PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA"

Transcrição

1 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204

2 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas aplicações financeiras o capital pode ser pago ou recebido de uma só vez ou através de uma sucessão de pagamentos ou de recebimentos. Quando o objetivo é constituir-se um capital em uma data futura, tem-se um processo de amortização Pode ocorrer também o caso em que se tem o pagamento pelo uso, sem que haja amortização, o que é caso dos aluguéis. Estes exemplos caracterizam a existência de rendas ou anuidades, que podem ser basicamente de dois tipos: RENDAS CERTAS OU DETERMINISTICAS: São aquelas cujas duração e pagamentos são predeterminados, não dependendo de condições externas; RENDAS ALEATÓRIAS OU PROBABILISTICA: Os valores e/ou as datas de pagamentos ou de recebimentos podem ser variáveis aleatórias. É o que ocorre, por exemplo, com os seguros de vida: os valores de pagamentos são certos, sendo aleatórios o valor do seguro a receber e a data de recebimento... CLASSIFICAÇÃO DAS ANUIDADES:...QUANTO AO PRAZO: a) Temporárias: quando a duração for limitada: b) Perpétuas: quando a duração for ilimitada:..2.quanto AO VALOR DOS TERMOS: a) constante: quando os termos são iguais; b) variáveis: quando os termos não são constante...3.quando A FORMA DE PAGAMENTO OU DE RECEBIMENTO: a) imediatas: quando os termos são exigíveis a partir do primeiro mês; - POSTECIPADAS - se os termos são exigíveis no fim dos período;

3 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa ANTECIPADAS - se os termos são exigíveis no inicio do períodos. b) diferidas: Se os termos são exigíveis num período que não seja o primeiro. - postecipadas; - antecipadas...4. QUANDO A PERIODICIDADE: a) periódicas - se todos os períodos são iguais; b) não periódicas - se os períodos não são iguais entre si..2. MODELO BÁSICO DE ANUIDADE: Por modelo básico de anuidade entendemos as anuidade que são: - temporária; - constante; - imediatas e postecipadas; - periódicas..3. VALOR ATUAL DE UMA ANUIDADE: Seja um principal P a ser pago em n termos iguais a R, postecipados e periódicos. Seja também uma taxa de juros i, referida ao mesmo período dos termos. por; A soma do valor atual dos termos na data zero é dada P R ( ) R ( i) 2 R ( i) 3 R ( i) 3... ( i) n Ou, colocando-se R em evidencia: P = R. [ ( ) ( i) 2 ( i) 3 ( i) ] n ( i)

4 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa A expressão do colchete denominamos de an i, logo : a n i = ( ) ( i) 2 ( i) 3 ( i) 4 ( i)... n a n i (lê-se: a, n cantoneira i) O valor de a n i pode ser obtido usando a fórmula: a n i ( i) i n ou a ni n ( i) ( i). i n Logo: P R. a ni E Exemplos:. Um carro é financiado em 36 prestações mensais de R$ 460,00. Considerando que o cliente deu uma entrada de R$ 3.000,00 e que a taxa de juros cobrada pelo banco foi de 3,2% a.m., calcular o preço a vista do carro. R. R$ 2.749,7

5 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa O preço a vista de um objeto é R$.800,00. No crediário pode ser comprado nas seguintes condições: 30% de entrada, mais 24 prestações mensais. Considerando-se uma taxa de juros de 4,8% a.m., Calcular o valor da prestação. R$ 89,55 3. O preço a vista de um equipamento eletrônico é R$ 2.500,00. No crediário pode ser comprado em 8 prestações mensais, sendo uma como entrada. Considerando-se uma taxa de juros de 5,2% a.m., calcular o valor da prestação. R$ 206,48 4. Um televisor pode der comprado através do crediário nas seguintes condições: 20% de entrada mais 5 prestações mensais de R$ 80,00. Considerando-se uma taxa de juros de 4,5% a.m., calcular o preço a vista do televisor. R$.073,95 5. Uma pessoa compra um carro no valor de R$ ,00. Deverá financiar 70% deste valor em um banco que cobra uma taxa de,8% a.m.. Considerando-se que deverá pagar prestações mensais de R$.02,94, determinar o número de prestações. R. 24 prestações. 6. O preço a vista de um objeto é R$ 2.500,00. No crediário pode ser comprado nas seguintes condições: 20% de entrada mais 36 prestações mensais de R$ 97,6. Calcular a taxa mensal. R. 3,4% a.m..4. MONTANTE DE UMA ANUIDADE: Seja um processo de capitalização em que são aplicados n, parcelas iguais a R, postecipadas, a uma taxa de juros i, referida ao mesmo período dos termos.

6 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa O problema é determinar o montante S na data focal n, que resulta deste processo de capitalização. O montante S é o resultado da soma dos montante de cada um dos termos, à taxa de juros i na data focal n. Vamos admitir que estejamos fazendo esta soma a partir do termo de n-ésima ordem até o termo de ª. Ordem: S = R + R.( + i)¹ + R.( + i)² + R.( + i)³ R.( + i) n- Colocando-se R em evidência: S = R.[( + i)¹ + R.( + i)² + R.( + i)³ R.( + i) n- ] Logo, temos a expressão do colchete como sendo S n i (S, n cantoneira i) S n i = + ( + i)¹ + ( + i)² + ( + i)³ ( + i) n - O valor de S n i pode ser calculado usando a fórmula: S n i ( i ) i n S R. S n i Exemplos:. Uma pessoa deposita R$ 800,00 mensalmente. Sabendo-se que ela está ganhando 2,5% a.m., quando receberá no final de ano. R. R$.036,44 2. Quanto deverá depositar mensalmente, para que ao final de 2 anos, não se processando nenhuma retirada se tenha R$ ,00. Considerar que a instituição financeira paga uma taxa de juros de 2,3% a.m. R. R$ 633,70

