Nivelamento Desenho Técnico

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nivelamento Desenho Técnico"

Transcrição

1 Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO

2 Sumário Sumário...2 Competências a serem desenvolvidas...3 Apresentação...4 Introdução...5 Bases para Interpretação de Desenho Técnico...5 Leitura de Desenho Técnico...5 Elementos Comuns a todos os Desenhos...5 Linhas...5 (a) Linhas para arestas e contornos visíveis:...5 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO...6 (b) Linhas para arestas e contornos invisíveis:...6 (c) Linha de centro e eixo de simetria:...6 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO...7 (d) Linha de chamada:...8 (e) Linha de cota:...8 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO...8 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO...9 Outros tipos de linhas Caracteres para Escrita EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO...10 Vistas...11 Vista Superior ou de Cima Plano de Perfil Vista Lateral Esquerda EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO - Suporte Angular EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO - Base para Carro de Torno...17 Distribuição das Vistas Representação de Objetos em duas Vistas...19 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO - Ponta de Eixo...20 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO - Bucha com Flange Representação de Objetos em uma Única Vista...21 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO - Tampa EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO - Pino Flangeado Cortes no Desenho Técnico...23 Perspectiva Isométrica - Galpão Cortes Verticais - Elevação...24 Corte horizontal - Planta Baixa...25 Desenho de Arquitetura...26 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO...29 Planta de Situação Planta de Locação e Coberta Página 2

3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Competências a serem desenvolvidas Esta apostila não tem qualquer pretensão de substituir o acervo bibliográfico já publicado sobre este tema, porém compila e sintetiza tais conhecimentos no sentido de ajudar você a construir as seguintes competências: Desenho Técnico Interpretar de forma técnica os projetos e coordenar ações voltadas para melhoria da Segurança do Trabalho em reformas, ampliações e modernizações de instalações. Conhecer as técnicas de elaboração de plantas simples em 2D utilizando uma ferramenta CAD. NOTA: Este material didático não aborda ferramenta CAD. A aplicação das técnicas de desenho técnico deverá ser desenvolvida livremente pelo aluno com base na ferramenta CAD que melhor lhe aprouver. Página 3

4 Apresentação Algumas pessoas nascem com o dom de desenhar. Conseguem passar para o papel, sem grande esforço, tudo aquilo que vêem ou imaginam. Outras se sentem inseguras para fazer um simples traço, e evitam situações que exijam esse tipo de expressão. Não importa em qual dos grupos você se enquadre para poder acompanhar, com sucesso, este módulo de Desenho Técnico Aplicado à Segurança do Trabalho. Há várias razões que justificam nossa confiança em seu desempenho. A primeira é que o desenho técnico é diferente do desenho artístico. Você não precisa ser um gênio do desenho, como Leonardo da Vinci, para ter um bom resultado no desenho técnico. A segunda é que este curso não tem a intenção de transformá-lo num desenhista. É verdade que você aprenderá algumas noções da representação gráfica do desenho técnico. Mas o objetivo maior é que ao concluir o curso, você seja capaz de entender plantas baixas, identificando os componentes relevantes para a promoção da SST (Saúde e Segurança no Trabalho). A terceira é que as aulas estão organizadas numa seqüência tal, que você vai começar o estudo por assuntos bem simples, demonstrados passo a passo. Gradativamente, vai adquirindo conhecimentos mais complexos, que requerem aplicação contínua dos conhecimentos anteriores. Este módulo, com 40horas-aulas compreende os seguintes conteúdos: Conceitos e evolução histórica do desenho técnico e projetos, desenho projetivo e leitura e interpretação de ícones nas plantas. Levando-os as seguintes competências: Conhecer os conceitos e estudos de desenhos técnicos e projeto de segurança; Familiarizar-se com a leitura e a interpretação de ícones utilizados nas plantas de arquitetura aplicados à segurança do trabalho. Os assuntos tratados nessas súmulas de aula também são apresentados na televisão. O ideal é que você assista à aula na televisão e depois leia o texto na apostila. As súmulas foram escritas em linguagem simples e com a preocupação de transmitir os assuntos importantes de Leitura e Interpretação de Desenho Técnico da forma mais clara possível. Uma parte fundamental das nossas súmulas de aulas são os exercícios. Para aprender a ler e a interpretar desenho técnico, precisamos fazer muitos exercícios. Só assim ganhamos confiança naquilo que acabamos de conhecer e ficamos preparados para a aula seguinte. Caso você não consiga fazer algum exercício não desanime. Procure ler novamente o conteúdo até entendê-lo bem e, depois, refaça o exercício. Caso ainda persistam dificuldades, procure o auxílio de seu professor. Ele está preparado para tirar suas dúvidas. Página 4

5 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Introdução Bases para Interpretação de Desenho Técnico Informações técnicas sobre a forma e construção de uma edificação podem ser transmitidas, de uma a outra pessoa, através da palavra falada ou escrita. A medida, porém, que a edificação se torna mais e mais complexa, pela adição de detalhes, o engenheiro, o projetista, o técnico, o desenhista, e o artífice necessitam usar métodos exatos para a descrição adequada. Uma perspectiva ou uma fotografia ajudariam à descrição da edificação. Somente um desenho técnico pode apresentar uma descrição da obra completa. Leitura de Desenho Técnico Desenho técnico é a linguagem universal que fornece todas as informações que o engenheiro, o projetista, o técnico, o desenhista, e o artífice necessitam saber. A leitura do desenho técnico é o processo de interpretação de linhas e traços para formar uma imagem mental de como a edificação é na realidade. Treinamento em leitura de desenho técnico inclui não somente o conhecimento de certos princípios básicos de representação em uma ou mais vistas, como também o desenvolvimento da habilidade de visualizar o processo de execução da edificação. No nosso caso, o técnico necessita desenvolver a compreensão de convenções ou normas universais, símbolos, sinais e outras técnicas usadas; deve também desenvolver algumas habilidades fundamentais no traçado de esboços cotados, de forma que com lápis e papel, dados suficientes possam ser registrados no esboço, relativos a dimensões, notações ou outros detalhes necessários à construção. Elementos Comuns a todos os Desenhos O desenho técnico quando analisado, apresenta linhas de tipos e espessuras diferentes. Estas linhas, combinadas entre si, determinam a forma, detalhes e tamanho de um objeto. Esta combinação de linhas, quando representa uma das faces de um objeto, é chamada de vista. Para uma descrição mais precisa do objeto a ser representado, dimensões e notações são incluídas no desenho. Os princípios fundamentais de leitura e interpretação de desenho técnico serão apresentados a seguir, obedecendo a seguinte ordem: I - Linhas; II Vistas; III Dimensões e notações; IV Cortes. Linhas As linhas são a base do desenho. Combinando-se as linhas de diferentes tipos e espessuras, é possível descrever-se graficamente qualquer objeto, com riqueza de detalhes. Desta maneira, o técnico, com conhecimentos básicos de leitura de desenho, pode visualizar com precisão a forma do objeto apresentado. De acordo com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) NBR 8403 são as seguintes as linhas básicas recomendadas para o desenho técnico: a) arestas e contornos visíveis; b) arestas e contornos invisíveis; c) de centro e para eixos de simetria; d) de chamada, de cota e de construção. (a) Linhas para arestas e contornos visíveis: É grossa-cheia e indica todas as partes visíveis do objeto, determinando-lhe o contorno.(ilustração 1) Página 5

6 Módulo de Nivelamento Desenho Técnico Ilustração 1 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1- Qual é o nome do objeto? 2- Qual é o nº. do desenho? 3- Quantos objetos serão necessários? 4- Qual o nome dado à linha grossa-cheia que determina a forma do objeto? 5- Quais as letras das linhas que determinam a forma do objeto nas vistas 1,2 e 3? Vista 1 Vista 2 Vista 3 (b) Linhas para arestas e contornos invisíveis: São as linhas que estão encobertas por outras partes do objeto em relação ao observador. Para a indicação destas partes, usa-se uma linha média tracejada ou interrompida. Exemplo: linha tracejada. (c) Linha de centro e eixo de simetria: Trata-se de uma linha fina, formada por traços e pontos alternados. É usada para indicar linha de centro e eixo de simetria. Exemplo: Página 6

7 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1- Quantas placas são requisitadas? Ilustração 2 2- Qual o material empregado na construção da placa? 3- Que tipo de linha é usado para determinar o contorno da placa? 4- Quais as letras correspondentes às linhas que indicam o contorno externo da placa? 5- Que tipo de linha é usado para representa a parte invisível da placa? 6- Quais as letras, na vista 1 que indicam as linhas do rebaixo na placa? 7- Quais as letras, na vista 2, que indicam as linhas do rebaixo na placa? 8- Que tipo de linha indica centros e eixos de simetria? 9- Quais as letras, na vista 1, que indicam as linhas de centro da placa? 10- As linhas de centro são grossas, médias ou finas? Página 7

8 Módulo de Nivelamento Desenho Técnico (d) Linha de chamada: Trata-se de uma linha fina-cheia, auxiliar para a linha de cota. (e) Linha de cota: Trata-se de uma linha fina-cheia limitada por flechas agudas que tocam nas linhas de chamadas. Em casos especiais, usam-se pontos ou traços no lugar das flechas. Nota: Em desenho técnico as dimensões são sempre expressas em milímetro (mm), sem necessidade de se mencionar o símbolo desta unidade de medida. EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1- Qual o material empregado na construção da cantoneira? Ilustração 3 2- Qual a dimensão de cada lado da cantoneira? 3- Qual a largura de cada aba da cantoneira? 4- Qual a espessura da cantoneira? 5- Quais os tipos das linhas indicados pelas letras A B C? 6- Idem D E? 7- Idem F G? Página 8

9 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO Ilustração 4 1- Qual o tipo da linha indicada pela letra A, B e C? A B e C 2- Qual é o comprimento total da cantoneira da esquerda para a direita? 3- Qual é o comprimento total da cantoneira de cima para baixo? 4- Qual é a distância entre os centros dos dois furos superiores? 5- Determine a distância D. 6- Qual o tipo e linha indicada pela letra E? e 7- Idem, letra F? e 8- Qual a medida do raio do canto arredondado da cantoneira? 9- Qual o material empregado na confecção da cantoneira? 10 Quantas cantoneiras serão fabricadas? Página 9

10 Módulo de Nivelamento Desenho Técnico Ilustração 5 Outros tipos de linhas Em desenho técnico são empregados ainda, outros tipos de linhas tais como: a) Linha grossa traço-ponto, para indicar cortes e secções. b) Linha média traço-ponto, para perfis e contornos auxiliares e complementares. c) Linha média-sinuosa, para indicar pequenas rupturas e cortes parciais. Caracteres para Escrita As letras usadas no desenho técnico são do tipo bastão, sem cerifes, com a característica de possuir hastes retas. Segundo a ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR 8402 que fixa características de escrita usada em desenhos técnicos e documentos semelhantes sendo aplicada a escrita com instrumentos, à mão livre (letra de forma) ou outros métodos. Exige-se na escrita de desenhos técnicos: legibilidade, uniformidade e adequação aos processos de reprodução. Ilustração 6 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1- Quais são as letras retilíneas maiúsculas? 2- Quais são as letras retilíneas minúsculas? Página 10

11 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho 3- Quais são as letras mistas maiúsculas? 4- Quais são as letras mistas minúsculas? 5- Quais são as letras curvilíneas? 6- Escreva com letras bastão maiúsculas os doze meses do ano: 7- Escreva com letras bastão minúsculas os doze meses do ano: 8- Escreva com numerais: mil setecentos e vinte cinco Vistas Para a obtenção das três vistas, por processo simples e prático, adota-se o seguinte critério: 1- Escolhe-se a face do objeto que melhor o identifica para a vista principal (1ª vista); Ilustração 7 2- Posiciona-se a mesma vista (1ª), de modo que as outras duas vistas apresentem o maior número de detalhes visíveis; Ilustração 8 Página 11

12 Nivelamento Desenho Técnico 3- Da vista principal (de frente), obteremos a vista de cima (planta), pelo simples giro do objeto para baixo, a 90º; Ilustração 9 4- A vista de lado (lateral) se obtém girando o objeto, também a 90º, de sua posição inicial para a direita; Ilustração Assim, de acordo com o que ficou exposto, as vistas do desenho são apresentadas como está exemplificado abaixo: Ilustração 11 Página 12

13 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Portanto, o número de vistas dependerá da forma e da complexidade do objeto a ser representado. Nenhuma vista será necessária a não ser que auxilie a interpretação do desenho ou forneça informações indispensáveis à sua clara compreensão. Ilustração 12 Vista Superior ou de Cima A vista superior é a projeção horizontal do objeto e representa sua face superior. Página 13

14 Módulo de Nivelamento Desenho Técnico Ilustração 13 Plano de Perfil Para facilitar a interpretação da forma de um objeto, recorre-se a um terceiro plano de projeção, perpendicular simultaneamente ao horizontal e ao vertical o plano de perfil. Para esta terceira vista, a localização do plano de perfil é arbitrária. No entanto, a princípio, supõe-se que esteja situado à direita do objeto, e que o observador olhe da esquerda para a direita. Vista Lateral Esquerda A vista lateral esquerda é a projeção ortogonal do objeto em um plano de perfil, sendo o sentido de observação da esquerda para a direita. Na execução da épura, faz-se o rebatimento do plano de perfil sobre o plano vertical, de modo que a vista lateral esquerda se localize à direita da vista de frente. Página 14

15 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Ilustração 14 A vista lateral pode ser obtida, em épura, com compromisso, descrevendo o giro de 90º do plano de perfil. Ilustração 15 Página 15

16 Módulo de Nivelamento Desenho Técnico Ou pelo artifício da oblíqua de 45º como mostra a figura ao lado. Identificadas as três vistas, eliminam-se as linhas de intersecção dos planos de projeção: Ilustração 16 Ilustração 17 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO - Suporte Angular Ilustração Quantos suportes angulares são requisitados? 2. Qual o material empregado na confecção do suporte angular? Página 16

17 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho 3. Qual é o número de ordem do suporte angular? 4. Qual é o seu comprimento total? 5. Qual é a sua altura total? 6. Qual é a sua largura total? 7. Dê a dimensão indicada pela letra A. 8. Dê a dimensão indicada pela letra B. 9. Dê o nome às duas vistas que representam a forma e o tamanho da peça. 10. Que linha representa, na linha de frente, a superfície F da vista de lado? 11. Que linha representa, na vista de frente, a superfície lateral da letra J? 12. Que tipo de linhas são as indicadas pelas letras E, C, D e M? 13. Que tipo de linhas são as indicadas pelas letras A e B? 14. Qual a letra que, na lateral, indica o contorno visível? EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO - Base para Carro de Torno Ilustração Qual o material empregado na construção da peça? 2. Quantas peças são requisitadas? 3. Qual é o comprimento total da peça? 4. Qual é o número de ordem? 5. Qual é a altura dessa peça? 6. Qual é o tipo da linha indicada pelas letras A e B? 7. O que representam as linhas indicadas pela letra A? 8. Quais as duas linhas que, na planta, representam o rasgo da elevação? 9. Qual a linha, na vista lateral, que representa o rasgo da elevação? 10. Qual a linha da elevação que representa a superfície Q da vista lateral? 11. Qual a linha que, na elevação, representa a superfície D da planta? 12. Qual a linha que, na planta, representa a superfície J da elevação? 13. Qual a linha que, na vista lateral, representa a superfície D da planta? 14. Qual é o diâmetro dos furos? 15. Qual é a distância entre os centros dos furos 1 e 2? Página 17

18 16. Qual é a distância entre o centro do furo 1 e a frente da peça F? 17. Os furos das peças são passantes? 18. Qual é a largura do rasgo mostrado na elevação? 19. Qual é a profundidade desse rasgo? 20. Determine a extensão indicada pela cota S. 21. Qual é a largura da saliência da parte superior da peça? 22. Qual é a altura dessa saliência? 23. Qual o tipo da linha indicado pela letra M? 24. Qual o tipo das linhas indicadas pelas letras O e P? Distribuição das Vistas A seleção e distribuição das vistas dependem da simplicidade ou da complexidade do objeto. Só serão desenhadas, pois, aquelas vistas que a interpretação do desenho exigir. Normalmente os objetos são desenhados em três vistas, como já foi explicado. Além dessas três vistas básicas, outras poderão ser utilizadas, assim como vistas auxiliares, quando sua representação for imprescindível para uma mais perfeita representação do objeto. Ilustração 20 É possível, também a representação dos objetos em menos de três vistas quando isso não prejudicar sua clareza. Página 18

19 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Representação de Objetos em duas Vistas Há objetos que necessitam apenas de duas vistas para representar todos os detalhes de sua construção. A segunda vista será escolhida, tomandose por base, aquela que melhor apresenta os detalhes. Ilustração 21 Página 19

20 Módulo de Nivelamento Desenho Técnico EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO - Ponta de Eixo Ilustração Dê o nome das duas vistas. 2. Que linha da vista lateral corresponde à A da elevação? 3. A superfície E da vista lateral corresponde a que letra da elevação? 4. Qual é a linha, na vista lateral, que corresponde ao furo de 25mm na elevação? 5. Qual é a linha, na elevação, que corresponde à superfície H, na vista lateral? 6. Qual o nome da linha indicada pela letra I? 7. Qual o tipo da linha indicada pela letra D? 8. Qual o nome da linha indicada pela letra J? 9. Qual o tipo da linha indicada pela letra K? 10. Qual é a linha, na vista lateral, que representa a linha L na elevação? 11. Quais as letras, na elevação, que indicam linhas de contorno? 12. Quais as letras que, na vista lateral e na elevação, indicam linhas de centro? 13. Qual é o diâmetro do rebaixo indicado pela letra L? 14. Qual é o menor diâmetro da peça? 15. Determine o comprimento do rebaixo que tem por diâmetro 28mm. 16. Determine o comprimento da parte retangular da peça. 17. Determine as demais dimensões da parte retangular. 18. Determine o comprimento total da peça? 19. Qual é o número de ordem? 20. De que material será fabricada a peça? Página 20

21 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO - Bucha com Flange Ilustração Qual é o nome da peça? 2. Qual é o seu número de ordem? 3. Quantas peças são requisitadas? 4. Qual o material empregado na construção da peça? 5. Dê o nome das duas vistas que representam a bucha com flange. 6. Quais são os tipos de linhas indicadas pelas letras: A B C D E F G 7. Qual é o diâmetro externo dos dois flanges? 8. Qual é a espessura de cada flange? 9. Qual é o diâmetro do furo central? 10. O furo da peça é passante? 11. Qual é o diâmetro do rebaixo representado pela letra A? 12. Determine o comprimento total da peça. Representação de Objetos em uma Única Vista Muitos objetos têm o formato uniforme e uma única vista é suficiente dar a sua descrição. As peças cilíndricas, as peças chatas acompanhadas das respectivas notações. Ilustração 24 Página 21

22 Módulo de Nivelamento Desenho Técnico As peças cilíndricas, quando vistas de lado, as cotas que indicam os diâmetros devem ser precedidas do sinal de diâmetro (o). Ilustração 25 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO - Tampa Ilustração Qual o material empregado na confecção dessa peça? 2. Quais são os tipos de linhas indicadas pelas letras: E F G H 3. Qual é a dimensão total A? 4. Qual é a dimensão total B? 5. Quantos furos devem ser feitos? 6. Qual é a espessura da peça? 7. Qual é o diâmetro dos furos? 8. Qual é a distância entre os centros dos dois furos superiores e o eixo de simetria da peça? 9. Dê a distância entre os centros dos dois furos superiores. 10. Qual é o raio das duas partes redondas superiores das peças? 11. Qual é o raio da parte curva inferior da peça? 12. Qual é o tipo de linha usado para indicar simetria da peça? 13. Determine a distância D. 14. Qual é a distância entre o contorno de um dos furos superiores e o contorno externo da peça? Página 22

23 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO - Pino Flangeado Ilustração Dê o nome da vista representada no desenho. 2. Qual é a forma da peça? 3. Quantos diâmetros externos aparecem na peça? 4. Qual é o maior diâmetro? 5. Qual é o diâmetro do furo menor? 6. Qual é o comprimento total? 7. Qual é a profundidade do furo de 15mm? 8. Qual é a largura da parte da peça cujo diâmetro é de 35mm? 9. Quais as letras que indicam linhas de contorno visível? 10. Que tipo de linha é indicado pelas letras B e D? 11. Qual é a letra que indica a linha de centro? 12. O que indica a linha de centro? 13. Dê a largura da parte da peça que tem 45mm de diâmetro. Cortes no Desenho Técnico Uma vista exterior mostra a edificação como ela aparece ao observador. Detalhes internos dessa edificação aparecem no desenho através de linhas indicando contornos invisíveis. Quando os detalhes no interior da edificação se tornam complexos, mais e mais linhas invisíveis são necessárias para mostrar, com precisão, tais detalhes e o desenho se torna difícil de interpretar. Uma técnica que o desenhista usa em tais casos para simplificação do desenho, é cortar uma parte da edificação e expor as partes internas. Em tais seccionamentos todas as partes que se encontravam invisíveis tornam-se representadas por linhas de contornos visíveis. Para se obter vista em corte, um plano de corte imaginário é passado através da edificação. A outra parte anterior é removida. A direção do plano de corte é representada no desenho por uma linha de corte. A linha de corte é uma linha grossa-cheia de traço e ponto que representa o plano de corte. Letras: indicam a localização e são empregadas quando houver necessidade de denominar o corte por haver mais de um. Setas: indicam a direção. Página 23

24 Módulo de Nivelamento Desenho Técnico Perspectiva Isométrica - Galpão Ilustração 28 Cortes Verticais - Elevação Ilustração 29 Página 24

25 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Corte horizontal - Planta Baixa Ilustração 30 Página 25

26 Módulo de Nivelamento Desenho Técnico Desenho de Arquitetura Página 26

27 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Página 27

28 Módulo de Nivelamento Desenho Técnico Ilustração 31 Página 28

29 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO Representar como vista frontal o corte BB, como vista lateral esquerda o corte AA e como planta o corte CC. Ilustração 32 Representar como vista frontal a fachada BB, como vista lateral esquerda a fachada AA e como planta a laje do telhado. Ilustração 33 Página 29

30 Módulo de Nivelamento Desenho Técnico Planta de Situação É a representação do logradouro em relação aos limites e confrontantes, isto é lotes da quadra e as ruas e o terreno onde está localizada a edificação. Ilustração 34 Planta de Locação e Coberta É a representação do terreno onde será locada a edificação com os respectivos recuos laterais, frontal e posterior adicionando-se a projeção do telhado. Ilustração 35 Página 30

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

Corte composto. abaixo, por apresentarem seus elementos internos fora de alinhamento, precisam de outra maneira de se imaginar o corte.

Corte composto. abaixo, por apresentarem seus elementos internos fora de alinhamento, precisam de outra maneira de se imaginar o corte. A UU L AL A Corte composto Certos tipos de peças, como as representadas abaixo, por apresentarem seus elementos internos fora de alinhamento, precisam de outra maneira de se imaginar o corte. Introdução

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos A U L A Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Introdução Você já sabe que peças da área da Mecânica têm formas e elementos variados. Algumas apresentam rebaixos, outras rasgos,

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas NBR 8403

Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas NBR 8403 Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de Execução de caracter para escrita em desenho técnico - NBR 8402 Execução de caracter para escrita

Leia mais

Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ Departamento Regional do Espírito Santo 3 _ Leitura e Interpretação de Desenho Técnico

Leia mais

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo.

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. EXPRESSÃO GRÁFICA Prof. Sérgio Viana Estas notas de aula são destinadas aos alunos que desejam ter um conhecimento básico de Expressão Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. 1 Caligrafia Técnica

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se fôssemos representar

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO 1. OBJETIVO Este roteiro, baseado nas normas de desenho técnico em vigor, destina-se a orientar as empresas, interessadas em realizar ensaios para avaliações técnicas

Leia mais

Desenho Técnico Sumário

Desenho Técnico Sumário Sumário 1 Introdução... 3 2 Classificação dos desenhos... 3 3 Formatos e tipo de papel... 6 4 Letras e Algarismos... 7 5 Escalas... 7 6 Carimbo ou Legenda... 8 7 Simbologia... 9 8 - Linhas e Traçados...

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 06 Cotagem em Desenho Técnico Prof. Me. Dario de Almeida Jané COTAGEM EM DESENHO TÉCNICO Cotas são elementos de Desenho Técnico

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA ETE Cel. Fernando Febeliano da Costa REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA 1 o Ciclo de Técnico Mecânica Apostila baseada nas anotações de Professores e do TC 2000 Técnico Distribuição gratuita

Leia mais

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé Normatização Desenho Técnico CALIGRAFIA TÉCNICA NBR 8402 Assim como o resto do desenho técnico, as letras e algarismos também seguem uma forma definida por norma. Até pouco tempo atrás as letras eram desenhadas

Leia mais

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala Escalas Introdução Antes de representar objetos, modelos, peças, etc. deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas

Leia mais

Curso Técnico em Eletromecânica

Curso Técnico em Eletromecânica Curso Técnico em Eletromecânica Edição 2011-1 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE ARARANGUÁ

Leia mais

Unidade II - REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO - NBR 12298

Unidade II - REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO - NBR 12298 Unidade II - REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO - NBR 12298 Os cortes são utilizados para representar de modo claro, os detalhes internos das peças ou de conjuntos.

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 02 Projeção, vistas, diedros PROJEÇÕES Projeções Projeção Cilíndrica Projeção Ortogonal Isométrica Vistas Ortográficas 1º Diedro 2º Diedro 3º Diedro 4º Diedro PROJEÇÕES

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 4/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 4/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 4/5: 11. Cotagem 12. Escala Prof. Víctor O. Gamarra

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO

NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e Urbanismo Escola Edgar Albuquerque Graeff Desenho Projetivo I DP-I NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO

Leia mais

ESTUDO DAS PROJEÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES 1. DEFINIÇÃO

ESTUDO DAS PROJEÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES 1. DEFINIÇÃO Estudo das projeções ESTUDO DAS PROJEÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES 1. DEFINIÇÃO Geometria é a ciência que tem por objetivo a medida das linhas, superfícies e dos volumes. Descrever significa representar, contar

Leia mais

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Introdução Algumas peças apresentam partes arredondadas, elementos arredondados ou furos, como mostram os exemplos abaixo: parte arredondada furo

Leia mais

Peça Corte Visualização Representação

Peça Corte Visualização Representação Cortes Prof. Cristiano Arbex 2012 Corte: Em Desenho Técnico tem o significado de secção, separação. É um procedimento imaginário que permite a visualização das partes internas de uma peça, sendo usado

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real:

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real: 2.7. ESCALAS NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.1. OBJETIVO Fixa as condições exigíveis para o emprego de escalas e suas designações em desenho técnico e documentos semelhantes. 2.7.2. Conceito Escala é a relação

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Código da Disciplina CCE0047 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ AULA 4 PLANTA BAIXA Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS:

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 07. Cortes em Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. Aula 07. Cortes em Desenho Técnico FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 07 Cortes em Desenho Técnico Prof. Me. Dario de Almeida Jané REPRESENTAÇÃO EM CORTE A representação em corte consiste em imaginar

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar NORMAS TÉCNICAS APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 3 Profª Sheyla Mara Baptista Serra Agosto de 2008 3 NORMAS TÉCNICAS Conhecer

Leia mais

Desenho de máquinas. Aula 3

Desenho de máquinas. Aula 3 Desenho de máquinas Aula 3 Cotagem A cotagem e a escolhas das vistas que irão compor um desenho, são os dois itens que mais exigem conhecimentos e experiência do engenheiro mecânico na área do Desenho

Leia mais

Projeção Perspectiva. Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui

Projeção Perspectiva. Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui Projeção Perspectiva Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui Definição Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo; O desenho, para transmitir essa mesma idéia,

Leia mais

Medição tridimensional

Medição tridimensional A U A UL LA Medição tridimensional Um problema O controle de qualidade dimensional é tão antigo quanto a própria indústria, mas somente nas últimas décadas vem ocupando a importante posição que lhe cabe.

Leia mais

Com a introdução da automatização, os calibradores no entanto, vão perdendo a sua importância dentro do processo de fabricação.

Com a introdução da automatização, os calibradores no entanto, vão perdendo a sua importância dentro do processo de fabricação. Capítulo 7 CALIBRADORES 7.1 INTRODUÇÃO Calibradores são padrões geométricos corporificados largamente empregadas na indústria metal-mecânica. Na fabricação de peças sujeitas a ajuste, as respectivas dimensões

Leia mais

Projeção ortográfica da figura plana

Projeção ortográfica da figura plana A U L A Projeção ortográfica da figura plana Introdução As formas de um objeto representado em perspectiva isométrica apresentam certa deformação, isto é, não são mostradas em verdadeira grandeza, apesar

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

Régua graduada. metro e trena

Régua graduada. metro e trena A U A UL LA Régua graduada, metro e trena Um problema Silva verificou, contrariado, que os instrumentos de medição, há pouco adquiridos pela empresa, não estavam sendo bem cuidados pelos funcionários.

Leia mais

DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO. Conjunto de Metodologias. Procedimentos. que visam o desenvolvimento. comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS.

DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO. Conjunto de Metodologias. Procedimentos. que visam o desenvolvimento. comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS. DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO Conjunto de Metodologias Procedimentos que visam o desenvolvimento comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS. DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO GEOMÉTRICA Objectivo produzir documentação

Leia mais

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa Desenho Técnico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Planta Baixa PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Profª. Ms. Laura Ludovico de Melo ENG1051 PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Planta Baixa:

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA 2014 NOTA AULA PRÁTICA No. 04 VETORES - 20 A 26 DE MARÇO PROF. ANGELO BATTISTINI NOME RA TURMA NOTA Objetivos do experimento: Nesta aula você deverá aprender (ou recordar) a representação

Leia mais

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial.

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial. URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial Desenho Técnico Prof.ªElisa Maria Pivetta Cantarelli elisa@fw.uri.br Origem do

Leia mais

AA3 PRODUÇÃO DE DESENHO GEOMÉTRICO

AA3 PRODUÇÃO DE DESENHO GEOMÉTRICO AA3 PRODUÇÃO DE DESENHO GEOMÉTRICO Vamos agora colocar em prática o nosso conhecimento sobre desenho geométrico, desenvolver a habilidade de fazer traçados e de pensar espacialmente. O objetivo deste exercício

Leia mais

1- Tela inicial do AUTOCAD 2013

1- Tela inicial do AUTOCAD 2013 1- Tela inicial do AUTOCAD 2013 2- Clique em NOVO 3- Para mudar a cor do fundo digite OP (de options): Se quiser veja o vídeo ilustrativo desse procedimento: http://www.youtube.com/watch?v=g7kig_yhpx4

Leia mais

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA Autor: Carlos Safreire Daniel Ramos Leandro Ferneta Lorival Panuto Patrícia de

Leia mais

Curso Técnico em Eletromecânica

Curso Técnico em Eletromecânica Curso Técnico em Eletromecânica Edição 2010-1 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE ARARANGUÁ

Leia mais

Molas I. Nesta aula trataremos das molas helicoidais. Molas helicoidais. e de suas diversas aplicações.

Molas I. Nesta aula trataremos das molas helicoidais. Molas helicoidais. e de suas diversas aplicações. A UU L AL A Molas I e de suas diversas aplicações. Nesta aula trataremos das molas helicoidais Introdução Molas helicoidais A mola helicoidal é a mais usada em mecânica. Em geral, ela é feita de barra

Leia mais

Os caracteres de escrita

Os caracteres de escrita III. Caracteres de Escrita Os caracteres de escrita ou letras técnicas são utilizadas em desenhos técnicos pelo simples fato de proporcionarem maior uniformidade e tornarem mais fácil a leitura. Se uma

Leia mais

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 1 Sumário 1. Instalando a Chave de Proteção 3 2. Novas características da versão 1.3.8 3 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 4. Executando o PhotoFacil Álbum 9 3.1. Verificação da Chave 9 3.1.1. Erro 0001-7

Leia mais

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de 1 Se quereres dar aos seus desenhos mais realismo, profundidade, volume e proporção, você deve conhecer as regras da perspectiva. Desde o mais simples até o mais complexo desenho necessitam de uma boa

Leia mais

Ensaio de tração: procedimentos normalizados

Ensaio de tração: procedimentos normalizados A U A UL LA Ensaio de tração: procedimentos normalizados Introdução Hoje em dia é comum encontrar uma grande variedade de artigos importados em qualquer supermercado e até mesmo em pequenas lojas de bairro:

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A

Prova Prática de Geometria Descritiva A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Prática de Geometria Descritiva A 11.º/ 12.º anos de Escolaridade Prova 708/2.ª Fase 5 Páginas Duração da Prova: 150 minutos.

Leia mais

Manual de identidade visual

Manual de identidade visual Manual de identidade visual apresentação....................................3 Versões horizontal e vertical........................4 grid de construção................................5 Cores institucionais...............................6

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 1 MENSAGEM DA PRESIDÊNCIA O conjunto marca/logotipo é o elemento gráfico e visual pelo qual somos reconhecidos nos diversos meios em que atuamos. As suas formas foram concebidas

Leia mais

Dialux evo Cálculo de Iluminação artificial para ambientes

Dialux evo Cálculo de Iluminação artificial para ambientes Dialux evo Cálculo de Iluminação artificial para ambientes Esse guia de prático de acompanhamento e consulta visa balizar as aulas apresentadas através das vídeo aulas. É fundamental que você assista em

Leia mais

1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA

1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA II 1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA Circunferência é o conjunto de pontos que está a uma mesma distância (chamaremos essa distância de raio) de um ponto fixo (chamaremos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENHO MECÂNICO CORTES. Prof. Márcio Valério de Araújo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENHO MECÂNICO CORTES. Prof. Márcio Valério de Araújo UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENHO MECÂNICO CORTES Prof. Márcio Valério de Araújo INTRODUÇÃO IMPORTÂNCIA DA REPRESENTAÇÃO EM CORTE NO DESENHO TÉCNICO

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes:

Leia mais

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada A U A UL LA Parafusos III Introdução Até agora você estudou classificação geral dos parafusos quanto à função que eles exercem e alguns fatores a serem considerados na união de peças. Nesta aula, você

Leia mais

Representação de cotas. Representaçã. Princípios de cotagem em Desenho Técnico 2. Princípios de cotagem em Desenho Técnico

Representação de cotas. Representaçã. Princípios de cotagem em Desenho Técnico 2. Princípios de cotagem em Desenho Técnico Princípios de cotagem em Desenho Técnico Representação de cotas Cotagem de projecções ortogonais múltiplas Cotagem de projecções ortogonais axonom étricas Alcínia Zita de Almeida Sampaio Representaçã ção

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS)

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS) UFPR METROLOGIA MECÂNICA DIMENSIONAL Especificações Geométricas de Produto Geometrical Product Specifications (GPS) TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES Tolerâncias geométricas As peças ao

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série) GABARITO NÍVEL 1 (Cada questão vale 1 ponto sendo que cada

Leia mais

Tolerância geométrica de forma

Tolerância geométrica de forma Tolerância geométrica de forma A UU L AL A Apesar do alto nível de desenvolvimento tecnológico, ainda é impossível obter superfícies perfeitamente exatas. Por isso, sempre se mantém um limite de tolerância

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT

SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT Esse tutorial traz passo a passo instruções para criação de um desenho no ambiente Draft. Na criação dos desenhos você aprenderá as técnicas

Leia mais

Portal do Projeto Tempo de Ser

Portal do Projeto Tempo de Ser Sumário Portal do Projeto Tempo de Ser O que é um Wiki?...2 Documentos...2 Localizando documentos...3 Links...3 Criando um Documento...4 Criando um link...4 Editando um Documento...5 Sintaxe Básica...5

Leia mais

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO (Adaptado do texto do prof. Adair Santa Catarina) ALGORITMOS COM QUALIDADE MÁXIMAS DE PROGRAMAÇÃO 1) Algoritmos devem ser feitos para serem lidos por seres humanos: Tenha em mente

Leia mais

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

N1Q1 Solução. a) Há várias formas de se cobrir o tabuleiro usando somente peças do tipo A; a figura mostra duas delas.

N1Q1 Solução. a) Há várias formas de se cobrir o tabuleiro usando somente peças do tipo A; a figura mostra duas delas. 1 N1Q1 Solução a) Há várias formas de se cobrir o tabuleiro usando somente peças do tipo A; a figura mostra duas delas. b) Há várias formas de se cobrir o tabuleiro com peças dos tipos A e B, com pelo

Leia mais

Dinâmica de um Sistema de Partículas Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Dinâmica de um Sistema de Partículas Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Dinâmica de um Sistema de Partículas Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Profa. Dra. Diana Andrade & Prof. Dr. Sergio Pilling Parte 1 - Movimento Retilíneo Coordenada de posição, trajetória,

Leia mais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos A UU L AL A Na aula passada você viu como furar na fresadora, utilizando a mesa divisora. Nesta aula você vai aprender a fresar engrenagens, utilizando

Leia mais

Metalo. Modular. Sistema de Andaimes em Alumínio. Instruções Técnicas

Metalo. Modular. Sistema de Andaimes em Alumínio. Instruções Técnicas Metalo Modular Sistema de Andaimes em Alumínio Instruções Técnicas Modular_AF4.indd 1 Modular Índice Favor observar: Nestas instruções técnicas, encontram-se todas as informações e indicações importantes

Leia mais

PROF. FLAUDILENIO EDUARDO LIMA UNIDADE 3. Projeções Ortogonais

PROF. FLAUDILENIO EDUARDO LIMA UNIDADE 3. Projeções Ortogonais UNIDADE 3 Projeções Ortogonais PROF. FLAUDILENIO E. LIMA Entendendo desenho técnico t mecânico Como introdução ao desenho técnico, na grande maioria dos cursos é feita o desenho mecânico. Abaixo temos

Leia mais

Estudo das projeções. Projeções noções elementares.

Estudo das projeções. Projeções noções elementares. COLÉGIO PEDRO II U E EN II 2ª série Ensino Médio Estudo das Projeções Março/ 2011 Aluno(a): N o Turma: Disciplina: DESENHO Coordenação: Prof. Jorge Marcelo Prof.ª: Soraya Izar Apostila extra 1 Estudo das

Leia mais

Realizando cálculos para o aparelho divisor (I)

Realizando cálculos para o aparelho divisor (I) Realizando cálculos para o aparelho divisor (I) A UU L AL A Você já estudou como fazer os cálculos para encontrar as principais medidas para a confecção de uma engrenagem cilíndrica de dentes retos. Vamos

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Introdução Até o capítulo passado, você aprendeu a sintetizar dados a partir de um conjunto desordenado de dados, identificando a quantidade

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

Expressão Gráfica II 1 I INTRODUÇÃO

Expressão Gráfica II 1 I INTRODUÇÃO Expressão Gráfica II 1 I INTRODUÇÃO O Desenho Técnico é uma representação gráfica de objetos e suas relações, de maneira clara e sem ambiguidades através da descrição da forma e tamanho. É uma linguagem

Leia mais

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 3.1 Hidrômetro...2 3.2 A.R.T...2 3.3 Ramal predial de água...2 4. Procedimentos e Responsabilidades...3 4.1 Generalidades...3

Leia mais

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS 7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS A diagramação das placas de Sinalização Vertical de Indicação compreende os seguintes passos: Definição da altura das letras, a partir da velocidade regulamentada na via; Dimensionamento

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA SUA PLACA

MANUAL DE INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA SUA PLACA INFORMAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA SUA PLACA FORMATO PADRÃO: 1,2 m x 0,8 (largura x altura) 3 LAYOUTS DIFERENTES: 1 para 5º e 9º ano juntos 1 para 5º ano somente 1 para 9º ano somente LAYOUTS OPÇÕES DE MATERIAIS

Leia mais

Afiação de ferramentas

Afiação de ferramentas A UU L AL A Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se desgastam, apresentando trincas ou deformações na forma e nas propriedades. Devido a este desgaste, as

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS. 9.1 Introdução

9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS. 9.1 Introdução 9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS 57 9.1 Introdução Tanto o desenho em perspectivas como o desenho através de vista se valem da projeção para fazer suas representações. A diferença é que no desenho em perspectiva

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

Densímetro de posto de gasolina

Densímetro de posto de gasolina Densímetro de posto de gasolina Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia Tema Materiais: propriedades Conteúdos Densidade, misturas homogêneas e empuxo Usos / objetivos Introdução ou aprofundamento do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE BELAS ARTES SISTEMA GEOMÉTRICO DE REPRESENTAÇÃO I PROF. CRISTINA GRAFANASSI TRANJAN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE BELAS ARTES SISTEMA GEOMÉTRICO DE REPRESENTAÇÃO I PROF. CRISTINA GRAFANASSI TRANJAN UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE BELAS ARTES SISTEMA GEOMÉTRICO DE REPRESENTAÇÃO I PROF. CRISTINA GRAFANASSI TRANJAN MÉTODOS DESCRITIVOS Há determinados problemas em Geometria Descritiva

Leia mais