelo Método das Diferenças Finitas

Análise do Perfil de Temperaturas no Gás de Exaustão de um Motor pelo Método das Diferenças Finitas Poceeding Seies of te Bazilian Society of Applied and Computational Matematics, Vol., N. 1, 14. Tabalo apesentado no CMAC-Sul, Cuitiba-PR, 14. Análise do Pefil de Tempeatuas no Gás de Exaustão de um Moto

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Profissional SENAI Plínio Gilberto Kröeff MECÂNICA TÉCNICA

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Profissional SENAI Plínio Gilberto Kröeff MECÂNICA TÉCNICA SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Pofissional SENAI Plínio Gilbeto Köeff MECÂNICA TÉCNICA Pofesso: Dilma Codenonsi Matins Cuso: Mecânica de Pecisão São Leopoldo 2009 1 SUMÁRIO

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência..4 apacitância e Susceptância apacitiva de Linhas de Tansmissão Pofesso:. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b

Leia mais

= (1) ρ (2) f v densidade volumétrica de forças (N/m 3 ) ρ densidade volumétrica de carga (C/m 3 )

= (1) ρ (2) f v densidade volumétrica de forças (N/m 3 ) ρ densidade volumétrica de carga (C/m 3 ) Analise de Esfoços Eletomecânicos em Tansfomadoes Amofos ataés de Modelagem Computacional compaando à Noma IEC 60076-5 W.S. onseca, GSEI, UPA, Belém, PA, Basil; M.Sc A.C. Lopes, UNIAP, Macapá, AP, Basil;

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cusos e Empeendimentos VER Ltda Nome Fantasia: Micolins Unidade Nova Lima Data de fundação: 09/03/2007

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

Fuso de esferas de precisão/eixo estriado

Fuso de esferas de precisão/eixo estriado 58-2BR s BNS-A, BNS, NS-A e NS Vedação Anel externo Placa para calços Vedação Castanha do eixo estriado Eixo Vedação Colar Placa para calços Vedação Bujão terminal Esfera Anel externo Castanha do fuso

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

Excipientes: benzoato de sódio, ácido benzóico, propilenoglicol, álcool absoluto, álcool benzílico e água bidestilada.

Excipientes: benzoato de sódio, ácido benzóico, propilenoglicol, álcool absoluto, álcool benzílico e água bidestilada. ANSIOLÍTICO E MIORRELAXANTE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome do poduto: Valium / Valium injetável Nome genéico: diazepam Foma famacêutica e apesentação Caixas com 20 e 30 compimidos de 5 e 10 mg Solução injetável

Leia mais

FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO

FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO MECÂNICO APOSTILA FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO Auto: Pof.D. Auteliano Antunes dos Santos Junio Esta apostila

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

DISCIPLINA ELETRICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈRE

DISCIPLINA ELETRICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈRE DISCIPLINA ELETICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈE A LEI DE AMPÈE Agoa, vamos estuda o campo magnético poduzido po uma coente elética que pecoe um fio. Pimeio vamos utiliza uma técnica, análoga a Lei de

Leia mais

Cálculo da carga aplicada

Cálculo da carga aplicada 508-BR O guia linear é capaz de receber cargas e momentos em todas as direções que sejam gerados em função da posição de montagem, do alinhamento, da posição do centro de gravidade de um objeto móvel,

Leia mais

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Aula 0 EORIA DA GRAVIAÇÃO UNIVERSAL MEA Mosta aos alunos a teoia da gavitação de Newton, peda de toque da Mecânica newtoniana, elemento fundamental da pimeia gande síntese da Física. OBJEIVOS Abi a pespectiva,

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

MODELAGEM NUMÉRICA DE CABOS DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

MODELAGEM NUMÉRICA DE CABOS DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 8 a de agosto de 00 Campina Gande Paaíba - Basil August 8, 00 Campina Gande Paaíba Bazil MODELAGEM NUMÉRICA DE

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletotécnica Módulo III Pate II - Máquina de Indução Pof. Máquina de Indução ou Máquina Aíncona Tipo de máquina elética otativa mai utilizado Tipo de máquina com contução mai obuta (oto em gaiola quiel

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Aula 6 META Intoduzi aos alunos conceitos básicos das ondas eletomagnéticas: como elas são poduzidas, quais são suas caacteísticas físicas, e como desceve matematicamente sua popagação.

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I FGE7 Eleticidade e Magnetismo I Lista de execícios 9 1. Uma placa condutoa uadada fina cujo lado mede 5, cm enconta-se no plano xy. Uma caga de 4, 1 8 C é colocada na placa. Enconte (a) a densidade de

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais

Gregos(+2000 anos): Observaram que pedras da região Magnézia (magnetita) atraiam pedaços de ferro;

Gregos(+2000 anos): Observaram que pedras da região Magnézia (magnetita) atraiam pedaços de ferro; O Campo Magnético 1.Intodução: Gegos(+2000 anos): Obsevaam que pedas da egião Magnézia (magnetita) ataiam pedaços de feo; Piee Maicout(1269): Obsevou a agulha sobe imã e macou dieções de sua posição de

Leia mais

Exp. 10 - RESSONÂNCIA

Exp. 10 - RESSONÂNCIA apítulo Exp. 0 - RESSONÂNIA EÉTRIA. OBJETIVOS Estudo das oscilações eléticas foçadas em cicuitos essonantes em séie e em paalelo..2 PARTE TEÓRIA Muitos sistemas físicos estáticos e estáveis, quando momentaneamente

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Depyl Action Depilações Ltda-ME Nome Fantasia: Depyl Action - Especializada em Depilação Data

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Série: FBBP MANUAL TÉCNICO. - Aplicável à norma NFPA 20 BOMBA CENTRÍFUGA BI-PARTIDA FBBP. Aplicação

Série: FBBP MANUAL TÉCNICO. - Aplicável à norma NFPA 20 BOMBA CENTRÍFUGA BI-PARTIDA FBBP. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBBP - Aplicável à norma NFPA 20 Aplicação São utilizadas nas aplicações de indústrias petroquímicas, irrigação, indústria químicas, saneamento básico, siderurgia, mineração, álcool,

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio Fenômenos de Tanspote Equações Básicas na Foma Integal - I Pof. M. Sc. Lúcio P. Patocínio Objetivos Entende a utilidade do teoema de Tanspote de Reynolds. Aplica a equação de consevação da massa paa balancea

Leia mais

Lei de Gauss. Ignez Caracelli Determinação do Fluxo Elétrico. se E não-uniforme? se A é parte de uma superfície curva?

Lei de Gauss. Ignez Caracelli Determinação do Fluxo Elétrico. se E não-uniforme? se A é parte de uma superfície curva? Lei de Gauss Ignez Caacelli ignez@ufsca.b Pofa. Ignez Caacelli Física 3 Deteminação do Fluxo lético se não-unifome? se A é pate de uma supefície cuva? A da da = n da da nˆ da = da definição geal do elético

Leia mais

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira ensidade de Fluxo Elético Pof aniel ilveia Intodução Objetivo Intoduzi o conceito de fluxo Relaciona estes conceitos com o de campo elético Intoduzi os conceitos de fluxo elético e densidade de fluxo elético

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016 IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO

Leia mais

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação)

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação) Supote à Execução Compiladoe Ambiente de upote à execução O Compilado gea código executável. Ma nem tudo etá conhecido ante que o pogama eja executado! Valoe de paâmeto e funçõe, Memóia dinamicamente alocada,

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA

DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA Femin A. Tang Montané Pogama de Engenhaia de Sistemas, COPPE/UFRJ Vigílio José Matins Feeia Filho Depatamento de Engenhaia Industial/ UFRJ/ Escola

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO Macelo Esposito, Calos A. Claumann, Ricado A. F. Machado, Claudia Saye, Pedo H. H. Aaújo* Univesidade Fedeal

Leia mais

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção.

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. Os mancais em geral têm como finalidade servir de apóio às

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Departamento de Engenharia Mecânica. Projeto Final de Graduação

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Departamento de Engenharia Mecânica. Projeto Final de Graduação Pontifícia Uniesidade Católica do Rio de Janeio Depatamento de Engenhaia Mecânica Pojeto Final de Gaduação ANÁLISE DO PROCESSO DE DESLOCAMENTO DE LÍQUIDOS EM POÇOS COM EXCENTRICIDADE VARIÁVEL Aluno: Benado

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE PEÇAS VOLVO SCANIA IVECO. Rolamentos Causas e Soluções

DISTRIBUIDORA DE PEÇAS VOLVO SCANIA IVECO. Rolamentos Causas e Soluções Rolamentos e Oxidação e corrosão A superfície se torna parcial ou totalmente oxidada e ocasionalmente o óxido também se apresenta ao longo das linhas dos passos dos corpos rolantes. Condições inadequadas

Leia mais

e A Formação do Circuito Equivalente

e A Formação do Circuito Equivalente Cadeno de Estudos de MÁQUINAS ELÉCTRICAS nº 4 A Coe nte Eléctica de Magnetização e A Fomação do Cicuito Equivalente Manuel Vaz Guedes (Pof. Associado com Agegação) Núcleo de Estudos de Máquinas Elécticas

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

UNIÕES DE ACOPLAMENTO

UNIÕES DE ACOPLAMENTO UNIÕES DE ACOPLAMENTO Cat 012 - Out 2015 1 / 11 "GIFLEX" GE-T A aplicação industrial de acoplamentos elásticos tem por objectivo absorver ou atenuar eventuais irregularidades de rotação originadas pelo

Leia mais

Seção 12 Conjunto do motor

Seção 12 Conjunto do motor Seção 12 Conjunto do motor Página CONJUNTO DO MOTOR... 164 Instalação do virabrequim... 164 Instale o pistão e a biela... 164 Instalação do eixo de cames... 164 Instalação da bomba de óleo... 165 Instalação

Leia mais

Rolamentos para a Indústria de Mineração

Rolamentos para a Indústria de Mineração Rolamentos para a Indústria de Mineração Tecnologia NSK líder de mercado para aplicações em mineração para prolongar a vida do rolamento e reduzir custos de manutenção e tempo de parada. Aumento da Produção

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em.

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em. REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Apovado pela Assembleia Geal de Associados ealizada em. Capítulo I Disposições Peliminaes At. 1º O pesente egimento

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA ESCOL DE ESPECILISTS DE ERONÁUTIC CONCURSO DE DMISSÃO O CS /00 PROV DE MTEMÁTIC ÍSIC QUÍMIC CÓDIGO D PROV 9 MRQUE NO CRTÃO DE RESPOSTS O CÓDIGO D PROV. s questões de 0 a 0 efeem se a Matemática 0 Se a

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Polícia odoviáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica 3.4. OÇAS EM TAJETÓIAS CUILÍNEAS Se lançamos um copo hoizontalmente, póximo a supefície da Tea, com uma velocidade inicial de gande intensidade, da odem de

Leia mais