Retificação. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Retificação. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville"

Transcrição

1 UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Retificação DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas

2 Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação tarefa tipo de peça (geometria para fixação) superfície: material em bruto superfície: resultado desejado (superfície = geometria + acabamento) tipo de operação objetivo (desbaste, acabamento) fenômeno físico (grandezas, movimentos, calor,...) Dispositivo fixação Operador fenômeno físico / mecanismo Parâmetros do processo fixa / verifica a peça / ferramenta / dispositivos, aciona / programa / ajusta a máquina Dispositivo medição Ferramenta material geometria acabamento Dispositivo fixação Máquina tipos / partes movimentos acionamentos potência

3 Retificação assuntos Fenômeno Aplicações Ferramentas Máquinas Dispositivos Parâmetros

4 Retificação fenômeno características e tolerâncias obtidas Interação entre grãos abrasivos com uma peça Emprego de altas velocidades Profundidade de penetração pequena Superfícies retificadas: são as mais finas e lisas produzidas por usinagem Tolerâncias dimensionais entre IT4 e IT6 Tolerância geométrica compatível Baixas rugosidades (Ra de 0,2 a 1,6 μm)

5 Retificação fenômeno mecanismo de formação do cavaco v s rebarba Grão cavaco A B C A atrito B Riscamento C Corte

6 Retificação fenômeno ciclo de retificação Exemplo retificação cilíndrica de mergulho T1 aproximação T2 início do corte T3 profundidade de penetração (a) = avanço do rebolo por volta da peça (S) T4 Spark-out (faiscamento) T5 Recuo T6 Troca de peça e dressagem tempo T 1 T 2 T 3 T 4 T 5 T 6

7 Retificação fenômeno spark out (faiscamento) Quando o rebolo toca a peça e começa seu avanço radial, a peça e o eixo porta-rebolo se deformam elasticamente Spark out, centelhamento ou faiscamento: Permanência do rebolo em operação e sem avanço até que o eixo e o rebolo se recuperem de sua deformação Aumenta o ciclo de retificação mas, Garante a boa qualidade da peça usinada

8 Retificação assuntos Fenômeno Aplicações Ferramentas Máquinas Dispositivos Parâmetros

9 Retificação aplicações Na produção em série ou em grandes quantidades: Produz peças com dimensões e acabamentos idênticos Garante total intercambialidade de peças Geral: Usualmente última operação do processo (garantia dimensional)

10 Retificação aplicações exemplos de tipos de peças Eixos (assentos de rolamento, engrenagens, etc.) Eixos escalonados e cônicos Superfícies cilíndricas internas Superfícies planas

11 Retificação aplicações condições iniciais de usinagem Peças advindas de outros processos: Torneamento Fresamento Etc. Sobre-metal: 0,2 a 0,5mm: Máquina de custo elevado Seu uso encarece o produto

12 Retificação aplicações Retificação cilíndrica -externa -entre pontas - de mergulho - longitudinal (ou passagem) - sem centros - de mergulho - longitudinal (ou passagem) - interna Retificação plana - tangencial -frontal Retificação de perfis

13 Retificação cilíndrica externa entre pontas Longitudinal (ou de passagem) de mergulho (ou com avanço de penetração) Mais econômico permite a usinagem de superfícies simultâneas

14 Retificação cilíndrica externa sem centros (ou centerless) Características Peças longas e de pequeno diâmetro (evita flexão da peça) Peças cilíndricas curtas (onde contra-ponta dificulta aproximação dos rebolos) Mais fácil e rápida mas com menor precisão Não pode ser feita em peças com muitos escalonamentos

15 Retificação aplicações retificação cilíndrica interna Peça Rebolo

16 Retificação plana Frontal Tangencial

17 Retificação assuntos Fenômeno Aplicações Ferramentas Máquinas Dispositivos Parâmetros

18 Ferramentas Elementos Material do grão abrasivo Tamanho do grão (Granulometria) Dureza Estrutura Liga Geometria

19 Ferramentas abrasivos utilizados A - Óxido de Alumínio Marrom todos os tipos de aço (exceto daqueles sensíveis ao calor) PA - Óxido de Alumínio Rosado alta capacidade de manutenção de perfil em aços de alta dureza e sensíveis ao calor AA - Óxido de Alumínio Branco aço com alta resistência à tração, altas durezas e sensíveis ao calor. Fonte: Carborundum AX - Abrasivo Óxido de Alumínio Monocristal operações de precisão SC - Super Carbo (óxido de alumínio cerâmico). alta precisão em materiais de difícil retífica

20 Ferramentas abrasivos utilizados ZC - Abrasivo Óxido de Alumínio Zirconado desbaste onde a pressão de trabalho é baixa ZA - Óxido de Alumínio Zirconado desbaste de materiais ferrosos, onde são exigidas altas taxas de remoção HZ - Óxido de Alumínio Zirconado desbaste de materiais ferrosos, em máquinas automáticas com alta pressão de contato e altas taxas de remoção Fonte: Carborundum C - Carbeto de Silício Preto materiais ferrosos com baixa resistência à tração, nãoferrosos em geral e materiais não-metálicos. GC - Carbeto de Silício Verde retificação de carbeto de tungstênio e alguns aços de altíssima dureza.

