Prof. Eugênio Carlos Stieler

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Eugênio Carlos Stieler"

Transcrição

1 UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera SÉRIE DE PAGAMENTOS 1. NOÇÕES SOBRE FLUXO DE CAIXA Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo Fluxo de caxa pode ser eteddo como uma sucessão de recebmetos ou de pagametos, em dhero, prevstos para determado período de tempo. A fm de facltar o etedmeto dos problemas a serem apresetados, será utlzada a represetação gráfca do fluxo de caxa, como mostra o exemplo a segur, correspodete a um fluxo mesal. Recebmetos prevstos Pagametos prevstos Da Valor ($) Da Valor ($) , , , , , , , ,00 Represetação gráfca do fluxo mesal meses Um baco cocede um empréstmo de R$ ,00 a um clete, para pagameto em 6 prestações guas de R$ 9.000,00. Represete grafcamete o fluxo de caxa. Do poto de vsta do baco, a represetação gráfca do fluxo de caxa é a segute: ou seja, há uma saída cal de caxa o valor de R$ ,00 e a etrada de ses parcelas de R$ 9.000,00 cada uma os meses segutes. Do poto de vsta do clete, a oretação das setas é feta o setdo verso, como segue: Sére de Pagametos Pág.1

2 UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo Exemplos: 1. Você resolve aplcar, em uma sttução facera, quatro parcelas guas, mesas e cosecutvas de $ 4.000,00. Sabedo-se que a prmera parcela será efetvada hoje e que você deseja saber o valor do motate o fal do 4º mês, represetar o fluxo de caxa correspodete. A represetação gráfca será a segute: (hoje) Motate? SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS COM TERMOS VENCIDOS (OU POSTECIPADOS) Cada termo da sére de pagametos ou recebmetos guas será represetado por R ; as demas varáves serão represetadas pelos símbolos já cohecdos: = taxa de juros, coerete com a udade de tempo (mês, trmestre, ao etc.). = úmero de prestações quase sempre cocdete com o úmero de períodos utáros. VP = prcpal, captal cal, valor atual ou valor presete. = motate ou valor futuro Fator de Acumulação de Captal (FAC) Exemplo: 2. Determar o valor do motate, o fal do 5º mês, de uma sére de cco aplcações mesas, guas e cosecutvas, o valor de R$ 100,00 cada uma, a uma taxa de 4% ao mês, sabedo-se que a prmera parcela é aplcada o fal do prmero mês, ou seja, a 30 das da data torada como base ( mometo zero ), e que a últma, o fal do 5º mês, é cocdete com o mometo em que é peddo o motate. R = 100 = 4% = 5 =? Em termos de fluxo de caxa, o problema pode ser esquematzado como segue: Motate? (meses) Sére de Pagametos Pág.2

3 UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo 3. Quato terá, o fal de quatro aos, uma pessoa que aplcar R$ 500,00 por mês, durate esse prazo, em um Fudo de Reda Fxa, á taxa de 3% ao mês? Esquematcamete, teros: Motate? (meses) R = 500 = 48 prestações (porque durate quatro aos teros 48 meses) = 3% ao mês (aplcações mesas) =? 2.2. Fator de Formação de Captal (FFC) O FFC é obtdo faclmete a partr da fórmula do motate deduzda o tem ateror: [( 1+ = R Essa fórmula, como vmos, é utlzada para obter o valor do motate, quado são cohecdos: o valor das prestações, a taxa e o úmero de prestações. Quado a cógta do problema é o valor das prestações, basta fazer: R = [( 1+ em que ( 1+ ) 1 R [( 1+ = é chamado Fator de Formação de Captal. 4. Quato uma pessoa terá de aplcar mesalmete um Fudo de Reda Fxa, durate cco aos, para que possa resgatar R$ ,00 o fal do período, sabedo que o fudo proporcoa um redmeto de 2% ao mês? Esquematcamete: Motate= (meses) R R R R R Sére de Pagametos Pág.3

4 UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo R =? = 60 prestações (porque durate cco aos teros 60 meses) = 2% ao mês (aplcações mesas) = Quatas prestações de $ 4.000,00 devem ser aplcadas trmestralmete, á taxa de 7% ao trmestre, para acumular um motate de $ ,08 o fal do período? Esquematcamete: Motate= , (meses) R = 4.000,00 por trmestre = ,08 = 7% ao trmestre =? (º de trmestres) Observação: Como a udade de tempo está coerete com a taxa, ão é ecessára ehuma coversão. Problema em que a taxa é a cógta: 6. A que taxa devo aplcar $ ,28 por ao para que eu teha um motate de R$ ,00 o fal de 10 aos? Esquematcamete: = R=15.036,28 R= ,28 = ,00 = 10 aos = 10 prestações =? ao ao = R x [( 1+ Sére de Pagametos Pág.4

5 UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo ,00 = ,28 ou 33,2529 = ( x ( A solução desta equação somete pode ser obtda por tetatva e erro. Mesmo as calculadoras faceras, que solucoam problemas como este de forma smples e rápda, utlzam esse processo. Ele cosste em atrbur valores sucessvos à até que o resultado da expressão ( que é o Fator de Acumulação de Captal (FAC), seja exatamete gual a 33, Assm, para = 10%, o valor da expressão é 15,93742, o que evdeca que a taxa procurada é maor; para = 20%, o resultado é 25,95868, o que sgfca que a taxa ada tem de ser maor; já para = 30%, o resultado 42,61950 dca que a taxa desejada deve ser meor. Fazedo-se = 25% obtém-se 33,25290, que cocde com o valor formado. Portato, a taxa procurada é de 25% ao ao Fator de Valor Atual (FVA) Exemplo: 7. Qual o valor que, facado à taxa de 5% ao mês, pode ser pago ou amortzado em 5 prestações mesas, guas e sucessvas de R$ 100,00 cada uma? O que se deseja é o valor presete desta sére de 5 parcelas guas. Usado o que já cohecemos, podemos calcular o motate desta sére, e após faremos uma descaptalízação de 5 meses usado a fórmula da captalzação composta para calcular o valor atual, ou o valor facado. Costrudo o fluxo de caxa, temos (meses) VP R = 100 = 5% ao mês = 5 parcelas mesas VP =? R[( 1+ Sabemos que = (1) e também que =VP(1 + ou VP= (2) ( 1+ Substtudo (1) em (2) temos: Sére de Pagametos Pág.5

6 UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo VP= =. Logo o valor do facameto pode ser dado pela fórmula: Sedo assm o problema acma temos: 5 100[ 0,05) VP = dode VP=432,95 5 [0,05. 0,05) ] Logo o valor facado o problema acma é de R$ 432,95 VP= Fator Recuperação de Captal Exemplo 8. Um empréstmo de R$ ,00 é coceddo por uma Isttução Facera para ser lqudado em 12 prestações guas, mesas e cosecutvas. A Isttução Facera cobra uma taxa de juros de 3,5% ao mês para esse tpo de facameto, calcular o valor de cada prestação. Esquematcamete P= R R R R R R R R R R R R VP= = 12 prestações mesas = 3,5% ao mês = 0,035 R =? Utlzado o que já cohecemos temos que VP= como queremos o valor da parcela,. solado, 12 VP ,035. 0,035) R =,substtudo valores temos: R = = 1.034, [ [ 0,035) Logo o valor da parcela que pode amortzar o facameto acma é de R$ 1.034,84 Problemas em que ão é cohecdo: 9. Calcule em quatas prestações bmestras de R$ 100,00 cada uma, pode-se lqudar um facameto de R$ 1.240,90, a taxa de 7% ao bmestre, sedo a prmera parcela paga em 60 das. Esquematcamete VP=1.240, VP=1.240,90 = x prestações bmestras = 7% ao bmestre = 0,07 R = 100 Sére de Pagametos Pág.6

7 UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo Solução: Usado a fórmula do valor presete VP. 100[ 0,07) 0,07. 0,07) = temos: 1240,90= 100[(1,07) 1240,90= podemos, para um melhor etedmeto, fazer (1,07) = x, daí 0,07(1,07) 100[ x 1240,90= => 1240,90 x 0,07x = 100x -100 => 86,863x - 100x = -100 => 0,07. x => -13,137x = -100 => x = 7,61209 como (1,07) = x; temos que (1,07) = 7,61209 Usado logartmo, temos: log 1,07 = log 7,61209 => log 7,61209 = =30 prestações bmestras. log1,07 3. SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS COM TERMOS ANTECIPADOS Nas séres com termos atecpados, os pagametos ou recebmetos ocorrem o íco de cada período utáro. Assm a prmera prestação é sempre paga ou recebda o mometo zero, ou seja, a data do cotrato do empréstmo ou facameto, ou qualquer outra operação que mplque em uma sére de pagametos, ou recebmetos Fator de Acumulação de Captal Exemplo: Qual o motate daqu a 12 meses, resultate da aplcação de 12 parcelas mesas de R$100,00, a taxa de 4% ao mês, sabedo-se que a prmera aplcação é feta hoje. Esquematcamete temos: Motate =? = 12 = 4% mês R = 100 por mês Solução: R[( 1+ 1 Se usarmos a fórmula = o valor de motate será ecotrado o mometo da últma aplcação, este caso, o mometo 11. Como desejamos o motate o mometo 12 teremos que captalzar um período a mas, ou seja = assm teremos o motate o fal dos 12 meses [ 0,04) = 0,04) = 1.562,68 0,04 Coclusão: Sére de Pagametos Pág.7

8 UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo Para calcular o Motate de uma sére de pagametos ou recebmetos com termos atecpados, devemos utlzar a fórmula: = 3.2. Fator de Valor atual Exemplo: Uma TV 29 polegadas fo facada em 12 parcelas mesas guas e cosecutvas de R$100,00, sabedo-se que a taxa de juro cobrada pela Loja é de 5% ao mês e que a prmera prestação fo paga o ato da compra, quato pagara pela TV se comprasse a vsta? Esquematcamete temos: Valor facado VP =? = 12 = 5% mês R = 100 por mês Solução: Aprovetado o que já sabemos, temos que =, como desejamos saber o valor de VP pela fórmula da captalzação composta =P => VP= temos que; ( 1+ VP = => VP= [ 0,05) Dode: VP = 0,05) = 930, ,05 0,05) Coclusão: Para calcular o Valor Presete de uma sére de pagametos ou recebmetos com termos atecpados, devemos utlzar a fórmula: VP= Para saber mas. Bblografa cosultada: 12 parcelas mesas VIEIRA SOBRINHO, Jose Dutra. Matemátca Facera. São Paulo: Atlas, Sére de Pagametos Pág.8

9 UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera Exercícos Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo 1. Calcular o motate, o fal de 2 aos, correspodete à aplcação de 24 parcelas guas e mesas de R$1.000,00 cada uma, detro do coceto de termos vecdos, sabedo-se que a taxa de juros é de 3,5% ao mês. Resposta; , Calcular, para as taxas de 2%, 3%, 4% e 5% ao mês, quas os motates obtdos o fal de 5 aos pela aplcação de 60 parcelas guas de $ 2.000,00, de acordo com o coceto de termos vecdos. Respostas: ,08 para 2% ao mês ,87 para 3% ao mês ,37 para 4% ao mês ,44 para 5% ao mês. 3. Quato devo aplcar mesalmete, durate 15 meses, à taxa de 3,25% ao mês, para que teha $ ,00 o fal do 15 mês, detro dos cocetos de termos atecpados e vecdos? Respostas: $ 7.669,04 (para termos atecpados). $ 7.918,29 (para termos vecdos). 4. Sabedo se que uma sttução facera paga 46,41% ao ao para aplcações programadas, calcular que motate será obtdo o fal de 18 meses por uma pessoa que aplca 6 parcelas trmestras de $ ,00 cada uma, sedo a prmera aplcação efetuada hoje. Resposta: , Sabedo-se que um empréstmo pode ser lqudado em 12 parcelas mesas de R$ 2.500,00 cada uma, e que a taxa cobrada pela sttução facera é de 4,75% ao mês, calcular o valor líqudo a ser etregue ou credtado ao facado: a) de acordo com o coceto de termos vecdos; b) de acordo com o coceto de termos atecpados. Respostas: a) ,89. b) , Determar a que taxa de juros a aplcação de $ 5.000,00 por mês gera um motate de $ ,47 o fal de 4 aos e meo, sabedo-se que a prmera parcela é aplcada o fal do 1 mês. Resposta: 3,0% ao mês. 7. Um veículo zero Km fo adqurdo por $ ,00, sedo 70% facados em 12 parcelas guas. Sabedo-se que a facera cobra uma taxa de 4,5% ao mês, calcular o valor da prestação mesal. Resposta: , Uma TV, o valor de $ ,00, é facada por uma loja, para pagameto em 13 parcelas guas de $5.328,31, sedo a prmera paga o ato da compra. Calcular a taxa de juros cobrada pela loja. Resposta: 6% ao mês. 9. A Facadora Carga Pesada S.A. apreseta, em suas tabelas, um coefcete de 0,06043 para facameto de camhões em 36 parcelas mesas. Qual a taxa de juros que essa sttução está cobrado? Resposta: 5% ao mês. 10. Que taxa mesal é cobrada um facameto de $ ,00, a ser lqudado em 12 prestações guas de $1.360,24, vecíves o fal de cada mês? Resposta: 4% ao mês. 11. Em quatos pagametos trmestras de $ 5.700,25 podemos lqudar um facameto de R$ ,00, à taxa de 3,228% ao mês, de acordo com o coceto de termos vecdos ou postecpados? Resposta: 22 trmestres. 12. Qual o valor da prestação bmestral referete a um facameto de R$ ,00, a ser lqudado em 2 aos, à taxa de 9% ao bmestre, sedo que a 1ª prestação vece a 180 das da data do cotrato? Resposta: 4.628,24 Sére de Pagametos Pág.9

10 UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo 13. Uma TV está sedo ofertada por uma loja para pagameto em 12 parcelas mesas, sem etrada. Sabedo-se que o valor da 1ª prestação, que vece o fal do 1 mês, é de $ 400,00; da 2 de $ 600,00, da 3 de $400,00, e assm alteradamete, até o fal, e que a taxa de juros cobrada pela loja é de 5% ao mês, calcular o valor facado. Resposta: 4.675, Qual o motate, o fal de 20 meses, resultate da aplcação de 14 parcelas guas, mesas e cosecutvas de $ 1.800,00 cada uma, sabedo-se que a taxa cotratada é de 3,5% ao mês e que a prmera aplcação é feta hoje? Resposta: , Um veículo é facado para pagameto em 36 prestações mesas, á taxa de 4,5% ao mês. Sabedo-se que o valor facado fo de $ ,00, calcular o valor das prestações: a) de acordo com o coceto de termos vecdos; b) de acordo com o coceto de termos atecpados. Respostas: a) ,42. b) , A aplcação de 15 parcelas mesas, guas e cosecutvas gerou um motate de $ ,00 o fal de 30 meses. Sabedo-se que a taxa de juros da operação fo de 3% ao mês e que a prmera parcela é aplcada hoje, calcular o valor de cada aplcação. Resposta: , Determar a taxa de juros cobrada por uma sttução facera, uma operação de crédto dreto ao cosumdor, que apreseta os segutes dados: valor facado: $ ,78; valor das prestações mesas: $ ,00 cada uma; úmero de prestações: 12; prazo do cotrato: 18 meses (portato, com 6 meses de carêca). Resposta: 4%. 18. Quato devo aplcar hoje, de uma só vez, para que teha o fal de 60 meses o equvalete ao motate costtuído por aplcações mesas de $ 500,00, à taxa de 2% ao mês, sedo a prmera aplcação de hoje a 30 das? Resposta: $ , Em quatas prestações auas de $ ,00 podere amortzar uma dívda de $48.711,40, à taxa de 2,21045% ao mês? Resposta: Quato tere o fal de 60 meses se aplcar $ 100,00 por mês em fudo de reda fxa, à taxa de 2,5% ao mês, de acordo com o coceto de termos vecdos ou postecpados? Resposta: $ , Quato devere aplcar mesalmete, à taxa de 3% ao mês, para ter um motate de $ ,00 o fal do 12 mês, de acordo com os cocetos de termos vecdos e atecpados? Rospostas a) $ 1.409,24. b) $ 1.368, No fal de quatos meses tere o motate de $ ,78, aplcado $ 400,00 por mês, a uma taxa mesal de 2%, de acordo com o coceto de termos vecdos? Resposta: 100 meses. 23. Quato tere o fal de 18 meses se aplcar $200,00 a cada bmestre, à taxa de 2,4695% ao mês, sedo a prmera aplcação a 60 das de hoje? Resposta: $ 2.205,31. Sére de Pagametos Pág.10

11 UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo 24. Quato tere o fal de 30 meses se aplcar $ 500,00 por mês, durate os 25 prmeros meses, a uma taxa de 3,5% ao mês, de acordo com o coceto de termos vecdos e atecpados? Respostas: a) $23.130,11 (termos vecdos). b)$ ,66 (termos atecpados). 25. Quato devo aplcar hoje para ter, o fal de 15 meses, um valor gual ao motate obtdo, essa mesma data, com a aplcação de 15 parcelas guas, mesas e cosecutvas de $ 1.000,00, à taxa de 3,5% ao mês? Resposta: $ , Um cosumdor adqure uma mercadora, para pagameto em 12 parcelas mesas, sedo as 6 prmeras de $3.000,00 e as 6 restates de $ 5.000,00. Qual o valor facado, sabedo-se que a taxa de juros cobrada fo de 3,5% ao mês? Resposta: $ , Uma pessoa resolve aplcar $ 1.000,00 por mês em fudo de reda fxa à taxa de 3% ao mês, durate 18 meses. Como essa pessoa recebe gratfcações semestras, deverá, o fal do 6 e do 12 mês, fazer aplcações extras de $ 5.000,00 cada uma. Qual o valor do motate global o fal do 18 mês, de acordo com o coceto de termos atecpados? Resposta: $ , Uma pessoa adqure uma casa para ser paga em 20 prestações mesas e guas, á taxa de 3,5% ao mês. Sabedo-se que a 1ª prestação vece o fal do 5 mês e a últma o fal do 24 mês, e que o valor facado fo de $ ,00, pede-se calcular o valor da prestação. Resposta: $ , Quato tere, o fal de 42 meses, se aplcar 10 parcelas trmestras, guas e cosecutvas de $ 5.000,00, a partr de hoje, a uma taxa de 10% ao trmestre? Resposta: $ , Uma loja faca um automóvel, para ser pago em 20 prestações guas de $ 6.000,00. Sabedo-se que a taxa cobrada é de 5% ao mês, determar o valor facado pela loja segudo os cocetos de: a) Séres de pagametos com termos vecdos ou postecpados. b) Séres de pagametos com termos atecpados. Respostas: a) $ ,26. b) $78.511, Uma pessoa aplca $ 1.200,00 por mês em um fudo de reda fxa, durate 30 meses cosecutvos, a uma taxa de 2,0% ao mês. Determar o motate dessa aplcação o fal do 30 mês, de acordo com os cocetos de: a) Séres de pagametos com termos vecdos ou postccpados. b) Séres de pagametos com termos atecpados. Respostas: a) $ ,70. b) $ , Uma pessoa aplca $ 5.000,00 por mês, durate os 10 prmeros meses cosecutvos, a uma taxa de 3,25% ao mês. Segudo o coceto de séres de pagametos com termos vecdos, determar: a) o valor do motate o fal do 15 mês. b) o valor presete dessa aplcação (valor o íco do 1 mês). Respostas: a) $ ,78. b) $42.111, Qual o valor facado que pode ser lqudado em 18 prestações mesas, à taxa de 4% ao mês, sedo as 9 prmeras prestações de $ 4.000,00 e as 9 restates de $ 3.000,00? Resposta: $ ,23. Sére de Pagametos Pág.11

12 UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo 34. Um empréstmo de $ ,00 deve ser lqudado em 12 prestações guas. Sabedo-se que a prmera prestação vece o fal do 4 mês e que a taxa de juros cobrada pela sttução facera é de 5% ao mês, determar o valor da prestação. Resposta: $ 6.530, Quato terá o fal do 13 mês uma pessoa que aplcar 13 parcelas mesas, guas e cosecutvas de $2.000,00 cada uma, à taxa de 3% ao mês, sedo que a aplcação da prmera parcela ocorre hoje? Resposta: $ , O facameto de um veículo deverá ser amortzado em 20 parcelas mesas e guas. Sabedo-se que o valor de cada parcela é de $ 3.500,00 e que a taxa cobrada pela sttução facera é de 4% ao mês, calcular o valor da prestação úca, com vecmeto o 10 mês, que podera substtur o plao cal. Resposta: $ , Em quatas prestações trmestras de $ 8.000,00 podere lqudar uma dívda de $ ,64, à taxa de 10% ao trmestre, sabedo que as prestações são pagas o fal de cada trmestre? Resposta: 15 prestações. 38. Determar quatas aplcações bmestras e guas de $ ,00 são ecessáras para ter um motate de $ ,83, cosderado-se uma taxa de 5% ao bmestre, e de acordo com o coceto de termos vecdos Resposta: 13 aplcações. 39. Um corretsta resolve aplcar em um fudo de reda fxa que paga 1% ao mês, parcelas mesas guas de $ 500,00 durate 10 aos. Determar o motate que ele terá o fal do período.(termos vecdos) Resposta: , Uma pessoa obtém um facameto, para a compra de um veículo, a ser lqudado em 18 meses, com carêca de 4 meses. Sabedo-se que o valor das sete prmeras prestações é de $ 1.400,00 cada uma e das sete últmas de $ 2.000,00 cada uma, e que a taxa cobrada pela facera é de 4,25% ao mês, calcular o valor facado. 41. Um terreo está sedo oferecdo por $ ,00 a vsta, ou $ ,00 de etrada e mas 24 prestações mesas de $ ,00 cada uma. Cosderado uma taxa de juros de 3,5% ao mês, mostrar qual o plao ecoomcamete melhor. 42. Admtdo que um baco possua um plao de aplcações programadas e que pague juros de 10% ao ao para essas aplcações, determar quato ecessto depostar o da em que mha flha completar 7 aos de dade, para que ela possa retrar $ 2.000,00 por ocasão dos seus 21, 22, 23, 24 e 25 aversáros, ecerrado-se a cota após este últmo saque. Resposta: 2.196, A Facera do Brasl S.A. cocede um facameto para aqusção de um trator, para ser lqudado um prazo de 24 meses, em 12 prestações guas de $10.000,00. como segue: as 6 prmeras pagas mesalmete a partr do fal do 7 mês até o fal do 12 mês e as 6 últmas pagas mesalmete a partr do fal do 19 mês até o fal do 24 mês. Sabedo-se que a taxa de juros cobrada é de 4% ao mês, calcular o valor facado. Resposta: $ , Uma pessoa aplca $ 5.000,00 por mês durate os 10 prmeros meses cosecutvos, a uma taxa de 38,478% ao ao. Segudo o coceto de termos vecdos, calcular o motate o fal do 20 mês. Resposta: $ ,16. Sére de Pagametos Pág.12

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1)Um vestdor aplcou R$6,, gerado uma remueração de R$3, ao fal de um período de um ao (36 das). Calcular a taxa de juros paga a operação. = J/ = 3/6 =, ou % ou 63 = 6 (1+ 1) 63 = 6 + 6 63 6 = 6 3 = 6 =

Leia mais

Í N D I C E. Séries de Pagamentos ou Rendas Renda Imediata ou Postecipada Renda Antecipada Renda Diferida...

Í N D I C E. Séries de Pagamentos ou Rendas Renda Imediata ou Postecipada Renda Antecipada Renda Diferida... Curso: Pós-graduação / MBA Campus Vrtual Cruzero do Sul - 2009 Professor Resposável: Carlos Herque de Jesus Costa Professores Coteudstas: Carlos Herque e Douglas Madaj UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL Cohecedo

Leia mais

15/03/2012. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações

15/03/2012. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações Itrodução.1 Juros Smples Juro: recompesa pelo sacrfíco de poupar o presete, postergado o cosumo para o futuro Maora das taxas de uros aplcadas o mercado facero são referecadas pelo crtéro smples Determa

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://www.uemat.br/eugeo Estudar sem racocar é trabalho 009/ TAXA INTERNA DE RETORNO A taa tera de retoro é a taa que equalza o valor presete de um ou mas pagametos (saídas de caa) com o valor presete

Leia mais

Capitulo 1 Resolução de Exercícios

Capitulo 1 Resolução de Exercícios S C J S C J J C FORMULÁRIO Regme de Juros Smples 1 1 S C 1 C S 1 1.8 Exercícos Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplcação de R$ 0.000,00 aplcados por um prazo de meses, à uma taxa de 2% a.m, os regmes

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Facera 2007.1 Prof.: Luz Gozaga Damasceo 1 E-mals: damasceo1204@yahoo.com.br damasceo@terjato.com.br damasceo12@hotmal.com http://www. damasceo.fo www. damasceo.fo damasceo.fo Obs.: (1 Quado

Leia mais

( Sistema Francês de Amortização )

( Sistema Francês de Amortização ) NA PRÁTICA A TEORIA É A MESMA ( Sstema Fracês de Amortzação ) Em um Cogresso, um Grupo de Professores e Autores composto por Admstradores, Ecoomstas, Cotadores e, todos Pertos Judcas, apresetam os segutes

Leia mais

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição:

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição: 6// IV. Juros: taxa efetva, equvalete e proporcoal Matemátca Facera Aplcada ao Mercado Facero e de Captas Professor Roaldo Távora IV. Taxa efetva Defção: É a taxa de juros em que a udade referecal de seu

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

4 Capitalização e Amortização Compostas

4 Capitalização e Amortização Compostas 4.1 Itrodução Quado queremos fazer um vestmeto, podemos depostar todos os meses uma certa quata em uma cadereta de poupaça; quado queremos comprar um bem qualquer, podemos fazê-lo em prestações, a serem

Leia mais

Matemática Financeira e Suas Aplicações Alexandre Assaf Neto 8ª Edição Capítulo 1 Conceitos Gerais e Juros Simples

Matemática Financeira e Suas Aplicações Alexandre Assaf Neto 8ª Edição Capítulo 1 Conceitos Gerais e Juros Simples Matemátca Facera e Suas Aplcações Aleadre Assaf Neto 8ª Edção Resolução dos Eercícos Propostos Capítulo Cocetos Geras e Juros Smples ),44 a), ou,% a.m.,68 b), 7 ou,7% a.m. 4,4 c), 9 ou,9% a.m. 6,4 d),

Leia mais

Capítulo 1 PORCENTAGEM

Capítulo 1 PORCENTAGEM Professor Joselas Satos da Slva Matemátca Facera Capítulo PORCETAGEM. PORCETAGEM A porcetagem ada mas é do que uma otação ( % ) usada para represetar uma parte de cem partes. Isto é, 20% lê-se 20 por ceto,

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

Apêndice. Uso de Tabelas Financeiras

Apêndice. Uso de Tabelas Financeiras Apêdce C Uso de Tabelas Faceras 1. INTRODUÇÃO...2 2. SIMBOLOGIA ADOTADA E DIAGRAMA PADRÃO...2 3. RELAÇÃO ENTRE PV E FV...2 3.1. DADO PV ACHAR FV: FATOR (FV/PV)...3 3.1.1. EXEMPLOS NUMÉRICOS...5 3.2. DADO

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados a Contabilidade

Métodos Quantitativos Aplicados a Contabilidade Isttuto de Pesqusas e Estudos Cotábes MBA GESTÃO CONTÁBIL DE EMPRESAS INTEGRADA À CONTABILIDADE INTERNACIONAL Métodos Quattatvos Aplcados a Cotabldade Professor Reato Ragel Felpe Noroha Sumáro. Itrodução...

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

09/03/2014 RETORNO. I Conceitos Básicos. Perguntas básicas. O que é matemática financeira? Por que estudar matemática financeira?

09/03/2014 RETORNO. I Conceitos Básicos. Perguntas básicas. O que é matemática financeira? Por que estudar matemática financeira? 09/0/04 I Cocetos Báscos Matemátca Facera Aplcaa ao Mercao Facero e e Captas Proessor Roalo Távora Pergutas báscas O que é matemátca acera? Por que estuar matemátca acera? = RETORNO Matemátca Facera Aplcaa

Leia mais

( ) Editora Ferreira - Toque de Mestre. Olá Amigos!

( ) Editora Ferreira - Toque de Mestre. Olá Amigos! Olá Amgos! Hoje coloco à dsposção de vocês aqu a seção Toque de Mestre da Edtora Ferrera (www.edtoraferrera.com.br) as questões de Matemátca Facera cobradas o últmo cocurso da axa Ecoômca Federal (EF),

Leia mais

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C) RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA I. JUROS SIMPLES ) Elemetos de uma operação de Juros Smples: Captal (C); Motate (M); Juros (J); Taxa (); Tempo (). ) Relação etre Juros, Motate e Captal: J = M C ) Defção

Leia mais

1.1 Apresentação. do capítulo

1.1 Apresentação. do capítulo apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A Matemátca Facera trata da comparação de valores moetáros que estão dspersos ao logoo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

Cap.20 Avaliação Econ. Financ. de Projetos de Inv. Sumário. Jim Lane. $20 mi. Gordon Letwin $20 mi Paul Allen $25 bi

Cap.20 Avaliação Econ. Financ. de Projetos de Inv. Sumário. Jim Lane. $20 mi. Gordon Letwin $20 mi Paul Allen $25 bi Pol-UFRJ/25.1 Cap.2 Avalação Eco. Fac. de Projetos de Iv. Ecooma Carlos Nemer 3ª Ed. Capítulo 2 Avalação Ecoômco Facera de Projetos de Ivestmeto Steve Wood $15 m Bob O' Rear $1 mllo Bob Wallace $5 m Bob

Leia mais

TABELA PRICE NÃO EXISTE *

TABELA PRICE NÃO EXISTE * TABELA PRICE NÃO EXISTE * Ro, Novembro / 203 * Matéra elaborada por Pedro Schubert. Admstrador, Sóco Fudador da BMA Iformátca & Assessorameto Empresaral Ltda. TABELA PRICE NÃO EXISTE ÍNDICE Pága - SISTEMA

Leia mais

Capítulo 1 Matemática Financeira

Capítulo 1 Matemática Financeira apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A matemátca facera trata da comparação de valores moetáros ao logo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas de vestmeto e

Leia mais

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária.

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária. 1 UTOR: Emeta Luz Herque M da Slva 1 Defções de razão e proporção, propredades; Graduado em Matemátca e habltado em ísca pelo UNIEB 2 Gradezas dretamete proporcoas e versamete proporcoas, Regra de três;

Leia mais

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva LEASING UMA OBSERVAÇÃO Ecoomsta Atoo Perera da Slva AMOR POR DINHEIRO TITÃS Composção: Sérgo Brtto e To Bellotto Acma dos homes, a le E acma da le dos homes A le de Deus Acma dos homes, o céu E acma do

Leia mais

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL CÁLCULOS DE FINANÇAS MATEMÁTICA FINANCEIRA Semestre: A/2008 PROFESSOR: IRANI LASSEN CURSO: ALUNO: SUMÁRIO CÁLCULOS DE FINANÇAS INTRODUÇÃO...3. OBJETIVO:...3.2 FLUXO DE CAIXA...4.3

Leia mais

Capitulo 8 Resolução de Exercícios

Capitulo 8 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Peródcas, Crescetes e Postecpadas, com Termos em P. A. G 1 1 1 1 G SPAC R R s s 1 1 1 1 1 G G C R a R a 1 1 PAC Audades Gradetes Postecpadas S GP G 1 1 ; C GP G 1 1 1 Audades Gradetes

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avalação de Empresas MODELO DE DIVIDENDOS Dvdedos em um estáo DDM Dscouted Dvded Model Muto utlzados a precfcação de uma ação em que o poto de vsta do vestdor é extero à empresa e eralmete esse vestdor

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Interpolação. Exemplo de Interpolação Linear. Exemplo de Interpolação Polinomial de grau superior a 1.

Interpolação. Exemplo de Interpolação Linear. Exemplo de Interpolação Polinomial de grau superior a 1. Iterpolação Iterpolação é um método que permte costrur um ovo cojuto de dados a partr de um cojuto dscreto de dados potuas cohecdos. Em egehara e cêcas, dspõese habtualmete de dados potuas, obtdos a partr

Leia mais

PLANO PROBABILIDADES Professora Rosana Relva DOS. Números Inteiros e Racionais COMPLEXOS NÚMEROS COMPLEXOS NÚMEROS COMPLEXOS NÚMEROS COMPLEXOS

PLANO PROBABILIDADES Professora Rosana Relva DOS. Números Inteiros e Racionais COMPLEXOS NÚMEROS COMPLEXOS NÚMEROS COMPLEXOS NÚMEROS COMPLEXOS Professor Luz Atoo de Carvalho PLANO PROBABILIDADES Professora Rosaa Relva DOS Números Iteros e Racoas COMPLEXOS rrelva@globo.com Número s 6 O Número Por volta de 00 d.c a mpressão que se tha é que, com

Leia mais

Sumário. Mecânica. Sistemas de partículas

Sumário. Mecânica. Sistemas de partículas umáro Udade I MECÂNICA 2- Cetro de massa e mometo lear de um sstema de partículas - stemas de partículas e corpo rígdo. - Cetro de massa. - Como determar o cetro de massa dum sstema de partículas. - Vetor

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø.

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø. Professor Maurco Lutz 1 EGESSÃO LINEA SIMPLES A correlação lear é uma correlação etre duas varáves, cujo gráfco aproma-se de uma lha. O gráfco cartesao que represeta essa lha é deomado dagrama de dspersão.

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Faculdade de Tecologa de Cataduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 5. Meddas de Posção cetral ou Meddas de Tedêca Cetral Meddas de posção cetral preocupam-se com a caracterzação e a

Leia mais

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística BAC 0 - Estatístca Uversdade Federal de Itajubá - Campus Itabra BAC0 - ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA MEDIDAS DE CENTRO Méda Medda de cetro ecotrada pela somatóra de todos os valores de um cojuto,

Leia mais

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00 Módulo 7 J uros Compostos Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 7.1 Itrodução: Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO A PARTIR DA CONSTRUÇÃO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS

UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO A PARTIR DA CONSTRUÇÃO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO A PARTIR DA CONSTRUÇÃO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS Marcelo Salvador Cóser Flho Uversdade Federal do Ro Grade do Sul Isttuto de Matemátca

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12 MEDIDAS DE POSIÇÃO: São meddas que possbltam represetar resumdamete um cojuto de dados relatvos à observação de um determado feômeo, pos oretam quato à posção da dstrbução o exo dos, permtdo a comparação

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA Coceito de taxa de juros Taxa de juro é a relação etre o valor dos juros pagos (ou recebidos) o fial de um determiado período de tempo e o valor do capital

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO:

MEDIDAS DE DISPERSÃO: MEDID DE DIPERÃO: fução dessas meddas é avalar o quato estão dspersos os valores observados uma dstrbução de freqüêca ou de probabldades, ou seja, o grau de afastameto ou de cocetração etre os valores.

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS. z = a + bi,

NÚMEROS COMPLEXOS. z = a + bi, NÚMEROS COMPLEXOS. DEFINIÇÃO No cojuto dos úmeros reas R, temos que a = a. a é sempre um úmero ão egatvo para todo a. Ou seja, ão é possível extrar a ra quadrada de um úmero egatvo em R. Dessa mpossbldade

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Swap

Caderno de Fórmulas. Swap Swap Elaboração: Abrl/25 Últma Atualzação: 5/4/216 Apresetação O adero de Fórmulas tem por objetvo oretar os usuáros do Módulo de, a compreesão da metodologa de cálculo e dos crtéros de precsão usados

Leia mais

Em muitas situações duas ou mais variáveis estão relacionadas e surge então a necessidade de determinar a natureza deste relacionamento.

Em muitas situações duas ou mais variáveis estão relacionadas e surge então a necessidade de determinar a natureza deste relacionamento. Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.r http://www.pucrs.r/famat/val/ Em mutas stuações duas ou mas varáves estão relacoadas e surge etão a ecessdade de determar a atureza deste relacoameto. A aálse de regressão

Leia mais

Estatística - exestatmeddisper.doc 25/02/09

Estatística - exestatmeddisper.doc 25/02/09 Estatístca - exestatmeddsper.doc 5/0/09 Meddas de Dspersão Itrodução ão meddas estatístcas utlzadas para avalar o grau de varabldade, ou dspersão, dos valores em toro da méda. ervem para medr a represetatvdade

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Títulos Públicos - Cetip 21

Caderno de Fórmulas. Títulos Públicos - Cetip 21 Cadero de Fórmulas Títulos Públcos - Cetp 21 Últma Atualzação: 21/06/2017 Cadero de Fórmulas Apresetação Títulos Públcos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Val, Dr. http://www.pucrs.br/famat/val/ val@pucrs.br Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Obetvos A Aálse de

Leia mais

CAPÍTULO 5. Ajuste de curvas pelo Método dos Mínimos Quadrados

CAPÍTULO 5. Ajuste de curvas pelo Método dos Mínimos Quadrados CAPÍTULO Ajuste de curvas pelo Método dos Mímos Quadrados Ajuste Lear Smples (ou Regressão Lear); Ajuste Lear Múltplo (ou Regressão Lear Múltpla); Ajuste Polomal; Regressão Não Lear Iterpolação polomal

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Perguntas freqüentes Credenciadores

Perguntas freqüentes Credenciadores Pergutas freqüetes Credecadores Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte pelo facameto da compra pelo emssor?

Leia mais

Números Complexos. 2. (IME) Seja z um número complexo de módulo unitário que satisfaz a condição z 2n 1, onde n é um número inteiro positivo.

Números Complexos. 2. (IME) Seja z um número complexo de módulo unitário que satisfaz a condição z 2n 1, onde n é um número inteiro positivo. Números Complexos. (IME) Cosdere os úmeros complexos Z se α cos α e Z cos α se α ode α é um úmero real. Mostre que se Z Z Z etão R e (Z) e I m (Z) ode R e (Z) e I m (Z) dcam respectvamete as partes real

Leia mais

Oitava Lista de Exercícios

Oitava Lista de Exercícios Uversdade Federal Rural de Perambuco Dscpla: Matemátca Dscreta I Professor: Pablo Azevedo Sampao Semestre: 07 Otava Lsta de Exercícos Lsta sobre defções dutvas (recursvas) e prova por dução Esta lsta fo

Leia mais

Como CD = DC CD + DC = 0

Como CD = DC CD + DC = 0 (9-0 www.eltecampas.com.br O ELITE RESOLVE IME 008 MATEMÁTICA - DISCURSIVAS MATEMÁTICA QUESTÃO Determe o cojuto-solução da equação se +cos = -se.cos se + cos = se cos ( se cos ( se se.cos cos + + = = (

Leia mais

Curso de An lise de Fluxo de Caixa

Curso de An lise de Fluxo de Caixa Curso de A lse de Fluxo de Caxa SUMÁRIO PROGRESSÕES... 0. FÓRMULAS BÁSICAS... 0.. Progressões artmétcas... 0..2 Progressões geométrcas... 02.2 EXERCÍCIOS SUGERIDOS... 02 2 CONCEITOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA...

Leia mais

TT.405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Material Didático - 2008 Prof. Lúcia R. A. Montanhini

TT.405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Material Didático - 2008 Prof. Lúcia R. A. Montanhini INTRODUÇÃO TT405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Materal Ddátco - 2008 Prof Lúca R A Motah INTRODUÇÃO 2 INDICE INTRODUÇÃO 7 2 O CONCEITO E ORIGEM DA ENGENHARIA ECONÔMICA 8 3 MATEMÁTICA FINANCEIRA 9 3 CONCEITOS

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO / ESTATÍSTICA LISTA 2 RESUMO TEÓRICO

RACIOCÍNIO LÓGICO / ESTATÍSTICA LISTA 2 RESUMO TEÓRICO RACIOCÍIO LÓGICO - Zé Carlos RACIOCÍIO LÓGICO / ESTATÍSTICA LISTA RESUMO TEÓRICO I. Cocetos Icas. O desvo médo (DM), é a méda artmétca dos desvos de cada dado da amostra em toro do valor médo, sto é x

Leia mais

16 - PROBLEMA DO TRANSPORTE

16 - PROBLEMA DO TRANSPORTE Prof. Volr Wlhel UFPR TP05 Pesqusa Operacoal 6 - PROBLEMA DO TRANSPORTE Vsa zar o custo total do trasporte ecessáro para abastecer cetros cosudores (destos) a partr de cetros forecedores (orges) a, a,...,

Leia mais

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre Uma Calculadora Facera usado métos umércos e software lvre Jorge edraza Arpas, Julao Sott, Depto de Cêcas e Egeharas, Uversdade Regoal ItegradaI, URI 98400-000-, Frederco Westphale, RS Resumo.- Neste trabalho

Leia mais

Distribuições Amostrais. Estatística. 8 - Distribuições Amostrais UNESP FEG DPD

Distribuições Amostrais. Estatística. 8 - Distribuições Amostrais UNESP FEG DPD Dstrbuções Amostras Estatístca 8 - Dstrbuções Amostras 08- Dstrbuções Amostras Dstrbução Amostral de Objetvo: Estudar a dstrbução da população costtuída de todos os valores que se pode obter para, em fução

Leia mais

REGESD Prolic Matemática e Realidade- Profª Suzi Samá Pinto e Profº Alessandro da Silva Saadi

REGESD Prolic Matemática e Realidade- Profª Suzi Samá Pinto e Profº Alessandro da Silva Saadi REGESD Prolc Matemátca e Realdade- Profª Suz Samá Pto e Profº Alessadro da Slva Saad Meddas de Posção ou Tedêca Cetral As meddas de posção ou meddas de tedêca cetral dcam um valor que melhor represeta

Leia mais

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A IAG Matemática Fiaceira Fluxo de Caixa O valor do diheiro o tempo Represetação: Saídas Etradas (100) 100 Prof. Luiz Bradão 2012 1 2 Visualização: Fluxo de Caixa 0 1 2 3 4 5 Defiições: Fluxo de Caixa VP

Leia mais

? Isso é, d i= ( x i. . Percebeu que

? Isso é, d i= ( x i. . Percebeu que Estatístca - Desvo Padrão e Varâca Preparado pelo Prof. Atoo Sales,00 Supoha que tehamos acompahado as otas de quatro aluos, com méda 6,0. Aluo A: 4,0; 6,0; 8,0; méda 6,0 Aluo B:,0; 8,0; 8,0; méda 6,0

Leia mais

Econometria: 3 - Regressão Múltipla

Econometria: 3 - Regressão Múltipla Ecoometra: 3 - Regressão Múltpla Prof. Marcelo C. Mederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. Marco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo de regressão

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ecoomia, Admiistração e Cotabilidade de Ribeirão Preto - FEA-RP Matemática Fiaceira Profa. Dra.Luciaa C.Siqueira Ambrozii Juros Compostos 1 Juros compostos Cosidera

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Aplcação do Redmeto Os agetes ecoómcos de uma ecooma auferem redmetos da sua actvdade ecoómca, que aplcam

Leia mais

n. A densidade de corrente associada a esta espécie iônica é J n. O modelo está ilustrado na figura abaixo.

n. A densidade de corrente associada a esta espécie iônica é J n. O modelo está ilustrado na figura abaixo. Equlíbro e o Potecal de Nerst 5910187 Bofísca II FFCLRP USP Prof. Atôo Roque Aula 11 Nesta aula, vamos utlzar a equação para o modelo de eletrodfusão o equlíbro obtda a aula passada para estudar o trasporte

Leia mais

Determine a média de velocidade, em km/h, dos veículos que trafegaram no local nesse período.

Determine a média de velocidade, em km/h, dos veículos que trafegaram no local nesse período. ESTATÍSTICA - 01 1. (UERJ 01) Téccos do órgão de trâsto recomedaram velocdade máxma de 80 km h o trecho de uma rodova ode ocorrem mutos acdetes. Para saber se os motorstas estavam cumprdo as recomedações,

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas)

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas) 1 UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagametos ou Redas) Elemetos ou Classificação: - Redas: Sucessão de depósitos ou de prestações, em épocas diferetes, destiados a formar

Leia mais

ESTATÍSTICA MÓDULO 2 OS RAMOS DA ESTATÍSTICA

ESTATÍSTICA MÓDULO 2 OS RAMOS DA ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA MÓDULO OS RAMOS DA ESTATÍSTICA Ídce. Os Ramos da Estatístca...3.. Dados Estatístcos...3.. Formas Icas de Tratameto dos Dados....3. Notação por Ídces...5.. Notação Sgma ()...5 Estatístca Módulo

Leia mais

7 Análise de covariância (ANCOVA)

7 Análise de covariância (ANCOVA) Plejameto de Expermetos II - Adlso dos Ajos 74 7 Aálse de covarâca (ANCOVA) 7.1 Itrodução Em algus expermetos, pode ser muto dfícl e até mpossível obter udades expermetas semelhtes. Por exemplo, pode-se

Leia mais

Perguntas Freqüentes - Bandeiras

Perguntas Freqüentes - Bandeiras Pergutas Freqüetes - Baderas Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada

Leia mais

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados 3.1. Meddas de Tedêca Cetral CAPÍTULO 3 MEDIDA DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE UFRG 1 Há váras meddas de tedêca cetral. Etre elas ctamos a méda artmétca, a medaa, a méda harmôca, etc. Cada uma dessas

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA PREVISÃO DE RECURSOS PARA A VIDA UNIVERSITÁRIA DE UMA CRIANÇA.

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA PREVISÃO DE RECURSOS PARA A VIDA UNIVERSITÁRIA DE UMA CRIANÇA. A MODELAGEM MATEMÁTICA NA PREVIÃO DE RECURO PARA A VIDA UNIVERITÁRIA DE UMA CRIANÇA. Karla Jaquele ouza Tatsch Lozcler Mara Moro dos atos Valde Bsog 3 Resumo Nesse trabalho utlza-se a Modelagem Matemátca

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS: conteúdo parcial da disciplina FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

ROTEIRO DE ESTUDOS: conteúdo parcial da disciplina FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL Disciplina: DEF 06423 Economia da Engenharia Prof. Wendel Andrade ROTEIRO DE ESTUDOS: conteúdo parcial

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

( k) Tema 02 Risco e Retorno 1. Conceitos Básicos

( k) Tema 02 Risco e Retorno 1. Conceitos Básicos FEA -USP Graduação Cêcas Cotábes EAC05 04_0 Profa. Joaíla Ca. Rsco e Retoro. Cocetos Báscos Rotero BE-cap.6 Tema 0 Rsco e Retoro. Cocetos Báscos I. O que é Retoro? II. Qual é o Rsco de um Atvo Idvdual

Leia mais

reprovado (vale contínua. das aulas. Saraiva ; br). uma entrada de 25% ( ) a) 81,97 ( ) b) 79,37 ( ) c) 76,92 ( ) d) 74,63 ( ) e) 72,46

reprovado (vale contínua. das aulas. Saraiva ; br). uma entrada de 25% ( ) a) 81,97 ( ) b) 79,37 ( ) c) 76,92 ( ) d) 74,63 ( ) e) 72,46 1 www/campossalles.edu.br Cursos de: Admstração, Cêcas Cotábes, Dreto, Pedagoga, Sstemas de Iformação, e Tecológcos - telefoe (11) 3649-70-00 Cálculo Atuaral 014 Professor Dorval Boora Júor Lsta de teora

Leia mais

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros Estrutura a Termo de Taxa de Juros 20 2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros A Estrutura a termo de taxa de juros (também cohecda como Yeld Curve ou Curva de Retabldade) é a relação, em dado mometo, etre

Leia mais

Forma padrão do modelo de Programação Linear

Forma padrão do modelo de Programação Linear POGAMAÇÃO LINEA. Forma Padrão do Modelo de Programação Lear 2. elações de Equvalêca 3. Suposções da Programação Lear 4. Eemplos de Modelos de PPL 5. Suposções da Programação Lear 6. Solução Gráfca e Iterpretação

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

RENDAS CERTAS OU ANUIDADES

RENDAS CERTAS OU ANUIDADES RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Matemática Fiaceira/Mário Nas aplicações fiaceiras o capital pode ser pago ou recebido de uma só vez ou através de uma sucessão de pagametos ou de recebimetos. Quado o objetivo

Leia mais

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística Prova Resolvida e Cometada Prof. Joselias joselias@uol.com.br (0 )9654-53 FRF 005 Matemática Fiaceira e Estatística Soluções das Provas do FRF-005 de Matemática Fiaceira e de Estatística Prof. Joselias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIA Plano de Ensino

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIA Plano de Ensino Plao de Eso Uversdade Federal do Espírto Sato Campus: São Mateus Curso: Egehara de Produção Departameto Resposável: Departameto de Egeharas e Tecologa Data de Aprovação (Art. º 91): Docete resposável:

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

Centro de massa, momento linear de sistemas de partículas e colisões

Centro de massa, momento linear de sistemas de partículas e colisões Cetro de massa, mometo lear de sstemas de partículas e colsões Prof. Luís C. Pera stemas de partículas No estudo que temos vdo a fazer tratámos os objectos, como, por exemplo, blocos de madera, automóves,

Leia mais

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo C:\Documets ad Settgs\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_EF_44\ef44_PDF\CAP XIV_IFCOTIUO.doc 6 Motorameto ou Ivetáro Florestal Cotíuo Agosto Lopes de Souza. ITRODUÇÃO Parcelas permaetes de vetáro florestal cotíuo

Leia mais

Momento Linear duma partícula

Momento Linear duma partícula umáro Udade I MECÂNICA 2- Cetro de massa e mometo lear de um sstema de partículas - Mometo lear de uma partícula e de um sstema de partículas. - Le fudametal da dâmca para um sstema de partículas. - Impulso

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos Apostla de Itrodução Aos Métodos Numércos PARTE III o Semestre - Pro a. Salete Souza de Olvera Buo Ídce INTERPOAÇÃO POINOMIA...3 INTRODUÇÃO...3 FORMA DE AGRANGE... 4 Iterpolação para potos (+) - ajuste

Leia mais

ANÁLISE DE REGRESSÃO E CORRELAÇÃO

ANÁLISE DE REGRESSÃO E CORRELAÇÃO ANÁLISE DE REGRESSÃO E CORRELAÇÃO Quado se cosderam oservações de ou mas varáves surge um poto ovo: O estudo das relações porvetura estetes etre as varáves. A aálse de regressão e correlação compreedem

Leia mais

É o quociente da divisão da soma dos valores das variáveis pelos números deles:

É o quociente da divisão da soma dos valores das variáveis pelos números deles: Meddas de Posção. Itrodução Proª Ms. Mara Cytha O estudo das dstrbuções de requêcas, os permte localzar a maor cocetração de valores de uma dstrbução. Porém, para ressaltar as tedêcas característcas de

Leia mais

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de

Leia mais

Momento Linear duma partícula

Momento Linear duma partícula umáro Udade I MECÂNICA 2- Cetro de massa e mometo lear de um sstema de partículas - Mometo lear de uma partícula e de um sstema de partículas. - Le fudametal da dâmca para um sstema de partículas. - Impulso

Leia mais

Considerando que os triângulos são todos semelhantes, os perímetros formam uma PG de razão 1.

Considerando que os triângulos são todos semelhantes, os perímetros formam uma PG de razão 1. Resposta da questão : [B] Tem-se que t at = habitates e bt Resposta da questão : [D] PA a; a + r; a + r; a + 3r; a + 4r; a + 5r; a + 6r ( ) ( ) PG a; a + r; a + 6r; q = a + 6r a + r = a + r a + 4ar + 4r

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO 9. MEDIDAS DE DISPERSÃO

MEDIDAS DE DISPERSÃO 9. MEDIDAS DE DISPERSÃO Núcleo das Cêcas Bológcas e da Saúde Cursos de Bomedca, Ed. Físca, Efermagem, Farmáca, Fsoterapa, Fooaudologa, Medca Veterára, Muscoterapa, Odotologa, Pscologa MEDIDAS DE DISPERSÃO 9 9. MEDIDAS DE DISPERSÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais