Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004"

Transcrição

1 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004

2 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão aplcados aos segutes atvos de emssão do Tesouro Nacoal: Alogameto da Dívda Agrícola - ADA (ASTN), Certfcado do Tesouro Nacoal - ADA (ECTN), Certfcado da Dívda Públca Moblára Federal - Isttuto Nacoal do Seguro Socal - CDP/INSS (AINSS), Certfcado Facero do Tesouro - CFT (HSTN ou HCFT), Crédto Securtzado regstrado o sstema SNA dexado à taxa SELIC - CRED. SEC. (JSTN). S eguem as orges dos atvos apresetados este cadero: ADA (ASTN) ADA (ECTN) CDP/INSS (AINSS) - Título emtdo em favor de sttução e agete facero do Sstema Nacoal de Crédto Rural, para garatr operações de alogameto de saldos cosoldados de dívdas orgáras de crédto rural. - Título destado a prover recursos ecessáros à cobertura de défcts orçametáros, cuja colocação deve ser efetuada em favor de teressado específco, para uso como garata do valor do prcpal, em operações de reegocação de dívdas do setor rural. - Certfcado emtdo com a faldade exclusva de amortzação ou qutação de dívdas prevdecáras, em permuta por título de resposabldade do Tesouro Nacoal ou por crédtos decorretes de securtzação de obrgações da Uão. CFT (HSTN e HCFT) - Título crado para ateder preferecalmete às operações com faldades específcas defdas em le. CRED.SEC. (JSTN) - Crédto Securtzado dexado à taxa SELIC, regstrado o sstema SNA, decorrete de egocação, medate ovação, de crédtos de atureza facera vecdos cotra a Uão, ou por ela garatdos. O s cálculos dos valores utáros de acompahameto referetes ao valor omal, juros e amortzações, bem como os valores faceros dos evetos, ecotramse especfcados a seção referete a cada tpo de atvo. C ompõem ada este cadero, quadros resumo das fórmulas utlzadas, alocados o fal da seção de cada atvo. Últma atualzação: 23/12/2004 1

3 Cadero de Fórmulas Ídce Sstema Nacoal de Atvos Títulos emtdos pela Secretara do Tesouro Nacoal (STN) I) Alogameto da Dívda Agrícola - ASTN I.1 1. Defção I.1 2. Característcas I Prmera Sére I Seguda Sére I.3 3. Nomeclatura I Prmera Sére I Seguda Sére I.5 4. Crtéro de Atualzação I Prmera Sére I Para atvos cuja fote de recursos é o "MCR 6.2" (Maual de Crédto Rural) I.6 a) Valor Nomal I.6 b) Juros I.7 c) Amortzação I Para atvos cuja fote de recursos é oruda de DER (Depósto Especal de Remueração) e Poupaça, para Bacos com méda de operações até e/ou maor que R$ ,00 I.9 a) Valor Nomal I.10 b) Juros I.11 c) Amortzação I Para atvos cuja fote de recursos é oruda de Recursos Lvres e do Fudo de Aplcações Extra-mercado (FAE) I.14 a) Valor Nomal I.14 b) Juros I.15 c) Amortzação I Seguda Sére I Para atvos cuja fote de recursos é o "MCR 6.2" (Maual de Crédto Rural) I.18 a) Valor Nomal I.18 b) Juros I.18 c) Amortzação I Para atvos cuja fote de recursos é oruda de DER (Depósto Especal de Remueração) e Poupaça, para Bacos com méda de operações até e/ou maor que R$ ,00 I.20 a) Valor Nomal I.20 b) Juros I.21 Ídce - 1 Últma atualzação: 23/12/2004

4 Cadero de Fórmulas Ídce Sstema Nacoal de Atvos c) Amortzação I Para atvos cuja fote de recursos é oruda de Recursos Lvres e do Fudo de Aplcações Extra-mercado (FAE) I.23 a) Valor Nomal I.23 b) Juros I.24 c) Amortzação I uadro Resumo de Fórmulas e Varáves I Prmera Sére I ASTN D A I ASTN D B I ASTN D C I I Seguda Sére I ASTN R A I ASTN R B I ASTN R C I ASTN R D, ASTN R E, ASTN1 _ R4D8, ASTN1 _ R4D9 e ASTN1 _ R4D0, ASTN2 _ RSDA, ASTN2 _ RSDB, ASTN2_RSEB, ASTN3 _ RSDA, ASTN3 _ RSDB, ASTN3 _ RSDC, ASTN3 _ RSDD e ASTN3 _ RSDE I.37 II) Alogameto da Dívda Agrícola - Certfcado do Tesouro Nacoal ECTN II.1 1. Defção II.1 2. Característcas II Atualzações II Prazo II Valor Nomal II Preço desagado II Juros II Amortzação II.2 3. Nomeclatura II.2 4. Crtéro de Atualzação II Atualzação do Valor de Face e do Preço Utáro II Preço Utáro com Apropração do Deságo II Atualzação do Preço Utáro com deságo aproprado II Preço Utáro do Prcpal ou Atualzação do Preço Utáro de emssão II Preço de Ecargos II.5 5. uadro Resumo de Fórmulas e Varáves II.6 Últma atualzação: 23/12/2004 Ídce - 2

5 Cadero de Fórmulas Ídce Sstema Nacoal de Atvos III) Certfcados da Dívda Públca Moblára Federal - Isttuto Nacoal do Seguro Socal - CDP/INSS III.1 1. Defção III.1 2. Característcas III.1 3. Nomeclatura III.2 4. Crtéro de Atualzação III Valor Nomal III Juros III Amortzação III.3 IV) Certfcado Facero do Tesouro - CFT 1. Defção IV.1 2. Nomeclatura IV.1 3. Crtéro de Atualzação IV CFT - Sére A IV.4 a) Valor Nomal IV.4 b) Juros IV.5 c) Amortzação IV CFT - Sére B IV.8 a) Valor Nomal IV.8 b) Juros IV.11 c) Amortzação IV CFT - Sére C IV.14 a) Valor Nomal IV.14 b) Juros IV.16 c) Amortzação IV CFT - Sére D IV.19 a) Valor Nomal IV.19 b) Juros IV.20 c) Amortzação IV CFT - Sére E IV.24 a) Valor Nomal IV.24 b) Juros IV.25 c) Amortzação IV.27 IV.1 Ídce - 3 Últma atualzação: 23/12/2004

6 Cadero de Fórmulas Ídce Sstema Nacoal de Atvos 3.6 CFT - Sére F IV.28 a) Valor Nomal IV.28 b) Juros IV.29 c) Amortzação IV CFT - Sére G IV.32 a) Valor Nomal IV.33 b) Juros IV.34 c) Amortzação IV CFT - Sére H IV.36 a) Valor Nomal IV.36 b) Juros IV.38 c) Amortzação IV.39 V) Títulos dexados à Taxa SELIC - JSTN V.1 1. Defção V.1 2. Nomeclatura V.1 3. Crtéro de Atualzação V Valor Nomal V Juros V Amortzação V.2 Últma atualzação: 23/12/2004 Ídce - 4

7 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos I) Alogameto da Dívda Agrícola ASTN 1. Defção Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola são títulos emtdos em favor das sttuções e agetes faceros do Sstema Nacoal de Crédto Rural, para garatr operações de alogameto de saldos cosoldados de dívdas orgáras de crédto rural. O objeto do alogameto são as operações cotratadas por produtores ruras, suas assocações, codomíos e cooperatvas, clusve as já reegocadas, respetadas as dsposções cotdas o art. 5 da Le 9.138/95 e legslação complemetar. O valor a ser alogado, para cada emtete do strumeto de crédto detfcado pelo respectvo CPF ou CGC, está lmtado a R$ 200 ml, observado, o caso de assocações, codomíos e cooperatvas, os lmtes estabelecdos os csos I a III, 3º, art. 5, da Le 9.138/95. Os títulos devem ser emtdos: a) após celebração de cotrato etre as sttuções faceras e o Tesouro Nacoal; b) pelo valor total das dívdas efetvamete alogadas, cosoldadas com base em 30/11/95 e o caso do FAT (Fudo de Amparo ao Trabalhador) e PIS/PASEP, pelo valor equalzável, lmtado ao motate de R$ 7 blhões; c) em 4 parcelas de até 25% do motate alogado, com valor de face em 30/11/1995; d) em duas séres a 1ª correspodedo a 3% do total a ser securtzado, para fazer face às despesas admstratvas e trbutáras das sttuções faceras, e a 2ª relatva ao saldo remaescete. I.1 Últma atualzação: 23/12/2004

8 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos 2. Característcas Os atvos em questão foram emtdos em duas séres, com característcas dsttas. 2.1 PRIMEIRA SÉRIE Os atvos da prmera sére vsam fazer face às despesas admstratvas e trbutáras que serão arcadas pelas sttuções faceras. Característcas dos Atvos da Prmera Sére a) Prazo: Idêtco ao das operações alogadas juto aos mutuáros: 7, 8, 9 e 10 aos. b) Ajuste Moetáro e Taxa de Juros Efetva, respetada a fote de recursos, como segue: c) Modaldade: Negocável. Fote de Recursos Idexador Taxa (equv. 360 das) MCR 6.2 (*) DER e Poupaça, para Bacos com méda de operações até R$ ,00: 1) de 30/11/1995 a 30/10/1997, exclusve. IRP (1) 11,6484% a.a. 2) a partr de 30/10/1997. IRP 10,4168% a.a. DER e Poupaça, para Bacos com méda de operações acma de R$ ,00. IRP 8,2934% a.a. Recursos Lvres TMS (2) 2,0000% a.a. Fudo de Aplcação Extramercado TMS 2,0000% a.a. d) Valor: Correspodete a 3% (três por ceto) do total alogado, com base em 30/11/1995. e) Data de Emssão: 30/11/1995 f) Data de Vecmeto: g) Carêca: h) Data de Regstro Escrtural do Título: A cada da 30 de outubro dos aos 2002 até Os aos assalados referem-se ao vecmeto da operação alogada, vsto que esta sére é amortzada mesalmete. Prazo, cotado em meses, correspodete ao período etre a data de emssão do atvo (30/11/1995) e o da 30 do mês de forecmeto das formações ao RECOR/BACEN. Os juros referetes a este período serão corporados ao prcpal esta últma data (fal da carêca). No mês segute ao de vecmeto da carêca. O mês de regstro escrtural do título a Cetp é característca do mesmo e defe o 8º (otavo) dígto do códgo dos atvos da 1ª sére. ) Vecmeto da Prmera Prestação: No da 30 (trta) do mês subseqüete ao térmo de carêca. j) Preço Utáro do Título a Data de Emssão: ) Pagameto dos Juros: l) Resgate do Prcpal (Amortzação): R$ 1.000,00 (hum ml reas). Será efetuado mesalmete a data de aversáro do título (da trta de cada mês), a partr do mês posteror ao térmo da carêca. Será efetuado mesalmete a data de aversáro do título (da trta de cada mês), a partr do mês segute ao térmo da carêca. (*) Taxa de Juros repactuada perodcamete: da emssão até 30/06/1996, taxa de 16,0000% a.a.; de 30/06/1996 até 30/06/1997, taxa de 12,0000% a.a.; de 30/06/1997 até 30/06/1998, taxa de 9,5000% a.a.; de 30/06/1998 até 30/10/2005, taxa de 8,7500% a a. (1) IRP - Ídce de Remueração da Poupaça, atualmete represetado pela Taxa Referecal (TR). (2) TMS - Taxa méda SELIC. Últma atualzação: 23/12/2004 I.2

9 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos 2.2 SEGUNDA SÉRIE Os atvos da seguda sére serão regstrados em parcelas de até 25% (vte e cco por ceto) do motate alogado, com valor de face em 30/11/1995: 1ª parcela Outubro/1997 3ª parcela Jaero/2000 2ª parcela Jaero/1998 4ª parcela Jaero/2002 A dferecação das parcelas é cotemplada o 8º (otavo) dígto do códgo dos atvos da 2ª sére. a) Prazo: b) Ajuste Moetáro e Taxa de Juros Efetva, respetada a fote de recursos, como segue: c) Modaldade: Negocável. Característcas dos Atvos da Seguda Sére De 2 (dos) a 10 (dez) aos, cotados a partr de 30/11/1995, de acordo com o prazo de vecmeto das prestações auas de resposabldade do mutuáro. Taxa Fote de Recursos Idexador (equv. 360 das) MCR 6.2 (*) DER e Poupaça, para Bacos com méda de operações até R$ ,00: 1) de 30/11/1995 a 30/10/1997, exclusve. IRP (1) 11,6484% a.a. 2) a partr de 30/10/1997. IRP 10,4168% a.a. DER e Poupaça, para Bacos com méda de operações acma de R$ ,00. Recursos Lvres 1) ASTN, ASTN1 e ASTN2 2) ASTN3 IRP TMS (2) TMS (2) 8,2934% a.a. 2,0000% a.a. - Fudo de Aplcação Extramercado TMS 2,0000% a.a. d) Valor: Correspodete a 97% (oveta e sete por ceto) do total alogado. e) Data de Emssão: f) Data de Vecmeto: g) Preço Utáro do Título a Data de Emssão: h) Pagameto dos Juros e Resgate do Prcpal: 23/10/2002 para os atvos ASTN1 _ R4D8, ASTN1 _ R4D9 e ASTN1 _ R4D0 e 30/11/1995 e para os demas atvos. A cada da 30 de outubro dos aos de 1997 até Para os atvos ASTN3_RSDA, ASTN3_RSDB, ASTN3_RSDC, ASTN3_RSDD e ASTN3_RSDE os vecmetos são respectvamete 30/10/2005, 18/10/2006, 17/10/2007, 15/10/2008 e 19/01/2005. R$ 1.000,00 (hum ml reas). Em parcela úca, a data de vecmeto do título. (*) Taxa de Juros repactuada perodcamete: da emssão até 30/06/1996, taxa de 16,0000% a.a.; de 30/06/1996 até 30/06/1997, taxa de 12,0000% a.a.; de 30/06/1997 até 30/06/1998, taxa de 9,5000% a.a.; de 30/06/1998 até 30/10/2005, taxa de 8,7500% a.a. (1) IRP - Ídce de Remueração da Poupaça, atualmete represetado pela Taxa Referecal (TR). (2) TMS - Taxa méda SELIC. I.3 Últma atualzação: 23/12/2004

10 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos 3. Nomeclatura O códgo alfaumérco destes títulos é composto por 10 (dez) dígtos, gerado a partr das formações de regstro, assm costtuído: 3.1 PRIMEIRA SÉRIE A S T N D X X X 1º algarsmo - será fxo e represetado pela letra "A", correspodedo ao códgo específco dos títulos emtdos para alogameto da dívda agrícola o sstema SNA - CETIP. 2º ao 6º algarsmo - serão fxos e represetados pelas letras "S", "T", "N", "espaço", "espaço", correspodedo ao emssor dos títulos juto à CETIP. A S T N D X X X 7º algarsmo - será fxo e represetado pela letra "D", correspodedo aos títulos emtdos para fazer face às despesas admstratvas e trbutáras das sttuções faceras. A S T N D X X X 8º algarsmo - correspoderá ao mês de regstro escrtural do título juto à CETIP, a segute relação: ALGARISMO A B C D E MÊS Prmero Segudo Tercero uarto uto 9º algarsmo - correspoderá às fotes de recursos orgáras das operações de crédtos ruras, a segute relação: A S T N D X X X ALGARISMOS FONTES DE RECURSOS A MCR 6.2 B DER e Poupaça, méda de oper. até R$ C DER e Poupaça, méda de oper. acma de R$ D Recursos Lvres E FAE A S T N D X X X 10º algarsmo - correspoderá ao ao de vecmeto da operação alogada, com a segute codfcação: ALGARISMO ANO DE VENCIMENTO (*) (*) Os aos assalados referem-se ao vecmeto da operação alogada, vsto que esta sére é amortzada mesalmete. Últma atualzação: 23/12/2004 I.4

11 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos 3.2 SEGUNDA SÉRIE A S T N R X X X 1º algarsmo - será fxo e represetado pela letra "A", correspodedo ao códgo específco dos títulos emtdos para alogameto da dívda agrícola o sstema SNA - CETIP. 2º ao 6º algarsmo - serão fxos e represetados pelas letras "S", "T", "N", "espaço", "espaço", correspodedo ao emssor dos títulos juto à CETIP. A S T N R X X X 7º algarsmo - será fxo e represetado pela letra "R", correspodedo aos títulos emtdos para fs de equalzação da operação alogada pelo mutuáro. A S T N R X X X 8º algarsmo - correspoderá à parcela referete à emssão do título, a segute relação: ALGARISMO PARCELA / ANO DE REGISTRO 1 Prmera / Seguda / Tercera / uarta / 2000 A S T N R X X X 9º algarsmo - correspoderá às fotes de recursos orgáras das operações de crédtos ruras, a segute relação: ALGARISMOS FONTES DE RECURSOS A MCR 6.2 B DER e Poupaça, méda de oper. até R$ C DER e Poupaça, méda de oper. acma de R$ D Recursos Lvres E FAE A S T N R X X X 10º algarsmo - correspoderá ao ao de vecmeto do título, com a segute codfcação: ALGARISMO ANO DE VENCIMENTO (*) (*) Os aos assalados referem-se ao ao de resgate do título. I.5 Últma atualzação: 23/12/2004

12 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos Observações: 3) Notação específca para os segutes atvos com emssão fxada em 23/10/2002: ASTN1 _ R4D8, ASTN1 _ R4D9, ASTN1 _ R4D0. 4) Codfcação dferecada para os atvos utlzados para "substtução" de outros semelhates: AS T N 2 _ R SXY e AS T N 3 _ R S XY, ode: AS T N 2 _ o u AS T N 3 _ : os ses prmeros dígtos de caráter costate detfcam o emssor dos títulos, sedo o quto dígto ( 2 ou 3) salzador de atvos emtdos em substtução a outros exstetes; R : o sétmo dígto detfca a seguda sére, matda a faldade de "reegocação"; S : o otavo dígto represetado pela letra "S" correspode à substtução de atvos exstetes; X : o oo dígto correspode às fotes de recursos orgáras das operações de crédto rural que permaecem as mesmas aterormete descrtas; Y : o décmo dígto correspode ao ao de vecmeto do título com ova codfcação coforme segue: A e E = 2005 * C = 2007 B = 2006 D = 2008 * Data de vecmetos do atvos : ASTN3_RSDA = 30/10/2005 ASTN3_RSDE = 19/01/ Crtéros de Atualzação 4.1 PRIMEIRA SÉRIE Para atvos cuja fote de recursos é o "MCR 6.2" (Maual de Crédto Rural): a) Valor Nomal Perodcdade de atualzação: Não se aplca. Últma atualzação: 23/12/2004 I.6

13 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos Parâmetro de atualzação: Os atvos desta fote de recursos ão sofrem atualzação, coseqüetemete, VNb, ode: VNb - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal base, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. No prmero mês após a emssão, o Valor Nomal base é gual ao Valor Nomal de emssão, VNb VNe. Valor Facero de Resgate VR VNb, ode: VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VNb - Valor Nomal base, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. b) Juros Valor Utáro J VNb 1, ode: J VNb - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal base, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. 1 f 100 N, ode: I.7 Últma atualzação: 23/12/2004

14 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos f N - Taxa de juros formada a cada período mesal de flutuação, expressa em percetual aual com 4 (quatro) casas decmas. - Número de meses multplcado por 30. Neste caso, é gual a Número de das em que está expressa a taxa f. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de emssão ou do últmo pagameto de juros e a data atual, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data do últmo pagameto de juros e a data do próxmo pagameto de juros, sedo um úmero tero. Valor Facero VNb 1 J, ode: J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VNb - Valor Nomal base, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. c) Amortzação Valor Utáro Ta VNb, ode: Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. Últma atualzação: 23/12/2004 I.8

15 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos VNb Ta - Valor Nomal base, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Taxa defda para -ésma amortzação, expressa em percetual, formada com 4 (quatro) casas decmas. Valor Facero, ode: - Valor facero da amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. Valor Nomal Remaescete após cada parcela de amortzação VN R VNb, ode: VN R - Valor Nomal Remaescete, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VNb - Valor Nomal base, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. Observação: Após o pagameto da -ésma parcela de amortzação, VN R assume o lugar de VNb, para cálculo dos próxmos evetos Para atvos cuja fote de recursos é oruda de DER (Depósto Especal de Remueração) e Poupaça, para Bacos com méda de operações até ou maor que R$ ,00: I.9 Últma atualzação: 23/12/2004

16 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos a) Valor Nomal Perodcdade de atualzação: dára. Parâmetro de atualzação: Taxa Referecal (TR). VNb C, ode: VNb C - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal base, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. No prmero mês de atualzação o Valor Nomal base é gual ao Valor Nomal de emssão, VNb VNe. - resultate da utlzação do ídce de correção (TR), calculado com 8 (oto) casas decmas sem arredodameto, coforme segue: TR C duptr duttr, ode: TR - Taxa Referecal da data-base (*), dvulgada pelo BACEN, formada com 4 (quatro) casas decmas. dup TR - Número de das útes compreeddos etre a data da TR utlzada e a data da atualzação ou a data de pagameto de evetos, sedo dup um úmero tero. TR dut TR - Número total de das útes da TR utlzada, sedo dut TR um úmero tero. (*) Data-base é a data do mês, cujo o da correspoda ao da da data do vecmeto. Valor Facero de Resgate VR, ode: VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. Últma atualzação: 23/12/2004 I.10

17 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. b) Juros Valor Utáro J 1, ode: J - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. Para os atvos ASTN D 1 f 100 N, ode: f - Taxa de juros formada a cada período mesal de flutuação, expressa em percetual aual com 4 (quatro) casas decmas. Período Taxa de 30/11/1995 a 30/10/ ,6484% a partr de 30/10/ ,4168% - Número de meses multplcado por 30. Neste caso, é gual a 30. N - Número de das em que está expressa a taxa f. Neste caso, N é gual a 360. I.11 Últma atualzação: 23/12/2004

18 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos - Número de das corrdos etre a data de emssão ou últmo pagameto de juros e a data atual, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data do últmo pagameto de juros e a data do próxmo pagameto de juros, sedo um úmero tero N, ode: - Taxa de juros fxa formada com 4 (quatro) casas decmas. Neste caso, 8,2934% a.a. - Número de meses multplcado por 30. Neste caso, é gual a 30. N - Número de das em que está expressa a taxa. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de emssão ou últmo pagameto de juros e a data atual, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data do últmo pagameto de juros e a data do próxmo pagameto de juros, sedo um úmero tero. Valor Facero 1 J, ode: J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. Últma atualzação: 23/12/2004 I.12

19 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. c) Amortzação Valor Utáro Ta, ode: 100 Ta - Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Taxa defda para -ésma amortzação, formada com 4 (quatro) casas decmas. Valor Facero, ode: - Valor facero da amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. Valor Nomal Remaescete após cada parcela de amortzação VN R, ode: R VN - Valor Nomal Remaescete, calculado com 2 (duas) casas decmas, sem arredodameto. I.13 Últma atualzação: 23/12/2004

20 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. Observação: Após o pagameto da -ésma parcela de amortzação, assume o lugar de VNb, para efeto de atualzação. VN R Para atvos cuja fote de recursos é oruda de Recursos Lvres e do Fudo de Aplcações Extra-mercado (FAE): a) Valor Nomal Perodcdade de atualzação: dára. Parâmetro de atualzação: Taxa SELIC. VNb C, ode: VNb C - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal base, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. No prmero mês de atualzação o Valor Nomal base é gual ao Valor Nomal de emssão, VNb VNe. - Produtóro das taxas SELIC, compreeddas o período etre a data-base do mês ateror clusve e a data de atualzação exclusve, calculado com 8 (oto) casas decmas com arredodameto. C 1 TSelc 1, com = 1,2,..., ode: TSelc - K-ésma taxa SELIC, expressa ao da, calculada com 8 (oto) casas decmas, com arredodameto. Últma atualzação: 23/12/2004 I.14

21 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos Expressão de TSelc Até 31/12/1997 A partr de 01/01/1998 Selc TSelc Selc TSelc Ode: Selc - K-ésma taxa SELIC dvulgada pelo BACEN, formada com 2 (duas) casas decmas. Valor Facero de Resgate VR, ode: VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. b) Juros Valor Utáro J 1, ode: J - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas N, ode: I.15 Últma atualzação: 23/12/2004

22 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos N - Taxa de juros fxa, expressa em percetual, formada com 4 (quatro) casas decmas. Neste caso, 2,0000% a.a. - Número de meses multplcado por 30. Neste caso, é gual a Número de das em que está expressa a taxa. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de emssão ou últmo pagameto de juros e a data atual, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data do últmo pagameto de juros e a data do próxmo pagameto de juros, sedo um úmero tero. Valor Facero 1 J, ode: J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. c) Amortzação Valor Utáro Ta, ode: Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. Últma atualzação: 23/12/2004 I.16

23 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos Ta - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Taxa defda para -ésma amortzação, formada com 4 (quatro) casas decmas. Valor Facero, ode: - Valor facero da amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. Valor Nomal Remaescete após cada parcela de amortzação VN R, ode: VN R - Valor Nomal Remaescete, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. Observação: Após o pagameto da -ésma parcela de amortzação, assume o lugar de VNb, para efeto de atualzação. VN R I.17 Últma atualzação: 23/12/2004

24 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos 4.2 SEGUNDA SÉRIE Para atvos cuja fote de recursos é o "MCR 6.2" (Maual de Crédto Rural): Cód a) Valor Nomal Perodcdade de atualzação: Não se aplca. Parâmetro de atualzação: Os atvos desta sére ão sofrem atualzação. Valor Facero de Resgate VR VNe, ode: VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VNe - Valor Nomal de emssão, formado com 2 (duas) casas decmas. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. b) Juros Valor Utáro J VNe 1, ode: J VNe - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal de emssão, formado com 2 (duas) casas decmas. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. Últma atualzação: 23/12/2004 I.18

25 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos z 1 f N, com = 1,2,... z, ode: f - K-ésma taxa de juros formada a cada período de flutuação, expressa em percetual aual, com 4 (quatro) casas decmas. - Número de meses cotados o período de flutuação da taxa, multplcado por 30. N - Número de das em que está expressa a taxa f. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de íco de vgêca da -ésma taxa e a data de atualzação ou a data de térmo de vgêca da taxa, o que ocorrer prmero, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data de íco de vgêca da -ésma taxa e a data de térmo de vgêca da taxa, sedo um úmero tero. Valor Facero VNe 1 J, ode: J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VNe - Valor Nomal de emssão, formado com 2 (duas) casas decmas. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. c) Amortzação Os atvos desta sére ão sofrem amortzações. I.19 Últma atualzação: 23/12/2004

26 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos Para atvos cuja fote de recursos é oruda de DER (Depósto Especal de Remueração) e Poupaça, para Bacos com méda de operações até ou maor que R$ ,00: a) Valor Nomal Perodcdade de atualzação: dára. Parâmetro de atualzação: Taxa Referecal (TR). VNe C, ode: VNe C - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal de emssão, formado com 2 (duas) casas decmas. - Produtóro das TR's referetes ao período da emssão até a atualzação ou vecmeto, calculado com 8 (oto) casas decmas sem arredodameto. C 1 TR duptr duttr, com = 1,2,..., ode: TR - Taxa Referecal da -ésma data-base (*) dvulgada pelo BACEN, formada com 4 (quatro) casas decmas. dup TR - Número de das útes da TR compreeddos etre sua data de íco de vgêca e a data de atualzação ou etre sua data de íco de vgêca e a data de térmo de vgêca, sedo dup um úmero tero. TR dut TR - Número total de das útes da TR utlzada, sedo dut TR um úmero tero. (*) Data-base é a data do mês, cujo o da correspoda ao da da data do vecmeto Valor Facero de Resgate VR, ode: Últma atualzação: 23/12/2004 I.20

27 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. b) Juros Valor Utáro J 1, ode: J - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. Par z 1 f N, com = 1,2,...z, ode: f - K-ésma taxa de juros formada a cada período de flutuação, expressa em percetual, com 4 (quatro) casas decmas. - Número de meses cotados o período de flutuação da taxa, multplcado por 30, sedo um úmero tero. N - Número de das em que está expressa a taxa f, sedo N um úmero tero. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de íco de vgêca da -ésma taxa e a data de atualzação ou a data de térmo de vgêca da taxa, o que ocorrer prmero, sedo um úmero tero. I.21 Últma atualzação: 23/12/2004

28 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos - Número de das corrdos etre a data de íco de vgêca da -ésma taxa e a data de térmo de vgêca da taxa, sedo um úmero tero. Para os atvos ASTN N, ode: - Taxa de juros fxa formada com 4 (quatro) casas decmas. - Número de meses cotados da emssão até o vecmeto, multplcado por 30, sedo um úmero tero. N - Número de das em que está expressa a taxa, sedo N um úmero tero. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de emssão ou últmo pagameto de juros e a data atual, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data do últmo pagameto de juros e a data do próxmo pagameto de juros, sedo um úmero tero. Valor Facero 1 J, ode: J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. Últma atualzação: 23/12/2004 I.22

29 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos c) Amortzação Os atvos destas séres ão sofrem amortzações Para atvos cuja fote de recursos é oruda de Recursos Lvres e do Fudo de Aplcações Extra-mercado (FAE): Códgos: ASTN R ASTN2_RSEB. Calculo de juros dferecado: ASTN1 _ R4D8, ASTN1 _ R4D9, ASTN1 _ R4D0. Taxa de Juros gual a zero : ASTN3 _ RSDA, ASTN3 _ RSDB, ASTN3 _ RSDC, ASTN3 _ RSDD e ASTN3 _ RSDE. a) Valor Nomal Perodcdade de atualzação: dára. Parâmetro de atualzação: Taxa SELIC. VNe C, ode: VNe C - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal de emssão, formado com 2 (duas) casas decmas. - Produtóro das taxas SELIC, compreeddas o período etre a data de emssão, clusve, e a data de atualzação ou vecmeto, exclusve, calculado com arredodameto de 8 (oto) casas decmas. C 1 TSelc 1, com = 1,2,...,, ode: TSelc - K-ésma taxa SELIC, expressa ao da, calculada com arredodameto de 8 (oto) casas decmas. Ode: Expressão de TSelc Até 31/12/1997 A partr de 01/01/1998 Selc TSelc Selc TSelc I.23 Últma atualzação: 23/12/2004

30 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos Selc - K-ésma taxa SELIC dvulgada pelo BACEN, formada com 2 (duas) casas decmas. Valor Facero de Resgate VR, ode: VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. b) Juros Valor Utáro J 1, ode: J - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. ASTN ASTN2 _ RSDA e ASTN2 _ RSDB ASTN1 _ R4D8, ASTN1 _ R4D9 e ASTN1 _ R4D0 N ode: - Taxa de juros fxa, formada com 4 (quatro) casas decmas. Últma atualzação: 23/12/2004 I.24

31 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos N - Número de meses cotados da emssão até o vecmeto, multplcado por 30, sedo um úmero tero. - Número de das em que está expressa a taxa, sedo N um úmero tero. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de emssão ou últmo pagameto de juros e a data atual, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data do últmo pagameto de juros e a data do próxmo pagameto de juros, sedo um úmero tero. Valor Facero 1 J, ode: J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. c) Amortzação Os atvos desta sére ão sofrem amortzações. I.25 Últma atualzação: 23/12/2004

32 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos 5. uadro Resumo de Fórmulas e Varáves 5.1 PRIMEIRA SÉRIE Idexador Tpo de Juros Especfcação Tpo / Expressão Não há Flutuate Tpo de Varável Valor Utáro Valor Facero Valor Nomal atualzado NÃO SOFRE ATUALIZAÇÃO VNb VR VNb J VNb 1 VNb 1 Juros Amortzação Valor Nomal Remaescete após amortzação VN Ta VNb f 100 J R N VNb - - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VNb - Valor Nomal base, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. No prmero mês após a emssão, o Valor Nomal base é gual ao Valor Nomal de emssão, VNb VNe, formado com 2 (duas) casas decmas. VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. J - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. f N - Taxa de juros formada a cada período mesal de flutuação, expressa em percetual, com 4 (quatro) casas decmas. - Número de meses multplcado por 30, sedo um úmero tero. Neste caso, é gual a Número de das em que está expressa a taxa f, sedo N um úmero tero. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de emssão ou do últmo pagameto de juros e a data atual, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data do últmo e do próxmo pagameto de juros, sedo um úmero tero. Últma atualzação: 23/12/2004 I.26

33 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola ASTN Sstema Nacoal de Atvos Ta - Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Taxa defda para -ésma amortzação a cada período, formada com 4 (quatro) casas decmas. - Valor facero da amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VN R - Valor Nomal Remaescete, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. I.27 Últma atualzação: 23/12/2004

34 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola "ASTN" Sstema Nacoal de Atvos ASTN D B Idexador Tpo de Juros Especfcação Tpo / Expressão TR Flutuate Tpo de Varável Valor Utáro Valor Facero Valor Nomal atualzado C VNb C TR C dup dut TR TR VR Juros J 1 1 Amortzação Valor Nomal Remaescete após amortzação Ta 100 VN f J N - R - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VNb - Valor Nomal base, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. No prmero mês de atualzação o Valor Nomal base é gual ao Valor Nomal de emssão, VNb VNe, formado com 2 (duas) casas decmas. C TR - resultate da utlzação do ídce de correção (TR), calculado com 8 (oto) casas decmas sem arredodameto, - Taxa Referecal da data-base ), dvulgada pelo BACEN, formada com 4 (quatro) casas decmas. dup TR - Número de das útes da TR compreeddos etre sua data de íco de vgêca e a data de atualzação ou etre sua data de íco de vgêca e a data de térmo de vgêca, sedo dup um úmero tero. TR dut TR - Número total de das útes da TR utlzada, sedo dut TR um úmero tero. VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. J - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. f - Taxa de juros formada a cada período mesal de flutuação, expressa em percetual, com 4 (quatro) casas decmas. - Número de meses multplcado por 30, sedo um úmero tero. Neste caso, é gual a 30. Últma atualzação: 23/12/2004 I.28

35 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola "ASTN" Sstema Nacoal de Atvos N Ta - Número de das em que está expressa a taxa f, sedo N um úmero tero. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de emssão ou do últmo pagameto de juros e a data atual, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data do últmo e do próxmo pagameto de juros, sedo um úmero tero. - Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Taxa defda para -ésma amortzação a cada período, formada com 4 (quatro) casas decmas. - Valor facero da amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VN R - Valor Nomal Remaescete, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. I.29 Últma atualzação: 23/12/2004

36 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola "ASTN" Sstema Nacoal de Atvos ASTN D C Idexador Tpo de Juros Especfcação Tpo / Expressão Tpo de Varável Valor Utáro Valor Facero Valor Nomal atualzado C TR Fxo VNb C TR C dup dut TR TR VR Juros J 1 1 Amortzação Valor Nomal Remaescete após amortzação Ta 100 VN J N - R - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VNb - Valor Nomal base, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. No prmero mês de atualzação o Valor Nomal base é gual ao Valor Nomal de emssão, VNb VNe, formado com 2 (duas) casas decmas. C TR - resultate da utlzação do ídce de correção (TR), calculado com 8 (oto) casas decmas sem arredodameto, - Taxa Referecal da data-base, dvulgada pelo BACEN, formada com 4 (quatro) casas decmas. dup TR - Número de das útes da TR compreeddos etre sua data de íco de vgêca e a data de atualzação ou etre sua data de íco de vgêca e a data de térmo de vgêca, sedo dup um úmero tero. TR dut TR - Número total de das útes da TR utlzada, sedo dut TR um úmero tero. VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. J - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. N - Taxa de juros fxa, formada com 4 (quatro) casas decmas. - Número de meses multplcado por 30, sedo um úmero tero. Neste caso, é gual a Número de das em que está expressa a taxa, sedo N um úmero tero. Neste caso, N é gual a 360. Últma atualzação: 23/12/2004 I.30

37 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola "ASTN" Sstema Nacoal de Atvos Ta - Número de das corrdos etre a data de emssão ou do últmo pagameto de juros e a data atual, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data do últmo e do próxmo pagameto de juros, sedo um úmero tero. - Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Taxa defda para -ésma amortzação a cada período, formada com 4 (quatro) casas decmas. - Valor facero da amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VN R - Valor Nomal Remaescete, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. I.31 Últma atualzação: 23/12/2004

38 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola "ASTN" Sstema Nacoal de Atvos e Idexador Tpo de Juros Especfcação Tpo / Expressão Taxa SELIC Tpo de Varável Valor Utáro Valor Facero Valor Nomal atualzado C Fxo VNb C C 1 TSelc 1 VR Expressão da Taxa SELIC Até 31/12/1997 A partr de 01/01/ Selc Selc 252 TSelc TSelc Juros J Amortzação Valor Nomal Remaescete após amortzação Ta 100 VN J N - R - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VNb - Valor Nomal base, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. No prmero mês de atualzação o Valor Nomal base é gual ao Valor Nomal de emssão, VNb VNe, formado com 2 (duas) casas decmas. C - Produtóro das taxas SELIC, compreeddas o período etre a data-base do mês ateror clusve e a data de atualzação exclusve, calculado com 8 (oto) casas decmas com arredodameto. TSelc - K-ésma taxa SELIC, expressa ao da, calculada com 8 (oto) casas decmas, com arredodameto. Selc - K-ésma taxa SELIC dvulgada pelo BACEN, formada com 2 (duas) casas decmas. VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. J - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. N - Taxa de juros fxa, formada com 4 (quatro) casas decmas. - Número de meses multplcado por 30, sedo um úmero tero. Neste caso, é gual a Número de das em que está expressa a taxa, sedo N um úmero tero. Neste caso, N é gual a 360. Últma atualzação: 23/12/2004 I.32

39 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola "ASTN" Sstema Nacoal de Atvos Ta - Número de das corrdos etre a data de emssão ou do últmo pagameto de juros e a data atual, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data do últmo e do próxmo pagameto de juros, sedo um úmero tero. - Valor utáro da -ésma amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Taxa defda para -ésma amortzação a cada período, formada com 4 (quatro) casas decmas. - Valor facero da amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VN R - Valor Nomal Remaescete, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. I.33 Últma atualzação: 23/12/2004

40 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola "ASTN" Sstema Nacoal de Atvos 5.2 SEGUNDA SÉRIE ASTN R A Idexador Tpo de Juros Especfcação Tpo / Expressão Não há Flutuate Tpo de Varável Valor Utáro Valor Facero Valor Nomal atualzado NÃO SOFRE ATUALIZAÇÃO VNe VR VNe J VNe 1 VNe 1 Juros Amortzação z 1 J f N NÃO SE APLICA - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. VNe - Valor Nomal de emssão, formado com 2 (duas) casas decmas. VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. J - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. f - K-ésma taxa de juros formada a cada período mesal de flutuação, expressa em percetual, com 4 (quatro) casas decmas. - Número de meses cotados o período de flutuação da taxa, multplcado por 30, sedo um úmero tero. N - Número de das em que está expressa a taxa f, sedo N um úmero tero. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de íco da -ésma taxa e a data de atualzação ou a data fal desta, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data de íco da -ésma taxa e a data fal desta, sedo um úmero tero. Últma atualzação: 23/12/2004 I.34

41 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola "ASTN" Sstema Nacoal de Atvos ASTN R B Idexador Tpo de Juros Especfcação Tpo / Expressão TR Flutuate Tpo de Varável Valor Utáro Valor Facero Valor Nomal atualzado C VNe C C 1 TR duptr duttr VR Juros J 1 1 Amortzação VNe C z 1 J f N NÃO SE APLICA - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal de emssão, formado com 2 (duas) casas decmas. - Produtóro das TR's referetes ao período da emssão até a atualzação ou vecmeto, calculado com 8 (oto) casas decmas sem arredodameto. VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. TR - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - Taxa Referecal da -ésma data-base dvulgada pelo BACEN, formada com 4 (quatro) casas decmas. dup TR - Número de das útes da TR compreeddos etre sua data de íco de vgêca e a data de atualzação ou etre sua data de íco de vgêca e a data de térmo de vgêca, sedo dup um úmero tero. TR dut TR - Número total de das útes da TR utlzada, sedo J dut TR um úmero tero. - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. f - K-ésma taxa de juros formada a cada período mesal de flutuação, expressa em percetual, com 4 (quatro) casas decmas. - Número de meses cotados o período de flutuação da taxa, multplcado por 30, sedo um úmero tero. N - Número de das em que está expressa a taxa f, sedo N um úmero tero. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de íco da -ésma taxa flutuate e a data de atualzação ou a data fal desta, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data de íco da -ésma taxa flutuate e a data fal desta, sedo um úmero tero. I.35 Últma atualzação: 23/12/2004

42 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola "ASTN" Sstema Nacoal de Atvos ASTN R C Idexador Tpo de Juros Especfcação Tpo / Expressão Tpo de Varável Valor Utáro Valor Facero Valor Nomal atualzado C TR Fxo VNe C C 1 TR duptr duttr VR Juros J 1 1 Amortzação VNe C J N NÃO SE APLICA - Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal de emssão, formado com 2 (duas) casas decmas. - Produtóro das TR's referetes ao período da emssão até a atualzação ou vecmeto, calculado com 8 (oto) casas decmas sem arredodameto. VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. TR - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. - Taxa Referecal da -ésma data-base dvulgada pelo BACEN, formada com 4 (quatro) casas decmas. dup TR - Número de das útes da TR compreeddos etre sua data de íco de vgêca e a data de atualzação ou etre sua data de íco de vgêca e a data de térmo de vgêca, sedo dup um úmero tero. TR dut TR - Número total de das útes da TR utlzada, sedo J dut TR um úmero tero. - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. N - Taxa de juros fxa formada com 4 (quatro) casas decmas. - Número de meses cotados da emssão até o vecmeto, multplcado por 30, sedo um úmero tero. - Número de das em que está expressa a taxa, sedo N um úmero tero. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de íco da taxa de juros fxos e a data de atualzação ou a data fal desta, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data de íco da taxa de juros fxos e a data fal desta, sedo um úmero tero. Últma atualzação: 23/12/2004 I.36

43 Cadero de Fórmulas Títulos do Alogameto da Dívda Agrícola "ASTN" Sstema Nacoal de Atvos 5.2.4, R4D0, ASTN2 _ RSDA, ASTN2 _ RSDB, ASTN2_RSEB, ASTN3 _ RSDA, ASTN3 _ RSDB, ASTN3 _ RSDC e ASTN3 _ RSDD, ASTN3_RSDE. Idexador Tpo de Juros Especfcação Tpo / Expressão Taxa SELIC Tpo de Varável Valor Utáro Valor Facero Valor Nomal atualzado VNe C C C Fxo 1 TSelc 1 VR Expressão de TSelc Até 31/12/1997 A partr de 01/01/ Selc Selc 252 TSelc TSelc Juros J Amortzação VNe C, ASTN2 _ RSDA e ASTN2 _ RSDB J ASTN1 _ R4D8, ASTN1 _ R4D9, ASTN1 _ R4D0 N NÃO SE APLICA Valor Nomal atualzado, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - Valor Nomal de emssão, formado com 2 (duas) casas decmas. - Produtóro das taxas SELIC, compreeddas o prazo etre a data-base do mês ateror clusve e a próxma data-base exclusve, calculado com 8 (oto) casas decmas com arredodameto. VR - Valor facero de resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - uatdade do atvo em posção de custóda do partcpate, sedo um úmero tero. TSelc - Taxa SELIC, expressa ao da, calculada com arredodameto de 8 (oto) casas decmas. Selc - Taxa SELIC dvulgada pelo BACEN, formada com 2 (duas) casas decmas. J - Valor utáro de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. - de juros, calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decmas. J - Valor facero de juros, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arredodameto. N - Taxa de juros fxa formada com 4 (quatro) casas decmas. - Número de meses cotados da emssão até o vecmeto, multplcado por 30, sedo um úmero tero. - Número de das em que está expressa a taxa, sedo N um úmero tero. Neste caso, N é gual a Número de das corrdos etre a data de íco da taxa de juros fxa e a data de atualzação ou a data fal desta, sedo um úmero tero. - Número de das corrdos etre a data de íco da taxa de juros fxa e a data fal desta, sedo um úmero tero. I.37 Últma atualzação: 23/12/2004

Caderno de Fórmulas. Títulos Públicos - Cetip 21

Caderno de Fórmulas. Títulos Públicos - Cetip 21 Cadero de Fórmulas Títulos Públcos - Cetp 21 Últma Atualzação: 21/06/2017 Cadero de Fórmulas Apresetação Títulos Públcos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Swap

Caderno de Fórmulas. Swap Swap Elaboração: Abrl/25 Últma Atualzação: 5/4/216 Apresetação O adero de Fórmulas tem por objetvo oretar os usuáros do Módulo de, a compreesão da metodologa de cálculo e dos crtéros de precsão usados

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

Perguntas Freqüentes - Bandeiras

Perguntas Freqüentes - Bandeiras Pergutas Freqüetes - Baderas Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada

Leia mais

MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS MERCANTIL DO BRASIL DISTRIBUIDORA TVM

MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS MERCANTIL DO BRASIL DISTRIBUIDORA TVM MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS MERCANTIL DO BRASIL DISTRIBUIDORA TVM Atualzação.: 29/08/2014 SUMÁRIO 1 PRINCÍPIOS GERAIS PARA MARCAÇÃO A MERCADO 3 INTRODUÇÃO 3 PRINCÍPIOS GERAIS 3 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros Estrutura a Termo de Taxa de Juros 20 2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros A Estrutura a termo de taxa de juros (também cohecda como Yeld Curve ou Curva de Retabldade) é a relação, em dado mometo, etre

Leia mais

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015 1 CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagametos Data: 16/11/2015 Sumário/Ídice CRI - CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS... 1 SUMÁRIO/ÍNDICE... 2 1. OBJETIVO...

Leia mais

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL CÁLCULOS DE FINANÇAS MATEMÁTICA FINANCEIRA Semestre: A/2008 PROFESSOR: IRANI LASSEN CURSO: ALUNO: SUMÁRIO CÁLCULOS DE FINANÇAS INTRODUÇÃO...3. OBJETIVO:...3.2 FLUXO DE CAIXA...4.3

Leia mais

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva LEASING UMA OBSERVAÇÃO Ecoomsta Atoo Perera da Slva AMOR POR DINHEIRO TITÃS Composção: Sérgo Brtto e To Bellotto Acma dos homes, a le E acma da le dos homes A le de Deus Acma dos homes, o céu E acma do

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

Perguntas freqüentes Credenciadores

Perguntas freqüentes Credenciadores Pergutas freqüetes Credecadores Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte pelo facameto da compra pelo emssor?

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

Capítulo 1 PORCENTAGEM

Capítulo 1 PORCENTAGEM Professor Joselas Satos da Slva Matemátca Facera Capítulo PORCETAGEM. PORCETAGEM A porcetagem ada mas é do que uma otação ( % ) usada para represetar uma parte de cem partes. Isto é, 20% lê-se 20 por ceto,

Leia mais

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C) RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA I. JUROS SIMPLES ) Elemetos de uma operação de Juros Smples: Captal (C); Motate (M); Juros (J); Taxa (); Tempo (). ) Relação etre Juros, Motate e Captal: J = M C ) Defção

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21 Notas Comercas Cetp21 Últma Atualzação: 22/12/2015 E ste Caderno tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos de valorzação de Notas Comercas. É acatado regstro

Leia mais

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Nota Técca o 037/2013-SRG/ANEEL Em 17 de mao de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Assuto: Cosoldação de todas as regulametações referetes à apuração de dspobldades de empreedmetos de geração de eerga

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Facera 2007.1 Prof.: Luz Gozaga Damasceo 1 E-mals: damasceo1204@yahoo.com.br damasceo@terjato.com.br damasceo12@hotmal.com http://www. damasceo.fo www. damasceo.fo damasceo.fo Obs.: (1 Quado

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1)Um vestdor aplcou R$6,, gerado uma remueração de R$3, ao fal de um período de um ao (36 das). Calcular a taxa de juros paga a operação. = J/ = 3/6 =, ou % ou 63 = 6 (1+ 1) 63 = 6 + 6 63 6 = 6 3 = 6 =

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21 Última Atualização: 01/04/2016 E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados Para Debêtures o Cetip21. São aqui apresetadas fórmulas

Leia mais

Capitulo 8 Resolução de Exercícios

Capitulo 8 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Peródcas, Crescetes e Postecpadas, com Termos em P. A. G 1 1 1 1 G SPAC R R s s 1 1 1 1 1 G G C R a R a 1 1 PAC Audades Gradetes Postecpadas S GP G 1 1 ; C GP G 1 1 1 Audades Gradetes

Leia mais

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado.

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado. 1 Belo Horzote, 14 de abrl de 2007. À UNAFISCO SAÚDE AT.: Glso Bezerra REF: AVALIAÇÃO ATUARIAL Prezado Sehor, Em atedmeto à solctação de V.Sa., apresetamos, a seqüêca, os resultados do estudo referecado.

Leia mais

15/03/2012. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações

15/03/2012. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações Itrodução.1 Juros Smples Juro: recompesa pelo sacrfíco de poupar o presete, postergado o cosumo para o futuro Maora das taxas de uros aplcadas o mercado facero são referecadas pelo crtéro smples Determa

Leia mais

TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO

TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO Ídice 1. Regulametação e Vigêcia...pág.2 2. Metodologia de Cálculo da TJLP...pág.2 3. Aplicabilidade da TJLP...pág.3 4. Metodologia de Cálculo dos Cotratos do BNDES atrelados

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária.

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária. 1 UTOR: Emeta Luz Herque M da Slva 1 Defções de razão e proporção, propredades; Graduado em Matemátca e habltado em ísca pelo UNIEB 2 Gradezas dretamete proporcoas e versamete proporcoas, Regra de três;

Leia mais

1.1 Apresentação. do capítulo

1.1 Apresentação. do capítulo apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A Matemátca Facera trata da comparação de valores moetáros que estão dspersos ao logoo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Grupo C - º semestre de 004 Exercíco 0 (3,5 potos) Uma pesqusa com usuáros de trasporte coletvo a cdade de São Paulo dagou sobre os dferetes tpos usados as suas locomoções dáras. Detre ôbus, metrô e trem,

Leia mais

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. LISTA DE SIGLAS E SÍMBOLOS... 2 3. Bônus do Tesouro Nacional BTN... 4 4. Letras Financeiras do Tesouro LFT... 7 4.1 Letras Financeiras do Tesouro Série A LFT-A... 9 4.2

Leia mais

Capitulo 1 Resolução de Exercícios

Capitulo 1 Resolução de Exercícios S C J S C J J C FORMULÁRIO Regme de Juros Smples 1 1 S C 1 C S 1 1.8 Exercícos Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplcação de R$ 0.000,00 aplcados por um prazo de meses, à uma taxa de 2% a.m, os regmes

Leia mais

PREÇO UNITÁRIO DE DEBÊNTURES METODOLOGIA DE CÁLCULO

PREÇO UNITÁRIO DE DEBÊNTURES METODOLOGIA DE CÁLCULO PREÇO UNITÁRIO DE DEBÊNTURES METODOLOGIA DE CÁLCULO Itrodução Cosoldado o projeto de Precfcação de Debêtures, que dvulga formações de taxas referecas para o mercado secudáro desde mao de 2004, e date do

Leia mais

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc.

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas ESTATÍSTICA Notas de Aulas Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas SUMÁRIO CONCEITOS BÁSICOS 5. Estatístca. Estatístca

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://www.uemat.br/eugeo Estudar sem racocar é trabalho 009/ TAXA INTERNA DE RETORNO A taa tera de retoro é a taa que equalza o valor presete de um ou mas pagametos (saídas de caa) com o valor presete

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico Capítulo : Erros em cálculo umérco. Itrodução Um método umérco é um método ão aalítco, que tem como objectvo determar um ou mas valores umércos, que são soluções de um certo problema. Ao cotráro das metodologas

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon Elemetos de Aálise Fiaceira Descotos Aplicações de Juros Simples Descotos Valor Nomial = valor de resgate = valor de um título o seu vecimeto Ao liquidar um título ates do vecimeto há uma recompesa pelo

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais

Curso de An lise de Fluxo de Caixa

Curso de An lise de Fluxo de Caixa Curso de A lse de Fluxo de Caxa SUMÁRIO PROGRESSÕES... 0. FÓRMULAS BÁSICAS... 0.. Progressões artmétcas... 0..2 Progressões geométrcas... 02.2 EXERCÍCIOS SUGERIDOS... 02 2 CONCEITOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA...

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

Capítulo 1 Matemática Financeira

Capítulo 1 Matemática Financeira apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A matemátca facera trata da comparação de valores moetáros ao logo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas de vestmeto e

Leia mais

CESTA DE MOEDAS DO BNDES

CESTA DE MOEDAS DO BNDES CESTA DE MOEDAS DO BNDES Ídce 1.Regulametação...pág..Decomposção da Cesta de Moedas do BNDES...pág. 3. Metodologa de Cálculo dos Cotratos do BNDES atrelados à Cesta de Moedas do BNDES.....pág.4 4.Sítese...pág.7

Leia mais

O mercado de renda fixa e a estrutura da taxa de juro

O mercado de renda fixa e a estrutura da taxa de juro O mercado de reda fxa e a estrtra da taxa de jro No Brasl, a egocação o mercado de reda fxa egloba títlos públcos e títlos prvados. O strmeto para a expressão da remeração e/o o valor de mercado de cada

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Podemos dvdr a Estatístca em duas áreas: estatístca dutva (ferêca estatístca) e estatístca descrtva. Estatístca Idutva: (Iferêca Estatístca)

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1 Última atualização:30/09/2015 1 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetivo informar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos aplicados aos ativos: Certificado de Depósito Bancário

Leia mais

Capitulo 7 Resolução de Exercícios

Capitulo 7 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Costates Postecpadas HP C [g][end] Cp LN 1 1 1 1 C p R Cp R R a, R C p, 1 1 1 a LN 1 Sp LN 1 1 1 S p R S p R R s, R S p, 1 1 s LN 1 Audades Costates Atecpadas HP C [g][beg] 1 (1 ) 1

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Faculdade de Tecologa de Cataduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 5. Meddas de Posção cetral ou Meddas de Tedêca Cetral Meddas de posção cetral preocupam-se com a caracterzação e a

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR

Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Caderno de Fórmulas Títulos do Agronegóco - Cetp21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Últma Atualzação: 15/08/2016 Caderno de Fórmulas CDCA CPR CRA - CRH CRP CRPH LCA NCR E ste Caderno de Fórmulas

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera http://www2.uemat.br/eugeo SÉRIE DE PAGAMENTOS 1. NOÇÕES SOBRE FLUXO DE CAIXA Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição:

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição: 6// IV. Juros: taxa efetva, equvalete e proporcoal Matemátca Facera Aplcada ao Mercado Facero e de Captas Professor Roaldo Távora IV. Taxa efetva Defção: É a taxa de juros em que a udade referecal de seu

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

EMPRESA E MERCADO DE CAPITAIS FLUXOS FINANCEIROS FONTES DE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS. Mercado de Capitais. Empresa. Debêntures.

EMPRESA E MERCADO DE CAPITAIS FLUXOS FINANCEIROS FONTES DE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS. Mercado de Capitais. Empresa. Debêntures. TEF II Prof. Crstao Fort MERCADO ACIONÁRIO Empresa Operações Corretes Aqusção de atvos reas Fote: S.C. Myers/1976 EMPRESA E MERCADO DE CAPITAIS FLUXOS FINANCEIROS Caxa Ivestdo a empresa Caxa gerado pelas

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Aálse de Regressão Prof. Paulo Rcardo B. Gumarães. Itrodução Os modelos de regressão são largamete utlzados em dversas áreas do cohecmeto, tas como: computação, admstração, egeharas, bologa, agrooma, saúde,

Leia mais

Caderno de Fórmulas. CCB, CCE e NCE - Cetip21

Caderno de Fórmulas. CCB, CCE e NCE - Cetip21 - Cetp21 Elaboração: Novembro/2005 Últma Atualzação: 27/05/2016 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

( Sistema Francês de Amortização )

( Sistema Francês de Amortização ) NA PRÁTICA A TEORIA É A MESMA ( Sstema Fracês de Amortzação ) Em um Cogresso, um Grupo de Professores e Autores composto por Admstradores, Ecoomstas, Cotadores e, todos Pertos Judcas, apresetam os segutes

Leia mais

Matemática Financeira e Suas Aplicações Alexandre Assaf Neto 8ª Edição Capítulo 1 Conceitos Gerais e Juros Simples

Matemática Financeira e Suas Aplicações Alexandre Assaf Neto 8ª Edição Capítulo 1 Conceitos Gerais e Juros Simples Matemátca Facera e Suas Aplcações Aleadre Assaf Neto 8ª Edção Resolução dos Eercícos Propostos Capítulo Cocetos Geras e Juros Smples ),44 a), ou,% a.m.,68 b), 7 ou,7% a.m. 4,4 c), 9 ou,9% a.m. 6,4 d),

Leia mais

Determine a média de velocidade, em km/h, dos veículos que trafegaram no local nesse período.

Determine a média de velocidade, em km/h, dos veículos que trafegaram no local nesse período. ESTATÍSTICA - 01 1. (UERJ 01) Téccos do órgão de trâsto recomedaram velocdade máxma de 80 km h o trecho de uma rodova ode ocorrem mutos acdetes. Para saber se os motorstas estavam cumprdo as recomedações,

Leia mais

Ensaios Econômicos. Amortização de Dívidas e Prestações Constantes: Uma Análise Crítica. Outubro de 2013. Escola de. Pós-Graduação.

Ensaios Econômicos. Amortização de Dívidas e Prestações Constantes: Uma Análise Crítica. Outubro de 2013. Escola de. Pós-Graduação. Esaos Ecoômcos Escola de ós-graduação em Ecooma da Fudação Getulo Vargas N 746 ISSN 004-890 Amortzação de Dívdas e restações Costates: Uma Aálse Crítca Clovs de Faro Outubro de 203 URL: http://hdl.hadle.et/0438/232

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9 Coteúdo IND 5 Iferêca Estatístca Aula 9 Outubro 2004 Môca Barros Dfereça etre Probabldade e Estatístca Amostra Aleatóra Objetvos da Estatístca Dstrbução Amostral Estmação Potual Estmação Bayesaa Clássca

Leia mais

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø.

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø. Professor Maurco Lutz 1 EGESSÃO LINEA SIMPLES A correlação lear é uma correlação etre duas varáves, cujo gráfco aproma-se de uma lha. O gráfco cartesao que represeta essa lha é deomado dagrama de dspersão.

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO DE JNEIRO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PLICÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGI PROBLEMS DE INSTBILIDDE DE ESTRUTURS Julaa Bragh Ramalho Raul Rosas e Slva lua de graduação do curso

Leia mais

4 Capitalização e Amortização Compostas

4 Capitalização e Amortização Compostas 4.1 Itrodução Quado queremos fazer um vestmeto, podemos depostar todos os meses uma certa quata em uma cadereta de poupaça; quado queremos comprar um bem qualquer, podemos fazê-lo em prestações, a serem

Leia mais

TABELA PRICE NÃO EXISTE *

TABELA PRICE NÃO EXISTE * TABELA PRICE NÃO EXISTE * Ro, Novembro / 203 * Matéra elaborada por Pedro Schubert. Admstrador, Sóco Fudador da BMA Iformátca & Assessorameto Empresaral Ltda. TABELA PRICE NÃO EXISTE ÍNDICE Pága - SISTEMA

Leia mais

COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT

COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT COMUNICADO SNA N.º 010/00 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos - SNA Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT A Central

Leia mais

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo C:\Documets ad Settgs\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_EF_44\ef44_PDF\CAP XIV_IFCOTIUO.doc 6 Motorameto ou Ivetáro Florestal Cotíuo Agosto Lopes de Souza. ITRODUÇÃO Parcelas permaetes de vetáro florestal cotíuo

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL GRUPO DE ENSINO E PESQUISA EM REAL ESTATE

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL GRUPO DE ENSINO E PESQUISA EM REAL ESTATE Ídice Setorial de Real Estate IRE São Paulo Juho 205 2 FINALIDADE A costrução e a divulgação do IRE tem o propósito de espelhar o comportameto médio dos preços das ações das empresas que atuam o segmeto

Leia mais

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA Proessor Maurco Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA. Coceto Exstem mutas deções propostas por autores, objetvado estabelecer com clareza o que é estatístca, como por exemplo: Þ A Estatístca é um cojuto de métodos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

3 Precificação de resseguro

3 Precificação de resseguro Precfcação de Resseguro 35 3 Precfcação de resseguro Este capítulo traz prmeramete uma oção ampla das aplcações das metodologas de precfcação de resseguro para melhor compreesão do mesmo Da seção 3 até

Leia mais

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre Uma Calculadora Facera usado métos umércos e software lvre Jorge edraza Arpas, Julao Sott, Depto de Cêcas e Egeharas, Uversdade Regoal ItegradaI, URI 98400-000-, Frederco Westphale, RS Resumo.- Neste trabalho

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

Elaboração: Abril/2001

Elaboração: Abril/2001 Elaboração: Abril/2001 Última atualização: 13/03/2006 Apresetação E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados o SND -. São aqui

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13.

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13. SUMARIO 2 MÉTODO ESTATÍSTICO...3 2. A ESTATÍSTICA...3 2.2 FASES DO MÉTODO ESTATÍSTICO...4 3 FERRAMENTAS DE CÁLCULO PARA O ESTUDO DA ESTATÍSTICA...5 3. FRAÇÃO...5 3.. Adção e subtração...5 3..2 Multplcação

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Í N D I C E. Séries de Pagamentos ou Rendas Renda Imediata ou Postecipada Renda Antecipada Renda Diferida...

Í N D I C E. Séries de Pagamentos ou Rendas Renda Imediata ou Postecipada Renda Antecipada Renda Diferida... Curso: Pós-graduação / MBA Campus Vrtual Cruzero do Sul - 2009 Professor Resposável: Carlos Herque de Jesus Costa Professores Coteudstas: Carlos Herque e Douglas Madaj UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL Cohecedo

Leia mais

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados 3.1. Meddas de Tedêca Cetral CAPÍTULO 3 MEDIDA DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE UFRG 1 Há váras meddas de tedêca cetral. Etre elas ctamos a méda artmétca, a medaa, a méda harmôca, etc. Cada uma dessas

Leia mais

( ) Editora Ferreira - Toque de Mestre. Olá Amigos!

( ) Editora Ferreira - Toque de Mestre. Olá Amigos! Olá Amgos! Hoje coloco à dsposção de vocês aqu a seção Toque de Mestre da Edtora Ferrera (www.edtoraferrera.com.br) as questões de Matemátca Facera cobradas o últmo cocurso da axa Ecoômca Federal (EF),

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA

Unidade II ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA Udade II 3 MEDIDAS OU PARÂMETROS ESTATÍSTICOS 1 O estudo que fzemos aterormete dz respeto ao agrupameto de dados coletados e à represetação gráfca de algus deles. Cumpre agora estudarmos as

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística BAC 0 - Estatístca Uversdade Federal de Itajubá - Campus Itabra BAC0 - ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA MEDIDAS DE CENTRO Méda Medda de cetro ecotrada pela somatóra de todos os valores de um cojuto,

Leia mais

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados:

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados: RESOLUCAO 3.856 Dispõe sobre linhas de crédito destinadas aos financiamentos de custeio, colheita, estocagem de café e para Financiamento para Aquisição de Café (FAC), ao amparo de recursos do Fundo de

Leia mais