21 Ferramentas tamanho do grão (granulometria) Classificação: Pelo número de malhas por polegada linear da peneira de classificação Escolha: Ex: grão 60 passa na peneira de 60 malhas por polegada, mas é retido na de 61 ou mais. Grãos grossos (4 a 24) materiais moles, dúteis ou fibrosos; para desbaste; quando não se exige bom acabamento superficial Grão finos (70 a 600) materiais duros ou quebradiços; quando se deseja um bom acabamento superficial; pequenas áreas de contato

22 Retificação ferramentas dureza Representa o grau de coesão grão aglomerante Classificação ABNT: E F G rebolos muito moles H I J K rebolos moles L M N O rebolos de dureza média P Q R rebolos duros S T U V rebolos muito duros Quanto maior a dureza mais o rebolo resistirá aos esforços que tendem remover os grãos da peça

23 Retificação ferramentas dureza Fonte: Norton abrasivos

24 Ferramentas estrutura Classificação: 1 a 4 rebolo com bastante abrasivo (estrutura fechada) 5 a 7 estrutura média 8 a 12 estrutura aberta Acima de 12 rebolos com poucos grãos (pouco abrasivos) Quanto mais aberta for a estrutura, mais grosseiro será o acabamento Espaçamento denso Espaçamento médio Espaçamento aberto

25 Retificação ferramentas - estrutura Os vazios entre grãos tem que ser grandes o suficiente para alojar os cavacos durante a usinagem

26 Ferramentas ligas empregadas Vitrificado Composição: materiais cerâmicos Característica: manutenção de perfil durante o processo de retificação Uso: operações de precisão Resina Composição: resina fenólica Característica: absorção de impacto Uso: rebarbação e desbaste Borracha Composição: borracha sintética e natural Uso: operação centerless, como rebolo de arraste

27 Ferramentas geometria formatos (ABNT) Disco: Afiação de machos e brocas Disco reto: Afiação de brocas e ferramentas diversas Perfilado: Peças perfiladas Com rebaixo

28 Ferramentas geometria formatos (ABNT) Copo reto: Afiação de fresas frontais, de topo, e cilíndricas, de machos, cabeçotes porta-bits Com rebaixo dos 2 lados Copo cônico: Afiação de fresas angulares, frontais e de topo, rebaixadores, brocas de 3 e 4 arestas cortantes

29 Ferramentas geometria perfis (ABNT)

30 Retificação ferramentas resumo seleção de rebolos A 60 K 7 V Material do Grão: Óxidos de alumínio + CBN (nitreto de boro): Usos: aços Carbetos + diamante: Roubam carbono por difusão Usos: cerâmica, vidro

31 Retificação ferramentas resumo seleção de rebolos A 60 K 7 V Granulometria: 46\60\80 desbaste Acabamento: sem especificação 100\120 acabamento Acabamento: 0,3-0,7 150\180 acabamento fino Acabamento: 0,15-0,25 200\280\320 "polimento" Acabamento: >0,25

32 Retificação ferramentas resumo seleção de rebolos A 60 K 7 V Dureza (quanto o rebolo agüenta segurar o grão): A... G H I J K L M N P... Z retificação interna retificação plana retificação externa

33 Retificação ferramentas resumo seleção de rebolos A 60 K 7 V Estrutura: 1-fechada... 7-media(1a escolha) aberta

34 Retificação ferramentas resumo seleção de rebolos A 60 K 7 V LIGA: Vitrificada 80% dos casos Resina 15% dos casos Metálica afiação de ferramentas

35 Retificação assuntos Fenômeno Aplicações Ferramentas Máquinas Dispositivos Parâmetros

36 Máquinas classificação 3 Tipos (básicos): Retificadora plana Cilíndrica universal Sem centros (centerless) Quanto ao movimento: Automática Semi-automática Manual

37 Retificadora plana

38 Retificadora cilíndrica universal

39 Retificadora centerless

40 Retificadora entre pontas

41 Retificadora cilíndrica interna

42 Retificação assuntos Fenômeno Aplicações Ferramentas Máquinas Dispositivos Parâmetros

43 Retificação - dispositivos Dispositivos de fixação Mesa de seno magnética Transpassadores Morsa Dressadores

44 Dispositivos de fixação mesa de seno magnética

45 Dispositivos de fixação - transpassadores

46 Dispositivos de fixação - morsa

47 Dispositivos - dressadores Processo denominado dressagem, dressamento, diamantação, afiação ou retificação do rebolo Objetivos: Obter concentricidade da face de trabalho com o eixo de rotação do rebolo Arrancar grãos abrasivos gastos melhora da agressividade da face de trabalho Produzir perfis na face de trabalho do rebolo operações de forma (transferência da forma do rebolo para a peça)

48 Retificação dispositivos dressadores - tipos Dressadores de ponta única Dressadores multi-ponta

49 Retificação assuntos Fenômeno Aplicações Ferramentas Máquinas Dispositivos Parâmetros

50 Retificação parâmetros Velocidade do rebolo Área de contato Potência da máquina Espessura de corte equivalente (heq) Espessura máxima do cavaco (h max )

51 Retificação parâmetros velocidade do rebolo Limitada pela resistência da liga aglomerante Vitrificadas: 45 a 60 m/s Resinóides: até 48 m/s Resinóides especiais: até m/s Maior a velocidade periférica mais duro seu comportamento

52 Retificação parâmetros área de contato Quanto maior a área de contato rebolo/peça: maiordeve ser o grão mais macio e poroso deve ser o rebolo Justificativa: Tal estrutura proporciona mais e maiores vazios

53 Retificação parâmetros potência da máquina Máquinas de alta potência: Rebolos duros Resistem às forças de usinagem Não soltam os grãos Portanto, aumentam as forças de corte

54 Retificação parâmetros espessura de corte equivalente (h eq ) h = a eq v v p c a = profundidade de usinagem: Profundidade de usinagem (a p ) retificação cilíndrica longitudinal Profundidade de penetração (a e ) retificação plana tangencial Avanço por volta (f) retificação cilíndrica de mergulho v p = velocidade da peça v c = velocidade de corte (= velocidade do rebolo)

55 Retificação parâmetros espessura máxima do cavaco (h max ) h max = v v p c a d d = diâmetro da peça usinada Observações: a aumenta h max aumenta mas não proporcional v c aumenta h max diminiu esforços de corte diminuem aumenta a vida da ferramenta (v c limitado pelo tipo de rebolo) v p aumenta h max diminiu esforços de corte diminuem aumenta a vida da ferramenta (comportamento mais macio)

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Fresamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 257 33. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 33.1. Introdução As peças que serão retificadas, normalmente, chegam à retificadora com um sobremetal

Leia mais

Rebolos. O que é um rebolo? Especificações

Rebolos. O que é um rebolo? Especificações Rebolos O que é um rebolo? Rebolo é uma ferramenta de corte formada por grãos abrasivos unidos por ligas especiais. Pode ser utilizado em máquinas para operação de corte e afiação produzindo acabamento

Leia mais

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 265 34. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 34.1. Introdução Para obter uma boa operação de usinagem em retificação, alguns cuidados devem ser

Leia mais

Retificar significa corrigir irregularidades de superfícies de peças. Assim, a retificação tem por objetivo:

Retificar significa corrigir irregularidades de superfícies de peças. Assim, a retificação tem por objetivo: 1 8 - RETIFICAÇÃO 8.1 Introdução A retificação é um processo de usinagem por abrasão. Este processo é realizado utilizando-se uma máquina-ferramenta chamada retificadora, para dar acabamento fino e exatidão

Leia mais

Preparação de máquina

Preparação de máquina A U A UL LA Preparação de máquina A retificação é um dos processos de usinagem por abrasão. Basicamente, a retificação visa corrigir as irregularidades de superfícies de peças ou materiais submetidos a

Leia mais

Diamantados e CBN. Abrasivos Diamantados. Tipos de diamante Industrial:

Diamantados e CBN. Abrasivos Diamantados. Tipos de diamante Industrial: iamantados e CN Abrasivos iamantados Tipos de diamante Industrial: Sintéticos: Em forma de pó, pastilhas ou insertos; Naturais: Em forma de pó, pedra bruta ou lapidada; Nitreto de boro cúbico-cn: Em forma

Leia mais

RETÍFICA JOÃO ALBERTO MUNIZ

RETÍFICA JOÃO ALBERTO MUNIZ RETÍFICA JOÃO ALBERTO MUNIZ Introdução A retífica é uma máquina utilizada para dar acabamento fino e exatidão dimensinal às peças. Geralmente, este tipo de usinagem é posterior ao torneamento e ao fresamento,

Leia mais

ABRASIVOS. Século XX Abrasivos artificiais, de alta dureza: abrasivos silicosos e aluminosos.

ABRASIVOS. Século XX Abrasivos artificiais, de alta dureza: abrasivos silicosos e aluminosos. ABRASIVOS Até século XIX Abrasivos naturais esmeril, mineral de cor preta, constituído de 40% óxido de ferro e 60% de óxido de alumínio. Dureza inferior a 9 Mohs (diamante = 10 Mohs) Século XX Abrasivos

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

GUSTAVO SAMULEWSKI OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE RETIFICAÇÃO DE PEÇAS PRISMÁTICAS

GUSTAVO SAMULEWSKI OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE RETIFICAÇÃO DE PEÇAS PRISMÁTICAS GUSTAVO SAMULEWSKI OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE RETIFICAÇÃO DE PEÇAS PRISMÁTICAS CURITIBA 2006 GUSTAVO SAMULEWSKI OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE RETIFICAÇÃO DE PEÇAS PRISMÁTICAS Monografia apresentada como requisito

Leia mais

PRECISION GRINDING SOLUTIONS

PRECISION GRINDING SOLUTIONS PRECISION GRINDING SOLUTIONS REBOLOS Rebolos Diamantados para Rtificação / Rebolos CBN para Retificação Propriedades dos Superabrasivos Diamante CBN Especificação de um Rebolo de Diamante Identificação

Leia mais

Vimos que, conforme as operações que fazem, as máquinas retificadoras podem ser classificadas em planas, cilíndricas universais e center less.

Vimos que, conforme as operações que fazem, as máquinas retificadoras podem ser classificadas em planas, cilíndricas universais e center less. Retificação plana Vimos que, conforme as operações que fazem, as máquinas retificadoras podem ser classificadas em planas, cilíndricas universais e center less. As retificadoras planas retificam peças

Leia mais

Palavras-chave: CBN, Óxido de alumínio, Ligante resinóide, Aço VC131

Palavras-chave: CBN, Óxido de alumínio, Ligante resinóide, Aço VC131 ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO DE REBOLOS COM GRÃOS SUPERABRASIVOS E CONVENCIONAIS Eduardo Carlos Bianchi Eraldo Jannone da Silva Rodrigo Daun Monici Renato Cabrera Neves Paulo Roberto de Aguiar Ivan

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA ESMERILHADORAS DEFINIÇÃO: São máquinas em que o operador esmerilha materiais, é usado principalmente na afiação de ferramentas. CONSTITUIÇÃO: É constituída geralmente de um

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO ENTRE REBOLOS SUPERABRASIVOS E CONVENCIONAIS, NA RETIFICAÇÃO CILÍNDRICA EXTERNA DO AÇO EUTECTIC ECT-NA-4923

ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO ENTRE REBOLOS SUPERABRASIVOS E CONVENCIONAIS, NA RETIFICAÇÃO CILÍNDRICA EXTERNA DO AÇO EUTECTIC ECT-NA-4923 ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO ENTRE REBOLOS SUPERABRASIVOS E CONVENCIONAIS, NA RETIFICAÇÃO CILÍNDRICA EXTERNA DO AÇO EUTECTIC ECT-NA-9 Eduardo Carlos Bianchi, Vinício Lucas Varga, Thiago Cardoso Magagnin,

Leia mais

Materiais de Corte Segmento Madeireiro

Materiais de Corte Segmento Madeireiro Materiais de Corte Segmento Madeireiro Devido a necessidade do aumento de produção no setor madeireiro, ao longo de décadas vem-se desenvolvendo cada vez mais os materiais para ferramentas de corte, visando

Leia mais

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado.

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado. Serras circulares Serras circulares são discos dentados que trabalham em máquinas muito solicitadas em marcenarias, carpintarias e serrarias. Estas serras efetuam cortes longitudinais, paralelos, transversais

Leia mais

Afiação de ferramentas

Afiação de ferramentas A UU L AL A Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se desgastam, apresentando trincas ou deformações na forma e nas propriedades. Devido a este desgaste, as

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Informações técnicas. Identificação do rebolo. Tipos de Abrasivos. Dureza. Estrutura. Tipos de liga. Estrutura. Tamanho do grão. Dureza.

Informações técnicas. Identificação do rebolo. Tipos de Abrasivos. Dureza. Estrutura. Tipos de liga. Estrutura. Tamanho do grão. Dureza. C T Á L O G O ao completar 25 anos, a Stilex brasivos tem muito que comemorar. Nesses anos todos, nossos discos de corte, de desbaste, rebolos e pontas montadas alcançaram cada canto de nosso vasto território

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO AÇO RÁPIDO ABNT M6 COM REBOLOS DE NITRETO DE BORO CÚBICO (CBN) E ÓXIDO DE ALUMÍNIO (Al 2 O 3 ).

