Campos de configuração das máquinas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Campos de configuração das máquinas"

Transcrição

1 Campos de configuração das máquinas (algumas máquinas podem não conter alguns dos campos descritos neste documento, ou eles poderão estar dispostos em outras áreas de configuração do plug-in) Centros de furação - Máquina GERAL 1.1 Nome- Campo que determina o nome da máquina configurada ( será o nome do diretório onde ficará os programas gerados) 2.1 Versão Campo com a versão da máquina. Determinante para limitar restrições entre as versões existentes da máquina DADOS TÉCNICOS 3.1 Comprimento X- Comprimento máximo da mesa de trabalho da máquina 4.1 Largura Y- Largura máxima da mesa de trabalho da máquina 5.1 Comprimento mínimo X- Comprimento mínimo para mesa ou área de trabalho 6.1 Largura mínima Y- Largura mínima para mesa ou área de trabalho 7.1 Espessura mínima Z- Espessura mínima da peça para mecanização 8.1 Espessura máxima Z-Espessura máxima da peça para mecanização

2 FUROS 9.1 Diâmetro horizontal máximo-diâmetro máximo dos furos horizontais 10.1 Diâmetro vertical máximo- Diâmetro máximo dos furos na posição lateral 11.1 Diâmetro mínimo de furação-diâmetro mínimo permitido para os furos 12.1 Profundidade máxima da furação(horizontal, lateral e vertical)- Profundidade máxima permitida para as furações em quaisquer face da peça 13.1 Posição mínima de furação lateral em Y- Posição mínima permitida para realizar furos laterais em Y 14.1 Posição mínima do quadrante dos furos horizontais Y- Posição mínima permitida para realizar furos horizontais em Z 15.1 Posição mínima do quadrante dos furos laterais X- Posição mínima permitida para realizar furos laterais em Z 16.1 Numero de brocas horizontais X- Quantidade de brocas na posição horizontal na máquina 17.1 Numero de brocas laterais Y- Quantidade de brocas em posição lateral na máquina 18.1 Numero de brocas verticais Z- Quantidade de brocas em posição vertical na máquina

3 RASGOS 19.1 Profundidade máxima do rasgo- Profundidade máxima permitida para rasgos 20.1 Posição máxima para rasgos em X- Posição máxima para realizar rasgos em X 21.1 Posição máxima para rasgos em Y- Posição máxima para realizar rasgos em Y 22.1 Posição mínima em Y dos rasgos- Posição mínima em Y para rasgos 23.1 Comprimento máximo da passada com serra- Determina o tamanho máximo de uma pesada com serra 24.1 Modo de rasgo (long ou blade)- Para máquinas cyflex. Informação que determina o tipo do rasgo que será realizado na máquina 25.1 Profundidade do rasgo com posição em Y entre 100mm e 105mm- Profundidade para rasgos com posição Y entre 100mm e 125mm 26.1 Profundidade do rasgo com posição em Y entre 105mm e 125mm- Profundidade para rasgos com posição Y entre 105mm e 125mm 27.1 Profundidade do rasgo com posição em Y maior que 125 mm-profundidade do rasgo com posição em Y maior que 125mm 28.1 Comprimento máximo da passada no comando blade (mm)- Para máquinas cyflex. Determina o tamanho máximo da passada de serra, quando o comando utilizado para rasgo for o Blade Quantidade máxima de passadas no comando blade-para máquinas cyflex. Quantidade máxima de passadas no comando blade, varia conforme o campo de comprimento máximo das passadas no comando blade

4 - Setup 30.1 Nome- Nome do setup da máquina 31.1 Alinhar pela face- Define se na geração dos programa será levada em consideração a face de alinhamento cadastrada em cada peça. Se sim, esta face obrigatoriamente estará encostada no ponto zero da máquina 32.1 Considerar sentido do veio- Leva em consideração o sentido do veio da peça (caso possua) 33.1 Descontar espessura da borda- Descontar da peça a espessura da fita de borda 34.1 Somar sobrecorte- somar o sobrecorte à medida da peça 35.1 Fazer furos- Determina se neste setup serão realizados furos 36.1 Fazer rasgos- Determina se neste setup serão realizados rasgos 37.1 Avaliar largura mínima para rotação- Define se ao gerar os programas, será avaliado a dimensão mínima da peça para realizar as rotações. Se sim as peças que possuem dimensão menor que 400mm não serão rotacionadas. Se não, as dimensões não serão levadas em consideração na rotação das peças 38.1 Tipo de furação- Determina se a máquina fara todos os tipos de furos, ou apenas furos de topo 39.1 Descarregamento da peça- Lado por onde a peça será descarregada da máquina 40.1 Largura mínima de 70 mm-define a largura mínima da peça para 70 mm 41.1 Usinar contorno- Determina se a peça levará usinagem de contorno (todas as peças, nenhuma ou apenas as peças marcadas)

5 Centros de usinagem - Máquina GERAL Nome- Campo que determina o nome da máquina configurada (será o nome do diretório onde ficará os programas gerados) Versão Campo com a versão da máquina. Determinante para limitar restrições entre as versões existentes da máquina Deslocamento do cabeçote FW- Deslocamento do cabeçote após as operações, para não ficar acima da peça. Cabeçote-Modelo do cabeçote T para campo com área binada-- Comando T do cabeçalho para campos de trabalho com área binada T para campo com área individual- Comando T do cabeçalho para campos de trabalho com área individual Opção de bloqueio(v)- Comando V do cabeçalho que define as opções de bloqueio de sucção e vácuo Deslocamento do cabeçote em X- Deslocamento do cabeçote após as operações, para não ficar acima da peça. Deslocamento máximo do cabeçote em X- Valor máximo que o cabeçote pode descolocar em X após as operações Model- Modelo da máquina DADOS TÉCNICOS Comprimento X- Comprimento máximo da mesa de trabalho da máquina

6 Largura Y- Largura máxima da mesa de trabalho da máquina Comprimento mínimo X- Comprimento mínimo para mesa ou área de trabalho Largura mínima Y- Largura mínima para mesa ou área de trabalho Espessura mínima Z- Espessura mínima da peça para mecanização Espessura máxima Z-Espessura máxima da peça para mecanização FUROS Diâmetro horizontal e lateral máximo-diâmetro máximo dos furos horizontais e laterais Diâmetro vertical máximo- Diâmetro máximo dos furos na posição lateral Diâmetro mínimo de furação-diâmetro mínimo permitido para os furos Profundidade máxima da furação(horizontal, lateral e vertical)- Profundidade máxima permitida para as furações em quaisquer face da peça Posição mínima de furação lateral em Y- Posição mínima permitida para realizar furos laterais em Y Posição máxima de furação horizontal em Y- Posição máxima para realizar furos horizontais em Y Posição máxima de furação lateral em Y- Posição máxima para realizar furos laterais em Y Posição máxima da furação vertical em Y- Posição máxima para realizar furos verticais em Y Profundidade máxima da furação- Posição mínima em Y das brocas laterais- Determina a posição mínima em Y das brocas laterais das máquinas Numero de brocas horizontais X- Quantidade de brocas na posição horizontal na máquina Numero de brocas laterais Y- Quantidade de brocas em posição lateral na máquina Numero de brocas verticais Z- Quantidade de brocas em posição vertical na máquina RASGOS Profundidade máxima do rasgo- Profundidade máxima permitida para rasgos Posição máxima para rasgos em X- Posição máxima para realizar rasgos em X Posição máxima para rasgos em Y- Posição máxima para realizar rasgos em Y Posição máxima para rasgos em Z- Posição máxima para realizar rasgos em Z

7 Posição mínima em Y dos rasgos- Posição mínima em Y para rasgos Comprimento máximo da passada com serra- Determina o tamanho máximo de uma pesada com serra Posição máxima para rasgos feitos com serra em Y- Posição máxima que a máquina pode fazer rasgos com serra em Y (mm) Posição máxima para rasgos feitos com fresa em Y- Posição máxima que a máquina pode fazer rasgos com fresa em Y (mm) - Setup Alinhar pela face- Define se na geração dos programa será levada em consideração a face de alinhamento cadastrada em cada peça. Se sim, esta face obrigatoriamente estará encostada no ponto zero da máquina Considerar sentido do veio- Leva em consideração o sentido do veio da peça (caso possua) Descontar espessura da borda- Descontar da peça a espessura da fita de borda Somar sobrecorte- somar o sobrecorte à medida da peça Fazer furos- Determina se neste setup serão realizados furos Fazer rasgos- Determina se neste setup serão realizados rasgos Tipo de furação- Determina se a máquina fara todos os tipos de furos, ou apenas furos de topo Descarregamento da peça- Lado por onde a peça será descarregada da máquina Usinagem interna- Opção que determina se a máquina realizará usinagens (internas) Usinar contorno- Determina se a peça levará usinagem de contorno (todas as peças, nenhuma ou apenas as peças marcadas) Centros nesting - Máquina GERAL Nome- Campo que determina o nome da máquina configurada (será o nome do diretório onde ficarão os programas gerados) Versão Campo com a versão da máquina. Determinante para limitar restrições entre as versões existentes da máquina Deslocamento do cabeçote FW- Deslocamento do cabeçote após as operações, para não ficar acima da peça.

8 Cabeçote-Modelo do cabeçote T para campo com área binada-- Comando T do cabeçalho para campos de trabalho com área binada T para campo com área individual- Comando T do cabeçalho para campos de trabalho com área individual Opção de bloqueio(v)- Comando V do cabeçalho que define as opções de bloqueio de sucção e vácuo Deslocamento do cabeçote em X- Deslocamento do cabeçote após as operações, para não ficar acima da peça. Deslocamento máximo do cabeçote em X- Valor máximo que o cabeçote pode descolocar em X após as operações Model- Modelo da máquina DADOS TÉCNICOS Comprimento X- Comprimento máximo da mesa de trabalho da máquina Largura Y- Largura máxima da mesa de trabalho da máquina Comprimento mínimo X- Comprimento mínimo para mesa ou área de trabalho Largura mínima Y- Largura mínima para mesa ou área de trabalho Espessura mínima Z- Espessura mínima da peça para mecanização Espessura máxima Z-Espessura máxima da peça para mecanização FUROS Diâmetro horizontal e lateral máximo-diâmetro máximo dos furos horizontais e laterais Diâmetro vertical máximo- Diâmetro máximo dos furos na posição lateral Diâmetro mínimo de furação-diâmetro mínimo permitido para os furos Profundidade máxima da furação(horizontal, lateral e vertical)- Profundidade máxima permitida para as furações em quaisquer face da peça Posição mínima de furação lateral em Y- Posição mínima permitida para realizar furos laterais em Y Posição máxima de furação horizontal em Y- Posição máxima para realizar furos horizontais em Y

9 Posição máxima de furação lateral em Y- Posição máxima para realizar furos laterais em Y Posição máxima da furação vertical em Y- Posição máxima para realizar furos verticais em Y Profundidade máxima da furação- Posição mínima em Y das brocas laterais- Determina a posição mínima em Y das brocas laterais das máquinas Numero de brocas horizontais X- Quantidade de brocas na posição horizontal na máquina Numero de brocas laterais Y- Quantidade de brocas em posição lateral na máquina Numero de brocas verticais Z- Quantidade de brocas em posição vertical na máquina RASGOS Profundidade máxima do rasgo- Profundidade máxima permitida para rasgos Posição máxima para rasgos em X- Posição máxima para realizar rasgos em X Posição máxima para rasgos em Y- Posição máxima para realizar rasgos em Y Posição máxima para rasgos em Z- Posição máxima para realizar rasgos em Z Posição mínima em Y dos rasgos- Posição mínima em Y para rasgos Comprimento máximo da passada com serra- Determina o tamanho máximo de uma pesada com serra Posição máxima para rasgos feitos com serra em Y- Posição máxima que a máquina pode fazer rasgos com serra em Y (mm) Posição máxima para rasgos feitos com fresa em Y- Posição máxima que a máquina pode fazer rasgos com fresa em Y (mm) - Setup Alinhar pela face- Define se na geração dos programa será levada em consideração a face de alinhamento cadastrada em cada peça. Se sim, esta face obrigatoriamente estará encostada no ponto zero da máquina Considerar sentido do veio- Leva em consideração o sentido do veio da peça (caso possua) Descontar espessura da borda- Descontar da peça a espessura da fita de borda Somar sobrecorte- somar o sobrecorte à medida da peça Fazer furos- Determina se neste setup serão realizados furos Fazer rasgos- Determina se neste setup serão realizados rasgos Tipo de furação- Determina se a máquina fara todos os tipos de furos, ou apenas furos de topo

10 Descarregamento da peça- Lado por onde a peça será descarregada da máquina Usinagem interna- Opção que determina se a máquina realizará usinagens (internas) Usinar contorno- Determina se a peça levará usinagem de contorno (todas as peças, nenhuma ou apenas as peças marcadas) Faz nesting opção que determina se a máquina realizará nesting - Nesting Área mínima da peça para ultima passada do contorno (mm²)- Define se a área mínima, em mm², da peça para que seja feita a última passada no contorno Profundidade da ultima passada do contorno (mm)-define a profundidade, em mm, da ultima passada do contorno

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d Definição Fresas São ferramentas rotativas para usinagem de materiais, constituídas por uma série de dentes e gumes, geralmente dispostos simetricamente em torno de um eixo. Os dentes e gumes removem o

Leia mais

Guia de implantação de máquinas Nesting BIESSE

Guia de implantação de máquinas Nesting BIESSE Guia de implantação de máquinas Nesting BIESSE Neste guia, vamos simular todos passos de uma implantação do plug-in de uma máquina Nesting da BIESSE. Como exemplo configuraremos o plug-in de uma Rover

Leia mais

SECCIONADORA AUTOMÁTICA COM PINÇA ELETRÔNICA

SECCIONADORA AUTOMÁTICA COM PINÇA ELETRÔNICA SECCIONADORA AUTOMÁTICA COM PINÇA ELETRÔNICA GALAX 105/3600 P - ALTURA MÁXIMA DE CORTE 105mm - CAPACIDADE DE CORTE (COMPRIMENTO) 3600mm - POTÊNCIA DO MOTOR DA SERRA 25cv. - VELOCIDADE DE CORTE 0 A 42 mts/min.

Leia mais

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Engenharia Mecatrônica Tecnologias de Comando Numérico Prof. Alberto J. Alvares TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC 1. Peça Exemplo: Elaborar um programa

Leia mais

Implementações 2009. Sistema: Interface Geral: Interface Display: Licenciamento:

Implementações 2009. Sistema: Interface Geral: Interface Display: Licenciamento: Implementações 2009 O GibbsCAM 2009 v9.3.21, versão esta que apresenta mais de 150 melhorias significativas em toda a linha do software GibbsCAM fornecendo assim um valor excepcional para os clientes em

Leia mais

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Fresamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

ESQUADRIAS DE PVC. Linha 30mm. www.isoperfil.com.br - (51) 3554 0574

ESQUADRIAS DE PVC. Linha 30mm. www.isoperfil.com.br - (51) 3554 0574 MANUAL TÉCNICO ESQUADRIAS DE PVC Linha 30mm www.isoperfil.com.br - (51) 3554 0574 PERFIS 3001 MARCO MAXIMAR FOLHA MAXIMAR 3007 FOLHA DE CORRER 3008 FOLHA DE CORRER 3004 MARCO DE CORRER 3 TRILHOS 3005 MARCO

Leia mais

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado.

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado. Serras circulares Serras circulares são discos dentados que trabalham em máquinas muito solicitadas em marcenarias, carpintarias e serrarias. Estas serras efetuam cortes longitudinais, paralelos, transversais

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Linha Miyano Evolution BNJ

Linha Miyano Evolution BNJ Centro de Torneamento CNC com 2 Fusos, 2 Torres e 1 Eixo- Deslizante Linha Miyano Evolution BNJ As Linhas Evolution & Innovation são o Futuro Quase tudo é possível para as Miyano BNJ - 42 e 51 S3 O movimento

Leia mais

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções:

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções: ESQUADREJADORA A esquadrejadora é uma máquina de serra circular que permite realizar cortes rectos de precisão, vazados ou interrompidos, de peças de grande dimensão. É constituída por um corpo com mesa

Leia mais

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R Tipo separado de guia linear (radial) modelo Trilho com cremalheira Recirculador Raspador Bloco Diagrama de Seleção A Posições de montagem Opcionais Codificação Precauções de uso Acessórios para lubrificação

Leia mais

Ficha Técnica Modelo: Colonial

Ficha Técnica Modelo: Colonial Modelo: Colonial A TELHA DE PVC TOP LINE COLONIAL da ARAFORROS é um produto de altíssima Qualidade. Além de bonita possui excelente resistência. As Telhas Top Line Araforros são produzidas a partir de

Leia mais

Tutorial: Quenn Anne Game Table Passo-a-Passo elaborado por Marco Pepe (HobbyFun)

Tutorial: Quenn Anne Game Table Passo-a-Passo elaborado por Marco Pepe (HobbyFun) A mesa que vamos construir! Tutorial: Quenn Anne Game Table Projeto: Queen Anne Game Table Lista de Materiais Madeira de 1, 2 e 3 mm de espessura. Pode ser mogno, cedro, balsa, etc. No nosso modelo eu

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 56/2012 PROCESSO: 23066.040825/12-97 UASG: 153038 Vigência: 17/04/2013 até 17/04/2014

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 56/2012 PROCESSO: 23066.040825/12-97 UASG: 153038 Vigência: 17/04/2013 até 17/04/2014 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 56/2012 PROCESSO: 23066.040825/12-97 UASG: 153038 Vigência: 17/04/2013 até 17/04/2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DIVISÃO DE MATERIAL DIM Maria Edite Jesus Brandão DIVISÃO DE MATERIAL

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO PLACAS DECORADAS - PROCESSO DE COLAGEM O produto deve ser aplicado sobre alvenaria, gesso ou madeira. A superfície deve estar lisa, completamente seca, sólida e forte o suficiente

Leia mais

Afiação de ferramentas

Afiação de ferramentas A UU L AL A Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se desgastam, apresentando trincas ou deformações na forma e nas propriedades. Devido a este desgaste, as

Leia mais

Complementos para telhas Brasilit

Complementos para telhas Brasilit Complementos para telhas Brasilit A mais completa linha de cumeeiras, rufos, espigões, arestas, cantoneiras, terminais, pingadeiras, tampões, calços, venezianas, claraboias e placas de vedação. TECNOLOGIA

Leia mais

Mesa de centro com tabuleiro integrado

Mesa de centro com tabuleiro integrado Mesa de centro com tabuleiro integrado Vamos para a mesa Mesa de centro com tabuleiro integrado Esta mesa de centro é genial: ela dispõe de um tabuleiro para que possa mimar as suas vistas com todo o tipo

Leia mais

Catálogo Geral 2013.01

Catálogo Geral 2013.01 PAVILHÕES para indústria e agricultura Sistema amovível de apoio e armazenamento Catálogo Geral 2013.01 03 CHAVE NA MÃO PAVILHÕES CHAVE NA MÃO solução chave na mão Solução completa chave na mão que inclui

Leia mais

MANUAIS TÉCNICOS. Rua Contria - 583B - Prado 30.411-247 Belo Horizonte - MG Tel.: (031) 3375-8485

MANUAIS TÉCNICOS. Rua Contria - 583B - Prado 30.411-247 Belo Horizonte - MG Tel.: (031) 3375-8485 Ideal para furação até 40 mm de espessura por 600 mm de profundidade. Serviços leves de rompimento de concreto, rasgos para tubulação até 1 Pode ser utilizado com broca ou ponteira Verifique se a tensão

Leia mais

CATÁLOGO DE MÁQUINAS

CATÁLOGO DE MÁQUINAS www.mapmaquinas.com.br CATÁLOGO DE MÁQUINAS PROJECT TF100 PROJECT 250 PROJECT 365 DIVA R2+2 PROJECT 450 LINHA NESTING M SPRINTER CFL -CNC MITIKA POKER INSERT 900 INSERT 4 1981 PROJECT TF100 PROJECT 250

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

COMPONENTES PARA TRANSMISSÃO

COMPONENTES PARA TRANSMISSÃO COMPONENTES PARA TRANSMISSÃO CATÁLOGO DE PRODUTOS * ENGRENAGEM DENTADA CILÍNDRICA * CREMALHEIRAS * ENGRENAGEM CÔNICA * BARRAS E PORCAS DE ROSCA TRAPEOIDAL * ENGRENAGEM PARA CORRENTE NORMA DIN * BUCHAS

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. ESTRUTURA E BLINDAGEM DOS MODULOS 1.1 - Estruturas Laterais Externas Deverão ser confeccionadas em chapa de aço SAE1010 #18, com varias dobras formando colunas, sem quinas ou

Leia mais

JULHO 2012. www.tectubo.com.br

JULHO 2012. www.tectubo.com.br JULHO 2012 www.tectubo.com.br Coberturas que respeitam você e o meio ambiente. Telhas de PVC Coberturas com durabilidade, segurança e beleza. Dê mais modernidade a sua casa com o mais novo sistema de coberturas

Leia mais

Fresas Ferramentas de fresar

Fresas Ferramentas de fresar Fresas Ferramentas de fresar As maiores exigências de trabalho de usinagem de madeiras, de painéis aglomerados e MDF são hoje feitas para as ferramentas de fresar. 1. Condições de segurança 2. Alto rendimento

Leia mais

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada A U A UL LA Parafusos III Introdução Até agora você estudou classificação geral dos parafusos quanto à função que eles exercem e alguns fatores a serem considerados na união de peças. Nesta aula, você

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA SUA PLACA

MANUAL DE INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA SUA PLACA INFORMAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA SUA PLACA FORMATO PADRÃO: 1,2 m x 0,8 (largura x altura) 3 LAYOUTS DIFERENTES: 1 para 5º e 9º ano juntos 1 para 5º ano somente 1 para 9º ano somente LAYOUTS OPÇÕES DE MATERIAIS

Leia mais

Vibtech. Aparelhos de Apoio de Estruturas em Elastômero Fretado. Propondo soluções e inovando em tecnologia. Vibrachoc

Vibtech. Aparelhos de Apoio de Estruturas em Elastômero Fretado. Propondo soluções e inovando em tecnologia. Vibrachoc Vibtech Aparelhos de Apoio de Estruturas em Elastômero Fretado desde 1973 Propondo soluções e inovando em tecnologia Vibrachoc Vibtech é uma empresa do grupo 3ISA, especializada no controle de choque,

Leia mais

4. Definições dos atributos e seus valores padrões:

4. Definições dos atributos e seus valores padrões: Atributos 1. Para a integração com o Promob ERP, é necessário criar um grupo de atributos chamado Banco_Dados. É importante que este grupo seja criado dentro de entidade.attributes. 2. Os atributos criados

Leia mais

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D.

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D. Pretende-se aqui exempl ificar a maquinagem de contornos 2D em PowerMILL A modelação 3D do componente é executada em Autodesk Inventor e depois exportada em formato DXF para o PowerMILL Vamos usar esta

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO

ATA DE REGISTRO DE PREÇO ATA DE REGISTRO DE PREÇO DADOS DO PREGÃO NÚMERO DO PREGÃO: 20/2014 NÚMERO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS: 20/2014 ÓRGÃO GESTOR: HOSPITAL GERAL DO RIO DE JANEIRO UASG: 160323 CONTATO NO ÓRGÃO PARA ADESÃO:

Leia mais

Cadastro de Orçamento de Operações:

Cadastro de Orçamento de Operações: Cadastro de Orçamento de Operações: O cadastro de orçamento de operações é onde realizamos o cadastro das operações que farão parte do roteiro produtivo e do orçamento. Para cadastrar um orçamento de operação

Leia mais

FORMULÁRIO-PROPOSTA. Valor unitário. Valor total. Item Descrição Qtde. 1 Móvel com Gavetas 12,00m². 2 Móvel com Portas de Abrir 70,00m²

FORMULÁRIO-PROPOSTA. Valor unitário. Valor total. Item Descrição Qtde. 1 Móvel com Gavetas 12,00m². 2 Móvel com Portas de Abrir 70,00m² FORMULÁRIO-PROPOSTA Nome da empresa (razão social):... Endereço:... Cidade:... UF:... CEP:... CNPJ/MF n.:... Telefone/fax:... Responsável pela assinatura do contrato: Nome:... Cargo/função:...Telefone/fax:...

Leia mais

CONSTRUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE UM VISCOSÍMETRO DIDÁTICO PARA UTILIZAÇÃO EM AULAS DE MECÂNICA DOS FLUÍDOS

CONSTRUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE UM VISCOSÍMETRO DIDÁTICO PARA UTILIZAÇÃO EM AULAS DE MECÂNICA DOS FLUÍDOS CONSTRUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE UM VISCOSÍMETRO DIDÁTICO PARA UTILIZAÇÃO EM AULAS DE MECÂNICA DOS FLUÍDOS Jasiel Batista Santos Junior 1 ; José Carlos Ferreira 2 1 Aluno regular do curso de Processos de

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios

Terceira Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resitência dos Materiais I Prof.: Paulo César Ferreira Terceira Lista de Exercícios 1. Calcular o diâmetro de uma barra de aço sujeita a ação de uma carga

Leia mais

Tutorial Integração MCM

Tutorial Integração MCM Tutorial Integração MCM 1. Criar os seguintes atributos dentro da categoria Banco_Dados: Nome ID Valor Padrão Largura Corte LARGURA_CORTE $PLATECUTTINGWIDTHBUILDER$ Altura Corte ALTURA_CORTE $PLATECUTTINGHEIGHTBUILDER$

Leia mais

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência)

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) Critérios de Avaliação Fabril Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) O presente subitem tem como objetivo orientar fabricantes de artefatos de concreto para redes de distribuição

Leia mais

INOVAÇÃO E SIMPLICIDADE

INOVAÇÃO E SIMPLICIDADE INOVAÇÃO E SIMPLICIDADE Os suportes para monitor são inovadores por sua simplicidade, combinando performance e estilo. Funcionalidade e estilo, os suportes para monitor promovem ergonomia e economia de

Leia mais

Vimos que, conforme as operações que fazem, as máquinas retificadoras podem ser classificadas em planas, cilíndricas universais e center less.

Vimos que, conforme as operações que fazem, as máquinas retificadoras podem ser classificadas em planas, cilíndricas universais e center less. Retificação plana Vimos que, conforme as operações que fazem, as máquinas retificadoras podem ser classificadas em planas, cilíndricas universais e center less. As retificadoras planas retificam peças

Leia mais

Régua graduada. metro e trena

Régua graduada. metro e trena A U A UL LA Régua graduada, metro e trena Um problema Silva verificou, contrariado, que os instrumentos de medição, há pouco adquiridos pela empresa, não estavam sendo bem cuidados pelos funcionários.

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS SISTEMA DE ARQUIVO DESLIZANTE ORGÃO GERENCIADOR:

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS SISTEMA DE ARQUIVO DESLIZANTE ORGÃO GERENCIADOR: ATA DE REGISTRO DE PREÇOS SISTEMA DE ARQUIVO DESLIZANTE ORGÃO GERENCIADOR: Código UASG: 393003 Pregão Eletrônico SRP n 511/14 Vigência: 26/11/2014 a 25/11/2015 Sr. Luciano Sacramento Fone: (61) 3315-4241/4601

Leia mais

Fachadas Fichas de Aplicação

Fachadas Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Ventiladas - Sistema de s Ventiladas - Viroclin Ventiladas - Virocnail Ventiladas - Sistema Misto Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads.

Leia mais

Soluções Recomendadas

Soluções Recomendadas Cement Wood Board Soluções Recomendadas Fachadas Fichas de Aplicação Fachadas Ventiladas Sistema de s Fachadas Aplicação: Exterior Estrutura de suporte: Madeira ou metal Fixação: s de cabeça externa Espessura:

Leia mais

Cálculo da carga aplicada

Cálculo da carga aplicada 508-BR O guia linear é capaz de receber cargas e momentos em todas as direções que sejam gerados em função da posição de montagem, do alinhamento, da posição do centro de gravidade de um objeto móvel,

Leia mais

Peça Corte Visualização Representação

Peça Corte Visualização Representação Cortes Prof. Cristiano Arbex 2012 Corte: Em Desenho Técnico tem o significado de secção, separação. É um procedimento imaginário que permite a visualização das partes internas de uma peça, sendo usado

Leia mais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos A UU L AL A Na aula passada você viu como furar na fresadora, utilizando a mesa divisora. Nesta aula você vai aprender a fresar engrenagens, utilizando

Leia mais

Sobreposição das telhas: Verifique se as sobreposições laterais e longitudinais estão seguindo as especificações do Manual de Instalação.

Sobreposição das telhas: Verifique se as sobreposições laterais e longitudinais estão seguindo as especificações do Manual de Instalação. RECEITA PRÁTICA PARA UMA BOA INSTALAÇÃO Madeiramento: Verifique se os ripões ou sarrafos foram bem fixados e distribuídos sobre os caibros com o espaçamento correto para o assentamento e fixação das telhas

Leia mais

05 PRATELEIRAS MEDIDAS EM MM: 920 (Largura) x 1980 (Altura) x 400 (Profundidade)

05 PRATELEIRAS MEDIDAS EM MM: 920 (Largura) x 1980 (Altura) x 400 (Profundidade) ESTANTE MULTIUSO 05 PRATELEIRAS MEDIDAS EM MM: 920 (Largura) x 1980 (Altura) x 400 (Profundidade) Estante multiuso, totalmente confeccionada em chapa de aço de baixo teor de carbono,com acabamento pelo

Leia mais

Treinamento de Personalização Builder/Start + ERP

Treinamento de Personalização Builder/Start + ERP Treinamento de Personalização Builder/Start + ERP Promob ERP O Promob ERP, permite o controle completo da situação econômica, financeira e produtiva da empresa, dinamizando as decisões e otimizando resultados.

Leia mais

Prática de Oficina Processos de Fabricação

Prática de Oficina Processos de Fabricação Prática de Oficina Processos de Fabricação Filipi Damasceno Vianna Porto Alegre, 24 de junho de 2002. Sumário Introdução 3 1 Torno Mecânico Horizontal Comum 4 1.1 Campo de Aplicação..............................

Leia mais

FORRO DE PVC DATASHEET

FORRO DE PVC DATASHEET Pág. 1 / 7 Os forros são perfeitos para o acabamento de teto e/ou ocultamento de redes elétricas e hidráulicas em obras prediais. Isolamento térmico e acústico com acabamento perfeito. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 5 Carga Axial e Princípio de Saint-Venant Carga Axial A tubulação de perfuração de petróleo suspensa no guindaste da perfuratriz está submetida a cargas e deformações axiais extremamente grandes,

Leia mais

AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA

AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA 1. Introdução. 2. Medida Direta de Distâncias. 2.1. Equipamentos utilizados na Medida Direta de Distâncias. 2.2. Cuidados na Medida Direta de Distâncias. 2.3. Método na Medida

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013.

ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013. ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013. Processo 56220/2013-73 Pregão 26/2014 GRUPO 1 MESAS E ESTAÇÕES DE TRABALHO 1 MESA RETANGULAR PARA COMPUTADOR 1200X770MM 2 MESA RETANGULAR PARA COMPUTADOR 1600X770MM

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

Bigfer + Hettich. Por que? Por que usar InnoTech em seus projetos?

Bigfer + Hettich. Por que? Por que usar InnoTech em seus projetos? InnoTech Bigfer + Hettich A Hettich é uma empresa alemã e líder mundial em ferragens e acessórios para móveis. No Brasil seus produtos são distribuídos pelo Grupo Bigfer, o maior fabricante de acessórios

Leia mais

Instruções para utilização

Instruções para utilização Instruções para utilização MÁQUINA DE LAVAR ROUPA Português AWM 129 Sumário Instalação, 16-17-18-19 Desembalar e nivelar Ligações hidráulicas e eléctricas Primeiro ciclo de lavagem Dados técnicos Instruções

Leia mais

CAPÍTULO III CONSTITUIÇÃO DE UM CONTENTOR

CAPÍTULO III CONSTITUIÇÃO DE UM CONTENTOR CAPÍTULO III CONSTITUIÇÃO DE UM CONTENTOR 3.1 Introdução Neste capítulo, apresentam-se os contentores comerciais I.S.O. e a listagem das normas associadas a estes contentores. Identifica-se o material

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

Viggia. Manual de Instruções Viggia - MP04401-01 Rev 02-19/10/2011 PG - 1 -

Viggia. Manual de Instruções Viggia - MP04401-01 Rev 02-19/10/2011 PG - 1 - Manual de Instruções Viggia - MP04401-01 Rev 02-19/10/2011 PG - 1 - ÍNDICE ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 ENTRADA DE DADOS... 3 3 SINALIZAÇÃO DA OPERAÇÃO... 3 4 ARMAZENAMENTO DE DADOS... 4 5 COMUNICAÇÃO

Leia mais

PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DO MOBILIÁRIO PARA INSPETORIA REGIONAL DE MOSSORÓ

PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DO MOBILIÁRIO PARA INSPETORIA REGIONAL DE MOSSORÓ ANEXO VII Item Descrição Pedido mínimo por fornecimento 01 Tampo em formatos retangular, medindo 90 x 60 cm, em chapa de madeira aglomerada de alta densidade revestida em ambas as faces em laminado plástico

Leia mais

MDP e MDF Conceito dos produtos e seus principais USOS & APLICAÇÕES

MDP e MDF Conceito dos produtos e seus principais USOS & APLICAÇÕES MDP e MDF Conceito dos produtos e seus principais USOS & APLICAÇÕES Características MDF MDP O que é Painel de média densidade Painel de média densidade produzido a partir de fibras produzido a partir de

Leia mais

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé Normatização Desenho Técnico CALIGRAFIA TÉCNICA NBR 8402 Assim como o resto do desenho técnico, as letras e algarismos também seguem uma forma definida por norma. Até pouco tempo atrás as letras eram desenhadas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.1.1 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Os níveis marcados na Planta de Implantação deverão ser rigorosamente obedecidos.

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.1.1 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Os níveis marcados na Planta de Implantação deverão ser rigorosamente obedecidos. MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO : Prefeitura Municipal de Irai OBRA : Construção de ponte em concreto armado de 4,50m de largura x 25,00m de vão total e 5,33m de altura total. LOCAL : Linha Corticeira

Leia mais

Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas NBR 8403

Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas NBR 8403 Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de Execução de caracter para escrita em desenho técnico - NBR 8402 Execução de caracter para escrita

Leia mais

( Curso Dimensionamento de Estruturas de Aço CBCA módulo 3)

( Curso Dimensionamento de Estruturas de Aço CBCA módulo 3) GALPÕES (Projeto proposto) A ligação mais imediata que se faz da palavra galpão é com o uso industrial. No entanto galpões podem ser usados para as mais diversas atividades, tais como, hangares, espaços

Leia mais

PROF. FLAUDILENIO EDUARDO LIMA UNIDADE 3. Projeções Ortogonais

PROF. FLAUDILENIO EDUARDO LIMA UNIDADE 3. Projeções Ortogonais UNIDADE 3 Projeções Ortogonais PROF. FLAUDILENIO E. LIMA Entendendo desenho técnico t mecânico Como introdução ao desenho técnico, na grande maioria dos cursos é feita o desenho mecânico. Abaixo temos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005 ESPECIFICÇÃO TÉCNIC abr/2006 1 de 6 TÍTULO COBERTURS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Edificações. Coberturas. PROVÇÃO PROCESSO PR 010979/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI SEP Secretaria de Estado

Leia mais

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície.

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície. Coladeiras de bordas Centros de usinagem CNC Serras para painéis verticais Seccionadoras Manipulação de material Usinagem CNC completa em formato compacto EVOLUTION 7403 7405 É única. A EVOLUTION 7405

Leia mais

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 2 1 100 1 132 1 000 FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 1. Coloque a caverna do meio sobre o picadeiro a frente da traverssa. Para o barco de 5,2 m a caverna 2, para os barcos maiores a caverna 3. 2. Alinhe

Leia mais

SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT

SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT Esse tutorial traz passo a passo instruções para criação de um desenho no ambiente Draft. Na criação dos desenhos você aprenderá as técnicas

Leia mais

Identidade Visual -2008- Um Compromisso Social da Indústria Carbonífera de Santa Catarina

Identidade Visual -2008- Um Compromisso Social da Indústria Carbonífera de Santa Catarina -2008- Um Compromisso Social da Indústria Carbonífera de Santa Catarina Aplicação da Logo Tanto a aplicação vertical quanto a horizontal da logo da deve conter, no mínimo, os elementos: diamante, nome

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Uniformização das Unidades de Atendimento Integrado

Uniformização das Unidades de Atendimento Integrado Uniformização das Unidades de Atendimento Integrado 1 POSTOS UAI - PROJETO DE UNIFORMIZAÇÃO ARTIGO COD. PAG FUNÇÃO AGASALHO FEMININO BEGE T- 11/ T-12 58 COPEIRA AGASALHO FEMININO PRETO T-13 13 ATEN. RECEPÇÃO,

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

Coladeira de Borda Portátil CBC Eco. 10x R$ 449,00. ou R$ 4.190,00 à vista. www.maksiwa.com.br

Coladeira de Borda Portátil CBC Eco. 10x R$ 449,00. ou R$ 4.190,00 à vista. www.maksiwa.com.br Preços sugeridos ao consumidor com base em São Paulo, SP. Serão efetuadas vendas somente através de revendedores autorizados. Preços e condições validos até 17/08/2013. Fotos Ilustrativas. Grandes Marcas

Leia mais

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À EDIFICAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PARANÁ, LOCALIZADA

Leia mais

RECEITA PRÁTICA PARA UMA BOA INSTALAÇÃO

RECEITA PRÁTICA PARA UMA BOA INSTALAÇÃO RECEITA PRÁTICA PARA UMA BOA INSTALAÇÃO Madeiramento: Verifique se os ripões ou sarrafos foram bem fixados e distribuídos sobre os caibros com o espaçamento correto para o assentamento e fixação das telhas

Leia mais

Elementos de Engenharia Civil 2007/2008. Enunciados dos problemas *

Elementos de Engenharia Civil 2007/2008. Enunciados dos problemas * DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÁO DE HIDRÁULICA E RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS Elementos de Engenharia Civil 2007/2008 2 SEMESTRE Enunciados dos problemas * (módulo de Hidráulica)

Leia mais

Instruções para Instalação

Instruções para Instalação Instruções para Instalação 1- PARA MARCAR A POSIÇÃO DE COLOCAÇÃO DA FECHADURA NA PORTA: Marque uma linha horizontal na altura que será colocada a fechadura, sugerimos que a maçaneta fique a 1,10m de altura

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 19/08/2008 1 CONFORMAÇÃO MECÂNICA Em um ambiente industrial, a conformação mecânica é qualquer operação durante a qual se aplicam esforços mecânicos

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Portaria 029/2015 EMENTA: Normatiza a padronização do mobiliário existente do CRF-ES e dá outras providências. O Presidente do CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - CRF/ES, no uso

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro Saúde e segurança marceneiro. A preocupação com o bem-estar, a saúde e a segurança do marceneiro no trabalho, vem crescendo no decorrer dos últimos anos, pois, quando o trabalho representa apenas uma obrigação

Leia mais

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Expedição ao mundo animal. Casa para pássaros Pequenos e grandes zoólogos podem em breve observar e descobrir o mundo a partir da própria porta da varanda.

Leia mais

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1 BOMBAS: 1. Bombas e Motores As bombas hidráulicas são o coração do sistema, sua principal função é converter energia mecânica em hidráulica. São alimentadas

Leia mais

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall.

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. ANEXO 01 Sala MEV DW DW B B Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. 1 Figura 2 Detalhes das portas em drywall. A porta P11, destinada a acesso à

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type)

Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type) Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type) Alta Produção com Excelente Custo Benefício A linha Cincom Evolution da Citizen Apresenta a K16E Processos mais rápido e manuseio

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 2 Registo de Aeronaves 1/12 Índice Parte A: Generalidades.3 2.001 Aplicabilidade.3 2.003 Definições...3 2.005 Siglas/Acrónimos...4

Leia mais

Pedus. Técnica Cirúrgica

Pedus. Técnica Cirúrgica Técnica Cirúrgica com cunha 1. Características do produto Estabilidade angular. Orifícios de combinação. Isto torna possível usar parafusos com e sem estabilidade angular. Parafusos e placas de titânio.

Leia mais

Pregão 003/2006 Alteração 01 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES

Pregão 003/2006 Alteração 01 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES Pregão 003/2006 Alteração ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES ITEM O1 Sistema de arquivamento composto de módulos de arquivos deslizantes, com acionamento

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais