Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA"

Transcrição

1 Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011

2 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge funds no Brasl, crado com o objetvo de servr de parâmetro para o acompanhamento da evolução deste segmento. O seu valor é reflexo, em moeda corrente, da evolução de uma aplcação hpotétca em cotas de uma cesta de fundos seleconados a partr de crtéros específcos predefndos, conforme descrção a segur. O índce é consttuído com data-base em 31/3/08 e valor gual a Com o objetvo de preservar a representatvdade do ndcador, sua composção teórca é revsta perodcamente, de acordo com procedmentos descrtos neste documento. 2. Base de dados O IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA é calculado a partr da base de dados dsponblzada pela CVM, conforme convêno frmado com a autarqua. 3. Montagem da cartera teórca A cartera teórca do IHFA tem balanceamento trmestral e vgênca para os seguntes períodos: janero a março, abrl a junho, julho a setembro e outubro a dezembro. O processo de seleção de seus componentes e os procedmentos para a defnção de suas respectvas quantdades teórcas na cartera do índce estão descrtos a segur: a. Seleção de componentes O crtéro de seleção dos ntegrantes da cartera teórca do índce segue os procedmentos abaxo, restrto ao período de três meses anterores (posção méda ou de fnal de período, de acordo com cada crtéro) à data de rebalanceamento: I. Dentre todos os fundos de nvestmento regstrados na CVM e regdos pela Instrução CVM nº 409, são seleconados apenas os fundos ntegrantes da classe denomnada como multmercado; II. Regstro de permanênca na referda classe, na CVM, superor a um ano, contados a partr da data de montagem de cada cartera teórca do IHFA; III. São excluídos os fundos consttuídos sob a forma de condomíno fechado, nos quas suas cotas podem ser resgatadas somente após o térmno do prazo de duração do fundo; IV. São excluídos os fundos exclusvos; V. São excluídos os fundos que não cobram taxa de performance; VI. São excluídos os fundos cujo número médo de cotstas no trmestre precedente à data de rebalanceamento do índce seja nferor a dez; VII. São excluídos os fundos que não dvulgam o valor das cotas atualzadas daramente; VIII. São excluídos os fundos de nvestmento em cotas de fundos de nvestmento FIC FI que não tenham, pelo menos, 95% de seu patrmôno líqudo nvestdo em

3 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA um únco fundo de nvestmento (a checagem deste crtéro é feta medante análse das nformações contdas na últma composção, aberta por classe de atvos, da cartera dos fundos dsponível para consulta no ste da CVM, no da do rebalanceamento da cartera); IX. Com a fnaldade de evtar dupla contagem dos FIC FI seleconados no tem anteror, são excluídos aqueles em que o FI nvestdo estver elegível ao fm do tem VII. A checagem deste crtéro é feta medante análse das nformações contdas na últma composção, aberta por atvos, da cartera dos fundos dsponível para consulta no ste da CVM, no da do rebalanceamento da cartera; No caso dos FI que sofreram mudança de classfcação para FIC FI durante o últmo mês de valdade da cartera teórca, a analse será feta através do Prospecto ou Regulamento do Fundo, e, para que se torne elegível para compor a cartera teórca do IHFA, este documento deverá constar explctamente a obrgatoramente de aplcação de, no mínmo, 95% de seu patrmôno em cotas de um únco fundo de nvestmento; X. São excluídos, de acordo com classfcação dvulgada pela Anbma, os fundos multmercado dos tpos balanceados, captal protegdo e Multgestores ; XI. São retrados da cartera remanescente (tens anterores) os fundos cujo patrmôno líqudo médo no trmestre precedente à data de rebalanceamento do índce seja nferor ao valor da medana da amostra; XII. Por fm, da cartera remanescente (tem XI), são anda retrados da amostra os fundos cuja volatldade anualzada tomando-se por base a varabldade dos retornos dáros observados no trmestre precedente à data de rebalanceamento do índce seja nferor ao valor do 1º quartl da amostra. b. Defnção das quantdades teórcas de cotas dos componentes na cartera do índce Após a seleção dos fundos que rão compor a cartera teórca do IHFA, é feta a defnção das parcelas que cada fundo terá da cartera teórca no níco do seu período de valdade. Prmeramente, com o patrmôno líqudo de fechamento do da útl anteror ao rebalanceamento da cartera teórca de cada fundo, se obtém o percentual de partcpação ndvdual de cada um dos componentes na cartera. Em seguda, multplcase o valor do número-índce do da útl anteror à data de rebalanceamento da cartera teórca (no prmero período do cálculo da sére do IHFA, o valor base do índce é gual a pontos) pelos percentuas de partcpação ndvdual observados para cada fundo, defnndo, assm, o novo número de pontos que cada fundo deterá do índce. Em seguda, dvde-se o número de pontos no índce que cada fundo obteve anterormente pelo seu respectvo valor da cota no da útl anteror ao rebalanceamento da cartera teórca, defnndo-se, assm, a quantdade teórca de cotas que cada fundo terá durante o período de valdade da cartera do índce.

