COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT"

Transcrição

1 COMUNICADO SNA N.º 010/00 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos - SNA Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos - CETIP, comunica que, de acordo com o Decreto N.º de 11/7/00 e com os Ofícios STN N.º 3113, 3631 e 3498, de 7/7/00, 4/8/00 e 31/7/00, respectivamente, comunica que estará aceitando, a partir de 02/10/00, registro de Certificados do Tesouro Nacional - CFT com novas condições de codificação e remuneração. 2. A regulamentação acima citada cria o conceito de data - base que servirá como data de referência para atualização nominal dos CFT's, exceção feita ao CFT- F que tem como característica específica, o rendimento definido pelo deságio do valor nominal de face. Foram definidas pelo Tesouro Nacional as seguintes datas-base: CFT-A, CFT-C e CFT-D, corrigidos por IGP-DI, Selic e Dólar, respectivamente, terão data-base em 15/01/2000; CFT-B e CFT-E, corrigidos por TR e IGP-M, respectivamente, terão database em 01/01/2000. O "dia" das datas de emissão e vencimento dos ativos deve ser coincidente com o "dia" das datas-base. Quando do registro desses ativos, o sistema apresentará o valor nominal corrigido desde a data-base até a data de emissão, na tela de consulta SNA 43. Caso o registro seja posterior à data de emissão (registro decorrido) o sistema atualizará o ativo até a data corrente no dia seguinte, após a rotina noturna. Para os ativos com correção referenciada em índice de preços, a atualização ocorrerá na primeira data de aniversário mensal seguinte.

2 Comunicado SNA N.º 010/00, de fls No tocante a juros, as datas de pagamento periódico serão apuradas fazendose a contagem da periodicidade definida a partir da data de vencimento para a data de emissão, podendo haver ajuste de prazo no primeiro período de fluência. Cada cupom de juros a ser pago ou incorporado contemplará o valor integral de juros para o período de fluência do título (mensal, semestral ou anual) mesmo quando houver ajuste de prazo no primeiro período de fluência. Sendo definido que o primeiro pagamento de juro periódico ocorra em data futura de aniversário periódico, será configurado um período de carência, caso em que haverá incorporação dos cupons de juros referentes aos valores devidos e não pagos, na data de pagamento periódico imediatamente anterior à do primeiro pagamento. 4. Os CFT's já depositados no sistema manterão a codificação e critérios de cálculo existentes, conforme seu registro inicial. 5. Encaminha, em anexo, descrição da nova codificação e das fórmulas de cálculo de atualização, juros e amortização aplicáveis aos referidos ativos. Rio de Janeiro, 11 de setembro de Anexos:1/13 Paulo Roberto Mendonça Superintendente Geral

3 Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.01 CODIFICAÇÃO Os Certificados Financeiros do Tesouro - CFT serão identificados no Sistema Nacional de Ativos - SNA por código alfanumérico composto de 10 dígitos, assim definidos: HCFTXYAAAA, HCFT = Certificados Financeiros do Tesouro; X = Y = Série (A, B, C, D, E, F), que define o parâmetro de atualização do CFT; Sub-série (1, 2, 3, 4, 5), que define a periodicidade de pagamento de juros e/ou existência de amortizações. AAAA = Código alfanumérico sequencial (a ser estratificado pelo Tesouro Nacional conforme forem estabelecidas taxas de juros específicas para cada certificado). Exceções: Os CFT-E a serem utilizados no Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior - FIES, e os CFT-B que servirão como caução na alienação de bens confiscados de traficantes de drogas. Apenas nestes dois casos, que são subconjuntos de suas séries, os ativos terão data-base igual à data de emissão e codificação diferenciada, como segue: HCFTEEMMAA e HCFTBBMMAA, MM = Mês de vencimento (01, 02,... 12) AA = Ano de Vencimento (00,01, )

4 Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.02 Negociabilidade Caso o CFT seja emitido com característica de INEGOCIABILIDADE, deverá ser trocado o caracter "T" situado na quarta posição (quarto dígito) do código, em todas as situações acima descritas, pelo caracter "I": Exemplo: HCFTA1 negociável HCFIA1 inegociável Observação: A codificação dos ativos é de responsabilidade do emissor (Tesouro Nacional) e o sistema obedecerá às características de registro (Tela SNA52) para proceder aos cálculos, pagamentos e condições de negociabilidade. Apresentamos, a seguir, um quadro sintetizando as combinações de Séries e Sub-séries de CFT: QUADRO GERAL DE CARACTERÍSTICAS DOS CFT's Atualização Juro/Amortização IGP-DI TR SELIC DÓLAR IGP-M DESÁGIO com ou sem Juros Juro: Final Amort: NA A1 B1 C1 D1 E1 F1 Juro: Anual Amort: NA A2 B2 C2 D2 E2 F2 Juro: Semestral Amort: NA A3 B3 C3 D3 E3 F3 Juro: Mensal Amort: NA A4 B4 C4 D4 E4 F4 Juro: Periódico Amort: T. Price NA: Não se aplica A5 B5 C5 D5 E5 F5

5 Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.03 FÓRMULAS DE CÁLCULO DE CFT s ATUALIZAÇÃO: Série: CFT-A Indexador: IGP-DI & NI n # VNa = VNb ' $ % NI 0 " VNa = Valor Nominal atualizado, calculado com 2 (duas) casas decimais, sem arredondamento; VNb =Valor nominal de emissão, ou da data da última amortização ou incorporação, se houver, calculado com 2 (duas) casas decimais, sem arredondamento; NI 0 = Número Índice do IGP-DI do mês imediatamente anterior ao mês da database ou ao mês da última amortização ou incorporação, se houver; NI n = Número Índice do IGP-DI do mês imediatamente anterior ao mês de atualização, pagamento ou vencimento. Observação: 1) O fator resultante da variação do índice é calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arredondamento.

6 Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.04 Série: CFT-B Indexador: TR VNa = VNb. dup n ' " " $ %- TR * dut k + + 1( % = 1, 100 ) & # k VNa = Valor Nominal atualizado, calculado com 6 (seis) casas decimais, sem arredondamento; VNb =Valor nominal de emissão ou da data da última amortização ou incorporação, se houver, calculado com 6 (seis) casas decimais, sem arredondamento; n = Número de TR's consideradas entre a data-base e a data de atualização pagamento ou vencimento, sendo n um número inteiro; TR k = Taxa Referencial das datas de aniversário mensal, com base no vencimento, divulgadas pelo Banco Central do Brasil entre a data-base para atualização ou data da última amortização ou incorporação, se houver, e a data de atualização, pagamento ou vencimento do ativo. dup = Número de dias úteis entre a data de atualização e a data-base ou data de aniversário mensal anterior; dut = Número total de dias úteis do período de vigência da TR k. Observações: 1) Datas de aniversário mensal são as datas entre a data-base e o vencimento do ativo que apresentem o "dia" igual ao dia da data de vencimento;

7 Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.05 2) O produtório de TR's apresentado acima é composto de fatores relativos a cada TR ou seu pro-rata considerados com 8 (oito) casas decimais, sem arredondamento. A cada novo fator incluído no produtório é criado um fator intermediário também considerado com 8 (oito) casas decimais sem arredondamento. Série: CFT-C Indexador: Taxa SELIC VNa = VNb" n ( 1+ lft k ) k= 1 VNa = Valor Nominal atualizado, calculado com 2 (duas) casas decimais, sem arredondamento; VNb =Valor nominal de emissão, ou da data da última amortização ou incorporação, se houver, calculado com 2 (duas) casas decimais, sem arredondamento; n = Número de taxas SELIC over entre a data-base ou data da última amortização ou incorporação, se houver, e a data de atualização, pagamento ou vencimento, sendo "n" um número inteiro; lft k = Taxa SELIC over expressa ao dia, calculada com 8 (oito) casas decimais, com arredondamento, conforme segue: lft k ' LFTk $ = % + 1" 1, k = 1, 2,..., n & 100 # LFT k =Taxa SELIC over divulgada pelo Banco Central do Brasil, informada com 2 (duas) casas decimais.

8 Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.06 Observações: 1) O produtório dos fatores diários (1+lft k ) é feito truncando-se o resultado, a cada fator diário acumulado, com 16 (dezesseis) casas decimais, sem arredondamento. 2) O fator resultante, após acumulados os fatores diários, é considerado com 8 (oito) casas decimais com arredondamento. Série: CFT-D Indexador: Dólar Comercial (Cotação de venda do US$ PTAX800) & US VNa = VNb' $ % US n 0 # " VNa = Valor Nominal atualizado, calculado com 2 (duas) casas decimais, sem arredondamento; VNb =Valor nominal de emissão ou da data da última amortização ou incorporação, se houver, calculado com 2 (duas) casas decimais, sem arredondamento; US 0 = Valor do dólar comercial de venda (PTAX800) do dia útil anterior à data-base ou à data da última amortização ou incorporação, se houver. US n = Valor do dólar comercial de venda (PTAX800) do dia útil anterior à data de atualização, pagamento ou vencimento; Observação: 1) O fator resultante da variação do dólar é calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arredondamento.

9 Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.07 Série: CFT-E Indexador: IGP-M & NI n # VNa = VNb ' $ % NI 0 " VNa = Valor Nominal atualizado, calculado com 6 (seis) casas decimais, sem arredondamento; VNb =Valor nominal de emissão ou da data da última amortização ou incorporação, se houver, calculado com 6 (seis) casas decimais, sem arredondamento; NI 0 = Número Índice do IGP-M do mês imediatamente anterior ao mês da data-base ou ao mês da última amortização ou incorporação, se houver; NI n = Número Índice do IGP-M do mês imediatamente anterior ao mês de atualização, pagamento ou vencimento. Observação: 1) O fator resultante da variação do índice é calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arredondamento. Série: CFT-F Indexador: Não há Atualização por apropriação pro-rata dias corridos, do deságio do Preço Unitário do título na data de emissão, relativamente ao Valor de Face do mesmo. PU a = PU b & $, - $ * $ + % VF PU b ) ' ( dcp dct # "

10 Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.08 PU a = Preço Unitário atualizado, considerado com 2 (duas) casas decimais, sem arredondamento; PU b = Preço Unitário na data de emissão ou após a última amortização, se houver; VF = Valor de Face; dcp = Número de dias corridos contados desde a data de emissão ou última amortização, se houver, até a data de atualização, pagamento ou vencimento; dct = Número de dias corridos contados desde a data de emissão ou última amortização, se houver, até a data de vencimento; Observações: 1) Na data de vencimento dcp = dct, o que resulta em PU a = VF. 2) Além do deságio, os CFTF s podem render juros, que incidirão sobre o Valor de Face, ou possuir amortizações. JUROS Séries: CFT-A, B, C, E e F Taxa: A ser definida quando da emissão do Certificado, pelo Ministro de Estado da Fazenda ou pelo Secretário do Tesouro Nacional, a quem foi delegada esta competência pela Portaria Nº 214 de 14/7/00, ' dcp ' $ $ N. + dct &&, 4 i 112 J = VN ) a ouvf / # ( 1#, ) % - * % " "

11 J = Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.09 Valor unitário de juros, calculado com 2 (duas) casas decimais para CFT-A, C e F e com 6 (seis) casas decimais para CFT-B e E, sem arredondamento; VNa e VF = Variáveis anteriormente definidas; VNa será utilizado para CFT-A, B, C ou E; VF para CFT-F i = N = taxa de juros definida, expressa exponencial ao ano de 360 dias corridos; Número de meses referente ao período de pagamento de juros, como segue: N = N.º total de meses entre o mês de emissão e o mês de vencimento, para juros pagos no vencimento (sub-série 1); N = 12, para juros anuais (sub-série 2); N = 6, para juros semestrais (sub-série 3); N = 1, para juros mensais (sub-série 4); N = Nº de meses da periodicidade definida para pagamento de juros juntamente às amortizações, calculadas de acordo com "Tabela Price" (subsérie 5); dcp = Número de dias corridos contados desde a data de emissão, incorporação ou último pagamento de juros, se houver, até a data de atualização, pagamento ou vencimento; dct = Número de dias corridos contados desde a data de emissão, incorporação ou último pagamento de juros, se houver, até a data do próximo pagamento ou vencimento. Série: CFT-D &, J = VNa - $ * % + i 100 ), '-* ( + N 12 ), dcp )# '-* ' ( + dct (" i = Taxa de juros definida, expressa linear ao ano de 360 dias; Demais variáveis conforme anteriormente definidas.

12 Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.10 Observações: 1) As datas de pagamento de juros serão deduzidas fazendo-se a contagem da periodicidade definida, da data de vencimento para a data de emissão, podendo haver ajuste de prazo no primeiro período de fluência. 2) No caso de pagamento periódico, cada cupom de juros a ser pago ou incorporado, contemplará o valor integral de juros para o período de fluência do título (mensal, semestral ou anual) mesmo quando houver ajuste de prazo no primeiro período de fluência. 3) Sendo definido que o primeiro pagamento de juro periódico ocorra em data futura de aniversário periódico do título, será configurado um período de carência, caso em que deverá haver incorporação dos cupons de juros referentes aos valores devidos e não pagos, na data de pagamento periódico imediatamente anterior à do primeiro pagamento. Neste caso, a variável "N" poderá assumir outros valores que que não aqueles previstos para os períodos de pagamento, sempre múltiplos da periodicidade. Para os CFT-F, os juros serão incorporados, quando couber, ao valor de face. 4) Sendo a contagem de juros mensal, os ativos terão o "dia" da data de emissão coincidente com o "dia" da data de vencimento. 5) O valor financeiro dos juros a serem pagos será apurado conforme Comunicado SNA N.º 008 de14/7/2000. AMORTIZAÇÃO Todos os tipos de CFT (A, B, C, D, E e F), quando, emitidos como sub-série 5, são passíveis de amortização periódica nas datas de aniversário do Certificado, conforme sistema francês de amortização - "Tabela Price". Caberá ao emissor calcular os percentuais de amortização periódica ao longo da vida do ativo e imputar tais percentuais em tela própria, que lhe será apresentada com as datas da periodicidade definida.

13 Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.11 Este tipo de amortização, no sistema SNA, é definido como "Amortização Variável", visto que os percentuais podem não ser uniformes, o quais incidirão sobre o saldo do valor nominal atualizado (valor remanescente atualizado), em períodos uniformes. O cálculo da amortização obedecerá às seguintes fórmulas: CFT-A, B, C, D e E CFT-F &, Taxa )# &, Taxa )# AMT = $ VNa -* ' AMT = % $ PUa -* ' (" % ( " AMT = VNa = Taxa = PUa = Valor unitário da amortização calculado com 2 (duas) casas decimais para CFT-A, C e D com 6 (seis) casas decimais para CFT-B e E, sem arredondamento; Valor nominal atualizado ou saldo do valor nominal atualizado, calculado com 2 (duas) casas decimais para CFT-A, C e D com 6 (seis) casas decimais para CFT-B e E, sem arredondamento; Taxa de amortização em forma percentual, informada com 4 casas decimais. Preço unitário atualizado pela apropriação pro-rata dias corridos do deságio do preço unitário do título na data de emissão, relativamente ao valor de face, calculado com 2 (duas) casas decimais, sem arredondamento. O valor financeiro da amortização a ser paga é definido pela seguinte fórmula: VF AMT = AMT Q

14 Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.12 VF AMT = Valor financeiro da amortização a ser paga; AMT é variável anteriormente definida; Q = Quantidade de ativos em custódia do participante; O valor nominal unitário remanescente após a amortização será apurado conforme a seguinte fórmula: CFT-A, B, C, D e E CFT-F VA = VNa AMT PA = PUa AMT VA = Valor nominal unitário remanescente (saldo de valor nominal) após a amortização; PA = Preço unitário remanescente (saldo do preço unitário) após a amortização VNa, PUa e AMT são variáveis anteriormente definidas. Observações: 1) Após o cálculo de VA ou PA, estes assumem o lugar de VNb ou PUb, valor nominal ou preço unitário, respectivamente, que se tornam base para atualização. 2) A cada amortização periódica do CFT-F, o Valor de Face (VF) do título deve ser reduzido na mesma proporção do percentual amortizado: VF R = VF" ( 1 Taxa)

15 Anexo do Comunicado SNA N.º 010/00, de 11/9/2000 fls.13 VF R = Valor de face remanescente, após amortização, calculado com 2 (duas) casas decimais, sem arredondamento; VF = Valor de face anterior à amortização; Taxa, é variável anteriormente definida. Os cupons de juros passam a ser calculados com base no Valor de Face reduzido das amortizações periódicas - VF R.

COMUNICADO SNA Nº 011/01. Ref.: Trata da aceitação de registro de duas novas séries de Certificados do Tesouro Nacional CFT.

COMUNICADO SNA Nº 011/01. Ref.: Trata da aceitação de registro de duas novas séries de Certificados do Tesouro Nacional CFT. COMUNICADO SNA Nº 011/01 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos SNA Ref.: Trata da aceitação de registro de duas novas séries de Certificados do Tesouro Nacional CFT. A Central de Custódia e de

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 03 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. LISTA DE SIGLAS E SÍMBOLOS... 2 3. Bônus do Tesouro Nacional BTN... 4 4. Letras Financeiras do Tesouro LFT... 7 4.1 Letras Financeiras do Tesouro Série A LFT-A... 9 4.2

Leia mais

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1 Última atualização:30/09/2015 1 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetivo informar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos aplicados aos ativos: Certificado de Depósito Bancário

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS 6 Capítulo I Títulos de responsabilidade do Tesouro Letras do Tesouro Nacional (LTN) Legislação básica: Decreto nº 3.859, de 4.7.2001. Finalidade: poderão ser emitidas para cobertura

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Mercado Aberto, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo Código ANBIMA

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro IPCA + com Juros Semestrais NTN B O Tesouro IPCA + com Juros Semestrais (NTN B) é um título pós fixado, cuja rentabilidade

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Metodologia de Cálculo dos Títulos Públicos Federais Ofertados nos Leilões Primários O objetivo deste guia é facilitar o entendimento dos investidores sobre algumas peculiaridades

Leia mais

Apresentação. Caderno de Fórmulas. MOP Módulo de Títulos Securitizados Federais

Apresentação. Caderno de Fórmulas. MOP Módulo de Títulos Securitizados Federais Elaboração: Fevereiro/2000 Última atualização: 01/10/2010 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetivo esclarecer aos usuários a metodologia de cálculos e critérios de precisão dos Títulos da

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Selic (LFT) O Tesouro Selic (LFT) é um título pós fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa básica

Leia mais

COMUNICADO SIM Nº 010/03. Ref: Trata da realização de leilão de venda de Notas do Tesouro Nacional Série A3 NTN-A3.

COMUNICADO SIM Nº 010/03. Ref: Trata da realização de leilão de venda de Notas do Tesouro Nacional Série A3 NTN-A3. COMUNICADO SIM Nº 010/03 Aos Participantes do Sistema Integrado de Mercados SIM Ref: Trata da realização de leilão de venda de Notas do Tesouro Nacional Série A3 NTN-A3. A Central de Custódia e de Liquidação

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto LFT A LFT é um título pós-fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa de juros básica da economia. Sua remuneração

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 001/97

COMUNICADO SPR N.º 001/97 COMUNICADO SPR N.º 001/97 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP comunica que, a partir do dia 02/5/97,

Leia mais

CARTA CIRCULAR N.º 034

CARTA CIRCULAR N.º 034 Aos Participantes do Sistema de Registro e de Liquidação Financeira de Títulos CARTA CIRCULAR N.º 034 A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP comunica aos participantes do Sistema

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

Paulo Roberto Mendonça Superintendente Geral

Paulo Roberto Mendonça Superintendente Geral COMUNICADO SPR Nº 007/02 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP comunica que, atendendo demanda de instituições

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS Componentes do Preço; Entendendo o que altera o preço. Componentes do Preço O objetivo desta seção é apresentar ao investidor: os fatores

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 677, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013.

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 677, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 677, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2013. O Subsecretário da Dívida Pública da Secretaria do Tesouro Nacional, substituto, no uso das atribuições que

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Custódia Qualificada Outubro de 2012 Data de Vigência: 01/10/2012 Documentação Técnica - Metodologia de Precificação 1. Introdução...... 4 2. Princípios Gerais de Marcação

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas Manual de Precificação de Ativos Fundos de Investimento e Carteiras Administradas Janeiro de 2009 ÍNDICE Introdução 03 Títulos Públicos Federais 05 Pós fixados LFT 06 Pré fixados LTN 07 NTN-B Indexador

Leia mais

PORTARIA No- 523, DE 4 DE SETEMBRO DE 2009

PORTARIA No- 523, DE 4 DE SETEMBRO DE 2009 PORTARIA No- 523, DE 4 DE SETEMBRO DE 2009 O SECRETÁRIO ADJUNTO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe conferem a Portaria MF nº 183, de 31 de julho de 2003, e a Portaria STN nº 143, de 12

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO Letras do Tesouro Nacional LTN Características Gerais: Juros: Não há, estão implícitos no deságio do título. Modalidade: Escritural,

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

COMUNICADO CetipNET Nº 008/02. Ref.: Trata da realização de leilão de Letras de Crédito Imobiliário - LCI

COMUNICADO CetipNET Nº 008/02. Ref.: Trata da realização de leilão de Letras de Crédito Imobiliário - LCI COMUNICADO CetipNET Nº 008/02 Aos Participantes do Sistema de Negociação Eletrônica de Títulos CetipNET Ref.: Trata da realização de leilão de Letras de Crédito Imobiliário - LCI A Central de Custódia

Leia mais

Comunicado Cetip n 013/14 12 de Fevereiro de 2014

Comunicado Cetip n 013/14 12 de Fevereiro de 2014 Comunicado Cetip n 013/14 12 de Fevereiro de 2014 Assunto: Leilão de Venda de Notas do Tesouro Nacional Série A3 NTN- A3 vencimento em 15/04/2024 - Módulo Leilão Sistema de Negociação Eletrônica. O Diretor-Presidente

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

Caderno de Metodologia de Cálculo. Versão 1.1

Caderno de Metodologia de Cálculo. Versão 1.1 Caderno de Metodologia de Cálculo Versão 1.1 Fevereiro/2014 Sumário 1. Introdução... 2 2. Remuneração: Taxa DI... 3 2.1 Metodologia de cálculo para atualização de título pós-fixado indexado à Taxa DI...

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

CARTA CONJUNTA SUP/AC 019/2012 SUP/AOI 242/2012. Rio de Janeiro, 04 de outubro de 2012

CARTA CONJUNTA SUP/AC 019/2012 SUP/AOI 242/2012. Rio de Janeiro, 04 de outubro de 2012 CARTA CONJUNTA SUP/AC 019/2012 SUP/AOI 242/2012 Rio de Janeiro, 04 de outubro de 2012 ASSUNTO: Programa BNDES Especial de Refinanciamento para os Setores de Bens de Capital e de Transporte Rodoviário de

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

COMUNICADO SNA N.º 011/98

COMUNICADO SNA N.º 011/98 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos SNA COMUNICADO SNA N.º 011/98 A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos Cetip comunica que, em 22.01.1999, estará alterando, de 6 (seis)

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Separador Ponto e vírgula (;). Código ISIN do Instrumento Financeiro. Separador Ponto e vírgula (;). Código Conta Cetip(Emissor) Código Cetip.

Separador Ponto e vírgula (;). Código ISIN do Instrumento Financeiro. Separador Ponto e vírgula (;). Código Conta Cetip(Emissor) Código Cetip. Versão: 25/11/2011 Título e Valores Mobiliários Nome do Arquivo Direcionado ao: Participante e Cetip DALTERAÇÕES Este arquivo é gerado quando houver alterações no Instrumento Financeiro. Para os tipos

Leia mais

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013 Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013 i Conteúdo Conteúdo Introdução ao Swap... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos botões das telas... 5 Lançamento... 7 Registro de Contrato - Fluxo Constante...

Leia mais

BSI CAPITAL SECURITIZADORA S.A. CNPJ/MF N 11.257.352/0001-43 NIRE 35.300.461.827

BSI CAPITAL SECURITIZADORA S.A. CNPJ/MF N 11.257.352/0001-43 NIRE 35.300.461.827 BSI CAPITAL SECURITIZADORA S.A. CNPJ/MF N 11.257.352/0001-43 NIRE 35.300.461.827 ATA DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE TITULARES DOS CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS DA 1ª E 2ª SÉRIES DA 1ª

Leia mais

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco QUEM SOMOS 2 Conceitos básicos; 3 Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco Liquidez: Capacidade de transformar um ativo em dinheiro. Ex. Se você tem um carro ou uma casa e precisa vendê-lo, quanto tempo

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Sumário 1. PRINCÍPIOS GERAIS... 3 1.1. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 1.2. PRINCIPIOS DA MARCAÇÃO A MERCADO... 4 1.3. CONVENÇÕES ADOTADAS...

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

CARTA CIRCULAR N.º 252. Ref.: Trata da implantação do Sistema Integrado de Mercados SIM Módulo STN.

CARTA CIRCULAR N.º 252. Ref.: Trata da implantação do Sistema Integrado de Mercados SIM Módulo STN. CARTA CIRCULAR N.º 252 Aos Participantes de Todos os Sistemas Ref.: Trata da implantação do SIM Módulo STN. A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos - CETIP comunica que, no dia 28/02/2000,

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. Válido para Fundos de Investimentos e Carteiras de Investimentos Setembro de 2010 Versão: 0910 V1.0 PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E 3. Noções de Economia e Finanças pg 26 5 a 7 questões 3.1 Conceitos Básicos de Economia 3.2 Conceitos Básicos de

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

Renda Fixa - Precificação

Renda Fixa - Precificação Renda Fixa - Precificação Prof. Paulo Lamosa Berger Introdução Renda Fixa - Precificação 2 O valor do dinheiro refere-se ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta

Leia mais

Renda Fixa. Valor de Aplicação R$2.000.000,00 N=7dias I = 11,45 % a.a. ([1,1145^(1/360)] 1)

Renda Fixa. Valor de Aplicação R$2.000.000,00 N=7dias I = 11,45 % a.a. ([1,1145^(1/360)] 1) Renda Fixa 20/03/2012 Mestrando: Paulo Jordão.» TesouroNacional e Banco Central: LFTs, NTNs, LTNs, etc: Pré fixadas; Pós fixadas: SELIC acumulada; Indexadas:IPCA, IPGM, VariaçãoCambial.» Empresas: Debêntures

Leia mais

Versão: 09/09/2013 Atualizado em: 09/09/2013

Versão: 09/09/2013 Atualizado em: 09/09/2013 Versão: 09/09/2013 Atualizado em: 09/09/2013 Conteúdo Introdução aos Ativos Imobiliários... 5 Conhecendo os Produtos... 6 Ações dos botões das telas... 10 Registro... 11 Registro/Emissão... 12 Dados Complementares...

Leia mais

CARTA CIRCULAR N.º 257. Ref.: trata dos procedimentos para abertura de conta individualizada por empresas vinculadas à SUSEP.

CARTA CIRCULAR N.º 257. Ref.: trata dos procedimentos para abertura de conta individualizada por empresas vinculadas à SUSEP. CARTA CIRCULAR N.º 257 Às Sociedades Seguradoras, Sociedades de Capitalização e as Entidades Abertas de Previdência Privada Ref.: trata dos procedimentos para abertura de conta individualizada por empresas

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2.471. Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.589, de 28/1/1999.

RESOLUÇÃO N 2.471. Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.589, de 28/1/1999. RESOLUÇÃO N 2.471 Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.568, de 6/11/1998. Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.589, de 28/1/1999. Prazo de renegociação prorrogado. Vide

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PORTARIA Nº 202, DE 19 DE AGOSTO DE 1996

MINISTÉRIO DA FAZENDA PORTARIA Nº 202, DE 19 DE AGOSTO DE 1996 MINISTÉRIO DA FAZENDA PORTARIA Nº 202, DE 19 DE AGOSTO DE 1996 Dispõe sobre a conversão de títulos representativos da dívida externa brasileira, em Notas do Tesouro Nacional - NTN, para aplicação em obra

Leia mais

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas. Compra

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

Comunicado Cetip n 051/2015 de 16 de junho de 2015

Comunicado Cetip n 051/2015 de 16 de junho de 2015 Comunicado Cetip n 051/2015 de 16 de junho de 2015 Assunto: Etapa de Oferta Pública de NTN-B Leilão(ões) de Oferta de compra de títulos pela STN Secretaria do Tesouro Nacional Módulo Leilão STN Plataforma

Leia mais

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 13/08/2013

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 13/08/2013 Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 13/08/2013 i Instrumentos de Crédito Conteúdo Introdução aos Instrumentos de Crédito... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos Botões das Telas... 3 Registros... 5 Registro/Emissão...

Leia mais

Parte 3 Capítulo 2. Títulos públicos federais e suas formas de precificação

Parte 3 Capítulo 2. Títulos públicos federais e suas formas de precificação Parte 3 Capítulo 2 Títulos públicos federais e suas formas de precificação Ronnie Gonzaga Tavares Márcia Fernanda Tapajós Tavares 1 Introdução A precificação de um instrumento não é uma questão operacional

Leia mais

Custódia de fundos e carteiras

Custódia de fundos e carteiras Custódia de fundos e carteiras Manual de Marcação a Mercado 1 Índice Capítulo I Princípios gerais e políticas de marcação a mercado 6 Definições 6 Princípios 6 Processo decisório executivo de precificação

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo)

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) 1. Contrato com prazo total de 120 meses, sendo 24 de carência, com pagamento trimestral de juros

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.446 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1.446 R E S O L V E U: RESOLUÇÃO Nº 1.446 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o Presidente do CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, por ato de 18.12.87, com base no artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA NACIONAL COM JUROS PÓS FIXADOS EM CDI? COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA? O QUE SÃO OPERAÇÕES DE ACC

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Prefixado (LTN)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Prefixado (LTN) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Prefixado (LTN) O Tesouro Prefixado (LTN) é um título prefixado, o que significa que sua rentabilidade é definida no momento

Leia mais

RENDA FIXA? Fuja do seu banco!

RENDA FIXA? Fuja do seu banco! RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Janeiro 2014 COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? COMO INVESTIR EM RENDA FIXA! COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? Renda Fixa = Emprestar Dinheiro Tipos de Investimentos em Renda Fixa: CDB

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

Capítulo 4 Mercado e Títulos de Renda Fixa no Brasil

Capítulo 4 Mercado e Títulos de Renda Fixa no Brasil Capítulo 4 Mercado e Títulos de Renda Fixa no Brasil 4.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar os conceitos e as características dos mercados de renda fixa no Brasil. Ao final,

Leia mais

Assunto:Registro de Cédula de Credito à Exportação CCE e de Nota de Crédito à Exportação NCE SNA.

Assunto:Registro de Cédula de Credito à Exportação CCE e de Nota de Crédito à Exportação NCE SNA. Comunicado CETIP n o 101/04 12 de novembro de 2004 Assunto:Registro de Cédula de Credito à Exportação CCE e de Nota de Crédito à Exportação NCE SNA. A CETIP Câmara de Custódia e Liquidação, com base no

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Proibida a reprodução. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 16 de março de 2015 Sumário Introdução... 3 1. Visão do Processo e Estrutura Organizacional... 3 a. Estrutura Organizacional envolvida no Processo...

Leia mais

COE - Certificado de Operações Estruturadas. Biblioteca de Estruturas COE

COE - Certificado de Operações Estruturadas. Biblioteca de Estruturas COE COE - Certificado de Operações Estruturadas Biblioteca de Estruturas COE Versão 1.2 Maio/14 Data Versão Descrição Fev/2014 1.1. Versão Inicial Maio/2014 1.2. 1. Características Funcionais do COE Inclusão

Leia mais

Aproveito o ensejo para divulgar os seguintes cursos que estou ministrando no Ponto.

Aproveito o ensejo para divulgar os seguintes cursos que estou ministrando no Ponto. Olá pessoal! Resolverei neste artigo a prova de Matemática Financeira do concurso da CVM 2010 organizado pela ESAF. Como já comentei em um artigo ontem, há apenas uma questão nesta prova com divergência

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Marcação a Mercado

Manual de Precificação de Ativos. Marcação a Mercado Manual de Precificação de Ativos Marcação a Mercado Maio de 2015 Marcação a mercado, É o procedimento adotado com o objetivo de aumentar a segurança dos investidores que aplicam na indústria brasileira

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1 CODIFICAÇÃO DAS SÉRIES A codificação utilizada no mercado de opções é composto de 5 letras (as 4 primeiras correspondem

Leia mais

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP Renda Fixa Privada Notas Promissórias - NP Uma alternativa para o financiamento do capital de giro das empresas O produto A Nota Promissória (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper,

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy 1. (MDIC 2002 ESAF) Um contrato prevê que aplicações iguais sejam feitas mensalmente em uma conta durante doze meses com o objetivo

Leia mais

CIRCULAR SUP/AOI Nº 26/2015-BNDES. Rio de Janeiro, 03 de julho de 2015. Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing

CIRCULAR SUP/AOI Nº 26/2015-BNDES. Rio de Janeiro, 03 de julho de 2015. Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 26/2015-BNDES Rio de Janeiro, 03 de julho de 2015 Ref.: Ass.: Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Refinanciamento de

Leia mais

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados no Programa.

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados no Programa. Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI N 39/2014-BNDES Rio de Janeiro, 12 de setembro de 2014 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para Composição de Dívidas

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC CONDIÇÕES GERAIS DO PIC I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO CNPJ: 23.025.711/0001-16 PIC - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005217/2012-63 WEB-SITE:

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS. Tesouro Direto

TÍTULOS PÚBLICOS. Tesouro Direto TÍTULOS PÚBLICOS Tesouro Direto Tesouro Direto Conheça esta alternativa de investimento em renda fixa. O produto O Tesouro Direto é uma alternativa de investimento em que o investidor sabe, no momento

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Versão 08 Março de 205 Propriedade do Banco BM&FBOVESPA de Serviços de Liquidação e Custódia S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização . INTRODUÇÃO...

Leia mais

Aporte Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. 1º Relatório Anual do Agente Fiduciário. 4ª. Emissão de Debêntures Não Conversíveis

Aporte Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. 1º Relatório Anual do Agente Fiduciário. 4ª. Emissão de Debêntures Não Conversíveis BV LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL S.A. 4ª. Emissão de Debêntures Aporte Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. 1º Relatório Anual do Agente Fiduciário 2007 4ª. Emissão de Debêntures Não Conversíveis

Leia mais

HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS

HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

VI - PAGAMENTO 6.1 - Este Título é de pagamento único, cabendo ao Subscritor o pagamento de uma única parcela na data indicada.

VI - PAGAMENTO 6.1 - Este Título é de pagamento único, cabendo ao Subscritor o pagamento de uma única parcela na data indicada. CONDIÇÕES GERAIS DO (PU 12 MESES versão 178) I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ Nº 03.558.096/0001-04 (PU 12 MESES versão 178) - MODALIDADE:

Leia mais

COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº 004/03

COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº 004/03 COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº 004/03 Aos Participantes do Sistema de Contratos a Termo Ref.: Trata da inclusão do campo Data Emissão no layout do arquivo de posição de contratos de Termo de

Leia mais

CIRCULAR Nº 2140. Documento normativo revogado pela Circular 2.462, de 10/08/1994.

CIRCULAR Nº 2140. Documento normativo revogado pela Circular 2.462, de 10/08/1994. CIRCULAR Nº 2140 Documento normativo revogado pela Circular 2.462, de 10/08/1994. Aos Bancos Múltiplos, Bancos Comerciais, Caixas Econômicas e Sociedades de Crédito Imobiliário Institui recolhimento compulsório/encaixe

Leia mais

COMUNICADO SNA Nº 004/98

COMUNICADO SNA Nº 004/98 COMUNICADO SNA Nº 004/98 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos - SNA A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos - CETIP comunica que estará, a partir do dia 05/05/98, aceitando

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 002/94

COMUNICADO SPR N.º 002/94 COMUNICADO SPR N.º 002/94 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP, informa os procedimentos a serem adotados

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU)

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU) CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU) I INFORMAÇÕES INICIAIS 1.1- SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: LIDERANÇA CAPITALIZAÇÃO S.A. 1.2- SITE DA SOCIEDADE: www.telesena.com.br

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS A amortização é uma operação financeira mediante a qual um empréstimo ou financiamento é pago de maneira progressiva, por meio de prestações, de modo que ao término

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO Válido para Fundos e Carteiras de Investimentos Setembro de 2014 Versão: 0914 V1.0 Sumário CAPÍTULO I. PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO APLICAP 026

CONDIÇÕES GERAIS DO APLICAP 026 CONDIÇÕES GERAIS DO APLICAP 026 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLICAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 13.122.801/0001-71 APLICAP 026 MODALIDADE: PU POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900500/2014-62

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 19

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 19 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 19 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos Manual de Marcação a Mercado MaM

Manual de Precificação de Ativos Manual de Marcação a Mercado MaM Manual de Precificação de Ativos Manual de Marcação a Mercado MaM Versão 1.6 Outubro/2015 1 Sumário INTRODUÇÃO... 4 1 PRINCÍPIOS DE MAM... 5 2 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ENVOLVIDA NO PROCESSO... 6 2.1. EQUIPES

Leia mais

Biblioteca de Estruturas COE

Biblioteca de Estruturas COE COE - Certificado de Operações Estruturadas Biblioteca de Estruturas COE Versão 1.1 Fevereiro/2014 Em caso de dúvidas, consultas ou para solicitação de novas estruturas favor contatar: Natalia Cristina

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Cupom de IGP-M Futuro de Cupom de IGP-M Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro real brasileira O produto O Contrato Futuro de Cupom de IGP-M oferece

Leia mais