Ivan Correr (UNIMEP) Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) Milton Vieira Junior (UNIMEP)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep."

Transcrição

1 X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Avaliação do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem, po meio da análise da técnica de pé ajustagem de feamentas. - van Coe (UMEP) Ronaldo de Oliveia Matins (UMEP) Milton Vieia Junio (UMEP) Resumo A cescente globalização da competição exige um pocesso contínuo de inovação dos sistemas de manufatua, obigando as empesas a implementa tecnologias inovadoas paa mante a vantagem competitiva. Devido a este cenáio, muitas empesas do Paque ndustial Basileio do amo de usinagem, estão buscando a competitividade na compa de maquináios modenos. o entanto, todos estes ecusos tecnológicos, na maioia das vezes, são sub-utilizados, pois esbaam em uma aplicação ineficiente das técnicas de supote elacionadas ao apoio e pepaação da máquina feamenta. Potanto, este atigo apesenta uma avaliação das hoas impodutivas e do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem a pati da técnica de pé-ajustagem de feamentas de cote utilizadas pela empesa. Palavas-chave: Redução de set-up, Pé-ajustagem de feamentas, Máquinas-feamenta CC ntodução O cescimento da intecionalização da competição tem ciado novas pespectivas e caacteísticas mecadológicas que estão alteando os atuais padões de competitividade. Ao se desloca do mecado local paa o global, a competição ocoe ente empesas que tem, ou buscam te, desempenho de classe mundial. Sob esse aspecto, poém, o mecado global está mais desafiante do que nunca e, cada vez mais, exige um pocesso contínuo de inovação dos sistemas de manufatua, induzindo as empesas a geaem e se utilizaem de feamentas necessáias paa vence os desafios, encoajando a aplicação de tecnologias inovadoas (Manufatua ntegada po Computado, Gestão da Qualidade, Just-n-ime, Engenhaia Simultânea, etc) que ciem opotunidades paa novos podutos, seviços e pocessos industiais (GU, 992 apud SMO, 200).. ecnologia CC Vonotas e Xue (997) obsevaam que a implementação da tecnologia CC, isto é, a aplicação de máquinas feamenta a contole numéico (CC) foi o que ecebeu a maio concentação de esfoços e o maio volume de investimentos po pate das empesas nos últimos anos, tanto nos países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento.

2 X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 As empesas investem em máquinas feamentas CC paa aumenta sua capacidade competitiva atavés, do aumento da flexibilidade, da melhoia da qualidade, da edução dos tempos de ciclos e da habilidade de poduzi lotes pequenos de maneia econômica. Poém, se os métodos e pocessos de implantação e opeação utilizados pela empesas são, em si, inadequados e ineficientes, a tecnologia somente vai evidencia os poblemas existentes, e não soluciona-los (SLACK et al., 997). Simon (200), identificou que uma das pincipais causas elacionadas aos poblemas de disponibilidade e flexibilidade das máquinas feamentas, ocoia em deteminadas atividades elacionadas com a pepaação da máquina (elaboação do pogama CC, tansfeência do pogama paa a máquina e a pé-ajustagem das feamentas de cote)..2 Pé-Ajustagem de feamentas Uma das maioes pacelas de tempo na pepaação das máquinas-feamenta paa sua utilização é consumida na pé-ajustagem das feamentas, ou seja, na deteminação e coeção de suas medidas. A análise e edução dos tempos envolvidos nessa etapa do pocesso de manufatua, conseqüentemente, são de fundamental impotância paa se obte um maio tempo podutivo disponível da máquina (SMO, 200). Bead (998), sugee que o ideal é fonece paa a maquina feamenta um conjunto de feamentas qualificado paa um deteminado tabalho, antes de começa toda a pepaação da máquina. Uma vez montadas as feamentas nos seus espectivos alojamentos, pati dietamente paa a podução, sem a necessidade de a feamenta toca a peça e sem utiliza uma peça teste. Um dos pocessos utilizados pelos usuáios de máquina feamenta CC, paa detemina as medidas da feamenta é a usinagem expeimental, com uma medição posteio da peça e com isso a coeção das medidas das feamentas. este caso, pimeiamente, intoduz-se no comando da máquina a medida das feamentas deteminadas de foma apoximada. Após uma pequena usinagem expeimental, mede-se a peça novamente. Os desvios de medidas deteminados em elação às dimensões do desenho são intoduzidos no comando, como dados de coeção paa a espectiva feamenta (DEGARMO et al., 997). Dependendo do tipo de máquina, essa opeação consome, em média 50 a 75% do tempo gasto na substituição de uma feamenta. Ou seja, ajusta cada feamenta utilizando-se esse pocesso pode se muito demoado. Duante esse pocesso de ajustagem, as máquinas estão poduzindo cavaco, o que compomete sua podutividade (WCK, 995). Um outo tipo de pocesso é a utilização de apaelhos de pé-ajustagem de feamentas, os pesettes, que pemitem executa o ajuste das feamentas que seão utilizadas na máquina peviamente e foa da máquina de maneia ápida e com uma pecisão tal, que os dados de coeção de feamenta podem se tansfeidos ao comando CC com total confiança e sem peda de tempo. o caso deste tipo de pocesso, as dimensões da aesta de cote da feamenta em elação ao ponto de efeência, são devidamente deteminadas. Ou seja, a feamenta já montada em seu supote, é colocada em um equipamento de pé-ajustagem, na qual este possui o mesmo fomato e alojamento do supote de feamenta da máquina CC. Então as medidas das feamentas podem se deteminadas ótica ou mecanicamente, e os dados são intoduzidos no comando da maquina duante a pepaação da maquina. A pé-ajustagem e medição de feamentas foa da máquina poduzem economias significativas, tendo em vista que os ajustes na pimeia peça podem se eduzidos ou até mesmo eliminados, dependendo apenas da toleância equeida. É um meio ápido e confiável de afeição de diâmetos e compimentos de feamentas, na qual elimina a necessidade de usa a máquina como um dispositivo de afeição e ajustagem de feamentas (ORO, 990; WCK, 995).

