CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA"

Transcrição

1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA Coceito de taxa de juros Taxa de juro é a relação etre o valor dos juros pagos (ou recebidos) o fial de um determiado período de tempo e o valor do capital iicialmete emprestado (ou aplicado). Represetado a taxa de juro pela letra i, o valor dos juros pela letra J e o valor do capital iicial (também cohecido por pricipal, valor presete ou valor atual) pela letra P, tem-se que: J i = P O juro, como foi euciado, é um valor pago (ou recebido) o fial de um certo período de tempo, e o capital iicial, um valor colocado à disposição a data do cotrato (ou da operação). Assim sedo, é importate efatizar que, do poto de vista coceitual, juro atecipado ão existe. Ou seja, o juro é sempre postecipado. Para maior clareza, vamos exemplificar: Uma pessoa pede um empréstimo de R$.000,00 pelo prazo de mês. O gerete do baco mada creditar R$ 950,00 a cota do cliete sob a alegação de que os juros de R$ 50,00 foram descotados o ato, isto é, pagos atecipadamete. De acordo com o coceito de taxa de juros, temos que: 50, 00 Taxa de juro cobrada pelo baco: i = = 526, % 950, 00 No caso deste exemplo, ão houve pagameto atecipado de juros. Apeas o baco emprestou R$ 950,00 para receber R$.000,00 o fial de um mês. Portato, o valor dos juros efetivamete foi recebido pelo baco o fial, isto é, o vecimeto. Observação importate: A divisão dos juros de R$ 50,00 pelo valor R$.000,00, igual a 5%, correspode à chamada taxa de descoto, calculada de acordo com o critério de descoto simples (ou bacário ou comercial), cujo coceito ão será abordado este trabalho.

2 2 Coceito de juros simples (ou capitalização simples) Capitalizar em matemática fiaceira sigifica adicioar juros ao capital. E essa adição pode ser feita de forma liear ou expoecial. Quado feita de forma liear dizemos que a capitalização é simples, e quado feita expoecialmete dizemos que ela é composta. Assim, podemos coceituar juros simples como sedo o processo de obteção juros (ou do motate) em que a taxa de juro defiida para o período uitário (dia, mês ou ao) icide sempre sobre o capital iicial, ão icidido pois, sobre os juros que vão se acumulado. Observação: Na maioria dos exemplos apresetados este trabalho estamos utilizado uma taxa de juros de 0% ao mês. Embora seja irreal para a maior parte das operações realizadas em osso mercado, vamos utilizá-la por razões de ordem didática, a saber: porque é mais fácil fazer o cálculo, mesmo sem calculadora; porque as difereças etre os resultados obtidos pelos critérios de juros simples e compostos ficam mais visíveis. Exemplo: calcular o valor dos juros e do motate correspodete a um empréstimo de R$.000,00, cotratado a uma taxa de juro de 0% ao mês, pelo prazo de meses. MÊS JUROS MENSAIS JUROS ACUM. MONTANTE 00,00 00,00.00, ,00 200,00.200, ,00 300,00.300,00 00,00 00,00.00,00 O valor dos juros é determiado com base a fórmula: J = P x i x, em que P é o capital iicial, i a taxa de juros e o prazo. No caso do osso exemplo, tem-se que: J =.000,00 x 0,0 x = 00,00 Como o motate, que represetamos pela letra S, é igual ao capital mais juros, temos que: S =.000, ,00 =.00,00 2

3 3 Coceito de juros compostos (ou capitalização composta) Podemos coceituar juros compostos como sedo o processo de obteção juros (ou do motate) em que a taxa de juro defiida para o período uitário (dia, mês ou ao) icide sobre o capital iicial e também sobre os juros que vão se acumulado periodicamete. Exemplo: calcular o valor dos juros e do motate correspodete a um empréstimo de R$.000,00, cotratado a uma taxa de juro de 0% ao mês, pelo prazo de meses. MÊS JUROS MENSAIS JUROS ACUM. MONTANTE 00,00 00,00.00,00 2 0,00 20,00.20,00 3 2,00 33,00.33,00 33,0 6,0.6,0 O motate é determiado com base a fórmula: S = P(+ No caso do osso exemplo, tem-se que: S =.000,00 x (,0) =.6,0 Como o valor dos juros é igual ao motate meos o capital, temos que: J =.6,0 000,00 = 6,0 Coceito de séries de pagametos iguais Trata-se de uma série de pagametos iguais, periódicos (mesais, bimestrais, trimestrais ou auais) e sucessivos. Esse sistema de pagametos é o mais utilizado o mudo, tato para amortizar dívidas ou empréstimos, quato para formar uma poupaça. Em relação a este sistema é importate saber que: o motate total formado o fial das aplicações é o resultado da soma dos motates de cada uma das prestações cosideradas idividualmete; 3

4 de forma idêtica, o valor do empréstimo (que é capital iicial ou valor presete a data do cotrato) é o resultado da soma dos valores presetes de cada uma das prestações cosideradas idividualmete; para o cálculo desses dois modelos utiliza-se juros compostos; ão se tem cohecimeto de um úico país o mudo que faça diferete; também ão coheço um úico livro de matemática fiaceira, editado os últimos 0 aos, de autor acioal ou estrageiro, que apresete esses modelos desevolvidos com base em juros simples.. Motate de uma série de pagametos iguais Exemplo: calcular o motate correspodete a aplicação de prestações mesais iguais de R$.000,00 cada, à taxa de juros de 0% ao mês, coforme fluxo abaixo. S =? O motate total, de acordo com o fluxo acima, correspode à soma dos motates de cada uma das parcelas, como segue: Motate da primeira parcela: S = 000 x,0 3 =.33,00 Motate da seguda parcela: S2 = 000 x,0 2 =.20,00 Motate da terceira parcela: S3 = 000 x,0 =.00,00 Motate da quarta parcela: S = 000 x,0 0 =.000,00 MONTANTE TOTAL: ST = =.6,00 ou escrito de outra forma: S T 3 2 = 000 0, , , , 0

5 Colocado-se 000 em evidêcia, tem-se que: S T = 000 ( 0, + 0, + 0, + 0, ) A partir desta última equação, e utilizado a fórmula da soma de uma PG (Progressão Geométrica), deduz-se que: S T 0, = 000 =. 600, 00, Geeralizado-se a expressão acima, e fazedo ST = S, chega-se à fórmula para o cálculo do motate de uma série de pagametos iguais postecipados, de uso geeralizado o mudo, a saber: ( + S = R i em que R represeta o valor das prestações (ou parcelas ) iguais e o úmero de prestações..2 Valor presete de uma série de pagametos iguais Exemplo: um empréstimo deverá ser liquidado em prestações mesais iguais de R$.000,00 cada, à taxa de juros de 0% ao mês, coforme fluxo abaixo. Calcular o valor emprestado, ou seja, o valor presete a data do cotrato. P =? O valor presete total, como mecioado, correspode à soma dos valores presetes de cada uma das parcelas, como segue: 5

6 Valor presete da primeira parcela: P = 000 /,0 = 909,09 Valor presete da seguda parcela: P2 = 000 /,0 2 = 826,5 Valor presete da terceira parcela: P3 = 000 /,0 3 = 75,3 Valor presete da quarta parcela: P = 000 /,0 = 683,0 VALOR PRESENTE TOTAL: PT = = 3.69,86 Assim, sabedo que: P T = , 0, 0, 0, Colocado-se 000 em evidêcia, tem-se que: P T = 000 0, + 0, 2 + 0, 3 + 0, Utilizado a fórmula da soma de uma PG (Progressão Geométrica), deduz-se que: P T 0, = 000 0, 00, Geeralizado-se a expressão acima, e fazedo-se PT = P, chega-se a fórmula para o cálculo do valor presete de uma série de pagametos iguais postecipados, de uso geeralizado o mudo, a saber: ( + P = R ( + i A partir dessa expressão, deduz-se facilmete a fórmula que calcula diretamete o valor das prestações, como segue: 6

7 R ( + P ( + i = Essa fórmula serve para determiar o valor das prestações iguais, sedo, o Brasil, cohecida por TABELA PRICE. E como ficou evideciado através da dedução que fizemos, ela é calculada com base o critério de juros compostos. Primeiro exemplo: Calcular o valor das prestações mesais iguais correspodetes a um empréstimo de R$ 0.000,00, cotratado a uma taxa de juro de 3% ao mês, para ser pago em 2 prestações mesais. ( 03, ) 0, 03 R = , 00 = 590, 7 2 ( 03, ) 2 Segudo exemplo: Um veículo o valor de R$ 2.000,00 está sedo vedido com 20% de etrada e o restate fiaciado em 60 prestações iguais, mesais e cosecutivas. Sabedo-se que a taxa de juros cobrada é de,85% ao mês, calcular o valor das prestações mesais. Etrada: 20% x 2.000,00 = 8.00,00 Valor fiaciado: 2.000, ,00 = ,00 085, 0, 085 R = , 00 = 9382, , 60 7

8 5 SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Um sistema de amortização ada mais é do que um plao de pagametos para quitação de uma dívida. Ora, de quatas maeiras uma dívida pode ser quitada? Resposta: ifiitas! Etretato, dois são casos mais comus o mudo, a saber: ) devolução do capital mais juros de uma só vez o fial período cotratado; 2) devolução do capital mais juros em prestações mesais e cosecutivas. No caso de devolução itegral do capital o fial do cotrato, também é comum o pagameto periódico (mesal, trimestral ou semestral) dos juros. Quato aos casos de pagametos mesais evolvedo parcelas de capital e de juros, os dois plaos mais cohecidos e utilizados o mudo são os seguites: Sistema de prestações iguais ou uiformes; Sistema de prestações decrescetes em progressão aritmética (PA). Etre esses dois plaos, o sistema de prestações mesais iguais é seguramete o mais utilizado as operações de empréstimos e de fiaciametos. No Brasil, e apeas o Brasil, esse plao é cohecido por Sistema PRICE, ou simplesmete Tabela PRICE. Também é cohecido por Sistema Fracês de Amortização. Quato ao sistema de prestações decrescetes em progressão aritmética, cohecido uiversalmete por SAC Sistema de Amortização Costate, é muito utilizado em osso país para fiaciametos imobiliários; sua adoção o Brasil tem crescido substacialmete os últimos aos em fução do meor risco de crédito para o agete fiaceiro, e pricipalmete pelas restrições legais ao uso da Tabela PRICE. Fora o setor habitacioal, o SAC é bastate utilizado as operações com recursos do BNDES (Baco Nacioal de Desevolvimeto Ecoômico e Social), em que o FINAME (Fiaciameto de Máquias e Equipametos) é a modalidade mais cohecida. Etre outros ifiitos plaos que podem ser adotados para a amortização de uma dívida, podemos citar mais dois: o SAM (Sistema de Amortização Misto) e o SACRE (Sistema de Amortização Crescete). O primeiro, o SAM, é um misto do PRICE com o SAC, ou seja, cada prestação correspode à média aritmética das prestações calculadas com base esses dois sistemas; foi muito utilizado pelo extito BNH (Baco Nacioal da Habitação) para fiaciameto de uidades habitacioais; quato ao SACRE, criado pela Caixa Ecoômica Federal e utilizado também pelo Baco Nossa Caixa, está caido em desuso. Neste trabalho ão vamos trata desses dois sistemas. 8

9 5. Sistema de prestações iguais ou uiformes (PRICE) Esse sistema, também cohecido por Sistema Fracês de Amortização, é o mais utilizado os casos de pagametos mesais de parcelas de capital e de juros; deve represetar cerca de 80 a 90% dos plaos de pagametos utilizados o mudo, servido de base para o cálculo de prestações os casos de fiaciameto de veículos, imóveis, eletrodomésticos, roupas, móveis, empréstimos pessoais, capital de giro e de operações de leasig. Para melhor etedimeto e caracterização desse sistema, vamos resolver o seguite exemplo: Calcular os valores das prestações correspodetes a um empréstimo de R$.000,00 a ser quitado em parcelas mesais, cosiderado-se uma taxa de juro de 0% ao mês. Mostrar também a decomposição de cada prestação em parcelas de amortização e de juros. Como se trata de uma série de pagametos iguais, o valor das prestações é obtido com base a fórmula já cohecida, ou seja: ( + i R = P ( + Substituido-se as variáveis da fórmula especificada pelos dados do problema, obtém-se o valor das prestações, como segue: ( 0, ) 00, R = 000 = 35, 7 ( 0, ) Decomposição das prestações em parcelas de amortização e juros: MÊS SALDO DEVEDOR AMORTIZAÇÃO JUROS PRESTAÇÃO 0.000,00 0,00 0,00 0,00 78,53 25,7 00,00 35,7 2 57,5 237,02 78,5 35, ,79 260,72 5,75 35,7 0,00 286,79 28,68 35,7 TOTAL -.000,00 26,88.26,88 9

10 Os valores cotidos a colua JUROS foram obtidos através da multiplicação da taxa de juros de 0% pelos valores discrimiados a colua SALDO DEVEDOR, correspodetes aos meses imediatamete ateriores; os valores da colua AMORTIZAÇÃO resultam da subtração das parcelas de juros dos valores das prestações; e os valores discrimiados a colua SALDO DEVEDOR são obtidos pela dedução das parcelas de amortização dos saldos devedores existetes os meses imediatamete ateriores. 5.2 Sistema de amortização costate (SAC) No SAC, como o próprio ome já diz, as amortizações mesais são costates, ou seja, de mesmo valor. Assim, para se obter o valor da amortização costate basta dividir o valor fiaciado pelo úmero de parcelas, como segue: P. 000, 00 Valor da amortização costate = A = = = 250, 00 Decomposição das prestações em parcelas de amortização e juros: MÊS SALDO DEVEDOR AMORTIZAÇÃO JUROS PRESTAÇÃO 0.000,00 0,00 0,00 0,00 750,00 250,00 00,00 350, ,00 250,00 75,00 325, ,00 250,00 50,00 300,00 0,00 250,00 25,00 275,00 TOTAL -.000,00 250,00.250,00 Como se pode observar, a decomposição das prestações o caso do SAC é bem mais simples. A partir das parcelas de amortização, que são iguais, e seguido-se a mesma rotia de cálculo mostrada a tabela aterior, obtém-se facilmete os valores cotidos as coluas SALDO DEVEDOR e JUROS ; os valores das prestações cotidos a última colua resultam da soma das parcelas de amortização e de juros. Como se observa a tabela apresetada, os valores das prestações decrescem mesalmete à razão costate de 25,00, costituido-se, pois, uma progressão aritmética. E sedo assim, os valores de todas as prestações podem ser facilmete obtidos a partir do cohecimeto de apeas dois elemetos: o valor da primeira prestação e o valor do decréscimo mesal, calculados como segue: 0

11 Valor da primeira prestação = A + i x P Valor do decréscimo mesal = razão = i x A No caso do osso exemplo, temos: Valor da primeira prestação = 250,00 + 0,0 x 000,00 = 350,00 Valor do decréscimo mesal = razão = 0,0 x 250,00 = 25,00. O valor da última prestação também é facilmete obtido: ele é dado pela soma da parcela de amortização com a parcela de juros calculada sobre o saldo devedor do mês imediatamete aterior, ou seja: Última prestação = A + i x A = A x ( + Assim, o caso do osso exemplo, temos: Última prestação = 250,00 x,0 = 275,00 Em uma progressão aritmética, quado se cohece o valor da primeira e da última parcela, é possível obter a soma de todas. Para tato, basta utilizar a fórmula que calcula a soma dos termos de uma PA (progressão aritmética), dada pela seguite equação: ( a + a ) S PA = 2 em que: SPA = soma dos termos de uma progressão aritmética; a = valor do primeiro termo; a = valor do último termo; = úmero de termos Aplicado-se essa fórmula o caso do osso exemplo, temos: S PA ( 35000, , ) = 2 = , 5.3 Exemplo de utilização dos sistemas PRICE e SAC Um fiaciameto o valor de R$ ,00 deverá ser amortizado em 20 prestações (20 aos). Sabedo-se que a taxa de juros é de % ao mês, calcular o valor das prestações mesais de acordo com os sistemas PRICE e SAC, bem como a soma das prestações dos respectivos plaos.

12 Sistema PRICE: ( 0, ) 0, 0 Valor das prestações: R = , 00 =. 32, ( 0, ) Valor da primeira prestação = valor da última =,32,30 Soma das prestações = 20 x.32,30 = 37.2,00 Sistema SAC: Valor da parcela de amortização = ,00 / 20 = 500,00 Valor da primeira prestação = 500,00 + 0,0 x ,00 =.700,00 Valor da última prestação = 500,00 + 0,0 x 500,00 = 505,00 (. 700, , 00) Soma da prestações: S = 20 = , 00 PA 2 20 Prof. José Dutra Vieira Sobriho 2

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00 Módulo 7 J uros Compostos Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 7.1 Itrodução: Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos

Leia mais

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito:

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito: //4 VII. Equivalêcia de Fluxos de Caixa Matemática Fiaceira Aplicada ao Mercado Fiaceiro e de Capitais Professor Roaldo Távora 9 VII. - Coceito Coceito: Dois fluxos de caixa são equivaletes, a uma determiada

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS.

RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS. RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS. No sistema de amortização Price, com as seguites hipóteses, ocorrerá cobraça

Leia mais

Operações Financeiras (Ativas e Passivas) Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas

Operações Financeiras (Ativas e Passivas) Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas Operações Fiaceiras (Ativas e Passivas) Operações Fiaceiras Ativas 1 2 Defiição As aplicações fiaceiras represetam excessos de dispoibilidades da empresa, em relação às ecessidades imediatas de desembolso,

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Estudaremos este capítulo os vários sistemas de amortização de empréstimos e fiaciametos, sua metodologia e cálculos para determiação do saldo

Leia mais

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior  1 Aula 23 Juros Compostos. Motate e juros. Descoto Composto. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivaletes. Capitais equivaletes. Capitalização cotíua. Equivalêcia Composta de Capitais. Descotos: Descoto racioal

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística Prova Resolvida e Cometada Prof. Joselias joselias@uol.com.br (0 )9654-53 FRF 005 Matemática Fiaceira e Estatística Soluções das Provas do FRF-005 de Matemática Fiaceira e de Estatística Prof. Joselias

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ecoomia, Admiistração e Cotabilidade de Ribeirão Preto - FEA-RP Matemática Fiaceira Profa. Dra.Luciaa C.Siqueira Ambrozii Juros Compostos 1 Juros compostos Cosidera

Leia mais

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A IAG Matemática Fiaceira Fluxo de Caixa O valor do diheiro o tempo Represetação: Saídas Etradas (100) 100 Prof. Luiz Bradão 2012 1 2 Visualização: Fluxo de Caixa 0 1 2 3 4 5 Defiições: Fluxo de Caixa VP

Leia mais

Matemática Financeira e Análise de Investimentos

Matemática Financeira e Análise de Investimentos e Aálise de Ivestimetos 1 e Aálise de Ivestimetos Objetivos 1. Coceitos fudametais em capitalização simples e compostos 2. Cálculo de juros e descotos 3. Atualização de ídices iflacioários 4. Amortização

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Outubro/203 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA ATRAVÉS

Leia mais

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015 1 CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagametos Data: 16/11/2015 Sumário/Ídice CRI - CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS... 1 SUMÁRIO/ÍNDICE... 2 1. OBJETIVO...

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,...

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,... Curso Metor www.cursometor.wordpress.com Sucessão ou Sequêcia Defiição Sucessão ou seqüêcia é todo cojuto que cosideramos os elemetos dispostos em certa ordem. jaeiro,fevereiro,...,dezembro Exemplo : Exemplo

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas)

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas) 1 UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagametos ou Redas) Elemetos ou Classificação: - Redas: Sucessão de depósitos ou de prestações, em épocas diferetes, destiados a formar

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA E A VINCULAÇÃO DE AMBOS COM A TABELA PRICE

COMPARATIVO ENTRE REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA E A VINCULAÇÃO DE AMBOS COM A TABELA PRICE COMPARATIVO ETRE REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA E A VICULAÇÃO DE AMBOS COM A TABELA PRICE Etede-se por regime de capitalização o processo de formação dos juros e a maeira pela qual estes são

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Sequências, PA e PG material teórico

Sequências, PA e PG material teórico Sequêcias, PA e PG material teórico 1 SEQUÊNCIA ou SUCESSÃO: é todo cojuto ode cosideramos os seus elemetos colocados, ou dispostos, uma certa ordem. Cosiderado a sequêcia (; 3; 5; 7;...), dizemos que:

Leia mais

Fundamentos da Engenharia Econômica. Professor Ivan Faccinetto Böttger. Profº Ivan Faccinetto Böttger - 1 -

Fundamentos da Engenharia Econômica. Professor Ivan Faccinetto Böttger. Profº Ivan Faccinetto Böttger - 1 - Fudametos da Egeharia Ecoômica Professor Iva Faccietto Böttger Profº Iva Faccietto Böttger - 1-2012 Ouvimos costatemete frases como estas: Vou depositar meu diheiro a poupaça ou Vou aplicar meu diheiro

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Considerando que os triângulos são todos semelhantes, os perímetros formam uma PG de razão 1.

Considerando que os triângulos são todos semelhantes, os perímetros formam uma PG de razão 1. Resposta da questão : [B] Tem-se que t at = habitates e bt Resposta da questão : [D] PA a; a + r; a + r; a + 3r; a + 4r; a + 5r; a + 6r ( ) ( ) PG a; a + r; a + 6r; q = a + 6r a + r = a + r a + 4ar + 4r

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Caro aluo, Dispoibilizo abaixo a resolução resumida das 10 questões de Matemática Fiaceira da prova de Auditor do ISS/Cuiabá 2014. Para sua orietação, utilizei

Leia mais

2.2. Séries de potências

2.2. Séries de potências Capítulo 2 Séries de Potêcias 2.. Itrodução Série de potêcias é uma série ifiita de termos variáveis. Assim, a teoria desevolvida para séries ifiitas de termos costates pode ser estedida para a aálise

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Capítulo I Séries Numéricas

Capítulo I Séries Numéricas Capítulo I Séries Numéricas Capitulo I Séries. SÉRIES NÚMERICAS DEFINIÇÃO Sedo u, u,..., u,... uma sucessão umérica, chama-se série umérica de termo geral u à epressão que habitualmete se escreve u u...

Leia mais

M23 Ficha de Trabalho SUCESSÕES 2

M23 Ficha de Trabalho SUCESSÕES 2 M Ficha de Trabalho NOME: SUCESSÕES I PARTE Relativamete à sucessão a =, pode-se afirmar que: (A) É um ifiitamete grade positivo (B) É um ifiitésimo (C) É um ifiitamete grade egativo (D) É limitada Cosidere

Leia mais

Sequências Reais. Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré. 1 Sequências de números reais 1

Sequências Reais. Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré.  1 Sequências de números reais 1 Matemática Essecial Sequêcias Reais Departameto de Matemática - UEL - 200 Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessecial/ Coteúdo Sequêcias de úmeros reais 2 Médias usuais 6 3 Médias versus progressões

Leia mais

1.1. Ordem e Precedência dos Cálculos 1) = Capítulo 1

1.1. Ordem e Precedência dos Cálculos 1) = Capítulo 1 Capítulo. Aritmética e Expressões Algébricas O estudo de cálculo exige muito mais que o cohecimeto de limite, derivada e itegral. Para que o apredizado seja satisfatório o domíio de tópicos de aritmética

Leia mais

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante Módulo VII Sistemas de Amortização Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Costate AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO é o pagameto do capital emprestado, realizado por

Leia mais

Em linguagem algébrica, podemos escrever que, se a sequência (a 1, a 2, a 3,..., a n,...) é uma Progres-

Em linguagem algébrica, podemos escrever que, se a sequência (a 1, a 2, a 3,..., a n,...) é uma Progres- MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO MÓDULO DE REFORÇO - EAD PROGRESSÕES Progressão Geométrica I) PROGRESSÃO GEOMÉTRICA (P.G.) Progressão Geométrica é uma sequêcia de elemetos (a, a 2, a 3,..., a,...) tais que, a partir

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

Séquências e Séries Infinitas de Termos Constantes

Séquências e Séries Infinitas de Termos Constantes Capítulo Séquêcias e Séries Ifiitas de Termos Costates.. Itrodução Neste capítulo estamos iteressados em aalisar as séries ifiitas de termos costates. Etretato, para eteder as séries ifiitas devemos ates

Leia mais

Prof. Ronaldo Frederico

Prof. Ronaldo Frederico Prof. Ronaldo Frederico Matemática Financeira Amortização Amortização Nas aplicações financeiras, quando o objetivo é constituir um capital em uma data futura, tem-se um processo de Capitalização, quando

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21 Última Atualização: 01/04/2016 E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados Para Debêtures o Cetip21. São aqui apresetadas fórmulas

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 1o Ao 00 - a Fase Proposta de resolução GRUPO I 1. Como a probabilidade do João acertar em cada tetativa é 0,, a probabilidade do João acertar as tetativas é 0, 0, 0, 0,

Leia mais

ESTUDO DA APLICAÇÃO DA EQUAÇÃO DE DIFERENÇAS EM FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS

ESTUDO DA APLICAÇÃO DA EQUAÇÃO DE DIFERENÇAS EM FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS Colegio Militar de Curitiba-Livreto 60 pgs - 3aV - Pritjob => 04/06/200 => :30:07 => (Medida : = 7 x 24) ESTUDO DA APLICAÇÃO DA EQUAÇÃO DE DIFERENÇAS EM FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS º Te OTT Paulo Amaro

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1 Material de Matemática Fiaceira Prof. Mário Roberto 1 JURO E MONTANTE JURO É o custo do crédito ou a remueração do capital aplicado. Isto é, o juro é o pagameto pelo uso do poder aquisitivo por um determiado

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan.

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan. Matemática Biômio de Newto Professor Duda www.acasadococurseiro.com.br Matemática BINÔMIO DE NEWTON Defiição O biômio de Newto é uma expressão que permite calcular o desevolvimeto de (a + b), sedo a +

Leia mais

o montante de uma renda é igual à soma dos montantes de cada um de seus têrmos.

o montante de uma renda é igual à soma dos montantes de cada um de seus têrmos. AMORTZAÇAO DE EMPR~STMOS EDMU~ ldo EBOU BONNl o coceito su"jjacete... é que o valor do diheiro tem uma dimesão temporal, isto é, um dólar a ser recebido amahã ão possui o Jesmo valor de um dólar recebido

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

Gestã o Finãnceirã- CSA1024 Sistemas de Amortização

Gestã o Finãnceirã- CSA1024 Sistemas de Amortização Gestã o Finãnceirã- CSA1024 Sistemas de CONCEITOS: Para melhor entendimento dessa unidade, há necessidade de entender os principais conceitos de uso corrente nas operações de empréstimos e financiamentos,

Leia mais

Estimação por Intervalo (Intervalos de Confiança):

Estimação por Intervalo (Intervalos de Confiança): Estimação por Itervalo (Itervalos de Cofiaça): 1) Itervalo de Cofiaça para a Média Populacioal: Muitas vezes, para obter-se a verdadeira média populacioal ão compesa fazer um levatameto a 100% da população

Leia mais

2-4ac. -b ± b - 4ac x = MATEMÁTICA. fórmula de Báskara: EQUAÇÕES DO 2º GRAU

2-4ac. -b ± b - 4ac x = MATEMÁTICA. fórmula de Báskara: EQUAÇÕES DO 2º GRAU EQUAÇÕES DO 2º GRAU DEFINIÇÃO É toda a equação que pode ser reduzida à forma: fórmula de Báskara: 2 b - 4ac = I) Quado > 0, maior que zero, a equação tem duas raízes reais e diferetes etre si.. ax 2 +

Leia mais

11 Aplicações da Integral

11 Aplicações da Integral Aplicações da Itegral Ao itroduzirmos a Itegral Defiida vimos que ela pode ser usada para calcular áreas sob curvas. Veremos este capítulo que existem outras aplicações. Essas aplicações estedem-se aos

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

Luiz Donizete Teles Economista - CORECON

Luiz Donizete Teles Economista - CORECON A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS NA TABELA PRICE Há alguns meses escrevi um artigo que trata de um assunto bastante polêmico, tanto no meio jurídico quanto no meio técnico - financeiro: a prática do anatocismo

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M7 Função Exponencial. 2 Encontre o valor da expressão

Matemática. Resolução das atividades complementares. M7 Função Exponencial. 2 Encontre o valor da expressão Resolução das atividades complemetares Matemática M Fução Epoecial p. 6 (Furg-RS) O valor da epressão A a) c) e) 6 6 b) d) 0 A?? A? 8? A A A? A 6 8 Ecotre o valor da epressão 0 ( ) 0 ( ) 0 0 0. Aplicado

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017)

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017) Procedimetos de Marcação a Mercado (06, 207) Risk Maagemet Baco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A SUMÁRIO ESCOPO 4 2 PRINCÍPIOS 4 3 ORGANIZAÇÃO 5 4 COTAS 5 4. Cotas de Fechameto 5 4.2 Cotas de Abertura 6

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES)

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) APOIO AO MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO Nehuma empresa é pequea quado os dirigetes são grades e o segredo para ser grade é se istruir sempre! PROJETO INTEGRALMENTE

Leia mais

Cap. VI Histogramas e Curvas de Distribuição

Cap. VI Histogramas e Curvas de Distribuição TLF /11 Capítulo VI Histogramas e curvas de distribuição 6.1. Distribuições e histogramas. 6 6.. Distribuição limite 63 6.3. Sigificado da distribuição limite: frequêcia esperada e probabilidade de um

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Laboratório de Física e Química

Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Laboratório de Física e Química Uiversidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecologia e Ciêcias Exatas Laboratório de Física e Química Aálise de Medidas Físicas Quado fazemos uma medida, determiamos um úmero para caracterizar uma gradeza

Leia mais

Rua 13 de junho,

Rua 13 de junho, NOME: 1. (Cefet MG 013) Durate o mesmo período, dois irmãos depositaram, uma vez por semaa, em seus respectivos cofrihos, uma determiada quatia, da seguite forma: o mais ovo depositou, a primeira semaa,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor: Luis Guilherme Magalhães professor@luisguiherme.adm.br www.luisguilherme.adm.br (62) 9607-203 DESCONTO É uma compesação recebida pelo tomador do empréstimo, pelo pagameto adiatado da dívida

Leia mais

Ensaios Econômicos. Americano. Agosto de Escola de. Pós-Graduação. em Economia. da Fundação. Getulio Vargas N 785 ISSN

Ensaios Econômicos. Americano. Agosto de Escola de. Pós-Graduação. em Economia. da Fundação. Getulio Vargas N 785 ISSN Esaios Ecoômicos Escola de Pós-Graduação em Ecoomia da Fudação Getulio Vargas N 785 ISSN 0104-8910 Múltiplos Cotratos: Americao O Caso do Sistema Clovis José Daudt Lyra Darrigue de Faro Agosto de 2017

Leia mais

1. As parcelas são pagas ao final de cada período. Neste caso denomina-se pagamento postecipado.

1. As parcelas são pagas ao final de cada período. Neste caso denomina-se pagamento postecipado. PARTE 5 SÉRIE UNIFORME DE PAGAMENTOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução 2. Prestações e Valor presente 3. Prestações e Valor futuro 4. Renda perpétua 5. Exercícios Resolvidos 1. Introdução Quando se contrai

Leia mais

Solução Comentada Prova de Matemática

Solução Comentada Prova de Matemática 0 questões. Sejam a, b e c os três meores úmeros iteiros positivos, tais que 5a = 75b = 00c. Assiale com V (verdadeiro) ou F (falso) as opções abaixo. ( ) A soma a b c é igual a 9 ( ) A soma a b c é igual

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Séries Periódicas Uiformes Séries Uiformes Postecipadas 0 1 2 3 4 Séries Uiformes Atecipadas 0 1 2 3 4-1 Séries Uiformes Diferidas (atecipada/postecipada) carêcia 0 c c+1 c+2 c+3 Valor Presete das Séries

Leia mais

JOSE DONIZETTI DE LIMA

JOSE DONIZETTI DE LIMA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MATEMÁTICA Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção e Sistemas (PPGEPS) JOSE DONIZETTI DE LIMA PATO BRANCO, 05 DE NOVEMBRO DE 2015 SUMÁRIO Capítulo 1 INTRODUÇÃO: PRINCÍPIOS,

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

DILMAR RICARDO MATEMÁTICA. 1ª Edição DEZ 2012

DILMAR RICARDO MATEMÁTICA. 1ª Edição DEZ 2012 DILMAR RICARDO MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Dilmar Ricardo Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição DEZ 0 TODOS OS DIREITOS

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY APOSTILA EDIÇÃO: 2-2011 AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY www.mauriciocury.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES 5 2.1 Coceitos e Cálculos 5 2.2 Descoto Simples 8 2.2.1 Descoto Simples Bacário 8 2.2.2

Leia mais

10 - Medidas de Variabilidade ou de Dispersão

10 - Medidas de Variabilidade ou de Dispersão 10 - Medidas de Variabilidade ou de Dispersão 10.1 Itrodução Localizado o cetro de uma distribuição de dados, o próximo passo será verificar a dispersão desses dados, buscado uma medida para essa dispersão.

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

AMOSTRAGEM ALEATÓRIA DISTRIBUIÇÕES POR AMOSTRAGEM

AMOSTRAGEM ALEATÓRIA DISTRIBUIÇÕES POR AMOSTRAGEM 6 AMOSTRAGEM ALEATÓRIA DISTRIBUIÇÕES POR AMOSTRAGEM Quado se pretede estudar uma determiada população, aalisam-se certas características ou variáveis dessa população. Essas variáveis poderão ser discretas

Leia mais

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real.

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real. Resumo. O estudo das séries de termos reais, estudado as disciplias de Aálise Matemática da grade geeralidade dos cursos técicos de liceciatura, é aqui estedido ao corpo complexo, bem como ao caso em que

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Matemática Progressão Aritmética e Geométrica

Exercícios de Aprofundamento Matemática Progressão Aritmética e Geométrica Exercícios de Aprofudameto Matemática Progressão Aritmética e b. (Fuvest 05) Dadas as sequêcias a 4 4, b, c a a e d, b defiidas para valores iteiros positivos de, cosidere as seguites afirmações: I. a

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira

Apostila de Matemática Financeira 200.2 Apostila de Matemática Fiaceira Prof. Davi Riai Gotardelo Dispoível o Xerox e o Quiosque Uiversidade Federal Rural do Rio de Jaeiro (UFRRJ) A p o s t i l a d e M a t e m á t i c a F i a c e i r a

Leia mais

Secção 1. Introdução às equações diferenciais

Secção 1. Introdução às equações diferenciais Secção. Itrodução às equações difereciais (Farlow: Sec..,.) Cosideremos um exemplo simples de um feómeo que pode ser descrito por uma equação diferecial. A velocidade de um corpo é defiida como o espaço

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE BRASILIA LISTA DE REVISÃO. Nome: DATA: 05/12/2016. d) 4 3 a) 44 b) 22 c) 20 d) 15 e) 10. Se um saco

INSTITUTO FEDERAL DE BRASILIA LISTA DE REVISÃO. Nome: DATA: 05/12/2016. d) 4 3 a) 44 b) 22 c) 20 d) 15 e) 10. Se um saco INSTITUTO FEDERAL DE BRASILIA LISTA DE REVISÃO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Nome: DATA: 0//06 ) Se x+ y e x y, etão x + y é a) 66. b) 67. c) 68. d) 69. e) 70. ) Cosiderado-se que x 97, y 907 e z xy, o valor

Leia mais

Experimento 1 Estudo da Lei de Hooke

Experimento 1 Estudo da Lei de Hooke Experimeto 1 Estudo da Lei de Hooke 1.1 Objetivos Físicos Verificação experimetal da lei de Hooke para uma mola helicoidal: Medida experimetal do módulo de rigidez do material μ. 1. Objetivos Didáticos

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Desenvolvimento Multinomial. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Desenvolvimento Multinomial. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Desevolvimeto Multiomial Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto 1 Desevolvimeto

Leia mais

Prova Banco do Brasil 2012 CESGRANRIO /

Prova Banco do Brasil 2012 CESGRANRIO / MATEMÁTICA (QUESTÕES 11 A 0) (Questão 11) No Brasil, quase toda a produção de latas de alumíio é reciclada. As empresas de reciclagem pagam R$ 30,00 por 100 kg de latas usadas, sedo que um quilograma correspode

Leia mais

Prova-Modelo de Matemática

Prova-Modelo de Matemática Prova-Modelo de Matemática PROVA Págias Esio Secudário DURAÇÃO DA PROVA: miutos TOLERÂNCIA: miutos Cotações GRUPO I O quarto úmero de uma certa liha do triâgulo de Pascal é. A soma dos quatro primeiros

Leia mais

FORMA TRIGONOMÉTRICA. Para ilustrar, calcularemos o argumento de z 1 i 3 e w 2 2i AULA 34 - NÚMEROS COMPLEXOS

FORMA TRIGONOMÉTRICA. Para ilustrar, calcularemos o argumento de z 1 i 3 e w 2 2i AULA 34 - NÚMEROS COMPLEXOS 145 AULA 34 - NÚMEROS COMPLEXOS FORMA TRIGONOMÉTRICA Argumeto de um Número Complexo Seja = a + bi um úmero complexo, sedo P seu afixo o plao complexo. Medido-se o âgulo formado pelo segmeto OP (módulo

Leia mais