Elaboração: Fevereiro/2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elaboração: Fevereiro/2008"

Transcrição

1 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008

2 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras Hpotecáras LH, custodadas nos sstemas da CETIP. A qu são abordados os parâmetros de atualzação do valor nomnal, os juros fxos ou spread e o referencal de juro flutuante, além das formas de amortzação. O valor fnancero de juros passa a ser sempre calculado a partr da multplcação do valor untáro de juros pela quantdade de atvos em custóda de cada partcpante detentor. T odos os valores untáros calculados pelo sstema passam a ter a precsão de 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento. São valores untáros calculados pelo sstema: o valor nomnal atualzado, o valor nomnal remanescente, o valor untáro de juros e o valor untáro da amortzação, dentre outros. Últma atualzação: 21/01/2008 2

3 Parâmetro de Atualzação: TR... 4 a) Perodcdade de Atualzação e de Geração de Eventos... 4 b) Valor Nomnal atualzado... 4 c) Valor Nomnal Atualzado com uso de Pro-Rata... 5 d) Regras para datas-base... 6 Parâmetro de Atualzação: Índces de Preços... 7 a) Perodcdade de Atualzação e de Geração de Eventos... 7 b) Regras para casamento de datas... 7 c) Valor Nomnal Atualzado... 9 d) Valor Fnancero de Resgate Juros Fxos a) Perodcdade de apuração e de Geração do Eventos b) Regras de casamento de datas para fnal do mês c) Valor Untáro de Juros d) Fator de Juros ou de Spread de acordo com crtéro de cálculo e) Valor Fnancero dos Juros Amortzação a) Incdente sobre o valor nomnal de emssão ou após ncorporação, se houver b) Incdente sobre o valor remanescente atualzado c) Valor fnancero da amortzação d) Valor Nomnal Remanescente após cada amortzação Apêndce Quadro Resumo de Característcas e Funconaldades Últma atualzação: 21/01/2008 3

4 Atualzação do Valor Nomnal Parâmetro de Atualzação: TR Taxa Referencal a) Perodcdade de Atualzação e de Geração de Eventos Perodcdade de atualzação: dára. Perodcdade de eventos (juros e amortzações): em número de meses e sempre concdente com a data-base do atvo. A perodcdade dos eventos deve obedecer ao crtéro de multplcdade conforme segue: o período entre data do prmero evento e a data de vencmento deve ser múltplo da perodcdade de pagamento de eventos. A data base é defnda como o da de vencmento em cada mês. b) Valor Nomnal atualzado VNa VNb C,onde: VNa = Valor Nomnal atualzado, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; VNb = Valor Nomnal de emssão ou da data base do mês anteror calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; C = Fator resultante da TR utlzada, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento, apurado da segunte forma: TR C k dup dut, onde: TR k = Taxa Referencal (TR k ) da data de emssão ou da data-base mensal anteror à data de atualzação dvulgada, pelo Banco Central do Brasl; dut = Número total de das útes do período de vgênca da TR k. Últma atualzação: 21/01/2008 4

5 dup = Número de das útes entre a data de emssão ou da data-base mensal anteror e a data de atualzação; Observação: O VNb, Valor Nomnal que servrá de base para a atualzação será sempre o Valor Nomnal do mês anteror, sto é, o fator C é aplcado a cada mês; c) Valor Nomnal Atualzado com uso de Pro-Rata o Quando verfcado descasamento entre a data de emssão e a data do a partr ou entre a data de emssão e a data de vencmento, o valor nomnal (VN) será atualzado na prmera (data base), pro-rata índce entre a data de emssão e o prmero anversáro mensal do atvo. O cálculo da atualzação consderando este prmero período é apurado conforme segue: VNa VNE C, onde: VNa = Valor Nomnal atualzado, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; VNE = Valor Nomnal de emssão nformado com 8 (oto) casas decmas; C TR dup TR0 dut TR0 C = Fator resultante da TR utlzada, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento, apurado da segunte forma: TR 0 = Taxa Referencal da data de emssão dvulgada pelo Banco Central do Brasl. dup TR0 = Número de das útes entre a data de emssão e a data do prmero anversáro mensal (data-base) do atvo. dut TR0 = Número total de das útes para o período de vgênca da TR 0. Últma atualzação: 21/01/2008 5

6 d) Regras para datas-base Se a data-base do atvo for gual a 29, 30 ou 31, então, nos meses que não possuírem a data-base, a atualzação/evento ocorrerá no da 1º do mês segunte. Como mostra a tabela abaxo: Base de atualzação/evento: Datas-base, referencadas na data de vencmento Vencmento Datas-base 1 a 28/ 01, 02, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 1 a 28/ 01, 02, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 29/ 01, 02(bssexto), 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 29/ 01, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 e 29/02, quando bssexto e 01/03 quando não bssexto 30/ 01,3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 30/ 01, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 e 01/3 31/01, 3, 5, 7, 8, 10, 12 31/01, 3, 5, 7, 8, 10, 12 e 01/3, 01/5, 01/7, 01/10, 01/12 Últma atualzação: 21/01/2008 6

7 Parâmetro de Atualzação: Índces de Preços IGP-M, IGP-DI, INPC a) Perodcdade de Atualzação e de Geração de Eventos Perodcdade de atualzação: Mensal. Caso o da da emssão e o da do vencmento, base de atualzação, sejam descasados, o Valor Nomnal (VN) será atualzado no da de seu prmero anversáro mensal (da da data de vencmento no mês), pela varação mensal do índce escolhdo pro-rata, das útes ou corrdos, entre a emssão e seu prmero anversáro mensal. Perodcdade de eventos (juros e amortzações): em número de meses e sempre concdente com a data-base do atvo. A perodcdade dos eventos deve obedecer ao crtéro de multplcdade conforme segue: o período entre data do prmero evento e a data de vencmento deve ser múltplo da perodcdade de pagamento de eventos. b) Regras para casamento de datas Premssas: - Quando os eventos tverem perodcdade defnda em nº de meses (a cada x meses) e - Se o da da data a partr da qual serão pagos os eventos e o da da data de vencmento forem guas a 28, 29, 30 ou 31, então, o da em que a atualzação do valor nomnal e que os eventos serão gerados obedecerá as regras descrtas na tabela abaxo. Para alguns vencmentos o da da atualzação deverá ser escolhdo. Para essas premssas, a data de emssão será consderada casada com a prmera data de anversáro mensal, ou seja, sem necessdade de cálculo prorata do índce, na combnação dos campos 1º anversáro e do campo Emssão casada (cálculo sem pro-rata) da tabela abaxo. Últma atualzação: 21/01/2008 7

8 Regras de escolha do da de atualzação e de casamento de datas vencmento nos das 28, e 31 Vencmento Da de atualzação Combo de escolha 28/02 28,29,30, Últmo UDM Datas a partr acetas quando exgdo casamento de datas 1º anversáro Emssão casada (cálculo sem pro-rata) Se Se e aceta 28/02 29 ou 28/02 29 ou 28/02 em ano não bssexto 29 Se e aceta 28/02 ou 29/02 em ano bssexto 30 ou 28/02 ou 29/02 30 ou 28/02 ou 29/02 30 Se UDM Qualquer Últmo Da do Mês UDM UDM 29/02 29,30, UDM Se e aceta 28/02 29 ou 28/02 29 ou 28/02 em ano não bssexto 29 Se e aceta 28/02 ou 29/02 em ano bssexto 30 ou 28/02 ou 29/02 30 ou 28/02 ou 29/02 30 Se UDM Qualquer Últmo Da do Mês UDM UDM 30/4,6,9,11 30, UDM Se e aceta 28/02 ou 29/02 em ano bssexto ou 28/02 ou 29/02 ou 28/02 ou 29/02 30 Se UDM Qualquer Últmo Da do Mês UDM UDM 31/01,3,5,7,8,10,12 UDM (mandatóra) Qualquer Últmo Da do Mês UDM UDM 28/02 em ano bssexto 28 (mandatóra) /4,6,9,11 28 (mandatóra) /4,6,9,11 29 (mandatóra) 29 e aceta 28/02 quando ano não bssexto 29 ou 28/02 29 ou 28/02 em ano não bssexto 29 28/01,3,5,7,8,10,12 28 (mandatóra) /01,3,5,7,8,10,12 29 (mandatóra) 29 e aceta 28/02 quando ano não bssexto 29 ou 28/02 29 ou 28/02 em ano não bssexto 29 30/01,3,5,7,8,10,12 30 (mandatóra) 30 e aceta 28/02 ou 29/02 em ano bssexto 30 ou 28/02 ou 29/02 30 ou 28/02 ou 29/02 30 Nota: UDM Últmo Da do Mês Últma atualzação: 21/01/2008 8

9 c) Valor Nomnal Atualzado VNa VNb C, onde: VNa = Valor Nomnal atualzado, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; VNb= Valor Nomnal de emssão, ou após ncorporação de juros, ou amortzação, se houver, o que ocorrer por últmo, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento. C = Fator acumulado da varação do índce utlzado, IGP-M, IGP-DI e INPC calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento, apurado da segunte forma: Quando verfcado descasamento entre a data de emssão e a data de vencmento, o valor nomnal (VN) será atualzado no prmero anversáro mensal pela varação mensal do índce escolhdo, pro-rata da útl ou corrdo, entre a data de emssão e o prmero anversáro mensal do atvo. Segue abaxo as fórmulas aplcadas ao cálculo do valor de C para quando o atvo for de datas casadas e de datas descasadas: Expressão de C para data de emssão casada com a data de vencmento C n, onde: 0 n = Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de atualzação. 0 = Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de emssão, de ncorporação de juros ou da últma amortzação, se houver. Expressão de C para data de emssão descasada com a data de vencmento: Últma atualzação: 21/01/2008 9

10 C m1 m0 d ( c / u) p prorata d ( c / u) t prorata mn m1, onde: C = Fator calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; d ( c / u) d ( c / u) m1 m0 arredondamento; p prorata t prorata Expressão calculada com 8 (oto) casas decmas, sem d ( c / u) p pro rata d ( c / u) t prorata arredondamento; Expressão calculada com 9 (nove) casas decmas, sem mn m1 Expressão calculada com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; m1 = Número Índce referente ao mês 1; - mês 1 é gual ao mês de emssão quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no mês segunte ao mês de emssão - mês 1 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão quando o prmero anversáro mensal ocorre no própro mês de emssão. m0 = Número Índce referente ao mês 0; - mês 0 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no mês segunte ao mês de emssão; - mês 0 é gual ao segundo mês anteror ao mês de emssão quando o prmero anversáro mensal ocorre no própro mês de emssão Últma atualzação: 21/01/

11 mn = Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de atualzação, pagamento ou vencmento; d(c/u)p pro-rata = Número de das corrdos ou útes entre a data de emssão e a data de anversáro medatamente posteror; d(c/u)t pro-rata = Número de das corrdos ou útes entre a data de anversáro medatamente anteror à data de emssão e a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão. Tpo de correção Correção Defasada O IGP-M, ndexador cujos números índces (e suas varações) são dvulgados no própro mês a que se referem, está dsponível para corrgr valores (nomnas) no da prmero do mês segunte em dante (dvulgação antecpada). Já os demas índces acatados (IGP-DI, INPC, e suas varações) são dvulgados em torno do da 10 (+ ou 4) do mês segunte ao que se referem (dvulgação postecpada). Para estes índces a dvulgação do número índce do mês medatamente anteror às datas de referênca para atualzação, pode ocorrer até o da 14 do mês de atualzação. Com razoável segurança estão dsponíves para corrgr valores (nomnas) a partr do da 15 do mês em dante. Por conseqüênca, quando a LH tver prevsão de correção pelos índces de preços: IGP-DI e INPC e tver data de atualzação e/ou pagamento peródco de eventos em da menor que o da 15 do mês, sua correção será efetuada utlzando-se, como base, o número índce do segundo mês anteror ao mês de emssão, de ncorporação de juros ou de amortzação, se houver. VNa VNb C defasado, onde: VNa e VNb são varáves anterormente defndas para os dos tpos de perodcdades de atualzação (mensal); Últma atualzação: 21/01/

12 C defasado = Fator acumulado da varação do índce de preços IGP-DI ou INPC calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento, apurado conforme segue: Quando verfcado descasamento entre a data de emssão e a data de vencmento, o valor nomnal (VN) será atualzado no prmero anversáro mensal pela varação mensal do índce escolhdo, pro-rata da útl ou corrdo, entre a data de emssão e o prmero anversáro mensal do atvo. Segue abaxo as fórmulas aplcadas ao cálculo do valor de C defasado para quando o atvo for de datas casadas e de datas descasadas: Expressão de C defasado para data de emssão casada com a data de vencmento n Cdefasado, onde: 0 n= Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de atualzação. 0 = Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de emssão, de ncorporação de juros ou da últma amortzação, se houver. Expressão de C defasado para data de emssão descasada com a data de vencmento: C defasado com pro-rata das corrdos: C defasado m1 m0 dcppro rata dctprorata mn m1, onde: Últma atualzação: 21/01/

13 m1 m0 dcppro rata dctprorata arredondamento; Expressão calculada com 8 (oto) casas decmas, sem mn m1 Expressão calculada com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; dcp dct prorata prorata Expressão calculada com 9 (oto) casas decmas, sem arredondamento; m1 = Número Índce referente ao mês 1; Quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre: no mês segunte ao mês de emssão: o mês 1 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão. no própro mês de emssão: o mês 1 é gual ao segundo mês anteror ao mês de emssão. m0 = Número Índce referente ao mês 0; Quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre: no mês segunte ao mês de emssão: o mês 0 é gual ao segundo mês medatamente anteror ao mês de emssão. no própro mês de emssão: o mês 0 é gual ao tercero mês anteror ao mês de emssão. mn = Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de atualzação, pagamento ou vencmento; dcp pro-rata e dct pro-rata são varáves anterormente defndas. Últma atualzação: 21/01/

14 C defasado com pro-rata das útes: C defasado m1 m0 dupprorata dutprorata mn m1, onde: m1 m0 dupprorata dutprorata arredondamento; = Expressão calculada com 8 (oto) casas decmas, sem mn m1 arredondamento; = Expressão calculada com 8 (oto) casas decmas, sem dup dut prorata prorata Expressão calculada com 9 (oto) casas decmas, sem arredondamento; m1 = Número Índce referente ao mês 1; Quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre: no mês segunte ao mês de emssão: o mês 1 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão. no própro mês de emssão: o mês 1 é gual ao segundo mês anteror ao mês de emssão. m0 = Número Índce referente ao mês 0; Quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre: Últma atualzação: 21/01/

15 no mês segunte ao mês de emssão: o mês 0 é gual ao segundo mês medatamente anteror ao mês de emssão. no própro mês de emssão: o mês 0 é gual ao tercero mês anteror ao mês de emssão. mn = Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de atualzação, pagamento ou vencmento; dup pro-rata e dut pro-rata = são varáves anterormente defndas; Observação: São mantdos os crtéros de precsão de cada uma das expressões que compõem a equação do C Defasado. d) Valor Fnancero de Resgate VR VF VNa Q, onde: VR VF = Valor Fnancero de Resgate calculado com 2 (duas) casas decmas, sem arredondamento. VNa = Valor Nomnal atualzado, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento. Q = Quantdade de atvos em posção de custóda do partcpante. Últma atualzação: 21/01/

16 Juros Fxos Refere-se à taxa de juros fxos que representa a parcela de juros fxa de um atvo pósfxado.. A taxa é nformada com 4 (quatro) casas decmas. a) Perodcdade de apuração e de Geração do Eventos Perodcdade de atualzação: Dára, por das útes ou corrdos. Quando juro fxo em atvo corrgdo mensalmente por índce de preços a perodcdade de apuração também é dára. Perodcdade da geração do evento de Juros: A perodcdade dos eventos devem ser em Nº de meses e obedecer ao crtéro de multplcdade conforme segue: o período entre data do prmero evento e a data de vencmento deve ser múltplo da perodcdade de pagamento de eventos. b) Regras de casamento de datas para fnal do mês Premssas: - Quando os eventos tverem perodcdade defnda em nº de meses (a cada x meses) e - Se o da da data a partr da qual serão pagos os eventos e o da da data de vencmento forem guas a 28, 29, 30 ou 31, então, o da em que a atualzação do valor nomnal e que os eventos serão gerados obedecerá as regras descrtas na tabela abaxo. Em alguns casos o da da atualzação deverá ser escolhdo. - Para estes casos, a data de emssão será consderada casada com a prmera data de anversáro mensal, ou seja, sem necessdade de cálculo pro-rata, nas datas do campo Emssão casada (cálculo sem pro-rata) da tabela abaxo. Últma atualzação: 21/01/

17 Não Fnal de mês Fnal de mês Caderno de Fórmulas Juros Regras de escolha do da de atualzação e de casamento de datas vencmento nos das 28, e 31 À partr Da do evento Combo de escolha Da escolhdo 1º anversáro Emssão casada (cálculo sem pro-rata) 28/02 28,29,30, UDM 29 e aceta 28/ ou 28/02 em ano não bssexto ou 28/ e aceta 28/02 em ano ou 28/02 ou 29/02 não bssexto ou 29/02 ou 28/02 ou 29/02 30 UDM UDM UDM 29/02 29,30, UDM e aceta 28/02 29 e aceta 28/ ou 28/02 em ano não bssexto ou 28/ e aceta 28/02 em ano ou 28/02 ou 29/02 não bssexto ou 29/02 ou 28/02 ou 29/02 30 UDM UDM UDM 30/4,6,9,11 30, UDM 30 e aceta 28/02 em ano não bssexto ou 29/02 31/01,3,5,7,8,10,12 UDM (mandatóra) UDM UDM 30 ou 28/02 ou 29/02 UDM UDM 30 ou 28/02 ou 29/02 30 UDM 28/02 em ano bssexto 28 (mandatóra) /4,6,9,11 28 (mandatóra) /4,6,9,11 29 (mandatóra) 29 e aceta 28/ ou 28/02 em ano não bssexto ou 28/ /01,3,5,7,8,10,12 28 (mandatóra) /01,3,5,7,8,10,12 29 (mandatóra) 29 e aceta 28/02 29 ou 28/02 30/01,3,5,7,8,10,12 30 (mandatóra) 30 e aceta 28/02 em ano 30 não bssexto ou 29/02 ou 28/02 ou 29/02 Nota: UDM Últmo Da do Mês UDM 29 ou 28/02 em ano não bssexto ou 28/02 ou 29/ Últma atualzação: 21/01/2008

18

19 c) Valor Untáro de Juros J VNa Fator de Juros 1, onde: J = Valor untáro dos juros acumulados no período, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; VNa = Valor Nomnal atualzado, se for o caso, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; Fator de Juros = Fator de juros fxos, calculado com 9 (nove) casas decmas, com arredondamento. d) Fator de Juros ou de Spread de acordo com crtéro de cálculo 252 número de das útes 252 número de das útes entre a data de níco ou do últmo pagamento e o próxmo Fator dejuros dut 252 dup dut, onde: = Taxa de juros expressa em 252 das útes, nformada com 4 (quatro) casas decmas; dut = Número de das útes exstente no número de meses nformado. Para atvo de renda fnal: o número de das útes exstente no prazo total do atvo. Para atvo com pagamento peródco de juros: o entre a data de emssão e o prmero pagamento de juros; o ou entre a data de emssão e a data de ncorporação, se houver; o ou entre a data de ncorporação, se houver, e o prmero pagamento de juros; o ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento de juros; Últma atualzação: 21/01/

20 dup = Número de das útes. entre a data de emssão e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre a data de ncorporação, se houver, e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, próxmo pagamento ou data de vencmento; 252 Número de meses 252 Número de meses entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo x 21 a) Para atvos com datas casadas: Atvos em que a data de emssão concde com a data de anversáro mensal, entendda como o da da data de vencmento em cada mês. Fator dejuros N º Meses dup dut, onde: = Taxa de juros expressa em 252 das útes, nformada com 4 (quatro) casas decmas; nº de meses = Número de meses nteros entre: a data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre a data de emssão e a data o prmero pagamento de juros; ou entre a data de emssão e a data de vencmento, se renda fnal; ou entre a data da ncorporação, se houver, e o prmero pagamento de juros; ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento de juros; dut = Número de das útes exstente no número de meses nformado: Para atvo de renda fnal: o número de das útes exstente no número de meses total do atvo. Últma atualzação: 21/01/

21 Para atvo com pagamento peródco de juros: o entre a data de emssão e o prmero pagamento de juros; o ou entre a data de emssão e a data de ncorporação, se houver; o ou entre a data de ncorporação, se houver, e o prmero pagamento de juros; o ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento de juros; dup = Número de das útes. entre a data de emssão e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre a data de ncorporação, se houver, e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, próxmo pagamento ou data de vencmento; b) Para atvos com datas descasadas Atvos em que a data de emssão não concde com a data de anversáro mensal, entendda como o da da data de vencmento em cada mês. Fator de Juros dupprorata dutprorata nº mese dup dut, onde: = Taxa de juros expressa em 252 das útes, nformada com 4 (quatro) casas decmas; dup pro-rata = Número de das útes entre a data de emssão e a data de atualzação ou anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão; dut pro-rata = Número de das útes entre a data de anversáro mensal medatamente anteror à data de emssão e a data de anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão; Últma atualzação: 21/01/

22 nº de meses = Número de meses ntero entre: a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão e a data o prmero pagamento de juros; ou entre a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão e a data de vencmento, se renda fnal; ou entre o últmo e o próxmo pagamento de juros ou vencmento; dup = Número de das útes: entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data de atualzação; ou entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data do prmero pagamento posteror ao prmero anversáro mensal; ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, até o próxmo pagamento. dut = Número de das útes: entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data do prmero pagamento posteror ao prmero anversáro mensal; ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento. Observação: Até o prmero anversáro mensal do atvo que tenha datas descasadas a fórmula do fator de juros ou spread se compõe apenas da prmera expressão: Fator de Juros dup dut prorata prorata Últma atualzação: 21/01/

23 Após o prmero evento de juros, seja de ncorporação ou de pagamento peródco, a fórmula do fator de juros volta a conter apenas uma expressão: Fator de Juros conforme defndo acma. N º meses dup dut 360 Número de das corrdos entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo ou 365 Número de das corrdos entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo Fator de Juros dct 360ou365 dcp dct, onde: = Taxa de juros expressa em 360 ou 365 das corrdos, nformada com 4 (quatro) casas decmas; dct = Número de das corrdos exstente no número de meses nformado: Para atvo de renda fnal: o número de das corrdos exstente no prazo total do atvo. Para atvo com pagamento peródco de juros: o entre a data de emssão e o prmero pagamento de juros; o ou entre a data de emssão e a data de ncorporação, se houver; o ou entre a data de ncorporação, se houver, e o prmero pagamento de juros; o ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento de juros; dcp = Número de das corrdos: entre a data de emssão e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre a data de ncorporação, se houver, e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; Últma atualzação: 21/01/

24 ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, próxmo pagamento ou data de vencmento; 360 Número de meses entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo x 30 ou 365 Número de meses entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo x 30 a) Para atvos com datas casadas: Atvos em que a data de emssão concde com a data de anversáro mensal, entendda como o da da data de vencmento em cada mês. Fator de Juros nº mese ou 365 dcp dct, onde: = Taxa de juros expressa em 360 ou 365 das corrdos, nformada com 4 (quatro) casas decmas; nº de meses = Número de meses ntero entre: a data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre a data de emssão e a data o prmero pagamento de juros; ou entre a data de emssão e a data de vencmento, se renda fnal; ou entre a data da ncorporação, se houver, e o prmero pagamento de juros; ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento de juros; dct = Número de das corrdos exstente no número de meses nformado: Para atvo de renda fnal: o número de das corrdos exstente no número de meses total do atvo. Para atvo com pagamento peródco de juros: o entre a data de emssão e o prmero pagamento de juros; Últma atualzação: 21/01/

25 o o o ou entre a data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre a data de ncorporação, se houver, e o prmero pagamento de juros; ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento de juros; dcp = Número de das corrdos. entre a data de emssão e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre a data de ncorporação, se houver, e a data de atualzação, prmero pagamento ou data de vencmento; ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, próxmo pagamento ou data de vencmento; b) Para atvos com datas descasadas: Atvos em que a data de emssão não concde com a data de anversáro mensal, entendda como o da da data de vencmento em cada mês. Fator de Juros ou 365 dcppro rata dctprorata nº mese ou 365 dcp dct onde: = Taxa de juros expressa em 360 ou 365 das corrdos, nformada com 4 (quatro) casas decmas; dcp pro-rata = Número de das corrdos entre a data de emssão e a data de atualzação ou anversáro mensal medatamente posteror; dct pro-rata = Número de das corrdos entre a data de anversáro mensal medatamente anteror à data de emssão e a data de anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão; nº de meses = Número de meses ntero entre: a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão e a data de ncorporação, se houver; Últma atualzação: 21/01/

26 ou entre a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão e a data o prmero pagamento de juros; ou entre a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão e a data de vencmento, se renda fnal; Após o prmero pagamento de juros peródcos, se houver, é o número de meses entre o últmo e o próxmo pagamento de juros ou vencmento; dcp = Número de das corrdos: entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data de atualzação; entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data do prmero pagamento posteror ao prmero anversáro mensal; ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, até o próxmo pagamento. dct = Número de das corrdos: entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data de ncorporação, se houver; ou entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão e a data do prmero pagamento posteror ao prmero anversáro mensal; ou entre o últmo pagamento de juros e o próxmo pagamento. Observações: Até o prmero anversáro mensal do atvo com datas descasadas a fórmula do fator de juros se compõe apenas da prmera expressão Fator de Juros ou 365 dcp dct prorata prorata Após o prmero evento de juros, seja de ncorporação ou de pagamento peródco, a fórmula do fator de juros volta a conter apenas uma expressão: Últma atualzação: 21/01/

27 Fator de Juros conforme defndo anterormente. N º de meses ou 365 dcp dct Crtéros de Precsão é nformado com 4 (quatro) decmas e a expressão é consderada com 6 (ses) decmas (nove) casas decmas, sem ou ou 360 arredondamento dut 100 dup 1 pro rata pro rata ou ou dcp dct 100 pro rata pro rata ou365 9 (nove) casas decmas, com arredondamento 9 (nove) casas decmas, sem arredondamento 100 dup prorata 21 dutprorata ou nº demeses 21 ou dup dcp ou dut dct nº demeses nº demeses nº de meses x ou 360 ou dup dut ou ou360 dcp dct nº demesesx ou360 1 prorata prorata nº demesesx ou360 dcp dct 9 (nove) casas decmas, com arredondamento 9 (nove) casas decmas, sem arredondamento 9 (nove) casas decmas, com arredondamento 9 (nove) casas decmas, sem arredondamento 9 (nove) casas decmas, com arredondamento Últma atualzação: 21/01/

28 dupprorata dutprorata nº demeses dup dut ou 9 (nove) casas decmas, com arredondamento ou360 dcppro rata dctprorata nº demesesx ou360 dcp dct e) Valor Fnancero dos Juros J VF J Q, onde: J VF = Valor fnancero dos juros calculado com 2 (duas) casas decmas, sem arredondamento; J = Valor untáro de juros apurado com 8 (oto) casas decmas sem arredondamento; Q = Quantdade do atvo em custóda do partcpante. Últma atualzação: 21/01/

29 Amortzação Exstem duas formas dstntas de aplcação dos percentuas de amortzação: ou ncdem sobre o Valor Remanescente atualzado; ou ncdem sobre o Valor Nomnal de emssão ou após ncorporação, e a parcela amortzada é corrgda até a data de pagamento. As fórmulas, a segur, são defndas de acordo com a ncdênca dos Percentuas de Amortzação. Tpos Base de Incdênca Taxa (Ta) Período Defnção VNE FIX/UF VNe Fxo Unforme VNE VAR/UF VNe Varável Unforme VNA VAR/UF VNa Varável Unforme Amortzação com percentual fxo sobre o valor nomnal de emssão ou após ncorporação, em períodos unformes. Amortzação com percentual varável sobre o valor nomnal de emssão ou após ncorporação, em períodos unformes. Amortzação com percentual varável sobre o valor remanescente atualzado, em períodos unformes. Atvos ndexados à Índce de Preços devem ter suas datas de amortzações concdentes com suas datas de anversáro mensal e atvos ndexados à TR devem ter suas datas de amortzações concdente com suas datas-base. a) Incdente sobre o valor nomnal de emssão ou após ncorporação, se houver. Valor untáro da amortzação AM Ta VNe C 100, onde: AM = Valor untáro da -ésma parcela de amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; VNe = Valor nomnal de emssão ou após ncorporação de juros, se houver, consderado com 8 (oto) casas decmas; Últma atualzação: 21/01/

30 Ta = -ésma taxa de amortzação nformada com 4 (quatro) casas decmas. Para as taxas de amortzação fxas Ta = Ta que é a taxa de amortzação únca nformada para todas as amortzações. C = Fator de atualzação da -ésma parcela de amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento, computado desde a data de emssão ou ncorporação de juros, se houver, até a data de pagamento. b) Incdente sobre o valor remanescente atualzado. Valor untáro da amortzação Ta AM VNa, onde: 100 AM = Valor untáro da -ésma parcela de amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; VNa = Saldo do valor nomnal atualzado consderado com 8 (oto) casas decmas; Ta = -ésma taxa de amortzação nformada com 4 (quatro) casas decmas. Para as taxas de amortzação fxas Ta = Ta que é a taxa de amortzação únca nformada para todas as amortzações. c) Valor fnancero da amortzação AM VF AM Q AM VF = Valor Fnancero da amortzação, calculado com 2 (duas) casas decmas, sem arredondamento; AM = Valor untáro da -ésma parcela de amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; Últma atualzação: 21/01/

31 Q = Quantdade de atvos em custóda do partcpante; d) Valor Nomnal Remanescente após cada amortzação VN VNa R AM, onde: VN R = Valor Remanescente após a -ésma amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento. VNa = Saldo de Valor Nomnal atualzado, se houver, antes do pagamento da -ésma amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento; AM = Valor untáro da -ésma parcela de amortzação, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento. Observações: Após o pagamento da -ésma parcela de amortzação VN R assume o lugar de VNb (Valor Nomnal base) para efeto de atualzação. Últma atualzação: 21/01/

32 Apêndce Quadro Resumo de Característcas e Funconaldades Tpo de Remuneração Prazo Mínmo Atualzação Juros TR, IGP-M, IGP-DI, INPC em Índce de Preços 60 meses em TR 180 das - IGPM, IGPDI, INPC, mensal nas datas de anversáro com uso prorata da varação ncal, se couber - TR, nas datas base com uso prorata se houver Formas de pagamento juros e prncpal no vencmento; peródco de juros e prncpal no vencmento; juros e amortzação peródcos; amortzação peródca e juros no vencmento; prncpal no vencmento sem taxa de juros; amortzação sem taxa de juros; Incorporação um período antes do 1 evento de pagamento Expressão da taxa 360 Nº meses x 30, 360 Nº de das 365 Nº meses x 30, 365 Nº de das 252 Nº meses x 21, 252 Nº de das Amortzação Perodcdade de eventos em Nº de meses obedecendo o crtéro de multplcdade entre o a partr e o vencmento Tpos % fxo, Per Unforme VNE, % Var, Per Unforme VNE % Var, Per Unforme VNR Perodocdade dos eventos em Nº de meses obedecendo o crtéro de multplcdade entre o a partr e o vencmento Obs: Os eventos de Juros e Amortzações não precsam ser casados, sto é, ocorrerem nas mesmas datas. Últma atualzação: 21/01/

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21 Notas Comercas Cetp21 Últma Atualzação: 22/12/2015 E ste Caderno tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos de valorzação de Notas Comercas. É acatado regstro

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR

Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Caderno de Fórmulas Títulos do Agronegóco - Cetp21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Últma Atualzação: 15/08/2016 Caderno de Fórmulas CDCA CPR CRA - CRH CRP CRPH LCA NCR E ste Caderno de Fórmulas

Leia mais

Caderno de Fórmulas. CCB, CCE e NCE - Cetip21

Caderno de Fórmulas. CCB, CCE e NCE - Cetip21 - Cetp21 Elaboração: Novembro/2005 Últma Atualzação: 27/05/2016 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às

Leia mais

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1 Última atualização:30/09/2015 1 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetivo informar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos aplicados aos ativos: Certificado de Depósito Bancário

Leia mais

2012. Banco do Brasil S.A. 3 a Edição

2012. Banco do Brasil S.A. 3 a Edição MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Agosto/2012 2012. Banco do Brasl S.A. 3 a Edção INTRODUÇÃO... 6 I. PRINCÍPIOS GERAIS DA MARCAÇÃO A MERCADO 6 II. OCORRÊNCIA DE RISCO SISTÊMICO E DE MERCADO 7 III. ESTRUTURAS

Leia mais

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N.º 273. Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronização de Taxas

CARTA-CIRCULAR N.º 273. Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronização de Taxas CARTA-CIRCULAR N.º 273 Aos Partcpantes de Todos os Sstemas Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronzação de Taxas A Central de Custóda e de Lqudação Fnancera de Títulos - CETIP comunca que a partr

Leia mais

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito.

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito. Matemátca Fnancera Rendas Certas Prof. Benjamn Cesar Sére de Pagamentos Unforme e Peródca. Rendas Certas Anudades. É uma sequênca de n pagamentos de mesmo valor P, espaçados de um mesmo ntervalo de tempo

Leia mais

COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT

COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT COMUNICADO SNA N.º 010/00 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos - SNA Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT A Central

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas Análse de Projectos ESAPL / IPVC Taxas Equvalentes Rendas Taxas Equvalentes Duas taxas e, referentes a períodos dferentes, dzem-se equvalentes se, aplcadas a um mesmo captal, produzrem durante o mesmo

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. LISTA DE SIGLAS E SÍMBOLOS... 2 3. Bônus do Tesouro Nacional BTN... 4 4. Letras Financeiras do Tesouro LFT... 7 4.1 Letras Financeiras do Tesouro Série A LFT-A... 9 4.2

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

COMUNICADO SNA Nº 011/01. Ref.: Trata da aceitação de registro de duas novas séries de Certificados do Tesouro Nacional CFT.

COMUNICADO SNA Nº 011/01. Ref.: Trata da aceitação de registro de duas novas séries de Certificados do Tesouro Nacional CFT. COMUNICADO SNA Nº 011/01 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos SNA Ref.: Trata da aceitação de registro de duas novas séries de Certificados do Tesouro Nacional CFT. A Central de Custódia e de

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

Manual de Precificação

Manual de Precificação Manual de Precfcação Custóda Qualfcada Revsão: Mao de 200 Págna /80 Objetvos Introdução O objetvo deste manual é a descrção da estrutura, prncípos e crtéros dos servços de marcação a mercado prestados

Leia mais

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa.

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa. Custo e Captal 1 Custo e Captal Seguno Gtman (2010, p. 432) o custo e Captal é a taxa e retorno que uma empresa precsa obter sobre seus nvestmentos para manter o valor a ação nalterao. Ele também poe ser

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA Concetos Báscos e Smbologa HP-12C Prof. Antono Sérgo A. do Nascmento asergo@lve.estaco.br GST0045 Matemátca Fnancera 2 Valor do dnhero no tempo q O dnhero cresce no tempo

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Estatística Experimental Medicina Veterinária. Faculadade de Ciências Agrárias e Veterinárias. Campus de Jaboticabal SP. Gener Tadeu Pereira

Estatística Experimental Medicina Veterinária. Faculadade de Ciências Agrárias e Veterinárias. Campus de Jaboticabal SP. Gener Tadeu Pereira MATERIAL DIDÁTICO Medcna Veternára Faculadade de Cêncas Agráras e Veternáras Campus de Jabotcabal SP Gener Tadeu Perera º SEMESTRE DE 04 ÍNDICE INTRODUÇÃO AO R AULA ESTATÍSTICA DESCRITIVA 3 º EXERCÍCIO

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

Capitulo 8 Resolução de Exercícios

Capitulo 8 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Peródcas, Crescetes e Postecpadas, com Termos em P. A. G 1 1 1 1 G SPAC R R s s 1 1 1 1 1 G G C R a R a 1 1 PAC Audades Gradetes Postecpadas S GP G 1 1 ; C GP G 1 1 1 Audades Gradetes

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos 8 Indcadores de desempenho na cadea de suprmentos 8.1 O desafo da mensuração O estabelecmento de ndcadores de desempenho do supply chan management está sueto à estrutura da cadea, seus elos e partcpantes

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL RISCO DE TAXA DE JUROS 1. Introdução O rsco de taxas de juros é a exposção da condção fnancera de um

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA JOSÉ RAFAEL PEREIRA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA JOSÉ RAFAEL PEREIRA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LERAS DE RIBEIRÃO PREO DEPARAMENO DE FÍSICA E MAEMÁICA JOSÉ RAFAEL PEREIRA INERAÇÃO DE ESRAÉGIAS EM UM MERCADO DE OPÇÕES EUROPÉIAS: UMA ABORDAGEM

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO E O SISTEMA OU MÉTODO DE GAUSS.

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO E O SISTEMA OU MÉTODO DE GAUSS. SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO E O SISTEMA OU MÉTODO DE GAUSS. Antono erera da Slva Lcencado em Cêncas Econômcas erto Judcal O Sr. aulo Luz Durgan, Admnstrador do ste A RIORI, dsponblzou o artgo:- SFH, Sstema

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Análise multivariada do risco sistemático dos principais mercados de ações da América Latina: um enfoque Bayesiano

Análise multivariada do risco sistemático dos principais mercados de ações da América Latina: um enfoque Bayesiano XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasl, 9 a 11 de Outubro de 006 Análse multvarada do rsco sstemátco dos prncpas mercados de ações da Amérca Latna: um enfoque Bayesano André Asss de Salles (UFRJ) asalles@nd.ufrj.br

Leia mais

4. VARIÁVEIS COMPOSTAS

4. VARIÁVEIS COMPOSTAS 4. VARIÁVEIS COMPOSTAS Até o momento, vmos apenas varáves que são utlzadas para o armazenamento de dados smples. Entretanto, as varáves podem ser compostas, formadas por uma ou mas posções (campos ou entradas),

Leia mais

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira Índce de Oportundades da Educação Braslera Centro de Lderança Públca - CLP Produto 2 METAS 13 de agosto de 2015 Sumáro Sumáro... 2 1. Introdução... 4 O Sstema de Educação Básca no Brasl... 4 2. Especfcação

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas Manual de Precificação de Ativos Fundos de Investimento e Carteiras Administradas Janeiro de 2009 ÍNDICE Introdução 03 Títulos Públicos Federais 05 Pós fixados LFT 06 Pré fixados LTN 07 NTN-B Indexador

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Fnancera 007. Prof.: Luz Gonzaga Damasceno E-mals: amasceno04@yahoo.com.br amasceno@nterjato.com.br amasceno@hotmal.com 5. Taxa Over mensal equvalente. Para etermnar a rentablae por a útl one

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) IPECE ota Técnca GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) ISTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECOÔMICA DO CEARÁ (IPECE) OTA TÉCICA º 33 METODOLOGIA DE CÁLCULO DA OVA LEI DO ICMS

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA Vtor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconoma I Ano lectvo 2008/09 Uma pequena economa aberta é uma economa para a qual o mercado externo, tanto a nível

Leia mais

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G.

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Rotação Nota Alguns sldes, fguras e exercícos pertencem às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos da Físca. V 1. 4a.Edção. Ed. Lvro Técnco Centífco S.A. 00; TIPLER, P. A.;

Leia mais

UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE

UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE Unversdade Estadual de Campnas Insttuto de Matemátca, Estatístca e Computação Centífca Departamento de Matemátca Aplcada DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

UM ALGORITMO EXATO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE

UM ALGORITMO EXATO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE UM ALGORITMO EXATO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE Dssertação de mestrado em matemátca aplcada fnancada pelo CNPq IMECC - UNICAMP Pedro Ferraz Vllela Prof.

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE a 2 edção Presdente da Repúblca Luz Ináco Lula da Slva Mnstro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Slva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presdente Eduardo Perera Nunes

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DANIEL JOSÉ DE ALCANTARA COSTA APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA ANÁLISE ECONÔMICA FINANCEIRA DE INVESTIMENTOS EM UMA CAFETERIA

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Swap

Caderno de Fórmulas. Swap Swap Elaboração: Abrl/25 Últma Atualzação: 5/4/216 Apresetação O adero de Fórmulas tem por objetvo oretar os usuáros do Módulo de, a compreesão da metodologa de cálculo e dos crtéros de precsão usados

Leia mais

Eletromagnetismo Indutores e Indutância

Eletromagnetismo Indutores e Indutância Eletromagnetsmo Indutores e Indutânca Eletromagnetsmo» Indutores e Indutânca Introdução Indutores são elementos muto útes, pos com eles podemos armazenar energa de natureza magnétca em um crcuto elétrco.

Leia mais

Manual do Simulador Empresarial Tangram

Manual do Simulador Empresarial Tangram Manual do Smulador Empresaral Tangram 2008 Sumáro 1 APRESENTA ÇÃO... 5 1.1 DA TANGRAM SISTEMAS EMPRESARIAIS... 5 1.2 DO PROCESSO... 5 2 LABORA TÓRIO DE GESTÃO EMPRESARIAL... 7 2.1 INTRODUÇÃO... 7 2.2 LEITURA

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV)

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV) Prncpo do Trabalho rtual (PT)..Contnuo com mcroestrutura Na teora que leva em consderação a mcroestrutura do materal, cada partícula anda é representada por um ponto P, conforme Fgura. Porém suas propredades

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21 Última Atualização: 01/04/2016 E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados Para Debêtures o Cetip21. São aqui apresetadas fórmulas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO

DOCUMENTO INFORMATIVO DOCUMENTO INFORMATIVO 5YR AUTOCALLABLE GAZPROM, NOKIA, DU PONT a emtr pelo Esprto Santo Investment p.l.c. ao abrgo do seu 2,500,000,000 Euro Medum Term Note Programme ISIN : XS0453041674 PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Método de Monte Carlo Aplicado às Finanças 1. Introdução 2. O Método de Monte Carlo 3. Inversão da Função de Distribuição 4. Algumas Aplicações 5.

Método de Monte Carlo Aplicado às Finanças 1. Introdução 2. O Método de Monte Carlo 3. Inversão da Função de Distribuição 4. Algumas Aplicações 5. Método de Monte Carlo Aplcado às Fnanças 1. Introdução. O Método de Monte Carlo 3. Inversão da Função de Dstrbução 4. Algumas Aplcações 5. Prncípos Báscos do Método de Monte Carlo 5.1 Introdução 5. Formulação

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 e Controle de Estoques PUC CAMPINAS Prof. Dr. Marcos Georges Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 Fornecmento de produtos e servços Recursos da operação Planejamento e Controle de Estoque Compensação

Leia mais

ANEXO V REMUNERAÇÃO DE INSTALAÇÕES AUTORIZADAS NA REDE BÁSICA E DEMAIS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO ANEXO DA NOTA TÉCNICA Nº 068/2006-SRT/ANEEL

ANEXO V REMUNERAÇÃO DE INSTALAÇÕES AUTORIZADAS NA REDE BÁSICA E DEMAIS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO ANEXO DA NOTA TÉCNICA Nº 068/2006-SRT/ANEEL ANEXO V Nota Técnca nº 065/2006-SRT/ANEEL Brasíla, 18 de Abrl de 2006 REMUNERAÇÃO DE INSTALAÇÕES AUTORIZADAS NA REDE BÁSICA E DEMAIS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO ANEXO DA NOTA TÉCNICA Nº 068/2006-SRT/ANEEL

Leia mais

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica NODAL Versão 3.0 Programa de Smulação de Tarfas de Uso do Sstema Elétrco MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agênca Naconal de Energa Elétrca ÍNDICE. INTRODUÇÃO...-.. CONSIDERAÇÕES...-.2. FUNÇÃO DO PROGRAMA...-2.3.

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Interação de Estratégias em um Mercado de Opções Européias: uma Abordagem de Jogos Evolucionários

Interação de Estratégias em um Mercado de Opções Européias: uma Abordagem de Jogos Evolucionários Interação de Estratégas em um Mercado de Opções Européas: uma Abordagem de Jogos Evoluconáros Autora: José Rafael Perera, Jaylson Jar da Slvera Resumo: A escolha de estratégas no mercado de opções européas

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

AS COMPONENTES SIMÉTRICAS INSTANTÂNEAS E A MÁQUINA SIMÉTRICA

AS COMPONENTES SIMÉTRICAS INSTANTÂNEAS E A MÁQUINA SIMÉTRICA CAPÍTULO 5 A COMPONENTE IMÉTICA INTANTÂNEA E A MÁQUINA IMÉTICA 5. INTODUÇÃO O emprego das componentes smétrcas nstantâneas permte a obtenção de modelos mas smples que aqueles obtdos com a transformação

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2010/2011

PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2010/2011 Instruções: PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 00/0 Cada uestão respondda corretamente vale (um) ponto. Cada uestão respondda ncorretamente vale - (menos um) ponto. Cada uestão

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais