RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)"

Transcrição

1 RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA I. JUROS SIMPLES ) Elemetos de uma operação de Juros Smples: Captal (C); Motate (M); Juros (J); Taxa (); Tempo (). ) Relação etre Juros, Motate e Captal: J = M C ) Defção dos elemetos o Juro Bom e o Juro Rum : Juro Bom Ivestmeto C valor aplcado M saldo ao fm da aplcação J redmeto (= M C) Juro Rum compra a prazo empréstmo (etrada + parcela) C Valor à vsta com descoto etrada Valor emprestado adatameto Valor escrto a cota pagameto de cota (Celpe, codomío,...) M Valor da parcela Valor a ser pago ao fal do prazo Calculado pela fórmula dos juros smples. (Ele é o Captal mas os juros referetes ao tempo de atraso). J Juros (= M C) Juros (= M C) Valor cobrado pelo atraso No pagameto de uma cota, ode há multa por atraso, o total pago será gual a: total pago = valor escrto a cota + juros + multa 4) A atureza da taxa smples é de tal forma que, a cada período da aplcação, cdrá sempre sobre o valor do Captal Ical. 5) Sempre, e aqu ão exste ehuma exceção, que qusermos alterar a udade de uma taxa, o regme smples, utlzaremos o coceto de Taxas Proporcoas. 6) No Regme Smples, se a questão ver falado em Taxas Equvaletes, etederemos esse coceto como sômo de Taxas Proporcoas. 7) Fórmula dos Juros Smples C M 00 J Escolha duas coluas do deseho acma e mote uma das equações segutes: C J 00. ou C M ou J M. 00. Para aplcação da fórmula a udade de tempo do deve ser gual a do. Alás, essa cosderação é para todas as fórmulas que são usadas a Matemátca Facera. Lembre-se que em todo o Regme Smples usaremos a taxa a forma percetual (5%am =5; 0%a.m. = 0; 0,5%a.m. = 0,5). Quado as taxas de juros vararem ao logo dos períodos, o valor. da fórmula de juros smples será calculado da segute forma:. =

2 8) Juro Smples Comercal ou Ordáro Juro Comercal é aquele que cosdera que todos os meses do ao têm trta das (m = 0d). Portato, segudo essa mesma cosderação, o ao tero terá trezetos e sesseta das (a = 60d). Se a questão ada dsser sobre o tpo de Juros Smples, já fca subeteddo que estamos trabalhado com o Juros Smples Comercal. 9) Juro Smples Exato Trabalharemos com o tempo em das. Cotaremos os das coforme o osso caledáro covecoal (Ja = das, Fev = 8 das,...), ou seja, cosderado o ao com 65 das (ou 66, se bssexto). Trabalhado com o tempo em das, obvamete teremos que cosderar a taxa também dára. Para alterar o tempo da taxa de ao para da, dvde-se o valor da taxa por 65 (ou 66). Lembre-se, a hora de dvdr, que 65 é gual ao produto 5x7, sso mutas vezes smplfca os cálculos. 0) Cálculo do motate de uma sére de captas guas Exemplo: Cálculo do motate de 0 parcelas guas e cosecutvas, a data de 5 meses após a últma parcela. M meses 5 meses As dez parcelas podem ser substtuídas por um captal úco de valor gual a soma das parcelas e posto exatamete o cetro das parcelas M 4,5 meses 5 meses 9,5 meses Agora, aplca-se a fórmula de juros smples para se chegar ao resultado desejado. ) Prazo Médo (PM), Taxa Méda (IM) e Captal Médo (CM) PM IM C C C C C C C C C C C C CM C C C

3 II. DESCONTO SIMPLES ) Elemetos de uma Operação de Descoto: N = Valor omal, valor de face, valor futuro. (É o valor que está escrto o título e que sera pago (ou recebdo) a data de vecmeto do título.) A = Valor Atual, valor presete, valor de hoje, valor líqudo, valor descotado, valor pago, valor de resgate. (No caso da atecpação de um pagameto, o A é o valor que será pago; e o caso da atecpação de um valor a receber, o A é o valor recebdo.) D = descoto. (É a quata a ser abatda do Valor Nomal) = prazo de atecpação. (Número de períodos compreeddo etre a data de descoto e a data de vecmeto do título.) = taxa de descoto ) Relação etre valor omal, valor atual e descoto: D = N A ) Modaldades de Descoto Descoto Smples Racoal (Descoto Smples por Detro) N A 00 D Descoto Smples Comercal (Descoto Smples por Fora) N A 00-. D 00 4) Eucado Omsso quato à Modaldade do Descoto:. Se a questão de descoto falar expressamete sobre uma taxa de juros, etão estaremos date do Descoto Racoal, ou seja, do Descoto por Detro. Caso cotráro, se o eucado ada dspuser acerca da modaldade do Descoto, e também ão falar que a taxa da operação é uma taxa de juros, utlzaremos o Descoto por Fora. 5) Relação etre D fora e D detro D fora = D detro ( +./00) Ela os forece a relação etre o valor do Descoto Smples por Detro e o valor do Descoto Smples por Fora, matdos a mesma Taxa e o mesmo Tempo de atecpação. 6) Cálculo do Valor Nomal a partr dos dos descotos N = (D fora x D detro )/(D fora - D detro ) Esta fórmula é aplcável em questões cujos eucados forecem os valores dos descotos as duas modaldades, por detro e por fora, e solcta o valor Nomal do título. 7) Descoto Bacáro: O Descoto Bacáro será uma questão de Descoto por Fora, só que com um dado extra, que será uma taxa admstratva ou de servço. Além das fórmulas de descoto smples comercal, temos que usar as segutes relações adcoas: Descoto Bacáro (ou Descoto Total) = Despesas Bacáras + D fora valor líqudo = Valor Nomal Descoto Bacáro Ode: Despesas Bacáras = valor das despesas devdo às taxas admstratvas. D fora = descoto calculado pela aplcação da fórmula de descoto smples comercal.

