Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas"

Transcrição

1 Manual de Precificação de Ativos Fundos de Investimento e Carteiras Administradas Janeiro de 2009

2 ÍNDICE Introdução 03 Títulos Públicos Federais 05 Pós fixados LFT 06 Pré fixados LTN 07 NTN-B Indexador : índice de preços (IPC-A) 09 NTN-C Indexador : índice de preços (IGP-M) 10 NTN-F Pré-fixado 12 NTN-D/NBC-E Indexador : variação cambial (U$) 14 Títulos Privados 17 CDB Pré fixados 17 CDB CDI 19 CDB IGP-M 21 CDB TR 22 CDB IPCA 23 DEB CDI/ SELIC 24 DEB IGP-M 29 Renda Variável 32 Ações/ Opções 32 Letras Hipotecárias 33 Swap 38 Legislação 44 2

3 Introdução O Banrisul adota os critérios de precificação de ativos normatizados pelo Banco Central do Brasil (Bacen) e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O Artigo 3º da Circular nº 3086, de 15 de fevereiro de 2002, do Banco Central do Brasil, estabelece que os ativos alocados em fundos de investimento devem ser ajustados, diariamente, pelo valor de mercado, computando-se a valorização ou a desvalorização em contrapartida à adequada conta de receita ou despesa, no resultado do período. O mesmo normativo classifica os títulos em duas categorias: a) Títulos para Negociação (Mark to Market); b) Títulos Mantidos até o Vencimento (Held to Maturity). Na categoria Títulos para Negociação são registrados os títulos e valores mobiliários adquiridos com o propósito de serem negociados ativa e freqüentemente, os quais devem ser ajustados a mercado diariamente em contrapartida à adequada conta de receita e despesa, no resultado do período. Nos Títulos Mantidos até o Vencimento a avaliação também é diária, mas com base no custo de aquisição, acrescido dos rendimentos auferidos. As instruções CVM nºs 365 e 375, de e , respectivamente, determinam que o administrador/cotista declare ter capacidade financeira para mantê-los até o vencimento. Assim, o objetivo de aplicar a marcação a mercado aos fundos de investimentos é evitar que lucros ou prejuízos sejam transferidos dos investidores que saem de um fundo para os que ficam. Desta forma, as oscilações do preço dos ativos impactam diretamente o valor da quota do fundo, facilitando, inclusive, a análise da rentabilidade do fundo em relação a seu benchmark e seus concorrentes. Quando os mercados estão líquidos, a marcação a mercado mostra-se uma técnica muito eficiente porque sempre nos demonstra o valor de realização (compra e venda) do ativo/passivo que está sendo avaliado, visto que podemos encontrar tais preços com grande facilidade no mercado. 3

4 Quando os mercados estão ilíquidos, ou seja, se as carteiras estão compostas por títulos com pouca liquidez, nos deparamos com a dificuldade de saber qual o preço dos mesmos visto que eles não estão comumente negociados no mercado e, neste caso, ao estabelecermos um critério para coleta ou cálculo do valor do título podemos estabelecer um critério pouco objetivo que pode impactar em diferenças no preço e por conseqüência no valor da cota. Podemos também definir um critério de interpolação que não seja o mais apropriado, uma fonte ou um horário para coleta de preço que não seja o mais confiável. Efeitos da não marcação a mercado no carregamento de ativos até o vencimento: sobrevalorização ou subvalorização dos ativos. Nos dois casos, a distorção afetará diretamente o valor da cota. Por exemplo, se um título estiver dentro da carteira acima de seu valor de mercado a cota estará sobrevalorizada e os cotistas que saírem antes do vencimento do título estará sacando do fundo um valor maior do que deveriam prejudicando os que ficaram. Por outro lado, se os títulos estiverem no fundo por um valor abaixo do de mercado, a cota estará subvalorizada e os cotistas que saírem antes do vencimento do título, estará saindo com um valor menor do que deveriam e estarão se prejudicando, pois o valor que deixam de sacar fica para os cotistas que não saíram do fundo. Este Manual apresenta os principais critérios de precificação de ativos adotados pelo Banrisul na administração das carteiras de títulos e valores mobiliários. 4

5 TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Títulos de Responsabilidade do Tesouro Nacional Título Rentabilidade Atualização do Valor Nominal Letras do Tesouro Nacional (LTN) Letras Financeiras do Tesouro (LFT) Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-B) Notas do Tesouro Nacional Série C (NTN-C) Notas do Tesouro Nacional Série D (NTN-D) Notas do Tesouro Nacional Série F (NTN-F) Notas do Tesouro Nacional Série H (NTN-H) Prefixada Definida pelo deságio sobre o valor nominal Taxa de Juro Pagamento de Juros Não há Não há Não há Pós-fixada Taxa SELIC Não há Não há Pós-fixada Pós-fixada Pós-fixada Prefixada Definida pelo deságio sobre o valor nominal Pós-fixada Variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) Variação do Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) Variação da cotação de venda do dólar Não há Taxa Referencial (TR) Definida quando da emissão Definida quando da emissão Definida quando da emissão Definida quando da emissão Não há Semestralmente Semestralmente Semestralmente Semestralmente Não há 5

6 Títulos de Responsabilidade do Banco Central do Brasil Título Rentabilidade Atualização do Valor Nominal Bônus do Banco Central do Brasil BBC Notas do Banco Central do Brasil Série Especial NBCE Prefixada Definida pelo deságio sobre o valor nominal Pós-fixada Taxa de Juro Pagamento de Juros Não há Não há Não há Variação da cotação de venda do Dólar Definida quando da emissão Semestralmente Letras Financeiras do Tesouro (LFT) Título Pós Fixado Características: Função obtenção recursos necessários à gestão do orçamento público federal. Prazo definido pelo Ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão do título Remuneração variável, de acordo com a necessidade do ente público Modalidade escritural, nominativa e negociável Colocação oferta pública ou direta a favor do interessado Valor Nominal definido pela taxa média ajustada dos financiamentos, apurados no SELIC Pgto Juros: na data do vencimento Negociação: oferta pública, colocação direta ou mercado secundário Base Legal Decreto nº de 04/07/2001 Atualização do Valor Nominal: Sobre o valor nominal unitário incidirá uma remuneração que contemplará juros remuneratórios estabelecidos com base na taxa Selic divulgada pelo Sisbacen entre a data da emissão (inclusive) e a data de avaliação, ou data base (exclusive) 6

7 O preço de mercado de uma LFT deve ser calculado segundo a metodologia abaixo: Preço LFT = PU238 (1+ tx ) du/252 PU 238: Também chamado de PU Par, é o PU da Resolução 238 do Banco Central do Brasil, divulgado pela Andima. O PU 238 constitui o valor nominal atualizado diariamente pela taxa Selic, podendo, assim, ser utilizado para atualização diária do valor do título. tx: Taxa de ágio/deságio praticada, para a data de vencimento do papel, no mercado secundário. Haverá ágio se a taxa for negativa, e deságio se a taxa for positiva. du: Quantidade de dias úteis entre a data de cálculo e a data de vencimento do título em questão. Optamos por utilizar as taxas de ágio/deságio para as LFT s divulgadas pela Andima, por considerar que, atualmente, esta é a forma mais viável de obter tais dados. Letras do Tesouro Nacional (LTN) Título Prefixado Características: Função Prazo Juros emitido pelo tesouro para cobertura de déficit orçamentário, bem como para realização de operações de crédito por antecipação de receita definido pelo Ministro do Estado da Fazenda, quando da emissão do título definido pelo deságio sobre o valor nominal 7

8 Modalidade Escritural, nominativa e negociável Colocação Oferta Pública, colocação direta ou mercado secundário Valor Nominal R$ 1.000,00 no vencimento Pgto Juros - Resg.Principal: Na data de vencimento pelo valor nominal Base Legal Decreto nº de 04/07/2001 Fonte primária de Taxas de Mercado: São adotadas taxas indicativas (%aa/252 dias) divulgadas diretamente pela Andima no site Fonte alternativa de Taxas de Mercado: Caso não haja a publicação de taxas referenciais pela Andima no horário limite de processamento de fundos, deverá ser realizado procedimento de checagem para obtenção de taxas substitutivas. O preço de mercado é obtido descontando-se o valor nominal de R$ 1.000,00 para valor presente, considerando a taxa de juros, e para o prazo correspondente a tal data em dias úteis, ou seja: Preço LTN = 1000 (1+ tx ) du/252 Optamos por utilizar as taxas divulgadas diariamente pela Andima para realizarmos a marcação a mercado dos títulos tx: Taxa anual de juros do título, praticada no mercado secundário. du: Quantidade de dias úteis entre a data de cálculo e a data de vencimento do título em questão. Optamos por utilizar as taxas de juros para as LTN s divulgadas pela Andima, por considerar que, atualmente, esta é a forma mais confiável de se obter tais dados. 8

9 Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN B) Título Pós-Fixado Características: Função Prazo Juros Modalidade Colocação: Valor Nominal Pgto Juros Resg.Principal Base Legal emitido pelo Tesouro para cobertura de déficit orçamentário, bem como para realização de operações de crédito por antecipação de receita definido pelo Ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão do título definido pelo Ministro de Estado da Fazenda escritural, nominativa e negociável oferta pública, colocação direta ou mercado secundário I PCA semestralmente, com ajuste no 1 período de fluência quando couber na data de vencimento Decreto nº de 04/07/2001 e Portaria nº 490 de 29/11/1999. Atualização do Valor Nominal: Sobre o valor nominal unitário incidirá remuneração que contemplará juros estabelecidos com base no índice I PCA oficial, divulgado pela FGV, até o mês anterior ao corrente, e a projeção divulgada pela Andima para o mês corrente; Fonte primária de Taxas de Mercado: São adotadas taxas indicativas (%aa/252 dias) divulgadas diretamente pela Andima no site VF = valor futuro ou de resgate 9

10 rt,v = taxa de juros efetiva em reais da data base (t) até o vencimento (v) Po = valor Principal I PCAto = Fator acumulado do I PCA entre a emissão (to) e a data base (t) I PCAt v = Fator acumulado do I PCA entre a data-base (t) até o vencimento (v) icurva = cupom contratado na data to Como temos, pelo princípio da arbitragem: (1 + rtv) = (1 + IPCAtv) x (1+ itv) A expressão se torna: Notas do Tesouro Nacional Série C (NTN- C) Título Pós-Fixado Características Função Prazo Juros Modalidade Colocação Valor Nominal Pgto Juros Resg.Principal emitido pelo Tesouro para cobertura de déficit orçamentário, bem como para realização de operações de crédito por antecipação de receita definido pelo Ministro de Estado da Fazenda, quando da emissão do título definido pelo Ministro de Estado da Fazenda escritural, nominativa e negociável oferta pública, colocação direta ou mercado secundário IGP-M semestralmente, com ajuste no 1 período de fluência quando couber na data de vencimento 10

11 Base Legal Decreto nº de 04/07/2001 e Portaria nº 490 de 29/11/1999 Atualização do Valor Nominal: Sobre o valor nominal unitário incidirá remuneração que contemplará juros estabelecidos com base no índice IGPM oficial, divulgado pela FGV, até o mês anterior ao corrente, e a projeção divulgada pela Andima para o mês corrente; Fonte primária de Taxas de Mercado: São adotadas taxas indicativas (%aa/252 dias) divulgadas diretamente pela Andima no site VF = valor futuro ou de resgate rt,v = taxa de juros efetiva em reais da data base (t) até o vencimento (v) Po = valor Principal I GP-Mto = Fator acumulado do I GP-M entre a emissão (to) e a data base (t) I GP-Mt v = Fator acumulado do I GP-M entre a data-base (t) até o vencimento (v) icurva = cupom contratado na data to Como temos, pelo princípio da arbitragem: (1 + rtv) = (1 + IGPMtv) x (1+ itv) A expressão se torna: 11

12 Notas do Tesouro Nacional Série F (NTN-F) Título Pré-Fixado Características Função emitido pelo Tesouro Nacional para cobertura de déficit orçamentário, bem como para realização de operações de crédito por antecipação de receita. Prazo definido pelo Ministro do Estado da Fazenda, quando da emissão do título Juros definido pelo deságio sobre o valor nominal Modalidade escritural, nominativa e negociável Colocação: oferta pública, colocação direta ou mercado secundário. Valor Nominal: R$ 1.000,00 no vencimento Pgto Juros: Semestralmente Resg.Principal: Na data de vencimento pelo valor nominal Base Legal: Decreto nº de 04/07/2001 As NTN-F possuem fluxo de pagamento de juros semestral, sendo essa sua única distinção em relação às LTN, abordadas anteriormente. Portanto, considerando o valor nominal de R$1.000,00 e cupom de 10% ao ano, o fluxo de caixa de uma NTN-F de 2 anos de prazo, com emissão em 1º/3/02, pode ser representado por: P1 P2 P3 P4 PU du1 du2 du3 du4 onde, P1 (em 1º/09/02) = P2 (em 1º/03/03) = P3 (em 1º/09/03) = R$ x 1 2 1,06 1 ; e P4 (em 1º/03/04) = R$ x 1,

13 O PU deste título corresponde ao valor presente de seu fluxo de pagamentos, descontado pela taxa de retorno que se pretende obter no investimento. Cabe destacar, contudo, que o fluxo de caixa de cada parcela é descontado contemplando o número de dias úteis entre a data de liquidação e seu respectivo pagamento. Desta forma, assumindo a taxa efetiva anual de 18,87%, o PU da NTN-F é calculado conforme descrito a seguir: pu 1, ,06 1 1, x x x x du1 du 2 du3 4 1 i (1..).. 1 du aa i i a a a a ia. a , Com auxílio da função DIATRABALHOTOTAL do Excel, observa-se que du 1, du 2, du 3 e du 4 correspondem, respectivamente, a 127, 254, 379 e 505 dias úteis. Logo: PU x 1, , x 1, , x 1, , x x 1, , PU = 802, Partindo de um PU específico, o cálculo da taxa efetiva anual de uma NTN-F corresponde à fórmula da taxa interna de retorno (TIR) do título, ou seja, a taxa de desconto nos permite chegar a um valor presente líquido igual a zero. Com base no exemplo apresentando acima, teríamos então de calcular a taxa de desconto dos fluxos de pagamento da NTN-F, que nos daria como PU o valor de R$ 802, Este cálculo pode ser executado com o auxílio de aplicativos tais como o Excel. A tabela a seguir ilustra, de forma simples, o cálculo da TIR de uma NTN-F por intermédio do Excel: 13

14 A B 1 Preço Unitário 802, VP do fluxo de pagamentos 802, Taxa Interna de Retorno 18,87 1) Digite o PU do título na célula B1; 2) Digite a fórmula do fluxo de pagamentos do título na célula B2, isto é: a fórmula do PU demonstrada acima. 3) Utilize a função Atingir Metas para alterar a taxa de juros na célula B3 de maneira incremental até o valor da célula B2 se igualar ao da célula B1. Notas do Tesouro Nacional D (NTN-D) Notas do Banco Central E (NBC-E) Características da NTN-D: Função Prazo Juros Modalidade Colocação Valor Nominal Atualiz.do VN Pgto Juros Resg.Principal Base Legal emitido pelo Tesouro Nacional para cobertura de déficit orçamentário, bem como para realização de operações de crédito por antecipação de receita. definido pelo Ministro do Estado da Fazenda, quando da emissão do título definido pelo Ministro de Estado da Fazenda escritural, nominativa e negociável oferta pública, colocação direta ou mercado secundário R$ 1.000,00, quando da emissão PTAX 800 dólar comercial, sendo consideradas as taxas médias de venda do dia útil imediatamente anterior às datas de emissão e de resgate do título semestralmente na data de vencimento Decreto nº de 04/07/2001 e artigo 3º da portaria MF/GM nº 183, de Características da NBC-E Função emitido pelo Banco Central do Brasil, para cobertura de déficit orçamentário, bem como para realização de operações de crédito por antecipação de receita. 14

15 Prazo Juros Modalidade Colocação Valor Nominal Atualiz.do VN : Pgto Juros Resg.Principal Base Legal definido pelo Banco Central do Brasil, quando da emissão do título definido pelo Banco Central do Brasil escritural, nominativa e negociável oferta pública, colocação direta ou mercado secundário R$ 1.000,00, quando da emissão PTAX 800 dólar comercial, sendo consideradas as taxas médias de venda do dia útil imediatamente anterior às datas de emissão e de resgate do título semestralmente na data de vencimento Decreto nº , circular BCB nº 2.960, de , e Carta Circular nº de Atualização do Valor Nominal: Sobre o valor nominal unitário será acrescida a variação cambial do dia útil imediatamente anterior à data de emissão do papel até o último dia útil anterior à data base ou data de cálculo. Para o cálculo da variação cambial, utiliza-se o dólar PTAX-800 de venda, disponibilizado pelo SISBACEN. Taxas de Mercado: Utilizamos as taxas indicativas da ANDIMA ( que estão representadas na forma linear 30/360 dias, para cota de fechamento. Dado que os fluxos de caixa desses títulos são projetados em dólar, o valor presente deve ser calculado a partir do cupom cambial, divulgado pela BM&F, através da seguinte fórmula: n VP : Ci + Pd * Ptax Σ Fdi Fn i=1 VP: Valor presente em reais C: Montante de juros a ser pago, na data i, em dólar Pd : Valor de resgate do principal em dólar Fd : Fator de Desconto é a taxa de juros ponderada para swap cambial BM&F para o período entre a data de calculo e o pagamento de juros/principal 15

16 A marcação a mercado de um título indexado ao câmbio acontece da seguinte maneira: VF = valor futuro ou de resgate rt,v = taxa de juros efetiva em reais da data-base (t) até o vencimento (v) Po = Valor Principal PTAXto-1 = cotação média do dólar Spot de venda no dia útil anterior a data-base (t-1) PTAXv-1 = cotação média do dólar Spot de venda no dia útil anterior ao vencimento (v-1) icurva = cupom contratado na data To Como temos pelo, pelo princípio da não arbitragem: A expressão se torna: 16

17 Essa metodologia foi desenvolvida sob condição de que os papéis cambiais estejam protegidos por swap cambial e mantidos até o vencimento. Como os títulos e o swap têm a mesma fonte de coleta de preços de mercado. Certificado de Depósito Bancário (CDB) Um CDB pré-fixado é composto por um valor principal sobre o qual irá incidir um cupom de juros. Principais características: Prazo de Vencimento Valor Nominal Taxa de Juros Pagamento de Juros definido, na contratação da operação, entre as partes definido, na contratação da operação, entre as partes definida, na contratação da operação, entre as partes, e normalmente em percentual ao ano, base 252 no vencimento Atualização do Valor Nominal - Resgate do Principal ewem parcela única, na data do vencimento, pelo valor nominal mais o montante de juros. Cálculo do Preço de Mercado O preço de mercado de um CDB Pré Fixado deve ser calculado de acordo com a metodologia abaixo: Cálculo do montante de juros O montante de juros é pago na data de vencimento do título, devendo ser calculado aplicando-se a taxa de juros contratada na data da operação ao valor nominal do CDB. JUROS = P*[(1+c) du/252-1] Onde, i é a taxa de juros contratada na data da operação e du é a quantidade de dias úteis entre a data de emissão e a data de vencimento do título. 17

18 Cálculo do preço de mercado O preço do CDB em questão é dado por Preço do CDB = P + Juros (1+r) duv/252 r: taxa de juros projetados pela curva dos contratos futuros de DI, anualizada em base 252, obtida da seguinte forma: { ( du/dut 252/duv PU 1 ) } r= PU 1 PU PU 1 : PU de ajuste do contrato futuro de DI com vencimento no mês de vencimento do CDB em questão. PU 2 : PU de ajuste do contrato de DI com vencimento no mês imediatamente posterior ao mês de vencimento do CDB em questão. du: quantidade de dias úteis entre o vencimento do primeiro contrato de DI em consideração (PU 1 ) e a data de vencimento do CDB. dut: quantidade total de dias úteis entre as datas de vencimento dos contratos futuros de DI em consideração. duv: quantidade de dias úteis entre a data de cálculo e a data de vencimento do CDB. Caso o CDB não seja carregado até o vencimento, ou seja, o papel venha a ser vendido no mercado secundário, pode haver um deságio sobre preço do mesmo devido ao risco de crédito da instituição emissora. Dessa forma, pode ser interessante acrescentar um spread na taxa utilizada para descontar o fluxo de caixa gerado pelo papel em questão, chamada aqui de taxa livre de risco. Dado que estamos tratando de CDB s pré-fixados, podemos supor que a taxa de desconto livre de risco para tais papéis é dada pela curva projetada pelos contratos futuros de DI negociados na BM&F. 18

19 Nesse caso, o preço do CDB seria dado por: Preço CDB = P + Juros (1+r+spread) duv/252 spread: diferença entre a taxa contratada no CDB na data da operação e a taxa projetada pela curva dos contratos futuros de DI, na data de emissão, para o vencimento do título. Esse spread será mantido constante até o vencimento. É importante que seja feito um acompanhamento destes ativos com características semelhantes e contratados após a emissão do contrato em questão, para que o spread de crédito seja atualizado pelo spread embutido no novo CDB contratado. Dessa forma, estaremos mais perto do consenso de mercado quanto ao risco de crédito da instituição emissora. CDB Pós Fixado Indexado ao CDI Principais características: Prazo de Vencimento definido, na contratação da operação, entre as partes Valor Nominal definido, na contratação da operação, entre as partes Taxa de Juros contratada definida, na contratação da operação, entre as partes, normalmente em percentual ao ano, em base 252 Pagamento de Juros no vencimento Atualização do Valor Nominal pela Taxa Média dos Certificados de Depósitos Interbancários CDI Resgate do Principal em parcela única, na data do vencimento, pelo valor nominal corrigido pelo CDI Cálculo do Preço de Mercado O preço de mercado de um CDB indexado ao CDI deve ser calculado de acordo com a metodologia abaixo: 19

20 Cálculo do principal corrigido O valor principal do CDB indexado ao CDI possui é atualizado diariamente pelo CDI, ou seja, pela taxa de juros, baseada na taxa média dos depósitos interfinanceiros de um dia, calculada e divulgada pela CETIP, em percentual (%) ao ano, base de 252 dias. Geralmente o CDI é acrescido de uma sobretaxa, dada por um percentual que incidirá sobre o mesmo, a qual é contratada na data de emissão do CDB. Dessa forma, o principal deve ser corrigido desde a emissão até o vencimento, de acordo com VE Corrigido = VE * ( f 1 * f 2 * f 3 *... * f n ) Onde VE é o principal do CDB, e o fator de acúmulo diário do CDI é dado por: f i CDI 1 * S O valor de mercado do CDB indexado ao CDI é então dado por Preço do CDB indexado ao CDI = VE. corrigido 1 r r: taxa de juros projetada pela curva dos contratos futuros de DI, anualizada em base 252, obtida da seguinte forma: r 1 PU PU PU 1 2 du / dut 1 20

21 PU 1 : PU de ajuste do contrato futuro de DI com vencimento no mês de vencimento do SWAP em questão PU 2 : PU de ajuste do contrato de DI com vencimento no mês imediatamente posterior ao mês vencimento do swap em questão. - du: quantidade de dias úteis entre o vencimento do primeiro contrato de DI em consideração (PU1) e a data de vencimento do swap. - dut: quantidade total de dias úteis entre as datas de vencimento dos contratos futuros de DI em consideração. Fontes de Dados: Cotações dos contratos futuros de DI: Os PUs dos contratos futuros de DI são divulgados diariamente pela BM&F, podendo ser acessados em: Boletim Informativo Ajustes. Os ajustes são obtidos na coluna Preço de Ajuste Atual, correspondentes a Mercadoria DI1 - DI de 1 dia Taxa CDI: A taxa CDI é divulgada diariamente pela CETIP, em percentual (%) ao ano, base de 252 dias. Pode ser acessada em CDB Pós Fixado em IGPM Fonte de Mercado Os CDB s pós-fixados em IGPM são títulos marcados a mercado considerando-se três componentes principais para a taxa de Marcação a Mercado: projeção de taxa I GPM, Taxa de Mercado e Spread de Crédito. A fonte primária para a projeção de taxa IGPM é a Andima; A fonte primária para a taxa de mercado é a curva proveniente dos swaps da BMF e NTN-C s; 21

22 A fonte primária para o Spread de crédito é o conjunto formado pelas operações de CDB s das carteiras administradas / fundos para as quais o Banrisul presta serviço de precificação de ativos. Diariamente, para cada emissor, obtém-se por um Spread de crédito médio que é a média dos spreads ponderados pelos volumes negociados nos últimos 21 dias úteis das operações de CDB. A partir deste Spread Médio (SM), obtém-se o Limite Inferior e o Limite Superior conforme a seguir: Limite Inferior: Limite Superior: LI = SM K* Delta LS = SM + K* Delta, SM é o Spread Médio K é determinado pelo Comitê de Precificação Delta é o desvio padrão do Spread Médio O spread de crédito para a marcação a mercado das operações é determinado conforme as seguintes regras: 1) Caso o último spread utilizado para a marcação a mercado esteja abaixo do limite inferior ou acima do limite superior, este deve ser alterado para o spread médio calculado no dia. 2) Caso o último spread utilizado para a marcação a mercado esteja acima do limite inferior a abaixo do limite superior, mantém-se o último spread de crédito. CDB Pós Fixado em TR Fonte de Mercado Os CDB s pós fixados em TR são títulos marcados a mercado considerando-se duas componentes principais para a taxa de Marcação a Mercado: Taxa de Mercado e Spread de Crédito. A fonte primária para a taxa de mercado é a curva proveniente dos futuros de DI da BMF; 22

23 A fonte primária para o Spread de crédito é o conjunto formado pelas operações de CDB s das carteiras administradas / fundos na qual o Banco Banrisul presta serviço de precificação de ativos. Diariamente, para cada emissor, obtém-se por um Spread de crédito médio que é a média dos spreads ponderados pelos volumes negociados nos últimos 21 dias úteis das operações de CDB. A partir deste Spread Médio (SM), obtém-se o Limite Inferior e o Limite Superior conforme a seguir: Limite Inferior: Limite Superior: LI = SM K* Delta LS = SM + K* Delta, SM é o Spread Médio K é determinado pelo Comitê de Precificação Delta é o desvio padrão do Spread Médio O spread de crédito para a marcação a mercado das operações é determinado conforme as seguintes regras: 1) Caso o último spread utilizado para a marcação a mercado esteja abaixo do limite inferior ou acima do limite superior, este deve ser alterado para o spread médio calculado no dia. 2) Caso o último spread utilizado para a marcação a mercado esteja acima do limite inferior a abaixo do limite superior, mantém-se o último spread de crédito. CDB Pós Fixado em IPCA Fonte de Mercado Os CDB s pós fixados em IPCA são títulos marcados a mercado considerando-se três componentes principais para a taxa de Marcação a Mercado: projeção de taxa IPCA, Taxa de Mercado e Spread de Crédito. 23

24 A fonte primária para a projeção de taxa IPCA é a Andima. A fonte primária para a taxa de mercado é a curva proveniente dos futuros de DI da BM&F. A fonte primária para o Spread de crédito é o conjunto formado pelas operações de CDB s das carteiras administradas / fundos na qual o Banrisul presta serviço de precificação de ativos. Diariamente, para cada emissor, obtém-se por um Spread de crédito médio que é a média dos spreads ponderados pelos volumes negociados nos últimos 21 dias úteis das operações de CDB. A partir deste Spread Médio (SM), obtém-se o Limite Inferior e o Limite Superior conforme a seguir: Limite Inferior: Limite Superior: LI = SM K* Delta LS = SM + K* Delta, SM é o Spread Médio K é determinado pelo Comitê de Precificação. No momento K é igual a 1. Delta é o desvio padrão do Spread Médio O spread de crédito para a marcação a mercado das operações é determinado conforme as seguintes regras: 1) Caso o último spread utilizado para a marcação a mercado esteja abaixo do limite inferior ou acima do limite superior, este deve ser alterado para o spread médio calculado no dia. 2) Caso o último spread utilizado para a marcação a mercado esteja acima do limite inferior a abaixo do limite superior, mantém-se o último spread de crédito. Debêntures: Pós-Fixados em CDI / Selic Características: No caso de debêntures, o processo geral de oferta pública é semelhante ao utilizado no lançamento de ações, condicionado ao registro na comissão de valores mobiliários, para o que se exige no cumprimento da instrução CVM n. 13, de 30/09/1980, que dispõem sobre o aumento de capital por subscrição de ações 24

25 públicas, etc, a exceção fica por conta das emissões feitas com colocação direta fundos de pensão, seguradoras, etc.., quando o registro pode ser dispensado. Segundo Jose Roberto Securato, no Livro Cálculo Financeiro das Tesourarias, Uma debênture é um instrumento pelo qual o emissor (tomador dos recursos) promete pagar ao credor (debenturista) a quantidade emprestada mais juros sobre algum período de tempo especificado. O prazo de maturidade de uma debênture o número de anos durante os quais o emissor promete cumprir as condições da obrigação. A maturidade refere-se ao dia em que o empréstimo cessará e ao dia em que o emissor irá redimir a debênture pelo pagamento do montante devido. O valor principal de uma debênture é o valor que será pago ao debenturista na data de resgate. Esse valor é também conhecido com valor ao par. O valor periódico do pagamento dos desjuros é chamado de cupom. A taxa de cupom é a taxa de juros que o emissor concorda em pagar a cada ano. A taxa de cupom, quando multiplicada pelo principal da debênture, fornece o valor em dinheiro do cupom. Atualização do Valor Nominal: Sobre o valor nominal unitário incidirá uma remuneração que contemplará juros remuneratórios estabelecidos com base na taxa CDI / Selic divulgada pelo Sisbacen entre a data de emissão (inclusive) e a data de avaliação, ou database (exclusive). Estes juros remuneratórios podem ser acrescidos de spread, estabelecidos como percentual aplicado ao CDI / Selic: 102% do CDI, por exemplo. Fontes de Taxa de Mercado: Para a determinação do CDI / Selic projetado até o vencimento da operação são utilizados as taxas negociadas no mercado futuro de DI 1 dia da BMF, através da seguinte fórmula: 25

26 Du = número de dias úteis entre o vencimento do primeiro contrato de DI em consideração ( PU1 ) e a data de vencimento; Dur = número de dias úteis entre as datas de vencimentos dos contratos de DI Futuros em consideração (PU1 e PU2); Para a determinação do spread de crédito, expresso ou como percentual aplicado ao CDI / Selic ou como taxa ano a ser acrescida ao CDI / Selic, utiliza-se: 1) Caso a debênture tenha taxa indicativa publicada pela Andima, utiliza-se a taxa publicada pela Andima. 2) Caso a debênture não tenha a taxa publicada pela Andima, utiliza-se o spread médio de crédito ponderado pelo volume negociado. Este spread é calculado a partir dos preços médios das operações realizadas e registradas no Sistema Nacional de Debêntures ( nos últimos 21 dias úteis desde que o somatório das quantidades das operações realizadas seja superior a 1% da quantidade de debêntures em circulação no mercado secundário. Alternativas de Fonte de Taxas de Mercado: 1) Caso a debênture tenha taxa indicativa publicada pela Andima, mantém-se o último spread obtido a partir da última taxa publicada pela Andima e a curva de juros da BMF; 2) Caso a debênture não tenha a taxa publicada pela Andima, mantém-se o último spread de crédito médio apurado, a partir do SND ( ) 3) O spread poderá ser alterado pelo Comitê de Crédito da ASSET devido a mudança de rating ou eventos de crédito. 26

27 Exemplo: 1. Características: Data de emissão = 20/11/2000 Data de vencimento = 20/11/2003 Data de cálculo = 27/08/2003 Valor de emissão = ,00 Taxa de emissão = 104,00 do CDI% Spread de crédito de aquisição = 0,27% ao ano Emissor = Usiminas (USMG13) Prazo entre a data base e o vencimento= 61 dias úteis 2. Cálculo do valor Nominal Atualizado (VN) para a data de cálculo: VN = V. E. * Juros remuneratórios Juros remuneratórios = Produtório das taxas DI Over ou Selic com uso de percentual aplicado, da data de início de capitalização, inclusive, até a data de cálculo, exclusive, apurado da seguinte forma: N = número total de taxas DI over consideradas na atualização do ativo P = percentual aplicado sobre a taxa DI CDIk = Taxa de DI over, expressa ao dia Assim, VN = 1000,00* 1, = R$ ,60 3. Determinação do Valor Futuro (VF): Considerando que o CDI projetado para o vencimento da operação foi de 20,48% ao ano, calculamos o valor futuro: 27

28 4. Cálculo do Valor Presente pela taxa de mercado: Supondo que a última operação com esta debênture tenha sido feita à 104% do CDI + 0,50% aa, temos que o valor presente: 28

29 Debênture: Pós-Fixados indexados ao IGP-M Atualização do Valor Nominal: Sobre o valor nominal unitário incidirá remuneração que contemplará juros estabelecidos com base no índice IGPM oficial, divulgado pela FGV, até o mês anterior corrente, e a projeção divulgada pela Andima para o mês corrente; Taxas de Mercado: A taxa de mercado (desconto) é formado por: Taxa de mercado = ((1+ taxa básica de juros / 100 ) * ( 1 + spread de crédito / 100 )) 1 Para a determinação do spread de crédito, expresso ou como percentual aplicado ao IGPM, utiliza-se: 1) a taxa publicada pela Andima, caso a debênture tenha taxa indicativa publicada pela Andima; 2) o spread médio de crédito ponderado pelo volume negociado, caso a debênture não tenha taxa indicativa publicada pela Andima. Este spread é calculado a partir dos preços médios das operações realizadas e registradas no Sistema Nacional de Debêntures, nos últimos 21 dias úteis desde que o somatório das quantidades das operações realizadas seja superior a 1% da quantidade de debêntures no mercado secundário. Alternativas de Fonte de Taxas de Mercado: 1) Caso a debênture tivesse a taxa indicativa publicada pela Andima, utiliza-se o último spread obtido a partir da última taxa publicada pela Andima e a curva de cupom de IGPM conforme anexo. 2) Caso a debênture não tivesse a taxa publicada pela Andima, utiliza-se o último spread de crédito médio apurado. 3) O spread poderá ser alterado pelo Comitê de Crédito da AMC. Exemplo: 1. Características: Data de emissão = 01/10/

30 Data de vencimento = 01/01/2010 PU EMissão = 1.000,00 PU Aquisição = 1.115,38 Taxa de Operação = 10,3081% Data da Compra = 04/12/2002 Emissor = Petrobrás (PETR13) Juros remuneratórios = 1, (cfe. Demonstrado na NTN-C) EVENTO DATA (emissão) % DIAS Pagamento de 01/10/2002 Juros Pagamento de 01/10/ ,30% 116 Juros Pagamento de 01/10/ ,39% 370 Juros Pagamento de 03/10/ ,30% 622 Juros Pagamento de 01/10/ ,21% 872 Juros Pagamento de 01/10/ ,17% 1121 Juros Pagamento de 01/10/ ,26% 1372 Juros Pagamento de 01/10/ ,33% 1624 Juros Pagamento de 01/10/ ,26% 1875 Juros Pagamento de 01/10/ ,00% 1875 Juros 2. Cálculo do Valor Nominal ( V. N. ): PU Nominal = PU emissão * juros remuneratórios PU Nominal = R$ 1.000,00 * 1, = R$ 1.211,26 3. Fluxo de pagamentos: EVENTO DATA (Iemissão) DIAS V. V. FUTURO NOMINAL Juros 01/10/2002 (VN*Iemissã o ) Juros 01/10/ ,30% 116 R$ 1.211,26 124,75944 Juros 01/10/ ,39% 370 R$ 1.211,26 125,79933 Juros 03/10/ ,30% 622 R$ 1.211,26 124,

31 Juros 02/10/ ,21% 872 R$ 1.211,26 123,72036 Juros 01/10/ ,17% 1121 R$ 1.211,26 123,20112 Juros 01/10/ ,26% 1372 R$ 1.211,26 124,23980 Juros 01/10/ ,30% 1624 R$ 1.211,26 124,75944 Juros 01/10/ ,26% 1875 R$ 1.211,26 124,23980 Principal 01/10/ % 1875 R$ 1.211, , Cálculo do Valor presente pela curva de mercado e pela curva de aquisição: Dado que a taxa básica do cupom de IGP-M para o vencimento é = 8,50% Dado que o spread de crédito do último negócio é = 1,826359%Taxa de mercado = (1,0849 x 1, ) = 10,4816% Swap O swap é um contrato derivativo no qual as partes trocam os indexadores de operações ativas e passivas, sem trocar o principal. Por exemplo, uma empresa com dívida corrigida pelo CDI, temendo uma alta dos juros, pode trocar o indexador do passivo por uma taxa pré. Assim, se as taxas de juros subirem no período, a perda que a empresa terá com a alta do CDI será compensada por um ganho financeiro na operação de swap. As taxas de juros que ela paga ficam definidas na data zero, na hora da montagem do swap. Trata-se, assim, de uma operação extremamente simples, onde, o agente econômico interessado em trocar o indexador de um ativo ou de um passivo, normalmente procura uma instituição financeira que monta a operação. O acordo é então registrado na BMF ou na CETIP. No vencimento, é feito o acerto financeiro da diferenças entre os indexadores aplicados sobre o principal. Na BMF o swap é registrado no sistema eletrônico, pelo chamado contrato a termo de troca de rentabilidade. As operações podem ser feitas com garantia, com garantia de somente uma das partes e sem garantia. Nas operações com garantia da BMF são exigidos depósitos de margens de garantia das partes envolvidas. O 31

32 cálculo é feito diariamente pela bolsa e leva em conta o risco de cada operação. Nas operações sem garantia, não há, evidentemente, exigência de margem de garantia. A bolsa registra a operação, controla as posições, informa os valores da liquidação financeira, mas não se responsabiliza pela eventual não - pagamento por parte dos agentes. Na CETIP, os contratos de swap são registrados pelo Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros (SPR). Todas as operações são feitas sem garantia. Swap Pré Swap Cambial Swap CDI Swap IGP-M Renda Variável Ações / Opções: O processo de marcação a mercado é muito mais simples e intuitivo no mercado acionário, uma vez que se trata de um mercado mais organizado, onde existe uma bolsa de negociações ativas (Bovespa). Assim, as ações são valorizadas pelo último preço de fechamento divulgado pela Bovespa. Em não havendo negociação no dia, a cotação do dia anterior é mantida, não havendo impacto no patrimônio líquido do fundo. Futuros De Ações: Da mesma forma que o mercado de ações, o processo de marcação a mercado para os contratos futuros é muito mais simples e intuitivo, uma vez que se trata de um mercado mais organizado, onde existe uma bolsa de negociações 32

33 ativa (BM&F). Assim, os contratos futuros de juros (DI 1 dia), câmbio (DOL), cupom cambial (DDi e FRC) e Bovespa (IBovespa) são valorizadas pelos preços de ajuste fornecidos ao final do pregão. Fonte de dados: Estas cotações são encontradas diariamente no Boletim Diário da BM&F ou no site ( sendo uma fonte de dados pública e transparente. Método Alternativo: Na contingência pela não divulgação das Bolsas os valores de ajuste no fechamento do pregão, será utilizado os últimos dados disponíveis do mercado (último negócio realizado, verificado nos sistemas de informações Bloomberg, Reuters e Broadcast). Na hipótese de ser feriado bancário na bolsa em questão, será repetida a cotação de ajuste do dia anterior. Letras Hipotecárias - LH Principais características: Prazo de Vencimento definido na contratação da operação. A data de vencimento deve ser casada com a data de emissão do título Valor Nominal definido na contratação da operação Taxa de Juros contratada normalmente definida em percentual ao ano, em base 252, 360 ou 365 Pagamento de Juros a cada N meses, sendo N definido na data de contratação da operação Atualização do Valor Nominal mensalmente, pelo Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M) Resgate do Principal em parcela única, na data do vencimento, pelo valor nominal corrigido pelo IGPM, ou de acordo com calendário de amortizações Cálculo do Preço de Mercado O preço de mercado de uma LH deve ser calculado de acordo com a metodologia abaixo: 33

34 1. Cálculo do valor nominal atualizado pelo IGPM O valor nominal do título deve ser atualizado mensalmente, de acordo com o IGPM, nas datas de aniversário, entendidas como o dia correspondente ao dia de vencimento do ativo, em cada mês. Dessa forma, o principal do título deve ser corrigido pelo IGPM, no período entre a data da emissão e a data de cálculo, da seguinte forma: VN a VN * IGPM histórico * dum / dut IGPM prev VN a = Valor Nominal atualizado pelo IGPM VN = Valor Nominal IGPM histórico = IGPM acumulado entre a data de emissão e a última data de divulgação do índice, correspondente a razão entre o número índice do mês imediatamente anterior ao mês de atualização e o número índice do mês imediatamente anterior ao mês de emissão. = IGPM previsto para o mês corrente IGPM prev dum = quantidade de dias úteis entre a última data de divulgação do índice e a data de cálculo dum = quantidade de dias úteis entre a última data de divulgação do índice e a data de cálculo dut = quantidade total de dias úteis entre o último e o próximo aniversário do indexador. 2. Cálculo dos cupons de juros Os cupons serão pagos a cada N meses, sendo as datas de pagamento fixas, contadas sempre a partir da data de emissão. Assim, C t VN a * fator. de. juros. 1 C t = montante de juros a serem pagos na data t. C = taxa de cupom, definida quando da emissão do título. 34

35 fator de juros = taxa efetiva vigente no período de pagamento. O fator de juros pode ser calculado de formas distintas, de acordo com características especificadas no contrato que define a Letra Hipotecária. Abaixo são apresentadas todas as formas de cálculo do fator de juros possíveis. A forma de cálculo de juros é definida a partir dos seguintes parâmetros, especificados no contrato do título: Expressão da Taxa, Periodicidade e Critério. 1. Expressão da Taxa: 360 ou 365 dias corridos Periodicidade: Meses Critério: M Fator de juros = NMeses*30 i ou dcp dct i: taxa de cupom, definida na data de contratação da operação. NMeses: número de meses entre pagamentos de juros subsequentes. Por exemplo se a periodicidade é 12 meses, NMeses = 12. dcp: número de dias corridos entre a emissão ou último pagamento de juros e a data de cálculo. dct: número de dias corridos existentes no número de meses informado, i.e., número de dias corridos compreendido entre a emissão e o primeiro pagamento de juros, ou, caso tal pagamento já tenha sido efetuado, número de dias corridos entre a data do último e a data do próximo pagamento de juros. 2. Expressão da Taxa: 360 ou 365 dias corridos. Periodicidade: Meses Critério: C Fator de juros = dct i ou dcp dct i: taxa de cupom, definida na data de contratação da operação. 35

36 dcp: número de dias corridos entre a emissão ou último pagamento de juros e a data de cálculo. dct: número de dias corridos existentes no número de meses informado, i.e., número de dias corridos compreendido entre a emissão e o primeiro pagamento de juros, ou, caso tal pagamento já tenha sido efetuado, número de dias corridos entre a data do último e a data do próximo pagamento de juros. 3. Expressão da Taxa: 252 dias úteis. Periodicidade: Meses Critério: M Fator de juros = i NMeses*21 dup dut i: taxa de cupom, definida na data de contratação da operação. NMeses: número de meses entre pagamentos de juros subsequentes. dup: número de dias úteis entre a emissão ou último pagamento de juros e a data de cálculo. dut: número de dias úteis existentes no numero de meses informado, i.e., número de dias úteis compreendido entre a emissão e o primeiro pagamento de juros, ou, caso tal pagamento já tenha sido efetuado, número de dias úteis entre a data do último pagamento e a data do próximo pagamento de juros. 4. Expressão da Taxa: 252 dias úteis. Periodicidade: Meses Critério: U Fator de juros = dut i dup dut i: taxa de cupom, definida na data de contratação da operação. dup: número de dias úteis entre a emissão ou último pagamento de juros e a data de cálculo. dut: número de dias úteis existentes no número de meses informado, i.e., número de dias úteis compreendido entre a emissão e o primeiro pagamento de juros, ou, caso tal 36

37 pagamento já tenha sido efetuado, número de dias úteis entre a data do último pagamento e a data do próximo pagamento de juros. 3. Cálculo dos cupons de juros As LHs podem estar sujeitas a 3 formas distintas de amortização do principal, descritas a seguir: Amortização Programada Consiste na aplicação de percentual fixo sobre o saldo do valor nominal atualizado, em períodos uniformes. A parcela a ser amortizada na data t deve ser calculada como se segue: AM t VN a Ta 100 VNa: Valor nominal atualizado pelo IGPM, até a data de cálculo AMt: Parcela a ser amortizada na data t Ta: Taxa fixa definida para amortização. Amortização Constante Consiste na aplicação de percentual fixo sobre o saldo do valor nominal de emissão, em períodos uniformes. A parcela a ser amortizada na data t deve ser calculada como se segue: AM t VN e Ta C 100 VNe: Valor nominal de emissão. AMt: Parcela a ser amortizada na data t. Ta: Taxa fixa definida para amortização. C: Fator de atualização da t-ésima parcela de amortização, correspondente ao IGPM acumulado entre a data de emissão do título e a data de cálculo. Amortização Variável Consiste na aplicação de percentual variável sobre o saldo do valor nominal atualizado, em períodos uniformes. A parcela a ser amortizada na data t deve ser calculada como se segue: 37

38 AM t VN a Ta i 100 VNa: Valor nominal atualizado AMt: Parcela a ser amortizada na data t Tai: Taxas variáveis definidas para amortização. OBS: Após cada amortização, o valor nominal atualizado deve ser substituído pelo valor nominal remanescente, e então o cálculo dos juros do período seguinte será feito a partir da aplicação do fator de juros a esse valor nominal remanescente. VR R VN A AM É o valor nominal atualizado remanescente após a amortização paga na data t. t 4. Cálculo do preço de mercado O preço da LH será dado por Pr eço LH n t1 C t dut / 252 t1 1 r 1 r n AM t du / 252 r: taxa projetada pela curva de cupom IGPM do mercado secundário, divulgada pela Andima, interpolada para o prazo correspondente a data de pagamento do cupom, ou parcela de amortização, em questão Ct: Cupom de juros a ser pago na data t AMt: parcela de amortização a ser paga na data t dut: quantidade de dias úteis entre a data de cálculo e a data t de pagamento de cupom; Operações De Swap Uma operação de swap consiste, basicamente, em um acordo, entre duas partes, de troca de fluxos de caixa no futuro, de acordo com regras pré-estabelecidas. 38

39 Dado que o swap é composto de duas pontas, uma ativa e outra passiva, as duas devem ser apreçadas separadamente e o valor de mercado do swap será então dado pela diferença entre o valor de mercado das mesmas. Swap Pré X Cdi Sendo a ponta pré a ponta ativa do swap e a ponta CDI a ponta passiva, o preço de mercado deve ser calculado de acordo com a metodologia descrita abaixo: Ponta Pré Fixada A ponta pré-fixada de um swap é composta por um valor principal sobre o qual irá incidir um cupom de juros. Tal cupom é contratado em comum acordo entre as partes, na data de emissão do contrato. Cálculo do Preço de Mercado O preço de mercado da ponta pré-fixada do swap deve ser calculado de acordo com a metodologia abaixo: 1. Cálculo do montante de juros O montante de juros incide no período compreendido entre a emissão e o vencimento do swap. Logo, deve ser calculado aplicando-se a taxa de juros contratada na data da operação ao valor de emissão do swap para o período em questão. Juros P * i dc / Onde, i é a taxa de juros contratada na data da operação e dc é a quantidade de dias corridos entre a data de emissão e a data de vencimento do título. 2. Cálculo do valor de mercado Preço Ponta Pré Fixada = P Juros 1 r 39

40 r: taxa de juros projetados pela curva dos contratos futuros de DI, anualizada em base 252, obtida da seguinte forma: r 1 PU PU PU 1 2 du / dut 1 PU1: PU de ajuste do contrato futuro de DI com vencimento no mês de vencimento do swap em questão. PU2: PU de ajuste do contrato de DI com vencimento no mês imediatamente posterior ao mês de vencimento do swap em questão. du: quantidade de dias úteis entre o vencimento do primeiro contrato de DI em consideração (PU1) e a data de vencimento do swap. dut: quantidade total de dias úteis entre as datas de vencimento dos contratos futuros de DI em consideração. Fontes de Dados: Cotações dos contratos futuros de DI: Os PUs dos contratos futuros de DI são divulgados diariamente pela BM&F, podendo ser acessados em: Boletim Informativo Ajustes. Os ajustes são obtidos na coluna Preço de Ajuste Atual, correspondentes a Mercadoria DI1 - DI de 1 dia Ponta CDI A ponta CDI do swap é atualizada diariamente pelo CDI, ou seja, a taxa de juros baseada na taxa média dos depósitos interfinanceiros de um dia, calculada e divulgada pela CETIP, em percentual (%) ao ano, base de 252 dias. Geralmente o CDI é acrescido de uma sobretaxa, dada por um percentual que incidirá sobre o mesmo, a qual é contratada entre as partes na data de emissão do swap. Dessa forma, a ponta CDI deve ser corrigida desde a emissão até o vencimento, de acordo com VE Corrigido = VE * ( f 1 * f 2 * f 3 *... * f n ) 40

41 Onde VE é o valor de emissão do swap, e o fator de acúmulo diário do CDI é dado por: f i CDI * S 1 O valor de mercado da ponta CDI é então dado por: Preço da Ponta CDI = VE corrigido 1 r r: taxa de juros projetada pela curva dos contratos futuros de DI, anualizada em base 252, obtida da seguinte forma: r 1 PU PU PU 1 2 du / dut 1 PU 1 : PU de ajuste do contrato futuro de DI com vencimento no mês de vencimento do swap em questão. PU2: PU de ajuste do contrato de DI com vencimento no mês imediatamente posterior ao mês de vencimento do swap em questão. du: quantidade de dias úteis entre o vencimento do primeiro contrato de DI em consideração (PU1) e a data de vencimento do swap. dut: quantidade total de dias úteis entre as datas de vencimento dos contratos futuros de DI em consideração. Fontes de Dados: o Cotações dos contratos futuros de DI: Os PUs dos contratos futuros de DI são divulgados diariamente pela BM&F, podendo ser acessados em: Boletim Informativo Ajustes. Os ajustes são obtidos na coluna Preço de Ajuste Atual, correspondentes a Mercadoria DI1 - DI de 1 dia 41

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO Letras do Tesouro Nacional LTN Características Gerais: Juros: Não há, estão implícitos no deságio do título. Modalidade: Escritural,

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A.

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. Manual de Marcação a Mercado Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. 04 de janeiro de 2016 Versão: 01-2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 2. PRINCÍPIOS GERAIS... 6 3. VISÃO DO PROCESSO... 8 3.1. Coleta de

Leia mais

Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados pela BRB-DTVM.

Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados pela BRB-DTVM. Página 1/35 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: FINALIDADE: ELABORADOR: APROVAÇÃO: NORMA EXECUTIVA Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados

Leia mais

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. LISTA DE SIGLAS E SÍMBOLOS... 2 3. Bônus do Tesouro Nacional BTN... 4 4. Letras Financeiras do Tesouro LFT... 7 4.1 Letras Financeiras do Tesouro Série A LFT-A... 9 4.2

Leia mais

INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS

INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS Formas de investir em ações. Individualmente Coletivamente Clubes de Investimentos Fundos de Investimentos Ações Ação é a menor fração do capital

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. Válido para Fundos de Investimentos e Carteiras de Investimentos Setembro de 2010 Versão: 0910 V1.0 PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...

Leia mais

Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Módulo II

Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Módulo II Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Módulo II Professor: Paulo Lamosa Berger Agenda O valor do dinheiro referese ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta afirmação

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 03 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 00.832.424/0001-12 MENSAGEM DO ADMINISTRADOR Prezado Cotista, Este FUNDO, constituído sob a forma de condomínio

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96)

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ S.A.

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ S.A. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ S.A. Válido para Fundos de Investimentos e Carteiras de Investimentos Fevereiro de 2007 Versão: 0207 V1.0-S PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...3

Leia mais

SCI- 12. Nome do Documento. Código de Acesso. Manual de Marcação a Mercado - MaM CONTEÚDO DO DOCUMENTO

SCI- 12. Nome do Documento. Código de Acesso. Manual de Marcação a Mercado - MaM CONTEÚDO DO DOCUMENTO Nome do Documento Manual de Marcação a Mercado - MaM Código de Acesso SCI- 12 CONTEÚDO DO DOCUMENTO O presente documento fornece instruções obrigatórias para a execução dos processos de marcação a mercado

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Marcação a Mercado

Manual de Precificação de Ativos. Marcação a Mercado Manual de Precificação de Ativos Marcação a Mercado Maio de 2015 Marcação a mercado, É o procedimento adotado com o objetivo de aumentar a segurança dos investidores que aplicam na indústria brasileira

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Sumário 1. PRINCÍPIOS GERAIS... 3 1.1. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 1.2. PRINCIPIOS DA MARCAÇÃO A MERCADO... 4 1.3. CONVENÇÕES ADOTADAS...

Leia mais

ITAÚ MAXI RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 04.222.433/0001-42

ITAÚ MAXI RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 04.222.433/0001-42 ITAÚ MAXI RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 04.222.433/0001-42 MENSAGEM DO ADMINISTRADOR Prezado Cotista, Este FUNDO, constituído sob a forma de condomínio aberto,

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro IPCA + com Juros Semestrais NTN B O Tesouro IPCA + com Juros Semestrais (NTN B) é um título pós fixado, cuja rentabilidade

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Fevereiro de 2013 INÍCIO DE VALIDADE: FEVEREIRO DE 2013 VERSÃO 8

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Fevereiro de 2013 INÍCIO DE VALIDADE: FEVEREIRO DE 2013 VERSÃO 8 MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO INÍCIO DE VALIDADE: FEVEREIRO DE 2013 VERSÃO 8 Controladoria e Custódia de Fundos de Investimentos 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Visão do processo... 4 2.1. Coleta de preços...

Leia mais

POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA

POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA VERSÃO 1.2 VIGÊNCIA A PARTIR DE 29/01/2010 1 ÍNDICE 1. PRINCÍPIOS DE MARCAÇÃO A MERCADO...4 2. ABORDAGEM METODOLÓGICA...5

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) Bruno Etchepare Dornelles TÍTULOS PÚBLICOS NEGOCIADOS NO TESOURO DIRETO: alternativa

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO Maio de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. PRINCÍPIOS GERAIS...5 2.1. MELHORES PRÁTICAS...5 2.2. ABRANGÊNCIA...5 2.3. COMPROMETIMENTO...5 2.4. EQÜIDADE...5

Leia mais

Banrisul Previdência Municipal Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo

Banrisul Previdência Municipal Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo Banrisul Previdência Municipal Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo CNPJ 08.960.975/0001-73 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Versão Resumida V.2.2 Início de Vigência 27/07/205 Propriedade de Banco Bradesco S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. SUMÁRIO. Princípios Gerais...

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do Lotus Fundo de Investimento em Renda Fixa Brasília - DF Examinamos as demonstrações financeiras

Leia mais

Renda fixa e Tesouro Direto

Renda fixa e Tesouro Direto Renda fixa e Tesouro Direto Classificação de investimentos Collor CDB Renda fixa Caderneta de poupança Fundos DI Imóveis Renda variável Ações Liquidez Liquidez Liquidez Segurança Segurança Segurança Rentabilidade

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Departamento de Controladoria de Fundos de Investimento Setor de Precificação Propriedade de SITA Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S/A Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização.

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS. Tesouro Direto

TÍTULOS PÚBLICOS. Tesouro Direto TÍTULOS PÚBLICOS Tesouro Direto Tesouro Direto Conheça esta alternativa de investimento em renda fixa. O produto O Tesouro Direto é uma alternativa de investimento em que o investidor sabe, no momento

Leia mais

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1 Última atualização:30/09/2015 1 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetivo informar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos aplicados aos ativos: Certificado de Depósito Bancário

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO JULHO/2015

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO JULHO/2015 MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO JULHO/05 0/07/05 i Sumário I - INTRODUÇÃO... IV A - O PROCESSO DE MARCAÇÃO A MERCADO NA BB DTVM... iv B - PRINCÍPIOS GERAIS... xi C - METODOLOGIA DAS PRÁTICAS... xiii II APLICAÇÕES...

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Mercado Aberto, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo Código ANBIMA

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10)

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) PROGRAMA DETALHADO Programa da Certificação Detalhado Profissional da Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) ANBID Série 10 Controle: D.04.08.07 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão:

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Selic (LFT) O Tesouro Selic (LFT) é um título pós fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa básica

Leia mais

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011 Tesouro Direto Brasília, Setembro de 2011 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto Perfil do Investidor

Leia mais

Custódia de fundos e carteiras

Custódia de fundos e carteiras Custódia de fundos e carteiras Manual de Marcação a Mercado 1 Índice Capítulo I Princípios gerais e políticas de marcação a mercado 6 Definições 6 Princípios 6 Processo decisório executivo de precificação

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO Um título público consiste, de maneira simplificada, um empréstimo ao governo federal, ou seja, o governo fica com uma dívida com o comprador

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Cupom de IGP-M Futuro de Cupom de IGP-M Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro real brasileira O produto O Contrato Futuro de Cupom de IGP-M oferece

Leia mais

Deutsche Bank GTB Investor Services. Manual de Marcação a Mercado

Deutsche Bank GTB Investor Services. Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Janeiro, 206 . Princípios Gerais... 4.. Objetivo do Manual...4.2. Princípios da Marcação a Mercado (MaM)...4.3. Estrutura Organizacional...5.4. Visão do Processo de MaM...6.4..

Leia mais

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores, Participantes e Patrocinadores Bungeprev Fundo

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Metodologia de Cálculo dos Títulos Públicos Federais Ofertados nos Leilões Primários O objetivo deste guia é facilitar o entendimento dos investidores sobre algumas peculiaridades

Leia mais

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados.

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados. Mercados Derivativos IBEF PAULO LAMOSA BERGER 1 Instrumentos do Mercado Financeiro Emissão Os ativos de renda fixa são emitidos de forma escritural e registrados em Sistemas de Custódia. Existem no Brasil

Leia mais

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Safra Petrobras - Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de (Administrado pelo Banco Safra de Investimento S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 30 de Junho de 2007 e ao Período

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 Subordinada à Resolução CMN nº 3.792 de 24/09/09 1- INTRODUÇÃO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes a serem observadas na aplicação dos recursos

Leia mais

Investtop www.investtop.com.br

Investtop www.investtop.com.br 1 Conteúdo Introdução... 4 CDB... 6 O que é CDB?...6 Liquidez...6 Tributação...6 Riscos...7 Dicas...7 Vantagens...7 Letra de Crédito do Imobiliário (LCI)... 9 O que é LCI?...9 Liquidez...9 Tributação...9

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

TOP O BACEN atualmente pode emitir títulos? Sistema Especial de Liquidação e Custódia - Selic. Professor Luiz Antonio de Carvalho

TOP O BACEN atualmente pode emitir títulos? Sistema Especial de Liquidação e Custódia - Selic. Professor Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Sistema Especial de Liquidação e Custódia - Selic lac.consultoria@gmail.com 1 2 CONCEITO O Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic), do Banco Central do Brasil,

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 1 Banco PETRA S.A. Serviços Qualificados no Mercado de Valores Mobiliários MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Início da Vigência: Janeiro/2011 Versão 1.3 (Set/2012) Propriedade do Banco PETRA S.A. Proibida a

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 15 Rendimentos a distribuir 412 366 Aplicações financeiras de renda fixa 28 8

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Informações referentes a novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento DI Institucional Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20)

Leia mais

2. OBJETIVOS DO FUNDO: OBTER RENTABILIDADE QUE SUPERE A VARIAÇÃO VERIFICADA PELO CERTIFICADO DE DEPÓSITO INTERBANCÁRIO (CDI).

2. OBJETIVOS DO FUNDO: OBTER RENTABILIDADE QUE SUPERE A VARIAÇÃO VERIFICADA PELO CERTIFICADO DE DEPÓSITO INTERBANCÁRIO (CDI). Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT

COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT COMUNICADO SNA N.º 010/00 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos - SNA Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT A Central

Leia mais

MATERIAL PUBLICITÁRIO ATENÇÃO: LEIA O PROSPECTO E O SUPLEMENTO ANTES DE ACEITAR A OFERTA, EM ESPECIAL A SEÇÃO FATORES DE RISCO.

MATERIAL PUBLICITÁRIO ATENÇÃO: LEIA O PROSPECTO E O SUPLEMENTO ANTES DE ACEITAR A OFERTA, EM ESPECIAL A SEÇÃO FATORES DE RISCO. As informações contidas neste material publicitário de perguntas e respostas não substituem a leitura dos demais documentos pertinentes à Quarta Oferta Pública de Debêntures da BNDES Participações S.A.

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto LFT A LFT é um título pós-fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa de juros básica da economia. Sua remuneração

Leia mais

Teste de Adequação de Passivos

Teste de Adequação de Passivos Teste de Adequação de Passivos Orientações da Susep ao Mercado Agosto/2014 Sumário 1. ÁREAS RESPONSÁVEIS... 2 2. BASE LEGAL... 2 3. ABRANGÊNCIA... 2 4. APROVAÇÃO DE METODOLOGIAS OU PREMISSAS PRÓPRIAS...

Leia mais

Se alavancar até o limite de. Concentrar seus ativos em um só emissor que não seja a União Federal até o limite de

Se alavancar até o limite de. Concentrar seus ativos em um só emissor que não seja a União Federal até o limite de LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO DE LONGO PRAZO FRANKLIN GLOBAL ACCESS CNPJ: 09.216.364/0001-88 Informações referentes a Abril de 2016 Esta lâmina contém um resumo

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Gradual Corretora de Câmbio,Títulos e Valores Mobiliários S.A. Área de Fundos de Investimentos Início da Vigência: 09 de janeiro 2014 Versão 5 2 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2.

Leia mais

Renda Fixa - Precificação

Renda Fixa - Precificação Renda Fixa - Precificação Prof. Paulo Lamosa Berger Introdução Renda Fixa - Precificação 2 O valor do dinheiro refere-se ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC ACOES DIVIDENDOS 02.138.442/0001-24 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC ACOES DIVIDENDOS 02.138.442/0001-24 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO ACOES. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo, disponíveis

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

Simulado CPA 20 Gratis

Simulado CPA 20 Gratis 1 Simulado CPA 20 Gratis Question 1. O risco de crédito está associado a capacidade do emissor de um título em não honrar os pagamentos: ( ) Somente dos Juros ( ) Dos juros e do principal da dívida ( )

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40 BENCHMARK RF:60.00% ( 100.00%CDI ) + RV:40.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 03/11/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/11/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC DI TITULOS PUBLICOS 00.885.762/0001-12 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC DI TITULOS PUBLICOS 00.885.762/0001-12 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO DI LONGO PRAZO TITULOS. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto

Leia mais

BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÕES

BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÕES BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÕES São Paulo SP Julho/2004 BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÕES Material de apoio ao 76º Curso

Leia mais

Instrumentos Financeiros. Instrumentos financeiros Ativos: Renda. Instrumento Financeiro - Conceito. Renda variável

Instrumentos Financeiros. Instrumentos financeiros Ativos: Renda. Instrumento Financeiro - Conceito. Renda variável USP-FEA Curso de Economia Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores 7. Instrumentos Financeiros (Aplicações Financeiras, Títulos, Contas a Receber, empréstimos) Instrumentos Financeiros

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SOBERANO CURTO PRAZO 04.871.634/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SOBERANO CURTO PRAZO 04.871.634/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SOBERANO CURTO PRAZO 04.871.634/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO

MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO INTRODUÇÃO... 3 1. REQUISITOS BÁSICOS... 5 2. CADASTRAMENTO PARA COMPRA DE TÍTULOS PÚBLICOS NO TESOURO DIRETO... 5 3. HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO... 7 4. TÍTULOS PÚBLICOS

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

Taxa básica de juros e a poupança

Taxa básica de juros e a poupança UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, SECRETARIADO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Prof. Isidro LEITURA COMPLEMENTAR # 2 Taxa

Leia mais

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40;

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Semana de 12 a 16 de Agosto Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Curva de juros voltou a precificar mais aumentos de 0,5 p.p. para a taxa Selic; Com a presente semana muito

Leia mais

Queluz Trader Fundo de Investimento Multimercado (CNPJ nº 09.052.643/0001-53) (Administrado pela BEM - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários

Queluz Trader Fundo de Investimento Multimercado (CNPJ nº 09.052.643/0001-53) (Administrado pela BEM - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Queluz Trader Fundo de Investimento Multimercado (CNPJ nº 09.052.643/0001-53) (Administrado pela BEM - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.) Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E 3. Noções de Economia e Finanças pg 26 5 a 7 questões 3.1 Conceitos Básicos de Economia 3.2 Conceitos Básicos de

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis BNB Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento Renda Fixa Curto Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) 31 de março de

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ UNIBANCO S.A.

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ UNIBANCO S.A. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ UNIBANCO S.A. Válido para Fundos de Investimentos e Carteiras de Investimentos Setembro de 2009 Versão: 0909 V.0 PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Boa noite, Eduardo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Boa noite, Eduardo Page 1 of 8 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Boa noite, Eduardo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Fundos e Carteiras Gerência de Análise Econômica e Riscos de Mercado Diretoria de Recursos de Terceiros, Economia e Riscos Versão: Julho/04 Sumário. OBJETIVO... 3. CONCEITO...

Leia mais

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO 1. Classificação dos Títulos 1.1. Títulos públicos e privados 1.2. Títulos de crédito e de propriedade 1.3. Títulos de renda fixa e de renda variável

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O. MARATONA PROGRAMADO FIA - BDR NIVEL I 21.363.225/0001-82 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O. MARATONA PROGRAMADO FIA - BDR NIVEL I 21.363.225/0001-82 Informações referentes a Maio de 2016 MARATONA PROGRAMADO FIA BDR NIVEL I 21.363.225/000182 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o MARATONA PROGRAMADO FUNDO DE INVESTIMENTO EM

Leia mais

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESSE PROSPECTO ESTÃO EM CONSONÂNCIA COM O REGULAMENTO DO FUNDO, PORÉM NÃO O SUBSTITUI.

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência

Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência 1º Seminário Internacional sobre Renda Fixa em Mercado de Balcão 29/9/2006 Agenda Cenário Macroeconômico Transparência e Liquidez Principais

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira

Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira Mês/Ano: 31 de março de 2016 Nome do Fundo: Alfa I - Fundo Mútuo de CNPJ: 03.919.892/0001-17 Administrador: Banco Alfa de Investimento S.A. CNPJ:

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO PETRA S.A. Serviços Qualificados no Mercado de Valores Mobiliários MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Início da Vigência: Janeiro/2011 Versão 1.4 (Maio/2014) Propriedade do Banco PETRA S.A. Proibida a

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO FATOR MAX CORPORATIVO DE RENDA FIXA

FUNDO DE INVESTIMENTO FATOR MAX CORPORATIVO DE RENDA FIXA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO FATOR MAX CORPORATIVO DE RENDA FIXA CNPJ: 00.828.035/0001-13 Informações referentes a Novembro/2015 Esta lâmina contém um resumo das

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Março de 2009 ÍNDICE MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO... VISÃO DO PROCESSO...3. Coleta de Preços...3.2 Tratamento e Validação dos Preços Coletados...4.3 Apuração, Controle e Supervisão

Leia mais

PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A)

PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A) PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A) DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE AGOSTO DE 2014 PÉROLA FUNDO

Leia mais

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture Renda Fixa Debênture O produto A debênture é um investimento em renda fixa. Trata-se de um título de dívida que gera um direito de crédito ao investidor. Ou seja, o mesmo terá direito a receber uma remuneração

Leia mais

CONTEÚDO 1 OBJETIVO 3 2 CONCEITO 3. 2.1. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4

CONTEÚDO 1 OBJETIVO 3 2 CONCEITO 3. 2.1. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4 CONTEÚDO OBJETIVO 3 CONCEITO 3.. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4 3.. Estrutura Organizacional 4 3... Responsabilidade Metodológica 4 3... Responsabilidade pela Aplicação 4 3..

Leia mais