UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS)"

Transcrição

1 UFPR METROLOGIA MECÂNICA DIMENSIONAL Especificações Geométricas de Produto Geometrical Product Specifications (GPS) TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES

2 Tolerâncias geométricas As peças ao serem fabricadas podem apresentar desvios da forma planejada, isto é, os planos não são tão planos, as retas não são tão retas e os círculos não são tão círculos. Da mesma forma que a NBR 6158 as tolerâncias geométricas estão normalizadas pela NBR 6409.

3 Tolerâncias geométricas As tolerâncias geométricas podem ser definidas como variações permissíveis dos limites dentro dos quais os desvios (ou erros) de forma e posição devem estar compreendidos sem prejudicar o funcionamento e a intercambiabilidade de um peça ou equipamento.

4 Tolerâncias geométricas Especificações Geométricas de Produto A norma NBR Tolerâncias geométricas Tolerâncias de forma, orientação, posição e batimento - Generalidades, símbolos, definições e indicações em desenho foi baseada na norma ISO 1101:1983 que foi substituida pela norma ISO 1101: Geometrical Product Specifications (GPS) - Geometrical tolerancing - Tolerances of form, orientation, location and run-out. CHF:162,00 (Franco Suiço) Aproximadamente R$ 324,80

5 O ciclo do produto

6 Tipos de especificações geométrica Especificações Geométricas de Produto Tolerâncias Dimensionais Tolerâncias Geométricas Tolerância de Forma Tolerância de Orientação Tolerância de Localização Tolerância de Ondulação Rugosidade

7 Dimensão VERSUS forma É suficiente especificar as tolerâncias dimensionais?

8 Geometrias reais

9 Causas do desvio de forma Material da peça; Meio de medição; Máquina-ferramenta; Mão de obra; Meio ambiente.

10 POR EXEMPLO:

11 NBR 6409 Tolerâncias geométricas Tolerâncias de forma, orientação, posição e batimento - Generalidades, símbolos, definições e indicações em desenho

12 Símbolos para indicação de referência e modificadores

13 NBR 6409 Requisitos gerais: As tolerâncias de forma e posição devem ser indicadas quando necessárias, ou seja, para assegurar requisitos funcionais, intercambiabilidade e processos de manufatura. O fato de se indicar uma tolerância de forma ou posição não implica necessariamente o emprego de um processo particular de fabricação ou medição.

14 INDICAÇÕES NO QUADRO DE TOLERÂNCIA Nos desenhos, as tolerâncias de forma e posição devem ser inscritas em quadros retangulares, divididos em duas ou mais partes. São inscritos da esquerda para direta e na seguinte ordem: o símbolo da característica O valor da tolerância na unidade usada para dimensões lineares. O valor pode ser precedido símbolo f se a zona de tolerância for circular ou cilíndrica. Quando for o caso. letra ou letras para identificar o elemento ou os elementos de referências

15 Se a tolerância se aplicar a vários elementos, isto deve ser escrito com sinal de multiplicação ou de forma de uma nota sobre o quadro de tolerância. Indicação qualificando a forma do elemento deve estar escrita próxima ao quadro de tolerância e pode estar ligada por uma linha

16 Se for necessário indicar mais do que uma tolerância para o elemento, as especificações das tolerância são dadas em quadros colocados um sobre o outro.

17 INDICAÇÕES DE ELEMENTO TOLERADO O quadro de tolerância deve ser ligado ao elemento tolerado por uma linha de chamada, terminada por uma flecha, que toca: o o contorno de um elemento ou o prolongamento do contorno (mas não uma linha de cota), se a tolerância se aplicar à linha ou à própria superfície.

18 o INDICAÇÕES DE ELEMENTO TOLERADO a linha de extensão, em prolongamento à linha de cota, quando a tolerância for aplicada ao eixo ou ao plano médio do elemento cotado.

19 o INDICAÇÕES DE ELEMENTO TOLERADO o eixo, quando a tolerância for aplicada ao eixo ou ao plano médio de todos os elementos comuns a este eixo ou este plano médio.

20 INDICAÇÕES DO CAMPO DE TOLERÂNCIA

21 o INDICAÇÕES DO CAMPO DE TOLERÂNCIA A tolerância se aplica na direção da flecha da linha de chamada que liga o quadro de tolerância do elemento a ser tolerado, a menos que o valor da tolerância esteja precedido pelo símbolo

22 o INDICAÇÕES DO CAMPO DE TOLERÂNCIA De modo geral a tolerância se aplica na direção perpendicular à geometria da peça

23 o INDICAÇÕES DO CAMPO DE TOLERÂNCIA Quando a direção da aplicação da tolerância não for perpendicular à geometria da peça, ela deve ser indicada no desenho.

24 o INDICAÇÕES DO CAMPO DE TOLERÂNCIA Campos de tolerâncias individuais de mesmo valor, aplicados a vários elementos distintos, podem ser especificados.

25 INDICAÇÃO NO ELEMENTO DE REFERÊNCIA o Campos de tolerâncias individuais de mesmo valor, aplicados a vários elementos distintos, podem ser especificados.

26 INDICAÇÃO NO ELEMENTO DE REFERÊNCIA o A base do triângulo está localizada no contorno do elemento ou no prolongamento do contorno (mas não sobre uma linha de cota), se o elemento de referência for a linha ou a superfície representada.

27 o INDICAÇÃO NO ELEMENTO DE REFERÊNCIA A base do triângulo está localizada em uma extensão da linha de cota, quando o elemento de referência for um eixo ou um plano médio da parte cotada.

28 INDICAÇÃO NO ELEMENTO DE REFERÊNCIA Se o quadro de tolerância puder ser ligado diretamente ao elemento de referência por uma linha de chamada, a letra de referência pode ser omitida.

29 COTA BÁSICA MODIFICADORES

30 COTA BÁSICA MODIFICADORES

31 INTERPRETAÇÃO DA TOLERÂNCIA

32 EXEMPLOS: TOLERÂNCIA DE FORMA Característica: Retilineidade Para um contorno: CAMPO DE TOLERÂNCIA: No desenho técnico: O que significa: Qualquer linha de comprimento 100mm do elemento plano indicado, deve situar-se entre duas retas paralelas distanciadas de t = 0,1mm

33 EXEMPLOS: TOLERÂNCIA DE FORMA Característica: Retilineidade Para um eixo: CAMPO DE TOLERÂNCIA: No desenho técnico: O que significa: O eixo do elemento cilíndrico do pino deve situar-se dentro de um cilindro com diâmetro t = 0,03mm

34 EXEMPLOS: TOLERÂNCIA DE FORMA Característica: CAMPO DE TOLERÂNCIA: Planicidade No desenho técnico: O que significa: A superfície tolerada deve situar-se entre dois planos paralelos distanciados de t = 0,05mm.

35 EXEMPLOS: TOLERÂNCIA DE FORMA Característica: CAMPO DE TOLERÂNCIA: Circularidade No desenho técnico: O que significa: A linha de contorno de qualquer secção deverá estar contida na área do anel de espessura t = 0,02mm.

36 Métodos de análise de desvios de circularidade Círculo Quadrático Médio (LSC) -Representa a média de todos os picos e vales. A definição matemática: A soma dos quadrados de uma quantidade suficiente de ordenadas radiais uniformemente espaçadas, medidas do círculo até o perfil, tem o mínimo valor ; -O erro de circularidade é a distância radial do máximo pico ao círculo somada à distância radial do mínimo vale ao círculo; Círculos de Mínima Zona (MZC) -Dois círculos concêntricos que envolvem o perfil e que apresentam a mínima separação radial; -A distância radial entre os dois círculos é o erro de circularidade;

37 Métodos de análise de desvios de circularidade Máximo Círculo Inscrito -É o maior círculo que pode ser traçado dentro do perfil sem seccioná-lo; -O erro de circularidade é a distância medida entre o maior pico e o círculo; Mínimo Círculo Circunscrito -É o menor círculo que envolve perfil sem seccioná-lo; -O erro de circularidade é a distância medida entre o menor vale e o círculo;

38 Identifique as especificações! Tolerâncias dimensionais Referências Cotas Básicas Tolerâncias de forma Tolerâncias de posição Tolerâncias de orientação

39

40

41

42

43

44 Circularidade Indústria Mecânica Dependência de equipamentos rotativos Eixos, rolamentos, engrenagens, polias, buchas Importância de estimar o erro de circularidade: Melhorar um dado processo de fabricação (Ex: Retificação) Avaliar o desempenho de um componente (Ex:Mancal hidrostático)

45 Origens do erro de circularidade Mancais defeituosos em máquinas ferramentas Deformação da peça durante a remoção de material Desalinhamento dos contrapontos de fixação Retificação centerless de peças previamente torneadas Efeito do torneamento de uma peça em placa de três castanhas

46 Medição do erro de circularidade Uma seção transversal é dita circular se existe um ponto central cuja distância aos demais pontos é constante em todo o perímetro r r 1 r 2 A r 1 B r 3 r 4 r 2 O erro de circularidade é a diferença entre os raios máximo e mínimo com relação ao centro da peça Como estimar o erro de circularidade adequadamente?

47 Medição do erro de circularidade Medição com referência interna A referência de medição está situada sobre um ou mais pontos da superfície da peça Medição por avaliações diametrais -Leitura direta; -Leitura comparativa -Diferencial -Não diferencial Medição com bloco em V e relógio comparador Medição com apoio entre centros

48 Medição do erro de circularidade Medição por avaliações diametrais Leitura direta Leitura indireta Peça Leitura e compensação de sinal Relógio comparador Leitura Peça Diferencial Não diferencial -Sofrem influência do posicionamento do instrumento; -Centro imaginário da peça não permanece obrigatoriamente fixo em relação ao sistema

49 Medição do erro de circularidade Medição utilizando bloco em V e relógio comparador A leitura é influenciada: -Pelo movimento do centro teórico; -Pelo número de lóbulos da peça; Máxima diferença medida -Pelo ângulo do bloco em V ; Determinação do ângulo ótimo: Movimento vertical da peça n = ângulo ótimo do bloco; n = número de lóbulos;

50 Medição do erro de circularidade Medição Com uso de apoios entre centros A leitura é influenciada: Peça Medidor Apoio -Pelo desalinhamento entre os apoios, provocando rotação irregular da peça; -Pelas erros de circularidade nos apoios e nos próprios furos de centro; -Pelo desalinhamento entre o furo de centro da peça e a linha de centro real da superfície a ser medida;

51 Medição do erro de circularidade Medição com referência externa A referência de medição está situada sobre um elemento não pertencente à superfície da peça Sistema de medição com mesa rotativa Sistema de medição com eixo rotativo Vantagens do uso da referência externa: -Permite observar o aspecto geométrico da peça através da seleção adequada do fator de amplificação do sinal; -Permite eliminar irregularidades não significativas; -Possibilita varredura contínua do contorno da peça; -Fornece um registro gráfico da medição

52 Medição do erro de circularidade Sistema de medição com mesa rotativa Medidor Base Peça Mesa rotativa Vantagens do sistema: -Permite troca da seção de medição sem alteração do set-up; -Pouco sensível a variações de temperatura; -Permite associação de medições de elementos geométricos paralelos, perpendiculares ou inclinados;

53 Medição do erro de circularidade Sistema de medição com eixo rotativo Peça Eixo rotativo Medidor Base Vantagens do sistema: -Ajuste mais fácil comparado às mesas rotativas; -Eixo de precisão com força constante e não afetado pelo peso da peça; -Possibilita a medição de circularidade em peças com partes assimétricas e desbalanceadas;

54 Planicidade Plano -Referência para medições; -Parte deslizantes entre si; Desempenos, sapatas, guias, mancais de deslizamento Superfície plana infinitas geratrizes: Geratrizes devem ser retilíneas; Geratrizes devem pertencer ao mesmo plano;

55 Planicidade Erro de planicidade: Distância entre dois planos paralelos entre os quais deve estar situada a superfície em consideração Superfície Erro de planicidade

56 Medição do erro de planicidade Planicidade Extensão do problema de retilineidade Verificação do erro de planicidade com uma régua padrão Métodos para a verificação do erro de planicidade em desempenos (a) (b) (c) (a) Linhas diagonais (b) Union Jack (c) Linhas cruzadas

57 Medição do erro de planicidade Método das Células Triangulares Divisão de um desempeno Divisão de uma placa circular Vantagem: abrangência uniforme da área a ser verificada

58 NORMAS ABNT NBR 6409:1997 Tolerâncias geométricas - Tolerâncias de forma, orientação, posição e batimento - Generalidades, símbolos, definições e indicações em desenho ABNT NBR 14646:2001 Tolerâncias geométricas - Requisitos de máximo e requisitos de mínimo material ABNT NBR ISO :2001 Tolerâncias gerais - Parte 2: Tolerâncias geométricas para elementos sem indicação de tolerância individual ASME Y14.5:2009 Geometric Dimensioning and Tolerancing - Applications Analysis and Measurement ISO 1101:2004 Geometrical Product Specifications (GPS) -- Geometrical tolerancing - Tolerances of form, orientation, location and run-out

59 BIBLIOGRAFIA João Cirilo da Silva Neto. Metrologia e Controle Dimensional Conceitos, normas e aplicações. 239p., Elsevier, 2012 Oswaldo L. Agostinho, e outros - Tolerâncias, ajustes, desvios e análise de dimensões ; Editora Edgard Blücher Ltda, 1977 Olívio Novaski - "Introdução à Engenharia de Fabricação Mecânica"; Editora Edgard Blücher Ltda, 1994 Vagner Alves Guimarães, "Controle Dimensional e Geométrico", Editora da Universidade de Passo Fundo Telecurso 2000 Cursos Profissionalizantes, Metrologia; Fundação Roberto Marinho / /FIESP

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS)

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS) UFPR METROLOGIA MECÂNICA DIMENSIONAL Especificações Geométricas de Produto Geometrical Product Specifications (GPS) TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES Tolerâncias geométricas As peças ao

Leia mais

Tolerância geométrica de forma

Tolerância geométrica de forma Tolerância geométrica de forma A UU L AL A Apesar do alto nível de desenvolvimento tecnológico, ainda é impossível obter superfícies perfeitamente exatas. Por isso, sempre se mantém um limite de tolerância

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

Rugosidade. O supervisor de uma empresa verificou que. Um problema. Rugosidade das superfícies

Rugosidade. O supervisor de uma empresa verificou que. Um problema. Rugosidade das superfícies A UU L AL A Rugosidade O supervisor de uma empresa verificou que os trabalhos de usinagem não estavam em condições de atender aos requisitos do projeto. Por isso, contratou um técnico para explicar ao

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

CURSO: Expressão Gráfica IV Semestre. PROFESSOR: Márcio Fontana Catapan ALUNO:

CURSO: Expressão Gráfica IV Semestre. PROFESSOR: Márcio Fontana Catapan ALUNO: APOSTILA DE DESENHO MECÂNICO 1 III PARTE CURSO: Expressão Gráfica IV Semestre PROFESSOR: Márcio Fontana Catapan ALUNO: CURITIBA / 2013 2 1. ESTADO DE SUPERFÍCIE O desenho técnico, além de mostrar as formas

Leia mais

Introdução à Nova Linguagem ISO de Especificação Geométrica de Produtos

Introdução à Nova Linguagem ISO de Especificação Geométrica de Produtos 1 Introdução à Nova Linguagem ISO de Especificação Geométrica de Produtos Parte 1: A classificação dos elementos geométricos de superfície e suas aplicações * José António Almacinha ** Resumo Neste artigo,

Leia mais

METODOLOGIA PARA ENSINAR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS EM UM CURSO DE ENGENHARIA

METODOLOGIA PARA ENSINAR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS EM UM CURSO DE ENGENHARIA METODOLOGIA PARA ENSINAR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS EM UM CURSO DE ENGENHARIA João Cirilo da Silva Neto jcirilo@araxa.cefetmg.br. CEFET-MG-Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-Campus IV,

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 257 33. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 33.1. Introdução As peças que serão retificadas, normalmente, chegam à retificadora com um sobremetal

Leia mais

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo.

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. EXPRESSÃO GRÁFICA Prof. Sérgio Viana Estas notas de aula são destinadas aos alunos que desejam ter um conhecimento básico de Expressão Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. 1 Caligrafia Técnica

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 06 Cotagem em Desenho Técnico Prof. Me. Dario de Almeida Jané COTAGEM EM DESENHO TÉCNICO Cotas são elementos de Desenho Técnico

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial.

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial. URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial Desenho Técnico Prof.ªElisa Maria Pivetta Cantarelli elisa@fw.uri.br Origem do

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real:

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real: 2.7. ESCALAS NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.1. OBJETIVO Fixa as condições exigíveis para o emprego de escalas e suas designações em desenho técnico e documentos semelhantes. 2.7.2. Conceito Escala é a relação

Leia mais

Medição tridimensional

Medição tridimensional A U A UL LA Medição tridimensional Um problema O controle de qualidade dimensional é tão antigo quanto a própria indústria, mas somente nas últimas décadas vem ocupando a importante posição que lhe cabe.

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO 1. OBJETIVO Este roteiro, baseado nas normas de desenho técnico em vigor, destina-se a orientar as empresas, interessadas em realizar ensaios para avaliações técnicas

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ Departamento Regional do Espírito Santo 3 _ Leitura e Interpretação de Desenho Técnico

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

Desenho de máquinas. Aula 3

Desenho de máquinas. Aula 3 Desenho de máquinas Aula 3 Cotagem A cotagem e a escolhas das vistas que irão compor um desenho, são os dois itens que mais exigem conhecimentos e experiência do engenheiro mecânico na área do Desenho

Leia mais

TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158

TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158 TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158 GENERALIDADES O sistema ISO de tolerâncias e ajustes é relativo às tolerâncias para dimensões de peças uniformes e os ajustes correspondem a sua montagem. Para

Leia mais

MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS

MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS Faculdade de Tecnologia de Sorocaba DEPARTAMENTO DE PROJETOS MECÂNICOS MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS RELATÓRIO FINAL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Aluno: Ricardo Lorenzati Machado Orientador:

Leia mais

CURSO: Expressão Gráfica IV Semestre. PROFESSOR: Márcio Fontana Catapan ALUNO:

CURSO: Expressão Gráfica IV Semestre. PROFESSOR: Márcio Fontana Catapan ALUNO: APOSTILA DE DESENHO MECÂNICO 1 I PARTE CURSO: Expressão Gráfica IV Semestre PROFESSOR: Márcio Fontana Catapan ALUNO: CURITIBA / 2014 2 1. CORTE Significa divisão, separação. Em desenho técnico, o corte

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6158. Sistema de tolerâncias e ajustes JUN 1995

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6158. Sistema de tolerâncias e ajustes JUN 1995 JUN 1995 Sistema de tolerâncias e ajustes NBR 6158 ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro -

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 10 - ELEMENTOS DE MÁQUINA (APOIO, ELÁSTICO E VEDAÇÃO) Notas de Aulas v.2015 ELEMENTOS DE APOIO BUCHAS Radial Axial Cônica ELEMENTOS DE APOIO BUCHAS ELEMENTOS DE

Leia mais

Projeções: leitura recomendada. Aulas 3, 4 e 10 da apostila Telecurso 2000

Projeções: leitura recomendada. Aulas 3, 4 e 10 da apostila Telecurso 2000 Projeções Projeções: leitura recomendada Aulas 3, 4 e 10 da apostila Telecurso 2000 Projeções: conceitos A projeção transforma pontos 3D (X, Y, Z) em 2D (xi,yi) Projeções: conceitos Raios de projeção emanam

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Mancais: São elementos de máquinas que suportam eixo girante, deslizante ou oscilante. São classificados em mancais de: Deslizamento

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas NBR 8403

Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas NBR 8403 Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de Execução de caracter para escrita em desenho técnico - NBR 8402 Execução de caracter para escrita

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica INTEGRAÇÃO CAD COM MÁQUINA DE MEDIR POR COORDENADAS PARA TROCA DE INFORMAÇÕES DE GD&T ATRAVÉS DO MODELO 3D

18º Congresso de Iniciação Científica INTEGRAÇÃO CAD COM MÁQUINA DE MEDIR POR COORDENADAS PARA TROCA DE INFORMAÇÕES DE GD&T ATRAVÉS DO MODELO 3D 18º Congresso de Iniciação Científica INTEGRAÇÃO CAD COM MÁQUINA DE MEDIR POR COORDENADAS PARA TROCA DE INFORMAÇÕES DE GD&T ATRAVÉS DO MODELO 3D Autor(es) FELIPE ALVES DE OLIVEIRA PERRONI Orientador(es)

Leia mais

Representação de cotas. Representaçã. Princípios de cotagem em Desenho Técnico 2. Princípios de cotagem em Desenho Técnico

Representação de cotas. Representaçã. Princípios de cotagem em Desenho Técnico 2. Princípios de cotagem em Desenho Técnico Princípios de cotagem em Desenho Técnico Representação de cotas Cotagem de projecções ortogonais múltiplas Cotagem de projecções ortogonais axonom étricas Alcínia Zita de Almeida Sampaio Representaçã ção

Leia mais

SENAI - CE Centro de Educação e Tecnologia Alexandre Figueira Rodrigues - CET AFR

SENAI - CE Centro de Educação e Tecnologia Alexandre Figueira Rodrigues - CET AFR Unidade Escolar CNPJ Razão Social Nome de Fantasia Esfera Administrativa Endereço (Rua, No) Cidade/UF/CEP Telefone/Fax E-mail de Contato Site da Unidade Área do Plano 03.768.202/0007-61 SEI - Centro de

Leia mais

Metrologia. Capítulo 7 Testes de. José Stockler C. Filho Flávio de Marco Filho

Metrologia. Capítulo 7 Testes de. José Stockler C. Filho Flávio de Marco Filho Metrologia Capítulo 7 Testes de Clique para editar o estilomáquinas do subtítulo mestreoperatrizes José Stockler C. Filho Flávio de Marco Filho Quais desvios podem impedir a motagem ou o funcionamento?

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

Vimos que, conforme as operações que fazem, as máquinas retificadoras podem ser classificadas em planas, cilíndricas universais e center less.

Vimos que, conforme as operações que fazem, as máquinas retificadoras podem ser classificadas em planas, cilíndricas universais e center less. Retificação plana Vimos que, conforme as operações que fazem, as máquinas retificadoras podem ser classificadas em planas, cilíndricas universais e center less. As retificadoras planas retificam peças

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Uma mola comprimida por uma deformação x está em contato com um corpo de massa m, que se encontra

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Com a introdução da automatização, os calibradores no entanto, vão perdendo a sua importância dentro do processo de fabricação.

Com a introdução da automatização, os calibradores no entanto, vão perdendo a sua importância dentro do processo de fabricação. Capítulo 7 CALIBRADORES 7.1 INTRODUÇÃO Calibradores são padrões geométricos corporificados largamente empregadas na indústria metal-mecânica. Na fabricação de peças sujeitas a ajuste, as respectivas dimensões

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE CALIBRAÇÕES NO GRUPO DE SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM METROLOGIA DIMENSIONAL. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE CALIBRAÇÕES NO GRUPO DE SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM METROLOGIA DIMENSIONAL. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE CALIBRAÇÕES NO GRUPO DE SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM METROLOGIA DIMENSIONAL Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-004 Revisão 02 FEV/2010

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont Questão 01 O registro representado na Figura 1 é composto por vários componentes mecânicos, muitos deles, internamente à caraça. Peças com essa característica são difíceis de representar em desenhos técnicos,

Leia mais

Peça Corte Visualização Representação

Peça Corte Visualização Representação Cortes Prof. Cristiano Arbex 2012 Corte: Em Desenho Técnico tem o significado de secção, separação. É um procedimento imaginário que permite a visualização das partes internas de uma peça, sendo usado

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Relógios Comparadores. Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli Anderson César Silva

Relógios Comparadores. Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli Anderson César Silva Relógios Comparadores Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli Anderson César Silva 1 Conteúdos 2 Medição diferencial O relógio comparador mecânico Aspectos metrológicos Calibração de relógios comparadores

Leia mais

Parâmetros de rugosidade

Parâmetros de rugosidade Parâmetros de rugosidade A UU L AL A A superfície de peças apresenta perfis bastante diferentes entre si. As saliências e reentrâncias (rugosidade) são irregulares. Para dar acabamento adequado às superfícies

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento.

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2 Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. Aviso Importante Certifique-se de verificar o nível de óleo como é descrito a seguir: 1. Nível

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015 Aula 01 Introdução DEFINIÇÃO Desenho Técnico é a linguagem técnica e gráfica empregada para expressar e documentar formas, dimensões, acabamento,

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 4/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 4/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 4/5: 11. Cotagem 12. Escala Prof. Víctor O. Gamarra

Leia mais

Normalizar é Preciso. Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características

Normalizar é Preciso. Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características Normas Técnicas Normalizar é Preciso Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características Norma Técnica Uma norma técnica é um documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo

Leia mais

Os caracteres de escrita

Os caracteres de escrita III. Caracteres de Escrita Os caracteres de escrita ou letras técnicas são utilizadas em desenhos técnicos pelo simples fato de proporcionarem maior uniformidade e tornarem mais fácil a leitura. Se uma

Leia mais

Rolamentos de Rolos Cilíndricos

Rolamentos de Rolos Cilíndricos Rolamentos de Rolos Cilíndricos Tolerância Página 52 Folga interna Página 64 axial Página 34 Modelos e Formatos Os Rolamentos de Rolos Cilíndricos NACHI são produzidos em uma larga variedade de projetos

Leia mais

5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA

5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA 40 5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA Propriedade: O lugar geométrico dos pontos do plano situados a uma distância constante r de um ponto fixo O é a circunferência de centro O e raio r. Notação: Circunf(O,r). Sempre

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação Suporte para amostras de pequeno porte e engastadas modelo SB-AP ATCP Engenharia Física Rua Lêda Vassimon, n 735-A - Ribeirão Preto - SP / Brasil CEP 14026-567 Telefone:

Leia mais

Polias, Correias e Transmissão de Potência

Polias, Correias e Transmissão de Potência Polias, Correias e Transmissão de Potência Blog Fatos Matemáticos Prof. Paulo Sérgio Costa Lino Maio de 2013 Introdução Figura 1: Esquema de duas polias acopladas através de uma correia As polias são peças

Leia mais

Os paquímetros distinguem-se pela faixa de indicação, pelo nônio, pelas dimensões e forma dos bicos.

Os paquímetros distinguem-se pela faixa de indicação, pelo nônio, pelas dimensões e forma dos bicos. Capítulo 3 PAQUÍMETRO 3.1 ASPECTOS GERAIS 3.1.1 Definição O Paquímetro (figura 3.1) é o resultado da associação de: uma escala, como padrão de comprimento; dois bicos de medição, como meios de transporte

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2014

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2014 Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC Paulino Botelho Ensino Técnico Código: 091 Município: São Carlos - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores Robótica Industrial Projeto de Manipuladores Robôs são os típicos representantes da Mecatrônica. Integram aspectos de: Manipulação Sensoreamento Controle Comunicação 1 Robótica e Mecatrônica 2 Princípios

Leia mais

Introdução. elementos de apoio

Introdução. elementos de apoio Introdução aos elementos de apoio A UU L AL A Esta aula - Introdução aos elementos de apoio - inicia a segunda parte deste primeiro livro que compõe o módulo Elementos de máquinas. De modo geral, os elementos

Leia mais

6. TOLERÂNCIAS DE ACABAMENTO SUPERFICIAL - RUGOSIDADE

6. TOLERÂNCIAS DE ACABAMENTO SUPERFICIAL - RUGOSIDADE 6. Tolerâncias de Acabamento Superficial - Rugosidade - 110-6. TOLERÂNCIAS DE ACABAMENTO SUPERFICIAL - RUGOSIDADE 6.1 Introdução As superfícies de peças apresentam irregularidades quando observadas em

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R

GSR-R. Tipo separado de guia linear (radial) modelo GSR-R Tipo separado de guia linear (radial) modelo Trilho com cremalheira Recirculador Raspador Bloco Diagrama de Seleção A Posições de montagem Opcionais Codificação Precauções de uso Acessórios para lubrificação

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

E-QP-ECD-070 REV. C 01/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE MICRÔMETRO EXTERNO - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-070 REV. C 01/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE MICRÔMETRO EXTERNO - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE MICRÔMETRO EXTERNO - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o

Leia mais

TREINAMENTOS TÉCNICOS

TREINAMENTOS TÉCNICOS 0000 TREINAMENTOS TÉCNICOS TEÓRICOS E PRÁTICOS CONHECIMENTO.TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA SUA EMPRESA A Empresa Ao longo dos 19 anos de sua existência, a PRIMEIRA LINHA COMERCIAL DE ROLAMENTOS LTDA, tem direcionado

Leia mais

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção.

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. Os mancais em geral têm como finalidade servir de apóio às

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA ETE Cel. Fernando Febeliano da Costa REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA 1 o Ciclo de Técnico Mecânica Apostila baseada nas anotações de Professores e do TC 2000 Técnico Distribuição gratuita

Leia mais

Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ Departamento Regional do Espírito Santo 3 _ Leitura e Interpretação de Desenho Técnico

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Engenharia Mecatrônica Tecnologias de Comando Numérico Prof. Alberto J. Alvares TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC 1. Peça Exemplo: Elaborar um programa

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: METALMECÂNICA Aperfeiçoamento

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº Milton 2014 DEFINIÇÃO Desenho Técnico é a linguagem técnica

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar NORMAS TÉCNICAS APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 3 Profª Sheyla Mara Baptista Serra Agosto de 2008 3 NORMAS TÉCNICAS Conhecer

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANIELO GRECO DIVINÓPOLIS

CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANIELO GRECO DIVINÓPOLIS CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANIELO GRECO DESENHO TÉCNICO DIVINÓPOLIS 2005 Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica Diretor Regional do SENAI e Superintendente

Leia mais

Descrição B. Cilindro sensor PD 40..

Descrição B. Cilindro sensor PD 40.. Descrição B Cilindro sensor PD 40.. PT 1. Segurança 2 2. unção 3 3. Transporte 8 4. Montagem 8 5. Instalação 9 6. Comissionamento 10 7. uncionamento/operação 10 8. Eliminação de falhas / Reparação 11 9.

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D

FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D MÓDULO 2 METROLOGISTA 3D NÍVEL B André Roberto de Sousa Seja como for, a grandiosa Revolução Humana de uma única pessoa irá um dia impulsionar a mudança total do destino

Leia mais

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo:

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 161, de 30 de setembro de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO

ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO Aluna: Patricia Carvalho Souza Luciana Martins Orientadora: Anna Virgínia Machado Normalização do Desenho Técnico Objetivo da normalização: A padronização ou normalização

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 10400 TRATORES AGRÍCOLAS - DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E DESEMPENHO FÓRUM NACIONAL DE NORMALIZAÇÃO 1 TRATORES AGRÍCOLAS - DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 01 APROVADO POR PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1 BOMBAS: 1. Bombas e Motores As bombas hidráulicas são o coração do sistema, sua principal função é converter energia mecânica em hidráulica. São alimentadas

Leia mais

ENGRENAGENS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ENGRENAGENS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ENGRENAGENS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá INTRODUÇÃO Engrenagens são utilizadas para transmitir movimento de um eixo rotativo para outro ou de um eixo rotativo para outro que translada (rotação

Leia mais

KISSsoft 03/2014 Tutorial 6

KISSsoft 03/2014 Tutorial 6 KISSsoft 03/2014 Tutorial 6 Editor de Eixos-Árvore KISSsoft AG Rosengartenstrasse 4 8608 Bubikon Suiça Telefone: +41 55 254 20 50 Fax: +41 55 254 20 51 info@kisssoft.ag www.kisssoft.ag Índice 1 Começando

Leia mais

Vibtech. Aparelhos de Apoio de Estruturas em Elastômero Fretado. Propondo soluções e inovando em tecnologia. Vibrachoc

Vibtech. Aparelhos de Apoio de Estruturas em Elastômero Fretado. Propondo soluções e inovando em tecnologia. Vibrachoc Vibtech Aparelhos de Apoio de Estruturas em Elastômero Fretado desde 1973 Propondo soluções e inovando em tecnologia Vibrachoc Vibtech é uma empresa do grupo 3ISA, especializada no controle de choque,

Leia mais