7 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Para calcular o valor dos termos de uma anuidade, procede-se:. Tecle f CLEAR FIN para zerar os registros financeiros. 2. Informe o valor presente e tecle CHS e depois FP. 2. Informe a taxa utilizando a tecla i. 3. Tecle n para fornecer o número de termos. 4. Tecle PMT para calcular a prestação. Exemplos:. Quanto deverá depositar mensalmente para que, ao final de 2 anos, se tenha um montante de R$ ,00. Considerar que a financeira para uma taxa de juros de,8% a.m., sobre o saldo credor. R. 673,62 2. Uma pessoa, pretendendo comprar um carro numa data futura, resolver fazer, durante 3 anos, depósitos mensais de R$ 500,00. Considerandose que a financeira paga uma taxa de juros de 2,5% a.m., sobre o saldo credor, qual o valor máximo do carro que poderá comprar? R ,7 3. Uma pessoa aplica mensalmente em uma instituição financeira depósitos mensais de R$ 800,00, a uma taxa de,5% a.m.. Quantos depósitos foram necessários, para que, não efetuando nenhuma retirada se tenha um montante de R$ ,78? R. 36 depósitos 4. Certa pessoa prevendo a compra de um terreno, resolve fazer durante 4 anos depósitos mensais de R$ 750,00. Considerando-se que ao final da aplicação obteve um montante de R$ ,00, calcular a taxa de juros mensais. R.,34% a.m..5. VALOR ATUAL DE UMA ANUIDADE POSTECIPADA. Para calcular o valor dos termos de uma anuidade postecipada, procede-se:. Tecle f CLEAR FIN para zerar os registros financeiros.

8 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Informe o valor presente e tecle CHS e depois PV. 2. Informe a taxa utilizando a tecla i. 3. Tecle n para fornecer o número de termos. 4. Tecle g END. (informa que o pagamento será ao final de cada período) 4. Tecle PMT para calcular a prestação.. O preço a vista de um televisor é R$.500,00. No crediário pode ser comprado em 36 prestações mensais. Considerando-se uma taxa de juros de 3,5% a.m., calcular o valor da prestação. R. R$ 73,93 2. Um objeto é comprado no crediário em 24 prestações de R$ 20,49. Considerando-se uma taxa de juros de 4,2% a.m., calcular o preço a vista do objeto. R. R$ 800,05 3. Um carro, cujo preço a vista é R$ ,00, foi financiado em um 75% deste valor, em um banco que cobra uma taxa de juros de 33,6% a.a., tabela price. Considerando-se que o valor da prestação foi de R$ 857,92, calcular o número de prestações. R. 48 prestações 4. O preço a vista de um equipamento eletrônico é R$ 2.500,00. No crediário foi comprado em 36 prestações mensais de R$ 2,45. Calcular a taxa de juros mensal cobrada pela loja. R. 3,4% a.m. 5. O preço a vista de um objeto é R$.800,00. No crediário pode ser comprado nas seguintes condições: 30% de entrada mais 36 prestações de R$ 68,96. Calcular a taxa de juro mensal. R. 4,25% a.m. 6. Um determinado site vente um televisor cujo preço a vista é R$.500,00 em dez pagamentos, sem nenhum acréscimo. No boleto oferece um desconto de 0%. Qual a taxa de juros implícita nesta operação. R.,96% a.m.

9 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa ANUIDADE ANTECIPADA E DIFERIDA 2.. ANUIDADE ANTECIPADA Para calcular o valor dos termos de uma anuidade postecipada, procede-se:. Tecle f CLEAR FIN para zerar os registros financeiros. 2. Informe o valor presente e tecle CHS e depois PV. 2. Informe a taxa utilizando a tecla i. 3. Tecle n para fornecer o número de termos. 4. Tecle g BEGIN. (informa que o pagamento será no início de cada período) 4. Tecle PMT para calcular a prestação. Exemplos:. O preço a vista de um objeto é R$.300,00. No crediário é comprado em 48 prestações mensais, sendo uma como entrada. Considerando-se uma taxa de 3,8% a.m., calcular o valor da prestação. R. R$ 57,3 2. Um objeto é comprado, através do crediário, em 37 prestações mensais de R$ 250,00, sendo uma de entrada. Considerando-se uma taxa de juros de 4,5% a.m., calcular o preço a vista do objeto. R. R$ 4.666,5 3. Se uma taxa de mercado é de 3,5% a.m., compensa comprar a vista com desconto de 5% sobre o preço de tabela ou a prazo em 5 prestações mensais, sendo uma como entrada? R. 2,43% a.m.; Sim 2.2. ANUIDADE DIFERIDA. Anuidade diferida corresponde, na prática, os financiamentos que possui carência, podendo ser, antecipado ou postecipado. Os empréstimo, em geral, são beneficiados com carência antecipado, salvos, algumas exceções.

10 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa SUGESTÃO: Quando o problema envolver carência (antecipada) é conveniente utilizar a seguinte fórmula: n c ( i ) P o( i ) R., sendo c = n de períodos de carência i Exemplos:. O preço a vista de um objeto é R$.200,00. No crediário pode ser comprado nas seguintes condições: 30% de entrada e o restante em 24 prestações, sendo a primeira daqui a 5 meses. Considerando-se uma taxa de juros de 3,8% a.m., calcular o valor da prestação. R. R$ 62,65 2. Um equipamento eletrônico foi comprado no crediário em 36 prestações mensais de R$ 20,00, sendo a primeira prestação paga com uma carência postecipada de 3 meses. Considerando-se uma taxa de juros, tabela price, de 38,4% a.a., calcular o preço a vista do objeto. R$ 2.34,0 3.. Um magazine oferece, em sua promoção, um computador por 24 prestações de R$ 300,00, ocorrendo o primeiro pagamento apenas após 4 meses da compra. Qual seria o preço a vista deste televisor, uma vez que a taxa de mercado é 2,5% a.m.? R. R$ 4.982, Preço a vista de um carro é de R$ 8.000,00. A revendedora exige 30% como entrada, financiando o salto em 36 prestações, com 6 messes de carência postecipada. Sabendo-se que a taxa de juros é de 4,5% a.m., qual é o valor das prestações? R. R$ 42,80 5. Um noivo, precisando comprar seus móveis e não dispondo de dinheiro de imediato, abriu um crediário em uma loja, no valor de R$ 2.000,00. Por esta compra irá pagar 24 prestações de R$ 94,23, mensalmente, com 6 messes de carência postecipada. Qual é a taxa de juros mensal desta loja camarada? R. 5% a.m.

11 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Antônio compra de um amigo um apartamento, cujo valor a vista é de R$ ,00, nas seguintes condições: de R$ ,00 mais prestações mensais de R$ 8.598,04, com ano de carência postecipada. Sabendo-se que a taxa de juros contratada fora de 4,5% a.m., qual é o número de prestações? R. 2 meses.8.. Uso da HP Para cálculo, procede-se: º passo: Calcular o valor a ser financiado, utilizando o algoritmo de juros composto, durante a carência. 2º passo: Utilizar o algoritmo da anuidade para calcular a prestação. Para calcular o preço a vista, utilize o procedimento anterior, pela ordem inversa. RESOLVA OS SEGUINTES PROBLEMAS FINANCEIROS, UTILIZANDO A HP. Um capital de R$ ,00 foi aplicado por um período 05 dias. Considerando-se uma taxa de juros de 2,5% a.m., calcular o montante em juros compostos ao final da aplicação. (convenção exponencial e linear) R. R$ ,72; R$ ,79 2. Certo capital foi aplicado por um período de 6 meses a uma taxa de,8% a.m., produzindo um montante de R$ 3.338,93. Calcular o valor aplicado, considerando-se capitalização composta. R. R$ 3.000,00 3. Um capital de R$ 5.000,00 foi aplicado a uma taxa de 3,2% a.m. produzindo um montante de R$ 6.040,6. Calcular o período da aplicação, considerando-se juros compostos. R. 6 meses 4. Uma pessoa aplicou um capital de R$ 7.000,00 e após 05 dias, recebeu um montante de R$ 7.63,88. Calcular a taxa de juros compostos mensais. Qual a taxa equivalente anual?. Qual a taxa nominal anual com capitalização mensal? R. 2,5% a.m.; 34,49% a.a.; 30% a.a. 5. Um título de R$ 5.000,00 foi descontado 48 dias antes do vencimento. Considerando-se uma taxa de desconto racional composta de 3,5% a.m., calcular o valor de resgate. R. R$ 4.94,66

12 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Um carro é financiado em 36 prestações mensais de R$ 460,00. Considerando que o cliente deu uma entrada de R$ 3.000,00 e que a taxa de juros cobrada pelo banco foi de 3,2% a.m., calcular o preço a vista do carro. R. R$ 2.749,7 7. O preço a vista de um objeto é R$.800,00. No crediário pode ser comprado nas seguintes condições: 30% de entrada, mais 24 prestações mensais. Considerando-se uma taxa de juros de 4,8% a.m., calcular o valor da prestação. R. R$ 89,55 8. O preço a vista de um equipamento eletrônico é R$ 2.500,00. No crediário pode ser comprado em 8 prestações mensais, sendo uma como entrada. Considerando-se uma taxa de juros de 5,2% a.m., calcular o valor da prestação. R. R$ 206,48 9. Um televisor pode der comprado através do crediário nas seguintes condições: 20% de entrada mais 5 prestações mensais de R$ 80,00. Considerando-se uma taxa de juros de 4,5% a.m., calcular o preço a vista do televisor. R. R$.073,95 0. Uma pessoa compra um carro no valor de R$ ,00. Deverá financiar 70% deste valor em um banco que cobra uma taxa de,8% a.m.. Considerando-se que deverá pagar prestações mensais de R$.02,94, determinar o número de prestações. R. 24 prestações.. O preço a vista de um objeto é R$ 2.500,00. No crediário pode ser comprado nas seguintes condições: 20% de entrada mais 36 prestações mensais de R$ 97,6. Calcular a taxa mensal. R. 3,4% a.m. 2. Uma pessoa deposita R$ 800,00 mensalmente. Sabendo-se que ela está ganhando 2,5% a.m., quando receberá no final de ano. R. R$.036,44 3. Quanto deverá depositar mensalmente, para que ao final de 2 anos, não se processando nenhuma retirada se tenha R$ ,00. Considerar que a instituição financeira paga uma taxa de juros de 2,3% a.m. R. R$ 633,70 4. Uma pessoa aplicou R$ 8.000,00 e após 5 meses recebeu a soma de R$.485,04. Que depósitos mensais nesse período produziriam a mesma soma, se os juros sobre o saldo credor fossem beneficiados com a mesma taxa da ª. Hipótese. R. R$.977,3

13 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Uma pessoa pretende financiar um carro, cujo preço a vista é R$ ,00. O banco aceita financiar 70% deste valor, com 36 prestações mensais de R$ 050,93. Considerando-se uma taxa de IOF de 2,5% sobre o valor financiado, calcular a taxa do banco e a taxa efetiva. R.,58% a.m.,73% a.m. Para cálculo do número de pagamentos ou períodos de capitalização, procede-se:. Tecle f CLEAR FIN para zerar os registros financeiros. 2. Informe a taxa utilizando a tecla i ou 2:. 3. Informe pelo menos dois valores: valor presente, utilizando PV ; valor do pagamento, utilizando PMT; valor futuro, utilizando FV. 4. Se o PMT foi informado, aperte g BEG ou g END para configurar o modo de vencimento. 3. Tecle n para fornecer o número de termos. 3. MODELOS GENÉRICOSDE ANUIDADE. Uma pessoa toma emprestado R$ ,00 para comprar um carro. Os juros são tabela price de 30% a.a. Se a pessoa deverá pagar prestações de R$ 720,2 ao fim da cada mês, quantos pagamentos serão necessários? Quanto tempo levará? R. 48 prestações ou 4 anos 2. Uma pessoa abre uma conta depositando, hoje, R$ 0.000,00. Um mês após o depósito a pessoa efetua depósitos mensais de R$ 493,62. Quanto tempo levará para poupar R$ ,00, considerando-se uma taxa de juros de,5% a.a.? R. 26 meses 3. Você abre uma conta, hoje, (no meio do mês) com um depósito de R$ 775,00. A conta rende 6,25% a.a. com capitalização quinzenal. Se você fizer depósitos quinzenais de R$ 50,00, começando no mês que vem, quantos meses levará para poupar R$ 4.000,00? R. 29 meses.

14 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Pensando em aposentadoria, uma pessoa deseja acumular R$ ,00 após 5 anos através de depósitos em uma conta que paga juros de 9,75% a.a., com capitalização semestral. Para isto, abre uma conta, com um depósito de R$ ,00 e pretende fazer depostos semestrais começando daqui a seis meses. Determinar o valor do depósito. R..29,43 5. Qual a taxa de juros nominal anual deve ser cobrada para obter R$ ,00 em 6 anos com investimento de R$ R$ 7.542,5 com capitalização trimestral? R. 32,8% a.a 6. Uma máquina industrial comprada por R$ ,00, sobre uma depreciação, em relação ao seu preço inicial, aproximadamente 3% ao final de cada ano. Calcule o valor no final de 0 anos. R ,72 7. Um capital de R$ ,00 foi feito para ser resgatado durante um prazo de 6 anos, a uma taxa de 8% a.a. (tabela price), com pagamentos feitos ao final de cada mês. Se o juros começam a ser calculado em 5 de março de 200 e a primeira prestação no dia 0 de maio, calcule o pagamento mensal, com os dias extras contados com base no ano comercial e os juros compostos usados para o período fracionário. R. 459,8 8. Uma pessoa faz um empréstimo de R$ ,00, comprometendo-se a pagar 45 prestações iguais de R$ 97,09, começando a acumular juros a partir de 8 de agosto de 200, com o primeiro período em º de setembro (postecipado). Calcule a taxa mensal usando o número de exato de dias extras e juros simples para o período fracionário. R. 3,59% a.m. 4. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÕES EMPRÉSTIMOS Segundo as práticas habituais, os empréstimos classificam-se em: de curto, de médio e longo prazo. Os empréstimos de médio e de longo prazo sofrem um tratamento especial porque existem várias modalidades de restituição do principal e juros. Tais empréstimos, em geral, tem suas condições previamente estipuladas por contratos entre as partes, ou seja, entre o credor e o devedor.

15 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Os problemas mais importantes que surgem nos empréstimos dizem respeito à explicitação do sistema de reembolso adotado e ao cálculo da taxa de juros efetivamente cobrada pelo credor. Nos sistemas de amortização a serem estudados, os juros serão calculados sempre sobre o saldo devedor. Isto significa que consideraremos apenas o regime de juros compostos e o não pagamento de juros em um dado período levará a um saldo devedor maior, sendo calculado juro sobre juro. 4.. SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE (SAC) Por este sistema o credor exige a devolução do principal em n parcelas iguais, incidindo os juros sobre o saldo devedor. Exemplo. Uma empresa pede emprestado R$ ,00 que o banco entrega no ato. Sabendo-se que o banco cobra uma taxa de juros é de 5% a.s. e que o principal será amortizado em 4 parcelas semestrais, sem prazo de carência construir a planilha. Sem SALDO DEVEDOR AMORTIZAÇÃO JUROS PRESTAÇÃO TOTAL 4.2. SISTEMA FRANCÊS (SF): Por este sistema, o mutuário obriga-se a devolver o principal mais os juros em prestações iguais entre si e periódicas. Temos de resolver, portanto, dois problemas para construir a planilha: como calcular a prestação e como separar a amortização dos juros.

16 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Exemplo : Um banco empresta R$ ,00, entregues no ato, sem prazo de carência. Sabendo-se que o banco utiliza o sistema francês, que a taxa contratada foi de 0 % a.a. com capitalização semestral e que o banco quer a devolução em 5 prestações, construir a planilha. Sem SALDO DEVEDOR AMORTIZAÇÃO JUROS PRESTAÇÃO TOTAL 4.3. SISTEMA PRICE Este sistema também e conhecido como tabela Price (lê-se praice) e é um caso particular do sistema francês, com as seguintes características: a) A taxa de juros contatada é dada em termos nominais. Na prática, esta taxa é dada em termos anuais. b) As prestações tem período menor que aquele a que se refere a taxa. Em geral, as amortizações são feitas em base mensal. c) No cálculo é utilizado a taxa proporcional ao período a que se refere a prestação, calculada a partir da taxa nominal. Exemplo: Um banco emprestou R$ 0.000,00, entregues no ato, com três mêses de carência. Sabendo-se que a taxa de juros cobrada pelo banco é de 30% a.a., tabela Price, e que a devolução deve ser feita em 5 meses com juros pagos mensalmente, construir a planilha. Exemplo: O preço a vista de um carro é R$ 8.000,00. Um cliente financiou 80% deste valor em um banco que cobra uma taxa de juros de 33,6% a.a., tabela "price" em 06 parcelas mensais iguais, sem prazo de carência. Construir a planilha do financiamento.

17 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa meses SALDO DEVEDOR AMORTIZAÇÃO JUROS PRESTAÇÃO TOTAL A HP 2c, permite em um empréstimo, separar a parcela da amortização utilizada para saldar o compromisso e os juros. Para este cálculo, procede-se:. Tecle f CLEAR FIN para zerar os registros financeiros. 2. Informe a taxa utilizando a tecla i ou 2:. 3. Informe o valor do empréstimo, utilizando PV ; 4. Informe o valor do pagamento, utilizando CHS PMT; 5. Tecle g BEG ou g END para configurar o modo de vencimento. 6. Tecle n para fornecer o número de pagamentos a serem amortizados; 7. Tecle f AMORT para exibir a parte dos pagamentos usada para pagar juros; 8. Tecle x<>y para exibir a parte dos pagamentos usada para pagar o principal; 0. Para mostrar o saldo devedor, tecle RCL PV Ex. Uma pessoa toma emprestado R$ ,00 para ser amortizado pelo sistema price em 48 prestações mensais de R$.080,8. Considerandose uma taxa de juros de 30% a.a., calcular as partes dos pagamentos do primeiro ano direcionadas ao pagamento dos juros, aquelas direcionadas à amortização do principal e o saldo devedor. R ,4; 4.555,0 e ,9

18 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa INDÍCES ECONÔMICOS 5.. TAXA DE JURO NOMINAL E TAXA REAL: Quando atemos um regime inflacionário, devemos distinguir, na taxa nominal, uma componente devida à inflação e outra devida à parcela de juros realmente recebida e paga. Sejam: Co Capital inicial; r j i taxa nominal; taxa real; taxa inflacionária. Vejamos como se comporta a taxa real com e sem inflação: a) SEM INFLAÇÃO: C = C o.( + i); Como o valor de Co em termos de poder aquisitivo é o mesmo no início e no fim do período, podemos dizer que o valor real que se recebe é C. Neste caso: C = C o.( + i) = C o.( + r) logo i = r b) COM INFLAÇÃO: C = C o. ( + i) C = C o.( + j) C = C o.( + r) C = C o. ( + j). ( + r), como C = C, temos C o. ( + i) = C.( + j). ( + r), Logo, temos: i ( j.( r)

19 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa r ( i) ( j) j ( i) ( r) E X E R C Í C I O S 0. Calcular a taxa de juros nominal que deve cobrar uma financeira ganhar 8% a. a. de juros reais nas seguintes hipóteses: a) 25% a. a. b) 20% a. a. c) 40 % a. a 02. A taxa de juros para aplicações de curto e médio prazo, em um banco, é de 40% a. a. Que remuneração real o cliente recebe, se a inflação for de: a) 30% a. a. b) 38% a. a. c) 45% a. a. 03. Que taxa de inflação anual deve ocorrer para que um capital aplicado ganhe 2% a. a. de juros reais; caso a taxa nominal seja: a) 25% a.a. b) 35% a.a. c) 48% a.a. 04. Para um capital de R$ 6.000,00 aplicado por 2 anos, o investidor recebeu R$ 5.79,35 de juros. Qual é a taxa de juros real, se a inflação foi de 30% a. a. R. 22,3% a.a. 05. Uma pessoa aplica R$ 0.000,00 em uma instituição financeira que paga 7% a. a. mais a correção monetária. Que montante receberá o investidor após 3 anos, se a correção anual for de 25% a.a. R , Uma pessoa aplicou R$ 5.000,00 em títulos de um banco pelo prazo de ano, tendo sido fixado o valor de resgate de R$ 7.200,00 quando do vencimento da aplicação. Entretanto, necessitando do dinheiro, descontou os títulos 3 meses antes do vencimento, recebendo a quantia líquida de R# 6.400,00. Que taxa

20 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa real de juros recebeu e que taxa nominal foi cobrada na operação de desconto, se a inflação nos primeiros 9 meses tiver sido de 2,5% a.m.? R. 3,34% e 60,8% 07. O preço a vista de um carro é R$ ,00. A agência o vende por R$ 5.000,00 de entrada e restante após 6 meses, a juros efetivos de 2% a.a. mais a correção. Sabendo-se que a correção do o trimestre do financiamento foi de 6% e do 2 o trimestre foi de 0%, pergunta-se qual é o valor a ser pago ao fim dos 6 o mês. R , Uma pessoa compra um objeto em 3 prestações mensais de R$ 60,00, sendo uma como entrada. Considerando-se que a loja cobra uma taxa real de 2% a.m. mais a correção inflacionária e que a inflação acumulada anual foi de 30%, calcular o valor a vista do objeto. R. R$ 66, O preço a vista de um objeto é R$ 800,00. No crediário pode ser comprado em 8 prestações mensais, sendo a primeira exigida após o 5 o mês. Considerandose que a loja cobra uma taxa de juros de 2,5% a.m. mais a correção monetária e que a inflação ao final dos 2 meses foi de 5%, calcular o valor da prestação. R. 35,7 0. Uma pessoa comprou uma casa por R$ ,00 e vendeu-a após ano por R$ ,00. De quanto deve ser a inflação mensal para que o investidor ganhe 0% a.a., como juros reais? R. 2,62% a.m.. Quanto deve ser aplicado em caderneta de poupança no dia o de janeiro de 997 para que se tenha R$ 0.000,00 no dia o de janeiro de 98? Considerar juros reais de 6% a.a. mais a correção inflacionária, conforme hipótese abaixo: Trimestre Correção trimestre correção o 6,675% 3 o 8% 2 o 8,69% 4 o 7% R ,27 3. Um carro importado é vendido por R$ ,00 a vista ou em 2 prestações mensais, vencendo a a a um mês. Qual é o valor da prestação, se a taxa de juros real for de 0% a.a. e a inflação de 40% a. a.? R ,03

21 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa CUSTO EFETIVO DE UM EMPRÉSTIMO 6.. FLUXO DE CAIXA Os problemas de matemática financeira tratam, basicamente, de entradas e saídas, ao longo do tempo, de dinheiro no caixa de uma entidade. O conjunto de entradas e saídas de dinheiro também é conhecido como fluxo de caixa EQUIVALÊNCIA ENTRE FLUXOS DE CAIXAS Dois fluxos de caixas são equivalentes a uma taxa de juros quando os seus respectivos valore atuais forem iguais numa data focal escolhida. Exemplo : Determinar os valores atuais dos fluxo de caixa abaixo relacionados, na data, considerando taxa de 3% a.m. capitalizados mensalmente. Datas Fluxo ,72 Fluxo 2-353,53 353,53 353,53 Fluxo ,8 Fluxo 4 428,78 200,00 400,00 - Exemplo2: Determinar o valor de R de tal forma que os fluxos e 2 sejam equivalentes a uma taxa de 2% a.a. R. R$.000,00 FLUXO : Três pagamentos anuais, iguais, cada uma de valor igual a R a partir da data 6. FLUXO 2: Cinco pagamentos anuais, iguais, cada um de valor igual a 277,4 a partir da data. R. R$ 733, CUSTO EFETIVO DE UM EMPRÉSTIMO É comum, nos empréstimos feitos na prática, que as instituições financeiras cobre o imposto sobre operações financeiras IOF, aval, comissões, etc. Estes encargos adicionais aumentam a taxa de juros reais para o mutuário, tornando-se indispensável seu cálculo de modo que sejam possíveis as comparações de diversas alternativas.

22 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa TAXA DE RETORNO Taxa de retorno é a taxa de juros que iguala, em uma data focal qualquer, os valores atuais e/ou montantes da importância emprestada com os valores das prestações pagas. Em outras palavras, a taxa de retorno é aquela aquela que torna nulo o valor atual da diferença entre aplicações e recebimentos. CÁLCULO DA TAXA DE RETORNO QUANDO OS VALORES SÃO UNIFORMES: Quando os valores de recebimento são uniformes, a taxa de retorno pode ser determinada diretamente através de interpolação linear. Exemplo: Um banco faz um empréstimo pessoal de R$ 9.800,00, que deve ser devolvido em 36 prestações mensais iguais de R$ 450,00. Sabendo-se que o banco cobra uma taxa de TAC de 0,5% sobre as prestações e,5% de IOF, sobre o valor financiando, pagos antecipadamente, calcular a taxa de juros efetiva de empréstimo. R. 3,2% a.m. CALCULO DA TAXA DE RETORNO QUANDO OS VALORES NÃO SÃO UNIFORMES Neste caso a taxa de retorno só pode ser obtida por um processo de tentativa e erro. Exemplo: Uma empresa obtém um empréstimo de R$ 0.000,00, nas seguintes condições: - Taxa de juros: 0% a.a. (nominal); - Prazo de carência: 2 semestres; - Taxa administrativa: % sobre o total de amortizações e encargos, cobrado no ato; - Aval: 2% sobre o saldo devedor ao fim de cada ano; - Sistema de amortização constante, em 4 parcelas semestrais. empréstimo. Pede-se para construir a planilha e calcular a taxa de juros real do

23 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa INTRODUÇÃO A ANÁLISE DE INVESTIMENTO Freqüentemente, devemos avaliar a viabilidade ou não de um investimento. Saber se o investimento dá lucro, fazendo simplesmente receita menos despesa, é uma forma grosseira de avaliação (lembre-se que os valores estão distribuídos ao longo do tempo). Na verdade o que queremos saber é, o quanto de lucro, poderá render um investimento, e, a partir daí, criarmos parâmetros de comparação com outras alternativas de investimento. 7.. TAXA MÍNIMA DE ATRATIVIDADE Taxa mínima de atratividade é a taxa mínima de juros que torna conveniente para o investidor aplicar o seu capital num determinado investimento. Se a taxa interna de retorno do investimento for maior que a taxa de atratividade, considera-se o investimento viável. Normalmente a taxa de atratividade é a taxa oferecida pelo mercado financeiro TAXA DE RETORNO Taxa de retorno é a taxa de juros que iguala, em uma data focal qualquer, os valores atuais e/ou montantes da importância emprestada com os valores das prestações pagas. Em outras palavras, a taxa de retorno é aquela aquela que torna nulo o valor atual da diferença entre aplicações e recebimentos AVALIAÇÃO DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS Basicamente podemos utilizar dois métodos de avaliação de alternativas de investimentos: a) O método da taxa de retorno; b) O método do valor atual líquido. Exemplo: Seja o fluxo de caixa abaixo: Período (meses) Valor Reais

24 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Considerando-se uma taxa de atratividade de 2, 2 % a.m, verificar se o investimento é viável: a) Pelo método do valor atual; R. R$ ,65; Sim, V a > V inv. b) Determinando a taxa de retorno. R. 2,57% a.m. Si m, pois i ret. > i atrat. Pelo valor atual Você pode analisar a viabilidade de um investimento calculando o Valor atual. Se o valor atual for maior que o valor investido pode-se afirmar que o investimento é viável. Para calcular o valor atual, procede-se:. Tecle f CLEAR REG para zerar os registros financeiros e de armazenamento; 2. digite o valor do investimento inicial, aperte CHS se o fluxo de caixa for negativo, e tecle g CFj. Se o valor no próximo período for zero, tecle 0 g CFj ; 3. Digite o valor do próximo fluxo de caixa, aperte CHS se o fluxo de caixa for negativo, e tecle g CFo. Se não houver um investimento inicial, tecle 0 g Cfo ; 4. Repita o passo 3 para cada fluxo de caixa, até informar todos; 5. Informe a taxa utilizando a tecla i ou 2:. 6. Tecle f NPV. Ex. Seja um investimento aplicado conforme fluxo de caixa abaixo: Mês Fluxo A , , , , , ,00 Considerando-se uma taxa de atratividade de,5% a.m., verificar se o investimento é viável, calculando o valor atual do fluxo de caixa. R. R$ 753,43; logo o investimento é viável. Pelo cálculo da taxa interna de retorno Você pode, também, analisar a viabilidade de um investimento, determinando a taxa interna de retorno (taxa que retorna os valores do fluxo de caixa para a data focal zero, tornando a diferença da soma desses valores e o

25 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa valor investido, zero). Se a taxa interna de retorno for maior que a taxa de atratividade, pode-se afirmar que o investimento é viável. Para calcular a taxa interna de retorno, procede-se:. Tecle f CLEAR REG para zerar os registros financeiros e de armazenamento; 2. digite o valor do investimento inicial, aperte CHS se o fluxo de caixa for negativo, e tecle g CFj. Se o valor no próximo período for zero, tecle 0 g CFj ; 3. Digite o valor do próximo fluxo de caixa, aperte CHS se o fluxo de caixa for negativo, e tecle g CFo. Se não houver um investimento inicial, tecle 0 g CFo ; 4. Repita o passo 3 para cada fluxo de caixa, até informar todos; 5. Informe a taxa utilizando a tecla i ou 2:. 6. Tecle f IRR. Ex. Dado o fluxo de caixa abaixo: Mês Fluxo A , , , ,00.000, ,00 Considerando-se uma taxa de atratividade de,8% a.m., verificar se o investimento foi viável, calculando a taxa de retorno. R. 3,4% a.m., logo o investimento é viável, pois a taxa de retorno é maior que a taxa de atratividade. Resolva os seguintes problemas, utilizando a HP. Seja o seguinte fluxo de caixa Mês Fluxo A , ,00.300,00.700, ,6 Considerando-se uma taxa de atratividade de 4,5% a.m., verificar se o investimento é viável, determinando a taxa de retorno.

26 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Dado o fluxo de caixa abaixo: Mês Fluxo A ,00 650,00 650,00 650,00 650,00 650,00 Considerando-se uma taxa de atratividade de 2,5% a.m., verificar se o investimento foi viável, calculando a taxa de retorno. R. 2,8% a.m., Sim, pois a taxa de retorno é maior que a taxa de atratividade 3. Uma pessoa ganha na loteria R$ ,00. Planeja aplicar este dinheiro com retiradas anuais, pensando ganhar pelo menos 3,5% a.a. Um amigo, então, lhe propõe as retiradas conforme tabela abaixo: Ano Valor devolvido Ano Valor devolvido R$ ,00 6 R$ 90.00,00 2 R$ 0.000,00 7 R$ ,00 3 R$ ,00 8 R$ ,00 4 R$ ,00 9 R$ ,00 5 R$ ,00 0 R$ ,00 Verificar se ele conseguiu seu propósito. Calcular a taxa de retorno. R. Sim, pois conseguiu uma taxa maior do que esperava; 3,67% a.a. 4. Calcular o valor atual na data zero dos seguintes fluxos de caixa considerando taxa de 0% a.a. e as datas em anos: Datas Fluxo -2.27, Fluxo Um banco faz um empréstimo pessoal de R$ 45.58,22, que deve ser devolvido em 5 prestações mensais iguais de R$ 0.000,00. Sabendo-se que o banco cobra uma taxa de IOF de 2% sobre o total das prestações, antecipadamente, calcular o custo efetivo do empréstimo determinando a taxa interna de retorno. R. 4% a.m.

27 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa (BC) Considere o fluxo de caixa, abaixo: Período 0 2 (anos) Valor X (milhares de Reais) Calcular o valor de X para o qual a taxa interna de retorno anual seja de 0%. R Considere o fluxo de caixa, abaixo: Período (anos) Valor X X Y Reais 8%. Calcular o valor de X e de Y para o qual a taxa interna de retorno anual seja de Considerar X = 2Y R. R$ 2.620,38; R$ 5.240,76 8. Condidere o fluxo de caixa, abaixo: Período Valor , Calcular a taxa interna de retorno. Considerando-se uma taxa de atratividade de,6% a.m., o investimento é viável? R.,8% a.m.

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS Frequentemente, nas operações de médio e longo prazo, por razões metodológicas ou contábeis, as operações de empréstimos são analisadas período por período, no que diz respeito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I PROFESSOR JORGE JUNIOR E.MAIL: JJUNIORSAN@CEUNES.UFES.BR Apostila integralmente

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Empréstimos e Financiamentos. Matemática Financeira. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos

Empréstimos e Financiamentos. Matemática Financeira. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos Matemática Financeira Resumo Prof. Adriana C. Ferrazza Semana Acadêmica Curso de matemática O que são juros? Porque cobrar juros? O que significa Amortizar? Quais os sistemas de amortização? Quando os

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1 Matemática Financeira Evanivaldo Castro Silva Júnior 21/05/2013 2 Matemática Financeira 1. Séries de Pagamento i. Séries Uniformes (Modelo PRICE) ii. Séries Não-Uniformes (Modelo SAC Sistema de Amortizações

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL OPINE CONSULTORIA CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL CALCULADORA HP 12C: Operações Financeiras Básicas A calculadora HP 12C é uma

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento UNIDADE 4 Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento 109 Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você será levado a: diferenciar os dois tipos de sistema de amortização;

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. 1 LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1) Certo banco concede um financiamento de 80.000

Leia mais

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS UNIDADE. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Empréstimo - Recurso financeiro que não necessita ser justificado quanto a sua finalidade; por exemplo: cheque especial e CDC(Crédito Direto

Leia mais

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Descontos Desconto é a liquidação de uma operação antes de seu vencimento, envolvendo um prêmio ou recompensa. Valor Nominal, Valor de Resgate ou Valor de Face é o valor de um título

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA PARTE I 1 1) Calcular a taxa de juros trimestral proporcional às seguintes taxas: a) 24% ao ano. b) 36% ao biênio c) 6% ao semestre 2) Determinar a taxa de juros anual proporcional, das as seguintes taxas:

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON 1.2. NOTAÇÃO DECIMAL A máquina HP 12C possui duas formas de separar a parte fracionária da parte inteira de um número: utilizando

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS Conceitos iniciais Antes de iniciarmos os estudos específicos em relação a cada metodologia de amortização, é necessário conceituar alguns termos utilizados pelo mercado: Amortização:

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C - RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C 1. Juros compostos, operação única PV 0 n ou 0 n PV 1.1. Quanto devo receber ao aplicar R$ 1.000,00 por 6 meses, à taxa de 5% ao mês? f CLEAR FIN 1.000 CHS PV -1.000,00 6

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS A amortização é uma operação financeira mediante a qual um empréstimo ou financiamento é pago de maneira progressiva, por meio de prestações, de modo que ao término

Leia mais

Matemática Régis Cortes. JURO composto

Matemática Régis Cortes. JURO composto JURO composto 1 O atual sistema financeiro utiliza o regime de juros compostos, pois ele oferece uma maior rentabilidade se comparado ao regime de juros simples, onde o valor dos rendimentos se torna fixo,

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Quilelli 1 ) Uma dívida contraída à taxa de juros simples de 10% ao mês, deverá ser paga em duas parcelas, respectivamente iguais a R$ 126,00, daqui a

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos São desenvolvidos basicamente para operações de empréstimos e financiamentos de longo prazo, envolvendo

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS Matemática Financeira para Concursos 1 Conteúdo 1. Noções Básicas -------------------------------- 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial ------- 04 Taxa Percentual

Leia mais

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato Matemática Financeira Leandra Anversa Fioreze Rendas Imediatas: Primeiro pagamento efetuado no final do primeiro período. Ex: Comprei uma calculadora HP-12c Platinum em três parcelas de R$95,00, sendo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas

Leia mais

Conceitos Financeiros

Conceitos Financeiros Conceitos Financeiros Capital: qualquer quantidade de dinheiro, que esteja disponível em certa data, para ser aplicado numa operação financeira; Juros: custo do capital durante determinado período de tempo;

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

Matemática Financeira FN1200C

Matemática Financeira FN1200C Matemática Financeira FN1200C 0 Índice Introdução... 2 Principais Funções... 2 Juros... 8 Capitalização Simples ou Linear... 9 Capitalização Composta ou Exponencial... 12 Taxas Equivalentes... 16 Prestações

Leia mais

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira 1. Uma alternativa de investimento possui um fluxo de caixa com um desembolso de R$ 10.000,00, no início do primeiro mês, Outro desembolso, de R$ 5.000,00, ao final do primeiro mês, e duas entradas líquidas

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos

Leia mais

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo NOTAS DE AULA Introdução à Matemática Financeira Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Juros simples 2. Juros compostos 3. Séries periódicas uniformes 4. Planos de amortização

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

CENT RO DE CI ÊNCI AS S O CI AIS E APLI CADAS - CCS A

CENT RO DE CI ÊNCI AS S O CI AIS E APLI CADAS - CCS A UNIVERS IDADE PRESB ITER IANA M ACKENZIE CENT RO DE CI ÊNCI AS S O CI AIS E APLI CADAS - CCS A 01. Um empréstimo de $ 200.000,00, contratado a juros efetivos de 10% ao mês, no Sistema de Amortização Constante

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA Conteúdo 1. Noções Básicas pág. 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial pág. 04 Taxa Percentual e Unitária Taxas Equivalentes Capital, Taxas e Prazos Médios Montante Desconto

Leia mais

Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF

Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF Notas de aulas Wilhelm Passarella Freire (Colaboração: André Arbex Hallack) Março/2009 Índice 1 Conceitos básicos e simbologia 1 1.1 Introdução......................................

Leia mais

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy 1. (MDIC 2002 ESAF) Um contrato prevê que aplicações iguais sejam feitas mensalmente em uma conta durante doze meses com o objetivo

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais e mensais de $ 1.000,00 cada uma, dentro do conceito de termos vencidos, sabendo-se que

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV.

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Sem mais delongas, vamos às questões. 19. (SEFAZ-RJ 2010/FGV) A empresa Bonneli recebeu, pelo valor de R$ 18.000,00,

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I I JURO SIMPLES Exercícios de Aplicação 01. O juro simples da aplicação de $ 1.200,00, durante 5 meses à taxa de 4% ao mês vale: a) $ 300,00. b) $ 240,00. d) $ 220,00. c) $ 280,00. e) $ 320,00. 02. O juro

Leia mais

Exercícios. Matemática Financeira

Exercícios. Matemática Financeira Exercícios de Matemática Financeira SUMÁRIO - Apresentação... 01-01 ª Série - Taxas Equivalentes...... 02-02 ª Série - Planos de Amortização...... 05-03 ª Série - Exercícios Extras...... 09-04 ª Série

Leia mais

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Onde: Te = Taxa equivalente de determinado período n = número do período i = percentual de juros do período em que você

Leia mais

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Juros Simples Juros Compostos Desconto Simples Desconto Composto Erechim, 2014 INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA

Leia mais

CAIXA ECONOMICA FEDERAL

CAIXA ECONOMICA FEDERAL JUROS SIMPLES Juros Simples comercial é uma modalidade de juro calculado em relação ao capital inicial, neste modelo de capitalização, os juros de todos os períodos serão sempre iguais, pois eles serão

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos Aula 04 Matemática Financeira Equivalência de Capitais a Juros Compostos Introdução O conceito de equivalência permite transformar formas de pagamentos (ou recebimentos) em outras equivalentes e, consequentemente,

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Sumário 2 JUROS SIMPLES (Capitalização Simples) 5 JUROS COMPOSTOS (Capitalização Composta) 7 TAXAS SIMPLES 8 TAXAS COMPOSTAS 10 TAXAS SIMPLES EXATO 11 PRAZO, TAXA E CAPITAL MÉDIO

Leia mais

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial...

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial... Aula 22 Juros Simples. Montante e juros. Descontos Simples. Equivalência Simples de Capital. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Descontos: Desconto racional simples e

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade I

Prof. Luiz Felix. Unidade I Prof. Luiz Felix Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Matemática financeira A Matemática Financeira estuda o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Do ponto de vista matemático, um determinado valor a

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira O que é melhor? Juros simples ou juros compostos? Pagar a vista ou comprar a prazo? ano? Receber hoje R$ 1,00 é melhor que receber o mesmo valor daqui a um Podemos ver

Leia mais

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas de dinheiro (desembolsos)

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 02. Prof. Mário Leitão

MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 02. Prof. Mário Leitão MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 02 Prof. Mário Leitão Conceitos. A matemática financeira é um ramo da matemática que estuda as variações do dinheiro ao longo de tempo. Dinheiro e tempo... Se seu amigo lhe pedisse

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG Projeto Institucional de Formação Continuada Aprendizagem de Matemática Mediada por suas Aplicações 6 o Encontro: Matemática Financeira Professor José Carlos

Leia mais

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN). A Matemática Financeira tem como objetivo estudar o valor do dinheiro no tempo. CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

Leia mais

GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de

GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de Engenharia I. Observação: Os conceitos acompanhados de asterisco

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A amortização de um empréstimo é o processo de sua liquidação por meio de pagamentos periódicos (anuidades). Sistema Francês (Tabela Price) Sistema de Amortização Constante (SAC)

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

ECONOMIA. Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com. Site: julianematematica.webnode.com

ECONOMIA. Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com. Site: julianematematica.webnode.com ECONOMIA Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com Site: julianematematica.webnode.com 1. Introdução: O valor do dinheiro no tempo 1.1 O valor do dinheiro no tempo A matemática financeira

Leia mais

Aula 3 Matemática Financeira para BDMG

Aula 3 Matemática Financeira para BDMG Aula 3 Matemática Financeira para BDMG Sistemas de Amortização... 2. Conceito... 2.2 Sistema Francês de Amortização (Sistema de Amortização Progressiva)... 2.2. Tabela Price... 3.2.2 Descrição das parcelas

Leia mais

Resolução da prova de Matemática Financeira AFRF/2005 Prova 1-Tributária e Aduaneira-Inglês

Resolução da prova de Matemática Financeira AFRF/2005 Prova 1-Tributária e Aduaneira-Inglês 19/12/2005 Resolução da prova de Matemática Financeira AFRF/2005 Prova 1-Tributária e Aduaneira-Inglês Questão 31. Ana quer vender um apartamento por R$400.000,00 à vista ou financiado pelo sistema de

Leia mais

Aula 08 Matemática Financeira. Amortização de Empréstimos

Aula 08 Matemática Financeira. Amortização de Empréstimos ula 08 Matemática Financeira mortização de Empréstimos Introdução Freqüentemente, nas operações de médio e longo prazo, as operações de empréstimos são analisadas período por período. Consideremos os instantes

Leia mais

Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C

Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C Prof. Msc. Sergio Silva Braga Junior Consultor Financeiro Observações Gerais É indispensável o uso da calculadora financeira HP-12C O curso

Leia mais

JUROS SIMPLES - CONCEITO O QUE SÃO JUROS?

JUROS SIMPLES - CONCEITO O QUE SÃO JUROS? Juros Simples JUROS SIMPLES - CONCEITO O QUE SÃO JUROS? Os juros são a remuneração pelo empréstimo do dinheiro. Representam a remuneração do capital empregado em alguma atividade produtiva. Pode ser caracterizado

Leia mais

2 - Um capital de R$ 2.000,00 é aplicado a juros composto durante 4 anos a taxa de 2% a.a. Qual o montante e qual os juros totais auferidos?

2 - Um capital de R$ 2.000,00 é aplicado a juros composto durante 4 anos a taxa de 2% a.a. Qual o montante e qual os juros totais auferidos? LISTA 02 MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Joselias TAXAS EQUIVALENTES A JUROS COMPOSTOS, TAXA NOMINAL, TAXA EFETIVA, DESCONTO RACIONAL SIMPLES E COMPOSTO, DESCONTO COMERCIAL SIMPLES E COMPOSTO. DESCONTO

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 04/10 Prof. Pedro Souza UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA

Leia mais

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE DISCIPLINA: Matemática Financeira e Engenharia Econômica TÓPICO: Sistemas de Amortização Prof: Khalil Conceito: O valor de uma prestação de um financiamento ou empréstimo

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Marcelo de Figueiredo Alves 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA É a análise das relações formais entre transações financeiras, que traduzem a um padrão equivalente, quantidades monetárias transacionadas

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO JUROS E TAXAS MARCOS CARRARD CARRARD@GMAIL.COM INTRODUÇÃO A Matemática Financeira teve seu início exatamente quando o homem criou os conceitos de Capital, Juros, Taxas e Montante. Daí para frente, os cálculos

Leia mais