Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:"

Transcrição

1 Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível em determinada época. Taxa de Juro: é a razão entre os juros recebidos (ou pagos) no fim de um período de tempo e o capital empregado. Capitalização Simples: é aquela em que a taxa de juro incide somente sobre o capital inicial; não incide, pois, sobre os juros calculados. Juro Exato: é aquele que é calculado considerando o ano civil e o número certo de dias entre duas datas. Juro Bancário: é aquele que é calculado considerando o ano contendo apenas 360 dias, ou seja, 12 meses de 30 dias cada um, porém computado o número exato de dias entre a data da operação e seu vencimento. Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juros Bancários e Exatos 1. Digite o prazo em dias e pressione a tecla n. 2. Digite a taxa anual e pressione a tecla i. 3. Digite o valor de aplicação e pressione CHS PV (na ótica do aplicador). 4. Pressione f INT para calcular os juros comerciais (ano com 360 dias). 5. Pressione as teclas R x y para calcular os juros exatos (ano civil com 365 dias). 6. Pressione a tecla + para obter o montante.

2 JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro: É a remuneração do capital emprestado, ou seja, o juro é o pagamento pelo uso de poder aquisitivo por um determinado período de tempo; associa-se então o juro à preferência temporal das pessoas, que é o desejo de efetuar o consumo o mais cedo possível. Essa taxa é fixada pelo mercado financeiro, que depende da oferta e procura de moeda. Capital: Qualquer valor expresso em moeda e disponível em determinada época. Taxa de Juro: Taxa de juro é o coeficiente entre os juros recebidos (ou pagos) no final de um período. Essa taxa está sempre relacionada a uma unidade de tempo. As taxas de juros, geralmente, são apresentadas de dois modos: forma percentual ou unitária. Controle Via Mercado Monetário - compra e venda de moeda: Muitas vezes, de forma ater um controle mais ágil e rápido sobre o volume de recursos em reservas bancárias, o Banco Central compra e vende moeda (mercado monetário), que nada mais é do que a compra e a venda de títulos pelo prazo de um ou até três dias. O inconveniente para os bancos é que estas operações não geram lastro para os FAF. A compra e venda de moeda são fundamentais para conter as oscilações bruscas do juro primário desejado pelo Banco Central. Dessa forma, o Banco Central só precisa administrar a taxa de juro, procurando evitar que o preço do dinheiro repassado diariamente ao mercado financeiro fique acima da rentabilidade dos títulos públicos, especialmente os BBC, cuja taxa é prefixada e, portanto corre o risco de ter a taxa descasada em relação ao overnight, realizado no mercado secundário. Capitalização Simples: É aquela em que a taxa de juro incide somente sobre o capital inicial. Neste regime de capitalização a taxa varia linearmente em função do tempo, em outras palavras, se quisermos converter a taxa diária em mensal, basta multiplicarmos a taxa diária por 30; se desejarmos uma taxa anual, tendo a mensal basta multiplicarmos esta por 12 assim por diante. Percentual: Quando se refere a um capital de R$100,00, ou seja, o valor do juro a ser pago ou recebido a cada R$100,00 durante o período a que se referir a taxa. Edson Mota 2

3 PROBLEMAS PROPOSTOS 1) Calcular os juros simples produzidos por $40.000,00, aplicados à taxa de 36% a.a., durante 125 dias. 2) Um empréstimo de $8.000,00 rendeu juros de $2.520,00 ao final de 7 meses. Qual a taxa de juros do empréstimo? 3) Qual o capital que aplicado a juros simples de 1,2% a.m. rende $3.500,00 de juros em 75 dias? 4) Por quanto tempo um capital de $11.500,00 foi aplicado para que rendesse $1.725,00 de juros, sabendo-se que a taxa de juros de mercado é de 4,5% a.m.? 5) Que capital produziu um montante de $20.000,00, em 8 anos, a uma taxa de juros simples de 12% a.a.? 6) Calcule o montante resultante da aplicação de $70.000,00 à taxa de 10,5% a.a. durante 145 dias. 7) A que taxa mensal o capital de $38.000,00 produzirá o montante de $70.300,00 em 10 anos? 8) Um capital é aplicado a juros simples de 5% ao semestre (5 % a.s.), durante 45 dias. Após este prazo, foi gerado um montante de $ ,55. Qual foi o capital aplicado? 9) Que capital aplicado a 3% ao bimestre (3% a.b.), por um prazo de 75 dias, proporcionou um montante de $ ,00? 10) Um capital de $5.380,00 aplicado por 3 meses e 18 dias, rendeu $1839,96 de juros ao final do período. Qual a taxa mensal de juros simples? 11) Um capital P foi aplicado a juros simples de 15% ao bimestre (15% a.b.), por um prazo de 5 meses e 13 dias e, após este período, o investidor recebeu $10.280,38. Qual o valor P do capital aplicado? 12) Obteve-se um empréstimo de $10.000,00, para ser liquidado por $14.675,00 no final de 8 meses e meio. Qual a taxa de juros anual cobrada nessa operação? 13) Em quanto tempo um capital aplicado a 48% a.a. dobra o seu valor? 14) Determinar o capital necessário para produzir um montante de $ ,00 no final de um ano e meio, aplicado a uma taxa de 15% ao trimestre (15% a.t.). 15) Determinar o montante correspondente a uma aplicação de $ ,00 por 225 dias, à taxa de 5,6% ao mês. Edson Mota 3

4 16) Quanto tempo deverá permanecer aplicado um capital para que o juro seja igual a duas vezes o capital, se a taxa de juros simples for igual a 10% a.a.? Respostas: 1. Temos: J = P.i.n A taxa de 36% a.a. equivale a 0,36/360 dias = 0,001 a.d. Agora, como a taxa e o período estão referidos à mesma unidade de tempo, ou seja, dias, poderemos calcular diretamente: J = , = $5000,00 2. Temos: J = P.i.n ; 2520 = 8000.i.7; Daí, vem imediatamente que i = 2520 / Então, i = 0,045 a.m = 4,5% a.m. 3. Temos imediatamente: J = Pin ou seja: 3500 = P.(1,2/100).(75/30) Observe que expressamos a taxa i e o período n em relação à mesma unidade de tempo, ou seja, meses. Logo, 3500 = P. 0,012. 2,5 = P. 0,030; Daí, vem: P = 3500 / 0,030 = $ ,67 4. j = P.i.n 1725 = (4,5/100).n 1725 = ,045.n = 3, meses = 3 meses + 0, de um mês = 3 meses + 1/3 de um mês = 3 meses e 10 dias. 5. Temos: S = P(1 + i.n) = P.(1 + 0,12.8) = 1,96.P, de onde tiramos P = $10.204,08 6. S = P(1 + i.n) S = 70000[1 + (10,5/100).(145/360)] = $72.960,42 Observe que expressamos a taxa i e o período n, na mesma unidade de tempo, ou seja, anos. Daí ter dividido 145 dias por 360, para obter o valor equivalente em anos, já que um ano comercial possui 360 dias. Edson Mota 4

5 7. S = P(1 + i.n) = (1 + i.10), de onde vem: 70300/38000 = i 1,85-1 = 10.i, de onde vem: i = 0,85/10 = 0,085 a.a. = 8,5% a.a. Para achar a taxa mensal, basta dividir por 12 meses, ou seja: i = 0,085 / 12 = 0, = 0,7083 % a.m. 8. Lembrando que a taxa i e o período n têm de ser expressos relativo à mesma unidade de tempo, vem: ,55 = P[1 + (5/100).(45/180)], de onde tiramos P = $ ,00 Nota: Como a taxa i está relativa ao semestre, dividimos 45 dias por 180 dias, para expressar o período n também em semestre. Lembre-se que 180 dias = 1 semestre. 9. S = P(1+ i.n) = P[1 + (3/100).(75/60)], de onde tiramos P = $ ,02 Nota: observe que dividimos 75 dias por 60 dias, para expressá-lo em bimestres, já que 1 bimestre = 60 dias. 10. J = P.i.n 1839,96 = 5380.i.108, pois 3 meses e 18 dias = = 108 dias. Logo, i = 1839,96 / = 0, a.d. = 0,3167% a.d. Para obter a taxa mensal, basta multiplicar por 30 dias, ou seja: i= 0,3167% a.d. X 30 = 9,5% a.m. 11. S = P(1 + i.n) Temos: 15% a.b. = 0,15 a.b. = 0,15/60 = 0,0025 a.d. = 0,25% a.d. (a.d. = ao dia) 5 meses e 13 dias = = 163 dias. Logo, como i e n estão referidos à mesma unidade de tempo, podemos escrever: 10280,38 = P(1 + 0, ), de onde tiramos P = $ 7.304, meses e meio = = 255 dias. Teremos, então: S = P(1 + i.n) = 10000(1 + i.255), de onde vem: 14675/10000 = i 1,4675 = i 0,4675 = 255.i i = 0, a.d. = 0,1833% a.d. Edson Mota 5

6 Multiplicando por 360, obteremos a taxa anual: i = 0, = 0,66 a.a. Ou expressando em termos de porcentagem, i = 0, = 66% a.a. 13. S = P(1 + i.n) Fazendo M = 2P e substituindo os valores conhecidos, vem: 2P = P[1 + (48/100).n] Simplificando, fica: 2 = 1 + 0,48.n 1 = 0,48.n, de onde tiramos n = 2, anos Para obter o período em meses, devemos multiplicar o valor acima por 12 ou seja: n = 2, x 12 = 25 meses. 14. S = P(1 + i.n) Temos: n = 1 ano e meio = 18 meses = 18/3 = 6 trimestres. Portanto: = P[1 + (15/100). 6], de onde tiramos P = $ , S = P(1 + i.n) 225 dias = 225/30 = 7,5 meses Logo, S = [1 + (5,6/100).7,5] = $ , Temos: J = 2P J = P.i.n 2P = P.0,10.n, de onde tiramos n = 20 anos. Edson Mota 6

7 JUROS COMPOSTOS Quando utilizamos o método de juros compostos, estamos dizendo que o rendimento gerado pela aplicação será incorporado a ela, passando a participar da geração do rendimento no período seguinte. Vamos ver como funciona: Se aplicarmos R$1.000,00 à taxa de 20% a.m. Durante 3 meses, teríamos os seguintes rendimentos e montantes, em cada mês, tanto no regime de juros simples como composto. Juros Simples Juros Compostos Mês Rendimento Montante Rendimento Montante 1 $1.000 x 0,2 = $200 $1.200 $1.000 x 0,2 = $200 $ $1.000 x 0,2 = $200 $1.400 $1.200 x 0,2 = $240 $ $1.000 x 0,2 = $200 $1.600 $1.440 x 0,2 = $288 $1.728 O regime de juros compostos é mais comum no sistema financeiro e portanto, o mais útil para cálculos de problemas do dia a dia. Os juros gerados a cada período são incorporados ao principal para o cálculo dos juros do período seguinte. Chamamos de capitalização o momento em que os juros são incorporados ao principal. A juros compostos o dinheiro cresce exponencialmente em progressão geométrica ao longo do tempo. No juro composto, os rendimentos ao longo de cada período são incorporados ao saldo anterior e passam, por sua vez, a render juros. A esse processo dá-se o nome de capitalização de juros. A fórmula de capitalização simples: S = P. (1 + i x n) Edson Mota 7

8 Fórmula do Montante no Juro Composto A fórmula básica que norteia todo o sistema de cálculo de juros é: S = P. (1 + i) n Onde: S! montante P! capital i! taxa n! período Edson Mota 8

9 TAXAS EQUIVALENTES Duas taxas efetivas são ditas equivalentes quando produzem o mesmo montante no final de um determinado período de tempo e pela aplicação de um capital inicial de mesmo valor. Na prática, sempre que uma transação financeira possuir taxas de juros com tempo diferente do prazo da transação, é necessário calcular a taxa equivalente para determinação do valor final. A taxa equivalente pode ser calculada pelo método linear (juro simples) ou exponencial (juro compostos). Veja como funciona o cálculo da taxa equivalente para juros compostos: i q = ( 1+ i ) q t 1 x100 t Onde: i q! Taxa que eu quero i t! Taxa que eu tenho q! prazo que eu quero t! prazo que eu tenho No método de linear (juro simples) i q = i x q t t x100 i q! Taxa que eu quero i t! Taxa que eu tenho q! prazo que eu quero t! prazo que eu tenho Edson Mota 9

10 Lembre-se A forma unitária é utilizada somente nas fórmulas de matemática financeira. Exemplo para juro compostos: a) Determinar a taxa para 183 dias, equivalente a 65% ao ano. i 183 = ( 1,65 ) = 28,99% b) Determinar a taxa para 491 dias, equivalente a 5% ao mês. i 491 = ( 1,05 ) = 122,23% c) Determinar a taxa para 27 dias, equivalente a 13% ao trimestre. i27 = ( 1,13 ) = 3,73% Exemplo para juro simples: a) Determinar a taxa para 183 dias, equivalente a 65% ao ano. i183 = ( 0,65 x 0,508333) x 100 = 33,04% b) Determinar a taxa para 491 dias, equivalente a 5% ao mês. i 491 = ( 0,05 x 16,366667) x 100 = 81,83% c) Determinar a taxa para 27 dias, equivalente a 13% ao trimestre. i27 = ( 0,13 x 0,30) x 100 = 3,90% Edson Mota 10

11 PROBLEMAS PROPOSTOS 1) Determinar o montante, no final de 10 meses, resultante da aplicação de um capital de $ ,00 à taxa de 3,75% ao mês. 2) Um agiota empresta $80.000,00 hoje para receber $ ,46 no final de 2 anos. Calcular as taxas mensal e anual desse empréstimo. 3) Sabendo-se que a taxa trimestral de juros cobrada por uma instituição financeira é de 12,486%, determinar qual o prazo em que o empréstimo de $20.000,00 será resgatado por $36.018,23. 4) Quanto devo aplicar hoje, à taxa de 51,107% ao ano, para ter $ ,00 no final de 19 meses? 5) Uma empresa obtém um empréstimo de $ ,00 que será liquidado, de uma só vez, no final de 2 anos. Sabendo-se que a taxa de juros é de 25% ao semestre, calcular o valor pelo qual esse empréstimo deverá ser quitado. 6) Em que prazo uma aplicação de $ ,03 em letras de câmbio, à taxa líquida de 3,25% ao mês, gera um resgate de $ ,00. 7) Um terreno está sendo oferecido por $ ,00 à vista ou $ ,00 de entrada e mais uma parcela de $ ,00, no final de 6 meses. Sabendo-se que no mercado a taxa média para aplicação em títulos de renda fixa (Pré) gira em torno de 3,5% ao mês (taxa líquida, isto é, com o I.R. já computado), determinar a melhor opção para um interessado que possua recursos disponíveis para comprá-lo. 8) A que taxa de juros um capital aplicado pode ser resgatado, no final de 17 meses, pelo dobro de seu valor? 9) Em quanto tempo um capital pode produzir juros iguais a 50% do seu valor, se aplicado a 3,755% ao mês? 10) A aplicação de certo capital, à taxa de 69,588% ao ano, gerou um montante de $ ,00 no final de 1 ano e 3 meses. Calcular o valor dos juros. 11) Qual é mais vantajoso: aplicar $ ,00 por 3 anos, a juros compostos de 3% ao mês, ou aplicar esse mesmo valor, pelo mesmo prazo, a juros simples de 5% ao mês? 12) No fim de quanto tempo um capital, aplicado à taxa de 4% ao mês, quadruplica o seu valor: a) no regime de capitalização composta; b) no regime de capitalização simples. Edson Mota 11

12 13) Qual o montante produzido pela aplicação de $ ,00, à taxa de 175% ao ano, pelo prazo de 213 dias? 14) Qual o valor do capital, que aplicado à taxa de 18% ao trimestre durante 181 dias, produziu um montante de $ ,00? 15) Uma casa é vendida por $61.324,40 à vista. O comprador propõe pagar $68.000,00 daqui a 4 meses. Qual a taxa de juros mensal que o comprador está pagando (Juros Compostos)? 16) Uma casa é vendida por $ ,40 à vista. O comprador propões pagar R$ ,00 daqui a 4 meses. Qual a taxa de juros mensal que o comprador estaria pagando? 17) Em quantos meses uma aplicação de $18.000,00 pode acumular um montante de $83.743,02, considerando uma taxa de juros composta de 15% ao mês? 18) A aplicação de $ ,00 em letras de câmbio proporcionou um resgate de $ ,56 no final de seis meses. Determinar as taxas mensal e anual dessa operação? 19) Certa aplicação rende 0,225% ao dia. Em que prazo um investidor poderá receber o dobro da sua aplicação? 20) Conhecendo a taxa de 0,8541% ao dia, qual a sua equivalência mensal? 21) Tendo uma taxa de 13,75% ao mês, qual a sua equivalência anual? 22) Qual a taxa equivalente para o período de a considerando-se para o mês de maio uma taxa de 14,75% ao mês, para o mês de junho 17,6% ao mês e para o mês de junho uma taxa de 18,15% ao mês? 23) Um banco remunera uma aplicação financeira em 42,10% ao mês, aplicado por um prazo de 32 dias. Quanto está rendendo em média por dia útil sabendo-se que neste prazo existem 22 dias úteis? 24) Qual a taxa equivalente trimestral do IGP-M. Considerando as seguintes taxas 15.45%, 17,40% e 16,57% mensais? 25) Um banco emprestou a uma empresa a importância de $5.100,00 para ser devolvido após 45 dias. Qual o valor a pagar sabendo-se que o empréstimo foi realizado no dia e que a taxa de juros para o mês de março é de 15,40% ao mês, em abril será de 17,40% ao mês e maio 18,10% ao mês, a juros compostos? Edson Mota 12

13 26) Qual é a melhor taxa para aplicação em CDB? Taxa: Prazo: a) 3,292% 30 dias b) 3,851% 35 dias c) 6,692% 60 dias d) 10,111% 90 dias e) 3,428% 31 dias f) 3,656% 33 dias 27) Em 154 dias uma aplicação rendeu 41,123%. Calcular as taxas mensal e anual equivalentes. 28) Um banco cobra 20% ao ano de juros em uma operação de capital de giro. Quanto cobrará para uma operação em 182 dias? 29) Quanto uma pessoa resgatará no final de 93 dias se aplicar $2 milhões à taxa de 150% ao ano? E qual a taxa mensal equivalente? 30) Um cliente quer liquidar uma duplicata com 27 dias de antecedência, a uma taxa de juros de 25,10% ao mês. Qual o valor presente calculado a juro simples e composto, sabendose que o valor da duplicata no vencimento é de $25.000,00? Edson Mota 13

14 Respostas: 1) R$ ,39 2) 8% ao mês, ou 151,817% ao ano 3) 5 trimestre, ou 15 meses 4) $ ,09 5) $ ,38 6) 19 meses 7) A melhor opção é a compra a prazo. 8) 4.162% ao mês 9) 11 meses 10) $ ,24 11) Aplicar a juros compostos de 3% ao mês 12) a) 36 meses b) 75 meses 13) $ ,08 14) $ ,34 15) 2,62% ao mês 16) 25% ao mês 17) 11 meses 18) 7,3% ao mês e 132,91% ao ano 19) 309 dias 20) 29,0606% ao ano 21) 369,2636%ao ano 22) 36,0390 para 59 dias 23) 1, por dia útil 24) 57, ao trimestre 25) $6.451,79 26) A melhor é a (f) com a taxa de 3,318% ao prazo de 30 dias. 27) 6,941% ao mês e 123,722% ao ano 28) 9,656% no período 29) $ ,27 30) Simples = $20.393,18 Composto = $20.436,59 Edson Mota 14

15 FLUXO DE CAIXA / SERIE DE PAGAMENTOS O fluxo de caixa mostra graficamente as operações financeiras em um determinado período de tempo. No gráfico o tempo é representado por uma linha horizontal dividida pelo numero de períodos relevantes para a análise. As entradas são representadas por setas verticais apontadas para cima e as saídas são representadas por setas verticais apontadas para baixo. Veja um exemplo, vamos utilizar as mesmas nomenclaturas das HP 12C. PMT (450) PMT (150) FV (100) PV (-100) PMT (-250) PMT -(350) PV! valor presente na data 0. FV! valor futuro, é o resultado após juros, entradas e saídas. PMT! valor das prestações, que são entradas e saídas no fluxo de caixa, na calculadora são representadas pelo sinal positivo e negativo. Vamos ver como funciona o fluxo de caixa na HP 12C. f REG 100 CHS CF CHS CF j 150 CF j 450 CF j 350 CHS CF j f IRR 100 Obtendo assim o valor futuro do fluxo de caixa. Edson Mota 15

16 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS A necessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer investimentos a tomarem empréstimos e assumirem dívidas que são pagas com juros de forma que variam de acordo com contratos estabelecidos entre as partes interessadas. As formas de pagamentos dos empréstimos são chamadas sistemas de amortização. Os sistemas de amortização são os mais variados, alguns prevendo pagamento único, outros possibilitando parcelamento. Alguns desses sistemas de amortização são mais comuns e têm até denominação próprias, como o sistema PRICE, usado pelo Sistema Financeiro de Habitação ou sistema Americano, usado nos empréstimos internacionais. Outros não tem denominação próprias e, quando utilizados, são descritos por menores em contratos de empréstimos. Quando a forma escolhida para amortização de uma dívida prevê pagamento parcelado, existe interesse, tanto por parte do devedor como por parte do credor, em conhecer, a cada período de tempo, o estado da dívida, isto é, o total pago e o saldo devedor. Por isso, é comum a elaboração de demonstrativos que acompanham cada pagamento do empréstimo. Não existe um modelo único de demonstrativo mas de todos eles devem constam o valor de cada pagamento e o saldo devedor, devendo ainda, o valor de cada pagamento ser subdividido em juros e amortização. É importante observar que o sistema PRICE não implica somente em prestações mensais, ela pode ser trimestrais, semestrais e assim por diante. O que se deve levar em consideração é que as parcelas e os prazos devem ser iguais e consecutivos. Edson Mota 16

17 Pela fórmula temos: Cálculo das Prestações R = Px n ( 1+ i) xi ( ) n 1+ i 1 Cálculo do Montante S = Rx ( 1+ i) i n 1 Cálculo do Valor Presente P = Rx n ( 1 + I ) 1 ( ) n 1 + i xi Cálculo do número de prestações tendo o montante e as prestações n = Ln. [(S R). i + 1] [Ln. (1 + i)] Cálculo do número de prestações tendo o valor presente e as prestações n = Ln.{1 - [(P R). i]} [Ln. (1 + i)] Onde: R = valor das prestações P = Capital Ln = logaritmo neperiano ou logaritmo i = Taxa de juro Edson Mota 17

18 FATOR DE FINANCIAMENTO É muito utilizado em lojas de departamentos ou financeiras. O fator é utilizado para se calcular os valores das parcelas. Veja como funciona após ter calculado o valor do fator: 0, x valor do bem = valor das prestações (postecipada ou antecipada) Exemplo: 1) Encontrar o fator para um financiamento com 12 prestações mensais e taxa de juro de 15% ao mês. R = 1. ( 1 + 0,15) 12. 0,15 (1 + 0,15) 12-1 R = 1. 0, , R = 0, R = fator x valor do financiamento = valor das prestações. Se a primeira prestação fosse a vista basta dividir por (1 + i), neste caso ficaria assim: R = 0, (1 + 0,15) = 0, Vamos ver como funciona na HP 12C: f REG 1 PV 12 n 15 i Pressionar PMT = 0, Edson Mota 18

19 Para obter o fator para pagamento da primeira prestação proceda dessa forma: Matemática Financeira f REG g BEG 1 PV 12 n 15 i Pressionar PMT = 0, Análise de Planos de pagamentos: A análise de planos nada mais é do que fazer cálculos referente a um plano de pagamento ou recebimentos. Neste tipo de análise é levado em consideração o quanto é pago de taxa de juros, o valor presente para pagamento à vista e outros dados relativos a analise. Simplificando, a analise nada mais é do que uma decisão a ser tomada sobre os dados concluídos. Veja como funciona: 1) Um carro custa à vista R$15.000,00, e está sendo vendido a prazo com um entrada de R$8.500,00 e 12 prestações de R$630,00 ou 24 prestações de R$430,00 com a mesma entrada. Qual a melhor forma de pagamento? Opção (1): O valor a ser financiado será de: , ,00 = 6.500,00 Edson Mota 19

20 Exercícios: 1) Um financiamento de $ ,00 será liquidado em 14 prestações mensais. Se a taxa de juros efetiva for de 180% ao ano, calcular o valor da prestação. 2) Uma pessoa deposita num fundo de capitalização $2.450,00 mensalmente. Se a taxa de juros ganha na aplicação for de 120% ao ano, capitalizada mensalmente (entende-se taxa equivalente simples), qual será o saldo da conta após 16 meses de aplicação. 3) Qual o montante, no final de 20 meses, resultante da aplicação de 14 parcelas iguais, mensais e consecutivas de $1.800,00 cada uma, sabendo-se que a taxa contratada é de 3,5% ao mês e que a primeira aplicação é realizada hoje? 4) Qual seria o depósito a se fazer hoje em uma conta remunerada, de forma a podermos retirar $3.280,00 todo final de mês, durante os próximos 19 meses, e, no final, a conta apresentar saldo zero? Considere que a conta remunerada paga uma taxa de juro de 20% ao mês. 5) Uma loja financia uma compra no valor de $43.000,00 em 12 prestações mensais de $7.932,67 cada uma. Qual a taxa de juro mensal cobrada no financiamento. 6) Em que prazo uma pessoa pode liquidar um financiamento de $ ,00 pagando prestações mensais de $47.231,99 se a taxa de juros cobrada no financiamento for de 20 ao mês. 7) Qual é a taxa de juros mensal à qual foi tomado um empréstimo de $ ,00 que obriga ao devedor pagar 13 prestações mensais de $30.831,94? Edson Mota 20

21 8) Uma pessoa deve pagar pela compra de um eletrodoméstico uma entrada que representa 15% do valor à vista, mais 8 prestações mensais. Se a loja cobra juros de 5% ao mês, qual é o valor das prestações se o valor à vista do eletrodoméstico é de $330,00? Se a primeira prestação fosse paga no ato junto com a entrada, qual seria o valor da prestações? 9) Uma empresa revendedora de caminhões, nas compras a prazo, concede uma carência de 3 meses até o pagamento da primeira das 18 prestações mensais. Se, no ato da compra, o cliente deve pagar uma entrada de 20% sobre o valor à vista, calcular o valor das prestações considerando que a taxa de juros cobrada é de 30% ao mês e o valor à vista é de $400.00,00. 10) Um cliente deve pagar, no ato da compra, uma entrada de $500 que representa 25% do valor à vista, mais a primeira de 12 prestações mensais. Se a loja cobra juros de 8% ao mês, qual será o valor das prestações? 11) Uma pessoa deposita todo final de mês, durante 13 meses, $12.000,00. A partir do 15º mês, faz três saques mensais iguais. Se a aplicação ganha juros de 10% ao mês, qual é o valor de cada um dos saques de forma que, após o 3º saque, o saldo da conta seja igual a zero? 12) Geovana faz uma compra no valor de $14.000,00. Se ela comprar a prazo, o valor à vista sofre um acréscimo de 25% e ela tem de pagar no ato uma entrada de 20% desse valor acrescido, mais seis prestações mensais de $3.557,61. Calcular a taxa de juros mensal cobrada no financiamento. 13) Uma compra no valor de $ ,00 foi feita mediante uma entrada de 20% e o restante em prestações quinzenais durante 2 anos. Qual será o valor da prestação se a taxa de juros efetiva cobrada for de 120% ao ano. 14) Uma instituição financeira concede um período de carência para início dos reembolsos quando empresta capital. A empresa tomou um financiamento de $ ,00 nessa instituição financeira, pelo qual deve pagar 7 prestações mensais de $ ,21. Considerando que a taxa de juros cobrada foi de 15% ao mês, qual é o período de carência concedido pela instituição financeira. 15) Quanto terei no final de 18 meses se aplicar $200,00 a cada bimestre, à taxa de 2,4695% ao mês, sendo a primeira aplicação a 60 dias de hoje? 16) Uma pessoa pretende emprestar do banco a importância de $ ,00, para ser paga no prazo de 12 meses. O pagamento será feito em 5 prestações bimestrais iguais e Edson Mota 21

22 consecutivas, sendo que a primeira vence no final do quarto mês. Sabendo-se que a instituição financeira cobra juros de 7,8% ao mês, qual o valor das prestações? 17) O preço à vista de um vídeo cassete é de $20.000,00 e uma loja está vendendo em 8 prestações e um pagamento maior no final de $3.000,00. Sabendo-se que a instituição financeira cobra juros de 7,5% ao mês, qual o valor da prestação. (o valor referente aos $3.000,00 será acrescido no final da prestação). 18) Um carro custa à vista $44.000,00. Uma agência está vendendo por $14.000,00 de entrada, mais 6 prestações mensais iguais postecipada de $7.504,60. Qual a taxa cobrada pela agência na financiada? Edson Mota 22

23 Respostas: 1) R$16.915,00 2) R$88.076,84 3) R$40.482,11 4) R$15.886,68 5) 15% ao mês 6) 20 meses 7) 21,5% ao mês 8) R$43,40 R$41,33 9) R$ ,00 10) R$184,30 11) R$ ,00 12) 25% ao mês 13) R$12.628,61 14) 5 meses 15) R$2.205,31 16) R$ ,00 17) R$3.127,36 18) 13% ao mês Edson Mota 23

24 SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTES SAC Matemática Financeira Por este sistema, o devedor paga o empréstimo que incluem, cada uma, uma parcela constante de amortização e os juros sobre o saldo devedor. Enquanto no sistema PRICE as prestações são iguais, no SAC são iguais as amortizações incluídas em cada prestação. Como n amortização iguais devem saldar a dívida P, para calcular cada uma basta dividir o total do empréstimo P pelo número n de parcelas A = P n Exemplo: Um empréstimo de $ ,00, realizado à taxa de 2,5% a.m., pelo prazo de quatro meses, agora pago pelo SAC, fazer o demonstrativo do estado da dívida nesses quatro meses. A= = ,00 Meses Saldo Devedor Amortização Juros Prestação ,00 0,00 0,00 0, , , , , , , , , , , , ,00 4 0, ,00 625, ,00 Observa-se, ainda que o quadro demonstrativo pode ser elaborado coluna por coluna, uma vez que os pagamentos são decrescentes, uma vez que soma são a soma de amortização iguais com juros cada vez menores. Edson Mota 24

25 TABELA PRICE Este é um caso particular do Sistema Francês de Amortização, em que a taxa de juros é dada em termos nominais (na prática é dada em termos anuais) e as prestações têm período menor que aquele a que se refere-se a taxa de juros (em geral, as amortizações são feitas em base mensal). Neste sistema, o cálculo das prestações é feito usando-se a taxa proporcional ao período a que se refere a prestação, calculada a partir da taxa nominal. Exemplo: 1) Um empréstimo de R$200.00,00 será pago em 3 prestações mensais iguais sem período de carência. Se a taxa de juros for de 180% ao ano, construir a tabela de amortização. i = 180% 12 = 15% ao mês R = (1 + 0,15) 3. 0,15 (1 + 0,15) 3-1 R = , , R = , R = ,39 Construindo a tabela: Mês Saldo Devedor Amortização Juros Prestação (03-02 ant.) (04-05) (02 x i) (R) , , , , , , , , ,39 3 0, , , ,39 Edson Mota 25

26 2) Uma empresa tomou um empréstimo no valor de R$ ,00, para ser amortizado em 5 trimestres com 3 meses de carência. Com taxa de juros nominais de 28% ao ano capitalizados trimestralmente. Construir a tabela de amortização. i = 28% (3 12) = 7% ao trimestre S = (1 + 0,07) S = ,00 R = (1 + 0,07) 5. 0,07 (1 + 0,07) 5-1 R = , , R = , R = ,04 Pagamento no 3º mês (ínicio dos desembolsos) R = ,04 1,07 = ,69 Construindo a tabela: Trim. Saldo Devedor Amortização Juros Prestação (03-02 ant.) (04-05) (02 x i) (R) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,69 7 0, , , ,69 Edson Mota 26

27 Exercício: 1) Uma pessoa adquiriu de uma construtora um apartamento no valor de R$ ,00, pagando R$ ,00 de entrada. O restante foi financiado a 3% ao mês, para ser amortizado em 36 meses, segundo a Sistema Fracês ou Amortização (Tabela Price). Questiona-se: a) Qual o valor da parcela de juros referente à 18º prestação? b) Qual o saldo devedor após o pagamento da 24º prestação? c) Qual o total de juros correspondentes às prestações que vencem do 20º mês (exclusive) ao 30º mês (inclusive)? Edson Mota 27

28 Tabela PRICE Mês Saldo Anterior Amortização Juros Prestação Edson Mota 28

29 TAXA INTERNA DE RETORNO / ANÁLISE DE INVESTIMENTOS A taxa interna de retorno é a taxa que equaliza o valor presente de um ou mais pagamentos (saídas de caixa) com o valor presente de um ou mais recebimentos (entradas de caixa). Como normalmente temos um fluxo de caixa inicial (no momento zero ) que representa o valor do investimento, ou do empréstimo ou do financiamento, e diversos fluxos futuros de caixa representado os valores das receitas, ou das prestações. Exemplo: 1) Determinar a taxa interna de retorno correspondente a um empréstimo de $ ,00 a ser liquidado em três pagamentos mensais de $30.000,00, $50.000,00 e $40.000,00. O fluxo de caixa correspondentes a essa operação, tomando-se como referência o doador de recursos, é representado como segue: Na HP 12C f REG g CF CHS g CFj CHS g CFj CHS g CFj Pressione f IRR 9, Edson Mota 29

30 Utilizando o mesmo exemplo, vamos apurar o valor presente líquido, sendo que agora nos temos a taxa de juros, veja como funciona: f REG 9, i CHS g CFj CHS g CFj CHS g CFj Pressione f NPV ,00 Vamos ver como fica um fluxo com varias entradas de um mesmo valor para períodos diferentes. Exemplo: 2) Um equipamento no valor de $70.000,00 é integralmente financiado, para pagamento em sete parcelas mensais; as três primeiras de $10.000,00, as duas seguintes de $15.000,00; a 6º de $20.000,00 e a 7º de $30.000,00. Determinar a taxa interna de retorno dessa operação Edson Mota 30

31 Veja como fica na HP 12C f REG g CF CHS g CFj 3 g Nj CHS g CFj 2 g Nj CHS g CFj CHS g CFj PRESSIONE IRR 10, ) Um banco credita $ ,00 na conta de um cliente, referente ao desconto de três duplicatas de valores: $52.600,00, $63.400,00 e $93.570,00, com prazos de 42,57 e 85 dias respectivamente. Determinar a taxa mensal de juros cobrada nessa operação, calculada de acordo com o regime de capitação composta. F REG g CF 0 0 g CF j 41 g N j CHS g CF j 0 g CF j 14 g N j CHS g CF j 0 g CF j 27 g N j CHS g CF j PRESSIONE f IRR 0,23 Resultado: 7,09% ao mês, não esqueça do fluxo de caixa para visualização Edson Mota 31

32 Conclusão: Quando uma empresa ou uma pessoa deseja investir em um projeto, ela tem paralelamente outras opções como por exemplo, a própria atividade produtiva, ou o mercado financeiro. Chamamos de custo de oportunidade de uma empresa ou pessoa, o retorno certo que ela teria sem investir em novos projetos. Um investimento será viável se seu retorno for maior que o de qualquer outro tipo de aplicação, quando empregada a mesma quantia. Para sabermos isto, basta montar um fluxo com investimento efetuado e as receitas e economias esperadas, além da taxa mínima de retorno desejada (deverá ser maior que seu custo de oportunidade) A partir deste fluxo entraremos com os dados na HP 12C e calcularemos o Valor Presente Líquido (NPV), que será o resultado na data de hoje de todas as saídas e entradas, considerando-se a taxa mínima de retorno desejada. Se o valor do NPV for positivo, significa que o investimento é viável e a taxa de retorno é maior que a desejada. Se o valor for igual a zero, significa que o investimento retornará exatamente como desejado e, portanto, é viável. Se o valor for negativo, o retorno não será o mínimo desejado, valendo mais a pena investir no mercado financeiro ou na produção. Edson Mota 32

33 Exercícios: 1) Uma pequena indústria pretende adquirir equipamentos no valor de $55.000,00, que deverão proporcionar receitas líquidas de $15.500,00, no primeiro ano, $ no segundo, $17.200,00 nos 3º,4º e 5º anos, e $13.500,00 no 6º ano. Sabendo-se que o valor de revenda dos equipamentos no final do 6º é estimado em $9.000,00, e que a empresa somente fará tal aquisição se a taxa de retorno for superior a uma taxa mínima estabelecida, e 25%. Sabendo-se que o ponto de equilíbrio da empresa gira em torno de 21%, utilizar o conceito da taxa interna de retorno. 2) Um empréstimo de $ ,00 deverá ser liquidado em cinco prestações mensais e consecutivas de $ ,00, $ ,00, $ ,00, $ ,00 e $ ,00 respectivamente. Determinar a taxa mensal de juros (TIR) cobrada nessa operação. 3) Um apartamento está sendo oferecido por $ a vista ou $ de entrada mais cinco prestações mensais e consecutivas de $30.000, mais sete mensais seguintes de $ Determinar a taxa de juros (TIR) implícita nesse plano. 4) Um empréstimo de $ ,00 deverá ser pago em quatro prestações (ver tabela abaixo), calcular a taxa interna de retorno deste investimento. Número Prazo (em dias) Valores 1 65 $ , $ , $ , $ ,00 5) Um sítio foi colocado a venda para pagamento em dois anos, sendo $75.000,00 de entrada, mais seis prestações mensais sucessivas de $10.000,00 cada, mais oito seguintes de $15.000,00 e mais dez últimas de $22.000,00. Admitindo que dispusesse de recursos, quanto ofereceria a vista, considerando o custo médio do dinheiro para os próximos dois anos em 6%, 7% e 8% ao mês? Edson Mota 33

34 6) Seja o caso de uma empresa que se defronta com seis diferentes alternativas de investimento, com as seguintes características. I II III IV V VI Investimento inicial Receitas Líquidas anuais Valor residual Vida útil (anos) A taxa média anual da empresa de 12% ao ano. Resolver pelos métodos do valor presente e da taxa interna de retorno. Edson Mota 34

35 Respostas: 1) A empresa não faria tal aquisição pelo fato da taxa interna de retorno ser inferior a mínima estabelecida pela empresa. 2) 6,13% ao mês 3) 7,83% ao mês 4) 0,198% ao dia ou 6,1% ao mês 5) Para 6% = $ ,36; Para 7% = $ ,37; Para 8% = $ ,63. 6) Solução: Método do Valor Presente: Por este método é necessário atualizar os termos do fluxo de caixa. I II III IV V VI VPL Método da taxa interna de retorno (TIR): Deve-se calcular a TIR para cada alternativa. I II III IV V VI TIR 8,2% 12,5% 14,4% 14,1% 13,1% 12% Edson Mota 35

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais e mensais de $ 1.000,00 cada uma, dentro do conceito de termos vencidos, sabendo-se que

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Juros Simples Juros Compostos Desconto Simples Desconto Composto Erechim, 2014 INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i.

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i. MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia AULA 1 - Juros Simples Juros Simples é o processo financeiro onde apenas o principal rende juros, isto é, os juros são diretamente proporcionais ao capital empregado.

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS Frequentemente, nas operações de médio e longo prazo, por razões metodológicas ou contábeis, as operações de empréstimos são analisadas período por período, no que diz respeito

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses.

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses. JUROS COMPOSTOS Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados até o período de montante anterior. Neste regime de capitalização a

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Descontos Desconto é a liquidação de uma operação antes de seu vencimento, envolvendo um prêmio ou recompensa. Valor Nominal, Valor de Resgate ou Valor de Face é o valor de um título

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

CAIXA ECONOMICA FEDERAL

CAIXA ECONOMICA FEDERAL JUROS SIMPLES Juros Simples comercial é uma modalidade de juro calculado em relação ao capital inicial, neste modelo de capitalização, os juros de todos os períodos serão sempre iguais, pois eles serão

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade I

Prof. Luiz Felix. Unidade I Prof. Luiz Felix Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Matemática financeira A Matemática Financeira estuda o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Do ponto de vista matemático, um determinado valor a

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Juros e Capitalização Simples Matemática Financeira 1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 1.1 - JUROS JURO é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. 1 LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1) Certo banco concede um financiamento de 80.000

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA PARTE I 1 1) Calcular a taxa de juros trimestral proporcional às seguintes taxas: a) 24% ao ano. b) 36% ao biênio c) 6% ao semestre 2) Determinar a taxa de juros anual proporcional, das as seguintes taxas:

Leia mais

1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES

1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 1.1 - JUROS JURO é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Quem possui recursos

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

Exercícios. Matemática Financeira

Exercícios. Matemática Financeira Exercícios de Matemática Financeira SUMÁRIO - Apresentação... 01-01 ª Série - Taxas Equivalentes...... 02-02 ª Série - Planos de Amortização...... 05-03 ª Série - Exercícios Extras...... 09-04 ª Série

Leia mais

Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro.

Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Juros simples Juros simples Juro é a remuneração do capital emprestado podendo ser entendido de forma simplificada como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Quem possui recursos pode utilizá-lo na

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C - RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C 1. Juros compostos, operação única PV 0 n ou 0 n PV 1.1. Quanto devo receber ao aplicar R$ 1.000,00 por 6 meses, à taxa de 5% ao mês? f CLEAR FIN 1.000 CHS PV -1.000,00 6

Leia mais

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy 1. (MDIC 2002 ESAF) Um contrato prevê que aplicações iguais sejam feitas mensalmente em uma conta durante doze meses com o objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I PROFESSOR JORGE JUNIOR E.MAIL: JJUNIORSAN@CEUNES.UFES.BR Apostila integralmente

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira 1. Uma alternativa de investimento possui um fluxo de caixa com um desembolso de R$ 10.000,00, no início do primeiro mês, Outro desembolso, de R$ 5.000,00, ao final do primeiro mês, e duas entradas líquidas

Leia mais

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Onde: Te = Taxa equivalente de determinado período n = número do período i = percentual de juros do período em que você

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Sumário 2 JUROS SIMPLES (Capitalização Simples) 5 JUROS COMPOSTOS (Capitalização Composta) 7 TAXAS SIMPLES 8 TAXAS COMPOSTAS 10 TAXAS SIMPLES EXATO 11 PRAZO, TAXA E CAPITAL MÉDIO

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Professor conteudista: Dalton Millan Marsola Sumário Matemática Financeira Unidade I 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS...1 1.1 Taxa de juros...2 1.2 Taxa percentual...4 1.3 Taxa unitária...4

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I I JURO SIMPLES Exercícios de Aplicação 01. O juro simples da aplicação de $ 1.200,00, durante 5 meses à taxa de 4% ao mês vale: a) $ 300,00. b) $ 240,00. d) $ 220,00. c) $ 280,00. e) $ 320,00. 02. O juro

Leia mais

ECONOMIA. Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com. Site: julianematematica.webnode.com

ECONOMIA. Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com. Site: julianematematica.webnode.com ECONOMIA Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com Site: julianematematica.webnode.com 1. Introdução: O valor do dinheiro no tempo 1.1 O valor do dinheiro no tempo A matemática financeira

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito 216 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA. Av. Dr. Américo Pereira Lima, S/Nº Jardim Lavínia Mococa/SP CEP 13736-260 (19) 3656-5559

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA. Av. Dr. Américo Pereira Lima, S/Nº Jardim Lavínia Mococa/SP CEP 13736-260 (19) 3656-5559 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA Curso: Informática Informática Gestão de Negócios. Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária. Professor(a): Darlan Marcelo Delgado. Lista de Exercícios:. Conteúdo

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS A amortização é uma operação financeira mediante a qual um empréstimo ou financiamento é pago de maneira progressiva, por meio de prestações, de modo que ao término

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV.

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Sem mais delongas, vamos às questões. 19. (SEFAZ-RJ 2010/FGV) A empresa Bonneli recebeu, pelo valor de R$ 18.000,00,

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira Parte 01

Apostila de Matemática Financeira Parte 01 Apostila de Matemática Financeira Parte 01 Autor: Guilherme Yoshida Facebook: facebook.com/guilhermeyoshida90 Google+: https://plus.google.com/108564693752650171653 Blog: Como Calcular Curta a Página do

Leia mais

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS UNIDADE. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Empréstimo - Recurso financeiro que não necessita ser justificado quanto a sua finalidade; por exemplo: cheque especial e CDC(Crédito Direto

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira O que é melhor? Juros simples ou juros compostos? Pagar a vista ou comprar a prazo? ano? Receber hoje R$ 1,00 é melhor que receber o mesmo valor daqui a um Podemos ver

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS Matemática Financeira para Concursos 1 Conteúdo 1. Noções Básicas -------------------------------- 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial ------- 04 Taxa Percentual

Leia mais

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato Matemática Financeira Leandra Anversa Fioreze Rendas Imediatas: Primeiro pagamento efetuado no final do primeiro período. Ex: Comprei uma calculadora HP-12c Platinum em três parcelas de R$95,00, sendo

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

Aula 3 Matemática Financeira para BDMG

Aula 3 Matemática Financeira para BDMG Aula 3 Matemática Financeira para BDMG Sistemas de Amortização... 2. Conceito... 2.2 Sistema Francês de Amortização (Sistema de Amortização Progressiva)... 2.2. Tabela Price... 3.2.2 Descrição das parcelas

Leia mais

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES JURO SIMPLES 1 Juros é o rendimento de uma aplicação financeira, valor referente ao atraso no pagamento de uma prestação ou a quantia paga pelo empréstimo de um capital. Atualmente, o sistema financeiro

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

3. JUROS SIMPLES. i 100

3. JUROS SIMPLES. i 100 Matemática Financeira com a Calculadora HP -12C 23 3. JUROS SIMPLES 3.1 INTRODUÇÃO 5 10 15 20 Como vimos no Capítulo 1, juros simples apresentam uma grande vantagem operacional sobre os compostos. Isso

Leia mais

Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF

Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF Notas de aulas Wilhelm Passarella Freire (Colaboração: André Arbex Hallack) Março/2009 Índice 1 Conceitos básicos e simbologia 1 1.1 Introdução......................................

Leia mais

Matemática Financeira FN1200C

Matemática Financeira FN1200C Matemática Financeira FN1200C 0 Índice Introdução... 2 Principais Funções... 2 Juros... 8 Capitalização Simples ou Linear... 9 Capitalização Composta ou Exponencial... 12 Taxas Equivalentes... 16 Prestações

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA HP E EXCEL. Prof. Gilberto de Castro Timotheo Página 1

MATEMÁTICA FINANCEIRA HP E EXCEL. Prof. Gilberto de Castro Timotheo Página 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA HP E EXCEL Prof. Gilberto de Castro Timotheo Página 1 Sumário Conceitos e Convenções...3 Conceitos...3 Convenções...3 Convenções aplicadas a HP e EXCEL...4 Conhecendo a HP...5 Princípio

Leia mais

MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05

MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05 MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05 Uma das importantes aplicações de progressões geométricas é a Matemática Financeira. A operação básica da matemática nanceira é a operação de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com cabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com cabarito 216 questões com cabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Conceitos. Conceitos

GESTÃO FINANCEIRA. Conceitos. Conceitos GESTÃO FINANCEIRA Conceitos Capital (C ou PV) é o valor do dinheiro que você pode aplicar ou emprestar. Também chamado de Capital Inicial ou Principal, representado pela letra C ou PV (Valor Presente abreviação

Leia mais

F=1.038,50. F = P. (1+i) n F=1.000(1+0,12) 4/12. F = P. (1+i) n J=F-P J=1.000(1+0,02) 12 1.000 = 268,24

F=1.038,50. F = P. (1+i) n F=1.000(1+0,12) 4/12. F = P. (1+i) n J=F-P J=1.000(1+0,02) 12 1.000 = 268,24 1 Quais serão os juros pagos pelo empréstimo de $1. durante um ano a uma taxa de 2% am? P=1. i=2%am n=1 ano(=12meses) F = P. (1+i) n J=F-P J=1.(1+,2) 12 1. = 268,24 3 Qual será o montante pago pelo empréstimo

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES. Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ.

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES. Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ. RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ. Caso você entenda que cabe recurso em relação a alguma questão, não hesite

Leia mais

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS Conceitos iniciais Antes de iniciarmos os estudos específicos em relação a cada metodologia de amortização, é necessário conceituar alguns termos utilizados pelo mercado: Amortização:

Leia mais

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II Gabarito das utoatividades (DSÇÃO/ÊS OBS) 2010/2 ódulo USSLV D GBO DS UOVDDS GBO DS UOVDDS D 3 UDD 1 ÓPO 1 1 Defina a atemática inanceira..: atemática inanceira é uma disciplina que estuda o valor do

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de ATE SEFAZ/PI

Leia mais

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA Conteúdo 1. Noções Básicas pág. 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial pág. 04 Taxa Percentual e Unitária Taxas Equivalentes Capital, Taxas e Prazos Médios Montante Desconto

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Simples Fórmulas de Juros Simples J C i n Onde: J = valor dos juros expresso em unidades monetárias C = capital. É o valor (em $) em determinado momento i = taxa de

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

Fórmula do Montante. - Valor Futuro após 1 período: F 1 = P + Pi = P(1 + i) - Valor Futuro após 2 períodos:

Fórmula do Montante. - Valor Futuro após 1 período: F 1 = P + Pi = P(1 + i) - Valor Futuro após 2 períodos: DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 3 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1 Matemática Financeira Evanivaldo Castro Silva Júnior 21/05/2013 2 Matemática Financeira 1. Séries de Pagamento i. Séries Uniformes (Modelo PRICE) ii. Séries Não-Uniformes (Modelo SAC Sistema de Amortizações

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos São desenvolvidos basicamente para operações de empréstimos e financiamentos de longo prazo, envolvendo

Leia mais

Conceitos Financeiros

Conceitos Financeiros Conceitos Financeiros Capital: qualquer quantidade de dinheiro, que esteja disponível em certa data, para ser aplicado numa operação financeira; Juros: custo do capital durante determinado período de tempo;

Leia mais

Juros APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA: PROF. ALBERTO. APOSTILA ESPECIAL DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Profº Alberto CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Juros APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA: PROF. ALBERTO. APOSTILA ESPECIAL DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Profº Alberto CONSIDERAÇÕES INICIAIS APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA: PROF. ALBERTO Taxa de juros: relação percentual entre os juros cobrados, por unidade de tempo, e o capital [principal] emprestado. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Montante: capital

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ANÁLISE DE INVESTIMENTO AULA 02: CAPITALIZAÇÃO, DESCONTO E FLUXO DE CAIXA TÓPICO 01: CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA CAPITALIZAÇÃO SIMPLES CONCEITO Na capitalização simples, os

Leia mais