ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA"

Transcrição

1 ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO

2 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar técicas de aálise de projetos de ivestimeto a fim de racioalizar o emprego dos recursos de capital. Estas técicas fazem parte do escopo da egeharia ecoômica, que utiliza a matemática fiaceira como ferrameta básica de avaliação do valor do diheiro o tempo. A visualização de um projeto de ivestimeto pode ser realizada através de uma represetação gráfica deomiada diagrama de fluxo de caixa. Um diagrama de fluxo de caixa de um projeto de ivestimeto é composto de uma escala horizotal a qual se represetam com valores positivos as etradas de caixa e com valores egativos o ivestimeto de capital e as saídas de caixa vide figura 1. Etradas de Caixa períodos Ivestimeto de Capital Saídas de Caixa Figura 1 Diagrama de Fluxo de Caixa de um Projeto de Ivestimeto

3 2 Os pricipais recursos cosiderados para aálise de projetos de ivestimeto e a respectiva remueração por período de tempo são apresetados a tabela 1. Tabela 1 Remueração dos Recursos por Período de Tempo Recursos Humaos Físicos Capital Remueração por Período de Tempo Salário Aluguel Juros Os juros são, portato, o pagameto pela oportuidade de dispor de um capital durate um determiado período de tempo. 2 Juros e Taxas de Juros Nas próximas seções são apresetados os coceitos de juros e taxas de juros. 2.1 Juros Simples Na modalidade de juros simples apeas o valor emprestado rede juros, ou seja, os juros são diretamete proporcioais ao valor emprestado. J P i F P + J P (1+ i ) P valor emprestado o istate 0 i taxa de juros periódica úmero de períodos J juros acumulados até o istate F motate após períodos

4 3 2.2 Juros Compostos Na modalidade de juros compostos, após cada período de capitalização, os juros, quado ão pagos, são adicioados ao valor emprestado, compodo um ovo saldo devedor, e passam a reder juros também, ou seja, os juros são proporcioais ao saldo devedor em cada período. J P ((1+ i) 1) F + P + J P (1 i) P valor emprestado o istate 0 i taxa de juros periódica úmero de períodos J juros acumulados até o istate F motate após períodos

5 4 Problema 1 Juros Simples e Juros Compostos Supor um empréstimo (P) de $ 1.000, durate () 5 meses, a uma taxa de juros (i) de 10% ao mês. Calcular os juros mesais, os juros acumulados ( J ) e o motate ( F ) ao fial de cada mês, as modalidades de juros simples e de juros compostos. Tabela 2 Juros Simples e Juros Compostos Juros Simples Juros Compostos Mês Juros Juros Motate Juros Juros Motate () Mesais ( J ) ( F ) Mesais ( J ) ( F ) , , ,00 100, ,00 100,00 100, , ,00 200, ,00 110,00 210, , ,00 300, ,00 121,00 331, , ,00 400, ,00 133,10 464, , ,00 500, ,00 146,41 610, ,51 Modalidade de Juros Simples Juros acumulados ( J 5 ) até o fial do mês 5. J 5 P i , ,00 Motate ( F 5 ) a ser pago o fial do mês 5. F 5 5 P + J P (1+ i ) (1+ 0,10 5) 1.500,00

6 5 Modalidade de Juros Compostos Juros acumulados ( J 5 ) até o fial do mês 5. 5 ((1+ i) 1) ((1 + 0,10) 1) 610, 51 J5 P Motate ( F 5 ) a ser pago o fial do mês 5. 5 F5 P + J5 P (1+ i) (1+ 0,10) 1.610,51 Pode-se elaborar uma plailha cotedo as expressões para o cálculo dos juros acumulados ( J ) e do motate ( F ) a ser pago ao fial de um determiado período (), cosiderado o valor do empréstimo (P) e a taxa de juros (i) periódica.

7 6 2.3 Taxas de Juros Períodos de Aplicação e de Capitalização Uma taxa de juros deve coter iformações que permitam idetificar os seus períodos de aplicação e de capitalização. O período de aplicação estabelece o tempo de duração da icidêcia da taxa de juros sobre o capital imobilizado e o período de capitalização defie a periodicidade de ocorrêcia da acumulação dos juros. 2.4 Taxas de Juros Nomiais e Taxas de Juros Efetivas A taxa de juros é cosiderada efetiva quado o período de aplicação e o período de capitalização coicidem; caso cotrário, a taxa será dita omial. Assim, por exemplo: taxa de juros efetiva 8,75% ao trimestre com capitalização trimestral; taxa de juros omial 24% ao ao com capitalização mesal. Nos problemas evolvedo taxas de juros, adotar-se-á a coveção a.x. c.y. aplicação durate o período x com capitalização a cada período y, ode os períodos x e y são desigados pelas letras: (a) ao, (s) semestre, (t) trimestre, (b) bimestre, (m) mês, e (d) dia. Assim sedo, a taxa de juros de 35% a.a. c.t. é igual a 35% ao ao com capitalização trimestral. Para o período de capitalização y pode ser utilizada também a capitalização cotíua (c), idicado que os juros são capitalizados cotiuamete. O desevolvimeto da matemática fiaceira e da egeharia ecoômica baseiase em taxas de juros efetivas, assim que as taxas de juros omiais devem ser covertidas em taxas de juros efetivas para sua correta aplicação.

8 7 2.5 Coversão de Taxas de Juros de Mesmo Período de Capitalização Para coversão de taxas de juros omiais em taxas de juros efetivas de mesmo período de capitalização a expressão a ser utilizada é: inom a.x. c.y. iefe a.y. c.y. i EFE i N NOM N úmero de períodos de composição da taxa de juros omial Problema 2 Coversão de Taxas de Juros Coverter taxas de juros omiais em taxas de juros efetivas de mesmo período de capitalização. Tabela 3 Coversão de Taxas de Juros de Mesmo Período de Capitalização Taxa de Juros Nomial Períodos de Composição N Taxa de Juros Efetiva 24% a.a. c.m. 12 2,00% a.m. c.m. 35% a.a. c.t. 4 8,75% a.t. c.t. 15% a.m. c.d. 30 0,50% a.d. c.d. i i N 0,24 12 NOM EFE 2,00 % a.m. c.m. i i N 0,35 4 NOM EFE 8,75 % a.t. c.t. i i N 0,15 30 NOM EFE 0,50 % a.d. c.d.

9 8 2.6 Coversão de Taxas de Juros de Mesmo Período de Aplicação Para coverter taxas de juros omiais em taxas de juros efetivas de mesmo período de aplicação utiliza-se a seguite expressão: inom a.x. c.y. iefe a.x. c.x. i EFE i 1 + N NOM N 1 N úmero de períodos de composição da taxa de juros omial Problema 3 Coversão de Taxas de Juros Coverter taxas de juros omiais em taxas de juros efetivas de mesmo período de aplicação. Tabela 4 Coversão de Taxas de Juros de Mesmo Período de Aplicação Taxa de Juros Nomial Períodos de Composição N Taxa de Juros Efetiva 24% a.a. c.m ,82% a.a. c.a. 35% a.a. c.t. 4 39,87% a.a. c.a. 15% a.m. c.d ,14% a.m. c.m. N inom 0,24 iefe N ,82 % a.a. c.a. N inom 0,35 iefe ,87 % N 4 4 a.a. c.a. N inom 0,15 iefe N ,14 % a.m. c.m.

10 9 Pode-se elaborar uma plailha para coversão de taxas de juros omiais em taxas de juros efetivas, coforme ilustração a seguir. 2.7 Coversão de Taxas de Juros com Capitalização Cotíua Em uma taxa de juros omial com capitalização cotíua, N tede para um valor ifiito e, portato, a sua coversão para uma taxa de juros efetiva equivalete deve ser realizada pela expressão: inom a.x. c.c. iefe a.x. c.x. i EFE i lim 1 + N N NOM N 1 e i NOM 1 Problema 4 Coversão de Taxas de Juros com Capitalização Cotíua Uma taxa de juros omial de 24% a.a. c.c. equivale a uma taxa de juros efetiva de 27,12% a.a. c.a., pois i EFE inom 0,24 e 1 e 1 0, ,12%

11 Coversão de Taxas de Juros Efetivas de Períodos Diferetes A coversão etre taxas de juros efetivas de períodos diferetes pode ser obtida a partir da seguite expressão: i EFEa Q i ) 1 EFEb Q quatidade de períodos b existetes o período a Problema 5 Coversão de Taxas de Juros Efetivas Coverter uma taxa de juros efetiva de 12% ao bimestre em taxas de juros efetivas semestrais e auais. Cosiderado i B 12% a.b. c.b., tem-se que: i Q 3 i ) 1 0,12) 1 40,49% a.s. c.s. S B

12 11 i Q 6 i ) 1 0,12) 1 97,38% a.a. c.a. A B A tabela 5 apreseta uma sítese dos resultados obtidos. Tabela 5 Coversão de Taxas de Juros Efetivas de Períodos Diferetes Período Q Taxa Efetiva Bimestral 12,00 % a.b. c.b. Semestral 3 40,49 % a.s. c.s. Aual 6 97,38 % a.a. c.a.

13 12 Problema 6 Coversão de Taxas de Juros de Períodos Diferetes Coverter uma taxa de juros de 60% ao ao com capitalização bimestral em uma taxa de juros efetiva semestral. Para coverter uma taxa de juros omial em uma taxa de juros efetiva em que os períodos de aplicação e capitalização ão coicidem deve-se, iicialmete, coverter a taxa de juros omial em uma taxa de juros efetiva de mesmo período de aplicação ou de mesmo período de capitalização e, em seguida, coverter a taxa de juros efetiva desejada. Assim: i NOM 60 % a.a. c.b. (N 6) Coversão de taxa de juros omial em taxa de juros efetiva de mesmo período de capitalização: inom 0,60 iefe 0,10 N 6 10 % a.b. c.b.

14 13 Coversão de taxas de juros efetivas de períodos diferetes: i EFEa Q i ) 1 EFEb Coversão de uma taxa de juros efetiva bimestral em uma taxa de juros efetiva semestral: i Q i ) 1 S B, ode Q 3 i 3 0,10) 1 0, ,10 % a.s. c.s. S A taxa de juros efetiva semestral de 33,10% é equivalete à taxa de juros omial de 60% ao ao com capitalização bimestral.

15 14 3 Equivalêcia de Capitais em um Fluxo de Caixa A partir da represetação de um projeto de ivestimeto através de um diagrama de fluxo de caixa podem ser determiadas as relações de equivalêcia, permitido a trasformação de um determiado fluxo de caixa em outro equivalete. Para aplicação das relações de equivalêcia a periodicidade do fluxo de caixa deve coicidir com a periodicidade da taxa de juros efetiva. 3.1 Equivalêcia etre Valor Presete e Valor Futuro A equivalêcia etre P (valor presete) e F (valor futuro) permite resolver, por exemplo, o problema de determiação do valor P a ser ivestido, a uma taxa de juros efetiva i, para obteção de um motate F após períodos. F P Figura 2 Diagrama de Fluxo de Caixa: Valor Presete e Valor Futuro ( 1 i) F P + P F 1 i) F log P F log i) i 1 P

16 Equivalêcia etre Série Uiforme e Valor Futuro A equivalêcia etre U (série uiforme) e F (valor futuro) permite, por exemplo, defiir o valor dos depósitos programados U para possibilitar uma retirada futura F, ode é o úmero de depósitos da série uiforme e i é a taxa de juros efetiva e de mesma periodicidade da série de depósitos. F U Figura 3 Diagrama de Fluxo de Caixa: Série Uiforme e Valor Futuro F U i) i 1 U F i i) 1 i F log 1+ U log(1+ i)

17 Equivalêcia etre Valor Presete e Série Uiforme A equivalêcia etre P (valor presete) e U (série uiforme) permite resolver o problema de determiação de parcelas mesais U, ode é o úmero de pagametos da série uiforme e i é a taxa de juros efetiva e de mesma periodicidade da série uiforme. P U Figura 4 Diagrama de Fluxo de Caixa: Valor Presete e Série Uiforme U P i i) i) 1 P U i) i i) 1 U log U i P log(1+ i)

18 Utilização de Plailhas Eletrôicas Nesta seção apreseta-se, de forma sucita, uma orietação para utilização de plailhas eletrôicas para solução de problemas de equivalêcia de capitais em um fluxo de caixa. Podem ser utilizadas as fuções fiaceiras cotidas a plailha Excel para determiação de P (valor presete), F (valor futuro), U (série uiforme), (úmero de capitalizações ou prazo total da operação) e i (taxa de juros periódica), empregado-se as sitaxes a seguir apresetadas: cálculo de P: VP (i; ; U; F; tipo) cálculo de F: VF (i; ; U; P; tipo) cálculo de U: PGTO (i; ; P; F; tipo) cálculo de : NPER (i; U; P; F; tipo) cálculo de i: TAXA (; U; P; F; tipo; estimativa) O sigificado dos argumetos dessas fuções é: P valor do capital o istate iicial 0 F valor do capital o istate fial U valor da série de pagametos periódicos de 1 a úmero de capitalizações ou prazo total da operação i valor da taxa de juros efetiva e periódica tipo série de pagametos atecipados (1) ou postecipados (0) estimativa valor estimado da taxa de juros Os valores moetários devem ser iformados com seus siais, (+) ou ( ), e o resultado moetário terá o sial que aula a soma dos capitais equivaletes em um istate qualquer.

19 18 Na ilustração abaixo se apreseta a sugestão de uma calculadora elaborada a partir das fuções fiaceiras da plailha Excel. Nas células B2, B3, B4, B5, B6, B7 e B8 são registrados os dados de etrada e as células C2, C3, C4, C5 e C6 são obtidos os resultados, a partir da seguite sitaxe: cálculo de P: C2 SE (B2? ; VP (B6 ;B5 ;B4 ;B3 ;B7); ) cálculo de F: C3 SE (B3? ; VF (B6; B5; B4; B2; B7); ) cálculo de U: C4 SE (B4? ; PGTO (B6; B5; B2; B3; B7); ) cálculo de : C5 SE (B5? ; NPER (B6; B4; B2; B3; B7); ) cálculo de i: C6 SE (B6? ; TAXA (B5; B4; B2; B3; B7; B8); )

20 19 Problema 7 Fiaciameto de Automóvel Você recebeu uma oferta para aquisição de um automóvel através de um fiaciameto em 24 parcelas mesais, iguais e cosecutivas, a serem pagas ao fial de cada mês. Cosiderado que o pagameto máximo mesal que você pode admitir é de $ 600 e que você pode dar uma etrada de $ 7.000, qual é o valor do automóvel que você poderá adquirir dado que a taxa de juros é de 12% ao ao com capitalização mesal? Valor do Automóvel V E + P? i 12 % a.a. c.m meses E U 600 Figura 5 Diagrama de Fluxo de Caixa Coversão de taxa de juros omial em efetiva de mesmo período de capitalização: inom 0,12 iefe 0,01 N 12 1% a.m. c.m.

21 20 P? i 1 % a.m. c.m meses U 600 Figura 6 Diagrama de Fluxo de Caixa Aplicado a relação de equivalêcia etre P e U: i) i i) 24 1 (1+ 0,01) 1 P U ,01 (1+ 0,01) ,03 Valor do Automóvel V E + P , ,03.

22 21 Problema 8 Plao de Aposetadoria Cosidere que você abra hoje uma cota de aposetadoria com um depósito iicial de $ e deposite $ 50 ao fial de cada mês os próximos 30 aos. Qual o motate acumulado, cosiderado que a cota remuera os depósitos com uma taxa de juros de 9% ao ao com capitalização mesal? F F' + F"? i 9 % a.a. c.m ' " 360 meses U" 50 P' Figura 7 Diagrama de Fluxo de Caixa Coversão de taxa de juros omial em efetiva de mesmo período de capitalização: inom 0,09 iefe 0,0075 N 12 0,75% a.m. c.m.

23 22 F F' + F"? i 0,75 % a.m. c.m ' " 360 meses U" 50 P' Figura 8 Diagrama de Fluxo de Caixa Cálculo de F' (aplicado-se a relação de equivalêcia etre F e P): F' P' ' 360 i) (1+ 0,0075) , 69

24 23 Cálculo de F'' (aplicado-se a relação de equivalêcia etre F e U): F" U" i) i " 1 (1+ 0,0075) 50 0, ,17 Pode-se calcular diretamete o valor de F F' + F'' , ,17, utilizado os valores de P' e U'' de forma simultâea, pois o valor de ' ''. Você disporá de um motate de $ ,87 quado se aposetar daqui a 30 aos.

25 24 Problema 9 Cadereta de Poupaça Você depositou $ em uma cadereta de poupaça que rede juros com uma taxa de 6% ao ao com capitalização mesal. Se você retirar $ ao fial de cada ao, em quato tempo os recursos se esgotarão? U i 6% a.a. c.m ? aos P Figura 9 Diagrama de Fluxo de Caixa Coversão de taxa de juros omial em efetiva de mesmo período de aplicação: N inom 0,06 iefe ,0617 N ,17 % a.a. c.a

26 25 i 6,17 % a.a. c.a. U ? aos P Figura 10 Diagrama de Fluxo de Caixa Aplicado as relações de equivalêcia etre P e U, calcula-se : U log log U i P , ,36 aos log(1 + i) log(1 + 0,0617) Ou seja, é permitida a retirada de 11 parcelas auais de $

27 26 A questão pedete: qual é o valor residual o 11 ao? Calcula-se, iicialmete, o valor P' que deveria ter sido depositado para que apeas 11 retiradas auais de $ pudessem ser efetuadas. i 6,17 % a.a. c.a. U' ' 11 aos P'? Figura 11 Diagrama de Fluxo de Caixa Aplicado a relação de equivalêcia etre P e U, obtém-se: ' i) i i) 11 0,0617) 1 0,0617) 1 P' U' ' 11 0, ,75

28 27 Calcula-se, etão, o P'' extra que foi depositado e, em seguida, o F'' residual: P'' P P' ,75 181,25 i 6,17 % a.a. c.a. F''? '' 11 aos P'' 181,25 Figura 12 Diagrama de Fluxo de Caixa Aplicado a relação de equivalêcia etre F e P, obtém-se F'' residual: F" P" '' 11 i) 181,25 (1+ 0,0617) 350, 19

29 28 Problema 10 Equivalêcia de Capitais em um Fluxo de Caixa Você pretede adquirir um computador através de um fiaciameto em 18 parcelas mesais, iguais e cosecutivas, a serem pagas ao fial de cada mês. Cosiderado que o máximo pagameto mesal que você pode admitir é de $ 240, determiar o míimo valor da etrada para que você possa adquirir um computador o valor de $ 5.000, através de um fiaciameto com taxa de juros de 9% ao trimestre com capitalização mesal. A ilustração abaixo apreseta uma plailha com a solução do problema 10.

30 29 Problema 11 Equivalêcia de Capitais em um Fluxo de Caixa Cosidere que você abra hoje uma cota de aposetadoria com um depósito iicial de $ e que você pretede dispor de $ daqui a 20 aos. Calcular o valor dos depósitos iguais e cosecutivos a serem realizados ao fial de cada um dos próximos 40 semestres, cosiderado que a cota de aposetadoria remuera os depósitos com uma taxa de juros de 8% ao ao com capitalização mesal. A ilustração abaixo apreseta uma plailha com a solução do problema 11.

31 30 4 Sistemas de Amortização de Fiaciametos Para que um projeto de ivestimeto possa ser realizado é ecessário que haja dispoibilidade de recursos, sejam eles próprios ou de terceiros. No caso de isuficiêcia de recursos próprios pode-se recorrer a um fiaciameto. O valor do fiaciameto o pricipal deve ser restituído jutamete com a remueração do capital os juros à istituição fiaceira que o cocedeu. A forma como o pricipal é devolvido, acrescido de juros, costitui o sistema de amortização de um fiaciameto. Cosidere um sistema de amortização de um fiaciameto, a ser liquidado ao fial do período. P SD 0 SD t -1 SD t t -1 t AM t -1 AM t AM J J t -1 A J t A t -1 A t Figura 13 Sistema de Amortização de um Fiaciameto As expressões para o cálculo do saldo devedor ao fial do período SD t, dos juros J t, da amortização AM t e do pagameto A t, em cada istate t, são: SD J t A t t SD SD AM t 1 t t 1 i + J AM t t No último istate, o saldo devedor 0 SD e a amortização AM SD 1.

32 Sistema de Amortizações Costates O Sistema de Amortizações Costates é utilizado os fiaciametos de logo prazo, pricipalmete para aquisição de bes duráveis. O valor da amortização AM é costate para um fiaciameto P e um prazo e é calculado por P AM. P SD 0 SD t -1 SD t t -1 t AM AM AM J t -1 A A t t -1 A t -1 Figura 14 Sistema de Amortizações Costates A t J t As expressões para o cálculo do saldo devedor o fial do período SD t, dos juros J t e do valor do pagameto A t em cada istate t são: SD J t A t t SD SD t 1 t 1 i AM + J AM t No último istate, o saldo devedor 0 SD e a amortização AM SD 1.

33 32 Problema 12 Sistema de Amortizações Costates Supor um fiaciameto com as seguites características: pricipal de $ , taxa de juros efetiva de 8% ao ao e pagameto em parcelas auais, ao fial de cada ao, em um prazo de 5 aos. Calcular o valor dos pagametos, dos juros e das amortizações pelo Sistema de Amortizações Costates, bem como o saldo devedor ao fial de cada período. Tabela 6 Sistema de Amortizações Costates At t Jt AM SDt , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 0,00 A ilustração abaixo apreseta uma plailha com a solução do problema 12.

34 Sistema de Pagameto Periódico de Juros Nesse sistema de amortização, deomiado Sistema Americao, em cada parcela são pagos apeas os juros sobre o saldo devedor durate o período de fiaciameto. O saldo devedor é amortizado itegralmete a última parcela e, portato, ão se altera ao logo do período de fiaciameto. P SD 0 SD t -1 SD t t -1 t Jt J A t AM SD 0 A AM + J Figura 15 Sistema de Pagameto Periódico de Juros As expressões para o cálculo do saldo devedor o fial do período SD t, dos juros J t e do valor da parcela A t em cada istate t, são as seguites: J t A t SD SD J t t t 1 SD i t 1 No último istate, o saldo devedor 0 AM SD e SD i SD i ode 0 J 1 0. SD e a parcela A AM + J,

35 34 Problema 13 Sistema de Pagameto Periódico de Juros Supor um fiaciameto com as seguites características: pricipal de $ , taxa de juros efetiva de 8% ao ao e pagameto em parcelas auais, ao fial de cada ao, em um prazo de 5 aos. Calcular o valor das parcelas, dos juros e das amortizações pelo Sistema de Pagameto Periódico de Juros, bem como o saldo devedor ao fial de cada período. Tabela 7 Sistema de Pagameto Periódico de Juros At t J AMt SDt , , ,00 0, , , ,00 0, , , ,00 0, , , ,00 0, , , , ,00 0,00 A ilustração abaixo apreseta uma plailha com a solução do problema 13.

36 Sistema de Amortização com Prestações Uiformes O Sistema de Amortização com Prestações Uiformes, utilizado as compras a prazo de bes de cosumo, costitui-se em uma série uiforme de pagametos de valor U para a liquidação de um fiaciameto P. O valor das prestações uiformes U é determiado a partir da relação de equivalêcia etre U e P. U P i i) i) 1 Assim, o valor do pagameto U AM t + J é uma costate em qualquer istate t, para uma determiada taxa de juros i e um prazo, dado um fiaciameto P e, portato, t U AMt 1 + Jt 1 AMt + Jt AMt Jt + 1 P SD 0 SD t -1 SD t t -1 t AM t -1 AM t U J t -1 J t U U Figura 16 Sistema de Amortização com Prestações Uiformes

37 36 As relações utilizadas para determiar o saldo devedor o fial do período os juros J t e a amortização AM t em cada istate t são: SD t, J t SD t AM SD t+ k t 1 SD i t 1 AM AM t t i) k No último istate, o saldo devedor 0 SD e a amortização AM SD 1.

38 37 Problema 14 Sistema de Amortização com Prestações Uiformes Supor um fiaciameto com as seguites características: pricipal de $ , taxa de juros efetiva de 8% ao ao e pagameto em parcelas auais, ao fial de cada ao, em um prazo de 5 aos. Calcular o valor dos pagametos, dos juros e das amortizações pelo Sistema de Amortização com Prestações Uiformes, bem como o saldo devedor ao fial de cada período. Tabela 8 Sistema de Amortização com Prestações Uiformes U t Jt AMt SDt , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,21 0,00 A ilustração abaixo apreseta uma plailha com a solução do problema 14.

39 38 Problema 15 Sistema de Amortização com Prestações Uiformes Um determiado fiaciameto será liquidado em () 12 parcelas mesais, iguais e cosecutivas (U), a serem pagas ao fial de cada mês. Sabe-se que a quita amortização ( AM5 ) será de $ ,25 e a oitava amortização ( AM 8 ) ,87. Determiar o valor fiaciado (P) e a taxa de juros (i) praticada. será de $ P? i? AM 5 AM 8 U J 5 J 8 U U Figura 17 Sistema de Amortização com Prestações Uiformes Sabe-se que: AM AM , ,87 AM AM 1+ i Utilizado a expressão ( ) k t 5, k 3, t + k 8 t+ k t e cosiderado que, calcula-se a taxa de juros (i) praticada: AM 8 AM i) , ,25 i 7% a.m. c.m. 5 3 i) 3

40 39 No último istate, o saldo devedor 0 Além disso, J 1 SD i e U AM + J SD e a amortização AM SD 1.. Para 12, pode-se calcular o valor das prestações uiformes (U): 7 7 i) ,25 0,07) , 43 AM12 AM5 AM SD 1 AM12 SD11 J ,43 12 SD i ,43 0, ,46 U 12 AM + J AM12 + J , , ,89 Calcula-se, fialmete, o valor fiaciado (P): i) i i) 12 0,07) 1 0,07) 1 P U , , ,00 A ilustração abaixo apreseta uma plailha para determiação da taxa de juros praticada e do valor fiaciado. O valor fiaciado será de $ , com taxa de juros de 7% ao mês.

41 40 Problema 16 Sistema de Amortização com Prestações Uiformes Um fiaciameto de $ será realizado com taxa de juros de 24% ao semestre com capitalização mesal. Este fiaciameto será liquidado através de parcelas mesais, iguais e cosecutivas, a serem pagas ao fial de cada mês. Sabedo-se que os juros relativos ao sétimo mês ( J 7 ) são de $ 4.176,46, pede-se determiar o prazo total de pagameto () e o saldo devedor ao fial do décimo mês (SD 10 ). P ,00 J i 7 NOM 4.176,46 24% a.s. c.m. (N 6) Coversão de taxa de juros omial em efetiva de mesmo período de capitalização: inom 0,24 iefe 0,04 N 6 4% a.m. c.m. P SD? 10 AM 1 AM ? 10 i 4% a.m. c.m. U U J 1 U J 4.176,46 7 Figura 18 Sistema de Amortização com Prestações Uiformes

42 41 Pode-se calcular o valor dos juros a serem pagos ao fial do primeiro mês: P SD J 1 0 SD ,00 i , ,00 A seguir calcula-se o valor da amortização AM1 ao fial do primeiro mês. O valor da prestação uiforme é U AM1 + J1 AM7 + J7, ode AM +, J , 00 e J , AM1 (1 i) Assim, AM AM AM J 1 AM (1+ i) AM (1+ 0,04) 6.873, J ,46 Etão, U ,00 Calcula-se, fialmete, o prazo total de pagameto (), aplicado as relações de equivalêcia etre P e U: U log log U i P , meses log(1+ i) log(1+ 0,04) Passa-se, etão, ao cálculo do saldo devedor ao fial do décimo mês. Iicialmete, calcula-se o valor dos juros pagos o décimo primeiro mês. Sabedo-se que U AM 11 + J11, ode U AM (1+ i) (1+ 0,04) J , J J AM AM1 (1 i), etão

43 42 Calcula-se, etão, o saldo devedor ao fial do décimo mês (SD 10 ): J 11 SD 10! i 2.699,28 SD 10! 0,04 SD ,03 A ilustração abaixo apreseta uma plailha para determiação do prazo total de pagameto e do saldo devedor ao fial do décimo mês. O fiaciameto será liquidado em 16 pagametos mesais e o saldo devedor ao fial do décimo mês será de ,03.

44 43 Problema 17 Sistema de Amortização com Prestações Uiformes Um fiaciameto de $ será realizado com taxa de juros efetiva de 8% ao mês. Este fiaciameto será liquidado através de parcelas mesais, iguais e cosecutivas, a serem pagas ao fial de cada mês. Sabedo-se que o saldo devedor após o pagameto da sétima parcela (SD 7 ) será de $ ,62, pede-se determiar o prazo total de pagameto () e o valor dos juros pagos a décima parcela ( J 10 ). A ilustração abaixo apreseta uma plailha com a solução do problema 17.

45 Sistemas de Amortização com Prestações Irregulares Problema 18 Fiaciameto de Imóvel Uma imobiliária oferece um imóvel, cujo valor é de Dado que você ão dispõe de toda esta quatia para pagameto à vista, a imobiliária lhe apreseta a seguite forma de pagameto para aquisição do imóvel. Pagameto em Reais (R$) de 60% do valor do imóvel, em três parcelas iguais, pagáveis em Reais, em 30, 90 e 120 dias, com uma taxa de juros de 21% ao trimestre capitalizados mesalmete. O restate do valor do imóvel deverá ser pago em Pesos Uruguaios (PU$), com uma etrada hoje de PU$ e mais duas parcelas, pagáveis em Pesos Uruguaios, em 60 e 150 dias, com uma taxa de juros efetiva de 5% ao mês. O valor da parcela em 60 dias deve ser igual ao dobro do valor da parcela em 150 dias. Cosiderar que os meses possuem 30 dias, e que hoje há uma equivalêcia de 1,00 R$ 3,00 PU$ 36,00. Determiar o fluxo de caixa da forma de pagameto que lhe foi apresetada. Pagameto em Reais de 60% de , equivaletes, hoje o istate 0, à R$ , com fiaciameto a uma taxa de juros de 21% a.t. c.m. P' i 21 % a.t. c.m meses A1 A3 A4 Figura 19 Fluxo de Caixa do Fiaciameto em Reais

46 45 Coversão de taxa de juros omial em efetiva de mesmo período de capitalização: inom 0,21 iefe 0,07 N 3 7% a.m. c.m. Cálculo do valor das parcelas A1 3 4 A A S em 30, 90 e 120 dias P' i' 7 % a.m. c.m meses A1 A3 A4 Figura 20 Fluxo de Caixa do Fiaciameto em Reais A1 P' (1+ i' ) 1 A3 + (1+ i' ) 3 A4 + (1+ i' ) 4 S S S S , (1+ 0,07) (1+ 0,07) (1+ 0,07) 9 4 Assim, A 4 1 A3 A S R$ ,76

47 46 A ilustração abaixo apreseta a plailha com o fluxo de caixa dos pagametos. Pagameto em Pesos Uruguaios de 40% de , equivaletes hoje o istate 0, à PU$ , com uma etrada de PU$ Cálculo do valor a ser fiaciado, em Pesos Uruguaios: P " Cálculo do valor das parcelas A 2 2 A5, em 60 e 150 dias: P" i" 5 % a.m. c.m A2 A5 5 meses Figura 21 Fluxo de Caixa do Fiaciameto em Pesos Uruguaios

48 47 P" A2 (1+ i" ) 2 A5 + (1+ i" ) 5 Cosiderado A2 5 2 A T, tem-se que A 2 T e T A 5. 2 Assim, T T T ,28 2 (1+ 0,05) (1+ 0,05) 4 5 Etão, A 2 T PU$ T A 5 2 PU$ , ,64 A ilustração abaixo apreseta a plailha com o fluxo de caixa dos pagametos.

49 48 Problema 19 Fiaciameto de Equipameto Você pretede adquirir um equipameto importado, cujo preço é de R$ Dado que você ão dispõe desta quatia para pagameto à vista, a importadora lhe apreseta duas opções de pagameto. Cosiderar que: os meses possuem 30 dias; hoje há uma equivalêcia de US$ 1,00 R$ 2,00. Apresetar o fluxo de caixa das duas opções de pagameto, em sua respectiva moeda. Opção 1 (Pagameto em Reais R$): uma etrada de R$ e o restate fiaciado em duas parcelas, pagáveis em Reais em 30 e 90 dias. Na parcela em 30 dias se paga juros sobre o saldo devedor mais amortização de 70% do valor fiaciado. Na parcela em 90 dias é pago o restate da dívida. O fiaciameto é realizado com uma taxa de juros de 15% ao trimestre capitalizados mesalmete. Cálculo do valor a ser fiaciado, em Reais: P P i 15 % a.t. c.m meses A1 A3 Figura 22 Fluxo de Caixa do Fiaciameto em Reais

50 49 Taxa de juros do fiaciameto em reais: i NOM 15% a.t. c.m. (N 3) Coversão de taxa de juros omial em efetiva de mesmo período de capitalização: inom 0,15 iefe 0,05 N 3 5% a.m. c.m. Cálculo do valor das parcelas A 1 e A 3 em 30 e 90 dias: P SD 1 i 5 % a.m. c.m meses A1 A3 Figura 23 Fluxo de Caixa do Fiaciameto em Reais A 1 1 AM1 + J 70% P + i P A 1 0, , SD1 P AM A3 SD1 (1 + i) (1 + 0,05) ,25

51 50 A ilustração abaixo apreseta a plailha com o fluxo de caixa dos pagametos. Opção 2 (Pagameto em Dólares Americaos US$): uma etrada de US$ e o restate em duas parcelas iguais, pagáveis em Dólares Americaos em 120 e 150 dias, com uma taxa de juros efetiva de 3% ao mês. Pagameto em Dólares Americaos de R$ US$ Cálculo do valor a ser fiaciado, em Dólares Americaos: P' F' P" P' i 3 % a.m. c.m U" meses Figura 24 Fluxo de Caixa do Fiaciameto em Dólares Americaos

52 51 Cálculo do saldo devedor atualizado em 90 dias: F' P' (1+ i) P " F' P" ,09 ' (1+ 0,03) ,09 Cálculo do valor das parcelas A U" em 120 e 150 dias: A4 5 i i) " i) " 0,03) 0,03) 1 0,03 U" P" , ,28 A ilustração abaixo apreseta a plailha com o fluxo de caixa dos pagametos.

53 52 Problema 20 Sistemas de Amortização de Fiaciametos Você pretede adquirir um equipameto, cujo preço é de $ Dado que você ão dispõe desta quatia para pagameto à vista, o fabricate lhe apreseta quatro alterativas de fiaciameto. Cosiderar que os fiaciametos são realizados com uma taxa de juros efetiva de 9% ao mês. Cosiderar, aida, que os meses possuem 30 dias. Calcular os valores a serem pagos as quatro opções alterativas. Opção A: uma etrada de 30% do valor do equipameto e o restate fiaciado em três parcelas, pagáveis em 30, 120 e 150 dias. Na parcela em 30 dias se paga juros sobre o saldo devedor mais amortização de 60% do valor fiaciado. Nas parcelas em 120 dias e em 150 dias é pago o restate da dívida. O valor da parcela em 120 dias é igual ao triplo do valor da parcela em 150 dias. Opção B: sem etrada, com um fiaciameto em três parcelas, pagáveis em 30, 90 e 180 dias. Na parcela em 30 dias são pagos juros sobre o saldo devedor. Na parcela em 90 dias se paga juros sobre o saldo devedor mais amortização de 40% do saldo devedor. Na parcela em 180 dias é liquidado o fiaciameto. Opção C: sem etrada, com um fiaciameto em quatro parcelas, pagáveis em 60, 90, 150 e 180 dias. Na parcela em 60 dias são pagos juros sobre o saldo devedor. O valor da parcela em 90 dias é igual ao dobro do valor da parcela em 60 dias. O fiaciameto é liquidado com duas parcelas iguais, pagas em 150 dias e em 180 dias. Opção D: uma etrada de 20% do valor do equipameto e o restate fiaciado em três parcelas, pagáveis em 60, 120 e 180 dias. O valor da parcela em 60 dias é igual à metade do valor da parcela em 180 dias. O valor da parcela em 120 dias é igual ao triplo do valor da parcela em 180 dias. Na parcela em 180 dias é liquidado o fiaciameto.

54 53 A ilustração abaixo apreseta uma plailha com os valores da opção A. A ilustração abaixo apreseta uma plailha com os valores da opção B.

55 54 A ilustração abaixo apreseta uma plailha com os valores da opção C. A ilustração abaixo apreseta uma plailha com os valores da opção D.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Séries Periódicas Uiformes Séries Uiformes Postecipadas 0 1 2 3 4 Séries Uiformes Atecipadas 0 1 2 3 4-1 Séries Uiformes Diferidas (atecipada/postecipada) carêcia 0 c c+1 c+2 c+3 Valor Presete das Séries

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante Módulo VII Sistemas de Amortização Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Costate AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO é o pagameto do capital emprestado, realizado por

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

Aula 02 - Relações de Equivalência

Aula 02 - Relações de Equivalência MATEMÁTICA FINANCEIRA Aula 02 - Relações de Equivalêcia Prof. Waderso S. Paris, M.Eg. prof@croosquality.com.br Relação etre P e F F 0 0 P Relação etre P e F Demostração da relação: Pricipal + juros = P

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1 Material de Matemática Fiaceira Prof. Mário Roberto 1 JURO E MONTANTE JURO É o custo do crédito ou a remueração do capital aplicado. Isto é, o juro é o pagameto pelo uso do poder aquisitivo por um determiado

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon Elemetos de Aálise Fiaceira Descotos Aplicações de Juros Simples Descotos Valor Nomial = valor de resgate = valor de um título o seu vecimeto Ao liquidar um título ates do vecimeto há uma recompesa pelo

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Roberta Torres MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática Trabalho de Coclusão de Curso submetido ao Curso de Matemática Habilitação Liceciatura

Leia mais

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY APOSTILA EDIÇÃO: 2-2011 AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY www.mauriciocury.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES 5 2.1 Coceitos e Cálculos 5 2.2 Descoto Simples 8 2.2.1 Descoto Simples Bacário 8 2.2.2

Leia mais

Exercícios Propostos

Exercícios Propostos Exercícios Propostos Ateção: Na resolução dos exercícios cosiderar, salvo eção e cotrário, ao coercial de 360 dias. 1. Calcular o otate de ua aplicação de $3.500 pelas seguite taxas de juros e prazos:

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares Matemática Fiaceira para Gestão de Negócios Júlio Cezar dos Satos Patrício Cosiderações Prelimiares O objeto do presete estudo, que ão tem a pretesão de esgotar o assuto, é oferecer base aos empresários

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES)

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) APOIO AO MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO Nehuma empresa é pequea quado os dirigetes são grades e o segredo para ser grade é se istruir sempre! PROJETO INTEGRALMENTE

Leia mais

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c Edição de Fevereiro de 2008 Nota do Autor: A qualificação do profissioal passa pela ecessidade dos cohecimetos que possam lhe trasmitir seguraça as decisões fiaceiras. Seja este profissioal da área de

Leia mais

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br Matemática Fiaceira Prof. MSc. Deilso Nogueira da Silva deilsoogueira@uol.com.br Juho/03 Ídice -INTRODUÇÃO... 3. O Excel... 3. A Calculadora HPC.... 3.3 Pricipais Operações do Excel... 4.4 Operações com

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA UNIDADE IX DESCONTOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA UNIDADE IX DESCONTOS UNIDADE IX DESCONTOS Itrodução: Em cotabilidade, chama-se descoto a operação bacária de etrega do valor de um título ao seu detetor, ates do prazo do vecimeto, e mediate o pagameto de determiada quatia

Leia mais

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO Esta matéria comprova a afirmação do autor Thales Mello de Carvalho - Matemática Comercial e Fiaceira - falecido em 1961,

Leia mais

Notas de aula de Matemática Financeira

Notas de aula de Matemática Financeira Notas de aula de Matemática Fiaceira Professores: Gelso Augusto SUMÁRIO 1. Sistema de capitalização simples...3 1.1 Itrodução:...3 1.2 Coceitos Iiciais....3 1.3 Juros Simples...5 1.3.1 Motate simples...5

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização MATEMÁTICA FINANCEIRA Capitalização Seu estudo é desevolvido, basicamete, através do seguite raciocíio: ao logo do tempo existem etradas de diheiro (RECEITAS) e saídas de diheiro (DESEMBOLSOS) os caixas

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 1 Curso de Graduação em Admiistração a Distâcia UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL Reitora Célia Maria da Silva Oliveira Vice-Reitor João Ricardo

Leia mais

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A IAG Matemática Fiaceira Fluxo de Caixa O valor do diheiro o tempo Represetação: Saídas Etradas (100) 100 Prof. Luiz Bradão 2012 1 2 Visualização: Fluxo de Caixa 0 1 2 3 4 5 Defiições: Fluxo de Caixa VP

Leia mais

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12 Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 PARTE 1 - ASPECTOS ECONÔMICOS DOS JUROS 3 PARTE 2 - ASPECTOS FINANCEIROS DOS JUROS 3 PARTE 3 - VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO 6 PARTE 4 DESCONTO

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA Coceito de taxa de juros Taxa de juro é a relação etre o valor dos juros pagos (ou recebidos) o fial de um determiado período de tempo e o valor do capital

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00 Módulo 7 J uros Compostos Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 7.1 Itrodução: Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO JURANDIR GURGEL GONDIM FILHO Professor Adjuto do IESC Mestre em ecoomia (UFC/CAEN), MBA em Fiaças pelo IBMEC, Especialista em Fiaças Públicas (FGV)

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Evaivaldo Castro Silva Júior 1 3. Regime de Juros Compostos 2 Coceitos fudametais em capitalização composta Regime de Juros ode os juros são calculados a partir do capital iicial de cada período No processo

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira

Apostila de Matemática Financeira 200.2 Apostila de Matemática Fiaceira Prof. Davi Riai Gotardelo Dispoível o Xerox e o Quiosque Uiversidade Federal Rural do Rio de Jaeiro (UFRRJ) A p o s t i l a d e M a t e m á t i c a F i a c e i r a

Leia mais

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito:

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito: //4 VII. Equivalêcia de Fluxos de Caixa Matemática Fiaceira Aplicada ao Mercado Fiaceiro e de Capitais Professor Roaldo Távora 9 VII. - Coceito Coceito: Dois fluxos de caixa são equivaletes, a uma determiada

Leia mais

TABELA PRICE NÃO EXISTE *

TABELA PRICE NÃO EXISTE * TABELA PRICE NÃO EXISTE * Rio, Novembro / 203 * Matéria elaborada por Pedro Schubert. Admiistrador, Sócio Fudador da BMA Iformática & Assessorameto Empresarial Ltda. TABELA PRICE NÃO EXISTE ÍNDICE Págia

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Uiversidade Comuitária da Região de Chapecó Sistemas de Iformação $$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ MATEMÁTICA FINANCEIRA (MATERIAL DE APOIO E EXERCÍCIOS) $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Estudaremos este capítulo os vários sistemas de amortização de empréstimos e fiaciametos, sua metodologia e cálculos para determiação do saldo

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA CONHECIENTOS BÁSICOS ATEÁTICA Para repoder à quetõe de o e, utilize o dado da tabela abaixo, que apreeta a freqüêcia acumulada da idade de 0 jove etre 4 e 0 ao. Idade (ao) Freqüêcia Acumulada 4 5 4 6 9

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Manual sobre o Valor do Dinheiro no Tempo

Manual sobre o Valor do Dinheiro no Tempo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo...Dai de graça o que de graça recebeste... A oção de que um dólar hoje é preferível a um dólar em algum mometo o futuro é bastate ituitiva para a maioria das pessoas

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas)

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas) 1 UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagametos ou Redas) Elemetos ou Classificação: - Redas: Sucessão de depósitos ou de prestações, em épocas diferetes, destiados a formar

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES MATEMÁTICA DESAFIO DO DIA AGENDA DO DIA. Conteúdo: Juros

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES MATEMÁTICA DESAFIO DO DIA AGENDA DO DIA. Conteúdo: Juros DESAFIO DO DIA Conteúdo: Juros DESAFIO DO DIA Habilidades: Calcular Juros Simples, Capital, Taxa e Tempo; interpretar e resolver exercícios sobre Juros Simples. DESAFIO DO DIA Conceito de Juros Didaticamente,

Leia mais

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. Departamento de Produção e Sistemas. Trabalho Prático Nº 1 de. Métodos Numéricos

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. Departamento de Produção e Sistemas. Trabalho Prático Nº 1 de. Métodos Numéricos Uiversidade do Miho Escola de Egeharia Trabalho Prático Nº 1 de Métodos Numéricos Liceciatura em Egeharia de Produção 00 Métodos Numéricos TRABALHO PRÁTICO Nº 1 (A) (Egeharia de Produção, 001/00) Resolução

Leia mais

DPS 1016 Engenharia Econômica

DPS 1016 Engenharia Econômica DPS Egeharia Ecoômica Material de Aula Departameto de Egeharia de Produção e Sistemas Cetro de Tecologia - Uiversidade Federal de Sata Maria - RS Egeharia Ecoômica Prof. Dr. Eg. Dipl. Wirt. Ig. Adreas

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade I

Prof. Luiz Felix. Unidade I Prof. Luiz Felix Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Matemática financeira A Matemática Financeira estuda o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Do ponto de vista matemático, um determinado valor a

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini 1 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 2 Copyright 2007. Todos os direitos desta edição reservados ao Sistema Uiversidade Aberta do Brasil. Nehuma parte deste material poderá ser reproduzida, trasmitida

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Outubro/203 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA ATRAVÉS

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I PROFESSOR JORGE JUNIOR E.MAIL: JJUNIORSAN@CEUNES.UFES.BR Apostila integralmente

Leia mais

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Descontos Desconto é a liquidação de uma operação antes de seu vencimento, envolvendo um prêmio ou recompensa. Valor Nominal, Valor de Resgate ou Valor de Face é o valor de um título

Leia mais

TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO

TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO Ídice 1. Regulametação e Vigêcia...pág.2 2. Metodologia de Cálculo da TJLP...pág.2 3. Aplicabilidade da TJLP...pág.3 4. Metodologia de Cálculo dos Cotratos do BNDES atrelados

Leia mais

SOLUÇÕES e GASES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

SOLUÇÕES e GASES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS rof. Vieira Filho SOLUÇÕES e GSES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS SOLUÇÕES. em-se 500g de uma solução aquosa de sacarose (C O ), saturada a 50 C. Qual a massa de cristais que se separam da solução, quado ela é

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS Frequentemente, nas operações de médio e longo prazo, por razões metodológicas ou contábeis, as operações de empréstimos são analisadas período por período, no que diz respeito

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

Organização da Aula. Avaliação de Investimentos. Aula 2. Contextualização. Instrumentalização. Proporcionalidade de taxas. Equivalência de taxas

Organização da Aula. Avaliação de Investimentos. Aula 2. Contextualização. Instrumentalização. Proporcionalidade de taxas. Equivalência de taxas Avaliação de Investimentos Aula 2 Profa. Claudia Abramczuk Organização da Aula Proporcionalidade de taxas Equivalência de taxas Comparação entre proporcionalidade e equivalência VP e VF Contextualização

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais