PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA"

Transcrição

1 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Outubro/203

2 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA ATRAVÉS DA CALCULADORA HP 2C. UTILIZAÇÃO DA HP 2C Várias teclas da HP 2c, executam duas ou três fuções: DOURADA BRANCA AZUL Aperte a tecla de prefixo f (dourada) e, em seguida, a tecla da fução Aperte somete a tecla Aperte a tecla de prefixo g (azul) e, em seguida, a tecla da fução 2. CÁLCULO ARITMÉTICO SIMPLES Para executar um cálculo aritmético simples, você tem, que iformar os úmeros primeiro, e idicar a operação a ser executada depois. Ex. (2:3) (5 x 2) + (-2+3) 2 2 ENTER 3 : Etra com 2 e divide por 3 5 ENTER 2 X Etra com o 5 e multiplica por 2 TECLE Subtrai o primeiro parêtese do segudo 2 CRS ENTER Muda o sial do 2 e etra com o valor TECLE ENTER Etra com o 3 e soma 2 X Y Eleva a soma a 2 TECLE + Soma o que tiha com o último paretêse Resolva as seguites operações: a )5 (3 x 2 5 ) 20 R. -24, ( 0,5 ) b () 5 8 )(3 x 2 5 ) 20 8 R. -3,3672 2,5 c )500.( 0,03) R. 538,3480 d )3000.[( 0,025) 8 ] R. 655,2987 ( 0,05 ) e ) 0,05 24 R. 3,7986

3 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa ( 0,035 ) f ) 0, R. 70, g () 0,48 ). 00 R. 3,320 h )[( 0,03) ].00 R. 42, i ) ( 3 0,03 ) 4000 ( 4 0,03 ) 4,5 4,5 8 j ) ( 8 0,03 ) R. 9.33,27 R ,73 3. CÁLCULO COMERCIAL 3.. FUNÇÃO PORCENTAGEM Para resolver problemas com porcetagem existem três opções: %, Δ% e %T. Para calcular porcetagem faça:. digite o úmero base; 2. tecle ENTER ; 3. Digite a porcetagem (taxa porcetual); 4. tecle % Ex. Calcule 25% de R$ 3.25,00. Para calcular a porcetagem em relação a um valor, faça:. digite os somado-os; 2. digite o úmero do qual você quer calcular a porcetagem; 3. tecle %T. Exemplos. Calcular 35% sobre R$ 3.000,00. R. R$.050,00 2. Quatos por ceto R$ 50,00 represeta sobre R$ 2.500,00? R. 6%

4 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Um comerciate comprou um objeto por R$ 4.000,00 e vedeu com um lucro de 25% sobre o preço de custo. Qual foi o lucro? Quatos por ceto gahou sobre o preço de veda? R. R$.000,00; 20% 4. Um comerciate comprou um produto por R$.200,00 e vedeu por R$ R$.800,00. Calcular o seu lucro, sobre: a) o preço de custo; R. 50% b) sobre o preço de veda. R. 33,33% 5. Uma rede de mercados vedeu, em um determiado mês, as três lojas: A, vedeu R$ ,00; B, vedeu R$ ,00 e C, vedeu R$ ,00. Calcular a taxa porcetual das vedas totais em relação a loja A. Qual a taxa porcetual sobre a loja C? R. 26,67% e 33,33% 3.2. DESCONTOS SUCESSIVOS L (P i ).( i 2 ).( i 3 )...( i ) Exemplos:. Sobre uma fatura de R$ 5.000,00, foram efetuados os seguites descotos sucessivos: 5%, 0%, 2% e 5%; calcular: a) O valor líquido; R. R$ 3.97,70 b) o valor do descoto; R. R$.802,30 c) a taxa úica de descoto; R. 36,05% 2. Sobre uma fatura de R$.200,00, foram efetuados os seguites descotos sucessivos: 8%, 0% e 5%. Calcular: a) O valor líquido; R. R$ 844,56 b) A taxa úica de descoto. R. 29,62% 3. Ao efetuar os descotos sucessivos de 50% e mais 50%, o preço da mercadoria R$ 2.000,00. Qual o valor líquido da fatura? R. R$ 8.000,00 4. Uma fábrica que tem preços tabelados para suas mercadorias remarcou com 30% de abatimeto as uidades que apresetavam defeitos de fabricação. As pessoas que comprassem dez ou mais uidades teriam aida 20% de abatimeto sobre o preço de mercado. Uma pessoa comprou 2 dessas uidades, perguta-se:

5 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa a) qual a taxa de descoto que lhe foi feita? R. 44% b) quato pagou, se o total sem descoto era de R$852,00? R. R$ 037,2 5. Uma idústria resolve dimiuir sua produção mesal, de uidades, em 5%. Um mês depois resolve dimiuir ovamete sua produção em mais 7%. Qual a produção atual dessa idústria? R. R$ 44.75, OPERAÇÕES SOBRE MERCADORIAS Exemplos:. Certa mercadoria foi comprada e revedida sucessivamete por quatro egociates. Cada um dos dois primeiros obteve, por ocasião da reveda, um lucro de 0% sobre o respectivo preço de compra. Os dois últimos sofreram um prejuízo de 0% cada um, também sobre o respectivo preço de compra. Calcule o preço pelo qual o primeiro egociate adquiriu a mercadoria, visto que o quarto a vedeu por R$ 2.450,25. R. R$ 2.250,00 2. (BB) Certa mercadoria foi vedida por R$ ,00, com um lucro de 7% sobre o preço de compra. Em seguida, foi revedida por R$ ,20. De quatos por ceto foi o lucro fial sobre o valor iicial dessa mercadoria? R. 20,9% 3. Um comerciate, um determiado mês, vedeu R$ ,00. Seu lucro é de 28% sobre o preço de custo. Calcular: a) o preço de custo; R. R$ 70.32,50 b) o lucro obtido; R. R$ 9.687,50 c) A taxa do lucro sobre o preço de veda. R. 2,88%

6 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa CÁLCULO DE NÚMEROS DE DIAS ENTRE DUAS DATAS; O melhor formato para trabalhar com HP é Dia-mês-ao. Para cofigurar tecle g e depois DMY. Para etrar com uma data, com esse formato, proceda:. Digite o dia, com um ou dois dígitos; 2. Aperte a tecla do poto decimal. ; 3. Digite o mês, com dois dígitos; 4. Digite os quatro dígitos do ao. Ex. Digite 2 de março de 2009; Para calcular datas futuras ou passadas, procede-se. Digite a data forecida e aperte ENTER ; 2. Digite o úmero de dias; 3. Se a data estiver o passado, aperte CHS ; 4. Tecle g DATE. Ex. Você fez um empréstimo o dia 03/04/200 para resgatar com 235 dias. Qual a data de vecimeto? R. 24//2009 Ex2. Você está pagado um título hoje: 0/9/200. Cosiderado-se que o prazo foi de 72 dias, qual foi a data do empréstimo? R. 30/06/200 Para calcular o úmero di dias ete duas datas, procede-se:. Digite a data mais atiga e tecle ENTER ; 2. Digite a data mais recete e tecle g ΔDYS. Ex Calcular o úmero de dias etre 03/0/2002 a 05/0/2005. R..37 dias Ex2. Calcular o úmero de dias comercial etre 03/0/2008 a 2//2009. R. 669 dias

7 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa RESOLVA OS SEGUINTES PROBLEMAS, UTILIZANDO AS FUNÇÕES FINANCEIRAS:. Quatos dias (comercial e civil) existem etre 03/02/2004 a 28/0/2004? R. 265 dias e 268 dias 2. Um capital foi aplicado o dia 03/05/2009 por um período de 02 dias. Calcular a data do térmio da aplicação, cosiderado-se o tempo civil. R. 3/08/2009 (5ª feira) 3. Sobre uma fatura de R$ 2.000,00 foram efetuados os seguites descotos sucessivos: 0%; 8,5% e mais 5%. Determiar o descoto e o valor líquido. R. R$.399,95 e R$ 600,05 4. Uma pessoa que tem um salário mesal de R$ 900,00, obteve um aumeto de 0% e mais 5% a título de gratificação. Qual será seu ovo salário? R. R$.38,50 4. JUROS SIMPLES 4.. JURO EXATO E COMERCIAL Imagie uma dívida, o valor de.000, vecida em 0/0/96, e que só teha sido paga em /07/96, tedo sido cobrados juros simples, a uma taxa de 36% a.a., sobre o valor. Qual o total dos juros pagos? 4... Juro exato A cotagem do úmero de dias se faz utilizado o ao civil (365 dias) J C i. o exato ou 365 * ao bissesto J * exato C i. o 366 sedo: i = taxa aual = dias

8 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Juro comercial: A cotagem do úmero de dias se faz utilizado o ao comercial (360 dias) J comercial Coi. 360 sedo: i = taxa aual = dias EXEMPLOS:. Os juros simples comercial e exato das propostas abaixo relacioadas são, respectivamete: a) R$ 800,00 a 20% a.a., por 35 dias R. R$ 60,00; R$ 59,8 b) R$ 2.800,00 a 30% a.a. por 222 dias. R. R$ 58,00; R$ 50,90 2. É forecida a seguite tabela parcial para cotagem de dias, para aplicações fiaceiras: Ja. Fev. Mar. Abril... Ago. Set.... Dez

9 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa O capital de R$ 0.000,00, à taxa de juros simples de 6% a.m., produzirá um motate fial de R$ 2.000,00 o dia 06/08/8 (98 ão é ao bissexto). Qual foi a data de aplicação? R. 28/04/8 3. O juro simples exato do capital de R$ ,00, colocado à taxa de 5% a.a., de 02 de jaeiro de 945 a 28 de maio do mesmo ao, foi de? R. 660,00 4. A quatia de R$.500,00 foi aplicada à taxa de juros de 42% a.a., pelo prazo de 00 dias. O juro dessa aplicação se for cosiderado juro comercial e juro exato, será? R. R$ 75,00 e R$ 72,60 5. Um capital de R$ 2.500,00 foi aplicado à taxa de 25% a.a. em 2 de fevereiro de 996. Se o resgate for efetuado em 03 de maio de 996, o juro comercial recebido pelo aplicador foi de? R. R$ 40,60

10 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa A HP 2c calcula automaticamete juro simples comercial e juro simples exato. Para calcular juro ou motate, procede-se:. Digite o úmero de dias e tecle ; 2. Digite a taxa de juros aual e tecle i ; 3. Digite o valor do pricipal e tele CHS PV; 4. Tecle f INT para calcular e exibir o juro comercial acumulados; 5. Para calcular o juro exato acumulado, tecle R e x><y; 6. Tecle + para calcular o motate. Ex. Um capital de R$ 4.800,00 foi aplicado por um período de 68 dias. Cosiderado-se uma taxa de juros de 28% a.a., calcular o juros exato e comercial. R. R$ 250,39 R$ 253,87 Ex2. Um capital de R$ 2.000,00 foi aplicado o período de 0/03/200 8/07/200. Cosiderado-se uma taxa de 25% a.a., calcular o juro exato e comercial. Calcular o motate. R. R$ 78,08; R$ 2.78,08; R$ 77,78; R$ 2.77,78 5. JUROS COMPOSTOS Nas aplicações de juros compostos, ode retrata melhor a realidade, os juros produzidos a cada período são icorporados ao capital do período aterior passado a gerar ovos juros os períodos seguites. Dizemos que os juros são capitalizados. A compesação em diheiro pelo uso de um capital fiaceiro, a uma taxa previamete combiada, por um determiado prazo, é chamada de juros compostos quado produzida pelo capital iicial e pelos respectivos juros que a ele são icorporados o fial de cada período.

11 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa CÁLCULO DO MONTANTE: Seja um capital C, aplicado a uma taxa i por período, ocorredo capitalização o fial de cada período, um prazo de períodos. Vamos, etão, achar o motate C (após períodos). O motate o fial de cada período é: C C.( i) o EXEMPLO: Uma pessoa aplica R$ 6.000,00 a juros compostos, em um baco que paga uma taxa de juros de 2,8% a.m. durate 20 dias. Calcular o motate recebido. R. R$ 6.700, CÁLCULO DO JURO: J = C - C o J = C o.( + i) - C o colocado Co em evidêcia, temos: J C o.[( i) ] EXEMPLO: Uma pessoa aplicou R$ 6.000,00 por um período de 5 meses em baco que paga uma taxa de juros compostos de 3,5% a.m., calcular: a) o motate; R. R$ 7.26,2 b) o juro. R. R$.26,2

12 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa PERÍODOS NÃO INTEIROS coveções: Quado o período ão é iteiro, a prática, é comum adotar-se duas Coveção liear ou capitalização mista: Neste caso a aplicação rede juros compostos o período iteiro e juros simples o período ão iteiro. Calculamos em duas etapas: a. etapa: calculamos juros compostos o período iteiro utilizado a fórmula: C C.( i) o 2a. etapa: o motate gerado a primeira etapa passa a gerar juros simples a seguda etapa: J p/q = C.i.p/q C,p / = C + J p/q C,p/ = C + C.i. q p C,p/q = C.( + i. q p ) C, p / q C o.( i).( i. p ) q

13 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Exemplo: Um capital de R$ ,00 foi aplicado a uma taxa de 4,2% a.m. por um período de 2 dias. Calcular o motate utilizado a coveção liear. R. R$ ,24 Coveção expoecial: Neste caso a aplicação rede juros compostos tato o período iteiro como o período ão iteiro. temos: Cosiderado como período iteiro mais período ão iteiro, C C.( i) o EXEMPLO: Seja o exemplo aterior, calcular o motate utilizado a coveção expoecial. R. R$ ,4 Fuções utilizadas: é o úmero de períodos de capitalização i é a taxa de juro por período de capitalização PV é o valor presete (capital iicial ou valor atual) PMT é o valor do termo (pode ser prestação ou depósito) VF é o valor futuro ou o motate Para cálculo do motate, procede-se:. Tecle f CLEAR FIN para zerar os registros fiaceiros. 2. Iforme o valor presete e tecle CHS e depois PV. 2. Iforme a taxa utilizado a tecla i. 3. Tecle para forecer o úmero de períodos. 4. Tecle VF para calcular o motate.

14 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Um capital de R$ 5.000,00 foi aplicado por um período de 35 dias. Cosiderado-se uma taxa de juros composto de,85% a.m., calcular o motate, utilizado a coveção expoecial e liear. R$ 5.429,94 e R$ 5.430,6 2. Certo capital foi aplicado por um período de 75 dias a uma taxa de 8% a.a., capitalizados mesalmete, produzido um motate de R$ 5.89,6. Calcular o capital aplicado, utilizado a coveção expoecial e liear. R$ 5.000,00 e R$ 4.999,86 3. Um capital de R$ 3.000,00, foi aplicado por um período de 5 meses, produzido um motate de R$ 3.394,22. Calcular a taxa de juros mesal. Qual a taxa omial com capitalização mesal? R. 2,5% a.m.; 30% a.a. 4. Qual o tempo que deverá ficar aplicado um capital de R$ 8.000,00, para produzir um motate de R$ 8.722,5 a uma taxa de 30% a.a., capitalizados mesalmete. R. 4 meses 5. Qual a taxa de juros mesal que faz um capital triplicar em 3 aos? R. 3,% a.m. 6. Em quato tempo dobra um capital que cresce 3,06% a.m.? R. 23 m 7. Um capital de R$ ,00 foi aplicado por um período de 5 meses, produzido um motate de R$ 2.865,98. Após este prazo foi reaplicado por mais 7 meses a uma taxa de,5% a.m., calcular: a) A taxa da primeira aplicação; R.,8% b) O motate recebido ao fial de um ao; R ,85 c) A taxa efetiva aual; R. 2,34% a.a. d) A taxa média mesal. R.,62% a.m. 8. Um capital de R$ 2.000,00 foi aplicado por um período de 4 meses produzido um motate de R$ 2.736,36. Por quato tempo deverá ficar aplicado o mesmo capital para produzir um motate de R$ 3.57,9, cosiderado-se a mesma taxa da primeira hipóteses. R. 8 meses

15 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa DESCONTO COMPOSTO 4.. DESCONTO RACIONAL COMPOSTO: Sejam: N = valor omial Dr = descoto racioal Vr = valor líquido racioal ou valor descotado racioal; i = taxa de descoto composto; = prazo de atecipação do título; Vr N ( i) Dr N V r Dr N.[ ( i) ] EXEMPLOS:. Ecotrar descoto racioal composto, cocedido o resgate de um título de R$.500,00, recebedo 2 meses ates de seu vecimeto, à taxa de 3,5% a.m. R. R$ 99,73 2. Um título de R$ 5.000,00 foi resgatado 78 dias ates do vecimeto. Cosiderado-se uma taxa de 3,2 % a.m., calcular: a) o descoto racioal; R. R$ 3.820,5 b) o valor de resgate; R. R$.79,49

16 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Um título de R$ 2.000,00 foi resgatado 48 dias ates do vecimeto. Cosiderado-se uma taxa de descoto racioal de 3,5% a.m., calcular o valor de resgate e o descoto racioal (cov. liear e expoecial) R. R$.355,73; R$.357,34 4. Um título de R$ 5.000,00 foi resgatado ates do vecimeto por R$ 4.002,66. Cosiderado-se uma taxa de 4,5% a.m., calcular o período de atecipação. R. 2 meses 5. O descoto racioal de um título é igual à quita parte de seu valor de resgate. Cosiderado-se uma atecipação de 3 meses, calcular a taxa mesal de descoto racioal. R. 6,27% a.m. 6. Um título de R$ 8.000,00, foi realizado o dia 20/0/202, por R$ 9.287,08. Cosiderado-se uma taxa de descoto racioal de 3,8% a.m., calcular a data do vecimeto do título. R. 7/02/203 domigo 7. O valor omial de um título a vecer em 2/05/203, é igual ao sêxtuplo de seu descoto racioal. Cosiderado-se uma taxa de 3,7% a.m., determiar a data de resgate. 3/2/202 5ª feira 5. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas aplicações fiaceiras o capital pode ser pago ou recebido de uma só vez ou através de uma sucessão de pagametos ou de recebimetos. Quado o objetivo é costituir-se um capital em uma data futura, tem-se um processo de amortização

17 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Pode ocorrer também o caso em que se tem o pagameto pelo uso, sem que haja amortização, o que é caso dos aluguéis. Estes exemplos caracterizam a existêcia de redas ou auidades, que podem ser basicamete de dois tipos: RENDAS CERTAS OU DETERMINISTICAS: São aquelas cujas duração e pagametos são predetermiados, ão depededo de codições exteras; RENDAS ALEATÓRIAS OU PROBABILISTICA: Os valores e/ou as datas de pagametos ou de recebimetos podem ser variáveis aleatórias. É o que ocorre, por exemplo, com os seguros de vida: os valores de pagametos são certos, sedo aleatórios o valor do seguro a receber e a data de recebimeto. 5.. CLASSIFICAÇÃO DAS ANUIDADES: 5...QUANTO AO PRAZO: a) Temporárias: quado a duração for limitada: b) Perpétuas: quado a duração for ilimitada: 5..2.QUANTO AO VALOR DOS TERMOS: a) costate: quado os termos são iguais; b) variáveis: quado os termos ão são costate QUANDO A FORMA DE PAGAMENTO OU DE RECEBIMENTO: a) imediatas: quado os termos são exigíveis a partir do primeiro mês; - POSTECIPADAS - se os termos são exigíveis o fim dos período; - ANTECIPADAS - se os termos são exigíveis o iicio do períodos. b) diferidas: Se os termos são exigíveis um período que ão seja o primeiro. - postecipadas; - atecipadas.

18 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa QUANDO A PERIODICIDADE: a) periódicas - se todos os períodos são iguais; b) ão periódicas - se os períodos ão são iguais etre si MODELO BÁSICO DE ANUIDADE: Por modelo básico de auidade etedemos as auidade que são: - temporária; - costate; - imediatas e postecipadas; - periódicas VALOR ATUAL DE UMA ANUIDADE: Seja um pricipal P a ser pago em termos iguais a R, postecipados e periódicos. Seja também uma taxa de juros i, referida ao mesmo período dos termos. por; A soma do valor atual dos termos a data zero é dada P R ( ) R ( i) 2 R ( i) 3 R ( i) 3... ( i) Ou, colocado-se R em evidecia: P = R. [ ( ) ( i) 2 ( i) 3 ( i) ( i) ] A expressão do colchete deomiamos de a i, logo : a i = ( ) ( i) 2 ( i) 3 ( i) 4... ( i) a i (lê-se: a, catoeira i)

19 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa O valor de a i pode ser obtido usado a fórmula: a i ( i) i ou a i ( i) ( i). i Logo: P R. a i E Exemplos:. Um carro é fiaciado em 36 prestações mesais de R$ 460,00. Cosiderado que o cliete deu uma etrada de R$ 3.000,00 e que a taxa de juros cobrada pelo baco foi de 3,2% a.m., calcular o preço a vista do carro. R. R$ 2.749,7 2. O preço a vista de um objeto é R$.800,00. No crediário pode ser comprado as seguites codições: 30% de etrada, mais 24 prestações mesais. Cosiderado-se uma taxa de juros de 4,8% a.m., Calcular o valor da prestação. R$ 89,55

20 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa O preço a vista de um equipameto eletrôico é R$ 2.500,00. No crediário pode ser comprado em 8 prestações mesais, sedo uma como etrada. Cosiderado-se uma taxa de juros de 5,2% a.m., calcular o valor da prestação. R$ 206,48 4. Um televisor pode der comprado através do crediário as seguites codições: 20% de etrada mais 5 prestações mesais de R$ 80,00. Cosiderado-se uma taxa de juros de 4,5% a.m., calcular o preço a vista do televisor. R$.073,95 5. Uma pessoa compra um carro o valor de R$ ,00. Deverá fiaciar 70% deste valor em um baco que cobra uma taxa de,8% a.m.. Cosiderado-se que deverá pagar prestações mesais de R$.02,94, determiar o úmero de prestações. R. 24 prestações. 6. O preço a vista de um objeto é R$ 2.500,00. No crediário pode ser comprado as seguites codições: 20% de etrada mais 36 prestações mesais de R$ 97,6. Calcular a taxa mesal. R. 3,4% a.m MONTANTE DO MODELO BÁSICO: Seja um processo de capitalização em que são aplicados, parcelas iguais a R, postecipadas, a uma taxa de juros i, referida ao mesmo período dos termos. O problema é determiar o motate S a data focal, que resulta deste processo de capitalização. O motate S é o resultado da soma dos motate de cada um dos termos, à taxa de juros i a data focal. Vamos admitir que estejamos fazedo esta soma a partir do termo de -ésima ordem até o termo de ª. Ordem:

21 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa S = R + R.( + i)¹ + R.( + i)² + R.( + i)³ R.( + i) - Colocado-se R em evidêcia: S = R.[( + i)¹ + R.( + i)² + R.( + i)³ R.( + i) - ] Logo, temos a expressão do colchete como sedo S i (S, catoeira i) S i = + ( + i)¹ + ( + i)² + ( + i)³ ( + i) - O valor de S i pode ser calculado usado a fórmula: S i ( i) i S R. S i Exemplos:. Uma pessoa deposita R$ 800,00 mesalmete. Sabedo-se que ela está gahado 2,5% a.m., quado receberá o fial de ao. R. R$.036,44 2. Quato deverá depositar mesalmete, para que ao fial de 2 aos, ão se processado ehuma retirada se teha R$ ,00. Cosiderar que a istituição fiaceira paga uma taxa de juros de 2,3% a.m. R. R$ 633, VALOR ATUAL DE UMA ANUIDADE POSTECIPADA. Para calcular o valor dos termos de uma auidade postecipada, procede-se:. Tecle f CLEAR FIN para zerar os registros fiaceiros. 2. Iforme o valor presete e tecle CHS e depois PV. 2. Iforme a taxa utilizado a tecla i.

22 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Tecle para forecer o úmero de termos. 4. Tecle g END. (iforma que o pagameto será ao fial de cada período) 4. Tecle PMT para calcular a prestação.. O preço a vista de um televisor é R$.500,00. No crediário pode ser comprado em 36 prestações mesais. Cosiderado-se uma taxa de juros de 3,5% a.m., calcular o valor da prestação. R. R$ 73,93 2. Um objeto é comprado o crediário em 24 prestações de R$ 20,49. Cosiderado-se uma taxa de juros de 4,2% a.m., calcular o preço a vista do objeto. R. R$ 800,05 3. Um carro, cujo preço a vista é R$ ,00, foi fiaciado em um 75% deste valor, em um baco que cobra uma taxa de juros de 33,6% a.a., tabela price. Cosiderado-se que o valor da prestação foi de R$ 857,92, calcular o úmero de prestações. R. 48 prestações 4. O preço a vista de um equipameto eletrôico é R$ 2.500,00. No crediário foi comprado em 36 prestações mesais de R$ 2,45. Calcular a taxa de juros mesal cobrada pela loja. R. 3,4% a.m. 5. O preço a vista de um objeto é R$.800,00. No crediário pode ser comprado as seguites codições: 30% de etrada mais 36 prestações de R$ 68,96. Calcular a taxa de juro mesal. R. 4,25% a.m. 6. Um determiado site vete um televisor cujo preço a vista é R$.500,00 em dez pagametos, sem ehum acréscimo. No boleto oferece um descoto de 0%. Qual a taxa de juros implícita esta operação. R.,96% a.m VALOR ATUAL DE UMA ANUIDADE ANTECIPADA. Para calcular o valor dos termos de uma auidade postecipada, procede-se:

23 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Tecle f CLEAR FIN para zerar os registros fiaceiros. 2. Iforme o valor presete e tecle CHS e depois PV. 2. Iforme a taxa utilizado a tecla i. 3. Tecle para forecer o úmero de termos. 4. Tecle g BEGIN. (iforma que o pagameto será o iício de cada período) 4. Tecle PMT para calcular a prestação. Exemplos:. O preço a vista de um objeto é R$.300,00. No crediário é comprado em 48 prestações mesais, sedo uma como etrada. Cosiderado-se uma taxa de 3,8% a.m., calcular o valor da prestação. R. R$ 57,3 2. Um objeto é comprado, através do crediário, em 37 prestações mesais de R$ 250,00, sedo uma de etrada. Cosiderado-se uma taxa de juros de 4,5% a.m., calcular o preço a vista do objeto. R. R$ 4.666,5 3. Se uma taxa de mercado é de 3,5% a.m., compesa comprar a vista com descoto de 5% sobre o preço de tabela ou a prazo em 5 prestações mesais, sedo uma como etrada? R. 2,43% a.m.; Sim 5.7. MONTANTE DE UMA ANUIDADE. Para calcular o valor dos termos de uma auidade, procede-se:. Tecle f CLEAR FIN para zerar os registros fiaceiros. 2. Iforme o valor presete e tecle CHS e depois FP. 2. Iforme a taxa utilizado a tecla i. 3. Tecle para forecer o úmero de termos. 4. Tecle PMT para calcular a prestação.

24 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Exemplos:. Quato deverá depositar mesalmete para que, ao fial de 2 aos, se teha um motate de R$ ,00. Cosiderar que a fiaceira para uma taxa de juros de,8% a.m., sobre o saldo credor. R. 673,62 2. Uma pessoa, pretededo comprar um carro uma data futura, resolver fazer, durate 3 aos, depósitos mesais de R$ 500,00. Cosideradose que a fiaceira paga uma taxa de juros de 2,5% a.m., sobre o saldo credor, qual o valor máximo do carro que poderá comprar? R ,7 3. Uma pessoa aplica mesalmete em uma istituição fiaceira depósitos mesais de R$ 800,00, a uma taxa de,5% a.m.. Quatos depósitos foram ecessários, para que, ão efetuado ehuma retirada se teha um motate de R$ ,78? R. 36 depósitos 4. Certa pessoa prevedo a compra de um terreo, resolve fazer durate 4 aos depósitos mesais de R$ 750,00. Cosiderado-se que ao fial da aplicação obteve um motate de R$ ,00, calcular a taxa de juros mesais. R.,34% a.m ANUIDADE DIFERIDA. Auidade diferida correspode, a prática, os fiaciametos que possui carêcia, podedo ser, atecipado ou postecipado. Os empréstimo, em geral, são beeficiados com carêcia atecipado, salvos, algumas exceções. SUGESTÃO: Quado o problema evolver carêcia (atecipada) é coveiete utilizar a seguite fórmula: P ( i) o c ( i) R. i, sedo c = de períodos de carêcia

25 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Exemplos:. O preço a vista de um objeto é R$.200,00. No crediário pode ser comprado as seguites codições: 30% de etrada e o restate em 24 prestações, sedo a primeira daqui a 5 meses. Cosiderado-se uma taxa de juros de 3,8% a.m., calcular o valor da prestação. R. R$ 62,65 2. Um equipameto eletrôico foi comprado o crediário em 36 prestações mesais de R$ 20,00, sedo a primeira prestação paga com uma carêcia postecipada de 3 meses. Cosiderado-se uma taxa de juros, tabela price, de 38,4% a.a., calcular o preço a vista do objeto. R$ 2.34,0 3.. Um magazie oferece, em sua promoção, um computador por 24 prestações de R$ 300,00, ocorredo o primeiro pagameto apeas após 4 meses da compra. Qual seria o preço a vista deste televisor, uma vez que a taxa de mercado é 2,5% a.m.? R. R$ 4.982, Preço a vista de um carro é de R$ 8.000,00. A revededora exige 30% como etrada, fiaciado o salto em 36 prestações, com 6 messes de carêcia postecipada. Sabedo-se que a taxa de juros é de 4,5% a.m., qual é o valor das prestações? R. R$ 42,80 5. Um oivo, precisado comprar seus móveis e ão dispodo de diheiro de imediato, abriu um crediário em uma loja, o valor de R$ 2.000,00. Por esta compra irá pagar 24 prestações de R$ 94,23, mesalmete, com 6 messes de carêcia postecipada. Qual é a taxa de juros mesal desta loja camarada? R. 5% a.m. 6. Atôio compra de um amigo um apartameto, cujo valor a vista é de R$ ,00, as seguites codições: de R$ ,00 mais prestações mesais de R$ 8.598,04, com ao de carêcia postecipada. Sabedo-se que a taxa de juros cotratada fora de 4,5% a.m., qual é o úmero de prestações? R. 2 meses.

26 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Uso da HP Para cálculo, procede-se: º passo: Calcular o valor a ser fiaciado, utilizado o algoritmo de juros composto, durate a carêcia. 2º passo: Utilizar o algoritmo da auidade para calcular a prestação. Para calcular o preço a vista, utilize o procedimeto aterior, pela ordem iversa. RESOLVA OS SEGUINTES PROBLEMAS FINANCEIROS, UTILIZANDO A HP. Um capital de R$ ,00 foi aplicado por um período 05 dias. Cosiderado-se uma taxa de juros de 2,5% a.m., calcular o motate em juros compostos ao fial da aplicação. (coveção expoecial e liear) R. R$ ,72; R$ ,79 2. Certo capital foi aplicado por um período de 6 meses a uma taxa de,8% a.m., produzido um motate de R$ 3.338,93. Calcular o valor aplicado, cosiderado-se capitalização composta. R. R$ 3.000,00 3. Um capital de R$ 5.000,00 foi aplicado a uma taxa de 3,2% a.m. produzido um motate de R$ 6.040,6. Calcular o período da aplicação, cosiderado-se juros compostos. R. 6 meses 4. Uma pessoa aplicou um capital de R$ 7.000,00 e após 05 dias, recebeu um motate de R$ 7.63,88. Calcular a taxa de juros compostos mesais. Qual a taxa equivalete aual?. Qual a taxa omial aual com capitalização mesal? R. 2,5% a.m.; 34,49% a.a.; 30% a.a. 5. Um título de R$ 5.000,00 foi descotado 48 dias ates do vecimeto. Cosiderado-se uma taxa de descoto racioal composta de 3,5% a.m., calcular o valor de resgate. R. R$ 4.94,66 6. Um carro é fiaciado em 36 prestações mesais de R$ 460,00. Cosiderado que o cliete deu uma etrada de R$ 3.000,00 e que a taxa de juros cobrada pelo baco foi de 3,2% a.m., calcular o preço a vista do carro. R. R$ 2.749,7

27 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa O preço a vista de um objeto é R$.800,00. No crediário pode ser comprado as seguites codições: 30% de etrada, mais 24 prestações mesais. Cosiderado-se uma taxa de juros de 4,8% a.m., calcular o valor da prestação. R. R$ 89,55 8. O preço a vista de um equipameto eletrôico é R$ 2.500,00. No crediário pode ser comprado em 8 prestações mesais, sedo uma como etrada. Cosiderado-se uma taxa de juros de 5,2% a.m., calcular o valor da prestação. R. R$ 206,48 9. Um televisor pode der comprado através do crediário as seguites codições: 20% de etrada mais 5 prestações mesais de R$ 80,00. Cosiderado-se uma taxa de juros de 4,5% a.m., calcular o preço a vista do televisor. R. R$.073,95 0. Uma pessoa compra um carro o valor de R$ ,00. Deverá fiaciar 70% deste valor em um baco que cobra uma taxa de,8% a.m.. Cosiderado-se que deverá pagar prestações mesais de R$.02,94, determiar o úmero de prestações. R. 24 prestações.. O preço a vista de um objeto é R$ 2.500,00. No crediário pode ser comprado as seguites codições: 20% de etrada mais 36 prestações mesais de R$ 97,6. Calcular a taxa mesal. R. 3,4% a.m. 2. Uma pessoa deposita R$ 800,00 mesalmete. Sabedo-se que ela está gahado 2,5% a.m., quado receberá o fial de ao. R. R$.036,44 3. Quato deverá depositar mesalmete, para que ao fial de 2 aos, ão se processado ehuma retirada se teha R$ ,00. Cosiderar que a istituição fiaceira paga uma taxa de juros de 2,3% a.m. R. R$ 633,70 4. Uma pessoa aplicou R$ 8.000,00 e após 5 meses recebeu a soma de R$.485,04. Que depósitos mesais esse período produziriam a mesma soma, se os juros sobre o saldo credor fossem beeficiados com a mesma taxa da ª. Hipótese. R. R$.977,3 5. Uma pessoa pretede fiaciar um carro, cujo preço a vista é R$ ,00. O baco aceita fiaciar 70% deste valor, com 36 prestações mesais de R$ 050,93. Cosiderado-se uma taxa de IOF de 2,5% sobre o valor fiaciado, calcular a taxa do baco e a taxa efetiva.,73% a.m. R.,58% a.m.

28 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Para cálculo do úmero de pagametos ou períodos de capitalização, procede-se:. Tecle f CLEAR FIN para zerar os registros fiaceiros. 2. Iforme a taxa utilizado a tecla i ou 2:. 3. Iforme pelo meos dois valores: valor presete, utilizado PV ; valor do pagameto, utilizado PMT; valor futuro, utilizado FV. 4. Se o PMT foi iformado, aperte g BEG ou g END para cofigurar o modo de vecimeto. 3. Tecle para forecer o úmero de termos.. Uma pessoa toma emprestado R$ ,00 para comprar um carro. Os juros são tabela price de 30% a.a. Se a pessoa deverá pagar prestações de R$ 720,2 ao fim da cada mês, quatos pagametos serão ecessários? Quato tempo levará? R. 48 prestações ou 4 aos 2. Uma pessoa abre uma cota depositado, hoje, R$ 0.000,00. Um mês após o depósito a pessoa efetua depósitos mesais de R$ 493,62. Quato tempo levará para poupar R$ ,00, cosiderado-se uma taxa de juros de,5% a.a.? R. 26 meses 3. Qual a taxa de juros omial aual deve ser cobrada para obter R$ ,00 em 6 aos com ivestimeto de R$ R$ 7.542,5 com capitalização trimestral? R. 32,8% a.a. 4. Uma máquia idustrial comprada por R$ ,00, sobre uma depreciação, em relação ao seu preço iicial, aproximadamete 3% ao fial de cada ao. Calcule o valor o fial de 0 aos. R ,72 5. Um capital de R$ ,00 foi feito para ser resgatado durate um prazo de 6 aos, a uma taxa de 8% a.a. (tabela price), com pagametos feitos ao fial de cada mês. Se o juros começam a ser calculado em 5 de março de 200 e a primeira prestação o dia 0 de maio, calcule o pagameto mesal, com os dias extras cotados com base o ao comercial e os juros compostos usados para o período fracioário. R. 459,8

29 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa Uma pessoa faz um empréstimo de R$ ,00, comprometedo-se a pagar 45 prestações iguais de R$ 97,09, começado a acumular juros a partir de 8 de agosto de 200, com o primeiro período em º de setembro (postecipado). Calcule a taxa mesal usado o úmero de exato de dias extras e juros simples para o período fracioário. R. 3,59% a.m.

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A IAG Matemática Fiaceira Fluxo de Caixa O valor do diheiro o tempo Represetação: Saídas Etradas (100) 100 Prof. Luiz Bradão 2012 1 2 Visualização: Fluxo de Caixa 0 1 2 3 4 5 Defiições: Fluxo de Caixa VP

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas)

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas) 1 UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagametos ou Redas) Elemetos ou Classificação: - Redas: Sucessão de depósitos ou de prestações, em épocas diferetes, destiados a formar

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ecoomia, Admiistração e Cotabilidade de Ribeirão Preto - FEA-RP Matemática Fiaceira Profa. Dra.Luciaa C.Siqueira Ambrozii Juros Compostos 1 Juros compostos Cosidera

Leia mais

RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS.

RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS. RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS. No sistema de amortização Price, com as seguites hipóteses, ocorrerá cobraça

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

RENDAS CERTAS OU ANUIDADES

RENDAS CERTAS OU ANUIDADES RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Matemática Fiaceira/Mário Nas aplicações fiaceiras o capital pode ser pago ou recebido de uma só vez ou através de uma sucessão de pagametos ou de recebimetos. Quado o objetivo

Leia mais

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística Prova Resolvida e Cometada Prof. Joselias joselias@uol.com.br (0 )9654-53 FRF 005 Matemática Fiaceira e Estatística Soluções das Provas do FRF-005 de Matemática Fiaceira e de Estatística Prof. Joselias

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA Coceito de taxa de juros Taxa de juro é a relação etre o valor dos juros pagos (ou recebidos) o fial de um determiado período de tempo e o valor do capital

Leia mais

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior  1 Aula 23 Juros Compostos. Motate e juros. Descoto Composto. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivaletes. Capitais equivaletes. Capitalização cotíua. Equivalêcia Composta de Capitais. Descotos: Descoto racioal

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00 Módulo 7 J uros Compostos Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 7.1 Itrodução: Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015 1 CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagametos Data: 16/11/2015 Sumário/Ídice CRI - CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS... 1 SUMÁRIO/ÍNDICE... 2 1. OBJETIVO...

Leia mais

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Estudaremos este capítulo os vários sistemas de amortização de empréstimos e fiaciametos, sua metodologia e cálculos para determiação do saldo

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito:

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito: //4 VII. Equivalêcia de Fluxos de Caixa Matemática Fiaceira Aplicada ao Mercado Fiaceiro e de Capitais Professor Roaldo Távora 9 VII. - Coceito Coceito: Dois fluxos de caixa são equivaletes, a uma determiada

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21 Última Atualização: 01/04/2016 E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados Para Debêtures o Cetip21. São aqui apresetadas fórmulas

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Fundamentos da Engenharia Econômica. Professor Ivan Faccinetto Böttger. Profº Ivan Faccinetto Böttger - 1 -

Fundamentos da Engenharia Econômica. Professor Ivan Faccinetto Böttger. Profº Ivan Faccinetto Böttger - 1 - Fudametos da Egeharia Ecoômica Professor Iva Faccietto Böttger Profº Iva Faccietto Böttger - 1-2012 Ouvimos costatemete frases como estas: Vou depositar meu diheiro a poupaça ou Vou aplicar meu diheiro

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

Operações Financeiras (Ativas e Passivas) Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas

Operações Financeiras (Ativas e Passivas) Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas Operações Fiaceiras (Ativas e Passivas) Operações Fiaceiras Ativas 1 2 Defiição As aplicações fiaceiras represetam excessos de dispoibilidades da empresa, em relação às ecessidades imediatas de desembolso,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

Série de n pagamentos, periódicos e postecipados (sem entrada)

Série de n pagamentos, periódicos e postecipados (sem entrada) Séries de recueração de caitais É a série que mostra o retoro do caital através de agametos iguais e eriódicos. Este retoro ode ser de um emréstimo ou da aquisição de um bem. Exemlo: Comra arcelada com

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Caro aluo, Dispoibilizo abaixo a resolução resumida das 10 questões de Matemática Fiaceira da prova de Auditor do ISS/Cuiabá 2014. Para sua orietação, utilizei

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira

Apostila de Matemática Financeira 200.2 Apostila de Matemática Fiaceira Prof. Davi Riai Gotardelo Dispoível o Xerox e o Quiosque Uiversidade Federal Rural do Rio de Jaeiro (UFRRJ) A p o s t i l a d e M a t e m á t i c a F i a c e i r a

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1 Material de Matemática Fiaceira Prof. Mário Roberto 1 JURO E MONTANTE JURO É o custo do crédito ou a remueração do capital aplicado. Isto é, o juro é o pagameto pelo uso do poder aquisitivo por um determiado

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

Matemática. Apostila Prof. Ricardo Alves Data de impressão: 23/04/2008. www.conquistadeconcurso.com.br

Matemática. Apostila Prof. Ricardo Alves Data de impressão: 23/04/2008. www.conquistadeconcurso.com.br Matemática Apostila Data de impressão: 23/04/2008 UMA PARCERIA Visite o Portal dos Cocursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA Visite a loja virtual www.coquistadecocurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

Séries de Pagamentos

Séries de Pagamentos Séries de Pagamentos GST0054 MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Antonio Sérgio antonio.sergio@estacio.br GST0045 Matemática Financeira 1 São as prestações que você já conhece: Carnê da loja; Leasing do carro,

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor: Luis Guilherme Magalhães professor@luisguiherme.adm.br www.luisguilherme.adm.br (62) 9607-203 DESCONTO É uma compesação recebida pelo tomador do empréstimo, pelo pagameto adiatado da dívida

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

Matemática Financeira e Análise de Investimentos

Matemática Financeira e Análise de Investimentos e Aálise de Ivestimetos 1 e Aálise de Ivestimetos Objetivos 1. Coceitos fudametais em capitalização simples e compostos 2. Cálculo de juros e descotos 3. Atualização de ídices iflacioários 4. Amortização

Leia mais

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY APOSTILA EDIÇÃO: 2-2011 AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY www.mauriciocury.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES 5 2.1 Coceitos e Cálculos 5 2.2 Descoto Simples 8 2.2.1 Descoto Simples Bacário 8 2.2.2

Leia mais

Matemática Financeira. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Matemática Financeira. Evanivaldo Castro Silva Júnior Evaivaldo Castro Silva Júior 1 3. Regime de Juros Compostos 2 * Coceitos fudametais em capitalização composta * Regime de Juros ode os juros são calculados a partir do capital iicial de cada período *

Leia mais

Centro Educacional Sesc Cidadania

Centro Educacional Sesc Cidadania Cetro Educacioal Sesc Cidadaia Prof.(a): Kátia Lima Lista de Exercícios Matemática Fiaceira Se ão existe esforço, ão existe progresso (F. Douglas) ENSINO MÉDIO Aluo(a): ANO TURMA DATA: Questão 01) Um líquido

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

i i i i i i n - 1 n

i i i i i i n - 1 n Aula Capítulo 6 SÉRIE UNIFORME PRESTAÇÕES IGUAIS Série uniforme de valores monetários (pagamentos ou recebimentos) juros compostos MODELO PRICE no qual todas as prestações tem o mesmo valor Fluxo de Caixa

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Evaivaldo Castro Silva Júior 1 3. Regime de Juros Compostos 2 Coceitos fudametais em capitalização composta Regime de Juros ode os juros são calculados a partir do capital iicial de cada período No processo

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta. Resposta Questão 1 a) O faturameto de uma empresa este ao foi 1% superior ao do ao aterior; oteha o faturameto do ao aterior, saedo que o deste ao foi de R$1.4.,. ) Um comerciate compra calças a um custo de R$6,

Leia mais

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br Matemática Fiaceira Prof. MSc. Deilso Nogueira da Silva deilsoogueira@uol.com.br Juho/03 Ídice -INTRODUÇÃO... 3. O Excel... 3. A Calculadora HPC.... 3.3 Pricipais Operações do Excel... 4.4 Operações com

Leia mais

COM A HP 12 C. 9º encontro

COM A HP 12 C. 9º encontro MATEMÁTICA FINANCEIRA COM A HP 12 C 9º encontro 1 admfreeeork@yahoo.com.br 16 981057062 (Tim, WhatsApp) Blog admfreework.wordpress.com Facebook admfreework 2 3 Leasing = Arrendamento Mercantil Operação

Leia mais

Notas de aula de Matemática Financeira

Notas de aula de Matemática Financeira Notas de aula de Matemática Fiaceira Professores: Gelso Augusto SUMÁRIO 1. Sistema de capitalização simples...3 1.1 Itrodução:...3 1.2 Coceitos Iiciais....3 1.3 Juros Simples...5 1.3.1 Motate simples...5

Leia mais

Aula 02 - Relações de Equivalência

Aula 02 - Relações de Equivalência MATEMÁTICA FINANCEIRA Aula 02 - Relações de Equivalêcia Prof. Waderso S. Paris, M.Eg. prof@croosquality.com.br Relação etre P e F F 0 0 P Relação etre P e F Demostração da relação: Pricipal + juros = P

Leia mais

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017)

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017) Procedimetos de Marcação a Mercado (06, 207) Risk Maagemet Baco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A SUMÁRIO ESCOPO 4 2 PRINCÍPIOS 4 3 ORGANIZAÇÃO 5 4 COTAS 5 4. Cotas de Fechameto 5 4.2 Cotas de Abertura 6

Leia mais

Exercícios Resolvidos do livro de Matemática Financeira Aplicada

Exercícios Resolvidos do livro de Matemática Financeira Aplicada Exercícios Resolvidos do livro de Matemática Financeira Aplicada CAPÍTULO 2 PG. 32 A 36 1) Qual será o montante, no final de oito meses, se aplicarmos um capital de R$ 90.000,00 a uma taxa de juro simples

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA UNIDADE IX DESCONTOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA UNIDADE IX DESCONTOS UNIDADE IX DESCONTOS Itrodução: Em cotabilidade, chama-se descoto a operação bacária de etrega do valor de um título ao seu detetor, ates do prazo do vecimeto, e mediate o pagameto de determiada quatia

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA E A VINCULAÇÃO DE AMBOS COM A TABELA PRICE

COMPARATIVO ENTRE REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA E A VINCULAÇÃO DE AMBOS COM A TABELA PRICE COMPARATIVO ETRE REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA E A VICULAÇÃO DE AMBOS COM A TABELA PRICE Etede-se por regime de capitalização o processo de formação dos juros e a maeira pela qual estes são

Leia mais

COM A HP 12 C. 3º encontro

COM A HP 12 C. 3º encontro MATEMÁTICA FINANCEIRA COM A HP 12 C 3º encontro 12/08/2016 Docente Especialista CRA SP 123340 1 admfreeeork@yahoo.com.br 16 981057062 (Tim, WhatsApp) Blog admfreework.wordpress.com Facebook admfreework

Leia mais

Considerando que os triângulos são todos semelhantes, os perímetros formam uma PG de razão 1.

Considerando que os triângulos são todos semelhantes, os perímetros formam uma PG de razão 1. Resposta da questão : [B] Tem-se que t at = habitates e bt Resposta da questão : [D] PA a; a + r; a + r; a + 3r; a + 4r; a + 5r; a + 6r ( ) ( ) PG a; a + r; a + 6r; q = a + 6r a + r = a + r a + 4ar + 4r

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA. Capítulo 6 Séries Uniformes. Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira. Três objetivos do capítulo

ENGENHARIA ECONÔMICA. Capítulo 6 Séries Uniformes. Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira. Três objetivos do capítulo ENGENHARIA ECONÔMICA Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira Capítulo 6 Séries Uniformes Três objetivos do capítulo Entender o DFC em séries Saber diferenciar séries postecipadas e antecipadas Compreender

Leia mais

Prova Banco do Brasil 2012 CESGRANRIO /

Prova Banco do Brasil 2012 CESGRANRIO / MATEMÁTICA (QUESTÕES 11 A 0) (Questão 11) No Brasil, quase toda a produção de latas de alumíio é reciclada. As empresas de reciclagem pagam R$ 30,00 por 100 kg de latas usadas, sedo que um quilograma correspode

Leia mais

4. JUROS COMPOSTOS. Mês Juros Montante 1 10% de 1.000 = 100 1.100,00 2 10% de 1.000 = 100 1.200,00 3 10% de 1.000 = 100 1.300,00

4. JUROS COMPOSTOS. Mês Juros Montante 1 10% de 1.000 = 100 1.100,00 2 10% de 1.000 = 100 1.200,00 3 10% de 1.000 = 100 1.300,00 1.000(110%) 3 tabela 4.3 Matemática Fiaceira com a Calculadora HP -12C 37 4. JUROS COMPOSTOS 4.1 INTRODUÇÃO 5 10 Vimos o Capítulo 1 que a difereça etre os juros simples e os compostos está a forma de se

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PREPARATÓRIO EXAME CFC MATEMÁTICA FINANCEIRA

PREPARATÓRIO EXAME CFC MATEMÁTICA FINANCEIRA PREPARATÓRIO EXAME CFC 2017.1 MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 7. MATEMÁTICA FINANCEIRA E ESTATÍSTICA a) Juros Simples e Compostos. b) Taxas Nominal, Proporcional, Efetiva e Equivalente.

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA CAPITALIZAÇÁO COMPOSTA: MONTANTE E VALOR ATUAL PARA PAGAMENTO ÚNICO Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados

Leia mais

PROVA DE RACIOCÍNIO MATEMÁTICO

PROVA DE RACIOCÍNIO MATEMÁTICO )Uma prova costa de testes de múltipla escolha, cada um com 5 alterativas e apeas uma correta Se um aluo ``chutar`` todas as respostas: a)qual a probabilidade dele acertar todos os testes? b)qual a probabilidade

Leia mais

MATRIZ - Matemática Financeira Aplicada - 11/05 a 03/06/2015

MATRIZ - Matemática Financeira Aplicada - 11/05 a 03/06/2015 MATRIZ - Matemática Financeira Aplicada - 11/05 a 03/06/2015 EVERTON LUIZ MACHADO - RU: 1188222 Nota: 100 PROTOCOLO: 20150523118822227063B Disciplina(s): Matemática Financeira Data de início: 23/05/2015

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Séries Periódicas Uiformes Séries Uiformes Postecipadas 0 1 2 3 4 Séries Uiformes Atecipadas 0 1 2 3 4-1 Séries Uiformes Diferidas (atecipada/postecipada) carêcia 0 c c+1 c+2 c+3 Valor Presete das Séries

Leia mais

Capitulo 1 Resolução de Exercícios

Capitulo 1 Resolução de Exercícios S C J S C J J C FORMULÁRIO Regme de Juros Smples 1 1 S C 1 C S 1 1.8 Exercícos Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplcação de R$ 0.000,00 aplcados por um prazo de meses, à uma taxa de 2% a.m, os regmes

Leia mais

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c Edição de Fevereiro de 2008 Nota do Autor: A qualificação do profissioal passa pela ecessidade dos cohecimetos que possam lhe trasmitir seguraça as decisões fiaceiras. Seja este profissioal da área de

Leia mais

Exercícios Propostos

Exercícios Propostos Exercícios Propostos Ateção: Na resolução dos exercícios cosiderar, salvo eção e cotrário, ao coercial de 360 dias. 1. Calcular o otate de ua aplicação de $3.500 pelas seguite taxas de juros e prazos:

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES)

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) APOIO AO MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO Nehuma empresa é pequea quado os dirigetes são grades e o segredo para ser grade é se istruir sempre! PROJETO INTEGRALMENTE

Leia mais

Fazer teste: AS_I MATEMATICA FINANCEIRA 5º PERIODO UNIFRAN

Fazer teste: AS_I MATEMATICA FINANCEIRA 5º PERIODO UNIFRAN Fazer teste: AS_I MATEMATICA FINANCEIRA 5º PERIODO UNIFRAN Pergunta 1 João recebeu um aumento de 10% e com isso seu salário chegou a R$320,00. O salário de João antes do aumento era igual a? A. R$ 188,00

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. ÁTILA

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. ÁTILA 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. ÁTILA Aula 01 CONCEITOS BÁSICOS Classificação dos tipos de juros; O valor do dinheiro no tempo; Fluxos de caixa. 2 Introdução Ramo da Matemática que estuda o comportamento

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capítulo 3 Juros Compostos. Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira. Três objetivos do capítulo

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capítulo 3 Juros Compostos. Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira. Três objetivos do capítulo MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira Capítulo 3 Juros Compostos Três objetivos do capítulo Entender operações com juros compostos Saber usar a equivalência de taxas Compreender as

Leia mais

Unidade II MATEMÁTICA COMERCIAL. Profª. Gizele Munim

Unidade II MATEMÁTICA COMERCIAL. Profª. Gizele Munim Unidade II MATEMÁTICA COMERCIAL Profª. Gizele Munim Apresentação do módulo ii Desconto Simples Relação entre Taxa de Desconto e Juros Simples Juros Compostos Desconto simples Desconto simples ou comercial

Leia mais

JUROS COMPOSTOS COMPARAÇÃO ENTRE JUROS SIMPLES E COMPOSTOS

JUROS COMPOSTOS COMPARAÇÃO ENTRE JUROS SIMPLES E COMPOSTOS JUROS COMPOSTOS No regime de juros compostos, que tem grande importância financeira por retratar melhor a realidade, o juro gerado pela aplicação à mesma taxa passando a participar da geração de juros

Leia mais

n IN*. Determine o valor de a

n IN*. Determine o valor de a Progressões Aritméticas Itrodução Chama-se seqüêcia ou sucessão umérica, a qualquer cojuto ordeado de úmeros reais ou complexos. Exemplo: A=(3, 5, 7, 9,,..., 35). Uma seqüêcia pode ser fiita ou ifiita.

Leia mais

Usamos a tabela de valores da função na calculadora (após a introdução da função):

Usamos a tabela de valores da função na calculadora (após a introdução da função): 25.2 Queremos determiar o valor de, de modo que: 4,3 log 2 4, 3 Usamos a tabela de valores da fução a calculadora (após a itrodução da fução): Podemos verificar que o primeiro a ultrapassar 4,3 é 4,3219

Leia mais

FEA RP - USP. Matemática Financeira 3 - Séries e Avaliação de Investimentos

FEA RP - USP. Matemática Financeira 3 - Séries e Avaliação de Investimentos FEA RP - USP Matemática Financeira 3 - Séries e Avaliação de Investimentos Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1 Séries uniformes - Juros Compostos Series uniformes são

Leia mais

Rua 13 de junho,

Rua 13 de junho, NOME: 1. (Cefet MG 013) Durate o mesmo período, dois irmãos depositaram, uma vez por semaa, em seus respectivos cofrihos, uma determiada quatia, da seguite forma: o mais ovo depositou, a primeira semaa,

Leia mais

Matemática Financeira. Parte I. Professor: Rafael D Andréa

Matemática Financeira. Parte I. Professor: Rafael D Andréa Matemática Financeira Parte I Professor: Rafael D Andréa O Valor do Dinheiro no Tempo A matemática financeira trata do estudo do valor do dinheiro ao longo do tempo. Conceito de Investimento Sacrificiozinho

Leia mais

COMUNICADO CETIP N.º 119

COMUNICADO CETIP N.º 119 COMUCADO CETIP N.º 9 Aos Participates do Sistema de Registro e de Liquidação Fiaceira de Títulos A Cetral de Custódia e de Liquidação Fiaceira de Títulos CETIP, tedo em vista o disposto as Resoluções 2904

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Uiversidade Comuitária da Região de Chapecó Sistemas de Iformação $$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ MATEMÁTICA FINANCEIRA (MATERIAL DE APOIO E EXERCÍCIOS) $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Leia mais

2. PAGAMENTO ÚNICO (quando PMT = 0) Se aplicarmos R$ 100 a 10 % a/m, no fim de 3 meses teremos R$ 133,10 (juros compostos).

2. PAGAMENTO ÚNICO (quando PMT = 0) Se aplicarmos R$ 100 a 10 % a/m, no fim de 3 meses teremos R$ 133,10 (juros compostos). 1. FUNÇÕES ANCEIRAS: FLUXOS CONSTANTES Mateha sempre o FLAG C ligado o visor, executado STO EEX. Caso cotrário, o cálculo de períodos racioários (0,45 meses, por exemplo) será eito por juros simples, o

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA DICAS BÁSICAS PARA A UTILIZAÇÃO DA HP 2C (versão 206) Prof. Ms. Júlio César Barrios julio@toledoprudete.edu.br DICAS BÁSICAS PARA A UTILIZAÇÃO DA HP 2C ) Tecla [ON] serve para ligar

Leia mais