4 8) Taxa de Descoto Smples por Detro x Taxa de Descoto Smples por Fora A fórmula que veremos abaxo os dará uma relação etre as taxas, que chamaremos d (taxa de descoto por detro) e f (taxa de descoto por fora). É a segute: f d Efm, esta fórmula será empregada em questões cujo eucado os forecer uma das duas taxas de descoto smples (taxa por detro ou taxa por fora) e solctar a outra, de modo que o valor do descoto permaeça o mesmo! 9) Taxa Efetva de Juros uma Operação de Descoto Smples: Se um eucado trouxer, para uma operação de descoto comercal, o valor da taxa de descoto smples por fora, e pedr que você calcule qual será a taxa efetva de juros daquela operação, etão, a verdade, o que ela quer é que você ecotre a taxa de descoto smples por detro! Daí, usaremos a fórmula apresetada acma. 0) Descoto smples de uma Sére de Títulos de mesmo Valor Nomal Exemplo: Cálculo do valor atual de 0 parcelas guas e cosecutvas, a data de 5 meses ates da prmera parcela. A meses 9 meses As dez parcelas podem ser substtuídas por um captal úco de valor gual à soma das parcelas e posto exatamete o cetro das parcelas ,00 A 5 meses 4,5 meses 9,5 meses Agora, aplca-se a fórmula de descoto smples (comercal ou racoal) a fm de obter o resultado desejado. ) Taxa Méda (IM) e Prazo Médo (PM) o Descoto Smples Comercal IM PM N N N N N N N N N N N N 4

5 III. EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS NO REGIME SIMPLES ) Idetfcação de uma questão de Equvalêca de Captas º tpo: Alteração a forma de pagameto (datas e quatdade de parcelas). º tpo: Valor Facado deve ser equvalete ao cojuto dos pagametos. º tpo: Quado for pedda a equvalêca etre captas ou cojuto de captas. ) Elemetos de uma Questão de Equvalêca de Captas Valores da Prmera Obrgação. Valores da Seguda Obrgação. Tempos das obrgações Taxa.de descoto (por detro ou por fora) Data Focal : é a data para ode as obrgações serão trasportadas. Quem defe esta data é o eucado. ) Passos para a Resolução Após colocar taxa e tempos a mesma udade, e descobrr o regme e a modaldade do Descoto. Proceda aos segutes passos: º Passo: separar os valores em dos cojutos. º Passo: desehar os valores ao logo do tempo. Nesse poto marque a Data Focal. º Passo: trasportar para a Data Focal os valores do prmero cojuto e depos os do segudo cojuto, usado a fórmula aproprada de acordo com a modaldade de descoto! 4º Passo: aplcar a Equação de Equvalêca: (º cojuto) DataFocal = (º cojuto) DataFocal IV. JUROS COMPOSTOS ) A taxa composta é de tal forma que, a cada período da aplcação, cdrá sempre sobre o Motate do período ateror. ) Equação Fudametal dos Juros Compostos: M = C ( + ) Para taxas de juros que varam ao logo dos períodos: M = C ( + ).( + ).....( + ) ) Da fórmula fudametal decorre: - Para obter o captal: M M = C ( + ) C ( ) - Para obter a taxa de juros (SEM USO DA TABELA FINANCEIRA): M = C ( + ) ( + ) = M / C M C - Para obter o tempo (SEM USO DA TABELA FINANCEIRA): M logm M = C ( + ) ( ) log = log M C C C log 4) Taxa Nomal Quado o tempo da taxa for dferete do tempo da captalzação, estaremos date de uma Taxa Nomal. 5) Taxa Efetva Nos regme composto, quado a taxa ão for omal, etão ela será efetva. É a taxa efetva que é usada as fórmulas do regme composto. 6) Trasformar uma Taxa Nomal em Taxa Efetva, Embora estado o Regme Composto, utlzaremos o coceto de Taxas Proporcoas! 7) Taxas Equvaletes: Taxa Equvalete é o coceto que usaremos, como regra geral, quado precsarmos alterar a udade de tempo de uma taxa efetva o regme composto! O coceto de taxa equvalete se traduz por uma fórmula, que é a segute: + I = ( + ) K (Fórmula do Izão) 5

6 8) Compatbldade etre as udades de tempo da taxa de juros e do período de aplcação do captal Não podemos jogar os dados do problema dretamete as fórmulas se, por exemplo, a taxa de juros compostos for = 4% a.a. e o captal estver aplcado durate = meses! Em casos assm, deveremos fazer duas tetatvas a fm de torar compatíves taxa composta e tempo, esta ordem: ª Tetatva) Recorremos ao tempo, e tetamos dexá-lo a mesma udade da taxa. Esta tetatva só terá êxto, se o tempo resultate da trasformação for um úmero atural, ou seja, um úmero tero! Isto porque, a fórmula de Juros Compostos, o tempo está o expoete! E ão temos como calcular a maora das vezes (a mão) potêcas de úmeros ão-teros! A ão ser que seja forecdo o eucado da questão o valor com expoete fracoáro. ª Tetatva) Se falhar ossa prmera tetatva, teremos etão que segur pelo camho mas logo, e alterarmos a udade da taxa composta, usado para sso o coceto de taxas equvaletes! 9) Coveção Lear Em questões de coveção lear devemos sempre trabalhar com o tempo da taxa de juros. E aplcaremos a segute fórmula: M = C. ( + ) INT. ( +.Q) Ode: M é o motate; C é o captal; é a taxa composta; INT é a parte tera do tempo ; Q é a parte quebrada do tempo. Temos que: <: (M JS = M CL ) > M JC =: M JS = M JC = M CL > e tero: (M CL = M JC ) > M JS > e ão tero: M CL > M JC > M JS 0) Taxa Aparete Versus Taxa Real Fórmula: ( + I APARENTE ) = ( + I REAL ).( + I INFLAÇÃO ) Relação: I APARENTE > I REAL + I INFLAÇÃO V. DESCONTO COMPOSTO ) Os elemetos do descoto composto são os mesmos do descoto smples: N, A, D, e. ) Relação básca: D = N A. ) Descoto Composto Na grade maora dos cocursos só se exge o descoto composto racoal (por detro). E a fórmula é a segute: N = A.( + ) VI. EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS NO REGIME COMPOSTO ) Dfereças etre Equvalêca Composta e Smples A equvalêca smples usa operações de descoto comercal ou racoal, depededo do eucado. Já a equvalêca composta usa-se somete operações de descoto composto racoal. Na equvalêca composta, o resultado fal ão depede da posção da data focal. Assm, podemos escolher a posção mas coveete para efetuar os cálculos. ) Passos para a Resolução: º Passo: separar os valores em dos cojutos. º Passo: desehar os valores ao logo do tempo. Nesse poto marque a Data Focal. º Passo: trasporte dos valores para a Data Focal e aplcação da Equação de Equvalêca Trasportar para a Data Focal os valores do prmero cojuto e depos os do segudo cojuto, usado a fórmula de descoto composto racoal (ou a fórmula fudametal dos juros compostos). A medda que se faz os trasportes dos valores, clua o resultado a Equação de Equvalêca: (º cojuto) DataFocal = (º cojuto) DataFocal 6

7 VII. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Deomamos reda certa ou audade à sucessão de valores P, P, P,... usados para costtur-se um captal ou para pagameto parcelado de uma dívda. Cada um dos valores P chama-se termo ou parcela. ) Classfcação das Redas Certas As redas podem ser classfcadas sob dversos aspectos:. Quato ao úmero de termos: reda temporára - o úmero de termos é fto. reda perpétua - o úmero de termos é fto.. Quato ao valor de cada termo: reda costate - os valores dos termos são todos guas. reda varável - os valores dos termos ão são todos guas.. Quato à perodcdade dos seus termos: reda peródca - quado os termos ocorrem a tervalos de tempos guas. reda ão-peródca - quado os termos ão ocorrem a tervalos de tempos guas. v. Quato à data do prmero termo: a) Imedatas (ou sem prazo de carêca): quado a data do prmero termo ocorrer o prmero período. ) Atecpadas: se a data do prmero termo ocorrer o íco do prmero período. ) Postecpadas: se a data do prmero termo ocorrer o fal do prmero período. b) Dferdas (ou com prazo de carêca): quado a data do prmero termo ocorrer o prmero período após a carêca. ) Atecpadas: se a data do prmero termo ocorrer o íco do prmero período após a carêca. ) Postecpadas: se a data do prmero termo ocorrer o fal do prmero período após a carêca. No caso das redas certas que são TEMPORÁRIAS, CONSTANTES e PERIÓDICAS serão apresetadas, adate, fórmulas para o cálculo do Motate e do Valor Atual. Quado o eucado de um problema ão dexar claro o tpo de reda em relação ao vecmeto do prmero termo, assumremos a reda como postecpada por tratar-se do tpo mas freqüete. ) Cálculo do Motate para uma Sére de Parcelas Iguas T = Motate parcelas de valor P Fórmula: T = P. s s é o fator de acumulação de uma sére de parcelas, que pode ser obtdo va tabela facera ou através da fórmula. Deveremos os lembrar que a data do resgate cocdrá, para efeto de utlzação da fórmula, com a data da últma aplcação! Caso a últma parcela ão cocda com o T, acrescetaremos parcelas fctícas e usaremos a segute fórmula de redas certas: T = P. (s total s fctícas ) 7

8 ) Cálculo do Valor Atual para uma Sére de Parcelas Iguas T = Valor Atual parcelas de valor P Fórmula: T = P. a a é o fator de valor atual de uma sére de parcelas, que pode ser obtdo va tabela facera ou através de uma das segutes fórmulas: ou. Caso a prmera parcela esteja dstate de mas de um período de T, etão acrescetaremos parcelas fctícas, e, desta forma, usaremos a segute fórmula: T = P. (a total a fctícas ). 8

9 VIII. AMORTIZAÇÃO. SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO Caracterza-se por apresetar prestações guas. E o deseho modelo para uso da fórmula é o segute: T = valor facado prestações de valor P Usaremos a fórmula do valor atual de parcelas guas, qual seja: T = P. a Devemo-os lembrar que a prmera parcela (prestação), para efetos de utlzação da fórmula, ocorrerá ao fal do prmero período após a data do valor T (a ser amortzado)! Caso a prmera parcela esteja dstate de mas de um período de T, acrescetaremos parcelas fctícas e usaremos a segute fórmula: T = P. (a total a fctícas )... Composção da Prestação Todas as prestações são compostas por duas partes: cota de amortzação e juro. Formado a segute relação: Prestação (P) = cota de amortzação (A) + juro (J).. No Sstema Fracês de Amortzação, temos que: - as prestações são guas. - os juros decrescetes ao logo do tempo; e - as cotas de amortzação crescem ao logo do tempo... O juro de uma determada prestação é calculado por: J = x (saldo devedor do período ateror) Daí: J = x SD 0 ; J = x SD ; J = x SD ; O saldo devedor, em uma determada data, é obtdo por meo do cálculo do valor atual das prestações que restam pagar. Lembre-se que o saldo devedor cal (SD 0 ) é sempre gual ao valor facado (T), e que o saldo devedor após pagar a últma prestação (SD ) é gual a zero..5. A cota de amortzação de determada prestação é sempre gual à dfereça etre o valor da prestação e o juro pago a mesma..6. O total de juros pago (a soma dos juros presetes em cada prestação) é obtdo pela dfereça etre a soma das prestações (.P) e o valor facado (T)..7. A soma das cotas de amortzação é gual ao valor facado (T). 9

10 . SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE SAC Para o Sstema de Amortzação Costate, o valor das parcelas em que o preço à vsta T será amortzado ão será costate! Neste sstema, o valor das prestações P rá decrescedo com o tempo! T P P J P J P 4 J J 4 A A A A 0 4 tempo Observemos que, cada uma das parcelas de amortzação P será composta por duas partes: uma, que é gual para todas as parcelas, que é a Cota de Amortzação (A), e a outra parte, que são os Juros (J) de cada prestação! Daí, surge ossa prmera fórmula: P k = A + J k - Cálculo da Cota de Amortzação: A É muto smples o cálculo da cota de amortzação. Usaremos o segute: A = T / Ode: T = valor da dívda, que deverá ser amortzado. = úmero de prestações de amortzação. - Cálculo dos Juros o SAC: Utlzaremos a segute fórmula, para calcular o Juro embutdo em uma prestação: J =. SD at Ode: = taxa composta, embutda a operação. SD at = Saldo Devedor ateror. Ora, se ossa questão quer saber J4, etão teríamos que: J 4 =. SD - Cálculo do Saldo Devedor: O saldo devedor em uma certa data é a soma das cotas de amortzação das prestações que ada ão foram pagas. Utlzaremos a segute fórmula, para calcular o Saldo Devedor após o pagameto de uma determada prestação: SD K = ( k). A Ode: = úmero total de prestações. A = Cota de amortzação. Daí, se desejamos ecotrar SD, é porque ada falta pagar (-) cotas de amortzação, assm, teremos que: SD = ( ). A - Cálculo dos Juros Totas o SAC: Outro tpo de dado que podera ser solctado pela questão ateror é o valor do somatóro dos juros de todas as prestações, ou seja, os juros totas pagos esta operação de amortzação. J T =. A. ( ) 0

11 . SISTEMA AMERICANO DE AMORTIZAÇÃO - SAA Estpula que o prcpal é pago em uma só parcela, ao fal do período cotratado. Portato exste sempre uma carêca. Os juros são pagos em parcelas peródcas. Exemplo: Dados: prcpal (T) : R$.000,00 taxa de juros (): % ao mês prazo do empréstmo : 6 meses Períodos (meses) Parcela de amortzação (R$) Juros pagos (R$) Prestação (R$) 0 0,00 0,00 0,00.000,00 0,00 %x000 = 60,00 60,00.000,00 0,00 %x000 = 60,00 60,00.000,00 0,00 %x000 = 60,00 60,00.000,00 4 0,00 %x000 = 60,00 60,00.000,00 5 0,00 %x000 = 60,00 60,00.000, ,00 %x000 = 60,00 060,00 0,00 Saldo devedor após o pagameto da prestação (R$) - Observações: T Valor do prcpal ) Como em qualquer sstema de amortzação o juro em um dado período é calculado sobre o saldo devedor do período ateror (SD at ), e é dado pela fórmula J k = x SD at. No SAA, temos que em cada período somete é pago os juros e ão a cota de amortzação, daí o saldo devedor a cada período ão se reduz e possu valor gual ao do prcpal (T). Portato, a fórmula do cálculo dos juros é smplfcada para: J = x T. ) Se tvermos o valor dos juros que é pago a cada período e o valor do prcpal, etão podemos obter a taxa de juros usado a fórmula = J / T. Tem aparecdo freqüetemete as provas da ESAF questões relacoadas com a captação de recursos por meo do laçameto de uma certa quatdade de bôus o mercado teracoal. Para resolver este tpo de questão utlzamos a fórmula do Valor Atual para uma sére de pagametos. Etretato, quado o eucado da questão é solctada a taxa de juros da operação, tora-se bastate trabalhosa a obteção desta taxa utlzado somete a fórmula do Valor Atual, pos devem ser testadas váras taxas para se chegar à solução da questão. Assm, utlzaremos algus prcípos do sstema amercao de amortzação (SAA) a fm de aglzar a solução. Nas questões de laçameto de bôus os segutes elemetos estão presetes: ) Valor de laçameto do bôus (A) valor de veda do bôus o mercado teracoal para captação de recursos. ) Valor omal do bôus (N) valor pago juto com o últmo cupom. ) Cupos (J) parcelas peródcas pagas para quem comprou os bôus. 4) Taxa de juros da operação () taxa de empréstmo (do poto de vsta do país que captou os recursos) ou taxa de aplcação (do poto de vsta de quem emprestou os recursos). Esquema das questões de laçameto de bôus : A J J J J J J T Valor do prcpal Valor de laçameto do Bôus (ou Valor Atual) J J J J J J N Valor Nomal do Bôus

12 Observe que este tpo de questão se assemelha, quato à forma de pagameto do empréstmo, ao Sstema Amercao de Amortzação (SAA). Por meo de algus exemplos mostraremos como pode ser útl o SAA. Vamos calcular as taxas de juros em cada uma das operações abaxo: Ex. :.000 Valor de laçameto do Bôus (ou Valor Atual) Pelos dados temos que o valor de laçameto do bôus é gual ao valor omal do bôus, ou seja, o deságo etre estes dos valores é zero. Em coseqüêca, a operação acma está dêtca ao SAA, portato a taxa de juros desta operação pode ser calculada pela fórmula: = J / T. Assm obtemos: = 60 / 000 = / 00 = % a.m. Ex. : Valor Nomal do Bôus Valor de laçameto do Bôus (ou Valor Atual) Pelos dados temos que o valor de laçameto do bôus é maor que o valor omal do bôus, ou seja, houve um ágo o laçameto dos bôus. Agora, a operação acma somete se assemelha ao SAA. A taxa de juros ão pode ser obtda pela fórmula: = J / T, mas esta pode delmtar o valor da taxa, e assm, elma-se algumas alteratvas de resposta da questão. Em vez da fórmula: = J / T, utlzaremos as questões de laçameto de bôus uma fórmula semelhate dada por: = J / N, em que N é o valor omal do bôus que geralmete é forecdo como dado da questão. Usado a fórmula: = J / N, temos: = 60 / 000 = / 00 = % a.m. Como o valor de laçameto é maor que o valor omal, etão a taxa de juros da operação será meor que % a.m. Assm, elmaremos as alteratvas da questão que tverem como taxas valores maores ou guas a %. Nesta questão 07 da lsta obteremos a taxa de 6% ao aplcar a fórmula = J / N, desta forma somete as alteratvas a e b podem ser respostas da questão, e depos ao se testar somete uma destas taxas descobrremos qual é a alteratva correta..000 Valor Nomal do Bôus Ex. :.900 Valor de laçameto do Bôus (ou Valor Atual) Pelos dados temos que o valor de laçameto do bôus é meor que o valor omal do bôus, ou seja, houve um deságo o laçameto dos bôus. Como o exemplo ateror, a operação acma somete se assemelha ao SAA. A taxa de juros ão pode ser obtda pela fórmula: = J / N, mas esta pode delmtar o valor da taxa e, assm, elma-se algumas alteratvas da questão. Usado a fórmula: = 60 / 000 = / 00 = % a.m. Como o valor de laçameto é meor que o valor omal, etão a taxa de juros da operação será maor que % a.m. Assm, elmaremos as alteratvas da questão que tverem como taxas valores meores ou guas a %..000 Valor Nomal do Bôus

13 RESUMO DOS FATORES DAS TABELAS FINANCEIRAS: º) FATOR DE ACUMULAÇÃO DE CAPITAL: ( ) º) FATOR DE ATUALIZAÇÃO DE CAPITAL: FAC (,) = ( ) º) FATOR DE VALOR ATUAL DE UMA SÉRIE DE PARCELAS IGUAIS: a ( ).( ) 4º) FATOR DE ACUMULAÇÃO DE CAPITAL DE UMA SÉRIE DE PARCELAS IGUAIS: ( ) s 5º) FATOR DE RECUPERAÇÃO DE CAPITAL DE UMA SÉRIE DE PARCELAS IGUAIS: FRC (,) = a

14 a ( ) TABELA I FATOR DE ACUMULAÇÃO DE CAPITAL % % % 4% 5% 6% 7% 8% 9% 0% % 5% 8%,00000,00000,00000,040000,050000,060000,070000,080000,090000,00000,0000,50000,80000,0000,040400,060900,08600,0500,600,44900,66400,8800,0000,54400,500,9400,000,0608,0977,4864,5765,906,504,597,9509,000,40498,50875,640 4,040604,084,5508,69858,5506,6476,0796,60488,458,46400,5759,749006, ,0500,0408,5974,665,768,85,4055,4699,5864,6050,764,057, ,0650,66,9405,659,40095,4859,50070,586874,67700,7756,978,06, ,075,48685,987,59,40700,5060,60578,784,8809,94877,068,66000, ,08856,7659,66770,68569,477455,59848,7886,85090,9956,4588,47596,0590, ,09685,9509,0477,4,558,689478,88459,999004,789,57947,77078, , ,046,8994,496,48044,68894,790847,9675,5895,676,5974, , ,85,5668,474,84,59454,709,89898,0485,69,58046,856, ,659 6,7596,685,684,45760,600,795856,096,59,5870,8665,848, ,5050 7,8759,809,9606,4685,66507,885649,98,409845,796,065804,457 4,649 6,5787 8, ,49474,9479,5589,7676,9799,6090,57854,979,477, ,887 7, ,4744 5,60969,45868,557967,80094,07898,96558,7590,769,6448 4,7748 5, ,706, ,7578,7786,604706,8798,8874,5405,9564,4594, , ,09 9,576 4,90 7,8404,4004,65847,947900,908,6977,5885, ,76 5, , ,7664 6,6746 8,9647,4846,704,0586,40669,8549,799, ,770 5, ,689966,7545 9,675 TABELA II FATOR DE VALOR ATUAL DE UMA SÉRIE DE PAGAMENTOS IGUAIS ( ) a.( ) % % % 4% 5% 6% 7% 8% 9% 0% % 5% 8% 0, ,9809 0, ,9658 0,958 0,9496 0, ,9596 0,974 0, , , ,847457,97095,9456,9469,886094,85940,89,80808,7865,759,7557,69005,65709,56564,940985,8888,886,77509,748,670,646,577097,595,48685,408,85,747 4,09965,80778,77098,69895,54595,46505,87,7,970,69865,0749,854978, ,854 4,7459 4, ,458 4,9476 4,64 4,0097,9970,88965,790787,604776,555,77 6 5, ,604 5,479 5,47 5, ,974 4, ,6879 4, ,556 4,407,78448, ,7894 6,4799 6,08 6, ,7867 5,588 5,8989 5,0670 5,095 4, , ,6040, , ,548 7,0969 6,7745 6,46 6, ,9798 5, ,5489 5,496 4, ,487 4, , ,67 7, ,45 7,078 6,8069 6,55 6, , , ,850 4, ,00 0 9,4704 8, ,500 8,0896 7,775 7, ,058 6,7008 6, , ,650 5, , ,6768 9, ,564 8, ,0644 7, , ,8964 6, , , ,7 4,656005, ,5754 9, , ,865 8,8844 7, , ,6075 6,869 6,9474 5,4069 4,795,740,4874 0, , ,957 8,8568 8, , , ,056 6,4548 5,5847 4,9095 4,0070,0649,9607 0,56 9, , , ,447 7, , ,6868 5, , ,86505,8496,9795,887 0, ,749 9,0794 8, , , , , , ,77874,577709,560,6595 0, , , ,8569 8,558 7,8708 6, ,9545 5, ,565 4,987,668,65669, , ,76 9,68 8,546 8,055 7,960 6,0476 5,4 8 6,9868 4,990,755,65997, , , ,7887 8, ,04 7, ,7966 5,764 TABELA III FATOR DE ACUMULAÇÃO DE CAPITAL DE UMA SÉRIE DE PAGAMENTOS IGUAIS s ( ) % % % 4% 5% 6% 7% 8% 9% 0% % 5% 8%,000000,000000,000000,000000,000000,000000,000000,000000,000000,000000,000000,000000,000000,00000,00000,00000,040000,050000,060000,070000,080000,090000,00000,0000,50000,80000,0000,060400,090900,600,5500,8600,4900,46400,7800,0000,74400,47500, , ,608 4,867 4, ,05 4,7466 4,4994 4,506 4,579 4, ,7798 4,9975 5,54 5 5,0005 5, ,096 5,46 5,556 5,6709 5, , , ,0500 6,5847 6,748 7, ,505 6,08 6, ,6975 6,809 6,9758 7,59 7,599 7,54 7,7560 8,589 8,7578 9, ,55 7,448 7,6646 7, ,4008 8,987 8,6540 8,980 9,0044 9,4877 0,0890,066799,45 8 8, , ,896 9,46 9, , ,5980 0,6667,08474,45888,9969,7689 5, ,6857 9, ,5906 0,58795,06564,496,977989,487558,006, , , , ,46 0,9497,46879,00607,57789,80795, , ,990 5,9744 7, ,078,508,56684,6875,807795,4865 4, ,9764 5, , ,5609 8,567 0, ,4976 8,75544,6850,4090 4,909 5, ,976 6, , ,9776 0,4070,8484 4, 9, ,9070,8098 4,680 5, ,6687 7,798 8,887 0,4064,49596,9584 4,57 8,0909 4,597 4, ,9474 5,9798 7,0864 8,99 9,5986,0880, ,490 6,0989 7,97498,960 40, , , ,947 8, ,0587,57856, ,90 7,54 9,6096,7748 7, , , , ,6985 0,5688,845, ,6758 7, ,48,0098 5, , ,7747 7, ,4044 0,007,76588,6975 5, ,880 0,8407,7505 6, , , , , ,64747,4,4445 5,6454 8,84 0,90565, , ,08 45, , ,8657 0,7408 4

15 Tabela IV - FATOR DE ATUALIZAÇÃO DE CAPITAL ( ) % % % 4% 5% 6% 7% 8% 9% 0% 0,9900 0,9809 0, ,9654 0,958 0,9440 0,9458 0,959 0,974 0, ,9800 0,967 0,9460 0,9456 0,9070 0, ,8744 0,8574 0,8468 0,8645 0, ,94 0,954 0, ,8684 0,896 0,860 0,798 0,778 0,75 4 0, ,985 0, , ,870 0,7909 0,7690 0,750 0,7084 0, ,9547 0,9057 0,865 0,89 0,785 0,7476 0,799 0, ,6499 0, ,9405 0, ,8748 0,790 0,746 0, ,6664 0,607 0,5967 0, ,97 0, ,809 0,7599 0,7068 0, ,675 0,5549 0,5470 0,56 8 0,948 0,8549 0,7894 0,7069 0, ,674 0,580 0,5407 0,5087 0, ,944 0,8676 0,7664 0,7059 0,6446 0,5990 0,549 0,5005 0,4604 0, ,9059 0,805 0, , ,69 0,5589 0,5085 0,469 0,44 0,8554 0,896 0,8046 0,74 0, , ,5679 0, ,4888 0,875 0,5049 0, , ,708 0,6460 0, , ,4440 0,97 0,555 0,86 0, ,770 0, , ,50 0, ,4496 0,6770 0,68 0, , , ,66 0, , ,440 0,878 0,4046 0,995 0,6 5 0,865 0,740 0,6486 0,5556 0,480 0,477 0,645 0,54 0,7454 0,99 6 0,858 0,7845 0,67 0,59 0,458 0,965 0,87 0,989 0,587 0,76 7 0,8448 0,746 0,6050 0,57 0,460 0,76 0,657 0,707 0,07 0, ,860 0,7006 0,5879 0,496 0,455 0,504 0,9586 0,505 0,99 0, ,8774 0,6864 0,5709 0, ,957 0,05 0,765 0,7 0,9449 0,65 0 0,8954 0,6797 0,5568 0,4569 0,7689 0,80 0,584 0,455 0,784 0,4864 0,84 0, ,5755 0,488 0,5894 0,946 0,45 0,9866 0,670 0,5 0,8040 0, ,589 0,496 0,485 0,775 0,57 0,894 0,508 0,85 0, ,646 0, ,4057 0,557 0,680 0,095 0,70 0,77 0,68 4 0, ,67 0,499 0,90 0,007 0,4698 0,975 0,5770 0,640 0,05 5 0, ,6095 0,4776 0,75 0,950 0,00 0,845 0,460 0,597 0, ,7705 0, ,4669 0,6069 0,84 0,98 0,70 0,50 0,069 0, , , ,4509 0,468 0,6785 0,077 0,609 0,59 0,0976 0, , ,5747 0,4708 0,48 0,5509 0,956 0,5040 0,59 0, , ,7494 0,56 0,445 0,065 0,495 0,8456 0,4056 0,07 0,085 0, ,749 0,5507 0,499 0,08 0,8 0,74 0,7 0,0995 0,0757 0,057 0,7458 0,545 0,9999 0,9646 0,06 0,645 0,77 0,090 0,0695 0,050 0,770 0,506 0,884 0,8506 0,0987 0,5496 0,474 0,0850 0,0644 0,0476 0,700 0,50 0,770 0,7409 0,9987 0,469 0,07 0, ,0580 0, ,797 0,500 0,6604 0,655 0,905 0,79 0,00 0,0705 0,059 0, ,7059 0,5000 0,558 0,54 0,89 0,0 0,0966 0,0676 0, ,0558 Tabela V - FATOR DE RECUPERAÇÃO DE CAPITAL DE UMA SÉRIE DE PAGAMENTOS IGUAIS (É o verso do fator de valor atual de uma sére de pagametos guas, ou seja: % % 0% %,000,000,000,00 0,550 0,56 0,576 0,597 0,468 0,55 0,40 0,46 4 0,66 0,690 0,55 0,9 5 0, 0,84 0,68 0, ,785 0,846 0,96 0,4 7 0,545 0,605 0,054 0,9 8 0,65 0,45 0,874 0,0 9 0,5 0,84 0,76 0, , 0,7 0,67 0,770 0,0 0,08 0,540 0,684 0,0946 0,005 0,468 0,64 0,088 0,0940 0,408 0, ,086 0,0885 0,57 0, ,0778 0,088 0,5 0, ,077 0,0796 0,78 0,44 7 0,0700 0,0760 0,47 0, ,0667 0,077 0,9 0,79 9 0,068 0,0698 0,95 0,58 0 0,06 0,067 0,75 0,9 ) a 5

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Facera 2007.1 Prof.: Luz Gozaga Damasceo 1 E-mals: damasceo1204@yahoo.com.br damasceo@terjato.com.br damasceo12@hotmal.com http://www. damasceo.fo www. damasceo.fo damasceo.fo Obs.: (1 Quado

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

Capítulo 1 PORCENTAGEM

Capítulo 1 PORCENTAGEM Professor Joselas Satos da Slva Matemátca Facera Capítulo PORCETAGEM. PORCETAGEM A porcetagem ada mas é do que uma otação ( % ) usada para represetar uma parte de cem partes. Isto é, 20% lê-se 20 por ceto,

Leia mais

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL CÁLCULOS DE FINANÇAS MATEMÁTICA FINANCEIRA Semestre: A/2008 PROFESSOR: IRANI LASSEN CURSO: ALUNO: SUMÁRIO CÁLCULOS DE FINANÇAS INTRODUÇÃO...3. OBJETIVO:...3.2 FLUXO DE CAIXA...4.3

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária.

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária. 1 UTOR: Emeta Luz Herque M da Slva 1 Defções de razão e proporção, propredades; Graduado em Matemátca e habltado em ísca pelo UNIEB 2 Gradezas dretamete proporcoas e versamete proporcoas, Regra de três;

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

1.1 Apresentação. do capítulo

1.1 Apresentação. do capítulo apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A Matemátca Facera trata da comparação de valores moetáros que estão dspersos ao logoo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas

Leia mais

Capitulo 8 Resolução de Exercícios

Capitulo 8 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Peródcas, Crescetes e Postecpadas, com Termos em P. A. G 1 1 1 1 G SPAC R R s s 1 1 1 1 1 G G C R a R a 1 1 PAC Audades Gradetes Postecpadas S GP G 1 1 ; C GP G 1 1 1 Audades Gradetes

Leia mais

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição:

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição: 6// IV. Juros: taxa efetva, equvalete e proporcoal Matemátca Facera Aplcada ao Mercado Facero e de Captas Professor Roaldo Távora IV. Taxa efetva Defção: É a taxa de juros em que a udade referecal de seu

Leia mais

15/03/2012. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações

15/03/2012. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações Itrodução.1 Juros Smples Juro: recompesa pelo sacrfíco de poupar o presete, postergado o cosumo para o futuro Maora das taxas de uros aplcadas o mercado facero são referecadas pelo crtéro smples Determa

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9 Coteúdo IND 5 Iferêca Estatístca Aula 9 Outubro 2004 Môca Barros Dfereça etre Probabldade e Estatístca Amostra Aleatóra Objetvos da Estatístca Dstrbução Amostral Estmação Potual Estmação Bayesaa Clássca

Leia mais

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva LEASING UMA OBSERVAÇÃO Ecoomsta Atoo Perera da Slva AMOR POR DINHEIRO TITÃS Composção: Sérgo Brtto e To Bellotto Acma dos homes, a le E acma da le dos homes A le de Deus Acma dos homes, o céu E acma do

Leia mais

Perguntas Freqüentes - Bandeiras

Perguntas Freqüentes - Bandeiras Pergutas Freqüetes - Baderas Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada

Leia mais

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico Capítulo : Erros em cálculo umérco. Itrodução Um método umérco é um método ão aalítco, que tem como objectvo determar um ou mas valores umércos, que são soluções de um certo problema. Ao cotráro das metodologas

Leia mais

Capítulo 1 Matemática Financeira

Capítulo 1 Matemática Financeira apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A matemátca facera trata da comparação de valores moetáros ao logo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas de vestmeto e

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Í N D I C E. Séries de Pagamentos ou Rendas Renda Imediata ou Postecipada Renda Antecipada Renda Diferida...

Í N D I C E. Séries de Pagamentos ou Rendas Renda Imediata ou Postecipada Renda Antecipada Renda Diferida... Curso: Pós-graduação / MBA Campus Vrtual Cruzero do Sul - 2009 Professor Resposável: Carlos Herque de Jesus Costa Professores Coteudstas: Carlos Herque e Douglas Madaj UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL Cohecedo

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1)Um vestdor aplcou R$6,, gerado uma remueração de R$3, ao fal de um período de um ao (36 das). Calcular a taxa de juros paga a operação. = J/ = 3/6 =, ou % ou 63 = 6 (1+ 1) 63 = 6 + 6 63 6 = 6 3 = 6 =

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Grupo C - º semestre de 004 Exercíco 0 (3,5 potos) Uma pesqusa com usuáros de trasporte coletvo a cdade de São Paulo dagou sobre os dferetes tpos usados as suas locomoções dáras. Detre ôbus, metrô e trem,

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

Capitulo 1 Resolução de Exercícios

Capitulo 1 Resolução de Exercícios S C J S C J J C FORMULÁRIO Regme de Juros Smples 1 1 S C 1 C S 1 1.8 Exercícos Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplcação de R$ 0.000,00 aplcados por um prazo de meses, à uma taxa de 2% a.m, os regmes

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

( Sistema Francês de Amortização )

( Sistema Francês de Amortização ) NA PRÁTICA A TEORIA É A MESMA ( Sstema Fracês de Amortzação ) Em um Cogresso, um Grupo de Professores e Autores composto por Admstradores, Ecoomstas, Cotadores e, todos Pertos Judcas, apresetam os segutes

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera http://www2.uemat.br/eugeo SÉRIE DE PAGAMENTOS 1. NOÇÕES SOBRE FLUXO DE CAIXA Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo

Leia mais

Curso de An lise de Fluxo de Caixa

Curso de An lise de Fluxo de Caixa Curso de A lse de Fluxo de Caxa SUMÁRIO PROGRESSÕES... 0. FÓRMULAS BÁSICAS... 0.. Progressões artmétcas... 0..2 Progressões geométrcas... 02.2 EXERCÍCIOS SUGERIDOS... 02 2 CONCEITOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA...

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

TT.405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Material Didático - 2008 Prof. Lúcia R. A. Montanhini

TT.405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Material Didático - 2008 Prof. Lúcia R. A. Montanhini INTRODUÇÃO TT405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Materal Ddátco - 2008 Prof Lúca R A Motah INTRODUÇÃO 2 INDICE INTRODUÇÃO 7 2 O CONCEITO E ORIGEM DA ENGENHARIA ECONÔMICA 8 3 MATEMÁTICA FINANCEIRA 9 3 CONCEITOS

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Perguntas freqüentes Credenciadores

Perguntas freqüentes Credenciadores Pergutas freqüetes Credecadores Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte pelo facameto da compra pelo emssor?

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Aálse de Regressão Prof. Paulo Rcardo B. Gumarães. Itrodução Os modelos de regressão são largamete utlzados em dversas áreas do cohecmeto, tas como: computação, admstração, egeharas, bologa, agrooma, saúde,

Leia mais

Matemática Financeira e Suas Aplicações Alexandre Assaf Neto 8ª Edição Capítulo 1 Conceitos Gerais e Juros Simples

Matemática Financeira e Suas Aplicações Alexandre Assaf Neto 8ª Edição Capítulo 1 Conceitos Gerais e Juros Simples Matemátca Facera e Suas Aplcações Aleadre Assaf Neto 8ª Edção Resolução dos Eercícos Propostos Capítulo Cocetos Geras e Juros Smples ),44 a), ou,% a.m.,68 b), 7 ou,7% a.m. 4,4 c), 9 ou,9% a.m. 6,4 d),

Leia mais

( ) Editora Ferreira - Toque de Mestre. Olá Amigos!

( ) Editora Ferreira - Toque de Mestre. Olá Amigos! Olá Amgos! Hoje coloco à dsposção de vocês aqu a seção Toque de Mestre da Edtora Ferrera (www.edtoraferrera.com.br) as questões de Matemátca Facera cobradas o últmo cocurso da axa Ecoômca Federal (EF),

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito.

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito. Matemátca Fnancera Rendas Certas Prof. Benjamn Cesar Sére de Pagamentos Unforme e Peródca. Rendas Certas Anudades. É uma sequênca de n pagamentos de mesmo valor P, espaçados de um mesmo ntervalo de tempo

Leia mais

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística BAC 0 - Estatístca Uversdade Federal de Itajubá - Campus Itabra BAC0 - ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA MEDIDAS DE CENTRO Méda Medda de cetro ecotrada pela somatóra de todos os valores de um cojuto,

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12 MEDIDAS DE POSIÇÃO: São meddas que possbltam represetar resumdamete um cojuto de dados relatvos à observação de um determado feômeo, pos oretam quato à posção da dstrbução o exo dos, permtdo a comparação

Leia mais

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo C:\Documets ad Settgs\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_EF_44\ef44_PDF\CAP XIV_IFCOTIUO.doc 6 Motorameto ou Ivetáro Florestal Cotíuo Agosto Lopes de Souza. ITRODUÇÃO Parcelas permaetes de vetáro florestal cotíuo

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados a Contabilidade

Métodos Quantitativos Aplicados a Contabilidade Isttuto de Pesqusas e Estudos Cotábes MBA GESTÃO CONTÁBIL DE EMPRESAS INTEGRADA À CONTABILIDADE INTERNACIONAL Métodos Quattatvos Aplcados a Cotabldade Professor Reato Ragel Felpe Noroha Sumáro. Itrodução...

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre Uma Calculadora Facera usado métos umércos e software lvre Jorge edraza Arpas, Julao Sott, Depto de Cêcas e Egeharas, Uversdade Regoal ItegradaI, URI 98400-000-, Frederco Westphale, RS Resumo.- Neste trabalho

Leia mais

Ensaios Econômicos. Amortização de Dívidas e Prestações Constantes: Uma Análise Crítica. Outubro de 2013. Escola de. Pós-Graduação.

Ensaios Econômicos. Amortização de Dívidas e Prestações Constantes: Uma Análise Crítica. Outubro de 2013. Escola de. Pós-Graduação. Esaos Ecoômcos Escola de ós-graduação em Ecooma da Fudação Getulo Vargas N 746 ISSN 004-890 Amortzação de Dívdas e restações Costates: Uma Aálse Crítca Clovs de Faro Outubro de 203 URL: http://hdl.hadle.et/0438/232

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Podemos dvdr a Estatístca em duas áreas: estatístca dutva (ferêca estatístca) e estatístca descrtva. Estatístca Idutva: (Iferêca Estatístca)

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria Avalação da seguraça dâmca de sstemas de eerga elétrca: Teora. Itrodução A avalação da seguraça dâmca é realzada através de estudos de establdade trastóra. Nesses estudos, aalsa-se o comportameto dos geradores

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA

Unidade II ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA Udade II 3 MEDIDAS OU PARÂMETROS ESTATÍSTICOS 1 O estudo que fzemos aterormete dz respeto ao agrupameto de dados coletados e à represetação gráfca de algus deles. Cumpre agora estudarmos as

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

Projeto de rede na cadeia de suprimentos

Projeto de rede na cadeia de suprimentos Projeto de rede a cadea de suprmetos Prof. Ph.D. Cláudo F. Rosso Egehara Logístca II Esboço O papel do projeto de rede a cadea de suprmetos Fatores que fluecam decsões de projeto de rede Modelo para decsões

Leia mais

Oitava Lista de Exercícios

Oitava Lista de Exercícios Uversdade Federal Rural de Perambuco Dscpla: Matemátca Dscreta I Professor: Pablo Azevedo Sampao Semestre: 07 Otava Lsta de Exercícos Lsta sobre defções dutvas (recursvas) e prova por dução Esta lsta fo

Leia mais

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13.

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13. SUMARIO 2 MÉTODO ESTATÍSTICO...3 2. A ESTATÍSTICA...3 2.2 FASES DO MÉTODO ESTATÍSTICO...4 3 FERRAMENTAS DE CÁLCULO PARA O ESTUDO DA ESTATÍSTICA...5 3. FRAÇÃO...5 3.. Adção e subtração...5 3..2 Multplcação

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros Estrutura a Termo de Taxa de Juros 20 2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros A Estrutura a termo de taxa de juros (também cohecda como Yeld Curve ou Curva de Retabldade) é a relação, em dado mometo, etre

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://www.uemat.br/eugeo Estudar sem racocar é trabalho 009/ TAXA INTERNA DE RETORNO A taa tera de retoro é a taa que equalza o valor presete de um ou mas pagametos (saídas de caa) com o valor presete

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas Análse de Projectos ESAPL / IPVC Taxas Equvalentes Rendas Taxas Equvalentes Duas taxas e, referentes a períodos dferentes, dzem-se equvalentes se, aplcadas a um mesmo captal, produzrem durante o mesmo

Leia mais

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante Módulo VII Sistemas de Amortização Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Costate AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO é o pagameto do capital emprestado, realizado por

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO DE JNEIRO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PLICÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGI PROBLEMS DE INSTBILIDDE DE ESTRUTURS Julaa Bragh Ramalho Raul Rosas e Slva lua de graduação do curso

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Faculdade de Tecologa de Cataduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 5. Meddas de Posção cetral ou Meddas de Tedêca Cetral Meddas de posção cetral preocupam-se com a caracterzação e a

Leia mais

09/03/2014 RETORNO. I Conceitos Básicos. Perguntas básicas. O que é matemática financeira? Por que estudar matemática financeira?

09/03/2014 RETORNO. I Conceitos Básicos. Perguntas básicas. O que é matemática financeira? Por que estudar matemática financeira? 09/0/04 I Cocetos Báscos Matemátca Facera Aplcaa ao Mercao Facero e e Captas Proessor Roalo Távora Pergutas báscas O que é matemátca acera? Por que estuar matemátca acera? = RETORNO Matemátca Facera Aplcaa

Leia mais

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Simulado 02 de Matemática Financeira Questões FGV 01. Determine o valor atual de um título descontado (desconto simples por fora) dois meses

Leia mais

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc.

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas ESTATÍSTICA Notas de Aulas Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas SUMÁRIO CONCEITOS BÁSICOS 5. Estatístca. Estatístca

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

4 Capitalização e Amortização Compostas

4 Capitalização e Amortização Compostas 4.1 Itrodução Quado queremos fazer um vestmeto, podemos depostar todos os meses uma certa quata em uma cadereta de poupaça; quado queremos comprar um bem qualquer, podemos fazê-lo em prestações, a serem

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

3 Precificação de resseguro

3 Precificação de resseguro Precfcação de Resseguro 35 3 Precfcação de resseguro Este capítulo traz prmeramete uma oção ampla das aplcações das metodologas de precfcação de resseguro para melhor compreesão do mesmo Da seção 3 até

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA Maríla Brasl Xaver REITORA Prof. Rubes Vlhea Foseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA MATERIAL DIDÁTICO EDITORAÇÃO ELETRONICA Odvaldo Texera Lopes ARTE FINAL DA CAPA Odvaldo Texera Lopes REALIZAÇÃO

Leia mais

Aula 02 - Relações de Equivalência

Aula 02 - Relações de Equivalência MATEMÁTICA FINANCEIRA Aula 02 - Relações de Equivalêcia Prof. Waderso S. Paris, M.Eg. prof@croosquality.com.br Relação etre P e F F 0 0 P Relação etre P e F Demostração da relação: Pricipal + juros = P

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas Capítulo 6 - Cetro de ravdade de Superfíces Plaas 6. Itrodução O Cetro de ravdade (C) de um sóldo é um poto localzado o própro sóldo, ou fora dele, pelo qual passa a resultate das forças de gravdade que

Leia mais

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial Ecoometra: 4 - Regressão últpla em Notação atrcal Prof. arcelo C. ederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. arco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo

Leia mais

n. A densidade de corrente associada a esta espécie iônica é J n. O modelo está ilustrado na figura abaixo.

n. A densidade de corrente associada a esta espécie iônica é J n. O modelo está ilustrado na figura abaixo. Equlíbro e o Potecal de Nerst 5910187 Bofísca II FFCLRP USP Prof. Atôo Roque Aula 11 Nesta aula, vamos utlzar a equação para o modelo de eletrodfusão o equlíbro obtda a aula passada para estudar o trasporte

Leia mais

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Quilelli 1 ) Uma dívida contraída à taxa de juros simples de 10% ao mês, deverá ser paga em duas parcelas, respectivamente iguais a R$ 126,00, daqui a

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais