Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?"

Transcrição

1 Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional) atrelada a uma taxa fixa (de 0,5% a.m.), a poupança criava uma espécie de barreira a maiores reduções da taxa Selic. A partir de determinada meta de taxa de juros definida pelo Banco Central, a remuneração da poupança tornava-se fixa, reduzindo a eficácia da política monetária. Dessa forma, o Governo propôs mudar as regras de forma a adequar a poupança ao novo cenário de inflação e de taxas de juros em queda. 2) O investidor em poupança terá seus rendimentos reduzidos com a nova regra? Não. A regra não muda para os depósitos realizados até o dia 3 de maio de A nova regra vale apenas para os depósitos realizados a partir do dia 4 de maio de Cadernetas com depósitos realizados a partir de 4 de maio de 2012 terão nova regra de remuneração: 3) A poupança continuará atrativa se a Selic voltar a subir? Sim. A poupança continuará atrativa independente da taxa Selic, pois sempre que a meta da taxa Selic estiver acima de 8,5% a.a. a remuneração dos novos depósitos (realizados a partir de 4/5/12) será a mesma dos depósitos antigos (realizados até 3/5/12), ou seja, TR + 0,5% a.m (TR + 6,17% a.a). Não há mudanças na poupança com depósitos até 3 de maio de Remuneração de 0,5% ao mês + TR (ou 6,17% ao ano + TR), conforme Lei nº 8.177, de 1991 A caderneta de poupança continua sendo o principal instrumento de aplicação popular no Brasil. Com as regras para os novos depósitos a poupança tem um rendimento compatível com a rentabilidade de um fundo de investimento atrelado à Selic e com taxa de administração de 0,5%. Só que para esses fundos na maioria dos bancos, hoje, para o aplicador ter esse rendimento, ele tem que aplicar mais de R$ 100 mil, Na poupança você pode ter essa mesma rentabilidade aplicando R$ 100. Então, a

2 caderneta continua sendo um instrumento de poupança popular muito competitivo e atrativo. 4) Se a Selic mudar depois da data de aniversário da caderneta de poupança qual será a regra da correção do saldo? Vale a taxa Selic em vigor no dia do aniversário. Por exemplo, se a caderneta faz aniversário no dia 7 do mês e a Selic mudar no dia 9, o rendimento será calculado com base na meta da taxa do dia 7. Somente no mês seguinte a correção vai considerar a nova Selic. 5) Como fica a remuneração de um depósito feito hoje e sacado em 30 dias, caso a Selic caia para 8,5% no final do mês? A meta da taxa Selic que serve de referência é a do início do período de remuneração, ou seja, para depósitos realizados hoje, com a atual meta de taxa Selic em 9% a.a., a remuneração será de TR + 0,5% a.m., independente de alterações na taxa ao longo do mês. Veja a seguir um quadro exemplificando a remuneração da poupança a partir de diferentes percentuais da taxa Selic Remuneração da poupança com as novas regras: Taxa SELIC Rendimento da poupança (exclusive TR) Estimativa de rendimento da poupança (inclusive TR) MENSAL ANUAL ANUAL 8,5% 0,48% 5,95% 6,17% 8,0% 0,46% 5,60% 5,60% 7,5% 0,43% 5,25% 5,25% 7,0% 0,40% 4,90% 4,90% 6,5% 0,37% 4,55% 4,55% 6,0% 0,34% 4,20% 4,20% 5,5% 0,32% 3,85% 3,85% 5,0% 0,29% 3,50% 3,50% 4,5% 0,26% 3,15% 3,15% 4,0% 0,23% 2,80% 2,80% 3,5% 0,20% 2,45% 2,45% 3,0% 0,17% 2,10% 2,10% 2,5% 0,14% 1,75% 1,75% 2,0% 0,12% 1,40% 1,40% 6) O cálculo do rendimento será diário, da mesma forma em que se dá com a TR? Sim, mas o direito ao recebimento do mesmo só se efetiva na data de aniversário da poupança. Neste caso, não houve qualquer mudança nas regras atuais.

3 7) Quando a TR ficar negativa será arredondada para zero? Se a SELIC ficar abaixo de 8,5%, a TR ficaria negativa? Dada sua fórmula de cômputo, a TR não fica negativa, ou seja, seu piso é zero. A TR zera em taxas Selic em torno de 8,2% a.a. 8) Os bancos farão, por exemplo, uma separação interna do que foi depositado antes do dia 4 de maio e depois do dia 4? As instituições estão aptas a realizar automaticamente essa separação? Sim. Os bancos terão que separar internamente os saldos relativos a depósitos realizados antes e a partir da edição da MP. A MP também obriga os bancos a disponibilizar essa separação a seus clientes em até 30 dias a partir da publicação da MP. 9) Como serão operacionalizados os extratos diferenciados entre as regras novas e antigas? A Medida Provisória que define as mudanças na regra da poupança, que entrou em vigor em 04/05/2012, exige que a segregação dos saldos seja evidenciada aos titulares das contas de modo claro, preciso e de fácil entendimento. As instituições financeiras terão até 30 dias a partir da publicação da MP para disponibilizar essa segregação aos seus clientes. A operacionalização dessa segregação ficará a cargo das instituições. Então, daqui a 30 dias todos os bancos vão informar a um cliente que tenha, por exemplo, R$ 3 mil na sua conta, dos quais R$ 2 mil em depósitos feitos até o dia 03 de maio, corrigidos por 0,5% a.m. + TR, e R$ 1 mil em depósitos realizados depois do dia 03 de maio. Isso vai estar discriminado no seu extrato. 10) Como os clientes vão saber quando os rendimentos serão maiores ou menores? O Banco Central do Brasil irá disponibilizar diariamente qual será a remuneração adicional do período dos depósitos que forem realizados a partir do dia 4/5/12, da mesma forma como já disponibiliza a TR. 11) Digamos que um cliente já possua R$ 100 em poupança e após as novas regras deposite outros R$ 100. Se decidir sacar R$ 80, esse dinheiro sairá do deposito antigo ou do novo? Os saques serão realizados prioritariamente dos saldos referentes aos novos depósitos (realizados a partir de 4/5/12). No entanto, caso o titular da conta prefira sacar do saldo dos depósitos antigos (realizados até 3/5/12), basta que solicite ao seu banco para assim o fazer. 12) Os poupadores vão sempre conviver com dois cálculos de remuneração da poupança, já que a Selic poderá subir novamente? Enquanto houver saldo referente a depósitos antigos (realizados até o dia 3/5/12), haverá duas regras de remuneração. Após isso, o cálculo é único, qual seja: TR + 0,5% a.m., para meta da taxa Selic acima de 8,5% a.a.; e TR + 70% da meta da taxa Selic, mensalizada, para os demais casos.

4 Financiamento imobiliário 13) Haverá redução nas taxas de juros dos financiamentos habitacionais já existentes? Não há vinculação direta entre a alteração na remuneração dos novos depósitos de poupança e a redução nas taxas de juros dos financiamentos habitacionais já existentes, até porque estes são instrumentos juridicamente perfeitos que devem ser respeitados. No entanto, com a eventual redução nas taxas de juros da economia, é natural que haja instituições dispostas a financiar imóveis a taxas menores do que as dos contratos já firmados. Neste caso, cabe ao mutuário exercer o direito à portabilidade de sua operação para a instituição que lhe ofereça taxas menores. 14) A mudança na regra vai reduzir o valor da prestação no financiamento da casa própria? Não há vinculação direta entre a alteração na remuneração dos novos depósitos de poupança e os contratos de financiamentos habitacionais já existentes, seja no que diz respeito às taxas de jutos, seja no que diz respeito às prestações. 15) E se as taxas ao mutuário caírem e eventualmente a Selic subir? Não há vinculação direta entre a alteração na remuneração dos novos depósitos de poupança e os contratos de financiamentos habitacionais já existentes, seja no que diz respeito às taxas de juros, seja no que diz respeito às prestações. Ademais, os contratos de financiamento imobiliário no Brasil, regra geral, apresentam uma taxa fixa, com correção do saldo devedor pela TR. Ou seja, pouco dependem da taxa Selic após serem firmados; salvo o valor da TR. 16) Como será calculada a rentabilidade do mutuário? Ela será calculada com base na Selic diária, ou seja, do dia do depósito? Como será feito o detalhamento deste calculo. A rentabilidade do depositante de novos depósitos de poupança será calculada utilizando a meta da taxa Selic anual, mensalizada, vigente no dia do depósito, mais TR. Ou seja: (((((70% * Meta da Taxa Selic Anual) / 100) +1) ^ (1/12)) * (1 + TR do período de Rendimento a.m.)) -1) *100 17) Poderá haver um descasamento de ativos e passivos, já que a correção do funding oscilaria conforme a Selic enquanto a taxa cobrada do mutuário seria fixa? Este risco de descasamento entre captações e aplicações nas contas de depósito de poupança já existe e não será alterado pela nova proposta. 18) Como o governo vê e vai tratar os riscos de descasamento entre ativos e passivos de crédito imobiliário, surgidos em função da nova regra da poupança? A nova regra não altera o eventual risco de descasamento entre captações e aplicações nas contas de depósito de poupança.

5 19) Há algum risco de diminuir os recursos para crédito habitacional caso caia o volume dos depósitos em poupança? O Governo não vê motivos para eventual redução no volume dos depósitos em poupança. Portabilidade do crédito imobiliário 20) Quando será regulamentada a portabilidade do crédito imobiliário? A área técnica do Governo está finalizando os estudos, mas ainda não há uma previsão para a edição de atos relacionados a este tema. 21) O ministro Mantega disse que a área econômica estuda ajustes na portabilidade para transferência de crédito imobiliário de um banco para outro. O que pode ser feito? A área técnica do Governo ainda está finalizando os estudos, sendo prematuro antecipar qualquer diagnóstico neste momento. 22) Ao quitar uma dívida mais cara pegando uma mais barata, a portabilidade poderá facilitar queda nos juros? Sim, a portabilidade pode ser um bom instrumento de incentivo à concorrência entre as instituições e, consequentemente, um facilitador da queda nos juros. 23) O mercado costuma dizer que ficará difícil promover redução de juros para o mutuário, mesmo com o custo menor do funding. Os bancos alegam não poder prever o comportamento da Selic ao longo de 30 anos. O que fazer para forçar o repasse da queda dos juros ao consumidor? A portabilidade pode ser um instrumento facilitador do repasse da queda dos juros ao consumidor, assim como a regulamentação do histórico de crédito; entre outras medidas em análise no Governo. 24) A portabilidade de crédito valerá para contratos novos e antigos do SFH? A portabilidade está em vigor desde setembro de 2006, com a edição da Resolução CMN nº 3.401, e vale para contratos novos e antigos do SFH. MP no Congresso 25) Qual é a alternativa do governo se o Congresso rejeitar a medida provisória? Uma vez que a medida foi bem recebida por representantes do Congresso e pela sociedade em geral e, dada a sua importância na manutenção do atual ambiente propício para a continuidade da política de redução da taxa de juros básica da economia, o Governo espera que a mesma seja aprovada pelo Congresso. 26) Qual é a expectativa do governo para a aprovação da MP ainda nesse semestre?

6 O governo estará disponível e, sempre que chamado, participará de todas as discussões que possam vir a ocorrer no Congresso, de forma a buscar os entendimentos necessários para que a MP seja aprovada o mais rapididamente possível.

Cartilha de Poupança

Cartilha de Poupança Cartilha depoupança Poupança O que é?... 2 Segurança... 2 Modalidades de poupança do BB... 3 Reajuste Monetário... 4 Juros... 4 Imposto de renda... 4 Valor mínimo... 5 Abertura... 5 Aniversário da poupança...

Leia mais

Caderneta de Poupança

Caderneta de Poupança Caderneta de Poupança Maio de 2009 1 OBJETIVO DAS MEDIDAS Garantir que a caderneta de poupança permaneça como o melhor investimento para a poupança da maioria da população brasileira Impedir que a caderneta

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.2- Caderneta de Poupança

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.2- Caderneta de Poupança Conhecimentos Bancários Item 2.1.2- Caderneta de Poupança Conhecimentos Bancários Item 2.1.2- Caderneta de Poupança DAV Custo ZERO (IF) Não há remuneração Cliente Superavitário RENTABILIDADE Conhecimentos

Leia mais

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida CORREÇÃO MONETÁRIA 1 Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida Roteiro 2 Roteiro 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução 1. Em maio de 2008, João emprestou R$ 20.000,00 a Pedro, à taxa de juros compostos

Leia mais

Diretor Executivo da ABECIP

Diretor Executivo da ABECIP Fontes de Recursos para o Financiamento i Imobiliário Filipe F. Pontual Diretor Executivo da ABECIP 83º ENIC São Paulo, 11 de Agosto de 2011 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO E

Leia mais

Caderneta de Poupança

Caderneta de Poupança Caderneta de Poupança A Caderneta de Poupança é uma das mais antigas e populares formas de aplicação financeira existente no Brasil e foi concebida para atender poupadores de baixa renda, com reduzida

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais

PRODUTOS BANCÁRIOS POUPANÇA

PRODUTOS BANCÁRIOS POUPANÇA POUPANÇA Popular: Rural ou Habitacional Juros Menor Saldo Período Rentabilidade: Mensal PF e PJ (sem fins lucrativos) Trimestral PJ (demais) Dias 29, 30, 31 Aniversário 1 Possui Cobertura do FGC CEF: Garantido

Leia mais

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato Matemática Financeira Leandra Anversa Fioreze Rendas Imediatas: Primeiro pagamento efetuado no final do primeiro período. Ex: Comprei uma calculadora HP-12c Platinum em três parcelas de R$95,00, sendo

Leia mais

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 04/10 Prof. Pedro Souza UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Conforme aprovado pelo Conselho Deliberativo em reunião realizada em 4 de abril de 2011 a São Bernardo implementará em 1º de julho de 2011

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

COMISSÃO MISTA DESTINADA A EMITIR PARECER SOBRE A MEDIDA PROVISÓRIA N O 567, DE 03 DE MAIO DE 2012.

COMISSÃO MISTA DESTINADA A EMITIR PARECER SOBRE A MEDIDA PROVISÓRIA N O 567, DE 03 DE MAIO DE 2012. COMISSÃO MISTA DESTINADA A EMITIR PARECER SOBRE A MEDIDA PROVISÓRIA N O 567, DE 03 DE MAIO DE 2012. MEDIDA PROVISÓRIA N o 567, DE 03 DE MAIO DE 2012 (MENSAGEM N o 36, DE 2012, DO CONGRESSO NACIONAL) (MENSAGEM

Leia mais

INVESTIMENTOS CONSERVADORES

INVESTIMENTOS CONSERVADORES OS 4 INVESTIMENTOS CONSERVADORES QUE RENDEM MAIS QUE A POUPANÇA 2 Edição Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Para quem tem até R$ 30 mil para investir, poupança se mantém mais rentável que fundos DI

Para quem tem até R$ 30 mil para investir, poupança se mantém mais rentável que fundos DI Para quem tem até R$ 30 mil para investir, poupança se mantém mais rentável que fundos DI Vinicius Neder Publicado: 6/05/12-22h42 RIO - Acabou a vida fácil para o pequeno investidor. O governo mudou a

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

PERFIL DE INVESTIMENTOS PERFIL DE INVESTIMENTO

PERFIL DE INVESTIMENTOS PERFIL DE INVESTIMENTO PERFIL DE INVESTIMENTOS O QUE É? É a opção dada ao participante para que indique os percentuais de seu saldo que devem ser alocados em Renda Fixa e em Renda Variável (ações), de acordo com a sua aptidão

Leia mais

Facilidade de entendimento do mercado imobiliário, leva esse tipo de investimento ainda ser muito procurado.

Facilidade de entendimento do mercado imobiliário, leva esse tipo de investimento ainda ser muito procurado. Brasília, 10 de Dezembro de 2012 NOTA À IMPRENSA Facilidade de entendimento do mercado imobiliário, leva esse tipo de investimento ainda ser muito procurado. Por: (*) Rafhael Carvalho Marinho O índice

Leia mais

O Sistema de Financiamento Habitacional no Brasil: Potencial para atender o déficit e a demanda

O Sistema de Financiamento Habitacional no Brasil: Potencial para atender o déficit e a demanda O Sistema de Financiamento Habitacional no Brasil: Potencial para atender o déficit e a demanda Claudia Magalhães Eloy Rio de Janeiro, setembro de 2015 IUHF, UNIAPRAVI Financiamento Habitacional no Brasil

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 359, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 359, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 359, DE 2015 Altera os incisos V, VI e VII do art. 20 da Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, para reduzir o prazo de carência para utilização da conta vinculada do FGTS para

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

O Sistema de Financiamento Habitacional no Brasil: Potencial para atender o déficit e a demanda

O Sistema de Financiamento Habitacional no Brasil: Potencial para atender o déficit e a demanda O Sistema de Financiamento Habitacional no Brasil: Potencial para atender o déficit e a demanda Claudia Magalhães Eloy Rio de Janeiro, setembro de 2015 IUHF, UNIAPRAVI Financiamento Habitacional no Brasil

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

O que devo saber para contratar meu Financiamento Habitacional

O que devo saber para contratar meu Financiamento Habitacional O que devo saber para contratar meu Financiamento Habitacional O que devo saber para contratar o meu financiamento imobiliário? Termos que você deve conhecer Financiamento é o valor emprestado pelo Banco

Leia mais

CUSTO JURÍDICO NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO JUL/2002

CUSTO JURÍDICO NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO JUL/2002 Diretoria de Crédito e Recuperação de Ativos CUSTO JURÍDICO NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO JUL/2002 Meios de aquisição de bens (ex.:imóveis) Poupança Prévia Acumulação de Capital Rendimentos Financiament o BANCO

Leia mais

2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA.

2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA. Brasília, 10 de Janeiro de 2013 NOTA À IMPRENSA 2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA. Por: (*) Rafhael Carvalho Marinho O índice de preços imobiliários verifica a existência de

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014 Introdução, perguntas e respostas que vão te ajudar a conseguir dialogar com clientes que tenham dúvidas sobre os investimentos que estão fazendo, ou alguma outra pessoa que realmente entenda do mercado

Leia mais

a) Buscar informações no site da Caixa Econômica Federal, http://www.caixa.gov.br/, ou

a) Buscar informações no site da Caixa Econômica Federal, http://www.caixa.gov.br/, ou CASA PRÓPRIA DO SERVIDOR O Governo do Estado do Goiás, em convênio com a Caixa Econômica Federal, disponibiliza aos seus servidores civis e militares, ativos e inativos, bem como aos pensionistas, linhas

Leia mais

ATENÇÃO. O Banco do Brasil apesar de não ser mais uma autoridade, ainda exerce atividades típicas de Banco Central.

ATENÇÃO. O Banco do Brasil apesar de não ser mais uma autoridade, ainda exerce atividades típicas de Banco Central. 1. BREVE HISTÓRICO DO SFN O SFN brasileiro é relativamente novo. Tem pouco mais de 50 anos. Foi criado em 1964. Mas isso não quer dizer que não existiam instituições financeiras anteriormente. Com a vinda

Leia mais

Renda Fixa. Letra de Crédito Imobiliário

Renda Fixa. Letra de Crédito Imobiliário Renda Fixa Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário Uma alternativa para diversificação de carteira de investimento O produto Letra de Crédito Imobiliário () é um título de crédito, lastreado

Leia mais

Microsoft Excel. Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO

Microsoft Excel. Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO Microsoft Excel Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO 1-) Funções financeiras no Excel... 2 1.1-) Função = VF( )... 2 1.2-) Função =VP( )... 3 1.3-) Função = PGTO ( )... 3 1.4-) Valor Presente Utilizando

Leia mais

Seminário Crédito Imobiliário Visão do regulador e o mercado externo Banco Central do Brasil (BCB)

Seminário Crédito Imobiliário Visão do regulador e o mercado externo Banco Central do Brasil (BCB) Seminário Crédito Imobiliário Visão do regulador e o mercado externo Banco Central do Brasil (BCB) São Paulo, 20 de março de 2014 Agenda 1. Panorama do Segmento 2. Particularidades do Mercado Brasileiro

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO Um título público consiste, de maneira simplificada, um empréstimo ao governo federal, ou seja, o governo fica com uma dívida com o comprador

Leia mais

ONDE ESTAMOS? Mais de 40 mil clientes. 110 escritórios pelas principais cidades do Brasil. Mais de 600 Agentes Autônomos de Investimentos.

ONDE ESTAMOS? Mais de 40 mil clientes. 110 escritórios pelas principais cidades do Brasil. Mais de 600 Agentes Autônomos de Investimentos. ONDE ESTAMOS? Mais de 40 mil clientes. 110 escritórios pelas principais cidades do Brasil. Mais de 600 Agentes Autônomos de Investimentos. RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Novembro 2013 COMO FUNCIONA A RENDA

Leia mais

criada em 1964 com o objetivo de captar os recursos das poupanças populares e direcionálos para o financiamento habitacional.

criada em 1964 com o objetivo de captar os recursos das poupanças populares e direcionálos para o financiamento habitacional. criada em 1964 com o objetivo de captar os recursos das poupanças populares e direcionálos para o financiamento habitacional. conhecida popularmente por poupança Durante esses vários anos de existência

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE IF S DATA: 25/03/2010 O CAPITAL É CONSTITUÍDO EM MOEDA CORRENTE OU TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS SUBSCRIÇÃO MÍNIMA - 50%

CONSTITUIÇÃO DE IF S DATA: 25/03/2010 O CAPITAL É CONSTITUÍDO EM MOEDA CORRENTE OU TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS SUBSCRIÇÃO MÍNIMA - 50% DATA: 25/03/2010 PROFs. SÔNIA LIMA VALTUIR CONSTITUIÇÃO DE IF S DE ACORDO LEI 4.595/64 O CAPITAL É CONSTITUÍDO EM MOEDA CORRENTE OU TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS SUBSCRIÇÃO MÍNIMA - 50% 1 A INTEGRALIZAÇÃO

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

Centro de Estudos da Consultoria do Senado Federal

Centro de Estudos da Consultoria do Senado Federal Centro de Estudos da Consultoria do Senado Federal ALTERAÇÕES NAS REGRAS DA POUPANÇA: CUIDADOS E RECOMENDAÇÕES Marcos Antônio Kohler TEXTOS PARA DISCUSSÃO 58 ISSN 1983-0645 Brasília, maio / 2009 Contato:

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Ritmo da atividade econômica e mudança nas regras da poupança Grupo de Economia / Fundap Introdução A frustração com o ritmo de crescimento da economia brasileira é evidente. A produção industrial permaneceu,

Leia mais

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veículo: Estadão Data: 26.11.13 Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veja qual produto é mais adequado ao seu bolso: até R$ 10 mil, de R$ 10 mil a R$ 100 mil e acima

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P J U L H O, 2 0 1 5 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 2,4 bilhões Saldo: R$ 504,6 bilhões Financiamentos

Leia mais

O QUE DEVO SABER PARA CONTRATAR O MEU FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO?

O QUE DEVO SABER PARA CONTRATAR O MEU FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO? TERMOS QUE VOCÊ DEVE CONHECER Financiamento é o valor emprestado pelo Banco para ajudá-lo a adquirir o seu imóvel. Juros é o custo do financiamento. Informe-se na sua agência da Caixa ou no correspondente

Leia mais

Movimentações entre aplicações financeiras sem CPMF

Movimentações entre aplicações financeiras sem CPMF Movimentações entre aplicações financeiras sem CPMF A Conta Investimento foi instituída pela Lei 10.892, que entrou em vigor em 01/10/2004. Trata-se de uma conta corrente de depósitos para investimento

Leia mais

Taxa básica de juros e a poupança

Taxa básica de juros e a poupança UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, SECRETARIADO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Prof. Isidro LEITURA COMPLEMENTAR # 2 Taxa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1980 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1980 R E S O L V E U: RESOLUÇÃO Nº 1980 Aprova regulamento que disciplina direcionamento dos recursos captados pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstismo (SBPE) e as operações de financiamento

Leia mais

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? *

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Com a queda da taxa básica de juros, a economia brasileira observa uma aceleração do crédito como nunca antes vista. Os juros em baixa

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO O QUE É? No Brasil um fundo de investimento possui a sua organização jurídica na forma de um condomínio de investidores, portanto o fundo de investimento possui um registro na Receita Federal (CNPJ) pois

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 24, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 24, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 24, DE 2006 Altera a Medida Provisória nº 2.197-43, de 24 de agosto de 2001, para dispor sobre a cobertura securitária em financiamentos no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação

Leia mais

A isenção do imposto de renda na poupança é um subsídio justo e eficiente?

A isenção do imposto de renda na poupança é um subsídio justo e eficiente? A isenção do imposto de renda na poupança é um subsídio justo e eficiente? Marcos Kohler 1 Existe a idéia consolidada na sociedade brasileira de que a caderneta de poupança é um mecanismo que favorece

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010 Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL Outubro de 2010 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

CAIXA ECONOMICA FEDERAL

CAIXA ECONOMICA FEDERAL JUROS SIMPLES Juros Simples comercial é uma modalidade de juro calculado em relação ao capital inicial, neste modelo de capitalização, os juros de todos os períodos serão sempre iguais, pois eles serão

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo *

A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo * A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo * Estamos acostumados à idéia de que o valor do dinheiro muda ao longo do tempo, pois em algum momento convivemos com algum tipo de inflação e/ou

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM.

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. Por norma do Conselho Monetário Nacional (CMN), foram padronizados os Serviços Prioritários e os serviços isentos para Pessoa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990. Mensagem de veto Dispõe sobre a atualização do Bônus do Tesouro Nacional e dos depósitos de

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir Introdução à Matemática Financeira Valor do dinheiro no tempo Moeda Antes de detalharmos a Matemática Financeira, vejamos algumas definições sobre o que são moeda e capital. Moeda é o meio que facilita

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: O valor do dinheiro no tempo

Resumo Aula-tema 03: O valor do dinheiro no tempo Resumo Aula-tema 03: O valor do dinheiro no tempo Por que o valor do dinheiro muda com o passar do tempo? Toda análise financeira leva em consideração um de seus principais paradigmas: o dinheiro perde

Leia mais

Luiz Maia (UFRPE), luiz_maia@yahoo.com Recife, 19 de agosto de 203

Luiz Maia (UFRPE), luiz_maia@yahoo.com Recife, 19 de agosto de 203 A influência da inflação e dos juros na poupança e em outras aplicações de renda fixa Luiz Maia (UFRPE), luiz_maia@yahoo.com Recife, 19 de agosto de 203 Roteiro O que é... e o que não é Renda Fixa (flashback!)

Leia mais

seu dinheiro Consórcio ou financiamento? #103 Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel

seu dinheiro Consórcio ou financiamento? #103 Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel #103 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel Consórcio ou financiamento? Poupança com ganho real Investimento volta a superar a inflação

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL. O déficit habitacional brasileiro é da ordem de 7 milhões de unidades. A demanda por crescimento demográfico do número de famílias é da ordem de 700 MIL unidades

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 01) (TCM/RJ Técnico de Controle Externo FJG 2003) Guilherme utilizou o limite de crédito

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 É um órgão colegiado, de segundo grau, integrante

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.446 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1.446 R E S O L V E U: RESOLUÇÃO Nº 1.446 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o Presidente do CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, por ato de 18.12.87, com base no artigo

Leia mais

Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor e

Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor e SOBRE AS ALTERAÇÕES NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO E OUTRAS REFERENTES À POLÍTICA HABITACIONAL CONTIDAS NA MP 2.212 DE 30/8/01 E NAS MPS 2.221 E 2.223 DE 4/9/01 EDUARDO BASSIT LAMEIRO DA COSTA Consultor Legislativo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Os fundos de previdência privada, sejam fechados ou abertos, têm características próprias e vantagens tributárias em relação aos investimentos

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Selic (LFT) O Tesouro Selic (LFT) é um título pós fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa básica

Leia mais

Tesouro Direto. Florianópolis. Renato Andrade

Tesouro Direto. Florianópolis. Renato Andrade Tesouro Direto Florianópolis Renato Andrade Visão Geral Vantagens Comprando Tributação e Vendendo Títulos Comprando e Vendendo Títulos Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto Perfil

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Produção paulista de roupas diminui 40%

Produção paulista de roupas diminui 40% Boletim 795/2015 Ano VII 20/07/2015 Produção paulista de roupas diminui 40% A desaceleração do varejo fez a produção de roupas do Estado de São Paulo cair cerca de 40% no primeiro semestre deste ano na

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.292, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.292, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.292, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre a portabilidade de operações de crédito realizadas com pessoas naturais, altera a Resolução nº 3.401, de 6 de setembro de 2006, e dá outras providências.

Leia mais

Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito

Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito - O que significa DPEG? - O que é DPGE 1 e 2? Quais suas finalidades? Qual a diferença para o FGC? DPGEs são títulos de renda fixa representativos

Leia mais

COMENTÁRIOS. A Taxa Real Efetiva de Juros

COMENTÁRIOS. A Taxa Real Efetiva de Juros COMENTÁRIOS A Taxa Real Efetiva de Juros 1. Taxa Nominal e Taxa Real de Juros. 2. A Taxa Real" de Juros: Fórmula Alternativa. 3. Taxa Declarada de Juros Antecipados e Taxa Real Efetiva de Juros. 4. Exemplos

Leia mais