GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R"

Transcrição

1 Tipo separado de guia linear (radial) modelo Trilho com cremalheira Recirculador Raspador Bloco Diagrama de Seleção A Posições de montagem Opcionais Codificação Precauções de uso Acessórios para lubrificação A Procedimento de montagem e manutenção B Fator de momento equivalente A Cargas nominais todas as direções A Fator equivalente em cada direção A Padrões de precisão A Altura do encosto da base de montagem e do raio de alívio Erro permitido na superfície de montagem Dimensões de cada modelo com opcionais

2 Estrutura e características As esferas rolam em duas pistas com grau de precisão retífi cada em um trilho e um bloco. Os recirculadores incorporados ao bloco permitem a circulação das esferas. Como as placas de retenção seguram as esferas, elas não caem. Como a superfície superior do bloco é inclinada, pode-se eliminar folgas e aplicar uma pré-carga por meio da fixação do bloco com os parafusos de montagem. O modelo é baseado no modelo GSR, com a diferença de ter cremalheira no trilho. Isso facilita o projeto e a montagem de mecanismos de propulsão. * O modelo não pode ser usado em aplicações de eixo único. Redução dos custos de usinagem e montagem A estrutura de peça única que integra o trilho (guia linear) e a cremalheira (propulsão) reduz a mão- -de-obra e o tempo necessário para usinar a superfície de montagem da cremalheira e para montar e ajustar o sistema da guia, proporcionando uma signifi cativa redução do custo. Guia Linear Projeto fácil A distância percorrida a cada volta do pinhão é especifi cada por um valor inteiro. Isso facilita o cálculo da distância percorrida por pulso quando a guia linear é usada com um motor de passo ou um servomotor. Economia de espaço Como o trilho tem uma cremalheira, o tamanho da máquina pode ser reduzido. Curso longo As faces terminais do trilho são usinadas para uso em junções. Para obter um curso longo, bastar unir trilhos de comprimento padrão. Alta durabilidade A largura do dente da cremalheira é igual à altura do trilho, a cremealheira usa aço de alta qualidade com desempenho comprovado e a superfície do dente recebe um tratamento térmico a fi m de garantir alta durabilidade.

3 Tipos e recursos (trilho com cremalheira) Tabela de especificações Como a carga axial sobre o eixo do pinhão pode ser mantida em um nível baixo devido ao deslizamento do cremalheira-pinhão, é fácil projetar sistemas com mesas e mancais de eixo do pinhão que não sejam tão rígidos.

4 Guia Linear

5 P Rh 4-S l C W B B1 E L L1 M1 M2 T K M M1 h φ d2 N W4 W1 W0 W2 H3 φ d1 F GSR-T-R Cremalheira Dimensões externas Dimensão de Altura da Módulo linha do Altura Largura passo de passo referência Comprimento Dimensões do bloco Niple de lubrifi cação GSR 25V-R GSR 25T-R Codificação do número do modelo Guia linear de trilho único P Rh M W W 0 L B 1 B C S l L 1 T K N E H 3 6 1, , ,2 M ,7 25, B-M6F 4,6 60,2 GSR 30T-R 8 2, , M ,3 14,6 28, B-M6F 4,5 GSR 35T-R 10 3, , M ,3 15,6 32, B-M6F 5,5 Nota) Um tipo especial com um passo de módulo também está disponível. Para obter detalhes, entre em contato com a THK. Para verifi car a resistência do pinhão, consulte. GSR25T 2 UU +5000L H R T Nº de blocos Símbolo do raspador contra contaminação (*1) Comprimento do trilho (em mm) Símbolo de para trilho unido Símbolo para tipo de trilho com cremalheira R: símbolo para tipo de trilho com cremalheira Símbolo de precisão (*2) Classe normal (sem símbolo)/classe de precisão (H) (*1) Consulte o raspador contra contaminação em. (*2) Consulte A. Nota) Este número de modelo indica que uma unidade de trilho único constitui um conjunto.

6 P Rh 2-S l Guia Linear W B B1 E L L1 M1 M2 T K M M1 h φ d2 N W4 W1 W2 W0 H3 φ d1 F Dimensões do trilho GSR25V-R Capacidade de carga nominal Momento de carga estática permitida kn-m Unidade: mm Massa Largura Altura Passo C C 0 M A M B Bloco Trilho W 1 W 2 W 4 M 1 F M 2 d 1 d 2 a kn kn 44, ,5 16, , Codificação do número do modelo Bloco 15, , bloco 2 blocos 0,102 0,625 0,205 1,11 1 bloco 2 blocos 0,0891 0,541 0,176 0,961 50,55 16, ,8 29,9 0,325 1,77 0,28 1,52 0,6 5,9 60, , , ,1 0,485 2,63 0,419 2,27 1 8,1 Nota) Um momento na direção M C poderá ser sofrido caso sejam usados dois trilhos em paralelo. Contudo, como ele depende da distância entre os dois trilhos, o momento na direção M C é omitido aqui. O comprimento máximo em Comprimento indica o tamanho máximo padrão de um trilho. (Consulte.) Momento de carga estática permitida : 1 bloco: valor do momento de carga estática permitida com 1 bloco 2 blocos: valor do momento de carga estática permitida com 2 blocos em contato próximo um com o outro Clientes que precisem de instalações em parede ou de lubrifi cação a óleo devem entrar em contato com a THK. GSR25T UU Símbolo do raspador contra contaminação (*1) Trilho com cremalheira GSR L H R kg 0,29 0,5 kg/m 4,7 R: símbolo para tipo de trilho com cremalheira Símbolo de precisão (*2) Classe normal (sem símbolo) Classe de precisão (H) (*1) Consulte o raspador contra contaminação em. (*2) Consulte A. Opcionais

7 Comprimento padrão do trilho A Tabela1 mostra os comprimentos padrão do trilho para variações do modelo. G F G L0 Tabela1 Comprimento padrão do trilho para o modelo GSR 25-R GSR 30-R GSR 35-R Trilho Comprimento padrão (L O ) Passo padrão F Unidade: mm G

8 Cremahlheira e pinhão Junção de dois ou mais trilhos As faces terminais do trilho com cremalheira são usinadas de maneira que haja uma folga após a montagem, facilitando-a. O uso de um gabarito especial, como mostra a Fig.1, facilita a conexão. (A THK também oferece o gabarito de alinhamento da cremalheira.) Gabarito de alinhamento da cremalheira Guia Linear Retrabalho do furo do pinhão Apenas os dentes do tipo de diâmetro de furo do pinhão retrabalhável (tipo C) são tratados termicamente. O furo e o rasgo de chaveta podem, portanto, ser retrabalhados pelo usuário até obter o formato e o diâmetro desejados. Quando retrabalhar o furo do pinhão, considere os seguintes pontos. O material do tipo de diâmetro de furo retrabalhável (tipo C): S45C (1) Quando usar um mandril para prender os dentes de um tipo de diâmetro de furo retrabalhável, use um mandril com garras ou equipamento semelhante para manter o perfil do dente. (2) O pinhão é produzido usando o centro do furo como ponto de referência, portanto, esse deve ser o mesmo ponto de referência durante o alinhamento do pinhão. Ao verificar o prolongamento do pinhão, consulte as laterais da saliência. (3) Mantenha o diâmetro do furo retrabalhado dentro de aproximadamente 60 a 70% do diâmetro da saliência. Fig.1 Método de conexão de cremalheiras com garras Mandril Fig.2 Lubrificação da cremalheira e pinhão Para garantir que o deslizamento seja suave sobre as superfícies do dente e para impedir o desgaste, os dentes devem ser lubrifi cados. Nota1) Use um lubrifi cante do mesmo tipo de espessante contido na guia linear. Nota2) Pode ocorrer desgaste imprevisível na cremalheira e no pinhão dependendo das condições de carga e da condição da lubrifi cação. Entre em contato com a THK durante a execução do projeto.

9 Verificação da resistência A resistência da cremalheira e do pinhão montados deve ser verifi cada com antecedência. (1) Calcule o impulso máximo que atuará sobre o pinhão. (2) Divida a capacidade de transmissão de potência permitida do pinhão que será usado ( Tabela1 ) por um fator de sobrecarga ( Tabela2 ). (3) Comparando o impulso atuante sobre o pinhão, obtido na etapa 1, com a capacidade de transmissão de potência do pinhão, obtida na etapa 2, verifi que se o impulso aplicado não excede a capacidade de transmissão de potência permitida. [Exemplo de cálculo] O modelo é usado em um sistema transportador horizontal que recebe um impacto médio (supondo que a carga externa seja igual a zero). Condições Nº de modelo-objeto (pinhão) GP6-20A Massa (mesa + peça) m=100 kg Velocidade v=1 m/s Tempo de aceleração/desaceleração T 1 =0,1 s Consideração (1) Cálculo do impulso máximo O impulso é calculado durante a aceleração/desaceleração. v Fmax m 1,00kN T1 (2) Capacidade de transmissão de potência permitida do pinhão Capacidade de transmissão de potência permitida (consulte a Tabela 1) 2,33 Pmax Fator de sobrecarga 1,25 (consulte a Tabela 2) 1,86kN (3) Comparação entre o impulso máximo e a capacidade de transmissão de potência permitida do pinhão Fmáx<Pmáx Logo, considera-se que o número de modelo-objeto pode ser usado. Tabela1 Capacidade de transmissão de potência permitida Unidade: kn Capacidade de transmissão de potência permitida GP 6-20A 2,33 GP 6-20C 2,05 GP 6-25A 2,73 GP 6-25C 2,23 GP 8-20A 3,58 GP 8-20C 3,15 GP 8-25A 4,19 GP 8-25C 3,42 GP10-20A 5,19 GP10-20C 4,57 GP10-25A 6,06 GP10-25C 4,96 Impacto do motor principal Carga uniforme (motor elétrico, turbina, motor hidráulico etc.) Velocidade (mm/s) V Tabela2 Fator de sobrecarga T1 suportado GSR 25-R GSR 30-R GSR 35-R Impacto da máquina comandada Carga uniforme Impacto médio Impacto grande 1,0 1,25 1,75 Fig.3 (Extraído de JGMA401-01) Tempo (s) T1

10 Exemplo de montagem do modelo com a mesa Parafuso de ajuste da folga (Pinhão) Polia Bloco Guia Linear Pinhão Motor Trilho com cremalheira Motor Correia Parafuso de ajuste da folga (Pinhão, guia linear) Polia Bloco Pinhão Trilho com cremalheira

11 Desenho dimensional da cremalheira e do pinhão Pinhão para cremalheira - tipo A O tipo trabalhado com rasgo de chaveta J K φ A DCPB F E 3-G H φ DH7 φ C Rasgo de chaveta Unidade: mm Número Diâmetro do DCP de Diâmetro Diâmetro Largura Comprimento total G H chaveta modelos Rasgo de Números de Passo de círculo da ponta deslizamento da saliência do furo do dente dentes A B C D E F J K suportados GP 6-20A 20 42, ,5 24,5 M ,8 GSR 25-R GP 6-25A 25 51, GP 8-20A 20 57, M ,3 GSR 30-R GP 8-25A 25 69, M4 GP10-20A 20 70, , M4 5 GSR 35-R GP10-25A 25 86, ,3 Nota1) Ao fazer uma encomenda, especifi que o número do modelo da tabela. Nota2) Pinhões não padrão com números diferentes de dentes também estão disponíveis mediante encomenda. Para obter detalhes, entre em contato com a THK.

12 Pinhão para cremalheira - tipo C O tipo de diâmetro de furo retrabalhável F E φ A DCPB φ DH7 φ C Unidade: mm Diâmetro do DCP de Diâmetro Diâmetro Largura Comprimento Números de Passo de dentes Número círculo da ponta deslizamento da saliência do furo do dente total modelos A B C D E F suportados GP 6-20C 20 42, GP 6-25C 25 51, ,5 24,5 GSR 25-R GP 8-20C 20 57, GP 8-25C 25 69, GSR 30-R GP10-20C 20 70, GP10-25C 25 86, GSR 35-R Nota1) Ao fazer uma encomenda, especifi que o número do modelo da tabela. Nota2) Pinhões não padrão com números diferentes de dentes também estão disponíveis mediante encomenda. Para obter detalhes, entre em contato com a THK. A dimensão quando o trilho é usado com um pinhão Guia Linear B B Rh 2 Rh Unidade: mm GSR GSR 25-R GSR 30-R GSR 35-R do pinhão GP 6-20A GP 6-20C GP 6-25A GP 6-25C GP 8-20A GP 8-20C GP 8-25A GP 8-25C GP 10-20A GP 10-20C GP 10-25A GP 10-25C Altura da linha do passo do trilho Rh Pinhão DCP de deslizamento B Rh+B/ ,

Cálculo da carga aplicada

Cálculo da carga aplicada 508-BR O guia linear é capaz de receber cargas e momentos em todas as direções que sejam gerados em função da posição de montagem, do alinhamento, da posição do centro de gravidade de um objeto móvel,

Leia mais

Fuso de esferas de precisão/eixo estriado

Fuso de esferas de precisão/eixo estriado 58-2BR s BNS-A, BNS, NS-A e NS Vedação Anel externo Placa para calços Vedação Castanha do eixo estriado Eixo Vedação Colar Placa para calços Vedação Bujão terminal Esfera Anel externo Castanha do fuso

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2 F128-Lista 11 1) Como parte de uma inspeção de manutenção, a turbina de um motor a jato é posta a girar de acordo com o gráfico mostrado na Fig. 15. Quantas revoluções esta turbina realizou durante o teste?

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 3 Equilíbrio de Corpos Rígidos

ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 3 Equilíbrio de Corpos Rígidos ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 3 Equilíbrio de Corpos Rígidos Questão 1 Prova P2-2013.1 A estrutura ilustrada na figura é sustentada por três cabos (BD, CD e EF) e uma rótula

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. ESTRUTURA E BLINDAGEM DOS MODULOS 1.1 - Estruturas Laterais Externas Deverão ser confeccionadas em chapa de aço SAE1010 #18, com varias dobras formando colunas, sem quinas ou

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Projeto do transportador

Projeto do transportador Tel: 55 477-2244 plasnec@plasnec.com.br I Área de transporte Na Figura, os tipos A, B e C ilustram possiveis montagens de transportadoras. As longarinas são usinas por espaçadores e ligas pela corrente

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

Guias de esferas série 400, AccuMini, MicroGuide, série T

Guias de esferas série 400, AccuMini, MicroGuide, série T Guias Lineares Guias de esferas série 400, AccuMini, MicroGuide, série T Thomson a escolha para soluções de movimento otimizadas Muitas vezes a solução de design ideal não se trata de descobrir a opção

Leia mais

Tolerância geométrica de forma

Tolerância geométrica de forma Tolerância geométrica de forma A UU L AL A Apesar do alto nível de desenvolvimento tecnológico, ainda é impossível obter superfícies perfeitamente exatas. Por isso, sempre se mantém um limite de tolerância

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 5 Carga Axial e Princípio de Saint-Venant Carga Axial A tubulação de perfuração de petróleo suspensa no guindaste da perfuratriz está submetida a cargas e deformações axiais extremamente grandes,

Leia mais

POLIAS DE CORRENTE PARA OPERAÇÃO DE VÁLVULAS ELEVADAS. Ferro dúctil Aço inox Alumínio Aço carbono

POLIAS DE CORRENTE PARA OPERAÇÃO DE VÁLVULAS ELEVADAS. Ferro dúctil Aço inox Alumínio Aço carbono POLIAS DE CORRENTE E ACESSÓRIOS PARA OPERAÇÃO DE VÁLVULAS ELEVADAS Ferro dúctil Aço inox Alumínio Aço carbono Industries, Inc. POLIAS DE CORRENTE AJUSTÁVEIS DE FERRO DÚCTIL USADAS PARA OPERAR VÁLVULAS

Leia mais

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores Robótica Industrial Projeto de Manipuladores Robôs são os típicos representantes da Mecatrônica. Integram aspectos de: Manipulação Sensoreamento Controle Comunicação 1 Robótica e Mecatrônica 2 Princípios

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

Máquinas CNC. Quando seu neto contou que havia visto, Um problema. Controle de máquinas

Máquinas CNC. Quando seu neto contou que havia visto, Um problema. Controle de máquinas A UU L AL A Máquinas CNC Quando seu neto contou que havia visto, numa feira de tecnologia, tornos trabalhando sozinhos, seu Adamastor não acreditou. Riu com pouco caso e mergulhou novamente nas notícias

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro

Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro Construir este relógio foi um desafio, pois não dispunha de nenhum projeto e o que tinha eram apenas fotos, por isso relutava em entrar

Leia mais

Exemplos de seleção de fuso de esferas

Exemplos de seleção de fuso de esferas Diagrama de seleção Equipamentos de transferência de alta velocidade (uso horizontal) Condições de seleção Massa da mesa m 1 = 60 kg Massa de trabalho m 2 = 20 kg Comprimento do curso l S = 1000 mm Velocidade

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda.

International Paper do Brasil Ltda. International Paper do Brasil Ltda. Autor do Doc.: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Técnicas de Inspeção, Montagem, uso de Rebolos ( Esmeris

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS SISTEMA DE ARQUIVO DESLIZANTE ORGÃO GERENCIADOR:

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS SISTEMA DE ARQUIVO DESLIZANTE ORGÃO GERENCIADOR: ATA DE REGISTRO DE PREÇOS SISTEMA DE ARQUIVO DESLIZANTE ORGÃO GERENCIADOR: Código UASG: 393003 Pregão Eletrônico SRP n 511/14 Vigência: 26/11/2014 a 25/11/2015 Sr. Luciano Sacramento Fone: (61) 3315-4241/4601

Leia mais

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela Onde estamos? Nosso roteiro ao longo deste capítulo A equação do movimento Equação do movimento

Leia mais

TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158

TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158 TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158 GENERALIDADES O sistema ISO de tolerâncias e ajustes é relativo às tolerâncias para dimensões de peças uniformes e os ajustes correspondem a sua montagem. Para

Leia mais

CO C MP M ONEN E TES E D A D TEL E A ele l ment n o t s de d f i f x i a x çã ç o voltar para o índice

CO C MP M ONEN E TES E D A D TEL E A ele l ment n o t s de d f i f x i a x çã ç o voltar para o índice FERRAMENTAS NECESSÁRIAS Instalação COMPONENTES DA TELA Montagem Instalação elementos de fixação perfil acessórios GUIA DE MONTAGEM Guia da tela correr AJUSTE DA TELA MONTAGEM DA TELA corte dos perfis usinagem

Leia mais

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima LIMAGEM Introdução Noções de limagem Tipos de Lima Temas a abordar Limagem manual; Classificação de limas; Métodos e regras de trabalho; Materiais industriais; Outros tipos de limagem; Exercícios simples

Leia mais

Torques de 17 a 3500 Nm PREESFUNDIDO GGR AÇO GGR FUNDIDO GGS PRECISÃO. ago/13

Torques de 17 a 3500 Nm PREESFUNDIDO GGR AÇO GGR FUNDIDO GGS PRECISÃO. ago/13 s de 17 a 3500 PREESFUNDIDO GGR AÇO GGR FUNDIDO GGS PRECISÃO ago/13 GGR AÇO Acoplamento recomendado para altos torques, rotações ou grandes vibrações. De construção 100% usinada, garante precisão de alinhamento

Leia mais

Metrologia. Capítulo 7 Testes de. José Stockler C. Filho Flávio de Marco Filho

Metrologia. Capítulo 7 Testes de. José Stockler C. Filho Flávio de Marco Filho Metrologia Capítulo 7 Testes de Clique para editar o estilomáquinas do subtítulo mestreoperatrizes José Stockler C. Filho Flávio de Marco Filho Quais desvios podem impedir a motagem ou o funcionamento?

Leia mais

Utilizem sempre peças originais, para que possam ter garantida a performance e vida útil do seu equipamento. ALGODEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA

Utilizem sempre peças originais, para que possam ter garantida a performance e vida útil do seu equipamento. ALGODEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA ALGODEN INSTRUÇÕES GERAIS Antes de colocar em operação o equipamento, este deve funcionar em vazio durante algum tempo. Neste período deve se dar atenção nos diferentes pontos de lubrificação. Durante

Leia mais

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d Definição Fresas São ferramentas rotativas para usinagem de materiais, constituídas por uma série de dentes e gumes, geralmente dispostos simetricamente em torno de um eixo. Os dentes e gumes removem o

Leia mais

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9 Ler atentamente e respeitar o manual de operação. A inobservância pode causar avarias de funcionamento ou a falha do limitador de torque, bem como os danos associados. Índice Página 1: - Índice - Símbolos

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Página 1 de 9 Informativo nº 9 VENTILADOR DE MESA 30cm VENTNK1200 ASSUNTO: Lançamento. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Alimentação: Cor: Potência do aparelho: Consumo de energia: Característica diferencial: Período

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

Fuso de esferas de precisão com pontas de eixo retificadas

Fuso de esferas de precisão com pontas de eixo retificadas 58-2BR Modelo BNK padrão de estoque Diagrama de seleção Opcionais Codificação Precauções de uso cessórios para lubrificação Procedimento de montagem e manutenção B Precisão do ângulo de avanço Precisão

Leia mais

Polias, Correias e Transmissão de Potência

Polias, Correias e Transmissão de Potência Polias, Correias e Transmissão de Potência Blog Fatos Matemáticos Prof. Paulo Sérgio Costa Lino Maio de 2013 Introdução Figura 1: Esquema de duas polias acopladas através de uma correia As polias são peças

Leia mais

ESQUADRIAS DE PVC. Linha 30mm. www.isoperfil.com.br - (51) 3554 0574

ESQUADRIAS DE PVC. Linha 30mm. www.isoperfil.com.br - (51) 3554 0574 MANUAL TÉCNICO ESQUADRIAS DE PVC Linha 30mm www.isoperfil.com.br - (51) 3554 0574 PERFIS 3001 MARCO MAXIMAR FOLHA MAXIMAR 3007 FOLHA DE CORRER 3008 FOLHA DE CORRER 3004 MARCO DE CORRER 3 TRILHOS 3005 MARCO

Leia mais

Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro

Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro Construir este relógio foi um desafio, pois não dispunha de nenhum projeto e o que tinha eram apenas fotos, por isso relutava em entrar

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Mancais: São elementos de máquinas que suportam eixo girante, deslizante ou oscilante. São classificados em mancais de: Deslizamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008 MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008 1 DO OBJETO Visa à contratação de empresa especializada nos serviços de fornecimento, entrega e instalação

Leia mais

Afiação de ferramentas

Afiação de ferramentas A UU L AL A Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se desgastam, apresentando trincas ou deformações na forma e nas propriedades. Devido a este desgaste, as

Leia mais

Metalo. Modular. Sistema de Andaimes em Alumínio. Instruções Técnicas

Metalo. Modular. Sistema de Andaimes em Alumínio. Instruções Técnicas Metalo Modular Sistema de Andaimes em Alumínio Instruções Técnicas Modular_AF4.indd 1 Modular Índice Favor observar: Nestas instruções técnicas, encontram-se todas as informações e indicações importantes

Leia mais

BETONEIRAS. Manual de Instrução MAQTRON IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. www.vencedoramaqtron.com.br

BETONEIRAS. Manual de Instrução MAQTRON IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. www.vencedoramaqtron.com.br Moendas de Cana CANA SHOP Moendas de Cana BETONEIRAS Debulhadores de Milho www.vencedoramaqtron.com.br Batedeiras de Cereais Trilhadeiras Desintegradores Trituradores para milho úmido Ensiladeiras Bombas

Leia mais

Rolamentos de Rolos Cilíndricos

Rolamentos de Rolos Cilíndricos Rolamentos de Rolos Cilíndricos Tolerância Página 52 Folga interna Página 64 axial Página 34 Modelos e Formatos Os Rolamentos de Rolos Cilíndricos NACHI são produzidos em uma larga variedade de projetos

Leia mais

s Especiais Transmissões por ues Correntes C Ferramentas de versais Correias Sincronizadoras Buchas e Cubos Rodas

s Especiais Transmissões por ues Correntes C Ferramentas de versais Correias Sincronizadoras Buchas e Cubos Rodas rreias speciais Transmissões por Correntes Ferramentas iversais Correias Sincronizadoras uchas e Cubos Rodas rramentas de manutenção Correias Poleias Acoplamentos bos Rodas Dentadas Correias speciais Transmissões

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL HUDSON FABRÍCIO XAVIER PEREIRA Vespasiano-2012 FRESAGEM Apostila elaborada para a disciplina de Fresagem para

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

Calandra de 4 Rolos modelo VRM

Calandra de 4 Rolos modelo VRM Calandra de 4 Rolos modelo VRM Sumário Construção de Máquinas é nossa Profissão com Criatividade e Paixão. Nós da HAEUSLER 3 Calandra de 4 Rolos 4 Particularidades da Calandra de 4 Rolos HAEUSLER Modelo

Leia mais

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção.

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. Os mancais em geral têm como finalidade servir de apóio às

Leia mais

Sistema de Esteira Porta Cabos igus Guia de Instalação

Sistema de Esteira Porta Cabos igus Guia de Instalação Sistema de Esteira Porta Cabos igus Guia de Instalação Cursos Longos (Deslizantes) Horizontais Atenção: Não seguir as instruções instalação pode resultar em falha séria Antes de iniciar o processo de instalação,

Leia mais

Calibradores de Minerais

Calibradores de Minerais uma Companhia Astec Industries Calibradores de Minerais Calibradores de Minerais/Calibradores de Rolos para Aplicações Primárias/Secundárias e Terciárias A gama Osborn de Calibradores de Rolos de Eixo

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA SUA PLACA

MANUAL DE INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA SUA PLACA INFORMAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA SUA PLACA FORMATO PADRÃO: 1,2 m x 0,8 (largura x altura) 3 LAYOUTS DIFERENTES: 1 para 5º e 9º ano juntos 1 para 5º ano somente 1 para 9º ano somente LAYOUTS OPÇÕES DE MATERIAIS

Leia mais

PROVA G1 FIS 1033 23/08/2011 MECÅNICA NEWTONIANA

PROVA G1 FIS 1033 23/08/2011 MECÅNICA NEWTONIANA PROVA G1 FIS 1033 23/08/2011 MECÅNICA NEWTONIANA NOME LEGÇVEL: Gabarito TURMA: ASSINATURA: MATRÇCULA N o : QUESTÉO VALOR GRAU REVISÉO 1 1,0 2 1,0 3 4,0 4 4,0 TOTAL 10,0 Dados: r/ t = (v + v 0 )/2; v v

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Física 2001 2ª Fase

Olimpíada Brasileira de Física 2001 2ª Fase Olimpíada Brasileira de Física 2001 2ª Fase Gabarito dos Exames para o 1º e 2º Anos 1ª QUESTÃO Movimento Retilíneo Uniforme Em um MRU a posição s(t) do móvel é dada por s(t) = s 0 + vt, onde s 0 é a posição

Leia mais

Complementos para telhas Brasilit

Complementos para telhas Brasilit Complementos para telhas Brasilit A mais completa linha de cumeeiras, rufos, espigões, arestas, cantoneiras, terminais, pingadeiras, tampões, calços, venezianas, claraboias e placas de vedação. TECNOLOGIA

Leia mais

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica.

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica. Lista para a Terceira U.L. Trabalho e Energia 1) Um corpo de massa 4 kg encontra-se a uma altura de 16 m do solo. Admitindo o solo como nível de referência e supondo g = 10 m/s 2, calcular sua energia

Leia mais

Guia Linear com Gaiola de Esferas SSR. Vantagem da Gaiola de Esferas Modelo Radial, Compacto. CATÁLOGO No. 212-10P

Guia Linear com Gaiola de Esferas SSR. Vantagem da Gaiola de Esferas Modelo Radial, Compacto. CATÁLOGO No. 212-10P Guia Linear com Gaiola de Esferas Vantagem da Gaiola de Esferas Modelo Radial, Compacto SSR CATÁLOGO No. 212-1P Vantagem da Gaiola de Esferas Os primeiros rolamentos de esferas não possuíam a gaiola de

Leia mais

ACOPLAMENTOS DE TAMBOR

ACOPLAMENTOS DE TAMBOR ACOPLAMENTOS DE TAMBOR T H E O R I G I N A L Série ÍNDICE Aplicação 3-4 Projeto e características 5 Seleção de tamanho 6-7 Tabela de dimensões dos 8 Conexão do acoplamento / tambor do cabo 9 Conexões do

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas

Problemas de Mecânica e Ondas Problemas de Mecânica e Ondas (LEMat, LQ, MEiol, MEmbi, MEQ) Tópicos: olisões: onservação do momento linear total, conservação de energia cinética nas colisões elásticas. onservação do momento angular

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Banco de Musculação Gonew Scoot 4.0

MANUAL DO USUÁRIO. Banco de Musculação Gonew Scoot 4.0 MANUAL DO USUÁRIO Banco de Musculação Gonew Scoot 4.0 IRSB5.indd 5/7/5 4:33 PM IRSB5.indd 5/7/5 4:33 PM Sumário Informações importantes de segurança Diagrama de vista explodida Lista de peças Instruções

Leia mais

www.keelautomacao.com.br Linha KSDF Solução em corte CNC

www.keelautomacao.com.br Linha KSDF Solução em corte CNC Linha KSDF Solução em corte CNC Linha KSDF Solução em corte CNC Características Destinada ao processo de corte mecanizado de chapas aço carbono, inox, alumínio, ferro entre outros. Esta máquina foi desenvolvida

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Uma mola comprimida por uma deformação x está em contato com um corpo de massa m, que se encontra

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DO ALINHADOR ALD300

MANUAL DE OPERAÇÕES DO ALINHADOR ALD300 MANUAL DE OPERAÇÕES DO ALINHADOR ALD300 1. Introdução O Alinhador ALD300 foi desenvolvido para verificação e ajuste do sistema de direção de veículos automotivos leves, através do sistema ótico. O sistema

Leia mais

Caminhões basculantes. Design PGRT

Caminhões basculantes. Design PGRT Informações gerais sobre caminhões basculantes Informações gerais sobre caminhões basculantes Os caminhões basculantes são considerados como uma carroceria sujeita à torção. Os caminhões basculantes são

Leia mais

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador R Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador INDÚSTRIA MECÂNICA KNAPIK LTDA. Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br

Leia mais

Estação de Musculação Gonew MK3 Limited PRO

Estação de Musculação Gonew MK3 Limited PRO MANUAL DO USUÁRIO Estação de Musculação Gonew MK3 Limited PRO Sumário Informações importantes de segurança Instruções de montagem Diagrama de mapeamento dos cabos Diagrama de vista explodida Lista de

Leia mais

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 - nova geração com moderna tecnologia Os tornos automáticos CNC de carros múltiplos Ergomat TBA 42 e TBA 60 se tornaram mais versáteis e produtivos

Leia mais

de limpeza frontal com corrente

de limpeza frontal com corrente GRELHA MECÂNICA DE BARRAS de limpeza frontal com corrente tipo GV ou GSV Aplicações As águas de descarga civis podem conter vários lixos. Tudo o que puder ser deitado no esgoto, e mesmo o que não se puder,

Leia mais

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS)

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS) UFPR METROLOGIA MECÂNICA DIMENSIONAL Especificações Geométricas de Produto Geometrical Product Specifications (GPS) TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES Tolerâncias geométricas As peças ao

Leia mais

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Engenharia Mecatrônica Tecnologias de Comando Numérico Prof. Alberto J. Alvares TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC 1. Peça Exemplo: Elaborar um programa

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque Aula 6 Definição de Torque Torque é o momento que tende a torcer a peça em torno de seu eixo longitudinal. Seu efeito é de interesse principal

Leia mais

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1 BOMBAS: 1. Bombas e Motores As bombas hidráulicas são o coração do sistema, sua principal função é converter energia mecânica em hidráulica. São alimentadas

Leia mais

Rosqueadeiras. Manual de Instruções

Rosqueadeiras. Manual de Instruções Manual de Instruções 2 NOMAQ Roscar/Cortar/Escarear Modelos para tubos de ½ a 6 Modelo NQ-R2 NQ-R2A NQ-R4 NQ-R6 Roscas Tubos 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2, 2.1/2, 4 2.1/2, 4, 5, 6 Roscas

Leia mais

1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor Um mol de um gás ideal é levado do estado A para o estado B, de acordo com o processo representado no diagrama pressão versus volume conforme figura abaixo: a)

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

30% de redução no custo de instalação. Todos os diferenciais acima contribuem para a redução do tempo e custo da instalação.

30% de redução no custo de instalação. Todos os diferenciais acima contribuem para a redução do tempo e custo da instalação. aplicação Destinado ao uso em obras novas ou reformas, tais como escritórios, universidades, laboratórios entre outros, o sistema de canaletas ARC, da Parcus, permite conduzir cabos de dados, voz e energia

Leia mais

Descrição B. Cilindro sensor PD 40..

Descrição B. Cilindro sensor PD 40.. Descrição B Cilindro sensor PD 40.. PT 1. Segurança 2 2. unção 3 3. Transporte 8 4. Montagem 8 5. Instalação 9 6. Comissionamento 10 7. uncionamento/operação 10 8. Eliminação de falhas / Reparação 11 9.

Leia mais

MANIPULADORES TELESCÓPICOS JLG

MANIPULADORES TELESCÓPICOS JLG MANIPULADORES TELESCÓPICOS JLG MANIPULADORES TELESCÓPICOS JLG CHEGANDO ATÉ VOCÊ Sua produtividade está em jogo no momento em que você sobe na cabine do manipulador telescópico. A linha de manipuladores

Leia mais

GUINDASTES ARTICULADOS HIDRÁULICOS Performance OS AUTÊNTICOS GUINDASTES MULTI-USO PKB 6500 / PKB 10000 / PKB 15500 [ ]

GUINDASTES ARTICULADOS HIDRÁULICOS Performance OS AUTÊNTICOS GUINDASTES MULTI-USO PKB 6500 / PKB 10000 / PKB 15500 [ ] GUINDASTES ARTICULADOS HIDRÁULICOS Performance OS AUTÊNTICOS GUINDASTES MULTI-USO PKB 6500 / PKB 10000 / PKB 15500 [ ] ATENÇÃO A TODOS OS DETALHES TÉCNICOS OS GUINDASTES PKB Performance CONTAM COM AMPLA

Leia mais

PK 38502. Performance O TRABALHADOR INCANSÁVEL ENTRE OS GUINDASTES PARA CARGAS MAIS PESADAS

PK 38502. Performance O TRABALHADOR INCANSÁVEL ENTRE OS GUINDASTES PARA CARGAS MAIS PESADAS PK 38502 Performance O TRABALHADOR INCANSÁVEL ENTRE OS GUINDASTES PARA CARGAS MAIS PESADAS ALTO PODER DE ELEVAÇÃO GRAÇAS AO SISTEMA DE DUPLA ALAVANCA POWER LINK O PK 38502 Performance apresenta a melhor

Leia mais

Um especialista em manutenção preditiva

Um especialista em manutenção preditiva Análise de vibrações A UU L AL A Um especialista em manutenção preditiva foi chamado para monitorar uma máquina em uma empresa. Ele colocou sensores em pontos estratégicos da máquina e coletou, em um registrador,

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO OPERAÇÃO

TORNEIRO MECÂNICO OPERAÇÃO TORNEIRO MECÂNICO OPERAÇÃO RETIFICAR SUPERF. CÔNICAS E CILÍNDRICAS EXTERNAS DEFINIÇÃO: É utilizar uma retificadora portátil, presa no carro superior do torno, cujo rebolo, em rotação, age como ferramenta,

Leia mais

Campos de configuração das máquinas

Campos de configuração das máquinas Campos de configuração das máquinas (algumas máquinas podem não conter alguns dos campos descritos neste documento, ou eles poderão estar dispostos em outras áreas de configuração do plug-in) Centros de

Leia mais

Agrifab_A4_Lawn_sweeper.book Seite 1 Freitag, 4. März 2005 5:30 17. Printed in U.S.A. Form 48882

Agrifab_A4_Lawn_sweeper.book Seite 1 Freitag, 4. März 2005 5:30 17. Printed in U.S.A. Form 48882 Agrifab_A4_Lawn_sweeper.book Seite 1 Freitag, 4. März 2005 5:30 17 GR DK Printed in U.S.A. Form 48882 Agrifab_A4_Lawn_sweeper.book Seite 23 Freitag, 4. März 2005 5:30 17 Instruções de serviço Varredora

Leia mais

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos.

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos. . MECA!ISMOS.0 Algumas definições Um mecanismo é um conjunto de elementos de máquinas ligados de forma a produzir um movimento específico. Podem ser subdivididos conforme suas aplicações: mecanismos com

Leia mais

Dinâmica do movimento de Rotação

Dinâmica do movimento de Rotação Dinâmica do movimento de Rotação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o torque produzido por uma força;

Leia mais

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR TC 3 UECE - 03 FASE MEICINA e EGULA SEMANA 0 a 5 de dezembro POF.: Célio Normando. A figura a seguir mostra um escorregador na forma de um semicírculo de raio = 5,0 m. Um garoto escorrega do topo (ponto

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação Manual Técnico e Curvas Características Nº A1150.0P/3 Bomba Centrífuga para Uso Geral 1. Aplicação A bomba é indicada para o bombeamento de líquidos limpos ou turvos e encontra aplicação preferencial em

Leia mais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais Fresando engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais A UU L AL A Na aula passada você viu como fresar engrenagens cilíndricas de dentes retos, utilizando o aparelho divisor universal e divisão indireta.

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

Descrição: Cachimbo Máquina: Ráfia Código Rone: 001-103-003. Descrição: Polia. Máquina: Tear da Ráfia. Código Rone: 015-101-002

Descrição: Cachimbo Máquina: Ráfia Código Rone: 001-103-003. Descrição: Polia. Máquina: Tear da Ráfia. Código Rone: 015-101-002 Descrição: Cachimbo Máquina: Ráfia Código Rone: 001-103-003 Descrição: Polia Máquina: Tear da Ráfia Código Rone: 015-101-002 Descrição: Polia Z=43 Código Rone: 001-010-023 Descrição: Tubo suporte do Cachimbo

Leia mais

Atuadores e válvulas

Atuadores e válvulas A UU L AL A Atuadores e válvulas Você já viu nas aulas anteriores que é possível transformar energia elétrica em energia mecânica por meio de uma máquina: o motor elétrico. Na indústria atual, o motor

Leia mais

Acoplamentos de conexão HyCon, HyLoc e HyGrip

Acoplamentos de conexão HyCon, HyLoc e HyGrip Acoplamentos de conexão HyCon, HyLoc e HyGrip Voith Turbo Safeset Somos experts em limitação de torque e acoplamentos de conexão na Voith Turbo. A Voith Turbo, especialista em sistemas de transmissão hidrodinâmica,

Leia mais

SÉRIE-TRH E SÉRIE-MR MINIATURA

SÉRIE-TRH E SÉRIE-MR MINIATURA GUIAS LINEARES SÉRIE-TRH E SÉRIE-MR MINIATURA. PRECISÃO. BAIXO ATRITO. FÁCIL INSTALAÇÃO. ALTA CAPACIDADE DE CARGA 25 ANOS Certi cados ISO9001:08 Taiwam Medalha de Ouro Qualidade Product Award AFAQ ISO_9001

Leia mais