MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção."

Transcrição

1 MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção.

2 Os mancais em geral têm como finalidade servir de apóio às árvores e eixos que giram no espaço, para que estes possam rodar livremente e suportar as cargas que atuam sobre eles. Podem ser classificados em: Mancais de Deslizamento (buchas). Mancais de Rolamento (de esferas o rolos). Os rolamentos são muito empregados devido a suas numerosas vantagens, destacando-se por: Grande padronização e baixo custo. A resistência ao movimento no arranque dos rolamentos pode ser entre 5 e 10 vezes menor que a resistência dos mancais de deslizamento. Pouca geração de calor. Poucas exigências de manutenção e lubrificação. Grande capacidade na direção axial. Menor consumo de metais não ferrosos. Menores perdas por atrito para baixas velocidades e movimentos oscilantes.

3 Também têm certas desvantagens: Elevadas dimensões radiais. Altas tensões de contato. Menor capacidade para amortecer vibrações que os mancais de deslizamento. Não são recomendáveis para velocidades extremamente altas. Não são convenientes em árvores acotoveladas (virabrequim), embora se fabrique alguns tipos de mancais partidos para estes usos. Em geral os rolamentos são apoios ideais para as máquinas com freqüentes arranques e paradas, velocidades baixas, ou movimentos de vaivém. Na atualidade, as mais diversas máquinas empregam em seus apoios mancais de rolamento por sua ampla padronização de vários tipos e uma variada gama de dimensões.

4 2- Classificação Classificação segundo a forma dos elementos rolantes. Esferas (Bolas) Rolos (cilindros, cônicos, esféricos, agulhas) 2.2. Classificação segundo o sentido de aplicação da carga. Radiais. Radiais-axiais. Axiais Axiais-radiais 2.3. Classificação segundo sua capacidade de compensação. Autompensados. Não autocompensados.

5 PARTES COMPONENTES 1 - anel interno; 2 - elementos rolantes; 3 - espaçadores ou gaiola. 4 anel externo;

6 Cargas Carga Carga Radial Radial Carga Axial

7 Cargas

8 Aplicações Aviões Tratores Máquinas e Equipamentos Indústrias Navios Ônibus e Caminhões Eletrodomésticos Automóveis Eletroeletrônicos

9 2.4. Classificação segundo o tipo. Rolamento fixo de uma carreira de esferas É o mais comum dos rolamentos. Suporta cargas radiais e pequenas cargas axiais e é apropriado para rotações mais elevadas. Sua capacidade de ajustagem angular é limitada. É necessário um perfeito alinhamento entre o eixo e os furos da caixa.

10 Rolamento de contato angular de uma carreira de esferas Admite cargas axiais somente em um sentido, possuem pistas condutoras nos anéis interno e externo deslocados uma em relação à outra, na direção do eixo do rolamento. A capacidade de carga axial de rolamentos de esferas de contato angular torna-se maior à medida que se aumenta o ângulo de contato. Rolamento autocompensador de esferas É um rolamento de duas carreiras de esferas com pista esférica no anel externo, o que lhe confere a propriedade de ajustagem angular, ou seja, de compensar possíveis desalinhamentos ou flexões do eixo.

11 Rolamento de rolo cilíndrico. É apropriado para cargas radiais elevadas. Seus componentes são separáveis, o que facilita a montagem e desmontagem. Os rolamentos com gaiola podem suportar cargas radiais altas e funcionar em velocidades elevadas. Rolamento autocompensador de uma carreira de rolos. Seu emprego é particularmente indicado para construções em que se exige uma grande capacidade para suportar carga radial e a compensação de falhas de alinhamento.

12 Rolamento autocompensador de duas carreiras de rolos. É um rolamento adequado aos mais pesados serviços. Os rolos são de grande diâmetro e comprimento. distribuição uniforme da carga. Rolamento de rolos cônicos. Além de cargas radiais, os rolamentos de rolos cônicos também suportam cargas axiais em um sentido. Os anéis são separáveis. O anel interno e o externo podem ser montados separadamente.

13 Rolamento axial de esfera. Ambos os tipos de rolamento axial de esfera (escora simples e escora dupla) admitem elevadas cargas axiais, porém, não podem ser submetidos a cargas radiais. Os rolamentos são separáveis, de montagem simples, uma vez que as arruelas e o conjunto de esferas e gaiola podem ser montados separadamente.

14 Rolamento axial autocompensador de rolos. Possui grande capacidade de carga axial devido á disposição inclinada dos rolos. Também pode suportar consideráveis cargas radiais. A pista esférica do anel da caixa confere ao rolamento a propriedade de alinhamento angular, compensando possíveis desalinhamentos ou flexões do eixo. Rolamento de agulha. Os rolamentos de rolos de agulhas são rolamentos com rolos cilíndricos que são finos e longos em relação a seu diâmetro. A despeito de sua baixa seção transversal, os rolamentos possuem uma alta capacidade de carga e são, portanto, extremamente apropriados para arranjos de rolamentos nos quais o espaço radial é limitado.

15 Tipo x Características Esferas Rolos Agulhas Autocompensa Cilíndricos dor de Rolos Rolos Cônicos Carga Radial Carga Axial Dimensões Ângulo

16 Tipo x Características Esferas Rolos Agulhas Autocompensa Cilíndricos dor de Rolos Rolos Cônicos Carga Radial Carga Axial Dimensões Ângulo

17 Tipo x Características Esferas Rolos Agulhas Autocompensa Cilíndricos dor de Rolos Rolos Cônicos Carga Radial Carga Axial Dimensões Ângulo

18 Tipo x Características Esferas Rolos Agulhas Cilíndricos Autocompensador de Rolos Rolos Cônicos Carga Radial Carga Axial Dimensões Ângulo

19 Tipo x Características Esferas Rolos Agulhas Cilíndricos Autocompensador de Rolos Rolos Cônicos Carga Radial Carga Axial Dimensões Ângulo

20 3. Designação de rolamentos. Por exemplo: Rolamento L1C3 6= código de tipo de rolamento correspondente aos rolamentos rígidos de uma fileira de bolas. 3= série de largura. 2= série de diâmetro exterior. 12= diâmetro interior ou código de diâmetro interior, segundo os casos (neste caso, d=12x5=60 mm.). L1= código de gaiola mecanizada de latão. C3= código de jogo radial interno maior que o normal.

21 DADOS GERAIS SOBRE Dimensão: ROLAMENTOS

22 Tamanhos (7)

23 Identificação do Tipo de Rolamento 0 rolamentos de duas carreiras de esferas de contato angular 1- rolamentos autocompensadores de esferas 2 rolamentos autocompensadores de rolos, rolamentos axiais autocompensadores de rolos 3 rolamentos de rolos cônicos 4 rolamentos rígidos de duas carreiras de esferas 5 rolamentos axiais de esferas 6 rolamentos rígidos de uma carreira de esferas 7 rolamentos de uma carreira de esferas de contato angular 8 rolamentos axiais de rolos cilíndricos BK - Buchas de agulhas com fundo HK - Buchas de agulhas sem fundo N - Rolamentos de rolos cilíndricos Utiliza-se uma segunda e por vezes uma terceira letra para identificar a configuração das flanges, por exemplo, NJ, NU, NUP; as designações de rolamentos de duas ou de múltiplas carreiras de rolos cilíndricos começam sempre com NN. NA - Rolamentos de agulhas com dimensões limite da ISO 15. NK - Rolamentos de agulhas QJ - Rolamentos de esferas de quatro pontos de contato T - Rolamentos métricos de rolos, algumas dimensões métricas de acordo com a ISO

24 Símbolos dos furos 1ª Regra: Para rolamentos fixos de uma carreira de esferas pequenos e miniaturas (diâmetro de 1 à 9 mm). O número de identificação é composto por 3 dígitos, sendo que o último dígito indica a dimensão do furo em milímetros. 601 : = 1 mm; 602 : = 2 mm; 609 : = 9 mm. 2ª Regra: Para as quatro dimensões a seguir, a regra é fixa, ou seja: xx00 : = 10 mm; xx01 : = 12 mm; xx02 : = 15 mm xx03 : = 17 mm. 3ª Regra: Para furos acima de 20 mm, têm-se uma regra, na qual basta multiplicar os dois últimos dígitos por 5. xx04 : = 20 mm (04 x 5); xx05 : = 25 mm; xx96 : = 480 mm. 4ª Regra: Para furos maiores que 480 mm, após a série dimensional, acrescenta-se uma barra ( / ) e a dimensão nominal do diâmetro interno. xx/500 : = 500 mm; xx/1800 : = 1800 mm; xx/7800 : = 7800 mm.

25 Exemplos de Identificação 1) NU310 NU Rolamento de rolos cilíndricos; 3 - Série de diâmetros 3; 10 - Diâmetro interno de 50 mm (10 x 5). 2) Rolamentos rígidos de uma carreira de esferas; 3 - Série de diâmetros 3; 10 - Diâmetro interno de 50 mm (10 x 5).

26 4. Defeitos comuns dos rolamentos. Fadiga superficial dos elementos rolantes ou aros (pistas). É a deterioração mais freqüente e se deve à existência de grandes esforços de contato que se manifestam de forma cíclica. Ruptura dos elementos rolantes ou aros. Para condições normais de exploração, mas em caso de sobrecargas, ou problemas de alinhamento em rolamentos de rolos. Desgaste dos elementos rolantes ou aros, para condições ambientais onde há grande quantidade de materiais abrasivos. Deformação plástica dos elementos rolantes ou aros. Geralmente se produzem pela aplicação de cargas superiores às máximas permissíveis dos rolamentos, para baixas velocidades. Destruição das jaulas. produz-se para grandes velocidades de rotação, vibrações, desalinhamentos.

27 5. Critérios de seleção. Segundo o tipo de rolamento: devem tomar em conta os seguintes aspectos: Magnitude e direção das cargas. Velocidade de giro Necessidade de deslocamento dos apoios. Dimensões radiais e axiais. Auto alinhamento Lubrificantes a empregar Rigidez Formas de montagem e desmonte a aplicar. Se empregarão como critérios fundamentais para a seleção os critérios de capacidade de carga estática e Capacidade de carga dinâmica. A seleção de rolamentos segundo o critério de capacidade de carga estática se realiza quando a freqüência de rotação deste é menor de 10 rpm (velocidade de rotação muito lenta). Em caso contrário se emprega o critério de capacidade de carga dinâmica, se o rolamento permanecer nas paradas e arranques sob o efeito da carga deve realizarse adicionalmente a comprovação a capacidade de carga estática.

28 5.1 Critério de capacidade de trabalho de carga estática. Chama-se capacidade de carga estática ao valor de força (CO), que produz entre os elementos rolantes e a pista, no ponto de contato, uma deformação (marca do penetrador Brinell) de um: diâmetro da marca 0,0001 d CORPOROLANTE. Para garantir que a carga aplicada sobre o rolamento não afeta seu funcionamento se deve verificar que o fator de segurança (fs) seja maior que o recomendado: fs > fs RECOMENDADO

29 Cálculo do fator de segurança: fs: Fator de segurança fs= Co Po Co: Capacidade de carga estática. Este valor estão disponíveis nos catálogos de rolamentos. Po: Carga radial equivalente. É a carga radial que simula o efeito da combinação de carga axial e radial no rolamento. Po = xo Fr + yo Fa xo: Fator de carga radial. yo: Fator de carga axial. Fr: Força radial. Fa: Força axial.

30 Tabela: Fator fs RECOMENADADO para rolamentos em rotação. Tabela: Fator fs RECOMENDADO para rolamentos sem rodar.

31 5.2 Critério de capacidade de trabalho de carga dinâmica. A fadiga superficial é a deterioração mais frequente sempre que o rolamento esteja bem lubrificado, protegido da sujeira e a entrada de corpos estranhos, sobrecarrega etc. A fadiga superficial, reconhecida como uma picada nas pistas ou os elementos rolantes do rolamento, dá-se pela ação repetida de tensões cíclicas de contato, que origina um ponto de falha no material, propiciando a formação de uma trinca e consequente escoriação superficial (descascado) depois de um número determinado de ciclos de carga. Por definição se estabelece, que a Capacidade de Carga Dinâmica de um rolamento é a força que pode suportar um rolamento que girou 1 milhão de ciclos sem que apareça a fadiga superficial com 90% de confiabilidade (quer dizer: em um lote de 100 rolamentos é admissível que 10 falhem a picada).

32 Para calcular a duração de um rolamento com qualquer carga aplicada se emprega a seguinte relação: L 10 C = P P L 10 - Duração de um rolamento submetido a uma carga sem que ocorra a fadiga superficial em um tempo menor a 1 milhão de ciclos com 90% de confiabilidade. [Milhões de ciclos] C - Capacidade de carga dinâmica. [N] p - Expoente de duração. (p = 3 Rolamentos de bolas, p= 1/3 rolos) P - Força radial equivalente. É a força radial que simula o efeito da combinação das cargas axiais e radiais no rolamento. [N]. P = x Fr + y Fa x : Fator de carga radial. y : Fator de carga axial. Fr : Força radial. Fa : Força axial.

33 É aceito que um rolamento garante a capacidade de carga dinâmica nominal quando: L 10 > L nec L 10 Duração do rolamento para o 90% de confiabilidade. [Milhões de ciclos] L nec Duração necessária. [Milhões de ciclos] L nec n 60 Lna = 6 10 L na - Duração necessária em horas. n - Freqüência de rotação nominal (rpm).

34 5.4 Seleção de rolamentos de bolas rígidos. Exemplo. Calcular a vida útil em milhões de ciclos dos rolamentos com uma confiabilidade de 90%, designação 6306, sobre a árvore atua um força axial igual a 1120N e em cada um uma força radial de 3 400N, os rolamentos giram a 1000 rpm e estão, lubrificados com um óleo ISO VG 70. A temperatura de trabalho é 70ºC. Ver o esquema: Designação: (bolas) Largo Médio d=30mm Como n >10 rpm então se deve calcular a vida útil usando o critério de seleção para cargas dinâmicas. O rolamento A suporta a carga radial e toda a carga axial da árvore, já que o rolamento B é flutuante como se pode observar na figura.

35 Cálculo de vida útil do rolamento A. Fr = 3400 N Fa = 1120 N (http://skfprod2.skf.com/) D =72 mm, d =30 mm, C =29600 N, C0=16000 N, B = 19 mm

36 L nec = C P P a 1 a 23 p = 3 (rolamento de esferas) [p - Expoente de duração. (p = 3 Rolamentos de esferas, p = 1/3 rolos)] a1 = 1... da tabela.

37 Determina-se a 23 : Calcula-se a relação de viscosidade: χ = υ υ 1 Para determinar a viscosidade do lubrificante á temperatura de trabalho (ν) da tabela: interpolando: ν = 21,5 mm 2 /s

38 Para determinar a viscosidade cinemática (ν1) usa-se o seguinte gráfico: Com dm = 51 mm e n = 1000 rpm ν 1 = 19,9 mm 2 /s

39 χ = 21,5 = 1,08 19,9 a 23 = 1 obtido do gráfico.

40 Cálculo da força radial equivalente (P): Determinar os fatores x e y pela tabela: P = x Fr + y Fa Fa Co = 1120 = ,07 e = 0,27 Fa Fr 1120 = = ,329 Fa Fr e Então: x = 0,56 e y = 1,6

41 P = 0,56 (3400) + 1,6 (1120) P = 3696 N Lnec = 29600N Lna = 513,66 milhões de ciclos L na Lnec 106 = n 60 Lna = 8561 horas

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Mancais: São elementos de máquinas que suportam eixo girante, deslizante ou oscilante. São classificados em mancais de: Deslizamento

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA (APOIO, ELÁSTICO E VEDAÇÃO) Notas de Aulas v.2015 ELEMENTOS DE APOIO BUCHAS Radial Axial Cônica ELEMENTOS DE APOIO BUCHAS ELEMENTOS DE

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

ÍNDICE 1. ROTEIRO PARA SELEÇÃO DE ROLAMENTOS...2

ÍNDICE 1. ROTEIRO PARA SELEÇÃO DE ROLAMENTOS...2 ÍNDICE 1. ROTEIRO PARA SELEÇÃO DE ROLAMENTOS...2 1.1. NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO DO ROLAMENTO.... 2 1.1.1. Séries Dimensionais:... 2 1.1.2. Símbolos das Séries de Rolamentos... 2 1.1.3. Símbolos de Furo...

Leia mais

MANCAIS 24/09/13. Depto. Eng. Mecânica / UFPE - Elementos de Máquinas- Prof. José Maria Barbosa

MANCAIS 24/09/13. Depto. Eng. Mecânica / UFPE - Elementos de Máquinas- Prof. José Maria Barbosa MANCAIS 1 Mancais de Rolamentos Nomenclatura Definição: tipo de mancal em que a carga principal é transferida por meio de elementos em contato por rolamento. 2 Mancais de Rolamentos - Objetivos 1. Identificar

Leia mais

Rolamentos de esferas Rolamentos de rolos Caixas Acessórios. Rolamentos. Rolamentos FAG Ltda.

Rolamentos de esferas Rolamentos de rolos Caixas Acessórios. Rolamentos. Rolamentos FAG Ltda. Rolamentos FAG Rolamentos de esferas Rolamentos de rolos Caixas Acessórios Rolamentos Rolamentos FAG Ltda. Catálogo WL 41 520/3 P Designações, iniciadas com números Página 10 Rolamento autocompensador

Leia mais

Batentes. Batente de esferas 378. Batentes autocompensadores de rolos 384

Batentes. Batente de esferas 378. Batentes autocompensadores de rolos 384 Batente de esferas 378 Definições e aptidões 378 Séries 378 Tolerâncias 379 Elementos de cálculo 379 Elementos de montagem 379 Características 380 Batente de esferas de efeito simples 380 Batentes autocompensadores

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos para Todas as Necessidades da Sua Usina A Solução Perfeita para Qualquer Aplicação Com suas duas fortes marcas, INA e FAG, a qualidade

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE PEÇAS VOLVO SCANIA IVECO. Rolamentos Causas e Soluções

DISTRIBUIDORA DE PEÇAS VOLVO SCANIA IVECO. Rolamentos Causas e Soluções Rolamentos e Oxidação e corrosão A superfície se torna parcial ou totalmente oxidada e ocasionalmente o óxido também se apresenta ao longo das linhas dos passos dos corpos rolantes. Condições inadequadas

Leia mais

Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA

Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA Rolamento autocompensador de rolos esféricos de alta performance com maior capacidade de carga Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA

Leia mais

1. Estruturas e tipos de rolamentos

1. Estruturas e tipos de rolamentos 1. Estruturas e tipos de rolamentos 1-1 Estrutura Os rolamentos normalmente consistem de anéis de rolamento, elementos de rolagem e uma gaiola (veja Fig. 1-1). Os elementos de rolagem são dispostos entre

Leia mais

Acoplamento Altamente Elástico

Acoplamento Altamente Elástico Acoplamento Altamente Elástico Spxpt 04/02 GENERALIDADES Acoplamentos altamente elásticos Speflex modelos SPA e SPG O acoplamento VULKAN SPEFLEX é constituído de um elemento altamente elástico em borracha

Leia mais

UNIÕES DE ACOPLAMENTO

UNIÕES DE ACOPLAMENTO UNIÕES DE ACOPLAMENTO Cat 012 - Out 2015 1 / 11 "GIFLEX" GE-T A aplicação industrial de acoplamentos elásticos tem por objectivo absorver ou atenuar eventuais irregularidades de rotação originadas pelo

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ESTUDO DE METODOLOGIAS DE MONTAGEM DE ROLAMENTOS EM EIXOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ESTUDO DE METODOLOGIAS DE MONTAGEM DE ROLAMENTOS EM EIXOS CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ESTUDO DE METODOLOGIAS DE MONTAGEM DE ROLAMENTOS EM EIXOS CURITIBA 2007 ALBERTO CASTANHEIRA SANTOS JEFFERSON MARQUES LEANDRO EVER DA COSTA TERRA ESTUDO DE METODOLOGIAS DE

Leia mais

Mancais de Rolamento. Prof. Alan Christie da Silva Dantas

Mancais de Rolamento. Prof. Alan Christie da Silva Dantas Mancais de Rolamento Prof. Alan Christie da Silva Dantas O que são? Mancais de apoio onde o esforço principal é transmitido através de um elemento de contato rolante, O atrito inicial e o atrito de serviço

Leia mais

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9 Ler atentamente e respeitar o manual de operação. A inobservância pode causar avarias de funcionamento ou a falha do limitador de torque, bem como os danos associados. Índice Página 1: - Índice - Símbolos

Leia mais

Rolamentos de rolos cônicos

Rolamentos de rolos cônicos Rolamentos de rolos cônicos Rolamentos de rolos cônicos 314 Definições e aptidões 314 Séries 315 Variantes 315 Tolerâncias e jogos 316 Elementos de cálculo 318 Elementos de montagem 320 Prefixos e sufixos

Leia mais

Rolamentos de Rolos Cilíndricos

Rolamentos de Rolos Cilíndricos Rolamentos de Rolos Cilíndricos Tolerância Página 52 Folga interna Página 64 axial Página 34 Modelos e Formatos Os Rolamentos de Rolos Cilíndricos NACHI são produzidos em uma larga variedade de projetos

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

Dimensões 01深溝玉.indd 138 01深溝玉.indd 138 2007/08/22 16:27:39 2007/08/22 16:27:39

Dimensões 01深溝玉.indd 138 01深溝玉.indd 138 2007/08/22 16:27:39 2007/08/22 16:27:39 Dimensões Rolamento Fixo de Esferas Precisão Página 52 Folga interna Página 64 Dimensões de anel de retenção Página 45 Devido à sua versatilidade, o Rolamento Fixo de Esferas de Uma Carreira é o tipo

Leia mais

Conceitos essenciais sobre mancais de rolamento e de deslizamento

Conceitos essenciais sobre mancais de rolamento e de deslizamento Conceitos essenciais sobre mancais de rolamento e de deslizamento Débora Ariana Correa da Silva Érika Barbosa dos Santos Prof. Dr. Ulysses de Barros Fernandes Tecnologia em Mecatrônica Industrial Faculdade

Leia mais

Utilizem sempre peças originais, para que possam ter garantida a performance e vida útil do seu equipamento. ALGODEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA

Utilizem sempre peças originais, para que possam ter garantida a performance e vida útil do seu equipamento. ALGODEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA ALGODEN INSTRUÇÕES GERAIS Antes de colocar em operação o equipamento, este deve funcionar em vazio durante algum tempo. Neste período deve se dar atenção nos diferentes pontos de lubrificação. Durante

Leia mais

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SNH www.fcm.ind.br Caixas SNH Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução parcial

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM...

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM... Motores H-Compact COMPACTO, REFRIGERAÇÃO EFICIENTE A importância crescente da economia de energia, dos requerimentos ambientais, da procura por dimensões menores e das imposições dos mercados nacionais

Leia mais

Um especialista em manutenção preditiva

Um especialista em manutenção preditiva Análise de vibrações A UU L AL A Um especialista em manutenção preditiva foi chamado para monitorar uma máquina em uma empresa. Ele colocou sensores em pontos estratégicos da máquina e coletou, em um registrador,

Leia mais

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos CAT. No. 9211 P NTN NTN Produtos que trazem benefícios em várias aplicações Equipamentos de siderurgia pertencem a grandes linhas que operam 24 horas por dia,

Leia mais

Esferas de 4 pontos de contato. Combinados. Regular Bom Bom Bom precário Regular Bom Muito bom. Dois sentidos. Dois sentidos

Esferas de 4 pontos de contato. Combinados. Regular Bom Bom Bom precário Regular Bom Muito bom. Dois sentidos. Dois sentidos Seleção do tipo de rolamento Para escolher o tipo de rolamento mais apropriado a uma determinada aplicação é preciso observar suas características próprias, mas, na maioria dos casos, são tantos os fatores

Leia mais

Introdução. elementos de apoio

Introdução. elementos de apoio Introdução aos elementos de apoio A UU L AL A Esta aula - Introdução aos elementos de apoio - inicia a segunda parte deste primeiro livro que compõe o módulo Elementos de máquinas. De modo geral, os elementos

Leia mais

Industry. SNR, a solução concreta para suas aplicações

Industry. SNR, a solução concreta para suas aplicações Industry SNR, a solução concreta para suas aplicações Suas exigências e nosso savoir-faire: uma mistura homogênea O cimento, na forma de concreto, está presente em todos os lugares. Todo nosso ambiente

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O acoplamento ACRIFLEX AD, consiste em dois flanges simétricos inteiramente usinados, pinos de aço com superfícies retificadas e buchas amortecedoras de borracha nitrílica à prova

Leia mais

Rolamentos de Rolos Cônicos

Rolamentos de Rolos Cônicos Rolamento de rolos Rolamento de duas carreiras de rolos cônicos Rolamento de quatro carreiras de rolos cônicos 1. Tipos, qualidades e características Os rolamentos de rolos cônicos são construídos de tal

Leia mais

- Índice. - Indicações de segurança - Símbolos de segurança e de aviso - Vistas do limitator de torque (variantes)

- Índice. - Indicações de segurança - Símbolos de segurança e de aviso - Vistas do limitator de torque (variantes) Ler atentamente e respeitar o manual de operação. A inobservância pode causar avarias de funcionamento ou a falha do limitador de torque, bem como os danos associados. Índice Página 1: Página 2: Página

Leia mais

TREINAMENTOS TÉCNICOS

TREINAMENTOS TÉCNICOS 0000 TREINAMENTOS TÉCNICOS TEÓRICOS E PRÁTICOS CONHECIMENTO.TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA SUA EMPRESA A Empresa Ao longo dos 19 anos de sua existência, a PRIMEIRA LINHA COMERCIAL DE ROLAMENTOS LTDA, tem direcionado

Leia mais

Mancais e Rolamentos BRM

Mancais e Rolamentos BRM 7 - Seleção de Rolamentos O tamanho do rolamento a ser utilizado em uma determinada aplicação é selecionado a princípio com base em sua capacidade de carga em relação às cargas a serem aplicadas e as necessidades

Leia mais

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda Caixas SNH e SN30 Fábrica de Mancais Curitiba Ltda SNH As caixas de rolamentos com base SNH foram projetadas para possibilitar maior flexibilidade na escolha do rolamento, vedação e lubrificação. Foram

Leia mais

Qu e f a z j u s a o s e u n o m e

Qu e f a z j u s a o s e u n o m e Ma n c a i s Co m p l e t o s ISN Do d g e Ma n c a i s Completos ISN DODGE Conjuntos Montados com Rolamentos Autocompensadores de Rolos Qu e f a z j u s a o s e u n o m e Há mais de 125 anos, a marca

Leia mais

Ferramentas de manutenção

Ferramentas de manutenção Ferramentas de manutenção Menos atrito. Mais soluções. Com mais de 100 anos de experiência em tecnologia de rolamentos, a Timken compreende a importância dos procedimentos de manutenção adequados para

Leia mais

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO Cassetes Os cassetes laminadores são micro cadeiras de laminação, que substituem as fieiras nas máquinas de trefilação. Seu surgimento no

Leia mais

Vedação => TC. Vedação => TA. Vedação => TG. Vedação => TS

Vedação => TC. Vedação => TA. Vedação => TG. Vedação => TS Montagem das caixas SNHL Vedação => TC Vedação => TA Vedação => TG Vedação => TS Burger S/A Industria e Comércio Técnica/di 15/05/2009 66 Vedação TC Vedadores de Feltro TC Os vedadores são constituídos

Leia mais

Fundamentos dos rolamentos A-1

Fundamentos dos rolamentos A-1 Fundamentos dos rolamentos A-1 Fundamentos dos rolamentos Fundamentos dos rolamentos Índice Seleção de rolamentos... página A-3 Capacidades de carga e vida útil... página A-11 Lubrificação... página A-17

Leia mais

Goulds 3600. Bombas multicelulares divididas axialmente entre rolamentos

Goulds 3600. Bombas multicelulares divididas axialmente entre rolamentos Bombas multicelulares divididas axialmente entre rolamentos Goulds Pumps Uma empresa líder em soluções de pacotes de bombas projetadas segundo normas do API Liderança comprovada em API A ITT Goulds Pumps

Leia mais

Descrição B. Cilindro sensor PD 40..

Descrição B. Cilindro sensor PD 40.. Descrição B Cilindro sensor PD 40.. PT 1. Segurança 2 2. unção 3 3. Transporte 8 4. Montagem 8 5. Instalação 9 6. Comissionamento 10 7. uncionamento/operação 10 8. Eliminação de falhas / Reparação 11 9.

Leia mais

EVERYWHERE YOU TURN TM

EVERYWHERE YOU TURN TM EVERYWHERE YOU TURN Proposta de valor Vida útil prolongada* Lubrificação em áreas múltiplas Recurso dinâmico de alinhamento Livre de manutenção sem necessidade de relubrificação diária Economize tempo

Leia mais

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos ACRIFLEX AG são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência

Leia mais

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 257 33. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 33.1. Introdução As peças que serão retificadas, normalmente, chegam à retificadora com um sobremetal

Leia mais

Todos nós temos muito em comum, independentemente de vermos isso ou não. Práticas de Papel e Celulose da SKF

Todos nós temos muito em comum, independentemente de vermos isso ou não. Práticas de Papel e Celulose da SKF SKF Communication Segmento Global de Papel Support e Celulose Centre da SKF Volume 2 Nº 6 Setembro de 2012 Práticas de Papel e Celulose da SKF Todos nós temos muito em comum, independentemente de vermos

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 3 Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 Substitui: Dezembro/2000 Página 1 de 14 Introdução: As Rodas Scotch-Brite C&P (Cutting & Polishing) são um eficiente e econômico produto

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado

Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado Disciplina: ELEMENTOS DE MÁQUINAS Professor Me. Claudemir Claudino Alves PARAFUSOS - Entre os elementos de união desmontáveis,

Leia mais

Preparativos Antes da Montagem

Preparativos Antes da Montagem Preparativos Antes da Montagem Manter o local da montagem seco e livre de poeira. Observar a limpeza do eixo, alojamento e das ferramentas. Organizar a área de trabalho. Selecionar as ferramentas adequadas

Leia mais

Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO

Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO A globalização hoje se estende no mundo em todos os seus setores e mais do que nunca na indústria mundial, seja

Leia mais

Rolamentos para a Indústria de Mineração

Rolamentos para a Indústria de Mineração Rolamentos para a Indústria de Mineração Tecnologia NSK líder de mercado para aplicações em mineração para prolongar a vida do rolamento e reduzir custos de manutenção e tempo de parada. Aumento da Produção

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX MN

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX MN CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência a abrasão.

Leia mais

NSK Bearing Doctor. Diagnóstico Rápido de Ocorrências em Rolamentos. Obtenha a máxima performance. Diagnóstico Rápido de Falhas de Rolamentos

NSK Bearing Doctor. Diagnóstico Rápido de Ocorrências em Rolamentos. Obtenha a máxima performance. Diagnóstico Rápido de Falhas de Rolamentos NSK Bearing Doctor Diagnóstico Rápido de s em Rolamentos Diagnóstico Rápido de Falhas de Rolamentos Obtenha a máxima performance. Este catálogo contém informações sobre o correto manuseio de rolamentos,

Leia mais

ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE BANCADA DIDÁTICA PARA BALANCEAMENTO ESTÁTICO E DINÂMICO DE ROTORES

ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE BANCADA DIDÁTICA PARA BALANCEAMENTO ESTÁTICO E DINÂMICO DE ROTORES ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE BANCADA DIDÁTICA PARA BALANCEAMENTO ESTÁTICO E DINÂMICO DE ROTORES Sandro E. L. da Silva sandroels@bol.com.br Antonio A. Silva almeida@dem.ufcg.edu.br Marco A. da S. Irmão

Leia mais

Acoplamentos elásticos. eflex. www.aciobras.com.br

Acoplamentos elásticos. eflex. www.aciobras.com.br Acoplamentos elásticos eflex www.aciobras.com.br Os acoplamentos elásticos EFLEX com garras, tipos EA, GA e HA, são utilizados na ligação de eixos rotativos, com desalinhamentos normalmente inevitáveis,

Leia mais

Treinamentos técnicos

Treinamentos técnicos Treinamentos técnicos CONHECIMENTO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO A Empresa Ao longo dos 18 anos de sua existência, a PRIMEIRA LINHA COMERCIAL DE ROLAMENTOS LTDA, tem direcionado seu crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Aula 12: Rolamentos Mancais Rolamentos

Aula 12: Rolamentos Mancais Rolamentos Aula 12: Rolamentos Mancais Rolamentos Mancal é um suporte de apoio de eixos e rolamentos que são elementos girantes de máquinas. Os mancais classificam-se em duas categorias: mancais de deslizamento mancais

Leia mais

Alta Performance no Controle de Vazão e Pressão de Óleo dos Mancais dos Ventiladores. Círculo de controle de qualidade Usinas de Pelotização I a IV

Alta Performance no Controle de Vazão e Pressão de Óleo dos Mancais dos Ventiladores. Círculo de controle de qualidade Usinas de Pelotização I a IV Alta Performance no Controle de Vazão e Pressão de Óleo dos Mancais dos Ventiladores. Círculo de controle de qualidade Usinas de Pelotização I a IV Vitória Espirito Santo. USINA DE PELOTIZAÇÃO FORNO DE

Leia mais

Caminhões basculantes. Design PGRT

Caminhões basculantes. Design PGRT Informações gerais sobre caminhões basculantes Informações gerais sobre caminhões basculantes Os caminhões basculantes são considerados como uma carroceria sujeita à torção. Os caminhões basculantes são

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX MSN são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido nodular, e um elemento poliuretano alojado entre eles

Leia mais

Material para Produção Industrial. Ensaio de Compressão. Prof.: Sidney Melo 8 Período

Material para Produção Industrial. Ensaio de Compressão. Prof.: Sidney Melo 8 Período Material para Produção Industrial Ensaio de Compressão Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 Embora em alguns textos se trate o comportamento na compressão pelos parâmetros do ensaio de tração (e.g. na aplicação

Leia mais

Rolamentos Autocompensadores de Rolos

Rolamentos Autocompensadores de Rolos Rolamentos Autocompensadores de Rolos HPS, redefinindo padrões. Diagnóstico Rápido de Falhas de Rolamentos Obtenga un desempeño máximo. red Maior vida útil Tecn de D Exclusivo através d analítica Tecnologia

Leia mais

Transmissões de Potência

Transmissões de Potência Transmissões de Potência PMR 2201 Transmissões O emprego de transmissões torna-se necessário para compatibilizar a velocidade angular ou conjugado da máquina motriz com a necessidade da máquina acionada,

Leia mais

Polias, Correias e Transmissão de Potência

Polias, Correias e Transmissão de Potência Polias, Correias e Transmissão de Potência Blog Fatos Matemáticos Prof. Paulo Sérgio Costa Lino Maio de 2013 Introdução Figura 1: Esquema de duas polias acopladas através de uma correia As polias são peças

Leia mais

Visão geral do Guia de seleção do limitador de torque. Limitadores de torque Autogard Guia de seleção

Visão geral do Guia de seleção do limitador de torque. Limitadores de torque Autogard Guia de seleção Visão geral do Guia de seleção do limitador de torque Limitadores de torque Guia de seleção Limitadores de torque Há mais de 80 anos, a tem sido líder no setor de proteção contra sobrecargas em equipamentos,

Leia mais

Vazão. 7.1 Introdução

Vazão. 7.1 Introdução Cap. 7 Medição de 7.1 Introdução Vazão Existem diversos tipos de medidores de vazão de escoamento, sendo que a escolha de um tipo dependerá das condições necessárias ao sistema, como por exemplo, a faixa

Leia mais

Industry. SNC: Linha de mancais bipartidos para sua aplicação

Industry. SNC: Linha de mancais bipartidos para sua aplicação Industry SNC: Linha de mancais bipartidos para sua aplicação ÍndicePágina Geral Prefácio 2 O conceito dos mancais de rolamento SNR 3 Princípios de desenvolvimento 5 Detalhes estruturais 6 Denominações

Leia mais

Prefácio. As capacidades de carga básica estática em função da ISO 76-1987 estão com novos valores.

Prefácio. As capacidades de carga básica estática em função da ISO 76-1987 estão com novos valores. R o l a m e n t o s Prefácio As recentes necessidades em relação aos mecanismos dos mais diversos tipos de máquinas que utilizam os rolamentos, cada vez mais aumentam e diversifi cam-se. Conseqüentemente,

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA)

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX CR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

Mancais de rolamento I

Mancais de rolamento I A UU L AL A Mancais de rolamento I Um mecânico de manutenção, ao iniciar a desmontagem de um conjunto mecânico, constatou a existência de uma série de rolamentos. Examinando os rolamentos, verificou que

Leia mais

WEGeuro Indústria Eléctrica S.A. Manual de Instruções. Motores Assíncronos Trifásicos à Prova de Explosão

WEGeuro Indústria Eléctrica S.A. Manual de Instruções. Motores Assíncronos Trifásicos à Prova de Explosão Ref. 110.15 - Rev 00 04/2011 Manual de Instruções Motores Assíncronos Trifásicos à Prova de Explosão Ref. 110.15 Rev. 00 04/2011 2 Manual de Instruções Motores Assíncronos Trifásicos à prova de explosão

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS)

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS) ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX GR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda.

International Paper do Brasil Ltda. International Paper do Brasil Ltda. Autor do Doc.: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Técnicas de Inspeção, Montagem, uso de Rebolos ( Esmeris

Leia mais

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Página CILINDROS... 150 Inspeção e medição... 150 Retificação de cilindros... 150 Acabamento... 151 Limpeza... 151 MANCAIS DE MOTOR... 152 Mancal

Leia mais

Chaves e soquetes. Ajuste fixo: eixos cônicos. Chaves de gancho série HN da SKF. O raio exato da chave reduz o risco de danos à porca

Chaves e soquetes. Ajuste fixo: eixos cônicos. Chaves de gancho série HN da SKF. O raio exato da chave reduz o risco de danos à porca Chaves e soquetes Chaves e soquetes Ajuste fixo: eixos cônicos Os rolamentos montados em eixos cônicos obtêm o ajuste fixo quando atingem o local certo de fixação no eixo cônico. Deve-se tomar muito cuidado

Leia mais

PINOFLEX-NP 2009/01 ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRA-RECUOS DENFLEX - NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN

PINOFLEX-NP 2009/01 ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRA-RECUOS DENFLEX - NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRARECUOS DENFLEX NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN PINOFLEXNP SPEFLEX N VULBRAFLEX VB VULKARDAN E VULMEX 2009/01 GENERALIDADES Os acoplamentos

Leia mais

RALAS JOST. Manual de Montagem, Operação e Manutenção MODELOS KLK HE, KLK SO E KDL 900

RALAS JOST. Manual de Montagem, Operação e Manutenção MODELOS KLK HE, KLK SO E KDL 900 Manual de Montagem, Operação e Manutenção RALAS JOST MODELOS KLK HE, KLK SO E KDL 900 GB E Installation and operating instructions for TURNTABLES SERIES KLK HE, KLK SO AND KDL 900 Instrucciones de montaje

Leia mais

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha A U A UL LA Buchas Introdução Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se que a primeira roda tenha sido um tronco cortado em sentido transversal. Com a invenção da roda, surgiu, logo depois, o eixo. O

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

O que é Integração das Técnicas de Monitoramento?

O que é Integração das Técnicas de Monitoramento? Análise de Vibração + Análise de Óleo O que é Integração das Técnicas de Monitoramento? Programas atuais de monitoramento da gestão das condições de ativos que desejam avançar rumo a uma verdadeira "Manutenção

Leia mais

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1 BOMBAS: 1. Bombas e Motores As bombas hidráulicas são o coração do sistema, sua principal função é converter energia mecânica em hidráulica. São alimentadas

Leia mais

Conectores Elétricos Rotativos

Conectores Elétricos Rotativos Conectores Elétricos Rotativos Serior aos coletores escovas convencionais Blindado com rolamentos de esferas Maior confiabilidade, livre de manutenção Livre de ruídos elétricos Resistência de condução

Leia mais

1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES

1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES 1 1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES 1.1 - Introdução As correntes fazem parte das transmissões flexíveis, conjuntamente com as correias. Apresentam menor capacidade de absorção de choques em virtude de sua

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

Caixas para rolamentos e

Caixas para rolamentos e Caixas para rolamentos e acessórios Série SNN e Série SD NSK, sua provedora de soluções Os números e sua história comprovam o sucesso A NSK é uma das líderes mundiais na fabricação de rolamentos: com 62

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

Projeto de Implantação. Gerenciamento da Lubrificação

Projeto de Implantação. Gerenciamento da Lubrificação Projeto de Implantação Gerenciamento da Lubrificação 1 1) Elaboração do Plano de Lubrificação 1.1) Levantamento dos dados em campo Nesta Fase fizemos todas as consultas aos manuais dos equipamentos, confrontamos

Leia mais

4 pólos (n = 1800 rpm) 8 pólos (n = 900 rpm) 1,5 2,2 3,0 3,7 4,4 5,5 7,5 9,2 11,0 15,0 18,5 22,0 30,0 37,0 45,0 55,0 75,0 92,0 110,0

4 pólos (n = 1800 rpm) 8 pólos (n = 900 rpm) 1,5 2,2 3,0 3,7 4,4 5,5 7,5 9,2 11,0 15,0 18,5 22,0 30,0 37,0 45,0 55,0 75,0 92,0 110,0 VULBRAFLEX VB GENERALIDADES O VULBRAFLEX é um acoplamento flexível e torcionalmente elástico. Sua flexibilidade permite desalinhamentos radiais, axiais e angulares entre os eixos acoplados e ainda, sendo

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200 Manual de Montagem, Operação e Manutenção Aparelho de Levantamento Série B200 Português Índice Página 1 Aplicação e características gerais 1 Aplicação e características gerais 3 1.1 Aplicação 3 1.2 Características

Leia mais

Bomba Multestágio Bipartida Axialmente

Bomba Multestágio Bipartida Axialmente Linha BCI Alta Pressão Bomba Multestágio Bipartida Axialmente A IMBIL amplia sua linha de bombas engenheradas, disponibilizando ao mercado uma linha de bomba multiestagio bi-partida axialmente com o que

Leia mais