Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste Fevereiro 2009.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste Fevereiro 2009."

Transcrição

1 Criérios para a Apuração dos Preços de Ajuse Fevereiro Iformamos os procedimeos a serem aplicados durae o mês de fevereiro de 2009 para a apuração dos preços de ajuses diários dos coraos derivaivos fiaceiros e agropecuários, coforme segue. CONTRATOS FUTUROS SOBRE ATIVOS FINANCEIROS 1. Corao fuuro de DI Vecimeos cujos preços de ajuse são apurados pelo cálculo da média ariméica poderada dos egócios realizados o iervalo de egociação ere 15:50 e 16:00, coforme Ofício Circular 149/2006- DG, de 21/12/2006: Jaeiro/10 Jaeiro/12 Demais vecimeos Os preços de ajuse serão apurados pelo cálculo da média ariméica poderada dos egócios realizados o call de fechameo. Se ão houver egociação e em oferas o call de fechameo, os preços de ajuse serão arbirados empregado modelos e meodologias defiidos pela Bolsa. Adicioalmee, iformamos que odos os vecimeos poderão fazer pare do call de fechameo, se for verificada a codição de volailidade ao logo do período de apuração da média de preços do vecimeo jaeiro/10, coforme o Ofício Circular 149/2006-DG, de 21/12/ Corao fuuro de Dólar Vecimeo com preço de ajuse apurado pelo cálculo da média ariméica poderada dos egócios realizados o iervalo de egociação ere 15:50 e 16:00: Março/09 Demais vecimeos Os preços de ajuse serão arbirados a parir dos preços de ajuse dos coraos fuuros de DI e de DDI, empregado a meodologia coforme descrio a seguir.

2 Fevereiro/ Premissa: será cosiderada a codição de ão-arbiragem ere os coraos fuuros de DI, DDI e de dólar. O preço de ajuse do fuuro de dólar será: DI dol, = Pax DDI ode: dol, DI DDI Pax -1 = preço de ajuse do corao fuuro de dólar para o e-ésimo vecimeo, a daa (arredodado a 3ªcasa decimal); = preço de ajuse do corao fuuro de DI, expresso em PU, para o e-ésimo vecimeo, a daa (arredodado a 2ªcasa decimal); = preço de ajuse do corao fuuro de DDI, expresso em PU, para o e-ésimo vecimeo, a daa (arredodado a 2ªcasa decimal); = Pax800 coação de veda, divulgada pelo BACEN, do dia aerior à daa de cálculo (com aé 4 casas decimais). Quado houver vecimeo o corao fuuro de dólar e ão exisir posição em abero o fuuro de DI e/ou DDI, será empregado o processo de ierpolação as axas de juro desses coraos. 3. Corao fuuro de Ibovespa Vecimeo com preço de ajuse apurado pela média ariméica poderada dos egócios realizados os úlimos 15 miuos de egociação, exceo o dia do vecimeo quado o preço de ajuse será calculado pela média poderada das úlimas 3 horas do ídice o mercado a visa da careira eórica a BM&FBOVES: Fevereiro/09, aé o dia 17/02/09 Abril/09, a parir do dia 18/02/09

3 Fevereiro/ Demais vecimeos Os preços de ajuse serão arbirados a parir dos preços de ajuse dos coraos fuuros de DI e do cuso de aluguel médio das ações da careira eórica do Ibovespa, divulgado pela CBLC. Adicioalmee, poderá ser uilizado o valor da rolagem, quado houver, a criério da Bolsa. O preço de ajuse do fuuro de Ibovespa será: ode: Pré = du v 252 DI1, 1o.v ibv, ibv, 1 + alug Pré ibv, 1o.v ibv, v DI1, = preço de ajuse do corao fuuro de Ibovespa para o e-ésimo vecimeo, a daa (úmero ieiro, sem casas decimais); = preço de ajuse do corao fuuro de Ibovespa para o primeiro vecimeo, a daa (úmero ieiro,sem casas decimais); = axa pré-ierpolada, referee ao preço de ajuse do corao fuuro de DI para o prazo ere o primeiro vecimeo e a daa de ecerrameo do corao, a daa (poo fluuae); du = úmero de dias úeis compreedidos ere a daa de érmio do primeiro vecimeo e a daa de ecerrameo de e-ésimo vecimeo; alug = cuso médio de aluguel da careira eórica do Ibovespa para o período compreedido ere a daa de cálculo e a daa do e- ésimo vecimeo do corao fuuro de Ibovespa (poo fluuae). 4. FRC FRA de Cupom Cambial Todos os vecimeos Os preços de ajuse serão apurados pelo cálculo da média ariméica poderada dos egócios realizados o call de fechameo. Se ão houver egociação e em oferas o call de fechameo, os preços de ajuse serão arbirados empregado modelos e meodologias defiidos pela Bolsa.

4 Fevereiro/ Corao fuuro de Cupom Cambial (DDI) Todos os vecimeos Os preços de ajuse serão arbirados a parir dos preços de ajuse dos coraos fuuros de DI e de dólar para o primeiro vecimeo. A parir do segudo vecimeo, iclusive, o preço de ajuse é resulado da muliplicação ere o cupom de DDI apurado para o primeiro vecimeo e a axa de ajuse do FRC, coforme meodologia descria a seguir. Primeiro vecimeo em abero: ode: 1o.v DDI, = o.v DI 1o.v DOL Pax -1 1o.v DDI, 1o.v DI 1o.v dol, = preço de ajuse do corao fuuro de DDI, expresso em axa liear ao ao, para o primeiro vecimeo, a daa (arredodado a 2ªcasa decimal); = preço de ajuse do corao fuuro de DI, expresso em PU, para o primeiro vecimeo, a daa (arredodado a 2ªcasa decimal); = preço de ajuse do corao fuuro de dólar para o primeiro vecimeo, a daa (arredodado a 3ª casa decimal). Demais vecimeos: DDI, = 1o.v dc1 dc2-dc c DDI 1+ c FRC dc2

5 Fevereiro/ ode: c c 1o.v DDI, DDI, FRC, dc 2 = dc 1 = = preço de ajuse do corao fuuro de DDI, expresso em axa liear ao ao, para o e-ésimo vecimeo, a daa (arredodado a 2ª casa decimal); = preço de ajuse do corao fuuro de DDI para o primeiro vecimeo, expresso em axa liear ao ao, a daa (arredodado a 2ªcasa decimal); = preço de ajuse do FRC para o e-ésimo vecimeo, expresso em axa liear ao ao, a daa (arredodado a 2ª casa decimal); úmero de dias corridos compreedidos ere a daa de cálculo e a daa de ecerrameo de e-ésimo vecimeo, a daa ; úmero de dias corridos compreedidos ere a daa de cálculo e a daa de ecerrameo do primeiro vecimeo do corao fuuro de DDI, a daa. 6. Corao fuuro de Reais por Euro (EBR) Todos os vecimeos Os preços de ajuse serão calculados diariamee mediae a muliplicação do preço de ajuse do euro fuures (corao fuuro de euro), egociado o CME Group, pela com a axa de câmbio de reais por dólar, para a mesma daa de vecimeo, coforme meodologia descria a seguir: Euro = P v, v, v, US$/ ode: v, Euro = preço de ajuse, expresso em reais por mil euros, para o - ésimo vecimeo do corao, a daa, (arredodado a 3ª casa decimal); v, US$/ = preço de ajuse, do euro fuures (corao fuuro de euro) do CME Group, de expresso em dólares por euro, para o -ésimo vecimeo do corao, a daa ;

6 Fevereiro/ P = axa de câmbio forward, expressa em reais por mil v, dólares, apurada pelo processo de ierpolação a parir dos preços de ajuse do corao fuuro de reais por dólar da BM&FBOVES, a daa (rucado a 7ª casa decimal); A axa de câmbio forward, expressa em reais por mil dólares ierpolada, será apurada coforme segue: Se a axa se referir a uma daa ere dois vecimeos de corao fuuro de dólar ode: ( uv, -uv,a ) ( u -u ) v,pos v,pos v,a v,a v,a v, P = v,a = preço de ajuse do Corao Fuuro de Taxa de Câmbio de Reais por Dólar, referee ao vecimeo imediaamee aerior ao vecimeo que esá sedo calculado a daa (arredodado a 3ª casa decimal); v,pos = preço de ajuse do Corao Fuuro de Taxa de Câmbio de Reais por Dólar, referee ao vecimeo imediaamee poserior ao vecimeo que esá sedo calculado a daa (arredodado a 3ª casa decimal); u v, = úmero de dias úeis compreedidos ere a daa de cálculo e a daa de érmio do vecimeo que esá sedo calculado a daa ; u v,a = úmero de dias úeis compreedidos ere a daa de cálculo e a daa de ecerrameo do vecimeo imediaamee aerior ao que esá sedo calculado a daa ; u v,pos = úmero de dias úeis compreedidos ere a daa de cálculo e a daa de ecerrameo do vecimeo imediaamee poserior ao que esá sedo calculado a daa ;

7 Fevereiro/ Se a axa se referir a uma daa aerior ao primeiro vecimeo em abero de fuuro de dólar 1 v ur$/ 1 v 1 v u 1v P = ( PTAX ), PTAX, ode: P = axa de câmbio, expressa em reais por mil dólares, 1v apurada pelo processo de ierpolação a parir da PTAX de reais por dólar, coação de veda, e do preço de ajuse do corao fuuro de reais por dólar da BM&FBOVES do 1º. vecimeo em abero, a daa (rucado a 7ª casa decimal); PTAX, = axa de câmbio forward de reais por dólar dos Esados Uidos da América, coação de veda, apurada e divulgada pelo Baco Ceral do Brasil (Bace), por iermédio do Sisbace, rasação PTAX800, a daa ; = preço de ajuse do Corao Fuuro de Taxa de 1v Câmbio de Reais por Dólar, referee ao primeiro vecimeo em abero e imediaamee poserior ao vecimeo que esá sedo calculado a daa (arredodado a 3ª casa decimal); 1v u R$/ = úmero de dias úeis compreedidos ere a daa de cálculo e a daa de érmio do vecimeo que esá sedo calculado a daa ; u = úmero de dias úeis compreedidos ere a daa de 1v cálculo e a daa de ecerrameo do primeiro vecimeo imediaamee poserior ao que esá sedo calculado a daa.

8 Fevereiro/ Codição Especial: Na hipóese de uma deermiada daa ser dia úil a BM&FBOVES, e feriado a praça de Chicago, o preço de ajuse será calculado mediae a muliplicação do preço de ajuse verificado o CME Group 1 o pregão imediaamee aerior a daa de cálculo pela axa de câmbio forward da daa, exceo o úlimo dia de egociação quado obrigaoriamee deverá ser dia úil as duas praças de egociação. 7. Demais coraos fuuros fiaceiros cujo preço de ajuse é apurado o call de fechameo Coraos Fuuros de Swap de Crédio sobre a Dívida Soberaa BC3; BC5; e BC7 (Ofício Circular 001/2008-DP). Se ão houver egociação e em oferas o call de fechameo, os preços de ajuse serão arbirados empregado modelos e meodologias defiidos pela Bolsa. 8. Demais coraos com os preços de ajuse arbirados empregado modelos e meodologias defiidos pela Bolsa Corao Fuuro de A-Bod Corao Fuuro de IGP-M. Corao Fuuro de IPCA. Corao Fuuro de Cupom IGPM. Corao Fuuro de Cupom de IPCA. FRI FRA de Cupom de IPCA. Corao Fuuro de Ouro. Corao Fuuro de IBrX-50. Corao Fuuro de T-Noe de 10 aos. Corao Fuuro de DI Logo. Corao Fuuro de Euro. Coraos Fuuros de Global Bod: B11; B12; B13; B14; B15; B19; B20; B24; B25; B27; B30; B34; B37; e B40. Corao Fuuro de Reais por Euro (iício de egociação em 06/02/09). 1 Os dias em que o pregão do CME GROUP ão ocorre podem ser ecorados em: hp://

9 Fevereiro/ CONTRATOS FUTUROS SOBRE AGROPECUÁRIOS 9. Corao fuuro de boi gordo Vecimeos com preços de ajuse apurados pela média ariméica poderada dos egócios realizados os úlimos 15 miuos de egociação coforme Ofício Circular 001/2007-DG, de 04/01/2007: Fevereiro/09 Maio/09 Ouubro/09 Demais vecimeos O criério para apuração do preço de ajuse o call será o mesmo uilizado o GTS para apuração do preço de aberura do mercado, ou seja, a prioridade e a maximização da quaidade de coraos fechados. Assim, embora as oferas possam er sido realizadas por preços diferees, odos os egócios realizados o call para o mesmo vecimeo serão fechados por um úico preço. Se ão houver egociação e em oferas o call de fechameo, os preços de ajuse serão arbirados empregado modelos e meodologias defiidos pela Bolsa. 10. Coraos fuuros agropecuários cujo preço de ajuse é apurado o call de fechameo Corao Fuuro de Açúcar. Corao Fuuro de Café Arábica. Corao Fuuro de Eaol. Corao Fuuro de Milho. Corao Fuuro de Milho com Liquidação Fiaceira. Corao Fuuro de Milho Base de Preço Triâgulo Mieiro. Corao Fuuro de Milho Base de Preço Cascavel. Corao Fuuro de Milho Base de Preço Rio Verde. Corao Fuuro de Milho Base de Preço Paraaguá. Corao Fuuro de Soja. Para a apuração dos preços de ajuse dos coraos agropecuários relacioados o iem 9 serão cosiderados o período do call os preços e/ou oferas, coforme o criério defiido a seguir: Não serão cosiderados os egócios direos; Se a soma dos coraos egociados em cada vecimeo for igual ou superior a 10 coraos, o preço de ajuse será

10 Fevereiro/ calculado com base a média ariméica poderada pelo volume de odos os coraos egociados; Se a soma dos coraos egociados em cada vecimeo for iferior a 10 coraos, será cosiderada para cálculo do preço de ajuse a operação com quaidade igual ou superior a 5 coraos; Para os vecimeos em que exisir apeas ofera (de compra e/ou veda), serão observados os preços de oferas apeas os vecimeo em que o volume de coraos for igual ou superior a 5 coraos. Para os vecimeos cujas quaidades egociadas e oferas ão esiverem equadradas os criérios acima, os preços de ajuse serão arbirados empregado modelos e meodologias defiidos pela BM&FBOVES. Idepedeemee do criério e das siuações acima descrios, a BM&FBOVES poderá arbirar qualquer preço de ajuse, sempre que cosiderar, em seu julgameo, que o valor ecorado ão seja represeaivo. Esclarecimeos adicioais poderão ser obidos com a Direoria de Derivaivos de Reda Fixa e Câmbio pelos elefoes (+11) /6431/6435.

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2009

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2009 Criérios para a Apuração dos Preços de Ajuse e Prêmios das Opções de Compra e de Veda Abril 2009 Iformamos os procedimeos a serem aplicados durae o mês de abril de 2009 para a apuração dos preços de ajuses

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2009

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2009 Criérios para a Apuração dos Preços de Ajuse e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Seembro 2009 Informamos os procedimenos a serem aplicados durane o mês de seembro de 2009 para a apuração dos preços

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2011

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2011 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2011 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de maio de 2011 para a apuração dos preços

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de setembro de 2013 para a apuração dos

Leia mais

HORÁRIOS DE NEGOCIAÇÃO - SEGMENTO BM&F. Contratos Futuros, de Opções e Operações Estruturadas Referenciados em Taxa de Juro em Reais

HORÁRIOS DE NEGOCIAÇÃO - SEGMENTO BM&F. Contratos Futuros, de Opções e Operações Estruturadas Referenciados em Taxa de Juro em Reais HORÁRIOS DE NEGOCIAÇÃO SEGMENTO BM&F s Futuros, Opções e Operações Estruturadas Referenciados em Taxa Juro em Reais Futuro DI1 FUT DI1 09:00 2 16:00 16:07 16:10 16:10 16:42 16:45 16:50 2 18:00 Futuro DI

Leia mais

COMUNICADO CETIP N.º 119

COMUNICADO CETIP N.º 119 COMUCADO CETIP N.º 9 Aos Participates do Sistema de Registro e de Liquidação Fiaceira de Títulos A Cetral de Custódia e de Liquidação Fiaceira de Títulos CETIP, tedo em vista o disposto as Resoluções 2904

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de outubro de 2011 para a apuração dos

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21 Última Atualização: 01/04/2016 E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados Para Debêtures o Cetip21. São aqui apresetadas fórmulas

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de abril 2014 para a apuração dos preços

Leia mais

Contrato Futuro de Soja com Liquidação Financeira pelo Preço do Contrato Futuro Míni de Soja do CME Group Especificações. realizadas e liquidadas.

Contrato Futuro de Soja com Liquidação Financeira pelo Preço do Contrato Futuro Míni de Soja do CME Group Especificações. realizadas e liquidadas. Contrato Futuro de Soja com Liquidação Financeira pelo Preço do Contrato Futuro Míni de Soja do CME Group Especificações 1. Definições Contrato (especificações): Taxa de câmbio referencial BM&FBOVESPA:

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Ref.: Alteração na Política de Tarifação de Produtos e Serviços da BM&FBOVESPA.

O F Í C I O C I R C U L A R. Ref.: Alteração na Política de Tarifação de Produtos e Serviços da BM&FBOVESPA. 27 de outubro de 2008 070/2008-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos mercados BM&FBOVESPA Ref.: Alteração na Política de Tarifação de Produtos e Serviços da BM&FBOVESPA. A BM&FBOVESPA informa

Leia mais

Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F

Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F 01 de julho de 2016 061/2016-DO C O M U N I C A D O E X T E R N O Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Registro da BM&FBOVESPA pela U.S. Commodity Futures Trading Commission

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Dezembro 2015

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Dezembro 2015 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Dezembro 2015 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de dezembro 2015 para a apuração dos preços

Leia mais

Produtos BM&FBovespa. BTG Pactual CTVM. BTG Pactual

Produtos BM&FBovespa. BTG Pactual CTVM. BTG Pactual Conheça alguns dos produtos negociados pela Renda Variável Compõe-se de ativos de renda variável, quais sejam, aqueles cuja remuneração ou retorno de capital não pode ser dimensionado no momento da aplicação.

Leia mais

1. Na figura seguinte está representada parte do gráfico de uma função g, de domínio R e contínua em

1. Na figura seguinte está representada parte do gráfico de uma função g, de domínio R e contínua em PROVA ESCRITA DE MATEMÁTICA A.º E 00 Fevereiro 8 Duração da prova: 90 miuos VERSÃO Grupo I Para cada uma das cico quesões dese grupo, seleccioe a resposa correca de ere as aleraivas que lhe são apreseadas

Leia mais

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015 1 CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagametos Data: 16/11/2015 Sumário/Ídice CRI - CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS... 1 SUMÁRIO/ÍNDICE... 2 1. OBJETIVO...

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 007/94

COMUNICADO SPR N.º 007/94 COMUNICADO SPR N.º 007/94 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP, comunica que, a partir do dia 22.09.94,

Leia mais

CONTRATO FUTURO DE CUPOM DE IPCA. Especificações

CONTRATO FUTURO DE CUPOM DE IPCA. Especificações CONTRATO FUTURO DE CUPOM DE IPCA Especificações 1. Definições IPCA Taxa DI Preço unitário (PU) Saque-reserva Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, expresso em número-índice (número de pontos),

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F 19 de setembro de 2016 094/2016-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Novos Horários de Segmentos BOVESPA e BM&F. A BM&FBOVESPA informa

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE TEÓFILO OTONI CNPJ /

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE TEÓFILO OTONI CNPJ / REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE TEOFILO OTONI RELATÓRIO TRIMESTRAL DE RENTABILIDADE E RISCOS DOS INVESTIMENTOS RELATIVO

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2015

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2015 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2015 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de setembro 2015 para a apuração dos preços

Leia mais

Métodos de Amortização

Métodos de Amortização Méodos de Amorização Rui Assis Egeheiro Mecâico IST rassis@rassis.com www.rassis.com Fevereiro de 2006 Reviso em Seembro de 20 Méodos de Amorização Irodução Na perspeciva coabilísica, a amorização referese

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 002/94

COMUNICADO SPR N.º 002/94 COMUNICADO SPR N.º 002/94 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP, informa os procedimentos a serem adotados

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Swap

Caderno de Fórmulas. Swap Swap Elaboração: Abrl/25 Últma Atualzação: 5/4/216 Apresetação O adero de Fórmulas tem por objetvo oretar os usuáros do Módulo de, a compreesão da metodologa de cálculo e dos crtéros de precsão usados

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BM&F. Ref.: Lançamento do Contrato a Termo de Taxa de Câmbio.

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BM&F. Ref.: Lançamento do Contrato a Termo de Taxa de Câmbio. 23 de dezembro de 2009 081/2009-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BM&F Ref.: Lançamento do Contrato a Termo de Taxa de Câmbio. Comunicamos que, a

Leia mais

Termo de Metais. Especificações

Termo de Metais. Especificações Termo de Metais Especificações 1. Definições Preço do metal Preço do metal, objeto de negociação, expresso em dólares dos Estados Unidos da América por tonelada métrica, especificado pela BM&FBOVESPA dentre

Leia mais

CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO

CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO 1. APRESENTAÇÃO Nese capíulo serão abordados vários méodos que levam em coa o uso das probabilidades a aálise de ivesimeos. Eses méodos visam subsidiar

Leia mais

[MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO]

[MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO] [MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO] Ese documeno aborda o processo de marcação a mercado de renda fixa, renda variável e derivaivos da Inerinves Gesão Daa de Publicação: Março de 0 Inrodução Nese manual definimos

Leia mais

Míni de Café WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Café WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Café WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro. A

Leia mais

Uso da Simulação de Monte Carlo e da Curva de Gatilho na Avaliação de Opções de Venda Americanas

Uso da Simulação de Monte Carlo e da Curva de Gatilho na Avaliação de Opções de Venda Americanas J.G. Casro e al. / Ivesigação Operacioal, 27 (2007 67-83 67 Uso da imulação de Moe Carlo e da Curva de Gailho a Avaliação de Opções de Veda Americaas Javier Guiérrez Casro Tara K. Nada Baidya Ferado A.

Leia mais

INTERPRETANDO CORRETAMENTE O PASSADO PODEM-SE GERAR PREVISÕES ÚTEIS PARA O FUTURO.

INTERPRETANDO CORRETAMENTE O PASSADO PODEM-SE GERAR PREVISÕES ÚTEIS PARA O FUTURO. MÓDUO - MODEOS DE PREVISÃO E ESTIMATIVA DE DEMANDA Baseado em Chopra, Suil e Meidl, Peer, Gereciameo da Cadeia de Suprimeos, Preice Hall, São Paulo, 23. Quao se deve fabricar os próximos dias? Quais os

Leia mais

SISTEMA DE RISCO DO SEGMENTO BM&F SUBSISTEMA DE MARGEM PARA ATIVOS LÍQUIDOS ANEXO III FUTUROS DE MOEDAS E AGROPECUÁRIOS COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA

SISTEMA DE RISCO DO SEGMENTO BM&F SUBSISTEMA DE MARGEM PARA ATIVOS LÍQUIDOS ANEXO III FUTUROS DE MOEDAS E AGROPECUÁRIOS COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA 1/2011 Bolsa de Valores, Mercadorias & Futuros SISTEMA DE RISCO DO SEGMENTO BM&F SUBSISTEMA DE MARGEM PARA ATIVOS LÍQUIDOS ANEXO III FUTUROS DE MOEDAS E AGROPECUÁRIOS COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA Neste anexo,

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

Operação 1: Swap Pré x CDI

Operação 1: Swap Pré x CDI Operação 1: Swap Pré x CDI Dados da Operação: Situação após 70 dias Valor Contratado: 1.000.000 CDI decorrido: 3,77% Prazo: 180 dias Prazo a decorrer: 110 dias Taxa Ativa (Pré): 22,50% a.a. Taxa pré p/

Leia mais

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística Prova Resolvida e Cometada Prof. Joselias joselias@uol.com.br (0 )9654-53 FRF 005 Matemática Fiaceira e Estatística Soluções das Provas do FRF-005 de Matemática Fiaceira e de Estatística Prof. Joselias

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Úlima revisão: Agoso 0 A reprodução e a disribuição dese manual fora do Modal sem a devida auorização é erminanemene proibida e consiui uma violação da políica de conroles

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Úlima revisão: JANEIRO 00 A reprodução e a disribuição dese manual fora do Modal sem a devida auorização é erminanemene proibida e consiui uma violação da políica de conroles

Leia mais

M23 Ficha de Trabalho SUCESSÕES 2

M23 Ficha de Trabalho SUCESSÕES 2 M Ficha de Trabalho NOME: SUCESSÕES I PARTE Relativamete à sucessão a =, pode-se afirmar que: (A) É um ifiitamete grade positivo (B) É um ifiitésimo (C) É um ifiitamete grade egativo (D) É limitada Cosidere

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Úlima aualização: ou 03 Produzido pela área de Risco A reprodução e a disribuição desa Políica fora do MODAL sem a devida auorização são erminanemene proibidas. ÍNDICE. MARCAÇÃO

Leia mais

Parágrafo 1º Para a apuração do limite estabelecido no caput define-se como:

Parágrafo 1º Para a apuração do limite estabelecido no caput define-se como: CIRCULAR Nº 2894 Documento normativo revogado pela Circular 3.367, de 12/09/2007. Estabelece procedimentos para o cálculo do limite de exposição em ouro e em ativos e passivos referenciados em variação

Leia mais

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia.

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia. 6//000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR 00- PROVA MATEMÁTICA Prova resolvida pela Profª Maria Atôia Coceição Gouveia RESPONDA ÀS QUESTÕES A SEGUIR, JUSTIFICANDO SUAS SOLUÇÕES QUESTÃO A

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

PRODUTOS AUTORIZADOS PARA NEGOCIAÇÃO EM MERCADO DE BOLSA OU BALCÃO ORGANIZADO

PRODUTOS AUTORIZADOS PARA NEGOCIAÇÃO EM MERCADO DE BOLSA OU BALCÃO ORGANIZADO PRODUTOS AUTORIZADOS PARA NEGOCIAÇÃO EM MERCADO DE BOLSA OU BALCÃO ORGANIZADO 1. SEGMENTO BM&F Contratos Derivativos Ouro Futuro de Ouro (OZ1) Opção de Compra sobre Disponível Padrão Ouro Opção de Venda

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Associadas e Operadores Especiais

O F Í C I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Associadas e Operadores Especiais 14 de agosto 2003 081/2003-DG O F Í C I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Associadas e Operadores Especiais Ref.: Alteração nos Critérios de Cálculo da Margem de Garantia das Opções

Leia mais

3 A Formação de Preços dos Futuros Agropecuários

3 A Formação de Preços dos Futuros Agropecuários 3 A ormação de Preços dos uuros Agropecuários Para avaliar a formação de preços nos mercados fuuros agropecuários é necessária uma base de comparação Para al base, esa disseração usa os preços que, em

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE RISCO

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE RISCO INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE RISCO 1. Tributação no mercado financeiro 1.1. Tributação de cotistas de fundo de investimento 1.2. Tributação

Leia mais

REGISTRO. Código CETIP da contraparte na operação. CPF/CNPJ Cliente CPF ou CNPJ da contraparte quando for cliente 1.

REGISTRO. Código CETIP da contraparte na operação. CPF/CNPJ Cliente CPF ou CNPJ da contraparte quando for cliente 1. 1 Swap SWAP Nome do Arquivo DPOSICAO (DPOSICAO-SWAP.TXT) REGISTRO Campo Tipo do contrato. Possíveis valores: 00 (CONSTANTE), 01 Tipo de Contrato (NÃO CONSTANTE) ou 02 (PAGAMENTO FINAL) Data Data Contrato

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO BM&FBOVESPA S.A. - BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS CNPJ nº 09.346.601/0001-25 NIRE 35.300.351.452 COMUNICADO AO MERCADO Esclarecimentos sobre notícia veiculada em 07/01/2015 e Balanço de Operações

Leia mais

3.4.2 Cálculo da moda para dados tabulados. 3.4 Moda Cálculo da moda para uma lista Cálculo da moda para distribuição de freqüências

3.4.2 Cálculo da moda para dados tabulados. 3.4 Moda Cálculo da moda para uma lista Cálculo da moda para distribuição de freqüências 14 Calcular a mediaa do cojuto descrito pela distribuição de freqüêcias a seguir. 8,0 10,0 10 Sabedo-se que é a somatória das, e, portato, = 15+25+16+34+10 = 100, pode-se determiar a posição cetral /2

Leia mais

CORDAS E TUBOS SONOROS TEORIA

CORDAS E TUBOS SONOROS TEORIA CORDAS E TUBOS SONOROS TEORIA Já vimos a formação de odas estacioárias de maeira geral. Agora, vamos estudar este assuto de forma mais específica. Primeiramete, vamos os cocetrar em uma corda, que pode

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F 23 de novembro de 2016 111/2016-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Calendário 2017 Feriados. A BM&FBOVESPA divulga o calendário de 2017

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Seguindo os ventos externos A projeção do IPCA para os próximos 12 meses voltou a apresentar queda, contudo mesmo a estimativa para 2017 está ainda distante do centro da meta. Apesar das incertezas locais,

Leia mais

TAXAS DE JURO. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03

TAXAS DE JURO. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03 TAXAS DE JURO ÍNDICE Contratos Pag. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03 2. Alterado pelo Ofício Circular 015/2002-DG, DE 01/02/2002 04 3. Novos procedimentos

Leia mais

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Estudaremos este capítulo os vários sistemas de amortização de empréstimos e fiaciametos, sua metodologia e cálculos para determiação do saldo

Leia mais

4- Método de Diferenças Finitas Aplicado às Equações Diferenciais Parciais.

4- Método de Diferenças Finitas Aplicado às Equações Diferenciais Parciais. MÉTODOS NM ÉRICOS PARA E QAÇÕES DIFEREN CIAIS PARCIAIS 4- Méodo de Difereças Fiias Aplicado às Equações Difereciais Parciais. 4.- Aproximação de Fuções. 4..- Aproximação por Poliômios. 4..- Ajuse de Dados:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito 239 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS : 239 questões com gabarito. São

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor: Luis Guilherme Magalhães professor@luisguiherme.adm.br www.luisguilherme.adm.br (62) 9607-203 DESCONTO É uma compesação recebida pelo tomador do empréstimo, pelo pagameto adiatado da dívida

Leia mais

Instituições Top 5 Classificação Anual para as Categorias Curto e Médio Prazo e Consolidação da Metodologia

Instituições Top 5 Classificação Anual para as Categorias Curto e Médio Prazo e Consolidação da Metodologia Insiuições Top 5 Classificação Anual para as Caegorias Curo e Méio Prazo e Consoliação a Meoologia O coneúo ese ocumeno é informaivo. Não resringe as ações e políica moneária e cambial o Banco Cenral o

Leia mais

FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schubert

FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schubert FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schuber Esa maéria que ão em bibliografia e o seu coceio o ambiee coábil refere-se aos bes iagíveis e os auores ficam com os ies iagíveis possíveis de serem regisrados pela coabilidade

Leia mais

Matemática. B) Determine a equação da reta que contém a diagonal BD. C) Encontre as coordenadas do ponto de interseção das diagonais AC e BD.

Matemática. B) Determine a equação da reta que contém a diagonal BD. C) Encontre as coordenadas do ponto de interseção das diagonais AC e BD. Matemática 0. Um losago do plao cartesiao oxy tem vértices A(0,0), B(,0), C(,) e D(,). A) Determie a equação da reta que cotém a diagoal AC. B) Determie a equação da reta que cotém a diagoal BD. C) Ecotre

Leia mais

Uma Corretora que tenha firmado um Contrato de Agente Autorizado com a Administradora.

Uma Corretora que tenha firmado um Contrato de Agente Autorizado com a Administradora. GLOSSÁRIO Administradora Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Agente Autorizado Uma Corretora que tenha firmado um Contrato de Agente Autorizado com a Administradora. Ativos do

Leia mais

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A Lâmina de informações essenciais sobre o Tokyo-Mitsubishi UFJ Jump FI Cambial Dólar CNPJ Nº 01.789.845/0001-70 Informações referentes à Janeiro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Nota Sobre Evolução da Produtividade no Brasil. Fernando de Holanda Barbosa Filho

NOTA TÉCNICA. Nota Sobre Evolução da Produtividade no Brasil. Fernando de Holanda Barbosa Filho NOTA TÉCNICA Noa Sobre Evolução da Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Fevereiro de 2014 1 Essa noa calcula a evolução da produividade no Brasil enre 2002 e 2013. Para ano uiliza duas

Leia mais

IPN - Integração da Pós Negociação

IPN - Integração da Pós Negociação IPN - Integração da Pós Negociação Roteiro Sugerido de Certificação Fase 6 Arquivos do icad-x, Preços e Instrumentos. Setembro / 2013 Versão 1.0 Índice 1 Sumário executivo... 3 2 Histórico de Alterações...

Leia mais

", em que: RWA CAM F EXP. Exp 1 CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE 2013

, em que: RWA CAM F EXP. Exp 1 CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Estabelece os procedimentos para o cálculo da parcela dos ativos ponderados pelo risco (RWA) referente às exposições em ouro, em moeda estrangeira e em ativos sujeitos

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 Ref.: Linhas de Financiamento BNDES-exim Pré-embarque, Pré-embarque Ágil, Préembarque Empresa Âncora

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M7 Função Exponencial. 2 Encontre o valor da expressão

Matemática. Resolução das atividades complementares. M7 Função Exponencial. 2 Encontre o valor da expressão Resolução das atividades complemetares Matemática M Fução Epoecial p. 6 (Furg-RS) O valor da epressão A a) c) e) 6 6 b) d) 0 A?? A? 8? A A A? A 6 8 Ecotre o valor da epressão 0 ( ) 0 ( ) 0 0 0. Aplicado

Leia mais

Contrato a Termo de Metais Especificações

Contrato a Termo de Metais Especificações Contrato a Termo de Metais Especificações 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas. Preço do metal (MT): preço do metal, objeto de

Leia mais

UMe Sobre a Um Investimentos

UMe Sobre a Um Investimentos UMe Sobre a Um Investimentos A UM INVESTIMENTOS é uma instituição financeira independente e atua no mercado financeiro há 44 anos. Atualmente é a maior corretora de investimentos brasileira nas redes sociais,

Leia mais

b) Compra e venda de títulos públicos, controle de taxa de juros e dos depósitos compulsórios dos bancos.

b) Compra e venda de títulos públicos, controle de taxa de juros e dos depósitos compulsórios dos bancos. De quais ferramentas dispõe o Banco Central para fazer política monetária? a) Emissão de moeda, compra e venda de títulos públicos, controle de câmbio. b) Compra e venda de títulos públicos, controle de

Leia mais

Câmbio: Mecanismos de hedge. Reinaldo Gonçalves

Câmbio: Mecanismos de hedge. Reinaldo Gonçalves Câmbio: Mecanismos de hedge Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. Swap 2. Swap cambial reverso 3. Swap inter-bancário de moedas 4. Mercado de futuros (futures) 5. Mercado a termo

Leia mais

1. Um capital de $80.000,00 é aplicado à taxa de 2,5% ao mês durante um trimestre. Determine o valor dos juros acumulados neste período.

1. Um capital de $80.000,00 é aplicado à taxa de 2,5% ao mês durante um trimestre. Determine o valor dos juros acumulados neste período. MATEMÁTIA FINANEIRA RESOLUÇÃO DOS EXERÍIOS I. UROS SIMPLES. Um capial de $8., é aplicado à axa de 2,5% ao mês durae um rimesre. Deermie o valor dos juros acumulados ese período. i..,25 8. 3 6., 2. Um egociae

Leia mais

ÁLGEBRA. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores LEEC Ano lectivo de 2002/2003

ÁLGEBRA. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores LEEC Ano lectivo de 2002/2003 ÁLGEBRA Liceciatura em Egeharia Electrotécica e de Computadores LEEC Ao lectivo de 00/003 Apotametos para a resolução dos exercícios da aula prática 5 MATRIZES ELIMINAÇÃO GAUSSIANA a) Até se obter a forma

Leia mais

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros ANEXO II Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de 2004 Rendimento pelo IGP-M + Juros TERMO DE ADITAMENTO À ESCRITURA DA [N.º de ordem da emissão] EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES DA [Nome da Companhia

Leia mais

FUT - ICF - Café arábica Z12 2.552,21 2.552,27. FUT - ICF - Café arábica H13 2.628,70 2.628,68. FUT - ICF - Café arábica K13 2.662,62 2.

FUT - ICF - Café arábica Z12 2.552,21 2.552,27. FUT - ICF - Café arábica H13 2.628,70 2.628,68. FUT - ICF - Café arábica K13 2.662,62 2. FUT - ICF - Café arábica Z12 2.552,21 2.552,27 FUT - ICF - Café arábica H13 2.628,70 2.628,68 FUT - ICF - Café arábica K13 2.662,62 2.662,58 FUT - ICF - Café arábica N13 2.679,18 2.679,26 FUT - ICF - Café

Leia mais

DENOMINADORES: QUAIS SÃO? COMO SE CALCULAM?

DENOMINADORES: QUAIS SÃO? COMO SE CALCULAM? DENOMINADORES: QUAIS SÃO? COMO SE CALCULAM? POPULAÇÃO SOB OBSERVAÇÃO A idade e o sexo da população inscria nas lisas dos médicos paricipanes é conhecida. A composição dessas lisas é acualizada no final

Leia mais

O F Í C I O C I R C U LA R

O F Í C I O C I R C U LA R 04 de novembro de 2008 077/2008-DP O F Í C I O C I R C U LA R do Mercado de Títulos Públicos Ref.: SISBEX: Introdução das modalidades Empréstimo de Títulos Públicos e Compromissada Específica com Liquidação

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO jan/15 fev/15 Ligeira deterioração nos principais indicadores Com o feriado da Semana Santa, os principais indicadores para a semana de 18 a 24 de março apresentaram relativa estabilidade, com os mercados

Leia mais

COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº001/01. Ref.: Contratos a Termo de Moeda Sem Entrega Física.

COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº001/01. Ref.: Contratos a Termo de Moeda Sem Entrega Física. COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº001/01 Aos Participantes do Sistema de Contratos a Termo Ref.: Contratos a Termo de Moeda Sem Entrega Física. A Central de Custódia e de Liquidação Financeira

Leia mais

Elementos de Análise - Verão 2001

Elementos de Análise - Verão 2001 Elemetos de Aálise - Verão 00 Lista Thomas Robert Malthus, 766-834, foi professor de Ecoomia Política em East Idia College e em seu trabalho trouxe à luz os estudos sobre diâmica populacioal. Um de seus

Leia mais

Radiciação. Roberto Geraldo Tavares Arnaut. Kathleen S. Gonçalves

Radiciação. Roberto Geraldo Tavares Arnaut. Kathleen S. Gonçalves Radiciação 1 Roberto Geraldo Tavares Araut Kathlee S. Goçalves e-tec Brasil Estatística Aplicada META Apresetar o coceito de radiciação e suas propriedades. OBJETIVO PRÉ-REQUISITOS Após o estudo desta

Leia mais

de uma PA é justamente o valor da DIFERENÇA entre qualquer termo e o anterior.

de uma PA é justamente o valor da DIFERENÇA entre qualquer termo e o anterior. 0. PROGRESSÃO ARITMÉTICA: É toda sequêcia em que é SEMPRE costate a DIFERENÇA etre um termo qualquer da sequêcia (a partir do segudo, claro!) e seu aterior, logo dada a sequêcia a a a a a a R. A razão

Leia mais

Metodologia de Arbitragem de Preços de Ajuste de Contratos Futuros de Etanol Hidratado

Metodologia de Arbitragem de Preços de Ajuste de Contratos Futuros de Etanol Hidratado Metodologia de Arbitragem de Preços de Ajuste de Contratos Futuros de Etanol Hidratado Neste documento é descrita a metodologia de arbitragem adotada para determinar os preços de ajuste de contratos futuros

Leia mais

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan.

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan. Matemática Biômio de Newto Professor Duda www.acasadococurseiro.com.br Matemática BINÔMIO DE NEWTON Defiição O biômio de Newto é uma expressão que permite calcular o desevolvimeto de (a + b), sedo a +

Leia mais

Secção 7. Sistemas de equações diferenciais.

Secção 7. Sistemas de equações diferenciais. 7. Sisemas de equações difereciais Secção 7. Sisemas de equações difereciais. (Farlow: Sec. 6., 6.4 e 6.6) No caso geral, um sisema de equações difereciais de primeira ordem pode ser represeado da seguie

Leia mais

De acordo com a legislação atualmente em vigor, estão sujeitas à apuração de ganho de capital as operações que importem:

De acordo com a legislação atualmente em vigor, estão sujeitas à apuração de ganho de capital as operações que importem: Guia do IRPF: Ganho de capital em moeda estrangeira Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos a apuração e a tributação de ganhos de capital nas alienações de bens ou direitos e na liquidação

Leia mais

TERMO DE MOEDAS SEM GARANTIA. Especificações. Paridade Objeto de negociação do contrato, quando a relação for estabelecida em:

TERMO DE MOEDAS SEM GARANTIA. Especificações. Paridade Objeto de negociação do contrato, quando a relação for estabelecida em: TERMO DE MOEDAS SEM GARANTIA Especificações 1. Definições Taxa de câmbio Objeto de negociação do contrato quando a relação for estabelecida em quantidade de reais por unidade de moeda estrangeira (Ex.:

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Junho 2016

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Junho 2016 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Junho 2016 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de junho de 2016 para a apuração dos preços

Leia mais

Carta Circular N.º 312. REF: Consulta de Índices de Preços, Taxas, Moedas e Valores no Menu de Funções.

Carta Circular N.º 312. REF: Consulta de Índices de Preços, Taxas, Moedas e Valores no Menu de Funções. Carta Circular N.º 312 Aos Participantes de Todos os Sistemas REF: Consulta de Índices de Preços, Taxas, Moedas e Valores no Menu de Funções. A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos

Leia mais

Exercícios de Análise de Sinal

Exercícios de Análise de Sinal Exercícios de Aálise de Sial FEUP DEEC Seembro 008 recolha de problemas de diversos auores edição feia por: H. Mirada, J. Barbosa (000) M.I. Carvalho, A. Maos (003, 006, 008) Coeúdo Complexos 3 Siais 5

Leia mais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais Fudametos de Aálise Matemática Profª Aa Paula Números reais 1,, 3, cojuto dos úmeros aturais 0,1,,3, cojuto dos úmeros iteiros p q /p e q cojuto dos úmeros racioais a, a 0 a 1 a a, a e a i 0, 1,, 3, 4,

Leia mais

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Fabio Dutra Diretor Comercial e de Desenvolvimento de Mercados 16/06/2015 1 AGENDA DESAFIOS DO AGRONEGÓCIO MERCADO DE CAPITAIS

Leia mais

Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Módulo II

Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Módulo II Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Módulo II Professor: Paulo Lamosa Berger Agenda O valor do dinheiro referese ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta afirmação

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO. Outubro 2016

CENÁRIO ECONÔMICO. Outubro 2016 CENÁRIO ECONÔMICO Outubro 2016 CENÁRIO ECONÔMICO Internacional - Destaques Mercados globais: avanço (modesto) da economia americana, bom desempenho(ainda) da China e melhora (discreta) da Zona do Euro

Leia mais

COMUNICADO SNA Nº 004/98

COMUNICADO SNA Nº 004/98 COMUNICADO SNA Nº 004/98 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos - SNA A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos - CETIP comunica que estará, a partir do dia 05/05/98, aceitando

Leia mais

TIR Taxa Interna de Retorno LCF Economia de Recursos Florestais 2009

TIR Taxa Interna de Retorno LCF Economia de Recursos Florestais 2009 TIR Taxa Inerna de Reorno LCF 685-Economia de Recursos Floresais 2009 TIR: Taxa Inerna de Reorno AT Taxa Inerna de Reorno (TIR)de um projeo é aquela que orna o valor presene das receias menos o valor presene

Leia mais

11 Aplicações da Integral

11 Aplicações da Integral Aplicações da Itegral Ao itroduzirmos a Itegral Defiida vimos que ela pode ser usada para calcular áreas sob curvas. Veremos este capítulo que existem outras aplicações. Essas aplicações estedem-se aos

Leia mais

Exercícios de Cálculo Numérico Equações Diferenciais Ordinárias

Exercícios de Cálculo Numérico Equações Diferenciais Ordinárias Eercícios de Cálclo Nmérico Eqações Diereciais Ordiárias. Deermie a solção mérica aproimada da segie Eqação Dierecial Ordiária com o passo.: { ( ( [ ] ( (a Méodo de Eler ( Méodo das Tagees (b Méodo de

Leia mais

conceito de análise de investimento

conceito de análise de investimento 1. coceio de aálise de ivesimeo Aálise de Ivesimeos Prof. Uério Cruz O coceio de aálise de ivesimeo pode hoje ser um cojuo de écicas que permiem a comparação ere resulados de omada de decisões referees

Leia mais