Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste Janeiro 2009.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste Janeiro 2009."

Transcrição

1 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste Jaeiro Iformamos os procedimetos a serem aplicados durate o mês de jaeiro de 2009 para a apuração dos preços de ajustes diários dos cotratos derivativos fiaceiros e agropecuários, coforme segue. CONTRATOS FUTUROS SOBRE ATIVOS FINANCEIROS 1. Cotrato futuro de DI Vecimetos cujos preços de ajuste são apurados pelo cálculo da média aritmética poderada dos egócios realizados o itervalo de egociação etre 15:50 e 16:00*, coforme Ofício Circular 149/2006-DG, de 21/12/2006: Jaeiro/10 Jaeiro/11 Jaeiro/12 Demais vecimetos Os preços de ajuste serão apurados pelo cálculo da média aritmética poderada dos egócios realizados o call de fechameto. Se ão houver egociação e em ofertas o call de fechameto, os preços de ajuste serão arbitrados empregado modelos e metodologias defiidos pela Bolsa. Adicioalmete, iformamos que todos os vecimetos poderão fazer parte do call de fechameto, se for verificada a codição de volatilidade ao logo do período de apuração da média de preços do vecimeto jaeiro/10, coforme o Ofício Circular 149/2006-DG, de 21/12/ Cotrato futuro de dólar Vecimeto com preço de ajuste apurado pelo cálculo da média aritmética poderada dos egócios realizados o itervalo de egociação etre 15:50 e 16:00*: Fevereiro/09

2 Jaeiro/ Demais vecimetos Os preços de ajuste serão arbitrados a partir dos preços de ajuste dos cotratos futuros de DI e de DDI, empregado a metodologia coforme descrito a seguir. Premissa: será cosiderada a codição de ão-arbitragem etre os cotratos futuros de DI; DDI e de dólar. O preço de ajuste do futuro de dólar será: ode: DI t dol,t = Ptax t DDI t dol,t DI t DDI t Ptax t-1 = preço de ajuste do cotrato futuro de dólar para o e-ésimo vecimeto, a data t ; = preço de ajuste do cotrato futuro de DI, expresso em PU, para o e-ésimo vecimeto, a data t ; = preço de ajuste do cotrato futuro de DDI, expresso em PU, para o e-ésimo vecimeto, a data t ; = Ptax800 cotação de veda, divulgada pelo BACEN, do dia aterior à data de cálculo. Quado houver vecimeto o cotrato futuro de dólar e ão existir posição em aberto o futuro de DI e/ou DDI, será empregado o processo de iterpolação as taxas de juro desses cotratos. 3. Cotrato futuro de Ibovespa Vecimeto com preço de ajuste apurado pela média aritmética poderada dos egócios realizados os últimos 15 miutos de egociação, exceto o dia do vecimeto quado o preço de ajuste será calculado pela média poderada das últimas 3 horas do ídice o mercado a vista da carteira teórica a BM&FBOVES:

3 Jaeiro/ Fevereiro/09 Demais vecimetos Os preços de ajuste serão arbitrados a partir dos preços de ajuste dos cotratos futuros de DI e do custo de aluguel médio das ações da carteira teórica do Ibovespa, divulgado pela CBLC. Adicioalmete, poderá ser utilizado o valor da rolagem, quado houver, a critério da Bolsa. O preço de ajuste do futuro de Ibovespa será: ode: Pré = du v 252 DI1,t ibv,t ibv,t 1 + alugt Pré du ibv,t ibv,t v DI1,t = preço de ajuste do cotrato futuro de Ibovespa para o e-ésimo vecimeto, a data t ; = preço de ajuste do cotrato futuro de Ibovespa para o primeiro vecimeto, a data t ; = taxa pré-iterpolada, referete ao preço de ajuste do cotrato futuro de DI para o prazo etre o primeiro vecimeto e a data de ecerrameto do cotrato, a data t ; = úmero de dias úteis compreedidos etre a data de térmio do primeiro vecimeto e a data de ecerrameto de e-ésimo vecimeto; alug t = custo médio de aluguel da carteira teórica do Ibovespa para o período compreedido etre a data de cálculo t e a data do e- ésimo vecimeto do cotrato futuro de Ibovespa. 4. FRC FRA de cupom cambial Todos os vecimetos Os preços de ajuste serão apurados pelo cálculo da média aritmética poderada dos egócios realizados o call de fechameto.

4 Jaeiro/ Se ão houver egociação e em ofertas o call de fechameto, os preços de ajuste serão arbitrados empregado modelos e metodologias defiidos pela Bolsa. 5. Cotrato futuro de cupom cambial (DDI) Todos os vecimetos Os preços de ajuste serão arbitrados a partir dos preços de ajuste dos cotratos futuros de DI e de dólar para o primeiro vecimeto. A partir do segudo vecimeto, iclusive, o preço de ajuste é resultado da multiplicação etre o cupom de DDI apurado para o primeiro vecimeto e a taxa de ajuste do FRC, coforme metodologia descrita a seguir. Primeiro vecimeto em aberto: ode: = DIt DOLt Ptax t-1 DI t dol,t = preço de ajuste do cotrato futuro de DDI, expresso em taxa liear ao ao, para o primeiro vecimeto, a data t ; = preço de ajuste do cotrato futuro de DI, expresso em PU, para o primeiro vecimeto, a data t ; = preço de ajuste do cotrato futuro de dólar para o primeiro vecimeto, a data t.

5 Jaeiro/ Demais vecimetos: = dc1 dc2-dc c DDI 1+ c FRC dc2 ode: = preço de ajuste do cotrato futuro de DDI, expresso em taxa liear ao ao, para o e-ésimo vecimeto, a data t ; c = preço de ajuste do cotrato futuro de DDI para o primeiro vecimeto, expresso em taxa liear ao ao, a data t ; c FRC,t = preço de ajuste do FRC para o e-ésimo vecimeto, expresso em taxa liear ao ao, a data t ; dc 2 = úmero de dias corridos compreedidos etre a data de cálculo e a data de ecerrameto de e-ésimo vecimeto, a data t ; dc 1 = úmero de dias corridos compreedidos etre a data de cálculo e a data de ecerrameto do primeiro vecimeto do cotrato futuro de DDI, a data t. 6. Demais cotratos futuros fiaceiros cujo preço de ajuste é apurado o call de fechameto Cotratos Futuros de Swap de Crédito sobre a Dívida Soberaa BC3; BC5; e BC7 (Ofício Circular 001/2008-DP). Cotrato Futuro de IGP-M. Cotrato Futuro de IPCA. Cotrato Futuro de Cupom de IPCA. FRI FRA de Cupom de IPCA. Cotrato Futuro de Ouro. Cotrato Futuro de IBrX-50. Cotrato Futuro de T-Note de 10 aos. Se ão houver egociação e em ofertas o call de fechameto, os preços de ajuste serão arbitrados empregado modelos e metodologias defiidos pela Bolsa.

6 Jaeiro/ Demais cotratos com os preços de ajuste arbitrados empregado modelos e metodologias defiidos pela Bolsa Cotrato Futuro de A-Bod Cotrato Futuro de Cupom IGPM. Cotrato Futuro de DI Logo. Cotrato Futuro de Euro. Cotratos Futuros de Global Bod: B11; B12; B13; B14; B15; B19; B20; B24; B25; B27; B30; B34; B37; e B40. Cotrato Futuro de Reais por Euro (iício de egociação em 09/01/09). Cotrato Futuro de Reais por Iee (iício de egociação em 09/01/09). CONTRATOS FUTUROS SOBRE AGROPECUÁRIOS 8. Cotrato futuro de boi gordo Vecimetos com preços de ajuste apurados pela média aritmética poderada dos egócios realizados os últimos 15 miutos de egociação* coforme Ofício Circular 001/2007-DG, de 04/01/2007: Jaeiro/09 Maio/09 Outubro/09 Demais vecimetos O critério para apuração do preço de ajuste o call será o mesmo utilizado o GTS para apuração do preço de abertura do mercado, ou seja, a prioridade e a maximização da quatidade de cotratos fechados. Assim, embora as ofertas possam ter sido realizadas por preços diferetes, todos os egócios realizados o call para o mesmo vecimeto serão fechados por um úico preço. Se ão houver egociação e em ofertas o call de fechameto, os preços de ajuste serão arbitrados empregado modelos e metodologias defiidos pela Bolsa. 9. Cotratos futuros agropecuários cujo preço de ajuste é apurado o call de fechameto Cotrato Futuro de Açúcar. Cotrato Futuro de Café Arábica. Cotrato Futuro de Etaol. Cotrato Futuro de Milho. Cotrato Futuro de Milho com Liquidação Fiaceira.

7 Jaeiro/ Cotrato Futuro de Milho Base de Preço Triâgulo Mieiro. Cotrato Futuro de Milho Base de Preço Cascavel. Cotrato Futuro de Milho Base de Preço Rio Verde. Cotrato Futuro de Milho Base de Preço Paraaguá. Cotrato Futuro de Soja. Se ão houver egociação em quatidade igual ou superior ao lote míimo de 10 cotratos, excluido os egócios diretos, o call de fechameto, os preços de ajuste serão arbitrados empregado modelos e metodologias defiidos pela BM&FBOVES. Idepedetemete do critério e das situações acima descritos, a BM&FBOVES poderá arbitrar qualquer preço de ajuste, sempre que cosiderar, em seu julgameto, que o valor ecotrado ão seja represetativo. Esclarecimetos adicioais poderão ser obtidos com a Diretoria de Derivativos de Reda Fixa e Câmbio pelos telefoes (+11) /6431/6435.

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste Fevereiro 2009.

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste Fevereiro 2009. Criérios para a Apuração dos Preços de Ajuse Fevereiro 2009. Iformamos os procedimeos a serem aplicados durae o mês de fevereiro de 2009 para a apuração dos preços de ajuses diários dos coraos derivaivos

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2011

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2011 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2011 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de maio de 2011 para a apuração dos preços

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de setembro de 2013 para a apuração dos

Leia mais

MANUAL DE APREÇAMENTO CONTRATOS FUTUROS

MANUAL DE APREÇAMENTO CONTRATOS FUTUROS Iformação Pública ÍNDICE 1 JUROS... 6 1.1 Futuro de taxa média de DI de um dia (DI1)... 6 1.2 Futuro de cupom cambial (DDI)... 9 1.3 FRA de cupom cambial (FRC)... 12 1.4 Futuro de taxa média das operações

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21 Última Atualização: 01/04/2016 E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados Para Debêtures o Cetip21. São aqui apresetadas fórmulas

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A APURAÇÃO DOS PREÇOS DE AJUSTE E PRÊMIOS DAS OPÇÕES DE COMPRA E DE VENDA MAIO 2017

CRITÉRIOS PARA A APURAÇÃO DOS PREÇOS DE AJUSTE E PRÊMIOS DAS OPÇÕES DE COMPRA E DE VENDA MAIO 2017 CRITÉRIOS PARA A APURAÇÃO DOS PREÇOS DE AJUSTE E PRÊMIOS DAS OPÇÕES DE COMPRA E DE VENDA MAIO 2017 28/04/2017 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de maio de 2017 para a apuração

Leia mais

HORÁRIOS DE NEGOCIAÇÃO - SEGMENTO BM&F. Contratos Futuros, de Opções e Operações Estruturadas Referenciados em Taxa de Juro em Reais

HORÁRIOS DE NEGOCIAÇÃO - SEGMENTO BM&F. Contratos Futuros, de Opções e Operações Estruturadas Referenciados em Taxa de Juro em Reais HORÁRIOS DE NEGOCIAÇÃO SEGMENTO BM&F s Futuros, Opções e Operações Estruturadas Referenciados em Taxa Juro em Reais Futuro DI1 FUT DI1 09:00 2 16:00 16:07 16:10 16:10 16:42 16:45 16:50 2 18:00 Futuro DI

Leia mais

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017)

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017) Procedimetos de Marcação a Mercado (06, 207) Risk Maagemet Baco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A SUMÁRIO ESCOPO 4 2 PRINCÍPIOS 4 3 ORGANIZAÇÃO 5 4 COTAS 5 4. Cotas de Fechameto 5 4.2 Cotas de Abertura 6

Leia mais

COMUNICADO CETIP N.º 119

COMUNICADO CETIP N.º 119 COMUCADO CETIP N.º 9 Aos Participates do Sistema de Registro e de Liquidação Fiaceira de Títulos A Cetral de Custódia e de Liquidação Fiaceira de Títulos CETIP, tedo em vista o disposto as Resoluções 2904

Leia mais

Elaboração: Abril/2001

Elaboração: Abril/2001 Elaboração: Abril/2001 Última atualização: 13/03/2006 Apresetação E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados o SND -. São aqui

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2009

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2009 Criérios para a Apuração dos Preços de Ajuse e Prêmios das Opções de Compra e de Veda Abril 2009 Iformamos os procedimeos a serem aplicados durae o mês de abril de 2009 para a apuração dos preços de ajuses

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Ref.: Alteração na Política de Tarifação de Produtos e Serviços da BM&FBOVESPA.

O F Í C I O C I R C U L A R. Ref.: Alteração na Política de Tarifação de Produtos e Serviços da BM&FBOVESPA. 27 de outubro de 2008 070/2008-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos mercados BM&FBOVESPA Ref.: Alteração na Política de Tarifação de Produtos e Serviços da BM&FBOVESPA. A BM&FBOVESPA informa

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Agosto 2016

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Agosto 2016 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Agosto 2016 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de agosto de 2016 para a apuração dos preços

Leia mais

COMUNICADO SIM Nº 019/00. Ref.: Trata da implantação do Módulo de Títulos Públicos no SIM.

COMUNICADO SIM Nº 019/00. Ref.: Trata da implantação do Módulo de Títulos Públicos no SIM. COMUNICADO SIM Nº 019/00 Aos Participates do Sistema Itegrado de Mercados SIM Ref.: Trata da implatação do Módulo de Títulos Públicos o SIM. A Cetral de Custódia e de Liquidação Fiaceira de Títulos CETIP

Leia mais

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015 1 CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagametos Data: 16/11/2015 Sumário/Ídice CRI - CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS... 1 SUMÁRIO/ÍNDICE... 2 1. OBJETIVO...

Leia mais

Produtos BM&FBovespa. BTG Pactual CTVM. BTG Pactual

Produtos BM&FBovespa. BTG Pactual CTVM. BTG Pactual Conheça alguns dos produtos negociados pela Renda Variável Compõe-se de ativos de renda variável, quais sejam, aqueles cuja remuneração ou retorno de capital não pode ser dimensionado no momento da aplicação.

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de outubro de 2011 para a apuração dos

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Dezembro 2015

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Dezembro 2015 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Dezembro 2015 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de dezembro 2015 para a apuração dos preços

Leia mais

Operações Financeiras (Ativas e Passivas) Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas

Operações Financeiras (Ativas e Passivas) Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas Operações Fiaceiras (Ativas e Passivas) Operações Fiaceiras Ativas 1 2 Defiição As aplicações fiaceiras represetam excessos de dispoibilidades da empresa, em relação às ecessidades imediatas de desembolso,

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F 23 de agosto de 2016 082/2016-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Produtos Autorizados para Negociação e Registro nos Mercados de Bolsa

Leia mais

Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F

Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F 01 de julho de 2016 061/2016-DO C O M U N I C A D O E X T E R N O Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Registro da BM&FBOVESPA pela U.S. Commodity Futures Trading Commission

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F 10 de fevereiro de 2017 013/2017-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Produtos Autorizados para Negociação e Registro nos Mercados de

Leia mais

Mecanica Operacional dos Mercados Futuros e a Termo. EAD Caderno 2 FEA / USP

Mecanica Operacional dos Mercados Futuros e a Termo. EAD Caderno 2 FEA / USP 2.1 Mecanica Operacional dos Mercados Futuros e a Termo EAD 733 - Caderno 2 FEA / USP 2.2 Contratos Futuros vs Contratos a Termo TERMO Contrato particular entre duas partes Contrato não padronizado Usualmente

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de abril 2014 para a apuração dos preços

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F 1 de fevereiro de 2017 008/2017-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Novos Horários de Segmentos BOVESPA e BM&F. A BM&FBOVESPA informa

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA DA FEA/USP. Aula 05.1 Opções Padrão (vanilla option)

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA DA FEA/USP. Aula 05.1 Opções Padrão (vanilla option) DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA DA FEA/USP EAC 0466 Precificação de Derivativos e Outros Produtos Aula 05.1 Opções Padrão (vanilla option) Ciências Atuariais 2017 Programa 1. Introdução 2. Aspectos

Leia mais

Roteiro Derivativo Financeiros

Roteiro Derivativo Financeiros Roteiro Derivativo Financeiros PERFIL DOS CLIENTES Pessoa Física: Investidores Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias); Não Financeiros (Exportadores, Tradings, Indústria); Não Residentes

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA DA FEA/USP. Aula 04 Contratos Futuro e a Termo

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA DA FEA/USP. Aula 04 Contratos Futuro e a Termo DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA DA FEA/USP EAC 0466 Precificação de Derivativos e Outros Produtos Aula 04 Contratos Futuro e a Termo Ciências Atuariais 2017 Programa 2. Mercado a Termo Mercado

Leia mais

Regras para Criação e Exclusão de Vencimentos e Séries de Derivativos

Regras para Criação e Exclusão de Vencimentos e Séries de Derivativos Regras para Criação e Exclusão de Vencimentos e Séries de Derivativos B3: o resultado da combinação entre a BM&FBOVESPA e a Cetip. A B3 foi criada em março de 2017 como fruto da combinação entre a BM&FBOVESPA

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Swap

Caderno de Fórmulas. Swap Swap Elaboração: Abrl/25 Últma Atualzação: 5/4/216 Apresetação O adero de Fórmulas tem por objetvo oretar os usuáros do Módulo de, a compreesão da metodologa de cálculo e dos crtéros de precsão usados

Leia mais

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior  1 Aula 23 Juros Compostos. Motate e juros. Descoto Composto. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivaletes. Capitais equivaletes. Capitalização cotíua. Equivalêcia Composta de Capitais. Descotos: Descoto racioal

Leia mais

BM&FBOVESPA S.A. - BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS CNPJ nº / NIRE

BM&FBOVESPA S.A. - BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS CNPJ nº / NIRE BM&FBOVESPA S.A. - BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS CNPJ nº 09.346.601/0001-25 NIRE 35.300.351.452 BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de abril de 2011 Destaques: Média diária de contratos

Leia mais

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00 Módulo 7 J uros Compostos Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 7.1 Itrodução: Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos

Leia mais

ANEXO 2 EXEMPLOS DE CARTEIRAS

ANEXO 2 EXEMPLOS DE CARTEIRAS .viii. ANEXO 2 EXEPLOS DE CARTEIRAS Neste anexo, demonstra-se como são realizados o mapeamento dos fatores de risco, as variações dentro de um cenário e o cálculo da margem de garantia, tomando-se por

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE TEÓFILO OTONI CNPJ /

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE TEÓFILO OTONI CNPJ / REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE TEOFILO OTONI RELATÓRIO TRIMESTRAL DE RENTABILIDADE E RISCOS DOS INVESTIMENTOS RELATIVO

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS 2.1. Introdução 2.2. Posições 2.3. Padronização dos Contratos 2.4. Margem e Ajustes Diários 2.5. Custos Operacionais 2.6.

Leia mais

BM&FBOVESPA S.A. - BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS CNPJ nº / NIRE

BM&FBOVESPA S.A. - BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS CNPJ nº / NIRE BM&FBOVESPA S.A. - BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS CNPJ nº 09.346.601/0001-25 NIRE 35.300.351.452 BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de março Negociação via Co-location no segmento Bovespa

Leia mais

Míni de Café WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Café WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Café WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro. A

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F 19 de setembro de 2016 094/2016-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Novos Horários de Segmentos BOVESPA e BM&F. A BM&FBOVESPA informa

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Juros reais em baixa No período entre os dias 06 e 13 de maio, o IPCA projetado para os próximos 12 meses apresentou queda, da mesma forma a estimativa para o fechamento de 2017. A estrutura a termo da

Leia mais

CONTRATO FUTURO DE CUPOM DE IPCA. Especificações

CONTRATO FUTURO DE CUPOM DE IPCA. Especificações CONTRATO FUTURO DE CUPOM DE IPCA Especificações 1. Definições IPCA Taxa DI Preço unitário (PU) Saque-reserva Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, expresso em número-índice (número de pontos),

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Ancoragem das expectativas inflacionárias Por motivos internos e externos, na semana de 08 a 15 de abril, o prêmio de risco soberano brasileiro reduziu-se em 48 pontos básicos. A expectativa de um eventual

Leia mais

Agenda. Mercado de Renda Fixa III. Introdução Derivativos ETTJ Precificação. Confidencial 1. Paulo Berger

Agenda. Mercado de Renda Fixa III. Introdução Derivativos ETTJ Precificação. Confidencial 1. Paulo Berger Mercado de Renda Fixa III Paulo Berger Agenda O valor do dinheiro refere-se ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta afirmação é o que vamos estudar ao longo deste

Leia mais

Contrato Futuro de Soja com Liquidação Financeira pelo Preço do Contrato Futuro Míni de Soja do CME Group Especificações. realizadas e liquidadas.

Contrato Futuro de Soja com Liquidação Financeira pelo Preço do Contrato Futuro Míni de Soja do CME Group Especificações. realizadas e liquidadas. Contrato Futuro de Soja com Liquidação Financeira pelo Preço do Contrato Futuro Míni de Soja do CME Group Especificações 1. Definições Contrato (especificações): Taxa de câmbio referencial BM&FBOVESPA:

Leia mais

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística Prova Resolvida e Cometada Prof. Joselias joselias@uol.com.br (0 )9654-53 FRF 005 Matemática Fiaceira e Estatística Soluções das Provas do FRF-005 de Matemática Fiaceira e de Estatística Prof. Joselias

Leia mais

OMBRO-CABEÇA-OMBRO : TESTANDO A LUCRATIVIDADE DO PADRÃO GRÁFICO DE ANÁLISE TÉCNICA NO MERCADO DE AÇÕES BRASILEIRO

OMBRO-CABEÇA-OMBRO : TESTANDO A LUCRATIVIDADE DO PADRÃO GRÁFICO DE ANÁLISE TÉCNICA NO MERCADO DE AÇÕES BRASILEIRO Caro parecerista, Agradecemos as sugestões e críticas ao osso artigo, as quais procuramos observar a revisão do artigo. A seguir você ecotrará um relatório descrevedo todos os ajustes realizados, a ordem

Leia mais

Noções de Economia e Finanças

Noções de Economia e Finanças De quais ferramentas dispõe o Banco Central para fazer política monetária? a) Emissão de moeda, compra e venda de títulos públicos, controle de câmbio. b) Compra e venda de títulos públicos, controle de

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE BACKOFFICE

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE BACKOFFICE INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE BACKOFFICE 1. Sistema Financeiro Nacional SFN 1.1. Definição e estrutura 1.2. Papel, função e classificação

Leia mais

R$ ,00 (cento e setenta e cinco milhões de reais)

R$ ,00 (cento e setenta e cinco milhões de reais) ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS DAS 128ª e 130ª SÉRIES DA 1ª EMISSÃO DA RB CAPITAL COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO Compahia Aberta - CVM º 18.406 - CNPJ/MF

Leia mais

SISTEMA DE RISCO DO SEGMENTO BM&F SUBSISTEMA DE MARGEM PARA ATIVOS LÍQUIDOS ANEXO III FUTUROS DE MOEDAS E AGROPECUÁRIOS COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA

SISTEMA DE RISCO DO SEGMENTO BM&F SUBSISTEMA DE MARGEM PARA ATIVOS LÍQUIDOS ANEXO III FUTUROS DE MOEDAS E AGROPECUÁRIOS COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA 1/2011 Bolsa de Valores, Mercadorias & Futuros SISTEMA DE RISCO DO SEGMENTO BM&F SUBSISTEMA DE MARGEM PARA ATIVOS LÍQUIDOS ANEXO III FUTUROS DE MOEDAS E AGROPECUÁRIOS COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA Neste anexo,

Leia mais

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E MEDIDAS DE DISPERSÃO Í N D I C E

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E MEDIDAS DE DISPERSÃO Í N D I C E MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E MEDIDAS DE DISPERSÃO Í N D I C E Medidas de Tedêcia Cetral Itrodução... 1- Média Aritmética... - Moda... 3- Mediaa... Medidas de Dispersão 4- Amplitude Total... 5- Variâcia

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BM&F. Ref.: Lançamento do Contrato a Termo de Taxa de Câmbio.

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BM&F. Ref.: Lançamento do Contrato a Termo de Taxa de Câmbio. 23 de dezembro de 2009 081/2009-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BM&F Ref.: Lançamento do Contrato a Termo de Taxa de Câmbio. Comunicamos que, a

Leia mais

MECANISMOS DE COMERCIALIZAÇAO E OS MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÕES DE BOI GORDO. Fabiana Perobelli Urso

MECANISMOS DE COMERCIALIZAÇAO E OS MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÕES DE BOI GORDO. Fabiana Perobelli Urso 3º SEMINARIO BM&F/FAMATO MECANISMOS DE COMERCIALIZAÇAO E OS MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÕES DE BOI GORDO Fabiana Perobelli Urso Mercado futuro: suas funções O que é o preço futuro? É o preço a vista daqui

Leia mais

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,...

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,... Curso Metor www.cursometor.wordpress.com Sucessão ou Sequêcia Defiição Sucessão ou seqüêcia é todo cojuto que cosideramos os elemetos dispostos em certa ordem. jaeiro,fevereiro,...,dezembro Exemplo : Exemplo

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Seguindo os ventos externos A projeção do IPCA para os próximos 12 meses voltou a apresentar queda, contudo mesmo a estimativa para 2017 está ainda distante do centro da meta. Apesar das incertezas locais,

Leia mais

3 Metodologia Objetivo da análise

3 Metodologia Objetivo da análise 3 Metodologia 3.1. Objetivo da análise Esse trabalho tem como objetivo comparar os prêmios de referência da BM&F Bovespa para as opções de dólar e de futuro de Ibovespa, disponíveis a cada data analisada,

Leia mais

Metodologia de Arbitragem de Preços de Ajuste de Contratos Futuros de Etanol Hidratado

Metodologia de Arbitragem de Preços de Ajuste de Contratos Futuros de Etanol Hidratado Metodologia de Arbitragem de Preços de Ajuste de Contratos Futuros de Etanol Hidratado Neste documento é descrita a metodologia de arbitragem adotada para determinar os preços de ajuste de contratos futuros

Leia mais

Futuro de Cupom Cambial

Futuro de Cupom Cambial Futuro de Soja Financeira Contratos Derivativos Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro em dólar. O produto O Contrato é um instrumento derivativo que possibilita a investidores locais

Leia mais

Sequências, PA e PG material teórico

Sequências, PA e PG material teórico Sequêcias, PA e PG material teórico 1 SEQUÊNCIA ou SUCESSÃO: é todo cojuto ode cosideramos os seus elemetos colocados, ou dispostos, uma certa ordem. Cosiderado a sequêcia (; 3; 5; 7;...), dizemos que:

Leia mais

Túnel de Negociação 1 INFORMAÇÕES GERAIS. Índice

Túnel de Negociação 1 INFORMAÇÕES GERAIS. Índice Túnel de Negociação Índice 1 INFORMAÇÕES GERAIS 1 2 METODOLOGIA DE CÁLCULO DE TÚNEIS DE NEGOCIAÇÃO 2 3 MERCADO DE OPÇÔES 5 1 INFORMAÇÕES GERAIS Com o intuito de aperfeiçoar o processo de negociação eletrônica,

Leia mais

REAG ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS

REAG ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS REAG ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS SETEMBRO DE 2016 1 ÍNDICE Capítulo I... 4 Introdução... 4 Objetivo... 4 Princípios... 4 Capítulo II... 6 Definição de Processos de

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

Termo de Metais. Especificações

Termo de Metais. Especificações Termo de Metais Especificações 1. Definições Preço do metal Preço do metal, objeto de negociação, expresso em dólares dos Estados Unidos da América por tonelada métrica, especificado pela BM&FBOVESPA dentre

Leia mais

CONTRATO DE OPÇÃO DE COMPRA SOBRE FUTURO DE S&P 500. Especificações

CONTRATO DE OPÇÃO DE COMPRA SOBRE FUTURO DE S&P 500. Especificações CONTRATO DE OPÇÃO DE COMPRA SOBRE FUTURO DE S&P 500 1. Definições Contrato Futuro de S&P 500 Compra de um contrato Venda de um contrato Especificações Contrato Futuro de S&P 500 com Liquidação Financeira

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE RISCO

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE RISCO INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE RISCO 1. Tributação no mercado financeiro 1.1. Tributação de cotistas de fundo de investimento 1.2. Tributação

Leia mais

DILMAR RICARDO MATEMÁTICA. 1ª Edição DEZ 2012

DILMAR RICARDO MATEMÁTICA. 1ª Edição DEZ 2012 DILMAR RICARDO MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Dilmar Ricardo Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição DEZ 0 TODOS OS DIREITOS

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Fundos e Carteiras Gerência de Análise Econômica e Riscos de Mercado Diretoria de Recursos de Terceiros, Economia e Riscos Versão: Setembro/06 Sumário. OBJETIVO... 3. CONCEITO...

Leia mais

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre o Contrato Futuro de Soja em Grão a Granel - Especificações -

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre o Contrato Futuro de Soja em Grão a Granel - Especificações - 1. Definições Contrato (especificações): Compra de um contrato: Venda de um contrato: Contrato Futuro de Soja: Preço futuro da soja: Contrato de Opção Flexível de Compra sobre o Contrato Futuro de Soja

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 04: Medidas de Posição (webercampos@gmail.com) . MÉDIA ARITMÉTICA : Para um cojuto de valores Média Aritmética Simples: xi p Média Aritmética Poderada: MÓDULO 04 - MEDIDAS

Leia mais

ANO XXVI ª SEMANA DE AGOSTO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 32/2015

ANO XXVI ª SEMANA DE AGOSTO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 32/2015 ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE AGOSTO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 32/2015 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA TAXAS DE CÂMBIO PARA ATUALIZAÇÃO DOS CRÉDITOS E OBRIGAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA ATUALIZAÇÃO EM

Leia mais

Operação 1: Swap Pré x CDI

Operação 1: Swap Pré x CDI Operação 1: Swap Pré x CDI Dados da Operação: Situação após 70 dias Valor Contratado: 1.000.000 CDI decorrido: 3,77% Prazo: 180 dias Prazo a decorrer: 110 dias Taxa Ativa (Pré): 22,50% a.a. Taxa pré p/

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de 2015

COMUNICADO AO MERCADO BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de 2015 BM&FBOVESPA S.A. - BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS CNPJ nº 09.346.601/0001-25 NIRE 35.300.351.452 COMUNICADO AO MERCADO BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de 2015 SEGMENTO BOVESPA O volume

Leia mais

BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de 2014

BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de 2014 BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de 2014 Segmento Bovespa O volume financeiro da BM&FBOVESPA em 2014 foi de R$1,80 trilhão ante R$1,83 trilhão em 2013. A média diária de volume financeiro atingiu

Leia mais

Considerando que os triângulos são todos semelhantes, os perímetros formam uma PG de razão 1.

Considerando que os triângulos são todos semelhantes, os perímetros formam uma PG de razão 1. Resposta da questão : [B] Tem-se que t at = habitates e bt Resposta da questão : [D] PA a; a + r; a + r; a + 3r; a + 4r; a + 5r; a + 6r ( ) ( ) PG a; a + r; a + 6r; q = a + 6r a + r = a + r a + 4ar + 4r

Leia mais

Relatório de Análise dos Investimentos. da OABPREV SP. Agosto de 2016

Relatório de Análise dos Investimentos. da OABPREV SP. Agosto de 2016 Relatório de Análise dos Investimentos da OABPREV SP Agosto de 2016 1. Introdução O presente Relatório de Análise dos Investimentos visa fornecer algumas análises quantitativas do mercado (indicadores

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES U.E PROF EDGAR TITO

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES  U.E PROF EDGAR TITO ESTATÍSTICA PROF. RANILDO LOPES http://ueedgartito.wordpress.com U.E PROF EDGAR TITO Medidas de tedêcia cetral Medidas cetrais são valores que resumem um cojuto de dados a um úico valor que, de alguma

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 007/94

COMUNICADO SPR N.º 007/94 COMUNICADO SPR N.º 007/94 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP, comunica que, a partir do dia 22.09.94,

Leia mais

XXXIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

XXXIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO XXXIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL (Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL ) E 6) C ) E 6) B ) D ) C 7) D ) C 7) A ) A ) B 8) B ) B 8) A ) B ) D 9) D ) A 9) B ) E 5) D 0) D 5) A

Leia mais

Sequências Reais. Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré. 1 Sequências de números reais 1

Sequências Reais. Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré.  1 Sequências de números reais 1 Matemática Essecial Sequêcias Reais Departameto de Matemática - UEL - 200 Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessecial/ Coteúdo Sequêcias de úmeros reais 2 Médias usuais 6 3 Médias versus progressões

Leia mais

FICHA DE TRABALHO 11º ANO. Sucessões

FICHA DE TRABALHO 11º ANO. Sucessões . Observe a sequêcia das seguites figuras: FICHA DE TRABALHO º ANO Sucessões Vão-se costruido, sucessivamete, triâgulos equiláteros os vértices dos triâgulos equiláteros já existetes, prologado-se os seus

Leia mais

IPN - Integração da Pós Negociação

IPN - Integração da Pós Negociação IPN - Integração da Pós Negociação Roteiro Sugerido de Certificação Fase 6 Arquivos do icad-x, Preços e Instrumentos. Setembro / 2013 Versão 1.0 Índice 1 Sumário executivo... 3 2 Histórico de Alterações...

Leia mais

259,30 1,14 1,02 0,96 1,12 1,00 1,09 1,15 1,10 1,19 1,08 1,03 1,01 13,39 13,67 41,72 1,0%

259,30 1,14 1,02 0,96 1,12 1,00 1,09 1,15 1,10 1,19 1,08 1,03 1,01 13,39 13,67 41,72 1,0% Fundos Renda Fixa PL Médio 12 meses Rentabilidade Acumulada % (já descontada a taxa de administração) No ano# Dez/15 Jan/16 Fev/16 Mar/16 Abr/16 Mai/16 Jun/16 Jul/16 Ago/16 Set/16 Out/16 Nov/16 Cond. 12

Leia mais

Em 12 meses* Em 24 meses*

Em 12 meses* Em 24 meses* FUNDOS Data No mês Mês Ant. No ano# Em 12 Em 24 Em 36 Rentab. no dia% Val. da Cota(R$) P.L.Méd. Ult. 12 Meses (R$ MM) Taxa de Adm. (ao ano)** Cond. do Fundo Renda Fixa Curto Prazo Itauvest(1) 5/08 0,18

Leia mais

SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB)

SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB) SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB) Subsistema de Margem para Ativos Líquidos Contratos Futuros Agropecuários Dezembro de 2004 154/2004-DG.2. 1. Introdução Neste documento, apresenta-se a nova metodologia para

Leia mais

REGISTRO. Código CETIP da contraparte na operação. CPF/CNPJ Cliente CPF ou CNPJ da contraparte quando for cliente 1.

REGISTRO. Código CETIP da contraparte na operação. CPF/CNPJ Cliente CPF ou CNPJ da contraparte quando for cliente 1. 1 Swap SWAP Nome do Arquivo DPOSICAO (DPOSICAO-SWAP.TXT) REGISTRO Campo Tipo do contrato. Possíveis valores: 00 (CONSTANTE), 01 Tipo de Contrato (NÃO CONSTANTE) ou 02 (PAGAMENTO FINAL) Data Data Contrato

Leia mais

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito:

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito: //4 VII. Equivalêcia de Fluxos de Caixa Matemática Fiaceira Aplicada ao Mercado Fiaceiro e de Capitais Professor Roaldo Távora 9 VII. - Coceito Coceito: Dois fluxos de caixa são equivaletes, a uma determiada

Leia mais

Relatório de Mercado Semanal

Relatório de Mercado Semanal Boletim Focus Relatório de Mercado Focus Fonte:Banco Central Cenário A semana que passou foi marcada pelo forte movimento de correção nas bolsas mundiais ocorrido na sexta-feira (9), após declarações hawkish

Leia mais

CORRELAÇÃO Aqui me tens de regresso

CORRELAÇÃO Aqui me tens de regresso CORRELAÇÃO Aqui me tes de regresso O assuto Correlação fez parte, acompahado de Regressão, do programa de Auditor Fiscal, até 998, desaparecedo a partir do cocurso do ao 000 para agora retorar soziho.

Leia mais

Opção de Metais. Especificações

Opção de Metais. Especificações Opção de Metais Especificações 1. Definições Preço do metal Preço do metal, objeto de negociação, expresso em dólares dos Estados Unidos da América por tonelada métrica, especificado pela BM&FBOVESPA dentre

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F 31 de março de 2016 023/2016-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Programa de Incentivo para os Contratos Futuros sobre Commodities. A

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da B3 Segmento BM&FBOVESPA

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da B3 Segmento BM&FBOVESPA 12 de julho de 2017 041/2017-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da B3 Segmento BM&FBOVESPA Ref.: Programa de Incentivo para Novos Investidores Não Residentes. A B3 promoverá, a partir

Leia mais

Prova-Modelo de Matemática

Prova-Modelo de Matemática Prova-Modelo de Matemática PROVA Págias Esio Secudário DURAÇÃO DA PROVA: miutos TOLERÂNCIA: miutos Cotações GRUPO I O quarto úmero de uma certa liha do triâgulo de Pascal é. A soma dos quatro primeiros

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Setembro de 2016 Credit Suisse Hedging-Griffo Este material foi desenvolvido pela Credit Suisse Hedging-Griffo e não pode ser distribuído, copiado ou reproduzido, no todo ou

Leia mais

Parágrafo 1º Para a apuração do limite estabelecido no caput define-se como:

Parágrafo 1º Para a apuração do limite estabelecido no caput define-se como: CIRCULAR Nº 2894 Documento normativo revogado pela Circular 3.367, de 12/09/2007. Estabelece procedimentos para o cálculo do limite de exposição em ouro e em ativos e passivos referenciados em variação

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Associadas e Operadores Especiais

O F Í C I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Associadas e Operadores Especiais 14 de agosto 2003 081/2003-DG O F Í C I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Associadas e Operadores Especiais Ref.: Alteração nos Critérios de Cálculo da Margem de Garantia das Opções

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 19

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 19 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 19 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2015

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2015 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2015 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de setembro 2015 para a apuração dos preços

Leia mais