Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21"

Transcrição

1 Última Atualização: 01/04/2016

2 E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados Para Debêtures o Cetip21. São aqui apresetadas fórmulas dos diversos tipos de remueração das debêtures. A bordagem é efetuada em cico ites: Redimeto agregado ao valor omial, Juros, Prêmio, Amortização e Notas e tros esclarecimetos importates. F oram desevolvidas ovas fucioalidades possibilitado que algus parâmetros como TR, TBF e TJLP possam compor a referida remueração como itegrate dos juros (juro flutuate), agregados ao valor omial da debêture, à escolha do emissor. T ambém a atualização por ídice de preços é dada opção de que os ativos sejam valorizados pro-rata dias úteis corridos, desde que os mesmos ão possuam evetos com periodicidade iferior a doze meses. O s juros flutuates, refereciados as taxas DI over Selic, admitem a utilização de percetual aplicado (multiplicador). Os juros fixos, o prêmio, e o spread podem ser expressos ao ao de 365 dias corridos, aida, de 252 dias úteis. F oram implemetadas ovas formas de amortização, agrupadas de acordo com a aplicação dos percetuais: icidem sobre o Valor Nomial de emissão e são, em seguida, atualizadas até a data de pagameto, icidem sobre o saldo 1 de Valor Nomial atualizado a data de pagameto. C ompõe também o Cadero de Fórmulas para Debêtures do Cetip21 um capítulo fial que cotém as otas (1, 2 e 3) assialadas o decorrer do texto, esclarece o uso de percetual aplicado, o cálculo do valor fiaceiro de evetos e tros potos importates. Última atualização: 01/04/2016 2

3 Redimeto agregado ao valor omial... 4 Parâmetro: Ídices de Preços... 4 Parâmetro: TBF Taxa Básica Fiaceira... 7 Parâmetro: TJLP Taxa de Juros de Logo Prazo... 8 Parâmetro: TR Taxa Referecial Parâmetro: US$ Comercial Parâmetro: Euro Juros I. JUROS FLUTUANTES DI Taxa DI-Over SELIC Taxa Selic TBF Taxa Básica Fiaceira TJLP Taxa de Juros de Logo Prazo TR Taxa Referecial II. JUROS FIXOS OU SPREAD Tratameto Liear: Juros Uitário Tratameto Expoecial: Juros Uitário Critérios de Precisão Prêmio Amortização Tipos de Amortização Icidete sobre o saldo do Valor Nomial atualizado Icidete sobre o Valor Nomial de emissão após icorporação, se hver Cálculo do Valor Nomial Remaescete Cálculo do Valor Fiaceiro da Amortização Apuração do valor de evetos para cota de cliete 1 e Notas e Outros Esclarecimetos Notas Esclarecimetos Importates Última atualização: 01/04/2016 3

4 Redimeto agregado ao valor omial Parâmetro: Ídices de Preços Atualmete, são passíveis de utilização o sistema, os seguites ídices de preços: Ídice Descrição IGP-M Ídice Geral de Preços do Mercado IGP-DI Ídice Geral de Preços Dispoibilidade Itera IPC-M Ídice de Preço ao Cosumidor do Mercado IPC-FIPE Ídice de Preço ao Cosumidor - FIPE INCC-M Ídice Nacioal de Custo da Costrução do Mercado INCC-DI Ídice Nacioal de Custo da Costrução Dispoibilidade Itera INPC Ídice Nacioal de Preços ao Cosumidor IPCA Ídice de Preço ao Cosumidor Amplo Periodicidade de Agregação: Diária. Pro-rata dias úteis dias corridos. Critério de Cálculo: O valor omial das debêtures será atualizado pela seguite fórmula: VNA VNE C VNA: Valor Nomial atualizado, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do valor omial, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. C: Fator acumulado das variações mesais dos ídices utilizados, calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto, apurado da seguite forma: Para pro-rata dias úteis: C dup dut NI 1 NI 1 ; Para dias corridos: C dcp dct NI 1 NI 1 : Número total de ídices cosiderados a atualização do ativo. NI : Valor do úmero-ídice do mês aterior ao mês de atualização, caso a atualização seja em data aterior a própria data de aiversário do ativo. Após a data de aiversário, valor do úmero-ídice do mês de atualização. O mês de atualização refere-se à data de cálculo da debêture. NI -1 : Valor do úmero-ídice do mês aterior ao mês. dcp: Número de dias corridos etre a última data de aiversário e a data de cálculo, limitado ao úmero total de dias corridos de vigêcia do ídice de preço. dct: Número de dias corridos cotidos etre a última e a próxima data de aiversário. dup: Número de dias úteis etre a última data de aiversário e a data de cálculo, limitado ao úmero total de dias úteis de vigêcia do ídice de preço. dut: Número de dias úteis cotidos etre a última e a próxima data de aiversário.. Última atualização: 01/04/2016 4

5 NI NI 1 dcp dct, NI NI 1 dup dut : calculados com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto. Caso Especial - Idispoibilidade do úmero-ídice No caso da idispoibilidade do úmero-ídice o sistema utilizará um dos métodos abaixo coforme a escritura de emissão: 1. Utilização da última variação dispoível do ídice - Neste caso o sistema utilizará a última variação dispoível do ídice de preços em questão NI NI -1-2, calculado pro-rata por dias corridos úteis, para proceder à atualização da debêture até a data do eveto vecimeto iclusive. Quado da divulgação do úmero-ídice os valores passarão a ser calculados com base a variação apurada com o úmero-ídice divulgado. 2. Utilização da última projeção da variação percetual do IGP-M do IPCA - Este caso somete poderá ser utilizado em debêtures com parâmetro IGP-M IPCA para redimeto agregado ao valor omial. Quado da idispoibilidade do úmero-ídice o sistema utilizará a última projeção dispoível da variação percetual do ídice de preços em questão, apurada pela Adima, para calcular os valores pro-rata por dias corridos úteis, procededo à atualização da debêture até a data do eveto vecimeto iclusive. Quado da divulgação do úmero-ídice os valores passarão a ser calculados com base a variação apurada com o úmero-ídice divulgado. No caso da idispoibilidade da projeção, o sistema utilizará a última projeção dispoível a última variação dispoível do ídice, coforme o item 1, até que uma ova projeção seja divulgada. O cálculo do valor omial das debêtures será atualizado pelas projeções da seguite forma VNA VNE C VNA: Valor Nomial atualizado, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do valor omial, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. C: Fator acumulado das variações mesais dos ídices utilizados e/ das projeções das variações percetuais iformadas pela Adima com 2 (duas) casas decimais, apurado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto, da seguite forma: Última atualização: 01/04/2016 5

6 Para pro-rata dias úteis: NI C NI 1 1 projeção 1 dup dut ; Para dias corridos: NI C NI 1 1 projeção 1 : Número total de ídices cosiderados a atualização do ativo. dcp dct. projeção: Última projeção dispoível da variação percetual do ídice de preço, para o mês de referêcia, divulgada com 2 (duas) casas decimais. NI : Valor do úmero-ídice do mês aterior ao mês de atualização. Para o IPCA o úmeroídice pode ser o do segudo mês aterior ao da atualização. NI -1 : Valor do úmero-ídice do mês aterior ao mês. dcp: Número de dias corridos etre a última data de aiversário e a data de cálculo. dct: Número de dias corridos cotidos etre a última e a próxima data de aiversário. dup: Número de dias úteis etre a última data de aiversário e a data de cálculo. dut: Número de dias úteis cotidos etre a última e a próxima data de aiversário. projeção 1 dup dut, projeção 1 dup dut : calculados com 8 (oito) casas decimais, sem arred. Observações: 1ª) Cosidera-se data de aiversário o dia da data de vecimeto o dia iformado como referêcia para utilização do ídice, em cada mês. 2ª) Cosidera-se como mês de atualização, o período mesal compreedido etre duas datas de aiversários cosecutivas do ativo em questão. 3ª) O produtório fial é calculado com 16 casas decimais, sem arredodameto. 4ª) Para o IGP-M a Adima dispoibiliza 3 (três) projeções: o dia seguite ao da divulgação do ídice fechado do mês aterior e de cada uma das prévias do mês de referêcia; para o IPCA, são dispoibilizadas 2 (duas) projeções: o dia seguite ao da divulgação do ídice fechado do mês aterior e da divulgação do IPCA ª) Quado o cálculo do valor omial tiver apropriação do pro-rata em dias úteis os valores dos fiais de semaas feriados serão iguais ao valor do dia útil subsequete, apropriado o pro-rata do último dia útil aterior. Última atualização: 01/04/2016 6

7 Parâmetro: TBF Taxa Básica Fiaceira Periodicidade de Agregação: Diária. Pro-rata dias úteis. Critério de Cálculo: Quado a TBF ão é itegrate dos juros, a parcela correspodete à variação acumulada da TBF, icluido a taxa de remueração (redutor prêmio), se hver, será agregada ao valor omial diariamete: VNA VNE FatorTBF VNA: Valor Nomial capitalizado da variação acumulada da TBF acrescida reduzida liearmete da Taxa de Remueração, se hver, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do Valor Nomial da debêture, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. FatorTBF: Produtório das Taxas Básicas Fiaceiras divulgadas pelo Baco Cetral do Brasil etre a data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização pagameto de atualização, o que ocorrer por último, e a data de atualização, acrescidas reduzidas liearmete da Taxa de Remueração, se hver, calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto: FatorTBF 1 TBF R 1 dup dut, ode : Número total de TBFs cosideradas etre a data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização pagameto de atualização, o que ocorrer por último, e a data de atualização. TBF : Taxas Básicas Fiaceiras, divulgadas pelo BACEN, etre a data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização pagameto de atualização, o que ocorrer por último, e a data de atualização. dup : Número de dias úteis compreedidos etre a data da TBF utilizada e a data do cálculo, limitado ao úmero de dias úteis total de vigêcia da TBF. dut : Número total de dias úteis para o período de vigêcia da TBF K utilizada. R: Taxa de Remueração (redutor prêmio) agregada à TBF, expressa em percetual para o mesmo prazo da TBFK (mês data a data), iformada com 2 (duas) casas decimais. Observações: 1ª) Data-Base é o dia da data de vecimeto da debêture em cada mês. 2ª) Caso o dia da data de emissão do ativo ão seja coicidete com a correspodete data-base, a atualização será efetuada até a primeira data-base ocorrida após a emissão, Última atualização: 01/04/2016 7

8 com base o critério pro-rata dia útil, com utilização da TBF relativa à data de emissão (Circular Nº de 05/07/1995 art. 3º). 3ª) Caso a debêture teha vecimeto idetermiado, a data-base será o dia primeiro de cada mês. 4ª) A cada ovo fator icluído o produtório, este gera um fator itermediário que será cosiderado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto. Parâmetro: TJLP Taxa de Juros de Logo Prazo Periodicidade de Agregação: Diária. Pro-rata dias corridos. Critério de Cálculo: I. Não Itegrate dos Juros Quado a TJLP ão é itegrate dos juros a parcela correspodete à variação acumulada da TJLP será agregada ao valor omial diariamete: VNA VNE FatorTJLP VNA: Valor omial capitalizado da variação acumulada da TJLP, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do Valor Nomial da debêture, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. FatorTJLP: Produtório das Taxas de Juros de Logo Prazo divulgadas pelo BACEN etre a data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização pagameto de atualização, o que ocorrer por último, e a data de atualização, calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto: TJLP FatorTJLP 1 1 dc 1 2 TJLP 1 dc : Número total de TJLP cosideradas etre a data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização pagameto de atualização, o que ocorrer por último, e a data de atualização. TJLP 1...TJLP : Taxas de Juros de Logo Prazo divulgadas pelo BACEN etre a data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização, pagameto de atualização, agregação do excedete da TJLP, o que ocorrer por último, e a data de atualização. dc 1 : Número de dias corridos cotados a partir da data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização pagameto de atualização, o que ocorrer por último até a data de cálculo até a data fial de vigêcia da TJLP 1. Última atualização: 01/04/2016 8

9 dc : Número de dias corridos compreedidos etre a data de vigêcia da TJLP e a data de cálculo, limitado ao úmero de dias corridos total da TJLP. dc1 TJLP 1 1, dc TJLP 1 : calculados com 10 (dez) casas decimais com arred. Observação: Efetua-se o produtório dos fatores dc1 TJLP 1 1 e dc TJLP 1, sedo que a cada fator acumulado, truca-se o resultado com 16 (dezesseis) casas decimais, aplicado-se o próximo fator, e assim por diate até o último fator cosiderado. II. Itegrate dos Juros Algumas emissões de debêtures remueradas pela TJLP como parte itegrate dos juros utilizam a aplicação de um Limite sobre esta taxa, que defie o percetual máximo a ser pago como juro remueratório. O excedete da TJLP com relação ao Limite defiido, se hver, é agregado, diariamete, ao valor omial das debêtures. Quado a TJLP é itegrate dos juros e há uso de limite, temos: a) Se Limite TJLP: o valor omial ão será alterado. b) Se Limite < TJLP em pelo meos um dos períodos: o excedete da TJLP com relação ao limite agregar-se-á ao valor omial diariamete, cosiderado apeas os períodos ode a TJLP for superior ao limite, da seguite forma: VNA VNE TC VNA: Valor Nomial capitalizado da variação acumulada do excedete da TJLP, se hver, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do Valor Nomial da debêture, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. TC: Termo de capitalização, que é igual ao excedete da TJLP em relação ao limite, calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto, como a seguir: Última atualização: 01/04/2016 9

10 TJLP 1 1 TC Limite 1 dc 2 TJLP 1 Limite 1 dc 1 N: Número total de TJLPs cosideradas etre a data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização, pagameto de atualização, agregação do excedete da TJLP, o que ocorrer por último, e a data de atualização. TJLP 1...TJLP K : Taxas de Juros de Logo Prazo vigetes etre a data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização, pagameto de atualização, agregação do excedete da TJLP, o que ocorrer por último, e a data de atualização. Limite: Limite para utilização da variação da TJLP como juro remueratório, expresso em taxa percetual ao ao, iformado com 4 (quatro) casas decimais. dc 1 : Número de dias corridos cotados a partir da data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização pagameto de atualização, o que ocorrer por último até a data de cálculo até a data fial de vigêcia da TJLP 1. dc : Número de dias corridos compreedidos etre a data de vigêcia da TJLP e a data de cálculo, limitado ao úmero de dias corridos total de vigêcia da TJLP. TJLP 1 1 Limite 1, TJLP 1 Limite 1 calculados com 8 (oito) casas decimais, sem arred. TJLP1 1 Limite 1 dc 1, TJLP 1 Limite 1 dc calculados com 10 (dez) casas decimais, com arred. Observações: TJLP 1 1 1ª) Limite 1 e TJLP 1 Limite 1 quado iferiores a 1 (um), assumem 1. Última atualização: 01/04/

11 2ª) Efetua-se o produtório dos fatores TJLP1 1 Limite 1 dc 1 e TJLP 1 Limite 1 dc, sedo que a cada fator acumulado, truca-se o resultado com 16 (dezesseis) casas decimais, aplicadose o próximo fator, e assim por diate até o último fator cosiderado. Parâmetro: TR Taxa Referecial Periodicidade de Agregação: Diária. Pro-rata dias úteis. Critério de Cálculo: Quado a TR ão é itegrate dos juros, a parcela correspodete à variação acumulada da TR é agregada ao valor omial, diariamete, calculada da seguite forma: VNA VNE FatorTR VNA: Valor Nomial capitalizado da variação acumulada da TR, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do Valor Nomial da debêture, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. FatorTR: Produtório das Taxas Refereciais divulgadas pelo Baco Cetral do Brasil etre a data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização pagameto de atualização, o que ocorrer por último, e a data de atualização, calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto, como a seguir: FatorTR TR 1 1 dup dut : Número total de TR s cosideradas etre a data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização pagameto de atualização, o que ocorrer por último, e a data de atualização. TR : Taxa Referecial das datas-base divulgadas pelo BACEN etre a data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização pagameto de atualização, o que ocorrer por último, e a data de atualização. dut : Número total de dias úteis para o período de vigêcia da TR K utilizada. dup : Número de dias úteis compreedidos etre a data da TR K utilizada e a data do cálculo, limitado ao úmero de dias úteis total de vigêcia da TR. Última atualização: 01/04/

12 Observações: 1ª) Data-Base é o dia da data de vecimeto da debêture em cada mês. 2ª) Caso o dia da data de emissão do ativo ão seja coicidete com a correspodete data-base, a atualização será efetuada até a primeira data-base ocorrida após a emissão, com base o critério pro-rata dia útil, com utilização da TR relativa à data de emissão (Circular Nº de 28/07/1994 art. 2º). 3ª) Caso a debêture teha vecimeto idetermiado, a data-base será o dia primeiro de cada mês. 4ª) Cada fator resultate da expressão TR 1 dup dut é cosiderado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto. A cada ovo fator icluído o produtório, este gera um fator itermediário que será cosiderado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto. Parâmetro: US$ Comercial Periodicidade de Agregação: Diária. Por dias úteis. Critério de Cálculo: O valor omial das debêtures será atualizado pela seguite fórmula: VNA VNE C VNA: Valor Nomial atualizado, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do Valor Nomial da debêture, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. C: Fator resultate da variação do dólar comercial, calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto, apurado da seguite forma: US C US 0 US : Valor da taxa de veda do dólar comercial de fechameto (PTAX800), do dia útil imediatamete aterior a data de cálculo, iformado com 4 (quatro) casas decimais. US 0 : Valor da taxa de veda do dólar comercial de fechameto (PTAX800), do dia útil imediatamete aterior à data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização pagameto de atualização, o que ocorrer por último, iformado com 4 (quatro) casas decimais. Última atualização: 01/04/

13 Parâmetro: Euro Periodicidade de Agregação: Diária. Por dias úteis. Critério de Cálculo: O valor omial das debêtures será atualizado pela seguite fórmula: VNA VNE C VNA: Valor Nomial atualizado, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do Valor Nomial da debêture, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. C: Fator resultate da variação do Euro, calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto, apurado da seguite forma: C Euro Euro 0 Euro : Valor da taxa de veda do Euro de fechameto (PTAX800), do dia útil imediatamete aterior a data de cálculo, iformado com 4 (quatro) casas decimais. Euro 0 : Valor da taxa de veda do Euro de fechameto (PTAX800), do dia útil imediatamete aterior à data de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização pagameto de atualização, o que ocorrer por último, iformado com 4 (quatro) casas decimais. Última atualização: 01/04/

14 Juros I. JUROS FLUTUANTES DI Taxa DI-Over Periodicidade de Apuração: Diária. Por dias úteis. Critério de Cálculo: Cálculo pela seguite fórmula: J VNE FatorJuros 1 J: Valor uitário dos juros flutuates, acrescido de Spread, se hver, acumulado o período, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto, devidos o fial de cada Período de Capitalização 2. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do Valor Nomial da debêture, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. FatorJuros: Fator de juros composto pelo parâmetro de flutuação acrescido de spread, se hver, calculado com 9 (ove) casas decimais, com arredodameto, apurado da seguite forma: FatorJuros FatorDI FatorSprea d FatorDI: Produtório das taxas DI-Over com uso de percetual aplicado, da data de iício de capitalização, iclusive, até a data de cálculo exclusive, calculado com 8 (oito) casas decimais com arred, apurado da seguite forma: Fator DI 1 1 TDI : Número total de taxas DI-Over cosideradas a atualização do ativo. p: Percetual aplicado sobre a taxa DI, iformado com 2 (duas) casas decimais. p TDI : Taxa DI-Over, expressa ao dia, calculada com 8 (oito) casas decimais, com arredodameto, da seguite forma: TDI DI DI : Taxa DI-Over divulgada pela CETIP, utilizada com 2 (duas) casas decimais. FatorSpread: Fator de "Spread", calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decimais, coforme defiido o Item "Juros Fixos Spread". Observações: p 1) Efetua-se o produtório dos fatores diários 1 TDI, sedo que a cada fator diário acumulado, truca-se o resultado com 16 (dezesseis) casas decimais, aplicado-se o próximo fator diário, e assim por diate até o último cosiderado. Última atualização: 01/04/

15 2) Para efeito de produtório das taxas DI-Over o período de capitalização, a defiição de iclusive e exclusive cosidera, respectivamete, a taxa DI-Over do dia de iício de capitalização e a taxa DI-Over do dia útil aterior à data de cálculo. Desta forma, o produtório do primeiro dia do período de capitalização será apresetado o dia útil subsequete ao iício de cada período de capitalização ( data do cálculo ) e assim sucessivamete até o seu ecerrameto. SELIC Taxa Selic Periodicidade de Apuração: Diária. Por dias úteis. Critério de Cálculo: Cálculo pela seguite fórmula: J VNE FatorJuros 1 J: Valor uitário dos juros flutuates, acrescido de Spread, se hver, acumulado o período, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto, devidos o fial de cada Período de Capitalização 2. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do Valor Nomial da debêture, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. FatorJuros: Fator de juros composto pelo parâmetro de flutuação acrescido de spread, se hver, calculado com 9 (ove) casas decimais, com arredodameto, apurado da seguite forma: FatorJuros FatorSelic FatorSprea d FatorSelic: Produtório das taxas Selic com uso de percetual aplicado, da data de iício de capitalização, iclusive, até a data de cálculo exclusive, calculado com 8 (oito) casas decimais com arred, apurado da seguite forma: FatorSelic : Número total de taxas Selic cosideradas a atualização do ativo. 1 1 TSelic p: Percetual aplicado sobre a taxa Selic, iformado com 2 (duas) casas decimais. p TSelic K : Taxa Selic, expressa ao dia, calculada com 8 (oito) casas decimais, com Selic 252 arredodameto, da seguite forma: TSelic 1 1 Selic K : Taxa Selic divulgada pelo BACEN, utilizada com 2 (duas) casas decimais. FatorSpread: Fator de "Spread", calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decimais, coforme defiido o Item "Juros Fixos Spread". 1 Última atualização: 01/04/

16 p Observação: Efetua-se o produtório dos fatores diários 1 TSelic, sedo que a cada fator diário acumulado, truca-se o resultado com 16 (dezesseis) casas decimais, aplicado-se o próximo fator diário, e assim por diate até o último cosiderado. TBF Taxa Básica Fiaceira Periodicidade de Apuração: Diária. Pro-rata dias úteis. Critério de Cálculo: Cálculo pela seguite fórmula: J VNE FatorTBF 1 J: Valor uitário dos juros, baseados a TBF acrescida reduzida liearmete da Taxa de Remueração, se hver, acumulado o período, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto, devidos o fial de cada Período de Capitalização 2. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do Valor Nomial da debêture, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. FatorTBF: Produtório das Taxas Básicas Fiaceiras divulgadas durate o Período de Capitalização 2 acrescidas reduzidas liearmete da Taxa de Remueração, se hver, calculado com 8 (oito) casas decimais sem arredodameto, como abaixo: FatorTBF 1 TBF R 1 dup dut : Número total de TBFs cosideradas durate o Período de Capitalização 2. TBF : Taxas Básicas Fiaceiras, divulgadas pelo Bace, para o Período de Capitalização 2, iformadas com 4 (quatro) casas decimais. R: Taxa de Remueração (redutor prêmio), expressa em percetual para o mesmo prazo de cada TBF (mês data a data), iformada com 2 (duas) casas decimais. dut : Número de dias úteis compreedidos etre a data da TBF utilizada e a próxima database. dup : Número de dias úteis compreedidos etre a data da TBF K utilizada e a data do cálculo, limitado ao úmero de dias úteis total de vigêcia da TBF K,. Observações: 1) Data-Base é o dia da data de vecimeto da debêture em cada mês. 2) Caso o dia da data de emissão do ativo ão seja coicidete com a correspodete database, a atualização será efetuada até a primeira data-base ocorrida após a emissão, com Última atualização: 01/04/

17 base o critério pro-rata dia útil, com utilização da TBF relativa à data de emissão (Circular Nº de 05/07/1995 art. 3º). 3) Cada fator resultate da expressão dup TBF dut R 1 é cosiderado com 8 (oito) casas decimais sem arred. A cada ovo fator icluído o produtório, este gera um fator itermediário que será cosiderado com 8 (oito) casas decimais sem arred. TJLP Taxa de Juros de Logo Prazo Periodicidade de Apuração: Diária. Pró-rata dias corridos. Critério de Cálculo: o cálculo dos juros obedecerá às fórmulas abaixo: Cálculo dos juros sem utilização de limite: J VNE FatorJuros 1 J: Valor uitário dos juros baseados a TJLP acrescido de spread, se hver, acumulado o período, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto, devidos o fial de cada Período de Capitalização 2. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do Valor Nomial da debêture, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. FatorJuros: Fator dos juros calculado com 9 (ove) casas, com arredodameto, apurado da seguite forma: FatorJuros FatorTJLP FatorSprea d FatorTJLP: Produtório das Taxas de Juros de Logo Prazo divulgadas durate o Período de Capitalização 2, calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto: FatorTJLP 1 TJLP 1 dc1 2 1 TJLP dc : Número total de TJLP s cosideradas durate o Período de Capitalização 2. TJLP 1...TJLP K : Taxas de Juros de Logo Prazo vigetes durate o Período de Capitalização 2. dc 1 : Número total de dias corridos cotados a partir da data de iício de capitalização até a data de cálculo até a data fial de vigêcia da TJLP 1. dc : Número total de dias corridos compreedidos etre a data de vigêcia da TJLP e a data de cálculo, limitado ao úmero de dias corridos total de vigêcia da TJLP. Última atualização: 01/04/

18 FatorSpread: Fator de "Spread", calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decimais, coforme defiido o Item "Juros Fixos Spread". Cálculo dos juros com utilização de limite: I. Tratameto Expoecial: Quado o fator de spread é composto pelo fator TJLP Limite, o que for meor: J VNE FatorJuros 1 J: Valor uitário dos juros, baseados a TJLP o Limite, o meor, acrescido de spread, se hver, acumulado o período, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto, devidos o fial de cada Período de Capitalização 2. VNE: Valor Nomial emissão saldo 1 do Valor Nomial da debêture o iício do Período de Capitalização 2, atualizado pelo excedete da TJLP em relação ao limite, se hver, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. FatorJuros: Fator dos juros calculado com 9 (ove) casas decimais, com arredodameto, apurado da seguite forma: FatorJuros FatorTJLP Limite FatorSprea d FatorTJLP Limite: Produtório dos fatores resultates das Taxas de Juros de Logo Prazo do Limite iformado, o que for meor em cada Período de Capitalização 2, calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto, da seguite forma: FatorTJLP Limite TJLP 1Limite 1 dc1 2 TJLP Limite 1 dc FatorTJLP 1 Limite... FatorTJLP Limite: Taxas de Juros de Logo Prazo Limite iformado, o que for meor em cada Período de Capitalização 2. dc 1 : Número total de dias corridos cotados a partir da data de iício de capitalização até a data de cálculo até a data fial de vigêcia da TJLP 1. dc : Número total de dias corridos compreedidos etre a data de vigêcia da TJLP K e a data de cálculo, limitado ao úmero de dias corridos total de vigêcia da TJLP. : Número total de TJLPs cosideradas durate o Período de Capitalização 2. FatorSpread: Fator de "Spread", calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decimais, coforme defiido o Item "Juros Fixos Spread". II. Tratameto Liear: Quado o spread é liearmete adicioado à TJLP ao limite, o que for meor: J VNE 1 FatorJuros Última atualização: 01/04/

19 J: Valor uitário dos juros, baseados a TJLP o Limite acrescido de spread, se hver, acumulado o período, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto devidos o fial de cada Período de Capitalização 2. VNE: Valor Nomial saldo 1 do Valor Nomial de emissão da debêture o iício do Período de Capitalização 2, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. FatorJuros: Fator dos juros calculado com 9 (ove) casas decimais, com arredodameto, apurado da seguite forma: Fator TJLP Limite Spread FatorJuros Fator TJLP Limite Spread : Produtório dos fatores resultates da soma do spread com a Taxa de Juros de Logo Prazo com o Limite iformado, o que for meor em cada Período de Capitalização 2, calculado com 8 (oito) casas decimais, sem arred: TJLP1 Limite Spread Fator 1 dc 1 2 TJLP Limite Spread 1 dc TJLP 1 Limite...TJLP Limite: Taxas de Juros de Logo Prazo Limite iformado, o que for meor em cada Período de Capitalização 2. Spread: Taxa iformada com 4 (quatro) casas decimais. dc 1 : Número total de dias corridos cotados a partir da data de iício de capitalização até a data de cálculo até a data fial de vigêcia da TJLP 1, o que ocorrer primeiro. dc : Número total de dias corridos compreedidos etre a data de vigêcia da TJLP K e a data de cálculo, limitado ao úmero de dias corridos total de vigêcia da TJLP K. - Número total de TJLPs cosideradas durate o Período de Capitalização 2. Observações: 1) dc1 1 1 TJLP, TJLP 1 dc, dc1 TJLP 1Limite 1, TJLP 1 Limite dc, dc1 TJLPLimite 1 Spread 1, TJLP 1 Limite Spread dc : calculado com 10 (dez) casas decimais com arredodameto. Última atualização: 01/04/

20 2) Efetua-se o produtório dos fatores do item acima, sedo que a cada fator acumulado, truca-se o resultado com 16 (dezesseis) casas decimais, aplicado-se o próximo fator, e assim por diate até o último fator cosiderado. TR Taxa Referecial Periodicidade de Apuração: Diária. Pro-rata dias úteis. Critério de Cálculo: Cálculo pela seguite fórmula: J VNE FatorJuros 1 J: Valor uitário dos juros baseados a Taxa Referecial acrescido de spread, se hver, acumulado o período, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto, devidos o fial de cada Período de Capitalização 2. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do Valor Nomial da debêture, iformado/calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. FatorJuros: Fator dos juros calculado com 9 (ove) casas decimais, com arredodameto, apurado da seguite forma: FatorJuros FatorTR FatorSprea d FatorTR: Produtório das TR s divulgadas durate o Período de Capitalização 2, calculado com 8 (oito) casas decimais sem arred: FatorTR 1 TR 1 dup dut : Número total de TR s cosideradas durate o Período de Capitalização 2. TR : TR s das datas-base divulgadas pelo BACEN, para o Período de Capitalização 2. dut: Número total de dias úteis para o período de vigêcia da TR utilizada. dup: Número total de dias úteis etre a data da TR utilizada e a data de cálculo. FatorSpread: Fator de "Spread", calculado com arredodameto de 9 (ove) casas decimais, coforme defiido o Item "Juros Fixos Spread". Observações: 1) Data-Base é o dia da data de vecimeto da debêture em cada mês. 2) Caso o dia da data de emissão do ativo ão seja coicidete com a correspodete database, a atualização será efetuada até a primeira data-base ocorrida após a emissão, com base o critério pro-rata dia útil, com utilização da TR relativa à data de emissão (Circular Nº de 28/07/1994 art. 2º). Última atualização: 01/04/

21 3) Cada fator resultate da expressão TR 1 dup dut é cosiderado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto. A cada ovo fator icluído o produtório, este gera um fator itermediário que será cosiderado com 8 (oito) casas decimais, sem arredodameto. II. JUROS FIXOS OU SPREAD Refere-se à taxa de juros fixa aplicada a debêtures pré-fixadas que teham valor omial atualizado pelo parâmetro de remueração; refere-se ao spread, que é a parcela de juro fixo acrescida ao redimeto de uma debêture refereciada em taxas flutuates. Em qualquer dos casos, a taxa é iformada com 4 (quatro) casas decimais. Tratameto Liear: Juros Uitário Calculado pela fórmula: J VNA FatorJuros 1 J: Valor uitário de juros, o caso de juros fixos, devidos o fial de cada Período de Capitalização 2, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNA: Valor Nomial atualizado pela taxa de referêcia calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. Caso a debêture seja prefixada, VNA será igual ao valor omial de emissão, após icorporação, iício de retabilidade, amortização, pagameto de atualização, o que ocorrer por último, se hver. FatorJuros: Fator calculado com 9 (ove) casas decimais com arredodameto: FatorJuros i N 1 i: Taxa de juros taxa de spread, a forma percetual ao ao, iformada com 4 (quatro) casas decimais. Não será permitida utilização de spread quado for utilizado percetual aplicado, aceito o caso de flutuação refereciada em DI Over taxa Selic. N: Número de dias represetativo da taxa, podedo assumir, coforme iformado, os valores 365 dias corridos 252 dias úteis. : Quado N for igual a 365 dias, assumirá o úmero de dias corridos etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior. Quado N for igual a 252 dias, assumirá o úmero de dias úteis etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior. Última atualização: 01/04/

22 : Quado N for igual a 365 dias, assumirá o úmero de dias corridos etre o último e o próximo eveto; quado N for igual a 252 dias, assumirá o úmero de dias úteis etre o último e o próximo eveto. : Quado N for igual a 365 dias, assumirá o úmero de dias corridos etre o último eveto e a data atual; quado N for igual a 252 dias, assumirá o úmero de dias úteis etre o último eveto e a data atual. Meses 365 Calculado pela fórmula: FatorJuros i Nº Meses x Nº Meses: Número de meses etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior. : Número total de dias corridos etre o último e o próximo eveto. : Número total de dias corridos etre o último eveto e a data atual. Meses 252 Calculado pela fórmula: FatorJuros i Nº de meses x Nº Meses: Número de meses etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior. : Número total de dias úteis etre o último e o próximo eveto. : Número total de dias úteis etre o último eveto e a data atual Dias 365 Calculado pela fórmula: FatorJuros i : Número total de dias corridos etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior. : Número total de dias corridos etre o último e o próximo eveto. : Número total de dias corridos etre o último eveto e a data atual. Dias 252 i Calculado pela fórmula: FatorJuros : Número total de dias úteis etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior. Última atualização: 01/04/

23 : Número total de dias úteis etre o último e o próximo eveto. : Número total de dias úteis etre o último eveto e a data atual Tratameto Expoecial: Juros Uitário Calculado pela fórmula: J VNA FatorJuros 1 J: Valor uitário de juros, o caso de juros fixos, devidos o fial de cada Período de Capitalização 2, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNA: Valor Nomial atualizado pela taxa de referêcia calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. Caso a debêture seja prefixada, VNA será igual ao valor omial de emissão, iício de retabilidade, icorporação, amortização, pagameto de atualização, o que ocorrer por último, se hver. FatorJuros: Fator calculado com 9 (ove) casas decimais, com arredodameto: FatorJuros i 1 N i: Taxa de juros taxa de spread, a forma percetual ao ao, iformada com 4 (quatro) casas decimais. Não será permitida utilização de spread quado for utilizado percetual aplicado, aceito o caso de flutuação refereciada em DI Over taxa Selic. N: Número de dias represetativo da taxa, podedo assumir, coforme iformado, os valores 365 dias corridos 252 dias úteis. : Quado N for igual a 365 dias, assumirá o úmero de dias corridos etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior. Quado N for igual a 252 dias, assumirá o úmero de dias úteis etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior. : Quado N for igual a 365 dias, assumirá o úmero de dias corridos etre o último e o próximo eveto; quado N for igual a 252 dias, assumirá o úmero de dias úteis etre o último e o próximo eveto. : Quado N for igual a 365 dias, assumirá o úmero de dias corridos etre o último eveto e a data atual; quado N for igual a 252 dias, assumirá o úmero de dias úteis etre o último eveto e a data atual. Meses 365 Última atualização: 01/04/

24 Calculado pela fórmula: FatorJuros i 1 Nº Meses x Nº Meses: Número de meses etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior. : Número total de dias corridos etre o último e o próximo eveto. : Número total de dias corridos etre o último eveto e a data atual. Meses 252 Calculado pela fórmula: FatorJuros i 1 Nº Meses x Nº Meses: Número de meses etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior. : Número total de dias úteis etre o último e o próximo eveto. : Número total de dias úteis etre o último eveto e a data atual. Dias 365 Calculado pela fórmula: FatorJuros i : Número total de dias corridos etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior. : Número total de dias corridos etre o último e o próximo eveto. : Número total de dias corridos etre o último eveto e a data atual. Dias 252 Calculado pela fórmula: FatorJuros i : Número total de dias úteis etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior. : Número total de dias úteis etre o último e o próximo eveto. : Número total de dias úteis etre o último eveto e a data atual. Última atualização: 01/04/

25 Critérios de Precisão Fórmulas i 1 i 1 i i Nº Meses x 21 i i Nº Meses i i 252 i 1 i 1 i Nº Meses x i N Nº Meses x 30 i i Nº Meses i 1 i i Nº Meses N º Meses i 1 Nº Meses x i 1 Nº Meses x N i 1 i i Nº Meses N N 365 N Precisões i é iformada com 4 decimais e a expressão é cosiderada com 6 (seis) casas decimais. 9 (ove) casas decimais, com arredodameto 9 (ove) casas decimais, com arredodameto 9 (ove) casas decimais, com arredodameto 9 (ove) casas decimais, com arredodameto 9 (ove) casas decimais, com arredodameto 9 (ove) casas decimais, com arredodameto 9 (ove) casas decimais, com arredodameto 9 (ove) casas decimais, com arredodameto 9 (ove) casas decimais, sem arredodameto Última atualização: 01/04/

26 Prêmio Critério de cálculo: Calculado pela fórmula: taxa N P VNA 1 1 P: Valor do prêmio devido o fial de cada Período de Capitalização 2, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNA: Valor Nomial atualizado pela taxa de referêcia calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. Caso a debêture seja prefixada, VNA será igual ao Valor Nomial de emissão, iício de retabilidade, após icorporação, amortização, pagameto de atualização, o que ocorrer por último, se hver. Taxa: Taxa fixa, a forma percetual ao ao, iformada com 4 (quatro) casas decimais. N: Número de dias represetativo do spread, podedo ser 252, 365 dias. : Quado N for igual a 365 dias, assumirá o úmero de dias corridos etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior, o úmero de meses multiplicado por 30. Quado N for igual a 252 dias, assumirá o úmero de dias úteis etre a data do próximo eveto e a data do eveto aterior, o úmero de meses multiplicado por 21. : Quado N for igual a 365 dias, assumirá o úmero de dias corridos etre o último e o próximo eveto; quado N for igual a 252 dias, assumirá o úmero de dias úteis etre o último e o próximo eveto. : Quado N for igual a 365 dias, assumirá o úmero de dias corridos etre o último eveto e a data atual; quado N for igual a 252 dias, assumirá o úmero de dias úteis etre o último eveto e a data atual. Observação: Admite a mesma parametrização de juros fixos spread. Última atualização: 01/04/

27 Amortização Existem duas formas distitas de aplicação dos percetuais de amortização: icidem sobre o saldo do Valor Nomial atualizado; icidem sobre o Valor Nomial de emissão e a parcela amortizada é corrigida até a data de pagameto, com redimeto agregado, se hver. As fórmulas, a seguir, são defiidas de acordo com a icidêcia dos Percetuais de Amortização. Tipos de Amortização Os dois tipos de amortização acima formulados se subdividem coforme a(s) taxa(s) percetual(is) defiida(s), seja(m) fixa(s) variável(eis) e de acordo com a periodicidade, que pode ser uiforme o tempo, ão, gerado 8 (oito) subtipos, defiidos a seguir: Tipos VNA FIX/UNIF VNA VAR/UNIF VNA FIX/NUNIF Base de Icidêcia Taxa (Ta) Período Defiição VNA Fixo Uiforme VNA Variável Uiforme VNA Fixo Não uiforme Amortização com percetual fixo sobre o saldo 1 do valor omial de emissão atualizado, em períodos uiformes. Amortização com percetual variável sobre o saldo 1 do valor omial de emissão atualizado, em períodos uiformes. Amortização com percetual fixo sobre o saldo 1 do valor omial de emissão atualizado, em períodos ão uiformes. VNA VAR/NUNIF VNA Variável Não uiforme Amortização com percetual variável sobre o saldo 1 do valor omial de emissão atualizado, em períodos ão uiformes. VNE FIX/UNIF VNE VAR/UNIF VNE Fixo Uiforme VNE Variável Uiforme Amortização com percetual fixo sobre o valor omial de emissão, em períodos uiformes. Amortização com percetual variável sobre o valor omial de emissão, em períodos uiformes. VNE FIX/NUNIF VNE Fixo Não uiforme Amortização com percetual fixo sobre o valor omial de emissão, em períodos ão uiformes. VNE VAR/NUNIF VNE Variável Não uiforme Amortização com percetual variável sobre o valor omial de emissão, em períodos ão uiformes. Icidete sobre o saldo do Valor Nomial atualizado Critério de Cálculo: o cálculo das parcelas de amortização é feito de acordo com a seguite fórmula: AM i Tai VNA AM i : Valor uitário da i-ésima parcela de amortização, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNA: Saldo do Valor Nomial atualizado, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. Última atualização: 01/04/

28 Ta i : Taxa defiida para a i-ésima amortização, expressa em percetual, iformada com 4 (quatro) casas decimais. Icidete sobre o Valor Nomial de emissão após icorporação, se hver Critério de Cálculo: o cálculo das parcelas de amortização é feito de acordo com a seguite fórmula: AM i Tai VNE C AM i : Valor uitário da i-ésima parcela de amortização, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNE: Valor Nomial de emissão saldo 1 do valor omial da debêture, 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3. Ta i : Taxa defiida para a i-ésima amortização, expressa em percetual, iformada com 4 (quatro) casas decimais. C: Ídice de atualização, coforme defiido em Redimeto Agregado ao Valor Nomial. Cálculo do Valor Nomial Remaescete Após cada parcela de amortização o valor omial remaescete é calculado da seguite forma: VNR VNA AMi VNR: Valor Nomial remaescete após a i-ésima amortização, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. VNA: Saldo do Valor Nomial atualizado, ates do pagameto da amortização, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. AM i : Valor uitário da i-ésima parcela de amortização, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. Observação: Após o pagameto da i-ésima parcela de amortização, VNR assume o lugar de Saldo do Valor Nomial atualizado para efeito de cotiuidade de atualização. Cálculo do Valor Fiaceiro da Amortização Calculado pela fórmula: F AMi AM i Q F AMi : Valor fiaceiro da i-ésima amortização a ser paga, calculado com 2 (duas) casas decimais, sem arredodameto. Última atualização: 01/04/

29 AM i : Valor uitário da i-ésima parcela de amortização, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. Q: Quatidade de ativos em custódia do participate, sedo Q um úmero iteiro. Observação: Se a data de pagameto de juros for diferete da data de pagameto da amortização, etão, a data de amortização serão pagos os juros referetes à AM i. Apuração do valor de evetos para cota de cliete 1 e 2 Para LF: Para LF, o valor fiaceiro de evetos será apurado para as cotas de cliete 1 e 2 da seguite forma: - O Valor Uitário do eveto é multiplicado pela quatidade detida pelos comitetes idetificados e o valor ecotrado por comitete detetor é trucado em duas casas decimais. - O valor fiaceiro do eveto por comitete é somado, obtedo-se o valor fiaceiro do eveto a ser liquidado para a cota de cliete 1 2. Exemplo: Eveto de juros Valor uitário de juros = 8, Detetores Cota Quatidade Participate A Participate B Quatidade Comitete Valor fiaceiro eveto por comitete Valor fiaceiro por comitete com 2 casas decimais sem arredodameto Comitete A1 -> 8 8 x 8, ,27 Comitete A2 -> x 8, ,41 Comitete B1 -> x 8, ,34 Comitete B2 -> 4 4 x 8, ,13 Comitete B3 -> 1 1 x 8, ,53 Valor fiaceiro para a cota de cliete (somatório do valor fiaceiro por comitete) 170,68 128,00 Para os demais tipos de ativos deste maual: Para os demais tipos de ativos, o valor fiaceiro de evetos é apurado para cotas de cliete 1 2 pela multiplicação do valor uitário do eveto, pela quatidade em custódia essas cotas, assim como é feita a apuração para cotas próprias. Última atualização: 01/04/

30 Notas e Outros Esclarecimetos Notas 1) Saldo do Valor Nomial Valor Nomial remaescete após amortização de pricipal, icorporação, atualização moetária, pagameto de atualização, agregação do excedete da TJLP, se hver. 2) Período de Capitalização O primeiro Período de Capitalização está compreedido etre a data de iício do cálculo dos juros/prêmio e a data prevista para o primeiro pagameto de juros/prêmio. Os demais Períodos de Capitalização iiciam-se a data de térmio do período de capitalização aterior e termiam a data prevista para o pagameto de juros/prêmio correspodete a cada período. 3) calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais Para ativos migrados do SND para o Cetip21 o calculo permaecerá com 6 casas decimais. Ativos emitidos o Cetip21 passarão a ser calculados com 8 casas decimais. Esclarecimetos Importates Cálculo do valor fiaceiro de evetos O valor fiaceiro de evetos para pagameto é calculado pela multiplicação dos preços uitários apurados pela quatidade de debêtures em custódia do participate, coforme segue: VF evetos PU evetos Q VF evetos : Valor fiaceiro do(s) eveto(s) a ser(em) pago(s), calculado com 2 (duas) casas decimais, sem arredodameto. PU evetos : Preço uitário do eveto, calculado com 6 (seis) 8 (oito) casas decimais 3, sem arredodameto. Q: Quatidade de ativos em custódia do participate, sedo Q um úmero iteiro. Pagameto de evetos Caso a data de pagameto de juros/prêmio seja dia ão útil, o eveto será gerado o primeiro dia útil subseqüete após esta data. Observações: 1) Somete os parâmetros DI e Selic admitem utilização de percetual aplicado, podedo este ser maior meor que,00%. Última atualização: 01/04/

31 2º) A utilização do Microsoft Excel para checagem dos valores do sistema pode, em raríssimos casos, mostrar divergêcia as casas decimais, devido a limite de precisão do computador de grade porte. Última atualização: 01/04/

Elaboração: Abril/2001

Elaboração: Abril/2001 Elaboração: Abril/2001 Última atualização: 13/03/2006 Apresetação E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados o SND -. São aqui

Leia mais

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015 1 CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagametos Data: 16/11/2015 Sumário/Ídice CRI - CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS... 1 SUMÁRIO/ÍNDICE... 2 1. OBJETIVO...

Leia mais

COMUNICADO CETIP N.º 119

COMUNICADO CETIP N.º 119 COMUCADO CETIP N.º 9 Aos Participates do Sistema de Registro e de Liquidação Fiaceira de Títulos A Cetral de Custódia e de Liquidação Fiaceira de Títulos CETIP, tedo em vista o disposto as Resoluções 2904

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Swap

Caderno de Fórmulas. Swap Swap Elaboração: Abrl/25 Últma Atualzação: 5/4/216 Apresetação O adero de Fórmulas tem por objetvo oretar os usuáros do Módulo de, a compreesão da metodologa de cálculo e dos crtéros de precsão usados

Leia mais

Assunto:Registro de Cédula de Credito à Exportação CCE e de Nota de Crédito à Exportação NCE SNA.

Assunto:Registro de Cédula de Credito à Exportação CCE e de Nota de Crédito à Exportação NCE SNA. Comunicado CETIP n o 101/04 12 de novembro de 2004 Assunto:Registro de Cédula de Credito à Exportação CCE e de Nota de Crédito à Exportação NCE SNA. A CETIP Câmara de Custódia e Liquidação, com base no

Leia mais

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017)

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017) Procedimetos de Marcação a Mercado (06, 207) Risk Maagemet Baco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A SUMÁRIO ESCOPO 4 2 PRINCÍPIOS 4 3 ORGANIZAÇÃO 5 4 COTAS 5 4. Cotas de Fechameto 5 4.2 Cotas de Abertura 6

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste Janeiro 2009.

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste Janeiro 2009. Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste Jaeiro 2009. Iformamos os procedimetos a serem aplicados durate o mês de jaeiro de 2009 para a apuração dos preços de ajustes diários dos cotratos derivativos

Leia mais

COMUNICADO SIM Nº 019/00. Ref.: Trata da implantação do Módulo de Títulos Públicos no SIM.

COMUNICADO SIM Nº 019/00. Ref.: Trata da implantação do Módulo de Títulos Públicos no SIM. COMUNICADO SIM Nº 019/00 Aos Participates do Sistema Itegrado de Mercados SIM Ref.: Trata da implatação do Módulo de Títulos Públicos o SIM. A Cetral de Custódia e de Liquidação Fiaceira de Títulos CETIP

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ecoomia, Admiistração e Cotabilidade de Ribeirão Preto - FEA-RP Matemática Fiaceira Profa. Dra.Luciaa C.Siqueira Ambrozii Juros Compostos 1 Juros compostos Cosidera

Leia mais

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior  1 Aula 23 Juros Compostos. Motate e juros. Descoto Composto. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivaletes. Capitais equivaletes. Capitalização cotíua. Equivalêcia Composta de Capitais. Descotos: Descoto racioal

Leia mais

CIRCULAR Nº Documento normativo revogado, a partir de 1º/10/2013, pela Circular nº 3.641, de 4/3/2013.

CIRCULAR Nº Documento normativo revogado, a partir de 1º/10/2013, pela Circular nº 3.641, de 4/3/2013. CIRCULAR Nº 3.389 Documeto ormativo revogado, a partir de 1º/10/2013, pela Circular º 3.641, de 4/3/2013. Observação: As citações a esta Circular passam a ter como referêcia a Circular º 3.641, de 4/3/2013.

Leia mais

MANUAL DE APREÇAMENTO DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE APREÇAMENTO DA BM&FBOVESPA Iformação Pública 1/6/2016 ÍNDICE 1 CONTRATOS FUTUROS SOBRE ATIVOS FINANCEIROS... 4 1.1 Cotrato Futuro de DI... 4 1.2 Cotrato FRA de Futuro de Cupom Cambial FRC... 7 1.3 Cotrato Futuro de Cupom Cambial

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Outubro/203 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA ATRAVÉS

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA Coceito de taxa de juros Taxa de juro é a relação etre o valor dos juros pagos (ou recebidos) o fial de um determiado período de tempo e o valor do capital

Leia mais

MANUAL DE APREÇAMENTO CONTRATOS FUTUROS

MANUAL DE APREÇAMENTO CONTRATOS FUTUROS Iformação Pública ÍNDICE 1 JUROS... 6 1.1 Futuro de taxa média de DI de um dia (DI1)... 6 1.2 Futuro de cupom cambial (DDI)... 9 1.3 FRA de cupom cambial (FRC)... 12 1.4 Futuro de taxa média das operações

Leia mais

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1

Caderno de Fórmulas. CDBs, DIs, DPGE, LAM, LC, LF, LFS, LFSC, LFSN, IECI e RDB. Última atualização:30/09/2015 1 Última atualização:30/09/2015 1 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetivo informar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos aplicados aos ativos: Certificado de Depósito Bancário

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Módulo de Termo

Caderno de Fórmulas. Módulo de Termo Módulo de Termo Elaboração: Fevereiro/2013 Última Atualização: 26/08/2016 Apresetação O Cadero de Fórmulas tem por objetivo orietar os usuários do Termo de Moedas e de Mercadorias (Commodities) sem etrega

Leia mais

COMUNICADO SNA Nº 010/01. Ref.: Trata do registro de Cédulas de Crédito Bancário CCB e de Certificados de Cédulas de Crédito Bancário CCCB.

COMUNICADO SNA Nº 010/01. Ref.: Trata do registro de Cédulas de Crédito Bancário CCB e de Certificados de Cédulas de Crédito Bancário CCCB. COMUNICADO SNA Nº 010/01 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos SNA Ref.: Trata do registro de Cédulas de Crédito Bancário CCB e de Certificados de Cédulas de Crédito Bancário CCCB. A Central

Leia mais

Operações Financeiras (Ativas e Passivas) Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas

Operações Financeiras (Ativas e Passivas) Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas Operações Fiaceiras (Ativas e Passivas) Operações Fiaceiras Ativas 1 2 Defiição As aplicações fiaceiras represetam excessos de dispoibilidades da empresa, em relação às ecessidades imediatas de desembolso,

Leia mais

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00 Módulo 7 J uros Compostos Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 7.1 Itrodução: Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos

Leia mais

TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO

TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO Ídice 1. Regulametação e Vigêcia...pág.2 2. Metodologia de Cálculo da TJLP...pág.2 3. Aplicabilidade da TJLP...pág.3 4. Metodologia de Cálculo dos Cotratos do BNDES atrelados

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 002/94

COMUNICADO SPR N.º 002/94 COMUNICADO SPR N.º 002/94 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP, informa os procedimentos a serem adotados

Leia mais

Capítulo 5 Cálculo Diferencial em IR n 5.1 Definição de função de várias variáveis: campos vetoriais e campos escalares.

Capítulo 5 Cálculo Diferencial em IR n 5.1 Definição de função de várias variáveis: campos vetoriais e campos escalares. 5. Defiição de fução de várias variáveis: campos vetoriais e. Uma fução f : D f IR IR m é uma fução de variáveis reais. Se m = f é desigada campo escalar, ode f(,, ) IR. Temos assim f : D f IR IR (,, )

Leia mais

RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS.

RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS. RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS. No sistema de amortização Price, com as seguites hipóteses, ocorrerá cobraça

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A IAG Matemática Fiaceira Fluxo de Caixa O valor do diheiro o tempo Represetação: Saídas Etradas (100) 100 Prof. Luiz Bradão 2012 1 2 Visualização: Fluxo de Caixa 0 1 2 3 4 5 Defiições: Fluxo de Caixa VP

Leia mais

Estimação por Intervalo (Intervalos de Confiança):

Estimação por Intervalo (Intervalos de Confiança): Estimação por Itervalo (Itervalos de Cofiaça): 1) Itervalo de Cofiaça para a Média Populacioal: Muitas vezes, para obter-se a verdadeira média populacioal ão compesa fazer um levatameto a 100% da população

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística Prova Resolvida e Cometada Prof. Joselias joselias@uol.com.br (0 )9654-53 FRF 005 Matemática Fiaceira e Estatística Soluções das Provas do FRF-005 de Matemática Fiaceira e de Estatística Prof. Joselias

Leia mais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais Fudametos de Aálise Matemática Profª Aa Paula Números reais 1,, 3, cojuto dos úmeros aturais 0,1,,3, cojuto dos úmeros iteiros p q /p e q cojuto dos úmeros racioais a, a 0 a 1 a a, a e a i 0, 1,, 3, 4,

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas)

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas) 1 UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagametos ou Redas) Elemetos ou Classificação: - Redas: Sucessão de depósitos ou de prestações, em épocas diferetes, destiados a formar

Leia mais

R$ ,00 (cento e setenta e cinco milhões de reais)

R$ ,00 (cento e setenta e cinco milhões de reais) ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS DAS 128ª e 130ª SÉRIES DA 1ª EMISSÃO DA RB CAPITAL COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO Compahia Aberta - CVM º 18.406 - CNPJ/MF

Leia mais

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2

NTN-D NTN-H NTN-I NTN-M NTN-P NTN-R2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. LISTA DE SIGLAS E SÍMBOLOS... 2 3. Bônus do Tesouro Nacional BTN... 4 4. Letras Financeiras do Tesouro LFT... 7 4.1 Letras Financeiras do Tesouro Série A LFT-A... 9 4.2

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 007/94

COMUNICADO SPR N.º 007/94 COMUNICADO SPR N.º 007/94 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP, comunica que, a partir do dia 22.09.94,

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES Aluo(a): Turma: Professores: Data: Edu/Vicete Noções de Estatística Podemos eteder a Estatística como sedo o método de estudo de comportameto coletivo, cujas coclusões são

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 04: Medidas de Posição (webercampos@gmail.com) . MÉDIA ARITMÉTICA : Para um cojuto de valores Média Aritmética Simples: xi p Média Aritmética Poderada: MÓDULO 04 - MEDIDAS

Leia mais

Carta Circular N.º 312. REF: Consulta de Índices de Preços, Taxas, Moedas e Valores no Menu de Funções.

Carta Circular N.º 312. REF: Consulta de Índices de Preços, Taxas, Moedas e Valores no Menu de Funções. Carta Circular N.º 312 Aos Participantes de Todos os Sistemas REF: Consulta de Índices de Preços, Taxas, Moedas e Valores no Menu de Funções. A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

3.4.2 Cálculo da moda para dados tabulados. 3.4 Moda Cálculo da moda para uma lista Cálculo da moda para distribuição de freqüências

3.4.2 Cálculo da moda para dados tabulados. 3.4 Moda Cálculo da moda para uma lista Cálculo da moda para distribuição de freqüências 14 Calcular a mediaa do cojuto descrito pela distribuição de freqüêcias a seguir. 8,0 10,0 10 Sabedo-se que é a somatória das, e, portato, = 15+25+16+34+10 = 100, pode-se determiar a posição cetral /2

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Elementos de Análise - Verão 2001

Elementos de Análise - Verão 2001 Elemetos de Aálise - Verão 00 Lista Thomas Robert Malthus, 766-834, foi professor de Ecoomia Política em East Idia College e em seu trabalho trouxe à luz os estudos sobre diâmica populacioal. Um de seus

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de

Leia mais

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Estudaremos este capítulo os vários sistemas de amortização de empréstimos e fiaciametos, sua metodologia e cálculos para determiação do saldo

Leia mais

RENDAS CERTAS OU ANUIDADES

RENDAS CERTAS OU ANUIDADES RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Matemática Fiaceira/Mário Nas aplicações fiaceiras o capital pode ser pago ou recebido de uma só vez ou através de uma sucessão de pagametos ou de recebimetos. Quado o objetivo

Leia mais

n d n d III) Substituindo ( II ) em ( I ) n d n d n d n d Banco do Brasil + BaCen FORMULAS QUADRO 1 I) Cálculo do desconto racional simples

n d n d III) Substituindo ( II ) em ( I ) n d n d n d n d Banco do Brasil + BaCen FORMULAS QUADRO 1 I) Cálculo do desconto racional simples Baco o Brasil + BaCe 2. DESCONTOS Quao o portaor e títulos e créito, tais como: Duplicatas Nota Promissória Cheque Pré Datao Letras e Câmbio (papéis feerais) etc com vecimetos certos e líquios, ecessita

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA E A VINCULAÇÃO DE AMBOS COM A TABELA PRICE

COMPARATIVO ENTRE REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA E A VINCULAÇÃO DE AMBOS COM A TABELA PRICE COMPARATIVO ETRE REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA E A VICULAÇÃO DE AMBOS COM A TABELA PRICE Etede-se por regime de capitalização o processo de formação dos juros e a maeira pela qual estes são

Leia mais

Prova Banco do Brasil 2012 CESGRANRIO /

Prova Banco do Brasil 2012 CESGRANRIO / MATEMÁTICA (QUESTÕES 11 A 0) (Questão 11) No Brasil, quase toda a produção de latas de alumíio é reciclada. As empresas de reciclagem pagam R$ 30,00 por 100 kg de latas usadas, sedo que um quilograma correspode

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES U.E PROF EDGAR TITO

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES  U.E PROF EDGAR TITO ESTATÍSTICA PROF. RANILDO LOPES http://ueedgartito.wordpress.com U.E PROF EDGAR TITO Medidas de tedêcia cetral Medidas cetrais são valores que resumem um cojuto de dados a um úico valor que, de alguma

Leia mais

Instruções gerais sobre a Prova:

Instruções gerais sobre a Prova: DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA - UFMG PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2012/2013 Istruções gerais sobre a Prova: (a) Cada questão respodida corretamete vale 1 (um) poto. (b) Cada

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

47.(CESPE-BB) Na situação apresentada, o valor do número real k é tal que 30 < k 3 + k + 1 < 32.

47.(CESPE-BB) Na situação apresentada, o valor do número real k é tal que 30 < k 3 + k + 1 < 32. PROVA DE MATEMÁTIA BANO DO BRASIL 007 - A umeração segue a ordem do cadero verde. ENUNIADO PRINIPAL y y f(x)= x g(x)=x 0 k k x 0 56 x A figura acima ilustra duas cópias do sistema cartesiao xoy, em que,

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Caro aluo, Dispoibilizo abaixo a resolução resumida das 10 questões de Matemática Fiaceira da prova de Auditor do ISS/Cuiabá 2014. Para sua orietação, utilizei

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M7 Função Exponencial. 2 Encontre o valor da expressão

Matemática. Resolução das atividades complementares. M7 Função Exponencial. 2 Encontre o valor da expressão Resolução das atividades complemetares Matemática M Fução Epoecial p. 6 (Furg-RS) O valor da epressão A a) c) e) 6 6 b) d) 0 A?? A? 8? A A A? A 6 8 Ecotre o valor da epressão 0 ( ) 0 ( ) 0 0 0. Aplicado

Leia mais

Comparação de testes paramétricos e não paramétricos aplicados em delineamentos experimentais

Comparação de testes paramétricos e não paramétricos aplicados em delineamentos experimentais Comparação de testes paramétricos e ão paramétricos aplicados em delieametos experimetais Gustavo Mello Reis (UFV) gustavo_epr@yahoo.com.br José Ivo Ribeiro Júior (UFV) jivo@dpi.ufv.br RESUMO: Para comparar

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

O QUE HÁ DE ERRADO COM O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO? - COMPARAÇÃO ENTRE OS RETORNOS MÉDIOS DO IBOVESPA E DO CDI NO PERÍODO DE 1986 A 2004

O QUE HÁ DE ERRADO COM O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO? - COMPARAÇÃO ENTRE OS RETORNOS MÉDIOS DO IBOVESPA E DO CDI NO PERÍODO DE 1986 A 2004 V I I S E M E A D P E S Q U I S A Q U A N T I T A T I V A F I N A N Ç A S O QUE HÁ DE ERRADO COM O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO? - COMPARAÇÃO ENTRE OS RETORNOS MÉDIOS DO IBOVESPA E DO CDI NO PERÍODO DE

Leia mais

19/10/2016. Instrumentos Financeiros Renda Fixa Tributação, Bonds e Debêntures. Agenda da Aula - 8. Renda Fixa. Renda Fixa

19/10/2016. Instrumentos Financeiros Renda Fixa Tributação, Bonds e Debêntures. Agenda da Aula - 8. Renda Fixa. Renda Fixa 19/10/01 Carlos R. Godoy 1 Mercado Fiaceiro I RCC 0407 Ageda da Aula - 8 Carlos R. Godoy 1. Istrumetos de Reda Fixa. Tributação em Reda Fixa. Istrumetos Fiaceiros Reda Fixa Tributação, Bods e 4. Valor

Leia mais

ESTUDO DA SECAGEM DE BANANAS ATRAVÉS DO MODELO DE DIFUSÃO USANDO SOLUÇÕES ANALÍTICAS

ESTUDO DA SECAGEM DE BANANAS ATRAVÉS DO MODELO DE DIFUSÃO USANDO SOLUÇÕES ANALÍTICAS WWWCONVIBRAORG ESTUDO DA SECAGEM DE BANANAS ATRAVÉS DO MODELO DE DIFUSÃO USANDO SOLUÇÕES ANALÍTICAS ANDRÉA F RODRIGUES 1, WILTON P SILVA 2, JOSIVANDA P GOMES 3, CLEIDE M D P S SILVA 4, ÍCARO CARVALHO RAMOS

Leia mais

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E MEDIDAS DE DISPERSÃO Í N D I C E

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E MEDIDAS DE DISPERSÃO Í N D I C E MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E MEDIDAS DE DISPERSÃO Í N D I C E Medidas de Tedêcia Cetral Itrodução... 1- Média Aritmética... - Moda... 3- Mediaa... Medidas de Dispersão 4- Amplitude Total... 5- Variâcia

Leia mais

Estimativa de Parâmetros

Estimativa de Parâmetros Estimativa de Parâmetros ENG09004 04/ Prof. Alexadre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Trabalho em Grupo Primeira Etrega: 7/0/04. Plao de Amostragem - Cotexto - Tipo de dado, frequêcia de coleta, quatidade

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

UNICAMP - 2004. 2ª Fase MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UNICAMP - 2004. 2ª Fase MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UNICAMP - 004 ª Fase MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Em uma sala há uma lâmpada, uma televisão [TV] e um aparelho de ar codicioado [AC]. O cosumo da lâmpada equivale

Leia mais

Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos. Análise de Algoritmos Aálise de Algoritmos Aálise de Algoritmos Prof Dr José Augusto Baraauskas DFM-FFCLRP-USP A Aálise de Algoritmos é um campo da Ciêcia da Computação que tem como objetivo o etedimeto da complexidade dos

Leia mais

3ª Lista de Exercícios de Programação I

3ª Lista de Exercícios de Programação I 3ª Lista de Exercícios de Programação I Istrução As questões devem ser implemetadas em C. 1. Desevolva um programa que leia dois valores a e b ( a b ) e mostre os seguites resultados: (1) a. Todos os úmeros

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste Fevereiro 2009.

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste Fevereiro 2009. Criérios para a Apuração dos Preços de Ajuse Fevereiro 2009. Iformamos os procedimeos a serem aplicados durae o mês de fevereiro de 2009 para a apuração dos preços de ajuses diários dos coraos derivaivos

Leia mais

3ºAno. 3ª Lista de Exercícios/4 Bim

3ºAno. 3ª Lista de Exercícios/4 Bim ºAo ª Lista de Exercícios/4 Bim 0 - (UFRN) A corrida de São Silvestre, realizada em São Paulo, é uma das mais importates provas de rua disputadas o Brasil. Seu percurso mede 5 km. João, que treia em uma

Leia mais

Economia Florestal. A floresta como um capital

Economia Florestal. A floresta como um capital Ecoomia Florestal A floresta como um capital O que é um capital? Defiição Capital é um fudo ou valor (pode ser moetário, bes, maquiaria, etc.) que pode gerar redimetos futuros durate um certo tempo, capazes

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY APOSTILA EDIÇÃO: 2-2011 AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY www.mauriciocury.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES 5 2.1 Coceitos e Cálculos 5 2.2 Descoto Simples 8 2.2.1 Descoto Simples Bacário 8 2.2.2

Leia mais

10 - Medidas de Variabilidade ou de Dispersão

10 - Medidas de Variabilidade ou de Dispersão 10 - Medidas de Variabilidade ou de Dispersão 10.1 Itrodução Localizado o cetro de uma distribuição de dados, o próximo passo será verificar a dispersão desses dados, buscado uma medida para essa dispersão.

Leia mais

Problemas Sobre Correlacionamento

Problemas Sobre Correlacionamento Capítulo 2 Problemas Sobre Correlacioameto Se caiu, levate e ade como se uca tivesse caído, cosiderado que, a cada vez que você se esforça e se levata de uma queda, suas peras se fortalecem. 2.1. Problemas

Leia mais

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito:

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito: //4 VII. Equivalêcia de Fluxos de Caixa Matemática Fiaceira Aplicada ao Mercado Fiaceiro e de Capitais Professor Roaldo Távora 9 VII. - Coceito Coceito: Dois fluxos de caixa são equivaletes, a uma determiada

Leia mais

Taxas e Índices. Ana Maria Lima de Farias Dirce Uesu Pesco

Taxas e Índices. Ana Maria Lima de Farias Dirce Uesu Pesco Taxas e Ídices Aa Maria Lima de Farias Dirce Uesu esco Itrodução Nesse texto apresetaremos coceitos básicos sobre ídices e taxas. Embora existam aplicações em diversos cotextos, essas otas utilizaremos

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Rua 13 de junho,

Rua 13 de junho, NOME: 1. (Cefet MG 013) Durate o mesmo período, dois irmãos depositaram, uma vez por semaa, em seus respectivos cofrihos, uma determiada quatia, da seguite forma: o mais ovo depositou, a primeira semaa,

Leia mais

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros ANEXO II Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de 2004 Rendimento pelo IGP-M + Juros TERMO DE ADITAMENTO À ESCRITURA DA [N.º de ordem da emissão] EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES DA [Nome da Companhia

Leia mais

Centro Educacional Sesc Cidadania

Centro Educacional Sesc Cidadania Cetro Educacioal Sesc Cidadaia Prof.(a): Kátia Lima Lista de Exercícios Matemática Fiaceira Se ão existe esforço, ão existe progresso (F. Douglas) ENSINO MÉDIO Aluo(a): ANO TURMA DATA: Questão 01) Um líquido

Leia mais

COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS. 2. Lembrando... II. K = x K = (7 2 ) x K = x

COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS. 2. Lembrando... II. K = x K = (7 2 ) x K = x Matemática aula COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. Pelo algoritmo da divisão, temos: I. q + r II. + ( + 3) q + r + q+ r+ 3q + + 3q q 7 5. N 5. 8 x N 5. 3x Número de divisores ( + )(3x + ) 3x + 7 x um úmero

Leia mais

Disciplina: MATEMÁTICA Turma: 3º Ano Professor (a) : CÉSAR LOPES DE ASSIS INTRODUÇÃO A ESTATÍSTICA. Organização de dados

Disciplina: MATEMÁTICA Turma: 3º Ano Professor (a) : CÉSAR LOPES DE ASSIS INTRODUÇÃO A ESTATÍSTICA. Organização de dados Escola SESI de Aápolis - Judiaí Aluo (a): Disciplia: MATEMÁTICA Turma: 3º Ao Professor (a) : CÉSAR LOPES DE ASSIS Data: INTRODUÇÃO A ESTATÍSTICA A Estatística é o ramo da Matemática que coleta, descreve,

Leia mais

Elevando ao quadrado (o que pode criar raízes estranhas),

Elevando ao quadrado (o que pode criar raízes estranhas), A MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO, Vol. Soluções. Progressões Aritméticas ) O aumeto de um triâgulo causa o aumeto de dois palitos.logo, o úmero de palitos costitui uma progressão aritmética de razão. a a +(

Leia mais

Experimento 1 Estudo da Lei de Hooke

Experimento 1 Estudo da Lei de Hooke Experimeto 1 Estudo da Lei de Hooke 1.1 Objetivos Físicos Verificação experimetal da lei de Hooke para uma mola helicoidal: Medida experimetal do módulo de rigidez do material μ. 1. Objetivos Didáticos

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 2.=000. 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm do cetro deste. Assuma

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL GRUPO DE ENSINO E PESQUISA EM REAL ESTATE

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL GRUPO DE ENSINO E PESQUISA EM REAL ESTATE Ídice Setorial de Real Estate IRE São Paulo Juho 205 2 FINALIDADE A costrução e a divulgação do IRE tem o propósito de espelhar o comportameto médio dos preços das ações das empresas que atuam o segmeto

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 0: Medidas de Dispersão (webercampos@gmail.com) MÓDULO 0 - MEDIDAS DE DISPERSÃO 1. Coceito: Dispersão é a maior ou meor diversificação dos valores de uma variável, em toro

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

Cenários de arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte dos Rendimentos do Trabalho e Outros Rendimentos com Correção Inflacionária

Cenários de arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte dos Rendimentos do Trabalho e Outros Rendimentos com Correção Inflacionária PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Covêio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 12 Ceários de arrecadação

Leia mais

Caderno de Debêntures

Caderno de Debêntures Caderno de Debêntures AEPA11 Anhanguera Educacional Participações S/A Valor Nominal na Emissão: R$ 40.000.000,00 Quantidade Emitida: 1 Emissão: 3/3/2009 Vencimento: 3/9/2010 Classe: Não Conversível Forma:

Leia mais