3 X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Gupo de máquinas CC otal de máquinas otal de máquinas que ÃO utilizam sistema de pesette onos CC Centos de usinagem Mandiladoas CC Fesadoas CC otal de máquinas CC no paque industial basileio otal de máquinas CC que ÃO utilizam pesette Fonte: Simon (200) abela - Máquinas-feamenta CC instaladas no paque industial basileio X Quantidade de máquinasfeamenta CC ÃO apoiadas po apaelhos de pé-ajustagem de feamentas do paque industial basileio (SMO, 200) As vantagens da utilização de apaelhos de pé-ajustagem são muitas, como não apenas pemite elimina os tempos gastos no pocesso citado anteiomente, como também se pode minimiza ou elimina outas vaiáveis do tempo de pepaação das feamentas. Com estas vantagens, aumentam-se os ganhos em podutividade e eduzem-se os custos e o tempo de fabicação do poduto. Além do mais, com a implantação deste pocedimento pemite-se eduzi a taxa de efugo decoente da atividade de pepaação da maquina, povê ainda uma foma de identifica poblemas de disponibilidade de feamentas antes mesmo de se inicia a pepaação da máquina, aumentando o tempo de aanque de cavaco em pelo menos 20% (BEARD, 998). Uma pesquisa feita po Mason (2000), elatou que no final da década de 70, nos Estados Unidos, ea peciso um gande esfoço no sentido de convence os usuáios de tecnologias CC, a gande impotância e extema necessidade de utiliza os apaelhos de pé-ajustagem de feamentas. Hoje, estes apaelhos já fazem pate integante dos pacotes de tecnologia CC. o caso dos países industialmente mais desenvolvidos, as industias adquiem este equipamento e utilizam sem qualque questionamento, entetanto, Simon (200), identificou a ausência do uso de pesette exteno de feamentas como uma das pincipais causas paa a sub-utilização de máquinas CC, no paque industial basileio (abela ). 2 Objetivo do Pojeto Com base nos agumentos apesentados, o uso inadequado da tecnologia CC pode não popicia os benefícios pometidos, pejudicando o pocesso de modenização tecnológica das empesas com o conseqüente compometimento da sua competitividade. Potanto, o pesente tabalho visa avalia o índice de utilização das máquinas-feamenta CC de usinagem em uma empesa de usinagem, a pati da análise das técnicas de pé-ajustagem de feamentas de cote, bem como detemina a elação ente o tempo impodutivo, geado pelo uso de técnicas inadequadas paa executa a atividade de pé-ajustagem de feamentas. 3 Medotologia Segundo Agostinho (998), o índice de utilização ( u ) de uma máquina ou equipamento define o pecentual de tempo ealmente tabalhado ou tempo efetivamente disponível paa o tabalho ( t ) que é dado pela difeença ente o tempo disponível ( d ) e o tempo impodutivo ( ), consideando-se () máquinas em estudo. (Equação )

4 X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 di u = di i ou i () u = di Paa a atividade de supote de pé-ajustagem de feamentas, a analise é feita na situação em que a atividade é executada na máquina com usinagem expeimental, medição da peça e coeção dos dados da feamenta. Duante a execução dessa opeação a máquina não está poduzindo cavaco. A técnica utilizada como efeência paa análise é a execução dessa atividade com apoio de um apaelho de pé-ajustagem de feamenta (pesette). esta condição pate do tempo de pepaação é tansfomado em pepaação extena, aumentando a disponibilidade da máquina paa opeação. Segundo Simon (200), o índice de utilização de máquinas-feamenta CC é dada pela seguinte equação (Equação 2): fi (2) uf = dfi Onde, fi é o tempo impodutivo decoente da pé-ajustagem de feamenta paa uma máquina (i); dfi é o tempo total disponível de uma máquina (i); e é a quantidade de máquinas em estudo. O tempo impodutivo ( fi ) é função do tempo adicional gasto na atividade de pé-ajustagem de uma feamenta ( afi ) quando não se utiliza apaelho de pé-ajustagem, do númeo de pepaações ( pafi ) executadas no peíodo em estudo, e do númeo de feamentas ( fi ) necessáias a cada pepaação (paa usina a peça). O tempo adicional ( afi ) é obtido a pati de estudos de tempos nos quais se compaam os tempos gastos na atividade de pé-ajustagem de feamentas utilizando-se a técnica da usinagem expeimental, com os gastos utilizando-se apaelho de pé-ajustagem exteno de feamentas. Paa efeito de cálculo, sugee-se utiliza os esultados dos estudos de tempo fonecidos pelos fabicantes de apaelhos de pé-ajustagem de feamentas, paa divesos tipos de máquina. Potanto o cálculo do tempo impodutivo da pé-ajustagem de feamenta paa uma máquina ( fi ) é dado pela Equação 3 =.. então: = =.. (3) fi afi pafi fi f O tempo adicional ( afi ) gasto na atividade de pé-ajustagem de uma feamenta é função das caacteísticas específicas de cada máquina e, potanto, vaia de um tipo de máquina paa outo. O númeo de pepaações ( pafi ) executadas no peíodo vaia em função do mix e cadência de podução de cada tipo de máquina, e o númeo de feamentas ( fi ) necessáias em cada pepaação (paa executa a peça) vaia em função do tipo de peça e de máquina. Desta foma o tempo impodutivo deve se expesso em função dos gupos de máquinas em estudo, consideando-se (n) gupos de máquinas constituídos de, v,..., w máquinas (Equação 4). fi afi pafi fi f = fi =.( af. paf. f ) + v.( af 2. paf 2. f 2 ) w.( afn. pafn. fn ) (4)

5 X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Já o tempo total disponível é dado pela soma dos tempos totais disponíveis de cada gupo de máquinas no peíodo em estudo, consideando-se (n) gupos de máquinas constituídos de, v,..., w máquinas (Equação 5). dfi =. + v w ou = ( + v w). (5) df df 2. dfn dfi df Potanto, substituindo a equação do tempo impodutivo total decoente da pé-ajustagem (Equação 4) em elação ao tempo total disponível da máquina (Equação 5) na equação do índice de utilização de máquinas CC (Equação 2), obtém-se a expessão apesentada na Equação 6: uf [(. af. paf. f ) + ( v. af 2. paf 2. f 2 ) ( w. afn. pafn. fn ) = (6) ( + v w). df 4 Resultados e discussão A Empesa escolhida paa a pesquisa é do amo de usinagem com apoximadamente 200 funcionáios. o chão de fábica existem apoximadamente 75 máquinas das quais 53 (7 tonos, 22 centos de usinagem, 2 mandiladoas e 22 fesadoas) possuem comando numéico computadoizado (CC), e opeam em dois tunos de 8 hoas cada. Paa detemina o índice de utilização das máquinas feamentas CC e o tempo impodutivo total em função da não utilização das técnicas de pé-ajustagem de feamentas, foi elaboado um questionáio paa coleta de dados, afim detemina o númeo médio de pepaações e a quantidade média de feamentas utilizadas nos pocessos de usinagem. A abela 2 apesenta o valo médio de pepaações executadas e a quantidade média de feamentas utilizadas no pocesso de usinagem da empesa paa cada gupo de máquina. Estes dados foam coletados pelo supeviso geal da áea de usinagem da empesa e elatados no questionáio elaboado. ipo de máquina úmeo médio de pepaações po tuno po peça Quantidade média de feamentas necessáias paa usina uma peça padão ono CC 3,5 5 Cento de Usinagem,5 2 Mandiladoa CC 2 8 Fesadoa CC 3 2 abela 2 úmeo médio de pepaações executadas e quantidade média de feamentas utilizadas O índice de utilização das máquinas feamentas CC em função da técnica de pé-ajustagem de feamentas é dado pela Equação 6, deduzida anteiomente, onde as vaiáveis (,v,..., w) estão elacionadas a quantidade de máquinas em elação a seu tipo ou modelo, sendo: = 7 (quantidade de tonos CC); v = 22 (quantidade de centos de usinagem); = 2 (quantidade de mandiladoas CC) e w = 22 (quantidade de fesadoas CC) Paa o tempo adicional gasto na atividade de pé-ajustagem de feamentas ( af ), foi adotado os valoes fonecidos pelos estudos ealizados da empesa note-ameicana Davis ool, em

6 X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 conjunto com a empesa alemã Zolle, tadicional fabicante de apaelhos de pé-ajustagem de feamentas. A abela 3, apesenta os valoes do tempo adicional ( af ) paa cada tipo de máquina, quando não se utiliza apaelho de pé-ajustagem de feamenta (pesette). Paa os gupos de máquinas mandiladoas CC e fesadoas CC, foam adotados os mesmos valoes dos gupos de centos de usinagem po se tata de máquinas que executam basicamente as mesmas opeações. Gupo de máquinas empo de pepaação (minutos) empo Feamenta não péajustada Feamenta péajustada Adicional ( af ) minutos ono CC 5,92 2,58 3,34 Cento de usinagem 3,50 0,83 2,67 Mandiladoas CC 3,50 0,83 2,67 Fesadoas CC 3,50 0,83 2,67 Fonte: Zolle & Davis ool abela 3 - empo adicional gasto na atividade de pé-ajustagem de feamentas quando não se utiliza Pesette Paa os cálculos do númeo de pepaações de feamentas executadas em um ano ( af ), e o tempo total disponível de cada máquina em um ano ( df ), foi consideado dois tunos de tabalho (cada um com 8 hoas), um peíodo de análise de um ano e uma média de 252 dias úteis po ano. (abela 4). ipo de Máquina º de máquinas af (tempo adicional min) paf (númeo de pepaações executadas em um ano) f (númeo de feamentas necessáias em cada pepaação) df (empo total disponível de cada máquina em um ano) ono CC 7 3, Cento usinagem 22 2, Mandiladoa 2 2, Fesadoa 22 2, abela 4 - Valoes a seem utilizados na equação paa a deteminação do valo do índice de utilização das máquinas feamentas CC Resolvendo as equações anteiomente citadas, pode-se detemina que: o índice de utilização das máquinas-feamenta CC em função da técnica utilizada pela empesa no pocesso de pé-ajustagem de feamentas ( uf ) é de 0,85 ou 85%; o tempo impodutivo total, devido a utilização de técnicas inadequadas paa péajustagem de feamentas ( f ), está geando um volume de hoas impodutivas po ano na empesa. 5 Consideações finais Muitas empesas possuem um maquináio modeno em seu chão de fábica, entetanto a má utilização destes ecusos, como técnicas inadequadas na pé-ajustagem de feamentas limitam e conseqüentemente compometem a sua competitividade.

7 X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Paa se te uma maio pecepção dos esultados obtidos nestes atigo, o volume total de hoas impodutivas geadas ( hoas) epesenta o equivalente a 7 máquinas-feamenta paadas na empesa duante um ano, o que significa 4,4% da capacidade instalada da empesa. Potanto é de fundamental impotância desenvolve tabalhos visando a melhoia da podutividade em ambiente CC, pois o tempo gasto no seu desenvolvimento tem influência dieta no tempo do ciclo dos podutos e não agega valoes aos mesmos. Refeências: Agostinho, O.L. Os sistemas devem se adapta ao desejo dos consumidoes. Máquinas e Metais, São Paulo, v.27, n.37, p.44-5, 992. Bead,., 998, Settting tools makes small shop sense. Moden Machine Shop, Cincinnati, v.70, n.8, p.79-83, 998. Degamo, E.P.; Black, J.J.; Koshe, R.A., 997, Mateials and pocess in manufactuing. *th ed. Uppe Sadded Rive: Pentice Hall, p.259, 997. Mason, F.A., 2000, ool balancing fo high-speed milling. Machine Shop Guide, p.40-52, oton, J., 990, ooling is ead fo CM. ooling & Poduction, 990. Simon, A.., 200, Condições de Utilização de ecnologia CC: Um Estudo paa Máquinas feamentas de usinagem na ndústia Basileia. Dissetação (Mestado), Unicamp, Campinas. Slack,. et al. Administação da podução. São Paulo:Atlas,997. Vonotas, S..; XUE, L., 997. Pocess inovation in small fims: case studies on CC machine tools. echnovation, v.7, n.8, p , 997. Wick, C.H., 995, Electonic tool gaging inceases C poductivit. Manufactuing Engineeing & Management, 995. Zolle & Davis ool, Pofitabilit.Catálogo.

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cusos e Empeendimentos VER Ltda Nome Fantasia: Micolins Unidade Nova Lima Data de fundação: 09/03/2007

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Depyl Action Depilações Ltda-ME Nome Fantasia: Depyl Action - Especializada em Depilação Data

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA

DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA Femin A. Tang Montané Pogama de Engenhaia de Sistemas, COPPE/UFRJ Vigílio José Matins Feeia Filho Depatamento de Engenhaia Industial/ UFRJ/ Escola

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Módulo 5: Conteúdo pogamático Eq da continuidade em egime Pemanente Bibliogafia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Pentice Hall, 7. Eoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Popiedades Intensivas:

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cultua Anglo Ameicana de Petolina LTDA Nome Fantasia: Yázigi Petolina Data de fundação 03 de janeio

Leia mais

APRIMORAMENTO DA PRODUTIVIDADE DE SISTEMAS DE MANUFATURA E APLICAÇÃO DE ALGORITMOS GENÉTICOS NA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE AGRUPAMENTOS CELULARES

APRIMORAMENTO DA PRODUTIVIDADE DE SISTEMAS DE MANUFATURA E APLICAÇÃO DE ALGORITMOS GENÉTICOS NA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE AGRUPAMENTOS CELULARES Univesidade Fedeal de Santa Cataina Floianópolis SC - Basil APRIMORAMENTO DA PRODUTIVIDADE DE SISTEMAS DE MANUFATURA E APLICAÇÃO DE ALGORITMOS GENÉTICOS NA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE AGRUPAMENTOS CELULARES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em.

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em. REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Apovado pela Assembleia Geal de Associados ealizada em. Capítulo I Disposições Peliminaes At. 1º O pesente egimento

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Fornecedor

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Fornecedor PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fonecedo Dados da Empesa Razão Social: Visa do Basil Empeendimentos Ltda. Nome Fantasia: Visa Data de Fundação: 08 de junho de 1987 Númeo

Leia mais

Importância do setor florestal para a economia brasileira

Importância do setor florestal para a economia brasileira IMPORTÂNCIA DO SETOR FLORESTAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA NAISY SILVA SOARES; ELIANE PINHEIRO DE SOUSA; MÁRCIO LOPES DA SILVA; UFV VIÇOSA - MG - BRASIL pinheioeliane@hotmail.com APRESENTAÇÃO ORAL Evolução

Leia mais

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência Lista de Execícios Capítulo Citéios de Resistência 0.7 A tensão de escoamento de um mateial plástico é y 0 MPa. Se esse mateial é submetido a um estado plano de tensões ocoe uma falha elástica quando uma

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E Questão 1 Dois pilotos iniciaam simultaneamente a disputa de uma pova de automobilismo numa pista cuja extensão total é de, km. Enquanto Máio leva 1,1 minuto paa da uma volta completa na pista, Júlio demoa

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenhaia Tansmissão de calo 3º Ano Aula 4 Aula Pática- Equação Difeencial de Tansmissão de Calo e as Condições de Contono Poblema -4. Calcula a tempeatua no

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA LIMA, Nélio Neves; CUNHA, Ygho Peteson Socoo Alves MARRA, Enes Gonçalves. Escola de Engenhaia Elética

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto. Data de fundação: 07 de feveeio de 1999. Númeo

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

João Eduardo de Souza Grossi

João Eduardo de Souza Grossi UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA MESTRADO PROFISSIONALIZANTE, MODELAGEM MATEMÁTICA EM FINANÇAS MODELO DISCRETO DE APREÇAMENTO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO Macelo Esposito, Calos A. Claumann, Ricado A. F. Machado, Claudia Saye, Pedo H. H. Aaújo* Univesidade Fedeal

Leia mais

e A Formação do Circuito Equivalente

e A Formação do Circuito Equivalente Cadeno de Estudos de MÁQUINAS ELÉCTRICAS nº 4 A Coe nte Eléctica de Magnetização e A Fomação do Cicuito Equivalente Manuel Vaz Guedes (Pof. Associado com Agegação) Núcleo de Estudos de Máquinas Elécticas

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto Data de fundação: 07 de feveeio de 1999 Númeo

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Montese Educação pofissional Ltda. Nome Fantasia: SOS Educação Pofissional Data de fundação: 10/03/2010

Leia mais

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação)

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação) Supote à Execução Compiladoe Ambiente de upote à execução O Compilado gea código executável. Ma nem tudo etá conhecido ante que o pogama eja executado! Valoe de paâmeto e funçõe, Memóia dinamicamente alocada,

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016 IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO

Leia mais

DISCIPLINA ELETRICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈRE

DISCIPLINA ELETRICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈRE DISCIPLINA ELETICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈE A LEI DE AMPÈE Agoa, vamos estuda o campo magnético poduzido po uma coente elética que pecoe um fio. Pimeio vamos utiliza uma técnica, análoga a Lei de

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

ANÁLISE DOS TEMPOS DE PRÉ-AJUSTAGEM DE FERRAMENTAS DE CORTE VIA INTERNET

ANÁLISE DOS TEMPOS DE PRÉ-AJUSTAGEM DE FERRAMENTAS DE CORTE VIA INTERNET AÁLISE DOS EMPOS DE PRÉ-AJUSAGEM DE FERRAMEAS DE CORE VIA IERE Autoes: Pof. D. Milton Vieia Junio Univesidade Metodista de Piacicaba - Rod. Santa Bábaa/Iacemápolis, Km, Santa Bábaa d Oeste - São Paulo

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS TEMPOS DE PRÉ- AJUSTAGEM DE FERRAMENTAS EM MÁQUINAS CNC: VANTAGENS E GANHOS POSSÍVEIS COM O USO DE EQUIPAMENTOS DE PRESETTING

AVALIAÇÃO DOS TEMPOS DE PRÉ- AJUSTAGEM DE FERRAMENTAS EM MÁQUINAS CNC: VANTAGENS E GANHOS POSSÍVEIS COM O USO DE EQUIPAMENTOS DE PRESETTING XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho A Disposição a Paga pelo Uso da Água na Bacia Hidogáfica do Rio Padinho Auto: Augusto Mussi Alvim (CPF: 564402430-04). Douto em Economia, Pofesso Adunto do Depatamento de Ciências Econômicas, PUCRS. Av.

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ ESOLUÇÃO DA AALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 0/08/ POFESSO: MALTEZ QUESTÃO 0 A secção tansvesal de um cilindo cicula eto é um quadado com áea de m. O volume desse cilindo, em m, é: A

Leia mais

MODELAGEM NUMÉRICA DE CABOS DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

MODELAGEM NUMÉRICA DE CABOS DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 8 a de agosto de 00 Campina Gande Paaíba - Basil August 8, 00 Campina Gande Paaíba Bazil MODELAGEM NUMÉRICA DE

Leia mais

REDUÇÃO DE CROMO HEXAVALENTE UTILIZANDO-SE FILMES DE POLIANILINA. ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO DE POTENCIAL ELÉTRICO NO INTERIOR DO ELETRODO POROSO

REDUÇÃO DE CROMO HEXAVALENTE UTILIZANDO-SE FILMES DE POLIANILINA. ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO DE POTENCIAL ELÉTRICO NO INTERIOR DO ELETRODO POROSO REDUÇÃO DE CROMO HEXAVALENTE UTILIZANDO-SE FILMES DE POLIANILINA. ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO DE POTENCIAL ELÉTRICO NO INTERIOR DO ELETRODO POROSO L.A.M. Ruotolo 1 e J. C. Gubulin Depatamento de Engenhaia Química,

Leia mais

The Production Structure of Brazilian Economy and Agribusiness: 1980 to 1995

The Production Structure of Brazilian Economy and Agribusiness: 1980 to 1995 MPRA Munich Pesonal RePEc Achive The Poduction Stuctue of Bazilian Economy and Agibusiness: 1980 to 1995 Maia Cistina Otiz Futuoso and Joaquim José Matins Guilhoto Univesity of São Paulo, Univesity of

Leia mais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais 8. Pojetos de nvestimento como Opções Reais Uma fima que possui uma opotunidade de investimento adquiiu algo semelhante a uma opção de compa financeia: ela possui o dieito, mas não necessaiamente a obigação

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA UM/AET Eng. Elética sem 0 - ab. icuitos Eléticos I Pof. Athemio A.P.Feaa/Wilson Yamaguti(edição) EPEIÊNIA 5 - ESPOSTA EM FEQUENIA EM UM IUITO - ESSONÂNIA INTODUÇÃO. icuito séie onsideando o cicuito da

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência..4 apacitância e Susceptância apacitiva de Linhas de Tansmissão Pofesso:. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

UMA ANÁLISE EM JOGOS PARA O RISCO OPERACIONAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

UMA ANÁLISE EM JOGOS PARA O RISCO OPERACIONAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS UMA ANÁLISE EM JOGOS PARA O RISCO OPERACIONAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Helde Mendonça heldefm@hotmailcom Pogama de pós-gaduação em Economia /UFF Renata R Del-Vecchio enata@vmuffb Pogama de pós-gaduação

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Pé Vemelho Ensino Pofissionalizante SS LTDA Nome Fantasia: BIT Company Data de fundação: 23/05/2009

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

Informação Geográfica em Engenharia Civil

Informação Geográfica em Engenharia Civil Noções Infomação Geogáfica em Engenhaia Civil Infomação Geogáfica Infomação espeitante a fenómenos (o que ocoe no tempo e no espaço) Geoefeenciação Associação da posição espacial à infomação Alexande Gonçalves

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler).

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler). 3 - DESCRIÇÃO DO EEVADOR Abaixo apesentamos o diagama esquemático de um elevado (obtido no site da Atlas Schindle). Figua 1: Diagama esquemático de um elevado e suas pates. No elevado alvo do pojeto, a

Leia mais

GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FUNCEF/ DIATI / GETIF Enconto da Qualidade e Podutividade em Softwae EQPS Belo Hoizonte - 2008 Basília, 25 de Setembo de 2008 Agenda Sobe a FUNCEF Beve históico Objetivo

Leia mais

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Aula 6 META Intoduzi aos alunos conceitos básicos das ondas eletomagnéticas: como elas são poduzidas, quais são suas caacteísticas físicas, e como desceve matematicamente sua popagação.

Leia mais

ROLAMENTOS PARA BOMBAS INDUSTRIAIS

ROLAMENTOS PARA BOMBAS INDUSTRIAIS ROLAMENTOS PARA BOMBAS INDUSTRIAIS Apesentando maio vida útil com notável eficiência e confiabilidade, os olamentos NSK são ideais paa todas as bombas industiais. 1 Cento Tecnológico Basileio - Suzano

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina 1 Tansfomado de Coente com Núcleo Tooidal de Liga Nanocistalina Benedito A. Luciano, Membe, EEE, Raimundo C. S. Feie, José Gutembegue A. Lia, Glauco Fontgalland, Membe, EEE, e Walman B. de Casto. Abstact-

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Soidents Fanchising Ltda Nome Fantasia: Soidents Clínicas Odontológicas Data de fundação: 20

Leia mais

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Aula 0 EORIA DA GRAVIAÇÃO UNIVERSAL MEA Mosta aos alunos a teoia da gavitação de Newton, peda de toque da Mecânica newtoniana, elemento fundamental da pimeia gande síntese da Física. OBJEIVOS Abi a pespectiva,

Leia mais

= (1) ρ (2) f v densidade volumétrica de forças (N/m 3 ) ρ densidade volumétrica de carga (C/m 3 )

= (1) ρ (2) f v densidade volumétrica de forças (N/m 3 ) ρ densidade volumétrica de carga (C/m 3 ) Analise de Esfoços Eletomecânicos em Tansfomadoes Amofos ataés de Modelagem Computacional compaando à Noma IEC 60076-5 W.S. onseca, GSEI, UPA, Belém, PA, Basil; M.Sc A.C. Lopes, UNIAP, Macapá, AP, Basil;

Leia mais

Excipientes: benzoato de sódio, ácido benzóico, propilenoglicol, álcool absoluto, álcool benzílico e água bidestilada.

Excipientes: benzoato de sódio, ácido benzóico, propilenoglicol, álcool absoluto, álcool benzílico e água bidestilada. ANSIOLÍTICO E MIORRELAXANTE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome do poduto: Valium / Valium injetável Nome genéico: diazepam Foma famacêutica e apesentação Caixas com 20 e 30 compimidos de 5 e 10 mg Solução injetável

Leia mais

ANÁLISE DOS TEMPOS DE PRÉ-AJUSTAGEM DE FERRAMENTAS DE CORTE VIA INTERNET

ANÁLISE DOS TEMPOS DE PRÉ-AJUSTAGEM DE FERRAMENTAS DE CORTE VIA INTERNET AÁLSE DOS EMPOS DE PRÉ-AJUSAGEM DE FERRAMEAS DE CORE VA ERE Msc. van Coe Univesidade Metodista de Piacicaba Rod. Santa Bábaa/acemápolis, Km, 3450-000, Santa Bábaa d Oeste, SP, Basil, e-mail: ivancoe@ahoo.com.b

Leia mais

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas Aplicação da ei Gauss: Algumas distibuições siméticas de cagas Como utiliza a lei de Gauss paa detemina D s, se a distibuição de cagas fo conhecida? s Ds. d A solução é fácil se conseguimos obte uma supefície

Leia mais

No interior do horizonte de um buraco negro de Schwarzschild

No interior do horizonte de um buraco negro de Schwarzschild No inteio do hoizonte de um buaco nego de Schwazschild Matheus Peeia Lobo Instituto de Física Teóica, Uniesidade Estadual Paulista, Rua Pamplona 145, 01405-900, São Paulo, SP, Basil e-mail: lobo@ftogb

Leia mais

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared MPRA Munich Pesonal RePEc Achive Stuctual changes in employment in the economy: 1996 and 22 compaed Ichihaa, Silvio Massau; Guilhoto, Joaquim J.M. and Amoim, Mácio Guea 27 Online at http://mpa.ub.uni-muenchen.de/31514/

Leia mais

Estudo do nível de utilização do sistema de presetting de ferramentas em empresas da região de Santa Bárbara D Oeste e Piracicaba

Estudo do nível de utilização do sistema de presetting de ferramentas em empresas da região de Santa Bárbara D Oeste e Piracicaba Estudo do nível de utilização do sistema de presetting de ferramentas em empresas da região de Santa Bárbara D Oeste e Piracicaba Taiana Almeida Ferreira dos Santos (UNIMEP) tasantosa@unimep.br Ronaldo

Leia mais

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos intemidia.usp.b Avaliação: po que? intemidia.usp.b Técnicas de Avaliação Avalia adequação de designs Testa a usabilidade e a funcionalidade do sistema Requisitos dos usuáios estão efetivamente sendo atendidos?

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

2. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS. 2.1 Aplicação da Análise Experimental de Estruturas

2. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS. 2.1 Aplicação da Análise Experimental de Estruturas 3. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS.1 Aplicação da Análise Expeimental de Estutuas A qualidade de um sistema estutual é caacteizada po um deteminado conjunto de seus atibutos chamados de vaiáveis

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE TRANSMISSÃO MECÂNICA BASEADO EM ENGRENAGENS CÔNICAS E

Leia mais

Análise do Perfil de Temperaturas no Gás de Exaustão de um Motor pelo Método das Diferenças Finitas

Análise do Perfil de Temperaturas no Gás de Exaustão de um Motor pelo Método das Diferenças Finitas Poceeding Seies of te Bazilian Society of Applied and Computational Matematics, Vol., N. 1, 14. Tabalo apesentado no CMAC-Sul, Cuitiba-PR, 14. Análise do Pefil de Tempeatuas no Gás de Exaustão de um Moto

Leia mais

1ª Aula do Cap. 6 Forças e Movimento II

1ª Aula do Cap. 6 Forças e Movimento II ATRITO 1ª Aula do Cap. 6 Foças e Movimento II Foça de Atito e Foça Nomal. Atito e históia. Coeficientes de atito. Atito Dinâmico e Estático. Exemplos e Execícios. O efeito do atito ente duas supefícies

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 03

LISTA COMPLETA PROVA 03 LISTA COMPLETA PROVA 3 CAPÍTULO 3 E. Quato patículas seguem as tajetóias mostadas na Fig. 3-8 quando elas passam atavés de um campo magnético. O que se pode conclui sobe a caga de cada patícula? Fig. 3-8

Leia mais

Alessandro Tadeu Rodrigues Gomides. Avaliação de Riscos em Estratégias de Investimentos de Longo Prazo: Aplicação Prática em um Fundo de Pensão

Alessandro Tadeu Rodrigues Gomides. Avaliação de Riscos em Estratégias de Investimentos de Longo Prazo: Aplicação Prática em um Fundo de Pensão lessando Tadeu Rodigues Gomides valiação de Riscos em Estatégias de Investimentos de Longo azo: plicação ática em um Fundo de ensão EGE/FGV Rio de Janeio, 9 de junho de 004 valiação de Riscos em Estatégias

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

Campo magnético criado por uma corrente eléctrica e Lei de Faraday

Campo magnético criado por uma corrente eléctrica e Lei de Faraday Campo magnéico ciado po uma coene elécica e Lei de Faaday 1.Objecivos (Rev. -007/008) 1) Esudo do campo magnéico de um conjuno de espias (bobine) pecoidas po uma coene elécica. ) Esudo da lei de indução

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1 Instituto Escola Supeio Politécnico de Tecnologia ÁREA INTERDEPARTAMENTAL Ano lectivo 010-011 011 Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Eecícios de Electomagnetismo Ficha 1 Conhecimentos e capacidades

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

Introdução. O trabalho encontra-se resumidamente estruturado da seguinte forma:

Introdução. O trabalho encontra-se resumidamente estruturado da seguinte forma: Intodução. À medida que sistemas wieless se tonam mais ubíquos, um entendimento da popagação em ádio-feqüência (RF) paa popósitos de planejamento, tona-se significativamente impotante. Com a cescente utilização

Leia mais

Modelo integrado para seleção de cargas e reposicionamento de contêineres vazios no transporte marítimo

Modelo integrado para seleção de cargas e reposicionamento de contêineres vazios no transporte marítimo Modelo integado paa seleção de cagas e eposicionamento de contêinees vazios no tanspote maítimo Rafael Bubac Teixeia 1 e Claudio Babiei da Cunha 2 Resumo: Este atigo tata do poblema integado de escolha

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

Daniel Henrique Rodrigues. Estudo das Propriedades Ópticas e Estruturais de Nanocristais de MnTe em Vidros Óxidos

Daniel Henrique Rodrigues. Estudo das Propriedades Ópticas e Estruturais de Nanocristais de MnTe em Vidros Óxidos Daniel Henique Rodigues Estudo das Popiedades Ópticas e Estutuais de Nanocistais de MnTe em Vidos Óxidos Dissetação apesentada ao Pogama de Pós-Gaduação do Instituto de Física da Univesidade Fedeal de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

Bem-vindo à Wizards Play Network! Esse documento explica os aspectos básicos de hospedar uma Liga para começar a organizar torneios na sua loja.

Bem-vindo à Wizards Play Network! Esse documento explica os aspectos básicos de hospedar uma Liga para começar a organizar torneios na sua loja. Bem-vindo à Wizads Play Netwok! Esse documento explica os aspectos básicos de hospeda uma Liga paa começa a oganiza toneios na sua loja. Paa mais infomações sobe como oganiza um toneio, veja também o Guia

Leia mais

'CRYSTAL :FASHION EVENTO! alimentares '- -. ---- BULIMIA e ~'... C;;ritiba b~ distúrbios. os mais caro! e veloze! do mundc. MARIAlpU ,-- UTOMÓVEI!

'CRYSTAL :FASHION EVENTO! alimentares '- -. ---- BULIMIA e ~'... C;;ritiba b~ distúrbios. os mais caro! e veloze! do mundc. MARIAlpU ,-- UTOMÓVEI! , a --,;-,,; BULMA e ' C;;itiba b ANO REliA distúbios alimentaes '- - ---- MARAlpU \, EVENTO! sobe o Tudo 'CRYSTAL,-- UTOMÓVE! os mais cao! e veloze! do mundc :FASHON -- - - - - - - ---==--- - - - " ",

Leia mais

DESCRIÇÃO 18/06/2016 07:35

DESCRIÇÃO 18/06/2016 07:35 DESCRIÇÃO Registo 400693 Revisão 10/06/2016 Status Ativo Título Históia do Hospital Colônia Pedo Fontes e Educandáio Alzia Bley Data de início 01/04/2014 Pevisão de téino 31/12/2018 Data de apovação pelo

Leia mais

Exp. 10 - RESSONÂNCIA

Exp. 10 - RESSONÂNCIA apítulo Exp. 0 - RESSONÂNIA EÉTRIA. OBJETIVOS Estudo das oscilações eléticas foçadas em cicuitos essonantes em séie e em paalelo..2 PARTE TEÓRIA Muitos sistemas físicos estáticos e estáveis, quando momentaneamente

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

Variable Speed Wind Turbine Modeling Using ATPDraw

Variable Speed Wind Turbine Modeling Using ATPDraw Antonio S. Neto, Fancisco A. S. Neves, Pedo A. C. Rosas Univesidade Fedeal de Penambuco UFPE Recife - PE Email: asneto01@yahoo.com.b, fneves@ufpe.b, posas@ufpe.b Eduado L. R. Pinheio, Selênio R. Silva

Leia mais