4 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 4. Cálculo dáro do índce O IHFA é encadeado segundo o método de Laspeyres (ponderando-se os valores das cotas dos seus componentes pelas quantdades teórcas do período-base). Assm, varações na composção da cartera teórca não geram mpactos na rentabldade do índce. Para se obter o resultado do índce, multplca-se a quantdade teórca de cotas (do período-base) de cada fundo pelos seus respectvos valores das cotas (na data de referênca), gerando-se assm o número de pontos no índce de cada fundo. O resultado obtdo na soma do número de pontos no índce de todos os seus componentes corresponde ao valor do número-índce. 5. Fontes de nformação As nformações utlzadas para a montagem das carteras teórcas e no cálculo dáro do índce são obtdas através de captura no web servce da CVM. Todas as nformações utlzadas são envadas à CVM pelos admnstradores dos fundos, conforme estabelecdo na Instrução CVM nº 409. No caso de ausênca de qualquer dado capturado no web servce da CVM relatvo a fundo que componha o índce, serão utlzados os dados dsponíves na opção Consulta Consoldada dos Fundos no ste da CVM ( caso esta nformação tenha sdo dsponblzada à Autarqua no período entre a elaboração do arquvo capturado e o cálculo do índce. Com o ntuto de se garantr a tempestvdade da dvulgação do índce, na mpossbldade de se capturar, na CVM, as nformações necessáras à apuração do IHFA, será utlzada a base de dados mantda pela ANBIMA. 6. Eventos que mpactam a composção da cartera teórca do Índce exclusão de fundos Embora a cartera teórca do IHFA tenha valdade trmestral, ela pode vr a sofrer alterações em sua composção ao longo do seu período de vgênca. A retrada de algum dos componentes da cartera pode ser causada pelas seguntes razões: a. O encerramento de um fundo; b. Alteração de alguma característca utlzada no processo de seleção de componentes da cartera tens 3.a de I a V, de manera que um fundo não atenda mas a algum dos requstos; c. Não dvulgação dos valores dáros de cotas por quatro das consecutvos. Na mesma data em que for observado algum desses eventos, serão efetuadas as exclusões necessáras. E, para a nova composção da cartera, são realzados ajustes nas quantdades teórcas dos seus ntegrantes. Para sso, dstrbu-se de forma ponderada, aos demas, a parcela que o fundo excluído detnha do número-índce na data anteror à reavalação da cartera.

5 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA A cartera alterada terá sua valdade mantda até o fm do período de vgênca orgnal ou a ocorrênca de outro evento que suscte um novo ajuste. 7. Eventos que geram nterferênca no cálculo dáro do índce O índce não sofrerá nenhum tpo de recálculo, à exceção daqueles relaconados a erros operaconas ou falhas humanas. A ausênca de nformações dáras de cotas de fundos ntegrantes da cartera teórca do índce será tolerada durante três das, repetndo, neste período, o valor da últma cota dsponível para o fundo. Após o restabelecmento do fluxo dáro de nformações de tas fundos, o resultado do índce para os das em que foram utlzadas cotas repetdas não será revsto. 8. Dvulgação O IHFA será dvulgado daramente, com defasagem de três das útes. 9. Exoneração de responsabldade A dvulgação do IHFA terá caráter meramente nformatvo, sendo sua utlzação optatva pelos agentes econômcos. A ANBIMA não se responsablza por eventuas danos ou prejuízos em que venha a ncorrer o usuáro pela utlzação do índce para quasquer fns, assumndo neste caso, o própro usuáro que dele fzer uso, ntegral e exclusva responsabldade. Apêndce 1 Cálculos utlzados na montagem da cartera teórca do IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1.1 Retornos dáros de cada fundo Var Cota D0 % D1 Cota Var% = Retorno dáro do fundo. - Cota D-0 = Cota do fundo em D-0. - Cota D-1 = Cota do fundo em D-1.

6 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1.2 Volatldade anualzada de cada fundo Vol. Anualz Var% Var% n Vol.Anualz = Volatldade anualzada do fundo - Var% = Retorno dáro do fundo. - Var% = Méda dos retornos dáros do fundo. - n = Número de das útes nos últmos 3 meses. 1.3 Número de pontos do índce de cada fundo N º Pontos. Índce PL PL TOTAL T 1 NI T 1 - NºPontos.Índce = Número de pontos do índce do fundo. - PL T-1 = Patrm. líqudo do fundo no da útl anteror do rebalanceamento da cartera. - PL T-1 TOTAL = Patrm. líqudo total no da útl anteror do rebalanceamento da cartera. - NI T-1 = Número-índce do IHFA no da útl anteror do rebalanceamento da cartera. 1.4 Quantdade teórca de cotas do índce de cada fundo Quant Teórca Nº Pontos. Índce. T 1 Cota - Quant.Teórca = Quantdade teórca de cotas do índce do fundo. - NºPontos.Índce = Número de pontos do índce do fundo. - Cota T-1 = Cota do fundo no da útl anteror do rebalanceamento da cartera.

7 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 2 Cálculos utlzados no cálculo dáro do IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 2.1 Número-índce do IHFA N º ÍndceIHFA D0 QuantTeórca. Cota - NºÍndceIHFA D-0 = Número-índce do IHFA em D-0. - Quant.Teórca = Quantdade teórca de cotas do índce do fundo. - Cota D-0 = Cota do fundo em D-0. Obs.: O resultado do número-índce será dvulgado com arredondamento na segunda casa decmal. D0 2.2 Varação dára do IHFA Var N º ÍndceIHFA N º ÍndceIHFA D0 D0 % IHFA D Var%IHFA D-0 = Varação dára do IHFA em D-0. - NºÍndceIHFA D-0 = Número-índce do IHFA em D-0. - NºÍndceIHFA D-1 = Número-índce do IHFA em D-1.

Metodologia IHFA. Índice de Hedge Funds ANBIMA. Versão Abril/2011

Metodologia IHFA. Índice de Hedge Funds ANBIMA. Versão Abril/2011 1 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl/2011 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge funds no Brasl, crado com o objetvo de

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Caderno de Indicadores

Caderno de Indicadores Caderno de Indcadores 1. Poltca da Qualdade 1. IQS - ndcador de qualfcação dos servdores 2. IPI - Indcador de Pontualdade das Informações 3. ICI - Indcador de completude das nformações atualzadas no "ste"

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA (Ofíco n. 077/2013-GDJAFS) PISO LAMINADO - CARPETE DE MADEIRA 1. DOOBJETO O presente Termo tem por objetvo a aqusção e nstalação de pso lamnado do tpo carpete de madera numa

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.193, de 2013;

CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.193, de 2013; CIRCULAR Nº 3.64, DE 4 DE MARÇO DE 203 Estabelece os procedmentos para o cálculo da parcela dos atvos ponderados pelo rsco (RWA) referente às exposções em ouro, em moeda estrangera e em atvos sujetos à

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI FIC DE FIM BTG PACTUAL HIGH YIELD CNPJ: 07.442.466/0001-96

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI FIC DE FIM BTG PACTUAL HIGH YIELD CNPJ: 07.442.466/0001-96 Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI FIC DE FIM BTG PACTUAL HIGH YIELD Informações referentes a novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

METODOLOGIA DO ÍNDICE DIVIDENDOS BM&FBOVESPA (IDIV)

METODOLOGIA DO ÍNDICE DIVIDENDOS BM&FBOVESPA (IDIV) METODOLOGIA DO ÍNDICE DIVIDENDOS 02/01/2018 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 TIPO DE ÍNDICE... 3 3 ATIVOS ELEGÍVEIS... 3 4 CRITÉRIOS DE INCLUSÃO... 3 5 CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO... 4 6 CRITÉRIO DE PONDERAÇÃO... 5

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE PLANO PM 60/60

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU PLANO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

Leia mais

Caderno de Fórmulas em Implementação. SWAP Alterações na curva Libor

Caderno de Fórmulas em Implementação. SWAP Alterações na curva Libor Caderno de Fórmulas em Implementação SWAP Alterações na curva Lbor Atualzado em: 15/12/217 Comuncado: 12/217 DN Homologação: - Versão: Mar/218 Índce 1 Atualzações... 2 2 Caderno de Fórmulas - SWAP... 3

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA PLANO PM 30/30 - MODALIDADE:

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da B3 Segmento BM&FBOVESPA. Ref.: Nova Metodologia do Índice Dividendos BM&FBOVESPA (IDIV).

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da B3 Segmento BM&FBOVESPA. Ref.: Nova Metodologia do Índice Dividendos BM&FBOVESPA (IDIV). 01 de novembro de 2017 069/2017-DP O F Í C I O C I R C U L A R Partcpantes dos Mercados da B3 Segmento BM&FBOVESPA Ref.: Nova Metodologa do Índce Dvdendos BM&FBOVESPA (IDIV). Concluída a fase de dscussão

Leia mais

I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO

I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO PU_TRADICIONAL_100MM_15M Condições Gerais I. INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CARDIF CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ Nº. : 11.467.788/0001-67 PRODUTO: PU_TRADICIONAL_100MM_15M MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM \1erra do guaraná" TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO A INTERNET VIA SATÉLITE ATRAVÉS DE LINK DEDICADO, QUE ENTRE SI FAZEM A CÂMRA MUNICIPAL DE MAUÉS E A EMPRESA C H M

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 71

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 71 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 71 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP 20 ANOS MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900585/2015-60

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Fnancera 007. Prof.: Luz Gonzaga Damasceno E-mals: amasceno04@yahoo.com.br amasceno@nterjato.com.br amasceno@hotmal.com 5. Taxa Over mensal equvalente. Para etermnar a rentablae por a útl one

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA

Leia mais

Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais EMPRESARIAL

Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais EMPRESARIAL Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais O IDEAL CAP Empresarial é um título de capitalização de pagamento mensal que ajuda você a guardar dinheiro para tirar os projetos do papel. Além disso,

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.635, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.635, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.635, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Estabelece os procedimentos para o cálculo da parcela dos ativos ponderados pelo risco (RWA) referente às exposições sujeitas à variação da taxa dos cupons de moedas

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Boa noite, Eduardo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Boa noite, Eduardo Page 1 of 8 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Boa noite, Eduardo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli FIC de FI Referenciado DI. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo, disponíveis

Leia mais

Laminectomia e liberação

Laminectomia e liberação TÉCNICA CIRÚRGICA Lamnectoma e lberação 1 Abordagem crúrgca do dsco A abordagem do espaço ntervertebral é executada após a dentfcação do nível relatvo ao ntensfcador de magem. A técnca crúrgca usada para

Leia mais

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da RESOLUCAO 3.506 Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO TÍTULO PADRÃO Pagamento Mensal versão nov04 PARÂMETROS DO TÍTULO PADRÃO PM

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO TÍTULO PADRÃO Pagamento Mensal versão nov04 PARÂMETROS DO TÍTULO PADRÃO PM PARÂMETROS DO TÍTULO PADRÃO PM Obs.: Indicamos que deverá ser mantida a numeração dos artigos prevista neste documento-padrão. A reordenção dos artigos, em função da não utilização de algum artigo, só

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Page 1 of 7 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são de exclusiva responsabilidade

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.922. Da Alocação dos Recursos e da Política de Investimentos. I - as disponibilidades oriundas das receitas correntes e de capital;

RESOLUÇÃO Nº 3.922. Da Alocação dos Recursos e da Política de Investimentos. I - as disponibilidades oriundas das receitas correntes e de capital; RESOLUÇÃO Nº 3.922 Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central do Brasil, na forma

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS POSTALCAP. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 PROCESSO SUSEP Nº: 15414.

CONDIÇÕES GERAIS POSTALCAP. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 PROCESSO SUSEP Nº: 15414. CONDIÇÕES GERAIS POSTALCAP I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 POSTALCAP MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.902353/2014-65

Leia mais

ANEXO V REMUNERAÇÃO DE INSTALAÇÕES AUTORIZADAS NA REDE BÁSICA E DEMAIS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO ANEXO DA NOTA TÉCNICA Nº 068/2006-SRT/ANEEL

ANEXO V REMUNERAÇÃO DE INSTALAÇÕES AUTORIZADAS NA REDE BÁSICA E DEMAIS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO ANEXO DA NOTA TÉCNICA Nº 068/2006-SRT/ANEEL ANEXO V Nota Técnca nº 065/2006-SRT/ANEEL Brasíla, 18 de Abrl de 2006 REMUNERAÇÃO DE INSTALAÇÕES AUTORIZADAS NA REDE BÁSICA E DEMAIS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO ANEXO DA NOTA TÉCNICA Nº 068/2006-SRT/ANEEL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.922. Da Alocação dos Recursos e da Política de Investimentos. I - as disponibilidades oriundas das receitas correntes e de capital;

RESOLUÇÃO Nº 3.922. Da Alocação dos Recursos e da Política de Investimentos. I - as disponibilidades oriundas das receitas correntes e de capital; RESOLUÇÃO Nº 3.922 Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central do Brasil, na forma

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.533 R E S O L V E U :

RESOLUÇÃO Nº 3.533 R E S O L V E U : RESOLUÇÃO Nº 3.533 Estabelece procedimentos para classificação, registro contábil e divulgação de operações de venda ou de transferência de ativos financeiros. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Pagamento Cota de sorteio % Cota de carregamento % Cota de Capitalização % 1º ao 3º 5,7736% 84,2264% 10,0000%

CONDIÇÕES GERAIS. Pagamento Cota de sorteio % Cota de carregamento % Cota de Capitalização % 1º ao 3º 5,7736% 84,2264% 10,0000% CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas Condições Gerais. Titular

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004.

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004 Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

1 Apresentação Rio de Janeiro Sede: São Paulo Dezembro 2009

1 Apresentação Rio de Janeiro Sede: São Paulo     Dezembro 2009 Abril 2011 1 Apresentação O expressivo crescimento da indústria de fundos de investimento no Brasil nos últimos anos, particularmente a partir da década de 90, favoreceu o surgimento de produtos com estratégias

Leia mais

METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO EFICIENTE (ICO2)

METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO EFICIENTE (ICO2) METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO Abrl/2015 [data] METODOLOGIA DO ÍNDICE CARBONO O ICO2 é o resultado de uma cartera teórca de atvos, elaborada de acordo com os crtéros estabelecdos nesta metodologa. Os índces

Leia mais

REGULARIZA. PROGRAMA DE INCENTIVO ÀREGULARIZAÇÃO FISCAL DE EMPRESAS NO ESTADO DE GOIÁS Lei 18.459/2014. Gerência de Recuperação de Créditos - GERC

REGULARIZA. PROGRAMA DE INCENTIVO ÀREGULARIZAÇÃO FISCAL DE EMPRESAS NO ESTADO DE GOIÁS Lei 18.459/2014. Gerência de Recuperação de Créditos - GERC REGULARIZA PROGRAMA DE INCENTIVO ÀREGULARIZAÇÃO FISCAL DE EMPRESAS NO ESTADO DE GOIÁS Lei 18.459/2014 Gerência de Recuperação de Créditos - GERC Conceitos Art. 1º PROGRAMA REGULARIZA : é constituído de

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GAP MULTIPORTIFOLIO FI MULTIMERCADO 03.804.917/0001 37 Informações referentes a 05/2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o GAP MULTIPORTFOLIO

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

PIC Condições Gerais. Cia Itaú de Capitalização I - OBJETIVO GLOSSÁRIO

PIC Condições Gerais. Cia Itaú de Capitalização I - OBJETIVO GLOSSÁRIO PIC Condições Gerais Cia Itaú de Capitalização GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas

Leia mais

Norma de Perfis de Investimento

Norma de Perfis de Investimento Gestão de Atendimento SEBE D.GA.17 1/6 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Dos Perfis de Investimento... 3 5. Regras Gerais... 4 6. Alocação das Contribuições... 5 7.

Leia mais

OUROCAP FIADOR SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL

OUROCAP FIADOR SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL OUROCAP FIADOR SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998.

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. Dispõe sobre a operação dos contratos previdenciários dos planos coletivos que tenham por finalidade a concessão de benefícios a pessoas físicas vinculadas

Leia mais

Art. 2º... Art. 2º... 4º Na hipótese de a ALQ intra ser inferior à ALQ inter, deverá ser aplicada a MVA ST original. (AC)

Art. 2º... Art. 2º... 4º Na hipótese de a ALQ intra ser inferior à ALQ inter, deverá ser aplicada a MVA ST original. (AC) Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF PORTARIA Nº 172, DE 19 DE AGOSTO DE 2013. Altera as Portarias nº 344, de 29 de outubro de 2004, 593, de 16 de agosto de 1994, e 365, de

Leia mais

BRASIL PLURAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA

BRASIL PLURAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO Brasil Plural Gestão de Recursos Ltda. Setembro de 2015 I. Definição e Finalidade 1. A presente Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 350, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 350, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 350, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre o modelo de regulação tarifária, do reajuste dos tetos das tarifas aeroportuárias e estabelece regras para arrecadação e recolhimento. A DIRETORIA

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCICO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS (POLÍTICA DE PROXY VOTING)

POLÍTICA DE EXERCÍCICO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS (POLÍTICA DE PROXY VOTING) Documento: Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais (Política de Proxy Voting) POLÍTICA DE EXERCÍCICO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS (POLÍTICA DE PROXY VOTING) A, doravante

Leia mais

Análise da Correlação entre a Taxa de Performance e o Desempenho de Fundos de Investimentos Multimercados

Análise da Correlação entre a Taxa de Performance e o Desempenho de Fundos de Investimentos Multimercados Análse da Correlação entre a Taxa de Performance e o Desempenho de Fundos de Investmentos Multmercados Wanderle Lma de Paulo, FEA/USP Professor de Atuára da FEA/USP Doutor em Engenhara pela Pol/USP wldepaulo@gmal.com

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009.

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre as ofertas públicas de valores mobiliários distribuídas com esforços restritos e a negociação desses valores mobiliários nos mercados regulamentados.

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS PETRA ASSET GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. Publicação 30/12/2015 - versão 001 Responsável: PETRA Asset Gestão de Investimentos Ltda. Documento - PÚBLICO

Leia mais

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1 Última atualização:30/09/2015 1 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetivo informar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos aplicados aos ativos: Certificado de Depósito Bancário

Leia mais

III - Início de Vigência Art. 3 - O Título entra em vigor na data do primeiro pagamento.

III - Início de Vigência Art. 3 - O Título entra em vigor na data do primeiro pagamento. Pé Quente Bradesco GP Ayrton Senna - Condições Gerais Plano PM 60/60 U GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Economia Análise de Dados e Probabilidade 2º Semestre 2008/2009 Exame Final 1ª Época. Grupo I (4 Valores)

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Economia Análise de Dados e Probabilidade 2º Semestre 2008/2009 Exame Final 1ª Época. Grupo I (4 Valores) UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Economa Análse de Dados e Probabldade º Semestre 008/009 Exame Fnal ª Época Clara Costa Duarte Data: 8/05/009 Graça Slva Duração: h0 Grupo I (4 Valores) A gelatara

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais ESTATÍSTICA. Professor Luiz Antonio de Carvalho

ESTATÍSTICA. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais ESTATÍSTICA. Professor Luiz Antonio de Carvalho PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Interos e Raconas APRESENTAÇÃO ROL:,,, 4, 4,,, DISCRETA : rrelva@globo.com PROGRESSÃO ARITMÉTICA CONTÍNUA PROGRESSÃO ARITMÉTICA DISTRIBUIÇÃO DE REQUÊCIAS

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Informações referentes a novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 00.832.424/0001-12 MENSAGEM DO ADMINISTRADOR Prezado Cotista, Este FUNDO, constituído sob a forma de condomínio

Leia mais

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito.

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito. Matemátca Fnancera Rendas Certas Prof. Benjamn Cesar Sére de Pagamentos Unforme e Peródca. Rendas Certas Anudades. É uma sequênca de n pagamentos de mesmo valor P, espaçados de um mesmo ntervalo de tempo

Leia mais

Ourocap Milênio. Processo SUSEP nº 10.004340/00-18 CONDIÇÕES GERAIS

Ourocap Milênio. Processo SUSEP nº 10.004340/00-18 CONDIÇÕES GERAIS Ourocap Milênio Processo SUSEP nº 10.004340/00-18 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Janeiro/2015 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 31.12.14 APLICAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2 PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2 Workshop Empréstimo de Ativos 31/08/2015 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende

Leia mais

Artigo 5º - A relação completa dos prestadores de serviços pode ser consultada no Formulário de Informações Complementares do FUNDO.

Artigo 5º - A relação completa dos prestadores de serviços pode ser consultada no Formulário de Informações Complementares do FUNDO. FUNDO Artigo 1º - O Fundo de Investimento em Ações CAIXA Brasil Ibovespa, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é um Fundo de Investimento constituído sob a forma de condomínio aberto, com prazo

Leia mais

Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008

Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008 INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - Portara Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL,

Leia mais

Metodologia dos Índices de Fundos Multimercados Elaborado pelo Risk Office

Metodologia dos Índices de Fundos Multimercados Elaborado pelo Risk Office Metodologia dos Índices de Fundos Multimercados Elaborado pelo Risk Office Revisão: Novembro/2011 Índices de Fundos Multimercados 2 1. Introdução Dada participação de fundos multimercados na indústria

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Base de cálculo do diferencial de alíquota EC87/2015 - MG

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Base de cálculo do diferencial de alíquota EC87/2015 - MG Segmentos Base 20/01/2016 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Orientação Tributária DOLT/SUTRI nº 002/2016... 6 4. Conclusão...

Leia mais

TERMO DE OPÇÃO AOS INSTITUTOS LEGAIS OBRIGATÓRIOS Dados do Participante: Nome: Matrícula: CPF: Patrocinadora: Admissão: Desligamento:

TERMO DE OPÇÃO AOS INSTITUTOS LEGAIS OBRIGATÓRIOS Dados do Participante: Nome: Matrícula: CPF: Patrocinadora: Admissão: Desligamento: TERMO DE OPÇÃO AOS INSTITUTOS LEGAIS OBRIGATÓRIOS Dados do Participante: Nome: Matrícula: CPF: Patrocinadora: Admissão: Desligamento: Endereço residencial (logradouro e bairro): Plano de Benefícios: Bunge

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Assunto Instrução CVM nº 409/04 Audiência Pública Manifestação ANBIMA Instrução CVM nº 555/14 Observações

Assunto Instrução CVM nº 409/04 Audiência Pública Manifestação ANBIMA Instrução CVM nº 555/14 Observações Assunto Instrução CVM nº 409/04 Audiência Pública Manifestação ANBIMA Instrução CVM nº 555/14 Observações Classe de Fundos Rebate Os Fundos eram divididos em sete classes: (i) Curto Prazo (ii) Referenciado

Leia mais

FAQ PAGAMENTO MENSAL POPULAR

FAQ PAGAMENTO MENSAL POPULAR POPULAR I. Como funciona o Pagamento Mensal? O OESTEMANIA CAP é um Título de Capitalização de Pagamento Mensal de meses, da Modalidade Popular, emitidos pela INVEST Capitalização S/A, inscrita no CNPJ

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS Agosto de 2012 A Exploritas Administração Financeira Ltda ( Gestora ), gestora de Fundos de Investimento

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE VARGINHA

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE VARGINHA VALOR (R$): 900.000,00 Nº / ANO: 067/2014 Data: 03/10/2014 Descrição da APLICAÇÃO Banco do Brasil S/A Agência: 00329 - Conta Corrente nº 92.000-2 Considerando que todas as movimentações de receita e despesas

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Safra Petrobras - Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de (Administrado pelo Banco Safra de Investimento S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 30 de Junho de 2007 e ao Período

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

CPC 13 - Adoção Inicial da Lei 11.638/07 e da Medida Provisória no. 449/08

CPC 13 - Adoção Inicial da Lei 11.638/07 e da Medida Provisória no. 449/08 O impacto da Lei nº 11638/07 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008 CPC 13 - Adoção Inicial da Lei 11.638/07 e da Medida Provisória no. 449/08 Palestrantes: Antônio Carlos Palácios Tadeu Cendón

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS GRADIUS GESTÃO DE CARTEIRAS DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS GRADIUS GESTÃO DE CARTEIRAS DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS GRADIUS GESTÃO DE CARTEIRAS DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de Direito

Leia mais

8 - Medidas Descritivas

8 - Medidas Descritivas 8 - Meddas Descrtvas 8. Introdução Ao descrevemos um conjunto de dados por meo de tabelas e gráfcos temos muto mas nformações sobre o comportamento de uma varável do que a própra sére orgnal de dados.

Leia mais