Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d"

Transcrição

1 Definição Fresas São ferramentas rotativas para usinagem de materiais, constituídas por uma série de dentes e gumes, geralmente dispostos simetricamente em torno de um eixo. Os dentes e gumes removem o material da peça bruta de modo intermitente, transformando-a a numa peça acabada, isto é, com a forma e dimensões desejadas O fato do fresamento utilizar-se de ferramenta multi-cortante e esta poder se apresentar sob as mais variadas formas, confere a esta operação um caráter de versatilidade em face das varias superfícies necessárias numa peça em usinagem.

2

3 Classificação A classificação das fresas pode ser realizada segundo vários critérios: 1. Método de fresamento 2. Tipo de construção das fresas 3. Forma geométrica das fresas 4. Tipo de flanco ou superfície de incidência das fresas 5. Forma dos dentes das fresas e dos canais entre os dentes 6. Sentido de corte das fresas 7. Montagem ou fixação das fresas na máquina (fresadora) 8. Aplicação das fresas

4 1. Quanto ao método de fresamento 1.1 Fresas para fresamento periférico, também denominado tangencial:

5 1. Quanto ao método de fresamento 1.2 Fresas para fresamento frontal

6 2. Quanto ao tipo de construção das fresas 2.1Tipo corpo ou bloco único - inteiriça

7 2. Quanto ao tipo de construção das fresas 2.2 Corpo com dentes soldados ou colados

8 2. Quanto ao tipo de construção das fresas 2.3 Corpo com dentes substituíveis, fixados com grampos e/ou parafusos

9 3. Quanto a forma geométrica das fresas 3.1 Corpo cilíndrico com grande largura ou comprimento (fresa cilíndrica)

10 3. Quanto a forma geométrica das fresas 3.2 Corpo cilíndrico com pequena largura (fresa de disco) Pequena largura e, além dos dentes periféricos, gumes em uma ou ambas as laterais do disco:

11 3. Quanto a forma geométrica das fresas 3.3 Corpo cilíndrico com pequena largura (serra)

12 3. Quanto a forma geométrica das fresas 3.4 Corpo cilíndrico com haste própria para fixação (fresa com haste) Também chamadas fresas de topo, são usadas para facear, ranhurar, executar bolsões, rebaixos, matrizes, gravações, rasgos de todos os tipos e tamanhos, fresar contornos. Cortam tanto na periferia como na parte frontal, podendo ser usadas em fresadoras verticais e horizontais. Fresas de topo de haste cilíndrica

13 3. Quanto a forma geométrica das fresas 3.4 Corpo cilíndrico com haste própria para fixação (fresa com haste) Fresas de topo de haste cônica: Estas fresas tem cone Morse e furo roscado

14 3. Quanto a forma geométrica das fresas 3.4 Corpo cilíndrico com haste própria para fixação (fresa com haste) Fresas de haste para ranhuras T

15 3. Quanto a forma geométrica das fresas 3.4 Corpo cilíndrico com haste própria para fixação (fresa com haste) Fresas de haste para ranhuras Woodruff

16 3. Quanto a forma geométrica das fresa 3.5 Corpo cônico, com ou sem haste própria para fixação (angular) São fresas que têm dois gumes principais, formando um ângulo entre si. Fresas frontais angulares

17 3. Quanto a forma geométrica das fresa 3.5 Corpo cônico, com ou sem haste própria para fixação (angular) Fresa prismática

18 3. Quanto a forma geométrica das fresa 3.5 Corpo cônico, com ou sem haste própria para fixação (angular) Fresas angulares com haste cilíndrica

19 3. Quanto a forma geométrica das fresa 3.6 Corpo com forma especial ou particular (com perfil constante) Fresas convexas Usadas para fresar ranhuras semicirculares

20 3. Quanto a forma geométrica das fresa 3.6 Corpo com forma especial ou particular (com perfil constante) Fresas côncavas Podem ser inteiriças ou acopladas (bipartidas). Usadas para executar superfícies semicirculares,

21 3. Quanto a forma geométrica das fresa 3.6 Corpo com forma especial ou particular (com perfil constante) Fresas de arredondar cantos São fresas de um quarto de círculo, usadas para arredondar cantos.

22 4. Quanto ao tipo de flanco ou superfície de incidência das fresas 4.1 Com superfície de incidência fresada

23 4. Quanto ao tipo de flanco ou superfície de incidência das fresas 4.2 Com superfície de incidência detalonada

24 5. Quanto a forma dos dentes das fresas e dos canais entre os dentes 5.1 Com dentes e canais retos

25 5. Quanto a forma dos dentes das fresas e dos canais entre os dentes 5.2 Com dentes e canais helicoidais (helicoidais à direita ou à esquerda)

26 5. Quanto a forma dos dentes das fresas e dos canais entre os dentes 5.3 Com dentes e canais bi-helicoidais.

27 7. Quanto a montagem ou fixação das fresas na máquina (fresadora) 7.1 Montagem sobre um eixo auxiliar (sobre mandril)

28 7. Quanto a montagem ou fixação das fresas na máquina (fresadora) 7.2 Montagem através da sua própria haste

29 7. Quanto a montagem ou fixação das fresas na máquina (fresadora) 7.3 Montagem com auxílio de parafusos e chaveta (fresas frontais)

30 8. Quanto a aplicação das fresas 8.1 Para usinagem de rasgos e canais diversos

31 8. Quanto a aplicação das fresas Fresas de topo - para executar rasgos de diferentes tipos e tamanhos, fresar contornos, etc As fresas de topo são usadas para facear, ranhurar, executar bolsões, rebaixos, matrizes, gravações, rasgos de diferentes tipos e tamanhos e fresar contornos.

32 8. Quanto a aplicação das fresas Fresas cilíndrico-frontais - utilizadas na usinagem de ranhuras e contornos. Na figura temos a ferramenta executando uma operação de fresamento de canal.

33 8. Quanto a aplicação das fresas Fresas detalonadas - usadas para produzir formas complexas, como ranhuras semicirculares.

34 8. Quanto a aplicação das fresas 8.2 Para usinagem de rebaixos para chavetas

35 8. Quanto a aplicação das fresas 8.3 Para usinagem de guias Na usinagem de guias temos a possibilidade de aplicação de diversos tipos de ferramentas, dependendo do tipo de guia a ser obtida. Fresas com haste para ranhuras T -

36 8. Quanto a aplicação das fresas 8.3 Para usinagem de guias Fresas frontais angulares

37 8. Quanto a aplicação das fresas 8.3 Para usinagem de guias Fresas prismáticas

38 8. Quanto a aplicação das fresas 8.6 Para realizar rebaixos em superfícies Fresas

Fresas Ferramentas de fresar

Fresas Ferramentas de fresar Fresas Ferramentas de fresar As maiores exigências de trabalho de usinagem de madeiras, de painéis aglomerados e MDF são hoje feitas para as ferramentas de fresar. 1. Condições de segurança 2. Alto rendimento

Leia mais

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Fresamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL HUDSON FABRÍCIO XAVIER PEREIRA Vespasiano-2012 FRESAGEM Apostila elaborada para a disciplina de Fresagem para

Leia mais

PROF. FLAUDILENIO EDUARDO LIMA UNIDADE 3. Projeções Ortogonais

PROF. FLAUDILENIO EDUARDO LIMA UNIDADE 3. Projeções Ortogonais UNIDADE 3 Projeções Ortogonais PROF. FLAUDILENIO E. LIMA Entendendo desenho técnico t mecânico Como introdução ao desenho técnico, na grande maioria dos cursos é feita o desenho mecânico. Abaixo temos

Leia mais

Prática de Oficina Processos de Fabricação

Prática de Oficina Processos de Fabricação Prática de Oficina Processos de Fabricação Filipi Damasceno Vianna Porto Alegre, 24 de junho de 2002. Sumário Introdução 3 1 Torno Mecânico Horizontal Comum 4 1.1 Campo de Aplicação..............................

Leia mais

Afiação de ferramentas

Afiação de ferramentas A UU L AL A Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se desgastam, apresentando trincas ou deformações na forma e nas propriedades. Devido a este desgaste, as

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais Fresando engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais A UU L AL A Na aula passada você viu como fresar engrenagens cilíndricas de dentes retos, utilizando o aparelho divisor universal e divisão indireta.

Leia mais

Realizando cálculos para o aparelho divisor (I)

Realizando cálculos para o aparelho divisor (I) Realizando cálculos para o aparelho divisor (I) A UU L AL A Você já estudou como fazer os cálculos para encontrar as principais medidas para a confecção de uma engrenagem cilíndrica de dentes retos. Vamos

Leia mais

Campos de configuração das máquinas

Campos de configuração das máquinas Campos de configuração das máquinas (algumas máquinas podem não conter alguns dos campos descritos neste documento, ou eles poderão estar dispostos em outras áreas de configuração do plug-in) Centros de

Leia mais

Parte 5 Operação de Furação

Parte 5 Operação de Furação Parte 5 Operação de Furação revisão 6 152 Parte 5 Operação de furação 5.1 Introdução Na área de usinagem metal-mecânica existem diversas formas de se obter furos em peças. Pode-se destacar os seguintes

Leia mais

Processos mecânicos de usinagem

Processos mecânicos de usinagem DDSSDD SENAI Departamento Regional de SãoPaulo Ensino a distância Usinagem - Tecnologia do corte módulo 1 Processos mecânicos de usinagem Programações a Distância de Tecnologia Industrial SENAI-SP, 1998

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio TDUA2 Aula 3 Prof. Carlos Fernando Fresadoras. Tipos de Fresamento. Fresas, Tipos de Fresas. Fresadora A fresadora

Leia mais

COMPONENTES PARA TRANSMISSÃO

COMPONENTES PARA TRANSMISSÃO COMPONENTES PARA TRANSMISSÃO CATÁLOGO DE PRODUTOS * ENGRENAGEM DENTADA CILÍNDRICA * CREMALHEIRAS * ENGRENAGEM CÔNICA * BARRAS E PORCAS DE ROSCA TRAPEOIDAL * ENGRENAGEM PARA CORRENTE NORMA DIN * BUCHAS

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Chavetas Chavetas Tem finalidade de unir dois elementos. Fabricado em aço Formato retangular ou semicircular Chavetas Tem finalidade de unir dois elementos. Fabricado

Leia mais

1. Osciloscópio com as seguintes especificações mínimas. 2. Gerador de funções com as seguintes especificações mínimas

1. Osciloscópio com as seguintes especificações mínimas. 2. Gerador de funções com as seguintes especificações mínimas ANEXO 4 Especificação básica de alguns equipamentos utilizados na manutenção de equipamentos médico-hospitalares Equipamentos para manutenção de materiais eletrônicos 1. Osciloscópio com as seguintes especificações

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos A UU L AL A Na aula passada você viu como furar na fresadora, utilizando a mesa divisora. Nesta aula você vai aprender a fresar engrenagens, utilizando

Leia mais

Engrenagens II. Nesta aula trataremos da representação das. Conceitos básicos. Representação dos dentes. engrenagens no desenho técnico.

Engrenagens II. Nesta aula trataremos da representação das. Conceitos básicos. Representação dos dentes. engrenagens no desenho técnico. A UU L AL A Engrenagens II Nesta aula trataremos da representação das engrenagens no desenho técnico. Introdução Conceitos básicos As engrenagens são representadas, nos desenhos técnicos, de maneira normalizada.

Leia mais

Processos de usinagem Mandrilhamento e brochamento

Processos de usinagem Mandrilhamento e brochamento Processos de usinagem Mandrilhamento e brochamento Conteúdo INTRODUÇAO A PROCESSO DE FABRICAÇÃO... 3 INTRODUÇÃO A MANDRILHAMENTO... 4 O QUE É MANDRILHAMENTO?... 6 TIPOS DE MANDRILHAMENTO... 6 MANDRILHAMENTO

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 8 DESENHO DE CONJUNTO E ELEMENTOS DE MÁQUINA (UNIÃO E FIXAÇÃO)

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 8 DESENHO DE CONJUNTO E ELEMENTOS DE MÁQUINA (UNIÃO E FIXAÇÃO) DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 8 DESENHO DE CONJUNTO E ELEMENTOS DE MÁQUINA (UNIÃO E FIXAÇÃO) Notas de Aulas v.2016 DESENHO DE CONJUNTO E DE DETALHE DEFINIÇÕES Conjuntos Mecânicos Peças justapostas

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA BROCAS (NOMENCLATURA,CARAC. TIPOS) São ferramentas de corte, de forma cilíndrica, com canais retos ou helicoidais, temperadas, terminam em ponta cônica e são afiadas

Leia mais

Caderno de exercício. Desenho 1

Caderno de exercício. Desenho 1 Caderno de exercício Desenho 1 Prof: Viviane Dorneles SENAI Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 1 1.1 Criando um desenho técnico O desenho é uma forma de linguagem usada pelos artistas. Desenho técnico

Leia mais

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima LIMAGEM Introdução Noções de limagem Tipos de Lima Temas a abordar Limagem manual; Classificação de limas; Métodos e regras de trabalho; Materiais industriais; Outros tipos de limagem; Exercícios simples

Leia mais

Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação Edital no. 047/2015 TIPO 1

Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação Edital no. 047/2015 TIPO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso para Técnico-Administrativo em Educação 27 de setembro

Leia mais

Implementações 2009. Sistema: Interface Geral: Interface Display: Licenciamento:

Implementações 2009. Sistema: Interface Geral: Interface Display: Licenciamento: Implementações 2009 O GibbsCAM 2009 v9.3.21, versão esta que apresenta mais de 150 melhorias significativas em toda a linha do software GibbsCAM fornecendo assim um valor excepcional para os clientes em

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA ROSCAS (NOÇÕES TIPOS NOMENCLATURA) É uma saliência, em forma helicoidal, que se desenvolve, externa ou internamente, ao redor de uma superfície cilíndrica ou cônica.

Leia mais

SENAI - CE Centro de Educação e Tecnologia Alexandre Figueira Rodrigues - CET AFR

SENAI - CE Centro de Educação e Tecnologia Alexandre Figueira Rodrigues - CET AFR Unidade Escolar CNPJ Razão Social Nome de Fantasia Esfera Administrativa Endereço (Rua, No) Cidade/UF/CEP Telefone/Fax E-mail de Contato Site da Unidade Área do Plano 03.768.202/0007-61 SEI - Centro de

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO

ATA DE REGISTRO DE PREÇO ATA DE REGISTRO DE PREÇO DADOS DO PREGÃO NÚMERO DO PREGÃO: 20/2014 NÚMERO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS: 20/2014 ÓRGÃO GESTOR: HOSPITAL GERAL DO RIO DE JANEIRO UASG: 160323 CONTATO NO ÓRGÃO PARA ADESÃO:

Leia mais

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 257 33. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 33.1. Introdução As peças que serão retificadas, normalmente, chegam à retificadora com um sobremetal

Leia mais

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado.

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado. Serras circulares Serras circulares são discos dentados que trabalham em máquinas muito solicitadas em marcenarias, carpintarias e serrarias. Estas serras efetuam cortes longitudinais, paralelos, transversais

Leia mais

Mesa de centro com tabuleiro integrado

Mesa de centro com tabuleiro integrado Mesa de centro com tabuleiro integrado Vamos para a mesa Mesa de centro com tabuleiro integrado Esta mesa de centro é genial: ela dispõe de um tabuleiro para que possa mimar as suas vistas com todo o tipo

Leia mais

AJUSTAGEM 06/05/2013. As limas são classificadas e especificadas de acordo com cinco diferentes características:

AJUSTAGEM 06/05/2013. As limas são classificadas e especificadas de acordo com cinco diferentes características: AJUSTAGEM LIMAS: São ferramentas de cortes de grande emprego nas operações de ajustagem mecânica. A ajustagem mecânica consiste em um trabalho manual, sendo o ajuste feito a lima. A qualidade dos trabalhos

Leia mais

Aula 09. Processo de Furação

Aula 09. Processo de Furação Aula 09 Processo de Furação Prof. Dr. Eng. Rodrigo Lima Stoeterau Formas de obtenção de furos Processos de Usinagem Processo de usinagem onde movimento de corte é principal rotativo, e o movimento de avanço

Leia mais

Biombos 70 e 90 Estações de Trabalho

Biombos 70 e 90 Estações de Trabalho 1 de 20 2 de 20 Detalhes Técnicos 3 de 20 Quadro de vidro PAINEL CEGO PAINEL TOTAL VIDRO SIMPLES VIDRO SIMPLES PAINEL MEIO Chassi Travessa Intermediária Calha Intermediária Placa Madeira Calha de fiação

Leia mais

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 2 1 100 1 132 1 000 FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 1. Coloque a caverna do meio sobre o picadeiro a frente da traverssa. Para o barco de 5,2 m a caverna 2, para os barcos maiores a caverna 3. 2. Alinhe

Leia mais

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade.

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade. TORNO MECÂNICO É uma máquina-ferramenta muito versátil porque, além das operações de torneamento, pode executar operações que normalmente são feitas por outras máquinas como a furadeira, a fresadora e

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. ESTRUTURA E BLINDAGEM DOS MODULOS 1.1 - Estruturas Laterais Externas Deverão ser confeccionadas em chapa de aço SAE1010 #18, com varias dobras formando colunas, sem quinas ou

Leia mais

Retificação. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Retificação. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Retificação DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

Relatório Técnico do Estágio

Relatório Técnico do Estágio Relatório Técnico do Estágio Profissional em Empresa de Fabricação de Implantes Dentais Escola: José Fagundes Neto SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Aluno: Adenilson José Laier Endereço:

Leia mais

FEPI. Fresamento. Surgiu em , Page 1 Tecnologia Mecânica II

FEPI. Fresamento. Surgiu em , Page 1 Tecnologia Mecânica II Fresamento A Fresagem ou o Fresamento é um processo de usinagem mecânica, feito através de uma máquina chamada FRESADORA e ferramentas especiais chamadas de FRESAS. Surgiu em 1918 28.09.2009, Page 1 Fresadora

Leia mais

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Introdução Algumas peças apresentam partes arredondadas, elementos arredondados ou furos, como mostram os exemplos abaixo: parte arredondada furo

Leia mais

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções:

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções: ESQUADREJADORA A esquadrejadora é uma máquina de serra circular que permite realizar cortes rectos de precisão, vazados ou interrompidos, de peças de grande dimensão. É constituída por um corpo com mesa

Leia mais

AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções

AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções ESTE MANUAL CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE MONTAGEM, OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E SEGURANÇA REFERENTES AO AFIADOR ELÉTRICO DE BANCADA OREGON 511A. FAVOR LER

Leia mais

BEDAMES. Bitola Espessura C. Total 3/32 1/8 1/8 5/8 1/8 3/32 3/4 1/8 3/4 3/4 1/8 3/4 5/32 5 1/8 3/16 1/8 3/16 5/32 1/2 1/8 1/8 1/2 1/8 5/8 3/16 6

BEDAMES. Bitola Espessura C. Total 3/32 1/8 1/8 5/8 1/8 3/32 3/4 1/8 3/4 3/4 1/8 3/4 5/32 5 1/8 3/16 1/8 3/16 5/32 1/2 1/8 1/8 1/2 1/8 5/8 3/16 6 BEDAMES NACIONAL -Co % Co Bitola Espessura C. Total.Co / / / /././ 9 7 / / / / / / / / / / / / / / / / 9 / / 7 / / / / / / / / 7 / / / / 9 / / 7 / / 0 7/ 7/ 7/ / / / / / / 7 790 0 7 0 IMPORTADO Bitola

Leia mais

SAUER SUNDSTRAND SÉRIE 90 42/55/75/100/130/190/250

SAUER SUNDSTRAND SÉRIE 90 42/55/75/100/130/190/250 SAUER SÉRIE 90 42/55/75/00/30/90/250 Bomba de pistões axias de vazão variável. Circuito fechado. 74 SAUER SÉRIE M 90 55 / 75 / 00 / 30 Motor de pistões axias de vazão fixa. 75 Lista de Componentes - Série

Leia mais

1 Introdução. Elementos de fixação. Elementos de fixação constitui uma unidade. de 13 aulas que faz parte do módulo Elementos de Máquinas.

1 Introdução. Elementos de fixação. Elementos de fixação constitui uma unidade. de 13 aulas que faz parte do módulo Elementos de Máquinas. A U A UL LA Introdução aos elementos de fixação Introdução Elementos de fixação constitui uma unidade de 3 aulas que faz parte do módulo Elementos de Máquinas. Nessa unidade, você vai estudar os principais

Leia mais

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R Tipo separado de guia linear (radial) modelo Trilho com cremalheira Recirculador Raspador Bloco Diagrama de Seleção A Posições de montagem Opcionais Codificação Precauções de uso Acessórios para lubrificação

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS EXPERIMENTAL DE ITAPEVA REGINA DE SOUSA CAMILO. FRESAMENTO DE Eucalyptus grandis

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS EXPERIMENTAL DE ITAPEVA REGINA DE SOUSA CAMILO. FRESAMENTO DE Eucalyptus grandis UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS EXPERIMENTAL DE ITAPEVA REGINA DE SOUSA CAMILO FRESAMENTO DE Eucalyptus grandis Itapeva - SP 2013 REGINA DE SOUSA CAMILO FRESAMENTO DE Eucalyptus

Leia mais

Tolerância geométrica de forma

Tolerância geométrica de forma Tolerância geométrica de forma A UU L AL A Apesar do alto nível de desenvolvimento tecnológico, ainda é impossível obter superfícies perfeitamente exatas. Por isso, sempre se mantém um limite de tolerância

Leia mais

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Expedição ao mundo animal. Casa para pássaros Pequenos e grandes zoólogos podem em breve observar e descobrir o mundo a partir da própria porta da varanda.

Leia mais

Complementos para telhas Brasilit

Complementos para telhas Brasilit Complementos para telhas Brasilit A mais completa linha de cumeeiras, rufos, espigões, arestas, cantoneiras, terminais, pingadeiras, tampões, calços, venezianas, claraboias e placas de vedação. TECNOLOGIA

Leia mais

Usinagem. Processos de Fabricação. Filipi Vianna. Porto Alegre, 2013. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia

Usinagem. Processos de Fabricação. Filipi Vianna. Porto Alegre, 2013. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Usinagem Processos de Fabricação Filipi Vianna Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Porto Alegre, 2013 Processos de Fabricação Dentre os processos tradicionais

Leia mais

FURAÇÃO E ESCAREAMENTO. Prof. Fernando 1

FURAÇÃO E ESCAREAMENTO. Prof. Fernando 1 FURAÇÃO E ESCAREAMENTO Prof. Fernando 1 Processo de usinagem onde movimento de corte é principal rotativo, e o movimento de avanço é na direção do eixo Furadeira a arco egípcia de 1.000 A.C. Prof. Fernando

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

A afiação das ferramentas é feita somente nas superfícies que determinam os ângulos de ataque, de cunha e saída.

A afiação das ferramentas é feita somente nas superfícies que determinam os ângulos de ataque, de cunha e saída. O que é afiação? 1 Afiação é a operação de dar forma e perfilar arestas de ferramentas novas (última fase do processo de fabricação) e de restaurar o corte ou o perfil de ferramentas desgastadas pelo uso.

Leia mais

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1 MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG Folheto N º 1 STD OSG MACHOS MÁQUINA ALTA PERFORMANCE Macho Ponta Helicoidal (POT) DIN 371 250/4 Métrica Grossa 6H rápido 280/4 Unificada Grossa UNC 2B 281/4 Unificada

Leia mais

A INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES Fone:(31)2513-5198 Fax: (31) 2513-5203 PREGÃO ELETRÔNICO 175/2013

A INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES Fone:(31)2513-5198 Fax: (31) 2513-5203 PREGÃO ELETRÔNICO 175/2013 A INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES Fone:(31)2513-5198 Fax: (31) 2513-5203 PREGÃO ELETRÔNICO 175/2013 1 1. DADOS DO FORNECEDOR 1.1 Dados Cadastrais da Empresa Razão Social:

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

ConeFit TM para máxima flexibilidade.

ConeFit TM para máxima flexibilidade. Competência em produtos _COMPETÊNCIA EM USINAGEM Fresamento ConeFit TM para máxima flexibilidade. WALTER PROTOTYP ConeFit sistema modular para fresamento O SISTEMA DA FERRAMENTA Sistema modular de fresamento

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013.

ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013. ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013. Processo 56220/2013-73 Pregão 26/2014 GRUPO 1 MESAS E ESTAÇÕES DE TRABALHO 1 MESA RETANGULAR PARA COMPUTADOR 1200X770MM 2 MESA RETANGULAR PARA COMPUTADOR 1600X770MM

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL METAL/MECÂNICA SENAI RR SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS 1. TÍTULO INTRODUÇÃO À HIDRÁULICA Proporcionar ao treinando a compreensão dos princípios básicos da

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont Questão 01 O registro representado na Figura 1 é composto por vários componentes mecânicos, muitos deles, internamente à caraça. Peças com essa característica são difíceis de representar em desenhos técnicos,

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro Saúde e segurança marceneiro. A preocupação com o bem-estar, a saúde e a segurança do marceneiro no trabalho, vem crescendo no decorrer dos últimos anos, pois, quando o trabalho representa apenas uma obrigação

Leia mais

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem.

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. TRIDIMENSIONALIDADE O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. As formas tridimensionais são aquelas que têm

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS SISTEMA DE ARQUIVO DESLIZANTE ORGÃO GERENCIADOR:

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS SISTEMA DE ARQUIVO DESLIZANTE ORGÃO GERENCIADOR: ATA DE REGISTRO DE PREÇOS SISTEMA DE ARQUIVO DESLIZANTE ORGÃO GERENCIADOR: Código UASG: 393003 Pregão Eletrônico SRP n 511/14 Vigência: 26/11/2014 a 25/11/2015 Sr. Luciano Sacramento Fone: (61) 3315-4241/4601

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 02 Projeção, vistas, diedros PROJEÇÕES Projeções Projeção Cilíndrica Projeção Ortogonal Isométrica Vistas Ortográficas 1º Diedro 2º Diedro 3º Diedro 4º Diedro PROJEÇÕES

Leia mais

Identificação de Partes

Identificação de Partes Intificação Partes Part List-349-I Motor Vertical Indução 1. Superior 2. Porca e Arruela do Eixo do Motor 3. Inferior 4. da Tampa Superior 5. Defletor Óleo 6. Tampa Superior 7. Rolamento Contato Angular

Leia mais

Como selecionar o sistema de fixação SISTEMAS DE FERRAMENTAS. Selecione o método de montagem da ferramenta. Selecione um tipo de adaptador

Como selecionar o sistema de fixação SISTEMAS DE FERRAMENTAS. Selecione o método de montagem da ferramenta. Selecione um tipo de adaptador TOOLIN SYSTMS How to select tool holding SISTMAS D FRRAMNTAS Como selecionar o sistema de fixação Como selecionar o sistema de fixação 1 Selecione o método de montagem da ferramenta - Para ferramenta modular

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

www.oemmespa.com Máquinas para usinagem de perfis de alumínio Catalogo de Máquinas

www.oemmespa.com Máquinas para usinagem de perfis de alumínio Catalogo de Máquinas www.oemmespa.com Máquinas para usinagem de perfis de alumínio Catalogo de Máquinas \ Máquina de corte dupla cabeça CARACTERÍSTICAS DO CONTROLE - Sistema de controle industrial OCD 281 com display LCD

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PRELIMINARES BICICLETA ESCOLAR. Aro 20. Item Descrição Medidas Tolerância. Diâmetro interno - Usinado e Calibrado - mm

ESPECIFICAÇÕES PRELIMINARES BICICLETA ESCOLAR. Aro 20. Item Descrição Medidas Tolerância. Diâmetro interno - Usinado e Calibrado - mm MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE ARTICULAÇÃO E CONTRATOS COORDENAÇÃO DE REGISTRO DE PREÇOS ESPECIFICAÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA- FERRAMENTA PARA USINAGEM EM CAMPO DE EQUIPAMENTOS DE GRANDES DIÂMETROS

DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA- FERRAMENTA PARA USINAGEM EM CAMPO DE EQUIPAMENTOS DE GRANDES DIÂMETROS DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA- FERRAMENTA PARA USINAGEM EM CAMPO DE EQUIPAMENTOS DE GRANDES DIÂMETROS Almir Lima de Carvalho Lucinéia Corrêa dos Santos de Carvalho Marco Antônio Fonseca de Sá Gerson Alves

Leia mais

Sistemas de Portas de Correr e Sanfonadas

Sistemas de Portas de Correr e Sanfonadas Sistemas de Portas de Correr e Sanfonadas Aprecie a liberdade dos movimentos Mais flexibilidade aos seus projetos Os sistemas de portas de correr e sanfonadas da Hettich foram cuidadosamente planejados,

Leia mais

Lista de Peças Máquinas de Costura

Lista de Peças Máquinas de Costura Lista de Peças Máquinas de Costura 202 Precisa 99 / LP402B Precisa 02 / 230 Facilita 99 / 4822 / 4830 4830 Elegance 99/ ZP418B Facilita Plus 02 ML405B Carina 02 / ML418B Bella 02 9818 / 983 Fashion 99

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL TORNEARIA

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL TORNEARIA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LUS Laboratório de Usinagem TORNEARIA Professor MSc Claudemir Claudino Alves 2013 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LUS Laboratório de Usinagem TORNEARIA Guia de acompanhamento de operações no

Leia mais

Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA

Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA Profº Carlos Eduardo ALUNO(A): TURMA: Caruaru 2011 Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se

Leia mais

CATÁLOGO DE METROLOGIA

CATÁLOGO DE METROLOGIA CATÁLOGO DE METROLOGIA 1 PAQUÍMETRO PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL (MD) capacidade LEITURA 141-112 0-150mm / 0-6 0,02mm / 0,001 141-113 0-150mm / 0-6 0,05mm / 1/128 141-114 0-200mm / 0-8 0,02mm

Leia mais

CoroTurn SL70 - o futuro da usinagem flexível

CoroTurn SL70 - o futuro da usinagem flexível PARTN AN ROOVN CoroTurn SL70 CORTES E CANAS - o futuro da usinagem flexível Hnformações de fixação A lâmina CoroTurn SL70 modular e o sistema adaptador foram projetados para se adequarem à maioria das

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Introdução Padronização e Definições Tipos e Usos de Parafusoso Introdução Elementos de fixação: Importância Por que estudar elementos de fixação. Papel em projetos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR DE MANDÍBULAS - ZL EQUIPAMENTOS.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR DE MANDÍBULAS - ZL EQUIPAMENTOS. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR DE MANDÍBULAS - ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. Os britadores de mandíbulas projetados e fabricados pela ZL Equipamentos são maquinas robustas confeccionadas com matéria-prima

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Portaria 029/2015 EMENTA: Normatiza a padronização do mobiliário existente do CRF-ES e dá outras providências. O Presidente do CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - CRF/ES, no uso

Leia mais

Projeções: leitura recomendada. Aulas 3, 4 e 10 da apostila Telecurso 2000

Projeções: leitura recomendada. Aulas 3, 4 e 10 da apostila Telecurso 2000 Projeções Projeções: leitura recomendada Aulas 3, 4 e 10 da apostila Telecurso 2000 Projeções: conceitos A projeção transforma pontos 3D (X, Y, Z) em 2D (xi,yi) Projeções: conceitos Raios de projeção emanam

Leia mais

CATÁLOGO DE MÁQUINAS

CATÁLOGO DE MÁQUINAS www.mapmaquinas.com.br CATÁLOGO DE MÁQUINAS PROJECT TF100 PROJECT 250 PROJECT 365 DIVA R2+2 PROJECT 450 LINHA NESTING M SPRINTER CFL -CNC MITIKA POKER INSERT 900 INSERT 4 1981 PROJECT TF100 PROJECT 250

Leia mais

CNC 8055. Educacional. Ref. 1107

CNC 8055. Educacional. Ref. 1107 CNC 855 Educacional Ref. 7 FAGOR JOG SPI ND LE FEE D % 3 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI ND LE FEE D % 3 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI ND LE FEE D % 3 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI ND LE 3 FEE D % 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI

Leia mais

Descrição: Cachimbo Máquina: Ráfia Código Rone: 001-103-003. Descrição: Polia. Máquina: Tear da Ráfia. Código Rone: 015-101-002

Descrição: Cachimbo Máquina: Ráfia Código Rone: 001-103-003. Descrição: Polia. Máquina: Tear da Ráfia. Código Rone: 015-101-002 Descrição: Cachimbo Máquina: Ráfia Código Rone: 001-103-003 Descrição: Polia Máquina: Tear da Ráfia Código Rone: 015-101-002 Descrição: Polia Z=43 Código Rone: 001-010-023 Descrição: Tubo suporte do Cachimbo

Leia mais

Tolerâncias geométricas - Requisitos de máximo e requisitos de mínimo material

Tolerâncias geométricas - Requisitos de máximo e requisitos de mínimo material EDITAL Nº. 07:2012 Período de 01 de julho de 2012 a 31 de julho de 2012 PROPOSTA DE CONFIRMAÇÃO DE NORMA BRASILEIRA A Proposta de Confirmação de Norma da ABNT pode ser visualizada e impressa pelo site

Leia mais