Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR"

Transcrição

1 Caderno de Fórmulas Títulos do Agronegóco - Cetp21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Últma Atualzação: 15/08/2016

2 Caderno de Fórmulas CDCA CPR CRA - CRH CRP CRPH LCA NCR E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos aplcados aos atvos: CDCA Certfcado de Dretos Credtóros do Agronegóco, Cédula de Produto Rural CPR, Cédula Rural Hpotecára - CRH, Cédula Rural Pgnoratíca CRP, Cédula Rural Pgnoratíca e Hpotecára CRPH, LCA - Letra de Crédto do Agronegóco e Nota de Crédto Rural NCR, para os tpos de remuneração calculados. É stá descrta a atualzação dos atvos, por tpo de remuneração / ndexador. São abordados juros flutuantes e juros fxos ou spread, para todos os tpos de crtéros de cálculo dsponíves, acatados para pagamento em períodos unformes ou varáves, além das formas de amortzação dsponíves. Últma atualzação: 15/08/2016 2

3 Caderno de Fórmulas CDCA CPR CRA - CRH CRP CRPH LCA NCR TIPOS DE REMUNERAÇÃO ATIVOS PRÉ-FIXADOS OU COM JUROS FLUTUANTES Parâmetros de atualzação: Perodcdade de atualzação: Condções:... 6 a) Aplcáves aos Pré-fxados... 6 b) Aplcáves aos Flutuantes em DI Over ou Taxa Selc com utlzação de Spread 7 c) Aplcáves aos Flutuantes em DI Over ou Taxa Selc sem utlzação de Spread Atualzação do Valor Nomnal: ATIVOS PÓS-FIXADOS ÍNDICES DE PREÇOS Parâmetros de atualzação: Perodcdade de atualzação: Mensal Atvos cujo Valor Nomnal é atualzado mensalmente Condções:... 8 a) Aplcável a atvos de renda fnal (sem prevsão de pagamento peródco de juros ou de amortzação) Neste caso, a correção mensal é nformatva b) Aplcável a atvos com pagamento peródco de juros e/ou amortzações em períodos guas ou superores a 12 meses (a cada 12, 13, 14,..., 12 + n meses) - sendo o prmero pagamento (data do campo a partr ) com carênca mínma de 12 meses. Também neste caso, a correção mensal é nformatva, uma vez que não são acatados pagamentos em perodcdade nferor a 12 meses c) Aplcável a atvos com prevsão de pagamento de juros no vencmento e com amortzações peródcas, após carênca de 12 meses - Também neste caso, a correção mensal é nformatva uma vez que cada amortzação será corrgda desde a emssão/nco de rentabldade até o seu efetvo pagamento, obedecendo a carênca de 12 meses Fórmulas de atualzação para correção mensal Anual Atvos cujo Valor Nomnal é atualzado anualmente Condções: a) Correção anual com base na emssão: b) Correção anual com base no vencmento: Fórmulas de atualzação para correção anual Correção Defasada Condções: Fórmulas de atualzação para correção defasada Valor Fnancero de Resgate JUROS JUROS FIXOS OU SPREAD (PRÉ-FIXADOS, PÓS-FIXADOS OU FLUTUANTES) Perodcdade de Apuração Casamento de Datas Últma atualzação: 15/08/2016 3

4 Caderno de Fórmulas CDCA CPR CRA - CRH CRP CRPH LCA NCR Atvos ndexados por Índces de Preços com atualzação mensal: a) Atvos de renda fnal b) Atvos com pagamento peródco de juros em períodos unformes c) Atvos com pagamento peródco de juros em períodos não unformes - Pagamento peródco varável Atvos com os demas tpos de remuneração: pré-fxados, flutuantes com utlzação de spread, atvos corrgdos por índces de preço com atualzação anual a) Atvos de renda fnal b) Atvos com pagamento peródco de juros em períodos unformes c) Atvos com pagamento peródco de juros em períodos não unformes - Pagamento peródco varável Valor Untáro de Juros Fator de Juros (ou de Spread) de acordo com o crtéro de cálculo número de das útes entre a data de níco ou do últmo pagamento e o próxmo Número de meses entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo x a) Para atvos de emssão casada b) Para atvos de emssão descasada Número de das corrdos entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo ou 365 Número de das corrdos entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo Número de meses entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo x 30 ou 365 Número de meses entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo x a) Para atvos de emssão casada b) Para atvos de emssão descasada Crtéros de Precsão Valor Fnancero dos Juros JUROS FLUTUANTES Parâmetro de Flutuação: DI Over Perodcdade de Apuração Valor Untáro de Juros Parâmetro de Flutuação: Taxa SELIC Perodcdade de Apuração Valor Untáro de Juros Valor Fnancero dos Juros AMORTIZAÇÕES INCIDENTE SOBRE O VNE OU APÓS INCORPORAÇÃO ICIAL, SE HOUVER Valor Untáro da Amortzação INCIDENTE SOBRE O VALOR NOMINAL REMANESCENTE ATUALIZADO Valor Untáro da Amortzação VALOR NOMINAL REMANESCENTE APÓS CADA AMORTIZAÇÃO Últma atualzação: 15/08/2016 4

5 Caderno de Fórmulas CDCA CPR CRA - CRH CRP CRPH LCA NCR 4. VALOR FINANCEIRO DA AMORTIZAÇÃO APURAÇÃO DO VALOR DE EVENTOS PARA CONTA DE CLIENTE 1 E Últma atualzação: 15/08/2016 5

6 Tpos de Remuneração 1. Atvos Pré-fxados ou com Juros Flutuantes 1.1 Parâmetros de atualzação: Taxa Pré-fxada ou com Juros Flutuantes (DI Over ou Taxa Selc). 1.2 Perodcdade de atualzação: O Valor Untáro de Emssão será modfcado apenas quando ocorrerem eventos de ncorporação de juros ou de amortzações Condções: a) Aplcáves aos Pré-fxados A taxa de juros nformada deve ser maor do que 0 (zero); A perodcdade de apropração de juros será dára, por das útes ou corrdos; Os atvos com prevsão de pagamento peródco de juros acatam qualquer tpo de perodcdade em número de das ou número de meses; Incorporação de Juros: Não é admtda ncorporação de juros para atvos de renda fnal. É admtdo um evento de ncorporação de juros Incorporação ncal para atvos com prevsão de pagamento peródco, que deve ocorrer antes do prmero evento, seja de juros ou de amortzação; Não é necessáro que o período entre a data a partr da qual são pagos os eventos e a data de vencmento seja múltplo da perodcdade de pagamento. O últmo pagamento de juros junto ao resgate será efetuado pro-rata pelo período entre o últmo pagamento de juros e o vencmento, sobre o período entre o últmo pagamento e o próxmo, que ocorrera após o vencmento; Os atvos prefxados com ou sem prevsão de pagamento peródco de eventos acatam todos os crtéros de cálculo de juros dsponíves; Caso o crtéro de cálculo de juros seja expresso em número de meses padrão (número de meses x 30 ou x 21), ocorrem os seguntes procedmentos: - Para atvos de renda fnal, caso a data de emssão seja descasada da data de vencmento, a contagem de meses é feta regressvamente do vencmento até a emssão, e o prmero mês de juros, ncompleto, é aproprado pro-rata da útl ou corrdo, entre a data de emssão e o prmero anversáro mensal, entenddo como o da da data de vencmento em cada mês. O mesmo raconal é utlzado caso o níco de rentabldade seja dferente da data de emssão, utlzando-se o prmero como base para os cálculos; Últma atualzação: 15/08/2016 6

7 - Para atvos com prevsão de pagamento peródco de juros, caso a emssão seja descasada da data a partr da qual serão pagos os eventos, a contagem de meses é feta regressvamente da data a partr até a emssão, e o prmero mês de juros, ncompleto, é aproprado pro-rata da entre a data de emssão e o prmero anversáro mensal, entenddo como o da da data a partr em cada mês. Se níco de rentabldade for dferente da data de emssão, a metodologa é análoga, mas utlza-se o prmero como base. A Incorporação ncal, se houver, deve ocorrer em data de anversáro mensal anteror ao prmero pagamento de juros; - Quando o da da data de vencmento (para atvos de renda fnal) ou o da da data a partr (para atvos com pagamento peródco) for gual a 28, 29, 30 e 31, as datas de anversáro mensal menconadas obedecerão às regras descrtas na seção Juros fxos ou Spread, onde, em alguns casos, o da de geração de eventos é escolhdo. Para atvos pré-fxados com prevsão de pagamento em perodcdade não unforme ( Pagamento peródco varável ) caso o crtéro de cálculo de juros seja expresso em número de meses padrão (número de meses x 30 ou x 21), serão acetas datas perfetamente casadas com o da da data do prmero evento, em cada mês, sendo flexblzado o casamento de datas apenas para data nexstente em determnado mês. Por exemplo: atvo em que a prmera data de eventos seja 30/04, acatará evento/emssão/data de níco de rentabldade em 28/02 como data casada, porém não acatará como casada data de evento/emssão/níco de rentabldade em 31/03 para este mês a data casada será 30/03. b) Aplcáves aos Flutuantes em DI Over ou Taxa Selc com utlzação de Spread Aplcam-se aos atvos flutuantes com utlzação de spread as mesmas condções acma descrtas para atvos prefxados. c) Aplcáves aos Flutuantes em DI Over ou Taxa Selc sem utlzação de Spread Por não terem utlzação de spread não são aplcáves a estes atvos os crtéros de cálculo de juros (aplcáves a juros fxos ou spreads); A perodcdade de apropração dos referencas de flutuação de juros (DI Over e Taxa Selc) será dára, por das útes; Não acatam percentual 0 (zero) aplcado aos referencas de flutuação o percentual aplcado pode ser gual, maor ou menor que 100%; Para atvos com prevsão de pagamento em perodcdade não unforme ( Pagamento peródco varável ) não há restrções de datas para agendamento de eventos. Últma atualzação: 15/08/2016 7

8 As fórmulas aplcáves aos crtéros de cálculo de juros para atvos prefxados e flutuantes, com ou sem utlzação de spreads, assm como aos parâmetros de flutuação de juros DI Over e Taxa Selc - estão descrtas no Item Juros Atualzação do Valor Nomnal: Não sofrem atualzações em seus Valores Nomnas de Emssão (VNE), por não possuírem ndexador. 2. Atvos Pós-fxados Índces de Preços 2.1 Parâmetros de atualzação: Índces de Preços (IGP-M, IGP-DI, INPC e IPCA). 2.2 Perodcdade de atualzação: Mensal Atvos cujo Valor Nomnal é atualzado mensalmente Condções: a) Aplcável a atvos de renda fnal (sem prevsão de pagamento peródco de juros ou de amortzação) Neste caso, a correção mensal é nformatva. Prazo mínmo de 1 (um) ano; Caso a data de emssão ou níco de rentabldade seja descasada da data de vencmento, a prmera atualzação mensal será feta pro-rata das útes ou corrdos, entre a data de emssão/níco de rentabldade e o prmero anversáro mensal, defndo como o da da data de vencmento em cada mês. Acata todos os crtéros de cálculo de juros por das útes ou corrdos, por número de meses multplcado por 30 das corrdos ou por 21 das útes (mês padrão). Caso o crtéro de cálculo de juros seja em número de meses padrão e a data de emssão/níco de rentabldade seja descasada da data de vencmento, a contagem de meses é feta do vencmento até a emssão/níco de rentabldade, e o prmero mês de juros, ncompleto, é aproprado pro-rata das útes ou corrdos, entre a emssão/níco de rentabldade e o prmero anversáro mensal, conforme acma defndo. Não admte ncorporação de juros. b) Aplcável a atvos com pagamento peródco de juros e/ou amortzações em períodos guas ou superores a 12 meses (a cada 12, 13, 14,..., 12 + n meses) - sendo o prmero pagamento (data do campo a partr ) com carênca mínma de Últma atualzação: 15/08/2016 8

9 12 meses. Também neste caso, a correção mensal é nformatva, uma vez que não são acatados pagamentos em perodcdade nferor a 12 meses. A data do campo a partr deve ser casada com a data de vencmento e com as datas dos eventos (número de meses completos). Não é necessáro que o período entre a data a partr da qual são pagos os eventos e o vencmento seja múltplo da perodcdade de pagamento, sendo que o últmo período deve, mandatoramente, ter no mínmo 12 meses. A data de emssão/níco de rentabldade não necessta ser casada com a data do campo a partr e com a data de vencmento. Se descasada, a prmera varação mensal do índce será aproprada pro-rata das útes ou corrdos. Acata todos os crtéros de cálculo de juros sendo a perodcdade de pagamento de juros e/ou amortzações, se houver, mandatoramente expressa em número de meses (campo a cada ). Quando o crtéro de cálculo de juros for expresso em número de meses multplcado por 30 ou por 21, (mês padrão) e a data de emssão/níco de rentabldade for descasada da data a partr e da data de vencmento, o número de meses será contado regressvamente desde a data a partr até a data de emssão/níco de rentabldade, sendo o prmero mês de juros aproprado pro-rata da entre a emssão/níco de rentabldade, e o prmero anversáro mensal do atvo, entenddo como o da da data do vencmento, em cada mês. Incorporação de Juros: admte uma ncorporação de juros antes do níco do pagamento peródco de juros que deve ocorrer em data de anversáro mensal, conforme acma defndo. Para atvos deste tpo, com perodcdade de pagamento de eventos não unforme ( Pagamento peródco varável ) aplcam-se as seguntes restrções: - As datas de eventos (ncorporação, se houver, pagamento de juros e amortzações) devem concdr com o anversáro mensal do atvo, podendo ser varável o número de meses dos ntervalos entre eventos; - As datas varáves regstradas para pagamento de eventos devem ter ntervalo mínmo de 12 meses entre s, nclusve entre a data de emssão/níco de rentabldade e o prmero pagamento. A ncorporação de juros, se houver, pode ocorrer em qualquer data de anversáro mensal entre a emssão/níco de rentabldade e o prmero pagamento de juros. c) Aplcável a atvos com prevsão de pagamento de juros no vencmento e com amortzações peródcas, após carênca de 12 meses - Também neste caso, a correção mensal é nformatva uma vez que cada amortzação será corrgda desde Últma atualzação: 15/08/2016 9

10 a emssão/níco de rentabldade até o seu efetvo pagamento, obedecendo a carênca de 12 meses. Após um ano desde a emssão/níco de rentabldade o atvo pode ter prevsão de pagamento de amortzações a cada um ou mas meses, em datas concdentes com o anversáro mensal do atvo, entenddo como o da da data de vencmento em cada mês. A data de emssão/níco de rentabldade pode ser descasada das datas a partr e vencmento, que devem ser casadas entre s, caso em que a prmera varação mensal do índce será aproprada pro-rata (das útes ou corrdos) entre a emssão/níco de rentabldade e o prmero anversáro mensal. Caso o crtéro de cálculo de juros seja expresso em número de meses multplcado por 30 ou por 21 (mês padrão) e a data de emssão/níco de rentabldade seja descasada da data de vencmento o número de meses será contado regressvamente desde a data de vencmento até a data de emssão/níco de rentabldade, sendo o prmero mês de juros aproprado pro-rata da entre a emssão/níco de rentabldade e o prmero anversáro mensal do atvo, entenddo como o da da data do vencmento, em cada mês. Admte uma ncorporação de juros antes do níco do pagamento peródco de amortzação, que deve ocorrer em data de anversáro mensal, conforme acma defndo. Para atvos deste tpo com perodcdade de pagamento de eventos não unforme ( Pagamento peródco varável ) aplcam-se as seguntes restrções: - As datas de amortzação devem ter carênca de 12 meses em relação à data de emssão/níco de rentabldade; - As datas de ncorporação ncal, se houver, ou de amortzação, devem concdr com o anversáro mensal do atvo, podendo ser varável o número de meses dos ntervalos entre pagamentos Fórmulas de atualzação para correção mensal Calculado pela fórmula VNA VNB C, onde: VNA: Valor Nomnal atualzado, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arred. VNB: Valor Nomnal base pra atualzação. Na atualzação mensal VNB é o Valor Nomnal de emssão ou da data de ncorporação ou da últma amortzação, se houver, nformado/calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arred. C: Fator da varação acumulada do Índce de Preços utlzado (IGP-M, IGP-DI, INPC ou IPCA), calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arred, apurado pela segunte fórmula: Para atvos cuja data de emssão/níco de rentabldade seja casada com a data de vencmento: Últma atualzação: 15/08/

11 C n 0, onde: n : Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de atualzação. 0 : Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade, de ncorporação de juros ou da últma amortzação, se houver. Para atvos cuja data de emssão/níco de rentabldade seja descasada da data de vencmento com pro-rata da prmera varação mensal do índce: C m1 m0 d ( c / u) p d ( c / u) t pro rata pro rata mn m1, onde: m1 : Número Índce referente ao mês 1. Mês 1 é gual ao mês de emssão/níco de rentabldade quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no mês segunte ao mês de emssão/níco de rentabldade; ou Mês 1 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no própro mês de emssão/níco de rentabldade. m0 : Número Índce referente ao mês 0. Mês 0 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no mês segunte ao mês de emssão/níco de rentabldade; ou Mês 0 é gual ao segundo mês anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade quando o prmero anversáro mensal ocorre no própro mês de emssão/níco de rentabldade. mn : Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de atualzação, ncorporação ou amortzação, se houver, ou vencmento, para atvos de renda fnal. d(c/u)p pro-rata : Número de das corrdos ou útes entre a data de emssão/níco de rentabldade e a data de anversáro mensal medatamente posteror. d(c/u)t pro-rata : Número de das corrdos ou útes entre a data de anversáro medatamente anteror à data de emssão/níco de rentabldade e a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão/níco de rentabldade. Observações: 1ª) d ( c / u) p d c u t m ( / ) 1 m0 pro rata pro rata, mn m1 : calculados com 8 (oto) casas decmas sem arred. 2ª) d( c / u) p d( c / u) t pro rata pro rata : calculado com 9 (nove) casas decmas sem arred. Últma atualzação: 15/08/

12 3ª) Após o prmero evento de ncorporação e/ou de amortzação, se houver, a fórmula de atualzação volta a ser defnda como: n C. 0 4ª) Para efetos de cálculo, se níco de rentabldade dferente da data de emssão, consderar o níco de rentabldade como base para cálculos do níco da atualzação. Regras de casamento de datas para atvos com correção mensal por Índces de Preços Quando o da da data de vencmento for gual a 28, 29, 30 ou 31, o da de atualzação do valor Nomnal e de geração de eventos (anversáro mensal) obedecerá às regras descrtas na Tabela abaxo para alguns casos, o da de atualzação/geração de eventos deverá ser escolhdo. A partr do Vencmento, a tabela smula no campo Da de atualzação escolhdo as opções dsponíves no Combo de escolha, para cada data de vencmento. Para cada da de atualzação/geração de eventos escolhdo, é defndo o da do prmero anversáro mensal do atvo no campo 1º anversáro mensal. As possíves datas de Emssão/Iníco de Rentabldade que serão consderadas casadas com a prmera data de anversáro mensal, ou seja, sem necessdade de cálculo pro-rata, estão lstadas no campo Emssão casada (cálculo sem pro-rata). Quadro Resumo: Regras de escolha do da de atualzação, geração de eventos e de casamento de datas para vencmento nos das 28, 29, 30 e 31 Vencmento Combo de escolha: Possíves das de atualzação Das de atualzação escolhdo Datas de anversáro mensal Emssão/Iníco de Rentabldade casada com 1º anversáro mensal (cálculo sem pro-rata da prmera varação do índce) /02 28, 29, 30, UDM ou 28/02 29 ou 28/ ou 28/02 ou 29/02 30, 28/02 ou 29/02 UDM UDM UDM ou 28/02 29 ou 28/02 29/02 29, 30, UDM ou 28/02 ou 29/02 30, 28/02 ou 29/02 UDM UDM UDM 30/04, 06, 09 ou 11 30, UDM ou 28/02 ou 29/02 30, 28/02 ou 29/02 UDM UDM UDM Últma atualzação: 15/08/

13 31/01, 03, 05, 07, 08, 10 ou 12 UDM (mandatóro) UDM UDM UDM 28/02 em ano bssexto 28 (mandatóro) de qualquer mês, com exceção de feverero 28 (mandatóro) de qualquer mês, com exceção de feverero 29 (mandatóro) ou 28/02 29 ou 28/02 30/01, 03, 05, 07, 08, 10 ou (mandatóro) ou 28/02 ou 29/02 30, 28/02 ou 29/02 UDM = Últmo Da do Mês Anual Atvos cujo Valor Nomnal é atualzado anualmente Condções: a) Correção anual com base na emssão: Atvo corrgdo a cada 12 meses com base na data de emssão/níco de rentabldade. Caso o prazo total do atvo não seja múltplo de 12 meses, o últmo período, nferor a um ano, não será corrgdo resgata sem a correção do últmo período, se este for nferor a 12 meses. Para os atvos com correção anual com base na data de emssão/níco de rentabldade, a perodcdade de eventos é lvre podem ser agendados eventos com perodcdade em número de das ou meses. São acatados todos os crtéros de cálculos de juros contagem de das útes ou corrdos ou contagem de meses padrão de 30 das corrdos ou 21 das útes. Caso o crtéro de cálculo de juros seja defndo em meses padrão e a data do campo a partr seja descasada da data de emssão/níco de rentabldade, o número de meses será contado regressvamente desde a data do campo a partr até a data de emssão/níco de rentabldade, sendo o prmero mês de juros aproprado pro-rata da entre a emssão/níco de rentabldade e o prmero anversáro mensal do atvo, entenddo como o da da data a partr, em cada mês. Incorporação de juros: admte uma ncorporação de juros antes do níco do pagamento peródco de juros, que deve ocorrer em data de anversáro mensal, caso o crtéro de cálculo de juros seja em mês padrão, conforme acma defndo. Para atvos deste tpo com perodcdade de pagamento de eventos não unforme ( Pagamento peródco varável ) aplcam-se as seguntes restrções: - Para atvos cujo crtéro de cálculo de juros seja defndo em meses padrão, as datas para pagamento de eventos devem ser casadas com o anversáro mensal do atvo, entenddo como o da da data do prmero pagamento de eventos em cada mês, podendo varar o Últma atualzação: 15/08/

14 número de meses entre os pagamentos. Caso a data de vencmento não seja casada com anversáro mensal, o pro-rata de juros do últmo período consderará o número de meses entre a data do últmo evento e o anversáro mensal medatamente posteror ao vencmento. - Também para perodcdade varável, caso o últmo período de atualzação seja nferor a um ano, o atvo não será atualzado no vencmento e os eventos deste período, nclusve o vencmento, serão pagos sem correção. b) Correção anual com base no vencmento: Atvo corrgdo a cada 12 meses computados regressvamente a partr da data de vencmento. Caso o prazo total do atvo não seja múltplo de 12 meses, o prmero período nferor a um ano será corrgdo na data de anversáro anual (entenddo como o da e mês de vencmento em cada ano). Eventos antes do segundo anversáro anual, ou seja, antes de uma correção de ano ntero poderão ser agendados, mas ncdrão sobre um valor não corrgdo. Ultrapassada esta restrção ncal, a perodcdade dos eventos é lvre podem ser agendados eventos em número de das ou meses. São acatados todos os crtéros de cálculos de juros contagem de das útes ou corrdos ou contagem de meses padrão de 30 das corrdos ou 21 das útes. Caso o crtéro de cálculo de juros seja defndo em meses padrão e a data de vencmento e/ou do campo a partr sejam descasadas da data de emssão/níco de rentabldade, o número de meses será contado regressvamente desde a data de vencmento (para atvos de renda fnal) ou desde a data do campo a partr (para atvos com prevsão de pagamento peródco) até a data de emssão/níco de rentabldade, sendo o prmero mês de juros aproprado pro-rata da entre a emssão/níco de rentabldade e o prmero anversáro mensal do atvo, entenddo como o da da data do vencmento ou da data a partr, em cada mês. Incorporação de juros: admte uma ncorporação de juros antes do níco do pagamento peródco de juros, que deve ocorrer em data de anversáro mensal, caso o crtéro de cálculo de juros seja em mês padrão, conforme acma defndo. Para atvos deste tpo com perodcdade de pagamento de eventos não unforme ( Pagamento peródco varável ) aplcam-se as seguntes restrções: - Para atvos cujo crtéro de cálculo de juros seja defndo em meses padrão as datas para pagamento de eventos devem ser casadas com o anversáro mensal do atvo entenddo como o da da data do prmero pagamento de eventos em cada mês, podendo varar o número de meses entre os pagamentos. Caso a data de vencmento não seja casada com anversáro mensal dos juros, o pro-rata de juros do últmo período consderará o Últma atualzação: 15/08/

15 número de meses entre a data do últmo evento e o anversáro mensal medatamente posteror ao vencmento. - Também para perodcdade varável, caso o prazo total do atvo não seja múltplo de 12 meses, o prmero período nferor a um ano será corrgdo na data de anversáro anual (entenddo como o da e mês de vencmento em cada ano), porém, só poderão ser agendados eventos a partr do segundo anversáro anual, ou seja, após uma correção a 12 meses Fórmulas de atualzação para correção anual Calculado pela fórmula VNA VNB C, onde: VNA: Valor Nomnal atualzado, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arred. VNB: Valor Nomnal base pra atualzação. É o Valor Nomnal de emssão, ou o valor nomnal após atualzação anual, nformado/calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arred. C: Fator da varação acumulada do Índce de Preços utlzado (IGP-M, IGP-DI, INPC ou IPCA), calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arred, apurado pela segunte fórmula: Para atvos com correção anual com base na data de emssão, ou para atvos com correção anual com base na data de vencmento, que tenham a data de emssão n casada com a data de vencmento: C, onde: 0 n : Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de atualzação. 0 : Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade ou da últma atualzação anual. Para atvos com correção anual com base na data de vencmento, cuja data de emssão seja descasada da data de vencmento com pro-rata da prmera varação mensal do índce: C m1 m0 d ( c / u) p d ( c / u) t pro rata pro rata, onde: m1 : Número Índce referente ao mês 1. Mês 1 é gual ao mês de emssão/níco de rentabldade quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no mês segunte ao mês de emssão/níco de rentabldade; ou Mês 1 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no própro mês de emssão/níco de rentabldade. m0 : Número Índce referente ao mês 0. Mês 0 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no mês segunte ao mês de emssão/níco de rentabldade; ou Mês 0 é gual ao segundo Últma atualzação: 15/08/ mn m1

16 mês anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade quando o prmero anversáro mensal ocorre no própro mês de emssão/níco de rentabldade. mn : Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de atualzação anual. d(c/u)p pro-rata : Número de das corrdos ou útes entre a data de emssão/níco de rentabldade e a data de anversáro mensal medatamente posteror. d(c/u)t pro-rata : Número de das corrdos ou útes entre a data de anversáro medatamente anteror à data de emssão/níco de rentabldade e a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão/níco de rentabldade. Observações: 1ª) d ( c / u) p d c u t m ( / ) 1 m0 pro rata pro rata, mn m1 : calculados com 8 (oto) casas decmas sem arred. 2ª) d( c / u) p d( c / u) t pro rata pro rata : calculado com 9 (nove) casas decmas sem arred. 3ª) Os atvos com atualzação anual não sofrem correção na data do prmero anversáro mensal, sendo esta data um referênca para o cálculo da prmera varação mensal pro-rata das útes ou corrdos, que será consderada quando da atualzação anual do atvo. Exceção feta quando o prmero anversáro mensal do atvo concde com o anversáro anual. 4ª) Após o prmero evento de atualzação anual, a fórmula de atualzação volta a ser n defnda como: C 0 Regras de casamento de datas para atvos com correção anual por Índces de Preços a) Para atvos com correção anual com base na data de emssão A data de emssão será consderada casada com a data de vencmento nos seguntes casos: Se o da de emssão/níco de rentabldade for gual ao da de vencmento, as datas estarão casadas. Se o da de emssão/níco de rentabldade for dferente do da de vencmento e ambas as datas forem o últmo da do seu respectvo mês, as datas estarão casadas. Caso de exceção: Se a data de vencmento for o últmo da do mês e o da de vencmento for menor que o da da data de emssão/níco de rentabldade, as datas serão consderadas casadas conforme segue: Da da data de emssão/níco de rentabldade Da da data de vencmento Últma atualzação: 15/08/

17 Da 29 de todos os meses e 30 dos meses de 31 das Da 30 dos meses de 31 das 29/02 28/02 de ano não bssexto Observação: A regra de casamento de datas, neste caso, é aplcável apenas para verfcar o últmo período anual que será corrgdo se possur 12 meses completos. b) Para atvos com correção anual com base na data de vencmento A data de emssão/níco de rentabldade será consderada casada com a data de vencmento nos seguntes casos: Se o da de emssão/níco de rentabldade for gual ao da de vencmento, as datas estarão casadas; Se o da de emssão/níco de rentabldade for dferente do da de vencmento e ambas as datas forem o últmo da do seu respectvo mês, as datas estarão casadas. Caso de exceção: Se a data de emssão/níco de rentabldade for o últmo da do mês e o da de emssão/níco de rentabldade for menor que o da da data de vencmento, as datas serão consderadas casadas conforme segue: Da da data de emssão/níco de rentabldade Da da data de vencmento 28/02 de ano não bssexto Da 29 de todos os meses e 30 dos meses de 31 das 29/02 Da 30 dos meses de 31 das Observação: A regra de casamento de datas, neste caso, é aplcável para verfcar se haverá pro-rata das útes ou corrdos da prmera varação mensal do índce, o que ocorrerá caso as datas estejam descasadas entre a emssão/níco de rentabldade e a prmera atualzação anual. 2.3 Correção Defasada Condções: O IGP-M é um ndexador cujo número índce (e sua varação) é dvulgado no própro mês a que se refere, estando dsponível para corrgr valores (nomnas) a partr do da prmero do mês segunte em dante (dvulgação antecpada). Já os demas índces acatados (IGP-DI, INPC e IPCA) são dvulgados (e suas varações) na prmera qunzena do mês segunte ao que se referem (dvulgação postecpada). Para estes índces, a dvulgação do número índce do mês medatamente anteror às datas de referênca para atualzação, pode ocorrer até o da 14 do mês de atualzação. Com Últma atualzação: 15/08/

18 razoável segurança estão dsponíves para corrgr valores (nomnas) a partr do da 15 do mês em dante. Os atvos podem ser atualzados utlzando como base o número índce do segundo mês anteror ou o últmo número índce conhecdo, conforme escolhdo no momento do regstro através do campo tpo de correção : Caso a correção seja através do número índce do segundo mês anteror, na data do anversáro o sstema atualzará o nstrumento confrontando o número índce do segundo mês anteror à data de anversáro ao número índce do segundo mês anteror à data de emssão ou da sua últma atualzação. Já no caso da correção ser através do últmo número índce conhecdo, no da do anversáro do papel o sstema atualzará o nstrumento confrontando o últmo índce conhecdo na data de anversáro (podendo ser o do mês anteror se já tver sdo dvulgado, ou, caso contráro, o do segundo mês anteror) ao número índce do mês medatamente anteror a data de emssão do nstrumento ou da sua últma atualzação. Sugere-se sempre verfcar o crtéro utlzado nas característcas do nstrumento fnancero Fórmulas de atualzação para correção defasada Calculado pela fórmula VNA VNB C DEFASADO, onde: VNA e VNB: Varáves anterormente defndas, para atualzação mensal ou anual. C DEFASADO : Fator da varação acumulada do Índce de Preços utlzado (IGP-M, IGP-DI, INPC ou IPCA), calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arred, apurado pela segunte fórmula: a) Sem pro-rata da prmera varação mensal do índce: Para atvos com atualzação mensal, com correção anual com base na data de emssão ou níco de rentabldade ou com correção anual com base no vencmento, que tenham a data de emssão ou níco de rentabldade casada com o vencmento: C DEFASADO n 0, onde: n : Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de atualzação. 0 : Se atualzação mensal, Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade, de ncorporação de juros ou da últma amortzação, se houver. Se atualzação anual, Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade ou da últma atualzação anual. Últma atualzação: 15/08/

19 b) Com pro-rata da prmera varação mensal do índce: Para atvos com atualzação mensal ou atualzação anual com base no vencmento, que tenham a data de emssão/níco de rentabldade descasada com a data de vencmento: C DEFASADO m1 m0 d ( c / u) p pro rata d ( c / u) t pro rata mn m1, onde: m1 : Número Índce referente ao mês 1. Mês 1 é gual ao mês medatamente anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no mês segunte ao mês de emssão/níco de rentabldade; ou Mês 1 é gual ao segundo mês medatamente anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no própro mês de emssão/níco de rentabldade. m0 : Número Índce referente ao mês 0. Mês 0 é gual ao segundo mês medatamente anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade quando o prmero anversáro mensal do atvo ocorre no mês segunte ao mês de emssão/níco de rentabldade; ou Mês 0 é gual ao tercero mês anteror ao mês de emssão/níco de rentabldade quando o prmero anversáro mensal ocorre no própro mês de emssão/níco de rentabldade. mn : Se atualzação mensal, Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de atualzação, pagamento ou vencmento. Se atualzação anual, Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de atualzação anual. d(c/u)p pro-rata e d(c/u)t pro-rata : Varáves anterormente defndas. Observações: 1ª) Os atvos com atualzação anual não sofrem correção na data do prmero anversáro mensal, sendo esta data uma referênca para o cálculo da prmera varação mensal pro-rata das útes ou corrdos, que será consderada quando da atualzação anual do atvo. Exceção feta quando o prmero anversáro mensal concde com o anversáro anual. 2ª) Para os atvos com atualzação anual, após o prmero evento de atualzação anual, e para os atvos com atualzação mensal, após o evento de ncorporação de juros ou n amortzação, se houver, a fórmula de atualzação volta a ser defnda como: C, onde: 0 n : Número Índce do mês medatamente anteror ao mês de atualzação; 0 : Se atualzação mensal, Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês de ncorporação de juros ou da últma amortzação, se houver. Se atualzação anual, Número Índce do segundo mês medatamente anteror ao mês da últma atualzação anual. Últma atualzação: 15/08/

20 2.4 Valor Fnancero de Resgate Calculado pela fórmula VR VF VNA Q, onde: VR VF : Valor Fnancero de Resgate, calculado com 2 (duas) casas decmas sem arred. VNA: Valor Nomnal atualzado, calculado com 8 (oto) casas decmas sem arred. Q: Quantdade de atvos em posção de custóda do partcpante. Juros 1. Juros Fxos ou Spread (Pré-fxados, Pós-fxados ou Flutuantes) Refere-se à taxa de juros fxos que pode representar um rendmento prefxado ou a parcela de juro fxo de um atvo pós-fxado; ou ao spread, que é a parcela de juro fxo acrescda ao rendmento de um atvo referencado em taxa flutuante. A taxa é nformada com 4 (quatro) casas decmas. 1.1 Perodcdade de Apuração Dára, por das útes ou corrdos. Quando juro fxo em atvo corrgdo mensalmente por índce de preços a perodcdade de apuração será mensal, na data de anversáro. 1.2 Casamento de Datas Para apuração dos juros não é exgdo o casamento das datas de emssão/níco de rentabldade e vencmento, para atvos de renda fnal, ou da data a partr e vencmento ou a partr e emssão/níco de rentabldade, para atvos com prevsão de pagamento peródco de juros. Seguem as regras e condções para agendamento de eventos por tpo de ndexador e defnção do que são datas casadas, ou descasadas, gerando apropração pro-rata da de juros em mês padrão ou do período de juros descasado do vencmento: Atvos ndexados por Índces de Preços com atualzação mensal: Para estes tpos de remuneração as datas de eventos são determnadas pelas regras do ndexador: ocorrem nas datas de anversáro mensal, para os corrgdos por Índces de Preços. A determnação das datas de anversáro mensal atendem às regras de casamento de datas descrtas no Item Atvos pós-fxados - Atualzação do Valor Nomnal, os Índce de Preços. Últma atualzação: 15/08/

21 a) Atvos de renda fnal Caso data de emssão/níco de rentabldade seja descasada de data de vencmento, os juros com crtéro de cálculo em mês padrão serão aproprados pro-rata das útes ou corrdos entre a data de emssão/níco de rentabldade e a data de emssão/níco de rentabldade e a data do prmero anversáro mensal, para os corrgdos por Índce de Preços com atualzação mensal. Não é admtda ncorporação de juros para atvos de renda fnal. b) Atvos com pagamento peródco de juros em períodos unformes A perodcdade de pagamento de juros para os ndexadores acma deve ser expressa em número de meses. A data de ncorporação de juros, se houver, e a data a partr da qual têm níco os pagamentos de evento, devem ser concdentes com as datas de anversáro mensal, para Índces de preços com correção mensal, ambas defndas pela data de vencmento. Caso a data de emssão/níco de rentabldade seja descasada da data a partr, os juros com crtéro de cálculo em mês padrão serão aproprados pro-rata das útes ou corrdos entre a data de emssão/níco de rentabldade e a prmera data do prmero anversáro mensal, para os corrgdos por Índce de Preços. Caso o período entre a data a partr e a data de vencmento, não seja múltplo da perodcdade de pagamento de juros, o juro será pago no vencmento, pro-rata entre a data do últmo evento e a data de vencmento, sobre o período entre o últmo evento e a data após o vencmento correspondente ao próxmo evento da perodcdade. c) Atvos com pagamento peródco de juros em períodos não unformes - Pagamento peródco varável As datas escolhdas para ncorporação ncal ou pagamento de juros devem ser concdentes com as datas de anversáro mensal, para atvos corrgdos por índces de Preços, com atualzação mensal. Podem varar os ntervalos, em número de meses, entre pagamentos. Caso a data de emssão/níco de rentabldade seja descasada da data do prmero pagamento de eventos, os juros com crtéro de cálculo em mês padrão, serão aproprados pro-rata das útes ou corrdos entre a data de emssão/níco de rentabldade e a prmera de data do prmero anversáro mensal, para os corrgdos por Índce de Preços com atualzação mensal. Últma atualzação: 15/08/

22 1.2.2 Atvos com os demas tpos de remuneração: pré-fxados, flutuantes com utlzação de spread, atvos corrgdos por índces de preço com atualzação anual. Para os atvos com estes tpos de remuneração o ndexador, quando houver, não determna as datas para pagamento de eventos. Acatam perodcdade de eventos em número de das útes ou corrdos ou em número de meses e todos os crtéros de cálculo de juros: por das útes ou corrdos ou por número de meses x 30 ou x 21 (mês padrão). a) Atvos de renda fnal Caso data de emssão/níco de rentabldade seja descasada da data de vencmento, os juros com crtéro de cálculo em mês padrão serão aproprados pro-rata das útes ou corrdos entre a data de emssão/níco de rentabldade e o prmero anversáro mensal, defndo como o da da data de vencmento em cada mês. Para o casamento de datas em atvos de renda fnal é exgdo que as datas de emssão/níco de rentabldade e vencmento sejam dêntcas, sendo flexblzado o casamento de datas apenas para data nexstente em determnado mês. b) Atvos com pagamento peródco de juros em períodos unformes Caso data de emssão/níco de rentabldade seja descasada da data a partr, os juros com crtéro de cálculo em mês padrão serão aproprados pro-rata das útes ou corrdos, entre a data de emssão/níco de rentabldade e o prmero anversáro mensal, entenddo como o da da data a partr da qual serão pagos os eventos, em cada mês. Admtem uma ncorporação de juros antes de ncados os pagamentos peródcos de juros. Caso o crtéro de cálculo de juros seja por mês padrão, a data de ncorporação deve ser casada com a data a partr da qual serão pagos os evento de juros. Caso o período entre a data a partr e a data de vencmento não sejam múltplos da perodcdade de pagamento de juros, o juro será pago no vencmento pro-rata entre a data do últmo evento e a data de vencmento, sobre o período entre o últmo evento e a data após o vencmento correspondente ao próxmo evento da perodcdade. Segue tabela com regras e opções para casamento de datas para atvos com prevsão de pagamento peródco de juros com crtéro de cálculo em mês padrão, para os tpos de remunerações lstadas no tem acma, quando a data de referênca é da 28, 29, 30 ou 31. Na tabela a referênca ncal é a data de a partr, para atvos com prevsão de pagamento peródco. Dependendo desta data, exste a possbldade de escolha do da para pagamento de eventos, o que determnará os anversáros mensas do atvo e seu casamento/descasamento com as datas de emssão/níco de rentabldade e vencmento, para efeto dos cálculos pro-rata de juros. Últma atualzação: 15/08/

23 Regras para escolha do da de atualzação, geração de eventos e de casamento de datas para vencmento nos das 28, 29, 30 e 31 Data a partr da qual são pagos juros em períodos unformes 28/2 Combo de escolha: Possíves das de pagamento de eventos 28, 29, 30, UDM 29/2 29, 30, UDM 30/4, 6, 9 ou 11 30, UDM Das de atualzação escolhdo Datas de anversáro mensal ou 28/2 29 ou 28/ ou 28/2 ou 29/2 30, 28/2 ou 29/2 UDM UDM UDM ou 28/2 29 ou 28/ ou 28/2 ou 29/2 30, 28/2 ou 29/2 UDM UDM UDM ou 28/2 ou 29/2 30, 28/2 ou 29/2 UDM UDM UDM UDM 31/1, 3, 5, 7, 8, 10 ou 12 UDM UDM UDM (mandatóro) 28/2 em ano bssexto 28 (mandatóro) de qualquer mês, com exceção de feverero 29 de qualquer mês, com exceção de feverero 30/1, 3, 5, 7, 8, 10 ou (mandatóro) 30 UDM = Últmo Da do Mês. 28 (mandatóro) (mandatóro) ou 28/2 29 ou 28/2 30 ou 28/2 ou 29/2 Emssão/níco de rentabldade casada com 1º anversáro mensal (cálculo sem pro-rata ncal) ou Vencmento casado com últmo evento em nº de meses da perodcdade (cálculo sem pro-rata fnal) 30, 28/2 ou 29/2 c) Atvos com pagamento peródco de juros em períodos não unformes - Pagamento peródco varável Caso o crtéro de cálculo de juros seja defndo em mês padrão (x 30 ou x 21) as datas escolhdas para ncorporação ncal ou pagamento de juros devem ser concdentes com as datas de anversáro mensal defndo como o da da data do prmero pagamento de eventos em cada mês. Caso a data de vencmento não seja concdente com um anversáro mensal e o crtéro de cálculo de juros seja defndo em mês padrão, o juro do últmo período será pago pro-rata na data de vencmento, e o número de meses do últmo período será defndo pelo número de meses exstente entre a data do últmo pagamento e o anversáro mensal do atvo medatamente posteror ao vencmento. Caso data de emssão/níco de rentabldade seja descasada da data do prmero pagamento de eventos, os juros com crtéro de cálculo em mês padrão serão aproprados pro-rata das útes ou corrdos, entre a data de emssão/níco de rentabldade e o prmero anversáro mensal. Para os atvos com Pagamento peródco varável as datas serão consderadas casadas se forem dêntcas à data do prmero pagamento peródco, sendo flexblzado o casamento Últma atualzação: 15/08/

24 de datas apenas para data nexstente em determnado mês. Por exemplo: atvo em que a prmera data de eventos seja 30/04 acatará evento/emssão/níco de rentabldade em 28/2 como casada, porém não acatará como casada data de evento ou emssão/níco de rentabldade em 31/03 para este mês a data casada será 30/ Valor Untáro de Juros Calculado pela fórmula J VNA Fator de Juros 1, onde: J: Valor untáro dos juros acumulados no período, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento. VNA: Valor Nomnal atualzado, se for o caso, calculado com 8 (oto) casas decmas, sem arredondamento. Fator de Juros: Fator de juros fxos calculado com 9 (nove) casas decmas, com arredondamento, ou (Fator de juro Flutuante x Fator de Spread) também calculado com 9 (nove) casas decmas com arredondamento ver no Item Juros Flutuantes Fator de Juros (ou de Spread) de acordo com o crtéro de cálculo As fórmulas e expressões que serão apresentadas a segur são aplcáves tanto para atvos com eventos peródcos de juros como para atvos de Renda Fnal (pagamento de prncpal e juros no vencmento). É defnda como Incorporação Incal a ncorporação de juros que antecede ao prmero evento peródco de juros agendado para o atvo número de das útes entre a data de níco ou do últmo pagamento e o próxmo Calculado pela fórmula dup dut dut Fator de Juros ou Spread 252 ( ) 1, onde: 100 : Taxa de juros expressa em 252 das útes, nformada com 4 (quatro) casas decmas. dut: Para atvo de renda fnal, número de das útes entre a data de emssão/níco de rentabldade e a data de vencmento. Para atvo com pagamento peródco de juros, número de das útes entre a data de emssão/níco de rentabldade e a, data de ncorporação de juros, se houver, ou o prmero evento de juros, caso não haja ncorporação; ou entre a data de ncorporação ncal, se houver, e o prmero evento de juros; ou entre o últmo evento de juros e o próxmo evento de juros; ou entre o últmo evento de juros e a data após o vencmento correspondente ao próxmo evento de juros, para atvos cujo período entre as datas a partr e vencmento não seja múltplo da perodcdade. dup: Para atvo de renda fnal, número de das útes entre a data de emssão/níco de rentabldade e a data de atualzação ou vencmento. Para atvo com pagamento peródco Últma atualzação: 15/08/

25 de juros, número de das útes entre a data de emssão/níco de rentabldade e a data de atualzação, ncorporação ncal, se houver, ou prmero evento; ou entre a data de ncorporação ncal, se houver, e a data de atualzação, ou prmero evento; ou entre o últmo evento de juros e a data de atualzação, próxmo evento ou data de vencmento Número de meses entre a data de níco ou últmo pagamento e o próxmo x 21 a) Para atvos de emssão casada Atvos em que a data de emssão/níco de rentabldade é casada com a data de anversáro mensal. Calculado pela fórmula N º Meses21 Fator de Juros ou Spread 252 ( ) 1, onde: 100 : Taxa de juros expressa em 252 das útes, nformada com 4 (quatro) casas decmas. Nº Meses: Para atvo de renda fnal, número de meses ntero entre a data de emssão/níco de rentabldade e a data de vencmento. Para atvo com pagamento peródco de juros, número de meses ntero entre a data de emssão/níco de rentabldade e a data de ncorporação de juros, se houver, ou o prmero evento de juros, caso não haja ncorporação; ou entre a data da ncorporação ncal, se houver, e o prmero evento de juros; ou entre o últmo evento de juros e o próxmo evento de juros; ou entre o últmo evento de juros e a data após o vencmento correspondente ao próxmo evento de juros, para atvos cujo período entre as datas a partr e vencmento não seja múltplo da perodcdade. dut: Para atvo de renda fnal, número de das útes, exstente no número de meses total do atvo, entre emssão/níco de rentabldade e vencmento. Para atvo com pagamento peródco de juros, número de das útes, exstente no número de meses nformado, entre a data de emssão/níco de rentabldade e a data de ncorporação, se houver, ou o prmero evento de juros; ou entre a data de ncorporação ncal, se houver, e o prmero evento de juros; ou entre o últmo evento de juros e o próxmo evento de juros; ou entre o últmo evento de juros e a data após o vencmento correspondente ao próxmo evento de juros, para atvos cujo período entre as datas a partr e vencmento não seja múltplo da perodcdade. dup: Para atvo de renda fnal, número de das útes entre a data de emssão/níco de rentabldade e a data de atualzação ou vencmento. Para atvo com pagamento peródco de juros, número de das útes entre a data de emssão/níco de rentabldade e a data de atualzação, ncorporação ncal, se houver, ou prmero pagamento; ou entre a data de ncorporação ncal, se houver, e a data de atualzação, ou prmero pagamento; ou entre o últmo pagamento de juros e a data de atualzação, próxmo pagamento ou data de vencmento. dup dut Últma atualzação: 15/08/

26 b) Para atvos de emssão descasada Atvos em que a data de emssão/níco de rentabldade não concde com a data de anversáro mensal. b.1) Fórmula válda até o evento de ncorporação, se houver, ou prmero pagamento de juros, caso não haja prevsão de ncorporação; ou para atvos de renda fnal: Fator de Juros ( ou Spread ) dup pro rata dut pro rata nº meses dup dut, onde: : Taxa de juros expressa em 252 das útes, nformada com 4 (quatro) casas decmas. dup pro-rata : Número de das útes entre a data de emssão/níco de rentabldade e a data de atualzação ou anversáro mensal medatamente posteror. dut pro-rata : Número de das útes entre a data de anversáro mensal medatamente anteror à data de emssão/níco de rentabldade e a data de anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão/níco de rentabldade. Nº Meses: Para atvo de renda fnal, número de meses ntero entre a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão/níco de rentabldade e a data de vencmento. Para atvo com pagamento peródco de juros, número de meses ntero entre a data de anversáro medatamente posteror à data de emssão/níco de rentabldade e a data de ncorporação ncal, se houver, ou a data do prmero evento de juros. dup: Para atvo de renda fnal, número de das útes entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão/níco de rentabldade e a data de atualzação ou vencmento. Para atvo com pagamento peródco de juros, número de das útes entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão/níco de rentabldade e a data de atualzação, de ncorporação ncal, se houver, ou do prmero evento de pagamento de juros caso não haja ncorporação. dut: Para atvo de renda fnal, número de das útes entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão/níco de rentabldade e a data de vencmento. Para atvo com pagamento peródco de juros, número de das útes entre o prmero anversáro mensal medatamente posteror à data de emssão/níco de rentabldade e a data de ncorporação ncal, se houver, ou data do prmero evento posteror ao prmero anversáro mensal, caso não haja ncorporação. Últma atualzação: 15/08/

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21 Notas Comercas Cetp21 Últma Atualzação: 22/12/2015 E ste Caderno tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos de valorzação de Notas Comercas. É acatado regstro

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Caderno de Fórmulas. CCB, CCE e NCE - Cetip21

Caderno de Fórmulas. CCB, CCE e NCE - Cetip21 - Cetp21 Elaboração: Novembro/2005 Últma Atualzação: 27/05/2016 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N.º 273. Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronização de Taxas

CARTA-CIRCULAR N.º 273. Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronização de Taxas CARTA-CIRCULAR N.º 273 Aos Partcpantes de Todos os Sstemas Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronzação de Taxas A Central de Custóda e de Lqudação Fnancera de Títulos - CETIP comunca que a partr

Leia mais

Manual de Precificação

Manual de Precificação Manual de Precfcação Custóda Qualfcada Revsão: Mao de 200 Págna /80 Objetvos Introdução O objetvo deste manual é a descrção da estrutura, prncípos e crtéros dos servços de marcação a mercado prestados

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1 Última atualização:30/09/2015 1 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetivo informar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos aplicados aos ativos: Certificado de Depósito Bancário

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA CAPÍTULO DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA. A MÉDIA ARITMÉTICA OU PROMÉDIO Defnção: é gual a soma dos valores do grupo de dados dvdda pelo número de valores. X x Soma dos valores de x número de

Leia mais

Índices de Concentração 1

Índices de Concentração 1 Índces de Concentração Crstane Alkmn Junquera Schmdt arcos André de Lma 3 arço / 00 Este documento expressa as opnões pessoas dos autores e não reflete as posções ofcas da Secretara de Acompanhamento Econômco

Leia mais

2012. Banco do Brasil S.A. 3 a Edição

2012. Banco do Brasil S.A. 3 a Edição MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Agosto/2012 2012. Banco do Brasl S.A. 3 a Edção INTRODUÇÃO... 6 I. PRINCÍPIOS GERAIS DA MARCAÇÃO A MERCADO 6 II. OCORRÊNCIA DE RISCO SISTÊMICO E DE MERCADO 7 III. ESTRUTURAS

Leia mais

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

Estudo quantitativo do processo de tomada de decisão de um projeto de melhoria da qualidade de ensino de graduação.

Estudo quantitativo do processo de tomada de decisão de um projeto de melhoria da qualidade de ensino de graduação. Estudo quanttatvo do processo de tomada de decsão de um projeto de melhora da qualdade de ensno de graduação. Rogéro de Melo Costa Pnto 1, Rafael Aparecdo Pres Espíndula 2, Arlndo José de Souza Júnor 1,

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas Análse de Projectos ESAPL / IPVC Taxas Equvalentes Rendas Taxas Equvalentes Duas taxas e, referentes a períodos dferentes, dzem-se equvalentes se, aplcadas a um mesmo captal, produzrem durante o mesmo

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Swap

Caderno de Fórmulas. Swap Swap Elaboração: Abrl/25 Últma Atualzação: 5/4/216 Apresetação O adero de Fórmulas tem por objetvo oretar os usuáros do Módulo de, a compreesão da metodologa de cálculo e dos crtéros de precsão usados

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2010/2011

PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2010/2011 Instruções: PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 00/0 Cada uestão respondda corretamente vale (um) ponto. Cada uestão respondda ncorretamente vale - (menos um) ponto. Cada uestão

Leia mais

O problema da superdispersão na análise de dados de contagens

O problema da superdispersão na análise de dados de contagens O problema da superdspersão na análse de dados de contagens 1 Uma das restrções mpostas pelas dstrbuções bnomal e Posson, aplcadas usualmente na análse de dados dscretos, é que o parâmetro de dspersão

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ESCOLHA DA LOCALIZAÇÃO DE UM CENTRO REGIONAL DE DISTRIBUIÇÃO E RECOLHA DE EQUIPAMENTOS. N. R. Candido, V.B. G.

PROCEDIMENTO PARA ESCOLHA DA LOCALIZAÇÃO DE UM CENTRO REGIONAL DE DISTRIBUIÇÃO E RECOLHA DE EQUIPAMENTOS. N. R. Candido, V.B. G. PROCEDIMENTO PARA ESCOLHA DA LOCALIZAÇÃO DE UM CENTRO REGIONAL DE DISTRIBUIÇÃO E RECOLHA DE EQUIPAMENTOS N. R. Canddo, V.B. G. Campos RESUMO Apresenta-se neste trabalho um procedmento de auxílo à decsão

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito.

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito. Matemátca Fnancera Rendas Certas Prof. Benjamn Cesar Sére de Pagamentos Unforme e Peródca. Rendas Certas Anudades. É uma sequênca de n pagamentos de mesmo valor P, espaçados de um mesmo ntervalo de tempo

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Introdução a Combinatória- Aplicações, parte II

Introdução a Combinatória- Aplicações, parte II Introdução a Combnatóra- Aplcações, AULA 7 7.1 Introdução Nesta aula vamos estudar aplcações um pouco dferentes das da aula passada. No caso estudaremos arranjos com repetção, permutações crculares e o

Leia mais

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha)

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha) Estatístca p/ Admnstração II - Profª Ana Cláuda Melo Undade : Probabldade Aula: 3 Varável Aleatóra. Varáves Aleatóras Ao descrever um espaço amostral de um expermento, não especfcamos que um resultado

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS Varável Qualquer característca assocada a uma população Classfcação de varáves Qualtatva { Nomnal sexo, cor dos olhos Ordnal Classe

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

ANÁLISE DA SEGURANÇA NO PROJETO DE ESTRUTURAS: MÉTODO DOS ESTADOS LIMITES

ANÁLISE DA SEGURANÇA NO PROJETO DE ESTRUTURAS: MÉTODO DOS ESTADOS LIMITES ANÁLISE DA SEGURANÇA NO PROJETO DE ESTRUTURAS: MÉTODO DOS ESTADOS LIMITES Lela A. de Castro Motta 1 & Maxmlano Malte Resumo Este trabalho aborda a ntrodução da segurança baseada em métodos probablístcos,

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

3 Cálculo Básico de Enlace Via Satélite

3 Cálculo Básico de Enlace Via Satélite 35 3 Cálculo Básco de Enlace Va Satélte Neste capítulo é tratado o cálculo básco de um enlace va-satélte, subentenddo em condções normas de propagação (espaço lvre) nos percursos de subda e descda e consderados

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Especfcação de Servço Págna 1 de 9 1. DEFINIÇÃO Reforço do subleto é a camada que será executada com espessura varável, conforme defnção de projeto, nos trechos em que for necessáro a remoção de materal

Leia mais

Se considerarmos, por exemplo, uma função f real de variável real,

Se considerarmos, por exemplo, uma função f real de variável real, 107 5 Gráfcos 5.1 Introdução Dada uma função real de varável real 16 f, o gráfco desta função é o conjunto de pontos ( x, y), onde x pertence ao domíno da função e f ( x) y =, ou seja, {( x y) x D y f

Leia mais

Representação e Descrição de Regiões

Representação e Descrição de Regiões Depos de uma magem ter sdo segmentada em regões é necessáro representar e descrever cada regão para posteror processamento A escolha da representação de uma regão envolve a escolha dos elementos que são

Leia mais

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados 1 opologas Báscas de Conversores CC-CC não-solados 1.1 Prncípos báscos As análses que se seguem consderam que os conversores não apresentam perdas de potênca (rendmento 100%). Os nterruptores (transstores

Leia mais

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros ANEXO II Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de 2004 Rendimento pelo IGP-M + Juros TERMO DE ADITAMENTO À ESCRITURA DA [N.º de ordem da emissão] EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES DA [Nome da Companhia

Leia mais

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV)

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV) Prncpo do Trabalho rtual (PT)..Contnuo com mcroestrutura Na teora que leva em consderação a mcroestrutura do materal, cada partícula anda é representada por um ponto P, conforme Fgura. Porém suas propredades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 41/2016/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Guia 11 Escalonamento de Mensagens

Guia 11 Escalonamento de Mensagens Até esta altura, temos abordado prncpalmente questões relaconadas com escalonamento de tarefas a serem executadas num únco processador. No entanto, é necessáro consderar o caso de sstemas tempo-real dstrbuídos,

Leia mais

Pricing e Marcação a Mercado www.cyrnel.com.br

Pricing e Marcação a Mercado www.cyrnel.com.br Prcng e Marcação a Mercado Cyrnel Internatonal Este documento tem caráter meramente nformatvo e fo preparado com base em nformações públcas. As nformações aqu apresentadas foram obtdas de fontes consderadas

Leia mais

Escala do Algodão. Celso Jamil Marur & Onaur Ruano

Escala do Algodão. Celso Jamil Marur & Onaur Ruano Escala do Alodão Celso Jaml Marur & Onaur Ruano As espéces mas cultvadas, como mlo, soja e tro, possuem escalas de crescmento e desenvolvmento, conecdas como Escala de Hanway, de Fer e de Zadocks, respectvamente.

Leia mais

Resolução das Questões Objetivas

Resolução das Questões Objetivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO PISM III - TRIÊNIO 2008-2010 Prova de Matemátca Resolução das Questões Objetvas São apresentadas abaxo possíves soluções

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

2. Validação e ferramentas estatísticas

2. Validação e ferramentas estatísticas . Valdação e ferramentas estatístcas Mutos aspectos relaconados à socedade são suportados, de alguma forma, por algum tpo de medção analítca. Mlhões de medções analítcas são realzadas todos os das, em

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE

UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE Unversdade Estadual de Campnas Insttuto de Matemátca, Estatístca e Computação Centífca Departamento de Matemátca Aplcada DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.1 Oligopólio em Quantidades (Cournot)

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.1 Oligopólio em Quantidades (Cournot) Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 2.1 Olgopólo em Quantdades (Cournot) Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 2.1 Olgopólo em Quantdades

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Fnancera 007. Prof.: Luz Gonzaga Damasceno E-mals: amasceno04@yahoo.com.br amasceno@nterjato.com.br amasceno@hotmal.com 5. Taxa Over mensal equvalente. Para etermnar a rentablae por a útl one

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA AÇÃO DO VENTO NOS ELEMENTOS DE CONTRAVENTAMENTO CONSIDERANDO O PAVIMENTO COMO DIAFRAGMA RÍGIDO: ANÁLISE SIMPLIFICADA E MATRICIAL

DISTRIBUIÇÃO DA AÇÃO DO VENTO NOS ELEMENTOS DE CONTRAVENTAMENTO CONSIDERANDO O PAVIMENTO COMO DIAFRAGMA RÍGIDO: ANÁLISE SIMPLIFICADA E MATRICIAL DISTRIBUIÇÃO DA AÇÃO DO VENTO NOS ELEMENTOS DE CONTRAVENTAMENTO CONSIDERANDO O PAVIMENTO COMO DIAFRAGMA RÍGIDO: ANÁLISE SIMPLIFICADA E MATRICIAL Dstrbuton of the wnd acton n the bracng elements consderng

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 007/94

COMUNICADO SPR N.º 007/94 COMUNICADO SPR N.º 007/94 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP, comunica que, a partir do dia 22.09.94,

Leia mais

Prof. Cláudio Serra, Esp. 1. Produção de Leite x índice Pluviométrico y = 0.8x R 2 =

Prof. Cláudio Serra, Esp. 1. Produção de Leite x índice Pluviométrico y = 0.8x R 2 = Análse de Regressão Cap.. Introdução Análse de regressão é uma técnca de modelagem utlzada para analsar a relação entre uma varável dependente () e uma ou mas varáves ndependentes,, 3,..., n. O ojetvo

Leia mais

Modelo IS-LM com Economia Fechada. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Modelo IS-LM com Economia Fechada. Prof. Antonio Carlos Assumpção Modelo IS-LM com Economa Fechada Prof. Antono Carlos Assumpção Introdução O modelo IS-LM nos mostra os efetos de curto prazo das polítcas fscal e monetára sobre uma sére de varáves macroeconômcas. Também

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE. A probabilidade é uma medida da incerteza dos fenômenos. Traduz-se por um número real compreendido de 0 ( zero) e 1 ( um).

INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE. A probabilidade é uma medida da incerteza dos fenômenos. Traduz-se por um número real compreendido de 0 ( zero) e 1 ( um). INTRODUÇÃO À PROILIDDE teora das probabldade nada mas é do que o bom senso transformado em cálculo probabldade é o suporte para os estudos de estatístca e expermentação. Exemplos: O problema da concdênca

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

Electromagnetismo e Óptica

Electromagnetismo e Óptica Electromagnetsmo e Óptca aboratóro - rcutos OBJETIOS Obter as curvas de resposta de crcutos do tpo sére Medr a capacdade de condensadores e o coefcente de auto-ndução de bobnas por métodos ndrectos Estudar

Leia mais

GENETIC FUZZY SISTEM PARA SELEÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO PARA FRATURAMENTO HIDRÁULICO

GENETIC FUZZY SISTEM PARA SELEÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO PARA FRATURAMENTO HIDRÁULICO A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN GENETIC FUZZY SISTEM PARA SELEÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO PARA FRATURAMENTO HIDRÁULICO Antôno Orestes de Salvo Castro Petrobras

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21 Última Atualização: 01/04/2016 E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados Para Debêtures o Cetip21. São aqui apresetadas fórmulas

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

Exercícios. Utilizando um novo critério, essa banca avaliadora resolveu descartar a maior e a menor notas atribuídas ao professor.

Exercícios. Utilizando um novo critério, essa banca avaliadora resolveu descartar a maior e a menor notas atribuídas ao professor. Estatístca Exercícos 1. (Enem 013) Fo realzado um levantamento nos 00 hotés de uma cdade, no qual foram anotados os valores, em reas, das dáras para um quarto padrão de casal e a quantdade de hotés para

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUERAÇÃO ARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 2º EM DATA : / / BIMESTRE 4º ROFESSOR: Renato DISCILINA: Físca 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feto em papel almaço

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 16 Prof. Luz Alexandre Peternell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Exercícos Propostos 1) Consderando os dados amostras abaxo, calcular: méda artmétca, varânca, desvo padrão, erro padrão da méda e coefcente

Leia mais

Caderno de Debêntures

Caderno de Debêntures Caderno de Debêntures CMGT11 Cemig Geração e Transmissão Valor Nominal na Emissão: R$ 15.641,490773 Quantidade Emitida: 31.250 Emissão: 1/11/2006 Vencimento: 1/11/2009 Classe: Não Conversível Forma: Escritural

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

Matemática. Veículo A. Veículo B. Os gráficos das funções interceptam-se quando 50t = 80t

Matemática. Veículo A. Veículo B. Os gráficos das funções interceptam-se quando 50t = 80t Matemátca 0 Dos veículos, A e B, partem de um ponto de uma estrada, em sentdos opostos e com velocdades constantes de 50km/h e 70km/h, respectvamente Após uma hora, o veículo B retorna e, medatamente,

Leia mais

Apostila de Estatística

Apostila de Estatística Apostla de Estatístca Prof. Ms. Osoro Morera Couto Junor Capítulo 1 - Introdução Estatístca 1.1 Hstórco A estatístca é um ramo da matemátca aplcada. A partr do século XVI começaram a surgr as prmeras análses

Leia mais

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 e Controle de Estoques PUC CAMPINAS Prof. Dr. Marcos Georges Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 Fornecmento de produtos e servços Recursos da operação Planejamento e Controle de Estoque Compensação

Leia mais

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EPERIMENTOS Professor: Rodrgo A. Scarpel rodrgo@ta.br www.mec.ta.br/~rodrgo Prncípos de cração de modelos empírcos: Modelos (matemátcos, lógcos, ) são comumente utlzados na

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Caderno de Debêntures

Caderno de Debêntures Caderno de Debêntures DIBN15 Dibens Leasing Valor Nominal na Emissão: R$ 100,00 Quantidade Emitida: 50.000.000 Emissão: 01/10/2007 Vencimento: 01/10/2022 Classe: Não Conversível Forma: Escritural Espécie:

Leia mais

UMA REDE NEURAL ARTIFICIAL HÍBRIDA: MULTI-LAYER PERCEPTRON (MLP) E INTERAC- TIVE ACTIVATION AND COMPETITION (IAC)

UMA REDE NEURAL ARTIFICIAL HÍBRIDA: MULTI-LAYER PERCEPTRON (MLP) E INTERAC- TIVE ACTIVATION AND COMPETITION (IAC) UMA REDE NEURAL ARTIFICIAL HÍBRIDA: MULTI-LAYER PERCEPTRON (MLP) E INTERAC- TIVE ACTIVATION AND COMPETITION (IAC) ANDRÉA T. R. BARBOSA, GLORIA M. CURILEM SALDÍAS, FERNANDO M. DE AZEVEDO Hosptal São Vcente

Leia mais

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS Smone P. Saramago e Valder Steffen Jr UFU, Unversdade Federal de Uberlânda, Curso de Engenhara Mecânca Av. João Naves de Ávla, 2160, Santa Mônca,

Leia mais

Nº de pedidos: (n = 26) 5 ; 7 ; 8 ; 7 ; 6 ; 7 ; 8 ; 10 ; 6 ; 8 ; 7 ; 8 ; 7 ; 7 ; 8 ; 5 ; 6 ; 8 ; 7 ; 6 ; 7 ; 5 ; 6 ; 8 ; 7 ; 6

Nº de pedidos: (n = 26) 5 ; 7 ; 8 ; 7 ; 6 ; 7 ; 8 ; 10 ; 6 ; 8 ; 7 ; 8 ; 7 ; 7 ; 8 ; 5 ; 6 ; 8 ; 7 ; 6 ; 7 ; 5 ; 6 ; 8 ; 7 ; 6 EXEMPLOS ADICIONAIS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1)Suponha que a probabldade de que um engenhero elétrco utlze estatístca em seu exercíco profssonal seja 0,20 Se durante a vda profssonal, um engenhero tver cnco

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS OPERACIONAIS NA REMOÇÃO DE ETANOL DE VINHO DELEVEDURADO POR CO 2

INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS OPERACIONAIS NA REMOÇÃO DE ETANOL DE VINHO DELEVEDURADO POR CO 2 INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS OPERACIONAIS NA REMOÇÃO DE ANOL DE VINHO DELEVEDURADO POR CO 2 C. R. SILVA 1, M. N. ESPERANÇA 1, A. J. G. CRUZ 1 e A. C. BADINO 1 1 Unversdade Federal de São Carlos, Departamento

Leia mais

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Ficha de exercícios nº2: Distribuições Bidimensionais

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Ficha de exercícios nº2: Distribuições Bidimensionais Ano lectvo: 2006/2007 Unversdade da Bera Interor Departamento de Matemátca ESTATÍSTICA Fcha de exercícos nº2: Dstrbuções Bdmensonas Curso: Cêncas do Desporto 1. Consdere a segunte tabela de contngênca:

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais