METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO EFICIENTE (ICO2)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO EFICIENTE (ICO2)"

Transcrição

1 METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO Abrl/2015 [data]

2 METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO O ICO2 é o resultado de uma cartera teórca de atvos, elaborada de acordo com os crtéros estabelecdos nesta metodologa. Os índces da BM&FBOVESPA utlzam procedmentos e regras constantes do Manual de Defnções e Procedmentos dos Índces da BM&FBOVESPA. 1 Objetvo O objetvo do ICO2 é ser o ndcador do desempenho médo das cotações de atvos pertencentes à cartera do IBrX 50, levando em consderação as emssões de gases de efeto estufa (GEE) das empresas. 2 Tpo de Índce O ICO2 é um índce de retorno total (ver Manual de Defnções e Procedmentos dos Índces da BM&FBOVESPA). 3 Atvos Elegíves O ICO2 é composto das ações e unts exclusvamente de ações de companhas lstadas na BM&FBOVESPA que atendem aos crtéros de nclusão descrtos a segur. Não estão ncluídos nesse unverso BDRs e atvos de companhas em recuperação judcal ou extrajudcal, regme especal de admnstração temporára, ntervenção ou que sejam negocados em qualquer outra stuação especal de lstagem (ver Manual de Defnções e Procedmentos dos Índces da BM&FBOVESPA). Abrl/2015 2

3 4 Crtéros de Inclusão Serão seleconados para compor o ICO2 os atvos que atendam cumulatvamente aos crtéros abaxo. 4.1 Pertencer à cartera do IBrX Ter aderdo formalmente à ncatva do ICO Reportar dados de seu nventáro anual de GEE de acordo com o nível de abrangênca e prazo defndos pela BM&FBOVESPA. 5 Crtéros de Exclusão Serão excluídos da cartera os atvos que: 5.1 dexarem de atender a qualquer um dos crtéros de nclusão acma ndcados; 5.2 durante a vgênca da cartera passem a ser lstados em stuação especal (ver Manual de Defnções e Procedmentos dos Índces da BM&FBOVESPA). Serão excluídos ao fnal de seu prmero da de negocação nesse enquadramento. 6 Crtéro de Ponderação O peso de cada ação no Índce levará em consderação dos aspectos: partcpação no IBrX 50, no qual os atvos são ponderados pelo valor de mercado do free float (atvos que se encontram em crculação) da espéce pertencente à cartera (ver Manual de Defnções e Procedmentos dos Índces da BM&FBOVESPA). razão entre as emssões de GEE nformadas no Inventáro de Emssões de GEE para o ano-base, meddas em toneladas de CO 2 equvalente (tco 2 e), Abrl/2015 3

4 e a Receta Bruta reportada nas demonstrações fnanceras padronzadas apresentadas no Brasl relatvas ao mesmo ano-base Coefcente Emssão/Receta ou Coefcente (ver Anexo). Abrl/2015 4

5 ANEXO Inventáros de Emssões de GEE As empresas que consttuem o ICO2 deverão apresentar, dentro dos prazos acordados com a BM&FBOVESPA, seus Inventáros de Emssões de GEE referentes ao ano-base (t), ou seja, ano de referênca para a elaboração dos Inventáros de Emssões, conforme estabelecdo pela BM&FBOVESPA. Receta Bruta Reportada nas Demonstrações Fnanceras Padronzadas do Ano-base Para o cálculo do Coefcente Emssão/Receta, usado na ponderação da ação no ICO2, será utlzada a Receta Bruta reportada nas demonstrações fnanceras padronzadas e apurada no ano correspondente aos Inventáros de Emssões das empresas. Coefcente Emssão/Receta A adoção do Coefcente Emssão/Receta como crtéro na montagem do ICO2 vsa: () normalzar a amostra, tornando possível a comparação entre empresas de portes dferentes; e () avalar a efcênca das empresas em termos de emssão de GEE, ou seja, o grau de exposção da receta da empresa frente a seu volume de emssões de carbono. O cálculo do Coefcente Emssão/Receta para o ano t segurá a fórmula descrta abaxo: Coefcent e Emssão / Receta t Emssão Receta de t GEE t tco e R$ mlhões 2 Onde: Abrl/2015 5

6 Emssão de GEEt = quantdade de toneladas de dóxdo de carbono equvalente, emtda no ano-base t. Receta t = Receta Bruta reportada nas demonstrações fnanceras padronzadas do ano-base t 1, em mlhões de reas. Procedmentos para o Rebalanceamento 1) Assm que estver defnda a cartera do IBrX 50, terá níco o processo de defnção da cartera do ICO2. 2) Antes do rebalanceamento do ICO2, serão dentfcadas as empresas do IBrX 50 que não aderram ao ICO2 ou que não apresentaram Coefcente de Emssão/Receta, e suas partcpações relatvas serão dstrbuídas na cartera proporconalmente aos demas papés. 3) O rebalanceamento da cartera teórca do ICO2 ocorrerá após o encerramento do últmo pregão de vgênca da cartera anteror e tomará como base o índce de fechamento desse da. 4) Os Coefcentes de Emssão/Receta referentes ao ano-base de 2010 foram utlzados nos rebalanceamentos das carteras de setembro (2011), janero (2012), mao (2012) e setembro (2012). A partr do rebalanceamento da cartera de janero de 2013 do ICO2 (e cartera de janero de anos subsequentes), passaram a ser utlzados os Coefcentes Emssão/Receta referentes aos dos anos-calendáro anterores. Por exemplo, os Coefcentes de Emssão/Receta referentes ao ano-base de 2011 foram utlzados nos rebalanceamentos das carteras de janero (2013), mao (2013) e setembro (2013) e assm sucessvamente. 1 No caso de nsttuções fnanceras, serão utlzadas as recetas com ntermedação fnancera, prestação de servços e tarfas bancáras. No caso de seguradoras, serão utlzados os prêmos de seguros ganhos e outras recetas equvalentes, descontadas as varações das provsões técncas, quando for o caso. Ressalta-se que, se uma nsttução atuar em mas de um segmento de atvdades, será consderada como sua receta a soma dos valores menconados. Abrl/2015 6

7 5) Novas ações ncluídas no IBrX 50, por ocasão das recomposções quadrmestras ocorrdas nos períodos entre as atualzações dos Coefcentes Emssão/Receta, também são ncorporadas ao ICO2, caso a empresa emssora tenha partcpado do processo de elaboração e harmonzação de nventáros de GEE coordenado pela BM&FBOVESPA para defnção dos coefcentes Emssão/Receta das empresas do Índce. Nesse caso, sua partcpação será reponderada em função de suas emssões. Caso a empresa emssora da nova ação não tenha partcpado do processo de elaboração e harmonzação de nventáros de GEE, sua nclusão no ICO2 (com partcpação gual à do IBrX 50, observada a redstrbução menconada no tem 2 dos Procedmentos para o Rebalanceamento) fcará condconada à assnatura de Termo de Adesão, no qual a empresa emssora se compromete a partcpar do próxmo processo de elaboração e harmonzação de nventáros. Nesse caso, seus dados de emssão serão desconsderados para cálculo das varáves MédaCoef.[Emssão/Receta]Total e MédaCoef.[Emssão/Receta]Setoral. Etapas para Rebalanceamento As partcpações das ações no ICO2 serão defndas segundo duas etapas. Etapa 1: redução do peso das ações de empresas que apresentam o Coefcente Emssão/Receta maor do que a méda de seu setor ou maor do que a méda de todas as empresas que compõe o ICO2, nos casos de setores compostos de uma empresa. Para os setores com mas de uma empresa, o peso de cada ação no ICO2 será defndo conforme a fórmula a segur: PesoICO 2 PesoIBrX MédaCoef.[ Emssão / Re ceta ] Setoral Coef.[ Emssão / Re ceta ] z y Abrl/2015 7

8 Onde: PesoICO2 = partcpação da ação no ICO2. PesoIBrX = partcpação da ação no IBrX 50, consderando a redstrbução menconada no tem 2 dos Procedmentos para o Rebalanceamento. Coef.[Emssão/Receta] = razão entre a emssão de GEE e a Receta Bruta reportada nas demonstrações fnanceras padronzadas da empresa no anobase t. MédaCoef.[Emssão/Receta]Setoral z = méda artmétca smples do fator Coef.[Emssão/Receta] das empresas que compõem o setor z do ICO2, ao qual pertence a empresa. y = 1. Para os setores compostos de uma únca empresa, será aplcada a fórmula a segur: PesoICO 2 PesoIBrX MédaCoef.[ Emssão / Re ceta ] Total * Coef Emssão ceta.[ / Re ] w Onde: PesoICO2 = partcpação da ação no ICO2. PesoIBrX = partcpação da ação no IBrX 50, consderando a redstrbução menconada no tem 2 dos Procedmentos para o Rebalanceamento. Coef.[Emssão/Receta] = razão entre a emssão de GEE e a Receta Bruta reportada nas demonstrações fnanceras padronzadas da empresa no anobase t. MédaCoef.[Emssão/Receta]Total = méda artmétca smples do fator Coef.[Emssão/Receta] de todas as empresas que compõem o ICO2. Abrl/2015 8

9 w = 0,5. Em ambos os casos, se PesoICO2 < 0,1%, será defndo o peso 0,1% para a ação. Nos casos em que a empresa possur o fator Coef.[Emssão/Receta] menor que o fator MédaCoef.[Emssão/Receta]Setoral, ou MédaCoef.[Emssão/Receta]Total para empresas úncas no setor, será mantda sua partcpação nesta etapa. Etapa 2: aumento do peso de empresas que apresentam o Coefcente Emssão/Receta menor do que méda artmétca smples dos Coefcentes Emssão/Receta de todas as empresas que partcpam do ICO2. O somatóro dos pesos retrados na etapa 1 será redstrbuído para as empresas que atenderem aos seguntes crtéros: () não tver reduzdo sua partcpação no Índce conforme etapa 1; e () apresentar o Coefcente Emssão/Receta menor do que a Emssão/Receta méda da cartera do ICO2 (MédaCoef.[Emssão/Receta]Total). O novo peso de suas ações será defndo de acordo com a fórmula a segur: PesoICO 2 PesoIBrX Total Redução * n j 1 MédaCoef.[ Emssão / Receta ] Total Coef.[ Emssão / Receta ] ( MédaCoef.[ Emssão / Receta ] Total Coef.[ Emssão / Receta ] ) j Onde: PesoICO2 = partcpação da ação no ICO2. PesoIBrX = partcpação da ação no IBrX 50, consderando a redstrbução menconada no tem 2 dos Procedmentos para o Rebalanceamento. TotalRedução = soma dos pesos retrados das ações das empresas conforme etapa 1. Abrl/2015 9

10 Coef.[Emssão/Receta] = razão entre a emssão de GEE e a Receta Bruta reportada nas demonstrações fnanceras padronzadas da empresa no anobase t. Coef.[Emssão/Receta] j = razão entre a emssão de GEE e a Receta Bruta reportada nas demonstrações fnanceras padronzadas da empresa j no anobase t. MédaCoef.[Emssão/Receta]Total = méda artmétca smples do fator Coef.[Emssão/Receta] de todas as empresas que compõem o ICO2. n = número de empresas que atendem aos crtéros para aumento de partcpação no ICO2. Casos Específcos () () () Em caso de empresa pré-operaconal, cujo Coefcente Emssão/Receta não é comparável a seus pares no setor, a partcpação será mantda gual à do IBrX 50, consderando a redstrbução menconada no tem 2 dos Procedmentos para o Rebalanceamento, e seu Coef.[Emssão/Receta] será desconsderado para cálculo das varáves MédaCoef.[Emssão/Receta]Total e MédaCoef.[Emssão/Receta]Setoral. Quando a empresa atngr receta bruta anual superor a R$100 mlhões reportada em suas demonstrações fnanceras padronzadas, ela será consderada operaconal e os crtéros contdos nesta metodologa passarão a ser plenamente adotados. Cumpre ressaltar que casos partculares poderão ser avalados pela BM&FBOVESPA. No caso de empresas que partcpem do ICO2 com mas de um tpo de ação (ON e PN, por exemplo), o Coef.[Emssão/Receta] da empresa será consderada apenas uma vez para o cálculo da Abrl/

11 MédaCoef.[Emssão/Receta]Total e MédaCoef.[Emssão/Receta]Setoral. Em Casos de Reorganzações Socetáras Envolvendo Atvos Integrantes da Cartera Conforme defndo nesta metodologa, as recomposções do ICO2 se basearão nas carteras do IBrX 50, já calculadas de acordo com procedmentos específcos para tratar dos casos de reorganzação socetára. Os coefcentes de Emssão/Receta das empresas resultantes da reorganzação permanecerão guas ao da empresa orgnadora até o prmero rebalanceamento anual de janero posteror ao prmero ano-calendáro completo em que as empresas apresentem demonstrações fnanceras separadamente, quando cada uma das empresas deverá apresentar, dentro dos prazos acordados com a BM&FBOVESPA, seus própros dados de emssão. Casos especas poderão ser avalados pela BM&FBOVESPA. Avalação Setoral A BM&FBOVESPA utlzará a classfcação setoral do subsetor na comparação do Coefcente Emssão/Receta de cada empresa com a méda do seu setor, conforme defndo na presente metodologa. Efcênca em Carbono O ICO2 apresenta um coefcente de emssão de carbono menor em comparação ao índce IBrX 50, consderando a redstrbução menconada no tem 2 dos Procedmentos para o Rebalanceamento, se for o caso, sendo, portanto, mas efcente. O coefcente de emssão representado por um índce corresponde à soma dos Coefcentes Emssão/Receta de todas as empresas da cartera, ponderadas pelas partcpações de suas ações no índce, conforme fórmula a segur: Abrl/

12 Coef. n Emssão / Receta Índce PesoI 1 Coef.[ Emssão / Receta ] Onde: Coef.[Emssão/Receta] Índce = coefcente de emssão de carbono do índce. PesoI = partcpação da ação no índce. Coef.[Emssão/Receta] = Coefcente Emssão/Receta da empresa. n = número de ações que compõem o índce. A redução do coefcente de emssão de carbono representada pelo ICO2 em relação ao IBrX 50 é dada pela fórmula: Carbono Onde: n ( PesoICO 2 Coef 1 n 1 ( PesoIBrX Coef.. Emssão / Re ceta Emssão / Re ceta ) 1 ) Carbono = redução do coefcente de emssão do ICO2 em relação ao IBrX 50. PesoICO2 = partcpação da ação no ICO2. Coef.[Emssão/Receta] = Coefcente Emssão/Receta da empresa. PesoIBrX = partcpação da ação no IBrX 50, consderando a redstrbução menconada no tem 2 dos Procedmentos para o Rebalanceamento. n = número de ações que compõem o índce. Abrl/

13 Abrl/

CARTA-CIRCULAR N.º 273. Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronização de Taxas

CARTA-CIRCULAR N.º 273. Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronização de Taxas CARTA-CIRCULAR N.º 273 Aos Partcpantes de Todos os Sstemas Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronzação de Taxas A Central de Custóda e de Lqudação Fnancera de Títulos - CETIP comunca que a partr

Leia mais

METODOLOGIA DO ÍNDICE UTILIDADE PÚBLICA BM&FBOVESPA (UTIL)

METODOLOGIA DO ÍNDICE UTILIDADE PÚBLICA BM&FBOVESPA (UTIL) METODOLOGIA DO ÍNDICE UTILIDADE PÚBLICA BM&FBOVESPA (UTIL) Abril/2015 [data] METODOLOGIA DO ÍNDICE UTILIDADE O UTIL é o resultado de uma carteira teórica de ativos, elaborada de acordo com os critérios

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21 Notas Comercas Cetp21 Últma Atualzação: 22/12/2015 E ste Caderno tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos de valorzação de Notas Comercas. É acatado regstro

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Metodologia IHFA. Índice de Hedge Funds ANBIMA. Versão Abril/2011

Metodologia IHFA. Índice de Hedge Funds ANBIMA. Versão Abril/2011 1 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl/2011 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge funds no Brasl, crado com o objetvo de

Leia mais

METODOLOGIA DO ÍNDICE IMOBILIÁRIO (IMOB)

METODOLOGIA DO ÍNDICE IMOBILIÁRIO (IMOB) Abril/2015 [data] METODOLOGIA DO ÍNDICE O IMOB é o resultado de uma carteira teórica de ativos, elaborada de acordo com os critérios estabelecidos nesta metodologia. Os índices da BM&FBOVESPA utilizam

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

METODOLOGIA DO ÍNDICE DE GOVERNANÇA CORPORATIVA TRADE (IGCT)

METODOLOGIA DO ÍNDICE DE GOVERNANÇA CORPORATIVA TRADE (IGCT) METODOLOGIA DO ÍNDICE DE GOVERNANÇA CORPORATIVA TRADE (IGCT) Abril/2015 [data] METODOLOGIA DO ÍNDICE DE GOVERNANÇA CORPORATIVA TRADE (IGCT) O IGCT é o resultado de uma carteira teórica de ativos, elaborada

Leia mais

METODOLOGIA DO ÍNDICE DE AÇÕES COM GOVERNANÇA CORPORATIVA DIFERENCIADA (IGC)

METODOLOGIA DO ÍNDICE DE AÇÕES COM GOVERNANÇA CORPORATIVA DIFERENCIADA (IGC) METODOLOGIA DO ÍNDICE DE AÇÕES COM GOVERNANÇA CORPORATIVA Abril/2015 [data] METODOLOGIA DO ÍNDICE DE AÇÕES COM GOVERNANÇA CORPORATIVA O IGC é o resultado de uma carteira teórica de ativos, elaborada de

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA CAPÍTULO DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA. A MÉDIA ARITMÉTICA OU PROMÉDIO Defnção: é gual a soma dos valores do grupo de dados dvdda pelo número de valores. X x Soma dos valores de x número de

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR

Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Caderno de Fórmulas Títulos do Agronegóco - Cetp21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Últma Atualzação: 15/08/2016 Caderno de Fórmulas CDCA CPR CRA - CRH CRP CRPH LCA NCR E ste Caderno de Fórmulas

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Preço Base = 2,581 US$/MMBTU x TMD 0

Preço Base = 2,581 US$/MMBTU x TMD 0 Portara Intermnsteral MME/MF/nº 176, de 01 de junho de 2001. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA E DA FAZENDA, no uso das atrbuções que lhes são conferdas pelo art. 87, parágrafo únco, ncso II, da

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

EDITAL Nº 034/09 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS

EDITAL Nº 034/09 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS EDITAL Nº 04/09 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS A Pró-retora de Graduação e o Pró-retor de

Leia mais

Exercícios. Utilizando um novo critério, essa banca avaliadora resolveu descartar a maior e a menor notas atribuídas ao professor.

Exercícios. Utilizando um novo critério, essa banca avaliadora resolveu descartar a maior e a menor notas atribuídas ao professor. Estatístca Exercícos 1. (Enem 013) Fo realzado um levantamento nos 00 hotés de uma cdade, no qual foram anotados os valores, em reas, das dáras para um quarto padrão de casal e a quantdade de hotés para

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas 3.6. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

CÁLCULO DO RETORNO ESPERADO DA CARTEIRA DE MERCADO E DO RETORNO DO ATIVO LIVRE DE RISCO PARA O BRASIL

CÁLCULO DO RETORNO ESPERADO DA CARTEIRA DE MERCADO E DO RETORNO DO ATIVO LIVRE DE RISCO PARA O BRASIL ESCOLA FEDERAL DE ENGENHARIA DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO CÁLCULO DO RETORNO ESPERADO DA CARTEIRA DE MERCADO E DO RETORNO DO ATIVO LIVRE DE RISCO PARA O BRASIL Dego

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 5 DE MAIO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 5 DE MAIO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 5 DE MAIO DE 2004 Estabelece os procedmentos para o cálculo do montante correspondente à energa de referênca de empreendmento de

Leia mais

FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1

FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1 FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1 Nome Nº Turma: Data: / / Professor 10.º Ano Classfcação Apresente o seu racocíno de forma clara, ndcando todos os cálculos que tver de efetuar e todas

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS DE ESTATÍSTICA MÓDULO 2 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA - ELEMENTOS Prof. Rogério Rodrigues

CONCEITOS INICIAIS DE ESTATÍSTICA MÓDULO 2 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA - ELEMENTOS Prof. Rogério Rodrigues CONCEITOS INICIAIS DE ESTATÍSTICA MÓDULO DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA - ELEMENTOS Prof. Rogéro Rodrgues I) TABELA PRIMITIVA E DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA : No processo de amostragem, a forma de regstro mas

Leia mais

EXPANSÃO TÉRMICA DOS LÍQUIDOS

EXPANSÃO TÉRMICA DOS LÍQUIDOS Físca II Protocolos das Aulas Prátcas 01 DF - Unversdade do Algarve EXPANSÃO ÉRMICA DOS ÍQUIDOS 1 Resumo Estuda-se a expansão térmca da água destlada e do glcerol utlzando um pcnómetro. Ao aquecer-se,

Leia mais

METODOLOGIA DO ÍNDICE DE AÇÕES COM TAG ALONG DIFERENCIADO (ITAG)

METODOLOGIA DO ÍNDICE DE AÇÕES COM TAG ALONG DIFERENCIADO (ITAG) METODOLOGIA DO ÍNDICE DE AÇÕES COM TAG ALONG DIFERENCIADO (ITAG) Abril/2015 [data] METODOLOGIA DO ÍNDICE DE AÇÕES COM TAG ALONG DIFERENCIADO (ITAG) O ITAG é o resultado de uma carteira teórica de ativos,

Leia mais

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear Estatístca II Antono Roque Aula 18 Regressão Lnear Quando se consderam duas varáves aleatóras ao mesmo tempo, X e Y, as técncas estatístcas aplcadas são as de regressão e correlação. As duas técncas estão

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Prof. Lorí Val, Dr. UFRG Insttuto de Matemátca

Leia mais

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

37 [C] Verdadeira. Veja justificativa do item [B]. Moda = 8

37 [C] Verdadeira. Veja justificativa do item [B]. Moda = 8 Resposta da questão 1: [C] Calculando:,5 + 10 + 8 + 9,4 + 8 +,4 + x + 7,4 = 8, 8,5 + 10 + 8 + 9,4 + 8 +,4 + x + 7,4 = 5, x = 9,9 Moda = 8 8+ 8 Medana = = 8,5 + 10 + 8 + 9,4 + 8 +,4 + 7,4 Méda das outras

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais

Manual de Precificação

Manual de Precificação Manual de Precfcação Custóda Qualfcada Revsão: Mao de 200 Págna /80 Objetvos Introdução O objetvo deste manual é a descrção da estrutura, prncípos e crtéros dos servços de marcação a mercado prestados

Leia mais

Estudo quantitativo do processo de tomada de decisão de um projeto de melhoria da qualidade de ensino de graduação.

Estudo quantitativo do processo de tomada de decisão de um projeto de melhoria da qualidade de ensino de graduação. Estudo quanttatvo do processo de tomada de decsão de um projeto de melhora da qualdade de ensno de graduação. Rogéro de Melo Costa Pnto 1, Rafael Aparecdo Pres Espíndula 2, Arlndo José de Souza Júnor 1,

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

x Ex: A tabela abaixo refere-se às notas finais de três turmas de estudantes. Calcular a média de cada turma:

x Ex: A tabela abaixo refere-se às notas finais de três turmas de estudantes. Calcular a média de cada turma: Professora Janete Perera Amador 1 8 Meddas Descrtvas Vmos anterormente que um conjunto de dados pode ser resumdo através de uma dstrbução de freqüêncas, e que esta pode ser representada através de uma

Leia mais

AULA 4. Segundo Quartil ( Q observações são menores que ele e 50% são maiores.

AULA 4. Segundo Quartil ( Q observações são menores que ele e 50% são maiores. Estatístca Aplcada à Engenhara AULA 4 UNAMA - Unversdade da Amazôna.8 MEDIDA EPARATRIZE ão valores que separam o rol (os dados ordenados) em quatro (quarts), dez (decs) ou em cem (percents) partes guas.

Leia mais

Teoria da Regressão Espacial Aplicada a. Sérgio Alberto Pires da Silva

Teoria da Regressão Espacial Aplicada a. Sérgio Alberto Pires da Silva Teora da Regressão Espacal Aplcada a Modelos Genércos Sérgo Alberto Pres da Slva ITENS DE RELACIONAMENTOS Tópcos Báscos da Regressão Espacal; Banco de Dados Geo-Referencados; Modelos Genércos Robustos;

Leia mais

Construção e aplicação de índices-padrão

Construção e aplicação de índices-padrão Construção e aplcação de índces-padrão Artgo Completo José Aparecdo Moura Aranha (Admnstrador e Contador, Professor Assstente do Curso de Admnstração da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul - Câmpus

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário FII Anhanguera Educacional (FAED11)

Fundo de Investimento Imobiliário FII Anhanguera Educacional (FAED11) Informações Objeto e Perfl do Fundo A aqusção de terrenos, móves comercas ou de dretos reas a eles relatvos, para o desenvolvmento, amplação e exploração destes medante locação para o Grupo Anhanguera

Leia mais

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência.

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência. MODELO DE REGRESSÃO DE COX Os modelos de regressão paramétrcos vstos anterormente exgem que se suponha uma dstrbução estatístca para o tempo de sobrevvênca. Contudo esta suposção, caso não sea adequada,

Leia mais

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Ficha de exercícios nº2: Distribuições Bidimensionais

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Ficha de exercícios nº2: Distribuições Bidimensionais Ano lectvo: 2006/2007 Unversdade da Bera Interor Departamento de Matemátca ESTATÍSTICA Fcha de exercícos nº2: Dstrbuções Bdmensonas Curso: Cêncas do Desporto 1. Consdere a segunte tabela de contngênca:

Leia mais

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA II.1. HIPOTESES BASICAS A modelagem aqu empregada está baseado nas seguntes hpóteses smplfcadoras : - Regme permanente; - Ausênca de forças de campo; - Ausênca de trabalho

Leia mais

CORRELAÇÃO E REGRESSÃO

CORRELAÇÃO E REGRESSÃO CORRELAÇÃO E REGRESSÃO Constata-se, freqüentemente, a estênca de uma relação entre duas (ou mas) varáves. Se tal relação é de natureza quanttatva, a correlação é o nstrumento adequado para descobrr e medr

Leia mais

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos Laboratóro de Mecânca Aplcada I Estátca: Roldanas e Equlíbro de Momentos 1 Introdução O conhecmento das condções de equlíbro de um corpo é mprescndível em númeras stuações. Por exemplo, o estudo do equlíbro

Leia mais

Índices de Concentração 1

Índices de Concentração 1 Índces de Concentração Crstane Alkmn Junquera Schmdt arcos André de Lma 3 arço / 00 Este documento expressa as opnões pessoas dos autores e não reflete as posções ofcas da Secretara de Acompanhamento Econômco

Leia mais

Medidas de Dispersão e Assimetria Desvio Médio Variância Desvio Padrão Medidas de Assimetria Coeficiente de Assimetria Exemplos.

Medidas de Dispersão e Assimetria Desvio Médio Variância Desvio Padrão Medidas de Assimetria Coeficiente de Assimetria Exemplos. Meddas de Dspersão e Assmetra Desvo Médo Varânca Desvo Padrão Meddas de Assmetra Coefcente de Assmetra Exemplos lde 1 de 16 Meddas de Dspersão - Méda ervem para verfcação e representatvdade das meddas

Leia mais

COEFICIENTE DE GINI: uma medida de distribuição de renda

COEFICIENTE DE GINI: uma medida de distribuição de renda UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS COEFICIENTE DE GINI: uma medda de dstrbução de renda Autor: Prof. Lsandro Fn Nsh

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

Cálculo de Índices de Preços do Setor Sucroalcooleiro

Cálculo de Índices de Preços do Setor Sucroalcooleiro Cálculo de Índces de reços do Setor Sucroalcoolero Introdução O projeto tem como objetvo desenvolver uma metodologa que mensure a nflação mensal dos processos de produção de cana-deaçúcar, açúcar e etanol.

Leia mais

Estatística I Licenciatura MAEG 2006/07

Estatística I Licenciatura MAEG 2006/07 Estatístca I Lcencatura MAEG 006/07 AMOSTRAGEM. DISTRIBUIÇÕES POR AMOSTRAGEM.. Em determnada unversdade verfca-se que 30% dos alunos têm carro. Seleccona-se uma amostra casual smples de 0 alunos. a) Qual

Leia mais

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

Leia mais

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH Curso Bem Estar Socal Marcelo Ner - www.fgv.br/cps Metas Socas Entre as mutas questões decorrentes da déa de se mplementar uma proposta de metas socas temos: Qual a justfcatva econômca para a exstênca

Leia mais

Variável discreta: X = número de divórcios por indivíduo

Variável discreta: X = número de divórcios por indivíduo 5. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br 1 soluções eletrolítcas Qual a dferença entre uma solução 1,0 mol L -1 de glcose e outra de NaCl de mesma concentração?

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 02/2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 02/2012 Resolução nº 2/2012-CCEPE Págna 1 de 10 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 02/2012 EMENTA: Fxa crtéros e vagas para o Processo Seletvo Vestbular

Leia mais

Problemas Propostos. Frações mássicas, volúmicas ou molares. Estequiometria.

Problemas Propostos. Frações mássicas, volúmicas ou molares. Estequiometria. Elementos de Engenhara Químca I II. Frações e Estequometra (problemas resolvdos) Problemas Propostos. Frações másscas, volúmcas ou molares. Estequometra.. Em 5 moles de Benzeno (C 6 H 6 ) quanto é que

Leia mais

2 Incerteza de medição

2 Incerteza de medição 2 Incerteza de medção Toda medção envolve ensaos, ajustes, condconamentos e a observação de ndcações em um nstrumento. Este conhecmento é utlzado para obter o valor de uma grandeza (mensurando) a partr

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

4 Análise termoeconômica

4 Análise termoeconômica 4 Análse termoeconômca Os capítulos precedentes abordaram questões emnentemente térmcas da aplcação de nanofludos em sstemas ndretos de refrgeração. Ao tratar das magntudes relatvas e da natureza das componentes

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

PUCPR- Pontifícia Universidade Católica Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informática Aplicada PROF. DR. JACQUES FACON

PUCPR- Pontifícia Universidade Católica Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informática Aplicada PROF. DR. JACQUES FACON 1 PUCPR- Pontfíca Unversdade Católca Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informátca Aplcada PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO ITERATIVA DE LAM E LEUNG Resumo: A proposta para essa sére de

Leia mais

2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS

2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS 22 2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Como vsto no capítulo 1, a energa frme de uma usna hdrelétrca corresponde à máxma demanda que pode ser suprda contnuamente

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ 1 É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Numa relação expermental os valores de uma das

Leia mais

Identidade dos parâmetros de modelos segmentados

Identidade dos parâmetros de modelos segmentados Identdade dos parâmetros de modelos segmentados Dana Campos de Olvera Antono Polcarpo Souza Carnero Joel Augusto Munz Fabyano Fonseca e Slva 4 Introdução No Brasl, dentre os anmas de médo porte, os ovnos

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso de Admnstração em Gestão Públca Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos uns dos

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA MÃO-DE-OBRA OCUPADA NO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE PARA OS ANOS DE 1995 E 2003

O COMPORTAMENTO DA MÃO-DE-OBRA OCUPADA NO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE PARA OS ANOS DE 1995 E 2003 O COMPORTAMENTO DA MÃO-DE-OBRA OCUPADA NO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE PARA OS ANOS DE 1995 E 2003 NILSON MACHADO VIEIRA JUNIOR; FRANCISCO CASIMIRO FILHO; LÚCIA MARIA RAMOS SILVA; UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

4.1. Medidas de Posição da amostra: média, mediana e moda

4.1. Medidas de Posição da amostra: média, mediana e moda 4. Meddas descrtva para dados quanttatvos 4.1. Meddas de Posção da amostra: méda, medana e moda Consdere uma amostra com n observações: x 1, x,..., x n. a) Méda: (ou méda artmétca) é representada por x

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 41/2016/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 11: Varáves Aleatóras (webercampos@gmal.com) VARIÁVEIS ALEATÓRIAS 1. Conceto de Varáves Aleatóras Exemplo: O expermento consste no lançamento de duas moedas: X: nº de caras

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 16 Prof. Luz Alexandre Peternell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Exercícos Propostos 1) Consderando os dados amostras abaxo, calcular: méda artmétca, varânca, desvo padrão, erro padrão da méda e coefcente

Leia mais

SÉRIE DE PROBLEMAS: CIRCUITOS DE ARITMÉTICA BINÁRIA. CIRCUITOS ITERATIVOS.

SÉRIE DE PROBLEMAS: CIRCUITOS DE ARITMÉTICA BINÁRIA. CIRCUITOS ITERATIVOS. I 1. Demonstre que o crcuto da Fg. 1 é um half-adder (semsomador), em que A e B são os bts que se pretendem somar, S é o bt soma e C out é o bt de transporte (carry out). Fg. 1 2. (Taub_5.4-1) O full-adder

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA ECONÔMICA 2a. Prova 11/7/2006 Profa. Ana Maria Farias Turma A hs

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA ECONÔMICA 2a. Prova 11/7/2006 Profa. Ana Maria Farias Turma A hs INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA ECONÔMICA 2a. rova /7/2006 rofa. Ana Mara Faras Turma A 4-6 hs. Consdere os dados da tabela abaxo, onde temos preços e uantdades utlzadas de materal de escrtóro. Item Undade reço

Leia mais

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS Varável Qualquer característca assocada a uma população Classfcação de varáves Qualtatva { Nomnal sexo, cor dos olhos Ordnal Classe

Leia mais

Eletromagnetismo Aplicado

Eletromagnetismo Aplicado letromagnetsmo Aplcado Undade 5 Propagação de Ondas letromagnétcas em Meos Ilmtados e Polaração Prof. Marcos V. T. Heckler Propagação de Ondas letromagnétcas e Polaração 1 Conteúdo Defnções e parâmetros

Leia mais

Introdução a Combinatória- Aplicações, parte II

Introdução a Combinatória- Aplicações, parte II Introdução a Combnatóra- Aplcações, AULA 7 7.1 Introdução Nesta aula vamos estudar aplcações um pouco dferentes das da aula passada. No caso estudaremos arranjos com repetção, permutações crculares e o

Leia mais

Programa de Certificação de Medidas de um laboratório

Programa de Certificação de Medidas de um laboratório Programa de Certfcação de Meddas de um laboratóro Tratamento de dados Elmnação de dervas Programa de calbração entre laboratóros Programa nterno de calbração justes de meddas a curvas Tratamento dos resultados

Leia mais

MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR. Princípio do modelo:

MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR. Princípio do modelo: MODELO RECEPTOR Não modela a dspersão do contamnante. MODELO RECEPTOR Prncípo do modelo: Atacar o problema de dentfcação da contrbução da fonte em ordem nversa, partndo da concentração do contamnante no

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Especfcação de Servço Págna 1 de 9 1. DEFINIÇÃO Reforço do subleto é a camada que será executada com espessura varável, conforme defnção de projeto, nos trechos em que for necessáro a remoção de materal

Leia mais

4 Otimização e Diversificação: o Binômio Risco-Retorno

4 Otimização e Diversificação: o Binômio Risco-Retorno 4 Otmzação e Dversfcação: o Bnômo Rsco-Retorno O alto dnamsmo e a crescente sofstcação do mercado fnancero mundal fazem com que os nvestdores tenham o constante desafo de utlzarem estratégas que maxmzem

Leia mais

ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS, ANÁLISE FATORIAL: Exemplos em STATA. Prof. Dr. Evandro Marcos Saidel Ribeiro RESUMO

ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS, ANÁLISE FATORIAL: Exemplos em STATA. Prof. Dr. Evandro Marcos Saidel Ribeiro RESUMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS, ANÁLISE FATORIAL: Eemplos em STATA. Prof. Dr. Evandro Marcos

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso Superor de tecnólogo em Gestão Ambental Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos

Leia mais

Representação e Descrição de Regiões

Representação e Descrição de Regiões Depos de uma magem ter sdo segmentada em regões é necessáro representar e descrever cada regão para posteror processamento A escolha da representação de uma regão envolve a escolha dos elementos que são

Leia mais

Análise Descritiva com Dados Agrupados

Análise Descritiva com Dados Agrupados Análse Descrtva com Dados Agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas descrtvas

Leia mais

Lista de Exercícios. 2 Considere o número de aparelhos com defeito na empresa Garra durante 50 dias.

Lista de Exercícios. 2 Considere o número de aparelhos com defeito na empresa Garra durante 50 dias. Classque as varáves: Faculdade Ptágoras / Dvnópols-MG Curso: Pscologa Dscplna: Estatístca Aplcada à Pscologa Lsta de Eercícos a) número de peças produzdas por hora; b) dâmetro eterno da peça; c) número

Leia mais

Manual dos Indicadores de Qualidade 2011

Manual dos Indicadores de Qualidade 2011 Manual dos Indcadores de Qualdade 2011 1 Dretora de Avalação da Educação Superor Clauda Maffn Grbosk Coordenação Geral de Controle de Qualdade da Educação Superor Stela Mara Meneghel Equpe Técnca: José

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12 MEDIDAS DE POSIÇÃO: São meddas que possbltam represetar resumdamete um cojuto de dados relatvos à observação de um determado feômeo, pos oretam quato à posção da dstrbução o exo dos, permtdo a comparação

Leia mais

Regulamento

Regulamento http://www.anacom.pt/template.jsp?categoryid=6547 Regulamento Procedmentos de montorzação e medção dos níves de ntensdade dos campos electromagnétcos com orgem em estações de radocomuncações Nota Justfcatva

Leia mais

5 Métodos de cálculo do limite de retenção em função da ruína e do capital inicial

5 Métodos de cálculo do limite de retenção em função da ruína e do capital inicial 5 Métodos de cálculo do lmte de retenção em função da ruína e do captal ncal Nesta dssertação serão utlzados dos métodos comparatvos de cálculo de lmte de retenção, onde ambos consderam a necessdade de

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário FII Edifício Galeria (EDGA11)

Fundo de Investimento Imobiliário FII Edifício Galeria (EDGA11) Informações Objeto e Perfl do Fundo Investmento em empreendmentos mobláros, por meo da aqusção de até 100% do empreendmento comercal denomnado Galera, edfíco corporatvo classe A. O Fundo poderá anda adqurr

Leia mais

AULA EXTRA Análise de Regressão Logística

AULA EXTRA Análise de Regressão Logística 1 AULA EXTRA Análse de Regressão Logístca Ernesto F. L. Amaral 13 de dezembro de 2012 Metodologa de Pesqusa (DCP 854B) VARIÁVEL DEPENDENTE BINÁRIA 2 O modelo de regressão logístco é utlzado quando a varável

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º de Janeiro de Instituto de Higiene e Medicina Tropical UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA.

Diário da República, 2.ª série N.º de Janeiro de Instituto de Higiene e Medicina Tropical UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. Dáro da Repúblca, 2.ª sére.º 3 9 de Janero de 20 3947 Insttuto de Hgene e edcna Tropcal Avso (extracto) n.º 936/20 Ao abrgo da alínea d) do n.º do artgo 37.º da Le n.º 2 -A/2008, de 27/02, torna -se públco

Leia mais

ESTUDO DE MODELOS PARA AJUSTE E PREVISÃO DE UMA SÉRIE TEMPORAL

ESTUDO DE MODELOS PARA AJUSTE E PREVISÃO DE UMA SÉRIE TEMPORAL Revsta Matz Onlne ESTUDO DE MODELOS PARA AJUSTE E PREVISÃO DE UMA SÉRIE TEMPORAL Valera Ap. Martns Ferrera Vvane Carla Fortulan Valéra Aparecda Martns. Mestre em Cêncas pela Unversdade de São Paulo- USP.

Leia mais

Aquisição de Equipamentos Informáticos e de Comunicação

Aquisição de Equipamentos Informáticos e de Comunicação Aqusção de Equpamentos Informátcos e de Comuncação Concurso úblco Nº 02/CCV/2016 ANÚNCIO DO CONCURSO UBLICO Nº 02/CCV/2016 Aqusção de Equpamentos Informátcos e de Comuncação 1. Entdade Adjudcante Correos

Leia mais

DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO

DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO 1 Um modelo lnear generalzado é defndo pelos seguntes três componentes: Componente aleatóro; Componente sstemátco; Função de lgação; Componente aleatóro: Um conjunto

Leia mais

ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS. Palavras-chave: Tensões térmicas, Propriedades variáveis, Condução de calor, GITT

ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS. Palavras-chave: Tensões térmicas, Propriedades variáveis, Condução de calor, GITT ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS Dnz, L.S. Santos, C.A.C. Lma, J.A. Unversdade Federal da Paraíba Laboratóro de Energa Solar LES/DTM/CT/UFPB 5859-9 - João Pessoa - PB, Brasl e-mal: cabral@les.ufpb.br

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais