Elaboração: Fevereiro/2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elaboração: Fevereiro/2008"

Transcrição

1 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008

2 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras Hpotecáras LH, custodadas nos sstemas da CETIP. A qu são abordados os parâmetros de atualzação do valor nomnal, os juros fxos ou spread e o referencal de juro flutuante, além das formas de amortzação. O valor fnancero de juros passa a ser sempre calculado a partr da multplcação do valor untáro de juros pela quantdade de atvos em custóda de cada partcpante detentor. T odos os valores untáros calculados pelo sstema passam a ter a precsão de 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento. São valores untáros calculados pelo sstema: o valor nomnal atualzado, o valor nomnal remanescente, o valor untáro de juros e o valor untáro da amortzação, dentre outros. Últma atualzação: 21/01/2008 2

3 Parâmetro de Atualzação: TR... 4 a) Perodcdade de Atualzação e de Geração de Eventos... 4 b) Valor Nomnal atualzado... 4 c) Valor Nomnal Atualzado com uso de Pro-Rata... 5 d) Regras para datas-base... 6 Parâmetro de Atualzação: Índces de Preços... 7 a) Perodcdade de Atualzação e de Geração de Eventos... 7 b) Regras para casamento de datas... 7 c) Valor Nomnal Atualzado... 9 d) Valor Fnancero de Resgate Juros Fxos a) Perodcdade de apuração e de Geração do Eventos b) Regras de casamento de datas para fnal do mês c) Valor Untáro de Juros d) Fator de Juros ou de Spread de acordo com crtéro de cálculo e) Valor Fnancero dos Juros Amortzação a) Incdente sobre o valor nomnal de emssão ou após ncorporação, se houver b) Incdente sobre o valor remanescente atualzado c) Valor fnancero da amortzação d) Valor Nomnal Remanescente após cada amortzação Apêndce Quadro Resumo de Característcas e Funconaldades Últma atualzação: 21/01/2008 3

4 Atualzação do Valor Nomnal Parâmetro de Atualzação: TR Taxa Referencal a) Perodcdade de Atualzação e de Geração de Eventos Perodcdade de atualzação: dára. Perodcdade de eventos (juros e amortzações): em número de meses e sempre concdente com a data-base do atvo. A perodcdade dos eventos deve obedecer ao crtéro de multplcdade conforme segue: o período entre data do prmero evento e a data de vencmento deve ser múltplo da perodcdade de pagamento de eventos. A data base é defnda como o da de vencmento em cada mês. b) Valor Nomnal atualzado VNa VNb C,onde: VNa = Valor Nomnal atualzado, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; VNb = Valor Nomnal de emssão ou da data base do mês anteror calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; C = Fator resultante da TR utlzada, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento, apurado da segunte forma: TR C k dup dut, onde: TR k = Taxa Referencal (TR k ) da data de emssão ou da data-base mensal anteror à data de atualzação dvulgada, pelo Banco Central do Brasl; dut = Número total de das útes do período de vgênca da TR k. Últma atualzação: 21/01/2008 4

5 dup = Número de das útes entre a data de emssão ou da data-base mensal anteror e a data de atualzação; Observação: O VNb, Valor Nomnal que servrá de base para a atualzação será sempre o Valor Nomnal do mês anteror, sto é, o fator C é aplcado a cada mês; c) Valor Nomnal Atualzado com uso de Pro-Rata o Quando verfcado descasamento entre a data de emssão e a data do a partr ou entre a data de emssão e a data de vencmento, o valor nomnal (VN) será atualzado na prmera (data base), pro-rata índce entre a data de emssão e o prmero anversáro mensal do atvo. O cálculo da atualzação consderando este prmero período é apurado conforme segue: VNa VNE C, onde: VNa = Valor Nomnal atualzado, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; VNE = Valor Nomnal de emssão nformado com 8 (oto) casas decmas; C TR dup TR0 dut TR0 C = Fator resultante da TR utlzada, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento, apurado da segunte forma: TR 0 = Taxa Referencal da data de emssão dvulgada pelo Banco Central do Brasl. dup TR0 = Número de das útes entre a data de emssão e a data do prmero anversáro mensal (data-base) do atvo. dut TR0 = Número total de das útes para o período de vgênca da TR 0. Últma atualzação: 21/01/2008 5

6 d) Regras para datas-base Se a data-base do atvo for gual a 29, 30 ou 31, então, nos meses que não possuírem a data-base, a atualzação/evento ocorrerá no da 1º do mês segunte. Como mostra a tabela abaxo: Base de atualzação/evento: Datas-base, referencadas na data de vencmento Vencmento Datas-base 1 a 28/ 01, 02, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 1 a 28/ 01, 02, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 29/ 01, 02(bssexto), 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 29/ 01, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 e 29/02, quando bssexto e 01/03 quando não bssexto 30/ 01,3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 30/ 01, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 e 01/3 31/01, 3, 5, 7, 8, 10, 12 31/01, 3, 5, 7, 8, 10, 12 e 01/3, 01/5, 01/7, 01/10, 01/12 Últma atualzação: 21/01/2008 6

7 Parâmetro de Atualzação: Índces de Preços IGP-M, IGP-DI, INPC a) Perodcdade de Atualzação e de Geração de Eventos Perodcdade de atualzação: Mensal. Caso o da da emssão e o da do vencmento, base de atualzação, sejam descasados, o Valor Nomnal (VN) será atualzado no da de seu prmero anversáro mensal (da da data de vencmento no mês), pela varação mensal do índce escolhdo pro-rata, das útes ou corrdos, entre a emssão e seu prmero anversáro mensal. Perodcdade de eventos (juros e amortzações): em número de meses e sempre concdente com a data-base do atvo. A perodcdade dos eventos deve obedecer ao crtéro de multplcdade conforme segue: o período entre data do prmero evento e a data de vencmento deve ser múltplo da perodcdade de pagamento de eventos. b) Regras para casamento de datas Premssas: - Quando os eventos tverem perodcdade defnda em nº de meses (a cada x meses) e - Se o da da data a partr da qual serão pagos os eventos e o da da data de vencmento forem guas a 28, 29, 30 ou 31, então, o da em que a atualzação do valor nomnal e que os eventos serão gerados obedecerá as regras descrtas na tabela abaxo. Para alguns vencmentos o da da atualzação deverá ser escolhdo. Para essas premssas, a data de emssão será consderada casada com a prmera data de anversáro mensal, ou seja, sem necessdade de cálculo prorata do índce, na combnação dos campos 1º anversáro e do campo Emssão casada (cálculo sem pro-rata) da tabela abaxo. Últma atualzação: 21/01/2008 7

8 Regras de escolha do da de atualzação e de casamento de datas vencmento nos das 28, e 31 Vencmento Da de atualzação Combo de escolha 28/02 28,29,30, Últmo UDM Datas a partr acetas quando exgdo casamento de datas 1º anversáro Emssão casada (cálculo sem pro-rata) Se Se e aceta 28/02 29 ou 28/02 29 ou 28/02 em ano não bssexto 29 Se e aceta 28/02 ou 29/02 em ano bssexto 30 ou 28/02 ou 29/02 30 ou 28/02 ou 29/02 30 Se UDM Qualquer Últmo Da do Mês UDM UDM 29/02 29,30, UDM Se e aceta 28/02 29 ou 28/02 29 ou 28/02 em ano não bssexto 29 Se e aceta 28/02 ou 29/02 em ano bssexto 30 ou 28/02 ou 29/02 30 ou 28/02 ou 29/02 30 Se UDM Qualquer Últmo Da do Mês UDM UDM 30/4,6,9,11 30, UDM Se e aceta 28/02 ou 29/02 em ano bssexto ou 28/02 ou 29/02 ou 28/02 ou 29/02 30 Se UDM Qualquer Últmo Da do Mês UDM UDM 31/01,3,5,7,8,10,12 UDM (mandatóra) Qualquer Últmo Da do Mês UDM UDM 28/02 em ano bssexto 28 (mandatóra) /4,6,9,11 28 (mandatóra) /4,6,9,11 29 (mandatóra) 29 e aceta 28/02 quando ano não bssexto 29 ou 28/02 29 ou 28/02 em ano não bssexto 29 28/01,3,5,7,8,10,12 28 (mandatóra) /01,3,5,7,8,10,12 29 (mandatóra) 29 e aceta 28/02 quando ano não bssexto 29 ou 28/02 29 ou 28/02 em ano não bssexto 29 30/01,3,5,7,8,10,12 30 (mandatóra) 30 e aceta 28/02 ou 29/02 em ano bssexto 30 ou 28/02 ou 29/02 30 ou 28/02 ou 29/02 30 Nota: UDM Últmo Da do Mês Últma atualzação: 21/01/2008 8

9 c) Valor Nomnal Atualzado VNa VNb C, onde: VNa = Valor Nomnal atualzado, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; VNb= Valor Nomnal de emssão, ou após ncorporação de juros, ou amortzação, se houver, o que ocorrer por últmo, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento. C = Fator acumulado da varação do índce utlzado, IGP-M, IGP-DI e INPC calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento, apurado da segunte forma: Quando verfcado descasamento entre a data de emssão e a data de vencmento, o valor nomnal (VN) será atualzado no prmero anversáro mensal pela varação mensal do índce escolhdo, pro-rata da útl ou corrdo, entre a data de emssão e o prmero anversáro mensal do atvo. Segue abaxo as fórmulas aplcadas ao cálculo do valor de C para quando o atvo for de datas casadas e de datas descasadas: Expressão de C para data de emssão casada com a data de vencmento C n, onde: 0 n = Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de atualzação. 0 = Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de emssão, de ncorporação de juros ou da últma amortzação, se houver. Expressão de C para data de emssão descasada com a data de vencmento: Últma atualzação: 21/01/2008 9

10 C m1 m0 d ( c / u) p prorata d ( c / u) t prorata mn m1, onde: C = Fator calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; d ( c / u) d ( c / u) m1 m0 arredondamento; p prorata t prorata Expressão calculada com 8 (oto) casas decmas, sem d ( c / u) p pro rata d ( c / u) t prorata arredondamento; Expressão calculada com 9 (nove) casas decmas, sem mn m1 Expressão calculada com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; m1 = Número Índce referente ao mês 1; - mês 1 é gual ao mês de emssão quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no mês segunte ao mês de emssão - mês 1 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão quando o prmero anversáro mensal ocorre no própro mês de emssão. m0 = Número Índce referente ao mês 0; - mês 0 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no mês segunte ao mês de emssão; - mês 0 é gual ao segundo mês anteror ao mês de emssão quando o prmero anversáro mensal ocorre no própro mês de emssão Últma atualzação: 21/01/

11 mn = Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de atualzação, pagamento ou vencmento; d(c/u)p pro-rata = Número de das corrdos ou útes entre a data de emssão e a data de anversáro medatamente posteror; d(c/u)t pro-rata = Número de das corrdos ou útes entre a data de anversáro medatamente anteror à data de emssão e a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão. Tpo de correção Correção Defasada O IGP-M, ndexador cujos números índces (e suas varações) são dvulgados no própro mês a que se referem, está dsponível para corrgr valores (nomnas) no da prmero do mês segunte em dante (dvulgação antecpada). Já os demas índces acatados (IGP-DI, INPC, e suas varações) são dvulgados em torno do da 10 (+ ou 4) do mês segunte ao que se referem (dvulgação postecpada). Para estes índces a dvulgação do número índce do mês medatamente anteror às datas de referênca para atualzação, pode ocorrer até o da 14 do mês de atualzação. Com razoável segurança estão dsponíves para corrgr valores (nomnas) a partr do da 15 do mês em dante. Por conseqüênca, quando a LH tver prevsão de correção pelos índces de preços: IGP-DI e INPC e tver data de atualzação e/ou pagamento peródco de eventos em da menor que o da 15 do mês, sua correção será efetuada utlzando-se, como base, o número índce do segundo mês anteror ao mês de emssão, de ncorporação de juros ou de amortzação, se houver. VNa VNb C defasado, onde: VNa e VNb são varáves anterormente defndas para os dos tpos de perodcdades de atualzação (mensal); Últma atualzação: 21/01/

12 C defasado = Fator acumulado da varação do índce de preços IGP-DI ou INPC calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento, apurado conforme segue: Quando verfcado descasamento entre a data de emssão e a data de vencmento, o valor nomnal (VN) será atualzado no prmero anversáro mensal pela varação mensal do índce escolhdo, pro-rata da útl ou corrdo, entre a data de emssão e o prmero anversáro mensal do atvo. Segue abaxo as fórmulas aplcadas ao cálculo do valor de C defasado para quando o atvo for de datas casadas e de datas descasadas: Expressão de C defasado para data de emssão casada com a data de vencmento n Cdefasado, onde: 0 n= Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de atualzação. 0 = Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de emssão, de ncorporação de juros ou da últma amortzação, se houver. Expressão de C defasado para data de emssão descasada com a data de vencmento: C defasado com pro-rata das corrdos: C defasado m1 m0 dcppro rata dctprorata mn m1, onde: Últma atualzação: 21/01/

13 m1 m0 dcppro rata dctprorata arredondamento; Expressão calculada com 8 (oto) casas decmas, sem mn m1 Expressão calculada com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; dcp dct prorata prorata Expressão calculada com 9 (oto) casas decmas, sem arredondamento; m1 = Número Índce referente ao mês 1; Quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre: no mês segunte ao mês de emssão: o mês 1 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão. no própro mês de emssão: o mês 1 é gual ao segundo mês anteror ao mês de emssão. m0 = Número Índce referente ao mês 0; Quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre: no mês segunte ao mês de emssão: o mês 0 é gual ao segundo mês medatamente anteror ao mês de emssão. no própro mês de emssão: o mês 0 é gual ao tercero mês anteror ao mês de emssão. mn = Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de atualzação, pagamento ou vencmento; dcp pro-rata e dct pro-rata são varáves anterormente defndas. Últma atualzação: 21/01/

14 C defasado com pro-rata das útes: C defasado m1 m0 dupprorata dutprorata mn m1, onde: m1 m0 dupprorata dutprorata arredondamento; = Expressão calculada com 8 (oto) casas decmas, sem mn m1 arredondamento; = Expressão calculada com 8 (oto) casas decmas, sem dup dut prorata prorata Expressão calculada com 9 (oto) casas decmas, sem arredondamento; m1 = Número Índce referente ao mês 1; Quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre: no mês segunte ao mês de emssão: o mês 1 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão. no própro mês de emssão: o mês 1 é gual ao segundo mês anteror ao mês de emssão. m0 = Número Índce referente ao mês 0; Quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre: Últma atualzação: 21/01/

15 no mês segunte ao mês de emssão: o mês 0 é gual ao segundo mês medatamente anteror ao mês de emssão. no própro mês de emssão: o mês 0 é gual ao tercero mês anteror ao mês de emssão. mn = Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de atualzação, pagamento ou vencmento; dup pro-rata e dut pro-rata = são varáves anterormente defndas; Observação: São mantdos os crtéros de precsão de cada uma das expressões que compõem a equação do C Defasado. d) Valor Fnancero de Resgate VR VF VNa Q, onde: VR VF = Valor Fnancero de Resgate calculado com 2 (duas) casas decmas, sem arredondamento. VNa = Valor Nomnal atualzado, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento. Q = Quantdade de atvos em posção de custóda do partcpante. Últma atualzação: 21/01/

16 Juros Fxos Refere-se à taxa de juros fxos que representa a parcela de juros fxa de um atvo pósfxado.. A taxa é nformada com 4 (quatro) casas decmas. a) Perodcdade de apuração e de Geração do Eventos Perodcdade de atualzação: Dára, por das útes ou corrdos. Quando juro fxo em atvo corrgdo mensalmente por índce de preços a perodcdade de apuração também é dára. Perodcdade da geração do evento de Juros: A perodcdade dos eventos devem ser em Nº de meses e obedecer ao crtéro de multplcdade conforme segue: o período entre data do prmero evento e a data de vencmento deve ser múltplo da perodcdade de pagamento de eventos. b) Regras de casamento de datas para fnal do mês Premssas: - Quando os eventos tverem perodcdade defnda em nº de meses (a cada x meses) e - Se o da da data a partr da qual serão pagos os eventos e o da da data de vencmento forem guas a 28, 29, 30 ou 31, então, o da em que a atualzação do valor nomnal e que os eventos serão gerados obedecerá as regras descrtas na tabela abaxo. Em alguns casos o da da atualzação deverá ser escolhdo. - Para estes casos, a data de emssão será consderada casada com a prmera data de anversáro mensal, ou seja, sem necessdade de cálculo pro-rata, nas datas do campo Emssão casada (cálculo sem pro-rata) da tabela abaxo. Últma atualzação: 21/01/

17 Não Fnal de mês Fnal de mês Caderno de Fórmulas Juros Regras de escolha do da de atualzação e de casamento de datas vencmento nos das 28, e 31 À partr Da do evento Combo de escolha Da escolhdo 1º anversáro Emssão casada (cálculo sem pro-rata) 28/02 28,29,30, UDM 29 e aceta 28/ ou 28/02 em ano não bssexto ou 28/ e aceta 28/02 em ano ou 28/02 ou 29/02 não bssexto ou 29/02 ou 28/02 ou 29/02 30 UDM UDM UDM 29/02 29,30, UDM e aceta 28/02 29 e aceta 28/ ou 28/02 em ano não bssexto ou 28/ e aceta 28/02 em ano ou 28/02 ou 29/02 não bssexto ou 29/02 ou 28/02 ou 29/02 30 UDM UDM UDM 30/4,6,9,11 30, UDM 30 e aceta 28/02 em ano não bssexto ou 29/02 31/01,3,5,7,8,10,12 UDM (mandatóra) UDM UDM 30 ou 28/02 ou 29/02 UDM UDM 30 ou 28/02 ou 29/02 30 UDM 28/02 em ano bssexto 28 (mandatóra) /4,6,9,11 28 (mandatóra) /4,6,9,11 29 (mandatóra) 29 e aceta 28/ ou 28/02 em ano não bssexto ou 28/ /01,3,5,7,8,10,12 28 (mandatóra) /01,3,5,7,8,10,12 29 (mandatóra) 29 e aceta 28/02 29 ou 28/02 30/01,3,5,7,8,10,12 30 (mandatóra) 30 e aceta 28/02 em ano 30 não bssexto ou 29/02 ou 28/02 ou 29/02 Nota: UDM Últmo Da do Mês UDM 29 ou 28/02 em ano não bssexto ou 28/02 ou 29/ Últma atualzação: 21/01/2008

18

19 c) Valor Untáro de Juros J VNa Fator de Juros 1, onde: J = Valor untáro dos juros acumulados no período, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; VNa = Valor Nomnal atualzado, se for o caso, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; Fator de Juros = Fator de juros fxos, calculado com 9 (nove) casas decmas, com arredondamento. d) Fator de Juros ou de Spread de acordo com crtéro de cálculo 252 número de das útes 252 número de das útes entre a data de níco ou do últmo pagamento e o próxmo Fator dejuros dut 252 dup dut, onde: = Taxa de juros expressa em 252 das útes, nformada com 4 (quatro) casas decmas; dut = Número de das útes exstente no número de meses nformado. Para atvo de renda fnal: o número de das útes exstente no prazo total do atvo. Para atvo com pagamento peródco de juros: o entre a data de emssão e o prmero pagamento de juros; o ou entre a data de emssão e a data de ncorporação, se houver; o ou entre a data de ncorporação, se houver, e o prmero pagamento de juros; o ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento de juros; Últma atualzação: 21/01/

20 dup = Número de das útes. entre a data de emssão e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre a data de ncorporação, se houver, e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, próxmo pagamento ou data de vencmento; 252 Número de meses 252 Número de meses entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo x 21 a) Para atvos com datas casadas: Atvos em que a data de emssão concde com a data de anversáro mensal, entendda como o da da data de vencmento em cada mês. Fator dejuros N º Meses dup dut, onde: = Taxa de juros expressa em 252 das útes, nformada com 4 (quatro) casas decmas; nº de meses = Número de meses nteros entre: a data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre a data de emssão e a data o prmero pagamento de juros; ou entre a data de emssão e a data de vencmento, se renda fnal; ou entre a data da ncorporação, se houver, e o prmero pagamento de juros; ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento de juros; dut = Número de das útes exstente no número de meses nformado: Para atvo de renda fnal: o número de das útes exstente no número de meses total do atvo. Últma atualzação: 21/01/

21 Para atvo com pagamento peródco de juros: o entre a data de emssão e o prmero pagamento de juros; o ou entre a data de emssão e a data de ncorporação, se houver; o ou entre a data de ncorporação, se houver, e o prmero pagamento de juros; o ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento de juros; dup = Número de das útes. entre a data de emssão e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre a data de ncorporação, se houver, e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, próxmo pagamento ou data de vencmento; b) Para atvos com datas descasadas Atvos em que a data de emssão não concde com a data de anversáro mensal, entendda como o da da data de vencmento em cada mês. Fator de Juros dupprorata dutprorata nº mese dup dut, onde: = Taxa de juros expressa em 252 das útes, nformada com 4 (quatro) casas decmas; dup pro-rata = Número de das útes entre a data de emssão e a data de atualzação ou anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão; dut pro-rata = Número de das útes entre a data de anversáro mensal medatamente anteror à data de emssão e a data de anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão; Últma atualzação: 21/01/

22 nº de meses = Número de meses ntero entre: a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão e a data o prmero pagamento de juros; ou entre a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão e a data de vencmento, se renda fnal; ou entre o últmo e o próxmo pagamento de juros ou vencmento; dup = Número de das útes: entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data de atualzação; ou entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data do prmero pagamento posteror ao prmero anversáro mensal; ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, até o próxmo pagamento. dut = Número de das útes: entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data do prmero pagamento posteror ao prmero anversáro mensal; ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento. Observação: Até o prmero anversáro mensal do atvo que tenha datas descasadas a fórmula do fator de juros ou spread se compõe apenas da prmera expressão: Fator de Juros dup dut prorata prorata Últma atualzação: 21/01/

23 Após o prmero evento de juros, seja de ncorporação ou de pagamento peródco, a fórmula do fator de juros volta a conter apenas uma expressão: Fator de Juros conforme defndo acma. N º meses dup dut 360 Número de das corrdos entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo ou 365 Número de das corrdos entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo Fator de Juros dct 360ou365 dcp dct, onde: = Taxa de juros expressa em 360 ou 365 das corrdos, nformada com 4 (quatro) casas decmas; dct = Número de das corrdos exstente no número de meses nformado: Para atvo de renda fnal: o número de das corrdos exstente no prazo total do atvo. Para atvo com pagamento peródco de juros: o entre a data de emssão e o prmero pagamento de juros; o ou entre a data de emssão e a data de ncorporação, se houver; o ou entre a data de ncorporação, se houver, e o prmero pagamento de juros; o ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento de juros; dcp = Número de das corrdos: entre a data de emssão e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre a data de ncorporação, se houver, e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; Últma atualzação: 21/01/

24 ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, próxmo pagamento ou data de vencmento; 360 Número de meses entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo x 30 ou 365 Número de meses entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo x 30 a) Para atvos com datas casadas: Atvos em que a data de emssão concde com a data de anversáro mensal, entendda como o da da data de vencmento em cada mês. Fator de Juros nº mese ou 365 dcp dct, onde: = Taxa de juros expressa em 360 ou 365 das corrdos, nformada com 4 (quatro) casas decmas; nº de meses = Número de meses ntero entre: a data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre a data de emssão e a data o prmero pagamento de juros; ou entre a data de emssão e a data de vencmento, se renda fnal; ou entre a data da ncorporação, se houver, e o prmero pagamento de juros; ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento de juros; dct = Número de das corrdos exstente no número de meses nformado: Para atvo de renda fnal: o número de das corrdos exstente no número de meses total do atvo. Para atvo com pagamento peródco de juros: o entre a data de emssão e o prmero pagamento de juros; Últma atualzação: 21/01/

25 o o o ou entre a data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre a data de ncorporação, se houver, e o prmero pagamento de juros; ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento de juros; dcp = Número de das corrdos. entre a data de emssão e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre a data de ncorporação, se houver, e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, próxmo pagamento ou data de vencmento; b) Para atvos com datas descasadas: Atvos em que a data de emssão não concde com a data de anversáro mensal, entendda como o da da data de vencmento em cada mês. Fator de Juros ou 365 dcppro rata dctprorata nº mese ou 365 dcp dct onde: = Taxa de juros expressa em 360 ou 365 das corrdos, nformada com 4 (quatro) casas decmas; dcp pro-rata = Número de das corrdos entre a data de emssão e a data de atualzação ou anversáro mensal medatamente posteror; dct pro-rata = Número de das corrdos entre a data de anversáro mensal medatamente anteror à data de emssão e a data de anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão; nº de meses = Número de meses ntero entre: a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão e a data de ncorporação, se houver; Últma atualzação: 21/01/

26 ou entre a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão e a data o prmero pagamento de juros; ou entre a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão e a data de vencmento, se renda fnal; Após o prmero pagamento de juros peródcos, se houver, é o número de meses entre o últmo e o próxmo pagamento de juros ou vencmento; dcp = Número de das corrdos: entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data de atualzação; entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data do prmero pagamento posteror ao prmero anversáro mensal; ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, até o próxmo pagamento. dct = Número de das corrdos: entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data do prmero pagamento posteror ao prmero anversáro mensal; ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento. Observações: Até o prmero anversáro mensal do atvo com datas descasadas a fórmula do fator de juros se compõe apenas da prmera expressão Fator de Juros ou 365 dcp dct prorata prorata Após o prmero evento de juros, seja de ncorporação ou de pagamento peródco, a fórmula do fator de juros volta a conter apenas uma expressão: Últma atualzação: 21/01/

27 Fator de Juros conforme defndo anterormente. N º de meses ou 365 dcp dct Crtéros de Precsão é nformado com 4 (quatro) decmas e a expressão é consderada com 6 (ses) decmas (nove) casas decmas, sem ou ou 360 arredondamento dut 100 dup 1 pro rata pro rata ou ou dcp dct 100 pro rata pro rata ou365 9 (nove) casas decmas, com arredondamento 9 (nove) casas decmas, sem arredondamento 100 dup prorata 21 dutprorata ou nº demeses 21 ou dup dcp ou dut dct nº demeses nº demeses nº de meses x ou 360 ou dup dut ou ou360 dcp dct nº demesesx ou360 1 prorata prorata nº demesesx ou360 dcp dct 9 (nove) casas decmas, com arredondamento 9 (nove) casas decmas, sem arredondamento 9 (nove) casas decmas, com arredondamento 9 (nove) casas decmas, sem arredondamento 9 (nove) casas decmas, com arredondamento Últma atualzação: 21/01/

28 dupprorata dutprorata nº demeses dup dut ou 9 (nove) casas decmas, com arredondamento ou360 dcppro rata dctprorata nº demesesx ou360 dcp dct e) Valor Fnancero dos Juros J VF J Q, onde: J VF = Valor fnancero dos juros calculado com 2 (duas) casas decmas, sem arredondamento; J = Valor untáro de juros apurado com 8 (oto) casas decmas sem arredondamento; Q = Quantdade do atvo em custóda do partcpante. Últma atualzação: 21/01/

29 Amortzação Exstem duas formas dstntas de aplcação dos percentuas de amortzação: ou ncdem sobre o Valor Remanescente atualzado; ou ncdem sobre o Valor Nomnal de emssão ou após ncorporação, e a parcela amortzada é corrgda até a data de pagamento. As fórmulas, a segur, são defndas de acordo com a ncdênca dos Percentuas de Amortzação. Tpos Base de Incdênca Taxa (Ta) Período Defnção VNE FIX/UF VNe Fxo Unforme VNE VAR/UF VNe Varável Unforme VNA VAR/UF VNa Varável Unforme Amortzação com percentual fxo sobre o valor nomnal de emssão ou após ncorporação, em períodos unformes. Amortzação com percentual varável sobre o valor nomnal de emssão ou após ncorporação, em períodos unformes. Amortzação com percentual varável sobre o valor remanescente atualzado, em períodos unformes. Atvos ndexados à Índce de Preços devem ter suas datas de amortzações concdentes com suas datas de anversáro mensal e atvos ndexados à TR devem ter suas datas de amortzações concdente com suas datas-base. a) Incdente sobre o valor nomnal de emssão ou após ncorporação, se houver. Valor untáro da amortzação AM Ta VNe C 100, onde: AM = Valor untáro da -ésma parcela de amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; VNe = Valor nomnal de emssão ou após ncorporação de juros, se houver, consderado com 8 (oto) casas decmas; Últma atualzação: 21/01/

30 Ta = -ésma taxa de amortzação nformada com 4 (quatro) casas decmas. Para as taxas de amortzação fxas Ta = Ta que é a taxa de amortzação únca nformada para todas as amortzações. C = Fator de atualzação da -ésma parcela de amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento, computado desde a data de emssão ou ncorporação de juros, se houver, até a data de pagamento. b) Incdente sobre o valor remanescente atualzado. Valor untáro da amortzação Ta AM VNa, onde: 100 AM = Valor untáro da -ésma parcela de amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; VNa = Saldo do valor nomnal atualzado consderado com 8 (oto) casas decmas; Ta = -ésma taxa de amortzação nformada com 4 (quatro) casas decmas. Para as taxas de amortzação fxas Ta = Ta que é a taxa de amortzação únca nformada para todas as amortzações. c) Valor fnancero da amortzação AM VF AM Q AM VF = Valor Fnancero da amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas, sem arredondamento; AM = Valor untáro da -ésma parcela de amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; Últma atualzação: 21/01/

31 Q = Quantdade de atvos em custóda do partcpante; d) Valor Nomnal Remanescente após cada amortzação VN VNa R AM, onde: VN R = Valor Remanescente após a -ésma amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento. VNa = Saldo de Valor Nomnal atualzado, se houver, antes do pagamento da -ésma amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; AM = Valor untáro da -ésma parcela de amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento. Observações: Após o pagamento da -ésma parcela de amortzação VN R assume o lugar de VNb (Valor Nomnal base) para efeto de atualzação. Últma atualzação: 21/01/

32 Apêndce Quadro Resumo de Característcas e Funconaldades Tpo de Remuneração Prazo Mínmo Atualzação Juros TR, IGP-M, IGP-DI, INPC em Índce de Preços 60 meses em TR 180 das - IGPM, IGPDI, INPC, mensal nas datas de anversáro com uso prorata da varação ncal, se couber - TR, nas datas base com uso prorata se houver Formas de pagamento juros e prncpal no vencmento; peródco de juros e prncpal no vencmento; juros e amortzação peródcos; amortzação peródca e juros no vencmento; prncpal no vencmento sem taxa de juros; amortzação sem taxa de juros; Incorporação um período antes do 1 evento de pagamento Expressão da taxa 360 Nº meses x 30, 360 Nº de das 365 Nº meses x 30, 365 Nº de das 252 Nº meses x 21, 252 Nº de das Amortzação Perodcdade de eventos em Nº de meses obedecendo o crtéro de multplcdade entre o a partr e o vencmento Tpos % fxo, Per Unforme VNE, % Var, Per Unforme VNE % Var, Per Unforme VNR Perodocdade dos eventos em Nº de meses obedecendo o crtéro de multplcdade entre o a partr e o vencmento Obs: Os eventos de Juros e Amortzações não precsam ser casados, sto é, ocorrerem nas mesmas datas. Últma atualzação: 21/01/

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Caderno de Fórmulas. LCI Cetip21

Caderno de Fórmulas. LCI Cetip21 LCI Cetp21 Elaboração: Feverero/2008 Últma Atualzação: 05/06/2017 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes ao atvo LCI

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21 Notas Comercas Cetp21 Últma Atualzação: 22/12/2015 E ste Caderno tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos de valorzação de Notas Comercas. É acatado regstro

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR

Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Caderno de Fórmulas Títulos do Agronegóco - Cetp21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Últma Atualzação: 15/08/2016 Caderno de Fórmulas CDCA CPR CRA - CRH CRP CRPH LCA NCR E ste Caderno de Fórmulas

Leia mais

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1 Última atualização:30/09/2015 1 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetivo informar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos aplicados aos ativos: Certificado de Depósito Bancário

Leia mais

Caderno de Fórmulas. CCB, CCE e NCE - Cetip21

Caderno de Fórmulas. CCB, CCE e NCE - Cetip21 - Cetp21 Elaboração: Novembro/2005 Últma Atualzação: 27/05/2016 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às

Leia mais

Caderno de Fórmulas em Implementação. SWAP Alterações na curva Libor

Caderno de Fórmulas em Implementação. SWAP Alterações na curva Libor Caderno de Fórmulas em Implementação SWAP Alterações na curva Lbor Atualzado em: 15/12/217 Comuncado: 12/217 DN Homologação: - Versão: Mar/218 Índce 1 Atualzações... 2 2 Caderno de Fórmulas - SWAP... 3

Leia mais

COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT

COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT COMUNICADO SNA N.º 010/00 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos - SNA Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT A Central

Leia mais

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito.

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito. Matemátca Fnancera Rendas Certas Prof. Benjamn Cesar Sére de Pagamentos Unforme e Peródca. Rendas Certas Anudades. É uma sequênca de n pagamentos de mesmo valor P, espaçados de um mesmo ntervalo de tempo

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N.º 273. Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronização de Taxas

CARTA-CIRCULAR N.º 273. Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronização de Taxas CARTA-CIRCULAR N.º 273 Aos Partcpantes de Todos os Sstemas Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronzação de Taxas A Central de Custóda e de Lqudação Fnancera de Títulos - CETIP comunca que a partr

Leia mais

COMUNICADO SNA Nº 011/01. Ref.: Trata da aceitação de registro de duas novas séries de Certificados do Tesouro Nacional CFT.

COMUNICADO SNA Nº 011/01. Ref.: Trata da aceitação de registro de duas novas séries de Certificados do Tesouro Nacional CFT. COMUNICADO SNA Nº 011/01 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos SNA Ref.: Trata da aceitação de registro de duas novas séries de Certificados do Tesouro Nacional CFT. A Central de Custódia e de

Leia mais

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. LISTA DE SIGLAS E SÍMBOLOS... 2 3. Bônus do Tesouro Nacional BTN... 4 4. Letras Financeiras do Tesouro LFT... 7 4.1 Letras Financeiras do Tesouro Série A LFT-A... 9 4.2

Leia mais

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

2012. Banco do Brasil S.A. 3 a Edição

2012. Banco do Brasil S.A. 3 a Edição MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Agosto/2012 2012. Banco do Brasl S.A. 3 a Edção INTRODUÇÃO... 6 I. PRINCÍPIOS GERAIS DA MARCAÇÃO A MERCADO 6 II. OCORRÊNCIA DE RISCO SISTÊMICO E DE MERCADO 7 III. ESTRUTURAS

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas Análse de Projectos ESAPL / IPVC Taxas Equvalentes Rendas Taxas Equvalentes Duas taxas e, referentes a períodos dferentes, dzem-se equvalentes se, aplcadas a um mesmo captal, produzrem durante o mesmo

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa.

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa. Custo e Captal 1 Custo e Captal Seguno Gtman (2010, p. 432) o custo e Captal é a taxa e retorno que uma empresa precsa obter sobre seus nvestmentos para manter o valor a ação nalterao. Ele também poe ser

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da B3 Segmento BM&FBOVESPA. Ref.: Nova Metodologia do Índice Dividendos BM&FBOVESPA (IDIV).

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da B3 Segmento BM&FBOVESPA. Ref.: Nova Metodologia do Índice Dividendos BM&FBOVESPA (IDIV). 01 de novembro de 2017 069/2017-DP O F Í C I O C I R C U L A R Partcpantes dos Mercados da B3 Segmento BM&FBOVESPA Ref.: Nova Metodologa do Índce Dvdendos BM&FBOVESPA (IDIV). Concluída a fase de dscussão

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Manual de Precificação

Manual de Precificação Manual de Precfcação Custóda Qualfcada Revsão: Mao de 200 Págna /80 Objetvos Introdução O objetvo deste manual é a descrção da estrutura, prncípos e crtéros dos servços de marcação a mercado prestados

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA Concetos Báscos e Smbologa HP-12C Prof. Antono Sérgo A. do Nascmento asergo@lve.estaco.br GST0045 Matemátca Fnancera 2 Valor do dnhero no tempo q O dnhero cresce no tempo

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Títulos Públicos - Cetip 21

Caderno de Fórmulas. Títulos Públicos - Cetip 21 Cadero de Fórmulas Títulos Públcos - Cetp 21 Últma Atualzação: 21/06/2017 Cadero de Fórmulas Apresetação Títulos Públcos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de

Leia mais

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo)

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) 1. Contrato com prazo total de 120 meses, sendo 24 de carência, com pagamento trimestral de juros

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO EFICIENTE (ICO2)

METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO EFICIENTE (ICO2) METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO Abrl/2015 [data] METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO O ICO2 é o resultado de uma cartera teórca de atvos, elaborada de acordo com os crtéros estabelecdos nesta metodologa. Os índces

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Apresentação. Caderno de Fórmulas. MOP Módulo de Títulos Securitizados Federais

Apresentação. Caderno de Fórmulas. MOP Módulo de Títulos Securitizados Federais Elaboração: Fevereiro/2000 Última atualização: 01/10/2010 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetivo esclarecer aos usuários a metodologia de cálculos e critérios de precisão dos Títulos da

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Caderno de Metodologia de Cálculo. Versão 1.1

Caderno de Metodologia de Cálculo. Versão 1.1 Caderno de Metodologia de Cálculo Versão 1.1 Fevereiro/2014 Sumário 1. Introdução... 2 2. Remuneração: Taxa DI... 3 2.1 Metodologia de cálculo para atualização de título pós-fixado indexado à Taxa DI...

Leia mais

GABARITO ERP19. impedância total em pu. impedância linha em pu; impedância carga em pu; tensão no gerador em pu.

GABARITO ERP19. impedância total em pu. impedância linha em pu; impedância carga em pu; tensão no gerador em pu. GABARITO ERP9 Questão mpedânca total em pu. mpedânca lnha em pu; mpedânca carga em pu; tensão no gerador em pu. Assm, tem-se que: ( ). Mas, ou seja: : ( ).. Logo: pu. () A mpedânca da carga em pu,, tem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

3.5 Sorteio : 3.5.1 Valor ( máximo ou médio ponderado) do pagamento único : ( P ) 3.5.2 (P mínimo) = Valor mínimo do pagamento:

3.5 Sorteio : 3.5.1 Valor ( máximo ou médio ponderado) do pagamento único : ( P ) 3.5.2 (P mínimo) = Valor mínimo do pagamento: NOTA TÉCNICA ATUARIAL TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO Título Padrão PU MODALIDADE: (modalidade) 1 OBJETIVO O objetivo desta Nota Técnica Atuarial é apresentar as características, bases técnicas e formulações dos

Leia mais

3 Algoritmos propostos

3 Algoritmos propostos Algortmos propostos 3 Algortmos propostos Nesse trabalho foram desenvolvdos dos algortmos que permtem classfcar documentos em categoras de forma automátca, com trenamento feto por usuáros Tas algortmos

Leia mais

Assunto:Registro de Cédula de Credito à Exportação CCE e de Nota de Crédito à Exportação NCE SNA.

Assunto:Registro de Cédula de Credito à Exportação CCE e de Nota de Crédito à Exportação NCE SNA. Comunicado CETIP n o 101/04 12 de novembro de 2004 Assunto:Registro de Cédula de Credito à Exportação CCE e de Nota de Crédito à Exportação NCE SNA. A CETIP Câmara de Custódia e Liquidação, com base no

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS DE ESTATÍSTICA MÓDULO 2 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA - ELEMENTOS Prof. Rogério Rodrigues

CONCEITOS INICIAIS DE ESTATÍSTICA MÓDULO 2 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA - ELEMENTOS Prof. Rogério Rodrigues CONCEITOS INICIAIS DE ESTATÍSTICA MÓDULO DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA - ELEMENTOS Prof. Rogéro Rodrgues I) TABELA PRIMITIVA E DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA : No processo de amostragem, a forma de regstro mas

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Selic (LFT) O Tesouro Selic (LFT) é um título pós fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa básica

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

4.1 Modelagem dos Resultados Considerando Sazonalização

4.1 Modelagem dos Resultados Considerando Sazonalização 30 4 METODOLOGIA 4.1 Modelagem dos Resultados Consderando Sazonalzação A sazonalzação da quantdade de energa assegurada versus a quantdade contratada unforme, em contratos de fornecmento de energa elétrca,

Leia mais

2 Metodologia de Medição de Riscos para Projetos

2 Metodologia de Medição de Riscos para Projetos 2 Metodologa de Medção de Rscos para Projetos Neste capítulo remos aplcar os concetos apresentados na seção 1.1 ao ambente de projetos. Um projeto, por defnção, é um empreendmento com metas de prazo, margem

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

3 Metodologia de Avaliação da Relação entre o Custo Operacional e o Preço do Óleo

3 Metodologia de Avaliação da Relação entre o Custo Operacional e o Preço do Óleo 3 Metodologa de Avalação da Relação entre o Custo Operaconal e o Preço do Óleo Este capítulo tem como objetvo apresentar a metodologa que será empregada nesta pesqusa para avalar a dependênca entre duas

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto LFT A LFT é um título pós-fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa de juros básica da economia. Sua remuneração

Leia mais

METOLOGIA. 1. Histórico

METOLOGIA. 1. Histórico METOLOGIA A Sondagem da Construção Cvl do RS é uma sondagem de opnão empresaral realzada mensalmente e fo crada pela Confederação Naconal da Indústra (CNI) com o apoo da Câmara Braslera da Indústra da

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 03 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas 3.6. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS Componentes do Preço; Entendendo o que altera o preço. Componentes do Preço O objetivo desta seção é apresentar ao investidor: os fatores

Leia mais

2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS

2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS 22 2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Como vsto no capítulo 1, a energa frme de uma usna hdrelétrca corresponde à máxma demanda que pode ser suprda contnuamente

Leia mais

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental.

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Numa relação expermental os valores de uma das

Leia mais

Preço Base = 2,581 US$/MMBTU x TMD 0

Preço Base = 2,581 US$/MMBTU x TMD 0 Portara Intermnsteral MME/MF/nº 176, de 01 de junho de 2001. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA E DA FAZENDA, no uso das atrbuções que lhes são conferdas pelo art. 87, parágrafo únco, ncso II, da

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas Manual de Precificação de Ativos Fundos de Investimento e Carteiras Administradas Janeiro de 2009 ÍNDICE Introdução 03 Títulos Públicos Federais 05 Pós fixados LFT 06 Pré fixados LTN 07 NTN-B Indexador

Leia mais

Matemática A. Previsão 1. Duração do teste: 180 minutos º Ano de Escolaridade. Previsão Exame Nacional de Matemática A 2013

Matemática A. Previsão 1. Duração do teste: 180 minutos º Ano de Escolaridade. Previsão Exame Nacional de Matemática A 2013 Prevsão Exame Naconal de Matemátca A 01 Prevsão 1 1ª fase Matemátca A Prevsão 1 Duração do teste: 180 mnutos 7.06.01 1.º Ano de Escolardade Resoluções em vídeo em www.explcamat.pt Prevsão de Exame págna1/8

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.193, de 2013;

CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.193, de 2013; CIRCULAR Nº 3.64, DE 4 DE MARÇO DE 203 Estabelece os procedmentos para o cálculo da parcela dos atvos ponderados pelo rsco (RWA) referente às exposções em ouro, em moeda estrangera e em atvos sujetos à

Leia mais

SANTANDER CAP. Condições Gerais. I - Objetivo

SANTANDER CAP. Condições Gerais. I - Objetivo SANTANDER CAP Condições Gerais I - Objetivo Art. 1º - A SANTANDER CAPITALIZAÇÃO S.A., doravante denominada Sociedade de Capitalização, institui o Título de Capitalização ora descrito e devidamente aprovado

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Metodologia IHFA. Índice de Hedge Funds ANBIMA. Versão Abril/2011

Metodologia IHFA. Índice de Hedge Funds ANBIMA. Versão Abril/2011 1 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl/2011 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge funds no Brasl, crado com o objetvo de

Leia mais

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL RISCO DE TAXA DE JUROS 1. Introdução O rsco de taxas de juros é a exposção da condção fnancera de um

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 001/97

COMUNICADO SPR N.º 001/97 COMUNICADO SPR N.º 001/97 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP comunica que, a partir do dia 02/5/97,

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DO SISTEMA DE CÁLCULO NA WEB

ORIENTAÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DO SISTEMA DE CÁLCULO NA WEB ORIENTAÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DO SISTEMA DE CÁLCULO NA WEB 1. O sistema é online, ou seja, não necessita de programas de planilha eletrônica para funcionar. O usuário acessa o programa, digita os dados

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Fnancera 007. Prof.: Luz Gonzaga Damasceno E-mals: amasceno04@yahoo.com.br amasceno@nterjato.com.br amasceno@hotmal.com 5. Taxa Over mensal equvalente. Para etermnar a rentablae por a útl one

Leia mais

NORMAS DE SELEÇÃO AO DOUTORADO

NORMAS DE SELEÇÃO AO DOUTORADO 1. INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO 1.1. Para a Área de Irrgação e Drenagem Poderão nscrever-se canddatos formados em Engenhara Agrícola, Agronoma, Meteorologa e demas Engenharas, ou em outras áreas afns a crtéro

Leia mais

GLOSSÁRIO. Data de aniversário é o mesmo dia do início de vigência para todos os meses subsequentes, enquanto o plano estiver em vigor.

GLOSSÁRIO. Data de aniversário é o mesmo dia do início de vigência para todos os meses subsequentes, enquanto o plano estiver em vigor. PLIN EMPRESARIAL Processo SUSEP: 15414.003337/2007-69 Período de Comercialização: 26/10/2007 a 27/02/2009 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título,

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ 1 É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Numa relação expermental os valores de uma das

Leia mais

Curvas Horizontais e Verticais

Curvas Horizontais e Verticais Insttução: Faculdade de Tecnologa e Cêncas Professor: Dego Queroz de Sousa Dscplna: Topografa Curvas Horzontas e ertcas 1. Introdução Exstem dversas ocasões na engenhara em que os projetos são desenvolvs

Leia mais

PROVA 2 Cálculo Numérico. Q1. (2.0) (20 min)

PROVA 2 Cálculo Numérico. Q1. (2.0) (20 min) PROVA Cálculo Numérco Q. (.0) (0 mn) Seja f a função dada pelo gráfco abaxo. Para claro entendmento da fgura, foram marcados todos os pontos que são: () raízes; () pontos crítcos; () pontos de nflexão.

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

Aula Características dos sistemas de medição

Aula Características dos sistemas de medição Aula - Característcas dos sstemas de medção O comportamento funconal de um sstema de medção é descrto pelas suas característcas (parâmetros) operaconas e metrológcas. Aqu é defnda e analsada uma sére destes

Leia mais

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional)

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS A amortização é uma operação financeira mediante a qual um empréstimo ou financiamento é pago de maneira progressiva, por meio de prestações, de modo que ao término

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008

Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008 INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - Portara Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL,

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. vall@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ Em mutas stuações duas ou mas varáves estão relaconadas e surge então a necessdade de determnar a natureza deste relaconamento. A análse

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Swap

Caderno de Fórmulas. Swap Swap Elaboração: Abrl/25 Últma Atualzação: 5/4/216 Apresetação O adero de Fórmulas tem por objetvo oretar os usuáros do Módulo de, a compreesão da metodologa de cálculo e dos crtéros de precsão usados

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Capítulo 2. APROXIMAÇÕES NUMÉRICAS 1D EM MALHAS UNIFORMES

Capítulo 2. APROXIMAÇÕES NUMÉRICAS 1D EM MALHAS UNIFORMES Capítulo. Aproxmações numércas 1D em malhas unformes 9 Capítulo. AROXIMAÇÕS NUMÉRICAS 1D M MALHAS UNIFORMS O prncípo fundamental do método das dferenças fntas (MDF é aproxmar através de expressões algébrcas

Leia mais