Ensaios Econômicos. Amortização de Dívidas e Prestações Constantes: Uma Análise Crítica. Outubro de Escola de. Pós-Graduação.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ensaios Econômicos. Amortização de Dívidas e Prestações Constantes: Uma Análise Crítica. Outubro de 2013. Escola de. Pós-Graduação."

Transcrição

1 Esaos Ecoômcos Escola de ós-graduação em Ecooma da Fudação Getulo Vargas N 746 ISSN Amortzação de Dívdas e restações Costates: Uma Aálse Crítca Clovs de Faro Outubro de 203 URL:

2 Os artgos publcados são de tera resposabldade de seus autores. As opões eles emtdas ão exprmem, ecessaramete, o poto de vsta da Fudação Getulo Vargas. ESCOLA DE ÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Dretor Geral: Rubes eha Cyse Vce-Dretor: Aloso Araujo Dretor de Eso: Carlos Eugêo da Costa Dretor de esqusa: Humberto Morera Vce-Dretores de Graduação: Adré Arruda Vllela & Lus Herque Bertolo Brado de Faro, Clovs Amortzação de Dívdas e restações Costates: Uma Aálse Crítca/ Clovs de Faro Ro de Jaero : FGV,EGE, p. - (Esaos Ecoômcos; 746) Iclu bblografa. CDD-330

3 AMORTIZAÇÃO DE DÍVIDAS E RESTAÇÕES CONSTANTES : UMA ANÁLISE CRÍTICA Clovs de Faro # (Revsado, 23 de outubro de 203) # rofessor da Escola Braslera de Ecooma e Faças EGE/FGV

4 AMORTIZAÇÃO DE DÍVIDAS E RESTAÇÕES CONSTANTES : Uma Aálse Crítca Clovs de Faro - Itrodução Idubtavelmete, clusve em escala plaetára, o sstema de amortzação de dívdas mas frequetemete utlzado é o que se basea o pagameto de prestações costates. Em especal, aqu o Brasl, mormete o caso de facametos habtacoas, que costumam ser de logo prazo, e mesmo para aqusção de bes duráves, geralmete operações de curto a médo prazo, o esquema de prestações costates é o mas popular. Sedo que, o âmbto do sstema Facero de Habtação, é dto ser segudo a Tabela rce. Etretato, por ser fudametada o regme de juros compostos, a adoção de Tabela rce tem sdo fulcro de repetdos questoametos em osso judcáro (veja-se, por exemplo, de Faro e Guerra, 2009). Isso porque, a meu ver equvocadamete, assoca-se ao regme de juros compostos o que, o jargão jurídco, se deoma de aatocsmo (que, segudo Houass, 200, sgfca cobraça de juros sobre juros). Todava, como formalmete dscutdo em de Faro (203), muto embora aatocsmo só ocorra o regme de juros compostos, a adoção deste regme de juros ão mplca, ecessaramete, a preseça de aatocsmo. Tal é, exatamete, cotraramete ao etedmeto de algus autores, como Noguera (2002), o caso da Tabela rce; coquato esteja mplícto o regme de juros compostos, se ão houver prestação em atraso, ão há a ocorrêca de aatocsmo. Tal deomação, que ão costuma ser empregada em outros países, afgura-se como tedo orgem o trabalho Observatos o Reversoary aymets, de autora de Rchard rce, orgalmete publcado em 77, a Iglaterra. Veja-se Wpéda, agosto de

5 Como o assuto é objeto de polêmcas, ão raras vezes têm sdo promulgadas seteças judcas determado que a amortzação de facametos seja efetuada segudo os precetos do regme de juros smples. Sedo que, em partcular, usado uma deomação adequada, tem ocorrdo seteças estpulado a adoção do que veo a ser chamado de método de Gauss (cf. aulo Durga Advocaca, 203). Nosso objetvo o presete artgo é o de, com fudameto em um arcabouço teórco que suporta o que remos deomar de codções de cosstêca (facera), aalsar crtcamete tato as característcas da Tabela rce, como também as assocadas a algus sstemas de amortzação, com prestações costates, que fazem uso do regme de juros smples. 2 Estrutura Aalítca ara ossas faldades, remos cosderar a stuação ode um facameto de valor F, deve ser amortzado medate o pagameto de prestações peródcas e postecpadas (sto é, com a prmera vecedo-se um período após a data de cocessão do empréstmo), todas elas guas ao valor costate. Ou seja, remos cosderar o fluxo de caxa cuja represetação gráfca é: períodos F Ada mas, cosderada a taxa peródca de juros, seja ela de juros smples ou de juros compostos, suposta postva, admtremos, como adate formalzado, haver equvalêca facera etre o valor facado F, e a sequêca formada pelas prestações peródcas e guas a. É aí mecoada seteça dos autos , às fls 227/262, da Vara Federal Especalzada do Sstema Facero da Habtação de Curtba, codeado sttuções faceras a substtur a Tabela rce pelo método lear poderado ou de Gauss. A propósto, o Isttuto dos Mutuáros e Defesa dos Cosumdores de rodutos Faceros, mecoa, em sua pága a Iteret, despacho, de feverero de 200, do Desembargador aulo Hataaa, do Trbual de Justça do estado de São aulo, que... Aplca-se, em substtução à Tabela rce, o método de cálculos smples, ou seja, o Método de Gauss ; fcado... 3

6 2.- Defções Defe-se o total cotábl de juros, que está embutdo o facameto e que será deotado por Ĵ, como: () com, posto que supomos Jˆ. F ˆ 0 J 0 or outro lado, podemos sempre admtr que cada prestação seja composta de duas parcelas. Uma, dta de amortzação (ou de redução do valor do prcpal F que fo facado), e a outra, de juros (ou de remueração pelo facameto). Deotado por A a parcela de amortzação que está cotda a -ésma prestação, e por J a correspodete parcela de juros, temos que com e A J,,2,... A F J ˆ J. F (4) 2.2 Coceto de Cosstêca (Facera) Dremos que um sstema de amortzação de dívdas é (faceramete) cosstete, se, deotado por S o saldo devedor (estado da dívda ou débto remaescete), logo após o pagameto da -ésma prestação, para =,2,...,, o seu valor puder ser dsttamete determado segudo qualquer um dos três segutes procedmetos: a) método retrospectvo O que se deve é gual ao valor F do facameto, subtraído da soma das parcelas de amortzação já efetuadas. Ou seja, formalmete, se: S F A b) método prospectvo O saldo devedor a época, é gual ao valor atual (como adate defdo) e à taxa do facameto, das - prestações remaescetes. c) método de recorrêca (2) (3) (5) 4

7 O que se deve a época, é gual ao que se devera se ada houvesse sdo pago (o que correspode ao valor F facado, acrescdo de juros à taxa, por períodos), deduzdo do motate (como adate explctado), a época e à taxa, das prestações já pagas. Adcoalmete, o coceto de cosstêca (facera), aqu eucado, completa-se com a terpretação de que a -ésma parcela de juros,, deva ser gual aos juros, por um período e à taxa, seja ela de duros smples ou de juros compostos, relatvos ao saldo devedor a época -. Ou seja, formalmete, se: J. S,,2,...,, com S F (6) 0 J Observe-se também que, partdo da relação (5), como S S A decorre da relação (4) que S S J ou, face à relação (6) S S,,2,..., (5 ) (5 ) (7) Em palavras, a relação (7), que ão depede de que a taxa seja de juros smples ou de juros compostos, pos que dz respeto a um úco período, expressa o fato, como devera ser de etedmeto comum, de que o que se deve um período após a época -, é gual ao que se deva aquela época, acrescdo de juros à taxa, subtraído do pagameto da prestação que se veceu a época. Tedo presete o arcabouço teórco aqu apresetado, vejamos agora o que acotece quado se cosdera a taxa como de juros compostos ou como de juros smples. 3 - O Caso do Regme de Juros Compostos (Tabela rce) Na evetualdade em que seja especfcado que a taxa cosderada é de juros compostos, o resultate sstema de prestações costates reduz-se ao chamado método fracês ou da Tabela rce. Sedo que, formalmete, a hpótese de equvalêca facera etre o valor F do facameto e a sequêca de prestações guas a, quado se cosdera a data de cocessão do facameto, época zero, como data focal, se expressa como: j (8) F j do que decorre que Na realdade, como aaltcamete mostrado em de Faro (2006, pp ), a propredade de cdbldade do prazo que se verfca o regme de juros compostos, mplca que a relação (9) vale qualquer que seja a data focal. 5

8 . F Como J F. segue-se que e A J. F or outro lado, cosderado-se épocas e +, podemos escrever: A J A. S A F A (9) (0) () A J A. S A F A Logo, subtrado-se membro a membro, vem: A A (2) Ou seja, o sstema de prestações costates o regme de juros compostos à taxa, as parcelas de amortzação evoluem segudo uma programação geométrca de razão +, e termo cal dado pela relação (). ou, ada or cosegute, de acordo com o método retrospectvo, ter-se-á: S F A A A S F (3) (3 ) or outro lado, cosderado-se a determação do saldo devedor pelos métodos prospectvo e de recorrêca, tem-se, respectvamete, que: ou e ou j j S S F j (4) (4 ) j S F F ( ( 5) S F Observado que a relação (4 ), multplcado-se o umerador e o deomador por, reduz-se à relação (3 ), coclu-se, de medato, que há cosstêca (facera) etre os métodos retrospectvo e prospectvo. 6 (5 )

9 Cosequetemete, para costatar a total cosstêca (facera) do sstema fracês (Tabela rce), basta verfcar se, por exemplo, os métodos de recorrêca e prospectvo coduzem ao mesmo resultado para o saldo devedor. Isto é, se as relações (4 ) e (5 ) coduzem ao mesmo resultado. Isso é formalmete cosegudo observado-se que a relação de equvalêca facera dada por (8), pode ser coveetemete reescrta como: S j F j j j (8 ) ortato, multplcado-se ambos os membros de (8 ) por, costata-se, trvalmete, a cosstêca (facera) etre os métodos prospectvo e de recorrêca. 4- O Caso do Regme de Juros Smples Supoha-se agora que, como parece ser frequete em decsões judcas, a taxa cosderada deva ser de juros smples. Como, o regme de juros smples, o prazo de aplcação é ão cdível, a determação do valor da sequêca das prestações costates, fca depededo da escolha da chamada data focal. No que se segue, remos cosderar duas dsttas possbldades para a data focal. Respectvamete a época zero, que é a de cocessão do empréstmo, e a época, que é a de pagameto da últma prestação Época Zero como Data Focal Em prcípo, em sedo especfcada a época zero como data focal, a relação de equvalêca facera etre o valor F do facameto e a sequêca formada pelas prestações peródcas e costates, depederá, ada, de que seja adotado o que se deoma de descoto racoal, ou que seja estpulado o chamado descoto comercal (ou bacáro) Adotado-se o Descoto Racoal o resultate valor da prestação Nesta evetualdade, deotado-se por costate, a equação de equvalêca facera etre o prcpal F e a sequêca das prestações peródcas e guas a, é escrta como: F j j. (6) Em lígua portuguesa, tal dosscrasa já hava sdo observada em de Faro (969, pg. 33). 2 Essas duas datas focas ão estão sedo arbtraramete estpuladas, pos que são as que aparecem em seteças judcas. 7

10 Muto embora, computacoalmete, possa ser feto uso de recursão. com B B, 2,3,... (7). B (8) a relação (6) é, à exceção do caso trval ode =, de crescetemete trabalhosa solução aalítca, em fução de. A título meramete lustratvo, a Tabela I apreseta, em fução de F e de até 6 prestações, as correspodetes expressões para. e para Tabela I Expressão Aalítca de em Fução de F, de e de F F F F F F Como lustrado a Tabela I, o tratameto aalítco, especalmete para valores elevados do úmero de prestações, é probtvo. or sso mesmo, para evdecar que a sstemátca em questão ão satsfaz ossa codção de cosstêca (facera), laçaremos mão do expedete de um exemplo umérco. Seja o caso ode F = udades de captal, a taxa, de juros smples, é 2% por período, e o empréstmo deva ser lqudado medate o pagameto de = 5 prestações peródcas e costates. Quer laçado mão da recursão dada pelas relações (7) e (8), quer fazedo uso da expressão aalítca apresetada a Tabela I, tem-se que o valor da prestação costate é 2.84,90 udades de captal. A Tabela II, em termos de udades de captal, mostra a evolução do estado da dívda ao logo do prazo de 5 períodos que fo cosderado. Sedo que, o que 8

11 cosderamos como fudametal, fzemos, a cada período, uso das relações báscas (6) e (7), quado se substtu. por Tabela II Evolução do Estado da Dívda o Caso do Descoto Racoal S , ,0 2.84, , , , ,90.66, , , ,90.224, , , ,90 825, ,7 5 6,0 2.84,90 48, ,35 Totas , , ,99 J Os resultados umércos apresetados a Tabela II evdecam que o crtéro de cosstêca (facera) que adotamos como arcabouço teórco, ão é satsfeto. Especfcamete, à taxa de juros smples de 2% por período, o débto ão é lqudado com o pagameto da quta e últma prestação. Ou seja, temos o colapso do método retrospectvo. Muto embora se acredte, como veremos adate, que a valdade do método retrospectvo pudesse ser remedada, arbtrado-se as parcelas de amortzação de tal modo que sua soma guale o valor F do facameto, restara ada a cosstêca, em termos de dscrepâca, com os métodos prospectvo e de recorrêca. or exemplo, o caso da lustração umérca, cosderado-se o estado da dívda logo após o pagameto da tercera prestação, tem-se: a) segudo o método prospectvo S , ,6 u.c ,02 2 0,02 b) segudo o método de recorrêca 3 3 j S F 0,02 3 0,02 3 j ,90,04, ,2 u.c. Como cosequêca, as parcelas de amortzação são obtdas, como resíduos, a partr da relação (2), substtudo por. 9

12 odemos, pos, coclur que a adoção do regme de juros smples, cosderado a data zero como data focal, e o prcípo do descoto racoal, é (faceramete) cosstete Adotado-se o Descoto Comercal Matda a especfcação da data zero como data focal para a equação que exprme a equvalêca facera etre o valor F do facameto, e a sequêca de prestações costates, que agora deotaremos por, uma outra possbldade, ada o regme de juros smples à taxa, é a adoção do que se deoma de descoto comercal (ou bacáro). ˆ Nesta evetualdade, que costuma ser empregada pelos bacos comercas, especalmete em empréstmos de curto prazo, tem-se a segute equação de equvalêca facera: j F ˆ. j (9) Observado que devemos ter satsfeta a codção de que se teha, que pode ser etedda como a razão de que o descoto comercal só seja empregado em empréstmos de curto prazo, temos a segute solução aalítca para a equação dada pela relação (9); solução esta que faz uso da soma dos prmeros úmeros aturas, que é 2 gual a ˆ 2F 2 (20) Com o tuto de evdecar que também ão temos um sstema (faceramete) cosstete, e para efeto de comparação com o exemplo vsto o caso de adoção do descoto racoal, a Tabela III apreseta a correspodete Evolução do Estado da Dívda; como também expresso em udades de captal. Tabela III Evolução do Estado da Dívda o Caso de Descoto Comercal ˆ J , , , , , , ,60.64, , , ,60.22, , ,60 820, , , ,60 40, ,6 Totas , , ,9 S 0

13 Novamete, fo feto uso do etedmeto básco que estabelece que o que se deve o fm do -ésmo período, medatamete após o pagameto da prestação que aí se vece, é gual ao saldo devedor o íco deste -ésmo período, época -, acrescdo de juros à taxa pactuada, subtraído do pagameto efetuado. Ou seja, a ova otação para a prestação costate, fo feto uso da relação: S S ˆ (7 ) Agora, dferetemete do caso ateror, quado fo cosderado o descoto racoal, temos, como mostrado a Tabela III, que tera sdo amortzado mas do que o valor facado. os que o resultate saldo devedor fal, logo após o pagameto da quta e últma prestação, é egatvo. De qualquer modo, fca também evdecado o colapso do método retrospectvo; o setdo de que a dívda ão seja exatamete lqudada com o pagameto da últma prestação. Quato ao cálculo do saldo devedor, por exemplo, a época 3, de acordo com o método prospectvo, teríamos: 3 5 j4 S ˆ j ,60 0,02 0, ,60 u.c. Sedo que, segudo o método de recorrêca, o saldo devedor essa mesma época 3, sera: ˆ 3 S F j j = , ,60 0,02 2 0, ,60 u.c. or cosegute, fca costatado que também o caso de adoção de descoto comercal, ão é satsfeto o crtéro de cosstêca (facera). Isso, mesmo o caso, como o do exemplo, de um empréstmo de curto prazo. Sedo que, como = 2% por período, os prazos devem ser (sgfcatvamete) ferores a 50 períodos. Note-se que, cogruetemete, equato valores atuas estão sedo calculados segudo os dtames do descoto comercal, valores futuros estão sedo determados com base a relação clássca do regme de juros smples, C 0. C. Etretato, mesmo que valores futuros fossem calculados com base o etedmeto de que se tratara de uma operação versa à de descoto comercal, ou seja N V., também sera costatada a cosstêca apotada. osto que, com tal etedmeto, o método de recorrêca coduzra a S , ,60 2 0,02 0, ,44 u.c.

14 4.3 - Época do Últmo agameto como Data Focal Corretemete, vsto que ossos trbuas repudam o que se deoma de aatocsmo, que, equvocadamete, como já aterormete mecoado, costuma ser eteddo como estado ecessaramete presete o emprego da Tabela rce, tem sdo proposto (cf. Ato e Assução, 2006 e Noguera, 203), que amortzações de dívdas por meo de prestações costates, sejam efetuadas com base o regme de juros smples e adotado-se o fal do prazo do facameto como data focal; época. Tal mplca em que a equação de equvalêca facera etre o valor F do facameto, e a sequêca de prestações costates, cujo valor agora deotaremos por, cosderada a taxa peródca de juros smples, seja escrta como: j F. j (2) relmarmete, otemos que o valor de costuma, aqu em terras brasílcas, ser dto estar sedo determado de acordo com o método de Gauss. Isso, aparetemete, por que, como a relação (2) evolve a soma dos prmeros úmeros aturas, o que também acotece a relação (9), faz-se uma homeagem ao grade matemátco alemão Carl Fredrch Gauss ( ). Que, craça prodígo, costa que (cf. Wpeda, 203), ada como aluo a escola elemetar em sua cdade atal, Brauschweg, Alemaha, fo capaz de apresetar, quase de medato, a solução umérca para a soma dos 00 prmeros úmeros aturas. Frzado que ão é cohecda ehuma referêca de que Gauss teha tdo qualquer teresse pelo problema em questão, faz-se mster chama ateção de que a cosderação da época como data focal, coduz ao que, a lígua glesa (cf. Butcher e Nesbtt, 977, pg. 95 e Kellso, 99, pg. 252), se deoma de Merchat s Rule. Resolvedo-se para solução aalítca: 2 a equação data pela relação (2), obtém-se a segute 2F. 2 (22) Adcoalmete, os propoetes deste método de Gauss, como as referêcas mecoadas, especfcam que o total cotábl de juros, agora dado por Sedo que, em lígua portuguesa e aqu o Brasl, com base em Ayres Jr. (963), o assuto, com essa mesma termologa, já era tratado em de Faro (969, pg. 93). Com o objetvo sedo o de prover uma aproxmação para a taxa de juros compostos que estara mplícta. or outro lado, como apotado e reproduzdo por Noguera (203, pgs ), essa abordagem já hava sdo apresetada em Wles (794, pgs ). 2 Segudo Vera Sobrho (202, pg. 6), o prmero autor braslero a apresetar a dedução dessa fórmula fo S. Thago (937, pg. 439). 2

15 ou J. F J. F 2 (23) dvddo pela soma dos prmeros aturas, defa o que deomam de ídce de poderação, cuja expressão é: I 2. F 2 (24) A partr desse ídce de poderação, estpula-se que a -ésma parcela de juros, que deotaremos por, seja dada por J J I,,2,..., (25) Do que decorre que as parcelas de juros cotábes, segudo esse método de Gauss, decresçam segudo uma progressão artmétca de razão gual ao smétrco do ídce de poderação. Ada, mas estpula-se que a -ésma parcela de amortzação seja dada, resdualmete, como A J (26) com o saldo devedor logo após o pagameto da -ésma prestação, sedo S F para,2,..., j j (27) Com tas especfcações, segue-se que, para o caso do exemplo cosderado, ode F= u.c., = 5 períodos e = 2% por período, a Evolução do Estado da Dívda sera como apresetado a Tabela IV. Tabela IV Evolução do Estado da Dívda Segudo o Método de Gauss S , , ,85.923, , , ,85.538, , , ,85.53, , , ,85 769, ,62 5 0, ,85 384, ,23 Totas , , ,00 J 3

16 Um prmero aspecto a destacar é que, aparetemete, a dívda fo efetvamete lqudada com o pagameto da últma prestação. Tal, porém, é egaoso; pos que fo cosegudo com o artfcalsmo embutdo o coceto de ídce poderado. Efetvamete, se forem devdamete levadas em cota as relações báscas, tas como dadas pela relação (6) e pela relação (7), com a substtução de, comprova-se, como mostrado a Tabela V, a efetva ão coformdade com o método retrospectvo. por De qualquer maera, cofgura-se a ão cogruêca com os métodos prospectvo e de recorrêca. Vsto que, cosderado-se o saldo devedor logo após o pagameto da tercera prestação, se tem: a) segudo o método prospectvo S , ,30 u.c. j4 j 3 0,02 2 0,02 b) segudo o método de recorrêca 3 3 j S F 3 3 j , ,85,04,02 = , ,23 u.c. Tabela V Evolução do Estado da Dívda Levado em Cota as Relações Báscas S * , ,5 2.53, , , , ,85.66, , , ,85.226, , , ,85 827, , , ,85 42, ,74 Totas , , ,38 J Destaque-se ada que, como evdecado a Tabela V, o débto ão sera lqudado mesmo após o pagameto da quta e últma prestação. 4

17 5 - Comparação etre os Valores das restações Ates de passarmos às coclusões, é coveete que se proceda a uma comparação etre os respectvos valores das prestações costates. Em termos aalítcos, como justfcado o Apêdce, temos que, dados F, e, teremos: a) para o caso de um úco período ˆ b) para o caso de mas de um período ˆ Ou seja, cotraramete ao apregoado pelos detratores da Tabela rce, que advogam seja esta substtuída por sstemas com base o regme de juros smples, pos que este coduzra a meores valores para as prestações, sto em sempre é verdade. Temos exatamete o cotráro, se for adotado o prcípo de descoto comercal (ou bacáro). Resta ada, etretato, prover uma dea quato aos tamahos, em termos umércos, das dfereças etre os valores das prestações costates, assocados a cada um dos quatro dsttos sstemas de amortzação, aqu cosderados. Embora lmtados a taxa de juros ão superores a 3% ao mês (o que correspode a uma taxa efetva, de juros compostos, de 42,58% ao ao), os resultados umércos apresetados o Apêdce, dão margem a que se façam as segutes ferêcas. Na Tabela A., que se refere à meor das taxas de juros que foram cosderadas, 0,5% por período, vemos que, para prazos que podem ser admtdos como curtos, ão mas do que 24 períodos, as dfereças umércas ão são de maores motas. Em partcular, a prestação costate assocada ao chamado método de Gauss, é somete 0,43% feror à relatva à Tabela rce; sto para o caso lmte superor, de 24 períodos. No etato, as dfereças crescem rapdamete, à medda que se aumeta a taxa de juros. Assm, se = 3% por período e = 24 períodos, vemos, da Tabela A.6, que a dfereça acma mecoada passa a ser o ada desprezível valor de 9,76%. Ada mas, mesmo para taxas pequeas, as dfereças aumetam sgfcatvamete à medda que se dlata o prazo (como meddo em úmero de períodos). or exemplo, se = 0,5% por período e = 240 períodos, a dfereça etre e é da ordem de 25%. 5

18 Deve-se ada observar que, como apotado dretamete as Tabelas em questão, exstem stuações ode tato como, sequer cobrem os juros, por um período, devdos ao captal emprestado (que é dado pelo produto ). O que tem como mplcação o fato de que, matdo o valor da prestação, a dívda ão seja amortzada por mas que se prorrogue o prazo. 6- Coclusão Nossos trbuas têm sdo pródgos em promulgar seteças codeado o emprego do regme de juros compostos a amortzação de dívdas. Isso por que, equvocadamete, ossos juízes acredtam que qualquer sstema de amortzação que se fudamete o regme de juros compostos, mplca a ocorrêca do que se deoma de aatocsmo. Em partcular, aboma-se a chamada Tabela rce; determado-se que o cálculo das prestações seja efetuado com base o regme de juros smples, medate o emprego de uma varate omada como método de Gauss. Fxado ateção o caso de prestações costates, mostrou-se que qualquer das três varates, fudametadas o regme de juros smples, que foram aqu aalsadas, ão satsfazem codções báscas de cosstêca (facera). Codções essas que são pleamete ateddas o caso da Tabela rce. Ademas, com a exceção do caso do descoto comercal, as duas outras sstemátcas que se fudametam o regme de juros smples, mplcam em prestações costates ferores àquelas que, para os mesmos valores de taxa de juro e de prazo, se assocam à Tabela rce. Como cosequêca, além de serem trscamete cosstetes, acarretado cálculos equvocados as apurações de juros cotábes e de saldos devedores, mplcam em que devedores se locupletem em detrmeto de credores, quado seteças judcas determam que a Tabela rce seja substtuída por um deles, sem que se alterem prazos e taxas de juros. or outro lado, tas tpos de seteças judcas tedem a provocar um efeto perverso. Buscado precaverem-se das perdas que estaram sedo mpostas, as sttuções faceras laçaram mão do expedete de, prevetvamete, aumetar as taxas de juros especfcadas os cotratos de facameto. Referêcas: - Ato, L.R. e Assução, M.S., Tabela rce e Aatocsmo, Revsta de Admstração da UNIME, Vol. 4, º,( ja/abr. de 2006), pp Ayres Jr., F., Mathematcs of Face, Schaum, Butcher, M.V. e Nesbtt, C. J., Mathematcs of Compoud Iterest, Ulrch, de Faro, C., Matemátca Facera, AEC, de Faro, C., Fudametos da Matemátca Facera, Sarava, de Faro, C., Uma Nota Sobre Amortzação de Dívdas: Juros Compostos e Aatocsmo, Revsta Braslera de Ecooma, Vol. 67, º 3 (jul/set. de 203), pp F. 6

19 - de Faro, C. e Guerra, S., Aatocsmo: o Dreto (a Justça) e a Matemátca Facera, Revsta de Dreto do Trbual de Justça do Estado do Ro de Jaero, º 80 (jul/ago/set. de 2009), pp Durga,.-Advocaca, SFH, Sstema rce, Aatocsmo e Método de Gauss, pága a Iteret, Houass, A., Dcoáro Houass da Lígua ortuguesa, Objetva, Isttuto dos Mutuáros e Defesa dos Cosumdores de rodutos Faceros, Método de Gauss, pága a Iteret, Kellso, S.G., The Theory of Iterest, Irw, 2 d Ed., Noguera, J.J.M., Tabela rce: da prova documetal e precsa do seu aatocsmo, Servada, Noguera, J. J.M., Tabela rce: Mtos e aradgmas, 3ª Ed., Mlleum, rce, R., Observatos o Reversoary aymets, 2 d Ed., Cadell, S. Thago, R. B. de, Mathematca Commercal e Facera, Esc. rof. Salesaas, Wpeda, pága a Iteret, Wle, D., Theory of Iterest: Smple ad Compoud,. Hll, 794. AÊNDICE Comparação etre as restações. Uma questão que se apreseta é saber como, dados F, e, se comparam as prestações costates respectvamete assocadas à cada uma das quatro sstemátcas que foram cosderadas. ara respoder a dagação, remos cosderar dos efoques. O prmero, de cuho aalítco, tem como cosequêca podermos ordear, de uma maera geral, os correspodetes valores das prestações costates. O segudo, de caráter umérco, tem o objetvo de buscar evdecar, para algumas taxas de juros e um cojuto relevate de prazos, se são muto sgfcatvas, em termos prátcos, as dfereças etre os respectvos valores das prestações costates. A.- Resultados Aalítcos Dado que, o caso de um úco período, ão há dstção etre os regmes de juros smples e de juros compostos, remos cosderar, separadamete, os casos ode = e > ; com o prazo meddo em úmero de períodos da taxa cosderada. a) Caso de um úco período Como, o caso de um úco período, além de ão haver dstção etre adotar-se o regme de juros smples ou o regme de juros compostos, ão se fazedo presete, portato, a questão da cdbldade do prazo, tem-se que: * F (A.) 7

20 e or outro lado, como ˆ F, para (A.2) (A.3) segue-se que a prestação obtda com base o descoto comercal será sempre domate (o setdo de ser a maor). b) Caso de mas de um período ara o caso de maor teresse prátco, ode > pode vr a ser um úmero bastate grade, como só acotecer em facametos mobláros, podemos estabelecer os segutes resultados, de caráter geral. roposção I ˆ *, para =, 2, 3, Demostração Lembrado que, para a determação de, deve ser obedecda a restrção, partdo-se das relações (20) e (2), tem-se: ˆ ˆ * 2F 2F. 2 2 ~2 2F 2 2 = 0 (A.4) roposção II, para Demostração Tedo em vsta as relações (8) e (6), tem-se que j. F j j j ou 8

21 j j j. j or cosegute, ter-se-á se (A.5) j j. (A.6) j j ara comprovar a valdade da desgualdade dada por (A.6), basta verfcar que, cosderado-se as respectvas j-ésmas parcelas e fazedo uso do bômo de Newto, se tem: pos que j. j j j j j j. j j 2... j. 0 2 (A.7) (A.8) roposção III *, se Demostração artdo-se das relações (6) e (20), tem-se que * F. j j j j. (A.9) ou * j j j. j. (A.0) or cosegute, teremos se for verfcada a desgualdade j j. (A.). j j 9

22 Ora, comparado-se as respectvas j-ésmas parcelas da desgualdade expressa por (A.), tem-se: 2 j j j 0, j.. j. j. (A.2) o que comprova a proposção. roposção IV Decorre dretamete das roposções II e III que, se. roposção V ˆ, para,2,3,... Demostração ara mostrar que as prestações costates, obtdas com base o regme de juros smples à taxa peródca, quado se faz uso de coceto do descoto comercal, superam as respectvamete obtdas com base o regme de juros compostos, à mesma taxa, qualquer que seja o úmero de prestações, observe-se que, a partr das relações (8) e (9), se tem: j F ˆ. j, com. 0 j j (A.3) ou ˆ j j j j. (A.4) Logo, ˆ se j. j (A.5) j j Comparado-se as correspodetes j-ésmas parcelas da desgualdade expressa por (A.5), tem-se: 20

23 j j j. j 0. j j j j j. = j Com o umerador N da relação dada por (A.6) sedo: j j N j. j.. j j j j. j (A.6) (A.7) Ora: j j j j j j j. j j. j j (A.8) Como j j j. j! j! j! j 0! j!! j!! j! (A.9) decorre que N > 0. costates or cosegute, (A.5) é verfcada; o que assegura a valdade da roposção V. Sumarado, temos a segute ordeação para os valores das prestações ˆ,, e ˆ, se ˆ, se A.2 - Resultados Numércos ara que se teha uma dea das dfereças em termos dos respectvos valores umércos, foram orgazadas as Tabelas A., A.2, A.3, A.4 e A.5, que se referem, respectvamete, às taxas de juros de 05,%, %,,5%, 2%, 2,5% e 3% por período, para Agradecmetos são devdos a Rcardo Spell. 2

24 um cojuto represetatvo de dsttos prazos (como expressos em úmero de períodos), com F = udades de captal. Tabela A. ( = 0,5%) 0.050, , , , , , , , , , , , , ,7 2.53, , , , , , ,95.695,7.696,35.695, ,29.457,00.457,73.456, ,29.277,96.278,77.277, ,07.38,7.39,60.38, ,7.027,30.028,28.026,89 936,59 936,4 937,2 935, ,66 860,8 86,33 859, ,2 442,24 444,24 44, ,22 302,79 306,09 30, ,85 232,96 237,42 23, ,33 90,99 96,66 88,82 20,02 06,59 9,47 02, ,39 78,04 0,47 75, ,64 63,52.a 57, ,43 54,66.a 47, ,96 48,64 2.a 40,99 2 < /0,005 = 200 períodos ˆ 2 F. = x 0,005 = 50 u.c Deve ser levado em cota que, para a determação de ˆ, é ecessáro que seja satsfeta a codção /. 22

25 Tabela A.2 ( = %) 0.00, ,00 0.0,0 0.00, , , , , , , , , , , ,0 2.56, , ,6 2.06, , ,48.724,53.727,2.723, ,28.485,6.488,0.484, ,90.305,62.308,90.304, ,40.65,96.69,59.64, ,82.054,22.058,20.052,63 964,54 962,78 967,2 96, ,49 886,57 89,27 884, ,73 466,97 476,9 463, ,4 326,62 340,83 32, ,34 256,3 275,94 249, ,44 23,6 239,8 205, ,47 27,27.a 4, ,02 97,43 2.a 82, , 8,95 2.a 64, ,32 72,33 2.a 53, ,86 65,70 2.a 45,72 2 < /0,0 = 00 períodos ˆ 2 F. = x 0,0 = 00 u.c 23

26 Tabela A.3 ( =,5 %) 0.50, , , , ,78 5.2,22 5.5,09 5., , , , , , , , , , , , , ,25.753,3.759,0.75, ,56.53,07.59,76.50, ,84.332,99.340,48.330,7 9.96,0.92,89.20,20.89, ,34.080,78.089,92.077,28 992,94 989,03 999,00 985, ,80 92,54 923,36 908, ,24 490,99 52,82 483, ,52 349,52 384,47 338, ,75 278,9 329,38 264, ,93 234,99 307,22 29, ,9 46,37 2.a 23, ,04 5,3 2.a 87, ,33 98,67 2.a 68, ,74 88,3 2.a 56, ,7 8,08 2.a 48,5 2 < /0,05 = 66,67 períodos ˆ 2 F. = x 0,05 = 50 u.c 24

27 Tabela A.4 ( = 2 %) 0.200, , , , , ,5 5.54, , , , , , , ,8 2.63, , ,58 2.8, ,66 2.5, ,26.78,5.792,.777, ,2.540,74.552,80.536, ,0.360,09.373,63.355, ,5.29,52.234,57.23,99 0.3,27.07,02.23,60.00,92.02,78.04,93.033,06.008, ,60 938,4 957,85 930, ,7 54,38 555,56 50, ,33 37,64 440,92 353, ,02 299,37 408,50 277, ,68 255,42.a 230, ,48 64,37.a 29, ,83 3,73 2.a 9, ,74 4,3 2.a 7, ,53 03,23 2.a 58, ,6 95,45 2.a 49,62 2 < /0,002 = 50 períodos ˆ 2 F. = x 0,02 = 200 u.c 25

28 Tabela A.5 ( = 2,5 %) 0.250, , , , , , ,8 5.85, , , , , , , , , , , ,6 2.42, ,50.809,70.826,48.803, ,95.568,8.587,30.56, ,67.386,93.408,45.379, ,57.245,87.269,84.237, ,59.32,95.59,42.23,60.05,06.040,50.069,52.030, ,87 963,39 995,02 952, ,3 537,23 606,06 57, ,52 393,0 56,80 367, ,06 39,82.a 288, ,53 275,08.a 39, ,62 8,56 2.a 34, ,97 47,53 2.a 94, ,67 29,8 2.a 73, ,03 7,42 2.a 59, ,6 09,0 2.a 50,62 2 < /0,025 = 40 períodos ˆ 2 F. = x 0,025 = 250 u.c 26

29 Tabela A.6 ( = 3 %) 0.300, , , , , 5.223, , , , , , , , , , , , , , , ,98.837,70.862,20.829, ,06.595,40.623,38.585, ,56.43,53.445,09.402, ,34.27,96.307,9.259, ,3.58,60.97,60.45,37.080,77.065,76.08,65.05, ,62 988,3.035,20 972, ,47 559,60 666,67 532, ,04 44,00.a 378, ,78 339,67.a 298, ,33 294, 2.a 247, ,90 98,0 2.a 37, ,47 62,7 2.a 96, ,25 43,47 2.a 74, ,04 3,05 2.a 60, ,0 22,23 2.a 5,34 2 < /0,03 = 33,33 períodos ˆ 2 F. = x 0,03 = 300 u.c Como lustrado os resultados umércos, em qualquer um dos quatro sstemas de amortzação aqu cosderados, observada a restrção de que se teha para o cálculo de, as prestações decrescem à medda que se dlata o prazo do facameto. ˆ Deve-se, o etato, observar que F. lm lm. F / O que sgfca, faceramete, que, para qualquer prazo fto, as prestações costates determadas segudo a Tabela rce, sempre cotêm uma parcela de 27

30 amortzação. os que superam os juros, por um período, dados por valor facado F. F., devdos ao or outro lado, tato o caso da determação de como o de, o crescmeto do prazo de facameto, pode acarretar, como também lustrado em algus dos resultados umércos apresetados, que seus respectvos valores sejam ferores ao produto. O que faz com que, ão sedo sufcetes para sequer cobrrem os juros relatvos ao prmero período, acarretem amortzações sempre egatvas. Como cosequêca, o estado da dívda tora-se crescete. Com sso, a dívda uca será resgatada por mas que se prorrogue, matdos os respectvos valores das prestações, o prazo do facameto. F. ˆ 28

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C) RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA I. JUROS SIMPLES ) Elemetos de uma operação de Juros Smples: Captal (C); Motate (M); Juros (J); Taxa (); Tempo (). ) Relação etre Juros, Motate e Captal: J = M C ) Defção

Leia mais

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva LEASING UMA OBSERVAÇÃO Ecoomsta Atoo Perera da Slva AMOR POR DINHEIRO TITÃS Composção: Sérgo Brtto e To Bellotto Acma dos homes, a le E acma da le dos homes A le de Deus Acma dos homes, o céu E acma do

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Facera 2007.1 Prof.: Luz Gozaga Damasceo 1 E-mals: damasceo1204@yahoo.com.br damasceo@terjato.com.br damasceo12@hotmal.com http://www. damasceo.fo www. damasceo.fo damasceo.fo Obs.: (1 Quado

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

Capitulo 8 Resolução de Exercícios

Capitulo 8 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Peródcas, Crescetes e Postecpadas, com Termos em P. A. G 1 1 1 1 G SPAC R R s s 1 1 1 1 1 G G C R a R a 1 1 PAC Audades Gradetes Postecpadas S GP G 1 1 ; C GP G 1 1 1 Audades Gradetes

Leia mais

Capítulo 1 PORCENTAGEM

Capítulo 1 PORCENTAGEM Professor Joselas Satos da Slva Matemátca Facera Capítulo PORCETAGEM. PORCETAGEM A porcetagem ada mas é do que uma otação ( % ) usada para represetar uma parte de cem partes. Isto é, 20% lê-se 20 por ceto,

Leia mais

Perguntas Freqüentes - Bandeiras

Perguntas Freqüentes - Bandeiras Pergutas Freqüetes - Baderas Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada

Leia mais

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre Uma Calculadora Facera usado métos umércos e software lvre Jorge edraza Arpas, Julao Sott, Depto de Cêcas e Egeharas, Uversdade Regoal ItegradaI, URI 98400-000-, Frederco Westphale, RS Resumo.- Neste trabalho

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9 Coteúdo IND 5 Iferêca Estatístca Aula 9 Outubro 2004 Môca Barros Dfereça etre Probabldade e Estatístca Amostra Aleatóra Objetvos da Estatístca Dstrbução Amostral Estmação Potual Estmação Bayesaa Clássca

Leia mais

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária.

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária. 1 UTOR: Emeta Luz Herque M da Slva 1 Defções de razão e proporção, propredades; Graduado em Matemátca e habltado em ísca pelo UNIEB 2 Gradezas dretamete proporcoas e versamete proporcoas, Regra de três;

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais

Curso de An lise de Fluxo de Caixa

Curso de An lise de Fluxo de Caixa Curso de A lse de Fluxo de Caxa SUMÁRIO PROGRESSÕES... 0. FÓRMULAS BÁSICAS... 0.. Progressões artmétcas... 0..2 Progressões geométrcas... 02.2 EXERCÍCIOS SUGERIDOS... 02 2 CONCEITOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA...

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico Capítulo : Erros em cálculo umérco. Itrodução Um método umérco é um método ão aalítco, que tem como objectvo determar um ou mas valores umércos, que são soluções de um certo problema. Ao cotráro das metodologas

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Podemos dvdr a Estatístca em duas áreas: estatístca dutva (ferêca estatístca) e estatístca descrtva. Estatístca Idutva: (Iferêca Estatístca)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES Aa Mara Lma de Faras Luz da Costa Laurecel Com a colaboração dos motores Maracajaro

Leia mais

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição:

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição: 6// IV. Juros: taxa efetva, equvalete e proporcoal Matemátca Facera Aplcada ao Mercado Facero e de Captas Professor Roaldo Távora IV. Taxa efetva Defção: É a taxa de juros em que a udade referecal de seu

Leia mais

Perguntas freqüentes Credenciadores

Perguntas freqüentes Credenciadores Pergutas freqüetes Credecadores Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte pelo facameto da compra pelo emssor?

Leia mais

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Goverador Domgos Gomes de Aguar Flho Vce Goverador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GES- TÃO (SEPLAG)

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial Ecoometra: 4 - Regressão últpla em Notação atrcal Prof. arcelo C. ederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. arco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA

Unidade II ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA Udade II 3 MEDIDAS OU PARÂMETROS ESTATÍSTICOS 1 O estudo que fzemos aterormete dz respeto ao agrupameto de dados coletados e à represetação gráfca de algus deles. Cumpre agora estudarmos as

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Aálse de Regressão Prof. Paulo Rcardo B. Gumarães. Itrodução Os modelos de regressão são largamete utlzados em dversas áreas do cohecmeto, tas como: computação, admstração, egeharas, bologa, agrooma, saúde,

Leia mais

( Sistema Francês de Amortização )

( Sistema Francês de Amortização ) NA PRÁTICA A TEORIA É A MESMA ( Sstema Fracês de Amortzação ) Em um Cogresso, um Grupo de Professores e Autores composto por Admstradores, Ecoomstas, Cotadores e, todos Pertos Judcas, apresetam os segutes

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

1.1 Apresentação. do capítulo

1.1 Apresentação. do capítulo apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A Matemátca Facera trata da comparação de valores moetáros que estão dspersos ao logoo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas

Leia mais

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria Avalação da seguraça dâmca de sstemas de eerga elétrca: Teora. Itrodução A avalação da seguraça dâmca é realzada através de estudos de establdade trastóra. Nesses estudos, aalsa-se o comportameto dos geradores

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo C:\Documets ad Settgs\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_EF_44\ef44_PDF\CAP XIV_IFCOTIUO.doc 6 Motorameto ou Ivetáro Florestal Cotíuo Agosto Lopes de Souza. ITRODUÇÃO Parcelas permaetes de vetáro florestal cotíuo

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples.

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples. Estudo das relações etre peso e altura de estudates de estatístca através da aálse de regressão smples. Waessa Luaa de Brto COSTA 1, Adraa de Souza COSTA 1. Tago Almeda de OLIVEIRA 1 1 Departameto de Estatístca,

Leia mais

15/03/2012. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações

15/03/2012. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações Itrodução.1 Juros Smples Juro: recompesa pelo sacrfíco de poupar o presete, postergado o cosumo para o futuro Maora das taxas de uros aplcadas o mercado facero são referecadas pelo crtéro smples Determa

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesqusa ISS: 1517-972 revedu@usp.br Uversdade de São Paulo Brasl Helee, Otavao Evolução da escolardade esperada o Brasl ao logo do século XX Educação e Pesqusa, vol. 38, úm. 1, marzo, 212, pp.

Leia mais

3 Precificação de resseguro

3 Precificação de resseguro Precfcação de Resseguro 35 3 Precfcação de resseguro Este capítulo traz prmeramete uma oção ampla das aplcações das metodologas de precfcação de resseguro para melhor compreesão do mesmo Da seção 3 até

Leia mais

Capitulo 1 Resolução de Exercícios

Capitulo 1 Resolução de Exercícios S C J S C J J C FORMULÁRIO Regme de Juros Smples 1 1 S C 1 C S 1 1.8 Exercícos Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplcação de R$ 0.000,00 aplcados por um prazo de meses, à uma taxa de 2% a.m, os regmes

Leia mais

Capítulo 1 Matemática Financeira

Capítulo 1 Matemática Financeira apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A matemátca facera trata da comparação de valores moetáros ao logo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas de vestmeto e

Leia mais

Oitava Lista de Exercícios

Oitava Lista de Exercícios Uversdade Federal Rural de Perambuco Dscpla: Matemátca Dscreta I Professor: Pablo Azevedo Sampao Semestre: 07 Otava Lsta de Exercícos Lsta sobre defções dutvas (recursvas) e prova por dução Esta lsta fo

Leia mais

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13.

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13. SUMARIO 2 MÉTODO ESTATÍSTICO...3 2. A ESTATÍSTICA...3 2.2 FASES DO MÉTODO ESTATÍSTICO...4 3 FERRAMENTAS DE CÁLCULO PARA O ESTUDO DA ESTATÍSTICA...5 3. FRAÇÃO...5 3.. Adção e subtração...5 3..2 Multplcação

Leia mais

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de

Leia mais

Capitulo 7 Resolução de Exercícios

Capitulo 7 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Costates Postecpadas HP C [g][end] Cp LN 1 1 1 1 C p R Cp R R a, R C p, 1 1 1 a LN 1 Sp LN 1 1 1 S p R S p R R s, R S p, 1 1 s LN 1 Audades Costates Atecpadas HP C [g][beg] 1 (1 ) 1

Leia mais

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Nota Técca o 037/2013-SRG/ANEEL Em 17 de mao de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Assuto: Cosoldação de todas as regulametações referetes à apuração de dspobldades de empreedmetos de geração de eerga

Leia mais

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc.

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas ESTATÍSTICA Notas de Aulas Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas SUMÁRIO CONCEITOS BÁSICOS 5. Estatístca. Estatístca

Leia mais

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO DE JNEIRO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PLICÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGI PROBLEMS DE INSTBILIDDE DE ESTRUTURS Julaa Bragh Ramalho Raul Rosas e Slva lua de graduação do curso

Leia mais

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL CÁLCULOS DE FINANÇAS MATEMÁTICA FINANCEIRA Semestre: A/2008 PROFESSOR: IRANI LASSEN CURSO: ALUNO: SUMÁRIO CÁLCULOS DE FINANÇAS INTRODUÇÃO...3. OBJETIVO:...3.2 FLUXO DE CAIXA...4.3

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado.

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado. 1 Belo Horzote, 14 de abrl de 2007. À UNAFISCO SAÚDE AT.: Glso Bezerra REF: AVALIAÇÃO ATUARIAL Prezado Sehor, Em atedmeto à solctação de V.Sa., apresetamos, a seqüêca, os resultados do estudo referecado.

Leia mais

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas Capítulo 6 - Cetro de ravdade de Superfíces Plaas 6. Itrodução O Cetro de ravdade (C) de um sóldo é um poto localzado o própro sóldo, ou fora dele, pelo qual passa a resultate das forças de gravdade que

Leia mais

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros Estrutura a Termo de Taxa de Juros 20 2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros A Estrutura a termo de taxa de juros (também cohecda como Yeld Curve ou Curva de Retabldade) é a relação, em dado mometo, etre

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Grupo C - º semestre de 004 Exercíco 0 (3,5 potos) Uma pesqusa com usuáros de trasporte coletvo a cdade de São Paulo dagou sobre os dferetes tpos usados as suas locomoções dáras. Detre ôbus, metrô e trem,

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera http://www2.uemat.br/eugeo SÉRIE DE PAGAMENTOS 1. NOÇÕES SOBRE FLUXO DE CAIXA Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://www.uemat.br/eugeo Estudar sem racocar é trabalho 009/ TAXA INTERNA DE RETORNO A taa tera de retoro é a taa que equalza o valor presete de um ou mas pagametos (saídas de caa) com o valor presete

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

Métodos iterativos. Capítulo O Método de Jacobi

Métodos iterativos. Capítulo O Método de Jacobi Capítulo 4 Métodos teratvos 41 O Método de Jacob O Método de Jacob é um procedmeto teratvo para a resolução de sstemas leares Tem a vatagem de ser mas smples de se mplemetar o computador do que o Método

Leia mais

TT.405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Material Didático - 2008 Prof. Lúcia R. A. Montanhini

TT.405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Material Didático - 2008 Prof. Lúcia R. A. Montanhini INTRODUÇÃO TT405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Materal Ddátco - 2008 Prof Lúca R A Motah INTRODUÇÃO 2 INDICE INTRODUÇÃO 7 2 O CONCEITO E ORIGEM DA ENGENHARIA ECONÔMICA 8 3 MATEMÁTICA FINANCEIRA 9 3 CONCEITOS

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

Econometria: 3 - Regressão Múltipla

Econometria: 3 - Regressão Múltipla Ecoometra: 3 - Regressão Múltpla Prof. Marcelo C. Mederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. Marco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo de regressão

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA Proessor Maurco Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA. Coceto Exstem mutas deções propostas por autores, objetvado estabelecer com clareza o que é estatístca, como por exemplo: Þ A Estatístca é um cojuto de métodos

Leia mais

Í N D I C E. Séries de Pagamentos ou Rendas Renda Imediata ou Postecipada Renda Antecipada Renda Diferida...

Í N D I C E. Séries de Pagamentos ou Rendas Renda Imediata ou Postecipada Renda Antecipada Renda Diferida... Curso: Pós-graduação / MBA Campus Vrtual Cruzero do Sul - 2009 Professor Resposável: Carlos Herque de Jesus Costa Professores Coteudstas: Carlos Herque e Douglas Madaj UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL Cohecedo

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Forma padrão do modelo de Programação Linear

Forma padrão do modelo de Programação Linear POGAMAÇÃO LINEA. Forma Padrão do Modelo de Programação Lear 2. elações de Equvalêca 3. Suposções da Programação Lear 4. Eemplos de Modelos de PPL 5. Suposções da Programação Lear 6. Solução Gráfca e Iterpretação

Leia mais

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST º Semestre 05/6 3º TRABALHO LABORATORIAL CIRCUITO RLC SÉRIE em Regme Forçado Alterado Susodal Prof. V. Maló Machado Prof. M. Guerrero das Neves Prof.ª Mª Eduarda Pedro Eg.

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados a Contabilidade

Métodos Quantitativos Aplicados a Contabilidade Isttuto de Pesqusas e Estudos Cotábes MBA GESTÃO CONTÁBIL DE EMPRESAS INTEGRADA À CONTABILIDADE INTERNACIONAL Métodos Quattatvos Aplcados a Cotabldade Professor Reato Ragel Felpe Noroha Sumáro. Itrodução...

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

( ) Editora Ferreira - Toque de Mestre. Olá Amigos!

( ) Editora Ferreira - Toque de Mestre. Olá Amigos! Olá Amgos! Hoje coloco à dsposção de vocês aqu a seção Toque de Mestre da Edtora Ferrera (www.edtoraferrera.com.br) as questões de Matemátca Facera cobradas o últmo cocurso da axa Ecoômca Federal (EF),

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1)Um vestdor aplcou R$6,, gerado uma remueração de R$3, ao fal de um período de um ao (36 das). Calcular a taxa de juros paga a operação. = J/ = 3/6 =, ou % ou 63 = 6 (1+ 1) 63 = 6 + 6 63 6 = 6 3 = 6 =

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12 MEDIDAS DE POSIÇÃO: São meddas que possbltam represetar resumdamete um cojuto de dados relatvos à observação de um determado feômeo, pos oretam quato à posção da dstrbução o exo dos, permtdo a comparação

Leia mais

Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA

Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA O objetvo deste capítulo é apresetar formas da equação da coservação da massa em fução de propredades tesvas faclmete mesuráves, como a temperatura, a pressão,

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Projeção Populacional 2013-2020 para a Cidade do Rio de Janeiro: uma aplicação do método AiBi

Projeção Populacional 2013-2020 para a Cidade do Rio de Janeiro: uma aplicação do método AiBi ISSN 1984-7203 Projeção Populacoal 2013-2020 para a Cdade do Ro de Jaero: uma aplcação do método AB Nº 20130102 Jaero - 2013 Iva Braga Ls 1, Marcelo Pessoa da Slva, Atoo Carlos Carero da Slva, Sérgo Gumarães

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados 3.1. Meddas de Tedêca Cetral CAPÍTULO 3 MEDIDA DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE UFRG 1 Há váras meddas de tedêca cetral. Etre elas ctamos a méda artmétca, a medaa, a méda harmôca, etc. Cada uma dessas

Leia mais

Diferenciais Ordinárias. Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais

Diferenciais Ordinárias. Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais Exstêca e Ucdade de Soluções de Equações Dferecas Ordáras Regaldo J Satos Departameto de Matemátca-ICEx Uversdade Federal de Mas Geras http://wwwmatufmgbr/ reg 10 de ulho de 2010 2 1 INTRODUÇÃO Sumáro

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA versão mpressa ISSN 00-7438 / versão ole ISSN 678-542 AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA Luís Alberto Duca Ragel UFF-COPPE/PEP/UFRJ

Leia mais

Projeto de rede na cadeia de suprimentos

Projeto de rede na cadeia de suprimentos Projeto de rede a cadea de suprmetos Prof. Ph.D. Cláudo F. Rosso Egehara Logístca II Esboço O papel do projeto de rede a cadea de suprmetos Fatores que fluecam decsões de projeto de rede Modelo para decsões

Leia mais

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito.

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito. Matemátca Fnancera Rendas Certas Prof. Benjamn Cesar Sére de Pagamentos Unforme e Peródca. Rendas Certas Anudades. É uma sequênca de n pagamentos de mesmo valor P, espaçados de um mesmo ntervalo de tempo

Leia mais

Interpolação. Exemplo de Interpolação Linear. Exemplo de Interpolação Polinomial de grau superior a 1.

Interpolação. Exemplo de Interpolação Linear. Exemplo de Interpolação Polinomial de grau superior a 1. Iterpolação Iterpolação é um método que permte costrur um ovo cojuto de dados a partr de um cojuto dscreto de dados potuas cohecdos. Em egehara e cêcas, dspõese habtualmete de dados potuas, obtdos a partr

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avalação de Empresas MODELO DE DIVIDENDOS Dvdedos em um estáo DDM Dscouted Dvded Model Muto utlzados a precfcação de uma ação em que o poto de vsta do vestdor é extero à empresa e eralmete esse vestdor

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Val, Dr. http://www.pucrs.br/famat/val/ val@pucrs.br Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Obetvos A Aálse de

Leia mais

Estatística - exestatmeddisper.doc 25/02/09

Estatística - exestatmeddisper.doc 25/02/09 Estatístca - exestatmeddsper.doc 5/0/09 Meddas de Dspersão Itrodução ão meddas estatístcas utlzadas para avalar o grau de varabldade, ou dspersão, dos valores em toro da méda. ervem para medr a represetatvdade

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Números Complexos. 2. (IME) Seja z um número complexo de módulo unitário que satisfaz a condição z 2n 1, onde n é um número inteiro positivo.

Números Complexos. 2. (IME) Seja z um número complexo de módulo unitário que satisfaz a condição z 2n 1, onde n é um número inteiro positivo. Números Complexos. (IME) Cosdere os úmeros complexos Z se α cos α e Z cos α se α ode α é um úmero real. Mostre que se Z Z Z etão R e (Z) e I m (Z) ode R e (Z) e I m (Z) dcam respectvamete as partes real

Leia mais

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística BAC 0 - Estatístca Uversdade Federal de Itajubá - Campus Itabra BAC0 - ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA MEDIDAS DE CENTRO Méda Medda de cetro ecotrada pela somatóra de todos os valores de um cojuto,

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

? Isso é, d i= ( x i. . Percebeu que

? Isso é, d i= ( x i. . Percebeu que Estatístca - Desvo Padrão e Varâca Preparado pelo Prof. Atoo Sales,00 Supoha que tehamos acompahado as otas de quatro aluos, com méda 6,0. Aluo A: 4,0; 6,0; 8,0; méda 6,0 Aluo B:,0; 8,0; 8,0; méda 6,0

Leia mais

ÍNDICE DE THEIL Referência Obrigatória: Hoffman cap 4 pags 99 a 116 e cap 3 pgs (seção 3.4).

ÍNDICE DE THEIL Referência Obrigatória: Hoffman cap 4 pags 99 a 116 e cap 3 pgs (seção 3.4). Cetro de Polítcas Socas - Marcelo Ner ÍNDICE DE HEIL Referêca Obrgatóra: Hoffma cap 4 pags 99 a 6 e cap 3 pgs 42-44 (seção 3.4).. Coteúdo Iformatvo de uma mesagem Baseado a teora da formação, que aalsa

Leia mais

Notas de aula da disciplina Probabilidade e Estatística

Notas de aula da disciplina Probabilidade e Estatística otas de aula da dscpla Probabldade e Estatístca Proessor M Sc Adré Luz DAMAT - UTFPR Esta apostla apreseta os tópcos prcpas abordados em sala de aula, cotedo deções, teoremas, eemplos Sua letura ão é obrgatóra,

Leia mais

Obra publicada pela Universidade Federal de Pelotas

Obra publicada pela Universidade Federal de Pelotas Obra publcada pela Uversdade Federal de Pelotas Retor: Prof. Dr. Atoo Cesar Goçalves Bores Vce-Retor: Prof. Dr. Maoel Luz Breer de Moraes Pró-Retor de Etesão e Cultura: Prof. Dr. Luz Era Goçalves Ávla

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

TEXTO SUJEITO A REVISÃO

TEXTO SUJEITO A REVISÃO Aálse Comparatva de duas Metodologas Factíves para o Cálculo de IPCs com a Utlzação de Mcrodados do IPC-FIPE Hero Carlos Esvael do Carmo TEXTO SUJEITO A REVISÃO Resumo O prcpal objetvo deste texto é aalsar,

Leia mais