CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos"

Transcrição

1 CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz, após um ano, um montante de $1.750? Dados: P = $1.0, S = $1.750, =? S = P (1 + ) $1.750 = $1.0 (1 + ) = 34,61% a.a. 2. Qual é a remuneração obtda em um captal de $2.400 aplcado durante 17 meses à taxa de juros smples de 60% a.a.? Dados: P = $2.400, = 60% a.a., n = 17 meses, J =? 0,6 J = $ J= $ Calcular o rendmento de um captal de $ aplcado durante 28 das à taxa de juros smples de 26% a.m.. Dados: P = $80.000, = 26% a.m., n = 28 das, J =? 0,26 J = $ J= $19.413,33 4. Aplcando $ durante 17 meses, resgatamos $ Qual é a taxa anual de juros smples obtda na operação? Dados: P = $80.000, S = $ , n = 17 meses, =? S = P (1 + n) $ = $ (1 + 17) = 52,94% a.a. 5. Em quantos meses um captal de $28.000, aplcado à taxa de juros smples de 48% a.a., produz um montante de $38.080? Dados: P = $28.000, S = $38.080, = 48% a.a., n =? 0,48 S = P (1 + n) $ = $ (1 + n) n= 9 meses 6. Um captal aplcado transformou-se em $ Consderando-se uma taxa de juros smples de 42% a.a e uma remuneração de $4.065,29, determnar o prazo da aplcação. Dados: S = $13.000, = 42% a.a., J = $4.065,29, n =? (meses) 0, 42 $ n S n J = $4.065, 29 = 1 + n 0, n 455 n $4.065, 29 = n = 13 meses 1 + 0,035 n 7. Um captal de $ transformou-se em $ após 44 das de aplcação. Calcular a taxa de juros obtda na operação. Dados: P = $ , S = $ , n = 44 das, =? 2

2 S = P (1 + n) $ = $ (1 + 44) = 22,73% a.m. 8. João tem uma dívda de $ que vence em 16 meses. Pretende pagar $.000 no fm de 158 das e $ das depos desse prmero pagamento. Quanto deve pagar na data de vencmento para lqudar a dívda? Consdere juros smples de 50% a.a. e data focal no vencmento da dívda. Dados: = 50% a.a $ $ $ das 322 das 0,50 0,50 Valor no vencmento = $ $ $ $2.231,95 + = 9. Um captal acrescdo de seus juros de 21 meses soma $ O mesmo captal dmnuído de seus juros de nove meses é reduzdo a $ Calcular o captal e a taxa de juros smples obtda. Dados: S 1 = $ , S 2 = $88.400, n 1 = 21 meses, n 2 = 9 meses, P =?, =? Podemos montar 2 equações para 2 ncógntas: P + P 21 = $ P P 9 = $ = 2,083333%a.m.(25% a.a.) P = Um captal de $4.500 fo dvddo em três parcelas que foram aplcadas pelo prazo de um ano. A prmera a juros smples de 4% a.t., a segunda a juros smples de 6% a.t. e a tercera a juros smples de 10% a.t.. Consderando-se que o rendmento da prmera parcela fo $160 e o rendmento das três parcelas totalzou $ 1.320, calcular o valor de cada parcela. Dados: P 1 + P 2 + P 3 = $4.500, 1 = 4% a.t., 2 = 6% a.t., 3 = 10% a.t., n = 1 ano = 4 trmestres, J 1 = $160, J 1 + J 2 + J 3 = $1.320, P 1 =?, P 2 =?, P 3 =? Logo, J1 = P1 1 n $160 = P1 0,04 4 P1 = $1.000 J2 = P2 2 n J3 = P3 3 n J1 + J2+ J3 = (P1 1 + P2 2 + P3 3) n $1.320 = ( 40 + P2 0,06 + P3 0,1) 4 P2 0,06 + P3 0,1 = $290 Portanto, P2 0,06+ P3 0,1 = $ 290 P 2= $1.500, P 3= $2.000 P 2 + P 3 = $ Dos captas, um de $2.400 e outro de $1.800, foram aplcados a uma mesma taxa de juros smples. Calcular a taxa, consderando-se que o prmero captal em 48 das rendeu $17,00 a mas que o segundo em das. Dados: J 1 J 2 = $17, n 1 = 48 das, n 2 = das, P 1 = $2.400, P 2 = $1.800, =? J1 - J 2 = (P1 n 1 - P2 n 2 ) $17 = ( $ $1.800 ) = 0,833% a.m. 3

3 . Um captal fo aplcado a juros smples de 42% a.a. durante 50 das. Calcular o captal, consderando-se que, se a dferença entre ele e os juros obtdos fosse aplcada à mesma taxa, rendera $988,75 em um trmestre. Dados: = 42% a. a., n 1 = 50 das, n 2 = 90 das, P =? 0,42 juros obtdos no prazo de 50 das = P n1 = P 50 0,42 0,42 0,42 0,42 P- P = $988,75 P ( 1 50) 90 = $988,75 P= $ Certo captal fo aplcado a juros smples de % a.a. durante 50 das. Calcular o captal e o rendmento obtdo, consderando-se que, se a dferença entre ambos, acrescda de $10.000, fosse aplcada à mesma taxa, rendera $ no prazo de um ano. Dados: = % a. a., n 1 = 50 das, n 2 = 1 ano, P =? J= P n 1 1 0, ( 1 ) 2 ( ) P-J + $ n = $ P , 1+ $ , 1 = $ Logo, P= $ ,3 J 1= P n1 J 1= $ J 1= $13.333, Uma pessoa aplcou dos captas a juros smples, o prmero a 33% a.a. e o segundo a 45% a.a. Consderando-se que o rendmento de ambas as aplcações totalzou $ no prazo de um ano, determnar o valor dos captas, sabendo-se que o prmero é 37,5% menor que o segundo. Dados: P 1 = (1 0,375) P 2, 1 = 33% a.a., 2 = 45% a.a., n = 1 ano, S 1 + S 2 = $ Logo, + ( ) ( ) J J = P + P n $ = 0,625 0, ,45 1 P P 2 = $ P 1 = $ Há 13 meses e dez das um captal de $ fo aplcado à taxa de juros smples de 6% a.a. Se hoje for aplcada a mportânca de $8.000 a juros smples de % a.a. e o prmero captal contnuar aplcado à mesma taxa, em que prazo os montantes respectvos serão guas? Dados: n 1 = 400 das, P 1 = $ , P 2 = $ 8.000, 1 = 6% a.a., 2 = % a.a.., n =? Na data focal, S = P (1 + n) 0,06 0, $ (n+400) = $ n n = das = 7 anos, 4 meses e 27 das 16. Uma empresa obteve um empréstmo de $ a juros smples de 10% a.a.. Algum tempo depos lqudou a dívda, nclusve os juros, e tomou um novo empréstmo de $0.000 a juros smples de 8% a.a.. Dezoto meses após o prmero empréstmo, lqudou todos os seus débtos, tendo pago $ de juros totas nos dos empréstmos. Determnar os prazos (em meses) dos dos empréstmos. Dados: J 1 + J 2 = $35.000, n 1 + n 2 = 18 meses, P 1 = $ , P 2 = $0.000, 1 = 10% a.a., 2 = 8% a.a., n 1 =?, n 2 =? 4

4 1 2 0,1 0,08 J 1 + J 2 = P1 n 1 + P2 n 2 $ = $ n 1 + $0.000 (18 n 1) n1= 3 meses,n2= 15 meses 17. Uma pessoa tomou um empréstmo a juros smples de 9% a.a.. Quarenta e cnco das depos, pagou a dívda e contrau um novo empréstmo duas vezes maor que o prmero, pelo prazo de dez meses a juros smples de 6% a.a.. Sabendo-se que pagou ao todo $ de juros pelos dos empréstmos, calcular o valor do prmero. Dados: J 1 + J 2 = $ , n 1 = 45 das, n 2 = 10 meses, P 2 = 2 P 1, 1 = 9% a.a.., 2 = 6% a.a., P 1 =? 1 2 0,09 0,06 J 1+ J 2= P1 n 1 + P2 n 2 $ = P P 1 = $ Um captal fo dvddo em duas parcelas e aplcado a taxas e prazos dferentes. A prmera fo aplcada a juros smples de 10% a.m. durante ses meses, e a segunda a juros smples de 2% a.m. durante meses. Sabendo-se que a prmera parcela fo $50 maor e rendeu $60 a mas que a segunda, determnar os valores de ambas as parcelas. Dados: J 1 - J 2 = $60, n 1 = 6 meses, n 2 = meses, 1 = 10% a.m., 2 = 2% a.m., P 1 = $50 + P 2, P 1 =?, P 2 =? 1 2 J1 - J 2 = P1 n 1 - P2 n 2 $60 = ( $50+P2) 6 0,1 - P2 0,02 P 1= $133, 33, P 2= $83, Aplcado a juros smples pelo prazo de um ano, um captal transformou-se em $ Esse montante fo reaplcado por mas dos anos a uma taxa 20% maor que a taxa ganha na prmera aplcação, obtendo-se um montante fnal de $22.. Calcular o valor do captal ncalmente aplcado e a taxa de juros ao ano à qual ele fo aplcado. Dados: S 1 = $13.000, S 2 = $22., n 1 = 1 ano, n 2 = 2 anos, 2 = 1,2 1, P 1 =?, 1 =? S S n 2 = 1 ( ) $22. = $ ( ) 2 = 36% a.a. 1 = = % a.a. 1,2 Por outro lado, S 1 = P 1 (1 + 1 n 1) $ = P 1 (1 + 0,3 1) P 1= $ Um pessoa aplcou um captal em uma conta remunerada que rende juros smples de % a.a.. Depos de três anos, resgatou metade dos juros obtdos e reaplcou a outra metade por um ano à taxa smples de 32% a.a., obtendo um rendmento de $20,16 nessa últma aplcação. Calcular o valor do captal aplcado ncalmente. Dados: P 2 = 0,5. J 1, J 2 = $20,16,-n 1 = 3 anos, n 2 = 1 ano, 1 = % a.a., 2 = 32% a.a., P =? Juros ganhos ao térmno dos 3 anos: P 0, 3 valor reaplcado ao térmno do tercero ano: rendmento do captal reaplcado ao térmno de 1 ano: P= $140 ( ) 0,50 P 0, 3 ( ) $20,16 = 0,50 P 0, 3 0, Dos captas foram aplcados a juros smples. O prmero à taxa de 20% a.a., e o segundo a 40% a.a.. Calcular os captas, consderando-se que, somados, eles perfazem $500 e que os dos, em um ano, renderam juros totas de $1. Dados: P 1 + P 2 = $500, 1 = 20% a.a., 2 = 40% a.a., n = 1 ano, J 1 + J 2 = $1, P 1 =?, P 2 =?, 5

5 ( ) ( ) J 1+ J 2= P1 1 + P2 2 n $1 = P1 0,2 + ($500 - P 1) 0,4 1 P 1 = $350 P 2 = $ Um captal de $50.000, aplcado a juros smples, rendeu $1.875 em um determnado prazo. Se o prazo fosse 36 das maor, o rendmento aumentara em $250. Calcular a taxa de juros smples ao ano e o prazo da operação em das. Dados: P = $50.000, J 1 = $1.875, J 2 - J 1 = $250, n 2 - n = 36 das, =?, n =?, J2 - J 1 = P ( n2 - n ) $250 = $ = 5% a.a. J 1 = P n $1.875 = $ n n = 270 das = 9 meses 23. Uma pessoa levantou um empréstmo de $3.000 a juros smples de 18% a.a. para ser lqudado depos de 270 das. Consderando-se que a pessoa amortzou $1.000 no 75 o da, quanto deverá pagar na data de vencmento de modo a lqudar a dívda? (data focal: 270 o da). 270 das $ $ das 0,18 0,18 Valor de resgate: = $ $ $2.7,50 + = 24. Uma empresa tem duas dívdas a pagar. A prmera de $2.500, contratada a juros smples de 2,5% a.m., com vencmento em 45 das; e a segunda, de $3.500, a juros smples de 3% a.m., com vencmento em 90 das. Calcular a quanta necessára para lqudação de ambas as dívdas em 180 das, consderando-se que no o da do seu prazo a prmera dívda fo amortzada com $1.500, e no 60 o da do seu prazo a segunda fo amortzada com $3.000 (efetuar os cálculos na data focaldo 180 o da). 150 das $1.500 $ das 0 das $3.000 $ das 0,025 0,025 Valor do resgate = $ $ ,03 0, $ $ = $1.548,75 6

6 25. Uma pessoa tem duas dívdas a pagar: a prmera de $1.000, com vencmento em 45 das, e a segunda, de $3.500, com vencmento em 0 das. A pessoa pretende lqudar as dívdas por meo de dos pagamentos guas com vencmentos em 90 e 180 das, respectvamente. Calcular o mporte de cada pagamento, consderando-se que ambas as dívdas foram contratadas a juros smples de 2% a.m. (data focal: 180 o da) 90 das $ X $ X 135 das 60 das 0,02 0,02 0,02 X = $ $ X X =$2.296, 26. Determnar: a. O tempo necessáro para que seja trplcado um captal aplcado a juros smples de 5% a.m.. S = P (1 + n) 3P = P (1 + 0,05 n) n = 40 meses b. O tempo necessáro para que seja quntuplcado um captal aplcado a juros smples de 15% a.t.. S = P (1 + n) 5P = P (1 + 0,15 n) n = 26,67 trmestres = 80 meses c. O tempo em que um captal de $.000 rende $541,68 quando aplcado a juros smples de,5% a.a.. 0,5 $541,68 = $.000 n n = 1 das d. O tempo necessáro para que um captal de $7.000 transforme-se em um montante de $7.933,34 quando aplcado a juros smples de 24% a.a.. S = P (1 + n) 0,24 $7.933,34 = $7.000 (1 + n) n = 200 das 27. Determnar: a. A taxa de juros smples anual que produz um rendmento de $60 em 36 das a partr de um captal de $ $60 = $ = % a.a. b. A taxa de juros smples mensal que produz um rendmento de $6.000 em meses a partr de um captal de $ $6.000 = $8.000 = 2,5% a.m. c. A taxa de juros smples anual embutda na compra de um bem cujo valor à vsta é de $3.000, sendo que o pagamento consste de uma entrada de $1.000 mas uma parcela de $2.200 para 60 das. 7

7 valor à vsta = valor da entrada + valor presente da parcela $2.200 $3.000 = $ = 60% a.a Calcular: a. O valor do captal que, aplcado a juros smples de 24% a.a., rende $0 em 6 das. 0,24 $0 = P 6 P = $3.571,43 b. O valor do captal que, aplcado a juros smples de 26% a.a., rende $800 em 7 trmestres. 0,26 $800 = P 7 P = $1.758,24 4 c. O rendmento de uma aplcação de $ por 446 das a juros smples de 24% a.a.. 0,24 = $ = $2.973, Calcular: a. O rendmento de um captal de $2.000 aplcado a juros smples de 2,5% a.m. desde o da de março até o da 5 de junho do mesmo ano. 0,025 = $2.000 (156-71) = $141,66 b. O valor do captal que rendeu $3.000 no período compreenddo entre 4 de abrl e 31 de mao do mesmo ano a juros smples de 2% a.m.. 0,02 $3.000 = P (151-94) P = $78.947,37 c. O valor de resgate de um captal de $5.000 aplcado a juros smples de 2% a.m. pelo período compreenddo entre 6 de abrl e 26 de junho do mesmo ano. 0,02 S = P (1 + n) = $5.000 ( 1 + (177-96)) = $5.270 d. O valor do captal que se transformou em um montante de $ no período compreenddo entre de junho e 31 de dezembro do corrente ano, a juros smples de 2% a.m.. S = P (1 + n) 0,02 ( ) $ = P 1 + ( ) P = $17.814,73 e. A taxa de juros smples mensal ganha por uma aplcação de $ que rendeu $2.800 no período compreenddo entre 23 de mao e 18 de agosto do mesmo ano. $2.800 = $ (2-143) = 4,023% a.m.. No da 26 de mao fo contratado um empréstmo de $7.000 a juros smples de 24% a.a. para ser totalmente lqudado em 90 das. No da 16 de junho foram amortzados $3.000, e no da 11 de julho, $ Determnar a data de vencmento da dívda e o valor da quanta que deverá ser paga naquela data para lqudar a dívda (consderar ano cvl e data focal no 90 o da). 8

8 Dados: = 24% a.a. Determnação da data de resgate da aplcação usando a Tábua para Contagem de Das do ano cvl: número de das da data posteror (?) = +n número de das da data anteror (26 de mao) = 146 prazo: 90 Logo, n = 90 n =236, que na a tábua para contagem de das entre duas datas (capítulo 1 do lvro) corresponde ao da 24 de agosto. 90 das 26/ 05 16/ 06 11/ 07 24/ 08 $ $ $ das 44 das 0,24 0,24 0,24 Valor de resgate = $ $ $ = $1.708, Determnar o rendmento de um captal de $2.000 aplcado do da 3 de março até o da 28 de junho do corrente ano. A taxa de juros smples ncalmente contratada fo 3% a.m., mas posterormente teve queda para 2,8% a.m. no da 16 de abrl e para 2,6% a.m. no da 16 de junho. Dados: P = $2.000, 1 = 3% a.m., 2 = 2,8% a.m., 3 = 2,6% a.m., J =? n = 03/03 até 16/04 = n = 44 das n 2 = 16/04 até 16/06 = n 2 = 61 das n 3 = 16/06 até 28/06 = n 3= das 0,03 0,028 0,026 = $222,67 J = P (1 n n n 3) = $ Uma dívda de $2.000 contraída no da 8 de junho para ser lqudada no da 8 de julho fo contratada orgnalmente a juros smples de 2% a.m.. Calcular o rendmento da aplcação, sabendo-se q ue a taxa de juros subu para 2,5% a.m. no da de junho, para 3% a.m. no da 24 de junho e para 3,5% a.m. no da 3 de julho (consderar o ano cvl). Dados: P = $2.000, 1 = 2% a.m., 2 = 2,5% a.m., 3 = 3% a.m., 4 = 3,5% a.m., J =? n = 08/06 até /06 = n = 4 das n 2 = /06 até 24/06 = n 2 = das n 3 = 24/06 até 03/07 = n 3= 9 das n 4 = 03/07 até 08/07 = n 4= 5 das 0,02 0,025 0,03 0,035 J = P (1 n 1+ 2 n 2+ 3 n n 4) = $ = $ Uma aplcação fnancera fo ncada no da 2 de junho com $ Posterormente foram efetuados dos depóstos adconas de $500 e de $0 nos das 8 e 16 e um saque de $200 no da 26 de junho. Consderando-se que ncalmente fo contratada uma taxa de juros smples de 28% a.a., que depos baxou para 26% a.a. no da 16 de junho, calcular o saldo dsponível no da 1 o de julho. 9

9 14 das 02/06 08/06 16/06 $2.000 $500 + $0 8 das 0,28 0,28 Valor em 16/06 = $ $ $0 = $ das 16/06 26/06 01/07 $ $200 5 das 0,26 0,26 Saldo dsponível em 01/07 = $ $ = $2.654, Hoje uma pessoa tem duas dívdas: a prmera, de $8.000, vence em 36 das, e a segunda, de $.000, vence em 58 das. A pessoa propõe-se a qutá-las por meo de dos pagamentos guas dentro de 45 e 90 das, respectvamente. A juros smples de 24% a.a., calcular o valor de cada pagamento (data focal: 90 o da). 45 das $ X $ X 54 das 32 das 0,24 0,24 0,24 X = $ $ X X = $10.0, Resolver o exercíco anteror tomando como data focal o 45 o da das $ X $ X 9 das - 13 das 1 1 0,24 0,24 0,24 X = $ $ X X = $10.119,82 CAPÍTULO 2 10

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito.

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito. Matemátca Fnancera Rendas Certas Prof. Benjamn Cesar Sére de Pagamentos Unforme e Peródca. Rendas Certas Anudades. É uma sequênca de n pagamentos de mesmo valor P, espaçados de um mesmo ntervalo de tempo

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA Concetos Báscos e Smbologa HP-12C Prof. Antono Sérgo A. do Nascmento asergo@lve.estaco.br GST0045 Matemátca Fnancera 2 Valor do dnhero no tempo q O dnhero cresce no tempo

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Facera 2007.1 Prof.: Luz Gozaga Damasceo 1 E-mals: damasceo1204@yahoo.com.br damasceo@terjato.com.br damasceo12@hotmal.com http://www. damasceo.fo www. damasceo.fo damasceo.fo Obs.: (1 Quado

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Fnancera 007. Prof.: Luz Gonzaga Damasceno E-mals: amasceno04@yahoo.com.br amasceno@nterjato.com.br amasceno@hotmal.com 5. Taxa Over mensal equvalente. Para etermnar a rentablae por a útl one

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas Análse de Projectos ESAPL / IPVC Taxas Equvalentes Rendas Taxas Equvalentes Duas taxas e, referentes a períodos dferentes, dzem-se equvalentes se, aplcadas a um mesmo captal, produzrem durante o mesmo

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

JUROS: CONCEITOS E APLICAÇÕES. (moreirafrmat@hotmail.com) RESUMO

JUROS: CONCEITOS E APLICAÇÕES. (moreirafrmat@hotmail.com) RESUMO JUROS: CONCEITOS E APLICAÇÕES Fernando Rcardo Morera 1, Esdras Texera Costa 2, Rodrgo Couto Santos 3, Wendy Carnello Ferrera 4, Chrstan Das Cabacnha 5 1 Professor Mestre do Curso de Matemátca da Unversdade

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão).

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão). Mestrado Integrado em Engenhara Aeroespacal Mecânca e Ondas 1º Ano -º Semestre 1º Teste 31/03/014 18:00h Duração do teste: 1:30h Lea o enuncado com atenção. Justfque todas as respostas. Identfque e numere

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Em minha opinião pessoal, não acredito que as duas questões sejam anuladas, porém não custa tentar!!!!

Em minha opinião pessoal, não acredito que as duas questões sejam anuladas, porém não custa tentar!!!! Vamos ao que interessa. As questões 69 e 75 são passíveis de anulação. Veja suas resoluções. Em minha opinião pessoal, não acredito que as duas questões sejam anuladas, porém não custa tentar!!!! A prova

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES JURO SIMPLES 1 Juros é o rendimento de uma aplicação financeira, valor referente ao atraso no pagamento de uma prestação ou a quantia paga pelo empréstimo de um capital. Atualmente, o sistema financeiro

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1)Um vestdor aplcou R$6,, gerado uma remueração de R$3, ao fal de um período de um ao (36 das). Calcular a taxa de juros paga a operação. = J/ = 3/6 =, ou % ou 63 = 6 (1+ 1) 63 = 6 + 6 63 6 = 6 3 = 6 =

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C) RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA I. JUROS SIMPLES ) Elemetos de uma operação de Juros Smples: Captal (C); Motate (M); Juros (J); Taxa (); Tempo (). ) Relação etre Juros, Motate e Captal: J = M C ) Defção

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Conceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples

Conceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples UFS FM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTIA MTM 5151 MATEMÁTIA FINAEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 1 JUROS SIMPLES onceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples Juro j É uma compensação

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Capítulo 1 PORCENTAGEM

Capítulo 1 PORCENTAGEM Professor Joselas Satos da Slva Matemátca Facera Capítulo PORCETAGEM. PORCETAGEM A porcetagem ada mas é do que uma otação ( % ) usada para represetar uma parte de cem partes. Isto é, 20% lê-se 20 por ceto,

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva LEASING UMA OBSERVAÇÃO Ecoomsta Atoo Perera da Slva AMOR POR DINHEIRO TITÃS Composção: Sérgo Brtto e To Bellotto Acma dos homes, a le E acma da le dos homes A le de Deus Acma dos homes, o céu E acma do

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 00-7438 / versão onlne ISSN 678-542 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 4.3 Decsão Intertemporal do Consumdor O Mercado de Captal Isabel Mendes 2007-2008 4/17/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 3. EQUILÍBRIO

Leia mais

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção O Uso do Software Matlab Aplcado à Prevsão de Índces da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenhara de Produção VICENTE, S. A. S. Unversdade Presbterana Mackenze Rua da Consolação, 930 prédo

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE a 2 edção Presdente da Repúblca Luz Ináco Lula da Slva Mnstro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Slva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presdente Eduardo Perera Nunes

Leia mais

JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 02

JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 02 JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 0 01. Calcular a taxa mensal proporcional de juros de: a) 14,4% ao ano; b) 6,8% ao quadrimestre; c) 11,4% ao semestre; d) 110,4% ao ano e) 54,7% ao biênio.

Leia mais

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol Modelos estatístcos para prevsão de partdas de futebol Dan Gamerman Insttuto de Matemátca, UFRJ dan@m.ufrj.br X Semana da Matemátca e II Semana da Estatístca da UFOP Ouro Preto, MG 03/11/2010 Algumas perguntas

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

2 - Um capital de R$ 2.000,00 é aplicado a juros composto durante 4 anos a taxa de 2% a.a. Qual o montante e qual os juros totais auferidos?

2 - Um capital de R$ 2.000,00 é aplicado a juros composto durante 4 anos a taxa de 2% a.a. Qual o montante e qual os juros totais auferidos? LISTA 02 MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Joselias TAXAS EQUIVALENTES A JUROS COMPOSTOS, TAXA NOMINAL, TAXA EFETIVA, DESCONTO RACIONAL SIMPLES E COMPOSTO, DESCONTO COMERCIAL SIMPLES E COMPOSTO. DESCONTO

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

1.1 Apresentação. do capítulo

1.1 Apresentação. do capítulo apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A Matemátca Facera trata da comparação de valores moetáros que estão dspersos ao logoo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

Otimização da localização das bases de ambulâncias e do dimensionamento das suas regiões de cobertura em rodovias.

Otimização da localização das bases de ambulâncias e do dimensionamento das suas regiões de cobertura em rodovias. Otmzação da localzação das bases de ambulâncas e do dmensonamento das suas regões de cobertura em rodovas. Ana Paula Iannon Renaldo Morabto Departamento de Engenhara de Produção Unversdade Federal de São

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Decisão de Recompra de Ações: Intenção de Blindagem em Período de Turbulência Financeira?

Decisão de Recompra de Ações: Intenção de Blindagem em Período de Turbulência Financeira? Decsão de Recompra de Ações: Intenção de Blndagem em Período de Turbulênca Fnancera? Resumo Autora: Llam Sanchez Carrete Este trabalho tem como objetvo avalar se o anúnco de programas de recompra de ações

Leia mais

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12.

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12. Aprmorando os Conhecmentos de Eletrcdade Lsta 7 Assocação de esstores Prof.: Célo Normando. (UNIFO-97) O resstor, que tem a curva característca representada no gráfco abao, é componente do crcuto representado

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Taxas: Proporcional e Equivalente

Taxas: Proporcional e Equivalente Taxas: Proporcional e Equivalente Taxa Proporcional Considere duas taxas de juros arbitrárias i 1 e i 2, relacionadas respectivamente aos períodos n 1 e n 2, referidos à unidade comum de tempo das taxas.

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO E O SISTEMA OU MÉTODO DE GAUSS.

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO E O SISTEMA OU MÉTODO DE GAUSS. SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO E O SISTEMA OU MÉTODO DE GAUSS. Antono erera da Slva Lcencado em Cêncas Econômcas erto Judcal O Sr. aulo Luz Durgan, Admnstrador do ste A RIORI, dsponblzou o artgo:- SFH, Sstema

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

CAPITULO 02 LEIS EXPERIMENTAIS E CIRCUITOS SIMPLES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 02 LEIS EXPERIMENTAIS E CIRCUITOS SIMPLES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 0 LEIS EXPEIMENTAIS E CICUITOS SIMPLES Prof SILVIO LOBO ODIGUES INTODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DO IO GANDE DO SUL Destnase o segundo capítulo ao estudo das les de Krchnoff e suas aplcações

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

Capítulo 1 Matemática Financeira

Capítulo 1 Matemática Financeira apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A matemátca facera trata da comparação de valores moetáros ao logo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas de vestmeto e

Leia mais

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Quilelli 1 ) Uma dívida contraída à taxa de juros simples de 10% ao mês, deverá ser paga em duas parcelas, respectivamente iguais a R$ 126,00, daqui a

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Manual do Simulador Empresarial Tangram

Manual do Simulador Empresarial Tangram Manual do Smulador Empresaral Tangram 2008 Sumáro 1 APRESENTA ÇÃO... 5 1.1 DA TANGRAM SISTEMAS EMPRESARIAIS... 5 1.2 DO PROCESSO... 5 2 LABORA TÓRIO DE GESTÃO EMPRESARIAL... 7 2.1 INTRODUÇÃO... 7 2.2 LEITURA

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 0101-7438 / versão onlne ISSN 1678-5142 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa.

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa. Custo e Captal 1 Custo e Captal Seguno Gtman (2010, p. 432) o custo e Captal é a taxa e retorno que uma empresa precsa obter sobre seus nvestmentos para manter o valor a ação nalterao. Ele também poe ser

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Cálculo Financeiro Fixa nº2

Cálculo Financeiro Fixa nº2 Cálculo Financeiro Fixa nº2 2. Regimes de Capitalização 2.1. O Regime de Juro Simples 2.2. O Regime de Juro Composto 8 Considere um empréstimo de 300 000 Euros, pelo prazo de 4 anos, à taxa anual de juro

Leia mais

Adaptação por fluência: uma aplicação real pelo processo dos deslocamentos

Adaptação por fluência: uma aplicação real pelo processo dos deslocamentos Insttuto Braslero do Concreto. daptação por fluênca: uma aplcação real pelo processo dos deslocamentos Ierê Martns da Slva (1); Ru Nohro Oyamada (); ndrea kem Yamasak (3); dth Slvana maury de Soua Tanaka

Leia mais