4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico"

Transcrição

1 4. Aálie Evoltóia de Dado (DEA) e ma popota de modelo paa avalia a eficiêcia da empea de comécio eletôico 4.. Coceito Báico 4... Podtividade, Cva de Podção, Eficiêcia e Eficácia. Devido à globalização, competitividade cada vez mai aciada e m elevado ível de exigêcia po pate do comidoe, a empea peciam cotatemete moitoa e avalia a eficiêcia e deempeho da a cocoete, e aim aplica o bechmak. Exitem algma expeõe qe e ecotam itiecamete elacioada ao deempeho: podtividade, eficácia, eficiêcia. Podtividade é defiida como a elação ete o podto e o imo eceáio, azão ete otpt podzido e ipt dipoível (Coelli, et al 998). Qado o itema podtivo é medido apea po m imo(ipt) e m podto(otpt), a podtividade é defiida como edo: Podtividade = Podto Imo A difeeça ete podtividade e eficiêcia é qe a eficiêcia expea m elação ótima ete eco comido e podto geado. Oto coceito impotate é a eficácia qe é defiida como a elação ete o eltado obtido e o eltado deeado o pevito, em leva em cota o eco tilizado. Se eficaz é faze com qe m tabalho atia pleamete o eltado epeado (Figeiedo, 25). Paa alg atoe a eficácia etá elacioada ao coceito de faze a coia ceta. A eficiêcia etá aociada a melho foma de faze a coia ceta (Kaai, 22). Belloi (2) afima qe o citéio de eficiêcia a podção etá aociado ao coceito de acioalidade ecoômica e de podtividade mateial e evela a capacidade da ogaização de podzi m máximo de eltado com m míimo de eco.

2 5 Aim a podtividade de ma empea é m coceito qe etá aociado à qatidade do eco empegado paa ealiza a atividade e à qatidade de eltado geado po ea atividade. Paa aalia a eficiêcia faz-e eceáio etede melho o coceito da cva de podção qe viam defii a elação ete o imo e podto. A cva de podção ão a bae da aálie de eficiêcia, poi a coideaçõe em too da mema viam defii elaçõe ete imo e podto (KASSAI, 22). A hipótee qe ão coideada paa a elação ete imo e podto detemiam qe:. Há etoo cecete de ecala, e acécimo o como de eco implicam em m ameto mai qe popocioal a qatidade de podto geado. Podto Imo Fote: Deie Figeedo (25) Figa 4. Retoo Cecete de Ecala

3 5 2. Há etoo cotate de ecala, qado acécimo o como de eco levam a ameto popocioai a qatidade de podto obtido. Podto Imo Fote: Deie Figeedo (25) Figa 5. Retoo Cotate de Ecala 3. Há etoo dececete de ecala, qado o acécimo o imo elta em ameto meo qe popocioai a geação de podto. Podto Imo Fote: Deie Figeedo (25) Figa 6. Retoo Dececete de Ecala

4 52 Sedo aim, pode-e cocli qe ma empea pode e eficiete, poi e ecota a foteia de eficiêcia, ma ão e a mai podtiva, podedo à veze apeeta podtividade meo qe a empea ieficiete. Segdo Coope et. al. (2), a empea ão alcaço o poto de ecala ecoômica ótimo. Extapolado o aciocíio paa a áea empeaial: de ada adiata ofeece o tabalho o podto mai eficiete ete o exitete, e paa tato o eco depedido foam de tal odem qe iviabilizam a etabilidade do egócio (eficiêcia). Da mema foma, ão adiata e altamete podtivo e o qe e ealiza ão atige a meta o obetivo almeado (eficácia) (Figeiedo, 25) Hitóico O deempeho de ma empea, em mito cao, é medido apea pelo e fatameto bto; em oto cao, a empea qe obteve o maio lco é a mai eficiete. Io pode ão e vedade, qado e fala em eficiêcia, ode a empea qe obteve o maio lco pode ão te apoveitado o máximo de imo dipoívei qe ma ota empea. O o cecete da Aálie de Evoltóia de Dado (DEA) tem ido tificado pela váia poibilidade de aálie de dado qe a metodologia apeeta. Facilidade da tilização, poca técica de avaliação de eficiêcia da empea e facilidade a elaboação de ceáio ão alg motivo qe fizeam com qe a técica foe cada vez mai aplicada. O DEA aida facilita a idetificação de ogaizaçõe eficiete e ão eficiete, atavé da aálie compaativa do coto de ipt e otpt de cada DMU (Deciio Makig Uit). A ogaizaçõe mai eficiete evem de bechmak (SCHAFFNIT et at 997; SIEMS & BARR, 998). M. J. Fael é ma efeêcia a pblicaçõe obe a metodologia DEA, implemete po e coideado m do e pecoe. O e tabalho pemiti caacteiza a eficiêcia global como edo compota po da compoete ditita de eficiêcia: a eficiêcia do peço e a eficiêcia técica. A oigem da técica DEA e de a pati de m tabalho deevolvido po Chae, Coope, Rhode em 978, ma com bae o tabalho de M.J.Fael (957). A popota do tabalho de Chae, Coope, Rhode em 978 foi compaa a eficiêcia da ecola pública ameicaa, em a eceidade de e abita peo paa cada vaiável, e em covete a vaiávei em valoe ecoômico compaávei.

5 53 Apea da DEA, iicialmete, te ido ciada paa avalia a eficiêcia de m itema de eio, é ma técica qe tem ofido m poceo de ápido deevolvimeto e o e modelo cada vez mai acado e edo tilizado po divea áea, tai como, comécio, eto público, eto fiaceio Aálie Evoltóia de Dado (DEA) A Aálie Evoltóia de Dado (Data Evelopmet Aaliy DEA) é ma técica de pogamação matemática qe pemite avalia o ga de eficiêcia podtiva ete váia empea, deomiada idade tomadoa de decião (Deciio Makig Uit DMU ), coideado o eco de qe e dipõe (ipt) com o eltado alcaçado (otpt). O picípio báico é medi e compaa o deempeho da idade tomadoa de decião, qe ealizam taefa imilae, coideado a elação ete imo (ipt) e podto (otpt). A DMU devem e ato-ficiete a tomada de decião, paa qe poam e implemetada a getõe popota pelo método (Gede,22). Difeetemete do método paamético, co obetivo é otimiza m plao de egeão imple, a DEA pemite otimiza idividalmete cada ma da obevaçõe, ma em elação a demai, fomado aim ma foteia de eficiêcia. Ea foteia de eficiêcia é defiida egdo o coceito de Paeto-Koopma, pelo ível máximo de podção paa m dado ível de imo. O coceito de Paeto-Koopma paa a eficiêcia é caacteizado po m veto ipt-otpt, ode m DMU é eficiete e omete e: Nehm do otpt poa e ametado em qe algm ipt eceite e ametado, o qe algm oto otpt ea edzido. Nehm do ipt poa e edzido em qe algm ipt eceite e ametado, o qe algm oto otpt ea edzido A Figa 7 exemplifica a elação ete a qatidade de imo e a qatidade podzida po cada DMU. A Figa 4 pemite aalia a eficiêcia elativa.

6 DMU6 6 DMU5 DMU7 DMU2 5 DMU Podto 4 DMU4 DMU9 3 DMU3 DMU8 2 DMU DMU DMU Imo 8 Figa 7 Foteia de Eficiêcia A DMU 6 coome a mema qatidade de imo qe a DMU 7, poém podz mai, o qe a toa mai eficiete. O memo acotece com a DMU 5, 4 e 3. Já a DMU coome meo imo qe a DMU, paa podzi a mema qatidade de podto. Deta foma pode-e dize qe a DMU mai eficiete coegiam apoveita ao máximo a qatidade de imo dipoívei, podzido m ível de podto. A foteia de eficiêcia é defiida como edo o ível máximo de podção paa m dado ível de imo e é detemiada pelo coceito de Paeto-Koopma. Nete cao, a DMU, 5, 6 e ecotam a foteia de eficiêcia. Uma da caacteítica da técica DEA é qe a idade eficiete ão ida fomado ma pefície côcava, ode a DMU ieficiete ão poetada otogoalmete a foteia, e geado aim o ídice. Ete ídice é calclado atavé da foma de poeção da ieficiete a foteia, o ea, é a ditâcia da idade até a foteia, cofome a Figa 8.

7 DMU6 DMU' Poeção otogoal 6 5 DMU5 DMU7 DMU Ídice = A/B DMU2 Podto 4 3 DMU4 DMU3 DMU9 DMU8 A B 2 DMU DMU DMU Imo 8 Figa 8. Modelo oietado paa a maximização de otpt A poeção da ieficiete até a foteia pode e medida atavé de doi modelo: Modelo oietado paa a maximização de otpt (podto): o ídice é calclado atavé da máxima expaão do otpt (podto) dado ma qatidade de ipt (imo) tilizada, cofome Figa 8. Modelo oietado paa a miimização de ipt (imo): a ditâcia é calclada atavé da máxima edção de ipt paa ma mema podção de otpt (podto) Um do poto impotate da técica DEA é qe o ídice de eficiêcia ão medida compaativa ete a DMU aaliada. Ito qe dize qe, e ma DMU (o váia) foi(am) iclída() a aálie, o ídice deveão e ecalclado, e a DMU qe foi eficiete podeá ão e mai eficiete com a iclão da ova idade. Eta técica pode e tilizada paa avalia qalqe tipo de empea, depatameto o etoe, dede qe a compaaçõe ete idade tomadoa de decião eam gpo homogêeo. Sedo aim, podem-e idetifica a caa da ieficiêcia de cada idade, bem como obte o ídice de eficiêcia. Além dio, a idade de melho deempeho, a eficiete, paam a foma o coto de efeêcia paa a demai idade.

8 56 Cofome foi mecioado ateiomete, a técica DEA, po otimiza cada ma da obevaçõe idividalmete, ma em elação à demai, detemiado aim a foteia de eficiêcia, cotata com o método paamético, co obetivo é otimiza m plao de egeão imple, ito é, aplica-e a mema fção paa cada obevação. Uma ota vatagem da técica DEA é qe ão e pecia faze ehma poição da ditibição da vaiávei, po e ma técica ão-paamética. Além dio, pode-e gea m idicado úico de eficiêcia coideado diveo imo e podto, em qe haa a eceidade de pedefii ma fção de podção. Tato o imo, qato o podto geado podem e múltiplo. Em fção da vatage decita ateiomete, a DEA poi ma devatagem qato à técica de etimação paamética, qe etá diecioada ao tete paa a compovação de hipótee. Nete cao, ão e pode teta com igo etatítico, bem como o eo elativo à etimação da foteia, ma vez qe o imo e podto ão vaiávei aleatóia. Em ma, o foco da DEA etá a obevaçõe idividai epeetada po otimizaçõe, ma paa cada DMU, ão tedo foco a média e a etimativa de paâmeto qe etão aociada com a técica e apoximaçõe etatítica ( Chae, et al., 994). A Figa 9 mota m compaativo ete a DEA e a aálie de egeão. 8 7 Foteia de Eficiêcia - DEA 6 5 Regeão Liea Podto Imo 8 Figa 9. Compaação ete DEA e Aálie de Regeão (Chae et, al., 994) A Aálie de Regeão elta em ma eta ode a oma da ditâcia em elação à obevaçõe é zeo. Po e ma eta média, ito ão igifica

9 57 eceaiamete o deempeho de ehma da DMU aaliada. Chae et al. mecioa qe Aálie de Regeão eqe ma fção de podção, e qe vaiávei idepedete e elacioem com a vaiávei depedete atavé dea fção e qe amam hipótee epecífica obe ditibição de eo. Em cotapatida, a DEA calcla a máxima medida de deempeho paa cada DMU elativa a toda a ota DMU, patido do picípio de qe cada DMU etá a foteia de eficiêcia o abaixo dela Cotido o Modelo DEA A pimeia etapa do modelo DEA é defii o qe e qe medi com a DMU. Vale ealta qe paa avalia a eficiêcia, a idade tomadoa de decião devem ealiza taefa imilae, de modo qe a compaação ete ela faça etido. Além dio, ma caacteítica da técica DEA é qe o ipt (imo) e otpt (podto) eam igai, vaiado apea a qatidade. Golay & Roll (989) ealtam a impotâcia e o cidado em detemia o tamaho da amota ate da defiição da vaiávei. Uma gade qatidade de DMU pode dimii a homogeeidade deto do coto aaliado, ametado a poibilidade do eltado eem afetado po fatoe qe foam decoideado pelo modelo. Po oto lado, e o tamaho da amota fo meo qe a qatidade de ipt e otpt, a aálie pode elta em toda a DMU eem eficiete. Alg atoe ecomedam qe o úmeo de idade tomadoa de decião (DMU ) deve e o míimo da veze o úmeo de ipt e otpt coideado.

10 O Modelo DEA A Aálie Evoltóia de Dado (DEA) pode e coideada como m copo de coceito e metodologia qe etá icopoada a ma coleção de modelo, com poibilidade itepetativa divea (CHARNES, COOPER, LEWIN, SEIFORD, 997):. Modelo CCR (Chae, Coope e Rhode; 978); 2. Modelo BCC (Bake, Chae e Coope; 984); O etedimeto do coceito de eficiêcia abodado pela metodologia DEA é extemamete impotate paa eclaece a difeeça ete o modelo CCR e BCC. Segdo Belloi(2), o coceito de eficiêcia ão claificado como: Eficiêcia podtiva: e efee à habilidade de evita depedício podzido tato eltado qato o eco tilizado pemitem o tilizado o míimo de eco poível paa aqela podção. Tadicioalmete, a eficiêcia podtiva é decompota em doi compoete: a eficiêcia de ecala e a eficiêcia técica. Eficiêcia de ecala é o compoete da eficiêcia podtiva aociado à vaiaçõe de podtividade decoete de mdaça a ecala de opeação. Eficiêcia técica é o compoete da eficiêcia podtiva qe elta qado ão iolado o efeito da eficiêcia de ecala. A ieficiêcia técica etá aociada à habilidade geecial do admiitadoe Modelo CCR O modelo CCR (Chae, Coope e Rhode, 978) é o modelo qe e oigio da técica DEA, com bae o tabalho de M.J.Fael, cofome mecioado ateiomete. É m modelo também cohecido como CRS (Cotat Ret to Scale) qe tabalha com etoo cotate de ecala, o ea, qalqe vaiação o imo leva a ma vaiação popocioal o podto. Defie-e a eficiêcia como edo a azão ete a oma podeada do podto (otpt) e a oma podeada do imo (ipt):

11 59 Eficiêcia = Soma podeada do otpt Soma podeada do ipt O modelo pemite qe ea atibído m coto de peo (mltiplicadoe), o qe é ma taefa batate complicada, paticlamete e o memo coto de peo é aplicado em toda a DMU. Ao ivé de ma podeação igal paa toda a DMU, Chae et al. (978) defiiam qe cada DMU, po poi m itema de valoe paticla, teia o pode de defii o e pópio coto de peo, o etido de maximiza a eficiêcia. A úica codição é qe toda a DMU teham ma eficiêcia ifeio o igal a. A fomlação matemática dea codiçõe é apeetada o modelo báico CCR a egi: Miimização de ipt - CCR I Max Eff Seito a: = = v x i y i Maximização de Otpt CCR-O Mi Eff Seito a: = = v x i y ik k = y v x i k ik, K =,2,..., = v x i y ik k, K =,2,..., e vi, i e vi, i ode: Eff eficiêcia da DMU ;, v i peo de otpt e ipt epectivamete; x ik, y k ipt i e otpt da DMU K ; x i, y ipt i e otpt da DMU ; Ete modelo pode e defiido como m poblema de pogamação facioáia e qe pode e tafomado em ma pogamação liea (PPL), ode o deomiado da

12 6 fção obetivo eceaiamete pecia e igal a ma cotate, omalmete igal a m. O modelo CCR pode e tilizado paa maximização de otpt o miimização de ipt. Miimização de Ipt - CCR I Maximização de Otpt CCR-O Pimal (Mltiplicadoe) Pimal (Mltiplicadoe) Max Eff Seito a: = v i x ik = = = y y k vi xik, K =,2,.. e vi, i Mi θ Seito a: Dal (Evelope) = k = θ xi xikλk, i,..., y + y kλ k,,..., = k = λ K k Repeetação Gáfica Mi Eff = Seito a: y k = = v i x i vi xik y k, K =,2,.. e vi, i Max θ Seito a: Dal (Evelope) θ y + y kλk, i =,..., k = xi + xikλ k, =,..., k = λ K k Repeetação Gáfica B A C B A C Ipt Ipt

13 6 ode: h e θ eficiêcia;, v i peo de otpt e ipt epectivamete; x ik, y k ipt i e otpt da DMU K ; x i, y ipt i e otpt da DMU ; λ K k-éima coodeada da DMU em ma bae fomada pela DMU de efeêcia. O Modelo de Miimização de ipt, cofome o pópio ome á diz, bca miimiza o como de imo de foma a podzi o míimo o ível de podção dado, expeo pela maximização do omatóio da qatidade podzida mltiplicada pelo peo. A pati do modelo pimal é poível deevolve o dal, cohecido como Modelo Evelope qe, pelo teoema da dalidade fote, apeetaá o memo valo ótimo paa a fção obetivo, qado ee exiti. O modelo dal bca o valoe de λ k qe miimizem Ө, edo λ k a cotibição da DMU k a fomação do alvo da DMU (a DMU com λ k ão lo ão o bechmak da DMU ) Modelo BCC O modelo BCC (Bake, Chae e Coope, 984), também cohecido como VRS (Vaiable Ret Scale), pepõe qe a DMU avaliada apeetem etoo vaiávei de ecala. O modelo detemia ma foteia VRS qe coidea etoo cecete o dececete de ecala a foteia eficiete. Coidea qe m acécimo o ipt podeá pomove m acécimo o otpt, ão eceaiamete popocioal, o até memo m decécimo. O modelo BCC gi como ma foma de eficiêcia eltate da divião do modelo CCR em da compoete: eficiêcia técica e a eficiêcia de ecala. A medida de eficiêcia técica, eltate do modelo BCC, idetifica a coeta tilização do eco à ecala de opeação da DMU. A eficiêcia de ecala é igal ao qociete da eficiêcia BCC com a eficiêcia CCR, e dá ma medida da ditâcia da DMU em aálie até ma DMU fictícia, qe opea com o tamaho da ecala mai podtivo. Abaixo egem a fomlação do modelo e a epeetação gáfica.

14 62 Miimização de Ipt BCC-I Mi θ Seito a: Pimal (Evelope) Maximização de Otpt BCC-O Max θ Seito a: Pimal (Evelope) k = θ xi xikλk, i =,..., x x i ikλ k k =, i y + y kλ k,,..., k= = k = λ = k λ K k θ y + y kλk, k λ K = λ K k k = Max h = Seito a: = v i x ik Dal (Mltiplicadoe) = = y y k vi xik *, K =,2,.. e vi, i * Mi h Seito a: Dal (Mltiplicadoe) = vi xi * y k = = vi xik y k v*, K =,2,.. e vi, i * R v * R Repeetação Gáfica Repeetação Gáfica B A C B A C Ipt Ipt

15 63 O qe difee o modelo mltiplicadoe BCC e modelo mltiplicadoe CCR ão a vaiávei * paa oietação a ipt e v * paa oietaçõe a otpt. Ea da vaiávei ão itepetada como fatoe de ecala; Vaiávei poitiva igificam etoo dececete de ecala Vaiávei egativa etoo cecete de ecala Vaiávei la etoo cotate de ecala

16 Popota de modelo paa avalia a eficiêcia da empea de comécio eletôico Obetivo e Limitaçõe Em decoêcia da competitividade cecete e do avaço tecológico, a empea peciam apidamete toma deciõe extemamete impotate paa evita a peda de cliete paa a a cocoete. Com m cecimeto cotío de adepto à Iteet, o comécio eletôico gi como ma alteativa etável paa a empea, ma ete deafio eqe catela e cohecimeto do egócio. O gade deafio do comécio eletôico e ecota a atividade de flfillmet o o atedimeto ao pedido. O picipal gagalo da empea aida é poceo de ditibição. Com itito de avalia o deempeho da empea de comécio eletôico em elação ao ambiete competitivo, e axilia o getoe a fta mdaça e opotidade do ambiete, opto-e po tiliza a metodologia de Aálie Evoltóia de Dado (DEA). Eta técica poibilita avalia e idetifica a() empea() baileia() de comécio eletôico mai eficiete(), bem como ofeece a empea bídio eceáio paa ealizaem diagótico de eficiêcia em a idade e em elação a e cocoete, em temo do o de imo paa a obteção de podto. A idéia iicial, a pati do deevolvimeto do modelo DEA, foi elaboa m qetioáio qe deveia e aplicado a empea coideada eficiete a fim de adqii ifomaçõe elevate, picipalmete paa teta etede e o poceo de fllfilmet tiha algm impacto poitivo a a eficiêcia e compaa com o poceo adotado pela ieficiete. Devido a ão aceitação po pate da empea bechmak, a etatégia tilizada foi etede o poceo de ditibição da empea SomLive.Com e compaa com o poceo ideal Metodologia aplicada Como o obetivo do tabalho foi medi a eficiêcia da empea baileia de comécio eletôico em elação a a ecala de capacidade de podção, opto-e pela metodologia de Aálie Evoltóia de Dado (DEA). Paa io, tilizo-e o dado da

17 65 empea de comécio eletôico da Revita Exame Maioe e Melhoe Empea do ao de 23 e 24 e o oftwae Fotie Aalyt. Como foi mecioado ateiomete, exitem doi modelo báico da metodologia DEA qe ão: modelo CCR (Chae, Coope e Rhode, 978) também cohecido como modelo como CRS (Cotat Ret to Scale) qe tabalha com etoo cotate de ecala e o modelo BCC (Bake, Chae e Coope, 984), também cohecido como VRS (Vaiable Ret Scale), pepõe qe a DMU avaliada apeetem etoo vaiávei de ecala. Aaliado a opçõe da metodologia DEA, o modelo mai apopiado paa eta aálie foi o modelo BCC-O (oietado paa maximização do otpt), poi como o obetivo é avalia a eficiêcia alcaçado o melhoe eltado poívei, ão eia viável qe o baixo eltado foem compeado com a dimiição do ipt. Além da ecolha do melho modelo, paa qe toda a vaiávei ecolhida foem coideada o cálclo da eficiêcia foi tilizada a etição do peo. Max θ Seito a: x x i ikλ k k =, i θ y + y λ, k λ K = k = k k λ K k A empea paticipate do poceo de avaliação de deempeho foam ecolhida po apeetaem caacteítica do poceo de atedimeto ao cliete imilae a SomLive.Com. São ela: Ameicaa.Com: é ma empea do gpo LAZA, fdada em etembo de 999 com o obetivo de atede a eceidade de compa o-lie do comidoe. A empea opea com o ite, obtedo 9% do e fatameto e tele-veda, com o demai %, e ofeece ao cliete m mix de podto como DVD, CD, eletodomético e ifomática. Segdo o dieto de logítica da Ameicaa.Com, Timótheo Bao, em etevita à Revita

18 66 Tecologítica, a empea tabalha com tê modelo de eabatecimeto. O etoqe pópio coectado dietamete ao foecedo, ode atavé do itema ERP coege geecia todo o poceo. O egdo modelo é co-dockig com o foecedo. Po fim, o teceio modelo é baeado o aceo o-lie ao cotole de etoqe do ceto de ditibição da Loa Ameicaa em São Palo, ode qado ma mecadoia é aciada o ite e ão etá dipoível em etoqe, a ifomação é atomaticamete tamitida paa o ceto da Loa ode é feito o caegameto. Qato ao poceo de compa, ma vez apovado o pedido do cliete, o itema emite ma etiqeta com código de baa, cotedo ifomaçõe qe gaate o meo tempo poível paa localiza o item. Paa gaati a qalidade do eviço, o fcioáio poem m eqipameto de leita de código de baa qe dipaa m ial vede e o vio á idica o póximo item a e coletado. Toda a etapa ão moitoada paa evita eo. Apó a coleta, o podto ão depoitado em ma eteia, qe ão agpado po pedido e embalado. Em 2 a empea á poía ceca de 2 mil cliete, edo qe 5% do cliete ealizavam o míimo da compa po emete. Em maio de 24, a empea gaho o Pêmio de Melho ite de comécio eletôico do Bail a categoia B2C A Ameicaa.Com tiliza o eviço da DHL Expe paa a etega de pedido de alto valo agegado, acima de R$ 8, a picipai capitai do paí. O veíclo da DHL ecolhem o podto da veze ao dia o Ceto de Ditibição e levam paa a idade da DHL em qe ão ogaizado e mai tade etege ao detiatáio. O dieto coidea como m gade deafio do e-commece a gaatia qe o eviço de pó-veda poa te a mema qalidade qe o eviço de etega, ágil e pecio. Sbmaio.Com é ma empea qe opea exclivamete o vaeo eletôico o Bail. Segdo a Revita Tecologítica (Maço 26), o ite em 25, compaado a 24, teve m cecimeto a veda de apoximadamete 92%. O bom deempeho foi atibído à evolção da bae de cliete ativo, m ameto de 48% compaado a 24 e hove também m ameto de 8% o ticket médio de veda chegado a R$ 222, em 25. Paa atede a

19 67 demada, a empea algava doi ceto de ditibição (CD). Segdo o Dieto de Relaçõe em Ivetimeto, a Sbmaio.Com ão teá mai a pati de 26 ea depea, poi eá mdado paa m CD com capacidade cico veze maio qe o ateio, pemitido qe a empea amete o ível de atomação e admiitação do capital de gio. Paa agiliza a etega do pedido e ameta a eficiêcia opeacioal, a empea adqii ma olção de epaação de pedido capaz de atomatiza a coolidação do ite. O ite de diveo pedido eão epaado em lote. A eqipe de epaação e movimetaá omete ma úica vez paa etia toda a qatidade eceáia paa o coto de pedido. Depoi, a mecadoia eão tapotada po ma eteia e ma máqia de alta velocidade agpaá o difeete ite de m memo pedido, ecamihaá à áea de empacotameto e eviaá paa a empea de etega. O obetivo é melhoa a podtividade, gaati a qalidade o atedimeto ao cliete, além da edção o tempo de epaação do ite. Heme é ma empea qe opea a veda po catálogo. Como o poceo de compa é diveificado (coeio, telefoe e iteet), a empea efeta o memo deafio logítico da empea do e-commece. Po ete motivo foi iclída a aalie de eficiêcia. Saaiva.Com é ma empea qe opea também o vaeo o-lie. Emboa o mecado de veda de livo aida ea o e egócio picipal, a Saaiva cotia vededo CD, DVD, ma etá diveificado a atividade como eletoeletôico, apaelho de giática e até memo eletodomético. Atado ete ovo egmeto, a empea petede competi com Ameicaa.Com e Sbmaio.Com. Há ma expectativa de cecimeto mito gade. No qe diz a epeito ao poceo logítico, a empea poi m Ceto de Ditibição paa atede a demada da iteet e oto Ceto paa a opeaçõe de codockig da loa. Além do etoqe, a empea cota com o etoqe a loa e com o focedoe, etege atavé do itema t-i-time. Qato à etega, a Saaiva tiliza eviço teceiizado como a empea de etega expea, Total Expe e o Coeio. Shoptime é ma empea de vaeo qe opea em doi caai de veda, a iteet e televião. Simila a Heme, foi iclída a aálie po efeta o memo poblema o poceo logítico.

20 Detemiação do fatoe ipt e otpt A vaiávei tilizada o modelo paa medi a eficiêcia em elação à ecala de capacidade de podção foam: úmeo de empegado, cecimeto em veda (%) e veda (U$$ milhõe). Paa avalia a eficiêcia da empea coideo-e o eco dipoívei (ipt) com o eco alcaçado (otpt). Nete cao, o ipt foi o úmeo de empegado e otpt o cecimeto em veda. Como o DEA ão aceita tabalha com valoe egativo, e a vaiável cecimeto em veda oigialmete poía valoe egativo, paa qe eta vaiável foe tilizada o modelo opto-e po ma talação de eixo, o ea, paa cada valo de cecimeto omo-e o valo mai egativo do cecimeto mai ma idade. O modelo bca aalia a eficiêcia da empea o qe e efee à capacidade de geação de eltado em elação a a ecala. A vaiávei Veda e Cecimeto em Veda epeetam a capacidade de geação de eltado e a ecala é epeetada pelo Númeo de Empegado. Paa ito etá edo amida a pemia de qe o picipal imo de ma empea é a a ecala, ito é, empea com ecala maioe devem podzi eltado maioe do qe ma empea de ecala meo Aálie do eltado Foam aaliada ei empea, como á vito ateiomete, poém cico dela tiveam doi ao aaliado. Eta etatégia, além de ameta o úmeo de DMU, ma vez qe cada ao de ma empea é vito pelo modelo como ma DMU difeete (Chae et al.; 995), pemite ma aálie do compotameto da empea o tempo. Abaixo podemo ve o eltado em elação à eficiêcia da empea de comécio eletôico geado pelo modelo DEA.

21 69 Tabela 6. Scoe de Eficêcia da Empea de Comécio Eletôico Empea Scoe Ameicaa.Com 3, Ameicaa.Com 4, Sbmaio.Com 4, Som Live.Com 3 78,28 Sbmaio.Com 3 73,94 Som Live.Com 4 69,24 Saaiva.Com 4 57,5 Heme 4 53,4 Saaiva.Com 3 5,82 Shoptime 3 45,39 Heme 3 9,56 Com elação ao eltado obtido pelo modelo, apea tê da oze DMU aaliada foam coideada eficiete, edo ela: Ameicaa.Com3, Ameicaa.Com4 e Sbmaio4. A SomLive.Com foi coideada ieficiete em elação ao doi ao qe foam aaliado. Tabela 7. Cotibição da Vaiávei paa a DMU Eficiete Empea Númeo de Empegado Veda Cecimeto Veda Ameicaa.Com Ameicaa.Com Sbmaio.Com A Tabela 7 mota a cotibição de cada ma da vaiávei paa o cálclo da eficiêcia da DMU` coideada eficiete. Como é poível ve a Tabela 7, exitem vaiávei qe peaam mai paa ma DMU e meo paa ota. Ete fato e dá poqe o modelo DEA acha a olção de m PPL epecífico paa cada ma da DMU, deta foma é poível qe ma vaiável qe teve m peo mito gade paa ma DMU teha peo mito peqeo, o até ehm, paa ota. Em temo de aálie do eltado da DMU eficiete ete fato gea ma cotibição mito gade, poi pemite a idetificação de vaiávei qe podeiam toa eta idade ieficiete, ma vez qe peo mito peqeo o igai a zeo motam qe e ete memo peo foem foçado a eem maioe o eltado fial do coe de eficiêcia podeia e meo. Baeado a explicação acima e o eltado da Tabela 7, cocli-e qe paa a Ameicaa.Com3 o peo atibído paa o Otpt Veda () foi mito meo qe o

22 7 peo do Otpt Cecimeto em Veda (9). Ito igifica qe e o Otpt Veda foe foçado a te m peo maio podeia toa a DMU ieficiete, potato ete otpt é m poto cítico. No cao da DMU Ameicaa.Com 4 e Sbmaio.Com 4 o poto cítico foi o ipt Númeo de Empegado. A Tabela 8. mota a cotibição da vaiávei paa a DMU Tabela 8. Cotibição da Vaiávei paa a DMU Ieficiete Empea Empegado Veda Cecimeto Veda Heme 3 9 Heme 4 9 Saaiva.Com 3 9 Saaiva.Com 4 9 Shoptime Som Live.Com Som Live.Com Sbmaio.Com O memo cometáio pode e feito em elação ao peo da idade ieficiete. No cao da Heme e Saaiva.Com o ao de 23 e 24, e o úmeo de empegado foe coideado o cálclo da eficiêcia, povavelmete eta idade teiam coe aida mai baixo. Como pode e vito a Tabela 8, ehm otpt teve peo meo qe %, ete fato ocoe poqe foi feita ma etição exigido qe ete foe o peo míimo de m otpt, potato a vaiávei otpt com peo míimo podem e coideada poto cítico, poi e eta etição ão foe feita, povavelmete o peo atibído a ela eiam. Aaliado ete fato em elação a SomLive.Com, po exemplo, pode-e ve qe o eltado do Cecimeto em Veda foi mai adeqado a a ecala do qe o eltado da Veda.

23 7 Tabela 9. Vaiação do ívei de ipt e otpt paa qe a DMU atiam a eficiêcia Empea Ipt/Otpt Obevado Alvo Vaiação (%) Heme3 Empegado 955, 89, -8,2 Veda 89,9 9,3-78,64 Cecimeto em Veda, 2,7.7, Heme4 Empegado 96, 43, -58,6 Veda 94, 72,64 83,66 Cecimeto em Veda 35,9 78,92 9,83 Saaiva.Com3 Empegado.372, 43, -7,63 Veda 2,86 72,64 67,84 Cecimeto em Veda 7,26 78,92 357,24 Saaiva.Com4 Empegado.38, 43, -69,9 Veda 3,76 72,64 66,38 Cecimeto em Veda 3,26 78,92 52,46 Shoptime3 Empegado 26, 26,, Veda 69,6 44,4 7,6 Cecimeto em Veda 2,7 7,5 239,38 Som Live.Com3 Empegado 89, 89,, Veda 9,3 29,98 583,5 Cecimeto em Veda 2,7 67,83-33,96 Som Live.Com4 Empegado 57, 57,, Veda 25,44 64, 52, Cecimeto em Veda 64,6 84,87 32,48 Sbmaio.Com3 Empegado 335, 335,, Veda 9,26 23,43 35,25 Cecimeto em Veda 63,99 86,55 35,25 Na Tabela 9 pode-e ve qal a meta de ipt e otpt paa qe a idade alcacem a eficiêcia. Aaliado o eltado elativo a SomLive.Com, pode-e ota qe hove pogeo o eltado elativo ao úmeo de fcioáio e Veda de 23 paa 24, cotdo, apea do eltado eem melhoe eta, o coe de 24 é ifeio ao de 23. Ete fato ocoe devido à pioa a vaiável Cecimeto em Veda, qe ecebe peo mito maio o cálclo da eficiêcia. Ete modelo explica a eficiêcia do eltado em elação à ecala da empea, cofome mecioado ateiomete. Cotdo, oto fatoe podem cotibi paa a

24 72 vaiação, paa mai o paa meo, deta eficiêcia. A pati dete poto eá aaliado o fato logítico qe pode impacta em ma maio eficiêcia da empea. A ecolha dete fato e dá devido à impotâcia da logítica paa o ceo da empea. O cao etdado eá o SomLive.Com.

Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados

Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados 2 a 5/9/6 Goiâia, GO Aálie de Eficiêcia do Mecado Bacáio Baileio Utilizado a Metodologia da Aálie Evoltóia de Dado Flávio Paim Feaza Metado em Admiitação pela Facldade Ibmec/RJ Av. Rio Baco, 8, qito ada,

Leia mais

Uma análise de desempenho no mercado de concessão de crédito de consumo no Brasil

Uma análise de desempenho no mercado de concessão de crédito de consumo no Brasil Uma aálie de deempeho o mecado de coceão de cédito de como o Bail Miiam Cadoo Cota Potifica Uiveidade Católica do Rio de Jaeio Depatameto de Egehaia Idtial Ra Maqê de São Vicete, 225, ala 95L miiam@alo.pc-io.b

Leia mais

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I 5 TABALHO POTNCIAL LTOSTÁTICO Nos capítulos ateioes ós ivestigamos o campo elético devido a divesas cofiguações de cagas (potuais, distibuição liea, supefície de cagas e distibuição volumética

Leia mais

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional C. Balsa e A. Satos Capítulo I Eos e Aitmética Computacioal. Itodução aos Métodos Numéicos O objectivo da disciplia de Métodos Numéicos é o estudo, desevolvimeto e avaliação de algoitmos computacioais

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo Depatameto de Ifomática Disciplia: Modelagem Aalítica do Desempeho de Sistemas de Computação Elemetos de Aálise Combiatóia Pof. Ségio Colche colche@if.puc-io.b Teoema: Elemetos de Aálise Combiatóia Modelagem

Leia mais

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca Validação do método de dimeioameto do úmero médio ideal de emete por aca Quitiliao Siqueira Schrode Nomelii 1, Dayae Alve Cota 1, Luca Floretio Silva 1, Alie Sato Ferreira 1, Jaer Moura Pereira 2, Nádia

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletotécnica Módulo III Pate II - Máquina de Indução Pof. Máquina de Indução ou Máquina Aíncona Tipo de máquina elética otativa mai utilizado Tipo de máquina com contução mai obuta (oto em gaiola quiel

Leia mais

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE ESOAMENTOS EM EGIME EMANENTE eime emaete: são escoametos qe ão aesetam aiação com o temo t Escoametos i-dimesioais: só aesetam m comoete de elocidade qe só aia em ma dieção Escoametos simles hidodiamicamete

Leia mais

CAPÍTULO 7 - Intervalos de confiança

CAPÍTULO 7 - Intervalos de confiança INF 16 CAPÍTULO 7 - Itervalo de cofiaça É uma maeira de calcularmo uma etimativa de um parâmetro decohecido. Muita veze também fucioa como um tete de hipótee. A idéia é cotruir um itervalo de cofiaça para

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA

ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA Vanea Silva RESENDE Eduado Yohio NAKANO RESUMO: O modelo tadicional de análie conunta upõe que a nota atibuída eguem uma ditibuição Nomal.

Leia mais

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D.

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D. CONAMET/SAM 26 TESTE DE VIDA SEQÜENCIAL APLICADO A UM TESTE DE VIDA ACELERADO COM UMA DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAGEM WEIBULL DE TRÊS PARÂMETROS - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO-SE O MÉTODO DO MAXIMUM LIKELIHOOD

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA CONHECIENTOS BÁSICOS ATEÁTICA Para repoder à quetõe de o e, utilize o dado da tabela abaixo, que apreeta a freqüêcia acumulada da idade de 0 jove etre 4 e 0 ao. Idade (ao) Freqüêcia Acumulada 4 5 4 6 9

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama.

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama. ELEICIDADE CAPÍULO 5 GEADOES Cofome visto o Capítulo, o geado é uma máquia elética capaz de estabelece uma difeeça de potecial elético (ddp) costate (ou fime) ete os extemos de um coduto elético, de maeia

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Ivetigação Operacioal Fila de Epera Liceciatura em Egeharia Civil Liceciatura em Egeharia do Território Nuo Moreira - 4/5 roblema Nuo Moreira - 4/5 No erviço de urgêcia do hopital da cidade o paciete ão

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação)

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação) Supote à Execução Compiladoe Ambiente de upote à execução O Compilado gea código executável. Ma nem tudo etá conhecido ante que o pogama eja executado! Valoe de paâmeto e funçõe, Memóia dinamicamente alocada,

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015 SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA

Leia mais

Formatação de fonte. Teorema da amostragem

Formatação de fonte. Teorema da amostragem Formatação de ote 1 Teorema da amotragem Do aalógico para o digital A amotragem (itatâea) de um ial ou orma de oda aalógica é o proceo pelo qual o ial paa a er repreetado por um cojuto dicreto de úmero.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Itrodução Aálie o domíio do tempo Repota ao degrau Repota à rampa Repota à parábola Aálie o domíio da freqüêcia Diagrama de Bode Diagrama de Nyquit Diagrama de Nichol Eta aula EM

Leia mais

Linhas de Campo Magnético

Linhas de Campo Magnético Linha de Campo Magnético Popiedade da Linha de Campo Magnético Não há evidência expeimental de monopolo magnético (pólo iolado) Etutua magnética mai imple: dipolo magnético Linha de Campo Magnético ão

Leia mais

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO)

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO) ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Ra Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 3797-9800; Fax: (0xx21) 3797-9830 www.energetica.ind.r CALIBRAÇÃO DO

Leia mais

QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL

QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL Vito Hugo Mio Doutoado em Ecoomia (CAEN/UFC. Aalista

Leia mais

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL SALVADOR BA 7 EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA EQUAÇÕES DA RETA DEF: Qualque eto não nulo paalelo a uma eta chama-e eto dieto dea

Leia mais

2. MÉTODO DE POSICIONAMENTO RELATIVO 1. INTRODUÇÃO

2. MÉTODO DE POSICIONAMENTO RELATIVO 1. INTRODUÇÃO Método de poicionamento elativo po atélite GPS com coeção do efeito do multicaminho em etaçõe de efeência: fomulação matemátic eultado e análie Weley Gildo Canducci Polezel Eniuce Meneze de Souza João

Leia mais

Análise de Estratégias de Controle de Erros para Redes de Sensores com Modulação OQPSK e GFSK

Análise de Estratégias de Controle de Erros para Redes de Sensores com Modulação OQPSK e GFSK XXV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES SBT 7, 3-6 DE SETEMBRO DE 7, RECIFE, PE Aálise de Estatégias de Cotole de Eos paa Redes de Sesoes com Modulação OQPSK e GFSK João. Kleischmidt e Walte C. Boelli

Leia mais

Análise de Eficiência dos Terminais Portuários do Mercosul

Análise de Eficiência dos Terminais Portuários do Mercosul Aálie de Eficiêcia do Temiai Potáio do Mecol Li Edado Madeio Gede Depto. Egehaia de Podção, COPPE/UFRJ Uiveidade Fedeal do Rio de Jaeio, Ilha do Fdão - Cidade Uiveitáia - Ceto de Tecologia -Bloco F - Sala

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. FUNDAMENTAL 8-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 8. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. FUNDAMENTAL 8-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 8. uso escolar. Venda proibida. 8 ENSINO FUNMENTL 8-º ano Matemática tividade complementae Ete mateial é um complemento da oba Matemática 8 Paa Vive Junto. Repodução pemitida omente paa uo ecola. Venda poibida. Samuel aal apítulo 6 Ete

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016 IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática A 2.º ao de Escolaridade Prova 65/2.ª Fase Págias Dração da Prova: 50 mitos. Tolerâcia: 0 mitos 2008

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

Eficiência das Instituições de Microcrédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto brasileiro

Eficiência das Instituições de Microcrédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto brasileiro Poduction, v. 25, n. 3, p. 70-72, jul./et. 205 http://dx.doi.og/0.590/003-653.4203 Eficiência da Intituiçõe de Micocédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto baileio Elaine Apaecida Aaújo a *, Chale

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cusos e Empeendimentos VER Ltda Nome Fantasia: Micolins Unidade Nova Lima Data de fundação: 09/03/2007

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E Questão 1 Dois pilotos iniciaam simultaneamente a disputa de uma pova de automobilismo numa pista cuja extensão total é de, km. Enquanto Máio leva 1,1 minuto paa da uma volta completa na pista, Júlio demoa

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de captura e análise de movimentos baseado em técnicas de visão computacional

Desenvolvimento de um sistema de captura e análise de movimentos baseado em técnicas de visão computacional Uivesidade Fedeal de Ubelâdia Faculdade de Egehaia Elética Pós-gaduação em Egehaia Elética Desevolvimeto de um sistema de captua e aálise de movimetos baseado em técicas de visão computacioal Ala Petôio

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 12 Momento em Relação a um Eixo Específico e Momento de um Binário. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J.

Mecânica Técnica. Aula 12 Momento em Relação a um Eixo Específico e Momento de um Binário. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Ala 12 Momento em Relação a m Eio Específico e Momento de m Bináio Pof. MSc. Liz Edado Mianda J. Rodiges Pof. MSc. Liz Edado Mianda J. Rodiges Tópicos Abodados Nesta Ala Momento em Relação a m Eio Específico.

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Depyl Action Depilações Ltda-ME Nome Fantasia: Depyl Action - Especializada em Depilação Data

Leia mais

PREFEITURA MUNlClPAL DE VIÇOSA

PREFEITURA MUNlClPAL DE VIÇOSA PRAÇA DO ROSÃRIO, 5 - CEP 36570000 - VIÇOSA - MG GABINETCTOPREFEnO LEI N«1199/97 Dispõe sobe alteações no Código Tibutáio do Munícipto e dá outas povidências 0 Povo cte Muntoípio cto Viçosa, po seus epesentutes,

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Resposta no tempo de sistemas de primeira e de segunda ordem só com pólos

Resposta no tempo de sistemas de primeira e de segunda ordem só com pólos Resposa o empo de sisemas de pimeia e de seguda odem só com pólos Luís Boges de Almeida Maio de Iodução Esas oas apeseam, de foma sumáia, o esudo da esposa o empo dos sisemas de pimeia e de seguda odem

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

1 - CORRELAÇÃO LINEAR SIMPLES rxy

1 - CORRELAÇÃO LINEAR SIMPLES rxy 1 - CORRELAÇÃO LINEAR IMPLE Em pesquisas, feqüetemete, pocua-se veifica se existe elação ete duas ou mais vaiáveis, isto é, sabe se as alteações sofidas po uma das vaiáveis são acompahadas po alteações

Leia mais

PROTÓTIPO DE GERENCIADOR DE ARQUIVOS PARA AMBIENTE DISTRIBUÍDO

PROTÓTIPO DE GERENCIADOR DE ARQUIVOS PARA AMBIENTE DISTRIBUÍDO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE GERENCIADOR DE ARQUIVOS PARA AMBIENTE DISTRIBUÍDO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Modelagem e Simulação de um Reator Tubular de Alta Pressão para Produção de PEBD

Modelagem e Simulação de um Reator Tubular de Alta Pressão para Produção de PEBD UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEARTAENTO DE ENGENHARIA QUÍICA ROGRAA DE ÓS-GRADUAÇÃO E ENGENHARIA QUÍICA odelage e Siulação de u Reato Tubula de Alta eão paa odução de

Leia mais

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

CONTROLE DE VELOCIDADE SENSORLESS DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS SUJEITOS A DISTÚRBIOS DE TORQUE

CONTROLE DE VELOCIDADE SENSORLESS DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS SUJEITOS A DISTÚRBIOS DE TORQUE UFSM Dietação de Metado CONTROE DE VEOCIDADE SENSORESS DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS SUJEITOS A DISTÚRBIOS DE TORQUE CRISTIANE CAUDURO GASTADINI PPGEE Santa Maia, RS, BRASI. 28 - CONTROE DE VEOCIDADE

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

Unidade de Ensino Descentralizada de Colatina Coordenadoria de Informática Disciplina: Probabilidade e Estatística Prof. Leandro Melo de Sá 2006/2

Unidade de Ensino Descentralizada de Colatina Coordenadoria de Informática Disciplina: Probabilidade e Estatística Prof. Leandro Melo de Sá 2006/2 Uidade de io Decetralizada de Colatia Coordeadoria de Iformática Diciplia: Probabilidade e tatítica Prof. Leadro Melo de Sá 006/ Uidade 4 STIMAÇÃO Nea uidade uaremo o dado amotrai para fazer iferêcia (ou

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em.

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em. REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Apovado pela Assembleia Geal de Associados ealizada em. Capítulo I Disposições Peliminaes At. 1º O pesente egimento

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Pé Vemelho Ensino Pofissionalizante SS LTDA Nome Fantasia: BIT Company Data de fundação: 23/05/2009

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001 Ceecaa e Autozaa pelo MEC, Potaa. o. 644 e 8 e maço e 00 Publcao o D.O.U. em 0/04/00 ESTATÍSTICA Pelo Poesso Gealo Pacheco A Estatístca é uma pate a Matemátca Aplcaa que oece métoos paa coleta, ogazação,

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

CONSTRUÇÕES FUNDAMENTAIS

CONSTRUÇÕES FUNDAMENTAIS COLÉGIO EDRO II Camp RELENGO II Diciplina: DESENHO ª Séie (EM) of. Sonia Sá CONSTRUÇÕES FUNDMENTIS São contçõe báica feita com axílio do intmento de Deenho. Taçado de RLELS e ERENDICULRES com pa de ESQUDROS

Leia mais

Análise da Resposta Transitória

Análise da Resposta Transitória Uiveridade Etadual do Oete do Paraá Programa de Pó-graduação em Egeharia de Sitema Diâmico e Eergético Tema da Aula: Aálie da Repota Traitória Prof. Dr. Carlo Herique Faria do Sato 1 Etrutura da aula 1

Leia mais

Fotografando o Eclipse Total da Lua

Fotografando o Eclipse Total da Lua Fotografando o Eclipe Total da Lua (trabalho apreentado para o Mueu de Atronomia e Ciência Afin) http://atrourf.com/diniz/artigo.html Autor: Joé Carlo Diniz (REA-BRASIL) "Você pode e deve fotografar o

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 ESPAÇOS VETORIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 ESPAÇOS VETORIAIS Luiz Facisco da Cuz Depatameto de Matática Uesp/Bauu CAPÍTULO ESPAÇOS VETORIAIS 1 Históico Sabe-se que, até pelo meos o fial do século XIX, ão havia ehuma teoia ou cojuto de egas b defiidas a que se pudesse

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira ensidade de Fluxo Elético Pof aniel ilveia Intodução Objetivo Intoduzi o conceito de fluxo Relaciona estes conceitos com o de campo elético Intoduzi os conceitos de fluxo elético e densidade de fluxo elético

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep.

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep. X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Avaliação do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem, po meio da análise da técnica de pé ajustagem de feamentas. - van

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Jackknife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem

Jackknife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem Jackkife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem Camilo Daleles Reó camilo@dpi.ipe.br Referata Biodiversa (http://www.dpi.ipe.br/referata/idex.html) São José dos Campos, 8 de dezembro de 20 Iferêcia

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Fornecedor

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Fornecedor PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fonecedo Dados da Empesa Razão Social: Visa do Basil Empeendimentos Ltda. Nome Fantasia: Visa Data de Fundação: 08 de junho de 1987 Númeo

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

DIFERENCIAIS SALARIAIS E MERCADO POTENCIAL: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL

DIFERENCIAIS SALARIAIS E MERCADO POTENCIAL: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL FACULDADE DE ECOOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOOMIA APLICADA DIFERECIAIS SALARIAIS E MERCADO POTECIAL: EVIDÊCIAS PARA O BRASIL Pedo Vaconcelo Amaal Mauo Boge Lemo Rodigo Feeia Simõe Flávia Lúcia

Leia mais

6.15 EXERCÍCIOS pg. 290

6.15 EXERCÍCIOS pg. 290 56 6.5 EXERCÍCOS pg. 9. Da um mplo d uma fução cotíua po pat dfiida o itvalo ] [. Muito mplo podm ciado. Sgu um dl: ) ( - - f - - - - - - 6 8 y. Calcula a itgal da guit fuçõ cotíua po pat dfiida o itvalo

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

DEA, Análise Envoltória de Dados, Índices de Eficiência de Distribuidoras de Energia Elétrica.

DEA, Análise Envoltória de Dados, Índices de Eficiência de Distribuidoras de Energia Elétrica. SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 25 6 a 2 Outubo de 2005 Cutba - Paaá GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO EM MERCADOS DE ENERGIA ELÉTRICA - GME EXTENSÃO DA METODOLOGIA

Leia mais

07/11/2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOMÁTICA AJUSTAMENTO II GA110. Prof. Alvaro Muriel Lima Machado

07/11/2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOMÁTICA AJUSTAMENTO II GA110. Prof. Alvaro Muriel Lima Machado 7//6 UNIVERSIDDE FEDERL DO PRNÁ SEOR DE IÊNIS D ERR DEPRMENO DE GEOMÁI JUSMENO II G Pof. lvo Miel Lim Mchdo jtmeto com Ijçõe Lih com zeo mtiz Só obevçõe Lih com zeo mtiz B Sem obevçõe Eqçõe de codição

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra 5. Campo Gavítico ómalo elação ete o potecial gavítico e o potecial omal é dada po: W ( x, y, z = U( x, y,z + ( x, y,z O campo gavítico aómalo ou petubado é etão defiido pela difeeça do campo gavítico

Leia mais

Transformadores. Ligações e Esfasamentos. Nos transformadores trifásicos existe uma diferença de fase entre os fasores. Manuel Vaz Guedes.

Transformadores. Ligações e Esfasamentos. Nos transformadores trifásicos existe uma diferença de fase entre os fasores. Manuel Vaz Guedes. Tfomdoe Ligçõe e Efmeo Muel Vz Guede FEUP Fuldde de Egehi Uiveidde do Poo o fomdoe ifáio exie um difeeç de fe ee o foe epeeivo d eão o eolmeo pimáio e d eão o eolmeo eudáio. Ee âgulo de difeeç de fe depede

Leia mais