Henflex. Henflex Índice

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice"

Transcrição

1 Índice 1.Características Gerais Seleção do Tamanho do Acoplamento Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo Seleção do Acoplamento Tabelas de Dados dos Acoplamentos Henflex HXP Ajuste recomendado para furos dada a tolerância do eixo Chaveta Paralela Acoplamento elástico-material, características físicas e aplicação Instalação e Montagem Procedimento de montagem do acoplamento para os tamanhos 4 a Procedimento de montagem do acoplamento para o tamanho Procedimento de montagem do acoplamento para os tamanhos 18 a Procedimento de montagem do acoplamento para os tamanhos 22 a Alinhamento Torques recomendados para Parafusos Balanceamento segundo a NBR Manutenção Indústria Metalúrgica Ltda

2 O acoplamento Henflex HXP é um acoplamento dotado de elementos flexíveis que o tornam torcionalmente elástico. Devido a isso ele pode ter uma vasta gama de aplicações que requerem transmissão confiável de torque. Os elementos elásticos, que são montados axialmente, permitem que o acoplamento trabalhe com desalinhamentos radiais, axiais e angulares. Os elementos elásticos permitem também absorção de choques e vibrações provenientes da máquina acionada ou da acionadora. Cubos Pino Figura 1- Aspecto Geral Os pinos são dimensionados de modo a suportar várias vezes a carga de cisalhamento 1.Características Gerais Elemento Elástico originária do máximo choque permissível, o que permite grande confiabilidade de aplicação. Por suas características construtivas, o acoplamento Henflex HXP pode ser empregado em ambos sentidos de rotação e, devido à sua robustez pode, inclusive trabalhar sujeito a reversões de rotação, sem prejudicar seu bom funcionamento. Os acoplamentos Henflex HXP requerem baixa manutenção, pois não necessitam de lubrificação. Se forem seguidas as recomendações de montagem quanto ao alinhamento, os elementos elásticos terão longa vida útil, pois eles são sujeitos somente à compressão quando em trabalho. A linha HXP oferece vários tamanhos de acoplamentos, que cobrem torques de trabalho de 200 a Nm e eixos de até Ø600 mm. Devido à criteriosa seleção de materiais, os acoplamentos Henflex HXP podem trabalhar em aplicações tanto de alta quanto de baixa rotação. Neste catálogo será apresentada apenas a forma construtiva básica. Para aplicações especiais consulte nosso Departamento de Engenharia de Aplicação. 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo Primeiramente deve-se obter o torque de operação ( T o ) que é dado por: T C P = n o m Onde: T 0 = Torque de operação do sistema [Nm]; P = Potência de entrada [kw ou Cv]; n m = Velocidade de rotação [rpm]; C : C = 9550 para Potência em kw; C = 7030 para Potência em Cv. A partir do torque de operação, obtém-se o torque nominal do acoplamento ( na ), que é dado por: T na To f 1 Onde: T na = Torque nominal do acoplamento; f 1= Fator de serviço (consulte a Tabela 1). Indústria Metalúrgica Ltda T

3 Obs.: Os acoplamentos são dimensionados para suportar partidas ou frenagens a um máximo torque de três vezes o torque nominal do acoplamento e essa operação pode ser repetida até 25 vezes/hora. Portanto, para efeito de seleção quando o acoplamento estiver susceptível a cargas que envolvam choques deve ser considerada a seguinte relação: T na max = 3 T na T s Onde: T namax = Máximo Torque nominal do acoplamento. T s = Máximo torque de impacto do sistema. Na seleção do acoplamento, além do que já foi exposto, deve-se considerar ainda as dimensões das pontas de eixo das máquinas acionadas, acionadoras e também a velocidade de rotação permissível do acoplamento. B.1- Fator de Serviço O fator de serviço é um número obtido empiricamente que leva em consideração os regimes de funcionamento das máquinas acionadoras e acionadas. A Tabela 1 indica em que regime de serviço a máquina acionada se enquadra e o fator de serviço em função do tipo de acionamento. Para 2.2 Seleção do Acoplamento efeito de simplificação dividimos os regimes de serviço em três: 1. Regime de serviço com carga uniforme; 2. Com choques médios; 3. Com choques fortes; B.2- Condições de Aplicação O mecanismo de seleção apresentado é válido para temperatura ambiente entre -30ºC e 80ºC, montagem e alinhamento conforme o manual e até 25 partidas/hora. Para aplicações mais severas ou qualquer dúvida consulte nosso Departamento de Engenharia de Aplicação. Indústria Metalúrgica Ltda

4 Fatores de Serviço para operação diária de até 24 horas Tipo de Carga * Carga Uniforme -Ventiladores P/n=0,1; -Bombas centrífugas (baixa viscosidade); -Bombas de parafuso Choques Médios -Exaustores e Ventiladores P/n>0,1; -Transportador de Correia e Corrente; -Elevadores de Canecas; -Guinchos; -Agitadores, Centrífugas e Misturadores; -Betoneiras; -Máquinas Lavadeiras; -Máquinas para madeiras; -Calandras, Extrusoras e Misturadores de Plásticos; -Máquinas Ferramenta Rotativas; -Dobradeiras de Chapas; -Hélices Marítimas; -Fornos e Cilindros Rotativos. Choques Fortes -Geradores e Transformadores; -Bombas de Pistão; -Moinhos em geral; -Britadores; -Tambores e Moinhos Rotativos; -Máquinas para papel e celulose; -Pontes Rolantes; -Rodas de Caçamba; -Prensas, Marteletes e Tesouras; -Laminadoras e Extrusoras de metais; -Misturadores e Extrusoras de borracha; -Elevadores. Motor Elétrico Acionamento Motor a Combustão com 4 a 6 cilindros Motor a Combustão com 1 a 3 cilindros 1 1,25 1,75 1,25 1,5 2 1,75 2 2,5 Tabela 1- Fatores de Serviço f 1 *Para outros equipamentos, consulte nosso Departamento de Engenharia de Aplicação. Indústria Metalúrgica Ltda

5 3.Tabelas de Dados dos Acoplamentos Henflex HXP Ødf Øe2 i i Øe1 G ep2 ep1 Tam. Torque nominal T na [Nm] Rotação Admissível [rpm] Figura 2 - Desenho dimensional para os tamanhos 4 a 14 Diâmetros das pontas de eixo [mm] De até Dimensões Gerais [mm] Massa dos Cubos [kg] Momentos de inércia dos Cubos GD 2 [kgm 2 ] * e 1/2 e 1 e 2 df i ep 1 ep 2 G ~ 4 1,00 1,00 0,003 0, ~ 4 1,50 2,00 0,010 0,013 5, ~ 4 2,00 2,50 0,016 0, ~ 5 3,00 5,00 0,034 0, ~ 5 4,50 5,00 0,056 0, ~ 5 7,50 7,50 0,109 0, ~ 5 8,50 11,00 0,176 0, ~ 5 12,50 15,00 0,301 0, ~ 6 17,00 21,00 0,520 0, ~ 6 24,50 29,00 0,992 1, ~ 6 34,00 43,50 1,688 2,472 Tabela 2- Torques Nominais, Rotações admissíveis, dimensões, massa e momentos de inércia *Para calculo de J dividir GD2/4. Massa dos cubos e momentos de inércia referem-se a acoplamentos com furo médio. Indústria Metalúrgica Ltda

6 Figura 3- Desenho Dimensional para o Tamanho 16 Rotação Diâmetros das pontas Momentos de inércia Torque de eixo [mm] Dimensões Gerais Massa dos Cubos* Admissível de até GD 2 [kgm 2 ]* por Cubo Tam. nominal [mm] [kg] T na [Nm] [rpm] e 1 e 1 df i ep 1 G ~ ,273 Tabela 3- Torques Nominais, Rotações admissíveis, dimensões, massa e momentos de inércia *Para calculo de J dividir GD2/4. Massa dos cubos e momentos de inércia referem-se a acoplamentos com furo médio. i i Ødf Øe1 Øe1 ep1 ep1 G Figura 4- Desenho Dimensional para os Tamanhos 18 a 20 Tam. Rotação Diâmetros das pontas Momentos de inércia Torque Dimensões Gerais Massa dos Cubos* Admissível de até GD 2 [kgm 2 ]* de eixo [mm] por Cubo nominal [mm] [kg] T na [Nm] [rpm] e 1 e 1 d f i ep 1 G ~ 7 77,50 6, ~ ,46 Tabela 4- Torques Nominais, Rotações admissíveis, dimensões, massa e momentos de inércia *Para calculo de J dividir GD2/4. Massa dos cubos e momentos de inércia referem-se a acoplamentos com furo médio. Indústria Metalúrgica Ltda

7 i i Ødf Øe1 Øe1 C C C C ep1 ep1 G Figura 5- Desenho Dimensional para os Tamanhos 22 a 79 Tam. Torque nominal T na [Nm] Rotação Admissível [rpm] , Diâmetros das pontas de eixo [mm] de até 100 >140 > >140 > >160 > >180 > >220 > >240 > >200 >250 > >230 >280 > >260 >320 > >320 >380 > >380 >440 > >440 >500 >560 Dimensões Gerais [mm] Massa dos Cubos [kg] Momentos de inércia por Cubo GD 2 [kgm 2 ] * e 1 e 1 d f I ep 1 C G ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ,236 17,720 18,440 26,596 28,292 31,404 48,80 50,64 54,80 81,80 84,68 91,84 144,44 153,28 164,76 235,52 248,68 264,20 395,4 402,4 424,8 449,2 601,6 613,2 645,2 684, , , , , , , , , , , Tabela 5- Torques Nominais, Rotações admissíveis, dimensões, massa e momentos de inércia *Para calculo de J dividir GD2/4. Massa dos cubos e momentos de inércia referem-se a acoplamentos com furo médio. Indústria Metalúrgica Ltda

8 4.Ajuste recomendado para furos dada a tolerância do eixo As tolerâncias dos furos devem ser observadas segundo a tabela abaixo de acordo com a ISO. Tolerância do eixo k6 m6 n6 k6 m6 h6 h8 Tolerância do furo H7 H7 K7 M7 N7 Tabela 6-Aplicação da tolerância ISO para furo dada tolerância do eixo parte 1. 5.Chaveta Paralela Os acoplamentos Henflex HXP são fixados com chaveta paralela de acordo com a DIN 6885 Figura 6-Chaveta de acordo com a DIN 6885/1 Indústria Metalúrgica Ltda

9 Diâmetro largura altura Chaveta paralela DIN 6885/1 Profundidade da ranhura da chaveta no eixo Profundidade ranhura da chaveta no cubo d b h d+t 2 acima de até 1) t 1 mm mm mm mm mm mm ,8 d+ 1, ,5 d+ 1, d+ 2, ,5 d+ 2, d+ 3, d+ 3, d+ 3, ,5 d+ 3, d+ 4, d+ 4, ,5 d+ 4, d+ 5, d+ 5, d+ 6, d+ 7, d+ 8, d+ 9, d+10, d+11, d+12, d+12, d+14, d+15, d+17, d+19,4 Tabela 7- Dimensões da chaveta e rasgo de chaveta segundo a DIN 6885/1 1) A zona de tolerância para a largura b do rasgo da chaveta no cubo é a ISO JS9 ou ISO P9 para condições severas de operação. (ex. reversão sob carga) Indústria Metalúrgica Ltda

10 6.Elemento elástico- Material, características físicas e aplicação. Design material Dureza Perbunan Padrão preto 80 Shore Design especial de solicitação intervalo de temperatura de -30 ºC à +80 ºC Perbunan preto 60 Shore 1) de -30 ºC à +80 ºC Borracha natural, Preta Perbunan verde 80 Shore 80 Shore 1)Redução de torques devem ser levados em consideração. de -50 ºC à +50 ºC de -30 ºC à +80 ºC Critério de seleção mudança na velocidade de ressonância através da mudança da dureza dinâmica torcional mudança na escala permissível de temperatura para uso em baixas temperaturas Isolante elétrico Tabela 8-Características do elemento elástico. Campo de aplicação Toda aplicação de acionamento no campo da engenharia mecânica Acoplamento flexível- Partes separadas Tamanhos 4-16 Tamanhos Tamanhos Figura 7-Detalhe dos componentes de acoplamento Indústria Metalúrgica Ltda

11 Pino Completo Nº de ref. da peça Denominação Tamanhos 4-16 Tamanhos Tamanhos Pino X X X 3 Arruela Lisa X X X 4 Porca X 5 Arruela de pressão X X 8 Parafuso X X 9 Anél eslástico X Tabela 9-peças utilizadas nos acoplamentos Acoplamento elástico Nº de ref. da peça Denominação Tamanhos 4-16 Tamanhos Tamanhos Acoplamento elástico X X X Tabela 10-elemento elástico Tamanho do acoplamento , , Nº por conjunto Tabela 11-Quantidade de conjuntos segundo o tamanho do acoplamento. Indústria Metalúrgica Ltda

12 7-Instalação e Montagem 7.1-Procedimento de montagem do acoplamento para os tamanhos 4 a 14 Monte o pino(4) com a arruela de encosto(6) e o elemento elástico (5) (figura 8). Figura 8-Esquema de montagem do pino. Fixe os cubos (1) nos respectivos eixos (2). Aproxime os cubos, já em sua posição final, e com o relógio (3) comparador realizar o alinhamento (figura 9), conforme a tabela 12. Figura 9-Montagem dos eixos e alinhamento Introduza os pinos (4), de modo cruzado, até promover o assentamento do pino em sua parte cônica, (figura 10). Figura 10-Introdução dos pinos Fixe as porcas (7) utilizando o torque de aperto da tabela 13. Figura 11- Aperto final das porcas Indústria Metalúrgica Ltda

13 7.2-Procedimento de montagem do acoplamento para o tamanho 16 Monte o pino (4) com a arruela de encosto (6) e o elemento elástico (5) (figura 12). Figura 12-Esquema de montagem do pino Fixe os cubos (1) nos respectivos eixos (2). Aproxime os cubos, já em sua posição final, e com o relógio comparador (3) realizar o alinhamento (figura 13) de acordo com a tabela 12. Figura 13-Montagem dos eixos e alinhamentos Introduza os pinos (4), de modo cruzado, até promover o assentamento do pino em sua parte cônica, (figura 14). Figura 14-Introdução dos pinos Fixe as porcas (7) utilizando o torque de aperto da tabela 13. Figura 15-Aperto final das porcas Indústria Metalúrgica Ltda

14 7.3-Procedimento de montagem do acoplamento para os tamanhos 18 e 20 Monte o pino (4) com a arruela de encosto (6) e o elemento elástico (5) (figura 16). Figura 16- Esquema de montagem do pino Fixe os cubos (1) nos respectivos eixos (2). Aproxime os cubos, já em sua posição final, e com o relógio comparador (3) realizar o alinhamento das faces do cubo e dos eixos, como (figura 17) de acordo com a tabela 12. Figura 17-Montagem dos eixos e alinhamentos Introduza os pinos (4), de modo cruzado, até promover o assentamento do pino em sua parte cônica, (figura 18). Figura 18- Introdução dos pinos Fixe as arruelas de pressão (8) e os parafusos (11) utilizando o torque de aperto segundo a tabela 13. Figura 19-Aperto final dos parafusos Indústria Metalúrgica Ltda

15 7.4-Procedimento de montagem do acoplamento para os tamanhos 22 a 79 Figura 20-Esquema de montagem do Pino Fixe os cubos (1) nos respectivos eixos (2). Aproxime os cubos, já em sua posição final, e com o relógio comparador (3) realizar o alinhamento das faces do cubo e dos eixos, (figura 20) de acordo com a tabela 12. Monte os pinos (4) com as arruelas de pressão (8) e com os parafusos (11) de maneira cruzada (figura 21). Fixe os parafusos (11) utilizando o torque de aperto da tabela 13. Figura 21-Montagem dos eixos e alinhamento Após prender os pinos (4) monte o elemento elástico (5) com a arruela de encosto (6) e o anel elástico (12) (figura 22). Figura 22- Introdução dos pinos Figura 23- Final da montagem. Indústria Metalúrgica Ltda

16 8-Alinhamento O desalinhamento das partes pode afetar o desempenho, através de vibrações, temperatura, ruído, etc., e diminuir a vida útil dos elementos e das máquinas acionadas. O desalinhamento, tanto radial como axial das pontas de eixo, devem ser mínimos de modo a prolongar a vida dos anéis elásticos nas condições de operação. A montagem deve ser feita de acordo com as instruções e obedecer aos espaçamentos. (figuras 24 e 25; tabela 12). Figura 24- Ajuste da montagem do acoplamento S1 Durante a montagem, o encaixe entre as partes acopladas devem se ajustados para a dimensão S 1 com as tolerâncias permitidas. Possíveis desalinhamentos 1) Radial 2) Angular 3) Axial Desalinhamento radial I r. Desalinhamento angular I w ou alternativamente L 1 como a diferença medida entre as dimensões de encaixe. Figura 25- Desalinhamento possível Desalinhamento axial I a Durante operação, um desalinhamento dinâmico axial de 10 Hz é permitido. Indústria Metalúrgica Ltda

17 Os desalinhamentos radial, angular e axial permitido podem ser calculados como a s Tam. Ir perm. = L1 perm = Ia perm = 0,1+ Onde: Ajuste do afastamento durante a montagem da x 40 39,37 n n: Velocidade do acoplamento (min-1) da: Tamanho do acoplamento (in) Ir perm: Desalinhamento radial permitido (mm) L1 pem: Desalinhamento angular permitido (mm) Ia perm: Desalinhamento axial permitido (mm) espaçamento do eixo(valor arredondado), para desalinhamento radial, angular e axial permitido durante a montagem Velocidade Velocidade Velocidade Velocidade d a L1 min L1 máx 500 min min min min -1 in mm mm 4) Grau 5) mm 4) Grau 5) mm 4) Grau 5) mm 4) Grau 5) ,35 0,20 0,25 0,14 0,20 0,11 0,15 0, ,40 0,18 0,30 1,13 0,25 0,11 0,15 0,07 5, ,45 0,18 0,30 1,12 0,25 0,10 0,20 0, ,45 0,17 0,35 1,12 0,25 0,10 0,20 0, ,50 0,16 0,35 0,11 0,30 0,09 0,20 0, ,50 0,15 0,40 0,11 0,30 0,09 0,20 0, ,60 0,15 0,40 0,10 0,35 0,09 0,25 0, ,65 0,14 0,45 0,10 0,35 0,08 0,25 0, ,70 0,14 0,50 0,10 0,40 0,08 0,30 0, ,75 0,13 0,55 0,09 0,45 0,08 0,30 0, ,80 0,13 0,60 0,09 0,50 0,08 0,35 0, ,90 0,13 0,65 0,09 0,50 0, ,00 0,12 0,70 0,09 0,55 0, ,10 0,12 0,75 0,09 0,60 0, ,20 0,12 0,85 0,08 0,70 0, ,30 0,12 0,90 0,08 0,75 0, ,45 0,12 1,00 0,08 0,85 0,07 31, ,60 0,12 1,10 0, ,80 0,11 1,30 0, ,00 0,11 1,40 0, ,20 0,11 1,50 0, ,40 0, ,70 0, ,00 0, ,40 0, ,80 0,11 Tabela 12- Tolerância de alinhamento 4) I r perm, L 1 perm, I a perm 5) I w perm Indústria Metalúrgica Ltda

18 9-Torques recomendados para Parafusos Parafuso(mm) Torque de aperto(kgf.m) M6 1,5 M8 3 M10 5 M12 9 M14 14 M16 20 M18 30 M20 35 M22 45 M24 60 M27 80 M M Tabela 13- Torque de aperto 10-Balanceamento segundo a NBR 8008 O balanceamento dos cubos dos acoplamentos Henflex HXP seguem os critérios da NBR Para n=1500 RPM ou Vmáx=30m/s, realizar balanceamento em um só plano com qualidade G16. Para n>1500 RPM ou velocidade periférica > 30m/s realizar o balanceamento em dois planos, caso seja necessário, com qualidade G6,3. Os cubos serão fornecidos balanceados se for informando a rotação de trabalho e estiver dentro da região apresentada no gráfico da figura 26. Figura 26- rotação periférica para seleção de balanceamento 11-Manutenção Checar os elementos elásticos e o equipamento a cada 2000 horas, ou nas paradas programadas. Substituir os elementos sempre que estes apresentarem deterioração, trincas ou ressecamento. Indústria Metalúrgica Ltda

Atuando desde 1981 a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos

Atuando desde 1981 a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos Atuando desde 1981 a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos e flexíveis e hidrovariadores de velocidade, produtos destinados a atender os mais variados sistemas de movimentação

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX MN

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX MN CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência a abrasão.

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS)

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS) ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX GR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX MSN são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido nodular, e um elemento poliuretano alojado entre eles

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA)

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX CR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

Acoplamentos elásticos. eflex. www.aciobras.com.br

Acoplamentos elásticos. eflex. www.aciobras.com.br Acoplamentos elásticos eflex www.aciobras.com.br Os acoplamentos elásticos EFLEX com garras, tipos EA, GA e HA, são utilizados na ligação de eixos rotativos, com desalinhamentos normalmente inevitáveis,

Leia mais

Acoplamento Altamente Elástico

Acoplamento Altamente Elástico Acoplamento Altamente Elástico Spxpt 04/02 GENERALIDADES Acoplamentos altamente elásticos Speflex modelos SPA e SPG O acoplamento VULKAN SPEFLEX é constituído de um elemento altamente elástico em borracha

Leia mais

4 pólos (n = 1800 rpm) 8 pólos (n = 900 rpm) 1,5 2,2 3,0 3,7 4,4 5,5 7,5 9,2 11,0 15,0 18,5 22,0 30,0 37,0 45,0 55,0 75,0 92,0 110,0

4 pólos (n = 1800 rpm) 8 pólos (n = 900 rpm) 1,5 2,2 3,0 3,7 4,4 5,5 7,5 9,2 11,0 15,0 18,5 22,0 30,0 37,0 45,0 55,0 75,0 92,0 110,0 VULBRAFLEX VB GENERALIDADES O VULBRAFLEX é um acoplamento flexível e torcionalmente elástico. Sua flexibilidade permite desalinhamentos radiais, axiais e angulares entre os eixos acoplados e ainda, sendo

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O acoplamento ACRIFLEX AD, consiste em dois flanges simétricos inteiramente usinados, pinos de aço com superfícies retificadas e buchas amortecedoras de borracha nitrílica à prova

Leia mais

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos ACRIFLEX AG são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência

Leia mais

PINOFLEX-NP 2009/01 ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRA-RECUOS DENFLEX - NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN

PINOFLEX-NP 2009/01 ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRA-RECUOS DENFLEX - NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRARECUOS DENFLEX NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN PINOFLEXNP SPEFLEX N VULBRAFLEX VB VULKARDAN E VULMEX 2009/01 GENERALIDADES Os acoplamentos

Leia mais

UNIÕES DE ACOPLAMENTO

UNIÕES DE ACOPLAMENTO UNIÕES DE ACOPLAMENTO Cat 012 - Out 2015 1 / 11 "GIFLEX" GE-T A aplicação industrial de acoplamentos elásticos tem por objectivo absorver ou atenuar eventuais irregularidades de rotação originadas pelo

Leia mais

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9 Ler atentamente e respeitar o manual de operação. A inobservância pode causar avarias de funcionamento ou a falha do limitador de torque, bem como os danos associados. Índice Página 1: - Índice - Símbolos

Leia mais

s Especiais Transmissões por ues Correntes C Ferramentas de versais Correias Sincronizadoras Buchas e Cubos Rodas

s Especiais Transmissões por ues Correntes C Ferramentas de versais Correias Sincronizadoras Buchas e Cubos Rodas rreias speciais Transmissões por Correntes Ferramentas iversais Correias Sincronizadoras uchas e Cubos Rodas rramentas de manutenção Correias Poleias Acoplamentos bos Rodas Dentadas Correias speciais Transmissões

Leia mais

Índice. Características gerais 2. Código de produto 3. Seleção do redutor 4. Fator de serviço 5. Capacidade em cv 6. Dimensões 7-8

Índice. Características gerais 2. Código de produto 3. Seleção do redutor 4. Fator de serviço 5. Capacidade em cv 6. Dimensões 7-8 HELICON HV Redutores Helicoidais de Eixos Vazados Índice Descrição Página Características gerais 2 Código de produto 3 Seleção do redutor 4 ator de serviço 5 Capacidade em cv 6 Dimensões 7-8 Dimensões

Leia mais

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O acoplamento ACRIFLEX AC é composto por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, unidos por um jogo de correias planas fixadas aos cubos através de um flange aparafusado.

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção.

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. Os mancais em geral têm como finalidade servir de apóio às

Leia mais

bambozzi MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO OL-DUPLO - SEMI FECHADO

bambozzi MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO OL-DUPLO - SEMI FECHADO A SSISTÊNCIAS T ÊCNICASAUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 bambozzi MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO Cassetes Os cassetes laminadores são micro cadeiras de laminação, que substituem as fieiras nas máquinas de trefilação. Seu surgimento no

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM...

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM... Motores H-Compact COMPACTO, REFRIGERAÇÃO EFICIENTE A importância crescente da economia de energia, dos requerimentos ambientais, da procura por dimensões menores e das imposições dos mercados nacionais

Leia mais

- Índice. - Indicações de segurança - Símbolos de segurança e de aviso - Vistas do limitator de torque (variantes)

- Índice. - Indicações de segurança - Símbolos de segurança e de aviso - Vistas do limitator de torque (variantes) Ler atentamente e respeitar o manual de operação. A inobservância pode causar avarias de funcionamento ou a falha do limitador de torque, bem como os danos associados. Índice Página 1: Página 2: Página

Leia mais

Redutores e Motorredutores de Velocidade

Redutores e Motorredutores de Velocidade Redutores e Motorredutores de Velocidade Equipamentos Agrícolas Sistemas de Irrigação Acionamentos Industriais Índice Dados necessários para selecionar um redutor... Informações Gerais... Linha CR - 1

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque Aula 6 Definição de Torque Torque é o momento que tende a torcer a peça em torno de seu eixo longitudinal. Seu efeito é de interesse principal

Leia mais

ACOPLAMENTO FLEXÍVEL (TIPO PNEU N )

ACOPLAMENTO FLEXÍVEL (TIPO PNEU N ) COPLMENTO FLEXÍVEL (TIPO PNEU N ) Speflex-N 04/10 y Tipo SPN COMPONENTES Item 01: Item 02: Item 03: Item 04: Elemento Cubo Parão rruela e Pressão DDOS TÉCNICOS Nominal Tkn (Nm) 340 40 10 00 Máximo Tk (Nm)

Leia mais

Torques de 17 a 3500 Nm PREESFUNDIDO GGR AÇO GGR FUNDIDO GGS PRECISÃO. ago/13

Torques de 17 a 3500 Nm PREESFUNDIDO GGR AÇO GGR FUNDIDO GGS PRECISÃO. ago/13 s de 17 a 3500 PREESFUNDIDO GGR AÇO GGR FUNDIDO GGS PRECISÃO ago/13 GGR AÇO Acoplamento recomendado para altos torques, rotações ou grandes vibrações. De construção 100% usinada, garante precisão de alinhamento

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

MOINHOS GRANULADORES

MOINHOS GRANULADORES MOINHOS GRANULADORES DESDE 1980 Fundada em 1980 sediada em Farroupilha, RS em uma área própria de 15.000m², com área construída de 2.250 m², a Mecanofar mantém mais de 3.500 máquinas no mercado de transformação.

Leia mais

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SNH www.fcm.ind.br Caixas SNH Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução parcial

Leia mais

BOMBA CENTRÍFUGA FBRL20B MONO-ESTÁGIO

BOMBA CENTRÍFUGA FBRL20B MONO-ESTÁGIO BOMBA CENTRÍFUGA FBRL20B MONO-ESTÁGIO MANUAL TÉCNICO Série: FBRL20B Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas,

Leia mais

ACOPLAMENTOS DISCFLEX VULKAN VANTAGENS

ACOPLAMENTOS DISCFLEX VULKAN VANTAGENS Discflex 04/2010 SELEÇÃO DETALHADA Verifique qual é o fator de serviço adequado à sua aplicação, na tabela abaixo. Calcule a potência a ser transmitida usando o fator de serviço, conforme ao lado: Escolha

Leia mais

RADEX -N Instruções de Operação/Montagem

RADEX -N Instruções de Operação/Montagem 1 de 28 Acoplamento de lâminas NN, NANA 1 à 4, NENA 1 e 2, NENE 1 NNZ, NNW De acordo com padrão 94/9/EC (ATEX 95) para furos acabados, furos guia e acoplamentos sem furo. modelo NN modelo NANA 1 modelo

Leia mais

21 55 102 Volume de ar (fluxo livre) 24 55 100 Volume de ar (com filtro de exaustão instalado) m³/h. 14 40 75 Nível de ruído

21 55 102 Volume de ar (fluxo livre) 24 55 100 Volume de ar (com filtro de exaustão instalado) m³/h. 14 40 75 Nível de ruído Série - Ventilador com Filtro (24 630) m³/h SÉRIE.50.8.xxx.1020.50.8.xxx.2055.50.8.xxx.3100 Ventilador com Filtro adequado para armários e painéis elétricos, versões de 120V ou 230V AC Baixo nível de ruído

Leia mais

APRESENTAÇÃO RELAÇÃO DE COMPONENTES

APRESENTAÇÃO RELAÇÃO DE COMPONENTES Manual de Instalação Linha Máximo Fotos ilustrativas. Ventiladores de Teto Nesta marca você pode confiar APRESENTAÇÃO Os ventiladores de teto da LINHA MÁXIMO são desenvolvidos para oferecer ao usuário

Leia mais

REDUTORES L I L O C A T Á L O G. Tecnologia e eficiência em Redutores de Velocidade. A primeira a comercializar pelo comercio digital

REDUTORES L I L O C A T Á L O G. Tecnologia e eficiência em Redutores de Velocidade. A primeira a comercializar pelo comercio digital www.redutoreslilo.com REDUTORES L I L O C A T Á L O G Tecnologia e eficiência em es de Velocidade O A primeira a comercializar pelo comercio digital Catálogo de produtos es Lilo es de Coroa e Rosca Sem

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA

Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA Rolamento autocompensador de rolos esféricos de alta performance com maior capacidade de carga Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA

Leia mais

www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07

www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07 www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07 NOTA! O produto pode ter sido modificado depois de este documento ter sido enviado para impressão. Reservamo-nos expressamente o direito

Leia mais

Rendimento, Confiabilidade e Baixo Custo de Manutenção

Rendimento, Confiabilidade e Baixo Custo de Manutenção Acoplamentos Thomas Rendimento, Confiabilidade e Baixo Custo de Manutenção Rendimento, Confiabilidade e Baixo Custo de Manutenção Há mais de 80 anos Rexnord/Thomas tem sido o líder em acoplamentos flexíveis

Leia mais

Índice. Tabela - Fatores de serviço para acoplamentos WDS... Acoplamento de grade tipo WT... Acoplamento de grade tipo WF...

Índice. Tabela - Fatores de serviço para acoplamentos WDS... Acoplamento de grade tipo WT... Acoplamento de grade tipo WF... Índice Tabela Fatores de serviço para acoplamentos WDS... Acoplamento de grade tipo WT... Acoplamento de grade tipo WF... Acoplamento de engrenagem tipo WG... Acoplamento de Lâminas... Acoplamento de Garra

Leia mais

Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia

Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia Jornadas Técnicas Novas perspectivas Drive Technology Mundo em Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia Tópicos Instalando o motor elétrico com inversor de freqüência Princípio de funcionamento

Leia mais

bambozzi MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL USINEIRO

bambozzi MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL USINEIRO bambozzi MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro, 155 - Centro - CEP 15990-630 - Matão (SP) - Brasil Fone (16) 3383-3800 - Fax (16) 3382-4228 bambozzi@bambozzi.com.br

Leia mais

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P 0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 IMPORTANTE... 3 SEGURANÇA... 3 CUIDADOS AO RECEBER O EQUIPAMENTO... 4 1) Instalação dos exaustores... 5 2) Instalação

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200 Manual de Montagem, Operação e Manutenção Aparelho de Levantamento Série B200 Português Índice Página 1 Aplicação e características gerais 1 Aplicação e características gerais 3 1.1 Aplicação 3 1.2 Características

Leia mais

ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE BANCADA DIDÁTICA PARA BALANCEAMENTO ESTÁTICO E DINÂMICO DE ROTORES

ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE BANCADA DIDÁTICA PARA BALANCEAMENTO ESTÁTICO E DINÂMICO DE ROTORES ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE BANCADA DIDÁTICA PARA BALANCEAMENTO ESTÁTICO E DINÂMICO DE ROTORES Sandro E. L. da Silva sandroels@bol.com.br Antonio A. Silva almeida@dem.ufcg.edu.br Marco A. da S. Irmão

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 8 DESENHO DE CONJUNTO E ELEMENTOS DE MÁQUINA (UNIÃO E FIXAÇÃO)

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 8 DESENHO DE CONJUNTO E ELEMENTOS DE MÁQUINA (UNIÃO E FIXAÇÃO) DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 8 DESENHO DE CONJUNTO E ELEMENTOS DE MÁQUINA (UNIÃO E FIXAÇÃO) Notas de Aulas v.2016 DESENHO DE CONJUNTO E DE DETALHE DEFINIÇÕES Conjuntos Mecânicos Peças justapostas

Leia mais

WEGeuro Indústria Eléctrica S.A. Manual de Instruções. Motores Assíncronos Trifásicos à Prova de Explosão

WEGeuro Indústria Eléctrica S.A. Manual de Instruções. Motores Assíncronos Trifásicos à Prova de Explosão Ref. 110.15 - Rev 00 04/2011 Manual de Instruções Motores Assíncronos Trifásicos à Prova de Explosão Ref. 110.15 Rev. 00 04/2011 2 Manual de Instruções Motores Assíncronos Trifásicos à prova de explosão

Leia mais

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação Manual Técnico e Curvas Características Nº A1150.0P/3 Bomba Centrífuga para Uso Geral 1. Aplicação A bomba é indicada para o bombeamento de líquidos limpos ou turvos e encontra aplicação preferencial em

Leia mais

BoWex-ELASTIC. BoWex-ELASTIC

BoWex-ELASTIC. BoWex-ELASTIC 1 de 20 Acoplamanto de flange altamente elásticos tipos HEW1, HEW2 e suas combinações De acordo com padrão 94/9/EC (ATEX 9) para furos acabados, furo guia e sem furo Tipo HEW1 Tipo HEW2 Acoplamento de

Leia mais

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R Tipo separado de guia linear (radial) modelo Trilho com cremalheira Recirculador Raspador Bloco Diagrama de Seleção A Posições de montagem Opcionais Codificação Precauções de uso Acessórios para lubrificação

Leia mais

Motobomba Centrífuga Vertical In Line

Motobomba Centrífuga Vertical In Line Motobomba Centrífuga Vertical In Line M O T O B O M B A S Atuação: As motobombas centrífugas In Line, aliam a praticidade da montagem vertical a um excelente desempenho. Permitem assim ocupar um espaço

Leia mais

VENTILADORES AXIAIS AC / B/ AL AFR

VENTILADORES AXIAIS AC / B/ AL AFR VENTILADORES AXIAIS AC / B/ AL AFR ÍNDICE CONTEÚDO Pág Nº Generalidades sobre ventiladores 4 Generalidades sobre as curvas características 5 Ventiladores AFR 5 Nomenclatura 6 Seleção 7 Dimensões AFR /

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

Bombas simples (aquecimento, ar condicionado, refrigeração, abastecimento de água e indústria)

Bombas simples (aquecimento, ar condicionado, refrigeração, abastecimento de água e indústria) Descrição da sériewilo-crononorm-nl - Hz Materiais Corpo da bomba - Espiral de ferro fundido com alhetas antirrotação. - Com peça de aspiração alinhada axialmente e bocais de recalque radiais, bem como

Leia mais

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda Caixas SNH e SN30 Fábrica de Mancais Curitiba Ltda SNH As caixas de rolamentos com base SNH foram projetadas para possibilitar maior flexibilidade na escolha do rolamento, vedação e lubrificação. Foram

Leia mais

Índice. TERMODIN Componentes Termodinâmicos Ltda. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 06530-020 Fazendinha Santana do Parnaíba SP Fone/Fax: (11) 4156-3455 2

Índice. TERMODIN Componentes Termodinâmicos Ltda. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 06530-020 Fazendinha Santana do Parnaíba SP Fone/Fax: (11) 4156-3455 2 Catálogo geral de ventiladores axiais 1 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características 4 3- Fórmulas relativas ao ventiladores centrífugos 5 4- Nomenclatura 6 5- Características construtivas 6 6- Dimensões

Leia mais

aos elementos de transmissão

aos elementos de transmissão A U A UL LA Introdução aos elementos de transmissão Introdução Um motorista viajava numa estrada e não viu a luz vermelha que, de repente, apareceu no painel. Mais alguns metros, o carro parou. O motorista,

Leia mais

BoWex Instruções de Operação/Montagem

BoWex Instruções de Operação/Montagem 401 PT 1 de 19 Acoplamento de Engrenagens com Dentes Curvos Modelos: No. 001 Acoplamento Bowex JR, No. 002 Acoplamento Bowex JRM, No. 003 Acoplamento Bowex M e M...C No. 006 I e suas combinações design

Leia mais

Vedação => TC. Vedação => TA. Vedação => TG. Vedação => TS

Vedação => TC. Vedação => TA. Vedação => TG. Vedação => TS Montagem das caixas SNHL Vedação => TC Vedação => TA Vedação => TG Vedação => TS Burger S/A Industria e Comércio Técnica/di 15/05/2009 66 Vedação TC Vedadores de Feltro TC Os vedadores são constituídos

Leia mais

VENTILADORES CENTRÍFUGOS TIPO SIROCCO TDA/TSA

VENTILADORES CENTRÍFUGOS TIPO SIROCCO TDA/TSA VENTILADORES CENTRÍFUGOS TIPO SIROCCO TDA/TSA ÍNDICE CONTEÚDO Pág Nº Generalidades sobre ventiladores 4 Generalidades sobre as curvas características Nomenclatura e terminologia 6 Níveis sonoros 7 Características

Leia mais

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos para Todas as Necessidades da Sua Usina A Solução Perfeita para Qualquer Aplicação Com suas duas fortes marcas, INA e FAG, a qualidade

Leia mais

Estudo de Caso Transportador de Correias

Estudo de Caso Transportador de Correias Universidade Federal da Bahia Departamento de Engenharia Mecânica ENG-320- Transportes Mecânicos Prof. Roberto Sacramento Estudo de Caso Transportador de Correias Alunos: Leonardo Passos Marcelo Gomes

Leia mais

Linha Industrial. Soluções Rexnord ÍNDICE. Soluções em Acoplamentos. Acoplamentos Omega Acoplamentos Omega HSU. Correntes de Engenharia

Linha Industrial. Soluções Rexnord ÍNDICE. Soluções em Acoplamentos. Acoplamentos Omega Acoplamentos Omega HSU. Correntes de Engenharia www.rexnord.com.br vendassl@rexnord.com.br Soluções Rexnord Linha Industrial ÍNDICE Soluções em Acoplamentos Acoplamentos Omega Acoplamentos Omega HSU Correntes de Engenharia Pronto atendimento Rexnord:

Leia mais

H3- Interpretar as formas construtivas dos motores de corrente alternada Aula 3

H3- Interpretar as formas construtivas dos motores de corrente alternada Aula 3 H3- Interpretar as formas construtivas dos motores de corrente alternada Aula 3 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2010 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 3.1 Motor Assíncrono Monofásico Aberto; 3.2 Motor Assíncrono

Leia mais

Polias, Correias e Transmissão de Potência

Polias, Correias e Transmissão de Potência Polias, Correias e Transmissão de Potência Blog Fatos Matemáticos Prof. Paulo Sérgio Costa Lino Maio de 2013 Introdução Figura 1: Esquema de duas polias acopladas através de uma correia As polias são peças

Leia mais

Redutores a Rosca Sem Fim

Redutores a Rosca Sem Fim Dados sujeitos a alteração sem aviso prévio. Atualizado em Janeiro de. jda redutores www.jdaredutores.com.br 1 Especificações Gerais Redutores e Motoredutores a Coroa e... 3 Procedimentos para seleção

Leia mais

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO TM-IC TM-Z TM-IT TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO Prezado Cliente, Você acaba de adquirir o Transpalete Hidráulico Manual (Linha TM)PALETRANS, um equipamento

Leia mais

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação A U A UL LA Acoplamento Introdução Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, percebeu um estranho ruído na roda. Preocupada, procurou um mecânico. Ao analisar o problema, o mecânico concluiu que

Leia mais

A Empresa. A Filosofia Tec Tor

A Empresa. A Filosofia Tec Tor A Empresa A Filosofia Tec Tor Desde sua fundação em Setembro de 1986, a Tec Tor vem ao longo de sua existência, desenvolvendo projetos no ramo de equipamentos voltados à transmissão e controle de força

Leia mais

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW Desmontagem e dicas da caixa VW Vamos apresentar nessa reportagem as características, dicas de manutenção, desmontagem e montagem da caixa de câmbio MQ200, que em suas várias aplicações, equipa a maioria

Leia mais

SYNTEX Instruções de funcionamento e montagem, versão DK (de engrenamento) SYNTEX versão DK

SYNTEX Instruções de funcionamento e montagem, versão DK (de engrenamento) SYNTEX versão DK D-4840 Rheine 1 de 8 SYNTEX versão DK Cubo, versão 1.0 Cubo, versão 4.5 O SYNTEX é um sistema de sobrecarga de operação positiva. Este sistema protege os componentes subsequentes contra destruição. Aquando

Leia mais

Acoplamentos flexíveis

Acoplamentos flexíveis Acoplamentos flexíveis Linha AT - Bipartido Linha AT Acoplamentos elásticos Linha H Linha WRAP Acoplamentos de engrenagens Linha RGD A missão da Antares é oferecer a seus clientes soluções de problemas

Leia mais

1. Estruturas e tipos de rolamentos

1. Estruturas e tipos de rolamentos 1. Estruturas e tipos de rolamentos 1-1 Estrutura Os rolamentos normalmente consistem de anéis de rolamento, elementos de rolagem e uma gaiola (veja Fig. 1-1). Os elementos de rolagem são dispostos entre

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR DE MANDÍBULAS - ZL EQUIPAMENTOS.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR DE MANDÍBULAS - ZL EQUIPAMENTOS. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR DE MANDÍBULAS - ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. Os britadores de mandíbulas projetados e fabricados pela ZL Equipamentos são maquinas robustas confeccionadas com matéria-prima

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

Concreto e Agregados CATÁLOGO DE PRODUTOS. Pág. 1. Seção C

Concreto e Agregados CATÁLOGO DE PRODUTOS. Pág. 1. Seção C I-3001 PRENSA HIDRÁULICA MANUAL 100T COM 1 MANÔMETRO NBR NM-ISO 7500-1; NBR 12767, 7680, 5739; DNER-ME091; MN 101 PALAVRA-CHAVE: Prensa, Corpos de Prova, compressão, tração, flexão, diametral Prensa manual

Leia mais

BETONEIRAS. Manual de Instrução MAQTRON IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. www.vencedoramaqtron.com.br

BETONEIRAS. Manual de Instrução MAQTRON IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. www.vencedoramaqtron.com.br Moendas de Cana CANA SHOP Moendas de Cana BETONEIRAS Debulhadores de Milho www.vencedoramaqtron.com.br Batedeiras de Cereais Trilhadeiras Desintegradores Trituradores para milho úmido Ensiladeiras Bombas

Leia mais

Fundação Universidade Estadual de Maringá

Fundação Universidade Estadual de Maringá Fundação Universidade Estadual de Maringá PAD/DIRETORIA DE MATERIAL E PATRIMÔNIO AVISO DE LICITAÇÃO EDITAL N 131/2008 PREGÃO PRESENCIAL PROC.: N 3932/2008 OBJETO: AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DIVERSOS PARA

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais

Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais Frederico Stark Rezende Gutemberg

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA (APOIO, ELÁSTICO E VEDAÇÃO) Notas de Aulas v.2015 ELEMENTOS DE APOIO BUCHAS Radial Axial Cônica ELEMENTOS DE APOIO BUCHAS ELEMENTOS DE

Leia mais

Seção 12 Conjunto do motor

Seção 12 Conjunto do motor Seção 12 Conjunto do motor Página CONJUNTO DO MOTOR... 164 Instalação do virabrequim... 164 Instale o pistão e a biela... 164 Instalação do eixo de cames... 164 Instalação da bomba de óleo... 165 Instalação

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Quinta-roda JSK 38C JSK 38G

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Quinta-roda JSK 38C JSK 38G Manual de Montagem, Operação e Manutenção Quinta-roda JSK 38C JSK 38G Índice Página 1 Aplicação e modelos 4 1.1 Aplicação 4 1.2 Dimensionamento 4 1.3 Segurança 4 Português 2 Montagem 5 2.1 Especificações

Leia mais

Contém. Acoplamentos Hidráulicos

Contém. Acoplamentos Hidráulicos Fone: (47) 30262211 Acoplamentos Hidráulicos Catalogo Nº: HSD 24 / 001 Contém Seleção do acoplamento hidráulico Em funcionamento Dimensões gerais Diferentes posições de montagem Recomendações Vantagens

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSWV 80 MAX/AD - MSWV 80 MAX/425 - WWV 80 G/425 2 ESTÁGIOS - 175 psig

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSWV 80 MAX/AD - MSWV 80 MAX/425 - WWV 80 G/425 2 ESTÁGIOS - 175 psig CT 2 MSWV 80 MAX/AD MSWV 80 MAX/425 CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR MSWV 80 MAX/AD MSWV 80 MAX/425 2 ESTÁGIOS 175 psig SCHULZ: INÍCIO DE FABRICAÇÃO MAIO/20 WAYNE: INÍCIO DE FABRICAÇÃO AGOSTO/20 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1 BOMBAS: 1. Bombas e Motores As bombas hidráulicas são o coração do sistema, sua principal função é converter energia mecânica em hidráulica. São alimentadas

Leia mais

Série: FBBP MANUAL TÉCNICO. - Aplicável à norma NFPA 20 BOMBA CENTRÍFUGA BI-PARTIDA FBBP. Aplicação

Série: FBBP MANUAL TÉCNICO. - Aplicável à norma NFPA 20 BOMBA CENTRÍFUGA BI-PARTIDA FBBP. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBBP - Aplicável à norma NFPA 20 Aplicação São utilizadas nas aplicações de indústrias petroquímicas, irrigação, indústria químicas, saneamento básico, siderurgia, mineração, álcool,

Leia mais

A segurança em que você pode confiar

A segurança em que você pode confiar A segurança em que você pode confiar Sempre Tecnologia de Ponta STRAUB-FLEX ACOPLAMENTO SEM RETENÇÃO AXIAL, PARA TODOS OS TUBOS METÁLICOS OU PLÁSTICOS DIÂMETROS DE 48,3-1600,0 mm STRAUB-FLEX 1 L ø 48.3

Leia mais

7. CABEÇOTE/VÁLVULAS INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 7-1 NX-4 FALCON

7. CABEÇOTE/VÁLVULAS INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 7-1 NX-4 FALCON NX-4 FALCON 7. CABEÇOTE/VÁLVULAS INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 7-1 DIAGNOSE DE DEFEITOS 7-3 COMPRESSÃO DO CILINDRO 7-4 REMOÇÃO DA TAMPA DO CABEÇOTE 7-5 DESMONTAGEM DA TAMPA DO 7-6 CABEÇOTE REMOÇÃO DA ÁRVORE DE

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1.

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1. WIN-SOFT STARTER Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW Versão: 1.1-BR Edição: 08/2011 www.siemens.com.br/sirius Agosto 2011 Página 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Soft Starters

Leia mais

Motores Síncronos. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Motores Síncronos. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Motores Síncronos Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Motores Síncronos A WEG oferece soluções industriais completas, disponibilizando ao mercado produtos desenvolvidos em conjunto

Leia mais

Instruções para Instalação de Motores Elétricos e Certificado de Garantia

Instruções para Instalação de Motores Elétricos e Certificado de Garantia Instruções para Instalação de Motores Elétricos e Certificado de Garantia ATENÇÃO Leia atentamente este manual de instruções antes de colocar o motor em operação. Recomendamos que a instalação seja feita

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Condicionadores de Ar Self Contained 5 a 40 TR tipo ROOF-TOP ESPECIFICAÇÕES A linha SELF CONTAINED TOSI foi projetada visando obter a melhor relação custo-beneficio do mercado,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. ESTRUTURA E BLINDAGEM DOS MODULOS 1.1 - Estruturas Laterais Externas Deverão ser confeccionadas em chapa de aço SAE1010 #18, com varias dobras formando colunas, sem quinas ou

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Mancais: São elementos de máquinas que suportam eixo girante, deslizante ou oscilante. São classificados em mancais de: Deslizamento

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6158. Sistema de tolerâncias e ajustes JUN 1995

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6158. Sistema de tolerâncias e ajustes JUN 1995 JUN 1995 Sistema de tolerâncias e ajustes NBR 6158 ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro -

Leia mais

Conta com um equipado pátio industrial, fabricando mais de 80.000 amortecedores ao mês.

Conta com um equipado pátio industrial, fabricando mais de 80.000 amortecedores ao mês. Nossa História Líder desde 1956, a empresa VIBRA-STOP consolidou-se no segmento de amortecedores para vibração e impacto em todos os ramos industriais, sempre propondo soluções práticas, inteligentes e

Leia mais