ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções:"

Transcrição

1 ESQUADREJADORA A esquadrejadora é uma máquina de serra circular que permite realizar cortes rectos de precisão, vazados ou interrompidos, de peças de grande dimensão. É constituída por um corpo com mesa fixa e guia paralela, uma mesa deslizante com guia transversal angular onde é apoiada a peça a cortar e dois discos dentados ajustáveis em altura e inclinação, um disco de corte e um disco incisor para auxílio de cortes de materiais melamínicos. Capacidade de trabalho: Cortes rectos longitudinais e transversais Cortes rectos à esquadria, até 45 graus Cortes rectos inclinados (biselados), até 45 graus Cortes compostos, conjugando corte à esquadria e inclinado. Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais Derivados de madeira como: MDF, Aglomerado de fibras duro (Platex), Aglomerado de partículas, Contraplacado, OSB e Lamelado. Princípios principais de utilização e precauções:

2 Antes de iniciar o corte deverá ajustar a altura do disco de corte e o resguardo do disco ao tamanho da peça a cortar e certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. Deverá ligar o sistema de extracção de pós durante o uso da máquina. O utilizador deve estar posicionado lateralmente ao corte e fixar com firmeza a peça a cortar devido à possibilidade de projecção desta. Para maior segurança, o corte de peças de tamanho reduzido deve ser auxiliado com o empurrador. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas e óculos aquando o corte de materiais melamínicos. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

3 SERRA DE BRAÇO RADIAL A serra de braço radial é uma máquina de serra circular que permite realizar cortes rectos de precisão, vazados ou interrompidos, com algumas limitações dimensionais de corte. É constituída por um corpo com mesa fixa onde é apoiada a peça a cortar e um braço onde desliza o disco de corte dentado ajustável em altura e inclinação. Capacidade de trabalho: Cortes rectos longitudinais e transversais Cortes rectos à esquadria, até 45 graus Cortes rectos inclinados (biselados), até 45 graus Cortes compostos, conjugando corte à esquadria e inclinado. Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais Derivados de madeira como: MDF, Aglomerado de fibras duro (Platex), Aglomerado de partículas, Contraplacado, OSB e Lamelado. Princípios principais de utilização e precauções: Antes de iniciar o corte deverá ajustar a altura do disco de corte e certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. Deverá ligar o sistema de extracção de pós durante o uso da máquina.

4 O utilizador deve com uma das mão fixar firmemente contra a mesa a peça a cortar e com a outra mão controlar o corte, segurando com firmeza a pega do disco dentado. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas e óculos aquando o corte de materiais melamínicos. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

5 SERRA DE FITA DE GRANDE PORTE A serra de fita é uma máquina que possibilita realizar cortes toscos e é composta por um corpo com dois volantes, pelos quais se desloca uma cinta metálica dentada contínua, e uma mesa onde assenta a peça a intervir. O seu porte confere maior distância entre o corpo e a cinta de serra, permitindo a realização de cortes em peças de maior dimensão. A sua cinta de serra de maior largura condiciona os cortes curvos de pequenos diâmetros. Capacidade de trabalho: Cortes rectos longitudinais e transversais Cortes curvos e circulares Cortes inclinados, até 45 graus Corte de peças redondas Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais Derivados de madeira como: MDF, Aglomerado de fibras duro (Platex), Aglomerado de partículas, Contraplacado, OSB e Lamelado. Princípios principais de utilização e precauções:

6 Antes de iniciar o corte deverá verificar o tensionamento da fita de serra e ajustar o resguardo da mesma ao tamanho da peça a cortar e certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. Deverá ligar o sistema de extracção de pós durante o uso da máquina. Para maior segurança, o corte de peças de tamanho reduzido deve ser auxiliado com o empurrador. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

7 SERRA DE FITA DE MÉDIO PORTE A serra de fita é uma máquina que possibilita realizar cortes toscos e é composta por um corpo com dois volantes, pelos quais se desloca uma cinta metálica dentada contínua, e uma mesa onde assenta a peça a intervir. O seu porte reflecte-se na distância entre o corpo e a cinta de serra, permitindo a realização de cortes em peças de média dimensão. A sua cinta de serra de largura média permite cortes curvos de diâmetros medianos. Capacidade de trabalho: Cortes rectos longitudinais e transversais Cortes curvos e circulares Cortes inclinados, até 45 graus Corte de peças redondas Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais Derivados de madeira como: MDF, Aglomerado de fibras duro (Platex), Aglomerado de partículas, Contraplacado, OSB e Lamelado. Princípios principais de utilização e precauções:

8 Antes de iniciar o corte deverá verificar o tensionamento da fita de serra e ajustar o resguardo da mesma ao tamanho da peça a cortar e certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. Deverá ligar o sistema de extracção de pós durante o uso da máquina. Para maior segurança, o corte de peças de tamanho reduzido deve ser auxiliado com o empurrador. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

9 SERRA DE FITA DE PEQUENO PORTE A serra de fita é uma máquina que possibilita realizar cortes toscos e é composta por um corpo com dois volantes, pelos quais se desloca uma cinta metálica dentada contínua, e uma mesa onde assenta a peça a intervir. O seu porte reflecte-se na distância entre o corpo e a cinta de serra, permitindo a realização de cortes em peças de pequena dimensão. A sua cinta de serra de pequena largura permite cortes curvos de diâmetros reduzidos e com maior pormenor. Capacidade de trabalho: Cortes rectos longitudinais e transversais Cortes curvos e circulares Cortes inclinados, até 45 graus Corte de peças redondas Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais Derivados de madeira como: MDF, Aglomerado de fibras duro (Platex), Aglomerado de partículas, Contraplacado, OSB e Lamelado. Princípios principais de utilização e precauções:

10 Antes de iniciar o corte deverá verificar o tensionamento da fita de serra e ajustar o resguardo da mesma ao tamanho da peça a cortar e certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. Deverá ligar o sistema de extracção de pós durante o uso da máquina. Para maior segurança, o corte de peças de tamanho reduzido deve ser auxiliado com o empurrador. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

11 GARLOPA A garlopa é uma máquina de precisão que realiza aparelhamento e desengrosso de madeiras naturais, permitindo obter faces planas com acabamento liso e com relação de ângulo e de paralelismo entre elas. É constituída por um corpo principal, três mesas e a ferramenta de desbaste, formada por um cilindro com quatro lâminas. Para realizar o aparelhamento são utilizadas as duas mesas superiores, a mesa de entrada que é regulável permitindo ajustar a espessura de desbaste e a mesa de saída que é fixa. Para realizar o desengrosso é utilizada a terceira mesa, que por meio regulação, permite conferir à peça a espessura pretendida. Capacidade de trabalho: Aparelhar, estabelecendo relação de ângulo entre faces, de 45 a 90 graus. Desengrossar, estabelecendo relação de paralelismo entre faces. Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais Princípios principais de utilização e precauções: Antes de iniciar o trabalho deverá ajustar o resguardo da ferramenta de desbaste de forma a expor unicamente a área necessária à realização da tarefa e certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. Deverá ligar o sistema de extracção de pós durante o uso da máquina.

12 Ao executar o trabalho, o utilizador deve estar posicionado lateralmente ao desbaste, acompanhando a peça em intervenção, de forma a não desequilibrar-se. Para maior segurança, o desbaste de peças de tamanho reduzido deve ser auxiliado com o empurrador. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

13 DESENGROSSADEIRA A desengrossadeira é uma máquina de precisão que realiza desengrosso de madeiras naturais, permitindo obter faces planas com acabamento liso e com relação de paralelismo entre elas. É constituída por um corpo principal, uma mesa regulável em altura que permite conferir à peça a espessura pretendida e a ferramenta de desbaste, formada por um cilindro com quatro lâminas. O desengrosso é efectuado apoiando a madeira na mesa e fazendo deslocar-se entre esta e a ferramenta de desbaste. Capacidade de trabalho: Desengrossar, estabelecendo relação de paralelismo entre faces. Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais Princípios principais de utilização e precauções: Antes de iniciar o trabalho deverá ajustar a altura da mesa à espessura que pretende, tendo em atenção que o desbaste máximo permitido é de 5 mm em cada passagem e certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. Deverá ligar o sistema de extracção de pós durante o uso da máquina.

14 O utilizador deve estar posicionado lateralmente ao desbaste, evitando a possível projecção da madeira. Tendo em conta que o posicionamento da ferramenta de desbaste não é visível, o utilizador, em caso algum, deverá colocar as mãos no interior da máquina. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

15 ENGENHO DE FURAR DE COLUNA (VERTICAL) O engenho de furar de coluna é uma máquina que permite realizar furação circular, vertical e angular, por acção de rotação de brocas acopladas. Esta máquina é constituída por uma coluna com um cabeçote no seu topo e uma mesa ajustável em altura que desliza na coluna. No cabeçote está compreendido o motor, a transmissão que possibilita a regulação da velocidade de rotação, a bucha de aperto onde se fixa a ferramenta de furação, e o manípulo que permite controlar a profundidade da furação, possibilitando a execução de furos vazados e interrompidos. Capacidade de trabalho: Furos vazados ou interrompidos verticais. Furos vazados ou interrompidos angulares, até 45 graus. Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais Derivados de madeira como: MDF, Aglomerado de fibras duro (Platex), Aglomerado de partículas, Contraplacado, OSB e Lamelado. Princípios principais de utilização e precauções:

16 Antes de iniciar o trabalho deverá ajustar a mesa à furação a realizar. Deste modo a furação será mais rigorosa e evita a perfuração da mesa. Por motivos de segurança, antes de iniciar a rotação da ferramenta, certificar que a mesma está correcta e firmemente apertada. Por motivos de segurança, a peça a trabalhar deverá estar bem fixa à mesa, preferencialmente com grampos de aperto, pois evita que a peça entre em rotação se a ferramenta de furação prender. Deverá certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas e óculos. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

17 ENGENHO DE FURAR HORIZONTAL O engenho de furar horizontal é uma máquina que permite realizar furação e rasgos (entalhes), horizontais e angulares, vazados e interrompidos, em madeira natural e derivados. Esta máquina é constituída por um corpo principal com uma mesa fixa e um cabeçote. A mesa permite acoplar uma guia angular, para orientação da peça a intervir, e um fixador para assegurar a correcta fixação da mesma. O cabeçote é composto pelo motor e pela bucha de aperto da ferramenta e é ajustável em altura, em profundidade e inclinação. Este também move-se transversalmente, permitindo a realização de furos espaçados e rasgos horizontais e angulares. Capacidade de trabalho: Furos e rasgos (entalhes) vazados e interrompidos, horizontais com várias orientações angulares e ou com inclinação do cabeçote, até 45 graus. Furos vazados e interrompidos com espaçamento definido com auxílio de barra guia perfurada. Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais Derivados de madeira como: MDF, Aglomerado de fibras duro (Platex), Aglomerado de partículas, Contraplacado, OSB e Lamelado. Princípios principais de utilização e precauções:

