SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO"

Transcrição

1 SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS A amortização é uma operação financeira mediante a qual um empréstimo ou financiamento é pago de maneira progressiva, por meio de prestações, de modo que ao término de um prazo preesestabelecido, a dívida seja liquidada. Inicialmente vamos estabelecer a diferença entre empréstimo e financiamento. O empréstimo é um recurso financeiro que, em tese, não necessita ser justificado quanto a sua finalidade, sendo exigida apenas uma garantia de devolução deste recurso. Como exemplo podemos citar o cheque especial e o CDC (crédito direto ao consumidor) entre outros. O financiamento é um recurso financeiro que tem a necessidade de ser justificado quanto a sua finalidade. Neste caso a liberação dos recursos fica atrelada à aquisição de um bem ou serviço. Como exemplo podemos citar entre outros, a compra de um imóvel ou de um automóvel. Vamos estudar neste capítulo os seguintes sistemas de amortização: o Sistema de Amortização Francês também conhecido como Sistema Price, o Sistema de Amortização Constante (SAC) e o Sistema de Amortização Crescente (SACRE). O estudo destes sistemas pressupõe o conhecimento da seguinte nomenclatura: Saldo Devedor: é o valor devido em determinado período, imediatamente após o pagamento de uma prestação. Na data zero, o saldo devedor corresponde ao valor nominal do empréstimo ou financiamento. Amortização: é a parcela que é deduzida do saldo devedor a cada pagamento. Juro: é o serviço da dívida calculado sobre o saldo do empréstimo ainda não amortizado. Parcela ou Prestação: é a adição da amortização com os juros. Carência: designa o período que vai desde a data da concessão do empréstimo até a data em que será paga a primeira prestação. Qualquer sistema de amortização pode ter, ou não, um período de carência que é negociado entre o devedor e o credor. Como os Sistemas de Amortização prevêem o pagamento de uma dívida de forma parcelada, é conveniente para o credor e o devedor que se elabore demonstrativos periódicos (planilhas), pelos quais se pode avaliar o estado da dívida. Não existe um modelo único de demonstrativo, e cada instituição financeira adota o modelo de sua conveniência, de acordo com as exigências legais. O SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS (PRICE ou PRESTAÇÕES CONSTANTES) A denominação Sistema de Amortização Francês vem do fato do mesmo ter sido utilizado pe la primeira vez na França, no século XIX. A denominação Tabela Price ou Sistema Price foi dada em homenagem ao economista ininglês Richard Price, que incorporou a teoria do juro composto às amortizações de empréstimos no século XVIII. Na verdade o sistema Price é um caso particular do Sistema de Amortização Francês, em que a taxa de juros é dada em termos nominais (na prática anual) e as prestações tem período inferior ao da taxa de juros (normalmente mensal). O valor das prestações é obtido, utilizando-se a taxa proporcional correspondente ao período a que se refere a prestação, calculada a partir da taxa nominal. 105

2 Por este sistema o devedor paga o empréstimo em prestações iguais, periódicas e sucessivas que incluem uma amortização parcial do empréstimo e juros sobre o saldo devedor. Como o saldo devedor decresce a medida que as prestações são pagas, resultam juros decrescentes. Conseqüentemente, como as prestações são constantes, as amortizações são crescentes. O número de prestações varia em cada contrato, e são calculadas como se fossem os termos PMT de uma renda imediata, cujo valor presente PV é o valor nominal do empréstimo. Um empréstimo de R$ 3.500,00 deve ser pago pelo Sistema Francês em 6 prestações mensais, vencendo a primeira 30 dias após a efetivação do empréstimo. Elabore uma planilha da amortização supondo juros de 24% aa com capitalização mensal. Como as prestações têm periodicidade mensal, inferior, portanto, ao da taxa de juros que é anual, trata-se do Sistema Price, caso particular do Sistema Francês. A taxa de 24% aa é nominal. Para obter a taxa efetiva, tomamos a taxa proporcional mensal, ou seja: = 2% am , ,84 70,00 554, , ,84 58,90 565, , ,84 47,58 577, , ,84 36,04 588, , ,84 24,26 600,58 612, ,84 12,25 612,59-0,01 = erro de arredondamento Observe que o saldo devedor e os juros são decrescentes e a amortização é crescente. Para explicar passo a passo a construção da tabela acima, vamos utilizar as seguintes notaçoes: PMT J k A k SD k = prestação (constante em todos os períodos) = juros no k-ésimo período = amortização no k-ésimo período = saldo devedor no k-ésimo período PAGAMENTOS: o valor de PMT nada mais é do que a prestação resultante de uma renda imediata com as seguintes características: PV = R$ 3.500,00, i = 2% am e n = 6 Assim: 3.500,00 < CHS > < PV > 2 < i > 6 < n > < PMT > R$ 624,84 JUROS: os juros em um período qualquer são calculados sobre o saldo devedor do período anterior, ou seja: J k = 2% sobre SD k 1 Assim, por exemplo, no quarto período: J 4 = 2% sobre SD 3 = 2% sobre 1.801,96 = R$ 36,04 106

3 AMORTIZAÇÃO: a parcela a ser amortizada em um período qualquer, é igual a diferença entre a prestação e os juros correspondentes a esse período, ou seja: A k = PMT - J k Assim, por exemplo, no quinto período: A 5 = PMT - J 5 = 624,84-24,26 = R$ 600,58 SALDO DEVEDOR: à exceção da 1ª linha na qual o saldo devedor representa o valor do emprésti mo, o saldo devedor em um período qualquer, é igual a diferença entre o saldo devedor do período anterior e parcela amortizada no período, ou seja: SD k = SD k 1 - A k Assim, por exemplo, no terceiro período: SD 3 = SD 2 - A 3 = 2379,22-577,26 = R$ 1.801,96 Na construção da tabela acima podemos utilizar a função <AMORT > da HP-12C. O procedi mento, passo a passo, é descrito a seguir: 24 < g > < 12 > 2% am (taxa efetiva) 3500 < CHS > < PV > 6 < n > < PMT > 624,84 (PMT) 1 < f > < AMORT > 70,00 (J 1 ) < x y > 554,84 (A 1 ) < RCL > < PV > ,16 (SD 1 ) 1 < f > < AMORT > 58,90 (J 2 ) < x y > 565,94 (A 2 ) < RCL > < PV > ,22 (SD 2 ) 1 < f > < AMORT > 47,58 (J 3 ) < x y > 577,26 (A 3 ) < RCL > < PV > ,96 (SD 3 ) < RCL > < n > 3 (optativo: número de prestações já amortizadas) 1 < f > < AMORT > 36,04 (J 4 ) < x y > 588,80 (A 4 ) < RCL > < PV > ,16 (SD 4 ) 1 < f > < AMORT > 24,26 (J 5 ) < x y > 600,58 (A 5 ) < RCL > < PV > - 612,58 (SD 5 ) 1 < f > < AMORT > 12,25 (J 6 ) < x y > 612,59 (A 6 ) < RCL > < PV > 0,01 (SD 6 ) OBSERVAÇÕES: 1ª) A seqüência de teclas: 1 < f > < AMORT > ao ser pressionada logo após a introdução dos dados do financiamento, calcula os juros e a amorti zação correspondentes a primeira prestação, e o saldo devedor obtido após esse pagamento. Os ju ros são armazenados no registro X (visor), a amortização no registro Y e o saldo devedor no registro PV. Estes cálculos são efetuados de forma ordenada e seqüencial. Assim, por exemplo, se em seguida for pressionada a seqüência de teclas: n < f > < AMORT > serão calculados de forma acumulada, os juros e a amortização correspondentes as n prestações seguintes, bem como o saldo devedor obtido após o pagamento das n+1 prestações; 2ª) Como o valor de PV foi armazenado com sinal negativo (o que permitiu obter o valor de PMT com sinal positivo) o procedimento acima forneceu os juros e a amortização com sinal positivo e o saldo devedor com sinal negativo. Caso o valor de PV fosse armazenado com sinal positivo, os valores citados acima seriam obtidos, respectivamente, com sinais opostos. 3ª) A cada prestação amortizada, o registro n é incrementado de uma unidade. Assim, se o mesmo for zerado antes do início do processo, podemos a partir da seqüência de teclas: < RCL > < n > obter, a qualquer momento, o número total de prestações já amortizadas. 107

4 O SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS COM PRAZO DE CARÊNCIA 1º CASO: PRAZO DE CARÊNCIA COM PAGAMENTO DE JUROS Um empréstimo de R$ 8.000,00 deve ser pago pelo Sistema Price em 5 prestações mensais, com carência de três meses, em que serão pagos unicamente os juros relativos ao empréstimo. Elabore uma planilha da amortização supondo juros de 21,60 % aa com capitalização mensal , , , , , ,43 144, , , ,43 116, , , ,43 87, , , ,43 59, , , ,43 29, ,59 0,00 A seqüência de teclas necessária para gerar a planilha acima é a seguinte: 21,60 < g > < 12 > 1,80 % am (taxa efetiva) 8000 < ENTER > 1,8 < % > 144,00 (J 1 = PMT 1 e J 2 = PMT 2 ) 8000 < CHS > < PV > 5 < n > < PMT > 1.687,43 (PMT 3, PMT 4,..., PMT 7 ) 1 < f > < AMORT > 144,00 (J 3 ) < x y > 1.543,43 (A 3 ) < RCL > < PV > ,57 (SD 3 ) 1 < f > < AMORT > 116,22 (J 4 ) < x y > 1.571,21 (A 4 ) < RCL > < PV > ,36 (SD 4 ) 1 < f > < AMORT > 87,94 (J 5 ) < x y > 1.599,49 (A 5 ) < RCL > < PV > ,87 (SD 5 ) 1 < f > < AMORT > 59,15 (J 6 ) < x y > 1.628,28 (A 6 ) < RCL > < PV > ,59 (SD 6 ) < RCL > < n > 4 (optativo: número de prestações já amortizadas) 1 < f > < AMORT > 29,84 (J 7 ) < x y > 1.657,59 (A 7 ) < RCL > < PV > 0,00 (SD 7 ) OBSERVAÇÃO O procedimento utilizado neste caso é semelhante ao do exemplo anterior, salvo o fato de que nos meses relativos ao período de carência, a dívida não é amortizada, mas os juros devidos sobre o saldo devedor são pagos. A primeira prestação é paga imediatamente após o término do período de carência. 108

5 2º CASO: PRAZO DE CARÊNCIA SEM PAGAMENTO DE JUROS Um empréstimo de R$ 6.300,00 deve ser pago pelo Sistema Price em 4 prestações mensais, com carência de 4 meses, sem pagamento de juros. Elabore uma planilha de amortização supondo ju ros de 44,40% aa com capitalização mensal , , , , ,79 259, , , ,79 198, , , ,79 134, , , ,79 68, ,22-0,02 A seqüência de teclas necessária para gerar a planilha acima é a seguinte: 44,40 < g > < 12 > 3,70% am (taxa efetiva) 6300 < ENTER > 3,70 < % > < + > 6.533,10 (SD 1 ) 3,70 < % > < + > 6.774,82 (SD 2 ) 3,70 < % > < + > 7.025,49 (SD 3 ) < CHS > < PV > 4 < n > < PMT > 1.921,79 (PMT 4,..., PMT 7 ) 1 < f > < AMORT > 259,94 (J 4 ) < x y > 1.661,85 (A 4 ) < RCL > < PV > ,64 (SD 4 ) 1 < f > < AMORT > 198,45 (J 5 ) < x y > 1.723,34 (A 5 ) < RCL > < PV > ,30 (SD 5 ) < RCL > < n > 2 (optativo : número de prestações já amortizadas) 1 < f > < AMORT > 134,69 (J 6 ) < x y > 1.787,10 (A 6 ) < RCL > < PV > ,20 (SD 6 ) 1 < f > < AMORT > 68,57 (J 7 ) < x y > 1.853,22 (A 7 ) < RCL > < PV > 0,02 (SD 7 ) OBSERVAÇÃO Durante o período de carência os juros não são pagos, mas são incorporados ao capital. Ao término do período de carência, o cálculo das prestações deve ser efetuado com base no valor do em préstimo acrescido dos juros gerados no período de carência. 109

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS Frequentemente, nas operações de médio e longo prazo, por razões metodológicas ou contábeis, as operações de empréstimos são analisadas período por período, no que diz respeito

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos São desenvolvidos basicamente para operações de empréstimos e financiamentos de longo prazo, envolvendo

Leia mais

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS UNIDADE. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Empréstimo - Recurso financeiro que não necessita ser justificado quanto a sua finalidade; por exemplo: cheque especial e CDC(Crédito Direto

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I PROFESSOR JORGE JUNIOR E.MAIL: JJUNIORSAN@CEUNES.UFES.BR Apostila integralmente

Leia mais

CENT RO DE CI ÊNCI AS S O CI AIS E APLI CADAS - CCS A

CENT RO DE CI ÊNCI AS S O CI AIS E APLI CADAS - CCS A UNIVERS IDADE PRESB ITER IANA M ACKENZIE CENT RO DE CI ÊNCI AS S O CI AIS E APLI CADAS - CCS A 01. Um empréstimo de $ 200.000,00, contratado a juros efetivos de 10% ao mês, no Sistema de Amortização Constante

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO AMERICANO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO AMERICANO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Sistemas de amortização são metodologias que operacionaliza uma transação financeira, definindo regras e formas de cálculo da taxa de

Leia mais

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento UNIDADE 4 Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento 109 Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você será levado a: diferenciar os dois tipos de sistema de amortização;

Leia mais

Empréstimos e Financiamentos. Matemática Financeira. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos

Empréstimos e Financiamentos. Matemática Financeira. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos Matemática Financeira Resumo Prof. Adriana C. Ferrazza Semana Acadêmica Curso de matemática O que são juros? Porque cobrar juros? O que significa Amortizar? Quais os sistemas de amortização? Quando os

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS Conceitos iniciais Antes de iniciarmos os estudos específicos em relação a cada metodologia de amortização, é necessário conceituar alguns termos utilizados pelo mercado: Amortização:

Leia mais

Aula 08 Matemática Financeira. Amortização de Empréstimos

Aula 08 Matemática Financeira. Amortização de Empréstimos ula 08 Matemática Financeira mortização de Empréstimos Introdução Freqüentemente, nas operações de médio e longo prazo, as operações de empréstimos são analisadas período por período. Consideremos os instantes

Leia mais

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato Matemática Financeira Leandra Anversa Fioreze Rendas Imediatas: Primeiro pagamento efetuado no final do primeiro período. Ex: Comprei uma calculadora HP-12c Platinum em três parcelas de R$95,00, sendo

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR José Luiz Miranda PLANOS DE FINANCIAMENTO Imagine uma operação financeira representada por um financiamento de R$ 1.200,00 no prazo de 5 meses à taxa de juros

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Parte I MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Tipos de Sistemas de Amor8zação SISTEMA AMERICANO usado nos emprés:mos internacionais SISTEMA

Leia mais

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual;

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual; curso completo de CALCULADORA HP-12C - 3 JUROS SIMPLES Além dos registradores X (visor), Y, Z e W, discutidos no capítulo anterior, vimos também que a calculadora HP-12C apresenta os registradores financeiros,

Leia mais

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Quilelli 1 ) Uma dívida contraída à taxa de juros simples de 10% ao mês, deverá ser paga em duas parcelas, respectivamente iguais a R$ 126,00, daqui a

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A amortização de um empréstimo é o processo de sua liquidação por meio de pagamentos periódicos (anuidades). Sistema Francês (Tabela Price) Sistema de Amortização Constante (SAC)

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. 1 LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1) Certo banco concede um financiamento de 80.000

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Administração Financeira PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 3 26/08/2015 Administração Financeira Prof.

Leia mais

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON 1.2. NOTAÇÃO DECIMAL A máquina HP 12C possui duas formas de separar a parte fracionária da parte inteira de um número: utilizando

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE DISCIPLINA: Matemática Financeira e Engenharia Econômica TÓPICO: Sistemas de Amortização Prof: Khalil Conceito: O valor de uma prestação de um financiamento ou empréstimo

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Descontos Desconto é a liquidação de uma operação antes de seu vencimento, envolvendo um prêmio ou recompensa. Valor Nominal, Valor de Resgate ou Valor de Face é o valor de um título

Leia mais

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C - RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C 1. Juros compostos, operação única PV 0 n ou 0 n PV 1.1. Quanto devo receber ao aplicar R$ 1.000,00 por 6 meses, à taxa de 5% ao mês? f CLEAR FIN 1.000 CHS PV -1.000,00 6

Leia mais

Exercícios. Matemática Financeira

Exercícios. Matemática Financeira Exercícios de Matemática Financeira SUMÁRIO - Apresentação... 01-01 ª Série - Taxas Equivalentes...... 02-02 ª Série - Planos de Amortização...... 05-03 ª Série - Exercícios Extras...... 09-04 ª Série

Leia mais

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Onde: Te = Taxa equivalente de determinado período n = número do período i = percentual de juros do período em que você

Leia mais

ORIGEM SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

ORIGEM SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO ORIGEM DO SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO Rio, Janeiro / 2014 * Elaborado por Pedro Schubert. Administrador, Sócio Fundador da BMA Informática & Assessoramento Empresarial Ltda. 1 ORIGEM DO SISTEMA FRANCÊS

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

EMPRÉSTIMOS. Nos financiamentos a longo prazo o devedor ou mutuário tem também três modalidades para resgatar sua dívida:

EMPRÉSTIMOS. Nos financiamentos a longo prazo o devedor ou mutuário tem também três modalidades para resgatar sua dívida: EMPRÉSTIMOS Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando o prazo total não ultrapassa 1 ano ou 3 anos, respectivamente.

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo.

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. O SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE NÃO PRATICA ANATOCISMO. Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. No caso em questão, sem a definição

Leia mais

Aplicações de conceitos da

Aplicações de conceitos da Aplicações de conceitos da matemática financeira WERNKE, RODNEY. Gestão financeira: ênfase em aplicações e casos nacionais. Rio de Janeiro, Saraiva, 2008. Capítulo 2. Aula de Fernando Nogueira da Costa

Leia mais

É a renda uniforme e periódica formada por uma infinidade de prestações.

É a renda uniforme e periódica formada por uma infinidade de prestações. Canal dos Concursos Fiscal Regular Matemática Financeira 7 Prof. Benjamin Cesar Renda Perpétua (Perpetuidade) É a renda uniforme e periódica formada por uma infinidade de prestações. P: prestação da perpetuidade.

Leia mais

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira 1. Uma alternativa de investimento possui um fluxo de caixa com um desembolso de R$ 10.000,00, no início do primeiro mês, Outro desembolso, de R$ 5.000,00, ao final do primeiro mês, e duas entradas líquidas

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C

Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C Prof. Msc. Sergio Silva Braga Junior Consultor Financeiro Observações Gerais É indispensável o uso da calculadora financeira HP-12C O curso

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS

GABARITO DOS EXERCÍCIOS Bertolo 18/2/2006 MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin1 PAG.1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Juros Simples) 1.Calcule o montante de uma aplicação de R$ 50.000,00, à taxa de 2,5% ao mês, durante

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy 1. (AFTN 1985) Uma pessoa obteve um empréstimo de $ 120.000,00, a uma taxa de juros compostos de 2% a.m., que deverá ser pago em

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1 Matemática Financeira Evanivaldo Castro Silva Júnior 21/05/2013 2 Matemática Financeira 1. Séries de Pagamento i. Séries Uniformes (Modelo PRICE) ii. Séries Não-Uniformes (Modelo SAC Sistema de Amortizações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG Projeto Institucional de Formação Continuada Aprendizagem de Matemática Mediada por suas Aplicações 6 o Encontro: Matemática Financeira Professor José Carlos

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC

ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC Autor: Lisandro Fin Nishi Instituição: UDESC E-mail: lisandro.nishi@udesc.br RESUMO

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

Conceitos Financeiros

Conceitos Financeiros Conceitos Financeiros Capital: qualquer quantidade de dinheiro, que esteja disponível em certa data, para ser aplicado numa operação financeira; Juros: custo do capital durante determinado período de tempo;

Leia mais

Aula 3 Matemática Financeira para BDMG

Aula 3 Matemática Financeira para BDMG Aula 3 Matemática Financeira para BDMG Sistemas de Amortização... 2. Conceito... 2.2 Sistema Francês de Amortização (Sistema de Amortização Progressiva)... 2.2. Tabela Price... 3.2.2 Descrição das parcelas

Leia mais

Anterior Sumário Próximo MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA

Anterior Sumário Próximo MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA Anterior Sumário Próximo MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA Clicando no link indicado por o usuário é conduzido para a seguinte tela:, Nesta página que se refere ao conteúdo de Matemática Financeira, os

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL OPINE CONSULTORIA CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL CALCULADORA HP 12C: Operações Financeiras Básicas A calculadora HP 12C é uma

Leia mais

Comentário Geral: Prova dentro dos padrões da banca examinadora. Questões fáceis: 6 Questões medianas: 2 Questões difíceis: 0

Comentário Geral: Prova dentro dos padrões da banca examinadora. Questões fáceis: 6 Questões medianas: 2 Questões difíceis: 0 Comentário Geral: Prova dentro dos padrões da banca examinadora. Questão passível de anulação: 27 Porém, não acredito que a banca anulará, veja o comentário Questões fáceis: 6 Questões medianas: 2 Questões

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV.

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Sem mais delongas, vamos às questões. 19. (SEFAZ-RJ 2010/FGV) A empresa Bonneli recebeu, pelo valor de R$ 18.000,00,

Leia mais

Curso Preparatório. Matemática Financeira

Curso Preparatório. Matemática Financeira Curso Preparatório Tel: 4004-0435 ramal 4505 Email: contato@ifb.net.br Matemática Financeira 1ª Edição CALCULADORA HP 12 C INTRODUÇÃO 2 Memorize o número de série da sua HP-12C, indicada no verso da mesma,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA Princípios de Funcionamento da HP 12-C. Elaborado por : Profº Paulo Roberto Silva dos Santos

MATEMÁTICA FINANCEIRA Princípios de Funcionamento da HP 12-C. Elaborado por : Profº Paulo Roberto Silva dos Santos MATEMÁTICA FINANCEIRA Princípios de Funcionamento da HP 12-C Programa $ Pilha Operacional $ Testes preliminares $ Circuito interno, teclado e visor $ Conhecendo a HP 12 C $ Funções, casas, limpeza, memória

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

Comunicado Técnico 03

Comunicado Técnico 03 Comunicado Técnico 03 Análise Financeira Instruções Técnicas Responsável: José Henrique Bizinoto Engenheiro Civil; Especialista em Ensino da Matemática jhbizinoto@fazu.br CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA A capitalização

Leia mais

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo)

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) 1. Contrato com prazo total de 120 meses, sendo 24 de carência, com pagamento trimestral de juros

Leia mais

Curso Básico de Matemática Financeira. Celso H. P. Andrade

Curso Básico de Matemática Financeira. Celso H. P. Andrade Curso Básico de Matemática Financeira Celso H. P. Andrade ÍNDICE JURO... 3 FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO... 4 JURO SIMPLES... 6 JURO COMPOSTO... 7 Equivalência de Taxa de Juros... 9 DESCONTO... 10 FLUXO DE

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 01) (TCM/RJ Técnico de Controle Externo FJG 2003) Guilherme utilizou o limite de crédito

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ANÁLISE DE INVESTIMENTO AULA 02: CAPITALIZAÇÃO, DESCONTO E FLUXO DE CAIXA TÓPICO 01: CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA CAPITALIZAÇÃO SIMPLES CONCEITO Na capitalização simples, os

Leia mais

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida CORREÇÃO MONETÁRIA 1 Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida Roteiro 2 Roteiro 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução 1. Em maio de 2008, João emprestou R$ 20.000,00 a Pedro, à taxa de juros compostos

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Simples Fórmulas de Juros Simples J C i n Onde: J = valor dos juros expresso em unidades monetárias C = capital. É o valor (em $) em determinado momento i = taxa de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 5 Unidade II 10 15 20 25 30 35 9 SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Os sistemas de amortização são desenvolvidos basicamente para operações de empréstimos e financiamentos

Leia mais

COMO UTILIZAR COEFICIENTES DE FINANCIAMENTO NO PARCELAMENTO DAS VENDAS

COMO UTILIZAR COEFICIENTES DE FINANCIAMENTO NO PARCELAMENTO DAS VENDAS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 6 COMO UTILIZAR COEFICIENTES DE FINANCIAMENTO NO PARCELAMENTO DAS VENDAS Adriano Blatt (adriano@blatt.com.br) Engenheiro formado pela Escola Politécnica da Universidade de São

Leia mais

Regulamento de Empréstimo

Regulamento de Empréstimo Regulamento $ de Empréstimo Para participantes do Plano Complementar de Benefícios Previdenciais - Plano BD $ Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos

Leia mais

RESOLUÇÃO: Como Paulo ficou com R$ 38,00 e faltou R$ 47,00 então o preço de cada livro era R$ 85,00.

RESOLUÇÃO: Como Paulo ficou com R$ 38,00 e faltou R$ 47,00 então o preço de cada livro era R$ 85,00. O professor Fábio Marcelino da Silva (Fininho) é Mestrando em matemática pela UFRN e Graduado em Licenciatura plena em Matemática pela mesma Instituição. Desde o ano de 2001 dedica-se á área de concursos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ANÁLISE DE INVESTIMENTO AULA 02: CAPITALIZAÇÃO, DESCONTO E FLUXO DE CAIXA TÓPICO 03: FLUXO DE CAIXA (UNIFORME E IRREGULAR) FLUXO DE CAIXA Denomina-se fluxo de caixa, a sequência

Leia mais

Organização da Aula. Matemática Financeira. Aula 6. Onde e como esses. conhecimentos são aplicados na prática? Contextualização

Organização da Aula. Matemática Financeira. Aula 6. Onde e como esses. conhecimentos são aplicados na prática? Contextualização Matemática Financeira Aula 6 Prof. Esp. Marcelo Longo Organização da Aula Operações de leasing e emissão de debêntures Os sistemas de amortizações: o detalhamento das séries de pagamentos Onde e como esses

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

BANCO DO BRASIL - 2015 Questão 11. Resolução:

BANCO DO BRASIL - 2015 Questão 11. Resolução: Observe a adição: BANCO DO BRASIL - 2015 Questão 11 Sendo E e U dois algarismos não nulos e distintos, a soma E + U é igual a (A) 13 (B) 14 (C) 15 (D) 16 (E) 17 Temos: U + U + 10E + U = 10U + E 3 U + 10E

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Especialização em Matemática para Professores do Ensino Básico MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO Gleison Silva Vilefort Costa Belo Horizonte 2015

Leia mais

1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES

1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 1.1 - JUROS JURO é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Quem possui recursos

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Sistemas de Amortização. Prof.: Joni Fusinato

Sistemas de Amortização. Prof.: Joni Fusinato Sistemas de Amortização Prof.: Joni Fusinato joni.fusinato@ifsc.edu.br jfusinato@gmail.com Sistemas de Amortização Amortizar é saldar uma dívida de forma parcelada e de acordo com o sistema definido em

Leia mais

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN). A Matemática Financeira tem como objetivo estudar o valor do dinheiro no tempo. CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

Sistemas de Amortização. Prof.: Joni Fusinato

Sistemas de Amortização. Prof.: Joni Fusinato Sistemas de Amortização Prof.: Joni Fusinato joni.fusinato@ifsc.edu.br Sistemas de Amortização Amortizar é saldar uma dívida por um determinado tempo de forma parcelada e de acordo com o sistema definido

Leia mais

Matemática Financeira FN1200C

Matemática Financeira FN1200C Matemática Financeira FN1200C 0 Índice Introdução... 2 Principais Funções... 2 Juros... 8 Capitalização Simples ou Linear... 9 Capitalização Composta ou Exponencial... 12 Taxas Equivalentes... 16 Prestações

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS Matemática Financeira para Concursos 1 Conteúdo 1. Noções Básicas -------------------------------- 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial ------- 04 Taxa Percentual

Leia mais

U U +E U U E Sendo E e U dois algarismos não nulos e distintos, a soma E + U é igual a

U U +E U U E Sendo E e U dois algarismos não nulos e distintos, a soma E + U é igual a Resoluções comentadas das questões de Raciocínio Lógico-Matemático da prova para escriturário do Banco do Brasil Realizada pela Cesgranrio em 15/03/2015 11. Observe a adição: U U +E U U E Sendo E e U dois

Leia mais

Matemática Financeira com Utilização do Microsoft Excel

Matemática Financeira com Utilização do Microsoft Excel FUNÇÕES FINANCEIRAS As funções financeiras contidas no microsoft excel prestigiam operações elementares vinculadas ao regime exponencial de capitalização ou juros compostos. Outros procedimentos pertinentes

Leia mais

JURO COMPOSTO. Juro composto é aquele que em cada período financeiro, a partir do segundo, é calculado sobre o montante relativo ao período anterior.

JURO COMPOSTO. Juro composto é aquele que em cada período financeiro, a partir do segundo, é calculado sobre o montante relativo ao período anterior. JURO COMPOSTO No regime de capitalização simples, o juro produzido por um capital é sempre o mesmo, qualquer que seja o período financeiro, pois ele é sempre calculado sobre o capital inicial, não importando

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Aula 02 Matemática Financeira Prof. Ms. João Domiraci Paccez Aula 02 Conversão das taxas de juros 1. Conversão da taxa de juros 2. Equivalência das taxas de juros na capitalização simples e na composta

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais