Os Fundamentos da Física

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Fundamentos da Física"

Transcrição

1 TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 1 s Fundamentos da Física (8 a edição) AMALH, NCLAU E TLED Tema especial DNÂMCA DAS TAÇÕES 1. Momento angula de um ponto mateial, 1 2. Momento angula de um sistema de pontos mateiais, 2 3. Consevação do momento angula, 3 1. MMENT ANGULA DE UM PNT MATEAL Momento angula ou momento da quantidade de movimento mv de um ponto mateial P, em elação a um ponto, é a gandeza vetoial L que possui as seguintes caacteísticas: Módulo: L mvd, sendo d a distância do ponto à eta s, supote da velocidade v (figua 1). s mv P d L mvd P (veto posição) Figua 1. α Dieção: da eta pependicula ao plano α definido pela eta s e pelo ponto. Sentido: dado pela ega da mão dieita, como indicado na figua 2. L mv Figua 2. dedo polega indica o sentido de L quando os demais dedos são semidobados no sentido de paa mv. α No S, a unidade do módulo do momento angula é kg m2 s.

2 2 S FUNDAMENTS DA FÍ SCA Momento angula de um ponto mateial em movimento cicula unifome Considee um ponto mateial P que ealiza um movimento cicula unifome de cento, com velocidade de módulo v e velocidade angula ω (figua 3). Vamos calcula o módulo do momento angula L, em elação ao cento. Temos: L mvd; d ; v ω. Assim: L mω L m 2 ω d v ω P s L Vetoialmente, sendo ω a velocidade de otação cujo sentido é o mesmo de L e cujo módulo é igual à velocidade angula ω temos: L m 2 ω. Figua 3. mv Momento de inécia de um ponto mateial A gandeza escala m 2, que apaece na conclusão anteio, é indicada pela leta e ecebe o nome de momento de inécia do ponto mateial P em elação ao ponto : m 2. No S, a unidade de momento de inécia é kg m 2. Assim, temos: L ω 2. MMENT ANGULA DE UM SSTEMA DE PNTS MATEAS momento angula L de um sistema de pontos mateiais, em elação a um ponto, é a soma vetoial dos momentos angulaes dos pontos que constituem o sistema: L L 1 L 2... L n n L i i 1 Momento angula de um copo extenso em otação unifome em tono de um eixo fixo Considee um copo em otação unifome, em tono de um eixo fixo (figua 4). Paa cada ponto P i, de massa m i e a uma distância i do eixo de otação, podemos esceve: L i m i i2 ω, sendo ω o veto de otação, suposto constante. L L momento angula total L do copo é dado po: L n i 1 L i i P i n 2 L m i i i 1 Nesse caso, o momento de inécia do copo em elação ao n i 1 eixo de otação é dado po: m i 2 i. Nestas condições, o momento angula do copo é dado pela mesma equação aplicada ao ponto mateial: L l ω ω Figua 4.

3 TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 3 momento de inécia depende da massa do copo e de como ela se distibui em elação ao eixo de otação. momento de inécia mede a esistência que o copo opõe à otação. De fato, patindo da igualdade L lω, concluímos: paa o mesmo L, quanto maio fo, meno é ω. 3. CNSEVAÇÃ D MMENT ANGULA Se o momento (toque) das foças que atuam num copo em otação é nulo, então o momento angula pemanece constante. Nessas condições, esulta em módulo: L lω constante Se o copo fo defomável, sendo L lω constante, vem: se aumenta, ω diminui e, se diminui, ω aumenta. É o caso da bailaina giando em tono de seu eixo vetical de otação com os baços estendidos e com velocidade angula ω 1, sendo l 1 seu momento de inécia em elação ao eixo. Fechando os baços, o momento de inécia diminui paa l 2 (l 2 l 1 ) e sua velocidade angula passa a se ω 2. Como l 1 ω 1 l 2 ω 2, esulta ω 2 ω 1 (figua 5). l 1 ω 1 l 2 ω 2 l 1 l 2 ω 2 ω 1 Figua 5. Vejamos algumas situações envolvendo a consevação do momento angula. 3.1 Atleta ealizando um salto motal Considee o eixo hoizontal que passa pelo cento de gavidade do atleta. À medida que o atleta sobe, seu momento de inécia em elação ao eixo diminui e sua velocidade angula aumenta. Duante a descida, o momento de inécia aumenta e a velocidade angula diminui (figua 6). Figua 6.

4 4 S FUNDAMENTS DA FÍ SCA 3.2 Cadeia giatóia jovem da figua 7 enconta-se sentado numa cadeia giatóia, sem encosta os pés no chão e com os baços estendidos. Uma outa pessoa gia a cadeia em tono do eixo vetical. A segui, o jovem fecha os baços. momento de inécia do sistema, em elação ao eixo, diminui; conseqüentemente, ele passa a gia mais depessa, isto é, sua velocidade angula aumenta. efeito obsevado é mais acentuado quando o jovem segua um pa de haltees. Figua Cadeia giatóia e oda de bicicleta Considee uma cadeia que pode gia em tono de seu eixo vetical, paticamente sem atito. Uma pessoa enconta-se sentada na cadeia, sem encosta os pés no chão e seguando o eixo de uma oda de bicicleta. A oda, com seu eixo disposto hoizontalmente, é colocada em otação (figua 8a). A componente vetical do momento angula do sistema é nula. Como o toque exteno vetical é nulo, há consevação da componente vetical do momento angula, isto é, a componente vetical do momento angula pemanece nula. Po outo lado, se a pessoa mantive o eixo da oda na vetical, com a oda giando num ceto sentido, a cadeia passa a gia em sentido oposto: os momentos angulaes L e L se anulam (figua 8b). L L (a) Figua 8. (b)

5 TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES Helicópteo e a hélice lateal taseia Considee um helicópteo dotado, além da hélice pincipal, de uma hélice meno na lateal taseia (figua 9a). Figua 9a. Quando o moto é ligado, a hélice pincipal gia, impulsionando o a paa baixo. Pelo pincípio da ação-e-eação, o a aplica na hélice uma foça vetical paa cima e, assim, o helicópteo sobe. Qualque vaiação da velocidade angula da hélice poduz uma vaiação de seu momento angula. Seja T o toque das foças populsoas, esponsável po essa vaiação de momento angula da hélice e T a eação do toque T, agindo no copo do helicópteo (figua 9b). T T Figua 9b. toque T tende a gia o copo do helicópteo em sentido oposto ao da hélice pincipal. Paa que isso não ocoa, é necessáia a existência da hélice lateal. Esta, ao gia, empua o a e, pelo pincípio da ação-e-eação, o a empua a hélice com uma foça F, que se tansmite à cauda do helicópteo. toque T que a foça F poduz no copo do helicópteo anula o toque T, o que dá estabilidade ao apaelho (figua 9c). T F Figua 9c.

6 6 S FUNDAMENTS DA FÍ SCA Execícios esolvidos.1 Um ponto mateial de massa m 3,0 kg ealiza um movimento cicula unifome de aio 0,5 m e velocidade escala v 10 m/s. Seja o cento da cicunfeência descita. Calcule, em elação ao ponto : a) o momento de inécia do ponto mateial; b) o módulo do momento angula do ponto mateial. Solução: a) De m 2, sendo m 3,0 kg e 0,5 m, vem: 3,0 (0,5) 2 0,75 kg m 2 b) módulo do momento angula é dado po: L mv L 3,0 10 0,5 L 15 kg m 2 /s espostas: a) 0,75 kg m 2 ; b) L 15 kg m 2 s.2 Calcule o módulo do momento angula de um sistema constituído de duas patículas, 1 e 2, em elação ao ponto, no instante indicado na figua. As massas e as velocidades das patículas 1 e 2 são, espectivamente: m 1 1,0 kg; m 2 2,0 kg; v 1 5,0 m/s e v 2 10 m/s. 1 1,0 m v 1 ; m 1 v 2 ; m 2 2,0 m 2 Solução: s módulos dos momentos angulaes L 1 e L 2 das patículas 1 e 2 são dados po: L 1 m 1 v 1 d 1 1,0 5,0 1,0 L 1 5,0 kg m 2 /s L 2 m 2 v 2 d 2 2,0 10 2,0 L 2 40 kg m 2 /s Aplicando a ega da mão dieita, deteminamos o sentido de L 1 : entando no plano do papel. Pela mesma ega, concluímos o sentido de L 2 : saindo do mesmo plano. Assim, o módulo do momento angula do sistema de patículas é dado pela difeença dos módulos: esposta: 35 kg m 2 /s L L 2 L 1 L 40 5,0 L 35 kg m 2 /s.3 Um hamste é colocado numa gaiola cilíndica, que pode gia sem atito em tono de seu eixo. hamste, de massa m, começa a se desloca com velocidade escala constante igual a v, em elação ao solo. aio da gaiola é e seu momento de inécia, em elação ao eixo, é. Detemine: a) o módulo do momento angula do hamste em elação ao eixo (considee o hamste um ponto mateial); b) a velocidade angula da gaiola. Solução: a) momento angula do hamste tem módulo dado po: L H mvd v Sendo d, vem: L H mv Pela ega da mão dieita concluímos que o sentido do veto L H é o do eixo. b) módulo do momento angula da gaiola é dado po: L G ω toque das foças que agem no sistema, em elação ao eixo de otação, é nulo. Logo, há consevação do momento angula. nicialmente o sistema está em epouso e o momento angula total é nulo. Paa que o momento angula continue nulo, devemos impo que L H e L G tenham mesma dieção, mesmo módulo e sentidos opostos. Note, então, que o sentido de L G é oposto ao do eixo e, po isso, o cilindo gia no sentido indicado na figua. mpondo L H L G (módulos iguais), esulta: espostas: a) L H mv; b) ω mv mv ω ω mv

7 TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 7 Execícios Popostos P.1 Um ponto mateial de massa m 1,0 kg ealiza um movimento cicula unifome de aio 2,0 m. Sendo o cento da cicunfeência descita, calcule: a) momento de inécia do ponto mateial, em elação ao ponto. b) módulo da velocidade do ponto mateial, sabendo que o módulo de seu momento angula, em elação ao ponto, é de 10 kg m 2 /s. P.2 Calcule o módulo do momento angula de um sistema constituído de duas patículas, 1 e 2, em elação aos pontos B e, no instante indicado na figua. B 20 cm 20 cm v 2 v 1 10 cm 10 cm 1 2 m 1 m 2 As massas e as velocidades das patículas 1 e 2 são, espectivamente: m 1 2,0 kg; m 2 3,0 kg; v 1 4,0 m/s e v 2 6,0 m/s. P.3 Ao longo da boda de uma platafoma hoizontal, de foma cicula de massa M e aio, são dispostos tilhos. A platafoma e um pequeno tem de massa m, colocado sobe os tilhos, estão em movimento de otação em tono do eixo vetical, com velocidade angula ω 0 (figua a). Num ceto instante o tem começa a se desloca sobe os tilhos com velocidade de módulo u, em elação à platafoma. sentido de movimento do tem é o mesmo sentido de otação da platafoma (figua b). ω 0 Figua a. u Figua b. Despeze os atitos. Detemine a nova velocidade angula ω da platafoma (o momento de inécia da platafoma em elação ao eixo é dado po: M 2 2.

8 8 S FUNDAMENTS DA FÍ SCA Testes Popostos (s testes T.1 a T.10 foam popostos pela Fuvest nas povas de tansfeência paa a USP.) T.1 Um copo de massa 3 kg move-se a uma velocidade escala constante de 4 m/s sobe um cículo de aio 5 m. Após algumas evoluções sobe o cículo, o copo escapa e se movimenta em linha eta, mantendo o mesmo valo de velocidade e a mesma dieção do instante de escape. momento angula do copo antes de escapa e o momento angula do copo após o escape, calculados em elação ao cento do cículo são (em kg m 2 /s), espectivamente, de: a) 12 e 0 c) 60 e 60 e) 60 e 0 b) 12 e 12 d) 60 e 12 T.2 Dois objetos estão se movendo como mosta a figua abaixo. 1,0 m 30 v 1 2 m/s m 1 3 kg 1,5 m 60 v m/s m 2 6 kg momento angula total em tono do ponto é (no S) de: a) 12 b) 10 c) 6 d) 2 e) 0 (Use este enunciado paa esolve as questões T.3 e T.4.) Um copo de massa m pecoe, com velocidade angula constante ω, em sentido anti-hoáio, uma tajetóia cicula de aio, cujo cento C dista d da oigem do sistema de coodenadas xy, como mosta a figua. y a) (d cosωt) i senωt j b) ( d) cosωt i senωt j c) i j d) ( d) senωt i ( d) cosωt j e) (d ) i j T.4 Duante o movimento, o valo máximo do módulo do momento angula do copo em elação à oigem do sistema de coodenadas é: a) mω 2 d) mω(d ) 2 b) mω(d ) e) mωd c) mω(d ) T.5 Uma platafoma cicula, de massa M e aio, gia livemente, com velocidade angula ω, em tono de um eixo fixo, pependicula a ela, passando pelo seu cento. Seu momento de inécia em elação a esse eixo é M 2 2. Uma pequena bola de mateial viscoso, de massa m, cai veticalmente sobe a platafoma, à distância do seu cento, gudando-se nela instantaneamente. A velocidade angula final da platafoma é: 2 M m a) M ω d) 2M m ω 2M M m 2M b) ω e) M 2M m ω c) M M m ω T.6 No instante t 0, uma patícula de massa m é abandonada, em epouso, no ponto ai bk, sob a ação da gavidade, cuja aceleação é epesentada po g gk. toque e o momento angula da patícula, em elação à oigem do sistema de coodenadas e em função do tempo t são, espectivamente: a) mga k; mgat k d) zeo; zeo b) mgaj; mgat j e) mgb k; zeo c) zeo; mgat j d T.3 Sabendo que o copo está passando pelo ponto P no instante t 0, a equação que desceve sua posição em elação à oigem do sistema de coodenadas, em função do tempo t, é dada po: C P x T.7 Um sistema é fomado po dois copos A e B, ambos com massa m e ligados po uma haste de compimento L. Num dado instante, as velocidades dos dois copos são paalelas ente si e pependiculaes A v A à baa, sendo v A v v B B e v B 2v, como mosta a figua. módulo do momento angula do sistema em elação ao seu cento de massa vale: a) mlv c) 3mLv 2 e) 2mLv b) mlv 2 d) zeo

9 TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 9 T.8 Uma pessoa de massa m está paada na boda de uma platafoma hoizontal, de foma cicula, com aio e momento de inécia, que pode gia livemente em tono de um eixo vetical que passa pelo cento desse cículo. nicialmente, a platafoma está em epouso em elação ao solo. Num dado instante, a pessoa começa a anda ao longo da boda da platafoma, até atingi uma velocidade de módulo v em elação ao solo. Nesse instante, a velocidade angula da platafoma vale: mv v a) zeo c) e) m v v b) d) m 3 T.9 Uma patícula de massa m 2,0 kg move-se no plano xy ao longo de uma eta paalela ao eixo y, em x 5,0 m, com velocidade v 3,0t j m/s. módulo do momento angula da patícula, em kg m 2 /s, e o toque da foça esultante sobe a patícula, em N m, ambos em elação à oigem, no instante t 2,0 s, são iguais, espectivamente, a: a) 60 e 30 d) 60 e 100 b) 60 e 60 e) zeo e zeo c) 30 e 100 T.10 João enconta-se em pé, em epouso, sobe uma platafoma hoizontal que pode gia livemente, sem atito, em tono de um eixo vetical. A platafoma está paada e João está seguando uma oda de bicicleta, de momento de inécia, que gia com velocidade angula constante ω, em tono do eixo vetical, em sentido hoáio, quando vista de cima. Em ceto instante, João invete a posição da oda de bicicleta de tal foma que ela passa a gia com a mesma velocidade angula ω, mas em sentido anti-hoáio quando vista de cima. Nessa situação final, o sistema fomado pela platafoma e po João, quando visto de cima, tem momento angula de módulo igual a: a) zeo. b) ω e gia em sentido hoáio. c) ω e gia em sentido anti-hoáio. d) 2ω e gia em sentido hoáio. e) 2ω e gia em sentido anti-hoáio. (s testes T.11 a T.16 foam popostos no Exame Nacional de Física paa acesso ao Ensino Supeio em Potugal.) T.11 Uma haste, de massa despezível e compimento d, oda, no plano xy, em tono de um eixo fixo que passa pelo ponto médio da haste e é pependicula ao efeido plano. Nas extemidades da haste encontam-se pesas duas esfeas de massas m 1 e m 2. módulo do momento angula do sistema, em elação ao ponto, num instante em que a velocidade das esfeas, supostas pontos mateiais, tem módulo v, é: a) zeo d) (m 1 m 2 )vd b) ( m 1 m 2 ) v d c) ( m 1 m 2 ) v 2d e) ( m 1 m 2 ) vd 2 T.12 Dois patinadoes, cada um de massa m, movemse numa pista de gelo em tajetóias paalelas, sepaadas ente si po uma distância d, com velocidades de igual módulo v e de sentidos opostos. módulo do momento angula do sistema constituído pelos dois patinadoes, em elação a qualque ponto, é: a) mvd d) zeo b) 2mvd e) mvd 2 c) mv T.13 Uma ciança senta-se num banco giatóio com os baços encostados ao copo e pede que façam gia o banco em tono de um eixo vetical que passa pelo cento do sistema ciança banco. Num dado instante, com o sistema ciança banco a gia solidaiamente, a ciança abe os baços e volta a encostá-los ao copo. Considee despezível o efeito do atito ente o banco e o eixo vetical. Selecione a afimação vedadeia. a) Quando a ciança abe os baços, o momento de inécia do sistema, em elação ao eixo de otação, diminui. b) Quando a ciança abe os baços, o módulo da velocidade angula do sistema diminui. c) Quando a ciança fecha os baços, o momento de inécia do banco, em elação ao seu cento de massa, diminui. d) Que a ciança aba ou feche os baços, o módulo da velocidade angula do sistema mantém-se. e) Que a ciança aba ou feche os baços, o momento angula do banco, em elação ao eixo de otação, mantém-se.

10 10 S FUNDAMENTS DA FÍ SCA T.14 Uma bailaina, com os baços cuzados sobe o peito, odopia com velocidade angula ω, numa pista de gelo hoizontal. Quando a bailaina abe os baços, fazendo vaia o seu momento de inécia em elação ao eixo de otação, que se mantém fixo, a sua velocidade angula diminui. gáfico que taduz como vaia o módulo da velocidade angula ω em função do momento de inécia da bailaina é: a) X d X d Y Y b) Qual das expessões taduz o módulo do momento de inécia do sistema X Y em elação ao eixo vetical? a) 9m X d 2 X b) 2m X d 2 X c) 5m X d 2 X d) 3m X d 2 X e) 8m X d 2 X c) T.16 Um disco de massa M e aio pode oda com atito despezível em tono de um eixo que lhe é pependicula e passa pelo seu cento. momento de inécia do disco, em elação ao eixo de otação, é 1 2 M 2. disco, inicialmente em epouso, é atingido po um pedaço de plasticina, de massa m e velocidade v i, que se cola no ponto A de sua peifeia, como indica a figua. d) A v i e) T.15 Dois copos, X e Y, de massas espectivamente m X e m Y 2 m X, estão fixos numa haste que pode oda em tono de um eixo vetical que passa pelo ponto. As distâncias do cento de massa dos copos X e Y ao ponto são, espectivamente, d X e d Y 2d X. A massa da haste é despezível em elação à massa de cada um dos copos. módulo da velocidade do pedaço de plasticina, imediatamente após se te colado ao disco, é: 2mv a) i 2m M b) c) mv i 2m M 2mv i M d) v i e) zeo

11 TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 11 Execícios (Popostos no Exame Nacional de Física paa acesso ao Ensino Supeio em Potugal.) P.4 Uma haste homogênea de compimento d e momento de inécia pode oda, sem atito, em tono de um eixo fixo que passa pelo seu cento P e é pependicula m v ao plano xy. nicialmente a haste está em epouso na 1 Md 2 posição vetical. Um pojétil de massa m e velocidade 12 hoizontal v colide com a haste, ficando incustado na extemidade desta. P P y a) Qual é o momento esultante das foças aplicadas ao M 3m sistema haste pojétil duante a colisão? M M b) Estabeleça uma expessão paa a velocidade angula da haste, logo após a colisão, em função de v e d. P.5 Um caossel começa a oda e adquie, ao fim de 1 minuto, velocidade constante igual a 0,5 volta po segundo. Uma ciança de pé sobe o caossel, à distância de 2,0 m do espectivo eixo de otação, tem um momento angula igual a 100π J s. Consideando g 10 m/s 2, detemine: a) o valo do peso da ciança; b) o valo da foça de atito que se deve exece sobe a ciança paa que ela não deslize sobe a platafoma, supondo que não tem qualque outo supote. P.6 A figua epesenta uma placa etangula homogênea e de espessua constante, que oda em tono do eixo hoizontal AB, com velocidade angula ω 0 7,0 ad s 1, no sentido indicado. momento de inécia da placa em elação ao eixo efeido é de 2, kg m 2. Despeze os atitos. Esfea 40 cm Uma pequena esfea, de massa igual a 50 g, deslocando-se na hoizontal no B P instante em que colide pependiculamente à placa, incusta-se nela no ponto P; este ponto é o cento de massa da metade supeio da placa. A velocidade 40 cm angula do sistema, logo após a incustação, eduz-se paa 1,8 ad s 1, continuando a placa a oda no mesmo sentido. a) Detemine o momento de inécia do sistema, em elação ao eixo AB, após A a incustação da esfea. b) Calcule o módulo da velocidade da esfea, imediatamente antes do impacto com a placa. c) Detemine o módulo da vaiação do momento linea da esfea ente os instantes imediatamente antes do choque e logo após a incustação na placa. P.7 Um disco homogêneo, de massa M e aio, oda numa supefície plana e hoizontal com velocidade angula constante de módulo ω, no sentido indicado na figua, em tono de um eixo fixo, que passa pelo cento do disco. momento de inécia do disco em elação ao eixo efeido é 1 2 M 2 e o módulo da velocidade de qualque dos pontos da sua peifeia é v. x Um copo de massa m M 2 é lançado hoizontalmente segundo uma tajetóia etilínea tangente ao disco com uma velocidade v vi, de módulo igual ao da velocidade de um ponto da peifeia do disco. m Tajetóia do copo y z i x Admita que, imediatamente após a colisão, o copo segue na mesma dieção e sentido que tinha antes da colisão. Despeze os efeitos do atito no eixo do disco, ente o copo e a supefície hoizontal e ente o disco e essa supefície. a) epesente as foças de inteação ente o disco e o copo, duante a colisão. Tenha atenção no tamanho elativo dos vetoes. b) Moste que é nulo o momento angula do sistema disco copo, imediatamente antes da colisão, em elação ao ponto. c) Qual é a elação ente o módulo, a dieção e o sentido do momento angula do disco e o módulo, a dieção e o sentido do momento angula do copo, imediatamente após a colisão, elativamente ao ponto?

12 12 S FUNDAMENTS DA FÍ SCA espostas Complemento Dinâmica das otações Execícios popostos P.1 a) 4,0 kg m 2 b) 5,0 m/s P.2 L B 0; L 0,5 3 kg m 2 /s P.3 mu ω ω 0 (0,5M m) P.4 a) momento esultante é nulo. b) ω v d F DC : foça execida pelo disco sobe o copo F CD : foça execida pelo copo sobe o disco F DC F CD : (ação-e-eação) b) Módulo do momento angula do copo em elação ao ponto : L C M 2 v (1) Módulo do momento angula do disco em elação ao ponto : L D ω L D 1 2 M2 v L D M 2 v (2) P.5 a) 2, N b) 4, N P.6 a) 2, kg m 2 b) 10,04 m/s c) 5, kg m/s P.7 a) F DC F CD De (1) e (2), esulta: L C L D Pela ega da mão dieita, pode-se conclui que L C e L D têm mesma dieção e sentidos opostos. Logo: L C L D 0 c) s momentos angulaes do copo e do disco apesentam mesmo módulo, mesma dieção e sentidos opostos. Testes popostos T.1 c T.2 e T.3 a T.4 c T.5 e T.6 b T.7 b T.8 c T.9 a T.10 d T.11 e T.12 a T.13 b T.14 a T.15 a T.16 a

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1 Instituto Escola Supeio Politécnico de Tecnologia ÁREA INTERDEPARTAMENTAL Ano lectivo 010-011 011 Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Eecícios de Electomagnetismo Ficha 1 Conhecimentos e capacidades

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Polícia odoviáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica 3.4. OÇAS EM TAJETÓIAS CUILÍNEAS Se lançamos um copo hoizontalmente, póximo a supefície da Tea, com uma velocidade inicial de gande intensidade, da odem de

Leia mais

Universidade de Évora Departamento de Física Ficha de exercícios para Física I (Biologia)

Universidade de Évora Departamento de Física Ficha de exercícios para Física I (Biologia) Univesidade de Évoa Depatamento de Física Ficha de eecícios paa Física I (Biologia) 4- SISTEMA DE PARTÍCULAS E DINÂMICA DE ROTAÇÃO A- Sistema de patículas 1. O objecto epesentado na figua 1 é feito de

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira ensidade de Fluxo Elético Pof aniel ilveia Intodução Objetivo Intoduzi o conceito de fluxo Relaciona estes conceitos com o de campo elético Intoduzi os conceitos de fluxo elético e densidade de fluxo elético

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 03

LISTA COMPLETA PROVA 03 LISTA COMPLETA PROVA 3 CAPÍTULO 3 E. Quato patículas seguem as tajetóias mostadas na Fig. 3-8 quando elas passam atavés de um campo magnético. O que se pode conclui sobe a caga de cada patícula? Fig. 3-8

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ ESOLUÇÃO DA AALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 0/08/ POFESSO: MALTEZ QUESTÃO 0 A secção tansvesal de um cilindo cicula eto é um quadado com áea de m. O volume desse cilindo, em m, é: A

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

MECÂNICA. F cp. F t. Dinâmica Força resultante e suas componentes AULA 7 1- FORÇA RESULTANTE

MECÂNICA. F cp. F t. Dinâmica Força resultante e suas componentes AULA 7 1- FORÇA RESULTANTE AULA 7 MECÂICA Dinâmica oça esultante e suas componentes 1- ORÇA RESULTATE oça esultante é o somatóio vetoial de todas as foças que atuam em um copo É impotante lemba que a foça esultante não é mais uma

Leia mais

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas Aplicação da ei Gauss: Algumas distibuições siméticas de cagas Como utiliza a lei de Gauss paa detemina D s, se a distibuição de cagas fo conhecida? s Ds. d A solução é fácil se conseguimos obte uma supefície

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO AULA 10 IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO 1- INTRODUÇÃO Nesta aula estudaemos Impulso de uma foça e a Quantidade de Movimento de uma patícula. Veemos que estas gandezas são vetoiais e que possuem a mesma

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E Questão 1 Dois pilotos iniciaam simultaneamente a disputa de uma pova de automobilismo numa pista cuja extensão total é de, km. Enquanto Máio leva 1,1 minuto paa da uma volta completa na pista, Júlio demoa

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

MECÂNICA. Dinâmica Atrito e plano inclinado AULA 6 1- INTRODUÇÃO

MECÂNICA. Dinâmica Atrito e plano inclinado AULA 6 1- INTRODUÇÃO AULA 6 MECÂNICA Dinâmica Atito e plano inclinado 1- INTRODUÇÃO Quando nós temos, po exemplo, duas supefícies em contato em que há a popensão de uma desliza sobe a outa, podemos obseva aí, a apaição de

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Profissional SENAI Plínio Gilberto Kröeff MECÂNICA TÉCNICA

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Profissional SENAI Plínio Gilberto Kröeff MECÂNICA TÉCNICA SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Pofissional SENAI Plínio Gilbeto Köeff MECÂNICA TÉCNICA Pofesso: Dilma Codenonsi Matins Cuso: Mecânica de Pecisão São Leopoldo 2009 1 SUMÁRIO

Leia mais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Módulo 5: Conteúdo pogamático Eq da continuidade em egime Pemanente Bibliogafia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Pentice Hall, 7. Eoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Popiedades Intensivas:

Leia mais

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência Lista de Execícios Capítulo Citéios de Resistência 0.7 A tensão de escoamento de um mateial plástico é y 0 MPa. Se esse mateial é submetido a um estado plano de tensões ocoe uma falha elástica quando uma

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Escola de Engenharia. 1 Cinemática 2 Dinâmica 3 Estática

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Escola de Engenharia. 1 Cinemática 2 Dinâmica 3 Estática UNIVERSIDDE PRESITERIN MKENZIE Escola de Engenhaia 1 inemática 2 Dinâmica 3 Estática 1ºs/2006 1) Uma patícula movimenta-se, pecoendo uma tajetóia etilínea, duante 30 min com uma velocidade de 80 km/h.

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

Gregos(+2000 anos): Observaram que pedras da região Magnézia (magnetita) atraiam pedaços de ferro;

Gregos(+2000 anos): Observaram que pedras da região Magnézia (magnetita) atraiam pedaços de ferro; O Campo Magnético 1.Intodução: Gegos(+2000 anos): Obsevaam que pedas da egião Magnézia (magnetita) ataiam pedaços de feo; Piee Maicout(1269): Obsevou a agulha sobe imã e macou dieções de sua posição de

Leia mais

CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO. 1. Leis Físicas Fundamentais. 3 leis escoamentos independentes da natureza do fluido

CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO. 1. Leis Físicas Fundamentais. 3 leis escoamentos independentes da natureza do fluido CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO 1. Leis Físicas Fundamentais 3 leis escoamentos independentes da natueza do fluido Leis Básicas Equações Fundamentais Lei da Consevação de Massa Equação

Leia mais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais Mecânica Clássica (icenciatuas em Física Ed., Química Ed.) Folha de oblemas 4 Movimentos de coos sob acção de foças centais 1 - Uma atícula de massa m move-se ao longo do eixo dos xx, sujeita à acção de

Leia mais

Movimentos: Variações e Conservações

Movimentos: Variações e Conservações Movimentos: Vaiações e Consevações Volume único Calos Magno S. da Conceição Licinio Potugal Lizado H. C. M. Nunes Raphael N. Púbio Maia Apoio: Fundação Ceciej / Extensão Rua Visconde de Niteói, 1364 Mangueia

Leia mais

DINÂMICA ATRITO E PLANO INCLINADO

DINÂMICA ATRITO E PLANO INCLINADO AULA 06 DINÂMICA ATRITO E LANO INCLINADO 1- INTRODUÇÃO Quando nós temos, po exemplo, duas supefícies em contato em que há a popensão de uma desliza sobe a outa, podemos obseva aí, a apaição de foças tangentes

Leia mais

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I FOÇA NT CAGAS LÉTICAS O CAMPO LTOSTÁTICO Os pimeios fenômenos de oigem eletostática foam obsevados pelos gegos, 5 séculos antes de Cisto. les obsevaam que pedaços de âmba (elekta), quando

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

r r r r r S 2 O vetor deslocamento(vetor diferença) é aquele que mostra o módulo, a direção e o sentido do menor deslocamento entre duas posições.

r r r r r S 2 O vetor deslocamento(vetor diferença) é aquele que mostra o módulo, a direção e o sentido do menor deslocamento entre duas posições. d d A Cinemática Escala estuda as gandezas: Posição, Deslocamento, Velocidade Média, Velocidade Instantânea, Aceleação Média e Instantânea, dando a elas um tatamento apenas numéico, escala. A Cinemática

Leia mais

DISCIPLINA ELETRICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈRE

DISCIPLINA ELETRICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈRE DISCIPLINA ELETICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈE A LEI DE AMPÈE Agoa, vamos estuda o campo magnético poduzido po uma coente elética que pecoe um fio. Pimeio vamos utiliza uma técnica, análoga a Lei de

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:20. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:20. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, LISTA 3 - Pof Jason Gallas, DF UFPB 1 de Junho de 13, às 18: Execícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfedo Calson Gallas, pofesso titula de física teóica, Douto em Física pela Univesidade Ludwig Maximilian

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

Sistemas de Referência Diferença entre Movimentos Cinética. EESC-USP M. Becker /58

Sistemas de Referência Diferença entre Movimentos Cinética. EESC-USP M. Becker /58 SEM4 - Aula 2 Cinemática e Cinética de Patículas no Plano e no Espaço Pof D Macelo ecke SEM - EESC - USP Sumáio da Aula ntodução Sistemas de Refeência Difeença ente Movimentos Cinética EESC-USP M ecke

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

1ª Aula do Cap. 6 Forças e Movimento II

1ª Aula do Cap. 6 Forças e Movimento II ATRITO 1ª Aula do Cap. 6 Foças e Movimento II Foça de Atito e Foça Nomal. Atito e históia. Coeficientes de atito. Atito Dinâmico e Estático. Exemplos e Execícios. O efeito do atito ente duas supefícies

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência..4 apacitância e Susceptância apacitiva de Linhas de Tansmissão Pofesso:. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SCOL POLITÉCIC UIVRSI SÃO PULO epatamento de ngenhaia ecânica P 100 CÂIC 1 Pova Substitutiva 1 de julho de 017 - uação: 110 minutos (não é pemitido o uso de celulaes, tablets, calculadoas e dispositivos

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

a ± g Polícia Rodoviária Federal Física Aula 2 de 5 Prof. Dirceu Pereira 2.5.4. MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO

a ± g Polícia Rodoviária Federal Física Aula 2 de 5 Prof. Dirceu Pereira 2.5.4. MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO Polícia odoiáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica ula de 5.5.4. MOVIMENTO VETIL NO VÁUO O moimento etical de um copo póimo ao solo é chamado de queda lie quando o copo é abandonado no ácuo ou se considea despezíel

Leia mais

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA ESCOL DE ESPECILISTS DE ERONÁUTIC CONCURSO DE DMISSÃO O CS /00 PROV DE MTEMÁTIC ÍSIC QUÍMIC CÓDIGO D PROV 9 MRQUE NO CRTÃO DE RESPOSTS O CÓDIGO D PROV. s questões de 0 a 0 efeem se a Matemática 0 Se a

Leia mais

Prova Teórica. Terça-feira, 5 de Julho de 2005

Prova Teórica. Terça-feira, 5 de Julho de 2005 36 a Olimpíada Intenacional de Física. Salamanca (Espanha) 5 Pova Teóica Teça-feia, 5 de Julho de 5 Po favo, le estas instuções antes de inicia a pova:. O tempo disponível paa a pova teóica é de 5 hoas..

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta Atenção: Esceva a esolução COMPLETA de cada questão no espaço esevado paa a mesma. Não basta esceve apenas o esultado final: é necessáio mosta os cálculos e o aciocínio utilizado. Utilize g 10m/s e π3,

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Vesão pelimina de setembo de Notas de Aula de ísica 8. CONSRVAÇÃO DA NRGIA... ORÇAS CONSRVATIVAS NÃO-CONSRVATIVAS... TRABALHO NRGIA POTNCIAL... 4 ORÇAS CONSRVATIVAS - NRGIA MCÂNICA... 4 negia potencial

Leia mais

Unidade temática 1: Energia: Conservação, transformação e degradação

Unidade temática 1: Energia: Conservação, transformação e degradação Unidade temática 1: Enegia: Consevação, tansfomação e degadação A- O tabao. 1- oça. As foças podem defoma os copos ou povoca a vaiação da sua veocidade num dado intevao de tempo. São gandezas caacteizadas

Leia mais

- Física e Segurança no Trânsito -

- Física e Segurança no Trânsito - - Física e Seguança no Tânsito - - COLISÕES E MOMENTUM LINEAR - COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES O QUE É MELHOR: - Se atopelado

Leia mais

XForça. Um corpo, sobre o qual não age nenhuma força, tende a manter seu estado de movimento ou de repouso. Leis de Newton. Princípio da Inércia

XForça. Um corpo, sobre o qual não age nenhuma força, tende a manter seu estado de movimento ou de repouso. Leis de Newton. Princípio da Inércia Física Aistotélica of. Roseli Constantino Schwez constantino@utfp.edu.b Aistóteles: Um copo só enta em movimento ou pemanece em movimento se houve alguma foça atuando sobe ele. Aistóteles (384 a.c. - 3

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenhaia Tansmissão de calo 3º Ano Aula 4 Aula Pática- Equação Difeencial de Tansmissão de Calo e as Condições de Contono Poblema -4. Calcula a tempeatua no

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues ula 5 Veto Posição, plicações do Poduto Escala Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Tópicos bodados Nesta ula Vetoes Posição. Veto Foça Oientado ao Longo de

Leia mais

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez Fenômenos de Tanspote I Aula Pof. D. Gilbeto Gacia Cotez 8. Escoamento inteno iscoso e incompessíel 8. Intodução Os escoamentos completamente limitados po supefícies sólidas são denominados intenos. Ex:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido

Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido Cap.1: Rotação de um Copo Rígido Do pofesso paa o aluno ajudando na avaliação de compeensão do capítulo. Fundamental que o aluno tenha lido o capítulo. 1.8 Equilíbio Estático Estudamos que uma patícula

Leia mais

FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO

FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO MECÂNICO APOSTILA FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO Auto: Pof.D. Auteliano Antunes dos Santos Junio Esta apostila

Leia mais

Energia no movimento de uma carga em campo elétrico

Energia no movimento de uma carga em campo elétrico O potencial elético Imagine dois objetos eletizados, com cagas de mesmo sinal, inicialmente afastados. Paa apoximá-los, é necessáia a ação de uma foça extena, capaz de vence a epulsão elética ente eles.

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecânica

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecânica ESCOL POLITÉCNIC D UNIVESIDDE DE SÃO PULO Depatamento de Engenhaia ecânica PE 100 ecânica Pova de ecupeação - Duação 100 minutos 05 de feveeio de 013 1 - Não é pemitido o uso de calculadoas, celulaes,

Leia mais

A dinâmica estuda as relações entre as forças que actuam na partícula e os movimentos por ela adquiridos.

A dinâmica estuda as relações entre as forças que actuam na partícula e os movimentos por ela adquiridos. CAPÍTULO 4 - DINÂMICA A dinâmica estuda as elações ente as foças que actuam na patícula e os movimentos po ela adquiidos. A estática estuda as condições de equilíbio de uma patícula. LEIS DE NEWTON 1.ª

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

11 Vamos dar uma voltinha?

11 Vamos dar uma voltinha? A U A UL LA Vamos da uma votinha? A patinadoa desiza sobe o geo, baços estendidos, movimentos eves, música suave. De epente encohe os baços junto ao copo, gia veozmente como um pião, vota a estende os

Leia mais

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I FGE7 Eleticidade e Magnetismo I Lista de execícios 5 9 1. Quando a velocidade de um eléton é v = (,x1 6 m/s)i + (3,x1 6 m/s)j, ele sofe ação de um campo magnético B = (,3T) i (,15T) j.(a) Qual é a foça

Leia mais

Exercício 1 Escreva as coordenadas cartesianas de cada um dos pontos indicados na figura abaixo. Exemplo: A=(1,1). y (cm)

Exercício 1 Escreva as coordenadas cartesianas de cada um dos pontos indicados na figura abaixo. Exemplo: A=(1,1). y (cm) INTRODUÇÃO À FÍSICA tuma MAN / pofa Mata F Baoso EXERCÍCIOS Eecício Esceva as coodenadas catesianas de cada um dos pontos indicados na figua abaio Eemplo: A=(,) (cm) F E B A - O (cm) - D C - - Eecício

Leia mais

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I FGE7 Eleticidade e Magnetismo I Lista de execícios 9 1. Uma placa condutoa uadada fina cujo lado mede 5, cm enconta-se no plano xy. Uma caga de 4, 1 8 C é colocada na placa. Enconte (a) a densidade de

Leia mais

Cap014 - Campo magnético gerado por corrente elétrica

Cap014 - Campo magnético gerado por corrente elétrica ap014 - ampo magnético geado po coente elética 14.1 NTRODUÇÃO S.J.Toise Até agoa os fenômenos eléticos e magnéticos foam apesentados como fatos isolados. Veemos a pati de agoa que os mesmos fazem pate

Leia mais

DA TERRA À LUA. Uma interação entre dois corpos significa uma ação recíproca entre os mesmos.

DA TERRA À LUA. Uma interação entre dois corpos significa uma ação recíproca entre os mesmos. DA TEA À LUA INTEAÇÃO ENTE COPOS Uma inteação ente dois copos significa uma ação ecípoca ente os mesmos. As inteações, em Física, são taduzidas pelas foças que atuam ente os copos. Estas foças podem se

Leia mais

Polícia Rodoviária Federal. Exercícios de Física Aula 1 de 5. Prof. Dirceu Pereira UNIDADE 1 - NOÇÕES SOBRE VETORES. 1) Não são grandezas vetoriais:

Polícia Rodoviária Federal. Exercícios de Física Aula 1 de 5. Prof. Dirceu Pereira UNIDADE 1 - NOÇÕES SOBRE VETORES. 1) Não são grandezas vetoriais: UNIDADE 1 - NOÇÕES SOBRE VETORES 1) Não são gandezas vetoiais: a) tempo, deslocamento e foça. b) foça, velocidade e aceleação. c) tempo, tempeatua e volume. d) tempeatua, velocidade e volume. ) (Unitau-SP)

Leia mais

7.3. Potencial Eléctrico e Energia Potencial Eléctrica de Cargas Pontuais

7.3. Potencial Eléctrico e Energia Potencial Eléctrica de Cargas Pontuais 7.3. Potencial Eléctico e Enegia Potencial Eléctica de Cagas Pontuais Ao estabelece o conceito de potencial eléctico, imaginamos coloca uma patícula de pova num campo eléctico poduzido po algumas cagas

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

Dinâmica do Movimento Circular

Dinâmica do Movimento Circular Dinâmica do Movimento Cicula Gabaito: Resposta da questão 1: [E] A fita F 1 impede que a gaota da cicunfeência extena saia pela tangente, enquanto que a fita F impede que as duas gaotas saiam pela tangente.

Leia mais

. Essa força é a soma vectorial das forças individuais exercidas em q 0 pelas várias cargas que produzem o campo E r. Segue que a força q E

. Essa força é a soma vectorial das forças individuais exercidas em q 0 pelas várias cargas que produzem o campo E r. Segue que a força q E 7. Potencial Eléctico Tópicos do Capítulo 7.1. Difeença de Potencial e Potencial Eléctico 7.2. Difeenças de Potencial num Campo Eléctico Unifome 7.3. Potencial Eléctico e Enegia Potencial Eléctica de Cagas

Leia mais

Grandezas vetoriais: Além do módulo, necessitam da direção e do sentido para serem compreendidas.

Grandezas vetoriais: Além do módulo, necessitam da direção e do sentido para serem compreendidas. NOME: Nº Ensino Médio TURMA: Data: / DISCIPLINA: Física PROF. : Glênon Duta ASSUNTO: Gandezas Vetoiais e Gandezas Escalaes Em nossas aulas anteioes vimos que gandeza é tudo aquilo que pode se medido. As

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio Fenômenos de Tanspote Equações Básicas na Foma Integal - I Pof. M. Sc. Lúcio P. Patocínio Objetivos Entende a utilidade do teoema de Tanspote de Reynolds. Aplica a equação de consevação da massa paa balancea

Leia mais

setor 1202 Aulas 39 e 40 ESTUDO DO CAMPO ELÉTRICO

setor 1202 Aulas 39 e 40 ESTUDO DO CAMPO ELÉTRICO seto 10 100508 ulas 39 e 40 ESTUDO DO CMPO ELÉTRICO CMPO DE UM CRG PUNTIFORME P E p = f (, P) Intensidade: E K = Dieção: eta (, P) Sentido: 0 (afastamento) 0 (apoximação). (FUVEST) O campo elético de uma

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA FORÇA CENTRÍFUGA 1. Resumo Um copo desceve um movimento cicula unifome. Faz-se vaia a sua velocidade de otação e a distância ao eixo de otação, medindo-se a foça centífuga em função destes dois paâmetos..

Leia mais

Rolamentos rígidos de esferas

Rolamentos rígidos de esferas Rolamentos ígidos de esfeas Os olamentos ígidos de esfeas estão disponíveis em váios tamanhos e são os mais populaes ente todos os olamentos. Esse tipo de olamento supota cagas adiais e um deteminado gau

Leia mais

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Aula 6 META Intoduzi aos alunos conceitos básicos das ondas eletomagnéticas: como elas são poduzidas, quais são suas caacteísticas físicas, e como desceve matematicamente sua popagação.

Leia mais

3. Estática dos Corpos Rígidos. Sistemas de vectores

3. Estática dos Corpos Rígidos. Sistemas de vectores Secção de Mecânica Estutual e Estutuas Depatamento de Engenhaia Civil e Aquitectua ESTÁTICA Aquitectua 2006/07 3. Estática dos Copos ígidos. Sistemas de vectoes 3.1 Genealidades Conceito de Copo ígido

Leia mais

Romero Tavares. Vestibulares da UFPB. Provas de Física Resolvidas de 1994 até 1998

Romero Tavares. Vestibulares da UFPB. Provas de Física Resolvidas de 1994 até 1998 Romeo Taaes Vestibulaes da UFPB Poas de Física Resolidas de 994 até 998 João Pessoa, outubo de 998 Pof. Romeo Taaes - (8)5-869 Apesentação Romeo Taaes é Bachael em Física pela Uniesidade Fedeal de Penambuco,

Leia mais

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Centro de Massa O centro de massa de um sistema de partículas é o ponto que se move

Leia mais

TRABALHO E POTÊNCIA. O trabalho pode ser positivo ou motor, quando o corpo está recebendo energia através da ação da força.

TRABALHO E POTÊNCIA. O trabalho pode ser positivo ou motor, quando o corpo está recebendo energia através da ação da força. AULA 08 TRABALHO E POTÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Uma foça ealiza tabalho quando ela tansfee enegia de um copo paa outo e quando tansfoma uma modalidade de enegia em outa. 2- TRABALHO DE UMA FORÇA CONSTANTE. Um

Leia mais

E = F/q onde E é o campo elétrico, F a força

E = F/q onde E é o campo elétrico, F a força Campo Elético DISCIPLINA: Física NOE: N O : TURA: PROFESSOR: Glênon Duta DATA: Campo elético NOTA: É a egião do espaço em ue uma foça elética pode sugi em uma caga elética. Toda caga elética cia em tono

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE

MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE I-MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE II-MOVIMENTO DE QUEDA COM RESISTÊNCIA DO AR MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE 1 1 QUEDA LIVRE A queda live é um movimento de um copo que, patindo do epouso, apenas está sujeito à inteacção

Leia mais

Condensador esférico Um condensador esférico é constituído por uma esfera interior de raio R e carga

Condensador esférico Um condensador esférico é constituído por uma esfera interior de raio R e carga onensao esféico Um conensao esféico é constituío po uma esfea inteio e aio e caga + e uma supefície esféica exteio e aio e caga. a) Detemine o campo eléctico e a ensiae e enegia em too o espaço. b) alcule

Leia mais