2.2. Séries de potências

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2.2. Séries de potências"

Transcrição

1 Capítulo 2 Séries de Potêcias 2.. Itrodução Série de potêcias é uma série ifiita de termos variáveis. Assim, a teoria desevolvida para séries ifiitas de termos costates pode ser estedida para a aálise de covergêcia de séries de potêcias. As séries de potêcias podem ser usadas em várias aplicações como ecotrar aproximações de úmeros irracioais tais como 2, π, e, etc., para ecotrar valores aproximados de itegrais que ão podem ser itegrados de forma aalítica tais como /2 0 e t2 dt e 0 Cos( x)dt, etc. e, pricipalmete, a resolução de equações difereciais que seria a aplicação mais importate do poto de vista da egeharia elétrica Séries de potêcias Defiição : Uma série de potêcias em (x a) é uma série da forma: c o + c (x a) + c 2 (x a) c (x a) +... (2.) que é represetada de forma esquemática por c (x a) Um caso especial acotece quado a = 0. Nesse caso temos uma série de potêcias em x da seguite forma: c = c o + c x + c 2 x c +... (2.2) Neste caso aalisamos apeas as séries de potêcias da forma (2.2) mas essa teoria pode ser usada para aalisar (2.) apeas fazedo a trasformação x = x a. O tópico de iteresse é ecotrar os valores de x para os quais a série de potêcias (2.2) coverge. Assim, podemos cosiderar as séries de potêcias como a seguite fução: f(x) = c (2.3)

2 que tem como domíio todos os valores de x para os quais (2.2) coverge. Em geral, séries de potêcias do tipo (2.2) podem covergir apeas para x = 0, para valores de x de um itervalo especificado ou para todos os valores de x. Exemplo : Ecotrar os valores de x para os quais a série de potêcias Usamos o teste da razão e, portato, temos o seguite: u = x ( + )x+ 3 u + = 3 + = ( + )x x é covergete. L = u + u = (+)x x = x(+) 3 = x 3 ( ) (+) De acordo com o teste da razão, a série aterior é covergete se L <. Assim, temos: L = x 3 ( ) (+) = x 3 < = x < 3 Adicioalmete, usamos o teste da razão para provar que a série é divergete para L >, isto é, para x > 3. Etretato, para L = (que equivale a x = 3) o teste da razão ão apreseta prova coclusiva. Em outras palavras, para L =, o teste da razão ão pode ser usado para provar a covergêcia de uma série. Assim, precisamos provar a covergêcia ou divergêcia da série para x = 3 usado outras estratégias. Para L = = x 3 = = x = ±3 Para x = 3 = 3 = 3 3 = Nesse caso a série é claramete divergete e pode ser verificado usado a propriedade: u = = que prova que a série é divergete. Para x = 3 = 3 = ( 3) 3 = ( ) Nesse caso a série também é divergete e pode ser verificado usado a propriedade: u = (( ) ) = ± que prova que a série é divergete. Portato, a série em aálise coverge apeas para o itervalo aberto ( 3, 3). Exemplo 2: Ecotrar os valores de x para os quais a série de potêcias ( ) + x 2 (2 )! é covergete. 2

3 Usamos o teste da razão e, portato, temos o seguite: u = ( ) + x2 (2 )! u + = ( ) +2 x2+2 (2+2 )! = ( )+ ( ) x2 x 2 (2+)! = ( )( ) + x2 x 2 (2+)(2)(2 )! L = u + u = ( )x 2 ( ) + x 2 (2+)(2)(2 )! ( ) + x 2 (2 )! = ( )x 2 2(2+) = L = x 2 ( ) 2(2+) = x 2 (0) = 0 < A relação aterior mostra que L < para todo valor de x e, portato, a série é covergete para todo valor de x tal que x (, ). Este problema mostra um tipo especial de série que coverge para todos os valores de x. Exemplo 3: Ecotrar os valores de x para os quais a série de potêcias é covergete. Usamos o teste da razão e, portato, temos o seguite: u = u + = ( + )! + = ( + )x L = u + u = (+)x = ( + )x = x ( + ) Na relação aterior, se x = 0 etão L = 0 < e, portato, a série é covergete para x = 0. Para x 0 etão L = e esse caso a série é divergete. Este problema mostra um tipo especial de série que coverge apeas para x = 0. Oservação: Para verificar o itervalo de covergêcia de uma série de potêcias dos problemas deste capítulo vamos usar o teste da razão ou o teste da raiz que permite ecotrar o itervalo de covergêcia mas, adicioalmete, esse caso devemos usar outros teoremas do capítulo de séries ifiitas com termos costates para verificar a covergêcia os extremos do itervalo de covergêcia como foi realizado o exemplo. Teorema : Sobre covergêcia de séries de potêcias: Se a série de potêcias c é covergete para x = x com x 0 etão ela é obsolutamete covergete para todos os valores de x para os quais x < x. Teorema 2: Sobre divergêcia de séries de potêcias: Se a série de potêcias c é divergete para x = x 2 etão ela é divergete para todos os valores de x para os quais x > x 2. Teorema 3: Sobre covergêcia de séries de potêcias: 3

4 Seja c uma série de potêcias. Nesse cotexto, apeas uma e somete uma das seguites afirmações é verdadeira:. A série coverge somete para x = A série é absolutamete covergete para todos os valores de x. 3. Existe um úmero R > 0 tal que a série é absolutamete covergete para todos os valores de x para os quais x < R e, a série é divergete para todos os valores de x para os quais x > R. Observações: As seguites observações são importates em relação ao Teorema 3: O Teorema 3 ão diz ada em relação a covergêcia em x = R. O cojuto de valores de x para os quais a série de potêcias é covergete é chamado de itervalo de covergêcia da série de potêcias. Se uma série de potêcias é covergete para valores de x < R com R > 0 etão R é chamado de raio de covergêcia. O teste da razão é o teorema mais adequado para determiar o itervalo de covergêcia. Etretato, o teste da razão ão respode sobre a covergêcia as extremidades do itervalo de covergêcia. Se uma série de potêcias é absolutamete covergete em uma extremidade etão é absolutamete covergete em ambas extremidades. Uma série de potêcias defie uma fução que tem como domíio o itervalo de covergêcia. Existem séries de potêcias para os quais ão é simples determiar a covergêcia ou divergêcia os extremos do itervalo de covergêcia Derivação de séries de potêcias Sabemos que uma série de potêcias c defie uma fução cujo domíio é o itervalo de covergêcia. Nesse cotexto, um tópico importate é aalisar as características de covergêcia das séries obtidas derivado uma série de potêcias com itervalo de covergêcia cohecido. Teorema 4: A derivada de uma série de potêcias tem o mesmo raio de covergêcia: Se c é uma série de potêcias com um raio de covergêcia R > 0 etão a série também tem R como raio de covergêcia. Exemplo 4: Verificar o Teorema 4 para a série de potêcias f(x) = Usamos o teste da razão para ecotrar o raio de covergêcia da série origial: 2 c u = x 2 u + = x+ ( + ) 2 4

5 L = u + u = + (+) 2 2 = + 2 (+) 2 x = L = x ( = x < Assim, o raio de covergêcia é R =. A derivada da série origial assume a seguite forma: f (x) = 2 = Usamos também o teste da razão para ecotrar o raio de covergêcia da derivada da série origial: u = x u + = x ( + ) L = u + u = (+) = (+) x = + L = x ( ) + = x < Assim, o raio de covergêcia é R =. Portato, foi verificado que o raio de covergêcia da série origialf(x) é a mesma da série obtida da derivada de f(x). Em resumo, o exemplo cofirma o Teorema 4 que afirma que f(x) e f (x) tem o mesmo raio de covergêcia. Etretato, o Teorema 4 ão diz ada em relação a covergêcia os extremos do raio de covergêcia, isto é, se existe alguma relação etre a covergêcia de f(x) os extremos do raio de covergêcia e a covergêcia de f (x) os extremos do raio de covergêcia. O Teorema 4 é válido para as sucessivas derivadas de f(x). Teorema 5: Geeralização do Teorema 4: Se o raio de covergêcia da série c é R > 0 etão o raio de covergêcia da série ( ) c 2 =2 também tem R como raio de covergêcia. O Teorema 5 pode ser estedido para todas as derivadas da série origial. Teorema 6: Uma série e suas derivadas tem o mesmo itervalo de covergêcia aberto: Seja c uma série de potêcias com raio de covergêcia R > 0. Etão se f(x) é uma fução defiida por f(x) = c etão existe f (x) para todo x do itervalo de covergêcia ( R, R) sedo dado por: f (x) = c. 5

6 Observação: O Teorema 6 prova que o itervalo de covergêcia aberto é o mesmo para f(x) e f (x) mas ão prova que a covergêcia seja a mesma para os extremos do itervalo de covergêcia. Em outras palavras, a covergêcia pode ser diferete os extremos do itervalo de covergêcia. Exemplo 5: Ecotrado o itervalo de covergêcia: + Seja f(x) = ( + ) 2. Nesse cotexto: (a) ecotre o domíio de f(x); (b) ecotre f (x) e o domíio correspodete. Ecotramos o domíio de f(x) usado o teste da razão: u = x+ ( + ) 2 u + = x+2 ( + 2) 2 = x+ x ( + 2) 2 L = u + u = + x (+2) 2 + (+) 2 ( 2 = + +2) = x ( ) = x Para covergêcia L = x < e, portato, existe covergêcia para x < = x (, ). Para termiar a aálise de f(x) devemos avaliar a covergêcia os extremos do itervalo de covergêcia. Para x = temos o seguite: ( + ) 2 = ( + ) = 2 A relação aterior é uma série hiper-harmôica com p = 2 e, portato, é uma série covergete. Alterativamete, também podemos usar o Teste da itegral da seguite forma: f(x) dx = [ dx ( + x) 2 = ] + x que também prova que f(x) é covergete em x =. Para x = temos o seguite: ( ) = +x ( ) + ( + ) 2 = = 2 que é uma série covergete porque é absolutamete covergete já que foi provado que ( + ) 2 é covergete. Também podemos provar a covergêcia da série aterior usado o Teorema para séries alteradas da seguite forma: a ( = ) (+) 2 ( = ) que também prova que f(x) é covergete em x =. Assim, foi provado que a série coverge os extremos do itervalo de covergêcia e, portato, o domíio de f(x) é o itervalo [, ]. = 0 6

7 Ecotramos o domíio de f (x) igorado, pela última vez, o Teorema 6: A forma matemática de f (x) pode ser obtida de f(x) e assume a seguite forma: f(x) = x + x2 4 + x3 9 + x x+ ( + ) = + ( + ) 2 = f (x) = + x 2 + x2 3 + x x = + ou melhor diretamete da relação geérica mas verificado o ite iferior (Ver Teorema 6). Usado o teste da razão temos o seguite: u = x ( + ) u + = x+ ( + 2) = x x ( + 2) L = u + u = x (+2) (+) x = + +2 = x ( ) + +2 = x Para covergêcia L = x < e, portato, existe covergêcia para x < = x (, ). Para termiar a aálise de f (x) devemos avaliar a covergêcia os extremos do itervalo de covergêcia. Para x = temos a série que é uma série harmôica e, portato, represeta uma série ( + ) divergete. Podemos também usar o Teste da itegral da seguite forma: g(x) dx = dx ( + x) = [L( + x)] 0 = L( + x) L = que também prova que f (x) é divergete em x =. ( ) Para x = temos o seguite: ( + ) que é uma série alterada. Usado o Teorema para séries alteradas temos o seguite: a ( ) = (+) que prova que f (x) é covergete em x =. Assim, foi provado que a série coverge em um dos extremos e diverge o outro extremo. Portato, o domíio de f (x) é o itervalo [, ). = 0 Em resumo, o exemplo 5 que foi propositalmete desevolvida de forma excessivamete detalhada, mostra que uma série de potêcias e a série obtida derivado essa série apresetam o mesmo raio de covergêcia e, portato, tem o mesmo itervalo aberto de covergêcia ( R, R) mas os extremos do itervalo de covergêcia podem apresetar características de covergêcia diferetes. Assim, por exemplo, o exemplo 7

8 5 a série origial coverge os dois extremos do itervalo de covergêcia mas a derivada diverge o extremo x =. Exemplo 6: Provar que e x = para todo valor de x. Iicialmete verificamos que coverge para todo x usado o teste da razão. u = x u + = x+ ( + )! = x x ( + ) L = u + u = x (+) = x + = x ( ) + = 0 Assim, foi provado que a série coverge para todos os valores de x e podemos escrever a relação: f(x) = (2.4) A cotiuação ecotramos uma relação matemática para f (x) da seguite forma: f(x) = + x + x2 2! + x3 3! x +... = (2.5) Da relação aterior ecotramos a forma matemática de f (x): f (x) = + x + x2 2! + x3 3! x ( )! + x +... = (2.6) Das relações (2.5) e (2.6) ecotramos o seguite: f (x) = f(x) = dy dx = y (2.7) Da relação (2.5) e lembrado que a fução que tem como derivada a própria fução multiplicado por um fator adicioal é a fução e x etão a solução de (2.7) é o seguite: y = f(x) = C e x Como f(0) = = = C e 0 = C = = f(x) = e x = f(x) = e x = 8

9 Exemplo 7: Mostre que y = x + é solução da equação diferecial d2 y dx 2 y + x = 0. A série de potêcias mostrada (que a verdade é igual a e x ) é covergete para todo x e, portato, y = x + é covergete para todos os valores de x. Ecotramos as derivadas de y da seguite forma: y = dy dx = + = + ( )! = + = + y = d2 y dx 2 = =2 ( ) 2 ( )! = =2 2 ( 2)! = = Agora substituímos y e y a equação diferecial: [ x + que prova que y é uma solução da equação diferecial. ] + x = 0 = 0 = Itegração de séries de potêcias As séries de potêcia também podem ser itegradas e a ova série ecotrada após a itegração também tem o mesmo raio de covergêcia da série origial. Este tópico ão é aalisado este trabalho e apresetamos apeas o Teorema 7 que relacioa uma série de potêcias e a itegral dessa série. Teorema 7: Sobre itegração de séries de potêcias: Seja c uma série de potêcias cujo raio de covergêcia é R > 0. Etão se f(x) é uma fução defiida pela relação f(x) = c, f(x) é itegrável em todo o subitervalo ( R, R) e podemos calcular a itegral de f(x) itegrado termo a termo a série de potêcias dada, isto é, se x está em ( R, R) etão x c + f(t)dt =. Além disso, o raio de covergêcia da série resultate é R. o Série (de potêcias) de Taylor Nesta seção aalisamos dois tipos muito especiais de séries de potêcias, isto é, a série de potêcias de Taylor e a série de potêcias de Maclauri. Seja f(x) uma fução defiida da seguite forma: f(x) = c = c 0 + c x + c 2 x 2 + c 3 x 3 + c 4 x c +... (2.8) 9

10 com raio de covergêcia R > 0. Pelo Teorema 6 da existêcia de derivadas de séries de potêcias para o itervalo ( R, R) sabemos que existem sucessivas derivadas de f(x). Assim, f(x) é ifiitamete derivável o itervalo ( R, R). Dessa forma, algumas derivadas de (2.8) são as seguites: f i (x) = c + 2c 2 x + 3c 3 x 2 + 4c 4 x c +... (2.9) f ii (x) = 2c 2 + (2).(3) c 3 x + (3).(4)c 4 x ( ) c (2.0) f iii (x) = (2).(3) c 3 + (2).(3).(4)c 4 x... + ( )( 2) c (2.) f iv (x) = (2).(3).(4)c ( )( 2)( 3) c (2.2). ode podemos verificar facilmete de que existem ifiitas derivadas. Em x = 0 as relações (2.8),(2.9),(2.0),(2.)e (2.2) assumem a seguite forma: f(0) = c 0 f i (0) = c f ii (0) = 2c 2 f iii (0) = (2).(3) c 3 f iv (0) = (2).(3).(4) c 4 = c 0 = f(0) c = f i (0) c 2 = f ii (0) 2! c 3 = f iii (0) 3! c 4 = f iv (0) 4! Assim, podemos geeralizar e ecotrar uma relação para c : c = f () (0) (2.3) Portato, (2.8) assume a seguite forma: f(x) = c = f(0) + f i (0)x + f ii (0) 2! x 2 + f iii (0) 3! x f () (0) +... = A série de potêcias (2.4) é chamada de série (de potêcias) de Maclauri. f () (0) (2.4) A série (2.4) pode ser geeralizada em (x a). Assim, cosideremos a fução f(x) da seguite forma: f(x) = c (x a) = c 0 + c (x a) + c 2 (x a) 2 + c 3 (x a) 3 + c 4 (x a) c (x a) +... (2.5) Se o raio de covergêcia dessa série é R > 0 etão f(x) é ifiitamete derivável o itervalo (a R, a+r). Dessa forma, as derivadas de (2.5) assumem a seguite forma: f i (x) = c + 2c 2 (x a) + 3c 3 (x a) 2 + 4c 4 (x a) c (x a) +... (2.6) f ii (x) = 2c 2 + (2).(3) c 3 (x a) + (3).(4)c 4 (x a) ( ) c (x a) (2.7) f iii (x) = (2).(3) c 3 + (2).(3).(4)c 4 (x a)... + ( )( 2) c (x a) (2.8) f iv (x) = (2).(3).(4)c ( )( 2)( 3) c (x a) (2.9). 0

11 Para x = a as relações (2.5),(2.6),(2.7),(2.8)e (2.9) assumem a seguite forma: f(a) = c 0 = c 0 = f(a) f i (a) = c = c = f i (a) f ii (a) = 2 c 2 = c 2 = f iii (a) 2! f iii (a) = (2).(3) c 3 = c 3 = f iii (a) 3! f iv (a) = (2).(3).(4) c 4 = c 4 = f iv (a) 4!. Assim, podemos geeralizar e ecotrar uma relação para c : c = f () (a) (2.20) Portato, (2.5) assume a seguite forma: f(x) = c (x a) = c 0 + c (x a) + c 2 (x a) 2 + c 3 (x a) 3 + c 4 (x a) c (x a) +... f(x) = c (x a) = f(a) + f i (a)(x a) + f ii (a) 2! f(x) = c (x a) = (x a) 2 + f iii (a) 3! (x a) f (a) (x a) +... f () (a) (x a) (2.2) A série de potêcias (2.2) é chamada de série (de potêcias) de Taylor. A figura mostra o itervalo de covergêcia da série de Taylor para x a < R. a R a x a + R ( ) Figura 2.: Itervalo de covergêcia da série de Taylor Exemplo 8: Ecotre a série de Maclauri para f(x) = se x A forma geral da série de Maclauri assume a seguite forma: f(x) = se x = f () (0)

12 Assim, os termos da série assumem a seguite forma: f (o) (x) = f(x) = se x = f (o) (0) = 0 f i (x) = cos x = f i (0) = f ii (x) = se x = f ii (0) = 0 f iii (x) = cos x = f iii (0) = f iv (x) = se x = f iv (0) = 0 f v (x) = cos x = f v (0) = f vi (x) = se x = f vi (0) = 0 f vii (x) = cos x = f vii (0) = f viii (x) = se x = f viii (0) = 0. Substituido a relação geral temos o seguite: f(x) = se x = x x3 3! + x5 5! x7 7! + x9 9! +... = ( ) x2+ (2 + )! Exemplo 9: Ecotre a série de Taylor para f(x) = se x em a A forma geral da série de Taylor assume a seguite forma: Da relação aterior temos o seguite: f(x) = se x = f () (a) (x a) (x a)2 (x a)3 (x a)4 se x = se a + cos a (x a) se a cos a + se a ! 3! 4! Pode-se verificar que a relação aterior se trasforma a série de Maclauri quado a = 0. Exemplo 0: Ecotre a série de Maclauri para f(x) = e x A forma geral da série de Maclauri assume a seguite forma: Neste caso temos o seguite: f(x) = e x = f () (0) f(x) = e x = f () (x) = e x = f (0) = e 0 = A relação aterior mostra que todas as derivadas são iguais a e x e essas derivadas em x = 0 valem. Assim, temos o seguite: 2

13 f(x) = e x = f () (0) = + x + x2 2! + x3 3! + x4 4! x +... = Exemplo : Ecotre a série de Maclauri para f(x) = cos x A forma geral da série de Maclauri assume a seguite forma: f(x) = cos x = Assim, os termos da série assumem a seguite forma: f () (0) f (o) (x) = f(x) = cos x = f (o) (0) = f i (x) = se x = f i (0) = 0 f ii (x) = cos x = f ii (0) = f iii (x) = se x = f iii (0) = 0 f iv (x) = cos x = f iv (0) =. Substituido a relação geral temos o seguite: f(x) = cos x = x2 2! + x4 4! x6 6! + x8 8! +... = ( ) x2 (2)! 2.6. Represetação adequada de uma fução pela série de potêcias Existe aida um tópico adicioal delicado e importate. Pretede-se saber se uma fução que é represetada por uma série de Taylor em x a e com raio de covergêcia R > 0 é represetada adequadamete pela série de potêcias para todos os valores de o itervalo (a R, a+r). Em outras palavras, queremos provar se uma série de potêcias realmete represeta uma fução f(x) o domíio represetado pelo itervalo de covergêcia da série de potêcias. Essa questão pode ser verificada usado o Teorema 8. Teorema 8: Usado para verificar se uma série de potêcias represeta adequadamete uma fução f(x): Seja f(x) uma fução derivável, assim como todas as derivadas (supor que f(x) é ifiitamete derivável) em algum itervalo (a R, a + R). Etão essa fução pode ser represetada por sua série de Taylor f () (a) (x a) para todo x tal que x a < R : R (x) = f (+) (ξ ) (+)! (x a) + = 0 ode cada ξ está etre x e a. A relação: 3

14 R (x) = f (+) (ξ ) (x a) + ( + )! é chamado de resto. Assim, f(x) = P + R (x) em que P é o poliômio de Taylor de grau de f(x) em a. Exemplo 2: Provar que a série de Maclauri do exemplo 8 represeta de forma adequada a fução f(x) = e x para todos os valores de x (lembrado que o itervalo de covergêcia da série é (, )). Sabemos que f(x) = e x = coverge para (, ). Queremos saber se a série de Maclauri represeta f(x) = e x para qualquer valor de x desse itervalo de covergêcia. Assim temos o seguite: R (x) = R (x) = f (+) (ξ ) + mas como f () (x) = e x = f (+) (ξ) = e ξ = ( + )! eξ (+)! x+ para ξ que está etre 0 e x. Pretedemos provar que: R (x) = 0: Existem três casos: () x > 0, (2) x < 0, e (3) x = 0.. Se x > 0: Sabemos que 2. Se x < 0: 0 < ξ < x = e ξ < e x = 0 < eξ + (+)! x < ξ < 0 = 0 < e ξ < Etão se + > 0 = 0 < Se + < 0 = x+ (+)! < eξ + (+)! < 0 = Como o 3. Se x = 0: + (+)! ( + )! x+ < ( ) = 0 = e x x+ (+)! eξ (+)! x+ < x+ (+)! = R (x) = 0 = R (x) e x ( + )! x+ = 0 = R (x) Nesse caso a soma da série é igual a que equivale a e 0 = e, portato, a série represeta e x para todos os valores de x. Obsevação: Na prova aterior usamos a relação: que a série + ( + )! é covergete. = 0 + (+)! = 0 = 0 = 0 como sedo válida porque já sabemos Na Tabela é apresetada a série de Maclauri das fuções mais simples e válida para todos os valores de x. 4

15 Tabela : Série de Maclauri de fuções matemáticas simples e x = = + x + x2 ( ) x 2+ Se x = (2 + )! Cos x = Seh x = Cosh x = ( ) x 2 (2)! 2! + x3 3! +... = x x3 3! + x5 5! x7 7! +... = x2 2! + x4 4! x6 6! +... x 2+ (2 + )! = x + x3 3! + x5 5! + x7 7! +... x 2 (2)! = + x2 2! + x4 4! + x6 6! Resolução de equações difereciais usado séries de potêcias Uma das pricipais aplicações das séries de potêcia acotece a resolução de equações difereciais com coeficietes variáveis. Assim, apresetamos de forma resumida esse tipo de aplicação. Seja a equação diferecial: a(t)y (t) + b(t)y (t) + c(t)y(t) = 0 (2.22) em que a(t) 0 para α < t < β e a(t), b(t) e c(t) são poliomios. É razoável supor que a solução seja um poliomio y(t) com coeficietes descohecidos. Assim, após substituir y(t) e as derivadas em (2.22) podemos ecotrar o valor dos coeficietes descohecidos. Adicioalmete, se ecotramos duas soluções y (t) e y 2 (t) com a forma poliomial mecioada e com W [y (t), y 2 (t)] 0 (sedo W o Wroskiao) etão qualquer solução pode ser escrita a forma geral y(t) = c y (t) + c 2 y 2 (t) e, portato, o problema se reduz a ecotrar as duas soluções y (t) e y 2 (t). Exemplo 3: Resolver a seguite equação diferecial: ( + t 2 )y (t) + 3t y (t) + y(t) = 0 Vamos supor que a solução da equação diferecial assume a seguite forma poliomial: y(t) = a o + a t + a 2 t 2 + a 3 t 3 + a 4 t a t +... Assim, as derivadas dessa suposta solução são as seguites: y (t) = a + 2 a 2 t + 3 a 3 t a 4 t a t +... y (t) = 2 a 2 + (2).(3) a 3 t + (3).(4) a 4 t ( ) a t ( + 2)( + ) a +2 t

16 Substituido as relações ateriores a equação diferecial temos o seguite: ( + t 2 )[2 a 2 + (2).(3) a 3 t + (3).(4) a 4 t ( ) a t ( + 2)( + ) a +2 t +...]+ 3t[a + 2 a 2 t + 3 a 3 t a 4 t a t +...] + [a o + a t + a 2 t 2 + a 3 t 3 + a 4 t a t +...] = 0 [2a 2 + a o ] + [a + 3a + (3).(2).a 3 ]t + [a 2 + (3).(2).a 2 + 2a 2 + (4).(3).a 4 ]t [a + 3 a + ( + 2)( + )a +2 + ( )a ]t +... = 0 Todos os coeficietes devem ser iguais a zero. Particularmete, para o coeficiete de t temos o seguite: a + 3 a + ( + 2)( + )a +2 + ( )a = 0 [ ]a + [( + 2)( + )]a +2 = 0 [ ]a + ( + 2)( + )a +2 = 0 = ( + )( + )a + ( + )( + 2)a +2 = 0 = ( + ) a +2 = ( + 2) a A relação aterior é chamada de fórmula de recorrêcia ou equação de difereças. Nessa relação, podemos ecotrar todos os valores de a se são cohecidos a o e a. Assim, podemos ecotrar duas soluções y (t) e y 2 (t) escolhedo em cada caso um par de valores para a o e a. Portato, geramos uma relação para y (t) usado os valores de a o = e a = 0 e também geramos uma relação para y 2 (t) usado os valores de a o = 0 e a = da seguite forma: Gerado y (t) com a o = e a = 0: Neste caso, todos os coeficietes impares, isto é, a, a 3, a 5,... são ulos porque a = 0. Para os coeficietes pares temos o seguite: a 2 = 2 a o = 2 a 4 = 3 4 a 2 = ().(3) (2).(4) a 6 = 5 6 a 4 = ().(3).(5) (2).(4).(6)... ().(3).(5).... (2 ) a 2 = ( ) = a 2 = ( ) ().(3).(5).... (2 ) (2).(4).(6).... (2) 2 = (().(2).(3).... ) ().(3).(5).... (2 ) a 2 = ( ) 2 = y (t) = ().(3).(5).... (2 ) ( ) 2 t 2 (2.23) Gerado y 2 (t) com a o = 0 e a = : Neste caso, todos os coeficietes pares são ulos. Para os coeficietes impares temos o seguite: a 3 = 2 3 a = 2 3 a 5 = 4 5 a 3 = (2).(4) (3).(5) 6 a 7 = 6 7 a 5 = (2).(4).(6) (3).(5).(7)...

17 a 2+ = ( ) (2).(4).(6).... (2) (3).(5).(7).... (2 + ) = 2 ( ) (3).(5).(7).... (2 + ) = y 2 (t) = ( ) 2 (3).(5).(7).... (2 + ) t2+ (2.24) Portato, a solução geral assume a seguite forma: y(t) = c y (t) + c 2 y 2 (t) e os valores dos coeficietes c e c 2 são ecotrados das codições iiciais ou das codições de cotoro (duas codições iiciais) Problemas propostos. Determie o itervalo de covergêcia das seguites séries de potêcia: x (a) x (c) (d) (e) (i) + (b) x (f) 2 2 (g) ( ) + x2 (2 )! 2 5 (x ) x (j) (k) L(+) 2. Determie o raio de covergêcia e o domíio de f(x) e f (x): x (a) x (b) x (c) 2 (d) 2 () (m) (x ) 3 (h) 4 +2 x 2 +3 (x+3) 2 3. Ecotre a série de Maclauri para se 2 x e para cos 2 x. Sugestão: use as idetidades: se 2 x = 2 ( cos 2x) e cos2 x = 2 ( + cos 2x). 4. Ecotre os três primeiros termos ão ulos da série de Maclauri para tg x. Use o resultado para ecotrar os três primeiros termos ão ulos da série de Maclauri para sec 2 x. 5. Ecotre a série de Maclauri para a fução coseo derivado a série de Maclauri para a fução seo. Também ecotre a série de Maclauri para a fução seo derivado a série da fução coseo. 6. Prove que a série 7. Prove que a série ( ) x 2+ (2+)! represeta o seh x para todos os valores de x. ( ) x 2 (2)! represeta o cosh x para todos os valores de x. 7

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries Departameto de Matemática - Uiversidade de Coimbra Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Exercícios Teórico-Práticos 200/20 Capítulo : Sucessões e séries. Liste os primeiros cico termos de cada uma das sucessões

Leia mais

Capítulo 5 Cálculo Diferencial em IR n 5.1 Definição de função de várias variáveis: campos vetoriais e campos escalares.

Capítulo 5 Cálculo Diferencial em IR n 5.1 Definição de função de várias variáveis: campos vetoriais e campos escalares. 5. Defiição de fução de várias variáveis: campos vetoriais e. Uma fução f : D f IR IR m é uma fução de variáveis reais. Se m = f é desigada campo escalar, ode f(,, ) IR. Temos assim f : D f IR IR (,, )

Leia mais

Neste capítulo, vamos estender o conceito de adição, válido para um número finito de parcelas, à uma soma infinita de parcelas.

Neste capítulo, vamos estender o conceito de adição, válido para um número finito de parcelas, à uma soma infinita de parcelas. 5. SÉRIES NUMÉRICAS Neste capítulo, vamos esteder o coceito de adição, válido para um úmero fiito de parcelas, à uma soma ifiita de parcelas. 5.: Defiição e exemplos: Série geométrica e série de Dirichlet

Leia mais

5n 3. 1 nsen(n + 327) e)

5n 3. 1 nsen(n + 327) e) Exercícios 1 Mostre, utilizado a defiição, que as seguites sucessões são limitadas: 2 4 50 a) b) 3 +16 1 5 3 2 c) 1 4( 1) 8 5 d) 100 5 3 2 + 2( 1) 1 4( 1) 8 1 se( + 327) e) f) 5 3 2 4 4 2 2 Mostre, utilizado

Leia mais

Secção 9. Equações de derivadas parciais

Secção 9. Equações de derivadas parciais Secção 9 Equações de derivadas parciais (Farlow: Sec 9 a 96) Equação de Derivadas Parciais Eis chegado o mometo de abordar as equações difereciais que evolvem mais do que uma variável idepedete e, cosequetemete,

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Exercícios de Matemática Polinômios

Exercícios de Matemática Polinômios Exercícios de Matemática Poliômios ) (ITA-977) Se P(x) é um poliômio do 5º grau que satisfaz as codições = P() = P() = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: a) P(0) = 4 b) P(0) = 3 c) P(0) = 9 d)

Leia mais

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x.

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x. 4. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4.: Defiição e coceitos básicos Defiição.: Uma equação diferecial ordiária é uma dy d y equação da forma f,,,, y = 0 ou d d ( ) f (, y, y,, y ) = 0, evolvedo uma fução icógita

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Disciplia: Séries e Equações Difereciais Ordiárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Ambiete Virtual de Apredizagem: Moodle (www.ead.ufpb.br) Site do Curso: www.mat.ufpb.br/ead

Leia mais

Equações Diferenciais (ED) Resumo

Equações Diferenciais (ED) Resumo Equações Difereciais (ED) Resumo Equações Difereciais é uma equação que evolve derivadas(diferecial) Por eemplo: dy ) 5 ( y: variável depedete, : variável idepedete) d y dy ) 3 0 y ( y: variável depedete,

Leia mais

( ) ( ) ( ) ( ) ( ) 3 - INTRODUÇÃO À RESOLUÇÃO DE SISTEMAS NÃO LINEARES. Introdução.

( ) ( ) ( ) ( ) ( ) 3 - INTRODUÇÃO À RESOLUÇÃO DE SISTEMAS NÃO LINEARES. Introdução. 55 3 - INTRODUÇÃO À RESOLUÇÃO DE SISTEMAS NÃO LINEARES. Itrodução. No processo de resolução de um problema prático é reqüete a ecessidade de se obter a solução de um sistema de equações ão lieares. Dada

Leia mais

Chama-se sucessão de números reais, ou sucessão, a uma aplicação de N R (por vezes considera-se Ν 0 = { }

Chama-se sucessão de números reais, ou sucessão, a uma aplicação de N R (por vezes considera-se Ν 0 = { } Aáli Matemática II ao lectivo 006/007 III- Séries. Sucessões ( breves revisões) Def.. Chama- sucessão de úmeros reais, ou sucessão, a Ν 0 ). u: N R uma aplicação de N R (por vezes cosidera- Ν 0 = { } Utiliza-

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA 5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Itegrar umericamete uma fução y f() um dado itervalo [a, b] é itegrar um poliômio P () que aproime f() o dado itervalo. Em particular, se y f()

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS, EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM SEPARÁVEIS, HOMOGÊNEAS, EXATAS, FATORES

Leia mais

Estimação por Intervalo (Intervalos de Confiança):

Estimação por Intervalo (Intervalos de Confiança): Estimação por Itervalo (Itervalos de Cofiaça): 1) Itervalo de Cofiaça para a Média Populacioal: Muitas vezes, para obter-se a verdadeira média populacioal ão compesa fazer um levatameto a 100% da população

Leia mais

FELIPE ANDRADE VELOZO REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE SISTEMAS DA MECÂNICA QUÂNTICA

FELIPE ANDRADE VELOZO REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE SISTEMAS DA MECÂNICA QUÂNTICA FELIPE ANDRADE VELOZO REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE SISTEMAS DA MECÂNICA QUÂNTICA Moografia de graduação apresetada ao Departameto de Ciêcia da Computação da Uiversidade Federal de Lavras como parte das exigêcias

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n PUCRS Faculdade de Matemática Equações Difereciais - Prof. Eliete Equações Difereciais Lieares de Ordem Cosideremos a equação diferecial ordiária liear de ordem escrita a forma 1 d y d y dy L( y( x ))

Leia mais

UNICAMP - 2004. 2ª Fase MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UNICAMP - 2004. 2ª Fase MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UNICAMP - 004 ª Fase MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Em uma sala há uma lâmpada, uma televisão [TV] e um aparelho de ar codicioado [AC]. O cosumo da lâmpada equivale

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS AT49-07 - CD 6-07 - PÁG.: APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGAÇÃO TAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTICOS J.. Cogo A.. C. de Oliveira IEE - EFEI Uiv. Taubaté Artigo apresetado o Semiário de Pesquisa EFEI 983 ESUMO Este

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

Uma hierarquia de testes de convergência de séries baseada no teorema de Kummer

Uma hierarquia de testes de convergência de séries baseada no teorema de Kummer Bol. Soc. Para. de Mat. Essays 3s. v. 29 2 20: 83 07. c SPM ISSN-275-88 o lie ISSN-0037872 i press SPM: www.spm.uem.br/bspm doi:0.5269/bspm.v29i2.285 Uma hierarquia de testes de covergêcia de séries baseada

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde?

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde? Até que tamaho podemos bricar de escode-escode? Carlos Shie Sejam K e L dois subcojutos covexos e compactos de R. Supoha que K sempre cosiga se escoder atrás de L. Em termos mais precisos, para todo vetor

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

Desigualdades (por Iuri de Silvio ITA-T11)

Desigualdades (por Iuri de Silvio ITA-T11) Desigualdades (por Iuri de Silvio ITA-T) Apresetação O objetivo desse artigo é apresetar as desigualdades mais importates para quem vai prestar IME/ITA, e mostrar como elas podem ser utilizadas a resolução

Leia mais

RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS.

RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS. RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS. No sistema de amortização Price, com as seguites hipóteses, ocorrerá cobraça

Leia mais

ESTUDO DA SECAGEM DE BANANAS ATRAVÉS DO MODELO DE DIFUSÃO USANDO SOLUÇÕES ANALÍTICAS

ESTUDO DA SECAGEM DE BANANAS ATRAVÉS DO MODELO DE DIFUSÃO USANDO SOLUÇÕES ANALÍTICAS WWWCONVIBRAORG ESTUDO DA SECAGEM DE BANANAS ATRAVÉS DO MODELO DE DIFUSÃO USANDO SOLUÇÕES ANALÍTICAS ANDRÉA F RODRIGUES 1, WILTON P SILVA 2, JOSIVANDA P GOMES 3, CLEIDE M D P S SILVA 4, ÍCARO CARVALHO RAMOS

Leia mais

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente;

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente; 2.1 Dê exemplo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamete crescete; (b) limitada e estritamete decrescete; (c) limitada e ão moótoa; (d) ão limitada

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Computação Científica - Departamento de Informática Folha Prática 1

Computação Científica - Departamento de Informática Folha Prática 1 1. Costrua os algoritmos para resolver os problemas que se seguem e determie as respetivas ordes de complexidade. a) Elaborar um algoritmo para determiar o maior elemeto em cada liha de uma matriz A de

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Vamos estudar o conceito de variabilidade absoluta considerando o conjunto de notas obtidas por cinco alunos:

Vamos estudar o conceito de variabilidade absoluta considerando o conjunto de notas obtidas por cinco alunos: Medidas de Disperção Itrodução: - Observamos ateriormete que as medidas de tedêcia cetral são usadas para resumir, em um úico úmero, aquele parâmetro que será o represetate do cojuto de dados. Estas medidas

Leia mais

4.4 Limite e continuidade

4.4 Limite e continuidade 4.4 Limite e continuidade Noções Topológicas em R : Dados dois pontos quaisquer (x 1, y 1 ) e (x, y ) de R indicaremos a distância entre eles por då(x 1, y 1 ), (x, y )è=(x 1 x ) + (y 1 y ). Definição

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas.

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas. !"$# &%$" ')( * +-,$. /-0 3$4 5 6$7 8:9)$;$< =8:< > Deomiaremos equação diofatia (em homeagem ao matemático grego Diofato de Aleadria) uma equação em úmeros iteiros. Nosso objetivo será estudar dois tipos

Leia mais

Curso Mentor. Radicais ( ) www.cursomentor.wordpress.com. Definição. Expoente Fracionário. Extração da Raiz Quadrada. Por definição temos que:

Curso Mentor. Radicais ( ) www.cursomentor.wordpress.com. Definição. Expoente Fracionário. Extração da Raiz Quadrada. Por definição temos que: Curso Metor www.cursometor.wordpress.com Defiição Por defiição temos que: Radicais a b b a, N, Observação : Se é par devemos ter que a é positivo. Observação : Por defiição temos:. 0 0 Observação : Chamamos

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Métodos Estatísticos de Previsão MÉTODOS ESTATÍSTICOS DE PREVISÃO. Regressão Linear. Bernardo Almada-Lobo

Métodos Estatísticos de Previsão MÉTODOS ESTATÍSTICOS DE PREVISÃO. Regressão Linear. Bernardo Almada-Lobo MÉTODO ETATÍTICO DE PREVIÃO 8 6 4 98 96 94 9 9 5 5 Regressão Liear Berardo Almada-Lobo Regressão A regressão é uma das técicas estatísticas mais potetes e de utilização mais frequete. É um método matemático

Leia mais

Intervalo de Confiança para uma Média Populacional

Intervalo de Confiança para uma Média Populacional Estatística II Atoio Roque Aula 5 Itervalo de Cofiaça para uma Média Populacioal Um dos objetivos mais importates da estatística é obter iformação sobre a média de uma dada população. A média de uma amostra

Leia mais

Equivalência entre holomorfia, analiticidade e teorema de Cauchy

Equivalência entre holomorfia, analiticidade e teorema de Cauchy Capítulo 6 Equivalêcia etre holomorfia, aaliticidade e teorema de Cauchy 6 Itrodução O resultado cetral deste capítulo é a equivalêcia etre holomorfia, aaliticidade e validade do Teorema de Cauchy Trata-se

Leia mais

+... + a k. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

+... + a k. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : cojuto dos úmeros aturais; = {,,, } : cojuto dos úmeros iteiros : cojuto dos úmeros racioais : cojuto dos úmeros reais : cojuto dos úmeros complexos i: uidade imagiária, i = z: módulo

Leia mais

ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES

ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES sid.ipe.br/mtc-m9/0/07.3..08-pud ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES Valdemir Carrara URL do documeto origial: INPE São José dos Campos 0 PUBLICADO POR: Istituto

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

5 Análise de sistemas no domínio da frequência. 5.1 Resposta em regime estacionário a uma onda sinusoidal

5 Análise de sistemas no domínio da frequência. 5.1 Resposta em regime estacionário a uma onda sinusoidal 5 Aálise de sistemas o domíio da frequêcia O termo resposta a frequêcia utiliza-se para desigar a resposta de um sistema, em regime estacioário, a uma oda siusoidal. Esta resposta, para o caso de um sistema

Leia mais

PRODUTO INTERNO Definição Considere V um espaço vetorial real. O produto interno sobre V é uma função

PRODUTO INTERNO Definição Considere V um espaço vetorial real. O produto interno sobre V é uma função PRODUTO INTERNO Defiição Cosidere m espaço etorial real O prodto itero sobre é ma fção : ( ) a R qe satisfaz as segites propriedades: PI (Positia Defiida) Para todo e se e somete se PI (Simétrica) Para

Leia mais

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shie - Colégio Etapa Artigo baseado em aula miistrada a IV Semaa Olímpica, Salvador - BA Nível Iiciate. A Torre de Haói é um dos quebra-cabeças matemáticos mais populares.

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Processamento Digital de Sinais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Processamento Digital de Sinais Uiversidade Presbiteriaa Mackezie Curso de Egeharia Elétrica Processameto Digital de Siais Notas de Aula Prof. Marcio Eisecraft Segudo semestre de 7 Uiversidade Presbiteriaa Mackezie Curso de Egeharia

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0. Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas. A obteção de uma

Leia mais

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta fixada

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Álgebra Linear Professor: André Luiz Galdino Aluno(a): 4 a Lista de Exercícios 1. Podemos entender transformações lineares

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

e: A HISTÓRIA E APLICAÇÃO DE UM NÚMERO

e: A HISTÓRIA E APLICAÇÃO DE UM NÚMERO e: A HISTÓRIA E APLICAÇÃO DE UM NÚMERO Ismaete Maria de Sousa Cuha Uiversidade Católica de Brasília RESUMO Este trabalho é um estudo sobre o Número e, que mostra o seu surgimeto em três épocas distitas.

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO Dr. Olívio Novaski Uiversidade Estadual de Campias - UNICAMP - DEF CP 6122 CEP 13083-970 CAMPINAS - SP - BRASIL MSc.

Leia mais

O período do pêndulo: Porque Galileu estava ao mesmo tempo certo e errado

O período do pêndulo: Porque Galileu estava ao mesmo tempo certo e errado UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UFMG DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA ICEx MONOGRAFIA PARA OBTENÇÃO DE TÍTULO DE ESPECIALISTA EM MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM CÁLCULO O período do pêdulo: Porque Galileu estava

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO CURSO DE MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA E GESTÃO ANÁLISE MATEMÁTICA I ELEMENTOS DE ANÁLISE REAL Volume Por : Gregório Luís I PREFÁCIO O presete teto destia-se a

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

MATEMÁTICA PARA CONCURSOS II

MATEMÁTICA PARA CONCURSOS II MATEMÁTICA PARA CONCURSOS II Módulo III Neste Módulo apresetaremos um dos pricipais assutos tratados em cocursos públicos e um dos mais temíveis por parte dos aluos: Progressão Aritmética e Progressão

Leia mais

I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO 1- INTRODUÇÃO GERAL. 1.1- Definição

I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO 1- INTRODUÇÃO GERAL. 1.1- Definição I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO - INTRODUÇÃO GERAL.- Defiição O cocreto armado é um material composto, costituído por cocreto simples e barras ou fios de aço. Os dois materiais costituites (cocreto

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Analisando o Risco de uma Carteira de Crédito via Simulações de Monte Carlo Resumo

Analisando o Risco de uma Carteira de Crédito via Simulações de Monte Carlo Resumo Aalisado o Risco de uma Carteira de Crédito via Simulações de Mote Carlo Resumo Neste trabalho, aalisamos a utiliação da metodologia CreditRis+ do Credit Suisse e sua adequação ao mercado brasileiro, com

Leia mais

Dos Produtos Notáveis ao Cálculo de Volumes

Dos Produtos Notáveis ao Cálculo de Volumes Dos Produtos Notáveis ao Cálculo de Volumes Roaldo B Assução Paulo C Carrião Departameto de Matemática, Uiversidade Federal de Mias Gerais CEP 3013-970 Belo Horiote (MG, Brasil roaldo@matufmgbr carrio@matufmgbr

Leia mais

Motivação e Definição..1. Factores Básicos...3. Constante...3. Factor derivativo e Integral...4. Factores Básicos...12

Motivação e Definição..1. Factores Básicos...3. Constante...3. Factor derivativo e Integral...4. Factores Básicos...12 ÍNDICE Motivação e Defiição.. Diagramas de Bode... Factores Básicos...3 Costate...3 Factor derivativo e Itegral...4 Factores de ª ordem...5 Factores de ª ordem...7 Sistemas de Fase míima e Não-Míima...

Leia mais

Projetos de Controle

Projetos de Controle Projetos de Cotrole EA7 - Prof. Vo Zube Cotrole do Pêdulo Ivertido com Carro.... Modelo matemático (pg. 7 das Notas de Aula).... Cotrole por realimetação de estados supodo acesso a todos os estados (CASO

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Funções reais de variável real

Funções reais de variável real Funções reais de variável real Função exponencial e função logarítmica 1. Determine a base de cada logaritmo. log a 36 = 2 (b) log a (25a) = 5 (c) log a 4 = 0.4 2. Considere x = log 10 2 e y = log 10 3.

Leia mais

a prova de Matemática do ITA 2001

a prova de Matemática do ITA 2001 a prova de Matemática do ITA 00 O ANGLO RESOLVE A PROVA DE MATEMÁTICA DO ITA É trabalho pioeiro. Prestação de serviços com tradição de cofiabilidade. Costrutivo, procura colaborar com as Bacas Examiadoras

Leia mais

Processamento Digital de Sinais

Processamento Digital de Sinais Processameto Digital de Siais Prof. Luciao Leoel Medes S. Mitra, Digital Sigal Processig A computer-based approach, 2 d editio. Capítulo Siais e Processameto de Siais Sial é uma fução de uma variável idepedete,

Leia mais

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015 1 CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagametos Data: 16/11/2015 Sumário/Ídice CRI - CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS... 1 SUMÁRIO/ÍNDICE... 2 1. OBJETIVO...

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Frações Contínuas, Representações de Números e Aproximações Diofantinas

Frações Contínuas, Representações de Números e Aproximações Diofantinas Frações Cotíuas, Represetações de Números e Aproximações Diofatias Carlos Gustavo T. de A. Moreira I M P A o Colóuio da Região Sudeste Abril de 0 Sumário Frações Cotíuas. Itrodução.....................................

Leia mais

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A Questão Em uma pesquisa, foram cosultados 00 cosumidores sobre sua satisfação em relação a uma certa marca de sabão em pó. Cada cosumidor deu uma ota de 0 a 0 para o produto, e a média fial das otas foi

Leia mais

Probabilidades. José Viegas

Probabilidades. José Viegas Probabilidades José Viegas Lisboa 001 1 Teoria das probabilidades Coceito geral de probabilidade Supoha-se que o eveto A pode ocorrer x vezes em, igualmete possíveis. Etão a probabilidade de ocorrêcia

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais