Fuso de esferas de precisão/eixo estriado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fuso de esferas de precisão/eixo estriado"

Transcrição

1 58-2BR s BNS-A, BNS, NS-A e NS Vedação Anel externo Placa para calços Vedação Castanha do eixo estriado Eixo Vedação Colar Placa para calços Vedação Bujão terminal Esfera Anel externo Castanha do fuso de esferas Anel externo Esfera Retentor Retentor Anel externo Diagrama de seleção A Opcionais Codificação Precauções de uso Acessórios para lubrificação A Procedimento de montagem e manutenção B Valor DN A Padrões de precisão Padrões de ação Exemplo de montagem Exemplo de uso Precauções de uso

2 58-2BR Estrutura e características O fuso de esferas/eixo estriado contém ranhuras para fuso de esferas e ranhuras para eixo estriado que se cruzam. As castanhas do fuso de esferas e do eixo estriado possuem mancais de apoio dedicados inseridos diretamente na circunferência das castanhas. O fuso de esferas/eixo estriado é capaz de realizar três modos de movimentos (rotação, linear e espiral) com um único eixo, ao girar ou parar a castanha do eixo estriado. Ele é ideal para máquinas que utilizam uma combinação de movimentos giratórios e retilíneos, como o eixo Z do robô de ensino, robô de montagem, carregador automático e equipamento ATC de cento de usinagem. Folga axial zero O eixo estriado possui uma estrutura de contato angular que não causa folga na direção rotacional, permitindo que se atinja um posicionamento de alta precisão. Leve e compacto Uma geometria compacta e de alta precisão é obtida, visto que a castanha e o mancal de apoio estão integrados.além disso, a pequena inércia resultante do peso leve da castanha do fuso de esferas garante alta eficácia na resposta. Instalação fácil O eixo estriado foi projetado para que as esferas não caiam, mesmo com a castanha do eixo estriado sendo removida do eixo, tornando a instalação fácil. O fuso de esferas/eixo estriado pode ser facilmente montado ao prendê-lo ao alojamento com parafusos. (Para a tolerância do diâmetro interno do alojamento, o H7 é recomendado.) Movimento suave com baixa emissão de ruído Como o fuso de esferas é baseado em um mecanismo de bujão, um movimento suave com baixa emissão de ruído é alcançado. Fuso de esferas Mancal de apoio altamente rígido O mancal de apoio no fuso de esferas possui um ângulo de contato de 6 na direção axial, enquanto o eixo estriado possui um ângulo de contato de 3 na direção do momento, fornecendo, portanto, um apoio ao eixo altamente rígido. Além disso, uma vedação dedicada de borracha está anexada por padrão para impedir a entrada de materiais estranhos. Fuso de esferas (3 ) 6 (3 ) Fig.1 Estrutura do mancal de apoio modelo BNS-A Fig.2 Estrutura do mancal de apoio modelo BNS

3 58-2BR Tipo Tipo sem pré-carga BNS-A Tabela de especificações BNS Tabela de especificações (Tipo compacto: movimento linear-giratório) (Tipo carga pesada: movimento linear-giratório) NS-A Tabela de especificações NS Tabela de especificações (Tipo compacto: movimento retilíneo) (Tipo carga pesada: movimento retilíneo)

4 58-2BR Padrões de precisão O fuso de esferas/eixo estriado é fabricado com as seguintes especifi cações. Fuso de esferas Folga axial : ou menor Precisão do ângulo de avanço : C5 (Para obter especificações detalhadas, consulte A, A.) Folga na direção rotacional : ou menor (CL: pré-carga leve) (Para obter especificações detalhadas, consulte A.) Grau de precisão : classe H (Para obter especificações detalhadas, consulte A.) C A E A H A A B D B F B Castanha do eixo estriado BNS Castanha do fuso de esferas A B I B Castanha do fuso de esferas Castanha do eixo estriado NS C D E F H I BNS 812 NS 812 BNS 115 NS 115 BNS 1616 NS 1616 BNS 22 NS 22 BNS 2525 NS 2525 BNS 3232 NS 3232 BNS 44 NS 44 BNS 55 NS 55 Unidade: mm,14,17,14,16,1,13,14,17,14,16,1,13,18,21,16,2,13,16,18,21,16,2,13,16,21,21,18,24,16,16,21,21,18,24,16,16,25,25,21,33,19,19,25,25,21,33,19,19 Fuso de esferas

5 58-2BR Padrões de ação Ações básicas do modelo BNS Castanha do fuso de esferas + Polia da castanha do fuso de esferas estriado: N1 Castanha do eixo estriado Eixo + Polia da castanha do eixo estriado: N2 + + l: avanço do fuso de esferas (mm) N1: velocidade de rotação da castanha do fuso de esferas estriado (min -1 ) N2: velocidade de rotação da castanha do eixo estriado (min -1 ) 1. Vertical 2. Rotação 3. Espiral Movimento (1) (2) (1) (2) (1) (2) da ação Polia do fuso de esferas vertical para baixo N 1 da rotação (Para frente) vertical para cima N 1 da rotação vertical da rotação para frente vertical da rotação reversa vertical para cima da rotação para frente vertical para baixo da rotação reversa (Inversa) N 1 N 1 Entrada Polia do eixo estriado N 2 (Para frente) N 2 (Inversa) N 2 (N 2 ) N 2 (-N 2 ) Movimento do eixo vertical (velocidade) V=N 1 l (N 1 ) V= N 1 l (N 1 ) V=N 2 l V= N 2 l da rotação (velocidade de rotação) N 2 (Para frente) (N 1 =N 2 ) -N 2 (Inversa) ( N 1 = N 2 ) N 2 (Para frente) N 2 (Inversa)

6 58-2BR Ações básicas do modelo NS Castanha do fuso de esferas + Polia da castanha do fuso de esferas estriado: N1 Castanha do eixo estriado Eixo l: avanço do fuso de esferas (mm) + N1: velocidade de rotação da castanha do fuso de esferas estriado (min -1 ) 1. Vertical Movimento 1 2 (1) (2) da ação vertical para baixo vertical para cima Entrada Polia do fuso de esferas N 1 (Para frente) N 1 (Inversa) Movimento do eixo vertical (velocidade) V=N 1 l (N 1 ) V= N 1 l (N 1 ) Fuso de esferas

7 58-2BR Ações estendidas do modelo BNS Movimento 1. Para cima para baixo para frente para cima para baixo para trás Para baixo para cima para frente para baixo para cima para trás Para baixo para frente para cima para trás Para baixo para cima para trás para frente 4 (1) da ação vertical para cima Polia do fuso de esferas N 1 (Inversa) Entrada N 1 (2) vertical para baixo (Para frente) (3) (4) (5) (6) (1) (2) (3) (4) (5) (6) (1) (2) (3) (4) (1) (2) da rotação para frente vertical para cima vertical para baixo da rotação reversa vertical para baixo vertical para cima da rotação para frente vertical para baixo vertical para cima da rotação reversa vertical para baixo da rotação para frente vertical para cima da rotação reversa vertical para baixo vertical para cima N 1 Polia do eixo estriado N 2 (Para frente) N 1 N 1 N 1 N 2 (Inversa) N 1 N 1 Movimento do eixo vertical (velocidade) V= N 1 l (N 1 ) V=N 1 l (N 1 ) V= N 1 l (N 1 ) V=N 1 l (N 1 ) V=N 1 l (N 1 ) V= N 1 l (N 1 ) N 1 N 2 N 1 N 1 V=N 1 l (N 1 ) V= N 1 l (N 1 ) N 1 N 2 N 1 V=N 1 l (N 1 ) N 1 N 2 N 1 V= N 1 l (N 1 ) N 1 N 2 N 1 N 1 V=N 1 l (N 1 ) V= N 1 l (N 1 ) da rotação (velocidade de rotação) N 2 (Para frente) (N 1 =N 2 ) -N 2 (Inversa) ( N 1 =N 2 ) N 2 (N 1 =N 2 ) N 2 ( N 1 =N 2 ) N 2 (N 1 =N 2 ) N 2 ( N 1 =N 2 ) 4 (3) da rotação reversa N 1 N 2 N 2 ( N 1 =N 2 ) (4) da rotação para frente N 1 N 2 N 2 (N 1 =N 2 )

8 58-2BR Exemplo de montagem Vedação Polia Mancal de apoio Castanha do fuso de esferas Eixo Mancal de apoio Castanha do eixo estriado Vedação Polia Exemplo de instalação da polia de entrada da castanha do fuso de esferas e Exemplo de instalação da polia da castanha do fuso de esferas a polia de entrada da castanha do eixo estriado, ambas fora do alojamento. dentro do alojamento. O comprimento do alojamento é diminuído. Fig.3 Exemplo de montagem do modelo BNS Fuso de esferas Polia Vedação Mancal de apoio Castanha do fuso de esferas Eixo Castanha do eixo estriado Exemplo de instalação da polia da castanha Exemplo de instalação da polia da castanha do fuso de esferas fora do alojamento. do fuso de esferas dentro do alojamento. O comprimento do alojamento é diminuído. Fig.4 Exemplo de montagem do modelo NS

9 58-2BR Exemplo de uso Motor de entrada do fuso de esferas Eixo Ranhura de entrada do motor Castanha do eixo estriado Mandril Curso Curso Polia Castanha do fuso de esferas Mancal de apoio Polia Fig.5 Exemplo de utilização do modelo BNS

10 58-2BR Precauções de uso Lubrificação Ao lubrifi car o fuso de esferas/eixo estriado, anexe a placa de lubrifi cação ao alojamento previamente. Placa de lubrificação Niple de lubrificação Fig.6 Métodos de lubrifi cação Alojamento Fuso de esferas

11 58-2BR BNS-A tipo compacto: Movimento linear-giratório 4-S (9 equidistante) 6- d1 (6 equidistante) P2 P1 (s 1616A a 44A) 4-S (9 equidistante) (9 equidistante) 4- d1 (s 812A e 115A) Diâmetro Diâmetro Avanço Dimensões do fuso de esferas externo interno Capacidade de carga nominal do eixo do eixo Diâmetro Diâmetro Diâmetro parafuso parafuso da esfera externo menor da de centro Diâmetro Ca C a rosca a centro D Comprimento total D 3 D 4 do fl ange d db Ph kn kn dp dc g6 D 1 L 1 h7 H7 BNS 812A ,1 1,8 8,4 6, , BNS 115A ,7 2,7 1,5 8, , BNS 1616A ,9 7,2 16,65 13, BNS 22A ,1 12,3 2,75 17, ,5 39 BNS 2525A ,1 19, , BNS 3232A ,8 33,25 28, BNS 44A ,4 49,7 41,75 35, ,5 73 P2 P1 Dimensões do eixo estriado Capacidade de carga nominal Momento Capacidade de torque nominal Diâmetro estático externo C C permitido Diâmetro Comprimento total C T C T D 7 D 6 do fl ange M A kn kn N-m N-m N-m g6 D 5 L 2 h7 BE 1 BNS 812A 1,5 2,6 5,9 2 2, BNS 115A 2,7 4,9 15,7 3,9 7, BNS 1616A 7,1 12,6 67,6 31,4 34, BNS 22A 1,2 17, ,8 55, ,5 35 BNS 2525A 15,2 25, BNS 3232A 2, BNS 44A 37,8 6, ,5 64 Nota) Para o eixo oco K, consulte a dimensão db para o diâmetro de profundidade interna do eixo. Caso necessário, um eixo sólido também está disponível. Consulte A para mais detalhes. Codificação do número do modelo BNS22A +5L Comprimento total do eixo (em mm)

12 58-2BR t Te L1 B5 B4 H BE D D7 BE1 L2 B6B7 H1 6- ds1 (6 equidistante) 6-S1 t1 (6 equidistante) D1 D3 D4 dp db (s 812A a 44A) L2 B6B7 H1 (s 1616A a 44A) L2 B6 B7 H1 d D6 D5 (s 1616A a 44A) 4- ds1 (9 equidistante) P4 P3 4-S1 t1 (9 equidistante) H2 D7 BE1 D6 D5 D7 BE1 D6 D5 ( 812A) ( 115A) Capacidade de carga nominal do mancal de apoio Ca C a (s 812A e 115A) Momento de inércia da castanha Momento de inércia do eixo parafuso/mm Unidade: mm Massa da Massa castanha do eixo BE H B 4 B 5 Te P 1 P 2 S t d 1 kn kn kg cm 2 J kg cm 2 /mm kg kg/m ,5 7 1, ,5 M2,6 1 3,4,8,5,3 3,16 1 5,8, ,5 8 1, M3 11,5 3,4,9,7,8 7,71 1 5,15, M4 13,5 4,5 8,7 1,5,35 3,92 1 4,31, , M5 16,5 4,5 9,7 13,4,85 9,37 1 4,54 1, M6 2 5,5 12,7 18,2 2,12 2,2 1 3,88 1, M6 21 6,6 13,6 22,3 5,42 5, ,39 2, , M8 24,5 9 21,5 36,8 17,2 1, ,16 4,51 P4 P3 Unidade: mm Fuso de esferas Capacidade de carga nominal do mancal de apoio cia da castanha Momento de inér- Massa da castanha C C H 1 B 6 B 7 H 2 P 3 P 4 S 1 t 1 d S1 kn kn kg cm 2 kg 3 1, M2,6 3 3,4,6,2,3,8 3 1, M3 4 3,4,8,3,8, M4 6 4,5 6,7 6,4,44, M5 8 4,5 7,4 7,8,99, M5 8 5,5 9,7 1,6 2,2, M6 1 6,6 1,5 12,5 5,17 1, M ,5 2,7 16,1 2,51 Opcionais

13 58-2BR BNS tipo carga pesada: Movimento linear-giratório 4-S θ (6 equidistante) 6- d1 Diâmetro Diâmetro Avanço externo interno Capacidade de do eixo do eixo carga nominal Diâmetro parafuso parafuso da esfera Diâmetro de centro menor da Ca C a a centro rosca P2 P1 Diâmetro externo Dimensões do fuso de esferas Diâmetro Comprimento total D do flange 3 d db Ph kn kn dp dc D D 1 L 1 h7 BNS ,9 7,2 16,65 13,7 52, ,5 4 BNS ,1 12,3 2,75 17,5 62, BNS ,1 19, ,9 72, BNS ,8 33,25 28,3 8, BNS ,4 49,7 41,75 35,2 11, BNS ,8 77,6 52,2 44,1 12, Dimensões do eixo estriado Capacidade de carga nominal Momento Capacidade de torque nominal estático Diâmetro Diâmetro Comprimento total C C permitido C T C T externo do fl ange kn kn M A N-m N-m N-m D 7 D 5 L 2 BNS ,1 12,6 67,6 31,4 34,3 52, BNS 22 1,2 17, ,8 55,8 56, BNS ,2 25, , BNS , , BNS 44 37,8 6, , BNS 55 6,9 94, , Nota) A dimensão U indica o comprimento desde a cabeça do parafuso sextavado de cabeça cilíndrica até a extremidade da castanha do fuso de esferas. Para o eixo oco K, consulte a dimensão db para o diâmetro de profundidade interna do eixo. Caso necessário, um eixo sólido também está disponível. Consulte A para mais detalhes. Codificação do número do modelo BNS L Comprimento total do eixo (em mm)

14 58-2BR t Te B5 H L1 B4 L2 B6 H1 B7 6- ds1 (6 equidistante) 6-S1 t1 D1 D3 D4 dp db D D7 d D6 D5 Nota) U Capacidade de carga nominal do mancal de apoio Momento de inércia da castanha P4 P3 Momento de inércia do eixo parafuso/mm Unidade: mm Massa da Massa castanha do eixo D 4 Ca C a H7 H B 4 B 5 Te P 1 P 2 S t d 1 kn kn kg cm 2 J kg cm 2 /mm kg kg/m , M4 12 4,5 4 19,4 19,2,48 3,92 1 4,38, M5 16 4,5 4 26,8 29,3 1,44 9,37 1 4,68 1, , M6 19 5,5 4 28,2 33,3 3,23 2, ,1 1, M6 19 6, ,74 5, ,74 2, , M ,3 74,1 27,9 1, ,95 4, M , ,2 3, ,22 7,16 Unidade: mm Capacidade de carga nominal do mancal de apoio inércia da castanha Momento de Massa da castanha Fuso de esferas D 6 C C h7 H 1 B 6 B 7 P 3 P 4 S 1 t 1 d S1 U kn kn kg cm 2 kg 39, M5 8 4,5 5 12,7 11,8,52,51 43, M5 8 4,5 7 16,2 15,5,87, M6 8 4,5 8 17,6 18 1,72,93 65, M6 1 6,6 1 2,1 24 5,61 1,8 79, M ,2 42,5 14,7 3,9 99, M ,6 54,1 62,5 6,7 Opcionais

15 58-2BR NS-A Tipo compacto: movimento retilíneo 4-S (9 equidistante) 6- d1 (6 equidistante) (s 1616A a 44A) 4-S (9 equidistante) P2 P1 4- d1 (9 equidistante) P2 P1 (s 812A e 115A) Diâmetro Diâmetro Avanço Dimensões do fuso de esferas externo interno Capacidade de Diâmetro Diâmetro do eixo do eixo carga nominal da esfera Diâmetro externo parafuso parafuso de centro menor da Diâmetro Comprimento total Ca C a a centro rosca D D 3 D 4 do flange d db Ph kn kn dp dc g6 D 1 L 1 h7 H7 NS 812A ,1 1,8 8,4 6, , NS 115A ,7 2,7 1,5 8, , NS 1616A ,9 7,2 16,65 13, NS 22A ,1 12,3 2,75 17, ,5 39 NS 2525A ,1 19, , NS 3232A ,8 33,25 28, NS 44A ,4 49,7 41,75 35, ,5 73 Dimensões do eixo estriado Capacidade de carga nominal Momento Capacidade de torque nominal estático Diâmetro Diâmetro C C permitido C T C T externo do fl ange kn kn M A N-m N-m N-m D 7 D 5,2 NS 812A 1,5 2,6 5,9 2 2,9 16,11 32 NS 115A 2,8 4,9 15,7 3,9 7,8 21,13 42 NS 1616A 7,1 12,6 67,6 31,4 34,3 31,13 51 NS 22A 1,2 17, ,8 55,8 35,16 58 NS 2525A 15,2 25, ,16 65 NS 3232A 2, ,16 77 NS 44A 37,8 6, ,19 1 Nota) Para o eixo oco K, consulte a dimensão db para o diâmetro de profundidade interna do eixo. Caso necessário, um eixo sólido também está disponível. Consulte A para mais detalhes. Codificação do número do modelo NS22A +5L Comprimento total do eixo (em mm)

16 58-2BR D1 D3 D4 dp B5 t Te db L1 B4 H BE D D7 r L2 B6 H1 D5 d 4- ds1 furo passante, d2 profundidade de escareamento h (9 equidistante) (s 1616A a 44A) D1 D3 D4 dp B5 t Te L1 B4 H D BE 3- d (s 1616A a 44A) D7 r L2 B6 H1 d D5 (s 1616A a 44A) 4- P3 ds1 furo passante, d2 profundidade de escareamento h (9 equidistant) (s 812A e 115A) 2- d (s 812A e 115A) Capacidade de carga nominal do mancal de apoio Ca C a (s 812A e 115A) Momento de inércia da castanha Momento de inércia do eixo parafuso/mm Unidade: mm Massa da Massa castanha do eixo BE H B 4 B 5 Te P 1 P 2 S t d 1 kn kn kg cm 2 J kg cm 2 /mm kg kg/m ,5 7 1, ,5 M2,6 1 3,4,8,5,3 3,16 1 5,8, ,5 8 1, M3 11,5 3,4,9,7,8 7,71 1 5,15, M4 13,5 4,5 8,7 1,5,35 3,92 1 4,31, , M5 16,5 4,5 9,7 13,4,85 9,37 1 4,54 1, M6 2 5,5 12,7 18,2 2,12 2,2 1 3,88 1, M6 21 6,6 13,6 22,3 5,42 5, ,39 2, , M8 24,5 9 21,5 36,8 17,2 1, ,16 4,51 P3 Unidade: mm Fuso de esferas Comprimento total Furo de lubrifi cação Furo de montagem Massa da castanha L 2 H 1 B 6 r d P 3 d S1 d 2 h kg ,5,5 1,5 24 3,4 6,5 3,3, ,5,5 1,5 32 4,5 8 4,4,9 5,2 7 18, ,5 8 4,4,23 63,2 9 22,5, ,5 9,5 5,4,33 71,3 9 26,5, ,5 9,5 5,4,45 8,3 1 3, ,6 11 6,5,58 1, , ,6 1,46 Opcionais

17 58-2BR NS Tipo carga pesada: movimento retilíneo 4-S θ (6 equidistante) 6- d1 P2 P1 Diâmetro Diâmetro Avanço Dimensões do fuso de esferas externo interno Capacidade de do eixo do eixo carga nominal Diâmetro da esfera Diâmetro parafuso parafuso de centro menor da Diâmetro Diâmetro Comprimento total Ca C a a centro rosca D 3 externo do flange d db Ph kn kn dp dc D D 1 L 1 h7 NS ,9 7,2 16,65 13,7 52, ,5 4 NS ,1 12,3 2,75 17,5 62, NS ,1 19, ,9 72, NS ,8 33,25 28,3 8, NS ,4 49,7 41,75 35,2 11, NS ,8 77,6 52,2 44,1 12, Dimensões do eixo estriado Capacidade de carga nominal Momento Capacidade de torque nominal estático Diâmetro C C permitido C T C T externo kn kn M A N-m N-m N-m D 7 NS ,1 12,6 67,6 31,4 34,3 31 NS 22 1,2 17, ,9 55,9 35 NS ,2 25, NS , NS 44 37,8 6, NS 55 6,9 94, ,13,16,16,16,19,19 Nota) Para o eixo oco K, consulte a dimensão db para o diâmetro de profundidade interna do eixo. Caso necessário, um eixo sólido também está disponível. Consulte A para mais detalhes. Codificação do número do modelo NS L Comprimento total do eixo (em mm)

18 58-2BR t Te B5 H L1 B4 r L2 B6 H1 4- (9 equidistante) ds1 furo passante, d2 profundidade de escareamento h D1 dp D4 D3 db D D7 D5 d 3- d Capacidade de carga nominal do mancal de apoio D 4 Ca C a Momento de inércia da castanha P3 Momento de inércia do eixo parafuso/mm Unidade: mm Massa da Massa castanha do eixo H7 H B 4 B 5 Te P 1 P 2 S t d 1 kn kn kg cm 2 J kg cm 2 /mm kg kg/m , M4 12 4,5 4 19,4 19,2,48 3,92 1 4,38, M5 16 4,5 4 26,8 29,3 1,44 9,37 1 4,68 1, , M6 19 5,5 4 28,2 33,3 3,23 2, ,1 1, M6 19 6, ,74 5, ,74 2, , M ,3 74,1 27,9 1, ,95 4, M , ,2 3, ,22 7,16 Diâmetro do flange Comprimento total Furo de lubrifi cação Furo de montagem Unidade: mm Massa da castanha D 5 L 2 H 1 B 6 r d P 3 d S1 d 2 h kg 51 5,2 7 18, ,5 8 4,4, ,2 9 22,5, ,5 9,5 5,4, ,3 9 26,5, ,5 9,5 5,4, ,3 1 3, ,6 11 6,5,58 1 1, , ,6 1, , , ,5 11 2,76 Fuso de esferas Opcionais

Fuso de esferas de precisão com pontas de eixo retificadas

Fuso de esferas de precisão com pontas de eixo retificadas 58-2BR Modelo BNK padrão de estoque Diagrama de seleção Opcionais Codificação Precauções de uso cessórios para lubrificação Procedimento de montagem e manutenção B Precisão do ângulo de avanço Precisão

Leia mais

Exemplos de seleção de fuso de esferas

Exemplos de seleção de fuso de esferas Diagrama de seleção Equipamentos de transferência de alta velocidade (uso horizontal) Condições de seleção Massa da mesa m 1 = 60 kg Massa de trabalho m 2 = 20 kg Comprimento do curso l S = 1000 mm Velocidade

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

Fuso de esferas compatível com o padrão DIN (DIN69051)

Fuso de esferas compatível com o padrão DIN (DIN69051) Modelos EBA, EBB, EBC, EPA, EPB e EPC Castanha Eixo parafuso Defletor Fig.1 Fuso de esferas de precisão compatível com o padrão DIN (DIN69051) Diagrama de seleção A Opcionais A Codificação A Precauções

Leia mais

Dimensões 01深溝玉.indd 138 01深溝玉.indd 138 2007/08/22 16:27:39 2007/08/22 16:27:39

Dimensões 01深溝玉.indd 138 01深溝玉.indd 138 2007/08/22 16:27:39 2007/08/22 16:27:39 Dimensões Rolamento Fixo de Esferas Precisão Página 52 Folga interna Página 64 Dimensões de anel de retenção Página 45 Devido à sua versatilidade, o Rolamento Fixo de Esferas de Uma Carreira é o tipo

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R Tipo separado de guia linear (radial) modelo Trilho com cremalheira Recirculador Raspador Bloco Diagrama de Seleção A Posições de montagem Opcionais Codificação Precauções de uso Acessórios para lubrificação

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Página CILINDROS... 150 Inspeção e medição... 150 Retificação de cilindros... 150 Acabamento... 151 Limpeza... 151 MANCAIS DE MOTOR... 152 Mancal

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

Bomba Submersível para Instalação em Poço Úmido. 1. Aplicação. 3. Denominação. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação. Linha : Submersível

Bomba Submersível para Instalação em Poço Úmido. 1. Aplicação. 3. Denominação. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação. Linha : Submersível Folheto Descritivo A2750.1P/1 KSB KRT DRAINER Bomba Submersível para Instalação em Poço Úmido Linha : Submersível 1. Aplicação A bomba submersível KRT DRAINER é recomendada para aplicação em drenagem de

Leia mais

kymanual ou automática a escolha é sua

kymanual ou automática a escolha é sua . kymanual ou automática a escolha é sua Válvula borboleta LKB automática ou manual Aplicação ALKBéumaválvulaborboletasanitáriaacionadamanualou automaticamente para uso em sistemas com tubulações em aço

Leia mais

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela Onde estamos? Nosso roteiro ao longo deste capítulo A equação do movimento Equação do movimento

Leia mais

Acionamento de palhetas giratórias, Série RAK Ângulo de rotação: 30-270 Acionamento de palhetas giratórias, com efeito duplo Tipo de eixo: unilateral

Acionamento de palhetas giratórias, Série RAK Ângulo de rotação: 30-270 Acionamento de palhetas giratórias, com efeito duplo Tipo de eixo: unilateral Acionamentos giratórios Acionamento de palhetas giratórias 1 Pressão de operação mín/máx Veja a tabela abaixo Temperatura ambiente min./máx. Veja a tabela abaixo Temperatura de produto mín/máx. - C / +60

Leia mais

NOVO DURO-TA XT PLACA MECÂNICA. Leve e flexível para peças grandes e pequenas

NOVO DURO-TA XT PLACA MECÂNICA. Leve e flexível para peças grandes e pequenas NOVO DURO-TA XT PLACA MECÂNICA Leve e flexível para peças grandes e pequenas DURO-TA XT PLACA MECÂNICA Para atender os requisitos de flexibilidade, acessibilidade de peça e redução de peso de tornos mecânicos

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002 Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior Goulds Pumps Goulds Modelos 5150/VJC Bombas cantiléver verticais Projetadas para lidar com lamas corrosivas

Leia mais

www.ferdimat.com.br Retificadoras Cilíndricas Série CA / CA51H

www.ferdimat.com.br Retificadoras Cilíndricas Série CA / CA51H * Imagem ilustrativa, a máquina pode estar equipada com acessórios opcionais. Vendas nacionais Rua Dr. Miranda de Azevedo, N 415 Pompéia, São Paulo - SP Tel. (11) 3673-3922 - Fax. (11) 3862-6587 E-mail:

Leia mais

Mancais para Rolamentos de Fixação Rápida

Mancais para Rolamentos de Fixação Rápida Mancais para Rolamentos de Fixação Rápida A Competência é Nossa - A Vantagem é Sua Aplicações Qualidade para Todos os Casos: Rolamentos de Fixação Rápida na Indústria Os rolamentos de fixação rápida estão

Leia mais

ACOPLAMENTOS DE TAMBOR

ACOPLAMENTOS DE TAMBOR ACOPLAMENTOS DE TAMBOR T H E O R I G I N A L Série ÍNDICE Aplicação 3-4 Projeto e características 5 Seleção de tamanho 6-7 Tabela de dimensões dos 8 Conexão do acoplamento / tambor do cabo 9 Conexões do

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 10 Verificação e Ajuste da Folga Axial dos Compressores Parafuso 11/02 Tipos de compressores: OS.53 / OS.70 / OS.74 HS.53 / HS.64 / HS.74 HSKC 64 / HSKC 74 Sumário Página 1 Introdução

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

Atuadores giratórios 2SC5. Complementação das Instruções de uso SIPOS 5. Sujeito a alterações sem aviso prévio!

Atuadores giratórios 2SC5. Complementação das Instruções de uso SIPOS 5. Sujeito a alterações sem aviso prévio! Atuadores giratórios 2SC5 Complementação das Instruções de uso SIPOS 5 Edição 03.13 Sujeito a alterações sem aviso prévio! Conteúdo Complementação das instruções de uso SIPOS 5 Conteúdo Conteúdo 1 Fundamentos...

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Índice da seção Página Bielas Montagem da biela no pistão... 4 Verificação Instalação... 7 Remoção Torque... 8 Pistões Montagem do pistão na biela... 4 Verificação do desgaste

Leia mais

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL CENTROS DE USINAGEM VERTICAL Desenho construtivo das máquinas para oferecer Alta Rigidez, Alta Velocidade e Alta Precisão A estrutura da máquina é basicamente em ferro fundido MEEHANITE, estabilizado e

Leia mais

Tecnologia Eletromecânica. Atuadores eletromecânicos

Tecnologia Eletromecânica. Atuadores eletromecânicos Tecnologia Eletromecânica Atuadores eletromecânicos 3 de junho de 2014 Parker Eletromecânica Entendendo as necessidades do cliente Gerenciamento do Projeto Analise do Sistema Aceite dos Parametros de teste

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 3 Equilíbrio de Corpos Rígidos

ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 3 Equilíbrio de Corpos Rígidos ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 3 Equilíbrio de Corpos Rígidos Questão 1 Prova P2-2013.1 A estrutura ilustrada na figura é sustentada por três cabos (BD, CD e EF) e uma rótula

Leia mais

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 Conheça o funcionamento, diagnóstico e reparo do ajustador de freio automático, um componente primordial para segurança, aplicado em veículos pesados. Que a

Leia mais

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade.

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade. TORNO MECÂNICO É uma máquina-ferramenta muito versátil porque, além das operações de torneamento, pode executar operações que normalmente são feitas por outras máquinas como a furadeira, a fresadora e

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais

Batentes. Batente de esferas 378. Batentes autocompensadores de rolos 384

Batentes. Batente de esferas 378. Batentes autocompensadores de rolos 384 Batente de esferas 378 Definições e aptidões 378 Séries 378 Tolerâncias 379 Elementos de cálculo 379 Elementos de montagem 379 Características 380 Batente de esferas de efeito simples 380 Batentes autocompensadores

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

Características do fuso de esferas

Características do fuso de esferas Torque de acionamento de um terço do parafuso deslizante Com o fuso de esferas, esferas rolam entre o eixo parafuso e a castanha para alcançar uma alta eficiência. O torque de acionamento necessário é

Leia mais

BOMBA DE ENGRENAGENS EXTERNAS FBE

BOMBA DE ENGRENAGENS EXTERNAS FBE MANUAL TÉCNICO Série: FBE Aplicação Desenvolvida para trabalhar com fluidos viscosos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração, alimentícia,

Leia mais

Produtos de Precisão Fusos de Esferas Guias Lineares Sistemas Mecatrônicos

Produtos de Precisão Fusos de Esferas Guias Lineares Sistemas Mecatrônicos Para maiores informações entre em contato com um dos nossos escritórios. NSK BRASIL LTDA. São Paulo - SP - Escritório Central Rua Treze de Maio, 1633-14º andar - Bela Vista São Paulo - SP - CEP 01327-905

Leia mais

Rolamentos de rolos cônicos

Rolamentos de rolos cônicos Rolamentos de rolos cônicos Rolamentos de rolos cônicos 314 Definições e aptidões 314 Séries 315 Variantes 315 Tolerâncias e jogos 316 Elementos de cálculo 318 Elementos de montagem 320 Prefixos e sufixos

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador DESCRITIVO TÉCNICO Nome Equipamento: Máquina automática para corte de silício 45º e perna central até 400 mm largura Código: MQ-0039-NEP Código Finame: *** Classificação Fiscal: 8462.39.0101 1 Alimentador

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Centro de Massa O centro de massa de um sistema de partículas é o ponto que se move

Leia mais

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação A U A UL LA Acoplamento Introdução Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, percebeu um estranho ruído na roda. Preocupada, procurou um mecânico. Ao analisar o problema, o mecânico concluiu que

Leia mais

8 Informação Importante, Tabelas e Dimensionais

8 Informação Importante, Tabelas e Dimensionais Possíveis combinações.1 Possíveis combinações Estrutura das tabelas Estas tabelas mostram as possíveis combinações dos redutores e motores (freio) CA. Os dados a seguir são indicados para cada combinação,

Leia mais

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9 Ler atentamente e respeitar o manual de operação. A inobservância pode causar avarias de funcionamento ou a falha do limitador de torque, bem como os danos associados. Índice Página 1: - Índice - Símbolos

Leia mais

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda Caixas SNH e SN30 Fábrica de Mancais Curitiba Ltda SNH As caixas de rolamentos com base SNH foram projetadas para possibilitar maior flexibilidade na escolha do rolamento, vedação e lubrificação. Foram

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Caixas para rolamentos e

Caixas para rolamentos e Caixas para rolamentos e acessórios Série SNN e Série SD NSK, sua provedora de soluções Os números e sua história comprovam o sucesso A NSK é uma das líderes mundiais na fabricação de rolamentos: com 62

Leia mais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V 160C V 160G Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V160C, V160G Compacto, rápido, universal Aumente a produtividade Sistema Forte com máquinas verticais O sistema modular efici- compactas

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Vedação => TC. Vedação => TA. Vedação => TG. Vedação => TS

Vedação => TC. Vedação => TA. Vedação => TG. Vedação => TS Montagem das caixas SNHL Vedação => TC Vedação => TA Vedação => TG Vedação => TS Burger S/A Industria e Comércio Técnica/di 15/05/2009 66 Vedação TC Vedadores de Feltro TC Os vedadores são constituídos

Leia mais

MFA-YY-2 MANCAL FLANGEADO 2 FUROS YY ROLMENTO DE 22 X 06, 08 OU 10 mm

MFA-YY-2 MANCAL FLANGEADO 2 FUROS YY ROLMENTO DE 22 X 06, 08 OU 10 mm SAA-XX SUPORTE APOIADO XX-EIXO 12, 16 OU 20 mm R$ 19,98 SFA-XX-2 SUPORTE FLANGEADO 2 FUROS XX-EIXO 12, 16 OU 20 mm R$ 16,20 SFA-XX-4 SUPORTE FLANGEADO 4 FUROS XX-EIXO 12, 16 OU 20 mm R$ 18,72 SDA-XX SUPORTE

Leia mais

Rolamentos de Rolos Cilíndricos

Rolamentos de Rolos Cilíndricos Rolamentos de Rolos Cilíndricos Tolerância Página 52 Folga interna Página 64 axial Página 34 Modelos e Formatos Os Rolamentos de Rolos Cilíndricos NACHI são produzidos em uma larga variedade de projetos

Leia mais

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5 A Seco Tools tem a reputação de ser um dos líderes mundiais na fabricação e fornecimento de ferramentas de corte de metal duro e equipamentos correlatos. No entanto, a Seco apresenta uma força maior como

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção Capítulo 5 Torção 5.1 Deformação por torção de um eixo circular Torque é um momento que tende a torcer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o comprimento e

Leia mais

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SNH www.fcm.ind.br Caixas SNH Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução parcial

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos CAT. No. 9211 P NTN NTN Produtos que trazem benefícios em várias aplicações Equipamentos de siderurgia pertencem a grandes linhas que operam 24 horas por dia,

Leia mais

CM 9000. evolux. Peças e Partes

CM 9000. evolux. Peças e Partes CM 9000 evolux Peças e Partes IITEM ÍNDICE DESCRIÇÃO PÁGINA 1,0 ESTRUTURA E PARTES E EXTERNAS 1.1 GABINETE 2/3 1.2 TAMPA 4/5 1.3 SUPORTE E MONITOR 6/7 1.4 MECANISMO DA PORTA 8/9 2,0 TANQUE DA REFRIGERAÇÃO

Leia mais

Mancais e Rolamentos BRM

Mancais e Rolamentos BRM 7 - Seleção de Rolamentos O tamanho do rolamento a ser utilizado em uma determinada aplicação é selecionado a princípio com base em sua capacidade de carga em relação às cargas a serem aplicadas e as necessidades

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação Manual Técnico e Curvas Características Nº A1150.0P/3 Bomba Centrífuga para Uso Geral 1. Aplicação A bomba é indicada para o bombeamento de líquidos limpos ou turvos e encontra aplicação preferencial em

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse torno só dá furo! Na aula sobre furação, você aprendeu que os materiais são furados com o uso de furadeiras e brocas. Isso é produtivo e se aplica a peças planas. Quando é preciso furar peças cilíndricas,

Leia mais

Cilindros Aplicação Específica

Cilindros Aplicação Específica Conteúdo.1.1..1.3.1..1..1.6.1.7.1.8.1.9.1 Cilindro Fixador Mesa 1" Cilindro Fixador Mesa " Cilindro Extra Grande Compacto GC Cilindro Impacto Garra Pneumática Angular Cilindro Hidrocheck Cilindro Hidrocheck

Leia mais

Máquina de Costura Industrial Reta ZJ-9600. Manual de Montagem

Máquina de Costura Industrial Reta ZJ-9600. Manual de Montagem Máquina de Costura Industrial Reta ZJ-9600 Manual de Montagem ÍNDICE . Instalação do Reservatório de Óleo Primeiramente fixe as duas borrachas diretamente na mesa usando os pregos, conforme a figura. Em

Leia mais

TORNO CNC TORNO CNC PARA USINAGENS SUPER PESADAS

TORNO CNC TORNO CNC PARA USINAGENS SUPER PESADAS TORNO CNC TORNO CNC PARA USINAGENS SUPER PESADAS VOLTEIO SOBRE O BARRAMENTO 1.500 mm LARGURA DO BARRAMENTO 1.000 mm DISTÂNCIA ENTRE CENTROS 2.250~6.250 mm FURO DO EIXO ÁRVORE 181 mm (opcional 255 mm) MOTOR

Leia mais

PLACAS PARA TORNOS E CENTROS DE TORNEAMENTO

PLACAS PARA TORNOS E CENTROS DE TORNEAMENTO PLACAS PARA TORNOS E CENTROS DE TORNEAMENTO Sumário 1. Informações gerais 3 2. Características técnicas das Placas Pneumáticas PPU 3 3. Instruções de montagem, operação e manutenção 7 3.1. Montagem 7 3.1.1.

Leia mais

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Características Construtivas Tomada de Força VM Contents Generalidades, página 2 Tomada de força montada na caixa de mudanças, página 2 Tomada de

Leia mais

VENTILADORES LIMIT LOAD

VENTILADORES LIMIT LOAD VENTILADORES LIMIT LOAD UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES LIMIT LOAD Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: ELSC 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

Sumário 1. MÁQUINAS CONVENCIONAIS...06 2. MÁQUINAS CNC...23

Sumário 1. MÁQUINAS CONVENCIONAIS...06 2. MÁQUINAS CNC...23 Sumário 1. MÁQUINAS CONVENCIONAIS...06 1.1 Fresadoras Ferramenteiras...07 1.2 Tornos Universais...09 1.2.1 Tornos Leves...09 1.2.2 Tornos Médios...11 1.2.3 Tornos Pesados...13 1.3 Furadeiras Radiais...15

Leia mais

Torques de 17 a 3500 Nm PREESFUNDIDO GGR AÇO GGR FUNDIDO GGS PRECISÃO. ago/13

Torques de 17 a 3500 Nm PREESFUNDIDO GGR AÇO GGR FUNDIDO GGS PRECISÃO. ago/13 s de 17 a 3500 PREESFUNDIDO GGR AÇO GGR FUNDIDO GGS PRECISÃO ago/13 GGR AÇO Acoplamento recomendado para altos torques, rotações ou grandes vibrações. De construção 100% usinada, garante precisão de alinhamento

Leia mais

EIXO DIFERENCIAL SIMPLES REDUÇÃO 17X

EIXO DIFERENCIAL SIMPLES REDUÇÃO 17X EIXO DIFERENCIAL SIMPLES REDUÇÃO 17X Índice Notas de serviço... 2 Introdução... 4 Manutenção... 9 Padrões de contato de engrenagens hipoide... 37 Susbstituição do vedador do pinhão... 40 Remoção do sistema

Leia mais

CURVILINE RL_CL_PRT_02/11. www.rollon.com

CURVILINE RL_CL_PRT_02/11. www.rollon.com CURVILINE www.rollon.com Sobre a empresa Rollon Crescimento mundial da empresa Ampliação e otimização contínuas do portfólio 1975 Fundação da empresa-mãe, Rollon S.r.l., na Itália 1991 Fundação da Rollon

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CE 21.530-000 Telefax: (21) 3372-8484 vendas@trocalor.com.br

Leia mais

Transmissão transversal MQ: mecanismo de troca das marchas

Transmissão transversal MQ: mecanismo de troca das marchas 2 Transmissão transversal MQ: mecanismo de troca das marchas Transmissão transversal MQ: mecanismo de troca das marchas Essa transmissão foi utilizada pela primeira vez no Brasil no Logus e Pointer, que

Leia mais

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA 1 INTRODUÇÃO As Furadeiras de Base Magnética Merax caracterizam-se por serem robustas, porém leves e de fácil transporte. Utilizam qualquer tipo de broca, preferencialmente as brocas anulares. Trabalham

Leia mais

Cilindros de parada seguros - silenciosos - confiáveis

Cilindros de parada seguros - silenciosos - confiáveis Cilindros de parada seguros - silenciosos - confiáveis 13017381 Info 166 Cilindros de parada o equipamento compacto e simples para automatizar linhas de transporte Utilização Equipamento rápido e simples

Leia mais

Construção do FMEA para um torno mecânico e uma furadeira coluna existentes na oficina de tornearia do CEFET PB UnED Cajazeiras

Construção do FMEA para um torno mecânico e uma furadeira coluna existentes na oficina de tornearia do CEFET PB UnED Cajazeiras Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba Unidade de Ensino Descentralizada de Cajazeiras Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial Disciplina: Manutenção Industrial José Rômulo Vieira

Leia mais

Instruções complementares Bypass 72 Tubo de by-pass com sonda de medição de nível de enchimento VEGAFLEX

Instruções complementares Bypass 72 Tubo de by-pass com sonda de medição de nível de enchimento VEGAFLEX Instruções complementares Bypass 72 Tubo de by-pass com sonda de medição de nível de enchimento VEGAFLEX Descrição do produto 1 Descrição do produto O by-pass 72 é um equipamento completo para a medição

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

VENTILADORES CENTRÍFUGOS DUPLA ASPIRAÇÃO. Modelos BSD-GTD

VENTILADORES CENTRÍFUGOS DUPLA ASPIRAÇÃO. Modelos BSD-GTD VENTILADORES CENTRÍFUGOS DUPLA ASPIRAÇÃO Modelos BSD-GTD VENTILADORES DUPLA ASPIRAÇÃO Aspectos gerais Os ventiladores da série BSD, de pás curvadas para frente e GTD/GHB (tecnologia ABB) de pás curvadas

Leia mais

Pneumática. Exercícios de dimensionamento de redes de ar comprimido. Automação. 3.ª Edição. Publindústria

Pneumática. Exercícios de dimensionamento de redes de ar comprimido. Automação. 3.ª Edição. Publindústria Exercícios de dimensionamento de redes de ar comprimido Automação Pneumática.ª Edição Adriano Almeida Santos. António Ferreira da Silva Publindústria metros 100 metros Dimensionamento de redes de ar comprimido

Leia mais

Especificações técnicas das máquinas Alimentos

Especificações técnicas das máquinas Alimentos Especificações técnicas das máquinas Alimentos Máquinas alimentares sãoinovaçãoe revolucionouosde processamento de alimentosalimentos congeladosoucortadosrapidamente, limpo e semcontato com qualquertipo

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti.

Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti. Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti. Resolução dos Exercícios. Por Josenei Godoi( Dúvidas,sugestões ou correções enviar email para joseneigodoi@yahoo.com.br). Resumo de fórmulas: - Tensão

Leia mais

Keystone RMI DUBEX Válvula Borboleta

Keystone RMI DUBEX Válvula Borboleta Keystone RMI DUBEX Válvula Borboleta Dubex é uma válvula de sede resiliente triexcêntrica com flange duplo, projetada para serviços na indústria de água Características Aplicação geral Estação de bombeamento

Leia mais

Instruções de instalação. Bombas de incêndio centrífugas das séries CM e CS. Índice

Instruções de instalação. Bombas de incêndio centrífugas das séries CM e CS. Índice Bombas de incêndio centrífugas das séries CM e CS Instruções de instalação Form. N.º F-1031 Seção 3011 Data de emis. 04/28/99 Data de rev. 05/11/12 Índice Informação de segurança... 2 Introdução... 3 Montagem

Leia mais

DINÂMICA DE MÁQUINAS

DINÂMICA DE MÁQUINAS DINÂMICA DE MÁQUINAS CAPITULO 2 Momentos de inércia de componentes de máquinas com diferentes geometrias 1. O corpo composto mostrado na figura consiste em uma barra esbelta de 3 kg e uma placa fina de

Leia mais

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL - Foto meramente ilustrativa podendo não conter os mesmos acessórios/cores do orçamento, marca NARDINI, Modelo ND - 220 GOLD, procedência NACIONAL, produzido por Indústrias Nardini S/A, de acordo com normas

Leia mais

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores Robótica Industrial Projeto de Manipuladores Robôs são os típicos representantes da Mecatrônica. Integram aspectos de: Manipulação Sensoreamento Controle Comunicação 1 Robótica e Mecatrônica 2 Princípios

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

Mini Aquecedor série SEC 016 8W, 10W, 13W

Mini Aquecedor série SEC 016 8W, 10W, 13W Mini Aquecedor série SEC 016 8W, 10W, 13W Limitador de temperatura Ampla faixa de alimentação Aquecimento dinâmico Economia de energia elétrica Compacto Aquecedor para aplicação em invólucros de pequeno

Leia mais

Identificação de Partes

Identificação de Partes Intificação Partes Part List-349-I Motor Vertical Indução 1. Superior 2. Porca e Arruela do Eixo do Motor 3. Inferior 4. da Tampa Superior 5. Defletor Óleo 6. Tampa Superior 7. Rolamento Contato Angular

Leia mais

FLEXSUL REPRESENTAÇÕES Fone: 41 3287 6778 / Fax: 41 3287 1910

FLEXSUL REPRESENTAÇÕES Fone: 41 3287 6778 / Fax: 41 3287 1910 PD 60 SISTEMA DE TROCA UNITÁRIO Prensadora de terminais com sistema de Troca Unitário Prensa todos os tipos de mangueiras, de 3/16'' ate 2'' de diâmetro interno para 1, 2 e 4 espirais Concluída a operação

Leia mais

Principais funções de movimento em analisadores médicos.

Principais funções de movimento em analisadores médicos. Movimento em analisadores médicos Menor, mais rápido, mais forte. Como os motores em miniatura estão ajudando os equipamentos de diagnóstico a avançar. Os diagnósticos médicos fazem parte da vida cotidiana

Leia mais

Curitiba, 09 de novembro de 2009. À Fundação Universidade de Brasília. Profo. Alberto Alvares

Curitiba, 09 de novembro de 2009. À Fundação Universidade de Brasília. Profo. Alberto Alvares Curitiba, 09 de novembro de 2009. À Fundação Universidade de Brasília. Profo. Alberto Alvares Ref. Centro de Usinagem Vertical modelo Mini Mill, marca HAAS Automation - USA Cotação N TE0120/09 REVISÃO

Leia mais