RETIFICAÇÃO DO AÇO RÁPIDO ABNT M6 COM REBOLOS DE NITRETO DE BORO CÚBICO (CBN) E ÓXIDO DE ALUMÍNIO (Al 2 O 3 ). RETIFICAÇÃO DO AÇO RÁPIDO ABNT M6 COM REBOLOS DE NITRETO DE BORO CÚBICO (CBN) E ÓXIDO DE ALUMÍNIO (Al 2 O 3 ). João Cirilo da Silva Neto Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Mecânica

Leia mais

Processos mecânicos de usinagem

Processos mecânicos de usinagem DDSSDD SENAI Departamento Regional de SãoPaulo Ensino a distância Usinagem - Tecnologia do corte módulo 1 Processos mecânicos de usinagem Programações a Distância de Tecnologia Industrial SENAI-SP, 1998

Leia mais

A afiação das ferramentas é feita somente nas superfícies que determinam os ângulos de ataque, de cunha e saída.

A afiação das ferramentas é feita somente nas superfícies que determinam os ângulos de ataque, de cunha e saída. O que é afiação? 1 Afiação é a operação de dar forma e perfilar arestas de ferramentas novas (última fase do processo de fabricação) e de restaurar o corte ou o perfil de ferramentas desgastadas pelo uso.

Leia mais

Fresas Ferramentas de fresar

Fresas Ferramentas de fresar Fresas Ferramentas de fresar As maiores exigências de trabalho de usinagem de madeiras, de painéis aglomerados e MDF são hoje feitas para as ferramentas de fresar. 1. Condições de segurança 2. Alto rendimento

Leia mais

Enumere as grandezas físicas com suas respectivas unidades e assinale a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo.

Enumere as grandezas físicas com suas respectivas unidades e assinale a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo. Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletromecânica Os condutores devem apresentar características de: A. alta condutibilidade, baixa elasticidade, grande peso. B. baixa elasticidade, pequeno

Leia mais

59 Brunimento, lapidação, polimento

59 Brunimento, lapidação, polimento A U A UL LA Brunimento, lapidação, polimento Apesar de todos os cuidados, as peças usinadas e mesmo as de acabamento em máquina, como é o caso da retificação, apresentam sulcos ou riscos mais ou menos

Leia mais

MATERIAIS UTILIZADOS NOS CORTANTES SUA ESCOLHA

MATERIAIS UTILIZADOS NOS CORTANTES SUA ESCOLHA MATERIAIS UTILIZADOS NOS CORTANTES SUA ESCOLHA QUALIDADES BÁSICAS: - Dureza a frio - Dureza a quente - Tenacidade MATERIAIS DE QUE DISPOMOS: - Aços - Aços rápidos - Stellites - Carbonetos Metálicos - Cerâmicas

Leia mais

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima LIMAGEM Introdução Noções de limagem Tipos de Lima Temas a abordar Limagem manual; Classificação de limas; Métodos e regras de trabalho; Materiais industriais; Outros tipos de limagem; Exercícios simples

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Luiz Maurício Gonçalves Neto

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Luiz Maurício Gonçalves Neto UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Luiz Maurício Gonçalves Neto ESTUDO DAS CORRELAÇÕES DOS PARÂMETROS E FENÔMENOS DO PROCESSO DE RETIFICAÇÃO CENTERLESS DE PASSAGEM COM A CIRCULARIDADE DA PEÇA Taubaté - SP 2008 Livros

Leia mais

Texto retirado do livro "Rebolos & Abrasivos", de Guillaume Ch. Nussbaum. Gravura: "The Knife Grinder" (O Amolador de Facas), Antonio Puga, 1640.

Texto retirado do livro Rebolos & Abrasivos, de Guillaume Ch. Nussbaum. Gravura: The Knife Grinder (O Amolador de Facas), Antonio Puga, 1640. ABRASIVOS E ABRASÃO Quando começou o uso dos abrasivos? O homem pré-histórico já conhecia a forma de afiar sua ferramenta, sua arma, talhando-a primeiro e esfregando-a com uma pedra depois, para obter

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Análise da integridade superficial na retificação dupla face de anéis de pistão de aço inoxidável ISO 6621-3 MC 66 nitretado Daouda Kane

Leia mais

Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a

Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a ferramenta ou a peça se desloca segundo uma trajetória retilínea,

Leia mais

Tabela para consulta de avanço e profundidade de corte

Tabela para consulta de avanço e profundidade de corte Tabela para consulta de avanço e profundidade de corte R Desbaste Pesado CNMM 19N - R ap: 3,5 ~ 1, mm f:,5 ~ 1,5 mm 1 1 1,, 1, 1, 1,, R Desbaste Pesado CNMM 11EN - R ap: 1, ~ 7, mm f:,3 ~,7 mm CNMM 19EN

Leia mais

ESTUDO DE PROCESSO DE RETIFICAÇÃO APLICADO À RECUPERAÇÃO DE PLACAS DE MOLDE DE MÁQUINAS DE LINGOTAMENTO CONTÍNUO DE PLACAS DE AÇO

ESTUDO DE PROCESSO DE RETIFICAÇÃO APLICADO À RECUPERAÇÃO DE PLACAS DE MOLDE DE MÁQUINAS DE LINGOTAMENTO CONTÍNUO DE PLACAS DE AÇO ALEXANDRE AVELAR ALVES MENDES ESTUDO DE PROCESSO DE RETIFICAÇÃO APLICADO À RECUPERAÇÃO DE PLACAS DE MOLDE DE MÁQUINAS DE LINGOTAMENTO CONTÍNUO DE PLACAS DE AÇO Dissertação submetida ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA RETIFICAÇÃO CILÍNDRICA EXTERNA DO AÇO ABNT 1045 TEMPERADO E REVENIDO UTILIZANDO DIFERENTES REBOLOS

Leia mais

Prática de Oficina Processos de Fabricação

Prática de Oficina Processos de Fabricação Prática de Oficina Processos de Fabricação Filipi Damasceno Vianna Porto Alegre, 24 de junho de 2002. Sumário Introdução 3 1 Torno Mecânico Horizontal Comum 4 1.1 Campo de Aplicação..............................

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO DE RETIFICAÇÃO UTILIZANDO REBOLOS DE CBN

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO DE RETIFICAÇÃO UTILIZANDO REBOLOS DE CBN OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO DE RETIFICAÇÃO UTILIZANDO REBOLOS DE CBN Aloísio J. Schuitek CEFET-PR, Departamento Acadêmico de Mecânica aloisio@damec.cefetpr.br - Curitiba, PR, Brasil Antônio C. Severiano Saint-Gobain

Leia mais

CORTE, DESBASTE E POLIMENTO

CORTE, DESBASTE E POLIMENTO CORTE, DESBASTE E POLIMENTO CATALOGO DE PRODUTOS Nossos Valores Excelência Profissional : Esforço contínuo para manter a mais alta qualidade em nossos produtos e serviços. Parcerias Estratégicas Com uma

Leia mais

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE)

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE) Com o emprego de novas tecnologias e surgimento de novos materiais e equipamentos modernos, pode-se afirmar que a utilização de rebolos resinóides tornou-se indispensável nas operações de retificação e

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL HUDSON FABRÍCIO XAVIER PEREIRA Vespasiano-2012 FRESAGEM Apostila elaborada para a disciplina de Fresagem para

Leia mais

Parâmetros de corte. Você só vai saber a resposta, se estudar esta aula. Os parâmetros

Parâmetros de corte. Você só vai saber a resposta, se estudar esta aula. Os parâmetros Parâmetros de corte Na aula passada, você aprendeu que usinagem é todo o processo de fabricação pelo qual o formato de uma peça é modificado pela remoção progressiva de cavacos ou aparas de material. Você

Leia mais

ABRASIVOS E ABRASÃO UM POUCO DE HISTÓRIA

ABRASIVOS E ABRASÃO UM POUCO DE HISTÓRIA ABRASIVOS E ABRASÃO UM POUCO DE HISTÓRIA Quando começou o uso dos Abrasivos? O homem pré-histórico já conhecia a forma de afiar sua ferramenta, sua arma, trabalhando-a primeiro e esfregando-a com uma pedra

Leia mais

Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA

Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA Profº Carlos Eduardo ALUNO(A): TURMA: Caruaru 2011 Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

GCaet OnLine Divisão de Conteúdos

GCaet OnLine Divisão de Conteúdos GCaet OnLine Divisão de Conteúdos Minimização de Custos com Ferramentas de Usinagem Por Delmonte Friedrich, Msc. Eng. Todos os direitos reservados. É proibido reproduzir total ou parcialmente esta publicação

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d Definição Fresas São ferramentas rotativas para usinagem de materiais, constituídas por uma série de dentes e gumes, geralmente dispostos simetricamente em torno de um eixo. Os dentes e gumes removem o

Leia mais

Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação Edital no. 047/2015 TIPO 1

Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação Edital no. 047/2015 TIPO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso para Técnico-Administrativo em Educação 27 de setembro

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 19/08/2008 1 CONFORMAÇÃO MECÂNICA Em um ambiente industrial, a conformação mecânica é qualquer operação durante a qual se aplicam esforços mecânicos

Leia mais

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado.

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado. USINAGEM 1 USINAGEM Usinagem é um processo onde a peça é obtida através da retirada de cavacos (aparas de metal) de uma peça bruta, através de ferramentas adequadas. A usinagem confere à peça uma precisão

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS André Richetti Jovani Panato Márcio Bacci da Silva Álisson Rocha Machado Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Mecânica,

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

3M SISTEMAS ABRASIVOS. Soluções. completas. para o mercado. metalúrgico.

3M SISTEMAS ABRASIVOS. Soluções. completas. para o mercado. metalúrgico. 3M SISTEMAS ABRASIVOS Soluções completas para o mercado metalúrgico. INOVAÇÃO 3M SOLUÇÕES COMPLETAS EM TODO O PROCESSO METALÚRGICO 1 2 3 1. CORTE DO METAL 2. REMOÇÃO DE REBARBAS E CORDÕES DE SOLDA 3. ACABAMENTO

Leia mais

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO 83 11. VARIÁVEIS DEPENDENTES DE SAÍDA: FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO. 11.1. Generalidades Nas operações de usinagem que utilizam corte contínuo

Leia mais

MONITORAMENTO DA DRESSAGEM NA RETIFICAÇÃO ATRAVÉS DO SINAL PURO DE EMISSÃO ACÚSTICA

MONITORAMENTO DA DRESSAGEM NA RETIFICAÇÃO ATRAVÉS DO SINAL PURO DE EMISSÃO ACÚSTICA MONITORAMENTO DA DRESSAGEM NA RETIFICAÇÃO ATRAVÉS DO SINAL PURO DE EMISSÃO ACÚSTICA CARMEN FRANCISCA LOURENÇO PINTO HELLMEISTER Dissertação apresentada à Faculdade de Engenharia da UNESP - Campus de Bauru,

Leia mais

Corte com jato de água

Corte com jato de água A U A UL LA Corte com jato de água Você certamente já ouviu o ditado água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. Então, furar pedra usando água você já sabe que dá, não é mesmo? Basta um pouco de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica DEM/POLI/UFRJ MODELAGEM DA ÁREA DE CORTE NO FRESAMENTO DE ROSCA CÔNICA API Lucas Andrade Santos PROJETO FINAL SUBMETIDO AO CORPO

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA BROCAS (NOMENCLATURA,CARAC. TIPOS) São ferramentas de corte, de forma cilíndrica, com canais retos ou helicoidais, temperadas, terminam em ponta cônica e são afiadas

Leia mais

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial 3 Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de 8 Introdução: As Rodas Laminadas EXL e EXL Roloc Scotch-Brite para rebarbação

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

BROCAS DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA DESCRIÇÃO DIÂMETRO APLICAÇÃO

BROCAS DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA DESCRIÇÃO DIÂMETRO APLICAÇÃO DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA Broca cilíndrica corte direito 100% retificado, HSS-M2 std afiada. 118 º. Tolerância Ø: h8. Concentricidade assegurada. acabamento brilhante. Dureza 63-66 HRc. Construção

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

Máquinas com arranque de cavaco (Máquinas Ferramentas)

Máquinas com arranque de cavaco (Máquinas Ferramentas) 1 Máquinas com arranque de cavaco (Máquinas Ferramentas) Conformação das peças A maioria das peças fabricada é obtida mediante duas categorias operação: Sem arranque de cavacos Com arranque de cavacos

Leia mais

Diamantados MAIS RÁPIDOS. MAIS DURÁVEIS.

Diamantados MAIS RÁPIDOS. MAIS DURÁVEIS. Contínuos Turbo Turbo para Porcelanato Segmentados Segmentados para Concreto Segmentados para Asfalto Segmentado para Granito e Mármore Segmentado Multiuso 102 102 103 103 104 104 105 105 NOVOS Discos

Leia mais

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS TW103 E TW203 PROPORCIONAM FUROS COM EXCELENTE QUALIDADE E MÁXIMO DESEMPENHO NO LATÃO E MATERIAIS DE CAVACO QUEBRADIÇO EM GERAL. Conheça suas características:

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Disco Corte Aço Classic

Disco Corte Aço Classic 03 CORTE DISCOS ABRASIVOS DISCOS DIAMANTADOS DISCOS DE RELVA E MATO BROCAS HSS DIN338 BROCAS SDS PLUS BROCAS UNIVERSAIS CONJUNTOS DE BROCAS FOLHAS DE SERRA DISCOS ABRASIVOS Disco Corte Inox Disco de corte

Leia mais

Processo de Retificação Aspectos Gerais Análise

Processo de Retificação Aspectos Gerais Análise SEM0534 Processos e Fabricação Mecânica Processo e Retificação Prof. Assoc. Renato Goulart Jasinevicius SEM0534 Processos e Fabricação Mecânica Processo e Retificação Aspectos Gerais Análise SEM0534 Processos

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

68 Usinagem por. eletroerosão. Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar

68 Usinagem por. eletroerosão. Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar A U A UL LA Usinagem por eletroerosão Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar uma importante competição esportiva, esteja encarregado de providenciar um grande número de medalhas. O problema é que

Leia mais

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5 A Seco Tools tem a reputação de ser um dos líderes mundiais na fabricação e fornecimento de ferramentas de corte de metal duro e equipamentos correlatos. No entanto, a Seco apresenta uma força maior como

Leia mais

ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS

ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS 2009 GRUPO SAINT-GOBAIN Tradição, Qualidade, Inovação e Liderança Fundada em 1665 na França, a Saint-Gobain começou como empresa inovadora em fabricação de

Leia mais

GEM15-Dinâmica de Máquinas

GEM15-Dinâmica de Máquinas Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica Fundamentos De Dinâmica De Veículos GEM15-Dinâmica de Máquinas Professor: Marcelo Braga dos Santos Capitulo 1 Conceitos de Cinemática

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS

Leia mais

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais A classificação tradicional dos materiais é geralmente baseada na estrutura atômica e química destes. Classificação dos materiais

Leia mais

P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O

P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O 3 Planejamento de Procesos de Fabricação O Planejamento do processo é a ligação entre a engenharia do produto e a manufatura. Diz respeito à seleção dos processos

Leia mais

Usinagem I. 2016.1 Parte I Aula 6 Processos não convencionais e MicroUsinagem. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ

Usinagem I. 2016.1 Parte I Aula 6 Processos não convencionais e MicroUsinagem. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ Usinagem I 2016.1 Parte I Aula 6 Processos não convencionais e MicroUsinagem Processos não- convencionais O termo usinagem não tradicional refere- se a este grupo, que remove o material em excesso de uma

Leia mais

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções:

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções: ESQUADREJADORA A esquadrejadora é uma máquina de serra circular que permite realizar cortes rectos de precisão, vazados ou interrompidos, de peças de grande dimensão. É constituída por um corpo com mesa

Leia mais

V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil

V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil 5 V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO ÂNGULO DE TOPO DA RÉGUA DE APOIO E ÂNGULO DE TANGÊNCIA NA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. unesp FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE BAURU

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. unesp FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE BAURU unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE BAURU MONITORAMENTO DA QUEIMA DA PEÇA NO PROCESSO DE RETIFICAÇÃO PLANA BASEADO NO ESTUDO ESPECTRAL DO SINAL DE EMISSÃO ACÚSTICA COM

Leia mais

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 3 Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 Substitui: Dezembro/2000 Página 1 de 14 Introdução: As Rodas Scotch-Brite C&P (Cutting & Polishing) são um eficiente e econômico produto

Leia mais

Ementas Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade: Bases Tecnológicas: Carga Horária: Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade:

Ementas Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade: Bases Tecnológicas: Carga Horária: Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade: Ementas Disciplina: Metodologia da Pesquisa Cientifica Ementa: Conhecimento, Ciência, Pesquisa e tipos de pesquisa, Métodos e técnicas para a elaboração e apresentação de trabalho científico. Competência:

Leia mais

Otimização do Processo de Retificação Cilíndrica de Mergulho na Presença de Medidor Radial

Otimização do Processo de Retificação Cilíndrica de Mergulho na Presença de Medidor Radial Otimização do Processo de Retificação Cilíndrica de Mergulho na Presença de Medidor Radial Wanderley Xavier Pereira Amauri Hassui Anselmo Eduardo Diniz anselmo@fem.unicamp.br Resumo: Este trabalho aborda

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Alguns conselhos para melhorar a qualidade do polimento

Alguns conselhos para melhorar a qualidade do polimento Alguns conselhos para melhorar a qualidade do polimento Página 1 de 7 Conselhos para melhorar a Qualidade do Polimento INTRODUÇÃO Para conferir um polimento de excelente qualidade às chapas ou ladrilhos

Leia mais

Você já pensou o que seria do ser humano

Você já pensou o que seria do ser humano A UU L AL A Eixos e árvores Você já pensou o que seria do ser humano sem a coluna vertebral para lhe dar sustentação. Toda a estrutura de braços, pernas, mãos, pés seria um amontoado de ossos e músculos

Leia mais

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para Ferramenta de Corte Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para ferramentas de cortes Nas operações mais comuns, utiliza como ferramenta um material mais duro que o da peça. Por outro

Leia mais

Código Descrição Emb. Fornec. Norton Norton Norton. Cx/100. Cx/100. Cx/100 Cx/100. Norton Norton Norton Norton Norton Norton

Código Descrição Emb. Fornec. Norton Norton Norton. Cx/100. Cx/100. Cx/100 Cx/100. Norton Norton Norton Norton Norton Norton Bear-Tex Esponja Continuação Discos de Desbaste Ideal para lixamento a seco de áreas de difícil acesso e superfícies irregulares, como entalhes e molduras. Sua alta flexibilidade permite um lixamento uniforme

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1 MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG Folheto N º 1 STD OSG MACHOS MÁQUINA ALTA PERFORMANCE Macho Ponta Helicoidal (POT) DIN 371 250/4 Métrica Grossa 6H rápido 280/4 Unificada Grossa UNC 2B 281/4 Unificada

Leia mais