18 Antes de iniciar o trabalho deverá ajustar o cabeçote à tarefa a realizar e fixar com segurança a peça a intervir à mesa. Por motivos de segurança, antes de iniciar a rotação da ferramenta, certificar que a mesma está correcta e firmemente apertada e que retirou a chave de aperto. Deverá ligar o sistema de extracção de pós durante o uso da máquina. Deverá certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas e óculos. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

19 ENGENHO DE FURAR DE BEDAMES (FUROS RECTOS) O engenho de furar de bedames, também denominado de furador de furos rectos, é uma máquina que permite realizar furação rectangular, horizontal e angular, vazada e interrompida, por acção de movimento excêntrico do bedame (ferramenta de desbaste) que rasga a madeira. É constituída por um corpo principal, que comporta uma pequena mesa ajustável em altura e um fixador para assegurar a correcta fixação da peça a intervir, e um cabeçote. Este é composto pelo motor e pela ferramenta de desbaste e é ajustável em profundidade e em inclinação. A dimensão dos furos é variável e regulada em profundidade por batente e em largura pelo ajuste do movimento excêntrico do bedame. Capacidade de trabalho: Furos rectos horizontais com várias orientações angulares, vazados e interrompidos. Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais

20 Derivados de madeira como: MDF, Aglomerado de fibras duro (Platex), Aglomerado de partículas, Contraplacado, OSB e Lamelado. Princípios principais de utilização e precauções: Antes de iniciar o trabalho deverá ajustar a mesa à tarefa a realizar, fixar com segurança a peça e ajustar o cabeçote à tarefa a realizar. Deverá certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas e óculos. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

21 LIXADEIRA DE CINTA (ROLOS) A lixadeira de cinta, também denominada de lixadeira de rolos, é uma máquina concebida para desbaste por abrasão (lixar) de madeiras e matérias similares por acção de deslocação de cinta abrasiva e de rotação de rolos abrasivos. É constituída por um corpo principal com duas mesas, uma consola de comandos e dois rolos que conferem o movimento aos abrasivos. Nas mesas, uma fixa e outra inclinável até 45 graus, apoiam-se as peças a desbastar pela cinta abrasiva que se encontra esticada nos rolos por sistema hidráulico. Nestes rolos é possível também acoplar rolos abrasivos que permite aumentar o leque de diâmetros de abrasão já oferecido pelos rolos que esticam a cinta. Capacidade de trabalho: Desbastes rectos longitudinais, transversais e angulares até 45 graus. Desbastes inclinados e biselados até 45 graus. Desbastes de secções perfiladas internas em L. Desbastes curvos e circulares, externos e internos. Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais

22 Derivados de madeira como: MDF, Aglomerado de fibras duro (Platex), Aglomerado de partículas, Contraplacado, OSB, Lamelado e Cortiça. Princípios principais de utilização e precauções: Antes de iniciar o trabalho deverá verificar se a máquina tem a pressão de ar necessária para o tensionamento da cinta abrasiva (4 bar). Deverá ligar o sistema de extracção de pós durante o uso da máquina. Deverá certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. Ao executar o trabalho, o utilizador deve agarrar a peça com segurança de forma a evitar a projecção desta. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas e máscara de pó. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

23 TUPIA A tupia é uma máquina que permite perfilar e rasgar madeira natural e derivados de madeira através da utilização de fresas, que terão que ser seleccionadas de acordo com o tipo de material e o perfil a maquinar, conferindo à peça o perfil inverso (negativo) da sua forma. É constituída por um corpo principal com mesa fixa e guia paralela, uma mesa deslizante com guia transversal angular que permite respigar e perfilar topos e um alimentador automático que permite minimizar riscos de exposição das mãos às fresas. Capacidade de trabalho: Perfis e rasgos rectos longitudinais e transversais Perfis e rasgos curvos e circulares Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais

24 Derivados de madeira como: MDF, Aglomerado de fibras duro (Platex), Aglomerado de partículas, Contraplacado, OSB e Lamelado. Princípios principais de utilização e precauções: Antes de iniciar o desbaste deverá ajustar a altura da fresa e todos os resguardos de protecção à mesma e certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. Deverá ligar o sistema de extracção de pós durante o uso da máquina. Ao executar o trabalho, o utilizador deve agarrar com segurança e acompanhar a peça, posicionando-se lateralmente ao desbaste, de forma a evitar a projecção da mesma e evitar desequilibrar-se. Para maior segurança deverá, sempre que a tarefa a executar o permita, utilizar o alimentador automático. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas e óculos. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

25 TORNO MECÂNICO O torno mecânico é uma máquina destinada ao torneamento, permitindo executar, de modo livre ou cópia, peças de revolução. É constituído por um corpo principal, dois cabeçotes, um apoio de ferramentas e um sistema hidráulico de cópia. A peça a tornear é fixa entre os dois cabeçotes, o cabeçote principal que confere a rotação à peça a tornear e o contra ponto (segundo cabeçote), formando o eixo de revolução da peça. Para o torneamento livre utiliza-se o apoio de ferramentas para o uso das goivas e para o torneamento por cópia utiliza-se o sistema hidráulico que executa o desbaste por ataque do ferro e deslocação automática. Capacidade de trabalho: Torneamento de modo livre Torneamento de modo cópia Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais MDF Princípios principais de utilização e precauções:

26 Antes de iniciar o torneamento deverá verificar a segurança da fixação da peça entre os cabeçotes e ajustar o apoio de ferramentas à mesma. No caso de torneamento por cópia retirar o apoio de ferramentas. Certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. Deverá ligar o sistema de extracção de pós durante o uso da máquina. Ao executar o trabalho, o utilizador deve apoiar as ferramentas de desbaste (goivas), agarrando-as com firmeza. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas, óculos e máscara. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

27 SERRA DE RODEAR A serra de rodear é uma máquina que possibilita realizar recortes muito elaborados e pormenorizados. É constituída por um corpo principal, uma mesa onde assenta a peça a intervir e dois braços oscilantes que têm na sua extremidade uma serra dentada muito fina que permite a execução de recortes de curvas muito fechadas e diâmetros muito reduzidos. É uma máquina limitada na dimensão das peças a recortar devido ao comprimento dos braços e na espessura máxima de 6 milímetros devido à reduzida espessura da serra. Capacidade de trabalho: Recortes longitudinais e transversais Recortes curvos e circulares Recortes inclinados, até 45 graus Materiais permitidos a trabalhar: Madeiras naturais Derivados de madeira como: MDF, Aglomerado de fibras duro (Platex), Aglomerado de partículas, Contraplacado, OSB e Lamelado. Princípios principais de utilização e precauções:

28 Antes de iniciar o corte deverá verificar o tensionamento da serra e certificar-se que ninguém se encontra na zona abrangida pelo trabalho a executar na máquina. Para maior segurança, no corte de peças de tamanho reduzido deve ajustar o aro protector à espessura da peça a recortar de modo a minimizar vibrações. É aconselhável a utilização de equipamento de protecção individual com especial atenção para uso de luvas. Nunca abandonar a máquina com esta a trabalhar ou sem que se verifique a paragem completa de todos os órgãos rotativos.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse torno só dá furo! Na aula sobre furação, você aprendeu que os materiais são furados com o uso de furadeiras e brocas. Isso é produtivo e se aplica a peças planas. Quando é preciso furar peças cilíndricas,

Leia mais

O berbequim com percussão pode ser utilizado, consoante o modo de furação, para furar todos os tipos de materiais.

O berbequim com percussão pode ser utilizado, consoante o modo de furação, para furar todos os tipos de materiais. O BERBEQUIM O berbequim com percussão pode ser utilizado, consoante o modo de furação, para furar todos os tipos de materiais. Com percussão: Pedra, granito, betão, cimento, tijolo, etc. Sem percussão:

Leia mais

1. Osciloscópio com as seguintes especificações mínimas. 2. Gerador de funções com as seguintes especificações mínimas

1. Osciloscópio com as seguintes especificações mínimas. 2. Gerador de funções com as seguintes especificações mínimas ANEXO 4 Especificação básica de alguns equipamentos utilizados na manutenção de equipamentos médico-hospitalares Equipamentos para manutenção de materiais eletrônicos 1. Osciloscópio com as seguintes especificações

Leia mais

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha A U A UL LA Buchas Introdução Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se que a primeira roda tenha sido um tronco cortado em sentido transversal. Com a invenção da roda, surgiu, logo depois, o eixo. O

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador DESCRITIVO TÉCNICO Nome Equipamento: Máquina automática para corte de silício 45º e perna central até 400 mm largura Código: MQ-0039-NEP Código Finame: *** Classificação Fiscal: 8462.39.0101 1 Alimentador

Leia mais

Retificação cilíndrica

Retificação cilíndrica A U A UL LA Retificação cilíndrica A retificadora cilíndrica universal é uma máquina utilizada na retificação de todas as superfícies cilíndricas, externas ou internas de peças. Em alguns casos, essa máquina

Leia mais

COTIP Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba (Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba)

COTIP Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba (Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba) 1 MOENDAS 1. Moendas Conjunto de 04 rolos de moenda dispostos de maneira a formar aberturas entre si, sendo que 03 rolos giram no sentido horário e apenas 01 no sentido antihorário. Sua função é forçar

Leia mais

Polias e correias. Polias

Polias e correias. Polias A U A UL LA Polias e correias Introdução Às vezes, pequenos problemas de uma empresa podem ser resolvidos com soluções imediatas, principalmente quando os recursos estão próximos de nós, sem exigir grandes

Leia mais

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE LIGAÇÕES ESTRUTURAIS REFORÇO DE ESTRUTURAS E ESTRUTURAS MISTAS LIGAÇÕES ENTRE DIFERENTES MATERIAS ESTRUTURAIS LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS ENG. TIAGO ABECASIS

Leia mais

Crescendo com Você. Montagem de Sistemas

Crescendo com Você. Montagem de Sistemas Crescendo com Você Montagem de Sistemas Estocagem Armazene as chapas em local seco e abrigado. Transporte as chapas de duas em duas. Transporte as chapas na posição vertical. Os calços devem ter 5 cm de

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d Definição Fresas São ferramentas rotativas para usinagem de materiais, constituídas por uma série de dentes e gumes, geralmente dispostos simetricamente em torno de um eixo. Os dentes e gumes removem o

Leia mais

Mesa de centro com tabuleiro integrado

Mesa de centro com tabuleiro integrado Mesa de centro com tabuleiro integrado Vamos para a mesa Mesa de centro com tabuleiro integrado Esta mesa de centro é genial: ela dispõe de um tabuleiro para que possa mimar as suas vistas com todo o tipo

Leia mais

Kit de Montagem de Mastro

Kit de Montagem de Mastro Parabéns pela aquisição do seu novo kit de montagem de mastro! Kit de Montagem de Mastro Manual de Instalação Este kit de montagem de mastro foi concebido para postes com 48 milímetros de diâmetro externo

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro Saúde e segurança marceneiro. A preocupação com o bem-estar, a saúde e a segurança do marceneiro no trabalho, vem crescendo no decorrer dos últimos anos, pois, quando o trabalho representa apenas uma obrigação

Leia mais

Essas duas questões serão estudadas nesta aula. Além delas, você vai ver quais erros podem ser cometidos na rebitagem e como poderá corrigi-los.

Essas duas questões serão estudadas nesta aula. Além delas, você vai ver quais erros podem ser cometidos na rebitagem e como poderá corrigi-los. A UU L AL A Rebites III Para rebitar peças, não basta você conhecer rebites e os processos de rebitagem. Se, por exemplo, você vai rebitar chapas é preciso saber que tipo de rebitagem vai ser usado - de

Leia mais

Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia

Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia 1. Apresentar os esquemas de medição das dimensões a, b e c indicadas na figura 1 (desenhar as testeiras, orelhas e pé do paquímetro

Leia mais

Elementos de Transmissão Correias

Elementos de Transmissão Correias Elementos de Transmissão Correias Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Transmissão por polias e correias Transmissão por polias e correias As polias são peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo

Leia mais

SISTEMA DE ESTANTES MOVIPACK

SISTEMA DE ESTANTES MOVIPACK SISTEMA DE ESTANTES MOVIPACK MOVIPACK é um sistema de estantes móveis deslizando sobre carris. A vantagem óbvia do sistema é o aproveitamento de espaço em comparação com as estantes fixas que requerem

Leia mais

Introdução. elementos de apoio

Introdução. elementos de apoio Introdução aos elementos de apoio A UU L AL A Esta aula - Introdução aos elementos de apoio - inicia a segunda parte deste primeiro livro que compõe o módulo Elementos de máquinas. De modo geral, os elementos

Leia mais

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Fresamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

www.catari.net uma marca diferente.

www.catari.net uma marca diferente. www.catari.net uma marca diferente. cofragem modular perfeita! Com uma vasta gama de dimensões, permite solucionar todas as suas necessidades de cofragem vertical, em qualquer tipo de construção. O combro

Leia mais

Você já pensou o que seria do ser humano

Você já pensou o que seria do ser humano A UU L AL A Eixos e árvores Você já pensou o que seria do ser humano sem a coluna vertebral para lhe dar sustentação. Toda a estrutura de braços, pernas, mãos, pés seria um amontoado de ossos e músculos

Leia mais

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Expedição ao mundo animal. Casa para pássaros Pequenos e grandes zoólogos podem em breve observar e descobrir o mundo a partir da própria porta da varanda.

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

Bastidores para fibra óptica

Bastidores para fibra óptica Apresentação A gama de armários para fibra óptica Olirack foi concebida para a instalação, protecção e isolamento de terminadores e repartidores ópticos. A fibra óptica é um filamento feito de vidro ou

Leia mais

Afiação de ferramentas

Afiação de ferramentas A UU L AL A Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se desgastam, apresentando trincas ou deformações na forma e nas propriedades. Devido a este desgaste, as

Leia mais

veneza Armário de automação IP 55

veneza Armário de automação IP 55 Armário de automação IP 55 Armário de automação IP 55 veneza A solução flexível para compor A oferta da Hager acaba de ser ampliada com a nova série veneza, a solução ideal para realizar armários de automação,

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado.

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado. Serras circulares Serras circulares são discos dentados que trabalham em máquinas muito solicitadas em marcenarias, carpintarias e serrarias. Estas serras efetuam cortes longitudinais, paralelos, transversais

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Correias e Polias Correntes Definição Polia: São peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo do motor e pelas correias. Correias: É o elemento da máquina que,

Leia mais

Um variador de velocidade electrónico permite adaptar a velocidade de utilização aos diferentes tipos de materiais.

Um variador de velocidade electrónico permite adaptar a velocidade de utilização aos diferentes tipos de materiais. A LIXADEIRA A lixadeira elétrica serve para executar vários tipos de trabalhos de lixar e polir a seco materiais em bruto, envernizados ou pintados: madeira, metal, plástico, gesso, betume, etc. A escolha

Leia mais

Estruturas de serrotes para metais

Estruturas de serrotes para metais Serração Serras alternativas As máquinas de serração e as serras RIDGID foram desenvolvidas por profissionais para profissionais. Quaisquer que sejam as suas exigências em questões de serração, o programa

Leia mais

Manual de Instruções e Termo de Garantia

Manual de Instruções e Termo de Garantia Manual de Instruções e Termo de Garantia 1.Identificação dos itens. 2.Marque na porta a altura do centro da maçaneta (sugestão: 1,10m em relação ao piso). 4.Com auxílio de ferramentas (formão, furadeira,

Leia mais

Elementos de transmissão de potência José Queiroz - Unilins

Elementos de transmissão de potência José Queiroz - Unilins Projetos Mecânicos Elementos de transmissão de potência José Queiroz - Unilins 2 Polias e correias Polias: As polias são peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo do motor e pelas correias.

Leia mais

STOL CH 701. 7R3-1 Rear Skin. Note: Tanto o lado superior como o lado inferior do revestimento estão perpendiculares a dobra longitudinal.

STOL CH 701. 7R3-1 Rear Skin. Note: Tanto o lado superior como o lado inferior do revestimento estão perpendiculares a dobra longitudinal. 7R3-1 Rear Skin Note: Tanto o lado superior como o lado inferior do revestimento estão perpendiculares a dobra longitudinal. Manuseia o revestimento Com muita atenção e delicadeza. desta forma você evitará

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA BROCAS (NOMENCLATURA,CARAC. TIPOS) São ferramentas de corte, de forma cilíndrica, com canais retos ou helicoidais, temperadas, terminam em ponta cônica e são afiadas

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

www.cpsol.com.br (11) 4106-3883

www.cpsol.com.br (11) 4106-3883 REGULAGEM DA CORRENTE A tensão da corrente estará correta, quando em temperatura ambiente, a corrente encostar na parte inferior do sabre e ainda puder ser puxada com a mão sobre o mesmo. CORTE DE TORAS

Leia mais

ZJ20U93 Montagem e Operacional

ZJ20U93 Montagem e Operacional www.zoje.com.br ZJ20U93 Montagem e Operacional ÍNDICE 1. Aplicação...2 2. Operação segura...2 3. Cuidados antes da operação...2 4. Lubrificação...2 5. Seleção da agulha e do fio...3 6. A Inserção da agulha...3

Leia mais

Ferramentas Leitz Brasil

Ferramentas Leitz Brasil Ferramentas Leitz Brasil Leitz Association Representada em mais de 100 paises São 25 Fabricas espalhadas pelo mundo e mais de 300 postos de Serviço. Em torno de 7000 funcionários Vendas anuais em cerca

Leia mais

Tipos de painés: compensados, aglomerados OSB, chapas de fibra (HDF/MDF/LDF), tamburato

Tipos de painés: compensados, aglomerados OSB, chapas de fibra (HDF/MDF/LDF), tamburato Montagem de Móveis Sistema métrico e conversão de unidades Tipos de painés: compensados, aglomerados OSB, chapas de fibra (HDF/MDF/LDF), tamburato Vantagens na utilização dos painéis Revestimentos de superfícies:

Leia mais

59 Brunimento, lapidação, polimento

59 Brunimento, lapidação, polimento A U A UL LA Brunimento, lapidação, polimento Apesar de todos os cuidados, as peças usinadas e mesmo as de acabamento em máquina, como é o caso da retificação, apresentam sulcos ou riscos mais ou menos

Leia mais

2.2. Antes de iniciar uma perfuração examine se não há instalações elétricas e hidráulicas embutidas ou fontes inflamáveis.

2.2. Antes de iniciar uma perfuração examine se não há instalações elétricas e hidráulicas embutidas ou fontes inflamáveis. 1. Normas de segurança: Aviso! Quando utilizar ferramentas leia atentamente as instruções de segurança. 2. Instruções de segurança: 2.1. Aterramento: Aviso! Verifique se a tomada de força à ser utilizada

Leia mais

Dobramento. e curvamento

Dobramento. e curvamento Dobramento e curvamento A UU L AL A Nesta aula você vai conhecer um pouco do processo pelo qual são produzidos objetos dobrados de aspecto cilíndrico, cônico ou em forma prismática a partir de chapas de

Leia mais

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. E NORMAS COMPLEMENTARES... 3 4. DEFINIÇÃO... 3

Leia mais

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D.

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D. Pretende-se aqui exempl ificar a maquinagem de contornos 2D em PowerMILL A modelação 3D do componente é executada em Autodesk Inventor e depois exportada em formato DXF para o PowerMILL Vamos usar esta

Leia mais

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Índice Capítulo Título Página 1 Informações Gerais 3 2 Segurança 4 3 Especificações Técnicas 5 4 Ferramentas, Instrumentos e Materiais 6

Leia mais

Fresas Ferramentas de fresar

Fresas Ferramentas de fresar Fresas Ferramentas de fresar As maiores exigências de trabalho de usinagem de madeiras, de painéis aglomerados e MDF são hoje feitas para as ferramentas de fresar. 1. Condições de segurança 2. Alto rendimento

Leia mais

GRADES E PORTAS DE ENROLAR

GRADES E PORTAS DE ENROLAR GRADES E PORTAS Tipo de varão Acabamentos Galvanizada acada Inox Concha Aro osango Possibilidade de serem fixas GRADES A Multipreve tem à disposição dos seus clientes uma série de Grades de Enrolar, que

Leia mais

Discos para Serras Circulares

Discos para Serras Circulares Rua do Manifesto, 22 Ipiranga São Paulo Fone: +55 (11) 2271211 www.irwin.com.br Rua do Manifesto, 22 Ipiranga São Paulo Fone: +55 (11) 2271211 No ambiente de construção profissional não há espaço para

Leia mais

TEKNIKAO. Balanceadora NK750. Manual de Instruções. São Paulo

TEKNIKAO. Balanceadora NK750. Manual de Instruções. São Paulo Balanceadora Manual de Instruções São Paulo 2013 ÍNDICE Ao Proprietário... 3 Ao Operador... 3 Trabalho com Segurança... 4 Cuidados Especiais... 4 Especificações Técnicas... 6 Dados Técnicos... 6 Dimensões

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

SISTEMA MONOCARRIL PONTES ROLANTES PADRÃO MONOVIGA E PARALELAS. Pinças, diferenciais, guinchos

SISTEMA MONOCARRIL PONTES ROLANTES PADRÃO MONOVIGA E PARALELAS. Pinças, diferenciais, guinchos SISTEMA MONOCARRIL Optar pelo sistema de ponte rolante com perfis ligeiros da REMA, uma maneira puramente técnica para melhorar a produtividade! Carril do diferencial Sistema monocarril O sistema monocarril

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

Sua oficina merece equipamentos versáteis e seguros. Toda a qualidade MARCON também presente em ferramentas de bancada.

Sua oficina merece equipamentos versáteis e seguros. Toda a qualidade MARCON também presente em ferramentas de bancada. Sua oficina merece equipamentos versáteis e seguros. Toda a qualidade MARON também presente em ferramentas de bancada. 140 www.marcon.ind.br ÍNDIE Furadeiras de Bancada, Moto Esmeril 142 Tornos de Bancada,

Leia mais

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação A U A UL LA Acoplamento Introdução Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, percebeu um estranho ruído na roda. Preocupada, procurou um mecânico. Ao analisar o problema, o mecânico concluiu que

Leia mais

Mais que nunca é preciso cortar

Mais que nunca é preciso cortar Mais que nunca é preciso cortar Quando suas unhas estão compridas e é necessário apará-las, qual o modo mais rápido de fazê-lo? Lixando ou cortando? Naturalmente, se você lixar, o acabamento será melhor.

Leia mais

E-QP-ECD-077 REV. C 01/Abr/2008 - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES

E-QP-ECD-077 REV. C 01/Abr/2008 - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES ENGENHARIA - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta e a justificativa.

Leia mais

Preparo periódico do solo arados de discos *

Preparo periódico do solo arados de discos * Preparo periódico do solo arados de discos * 1. Arados de discos Os arados de discos distinguem-se das de aivecas por a lavoura ser efetuada por discos com movimento de rotação provocado pelo atrito de

Leia mais

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador A U A UL LA Relógio comparador Um problema Como vocês podem perceber, o programa de qualidade da empresa envolve todo o pessoal. Na busca constante de melhoria, são necessários instrumentos de controle

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS Linha Completa

INFORMAÇÕES GERAIS Linha Completa INFORMAÇÕES GERAIS Linha Completa www.spdcutferramentas.com.br (11) 2762 5114 Disco Diamantado 110mm Linha Profissional Disco de alto rendimento Disco Diamantado 110mm para corte a seco com alta durabilidade

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA Orçamento Unidade Básica de Saúde - Fronteira Estrutura para o acesso e identificação do

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade.

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade. TORNO MECÂNICO É uma máquina-ferramenta muito versátil porque, além das operações de torneamento, pode executar operações que normalmente são feitas por outras máquinas como a furadeira, a fresadora e

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

FICHAS DE INSTALAÇÃO - CPC COMO INSTALAR UMA FECHADURA

FICHAS DE INSTALAÇÃO - CPC COMO INSTALAR UMA FECHADURA 1. Constituintes de uma fechadura 2. Modelos de Fechadura Fechadura de embutir: Também designada por fechadura de encastrar, este tipo de fechadura é montada encastrada na espessura da porta. É sobretudo

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

Prática de Oficina Processos de Fabricação

Prática de Oficina Processos de Fabricação Prática de Oficina Processos de Fabricação Filipi Damasceno Vianna Porto Alegre, 24 de junho de 2002. Sumário Introdução 3 1 Torno Mecânico Horizontal Comum 4 1.1 Campo de Aplicação..............................

Leia mais

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

SÉRIES F196 e P400 1 FOLHA BATENTE

SÉRIES F196 e P400 1 FOLHA BATENTE SÉRIES F196 e P400 1 FOLHA BATENTE SÉRIES F196 e P400 95 Fotografia geral 4 1 FOLHA BATENTE Caracterização Modelo Tipologia F196 1 folha de batente P400 1 folha de batente Dimensões (mm) L x H* (standard)

Leia mais

Máquina de Costura Industrial Reta ZJ-9600. Manual de Montagem

Máquina de Costura Industrial Reta ZJ-9600. Manual de Montagem Máquina de Costura Industrial Reta ZJ-9600 Manual de Montagem ÍNDICE . Instalação do Reservatório de Óleo Primeiramente fixe as duas borrachas diretamente na mesa usando os pregos, conforme a figura. Em

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima LIMAGEM Introdução Noções de limagem Tipos de Lima Temas a abordar Limagem manual; Classificação de limas; Métodos e regras de trabalho; Materiais industriais; Outros tipos de limagem; Exercícios simples

Leia mais

Coladeira de Borda Portátil CBC Eco. 10x R$ 449,00. ou R$ 4.190,00 à vista. www.maksiwa.com.br

Coladeira de Borda Portátil CBC Eco. 10x R$ 449,00. ou R$ 4.190,00 à vista. www.maksiwa.com.br Preços sugeridos ao consumidor com base em São Paulo, SP. Serão efetuadas vendas somente através de revendedores autorizados. Preços e condições validos até 17/08/2013. Fotos Ilustrativas. Grandes Marcas

Leia mais

Estantes para Picking com passarelas

Estantes para Picking com passarelas Estantes para Picking com passarelas PICKING COM PASSARELAS A importância que tem o máximo aproveitamento do espaço dos armazéns requer soluções que permitam aceder aos níveis mais altos. Uma destas soluções

Leia mais

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 2 1 100 1 132 1 000 FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 1. Coloque a caverna do meio sobre o picadeiro a frente da traverssa. Para o barco de 5,2 m a caverna 2, para os barcos maiores a caverna 3. 2. Alinhe

Leia mais

de limpeza frontal com corrente

de limpeza frontal com corrente GRELHA MECÂNICA DE BARRAS de limpeza frontal com corrente tipo GV ou GSV Aplicações As águas de descarga civis podem conter vários lixos. Tudo o que puder ser deitado no esgoto, e mesmo o que não se puder,

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos

Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007 1. Implantação A implantação de pontos ou quaisquer outros detalhes consiste na materialização

Leia mais

VENTOKIT IN Line NM Eletronic

VENTOKIT IN Line NM Eletronic VENTOKIT IN Line NM Eletronic Modelos: 8 / 15 / 15 turbo b d b mm a b c d e 8 15 15 18 99 Mod. 15 15 turbo 15 15 18 119 15 15 18 119 a c e a DESCRIÇÃO OPÇÕES DE FORNECIMENTO OPCIONAIS Renovadores de ar

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM. Revisão 10 MONTAGEM DO DISCO SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA

MANUAL DE MONTAGEM. Revisão 10 MONTAGEM DO DISCO SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA MANUAL DE MONTAGEM Revisão 10 MONTAGEM DO DISCO SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA Parabéns por adquirir um dos mais tecnológicos meios de aquecimento de água existentes no mercado. O Disco Solar é por sua

Leia mais

IntroMedix Perfil da Empresa

IntroMedix Perfil da Empresa IntroMedix Perfil da Empresa Intromedix é uma empresa israelita fundada em 2006. A empresa dedica-se à importação, representação, marketing, distribuição e fabricação de produtos médicos exclusivos destinados

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA ESMERILHADORAS DEFINIÇÃO: São máquinas em que o operador esmerilha materiais, é usado principalmente na afiação de ferramentas. CONSTITUIÇÃO: É constituída geralmente de um

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

A INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES Fone:(31)2513-5198 Fax: (31) 2513-5203 PREGÃO ELETRÔNICO 175/2013

A INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES Fone:(31)2513-5198 Fax: (31) 2513-5203 PREGÃO ELETRÔNICO 175/2013 A INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES Fone:(31)2513-5198 Fax: (31) 2513-5203 PREGÃO ELETRÔNICO 175/2013 1 1. DADOS DO FORNECEDOR 1.1 Dados Cadastrais da Empresa Razão Social:

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

Neste guia, você encontrará alguns exemplos de aplicações profissionais bem como informações sobre produtos indicados.

Neste guia, você encontrará alguns exemplos de aplicações profissionais bem como informações sobre produtos indicados. Guia de aplicações As ferramentas Dremel são o complemento perfeito para o kit de ferramentas dos profissionais, pois trabalham em situações em que as outras ferramentas (manuais ou elétricas) seriam

Leia mais

SÉRIE INVICTA S 1 FOLHA BATENTE

SÉRIE INVICTA S 1 FOLHA BATENTE SÉRIE INVICTA S 1 FOLHA BATENTE ' SÉRIE INVICTA S 82 83 84 85 Fotografias gerais e pormenores Modelo Invicta S Tipologia 1 folha de batente Certificações Segurança anti-intrusão (EN 1627) 4 Grau pára-chamas

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

ANEXO II - PLANILHA DE COTAÇÃO (PCT)

ANEXO II - PLANILHA DE COTAÇÃO (PCT) ANEXO II - PLANILHA DE COTAÇÃO (PCT) LICITAÇÃO MOD.: PREGÃO PRESENCIAL Nº 14/2012 TIPO: MENOR PREÇO Data e Hora da Entrega das Propostas: 05/04/2012 Horas: 09h30min REMARCADA PARA O DIA 10/04/2012 ÀS 09h30min

Leia mais

CATÁLOGO DE METROLOGIA

CATÁLOGO DE METROLOGIA CATÁLOGO DE METROLOGIA 1 PAQUÍMETRO PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL (MD) capacidade LEITURA 141-112 0-150mm / 0-6 0,02mm / 0,001 141-113 0-150mm / 0-6 0,05mm / 1/128 141-114 0-200mm / 0-8 0,02mm

Leia mais